Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos"

Transcrição

1 Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos

2 Entendendo os Riscos Sanitários da Produção de Suínos Daniel Linhares, DVM, MBA, PhD Agroceres PIC

3 335 Patógenos Emergiram nas Últimas 6 Décadas (Média 5/Ano) Maioria de origem viral ou bacteriana Jones et al., 2008, Nature 451:21

4 Patógenos Emergem em Todos os Continentes Recente: Ebola (11K), MERv, Chikungunya, H5N2 Suínos: PEDvs, DeltaCoronavirus, PRRSv Jones et al., Nature 451:21

5 Fatores que Favorecem na Emergência Global de Patógenos 1. Evolução natural de patógenos 2. Fatores que facilitam contágio > Demografia e comportamento > Trânsito / contato internacional > Bioterrorismo > Uso inapropriado de antimicrobianos > Interação entre homens e animais domésticos ou de produção com meio silvestre > Pressão por maior produtividade > Monocultura global de suínos 3.Ambiente > Alterações climáticas e/ou do ecossistema > Desenvolvimento econômico e exploração agrária > Pobreza e desigualdade social > Ineficiência de serviços de saúde pública para todos Adaptado de Morens & Fauci, PLOS Pathogens, 2013; Harding, IPVS 2014, Linhares & Vannucci, Suinos & cia, 2012.

6 O Mundo é Pequeno ~ de suínos movimentados por dia (EUA) 71% suínos transportados UPL crescimento em outro local 50% produção de leitões provém de 4 estados (NC, IA, MN e IL) (USDA 2010) Hufnagel et al. (2004)

7 Animais domésticos Origem das Doenças Difteria, Influenza, Cachumba, Coqueluche, Sarampo, Rotavirus, Varíola, Tuberculose Roedores Peste bulbônica, Tifo Silvestres Marburg, Ebola Primatas? Hepatite B, AIDS, Malária vivax, Febre Amarela Rubéola, Sífilis, Tétano, Febre tifóide Fonte: Wolfe & colaboradores

8 Adaptado de Wolfe, Dunavan & Diamond, 2007 Fases de Adaptação Evolutiva de Patógenos de Animais para Humanos Fase 5 transmitido somente entre humanos (HIV, Malária falciparum, Sarampo, Rubeola, Sífilis, Cachumba) Fase 4 transmitido entre animais e entre humanos de forma independente (Dengue, Chagas, Febre amarela, Cólera, Influenza, Febre Maculosa) Fase 3 transmitido para humanos e entre humanos, porém de forma lenta (Ebola, Marburg, Varíola macacos) Fase 2 transmitido para humanos, não entre humanos (Raiva, Antrax, Nipah, Tularemia, West Nile) Fase 1 em animais, não em humanos (TGE, PRRS, maioria das Malárias)

9 Gerenciar risco de introdução de novos patógenos na suinocultura Suinocultura significa reduzir contatos de suínos com possíveis fontes infecciosas

10 Quanto custa infecção por patógenos? IMPACTO ECONÔMICO DE INFECÇÕES

11 Impacto Econômico de Enfermidades Patógeno Custo Referência PRRS US $ 4.67 / leitão Holtkamp et al. JSHAP 2013 US $ / matriz PRRS US $ / leitegada (epidemia) Neumman et al. JAVMA 2005 US $ 6.01 / leitão na creche US $ 7.67 / leitão na terminação US $ 5.60 / leitão PRRS US $ 5.57 / leitão Haden et al. AASV 2012 Influenza US $ / leitão Donovan. AASV 2008 Influenza US $ 3.23 / leitão Haden et al. AASV 2012 M hyopneumoniae US $ 0.63 / leitão Haden et al. AASV 2012 M hyopneumoniae US $ 4.08 / leitão Thacker et al. Fact Sheet Pork Information Gateway M hyopneumoniae AU $ 2.08 / leitão Pointon et al. Aust Vet J PRRS + Mhyop US $ 9.69 / leitão Haden et al. AASV 2012 PRRS + Influenza US $ / leitão Haden et al. AASV 2012 Influenza + Mhyop US $ / leitão Haden et al. AASV 2012 Lawsonia 2-7 / leitão McOrist et al. Vet Rec Lawsonia / leitão McOrist. Vet J Lawsonia >100 / matriz Mauch et al. Vet J Disenteria Suína US $ 8.3 custo medicação / leitão McKean et al. Fact Sheet Pork Information Gateway Compilado por Dr Cesar Corzo, PIC, 2013

