A genética do vírus da gripe

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A genética do vírus da gripe"

Transcrição

1 A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso em rastrear os vírus circulantes. Clancy, S. (2008) Genetic of the influenza Virus. Nature Education 1 (1) Acesso em 22, nov Anualmente a gripe sazonal transforma-se em uma linhagem particularmente virulenta, como a gripe espanhola que matou milhões de pessoas em Mas como essas cepas pandêmicas surgem? Embora a maioria dos adultos que entra em contato com a gripe apresente poucos sintomas, essa e outras viroses respiratórias são uma séria ameaça à saúde de toda a população norte-americana, sendo as crianças e idosos particularmente suscetíveis. Além disso, as pandemias que envolvem cepas, contra as quais a maioria das pessoas não possui imunidade, causam altos níveis de mortalidade e de consequências desastrosas para a saúde pública. As autoridades enfrentam o constante desafio de se prepararem para a ameaça da gripe, pois além da possibilidade de os vírus residirem em vários hospedeiros, eles podem sofrer mutações rapidamente e se recombinarem formando novas linhagens. Apesar da intensa investigação ao longo de décadas, ainda permanece desconhecido o fato de algumas cepas serem altamente transmissíveis e de alguns vírus causarem graves doenças.

2 Estatísticas da Gripe Nos Estados Unidos, as epidemias de gripe sazonal são a causa da morte de cerca de 30 mil pessoas por ano e a causa de internação de mais de 100 mil (Reid & Tautenberger, 2003). A cada dois ou três anos, circulam novas cepas virulentas que aumentam o número de mortos em cerca de 10 mil a 15 mil indivíduos. Essas epidemias sazonais são o resultado da deriva antigênica, um fenômeno causado por mutações em dois genes-chave virais devido a um erro na cadeia de RNA polimerase (error-prone). Menos frequentemente, entretanto, surgem novas cepas variantes, particularmente virulentas, responsáveis pelas pandemias e pelo aumento da mortalidade. Essas linhagens surgem a partir de um fenômeno conhecido como mutação antigênica, em que os seres humanos são infectados pelo vírus da gripe aviária ou por cepas resultantes da combinação de genes humanos e de aves. Desde 1900, três dessas pandemias ocorreram. A primeira, em 1918, causou a morte de cerca de 40 milhões de pessoas ao redor do mundo no período de menos de um ano (Palese, 2004). Ao contrário das cepas de gripe mais fracas, que são ameaça apenas para idosos, a gripe espanhola causou a morte de muitos jovens e crianças. De fato, 99% das mortes atribuídas a essa cepa ocorreram em pessoas com menos de 65 anos, enquanto que as pandemias subsequentes afetaram poucos indivíduos dessa faixa etária. Posteriormente, em 1957, a gripe asiática foi responsável pela morte de cerca de 70 mil pessoas nos Estados Unidos e, em 1968, a gripe de Hong Kong matou cerca de 30 mil americanos (Reid & Tautenberger, 2003).

3 O genoma do vírus influenza A Sentido negativo do RNA Figura 1: Diagrama esquemático do vírus influenza A. Duas glicoproteínas de superfície, a hemaglutinina (HA) e a neuraminidase (NA), e as proteínas de canais iônicos (M2) são incorporadas ao envelope viral, que é derivado da membrana plasmática do hospedeiro. O complexo de ribonucleoproteína compreende um segmento de RNA viral associado à uma nucleoproteína (NP) e à três proteínas de polimerase (PA, PB1 e PB2). A proteína da matriz (M1) está associada à ribonucleoproteína e ao envelope viral. Uma pequena quantidade de proteínas não estruturais 2 também está presente, mas sua localização no interior do vírus é desconhecida. Copyright 2005 Nature Publishing Group, Horimoto, T., et. al., Influenza: Lessons from past pandemics, warnings from current incidents, Nature Reviews Microbiology 3, O nome influenza é derivado do latim e significa influência, e os patógenos responsáveis pela doença são vírus compostos por oito segmentos de RNA pertencentes à família Orthomyxoviridae (Figura 1). Existem três tipos básicos de vírus influenza: A, B e C, sendo que as epidemias são causadas pelos tipos A e B. Os tipos B e C infectam apenas a espécie humana e o influenza A infecta hospedeiros não

