Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido"

Transcrição

1 Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Os direitos neste Aviso são-lhe garantidos ao abrigo da lei da Inglaterra e do Pais de Gales e estão em conformidade com a Directiva da UE 2012/13 nos direitos a informação durante processos criminais. Os seus direitos na esquadra de polícia estão sumarizados nesta página. Para mais informações consulte os parágrafos 1 e 11 nas páginas seguintes. Detalhes completos encontram-se no código de conduta C da polícia. 1. Informe a polícia se desejar obter a ajuda de um advogado enquanto se encontrar na esquadra. É um serviço gratuito. 2. Informe a policia se deseja informar a alguém que se encontra na esquadra. É um serviço gratuito 3. Informe a polícia se desejar consultar as regras, designadas por Códigos de Conduta. 4. Informe a polícia se necessitar de assistência médica. Informe a policia caso se sinta doente ou se estiver ferido. É um serviço gratuito. 5. Se lhe forem colocadas questões acerca da suspeita de um crime, não é obrigado a responder. Contudo, poderá prejudicar a sua própria defesa, se, durante o interrogatório, não mencionar algo que depois disser em tribunal. Tudo o que disser poderá vir a ser apresentado como prova. 6. A polícia deve dizer-lhe que crime é suspeito de ter cometido e o motivo pelo qual foi preso e está a ser detido. 7. A polícia deve permitir-lhe a si e ao seu advogado, acesso aos registos e documentos relacionados ao motivo pelo qual foi preso e está detido e relativos ao tempo que estiver na esquadra de polícia. 8. Se necessitar da ajuda de um intérprete, a polícia deve providenciar um. Poderá também ter certos documentos traduzidos. É um serviço gratuito. 9. Avise a polícia se não for Britânico e deseja contactar a sua embaixada ou consulado, ou se deseja que eles sejam avisados de que está detido. É um serviço gratuito. 10. A polícia deve informá-lo de quanto tempo eles podem mante-lo detido. 11. Se for formalmente acusado e o seu caso for levado a Tribunal, você ou o seu advogado terá direito a ver as provas da acusação, antes da audiência. Se tiver alguma dúvida em relação a qualquer um dos direitos acima mencionados, informe ao agente de custódia da polícia. Neste documento, encontrará mais informações sobre os seus direitos e o modo como deverá ser tratado e cuidado pela polícia. A presente versão do Aviso de Direitos e Regalias entra em vigor a 2 de Junho de 2014

2 Leia estas informações logo que possível e guarde-as para sua referência, pois irão ajudá-lo a tomar decisões enquanto se encontrar na esquadra. 1. Obter a ajuda de um Advogado Um advogado pode ajudá-lo e aconselhá-lo relativamente à lei. Pedir para falar com um advogado não irá dar a ideia de que fez algo errado O agente de custódia da polícia deve perguntar-lhe se deseja obter aconselhamento jurídico. É um serviço gratuito. A polícia deve permitir que fale com um advogado a qualquer momento, de dia ou de noite, enquanto se encontrar na esquadra. Normalmente, se tiver solicitado aconselhamento jurídico, a polícia não poderá colocar-lhe quaisquer questões até ter tido a oportunidade de falar com um advogado. Quando a polícia lhe colocar questões, pode solicitar a presença de um advogado na sala. Se informar a polícia de que não deseja obter aconselhamento jurídico mas depois mudar de ideias, informe o agente de custódia da polícia, que irá ajudá-lo a contactar um advogado. Se o advogado não comparecer ou não o contactar na esquadra, ou se precisar de falar novamente com o advogado, peça à polícia para voltar a contactá-lo. Aconselhamento jurídico gratuito sobre assuntos menores: Em certos casos que envolvam infrações menos graves, este está limitado a aconselhamento prestado por telefone por consultores qualificados da linha direta do Serviço de Defesa Criminal (Criminal Defence Service CDS), salvo se forem aplicáveis exceções limitadas em que é necessária a presença de um advogado na esquadra: ~ A polícia pretende colocar-lhe questões sobre um crime ou realizar uma identificação visual por testemunhas; ~ Precisa da ajuda de um «adulto apropriado». Consultar «Pessoas que necessitam de ajuda»; ~ Não lhe é possível comunicar por telefone; ou ~ Está a alegar má conduta grave por parte da polícia. Situações em que o aconselhamento jurídico gratuito não está limitado a aconselhamento por telefone da linha direta do CDS: Pode pedir para falar com um advogado que conhece e não terá de pagar pelo respetivo trabalho de auxílio jurídico. Se não conhecer um advogado ou não for possível contactar o advogado que conhece, pode falar com o advogado de serviço. É um serviço gratuito. O advogado de serviço não está associado à polícia. 2