12 Doenças Listadas pela OIE (2014) Doenças afetando múltiplos patógenos Antrax Doença de Aujeszky Brucelose Febre Aftosa Raiva Encefalite Japonesa Trichinelose Estomatite vesicular Diarreia Viral Bovina Portal OIE (Outubro 2014) Doenças específicas para suínos Peste Suína Africana Peste Suína Clássica Encefalite pelo vírus Nipah Cisticercose suína Vírus da PRRS Doença Vesicular dos Suínos Vírus da TGE Doenças importantes não listadas OIE: PED, SDCo, Influenza (H*N*) Doenças menos importantes não listadas OIE: Torque teno sus; Menangle porcine; Bungowannah;

13 Patógenos Potencialmente Importantes para a Suinocultura Ebola? Nipah Novos Parvovirus Calicivirus entéricos suínos (Sapovirus, Norovirus) Astrovirus suíno Torovirus suíno Aichivirus Herpesvirus linfotróficos Picobirnavirus Seneca Valley virus Novas Brachyspiras

14 Suinocultura no Brasil Gargalos e entraves

15 Imunidade gerada contra um No isolado meu caso, protege biossegurança contra não todos importa os isolados? muito: minha granja já é positiva Não necessariamente (Cano et al., 2007; Romagosa et al., 2011; Murtaugh et al., 2010; Linhares et al., 2013; Vannucci et al., 2013)

16 Uso Imprudente de Antimicrobianos Favorece a Seleção de Resistentes Uso estratégico: tiro certeiro : solução efetiva Uso inconsciente: tiro no escuro : solução x problema Outras desvantagens do uso indiscriminado (não consciente) de antimicrobianos: Custo Baixa imunidade Desvio de mão de obra

17

18 O pessimista reclama do vento; o otimista espera que o vento mude de direção; e o realista [proativo] ajusta as velas - William Arthur Ward

19 Mãos à obra SOLUÇÕES

20 Saúde Animal: Tema de Importância Crescente na Competitividade da Suinocultura Uso de antimicrobianos Fluxos contínuos Múltiplas origens Escassa M.O. q ldd Biosseg. granja Biosseg. transporte Doenças reemergentes e/ou emergentes no Brasil e no mundo. Brasil: S. cholerasuis, P. multocida (novas cepas), Brachyspiras, Influenzas, PNET (controle nacional: Peste Suína Clássica, Aftosa). Exóticas de peso : PEDv, TGEv, PRRSv, DeltaCorona, novas Influenza, PSAv. Novos patógenos??? Aclimatação precoce para as leitoas, imunidade do rebanho TD-TF, mistura origens nos lotes crescim. Produção leitegadas robustas, pesadas ( fortes ) Suínos resistentes à doenças (avanço genômico) Eficiente dissem. de genes, fluxo animais Biossegurança!!!!! Interna, externa, transporte = remodelação da nossa suinocultura similar EUA nos anos : > UPLs, novas instalações creche-recria-terminação (WF?), modernização instalações, planos de contingência (nível produtor, sistemas, país), decisões (cada vez mais) baseadas em ciência (experimentação, validação a campo) e uso prudente de antimicrobianos

21 Ilha de Cananéia, SP Monitoramento oficial interno e Proteção de barreiras do país Legislação MAPA IN 19, IN 08, IN 63 Associação com Empresas Zona de Genética III - ABEGS Importação de Zona suínos II vivos Administrativa Quarentena oficial Exames laboratoriais Zona I Recepção Exames clínicos Proteção Zona IV Quarentena

22 Soluções para o Produtor: Implementação de Boas Práticas de Biossegurança Fortalecer cultura de biossegurança em granjas Cultura de hoje: minha granja já é positiva Necessidade sim de quarentenas, avaliações sanitárias Fluxos unidirecionais e em camadas Lavação (e descontaminação) apropriada de salas Biossegurança de transporte (abate, refugos, ) Limitar ao máximo entrada de animais (e pessoas)! Conhecer vizinhos, estabelecer canais de comunicação veterinário-paraveterinário (Vet-to-Vet) Auditor para o sistema de biossegurança Atento/educado sobre sinais clínicos suspeitos de desafios exóticos (pronto diagnóstico/ações) Outros: manejo eficiente de colostro, exposição de leitoas, troca de agulhas, tratamento individual de animais, manejo de vacinações, todos dentro-todos fora, partos em banda, etc

