Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo"

Transcrição

1 Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Génétiporc Agroceres PIC Mapa IMA ASEMG UFMG

2 Agradecimento Pelas Informações Dr Albert Rovira, VDL UMN Dr Montse Torremorell, SDEC UMN Dr Cesar Corzo, PIC EUA / América Latina José Piva, PIC EUA Dr Jer Geiger, PIC China Matt Ackerman, SVS Dr Han Soo Joo, UMN Márcio Gonçalves, KSU Dane Goede, UMN Dr. Bob Morrison, UMN Dr Fabio Vannucci, Microvet Websites interessantes e atualizados: AASV, ISU VDL, SDEC/UMN

3 Fotos cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA) Foto cortesia José Piva (EUA)

4 Todas as Idades são Susceptíveis Foto cortesia Dr Han Soo Joo, Univ. Minnesota

5 Impacto econômico para granja e para a suinocultura (alteração na oferta de suínos ao mercado) Impacto moral e pessoal envolvido Fotos cortesia José Piva, PIC EUA

6 Creche, Recria e Terminação Fotos cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA) 6

7 Introdução Vantagens competitivas da suinocultura brasileira: Livre dos vírus da Síndrome reprodutiva e respiratória dos suínos, Peste Suína Africana, Gastroenterite transmissível, Deltacoronavírus e Diarréia epidêmica dos suínos, entre outros Patógenos emergentes são coisa do Passado Presente Futuro (novos patógenos, novas variantes )

8 Siglas TGE Transmissible Gastroenteritis (Gastroenterite transmissível) PED Porcine Epidemic Diarrhea (Diarréia epidêmica dos suínos) PEDv vírus causador da PED SDCov Swine Deltacoronavirus (Deltacoronavírus suíno) SECoV Swine Enteric Coronvaviruses (Coronavirus entéricos dos suínos)

9 PEDv Global Maio 2013 Jul-Ago 2014 Janeiro Março Abril 2013 Outubro? Adaptado de Dr Corzo, 2014

10 Coronavirus Família: Coronaviridae Diarreia epidêmica suína (PEDv) Gastroenterirte Transmissível (TGEv) Encefalomielite aglutinante (HEv) Coronavirus respiratório suíno (PRCv) Deltacoronavírus suíno (SDCv) Genoma: RNA - Envelopado Proteínas: 4 estruturais: (S: spike), (N: nucleocapsídeo), (E: envelope), (M: membrana) 3 não estruturais

11 Prevalência por Status de PEDv nos EUA 2M mtz, 738 granjas Goede & Morrison, Novembro 2014

12 Queda da incidência de PEDv nos EUA: Clima ou POA na Ração?

13 Cadê o Milho? Preocupação PEDv?

14

15 No final do dia, ainda precisamos alimentar os suínos Dr Tokach

16 Possíveis Posturas de Produtores Sobre Riscos de PEDv via Ração/Ingredientes: Postura Avestruz Uso com cautela Não na minha ração Não aqui, não lá, não em lugar nenhum

17 Perguntas Sobre PEDv e Ração: Como descontaminar ração? Temperatura? Irradiar? Formol? Onde estocar ração, e a qual temperatura?? Quarentenar ração (silos adicionais)? Descontaminação de caminhões de ração? Lavadores de caminhão dedicados à fábricas de ração? Pedilúvio??

18

19

20 PEDv: epidemiologia aplicada Infectada em todas idades níveis de excreção (contaminação ambiental) transmissibilidade (R) período infeccioso no ambiente (T 1/2 ) Imunidade protetora ~ curta duração (?) = Potencial de transmissão indireta = necessidade de BIOSSEGURANÇA!

21

22 PEDv pode infectar macrófagos alveolares

23 PEDv: até 28 dias a 25ºC, 10 dias a 37ºC (Nelson et al., 2014) PEDv adaptado à cultura celular: seco em placas de petri e mantidos na temperatura indicada por até 49 dias. Amostras foram resuspensas e submetidos a re-isolamento em cultivo celular (cada ponto foi representado por 4 replicados).

