PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO"

Transcrição

1 Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO DEFINIÇÃO: A parada cardíaca em crianças, na maioria das vezes, é conseqüência de problemas respiratórios ou circulatórios, sendo a parada cardíaca primária, diferentemente do adulto, evento raro nessa faixa etária. Assim, em crianças freqüentemente se observam várias doenças e lesões traumáticas, desencadeando hipoxemia e acidose progressivas, que levam à parada cardíaca em assistolia. FV ocorre na minoria dos casos de PCR em crianças (menos de 10%) e é observada mais comumente em portadores de doença cardíaca congênita prévia. O prognóstico da assistolia cardíaca é bastante reservado. Os índices de sobrevida são reduzidos e, freqüentemente, os sobreviventes desenvolvem seqüelas neurológicas graves. Os recém-nascidos têm uma probabilidade muito maior de necessitarem de reanimação do que pacientes em qualquer outra faixa etária. O atendimento à criança deprimida logo após o nascimento pode afetar diretamente a sua qualidade de vida e ter conseqüências por toda a vida. Os passos da reanimação do recém-nascido devem seguir o "ABC da reanimação": A - manter as vias aéreas pérvias B - iniciar a respiração C - manter a circulação Pág. 01

2 INDICAÇÃO - A decisão de iniciar a compressão cardíaca é baseada na FC do recémnascido. - A Compressão cardíaca está, portanto indicada quando: após 30 segundos de VPP e oxigênio a 100% a FC é menor que 60 bpm. CONDUTAS: 1. Verificar a segurança da cena. 2. Avaliar o recém-nascido através dos (1) Movimentos respiratórios, (2) Freqüência cardíaca, (3) Cor. 3. Realizar estímulo através do piparote na sola dos pés e ou fricção suave no abdômen; 4. Manter vias aéreas pérvias posicionando o recém nascido corretamente para assegurar a permeabilidade das vias aéreas. 5. Posicionar o RN em decúbito dorsal usando um coxim com o dorso discretamente estendido 6. Aspirar a boca, as narinas e, em alguns casos, a traquéia, se necessário. 7. Observar e avaliar os movimentos respiratórios do recém-nascido. Se presentes e regulares, avalie o próximo sinal. Caso contrário, inicie a ventilação com pressão positiva, através de: balão e máscara ou balão e cânula traqueal. 8. Se necessário, inserir a cânula traqueal para manter a via aérea pérvia; 9. Avaliar a FC do neonato. Se abaixo de 80 bpm, inicie o ABC da reanimação. Em neonatos, recém nascidos até 30 dias a compressão torácica externa é realizada através da compressão do esterno imediatamente abaixo da interseção da linha intermamilar e esternal. Na sequência de 3: Estimular e manter a circulação sangüínea, através de: compressão cardíaca se USB e medicações no caso de USA conforme orientação da regulação médica. Pág. 02

3 Obs.: O sucesso da reanimação depende da previsão ou do reconhecimento imediato daquele recém-nascido que necessita de reanimação, do início rápido das manobras de reanimação e da realização dessas manobras com habilidade e calma. INDICAÇÃO - A decisão de iniciar a compressão cardíaca é baseada na FC do recémnascido. - A Compressão cardíaca está, portanto indicada quando: após 30 segundos de VPP e oxigênio a 100% a FC é menor que 60 bpm. DUAS TÉCNICAS Técnica dos polegares e técnica dos dois dedos: Técnica dos Polegares - é aquela na qual os polegares são utilizados para comprimir o esterno. Ela é realizada com as duas mãos envolvendo o tórax do recém-nascido: os polegares são posicionados sobre o esterno e os outros dedos sob o dorso da criança. Os polegares podem ser colocados lado a lado ou, na criança pequena, um sobre o outro. É a técnica preferível e deve ser suficiente para gerar pulso palpável. Pág. 03

4 Técnica dos dois dedos - as pontas do dedos médio e indicador ou médio e anular de uma das mãos são usadas para a compressão. Os dois dedos devem ser posicionados perpendicularmente ao tórax, pressionando o esterno. LEMBRANDO QUE: Na criança, as principais causas de PCR estão relacionadas à falência cardiorespiratórias decorrentes diretamente de processos respiratórios, processos sépticos, traumas e intoxicações, contudo não descartando a possibilidade de parada cardíaca por causa primaria, ou seja relativo ao aparelho cardiovascular. Criança e lactentes devem ser ventilados com muito cuidado para evitar barotrauma. Aplicar pressão suficiente para elevação do tórax. Evitar hiperventilação; Pág. 04