23 Soluções e Contigências Setor Comercio ilegal de subprodutos, carnes, animais, alimentos (caso PSA) Suídeos selvagens Profissionais da suinocultura em contato com silvestres (caça, acampamentos, fazendas, etc) Ingredientes de origem animal na ração (?): monitoramento e ações baseadas em ciência Uso de subprodutos orgânicos para a alimentação de suínos Uso consciente de antimicrobianos Soluções imunológicas Sistema de rastreabilidade de animais de produção (granjas até frigorífico) Treinamento de profissionais de campo e produtores

24 Soluções e Contigências Setor Monitoramento ativo de patógenos: suínos e outras espécies - Estudos genômicos de patógenos (circulação da mesma E.coli ou Staphylococcus em suínos comerciais vs. selvagens?) Sequenciamento genômico de amostras estratégicas: estamos deixando de detectar algo importante? - Equipagem de laboratórios para testes rápidos e kits pré-validados para uma bateria de patógenos exóticos Amostragem estratégica de pessoas e animais de alto risco - Vindos do exterior, contato com silvestres (caça, pesquisa, trabalho), vet. campo multiespécies e animais domésticos em contato com natureza Capacitação de rede de laboratórios de diagnóstico veterinário - Testes rápidos, precisos, baratos, a nível de baia com contínua modernização Contingências: definições de casos suspeitos, positivos e ações a serem desencadeadas - Estímulo e facilitação da identificação precoce

25 Soluções e Contigências Setor Quem paga a conta? Granja, Monitoramento ativo patógenos: suínos e outras espécies - Estudos genômicos de patógenos (circulação da mesma E.coli ou Staphylococcus em suínos comerciais vs. selvagens?) Estado, Associação Produtores? Sequenciamento genômico de amostras estratégicas: estamos deixando de detectar algo importante? Capitalização de Associação(ões) - Equipagem de laboratórios para testes rápidos e kits pré-validados para uma bateria de patógenos exóticos (ex.: ABCS, ABEGS, ABPA...) para Amostragem estratégica de pessoas e animais de alto risco - Vindos exterior, contato com silvestres (caça, pesquisa, trabalho), vet. campo multi espécies, animais domésticos em contato com natureza viabilizar Capacitação de rede de Laboratórios Diagnóstico Veterinário - Testes rápidos, precisos, baratos, a nível de baia, modernização contínua Contingências: definições de casos suspeitos, positivos e ações a serem desencadeadas - Estímulo e facilitação da identificação precoce

26 Benefício de Seguro Sanitário : Exercício PRRSv Mundo ideal da contingência: detecção precoce das primeiras granjas suspeitas/positivas pronta ação eliminação recuperação status negativo. Quanto custaria depopular 10 granjas de mil fêmeas? Custo repovoamento 10 granjas de fêmeas: (2.700 reais) (1.000 fêmeas) = 2.7 milhões de reais 3 milhões de reais é muito ou pouco dinheiro? Sistema de produção de matrizes: Custo PRRS anual, R$ 2 milhões /ano (10 anos, R$ 20 milhões) Brasil: 1.7 M fêmeas, 10 anos = R$ 3.4 bilhões (custo acumulado PRRS)

27 Conceito de Biossegurança Global * Visão Multidisciplinar, Ações Colaborativas País Órgãos oficiais estão cuidando disso Região Sistema produção Sua empresa cuida disso Granja Você cuida disso *Material educativo para granjas, em elaboração conjunta com MAPA, ABCS, ABPA

28 Muito Obrigado pela Atenção Veja as coisas como você gostariam que elas fossem ao invés de como elas de fato são -Robert Collier Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo

Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Génétiporc Agroceres PIC Mapa IMA ASEMG UFMG Agradecimento Pelas Informações

Leia mais

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD PEDv Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Agroceres PIC Agradecimentos pelas informações Dr Albert Rovira,

Leia mais

Mecanismos de Emergência de Patógenos. Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF

Mecanismos de Emergência de Patógenos. Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF Mecanismos de Emergência de Patógenos Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF Conceitos do emergência e reemergência de patógenos; tipos, origens

Leia mais

Odemilson Donizete Mossero

Odemilson Donizete Mossero Odemilson Donizete Mossero Formado em Medicina Veterinária pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal-SP, da Universidade Estadual Paulista-UNESP. Experiência profissional no Ministério