24 IMPACTO DO PEDV NA PRODUTIVIDADE

25 Quantificando as Perdas Gráficos de controle estatístico de processo 1. Tempo para recuperar produtividade 2. Perdas totais (leitões não desmamados) Métodos detalhados: Linhares et al. Prev Vet Med (v116, P )

26 PEDv: Original vs. INDEL PEDv Original (124 granjas) Variante PEDv INDEL (3 granjas) Med TTBP (3DP) = 72% 12.6 sem Perda líq 2,6 leitões/mtz Méd TTBP (100%) = 38% 15.4 sem Perda líq 4,7 leitões/mtz Med TTBP (3DP) = 100% 4.3 sem Perda líq 0,4 leitões/mtz Med TTBP (100%) = 100% 6 sem Perda líq 0,9 leitões/mtz Dane Goede & Bob Morrison, 25 Julho 2014

27 Week 4 Week 5 Week 6 Week 7 Week 8 Week 9 Week 10 Week 11 Week 12 Week 13 Week 14 Week 15 Week 16 Week 17 Week 18 Week 19 Week 20 Week 21 Week 22 Week 23 Week 24 Week 25 Week 26 Week 27 Tempo para Estabilidade Weeks Post-Exposure Site 1 Site 2 Site 3 Site 4 Site 5 Site 6 Site 7 Site 8 Site 9 Site 10 Site 11 Site 12 Site 13 Site 14 Site 15 Site 16 Site 17 Site 18 Site 19 Site 20 Site 21 Site de 26 UPLs atingiram estabilidade Tempo para Estabilidade médio foi de 16,7 semanas (95%CI: 13,8-19,5 ) Tested: Positive Tested: Neg (too few litters) Tested: Negative Stable Dane Goede & Bob Morrison, 25 Julho 2014

28 Como Será a Recuperação da Produtividade a Nível Nacional??

29 Número de Desmamados/Parto nos EUA Whole Hog, 11 de Julho de 2014

30 Modos de Transmissão: Individual e Regional 1. Excretado pela via fecal, infecção pela via oral 2. Vírus altamente infeccioso e transmissível Permanece infeccioso em condições ambientais que outros vírus como PRRSv, TGEv, Aujeszky não toleram (14d, temperatura ambiente) Dose infecciosa mínima muito baixa 3. Transmissão indireta Caminhões (biossegurança do transporte) Pessoas Ar (até 16 Km) Pássaros! Ração, ingredientes???

31 Biossegurança Reversa: Roupas Descartáveis e Desinfecção do Carro Fotos Assayag Jr, 2014

32 Fatores de risco (24 granjas pareadas) Granjas positivas: > visitas de veterinários antes do surto 2x número de visitantes (empresa ou terceiros ) x entrada de veículos (troca gás, retirar carcaças/compostagem/lixo, etc) 10x maior introdução de animais de outros sítios 3.5x compartilhamento de equipamentos entre granjas 2.5x mais pássaros nas instalações Granjas negativas: 20% mais uso de desinfetante na rampa embarque após cada retirada leitões

33 PRINCÍPIOS PARA CONTROLE

34 Controle em Granja Sítio 1 Não existem vacinas eficazes Historicamente, vacinas contra Coronavírus tem baixa eficácia A melhor solução imunológica hoje é o feedback Controle é uma combinação entre 1. Fechamento de granja 2. Feedback a todos reprodutores 3. Limpeza e desinfecção 4. Redução da disseminação viral

35 Princípio de Fechamento de Granja Suscetíveis Infectados (infecciosos) Imunes Ausência de transmissão

36 Controle na Fase de Crescimento Biocontenção (!) Biossegurança Transporte Evitar contaminar frigoríficos Dedicar uma planta para sacrifício de animais PEDv positivos? Dedicar carretas para fluxos positivos?