5 Lactentes com esforço respiratórios grave evoluindo com melhora nos sinais de insuficiência respiratória podem estar em exaustão muscular e evoluir para PCR. Não existem fatores preditivos confiáveis universais para o momento de cessar os esforços de ressuscitação em casos de PCR em pacientes pediátricos. Essa decisão é influenciada pela causa provável da parada, pelos recursos disponíveis, pelo localização das tentativas de ressuscitação e pela probabilidade da presença de quaisquer condições reversíveis. Lembrar que no atendimento da USB, não é prioridade a obtenção de acesso venoso periférico, aguardar a USA chegar no local. REFERÊNCIA: ACLS Advanced Cardiovascular Life Support, AHA, 2005/2010 Pág. 05

6 ALGORITIMO NEONATO PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECEM NASCIDO ESTIMULAR E VERIFICAR A RESPOSTA ABRIR VIAS AÉREAS VERIFICAR RESPIRAÇÃO VENTILAÇÃO AVALIAÇÃO DE SINAIS VITAIS (movimento ou pulso) Não demorar mais que 10 segundos AUSÊNCIA DE PULSO COMPRESSÃO TORÁCICA freqüência de 3/1 Pág. 06

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS ASHI

PRIMEIROS SOCORROS ASHI PRIMEIROS SOCORROS ASHI Alteração de Protocolo A American Heart Association é uma entidade americana responsável por grande parte dos protocolos de primeiros socorros e emergências médicas que são utilizados

Leia mais

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH Protocolo: Nº 01 Elaborado por: Arlen Ramos Wilhma Alves Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel E. Macedo Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH

Leia mais

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DA ASFIXIA DURANTE O NASCIMENTO Certas condições durante a gravidez estão associadas com o aumento do risco de asfixia ao nascer

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 Classificação do Recém-Nascido n n n Pré-Termo São todas as crianças nascidas vivas, antes da 38ª semana, ou seja

Leia mais

PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA EM ADULTO - PCR

PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA EM ADULTO - PCR Protocolo: Nº 48 Elaborado por: Paulo Calaça Arlen Ramos Ubiratam Lopes Wilhma Castro Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Claudio Câmara Manoel E. Macedo Ubiratam Lopes Wilhma Castro Antônio Cedrim PARADA

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Descrever as principais causas de obstrução das vias aéreas; 2. Demonstrar os passos da assistência

Leia mais

CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR 1. Histórico A reanimação tem sido uma aspiração humana há séculos. No século passado a reanimação foi uma prática comum na Europa, pela técnica de rolar vítimas

Leia mais

III CICLO DE SEMINÁRIOS: CAMPOS DE ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM

III CICLO DE SEMINÁRIOS: CAMPOS DE ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL / PET-ENFERMAGEM III CICLO DE SEMINÁRIOS: CAMPOS DE ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM TEMAS: 1. URGÊNCIA E EMERGÊNCIA EM CRIANÇAS (Larissa, Mayara e Rafaela)

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 CUIDADOS INICIAIS NO RN Renata Loretti - Enfermeira 2 Cuidados imediatos Realizados na Sala de Parto pelo Obstetra n

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman

Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Page 1 of 18 Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático

Leia mais

A Parada cardiorespiratória em assistolia

A Parada cardiorespiratória em assistolia CAPÍTULO 142 A Parada cardiorespiratória em assistolia Paulo Cézar Medauar Reis * Introdução A isquemia do miocárdio secundária a degeneração arterioesclerótica das artérias coronárias é das doenças mais

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

PROGRAMA DE REANIMAÇÃO NEONATAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA: CONDUTAS 2011. Texto atualizado em janeiro de 2011

PROGRAMA DE REANIMAÇÃO NEONATAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA: CONDUTAS 2011. Texto atualizado em janeiro de 2011 PROGRAMA DE REANIMAÇÃO NEONATAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA: CONDUTAS 2011 Maria Fernanda Branco de Almeida & Ruth Guinsburg Coordenação Geral do Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira

Leia mais

ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO

ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO ATENDIMENTO AO RECÉM-NASCIDO NA SALA DE PARTO PREPARO PARA REANIMAÇÃO HISTÓRIA MATERNA Intercorrências clínicas Intercorrências gestacionais Intercorrências no trabalho de parto e parto Líquido amniótico

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL Protocolo: Nº 51 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha Luiz Ernani

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE Reanimação Neonatal Por: Barbara Maria Lavinas Werneck Orientador: Prof.