4 humanos como suínos, aves, cavalos, focas e camelos, servindo também como reservatório para a gripe (Hayden & Palese, 1997). Um rearranjo entre os subtipos que infectam animais e os que infectam a espécie humana pode resultar em uma mudança antigênica em potenciais pandemias. Como em todos os vírus, o genoma da partícula viral é envolto por um capsídeo, geralmente constituído de centenas de proteínas. O capsídeo do tipo A (Figura 2) contém as glicoproteínas hemaglutinina antigênica (HA) e neuraminidase (NA); várias centenas de moléculas de cada proteína são necessárias para formar o capsídeo. Essas proteínas são as partes do vírus reconhecidas como estranhas pelo sistema imunológico do hospedeiro, induzindo a uma resposta imune. Como existem diferentes tipos de moléculas de proteínas HA e NA, elas formam diferentes subtipos do vírus influenza A. Com isso, o sistema imunológico da espécie humana é frequentemente desafiado a produzir novos antígenos. Por exemplo, mutações pontuais nos genes HA e NA podem levar a alterações na antigenicidade que permite que um vírus infecte pessoas previamente imunes ou vacinadas. Incluindo os genes HA e NA, o genoma do vírus influenza A contém oito genes que codificam 11 proteínas, nas quais estão incluídas três RNA polimerase que funcionam como um complexo para replicar o genoma do RNA viral. Curiosamente, foram demonstradas altas taxas de erros nessas polimerases devido à falta de capacidade de correção (proofreading), o que leva a altos níveis de mutação no genoma viral e, portanto, às rápidas taxas de evolução viral. A alta taxa de mutação e a evolução são fontes da diversidade genética do vírus Influenza.

5 O genoma da gripe também codifica as proteínas estruturais necessárias para formar o capsídeo: a nucleoproteína (NP), as proteínas NS1 (não estruturais da proteína 1) e NS2 (nuclear), e as proteínas de exportação (NEP), cujos papéis ainda estão sendo investigados. Outras proteínas codificadas pelo genoma do vírus incluem proteínas de membranas M1 e M2 (que são necessárias para exportação nuclear e várias outras funções) e, claro, HA e NA (que desempenham funções para o anexo viral e para a liberação de células do hospedeiro, respectivamente). Figura 2: Micrografia eletrônica das partículas do vírus da gripe A. Copyright 2004 Nature Publishing Group, Palese, P., Influenza: Antigas e novas ameaças, Nature Medicine 10, S82-S87 Devido à sua natureza, em que sequências de codificação estão localizadas em vertentes individuais do RNA, os genomas da gripe são facilmente misturados às células do hospedeiro infectadas por mais de um vírus da gripe. Por exemplo, quando uma célula está infectada com vírus de diferentes espécies, um rearranjo pode resultar em uma nova prole que contenha genes daqueles vírus que normalmente infectam as aves e daqueles que normalmente infectam os seres humanos. Isso, certamente, formará novas cepas nunca identificadas anteriormente na maioria dos hospedeiros.