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL

INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL Claudia Valéria Gonçalves Cordeiro de Sá Fiscal Federal Agropecuário, Médica Veterinária, D.Sc. Cuiabá, 22 de outubro de 2015 Sumário 1.Introdução

Leia mais

"Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor

Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor "Se quer paz, prepara-se para guerra Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário rio Departamento de Saúde Animal, Diretor 8.514.876 km 2 202.828.531 habitantes 27 Unidades da Federação

Leia mais

Epidemiologia Hospitalar

Epidemiologia Hospitalar Epidemiologia Hospitalar Construindo um novo pensar na Vigilância Epidemiológica... Secretaria da Saúde A implantação dos NHE Márcia Sampaio Sá SESAB/SUVISA/DIVEP Setembro-2009 I Encontro Nacional de Vigilância

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS As atividades do Programa Nacional de Sanidade Suídea (PNSS) têm como objetivo a coordenação, normatização e o suporte das ações de defesa sanitária animal referentes

Leia mais

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Sanidade Suídea Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 1º Curso de Epidemiologia Aplicada Rio de Janeiro, 16 a 27 de março de 2008. BASE LEGAL ATO ADMINISTRATIVO DE 05

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Prof. Luís Augusto Nero Departamento de Veterinária, Universidade Federal de Viçosa Tópicos Brasil: produtor e exportador Cadeias de produção

Leia mais

Microbiologia Clínica

Microbiologia Clínica Microbiologia Clínica A descoberta dos microrganismos Lentes 200 a 300 X As primeiras observações: Leeuwenhoek (em 1677) 1 Leeuwenhoek: microrganismos ("animálculos ) Pasteur (1822-1895) 2 A geração espontânea

Leia mais

Resolução SES Nº 674 DE 12/07/2013

Resolução SES Nº 674 DE 12/07/2013 Resolução SES Nº 674 DE 12/07/2013 Publicado no DOE em 16 jul 2013 Redefine a relação de doenças e agravos de notificação compulsória no âmbito do Estado do Rio de Janeiro. O Secretário de Estado de Saúde,

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 63, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE é o estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos, por meio da diminuição de ocorrência de doenças em uma determinada população. PROGRAMAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

Regulamento Sanitário Internacional (2005)

Regulamento Sanitário Internacional (2005) Regulamento Sanitário Internacional (2005) CIEVS Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde CNE Centro Nacional de Enlace - BRASIL Eliana Tiemi Masuda Visão geral Doenças infecciosas

Leia mais

PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005

Leia mais

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira Tortuga O.I.E. e O.M.C. Foram criados dois organismos internacionais,

Leia mais

Ampliação da zona livre de febre aftosa

Ampliação da zona livre de febre aftosa Ampliação da zona livre de febre aftosa Plínio Leite Lopes Coordenação de Febre Aftosa Coordenador Secretaria de Defesa Agropecuária/SDA Departamento de Saúde Animal /DSA Coordenação de Febre Aftosa Diretrizes

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Respostas às Emergências em Saúde Pública Setembro /2013 Evolução do conceito de vigilância em

Leia mais

"suínos" significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens

suínos significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens Página: 1 de 6 Os requisitos de saúde animal para carne de porco etc. a exportar de para o Japão, são os seguintes: (Definições) No âmbito destes requisitos de saúde animal: "carne etc." significa carne

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina Brasília-DF, 06/08/2014 Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Estrutura

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS Vigilância Epidemiológica VIGILÂNCIA EM SAÚDE: Mais do que a soma das VIGILÂNCIA SANITÁRIA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

AÇÕES-BRASIL PARA GERENCIAMENTO DOS RISCOS SANITÁRIOS. Seminário Especial Agroceres PIC Porto Alegre, maio 2015

AÇÕES-BRASIL PARA GERENCIAMENTO DOS RISCOS SANITÁRIOS. Seminário Especial Agroceres PIC Porto Alegre, maio 2015 AÇÕES-BRASIL PARA GERENCIAMENTO DOS RISCOS SANITÁRIOS Seminário Especial Agroceres PIC Porto Alegre, maio 2015 Roteiro da apresentação SVO: estrutura e competências Programa Nacional de Sanidade dos Suídeos