3 Providenciar aconselhamento jurídico gratuito: A polícia irá contactar o Centro de Atendimento de Chamadas de Advogados de Defesa (Defence Solicitor Call Centre DSCC). O DSCC irá providenciar aconselhamento jurídico através da linha direta do CDS, do advogado que tiver solicitado ou do advogado de serviço. O DSCC e a linha direta do CDS são serviços independentes responsáveis pela prestação de aconselhamento jurídico gratuito e não estão associados à polícia. Se desejar pagar o seu próprio aconselhamento jurídico: Em todos os casos, poderá pagar pelo seu próprio aconselhamento jurídico se assim desejar. Em situações em que o aconselhamento jurídico gratuito esteja limitado a aconselhamento por telefone da linha directa do CDS, poderá falar com um advogado da sua preferência por telefone, se assim desejar, mas este aconselhamento jurídico não será pago e o advogado poderá pedir-lhe que efetue o respetivo pagamento. O DSCC irá contactar o seu próprio advogado em seu nome. Tem direito a uma consulta privada com o advogado da sua preferência por telefone ou o advogado poderá decidir visitá-lo na esquadra. Se não for possível contactar um advogado da sua preferência, a polícia poderá, ainda assim, contactar o DSCC para obter o aconselhamento jurídico gratuito do advogado de serviço. 2. Informar outrem de que se encontra na esquadra Pode pedir à polícia para contactar alguém que precise de saber que se encontra na esquadra. É um serviço gratuito. A polícia irá contactar essa pessoa por si logo que possível. 3. Consultar os Códigos de Conduta Os Códigos de Conduta são regras que especificam o que a polícia pode e não pode fazer, enquanto se encontrar na esquadra. A polícia irá permitir que leia os Códigos de Conduta mas não longamente, se tal atrasar o processo de investigação da polícia para se determinar se violou a lei. Se desejar ler os Códigos de Conduta, informe o agente de custódia da polícia. 4. Obter assistência medica caso esteja doente ou ferido Informe a polícia se estiver doente, se precisa de medicamentos ou se estiver ferido. A polícia providenciará um médico, enfermeiro ou outro profissional de saúde. É um serviço gratuito. Pode ser permitido que tome o seu próprio medicamento mas a polícia terá de verificar primeiro. Normalmente, será atendido por um enfermeiro, mas a polícia chamará um médico caso seja necessário. Pode pedir para ser atendido por um médico diferente, mas pode ser necessário pagar por isso. 3

4 5. O direito de ficar em silêncio Se lhe forem colocadas questões acerca da suspeita de um crime, não é obrigado a responder. Contudo, poderá prejudicar a sua própria defesa, se, durante o interrogatório, não mencionar algo que depois disser em tribunal. Tudo o que disser poderá vir a ser apresentado como prova. 6. Conhecer o motivo pelo qual foi preso e continua detido A polícia deve informá-lo da natureza do crime que eles suspeitam que tenha cometido. Isto inclui a hora e o local em que eles acham que o crime tenha sido cometido. A polícia deve informá-lo o motivo pelo qual acreditam que tenha cometido o crime e o motivo pelo qual acreditam que tinham necessidade de prendê-lo. Na esquadra de polícia, a polícia deve informá-lo de porquê acreditam que é necessário que seja detido. Antes que lhe seja colocada qualquer questão acerca do seu suposto envolvimento em qualquer crime, a polícia deve dar-lhe a si ou ao seu advogado informação suficiente relacionada ao que eles acham que possa ter feito, de modo a que se possa defender mas sem prejudicar a investigação policial. Esta medida aplica-se a qualquer outro delito que a polícia suspeita que tenha cometido 7. Acesso aos registos e documentos relativos a sua prisão e detenção Enquanto estiver detido na esquadra de polícia, a polícia deve: Registar no seu Registo de Custodia o motive e necessidade da sua prisão e o motivo pelo qual acreditam que deva ficar detido. Dar-lhe a si e ao seu advogado, acesso que consultem os registos. O agente de custódia da polícia organizará isto. Esta medida aplica-se a qualquer outro delito que a polícia suspeita que tenha cometido A polícia deve dar-lhe a si ou ao seu advogado, acesso a todos os documentos e materiais, para que possa contestar a legalidade da sua prisão e detenção. 4