6 Muitas combinações são, então, possíveis e já foram identificados 16 diferentes subtipos de hemaglutinina e nove de neuraminidases. Desses subtipos, três de hemaglutinina (H1, H2 e H3) e dois de neuraminidase (N1 e N2) têm causado epidemias na população. As aves são hospedeiras e reservatório para todos os tipos e subtipos do vírus influenza A, sendo que, a partir delas, os novos subtipos de HA são transmitidos em seres humanos. (Palese, 2004). Para nomear uma nova cepa, convenciona-se colocar em seu nome os itens: nome do hospedeiro (se não for humano), local de origem do vírus, número da cepa, ano de isolamento e o subtipo HA/NA. Decifrando a epidemia de 1918 Como o vírus da gripe espanhola foi pouco estudado até a década de 1930 e tampouco isolado ou cultivado, não foi possível encontrar a origem dessa pandemia. Apenas em 1997 foi possível obter, a partir do tecido pulmonar de vítimas da gripe, os ácidos nucleicos e a sequência do genoma desse vírus, que estava congelado e fixado em formol (Tautenberger et al., 1997). As amostras foram obtidas de dois soldados americanos, de uma mulher do Alasca, e de duas pessoas do Reino Unido. As cepas compartilharam 99% da sequência do genoma inicialmente e, não responderam às perguntas dos pesquisadores sobre sua origem. Nas pandemias que ocorreram em 1957 e 1968, as cepas pareciam ter surgido da recombinação dos genes HA derivados das cepas das aves em amostras humanas. Em contrapartida, o gene HA da cepa da gripe espanhola foi relacionado ao da gripe de suínos (Reid & Tautenberger, 2003), possuindo algumas semelhanças com cepas de

7 aves, mas diferindo da maioria daquelas responsáveis pelas pandemias que ocorreram posteriormente. Na verdade, quando se comparam os genes das três pandemias, os genes HA das cepas de 1918 são os que apresentam maior diferença em relação aos demais. Já as cepas posteriores acabaram por mostrar poucas diferenças na sequência, assemelhando-se mais à gripe aviária da Eurásia do que àquela da América do Norte (Tabela 1). Essas cepas também se aproximam mais das sequências de gripes aviárias do que qualquer gripe de mamíferos. Em conjunto, esses dados sugerem que os suínos podem ter sido um hospedeiro intermediário da cepa de 1918, embora esse fato ainda deva ser cuidadosamente estudado. Tabela 1: Diferença no número de aminoácidos entre as gripes AH e os subtipos da gripe aviária. Cepas de pandemia Número de diferenças nas sequências da gripe aviária da América do Norte Número de diferenças nas sequências da gripe aviária da Eurásia (Adaptado de Reid & Tautenberger, 2003)

8 Subdiagnóstico da gripe e suas implicações na saúde pública Evidências recentes indicam que muitos médicos falham no diagnóstico da gripe ou na tentativa de distinguir seus sintomas dos causados por outros vírus respiratórios. Por exemplo, um estudo de 2006 do New England Journal of Medicine concluiu que "a maioria das infecções da gripe em crianças não foram diagnosticadas clinicamente" (Poehling et al., 2006). Como parte de um projeto chamado New Vaccine Surveillance Network, patrocinado pelo Centro de Controle de Doenças dos EUA, os investigadores realizaram diagnósticos e a confirmação laboratorial do patógeno em pacientes pediátricos internados e ambulatoriais. Relataram, então, que apenas um terço dos pacientes identificados positivamente para a gripe foram testados. Além disso, das crianças que participavam do projeto de vigilância, apenas 28% foram hospitalizadas e 17% receberam diagnósticos clínicos de influenza. Os demais pacientes receberam outros diagnósticos, como asma, pneumonia ou infecção viral inespecífica, quando na realidade eram influenza positivos. Os autores do estudo concluíram que a vigilância que se baseia em dados médicos subestima significativamente as estimativas da gripe, refletindo a falta de reconhecimento durante a maioria das visitas. Claramente, a falha no diagnóstico dificulta a aplicação das estratégias efetivas de prevenção e o desenvolvimento de vacinas. Embora a biologia e a genética do vírus da gripe estejam bem estudadas, para a prevenção de futuras pandemias, é preciso uma melhor compreensão das pandemias passadas e dos fatores que contribuem para sua virulência, bem como um esforço concentrado do setor de saúde pública em rastrear os vírus circulantes na população.