Leia mais

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Gerência Geral de Instalações e Serviços de Interesse Sanitário, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras 18 e 19 de junho de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. Vigilância: (1) Observação de pessoas (2) Observação de doenças ou danos à saúde - VE Com vistas

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DEFINIÇÃO São doenças cuja gravidade, magnitude, transcendência, capacidade de disseminação do agente causador e potencial de causar surtos e epidemias exigem medidas

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Rinite atrófica dos suínos J. R. F. Brito I. A. Piffer M. A. V. P. Brito 1 A renite atrófica dos

Leia mais

Classical swine fever: current situation

Classical swine fever: current situation Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Laboratório Nacional Agropecuário LANAGRO/MG Classical swine fever: current situation Peste Suína Clássica no Brasil: informações atuais Tânia R.

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

Cuiabá/MT, 28 de novembro de 2008

Cuiabá/MT, 28 de novembro de 2008 SEMINÁRIO ESTADUAL DA SUINOCULTURA MATO GROSSO 2008 ACRISMAT Cuiabá/MT, 28 de novembro de 2008 HISTÓRICO DA ATIVIDADE Rio Grande do Sul POPULAÇÃO DO RIO GRANDE DO SUL 1872 CAMPANHA 43% DEPRESSÃO CENTRAL

Leia mais

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO No inicio da inseminação artificial (IA) no Brasil, em meados da década de 1970, os principais argumentos gerenciais dos técnicos e produtores para a

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) OUTRAS DOENÇAS CAPÍTULO 2.10.1 Zoonoses Transmissíveis por Primatas não Humanos Artigo 2.10.1.1. Introdução Há cerca de 180 espécies diferentes de primatas não humanos pertencentes a duas subordens divididas

Leia mais

FIL - 29 de Setembro de 2010. José Luís Boaventura Membro do Conselho Directivo do Colégio da Especialidade de Infecciologia

FIL - 29 de Setembro de 2010. José Luís Boaventura Membro do Conselho Directivo do Colégio da Especialidade de Infecciologia José Luís Boaventura Membro do Conselho Directivo do Colégio da Especialidade de Infecciologia FIL - 29 de Setembro de 2010 ZOONOSE (Designação global) ENZOOSE (ANIMAL ANIMAL) Exemplo: Peste suína ANTROPONOSE

Leia mais

O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal

O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal Médica Veterinária Rita Dulac Domingues Tópicos da Apresentação 1. Serviço Veterinário Oficial (SVO) 2. Panorama no RS e no BR do SVO 3.

Leia mais

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX.

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. Plano de Vigilância da Febre do Nilo Ocidental Direcção Geral de Veterinária Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal PORTUGAL Página 1 de 6 Plano de Vigilância Febre do Nilo Ocidental I - Introdução

Leia mais

Determinantes do Processo Saúde-Doença. Prevalência e Fatores de Risco. Vigilância Epidemiológica

Determinantes do Processo Saúde-Doença. Prevalência e Fatores de Risco. Vigilância Epidemiológica Determinantes do Processo Saúde-Doença Prevalência e Fatores de Risco Vigilância Epidemiológica Indicadores de Saúde É o que indica, ou seja, o que reflete uma particular característica (...) revela a

Leia mais

Animais + humanos = Uma só saúde

Animais + humanos = Uma só saúde Animais + humanos = Uma só saúde Forum Segurança Alimentar Centro de reuniões da FIL 29 Setembro 2010 Miguel Oliveira Cardo 2010 Animais + Humanos = Uma Saúde Agentes Patogénicos humanos (OIE 2001) 1

Leia mais

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória 1. Acidentes por animais peçonhentos; 2. Atendimento antirrábico; 3. Botulismo; 4. Carbúnculo ou Antraz; 5. Cólera; 6. Coqueluche; 7. Dengue; 8. Difteria; 9. Doença de Creutzfeldt-Jakob; ANEXO I Lista

Leia mais

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas A Suinocultura Norte Americana José Henrique Piva PIC Americas Meus objetivos com esta apresentação Dar uma visão das principais mudanças, oportunidades e desafios enfrentados pela industria suína. Mostrar

Leia mais

Organización Panamericana de la Salud Oficina Regional de la Organización Mundial de la Salud

Organización Panamericana de la Salud Oficina Regional de la Organización Mundial de la Salud Organización Panamericana de la Salud Oficina Regional de la Organización Mundial de la Salud http://www.panaftosa.org.br Unidad de Salud Pública Veterinaria OPS/OMS Centro Panamericano de Fiebre Aftosa

Leia mais

Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM

Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM Vigilância Epidemiológica Pressupõe a coleta e análise de todas

Leia mais

Automatos celulares. Em Modelação de Doenças Transmissíveis

Automatos celulares. Em Modelação de Doenças Transmissíveis Automatos celulares Em Modelação de Doenças Transmissíveis Portugal 2004 & 2008 Doenças de Notificação Obrigatória (8 a 10 mil casos/ano) Número de notificações por ano Varicela: 100 120 mil casos / ano?