Leia mais

Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck

Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck PROTOCOLO ASSISTENCIAL CLÍNICO PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck Código: PACL 013 PC Data: 12/2014 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Suporte Básico de Vida Pediátrico

Suporte Básico de Vida Pediátrico Manual do Curso de Suporte Básico de Vida Pediátrico para Não Profissionais de Saúde Manual do Curso de Suporte Básico de Vida Pediátrico para Não Profissionais de Saúde 1ª Edição Autor Paula Neutel Fotografias

Leia mais

Pronto Atendimento no Esporte

Pronto Atendimento no Esporte Centro de Treinamento Autorizado Pronto Atendimento no Esporte Artur Padão Gosling Obter ajuda qualificada Preservar a vida PRIMEIRO ATENDIMENTO Funções do Socorrista Minimizar a dor e o agravamento das

Leia mais

Retificação de TEXTOS e QUESTÕES DE PRIMEIROS SOCORROS do Grupo 3 CMS conforme

Retificação de TEXTOS e QUESTÕES DE PRIMEIROS SOCORROS do Grupo 3 CMS conforme Retificação de TEXTOS e QUESTÕES DE PRIMEIROS SOCORROS do Grupo 3 CMS conforme orientações da ANAC. Informamos que as questões relacionadas estão disponíveis nos simulados do nosso site. PAG 106 Parada

Leia mais

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual. Marcelo De Carli Cardiologista

Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual. Marcelo De Carli Cardiologista Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual Marcelo De Carli Cardiologista 26/11/2011 14:00 às 14:40 Parada cardiorrespiratória Aula baseada nos manuais de Suporte Básico de Vida e de Suporte Avançado

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) 1 - OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo padronizar o atendimento à parada cardiorrespiratória (PCR), para um atendimento rápido e organizado,

Leia mais

RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO- PULMONA R-CEREBRAL (RCPC)

RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO- PULMONA R-CEREBRAL (RCPC) RCPC EM MEDICINA VETERINÁRIA - Dois tipos de paciente Processos reversíveis (sobredose anestésica, estimulação vagal, obstrução respiratória, hemorragia, distúrbios eletrolíticos) RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO-

Leia mais

Suporte Básico de Vida e Socorros de Emergência

Suporte Básico de Vida e Socorros de Emergência Suporte Básico de Vida e Socorros de Emergência Brasília-DF, 2011. Elaboração: Marta Peres Sobral Rocha Colaboração: Carlos Alcantara Produção: Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração

Leia mais

TÉCNIO AUXILIAR DA REGULAÇÃO MÉDICA - TARM

TÉCNIO AUXILIAR DA REGULAÇÃO MÉDICA - TARM Protocolo: Nº 05 Elaborado por: Luciana Noronha Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Castro Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Luciana Noronha Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico

Leia mais

SUPORTE BÁSICO DE VIDA

SUPORTE BÁSICO DE VIDA Um livro por SUPORTE BÁSICO DE VIDA Í Ú Leonardo Clément A versão mais recente desse e-book será enviada periodicamente por e-mail para os seguidores do IBRAPH www.ibraph.com.br Este livro é fornecido

Leia mais

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA Via Aérea Difícil Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA 2 Via Aérea Difícil Definições: Não é possível visualizar nenhuma parte das cordas vocais pela laringoscopia convencional. A intubação requer mais

Leia mais

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. Aldous Huxley EMERGÊNCIA Éuma situação crítica, acontecimento perigoso ou dificuldade