5 8. Obter um intérprete e ter alguns documentos traduzidos para ajudá-lo Se não falar ou compreender inglês, a polícia irá providenciar a ajuda de alguém que fale a sua língua. É um serviço gratuito. Se for surdo ou tiver qualquer dificuldade de fala, a polícia irá providenciar a ajuda de um intérprete de língua gestual britânica. É um serviço gratuito. Se não falar ou compreender inglês, a polícia irá pedir ao intérprete que o informe dos motivos pelos quais está a ser detido e de qualquer crime de que seja acusado. Isto terá de ser feito sempre que a polícia decidir mantê-lo sob custódia. Depois de cada decisão de o manter sob custódia e depois de ter sido acusado de qualquer crime, a polícia deverá também facultar-lhe um registo na sua própria língua relativo aos motivos pelos quais está a ser detido e de qualquer crime de que tenha sido acusado, salvo se houver razões especiais para não o fazer, a saber: Se decidir que não precisa do registo para se defender porque compreende inteiramente o que está a acontecer e as consequências de renunciar ao seu direito de aceder ao registo e a polícia tiver permitido que pedisse ajuda a um advogado para tomar a sua decisão. Também deverá dar o seu consentimento por escrito; e Se uma tradução ou um resumo verbal através de um intérprete (em vez de uma tradução escrita) for suficiente para se defender e compreender inteiramente o que está a acontecer e se o agente de custódia o autorizar. Sempre que a polícia lhe colocar questões e não for feita uma gravação áudio, o intérprete irá registar as questões e as suas respostas na sua própria língua. Terá a oportunidade de verificar este registo antes de o assinar como um registo fiel. Se desejar prestar um depoimento à polícia, o intérprete fará uma cópia desse depoimento na sua própria língua para que o verifique e assine como correto. Também tem o direito a receber este Aviso traduzido. Se não houver uma cópia traduzida disponível, a informação deverá ser-lhe dada por meio de um intérprete e deverá receber uma cópia traduzida, sem demoras injustificadas. 9. Contactar a sua Embaixada ou Consulado Se não for de nacionalidade britânica, poderá informar a polícia de que deseja contactar o seu alto comissariado, embaixada ou consulado para os informar de onde está e do motivo pelo qual se encontra na esquadra. Estes poderão também visitá-lo em privado ou providenciar a visita de um advogado. 5

6 10. Por quanto tempo pode ser detido Normalmente, pode ficar detido durante até 24 horas sem ser acusado. Este período poderá ser mais prolongado mas só se o crime puder ser julgado por um juiz e por um jurado num tribunal da coroa e com a autorização do superintendente da polícia ou de um tribunal. Depois das 36 horas, só um tribunal poderá autorizar a polícia a detê-lo por mais tempo sem ser acusado. Por vezes, é necessário que um agente superior reveja o seu caso para ver se ainda é necessário mantê-lo na esquadra de polícia. A isto se chama uma revisão. A não ser que não se encontre apto a fazê-lo, tem o direito de se pronunciar quanto a esta decisão. De igual forma, o seu advogado tem o direito de se pronunciar quanto a esta decisão em seu nome. Se o agente que fizer a revisão não libertá-lo, deve ser informado do motivo pelo qual não foi solto e o motivo lavrado no seu registo de custódia. Se já não for necessário que fique detido deve ser solto. Quando a polícia pede ao tribunal que prolongue a sua detenção: Devem dar-lhe um aviso por escrito, informando-o de quando a audiência terá lugar e os motivos pelos quais visam prolongar a sua detenção. Deve ser trazido ao tribunal para a audiência. Tem o direito de ter um advogado consigo no tribunal. A polícia só será autorizada a mantê-lo sob custódia, se o tribunal acreditar que seja necessário e se a policia estiver a investigar o seu caso cuidadosamente sem demoras injustificadas. Se a policia tiver provas suficientes para envia-lo a tribunal, poderá ser acusado formalmente na esquadra de polícia ou por correio, para que se apresente ao tribunal para que ser julgado. 11. Acesso às provas caso o seu caso vá a Tribunal Se for acusado de um crime, deve-lhe ser permitido a si ou ao seu advogado, examinar as provas contra si, assim como as provas que possam ajudar na sua defesa. Isto deve ser feito antes do julgamento iniciar. Isto deve ser feito pela polícia e pelos Serviços de Acusação da Coroa que são responsáveis por providenciar o acesso a documentação e materiais relevantes. 6

7 Outras informações sobre a sua permanência numa esquadra O modo como deverá ser tratado e cuidado Seguem-se algumas observações breves sobre o modo como pode esperar ser tratado enquanto se encontrar na esquadra. Para mais informações, peça para consultar os Códigos de Conduta. Estes incluem uma lista sobre onde encontrar mais informações sobre cada um destes aspetos. Se tiver quaisquer questões, contacte o agente de custódia da polícia. Pessoas que necessitam de ajuda Se for menor de 18 anos, tiver dificuldades de aprendizagem ou problemas do foro mental, deverá contar com a presença de uma pessoa sempre que a polícia realizar determinadas tarefas. Esta pessoa será o seu «adulto apropriado». O seu adulto apropriado deverá encontrar-se consigo quando a polícia lhe ler os seus direitos e o informar do motivo pelo qual está detido na esquadra. Essa pessoa deverá também estar consigo quando a polícia lhe ler a sua advertência. O seu adulto apropriado poderá solicitar a presença de um advogado em seu nome. Se desejar, poderá falar com o seu advogado sem que o seu adulto apropriado esteja presente na sala. A polícia poderá precisar de proceder a uma das medidas abaixo listadas enquanto se encontrar na esquadra. O seu adulto apropriado deverá, exceto em circunstâncias especiais, acompanhá-lo sempre que a polícia realizar uma das seguintes ações: Interrogá-lo ou pedir-lhe que assine um depoimento escrito ou as notas da polícia; Remover mais do que as suas roupas exteriores para o revistar; Obter as suas impressões digitais, fotografias, amostra de ADN ou qualquer outra amostra; Realizar qualquer ação relativa a uma identificação visual por testemunhas. Deve ser dada a oportunidade ao seu adulto apropriado, de estar presente quer pessoalmente ou por telefone, quando a policia rever o seu caso para determinar se deverá permanecer detido. Se o seu adulto apropriado estiver disponível, eles devem estar presentes quando a polícia acusa-lo de qualquer crime. Obter informações sobre a sua permanência na esquadra Tudo o que lhe acontecer enquanto se encontrar na esquadra será registado num documento designado por Registo de Custódia (Custody Record). Ao sair da esquadra, você, o seu advogado ou o seu adulto apropriado poderão solicitar uma cópia do Registo de Custódia. A polícia tem de dar-lhe uma cópia do seu Registo de Custódia logo que possível. Pode solicitar à polícia uma cópia do seu Registo de Custódia até 12 meses após ter saído da esquadra. 7

8 Manter-se em contacto Além de falar com um advogado e informar uma pessoa da sua detenção, normalmente, será autorizado a fazer um telefonema. Informe a polícia se desejar fazê-lo. Também pode solicitar papel e uma caneta. Poderá receber visitas mas o agente de custódia tem o direito de não o autorizar. A sua cela Se possível, deverá permanecer na sua própria cela Deverá encontrar-se limpa, aquecida e iluminada. O colchão e a roupa da cama deverão encontrar-se limpos e em bom estado. Deverá poder utilizar uma casa de banho e lavar-se. Vestuário Se as suas próprias roupas lhe forem retiradas, a polícia deverá providenciar-lhe uma forma de vestuário alternativa. Alimentação Deverão ser-lhe oferecidas três refeições diárias, juntamente com bebidas. Poderá também tomar bebidas entre as refeições. Exercício Se possível, deverá ser autorizado a ir diariamente ao exterior para apanhar ar fresco. Interrogatório da polícia A sala deverá encontrar-se limpa, aquecida e iluminada. Não deve ser obrigado a estar de pé. Os agentes deverão indicar-lhe os respetivos nomes e patentes. Deverá ter um intervalo às horas das refeições e um intervalo para uma bebida após cerca de duas horas. Deverá ter direito a, pelo menos, oito horas de descanso por cada 24 horas que passar sob custódia. Necessidades Religiosas Se precisar de alguma coisa para ajuda-lo a praticar a sua religião enquanto estiver na esquadra. Eles podem fornecer-lhe livros e outros itens conforme necessário. 8

9 Situações em que as regras normais são diferentes Obter a ajuda de um advogado Há situações especiais em que a polícia precisa urgentemente de lhe colocar questões, antes de ter a oportunidade de falar com um advogado. Poderá encontrar mais informações sobre estas situações especiais nos Códigos de Conduta. Este documento define aquilo que a polícia pode e não pode fazer enquanto se encontrar na esquadra. Poderá encontrar estas informações no parágrafo 6.6 do Código C dos Códigos de Conduta. Há uma situação especial em que a polícia não o deixará falar com o advogado da sua preferência. Sempre que isto acontecer, deve poder escolher outro advogado. Poderá encontrar estas informações no anexo B do Código C dos Códigos de Conduta. Informar outrem de que se encontra na esquadra Há situações especiais em que a polícia não o deixará contactar outras pessoas. Poderá encontrar mais informações sobre estas situações especiais nos Códigos de Conduta. Poderá encontrar estas informações no anexo B do Código C dos Códigos de Conduta. Testes de alcoolemia Se tiver sido detido por um crime de condução sob efeito do álcool, tem o direito de falar com um advogado. No entanto, este direito não significa que pode recusar dar amostras de hálito, sangue ou urina, mesmo que ainda não tenha falado com o advogado. 9

10 Detenção ao abrigo da Lei da Saúde Mental de 1983 (Mental Health Act 1983) A polícia também pode deter pessoas numa esquadra para avaliação ao abrigo da Lei da Saúde Mental. Se tiver sido detido ao abrigo da Lei da Saúde Mental, isto não significa que foi preso por um crime. Significa que a polícia irá providenciar uma consulta para que seja visto por um médico e um profissional de saúde mental aprovado e qualificado irá realizar a avaliação. Deve ser avaliado no prazo de 72 horas (três dias) a contar do momento da sua chegada à esquadra mas a polícia irá tentar providenciar a avaliação logo que possível. Durante este período, a polícia poderá transferi-lo para um local mais apropriado para permitir que a avaliação seja realizada. Enquanto aguardar a sua avaliação, a polícia poderá providenciar uma consulta para que seja visto por um profissional de saúde aprovado. Este não poderá realizar a avaliação mas irá ajudá-lo com outras preocupações de saúde que possa ter e explicar-lhe em que consiste a avaliação. Visitantes de Custódia Independentes Há membros da comunidade que têm autorização para acesso às esquadras sem aviso prévio. São conhecidos por visitantes de custódia independentes e trabalham a título voluntário para assegurarem que todos os detidos são tratados de forma adequada e usufruem dos seus direitos. Não tem o direito de ver um visitante de custódia independente e não pode solicitar a visita de um deles. Se um visitante de custódia independente o visitar, enquanto se encontrar sob custódia, o mesmo estará a agir independentemente da polícia para verificar se o seu bemestar e os seus direitos estão a ser protegidos. Ainda assim, se não desejar, não terá de falar com eles. Apresentar uma reclamação Se desejar reclamar da forma como foi tratado, peça para falar com um agente que seja um inspetor ou de uma patente superior. Depois da sua libertação, poderá ainda apresentar uma reclamação em qualquer esquadra junto da Comissão Independente de Reclamações da Polícia (Independent Police Complaints Commission IPCC) ou através de um advogado ou do seu Membro do Parlamento, em seu nome. 10

CONHEÇA OS SEUS DIREITOS ENQUANTO VÍTIMA DE CRIME

CONHEÇA OS SEUS DIREITOS ENQUANTO VÍTIMA DE CRIME CONHEÇA OS SEUS DIREITOS ENQUANTO VÍTIMA DE CRIME Título: INFOVÍTIMAS: Conheça os Seus Direitos enquanto Vítima de Crime Autor: APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima Ilustrações: Último Take Composição

Leia mais

uma Europa para e com as Crianças Diretrizes do Comité de Ministros do Conselho da Europa sobre a justiça adaptada às crianças

uma Europa para e com as Crianças Diretrizes do Comité de Ministros do Conselho da Europa sobre a justiça adaptada às crianças m o n o g r a f i a 5 uma Europa para e com as Crianças Construir Diretrizes do Comité de Ministros do Conselho da Europa sobre a justiça adaptada às crianças Diretrizes do Comité de Ministros do Conselho

Leia mais

Direitos de Pais na Educação Especial. Departamento de Educação de New Jersey. Christopher D. Cerf Comissário da Educação

Direitos de Pais na Educação Especial. Departamento de Educação de New Jersey. Christopher D. Cerf Comissário da Educação Departamento de Educação de New Jersey Christopher D. Cerf Comissário da Educação Barbara Gantwerk Assistante do Comissário Divisão de Serviços de Campo e do Estudante Peggy McDonald Diretora Secretaria

Leia mais

Recorrer contra a investigação da polícia relativamente à sua reclamação

Recorrer contra a investigação da polícia relativamente à sua reclamação Estas informações estão relacionadas com reclamações recebidas pelas forças policiais em ou após 22 de novembro de 2012. Se a sua reclamação foi recebida antes de 22 de novembro de 2012, o seu recurso

Leia mais

Direitos e deveres no trabalho

Direitos e deveres no trabalho 1 Direitos e deveres no trabalho doméstico gami Grupo de Apoio às Mulheres Imigrantes 2 FICHA TÉCNICA Equipa Solidariedade Imigrante - Associação para a Defesa dos Direitos dos/as Imigrantes; DINÂMIA CET-IUL

Leia mais

Parte B Aviso de salvaguardas procedimentais para pais de estudantes com deficiências INFORMAÇÕES GERAIS

Parte B Aviso de salvaguardas procedimentais para pais de estudantes com deficiências INFORMAÇÕES GERAIS estudantes podem conseguir resolver esses problemas Parte B Aviso de salvaguardas procedimentais para pais de estudantes com deficiências Como pai/mãe, você está autorizado a conhecer as informações sobre

Leia mais

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas O que esperar do seu médico: um guia para pacientes Com base em boas práticas médicas Os pacientes recebem os melhores cuidados quando trabalham em parceria com os médicos. Este guia explica como pode

Leia mais

As disposições da UE em matéria de segurança social

As disposições da UE em matéria de segurança social Actualização 2010 As disposições da UE em matéria de segurança social Os seus direitos quando se desloca no interior da União Europeia Comissão Europeia As disposições da UE em matéria de segurança social

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS ÍNDICE USO ADEQUADO DE BENS E INFORMAÇÕES Nosso compromisso 3 Nosso objetivo e nossos valores 4 A quem o código se aplica 5 O que os funcionários devem fazer 6 O

Leia mais

BRASILEIRAS E BRASILEIROS NO EXTERIOR

BRASILEIRAS E BRASILEIROS NO EXTERIOR BRASILEIRAS E BRASILEIROS NO EXTERIOR Informações úteis Um dos aspectos mais evidentes da globalização é o grande fluxo de pessoas entre países e hemisférios. A ONU estima que atualmente existam cerca

Leia mais

N.º 06. Desaparecimentos Forçados ou Involuntários DIREITOS HUMANOS. Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004

N.º 06. Desaparecimentos Forçados ou Involuntários DIREITOS HUMANOS. Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N.º 06 Ficha Informativa Rev. 2 Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS Desaparecimentos Forçados ou Involuntários Procuradoria-Geral da República

Leia mais

GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS

GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS GUIA PARA PROCESSOS CRIMINAIS NOS ESTADOS UNIDOS Além do Guia para processos criminais nos Estados Unidos exposto a seguir, http://usinfo.state.gov/usa/infousa, http://thomas.loc.gov/ e www.uscourts.gov/understand02/

Leia mais

Lei Modelo da UNCITRAL sobre Arbitragem Comercial Internacional. Com as alterações adoptadas em 2006

Lei Modelo da UNCITRAL sobre Arbitragem Comercial Internacional. Com as alterações adoptadas em 2006 Lei Modelo da UNCITRAL sobre Arbitragem Comercial Internacional 1985 Com as alterações adoptadas em 2006 A Comissão das Nações Unidas para o Direito Comercial Internacional (UNCITRAL) é um órgão subsidiário

Leia mais

Fiscalizando e Investigando Situações relativas à tortura, tratamento cruel, desumano ou degradante e às condições prisionais

Fiscalizando e Investigando Situações relativas à tortura, tratamento cruel, desumano ou degradante e às condições prisionais Fiscalizando e Investigando Situações relativas à tortura, tratamento cruel, desumano ou degradante e às condições prisionais Um acompanhante de UKWELI: Fiscalizando e Investigando a Situação Relativa