Leia mais

Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional

Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional Evolução do Processo Agroindustrial D É C A D A D E 30 A té a década de 30 - o criador fazendo o abate. Era pré industrial. R eino da banha e do suíno de

Leia mais

1 As mudanças na agricultura

1 As mudanças na agricultura MANEJO DE QUALIDADE NA GRANJA, SEGURANÇA ALIMENTAR PRÉ-ABATE E CERTIFICAÇÃO DA INDÚSTRIA SUINÍCOLA Th. G. Blaha University of Minnesota College of Veterinary Medicine, St. Paul, MN 55108, EUA Resumo Comparada

Leia mais

LUIZ FELIPE RAMOS CARVALHO Coordenação de Trânsito e Quarentena Animal Departamento de Saúde Animal Secretaria de Defesa Agropecuária Ministério da

LUIZ FELIPE RAMOS CARVALHO Coordenação de Trânsito e Quarentena Animal Departamento de Saúde Animal Secretaria de Defesa Agropecuária Ministério da LUIZ FELIPE RAMOS CARVALHO Coordenação de Trânsito e Quarentena Animal Departamento de Saúde Animal Secretaria de Defesa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Msc Reprodução

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012 Acrescenta agravos estaduais a Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória e dá outras providências. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, Gestor do Sistema

Leia mais

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT)

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) Prof. Dr. Ernst E. Müller Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Leia mais

EXIGÊNCIAS PARA TRÂNSITO DE ANIMAIS MATO GROSSO DO SUL - 2004

EXIGÊNCIAS PARA TRÂNSITO DE ANIMAIS MATO GROSSO DO SUL - 2004 1. ANIMAIS AQUÁTICOS (PEIXES, MOLUSCOS E CRUSTÁCEOS EM QUALQUER FASE DE DESENVOLVIMENTO: ALEVINOS, ISCAS, LARVAS, ETC) Trânsito de espécies cultivadas (nativas e exóticas) Trânsito de espécies coletadas

Leia mais

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil?

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil? 1. O que é influenza aviária? A influenza aviária (IA) também conhecido como gripe aviária é uma doença altamente contagiosa, transmitida pelo vírus da influenza tipo A, que ocorre principalmente em aves

Leia mais

O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010

O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010 O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010 No artigo O que são vírus Parte 1 (www.aeal.com.br na seção artigos técnicos) os vírus foram apresentados resumidamente sobre suas principais características,

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS.

PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS. PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSORIA E AS COMISSÕES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSORIA E AS COMISSÕES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR INFORME TÉCNICO XV Outubro 06 DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSORIA E AS COMISSÕES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR As doenças de notificação compulsória são assim designadas por constarem da Lista de Doenças

Leia mais

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999.

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

Vacinas. Clássicas e de Nova geração O que é vacina DNA?

Vacinas. Clássicas e de Nova geração O que é vacina DNA? Vacinas Clássicas e de Nova geração O que é vacina DNA? Vacinas tradicionais Variolização - 1796 Mais de 200 anos Edward Jenner (1749-1823) pai da imunologia 14 de maio de 1796: inoculou em uma criança

Leia mais

Manejo da leitoa e da fêmea em reprodução 1/9. Produção de Suínos. Ciência e prática. Eduardo Viola. Qualyfoco Consultoria LTDA. eviola@terra.com.

Manejo da leitoa e da fêmea em reprodução 1/9. Produção de Suínos. Ciência e prática. Eduardo Viola. Qualyfoco Consultoria LTDA. eviola@terra.com. 1/9 Produção de Suínos Ciência e prática Eduardo Viola Qualyfoco Consultoria LTDA. eviola@terra.com.br 2/9 Manejo da leitoa e da porca reprodutora Criando as futuras matrizes Seleção das fêmeas como reprodutoras

Leia mais

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA O QUE É A DOENÇA PELO VÍRUS ÉBOLA É a infecção provocada pelo vírus Ébola, que é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos,macacos,

Leia mais

Higiene veterinária urbana em países em desenvolvimento

Higiene veterinária urbana em países em desenvolvimento Higiene veterinária urbana em países em desenvolvimento Prof. Adriano Mantovani - afapp@libero.it Foto: A. Mantovani Adaptado de: A. Mantovani e V. Caporale: Zoonoses - in G. Carosi, F. Castelli e F. di

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE) (2010/734/UE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) (2010/734/UE) L 316/10 Jornal Oficial da União Europeia 2.12.2010 DECISÃO DA COMISSÃO de 30 de Novembro de 2010 que altera as Decisões 2005/692/CE, 2005/734/CE, 2006/415/CE, 2007/25/CE e 2009/494/CE no que diz respeito

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 44, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007 (Publicado no Diário Oficial da União Nº 191, quarta-feira, 3 de outubro de 2007, seção 1, pág 2

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3

PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3 dossiê PECUÁRIA PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3 1. Médico Veterinário, MSc. Fiscal Federal Agropecuário, Ministério da Agricultura

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE M. K. Eckman Departamento de Ciência Avícola Universidade de Auburn Auburn, AL 36849 5416 Prioridades Influência da Temperatura na Produção de

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA E INVESTIGAÇÃO DE SÍNDROME EXANTEMÁTICA NO NORDESTE Wanderson Kleber de Oliveira Coordenação Geral de Vigilância e Resposta às Emergências de Saúde Pública Departamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009

RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009 RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 45, XIV, da Lei nº 8.485 de 03 de junho de 1.987; art.

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Vigilância em Saúde Gerência Técnica do SINAN FLUXO DE RETORNO

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Proposta Comercial. Projeto PRO-SUI. Cliente: CIDASC

Proposta Comercial. Projeto PRO-SUI. Cliente: CIDASC Projeto PRO-SUI Cliente: CIDASC 1. Introdução Este documento apresenta as características para a construção do sistema para o projeto PRO- SUI. O público ao qual este documento se destina abrange os interessados

Leia mais

D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Um golpe na meni REVISTA DE MANGUINHOS DEZEMBRO DE 2002

D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Um golpe na meni REVISTA DE MANGUINHOS DEZEMBRO DE 2002 D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Um golpe na meni 12 Repare na foto ao lado. Trata-se de uma bactéria ampliada milhares de vezes. Vista desse modo, é uma bela imagem de um mundo invisível a olho nu e desvendado

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE PROGRAMAS OFICIAIS DE SAÚDE ANIMAL: GESTÃO E IMPACTO AMBIENTAL Por: Georgina Rita Hermida Lage Orientador Profa. Maria Esther

Leia mais

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição UFPI CT DRHGA DISCIPLINA: Saneamento II Carga horária: horas 6 créditos Horário: Seguas, quartas e sextas 6: 8: horas Local: Sala 55 Professores: Carlos Ernao da Silva email: carlosernao@gmail.com 88 Página:

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Utilização de vacinas em produção de suínos David Emílio S. N. de Barcellos 1 Jurij Sobestiansky

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

FUNDO FIDUCIÁRIO PARA 0 FORTALECIMIENTO DA COOPERAÇÃO TÉCNICA DE PANAFTOSA - OPAS/OMS PARA A CONSOLIDAÇÃO DO PHEFA FUNDO PHEFA

FUNDO FIDUCIÁRIO PARA 0 FORTALECIMIENTO DA COOPERAÇÃO TÉCNICA DE PANAFTOSA - OPAS/OMS PARA A CONSOLIDAÇÃO DO PHEFA FUNDO PHEFA FUNDO PHEFA FUNDO FIDUCIÁRIO para o fortalecimento da COOPERAÇÃO TÉCNICA DO PANAFTOSA para consolidação do PROGRAMA HEMISFÉRICO DE ERRADICAÇÃO DA FEBRE AFTOSA (PHEFA) 1 FUNDO FIDUCIÁRIO PARA O FORTALECIMENTO

Leia mais

Epidemia pelo Vírus Ébola

Epidemia pelo Vírus Ébola Epidemia pelo Vírus Ébola O vírus Ébola é neste momento uma das grandes ameaças virais em África e está a espalhar-se para outros Continentes. Actualmente são conhecidas quatro estirpes do vírus, e já

Leia mais