Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C"

Transcrição

1 Notas de Aulas de Cálculo III Prof. Sandro Rodrigues Mazorche 1 o semestre de 2015 Turmas: A e C

2 Capítulo 1: Integral Dupla 1.1 Definição: Vamos considerar uma função z = f(x, y) definida em uma região fechada e limitada R do plano XoY.

3 Considere R k R. Em cada retângulo escolhendo (x k, y k ) R k. Soma de Riemann de z = f(x, y) sobre R é dada por, n k=1 f(x k, y k ) A k onde A k = x k y k é a área de R k. Tomando R k cada vez menores, de tal forma que a diagonal máxima dos retângulos R k tende a zero quando n. Nessa situação, se lim n n k=1 f(x k, y k ) A k existe, ele é chamado integral dupla de f(x, y) sobre a região R.

4 Denotamos R f(x, y)da ou R f(x, y)dxdy Observações: a) A região R é chamada região de integração. b) O limite deve ser independente da escolha das retas que subdividem a região R e dos pontos. c) A existência do limite depende da função f e também de R. No curso vamos supor que R é formado por um número finitos de arcos de curvas suaves e que f é contínua sobre R.

5 1.2 Interpretação Geomêtrica da Integral Dupla: Quando f(x, y) > 0, a R f(x, y)dxdy nos dá o volume do sólido delimitado superiormente pelo gráfico de z = f(x, y), inferiormente pela região R e lateralmente pelo cilindro vertical cuja base é o contorno de R.

6 1.3 Propriedades da Integral Dupla: a) b) R Kf(x, y)da = K R f(x, y)da, para todo K real. R [f(x, y) ± g(x, y)] da = R f(x, y)da ± c) Se f(x, y) g(x, y) em R, então d) Se f(x, y) 0 em R, então R R R f(x, y)da f(x, y)da 0. g(x, y)da. R g(x, y)da. e) Se a região R é composta de suas sub-regiões R 1 e R 2, R = R 1 R 2, que não tém pontos em comum, exceto possivelmente os pontos de suas fronteiras, então R f(x, y)da = R 1 f(x, y)da + R 2 f(x, y)da.

7 Teorema de Fubini: Se a função z = f(x, y) é contínua no retângulo R = [a, b] [c, d], então a integral dupla de f sobre R pode ser obtida através de integrais iteradas, ou seja: R f(x, y)da = b a [ d c f(x, y)dy ] dx = d c [ b a f(x, y)dx ] dy.

8 1.4 Cálculo da Integral Dupla: Todas as regiões que consideraremos serão de tipo I, de tipo II, ou então poderão ser divididas num número finito de sub-regiões, cada uma das quais é de tipo I ou II. Região do Tipo I: R = {(x, y) IR 2 a x b e f 1 (x) y f 2 (x)} Região do Tipo II: R = {(x, y) IR 2 c y d e g 1 (y) x g 2 (y)}

9 Teorema: Seja f uma função definida e contínua num subconjunto limitado e fechado R IR 2. Se R é uma região do Tipo I, então R f(x, y)da = b a [ f2 (x) f 1 (x) f(x, y)dy ] dx Se R é uma região do Tipo II, então R f(x, y)da = d c [ g2 (y) g 1 (y) f(x, y)dx ] dy as integrais do lado direito das igualdades são chamadas de integrais iteradas.

10 Exemplo 1: Calcular o volume do sólido delimitado superiormente pelo gráfico de z = 4 x y, inferiormente pela região R delimitada por x = 0, x = 2, y = 0 e y = 1 4 x e lateralmente pelo cilindro vertical cuja base é o contorno de R.

11 Exemplo 2: Calcular a integral R (x + y)da onde R é a região limitada por y = x 2 e y = 2x.

12 Exemplo 3: Calcular a integral x e y2 dydx.

13 Exemplo 4: Calcular a integral R y sin(x y)da onde R é a região delimitada por x = 0, y = π 2 e x = y.

14 Exemplo 5: Descrever a região de integração da integral x 2 f(x, y)dydx e inverta a ordem de integração. 4 x2

15 Exemplo 6: Calcular R xyda onde R é o triângulo OAB da figura abaixo.

16 Mudança de variáveis em Integrais Duplas Por meio de uma mudança de variáveis, (1) { x = x(u, v) y = y(u, v), uma integral dupla sobre uma região R do plano x y pode ser transformada em uma integral dupla sobre uma região R do plano u v. A correspondência entre as reigiões R e R é bijetora, e podemos retornar de R para R pela transformação inversa, (2) { u = u(x, y) v = v(x, y).

17 Teorema MV: Considere g uma aplicação definida por (1), g(u, v) = (x(u, v), y(u, v)), onde x e y são funções de classe C 1 num subconjunto aberto U IR 2. Seja R um subconjunto limitado e fechado contido em U tal que (i) g é injetora em R (ii) o determinante Jacobiano da aplicação g, (x,y) (u,v) x = u y u x v y v, nunca se anula em R. Se f é integrável em g(r ), então g(r ) f(x, y)dxdy = f(x(u, v), y(u, v)) R (x, y) (u, v) dudv.

18 Casos especiais de mudança de variáveis. (1) Mudança linear: Consideremos a transformação linear g definida pelas equações { x = au + bv y = cu + dv, onde a, b, c e d são constantes reais. O determinante Jacobiano desta transformação é dado por (x, y) (u, v) = a c b d = ad bc. Quando ad bc = 0, a aplicação g é injetora em IR 2 e pelo Teorema MV g(r ) f(x, y)dxdy = f(au + bv, cu + dv) ad bc dudv. R

19 Exemplo 7: Calcule R (x y)dxdy, sendo R o paralelogramo limitado pelas retas x y = 0, x y = 1, y = 2x e y = 2x 4.

20 Exemplo 8: Calcule R e y x y+xdxdy, onde R é a região triangular limitada pela reta x + y = 2 e os eixos coordenados.

21 (2) Mudança Coordenadas Polares: Consideremos a transformação g definida pelas equações { x(r, θ) = r cos(θ) y(r, θ) = r sin(θ), onde r 0 e θ varia num intervalo da forma [θ 0, θ 0 + 2π). O determinante Jacobiano desta transformação é dado por (x,y) (r,θ) = cos(θ) r sin(θ) sin(θ) r cos(θ) = r. Do Teorema MV temos g(r ) f(x, y)dxdy = rf(r cos(θ), r sin(θ))drdθ. R

22 Exemplo 9: Calcular origem e raio 2. R x 2 + y 2 dxdy, sendo R o círculo de centro na

23 Exemplo 10: Calcular R ex2 +y 2 dxdy, onde R é a região do plano x y delimitada por x 2 + y 2 = 4 e x 2 + y 2 = 9.

24 Exemplo 11: Calcular R (x + y)dxdy, onde R é a região delimitada: (1) x 2 + y 2 ax = 0, a > 0.

25 (2) x 2 + y 2 ay = 0, a > 0.

26 Exemplo 12: Calcular R x 2 + y 2 dxdy, sendo R a região limitada pelas curvas x 2 + y 2 = 2x, x 2 + y 2 = 4x, y = x e y = 3 3 x.

27 Exemplo 13: Calcular R [(x 2)2 + (y 2) 2 ]dxdy, onde R é a região delimitada pela circunferência (x 2) 2 + (y 2) 2 = 4.

28 Exemplo 14: Calcular R (x2 + y 2 )dxdy, onde R é a região no primeiro quadrante limitada pelas hipérboles x 2 y 2 = 1, x 2 y 2 = 9, xy = 2 e xy = 4.

29 Aplicações da Integral Dupla (1) Cálculo de volume: Vimos que, para f(x, y) 0, a integral R f(x, y)da nos dá o volume do sólido delimitado superiormente pelo gráfico de z = f(x, y), inferiormente pela região R e lateralmente pelo cilindro vertical cuja base é o contorno de R.

30 Exemplo 15: Calcular o volume do sólido acima do plano x y delimitado por z = 4 2x 2 2y 2.

31 Exemplo 16: Calcular o volume do sólido no primeiro octante delimitado por y + z = 2 e pelo cilindro que contorna a região delimitada por y = x 2 e x = y 2.

32 Exemplo 17: Calcular o volume do sólido abaixo do plano x y delimitado por z = x 2 + y 2 9.

33 Exemplo 18: Calcular o volume do sólido delimitado por z = 2x 2 + y 2 ez = 4 2x 2 y 2.

34 Exemplo 19: Calcular o volume do sólido no primeiro octante, delimitado pelos cilindros x 2 + y 2 = 16 e x 2 + z 2 = 16.

35 Exemplo 20: Calcular o volume do tetraedro dado pela figura abaixo.

36 (2) Cálculo de áreas de regiões planas: Se f(x, y) = 1 na região R então a integral R da nos dá a área da região de integração R. Se temso uma região do Tipo I, como mostra na figura acima, podemos escrever A = R da = b a f2 (x) f 1 (x) dydx = b a [f 2(x) f 1 (x)]dx

37 Exemplo 21: Calcular a área da região R delimitada por x = y e x + y = 3.

38 Exemplo 22: Calcular a área da região R delimitada por y = x 3, y = x e y = 2 3 x

39 Exemplo 23: Usando integral dupla, mostre que a área da região R delimitada por uma elipse com semi-eixos a e b é πab unidades de área.