9 Imagens: influenza-virus Acesso em 22, nov Artigo relacionado: Reação desmedida, Ricardo Zorzetto. Revista Fapesp - Dezembro Acesso em 22, nov

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências?

Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências? Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências? Cláudia Codeço codeco@fiocruz.br Programa de Computação Científica FIOCRUZ-RJ Março 2006 Estrutura O contexto do problema As evidências científicas

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Pandemia Influenza. Márcia Regina Pacóla. GVE XVII Campinas SES - SP. http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm

Pandemia Influenza. Márcia Regina Pacóla. GVE XVII Campinas SES - SP. http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm Pandemia Influenza 1918 2009 http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm Márcia Regina Pacóla GVE XVII Campinas SES - SP Pandemias: século XX H1N1 H2N2 PB1 HA NA H3N? PB1 HA PB2, PA NP, M, NS PB2, PA NP, NA,

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal.

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. Desde esta altura que correram mundo, mais de trinta pandemias, causadas por diversos

Leia mais

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica)

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Partículas infecciosas de tamanho pequeno e composição simples que multiplicam-se somente em células vivas (animais, plantas, insetos, peixes, bactérias, etc)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BATURITÉ DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BATURITÉ DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS PREFEITURA MUNICIPAL DE BATURITÉ DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infra relacionados, concorrentes ao cargo MÉDICO PLANTONISTA

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Orientações para a prevenção de transmissão da influenza nas escolas de Belo Horizonte. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte.

Orientações para a prevenção de transmissão da influenza nas escolas de Belo Horizonte. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte. Orientações para a prevenção de transmissão da influenza nas escolas de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Agosto 2009 O vírus da influenza Os vírus influenza são subdivididos

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) Ano 04 - Edição 26 - Agosto / Setembro de 2010 Artigo Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho por Sílvia Neto Jardim

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

N 1. ): abordagem revisional. Vírus Influenza A (H 1

N 1. ): abordagem revisional. Vírus Influenza A (H 1 Vírus Influenza A (H 1 ): abordagem revisional Aldemir Fernandes Lima 1 Jesiel Francisco Martins Lima 2 Resumo: Conforme constatamos em nossa pesquisa revisional de literatura o vírus da influenza possui

Leia mais

Cartilha da Influenza A (H1N1)

Cartilha da Influenza A (H1N1) Cartilha da Influenza A (H1N1) Agosto 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA ADJUNTA DE ATENÇÃO INTEGRADA Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Micarla de Sousa Prefeita da Cidade do Natal

Leia mais

VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO

VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

Mecanismos de Emergência de Patógenos. Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF

Mecanismos de Emergência de Patógenos. Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF Mecanismos de Emergência de Patógenos Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF Conceitos do emergência e reemergência de patógenos; tipos, origens

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses Exercícios de Monera e Principais Bacterioses 1. (Fuvest) O organismo A é um parasita intracelular constituído por uma cápsula protéica que envolve a molécula de ácido nucléico. O organismo B tem uma membrana

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br VÍRUS DISCIPLINA: BIOLOGIA 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS - 20 a 300 nm; Micrômetro Nanômetro UNIDADE REPRESENTAÇÃO / VALOR 1 μm = 0,001 milímetro 1 nm = 0,001 micrômetro - Ácido nucléico + proteína

Leia mais

VIROSES RESPIRATÓRIAS FACILIDADE DE TRANSMISSÃO

VIROSES RESPIRATÓRIAS FACILIDADE DE TRANSMISSÃO VIROSES RESPIRATÓRIAS FACILIDADE DE TRANSMISSÃO Causadas por inúmeros vírus Picornavírus: Rinovírus Enterovírus Coronavírus: Ortomixovírus: Vírus Influenza Adenovírus: Paramixovírus: Vírus Parainfluenza