Leia mais

Um Guia para pais E Educadores

Um Guia para pais E Educadores Um Guia para pais E Educadores Edição patrocinada por O meu manual de: Segurança infantil Desaparecimento de crianças Utilização da internet Com o Alto Patrocínio da Dra Maria Cavaco Silva M S I REGRAS

Leia mais

Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça. Normas e Princípios das Nações Unidas sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal

Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça. Normas e Princípios das Nações Unidas sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça Normas e Princípios das Nações Unidas sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal Brasília, DF 2009 Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça

Leia mais

Agir com integridade No mundo todo

Agir com integridade No mundo todo Código de Conduta Comercial Agir com integridade No mundo todo A coisa REAL O modo CERTO Aja com integridade. Seja honesto. Siga a lei. Cumpra o Código. Seja responsável. COCA-COLA PLAZA ATLANTA, GEORGIA

Leia mais

Escolas Públicas de Boston Código de Conduta Setembro de 2013

Escolas Públicas de Boston Código de Conduta Setembro de 2013 Escolas Públicas de Boston Código de Conduta Setembro de 2013 Aprovado 1982 Revisado e Aprovado 1992 Revisado 1993, 1994, 1995 e 2006, 2010 e 2013 Para trazer o Código em conformidade com M.G.L. Capítulo

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Protecção dos Direitos de Todos os Trabalhadores Migrantes e dos Membros das suas Famílias Preâmbulo

Convenção Internacional sobre a Protecção dos Direitos de Todos os Trabalhadores Migrantes e dos Membros das suas Famílias Preâmbulo Convenção Internacional sobre a Protecção dos Direitos de Todos os Trabalhadores Migrantes e dos Membros das suas Famílias Adoptada pela Resolução 45/158, de 18 de Dezembro de 1990, da Assembleia-Geral

Leia mais

ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1

ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1 ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1 CONTEÚDO 1. Introdução... 3 2. Glossário de termos... 4 3. Análise Geral do Quadro Constitucional e Estatutário... 5 4.

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/41 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.52) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Convenção Europeia. dos Direitos do Homem

Convenção Europeia. dos Direitos do Homem Convenção Europeia dos Direitos do Homem Convenção Europeia dos Direitos do Homem com as modificações introduzidas pelos Protocolos nos 11 e 14 acompanhada do Protocolo adicional e dos Protocolos nos 4,

Leia mais

Convenção contra a tortura e outro tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes

Convenção contra a tortura e outro tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes Convenção contra a tortura e outro tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes Adotada pela Resolução 39/46, da Assembléia Geral das Nações Unidas, em 10 de dezembro de 1984. Os Estados Partes

Leia mais

Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional. Artigo 1º Objecto

Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional. Artigo 1º Objecto Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional Artigo 1º Objecto A presente Convenção tem como objecto promover a cooperação para prevenir e combater mais eficazmente a criminalidade

Leia mais

Capítulo XII - Voos cancelados, atrasados e mudanças operacionais

Capítulo XII - Voos cancelados, atrasados e mudanças operacionais O transporte de Passageiros e bagagem fornecido por Aviateca S.A. é regido pelos seguintes termos e condições, além dos termos e condições impressas em qualquer bilhete, capa de bilhete ou bilhete eletrônico.

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO

CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO INTRODUÇÃO O presente documento é uma especificação da Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes, publicada pelo Ministério da Saúde e posteriormente, pela e pela

Leia mais

Acidentes de Trabalho

Acidentes de Trabalho União Geral Trabalhadores Acidentes de Trabalho Saiba como Agir Departamento de Segurança e Saúde [2] Nota Introdutória Teve um acidente de trabalho e quer saber com o que pode contar? Então consulte este

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PROTEÇÃO DE TODAS AS PESSOAS CONTRA O DESAPARECIMENTO FORÇADO. Preâmbulo

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PROTEÇÃO DE TODAS AS PESSOAS CONTRA O DESAPARECIMENTO FORÇADO. Preâmbulo CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PROTEÇÃO DE TODAS AS PESSOAS CONTRA O DESAPARECIMENTO FORÇADO Preâmbulo Os Estados Partes desta Convenção, Considerando a obrigação, imposta aos Estados pela Carta das Nações

Leia mais