40 (3) Aplicações físicas: Consideremos uma lâmina fina tendo a forma de uma região R do plano e assumamos que a massa está distribuída sobre esta lâmina com densidade conhecida( f(x, y) 0 em R ). (i) A massa total da lâmina é: M = R f(x, y)da (ii) O momento de massa em relação ao eixo x é: M x = (iii) O momento de massa em relação ao eixo y é: M y = R R yf(x, y)da xf(x, y)da (iv) O centro de massa, (x, y), é definido por x = M y M e y = M x M. Quando a densidade é constante, f(x, y) = k em R, o centro de massa (x, y) é chamada centóide da lâmina(ou da região R).

41 Se L é uma reta no plano da lâmina R, seja d(x, y) a distância do ponto (x, y) em R à reta L. O número I L = R d2 (x, y)f(x, y)da, onde f(x, y) é a densidade, é chamado de momento de inércia da lâmina em relação à reta L. (i) Momento de inércia em relação ao eixo x: I x = (ii) Momento de inércia em relação ao eixo y: I y = (iii) Momento de inércia polar: I o = R (x2 + y 2 )f(x, y)da R y2 f(x, y)da R x2 f(x, y)da

42 Exemplo 24: Determinar o centro de massa de uma chapa homogênea formada por um quadrado de lado 2a, encima por um triângulo isósceles que tem por base o lado 2a do quadrado e por altura a.

43 Exemplo 25: Calcular o momento de inércia em relação ao eixo dos y da chapa desenhada na figura abaixo, sabendo que a densidade de massa é igual a xy kg/m 2.

44 Capítulo 2: Integrais Triplas 2.1 Definição: Seja w = f(x, y, z) uma função definida e contínua em uma região fechada e limitada T do espaço. Subdividimos T em pequenas subregiões traçando planos paralelos coordenados. Se existe lim n n k=1 f(x k, y k, z k ) V k, ele é chamado integral tripla da finção f(x, y, z) sobre a região T e o representamos por T fdv ou T f(x, y, z)dxdydz.

45 2.3 Propriedades da Integral Tripla: a) T KfdV = K fdv, para todo K real. T b) T T [f ± g]dv = fdv ± gdv. T c) Se f g em T, então T fdv gdv. T d) Se a região T é composta de suas sub-regiões T 1 e T 2, T = T 1 T 2, então T fdv = T 1 fdv + T 2 fdv.

46 2.3 Cálculo da Integral Tripla: 1 o Caso A região T é delimitada inferiormente pelo gráfico da função z = h 1 (x, y) e superiormente pelo gráfico de z = h 2 (x, y), onde h 1 e h 2 são funções contínuas sobre a região R do plano x y, como mostra a figura. ( R : { f1 (x) y f 2 (x) a x b ) T fdv = [ ] h2 (x,y) f(x, y, z)dz dxdy = R h 1 (x,y) b f2 (x) h2 (x,y) a f 1 (x) h 1 (x,y) f(x, y, z)dzdydx

47 2 o Caso: A região T é delimitada à esquerda pelo gráfico de y = p 1 (x, z) e à direita pelo gráfico de y = p 2 (x, z), onde p 1 e p 2 são funções contínuas sobre a região R do plano x z, como mostra a figura. ( R : { f1 (x) z f 2 (x) a x b ) T fdv = [ ] p2 (x,z) f(x, y, z)dy dxdz = R p 1 (x,z) b f2 (x) p2 (x,z) a f 1 (x) p 1 (x,z) f(x, y, z)dydzdx

48 3 o Caso: A região T é delimitada na parte de trás pelo gráfico de x = q 1 (y, z) e na frente pelo gráfico de x = q 2 (y, z), onde q 1 e q 2 são funções contínuas sobre a região R do plano y z, como mostra a figura. ( R : { f1 (y) z f 2 (y) c y d ) T fdv = [ ] q2 (y,z) f(x, y, z)dx dydz = R q 1 (y,z) d f2 (y) q2 (y,z) c f 1 (y) q 1 (y,z) f(x, y, z)dxdzdy

49 Exemplo 26: Calcular I = T fdv, onde T é o sólido delimitado pelo cilindro x 2 + y 2 = 25, pelo plano x + y + z = 8 e pelo plano x y.

50 Exemplo 27: Calcular I = T fdv, onde T e a região delimitada pelos planos coordenados e pelo plano x 3 + y 2 + z = 1.

51 Exemplo 28: Calcular I = T dv, onde T é a reigão delimitada por x 2 + y 2 + z 2 = 4 e x 2 + y 2 = 3z.

52 Exemplo 29: Calcular I = T (x 1)dV, onde T é a reigão do espaço delimitada pelos y = 0, z = 0, y + z = 5 e pelo cilindro parabólico z = 4 x 2.

53 2.4 Mudança de variáveis em Integral Tripla: De forma análoga à apresentada para as integrais duplas. podemos introduzir novas variáveis de integração na integral tripla T f(x, y, z)dxdydz. Introduzindo novas variáveis de integração u, v, w por meio das equações x = x(u, v, w) y = y(u, v, w) z = z(u, v, w), a integral acima pode ser expressa por f(x(u, v, w), y(u, v, w), z(u, v, w)) T (x, y, z) (u, v, w) dudvdw onde T é a correspondente região no espaço u, v, w e (x,y,z) (u,v,w) é o determinante jacobiano de x, y, z em relação a u, v e w.

54 Cálculo de uma Integral Tripla em coordenadas ciĺındricas: As coordenadas ciĺındricas de um ponto P no espaço, de coordenadas cartesianas (x, y, z), são determinadas pelos números r, θ e z, onde r e θ são as coordenadas polares da projeção de P sobre o plano x y. A relação entre as coordenadas ciĺındricas e cartesianas é dada pelas equações x = r cos(θ) y = r sin(θ) z = z.

55 O jacobiano de x, y, z em relação às novas variáveis r, θ e z é: (x, y, z) (u, v, w) = cos(θ) r sin(θ) 0 sin(θ) r cos(θ) = r. Assim, T f(x, y, z)dxdydz = f(r cos(θ), r sin(θ), z)rdrdθdz T onde T é a região T descrita em coordenadas ciĺındricas. Se a região T se enquadra no 1 o caso então R [ g2 (r,θ) g 1 (r,θ) f(r cos(θ), r sin(θ), z)rdz ] drdθ. a) g 1 e g 2 são as superfícies que delimitam T inferior e superiormente. b) R é a projeção de T sobre o plano x y descrita em coordenadas polares.

56 Exemplo 30: Calcular I = T (x2 + y 2 )dv, onde T é a reigão delimitada pelo plano x y, pelo paraboloíde z = x 2 + y 2 e pelo cilindro x 2 + y 2 = a 2.

57 Exemplo 31: Calcular I = T dv, sendo T a porção da esfera x2 + y 2 + z 2 = a 2 que está dentro do cilindro x 2 + y 2 = ay.

58 Exemplo 32: Escrever, na forma de uma soma de integrais iteradas duplas, a integral I = T dv, onde T é a região inferior à esfera x 2 + y 2 + z 2 = 1 e exterior ao cone z 2 = x 2 + y 2.

59 Cálculo de uma Integral Tripla em coordenadas esféricas: As coordenadas esféricas (ρ, θ, φ) de um ponto P (x, y, z) no espaço são ilustradas na Figura abaixo. A coordenada ρ é a distância do ponto P até a origem; A coordenada θ é a mesma que em coordenadas ciĺındricas; A coordenada φ é o ângulo formado pelo eixo positivo dos z e o segmento que une o ponto P à origem; x = ρ sin(φ) cos(θ), y = ρ sin(φ) sin(θ) e z = ρ cos(φ).

60 O jacobiano de (x, y, z) (ρ, θ, φ) = Assim, T f(x, y, z)dxdydz = (x, y, z) (ρ, θ, φ) é: sin(φ) cos(θ) ρ sin(φ) sin(θ) ρ cos(θ) cos(θ) sin(φ) sin(θ) ρ sin(φ) cos(θ) ρ cos(φ) sin(θ) cos(φ) 0 ρ sin(φ) = ρ 2 sin(φ). T f(ρ sin(φ) cos(θ), ρ sin(φ) sin(θ), ρ cos(φ))ρ 2 sin(φ)dρdφdθ onde T é a região de integração T descrita em coordenadas esféricas.

61 Exemplo 33: Calcular I = z 2 a 2. T xdv, onde T é a esfera sólida x2 + y 2 +

62 Exemplo 34: Calcular I = T zdv, onde T é a região limitada superiormente pela esfera x 2 + y 2 + z 2 = 16 e inferiormente pelo cone z = x 2 + y 2.

63 Exemplo 35: Calcular I = T x 2 + y 2 + z 2 dv, onde T é a coroa esférica limitada por x 2 + y 2 + z 2 = 1 e x 2 + y 2 + z 2 = 4.

64 Exemplo 36: Descrever, em coordenadas esféricas, o sólido T limitado inferiormente pelo plano x y, superiormente pelo cone φ = π 6 e lateralmente pelo cilindro x 2 + y 2 = a 2. Escrever na forma de uma integral iterada tripla I = T x2 + y 2 + z 2 dv.

65 2.5 Aplicações: (1) Volume: O cálculo de volume de um corpo T ou sólido delimitado por uma região fechada e limitada no espaço é dado pela integral V (T ) = T dv. Exemplo 37: Calcular o volume do sólido T delimitado por y = 0, z = 0, y + z = 5 e z = 4 x 2.

66 Exemplo 38: Calcular o volume do sólido delimitado inferiormente por z = 3 y 2, superiormente por z = 6 e lateralmente pelo cilindro vertical que contorna a região R delimitada por y = x 2 e y = 4.

67 Exemplo 39: Encontrar o volume do sólido limitado acima pela esfera x 2 + y 2 + z 2 = 16 e abaixo pelo cone 3z 2 = x 2 + y 2.

68 (2) Aplicações físicas: Seja T um corpo ou sólido delimitado por uma região fechada e limitada do espação. Vamos supor que a densidade de massa em um ponto (x, y, z) é dada pela função δ = δ(x, y, z), contínua em T. (i) A massa total do corpo é: M = T δ(x, y, z)dv (ii) O momento de massa em relação ao plano x z é: M xz = (iii) O momento de massa em relação ao plano y z é: M yz = (iv) O momento de massa em relação ao plano x y é: M xy = T T T yδ(x, y, z)dv xδ(x, y, z)dv zδ(x, y, z)dv (v) O centro de massa, (x, y, z), é definido por x = M yz M, y = M xz M e z = M xy M.

69 Outro conceito, já discutido para integrais duplas é o de momento de inércia em relação a um eixo L. De forma análoga temos os momentos de inércia correspondentes dados por: (i) Momento de inércia em relação ao eixo x: I x = (ii) Momento de inércia em relação ao eixo y: I y = (iii) Momento de inércia em relação ao eixo z: I z = T T T (y 2 +z 2 )δ(x, y, z))dv (x 2 +z 2 )δ(x, y, z))dv (x 2 +y 2 )δ(x, y, z))dv

70 Exemplo 40: Calcular a massa e o centro de massa do sólido T, delimitado por 2x+y+z = 1 e os planos coordenados, sabendo que a densidade de massa em P (x, y, z) é proporcional à distância até o plano x y.

71 Exemplo 41: Um sólido tem a forma da região delimitada pelo parabolóide z = 1 x 2 y 2 e o plano x y. A densidade em P (x, y, z) é proporcional à distância de P até a origem. Escrever as integrais usadas para calcular as coordenadas do centro de massa.

72 Exemplo 42: Encontrar o momento de inércia em relação ao eixo z do sólido delimitado pelo cilindro x 2 + y 2 = 9 e pelos planos z = 2 e z = 4, sabendo que a densidade de massa é igual a (x 2 + y 2 )kg/m 3.

73 Capítulo 3: Funções Vetoriais e Curvas 3.1 Definição: Chamamos de função vetorial de uma variável real t, definida em um intervalo I, a função que a cada t I associa um vetor f do espaço. Denotamos f = f(t). Por exemplo, em IR 3 o vetor f pode ser escrito como f(t) = f 1 (t) i + f 2 (t) j + f 3 (t) k.

74 Exemplo 43: Encontrar a função vetorial f(t) que expressa o movimento de uma partícula na posição P (f 1 (t), f 2 (t)) no tempo t.

75 Operações com funções vetoriais: Dadas as funções vetoriais f(t) = f 1 (t) i + f 2 (t) j + f 3 (t) k e g(t) = g 1 (t) i + g 2 (t) j + g 3 (t) k, definidas para t I, podemos definir novas funções vetoriais como segue: a) h(t) = f(t) ± g(t) = (f 1 (t) ± g 1 (t)) i + (f 2 (t) ± g 2 (t)) j + (f 3 (t) ± g 3 (t)) k. b) w(t) = f(t) g(t) = i j k f 1 (t) f 2 (t) f 3 (t) g 1 (t) g 2 (t) g 3 (t) c) v(t) = p(t). f(t) = p(t)f 1 (t) i + p(t)f 2 (t) j + p(t)f 3 (t) k, onde p(t) é uma. função real definida em I. Também podemos definir uma função real por meio do produto interno: h(t) = f(t) g(t) = f 1 (t)g 1 (t) + f 2 (t)g 2 (t) + f 3 (t)g 3 (t).

76 Exemplo 44: Dadas as funções vetoriais f(t) = t i+t 2 j+5 k e g(t) = t 3 i+ j e a função h(t) = t 2 1, determinar: a) f(t) + g(t) b)2 f(t) g(t) c) f(t) g(t) d) [h(t) f(t)] g(t) e) f( 1 a ) + g(1 a ) para a 0.

77 Limite e Continuidade: Definição f = f(t) uma função vetorial definida em um intervalo aberto I, contendo t 0, exceto possivelmente no próprio t 0. Dizemos que o limite de f(t) quando t aproxima-se de t 0 é a e escrevemos lim f(t) = a, t t 0 se para todo ɛ > 0, existe δ > 0, tal que f(t) a < ɛ sempre que 0 < t t 0 < δ.

78 Proposição: Sejam f(t) = f 1 (t) i + f 2 (t) j + f 3 (t) k e a = a 1 i + a 2 j + a 3 k. O lim t t0 f(t) = a se, e somente se, lim t t0 f i (t) = a i i = 1, 2, 3. Propriedades: Sejam f(t) e g(t) duas funções vetoriais e h(t) uma função real, definidas em um mesmo intervalo. Se lim t t0 f(t) = a, lim t t0 g(t) = b e lim t t0 h(t) = m, então: a) lim t t0 [ f(t) ± g(t)] = a ± b; c) lim t t0 f(t) g(t) = a b; b) lim t t0 f(t) g(t) = a b d) lim t t0 h(t) f(t) = m a Definição: Uma função vetorial f = f(t), definida em um intervalo I, é contínua em t 0 I, se lim t t0 f(t) = f(t0 ). Segue que f(t) é contínua em t 0 se, e somente se, suas componentes são funções contínuas em t 0.

79 Exemplo 45: Calcule: a) lim t [t 2 i + (t 2 1) j + 2 k]; 2 b) lim[ sin(t) i + t j]; t 0 t c) lim t 0 f(t) e lim t 2 (t 2 4t + 4) f(t), onde f(t) = a+2 b t 2, a = i e b = 2 j k.

80 Exemplo 46: Sejam f(t) = t i + 2t 2 j + 3t 3 k e g(t) = 3t i 2 j + 4t 2 k. a) lim t 1 [ f(t) + g(t)]; b) lim t 1 [ f(t) g(t)]; c) lim t 1 [ f(t) g(t)];

81 Exemplo 47: Verificar se a função f(t) = sin(t) i + cos(t) j + k é contínua em t 0 = π. Exemplo 48: Verificar se a função g(t) = { sin(t) t i + j t 0 2 i + j t = 0 é contínua em t 0 = 0. Exemplo 49: Indicar os intervalos de continuidades das seguintes funções: a) g(t) = 1 t i + t 2 j; b) h(t) = ln(t) j + 2 k.

82 Curvas: Definição: Dada uma função vetorial contínua f(t) = f 1 (t) i + f 2 (t) j + f 3 (t) k, t I, chamamos curva o lugar geométrico dos pontos P do espaço que têm vetor posição f(t), t I. Se f(t) é o vetor posição de uma partícula em movimento, a curva C coincide com a trajétoria da partícula.

83 Representação Paramétrica de Curvas: Sejam (1) x = x(t) y = y(t) z = z(t) funções contínuas de uma variável t, definidas para t [a, b]. As equaçõe (1) são chamadas equações paramétricas de uma curva e t é chamado parâmetro.

84 Dadas as equações paramétricas de uma curva, podemos obter uma equação vetorial para ela. Basta considerar o vetor posição r(t) de cada ponto da curva. As componentes de r(t) são precisamente as coordenadas do ponto. Escrevemos r(t) = x(t) i + y(t) j + z(t) k, a t b.

85 Definições: a) Uma curva plana é uma curva que está contida em um plano no espaço. Uma curva que não é plana chama-se curva reversa. b) Uma curva parametrizada r(t), t [a, b], é dita fechada se r(a) = r(b). c) Se a cada ponto da curva corresponde um único valor do parâmetro t (exceto quando t = a e t = b), dizemos que a curva é simples.

86 Parametrização de uma reta: dada por A equação vetorial de uma reta qualquer pode ser r(t) = a + t b, sendo a e b vetores canstantes e t um parâmetro real. Na figura podemos visualizar os vetores a e b. A reta passa pelo ponto A, que tem vetor posição a e a direção do vetor b. r(t) = (a 1 +tb 1 )) i+(a 2 +tb 2 ) j +(a 3 +tb 3 ) k as equações paramétricas da reta que passa pelo panto (a 1, a 2, a 3 ) e tem direção b 1 i + b 2 j + b 3 k são x(t) = a 1 + tb 1 ; y(t) = a 2 + tb 2 e z(t) = a 3 + tb 3.

87 Exemplo 50: Determinar uma representação paramétrica da reta que para pelo ponto A(2, 1, 1) na direção do vetor b = 2 i 3 j + k. Exemplo 51: Determinar uma representação paramétrica da reta que para por A(2, 0, 1) e B( 1, 1 2, 0).

88 Parametrização de uma circunferência: Uma equação vetorial da circunferência de raio a, com centro na origem, no plano x y, é r(t) = a cos(t) i + a sin(t) j, 0 t 2π. Quando a circunferência não está centrada na origem, a equação vetorial é dada por r(t) = r 0 + r 1 (t), onde r 0 = x 0 i + y 0 j e r 1 (t) = a cos(t) i + a sin(t) j, 0 t 2π. Portanto, nesse caso, a equação vetorial é dada por (*) r(t) = [x 0 + a cos(t)] i + [y 0 + a sin(t)] j, 0 t 2π.

89 Exemplo 52: Obter as equações paramétrica da circunferência x 2 + y 2 6x 4y + 4 = 0 no plano z = 3. Exemplo 53: A equação vetorial r(t) = 2 i + 3 cos(t) j + 3 sin(t) k representa uma circunferência. Determinar a correspondente equação cartesiana.

90 Parametrização de uma elipse: Uma equação vetorial de uma elipse, no plano x y, com centro na origem e eixos nas direções x e y é r(t) = a cos(t) i + b sin(t) j, 0 t 2π. Se a elipse estiver centrada em (x 0, y 0 ) e seus eixos forem paralelos aos eixos coordenados, sua equação vetorial é r(t) = r 0 + r 1 (t), onde r 0 = x 0 i + y 0 j e r 1 (t) = a cos(t) i + b sin(t) j, 0 t 2π. Portanto, nesse caso, a equação vetorial é dada por (*) r(t) = [x 0 + a cos(t)] i + [y 0 + b sin(t)] j, 0 t 2π.

91 Exemplo 54: Escrever uma equação vetorial da elipse 9x 2 + 4y 2 = 36, no plano x y. Exemplo 55: Escrever uma equação vetorial para a elipse da figura abaixo.

92 Parametrização de uma hélice circular: A hélice circular é uma curva reversa. Ela se desenvolve sobre a superfície ciĺındrica x 2 + y 2 = a 2. Consideremos parte da superfí cil{indrica x 2 + y 2 = a 2, como na figura abaixo Dessa forma, escrevemos z(t) = x(t) = a cos(t) y(t) = a sin(t), onde θ é o ângulo agudo P Q = AN tan(θ) = at tan(θ) BÂC. Podemos fazer tan(θ) = m e escrever a equação vetorial da hélice circular como: r(t) = a cos(t) i + a sin(t) j + amt k

93 Parametrização de outras curvas Como vimos uma curva pode ser representada por equações paramétricas ou por uma equação vetorial. Existem outras formas de representação de uma curva: (*) gráfico de uma função contínua y = f(x) representa uma curva no plano x y. (**) A intersecção de duas superfícies representa, em geral, uma curva no plano ou no espaço.

94 Exemplo 56: Escrever uma equação vetorial para y = 5x + 3 no plano z = 2. Exemplo 57: A intersecção entre superfícies z = x 2 + y 2 e z = 2 + y determina uma curva. Escrever uma equação vetorial dessa curva.

95 Exemplo 58: Representar parametricamente a curva dada pela intersecção das superfícies x + y = 2 e x 2 + y 2 + z 2 = 2(x + y). Exemplo 59: Representar graficamente as curvas C, dadas por: (a) f(t) = t i + t j (t 2 4) k (b) g(t) = t 2 i + t 2 j + 3 k (c) h(t) = 2 cos(t) i + 2 sin(t) j + 5 k

96 Derivada de uma função vetorial: Seja f(t) uma função vetorial. Sua derivada é uma função vetorial f (t), definida por f(t + t) f(t) f (t) = lim, t 0 t para todo t, tal que o limite existe. Se a deivada f (t) existe em todos os pontos de um intervalo I, dizemos que f é derivável em I. f (t) = f 1 i + f 2 j + f 3 k Geometricamente nos referimos a f (t) como sendo vetor tangente à curva C em P.

97 Interpretação física da derivada: Portanto, quando r(t) é derivável, a velocidade instantânea da partícula é dada por v(t) = r (t). Analogamente, se v(t) é derivável, a aceleração da partícula é dada por a(t) = v (t).

98 Proposição: Sejam f(t) e g(t) funções vetoriais e h(t) uma função real, deriváveis em um intervalo I. Então, para todo t I, temos: a) [ f(t) ± g(t)] = f (t) ± g (t); b) [h(t) f(t)] = h(t) f (t) + h (t) f(t); c) [ f(t) g(t)] = f (t) g(t) + f(t) g (t); d) [ f(t) g(t)] = f (t) g(t) + f(t) g (t). Derivadas sucessivas: Seja f(t) uma função vetorial derivável em um intervalo I. Sua derivada f (t) é uma função vetorial definida em I. Se f (t) é derivável em um ponto t I, a sua derivada é chamada derivada segunda de f no ponto t e é representada por f (t). Analogamente, são definidas as derivadas de ordem mais alta.

99 Exemplo 60: Dada f(t) = t i + t 2 j, determinar f (t). Esborçar a curva C descrita por f e os vetores tangentes f (1), f ( 1) e f (0). Exemplo 61: Determinar um vetor à curva C, descrita pela equação vetorial g(t) = cos(t) i + sin(t) j + k, t [0, 2π], no ponto P (0, 1, 1).

100 Exemplo 62: O vetor posição de uma partícula em movimento no plano é r(t) = t i + 1 t + 1 j, t 0. a) Determinar o vetor velocidade e o vetor aceleração em um instante qualquer t. b) Esboçar a trjetória da partícula, desenhando os vetores velocidade no tempo t = 0 e t = 1.

101 Exemplo 63: Determinar o vetor velocidade e o vetor aceleração de uma partícula que se move segundo a lei r(t) = cos(2t) i + sin(2t) j + k. Mostre que o vetor velocidade é perpendicular ao vetor posição e que o vetor aceleração ṕerpendicular ao vetor velocidade.

102 Exemplo 64: Sejam h(t) = t e f(t) = cos(t) i + sin(t) j. a) Determinar (h(t) f(t)). b) Mostrar que f (t) é ortogonal a f(t). Exemplo 65: Mostrar que f (t) é ortogonal a f(t) sempre que f(t) é uma constante.

103 Curvas Suaves: Geometricamente, uma curva suave é caracterizada pela ausência de pontos angulosos. Em cada um de seus pontos, a curva tem uma tengente única que varia continuamente quando se move sobre a curva. Geometricamente, uma curva suave é caracterizada pela ausência de pontos angulosos. Em cada um de seus pontos, a curva tem uma tangente única que varia continuamente quando se move sobre a curva. Sempre que uma curva C admite uma parametrização r(t), t I IR, que tem derivada contínua r(t) e r (t) 0, para todo t I, C é uma curva suave ou regular. Uma curva é suave por partes se puder ser dividida em um número finito de curvas suaves.

104 Orientação de uma Curva: Se um ponto material desloca-se sobre uma curva suave C, temos dois possíveis sentidos de percurso. A escolha de um deles como sentido poditivo define uma orientação na curva C. Vamos supor que a curva C seja representada por r(t) = x(t) i + y(t) j + z(t) k, t [a, b]. Convencionamos chamar de sentido positivo sobre C o sentido no qual a curva é traçda quando o parâmetro t cresce de a até b. O sentido oposto é chamado negativo sobre C. Se uma curva simples C é suave por partes, podemos orientá-la, orientando cada parte suave de C.

105 Definição: Dada uma curva orientada C, representada por r(t) = x(t) i + y(t) j + z(t) k, t [a, b]; a curva C é definida como a curva C com orientação oposta. A curva C é dada por r (t) = r(a + b t) = x(a + b t) i + y(a + b t) j + z(a + b t) k, t [a, b]. Exemplo 66: Apresentar duas parametrizações da circunferência de centro na origem e raio a onde uma é no sentido horário e outra no sentido antí-horário.

106 Exemplo 67: Parametrizar o seguimento de reta que une o ponto A(0, 0, 1) ao ponto B(1, 2, 3), no sentido de A para B. Exemplo 68: Paramerizar o segmento de reta que une o ponto (1, 2, 3) ao ponto (0, 0, 1).

107 Comprimento de Arco: Seja C uma curva dada pela equação vetorial r(t) = x(t) i + y(t) j + z(t) k, t [a, b]. Teorema: Seja C uma curva suave parametrizada por r(t), a t b. Então, l = b a r (t) dt = b a x 2 (t) + x 2 (t) + z 2 (t)dt. Se a curva é suave por partes, seu comprimento é dado pela soma das integrais definidas nos subintervalos de [a, b] nos quais a curva C é suave.

108 Exemplo 69: Encontrar o comprimento do arco da curva cuja equação vetorial é r(t) = t i + t 2 3 j, t [1, 4]. Exemplo 70: Encontrar o comprimento da hélice circular r(t) = (cos(t), sin(t), t) do ponto A(1, 0, 0) a B( 1, 0, π).

109 Função Comprimento de Arco: Na integral l = b a r (t) dt, se substituímos o limite superior b por um limite variável t, t [a, b], a integral se transforma em uma função de t, s(t) = t a r ( t) d t. A função s = s(t) é chamada função comprimento de arco e mede o comprimento de arco de C no intervalo [a, t]. Exemplo 71: Escreva a função comprimento de arco da circunferência de raio R. Exemplo 72: Encontrar a função comprimento de arco da hélice circular r(t) = (2 cos(t), 2 sin(t), t).

110 Reparametrização de curvas por Comprimento de Arco: É conveniente parametrizarmos algumas curvas usando como parâmetro o comprimento de arco s. Para reparametrizarmos uma curva suave C, dada por r(t) = x(t) i + y(t) j + z(t) k, t [a, b] procedemos como segue: a) calculamos s = s(t); b) encontramos a sua inversa t = t(s), 0 s l; c) reescrevemos como h(s) = r(t(s)) = x(t(s)) i + y(t(s)) j + z(t(s)) k, s [0, l]. Temos, então, que h(s) descreve a mesma curva C que era dada por r(t), mas com uma nova parametrização, em que a variável s, 0 s l, representa o comprimento de arco de C.

111 Exemplo 73: Reparametrizar pelo comprimento de arco a curva C : r(t) = (R cos(t), R sin(t)), 0 t 2π. Exemplo 74: Reparametrizar pelo comprimento de arco a curva dada por r(t) = (e t cos(t), e t sin(t)), t 0. Exemplo 75: Dada uma curva C representada por r(t), mostrar que, se r (t) = 1, então o parâmetro t é o parâmetro comprimento de arco de C.

112 Exemplo 76: Verificar que a curva C : h(s) = ( s 5, 2s 5 ), s 0, está parametrizada pelo comprimento de arco. Exemplo 77: Seja C uma curva suave reparametrizada pelo comprimento de arco. Mostrar que se C é representada por h(s), então h (s) = 1.

Primitva. Integral Indenida

Primitva. Integral Indenida Primitva Denição. 1 Uma função F (x) é chamada uma primitiva da função f(x) em um intervalo I (ou simplesmente uma primitiva de f(x), se para todo x I, temos F (x) = f(x). Exemplo. 1 1. emos que cos(x)

Leia mais

LISTA DE CÁLCULO III. (A) Integrais Duplas. 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (e) (f) (g) (h)

LISTA DE CÁLCULO III. (A) Integrais Duplas. 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (e) (f) (g) (h) 1 LISTA E CÁLCULO III (A) Integrais uplas 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (c) (d) 1 y y a a 2 x 2 a 1 y 1 2 2 x x 2 y 2 dxdy; a 2 x 2 (x + y)dydx; e x+y dxdy; x 1 +

Leia mais

CÁLCULO II - MAT0023. Nos exercícios de (1) a (4) encontre x e y em termos de u e v, alem disso calcule o jacobiano da

CÁLCULO II - MAT0023. Nos exercícios de (1) a (4) encontre x e y em termos de u e v, alem disso calcule o jacobiano da UNIVEIDADE FEDEAL DA INTEGAÇÃO LATINO-AMEICANA Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza Centro Interdisciplinar de Ciências da Natureza CÁLCULO II - MAT3 15 a Lista de exercícios Nos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC. 1 a Avaliação escrita de Cálculo IV Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/2008

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC. 1 a Avaliação escrita de Cálculo IV Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/2008 1 a Avaliação escrita de Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/008 1. Seja R a região do plano delimitada pelos gráficos de y = x, y = 3x 18 e y = 0. Se f é continua em R, exprima f ( x, y) da em termos

Leia mais

PARAMETRIZAÇÃO DE CURVA:

PARAMETRIZAÇÃO DE CURVA: PARAMETRIZAÇÃO DE CURVA: parametrizar uma curva C R n (n=2 ou 3), consiste em definir uma função vetorial: r : I R R n (n = 2 ou 3), onde I é um intervalo e r(i) = C. Equações paramétricas da curva C de

Leia mais

Lista 1 - Cálculo III

Lista 1 - Cálculo III Lista 1 - Cálculo III Parte I - Integrais duplas sobre regiões retangulares Use coordenadas cartesianas para resolver os exercícios abaixo 1. Se f é uma função constante fx, y) = k) e = [a, b] [c, d],

Leia mais

MAT Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia III 1a. Lista de Exercícios - 1o. semestre de 2016

MAT Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia III 1a. Lista de Exercícios - 1o. semestre de 2016 MAT55 - Cálculo iferencial e Integral para ngenharia III a. Lista de xercícios - o. semestre de 6. Calcule as seguintes integrais duplas: (a) (y xy )dxdy, onde = {(x, y) : x, y }. esp. (a) 585. 8 x sin

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Sétima Semana

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Sétima Semana Lista de Exercícios de Cálculo Sétima Semana Parte A. Use os multiplicados de Lagrange para determinar os valores máximos e mínimos da função sujeita as restrições dadas. (a) f(x, y) = x 2 + y 2 s.a. xy

Leia mais

Lista Determine o volume do sólido contido no primeiro octante limitado pelo cilindro z = 9 y 2 e pelo plano x = 2.

Lista Determine o volume do sólido contido no primeiro octante limitado pelo cilindro z = 9 y 2 e pelo plano x = 2. UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II (Turma B) Prof. José Carlos Eidam Lista 3 Integrais múltiplas. Calcule as seguintes integrais duplas: (a) R (2y 2 3x

Leia mais

Integrais Duplos e Triplos.

Integrais Duplos e Triplos. Capítulo 4 Integrais uplos e Triplos. 4.1 Integrais uplos xercício 4.1.1 Calcule os seguintes integrais. a. e. 1 1 e 1 2x+2 15xy + 1y 2 dy dx b. y x dx dy 4 x 2y) dy dx f. 4 1 π 6 2 π 2 x 1 6xy 3 + x )

Leia mais

3 Cálculo Integral em R n

3 Cálculo Integral em R n 3 Cálculo Integral em n Exercício 3.. Calcule os seguintes integrais. Universidade da Beira Interior Matemática Computacional II Engenharia Informática 4/5 Ficha Prática 3 3 x + y dxdy x y + x dxdy e 3

Leia mais

Nome Cartão Turma Chamada

Nome Cartão Turma Chamada UFG Instituto de Matemática 215/2 POVA 2 16 de outubro de 215 8h3 1 2 3 4 5 81 3 y 811 onsidere a integral dupla iterada I = f(x,y)dxdy, em que o integrando é dado por f(x,y) = 4x y 2 x 2. 1. Determine

Leia mais

APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA

APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA 4 APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA Gil da Costa Marques 4.1 Geometria Analítica e as Coordenadas Cartesianas 4. Superfícies 4..1 Superfícies planas 4.. Superfícies limitadas e não limitadas 4.3 Curvas

Leia mais

3. Esboce a região de integração e inverta a ordem nas seguintes integrais: 4., onde R é a região delimitada por y x +1, y x

3. Esboce a região de integração e inverta a ordem nas seguintes integrais: 4., onde R é a região delimitada por y x +1, y x Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo Avançado / Métodos Matemáticos / Cálculo IV Profa: Ilka Freire ª Lista de Eercícios: Integrais Múltiplas 9., sendo:. Calcule f, da a) f, e ; =,

Leia mais

MAT Cálculo a Várias Variáveis I. Período

MAT Cálculo a Várias Variáveis I. Período MAT116 - Cálculo a Várias Variáveis I Integração Tripla Período 01.1 1 Exercícios Exercício 1 Considere a região = {(x, y, z) R 3 x + y z 1}. 9 1. Calcule o volume de.. Determine o valor de b de forma

Leia mais

Aula 6. Doravante iremos dizer que r(t) é uma parametrização da curva, e t é o parâmetro usado para descrever a curva.

Aula 6. Doravante iremos dizer que r(t) é uma parametrização da curva, e t é o parâmetro usado para descrever a curva. Curvas ou Funções Vetoriais: Aula 6 Exemplo 1. Círculo como coleção de vetores. Vetor posição de curva: r(t) = (cos t, sen t), t 2π r(t) pode ser vista como uma função vetorial: r : [, 2π] R R 2 Doravante

Leia mais

A Derivada. Derivadas Aula 16. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

A Derivada. Derivadas Aula 16. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Derivadas Aula 16 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 04 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014104 - Engenharia Mecânica A Derivada Seja x = f(t)

Leia mais

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : REGIÕES DO ESPAÇO E INTEGRAIS TRIPLAS

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : REGIÕES DO ESPAÇO E INTEGRAIS TRIPLAS MAT1153 / 008.1 LISTA DE EXERCÍCIOS : (1) Fazer os seguintes exercícios do livro texto. Exercs da seção.1.4: Exercs 1(b), 4(a), 4(b). () Fazer exercícios 3:(b), (c), (d) da secão 4.1.4 pg 99 do livro texto.

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula

Geometria Analítica II - Aula Geometria Analítica II - Aula 0 94 Aula Coordenadas Cilíndricas e Esféricas Para descrever de modo mais simples algumas curvas e regiões no plano introduzimos anteriormente as coordenadas polares. No espaço

Leia mais

Superfícies Parametrizadas

Superfícies Parametrizadas Universidade Estadual de Maringá - epartamento de Matemática Cálculo iferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit Superfícies Parametrizadas Prof.

Leia mais

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN MAT1153 / 2008.1 LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN OBS: Faça os exercícios sobre campos conservativos em primeiro lugar. (1 Fazer exercícios 1:(c,

Leia mais

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II INTEGRAÇÃO MÚLTIPLA10. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II INTEGRAÇÃO MÚLTIPLA10. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques INTEGAÇÃO MÚLTIPLA TÓPICO Gil da Costa Marques Fundamentos da Matemática II. Introdução. Integrais Duplas.3 Propriedades das Integrais Duplas.4 Cálculo de Integrais Duplas.5 Integrais duplas em regiões

Leia mais

Atividades Práticas Supervisionadas (APS)

Atividades Práticas Supervisionadas (APS) Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba epartamento Acadêmico de Matemática Prof: Lauro César Galvão Cálculo II Entrega: junto com a a parcial ATA E ENTREGA: dia da a PROVA (em sala

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 2: Integrais Duplas

Cálculo Diferencial e Integral 2: Integrais Duplas Cálculo Diferencial e Integral 2: Integrais Duplas Jorge M. V. Capela Instituto de Química - UNESP Araraquara, SP capela@iq.unesp.br Araraquara, SP - 2017 1 Integrais Duplas sobre Retângulos 2 3 Lembrete:

Leia mais

denomina-se norma do vetor (x 1,..., x n ). (Desigualdade de Schwarz) Quaisquer que sejam os vetores u e v de R n, tem-se

denomina-se norma do vetor (x 1,..., x n ). (Desigualdade de Schwarz) Quaisquer que sejam os vetores u e v de R n, tem-se Teoria FUNÇÕES VETORIAIS Geometria do Espaço R n : O espaço R n é um espaço vetorial sobre R com as operações de soma e multiplicação por escalar definidas coordenada a coordenada. O número (x 1,..., x

Leia mais

CAPÍTULO 1 Sistemas de Coordenadas Lineares. Valor Absoluto. Desigualdades 1. CAPÍTULO 2 Sistemas de Coordenadas Retangulares 9. CAPÍTULO 3 Retas 18

CAPÍTULO 1 Sistemas de Coordenadas Lineares. Valor Absoluto. Desigualdades 1. CAPÍTULO 2 Sistemas de Coordenadas Retangulares 9. CAPÍTULO 3 Retas 18 Sumário CAPÍTULO 1 Sistemas de Coordenadas Lineares. Valor Absoluto. Desigualdades 1 Sistema de Coordenadas Lineares 1 Intervalos Finitos 3 Intervalos Infinitos 3 Desigualdades 3 CAPÍTULO 2 Sistemas de

Leia mais

PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP

PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE TRABALHO, CAMPOS CONSERVATIVOS, TEOREMA DE GREEN, FLUXO DE UM CAMPO AO LONGO DE UMA CURVA, DIVERGÊNCIA E ROTACIONAL DE UM CAMPO NO PLANO, FUNÇÕES HARMÔNICAS PROFESSOR: RICARDO

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III

Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III 1 o semestre de 26 Primeira Prova Turma EN1 Não serão aceitas respostas sem justificativa. Explique tudo o que você fizer. 1. Esboce a região de integração,

Leia mais

14 AULA. Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais LIVRO

14 AULA. Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais LIVRO 1 LIVRO Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais 14 AULA META Definir o vetor gradiente de uma função de duas variáveis reais e interpretá-lo geometricamente. Além disso, estudaremos a derivada direcional

Leia mais

A integral definida Problema:

A integral definida Problema: A integral definida Seja y = f(x) uma função definida e limitada no intervalo [a, b], e tal que f(x) 0 p/ todo x [a, b]. Problema: Calcular (definir) a área, A,da região do plano limitada pela curva y

Leia mais

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P2: aulas teóricas (segundas e quartas)

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P2: aulas teóricas (segundas e quartas) Cálculo a Várias Variáveis I - MAT 116 0141 Cronograma para P: aulas teóricas (segundas e quartas) Aula 10 4 de março (segunda) Aula 11 6 de março (quarta) Referências: Cálculo Vol James Stewart Seções

Leia mais

Cálculo IV EP4. Aula 7 Integrais Triplas. Na aula 1, você aprendeu a noção de integral dupla. agora, você verá o conceito de integral tripla.

Cálculo IV EP4. Aula 7 Integrais Triplas. Na aula 1, você aprendeu a noção de integral dupla. agora, você verá o conceito de integral tripla. Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Cálculo IV EP4 Aula 7 Integrais Triplas Objetivo

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 4

Cálculo III-A Módulo 4 Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada Cálculo III-A Módulo 4 Aula 7 Integrais Triplas Objetivo Compreender a noção de integral tripla.

Leia mais

3.2 Coordenadas Cilíndricas

3.2 Coordenadas Cilíndricas Exemplo 3.6 Encontre DzdV para D a região do espaço limitada pelos gráficos x = 1 z 2, x =, entre os planos y = e y = 1. Solução: observe que pela descrição da região de integração D, é mais conveniente

Leia mais

6.1 equações canônicas de círculos e esferas

6.1 equações canônicas de círculos e esferas 6 C Í R C U LO S E E S F E R A S 6.1 equações canônicas de círculos e esferas Um círculo é o conjunto de pontos no plano que estão a uma certa distância r de um ponto dado (a, b). Desta forma temos que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA Aluno(a): Professor(a): Curso:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA Aluno(a): Professor(a): Curso: 5 Geometria Analítica - a Avaliação - 6 de setembro de 0 Justique todas as suas respostas.. Dados os vetores u = (, ) e v = (, ), determine os vetores m e n tais que: { m n = u, v u + v m + n = P roj u

Leia mais

1. Determine o valor do integral curvilíneo do campo F (x, y, z) = xzî + xĵ + y k ao longo da linha (L), definida por: { x 2 /4 + y 2 /25 = 1 z = 2

1. Determine o valor do integral curvilíneo do campo F (x, y, z) = xzî + xĵ + y k ao longo da linha (L), definida por: { x 2 /4 + y 2 /25 = 1 z = 2 Análise Matemática IIC Ficha 6 - Integrais Curvilíneos de campos de vectores. Teorema de Green. Integrais de Superfície. Teorema de Stokes. Teorema da Divergência. 1. Determine o valor do integral curvilíneo

Leia mais

CURVAS PLANAS. A orientação de uma curva parametrizada é a direção definida pelos valores crescentes de t.

CURVAS PLANAS. A orientação de uma curva parametrizada é a direção definida pelos valores crescentes de t. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA DISCIPLINA: TÓPICOS EM MATEMÁTICA APLICADOS À EXPRESSÃO GRÁFICA II PROFESSORA: BÁRBARA DE

Leia mais

9 AULA. Curvas Espaciais LIVRO. META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço.

9 AULA. Curvas Espaciais LIVRO. META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço. 1 LIVRO Curvas Espaciais META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço. PRÉ-REQUISITOS Funções vetoriais (Aula 08). Curvas Espaciais.1 Introdução Na aula

Leia mais

Capítulo I - Funções Vectoriais EXERCÍCIOS

Capítulo I - Funções Vectoriais EXERCÍCIOS ANÁLISE MATEMÁTIA II Universidade Fernando Pessoa Faculdade de iência e Tecnologia apítulo I - Funções Vectoriais EXERÍIOS 1. Sendo F, G e H funções vectoriais de t, encontre uma fórmula para a derivada

Leia mais

INTEGRAIS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

INTEGRAIS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS INTEGAIS DE FUNÇÕES DE VÁIAS VAIÁVEIS Gil da Costa Marques. Introdução. Integrais Duplas.. Propriedades das Integrais Duplas.. Cálculo de Integrais Duplas..4 Integrais duplas em regiões não retangulares.

Leia mais

Coordenadas e distância na reta e no plano

Coordenadas e distância na reta e no plano Capítulo 1 Coordenadas e distância na reta e no plano 1. Introdução A Geometria Analítica nos permite representar pontos da reta por números reais, pontos do plano por pares ordenados de números reais

Leia mais

12 AULA. ciáveis LIVRO. META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais.

12 AULA. ciáveis LIVRO. META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. 1 LIVRO Diferen- Funções ciáveis META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. OBJETIVOS Estender os conceitos de diferenciabilidade de funções de uma variável a valores reais. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Exercícios Referentes à 1ª Avaliação

Exercícios Referentes à 1ª Avaliação UNIVESIDADE FEDEAL DO PAÁ CUSO DE LICENCIATUA EM MATEMÁTICA PLANO NACIONAL DE FOMAÇÃO DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA - PAFO Docente: Município: Discente: 5ª Etapa: Janeiro -fevereiro - ) Calcule as integrais

Leia mais

Coordenadas Polares. Exemplos: Representar em um sistema de coordenadas polares, os seguintes pontos: d) P 4,

Coordenadas Polares. Exemplos: Representar em um sistema de coordenadas polares, os seguintes pontos: d) P 4, Cálculo II Profa. Adriana Cherri 1 Coordenadas Polares Existem vários sistemas de coordenadas que mostram a posição de um ponto em um plano. O sistema de coordenadas polares é um deles. No sistema cartesiano,

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana Parte A 1. Reparametrize as curvas pelo parâmetro comprimento de arco medido a partir do ponto t = 0 na direção crescente de t. (a) r(t) = ti + (1 3t)j

Leia mais

Aplicação de Integral Definida: Volumes de Sólidos de Revolução

Aplicação de Integral Definida: Volumes de Sólidos de Revolução Aplicação de Integral Definida: Prof a. Sólidos Exemplos de Sólidos: esfera, cone circular reto, cubo, cilindro. Sólidos de Revolução são sólidos gerados a partir da rotação de uma área plana em torno

Leia mais

Equações paramétricas das cônicas

Equações paramétricas das cônicas Aula 1 Equações paramétricas das cônicas Ao estudarmos as retas no plano, vimos que a reta r que passa por dois pontos distintos P 1 = x 1, y 1 ) e P = x, y ) é dada pelas seguintes equações paramétricas:

Leia mais

Algumas Aplicações das Integrais tríplas

Algumas Aplicações das Integrais tríplas Algumas Aplicações das Integrais tríplas META: Apresentar algumas aplicações das integrais triplas de funções de valores reais e domínio em R 3. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes

Leia mais

Vetor Tangente, Normal e Binormal. T(t) = r (t)

Vetor Tangente, Normal e Binormal. T(t) = r (t) CVE 0003 - - CÁLCULO VETORIAL - - 2011/2 Vetor Tangente, Normal e Binormal Lembre-se que se C é uma curva suave dada pela função vetorial r(t), então r (t) é contínua e r (t) 0. Além disso, o vetor r (t)

Leia mais

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na Integrais Duplas em Coordenadas Polares Bibliografia básica: THOMAS, G. B. Cálculo. Vol. Capítulo 1. Item 1.3. STEWAT, J. Cálculo. Vol.. Capítulo 15. Item 15.4. Sabemos que o cálculo da área de uma região

Leia mais

MAT Lista de exercícios

MAT Lista de exercícios 1 Curvas no R n 1. Esboce a imagem das seguintes curvas para t R a) γ(t) = (1, t) b) γ(t) = (t, cos(t)) c) γ(t) = (t, t ) d) γ(t) = (cos(t), sen(t), 2t) e) γ(t) = (t, 2t, 3t) f) γ(t) = ( 2 cos(t), 2sen(t))

Leia mais

CÁLCULO I. Conhecer a interpretação geométrica da derivada em um ponto. y = f(x 2 ) f(x 1 ). y x = f(x 2) f(x 1 )

CÁLCULO I. Conhecer a interpretação geométrica da derivada em um ponto. y = f(x 2 ) f(x 1 ). y x = f(x 2) f(x 1 ) CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. André Almeida Prof. Edilson Neri Júnior Aula n o 0: Taxa de Variação. Derivadas. Reta Tangente. Objetivos da Aula Denir taxa de variação média e a derivada como a taxa

Leia mais

(b) { (ρ, θ);1 ρ 2 e π θ } 3π. 5. Representar graficamente

(b) { (ρ, θ);1 ρ 2 e π θ } 3π. 5. Representar graficamente Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática isciplina : Geometria nalítica (GM003) ssunto: sistemas de coordenadas; vetores: operações com vetores, produto escalar, produto vetorial, produto

Leia mais

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P1: aulas teóricas (segundas e quartas)

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P1: aulas teóricas (segundas e quartas) Cálculo a Várias Variáveis I - MAT 116 014.1 Cronograma para P1: aulas teóricas (segundas e quartas) Aula 01 1 de fevereiro (quarta) Aula 0 17 de fevereiro (segunda) Aula 0 19 de fevereiro (quarta) Referências:

Leia mais

2 Propriedades geométricas de curvas parametrizadas no R 4

2 Propriedades geométricas de curvas parametrizadas no R 4 2 Propriedades geométricas de curvas parametrizadas no R 4 Nesse capítulo trataremos dos conceitos básicos de geometria diferencial referentes à curvas parametrizadas no R 4. 2.1 Curvas Parametrizadas

Leia mais

Processamento de Malhas Poligonais

Processamento de Malhas Poligonais Processamento de Malhas Poligonais Tópicos Avançados em Computação Visual e Interfaces I Prof.: Marcos Lage www.ic.uff.br/~mlage mlage@ic.uff.br Conteúdo: Notas de Aula Curvas 06/09/2015 Processamento

Leia mais

Superfícies e Curvas no Espaço

Superfícies e Curvas no Espaço Superfícies e Curvas no Espaço Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 11 de deembro de 2001 1 Quádricas Nesta

Leia mais

3. Achar a equação da esfera definida pelas seguintes condições: centro C( 4, 2, 3) e tangente ao plano π : x y 2z + 7 = 0.

3. Achar a equação da esfera definida pelas seguintes condições: centro C( 4, 2, 3) e tangente ao plano π : x y 2z + 7 = 0. Universidade Federal de Uerlândia Faculdade de Matemática Disciplina : Geometria Analítica (GMA00) Assunto: Superfícies, Quádricas, Curvas e Coordenadas Professor Sato 4 a Lista de exercícios. Determinar

Leia mais

54 CAPÍTULO 2. GEOMETRIA ANALÍTICA ( ) =

54 CAPÍTULO 2. GEOMETRIA ANALÍTICA ( ) = 54 CAPÍTULO. GEOMETRIA ANALÍTICA.5 Cônicas O grá co da equação + + + + + = 0 (.4) onde,,,, e são constantes com, e, não todos nulos, é uma cônica. A equação (.4) é chamada de equação geral do grau em e

Leia mais

da dx = 2 x cm2 /cm A = (5 t + 2) 2 = 25 t t + 4

da dx = 2 x cm2 /cm A = (5 t + 2) 2 = 25 t t + 4 Capítulo 13 Regra da Cadeia 13.1 Motivação A área A de um quadrado cujo lado mede x cm de comprimento é dada por A = x 2. Podemos encontrar a taxa de variação da área em relação à variação do lado: = 2

Leia mais

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade

Leia mais

Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então

Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então Seja D v f(p 0 ) = lim λ 0 f(p 0 + λ v) f(p 0 ) λ v representa a derivada direcional de f segundo

Leia mais

Professor Bruno Alves

Professor Bruno Alves Professor Bruno Alves Engenharia maecânica Engenharia de produção Engenharia de controle e automação Poços de Caldas Segundo semestre de 1 Notas de aula da disciplina Cálculo III ministrada no segundo

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana - 01/2016

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana - 01/2016 Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana - 01/2016 Parte A 1. Se v é um vetor no plano que está no primeiro quadrante, faz um ângulo de π/3 com o eixo x positivo e tem módulo v = 4, determine suas

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana Parte A 1. Se v é um vetor no plano que está no primeiro quadrante, faz um ângulo de π/3 com o eixo x positivo e tem módulo v = 4, determine suas componentes.

Leia mais

Curvas Planas em Coordenadas Polares

Curvas Planas em Coordenadas Polares Curvas Planas em Coordenadas Polares Sumário. Coordenadas Polares.................... Relações entre coordenadas polares e coordenadas cartesianas...................... 6. Exercícios........................

Leia mais

Escola Naval 2010 ( ) ( ) 8 ( ) 4 ( ) 4 (

Escola Naval 2010 ( ) ( ) 8 ( ) 4 ( ) 4 ( Escola Naval 0 1. (EN 0) Os gráficos das funções reais f e g de variável real, definidas por f(x) = x e g(x) = 5 x interceptam-se nos pontos A = (a,f(a)) e B = (b,f(b)), a b. Considere os polígonos CAPBD

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ. disponível em acannas/amiii

ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ. disponível em  acannas/amiii Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualização: 9// ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ PROPOSTA DE) RESOLUÇÃO DA

Leia mais

Lista 7 Funções de Uma Variável

Lista 7 Funções de Uma Variável Lista 7 Funções de Uma Variável Aplicações de Integração i) y = sec 2 (x) y = cos(x), x = π x = π Áreas 1 Determine a área da região em cinza: Ache a área da região delimitada pela parábola y = x 2 a reta

Leia mais

Geometria Diferencial

Geometria Diferencial Geometria Diferencial Exercícios sobre curvas planas e espaciais - 2007 Versão compilada no dia 20 de Setembro de 2007. Departamento de Matemática - UEL Prof. Ulysses Sodré: ulysses(a)uel(pt)br Matemática

Leia mais

Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática. Notas de Aulas de

Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática. Notas de Aulas de Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática Notas de Aulas de Cálculo Rosivaldo Antonio Gonçalves Notas de aulas que foram elaboradas para

Leia mais

CÁLCULO II - MAT Em cada um dos seguintes campos vetoriais, aplicar o resultado do exercício 3 para mostrar que f

CÁLCULO II - MAT Em cada um dos seguintes campos vetoriais, aplicar o resultado do exercício 3 para mostrar que f UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERIANA Instituto Latino-Americano de iências da Vida e da Natureza entro Interdisciplinar de iências da Natureza 1. Dado um campo vetorial bidimensional ÁLULO

Leia mais

MAT 105- Lista de Exercícios

MAT 105- Lista de Exercícios 1 MAT 105- Lista de Exercícios 1. Determine as áreas dos seguintes polígonos: a) triângulo de vértices (2,3), (5,7), (-3,4). Resp. 11,5 b) triângulo de vértices (0,4), (-8,0), (-1,-4). Resp. 30 c) quadrilátero

Leia mais

2.2 Aplicações da Integral dupla

2.2 Aplicações da Integral dupla . Aplicações da Integral dupla..1 Área de figuras planas Sobre esta aplicação, não há muito o que acrescentar, pois esta foi a motivação para o conceito de integral dupla. Para calcular a área de uma região

Leia mais

Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária)

Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária) Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária) 9 de Maio de 9. Escreva fdv como um integral iterado nas duas ordens de integração possíveis, onde o conjunto é: (a) O triângulo de vértices

Leia mais

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o Integral de Linha As integrais de linha podem ser encontradas em inúmeras aplicações nas iências Eatas, como por eemplo, no cálculo do trabalho realizado por uma força variável sobre uma partícula, movendo-a

Leia mais

Aula 14 Áreas entre duas curvas. Volumes e Áreas de sólidos de revolução.

Aula 14 Áreas entre duas curvas. Volumes e Áreas de sólidos de revolução. Universidade Federal do ABC Aula 14 Áreas entre duas curvas. Volumes e Áreas de sólidos de revolução. BCN0402-15 FUV Suporte ao aluno Site da disciplina: http://gradmat.ufabc.edu.br/disciplinas/fuv/ Site

Leia mais

2 Conceitos Básicos da Geometria Diferencial Afim

2 Conceitos Básicos da Geometria Diferencial Afim 2 Conceitos Básicos da Geometria Diferencial Afim Antes de iniciarmos o estudo das desigualdades isoperimétricas para curvas convexas, vamos rever alguns conceitos e resultados da Geometria Diferencial

Leia mais

INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT CÁLCULO II-A. Última atualização:

INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT CÁLCULO II-A. Última atualização: INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 4 - CÁLCULO II-A Última atualização: --4 ) Nos problemas a seguir encontre a área das regiões indicadas: A) Interior

Leia mais

Universidade Federal do Pará Curso de Licenciatura em Matemática PARFOR Lista de Exercícios Referentes a Prova Substitutiva de Geometria Analítica

Universidade Federal do Pará Curso de Licenciatura em Matemática PARFOR Lista de Exercícios Referentes a Prova Substitutiva de Geometria Analítica 1 Universidade Federal do Pará Curso de Licenciatura em Matemática PARFOR Lista de Exercícios Referentes a Prova Substitutiva de Geometria Analítica 1. Determine a distância entre os pontos A(-2, 7) e

Leia mais

Exercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos

Exercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos Instituto uperior Técnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Eercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos Eercício Esboce detalhadamente o conjunto descrito por = {(,, ) R 3 :,,

Leia mais

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS Curso de Férias de IFVV (Etapa ) INTEGAIS UPLAS VOLUMES E INTEGAIS UPLAS Objetivando resolver o problema de determinar áreas, chegamos à definição de integral definida. A idéia é aplicar procedimento semelhante

Leia mais

Cálculo Vetorial. Prof. Ronaldo Carlotto Batista. 20 de novembro de 2014

Cálculo Vetorial. Prof. Ronaldo Carlotto Batista. 20 de novembro de 2014 Cálculo 2 Cálculo Vetorial ECT1212 Prof. Ronaldo Carlotto Batista 20 de novembro de 2014 Integrais de linha Podemos integrar uma função escalar f = f (x, y, z) em um dado caminho C, esta integral é dada

Leia mais

Matemática IV. Textos de Apoio

Matemática IV. Textos de Apoio Matemática IV 2 o semestre do ano lectivo 2004/2005 Engenharias de Materiais e Química Textos de Apoio Cristina Caldeira A grande maioria dos exercícios presentes nestes textos de apoio foram recolhidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 28/06/2015 Física

Leia mais

Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas. 1. Calcular I =

Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas. 1. Calcular I = 1 Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas 1. Calcular I = (x 1)dV, sendo T a região do espaço delimitada pelos planos y =, z =, T y + z = 5 e pelo cilindro parabólico z = 4 x.. Determinar

Leia mais

A derivada de uma função

A derivada de uma função Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo 1 A derivada de uma função Supona que a função f está definida em todo um intervalo aberto contendo o ponto a R. Dizemos que f é derivável no

Leia mais

6 AULA. Equações Paramétricas LIVRO. META Estudar funções que a cada ponto do domínio associa um par ordenado

6 AULA. Equações Paramétricas LIVRO. META Estudar funções que a cada ponto do domínio associa um par ordenado 1 LIVRO Equações Paramétricas 6 AULA META Estudar funções que a cada ponto do domínio associa um par ordenado de R 2 OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. PRÉ-REQUISITOS Ter compreendido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CÁLCULO L1 NOTAS DA TERCEIRA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula introduziremos o conceito de derivada e a definição de uma reta tangente ao gráfico de uma função. Também apresentaremos

Leia mais

AMIII - Exercícios Resolvidos Sobre Formas Diferenciais e o Teorema de Stokes

AMIII - Exercícios Resolvidos Sobre Formas Diferenciais e o Teorema de Stokes AIII - Exercícios Resolvidos obre Formas Diferenciais e o Teorema de tokes 4 de Dezembro de. eja a superfície Calcule: a) A área de ; b) O centróide de ; { x, y, z) R 3 : z cosh x, x

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Taxa de Variação. Objetivos da Aula. Aula n o 15: Taxa de Variação. Taxas Relacionadas. Denir taxa de variação;

CÁLCULO I. 1 Taxa de Variação. Objetivos da Aula. Aula n o 15: Taxa de Variação. Taxas Relacionadas. Denir taxa de variação; CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. Edilson Neri Prof. André Almeida Aula n o 15: Taxa de Variação. Taxas Relacionadas Objetivos da Aula Denir taxa de variação; Usar as regras de derivação no cálculo de

Leia mais

2.1 Mudança de variáveis em integral dupla

2.1 Mudança de variáveis em integral dupla ! "! # $! % & #! ' ( $ Objetivos. Os objetivos desta Aula são: apresentar a ideia de mudança de variáveis no plano para calcular integrais duplas; usar as coordenadas polares para calcular a integral dupla

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Mat Geom Espacial

Exercícios de Aprofundamento Mat Geom Espacial 1. (Fuvest 015) No cubo ABCDEFGH, representado na figura abaixo, cada aresta tem medida 1. Seja M um ponto na semirreta de origem A que passa por E. Denote por θ o ângulo BMH e por x a medida do segmento

Leia mais

Provas de. Cálculo II 02/2008. Professor Rudolf R. Maier

Provas de. Cálculo II 02/2008. Professor Rudolf R. Maier Provas de Cálculo II 0/008 Professor Rudolf R. Maier UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Brasília, 5 de setembro de 008. a prova em CALCULO II ) Determinar as retas normais da curva y = + x que passam pela origem.

Leia mais

MAT Geometria Diferencial 1 - Lista 1

MAT Geometria Diferencial 1 - Lista 1 MAT0326 - Geometria Diferencial - Lista Monitor: Ivo Terek Couto 9 de outubro de 206 Observação. Assuma que todas as curvas e superfícies são diferenciáveis. Aquecimento Exercício. Seja α : I R R 3 uma

Leia mais

Cálculo IV EP13. Aula 23 Integral de Superfície de um Campo Vetorial

Cálculo IV EP13. Aula 23 Integral de Superfície de um Campo Vetorial Fundação Centro de Ciências e Educação uperior a istância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação uperior a istância do Estado do Rio de Janeiro Cálculo IV EP1 Aula Integral de uperfície de um Campo

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici 5 Â N G U LO S E D I ST Â N C I A 5.1 ângulos No capítulo anterior nos concentramos no estudo da posição relativa entre dois

Leia mais

Resumos de CDI-II. 1. Topologia e Continuidade de Funções em R n. 1. A bola aberta de centro em a R n e raio r > 0 é o conjunto

Resumos de CDI-II. 1. Topologia e Continuidade de Funções em R n. 1. A bola aberta de centro em a R n e raio r > 0 é o conjunto Resumos de CD- 1. Topologia e Continuidade de Funções em R n 1. A bola aberta de centro em a R n e raio r > 0 é o conjunto B r (a) = {x R n : x a < r}. 2. Seja A R n um conjunto. m ponto a A diz-se: (i)

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Taxa de Variação. Objetivos da Aula. Aula n o 10: Taxa de Variação, Velocidade, Aceleração e Taxas Relacionadas. Denir taxa de variação;

CÁLCULO I. 1 Taxa de Variação. Objetivos da Aula. Aula n o 10: Taxa de Variação, Velocidade, Aceleração e Taxas Relacionadas. Denir taxa de variação; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 10: Taxa de Variação, Velocidade, Aceleração e Taxas Relacionadas Objetivos da Aula Denir taxa de variação; Usar as regras de derivação

Leia mais