Leia mais

ESTRUTURA DOS VÍRUSV

ESTRUTURA DOS VÍRUSV Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica ESTRUTURA DOS VÍRUSV Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo Roehe EXISTEM VÍRUS

Leia mais

A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm);

A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm); Vírus são as menores entidades biológicas conhecidas; A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm); Um dos maiores vírus conhecidos, que causa a varíola humana, tem cerca 300 nm (0,3 µm), e

Leia mais

Mutações do Vírus Influenza A (H1N1)

Mutações do Vírus Influenza A (H1N1) Mutações do Vírus Influenza A (H1N1) Laís Fernandes Rocha¹, Letícia Cechinel Lima¹, Talita Dewes¹; Adriana Helena Lau 2 1 Curso de Ciências Biológicas da Universidade Luterana do Brasil; 2 Departamento

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9)

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) SOBRE O VÍRUS INFLUENZA A (H7N9) O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral A (H7N9) não havia sido

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links

Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links Darwin Voltar Filogenia anatômica e fisiológica Filogênia Molecular A teoria da evolução de Darwin gerou o conceito

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Bioinformática Aula 01

Bioinformática Aula 01 Bioinformática Aula 01 Prof. Ricardo Martins Ramos * * Doutorando em Genética e Toxicologia Aplicada CEFET-PI/ULBRA-RS Linha de Pesquisa Bioinformática Estrutural E-mail: ricardo@cefetpi.br Visão Holística

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES Diversos Circular n.º 72/2009 15 de Julho de 2009 Assunto: Gripe A (H1N1) Algumas considerações importantes. Caro Associado: Considerando a nova estirpe de vírus da Gripe A (H1N1), e perante o seu risco

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Gripe. Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade

Gripe. Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade Da Gripe Sazonal à Gripe Pandémica Gripe Doença a respiratória ria aguda transmissível Carácter epidémico Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade O Vírus V da Gripe 3 tipos: A, B,

Leia mais

VIRUS O QUE SÃO VIRUS São as menores entidades biológicas: têm DNA e proteínas. Medem entre 15 e 300 nm. São seres acelulares: São parasitas intracelulares obrigatórios: Só se reproduzem dentro de células.

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

RENATA DESORDI LOBO. Fatores de risco para aquisição de influenza A (H1N1)pdm09. entre os profissionais de saúde

RENATA DESORDI LOBO. Fatores de risco para aquisição de influenza A (H1N1)pdm09. entre os profissionais de saúde RENATA DESORDI LOBO Fatores de risco para aquisição de influenza A (H1N1)pdm09 entre os profissionais de saúde Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção do título

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Influenza A (H5N1) Situação epidemiológica atual no mundo e desafios à sua vigilância, prevenção e controle no Brasil

Influenza A (H5N1) Situação epidemiológica atual no mundo e desafios à sua vigilância, prevenção e controle no Brasil Influenza A (H5N1) Situação epidemiológica atual no mundo e desafios à sua vigilância, prevenção e controle no Brasil Dr.José Ricardo Pio Marins Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Secretaria de

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 3

7.012 Conjunto de Problemas 3 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 3 Data estelar 7.012.10.4.00 Diário Pessoal do Oficial Médico Responsável do USS Hackerprise Depois de voltar de uma missão em Europa, Noslen, um dos membros da tripulação,

Leia mais

Curso internacional sobre saúde, desastres e desenvolvimento. Preparação para pandemia de Influenza

Curso internacional sobre saúde, desastres e desenvolvimento. Preparação para pandemia de Influenza Curso internacional sobre saúde, desastres e desenvolvimento Preparação para pandemia de Influenza Eduardo Hage Carmo Instituto de Saúde Coletiva Universidade Federal da Bahia Plano de preparação para

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia VIROLOGIA Prof. Me Leandro Parussolo Introdução à Virologia Vírus (latim = veneno ); Classe de agentes

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

1/12/2008. Histórico VIROLOGIA. Histórico. Evidências históricas de doenças ligadas a vírus: Professor: Dr. Carlos F. M. Menck

1/12/2008. Histórico VIROLOGIA. Histórico. Evidências históricas de doenças ligadas a vírus: Professor: Dr. Carlos F. M. Menck VIROLOGIA Histórico Evidências históricas de doenças ligadas a vírus: Professor: Dr. Carlos F. M. Menck BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA Microbiologia 5 a edição (2008), Atheneu. Editores: Luiz R. Trabulsi e F.