37 RECADOS FINAIS

38 Diagnóstico no Brasil PCR: Microvet, UFMG, CEDISA/Embrapa Concórdia Dr Vannucci et al., 2014 SBSS

39 Fechar as Portas de Entrada Suínos importados: Quarentena: isolamento, sintomatologia Epidemiologia: saber status das origens Diagnóstico: PCR (excreção) & Sorologia (exposição prévia) Já disponívies no Brasil! Pessoas Vazio mínimo 10 dias (vírus permanece viável em temperatura ambiente por 1-2 semanas) Suprimentos Própria desinfecção Produtos de origem animal na ração sangue, plasma, farinhas: cautela neste momento (testes, procedimentos) Cercas, controle possível contato com Silvestres

40 Soluções Produtor: Implementação Boas Práticas de Biossegurança Fortalecer cultura de biossegurança em granjas Cultura de hoje: minha granja já é positiva Necessidade sim de quarentenas, avaliações sanitárias, Fluxos unidirecionais e em camadas Lavação (e descontaminação) apropriada de salas Biossegurança de transporte (abate, refugos, ) Limitar ao máximo entrada de animais! E de pessoas Conhecer vizinhos, estabelecer canais de comunicação veterinário-para-veterinário (Vet-to-Vet) Auditor biossegurança sistema Atento/educado sobre sinais clínicos suspeitos de desafios exóticos (pronto Dx) Outros: manejo eficiente de colostro, exposição de leitoas, troca de agulhas, tratamento individual de animais, manejo vacinações, todos dentro-todos fora, partos em banda, etc

41 Soluções e Contigências Setor Comércio ilegal subprodutos, carnes, animais, alimentos (caso PSA) Suídeos selvagens Profissionais da suinocultura em contato com Silvestres (Caça, Acampamentos, Fazendas, etc) Ingredientes de origem animal na ração (?): monitoramento, e ações baseadas em ciência Uso de subprodutos orgânicos para alimentação de suínos Uso consciente antimicrobianos Soluções imunológicas Sistema rastreabilidade animais de produção (granjas até frigorífico) Treinamento profissionais de campo e produtores

42 Soluções e Contigências Setor Monitoramento ativo patógenos: suínos e outras espécies Quem paga a conta? Granja, - Estudos genômicos de patógenos (circulação da mesma E.coli ou Staphylococcus em suínos comerciais vs. selvagens?) Estado, Associação Sequenciamento genômico de amostras estratégicas: estamos deixando de detectar algo importante? - Equipagem de laboratórios para testes rápidos e kits pré-validados para uma bateria de patógenos exóticos Produtores? Amostragem estratégica de pessoas e animais de alto risco Capitalização de - Vindos exterior, contato com silvestres (caça, pesquisa, trabalho), vet. campo multi espécies, animais domésticos em contato com natureza Capacitação de rede de Laboratórios Diagnóstico Veterinário Associação(ões) (ex.: ABCS, - Testes rápidos, precisos, baratos, a nível de baia, modernização contínua Contingências: definições de casos suspeitos, positivos e ações a serem desencadeadas ABEGS, ABPA...) para viabilizar - Estímulo e facilitação da identificação precoce

43 Muito obrigado pela atenção Os homens de grande sucesso no mundo usaram sua imaginação eles pensaram no amanhã, e desenharam um plano, que foi sendo melhorado aqui e ali, mas sempre avançando, sempre avançando Veja as coisas como você gostariam que elas fossem ao invés de como elas de fato são -Robert Collier Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD PEDv Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Agroceres PIC Agradecimentos pelas informações Dr Albert Rovira,

Leia mais

Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos

Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos Entendendo os Riscos Sanitários da Produção de Suínos Daniel Linhares, DVM, MBA, PhD Agroceres PIC 335 Patógenos Emergiram nas

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo

Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo Diarréia Epidêmica Suína PED é causada por um coronavírus (PEDV) PEDV causa diarréia e vômito em suínos de todas as idades Mortalidade

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Situação epidemiológica e medidas de preparação Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Vírus Ebola Família Filoviridae, gênero Ebolavirus A primeira espécie de

Leia mais

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas A Suinocultura Norte Americana José Henrique Piva PIC Americas Meus objetivos com esta apresentação Dar uma visão das principais mudanças, oportunidades e desafios enfrentados pela industria suína. Mostrar

Leia mais

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Gerência Geral de Instalações e Serviços de Interesse Sanitário, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras 18 e 19 de junho de

Leia mais

"Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor

Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor "Se quer paz, prepara-se para guerra Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário rio Departamento de Saúde Animal, Diretor 8.514.876 km 2 202.828.531 habitantes 27 Unidades da Federação

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

Workshop PED MAPA, ABCS e Embrapa. Percepções da agroindústria: Desafios e oportunidades

Workshop PED MAPA, ABCS e Embrapa. Percepções da agroindústria: Desafios e oportunidades Workshop PED MAPA, ABCS e Embrapa Percepções da agroindústria: Desafios e oportunidades Mário Sérgio Assayag Jr., M.V., D.Sc. Março/2014 » Doença entérica de maior importância econômica já reportada» Introdução

Leia mais

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuária Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país Preparação Para o Exercício de Mesa e Simulado do Ebola Marcus

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL

INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL Claudia Valéria Gonçalves Cordeiro de Sá Fiscal Federal Agropecuário, Médica Veterinária, D.Sc. Cuiabá, 22 de outubro de 2015 Sumário 1.Introdução

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Sanidade Suídea Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 1º Curso de Epidemiologia Aplicada Rio de Janeiro, 16 a 27 de março de 2008. BASE LEGAL ATO ADMINISTRATIVO DE 05

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS As atividades do Programa Nacional de Sanidade Suídea (PNSS) têm como objetivo a coordenação, normatização e o suporte das ações de defesa sanitária animal referentes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização Subsecretaria de Vigilância em Saúde VIGILÂNCIA DA DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Definição dos Casos de DVE segundo OMS Caso Suspeito: Indivíduos procedentes, nos últimos 21 dias,

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira Tortuga O.I.E. e O.M.C. Foram criados dois organismos internacionais,

Leia mais

"suínos" significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens

suínos significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens Página: 1 de 6 Os requisitos de saúde animal para carne de porco etc. a exportar de para o Japão, são os seguintes: (Definições) No âmbito destes requisitos de saúde animal: "carne etc." significa carne

Leia mais

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil?

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil? 1. O que é influenza aviária? A influenza aviária (IA) também conhecido como gripe aviária é uma doença altamente contagiosa, transmitida pelo vírus da influenza tipo A, que ocorre principalmente em aves

Leia mais

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX.

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. Plano de Vigilância da Febre do Nilo Ocidental Direcção Geral de Veterinária Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal PORTUGAL Página 1 de 6 Plano de Vigilância Febre do Nilo Ocidental I - Introdução

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Maria Rita Ramos Amador Direcção Geral de Veterinária, DSSPA-DPPS Fórum Internacional

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 63, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES

Leia mais

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Rio de Janeiro 11 de novembro de 2014 Epidemiologia O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em

Leia mais

Proposta Comercial. Projeto PRO-SUI. Cliente: CIDASC

Proposta Comercial. Projeto PRO-SUI. Cliente: CIDASC Projeto PRO-SUI Cliente: CIDASC 1. Introdução Este documento apresenta as características para a construção do sistema para o projeto PRO- SUI. O público ao qual este documento se destina abrange os interessados

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

A nova reprodução começou

A nova reprodução começou A nova reprodução começou Alta competitividade é a marca do nosso tempo. Na suinocultura, ela vem significando um crescente dinamismo tecnológico, exatamente para renovar as vantagens competitivas da cadeia

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE) (2010/734/UE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) (2010/734/UE) L 316/10 Jornal Oficial da União Europeia 2.12.2010 DECISÃO DA COMISSÃO de 30 de Novembro de 2010 que altera as Decisões 2005/692/CE, 2005/734/CE, 2006/415/CE, 2007/25/CE e 2009/494/CE no que diz respeito

Leia mais

SUP E RINT E NDÊ NCIA DE VIG IL ÂNCIA E M SAÚDE

SUP E RINT E NDÊ NCIA DE VIG IL ÂNCIA E M SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. 136, s/nº, Qd.F44, Lt 22 a 24, Edf. César Sebba, Setor Sul,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE é o estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos, por meio da diminuição de ocorrência de doenças em uma determinada população. PROGRAMAS

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE SUÍNOS Sistema de produção Produtividade Monitorias Sanitária Limpeza e desinfecção Manejo do leitão Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Secretaria de Estado da Saúde do Paraná Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Resposta

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Rinite atrófica dos suínos J. R. F. Brito I. A. Piffer M. A. V. P. Brito 1 A renite atrófica dos

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

Protocolo de Vigilância da doença pelo vírus Ebola no Estado de São Paulo. Gizelda Katz Central/CIEVS- CVE Prof. Alexandre Vranjac

Protocolo de Vigilância da doença pelo vírus Ebola no Estado de São Paulo. Gizelda Katz Central/CIEVS- CVE Prof. Alexandre Vranjac Protocolo de Vigilância da doença pelo vírus Ebola no Estado de São Paulo Gizelda Katz Central/CIEVS- CVE Prof. Alexandre Vranjac Epidemiologia da Doença Distribuição geográfica de surtos de Ebola em humanos

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

Entrevista com Alexandre Leitão

Entrevista com Alexandre Leitão Entrevista com Alexandre Leitão Doutorado em Ciências Veterinárias, investigador no Instituto de Investigação Científica Tropical no domínio da infecciologia veterinária, Alexandre Leitão, tem nos últimos

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORMAÇÃO MEDIDAS DE BIOSEGURANÇA Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Descoberta: 1976 Dois focos simultâneos, emnzara, Sudão

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

1 As mudanças na agricultura

1 As mudanças na agricultura MANEJO DE QUALIDADE NA GRANJA, SEGURANÇA ALIMENTAR PRÉ-ABATE E CERTIFICAÇÃO DA INDÚSTRIA SUINÍCOLA Th. G. Blaha University of Minnesota College of Veterinary Medicine, St. Paul, MN 55108, EUA Resumo Comparada

Leia mais

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Capítulo 7.7 Lizie Buss Med Vet Fiscal Federal Agropecuário Comissão de BEA/MAPA Conceito de bem-estar animal OIE Como um animal está se ajustando as condições

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública

Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública Supervisão Regional de Pelotas - SEAPA Objetivos do Serviço Veterinário Oficial * Promoção da saúde animal * Prevenção, controle

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 36, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE Coordenadoria ESPAÇO RESERVADO de Formação PARA Profissional Rural O NOME DO PROJETO SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE CNA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil representação

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

Epidemia pelo Vírus Ébola

Epidemia pelo Vírus Ébola Epidemia pelo Vírus Ébola O vírus Ébola é neste momento uma das grandes ameaças virais em África e está a espalhar-se para outros Continentes. Actualmente são conhecidas quatro estirpes do vírus, e já

Leia mais

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999.

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1)

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1) AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1) Providências adotadas pelas autoridades brasileiras

Leia mais

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9)

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) SOBRE O VÍRUS INFLUENZA A (H7N9) O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral A (H7N9) não havia sido

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) OUTRAS DOENÇAS CAPÍTULO 2.10.1 Zoonoses Transmissíveis por Primatas não Humanos Artigo 2.10.1.1. Introdução Há cerca de 180 espécies diferentes de primatas não humanos pertencentes a duas subordens divididas

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) DEFINIÇÕES GERAIS E NOTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS ANIMAIS CAPÍTULO 1.1.1 Definições gerais Artigo 1.1.1.1. Para os fins do Código Sanitário paraanimais Terrestres: Abate Qualquer procedimento que cause a morte

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910

Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910 Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910 Versão 1- Atualizado em 18/Nov/2011 1. O que é o Protocolo HVTN 910? O Protocolo HVTN 910 é um estudo clínico que avaliará por quanto tempo vacinas experimentais

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03

FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03 FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03 N.º FORM-IN N.º estadual do foco N.º nacional do foco Ano U.F. Página: 1 de 5 Se for o caso, assinalar na lacuna à direita o número

Leia mais