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO Primeiros Socorros TST FILIPE MUNIZ RODRIGUES Introdução Primeiros Socorros, são as medidas imediatas aplicadas à uma vítima fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO Autora: Aline D Eliz Schroeder Orientador: Profº Ms. André Luiz Hoffmann RESUMO Este artigo tem por objetivo realizar através da revisão

Leia mais

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias GESTAÇÃO PROLONGADA IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) SIM NÃO IG > 42 SEM IG 40 a 41 sem e 6 dias **USG + ILA *** Parto Avaliar Vitalidade Fetal **USG + ILA ***

Leia mais

Primeiros Socorros a Crianças. Miguel Félix Pediatra

Primeiros Socorros a Crianças. Miguel Félix Pediatra Primeiros Socorros a Crianças Miguel Félix Pediatra Primeiros socorros - definição procedimentos de emergência que visam manter as funções vitais e evitar o agravamento de uma pessoa ferida, inconsciente

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Suporte Básico de Vida em Pediatria

Suporte Básico de Vida em Pediatria CAPÍTULO 154 Suporte Básico de Vida em Pediatria Vera Coelho Teixeira * A função do atendimento pré-hospitalar é reduzir a morbidade e mortalidade depois de parada cardiorrespiratória. Muito já foi feito

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

SUPORTE BÁSICO DE VIDA AHA - 2005

SUPORTE BÁSICO DE VIDA AHA - 2005 SUPORTE BÁSICO DE VIDA AHA - 2005 Dr. Rodrigo de Moraes SISTEMA RESPIRATÓRIO E SISTEMA CIRCULATÓRIO 1 SISTEMA RESPIRATÓRIO PARÂMETROS DE NORMALIDADE E ANORMALIDADE DE RESPIRAÇÕES P/ MIN. IDADE NORMAL ANORMAL

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2

Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2 Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2 Francisco Barata Ribeiro: Professor de Anestesia & Sedação; Capacitado em Sedação Oral e Parental University

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

PARECER COREN-SP 010/2014 CT PRCI n 102.599/2012 Ticket n 283.293/ 340.032/ 346.940/ 340.291/ 345.362

PARECER COREN-SP 010/2014 CT PRCI n 102.599/2012 Ticket n 283.293/ 340.032/ 346.940/ 340.291/ 345.362 PARECER COREN-SP 010/2014 CT PRCI n 102.599/2012 Ticket n 283.293/ 340.032/ 346.940/ 340.291/ 345.362 Ementa: Reanimação Neonatal pelo Enfermeiro. 1. Do fato Profissional questiona se o Enfermeiro sem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

DEFESA CIVIL NA ESCOLA SOCORROS DE URGENCIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS

DEFESA CIVIL NA ESCOLA SOCORROS DE URGENCIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DEFESA CIVIL NA ESCOLA SOCORROS DE URGENCIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 SOCORROS DE URGÊNCIA... 4 1.ANATOMIA E FISIOLOGIA.... 4 1.1DEFINIÇÕES... 4 1.2 POSIÇÕES DE ESTUDO.... 4 1.2.3 CONSTITUIÇÃO GERAL DO

Leia mais

Suporte Avançado de Vida em Cardiologia

Suporte Avançado de Vida em Cardiologia Aprenda e Viva Suporte Avançado de Vida em Cardiologia Cenários Modelo do Programa do Curso de Reciclagem do SAVC Alunos Instrutores de SAVC (mais Instrutores de SAVC de SBV para as Aulas e ) Aproximadamente

Leia mais

SBVD. Suporte Básico de Vida com Desfibrilhação Automática Externa

SBVD. Suporte Básico de Vida com Desfibrilhação Automática Externa SBVD Suporte Básico de Vida com Desfibrilhação Automática Externa 2 3 As melhores e mais belas coisas na vida não podem ser vistas nem tocadas, devem ser sentidas com o coração. Hellen Keller Versão 3,0

Leia mais

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS 1. Introdução Pela Organização Mundial de Saúde, catástrofe é um fenômeno ecológico súbito de magnitude suficiente para necessitar de ajuda externa.

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs AFERIÇÕES 21.001 Aferição da Altura Corporal Pacientes acima de 2 anos 21.002 da Frequência Respiratória 21.003 de Peso Corporal Pacientes acima de 2 anos

Leia mais

V. Nadkarni, M.F. Hazinski, D. Zideman, J. Kattwinkel, L. Quan, R. Bingham, A. Zarittsky, J. Bland, E. Kramer, J. Tiballs

V. Nadkarni, M.F. Hazinski, D. Zideman, J. Kattwinkel, L. Quan, R. Bingham, A. Zarittsky, J. Bland, E. Kramer, J. Tiballs 0021-7557/98/74-03/175 Jornal de Pediatria Copyright 1998 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 74, Nº3, 1998 175 ARTIGO ESPECIAL Suporte de vida em pediatria: parecer consultivo

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE ATENDIMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR EM PARÁ DE MINAS, PAPAGAIOS E PITANGUI / MG

O CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE ATENDIMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR EM PARÁ DE MINAS, PAPAGAIOS E PITANGUI / MG O CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE ATENDIMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR EM PARÁ DE MINAS, PAPAGAIOS E PITANGUI / MG Marisa Gonçalves Brito Menezes 1 Rogério Diniz Abreu 2 Tânia Maria

Leia mais

Salvar Cursos e Treinamentos Educacionais Ltda. - ME. CNPJ: 06.814.425/0001-10

Salvar Cursos e Treinamentos Educacionais Ltda. - ME. CNPJ: 06.814.425/0001-10 SALVAR Salvar Cursos e Treinamentos Educacionais Ltda. - ME. Rua Nazira Mattar de Freitas, 550, Monte Castelo, Cep: 36081230, Juiz de Fora, MG. Tel: 32 3082-6687 / 32 8864-9970 CENTER TRAINING ASHI # 139.430

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Recentemente, em novembro de 2010, a American

Recentemente, em novembro de 2010, a American Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2 Francisco Barata Ribeiro: Professor de Anestesia & Sedação; Capacitado em Sedação Oral e Parental University

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

EXAME FÍSICO DO RN. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP - 42883

EXAME FÍSICO DO RN. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP - 42883 EXAME FÍSICO DO RN Enfermeira COREN/SP - 42883 Introdução! Alguns minutos depois do nascimento o exame físico é feito pelo pediatra. É uma avaliação de rotina do estado físico do bebê.! O exame físico

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

Pós-Graduação a distância

Pós-Graduação a distância Pós-Graduação a distância Programa Saúde da Família Suporte Básico de Vida e Socorro de Emergência Jorge Nascimento Sumário Suporte e treinamento básico em emergência... 5 Doença Cardiovascular e Parada

Leia mais

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 2: OXIGÊNIO Que danos podem ser causados por falta de oxigênio? E pelo excesso de oxigênio? Quais maneiras de se fornecer oxigênio

Leia mais

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ENFERMAGEM A assistência ventilatória é caracterizada pela otimização das

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

OMISSÃO DE SOCORRO SEGUNDO A RESOLUÇÃO 311/2007 (CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM)

OMISSÃO DE SOCORRO SEGUNDO A RESOLUÇÃO 311/2007 (CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM) 1. URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Conceito Formal: Segundo o Conselho Federal de Medicina, em sua Resolução CFM n 1451, de 10/03/1995, temos: Urgência: ocorrência imprevista de agravo à saúde com ou sem risco potencial

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Parada cardíaca ou parada cardiorrespiratória (PCR) é a cessação súbita da circulação sistêmica e da respiração. As principais causas

Leia mais

Destaques das Diretrizes da

Destaques das Diretrizes da Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE Índice Principais questões enfrentadas por todos os socorristas 1 RCP de adulto por socorrista leigo 3 SBV para profissionais

Leia mais

Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia;

Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia; Módulo 7 Oxigenoterapia e equipamentos Apresentação do Módulo A hipóxia é uma condição na qual há uma deficiência da quantidade de oxigênio que alcança os tecidos do organismo. É extremamente grave, comprometendo

Leia mais

A) Hipotireoidismo congênito. B) Refluxo gastroesofágico. C) Galactosemia. D) Laringomalácea. E) Mucoviscidose.

A) Hipotireoidismo congênito. B) Refluxo gastroesofágico. C) Galactosemia. D) Laringomalácea. E) Mucoviscidose. QUESTÃO 01 As manifestações clínicas da infecção do trato urinário na criança são dependentes da faixa etária. Escolha a alternativa correta de achados para oi seu diagnóstico. A) No recém-nascido o quadro

Leia mais

O Desafio: Simplificar o Treinamento em Ressuscitação e Melhorar sua Eficácia

O Desafio: Simplificar o Treinamento em Ressuscitação e Melhorar sua Eficácia Currents in Emergency Cardiovascular Care Aspectos mais Relevantes das Diretrizes da American Heart Association sobre Ressuscitação Cardiopulmonar e Atendimento Cardiovascular de Emergência Esta edição

Leia mais

POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA

POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA PROF. CRISTIANA COSTA LUCIANO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO: - POSIÇÃO CIRÚRGICA É AQUELA EM QUE É COLOCADO O PACIENTE, APÓS ANESTESIADO, PARA

Leia mais

O presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria encaminha ao Conselho

O presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria encaminha ao Conselho PARECER CFM nº 6/14 INTERESSADO: Sociedade Brasileira de Pediatria ASSUNTO: Participação de enfermeiros nos cursos Pals - Ressuscitação Pediátrica e de Adultos RELATOR: Cons. José Fernando Vinagre EMENTA:

Leia mais

Orientações para a falta de Energia Elétrica na residência

Orientações para a falta de Energia Elétrica na residência Orientações para a falta de Energia Elétrica na residência Copyright 2015 Home Health Care Doctor Ser viços Médicos Domiciliares S/S Ltda. Rua Capitão Francisco Teixeira Nogueira, 154 Água Branca Cep:

Leia mais

Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória

Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória Fábia Elaine da Silva Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maria Cristina Sanna Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 Assunto: Ações de resgate de vítimas em altura e em espaço confinado. Competência da equipe de bombeiros militares. 1. Do fato Solicitado

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO PROTOCO BLS POR ALUNOS CONCLUINTES DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM *

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO PROTOCO BLS POR ALUNOS CONCLUINTES DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM * Science in Health 2010 set-dez; 1(3): 121-7 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO PROTOCO BLS POR ALUNOS CONCLUINTES DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM * EVALUATION OF THE KNOWLEDGE OF THE STUDENTS OF GRADUATION IN NURSING

Leia mais

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Especialização em Fisioterapia Intensiva Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Fisioterapia Intensiva Neonatal e pediátrica Conteúdo programático Anatomia e fisiologia cardiorrespiratória

Leia mais

Destaques das Diretrizes da

Destaques das Diretrizes da Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE Índice Principais questões enfrentadas por todos os socorristas 1 RCP de adulto por socorrista leigo 3 SBV para profissionais

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Formação em Suporte Básico de Vida Pediátrico Ajude a salvar o seu filho

Formação em Suporte Básico de Vida Pediátrico Ajude a salvar o seu filho Passo-a-passo. Formação Pediátrica Formação em Suporte Básico de Vida Pediátrico Ajude a salvar o seu filho Curso / Faro 2010 Passo-a-passo. Formação Pediátrica Bem-vindos. Se está a ler esta introdução

Leia mais

SBV. Suporte Básico de Vida

SBV. Suporte Básico de Vida SBV Suporte Básico de Vida 2 3 As melhores e mais belas coisas na vida não podem ser vistas nem tocadas, devem ser sentidas com o coração. Hellen Keller Versão 2,0 1ª Edição, 2012 ISBN 978-989-8646-00-2

Leia mais

Guia de Suporte Básico de Vida

Guia de Suporte Básico de Vida Guia de Suporte Básico de Vida Este guia pretende contribuir para uma formação básica dos professores de Ciências Naturais em manobras de suporte básico de vida, um tema novo no domínio curricular da disciplina

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI nº 100.547 Tickets nº 280.023, 280.980, 281.285, 281.909, 284.347, 284.740, 285.789, 288.464, 291.884, 295.419, 297.886. Ementa: Carro de emergência: composição, responsabilidade

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS Página Responsáveis Preparado por: Enfermeiros Analisado por: Serviço de Enfermagem Aprovado por: DAS. Objetivos. Aplicação Padronizar as técnicas de avaliação dos Sinais Vitais a fim de otimizar o serviço

Leia mais