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 3º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 3º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Mário Neto DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 3º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano Capítulo 2 Clonagem, expressão de antígenos recombinantes do vírus da Doença de Aujeszky dos suínos: desenvolvimento e validação de teste de diagnóstico diferencial para monitoria em área livre Janice

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem JUNIEL PEREIRA BRITO A INFLUEZA A-H1N1 Debate e Prevenção MUZAMBINHO 2010 JUNIEL

Leia mais

Direcção Geral da Saúde Grupo Operativo da Estrutura da Gripe

Direcção Geral da Saúde Grupo Operativo da Estrutura da Gripe Da Gripe Sazonal à Gripe Pandémica A Gripe Doença a respiratória ria aguda de fácil f disseminação Carácter epidémico por vezes explosivo Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade O

Leia mais

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Microbiologia, Parasitologia e Imunologia Genética Bacteriana Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Introdução O DNA existe como uma hélice de

Leia mais

Organização Mundial da Saúde

Organização Mundial da Saúde Organização Mundial da Saúde Questões frequentemente postas sobre a Gripe Aviária (tradução informal da responsabilidade da DGS a partir do documento original em inglês) O que é a gripe aviária? Quais

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV O VÍRUS DO PÂNICO

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV O VÍRUS DO PÂNICO Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV Grupo b O VÍRUS DO PÂNICO VARÍOLA DE CAMUNDONGO [Numeração tâmil (Índia)]

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

Encontro Nacional de Vigilância Sanitária sobre a Pandemia de Influenza

Encontro Nacional de Vigilância Sanitária sobre a Pandemia de Influenza Encontro Nacional de Vigilância Sanitária sobre a Pandemia de Influenza Juliana Bertoli Silva Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Unidade de Produtos Biológicos e Hemoterápicos UPBIH Gerência

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

Faculdade de Farmácia Helena Rebelo de Andrade

Faculdade de Farmácia Helena Rebelo de Andrade a ia c á do a r M PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS rm a F e d c a F s; a ic t êu c a m r a F s ia c ên i C em eg t n I o d a r t es v i n U L e d o b s i Família Coronavidae Género Alphacoronavirus Mamíferos

Leia mais

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1.

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Vírus:

Leia mais

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com APRESENTAÇÃO Site: virologia UFF http://www.proac.uff.br/virologia/ Livros:

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ NÚCLEO DE MEDICINA TROPICAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DOENÇAS TROPICAIS CURSO DE MESTRADO EM DOENÇAS TROPICAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ NÚCLEO DE MEDICINA TROPICAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DOENÇAS TROPICAIS CURSO DE MESTRADO EM DOENÇAS TROPICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ NÚCLEO DE MEDICINA TROPICAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DOENÇAS TROPICAIS CURSO DE MESTRADO EM DOENÇAS TROPICAIS JESSYLENE DE ALMEIDA FERREIRA CARACTERIZAÇÃO DOS GENES CODIFICADORES

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna).

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna). Ancestralidade Materna A atual população dos países latino-americanos foi gerada por um complexo processo de mistura genética entre ameríndios, europeus e africanos. As porcentagens relativas destas três

Leia mais

Mitocôndrias e Cloroplastos

Mitocôndrias e Cloroplastos Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Morfologia Biologia Celular Mitocôndrias e Cloroplastos Características gerais de mitocôndrias e cloroplastos Mitocôndrias

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais