Primitva. Integral Indenida

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Primitva. Integral Indenida"

Transcrição

1 Primitva Denição. 1 Uma função F (x) é chamada uma primitiva da função f(x) em um intervalo I (ou simplesmente uma primitiva de f(x), se para todo x I, temos F (x) = f(x). Exemplo emos que cos(x) é uma primitiva de sen(x), pois [ cos(x)] = sen(x). 2. emos que cos(x) + 5 é uma primitiva de sen(x), pois [ cos(x) + 5] = sen(x). 3 emos que x3 3 é uma primitiva de x2, pois Integral Indenida [ ] x 3 = x 2. 3 Denição. 2 Se F (x) é uma primitova de f(x), a expressão F (x) + c é chamada integral indenida da função f(x) e é denotada por f(x)dx = F (x) + c. Observação: F (x) + c é um conjunto, o conjunto de todas as primitivas de f(x), isto é, F (x) + c = {F (x) + c; c } 1. kdx = k + c, onde k uma constante 2. x n dx = xn+1 n+1 + c, se n xdx = ln x + c 4. sen(x)dx = cos(x) + c 5. cos(x)dx = sen(x) + c 5. e x dx = e x + c 6. a x dx = ax lna + c 7. sec(x).tg(x)dx = sec(x) + c 8. cosec(x).cotg(x)dx = cosec(x) + c 9. sec 2 (x)dx = tg(x) + c 1. cosec 2 (x)dx = cotg(x) + c 1

2 Proposição 1 Sejam f e g funções integráveis e k uma constante qualquer, então Observação: 1. f(x) + g(x)dx = f(x)dx + g(x)dx 2. k.f(x)dx = k. f(x)dx Exemplo. 2 i. [sen(x) + x] dx = sen(x)dx + x dx = cos(x) + x c ii. 5.2 x dx = 5. 2 x dx = 5. 2x ln2 + c Exemplo Encontre uma primitiva G(x) de f(x) = cos(x), tal que F ( π 2 ) = 5. Utilizando o exemplo 1 acima, temos que o conjunto de todas as primitivas de f(x) = cos(x) é o conjunto sen(x) + c, logo, G(x) = sen(x) + c 1, para algum c 1. E como F ( π 2 ) = 5, temos que Portanto, G(x) = sen (x) + 4. Método da Substituição sen ( π 2 ) + c1 = c 1 = 5 c 1 = 4 Sejam F (x) e f(x), onde F (x) é uma primitva de f(x). g(x) uma função derivável, então [f (g(x)).g (x) ] dx = F (g(x)) + c Suponhamos que Exemplo. 4 Calcule a (2x + 3).(x 2 + 3x) 1 dx. esolução: Neste caso comparando a integral (2x + 3).(x 2 + 3x) 1 dx 2

3 com o primeiro membro da fórmula do método da substituição, [f (g(x)).g (x) ] dx, observamos que g(x) = x 2 + 3x e f(x) = x 1. E como F (x) = x11 é uma primitiva de f(x), segue pelo método da substituição que 11 (2x + 3).(x 2 + 3x) 1 dx = F (g(x)) = (x2 + 3x) 11 + c 11 Integração por Partes Sejam f(x) e g(x) funções deriváveis no intervalo I. Então, temos que [f(x).g (x) ] [g(x).f dx = (x) ] dx (1) Denotando u = f(x) e v = (g(x), obtemos que du = f (x)dx e dv = g (x)dx.logo, substituindo na equação (1), obtemos a seguinte fórmula u dv = uv v du, que é a fórmula de integração por partes. Exemplo. 5 Calcule x.sen(x) dx. esolução: Iniciamos comparando x.sen(x) dx com u dv. Daí segue que du u = x dx = 1 du = dx e dv = senx dx dv = sen(x) dx v = cos(x) Logo, temos que x.sen(x) dx = uv v du x.sen(x) dx = x.( cos(x)) cos(x) dx x.sen(x) dx = x.cos(x) + cos(x) dx x.sen(x) dx = x.cos(x) + sen(x) + c 3

4 INEGAL DEFINIDA Denição. 3 Dada uma função f(x) contínua em um intervalo [a, b] e P = {x = a, x 1, x 2,..., x n = b} uma partição qualquer do intervalo [a, b] denimos a integral denida, que denotaremos por b a f(x)dx, por b a f(x)dx = lim max xi f(ci ). xi, desde que o limite exista, onde xi é o comprimento do i-ésimo intervalo e c i um elemento qualquer deste intervalo. eorema Fundamental do Cálculo eorema. 1 Sejam f(x) uma função real contínua no intervalo [a, b] e F (x) uma primitiva de f(x) no intervalo [a, b] e F (x), então b a f(x) dx = F (b) F (a) Notação: Quando conveniente escrevemos F (x) b a = F (b) F (a). Exemplo Calcule 1 x2 + x dx. Solução: 1 x 2 + x dx = ( x3 3 + x2 2 ) 1 = ( ) ( ) = Calcule 1 (2x + 1).(x2 + x) 4 dx. Solução: Fazendo u = (x 2 + x), obtemos du = (2x + 1), logo, 1 (2x + 1).(x 2 + x) 4 dx = 2 ( ) u u 4 5 du = 2 = =

5 INEGAL DUPLA Seja z = f(x, y) uma função contínua denida em uma região limitada e fechada do plano xy. raçando retas paralelas aos eixos x e y, recobrimos a região por pequenos retângulos. Considerando apenas os retângulos k que estão inteiramente contidos em, numerando-os de 1 até n, e escolhendo em cada retângulo k um ponto (x k, y k ) formamos a soma n f(x k, y k ) xk. yk, k=1 onde xk. yk é a área do retângulo k. Denição. 4 Seja f(x, y) uma função contínua denida em uma região limitada e fechada do plano xy, denimos a integral dupla sobre a região, que denotaremos por pelo limite f(x, y)da ou f(x, y)dxdy, caso exista. f(x, y)da = lim mx xk. yk f(xk, y k ) xk. yk, 5

6 Interpretação Geométrica Se Seja f(x, y) é uma função contínua e positiva em uma região limitada e fechada.consideremos o sólido compreendido superiormente pelo gráco da função, inferiormente pela região, então o volume do sólido é igual a V = f(x, y)da Propriedades Sejam f e g funções contínuas em limitado e fechado e k um número real, então 1. f(x, y) + g(x, y)da = f(x, y)da + g(x, y)da 2. k.f(x, y)da = k. f(x, y)da 3. Se é a união de duas regiões 1 e 2 limitadas e fechadas, que não tem ponto em comum, exceto posivelmente os pontos de suas fronteiras, então f(x, y)da = f(x, y)da + 1 f(x, y)da. 2 Iremos inicialemte calcular integrais duplas em regiões dos seguintes tipos: ipo 1. f 1 (x) y f 2 (x) a x x b, onde f 1 e f 2 são contínuas. ipo 2. g 1 (y) x f 2 (y) c y d onde g 1 e g 2 são contínuas. 6

7 Se é do tipo 1, então Se é do tipo 2, então Mudança de Variáveis f(x, y)da = f(x, y)da = b a d c ( ) f2 (x) f(x, y)dy dx f 1 (x) ( ) g2 (y) f(x, y)dx dy g 1 (y) Sejam e ' regiões limitadas e fechadas, e f(x, y) denida sobre. Suponhamos que exista uma transformação (u(x, y), v(x, y)) : e que (x(u, v), y(u, v)) seja a transformação inversa, com u, v, u 1 e v 1 funções contínuas e com derivadas parciais contínuas, neste caso temos f(x, y)dxdy = f(x(u, v), y(u, y)) (x, y) (u, v) dudv, onde (x,y) (u,v) é chamado de determinante jacobiano de x e y em relação a u e v, denido por (x, y) (u, v) = x x u v y y u v Coordenadas Polares As equações x = r.cos(θ) e y = r.sen(θ), que nos dão as coordenadas cartesianas de um ponto P em termos de suas coordenadas polares, podendo ser vistas como uma transformação que leva (r, θ) do plano rθ a pontos (x, y) do plano xy. Neste caso temos, (x, y) (θ, v) = x r y r x θ y θ = cos(θ) sen(θ) 7 r.sen(θ) r.cos(θ) = r,

8 logo f(x, y)dxdy = f (r.cos(θ), rsen(θ)).r drdθ. Exemplo. 7 Calcule x 2 + y 2 da, onde é o círculo centrado na origem de raio 1. esolução: Neste caso, temos que f(x, y) = x 2 + y 2. Logo, f(rcos(θ), rsen(θ)) = (rcos(θ)) 2 + (rsen(θ)) 2 = r 2 = r. Além disso, temos que a nova região de integração será : r 1 e θ 2π. Daí segue que 2π x 2 + y 2 dxdy = r.r drdθ = 2π ( ) dθ = 1 3. [θ]2π = 2π 3. INEGAL IPLA ( ) 1 r2 dr dθ = 2π [ ] r dθ = Seja w = f(x, y, w) uma função contínua denida em uma região limitada e fechada do espaço xyz. raçando planos paralelas aos planos cartesianos, recobrimos a região por pequenos paralelepípedos. Considerando apenas os paralelepípedos k que estão inteiramente contidos em, numerando-os de 1 até n, e escolhendo em cada retângulo k um ponto (x k, y k, z k ) formamos a soma n f(x k, y k, z k ) xk. yk. zk, k=1 onde xk. yk. zk = V k é o volume do paralelepípedo k. 8

9 Denição. 5 Seja f(x, y) uma função contínua denida em uma região limitada e fechada do plano xy, denimos a integral tripla sobre o sólido, que denotaremos por pelo limite caso exista. f(x, y, z)dv ou f(x, y, z)dxdydz, f(x, y, z)dv = lim max Vk f(xk, y k, z k ) V k, Propriedades Sejam f e g funções contínuas em limitado e fechado e k um número real, então 1. f(x, y, z) + g(x, y, z)dv = f(x, y, z)dv + g(x, y, z)dv 2. k.f(x, y, z)dv = k. f(x, y, z)dv 3. Se é a união de duas regiões 1 e 2 em 3 limitadas e fechadas, que não tem ponto em comum, exceto posivelmente os pontos de suas fronteiras, então f(x, y, z)dv = f(x, y, z)dv + 1 f(x, y, z)dv. 2 Cálculo Integral ripla Iremos calcular integrais triplas inicialemte para regiões de três tipos. ipo 1 A região é limitada inferiormente pelo gráco da função z = h 1 (x, y) e superiormente pelo gráco de z = h 2 (x, y), onde h 1 e h 2 são funções contínuas sobre a região do plano xy. Neste caso, temos 9

10 f(x, y, z)dv = [ ] h2 (x,y) f(x, y, z)dz da. h 1 (x,y) ipo 2 A região é limitada à esquerda pelo gráco da função y = p 1 (x, z) e pela a direita pelo gráco de y = p 2 (x, z), onde p 1 e p 2 são funções contínuas sobre a região do plano xz. Neste caso, temos f(x, y, z)dv = [ ] p2 (x,z) f(x, y, z)dy da. p 1 (x,z) ipo 3 A região é limitada na parte de trás pelo gráco da função x = q 1 (y, z) e ná frente pelo gráco de x = q 2 (y, z), onde q 1 e q 2 são funções contínuas sobre a região do plano xz. 1

11 Neste caso, temos f(x, y, z)dv = [ ] q2 (x,y) f(x, y, z)dx da. q 1 (y,z) Exercícios: 1. Calcule x.y.zdv, onde é um paralelepípedo de vértices (,, ), (2,, ), (2, 2, ), (, 2, ), (, e (, 2, 3). 2. x.y.zdv, onde é um teraedro de vértices (,, ), (2,, ), (, 2, ) e (,, 4). 3. Calcule x.y.zdv, onde é limitado pelos planos xy, y=, y=4 e pela equação z x =. 4. Calcule xdv, onde é o sólido limitado pelo cilindro x2 + y 2 = 25 e pelos planos xy e x + y + z = Calcule (x 1) dv, onde é a região do espaço delimitado pelos planos y=, z=, y+z=5 e pelo cilindro parabólico z = 4 x 2. Mudança de Variáveis Sejam e ' regiões limitadas e fechadas, e f(x, y, z) denida sobre. Suponhamos que exista uma transformação (u(x, y, z), v(x, y, z), w(x, y, z)) : e que (x(u, v, w), y(u, v, w), z(u, v, w)) : seja a transformação inversa, com u, v, w, u 1, v 1 e w 1 funções contínuas e com derivadas parciais contínuas, neste caso temos f(x, y, z)dxdydz = f(x(u, v, w), y(u, v, w), z(u, v, w)) (x,y,z) (u,v,w) dudvdw, onde (x,y,z) (u,v,w) é chamado de determinante jacobiano de x, y e z em relação a u, v e w, denido por (x, y, z) (u, v, w) = x u y u z u x v y v z v Mudança Para Coordenadas Cilíndricas x w y w z w Se P = (x, y, z) é um ponto no espaço xyz, suas coordenadas cilíndricas são (r, θ, z), onde (r, θ) são as coordenadas polares da projeção de P no plano xy e são denidas por: 11

12 x = rcos(θ) y = rsen(θ) z = z E neste caso teremos que f(x, y, z)dxdydz = [f(rcos(x), rsen(x), z)r] drdθdz. Para Coordenadas Esféricas Seja P = (x, y, z) um ponto no espaço xyz. Suas coordenadas esféricas são (ρ, θ, φ) onde ρ é a distância do ponto P à origem, θ é o ângulo formado pelo eixo positivo dos x e o segmento de reta que liga (,, ) a (x, y, ) e ϕ é o ângulo formado pelo eixo positivo dos z e o segmento de reta que liga P à origem: x = ρsen(θ)cos(φ) y = ρsen(θ)sen(φ) z = ρcos(θ), onde ρ = x 2 + y 2 + z 2, θ 2π e φ π, o que dene uma região no espaço ρθφ. Neste caso, temos f(x, y, z)dxdydz = [ f(ρsen(φ)cos(θ), ρsen(φ)sen(θ), ρcos(φ))ρ 2 sen(φ) ] dρdφdθ. 12

13 13

Primitivas e a integral de Riemann Aula 26

Primitivas e a integral de Riemann Aula 26 Primitivas e a integral de Riemann Aula 26 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 13 de Maio de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia Mecânica

Leia mais

LISTA DE CÁLCULO III. (A) Integrais Duplas. 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (e) (f) (g) (h)

LISTA DE CÁLCULO III. (A) Integrais Duplas. 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (e) (f) (g) (h) 1 LISTA E CÁLCULO III (A) Integrais uplas 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (c) (d) 1 y y a a 2 x 2 a 1 y 1 2 2 x x 2 y 2 dxdy; a 2 x 2 (x + y)dydx; e x+y dxdy; x 1 +

Leia mais

Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C

Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C Notas de Aulas de Cálculo III Prof. Sandro Rodrigues Mazorche 1 o semestre de 2015 Turmas: A e C Capítulo 1: Integral Dupla 1.1 Definição: Vamos considerar uma função z = f(x, y) definida em uma região

Leia mais

Lista 1 - Cálculo III

Lista 1 - Cálculo III Lista 1 - Cálculo III Parte I - Integrais duplas sobre regiões retangulares Use coordenadas cartesianas para resolver os exercícios abaixo 1. Se f é uma função constante fx, y) = k) e = [a, b] [c, d],

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC. 1 a Avaliação escrita de Cálculo IV Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/2008

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC. 1 a Avaliação escrita de Cálculo IV Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/2008 1 a Avaliação escrita de Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/008 1. Seja R a região do plano delimitada pelos gráficos de y = x, y = 3x 18 e y = 0. Se f é continua em R, exprima f ( x, y) da em termos

Leia mais

CÁLCULO II - MAT0023. Nos exercícios de (1) a (4) encontre x e y em termos de u e v, alem disso calcule o jacobiano da

CÁLCULO II - MAT0023. Nos exercícios de (1) a (4) encontre x e y em termos de u e v, alem disso calcule o jacobiano da UNIVEIDADE FEDEAL DA INTEGAÇÃO LATINO-AMEICANA Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza Centro Interdisciplinar de Ciências da Natureza CÁLCULO II - MAT3 15 a Lista de exercícios Nos

Leia mais

INTEGRAIS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

INTEGRAIS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS INTEGAIS DE FUNÇÕES DE VÁIAS VAIÁVEIS Gil da Costa Marques. Introdução. Integrais Duplas.. Propriedades das Integrais Duplas.. Cálculo de Integrais Duplas..4 Integrais duplas em regiões não retangulares.

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 2: Integrais Duplas

Cálculo Diferencial e Integral 2: Integrais Duplas Cálculo Diferencial e Integral 2: Integrais Duplas Jorge M. V. Capela Instituto de Química - UNESP Araraquara, SP capela@iq.unesp.br Araraquara, SP - 2017 1 Integrais Duplas sobre Retângulos 2 3 Lembrete:

Leia mais

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II INTEGRAÇÃO MÚLTIPLA10. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II INTEGRAÇÃO MÚLTIPLA10. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques INTEGAÇÃO MÚLTIPLA TÓPICO Gil da Costa Marques Fundamentos da Matemática II. Introdução. Integrais Duplas.3 Propriedades das Integrais Duplas.4 Cálculo de Integrais Duplas.5 Integrais duplas em regiões

Leia mais

Nome Cartão Turma Chamada

Nome Cartão Turma Chamada UFG Instituto de Matemática 215/2 POVA 2 16 de outubro de 215 8h3 1 2 3 4 5 81 3 y 811 onsidere a integral dupla iterada I = f(x,y)dxdy, em que o integrando é dado por f(x,y) = 4x y 2 x 2. 1. Determine

Leia mais

2.1 Mudança de variáveis em integral dupla

2.1 Mudança de variáveis em integral dupla ! "! # $! % & #! ' ( $ Objetivos. Os objetivos desta Aula são: apresentar a ideia de mudança de variáveis no plano para calcular integrais duplas; usar as coordenadas polares para calcular a integral dupla

Leia mais

A integral definida Problema:

A integral definida Problema: A integral definida Seja y = f(x) uma função definida e limitada no intervalo [a, b], e tal que f(x) 0 p/ todo x [a, b]. Problema: Calcular (definir) a área, A,da região do plano limitada pela curva y

Leia mais

3.2 Coordenadas Cilíndricas

3.2 Coordenadas Cilíndricas Exemplo 3.6 Encontre DzdV para D a região do espaço limitada pelos gráficos x = 1 z 2, x =, entre os planos y = e y = 1. Solução: observe que pela descrição da região de integração D, é mais conveniente

Leia mais

(x 1) 2 (x 2) dx 42. x5 + x + 1

(x 1) 2 (x 2) dx 42. x5 + x + 1 I - Integrais Indefinidas ā Lista de Cálculo I - POLI - 00 Calcule as integrais indefinidas abaixo. Para a verificação das resposta lembre-se que f(x)dx = F (x), k IR F (x) = f(x), x D f.. x7 + x + x dx.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III

Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III 1 o semestre de 26 Primeira Prova Turma EN1 Não serão aceitas respostas sem justificativa. Explique tudo o que você fizer. 1. Esboce a região de integração,

Leia mais

MAT Cálculo a Várias Variáveis I. Período

MAT Cálculo a Várias Variáveis I. Período MAT116 - Cálculo a Várias Variáveis I Integração Tripla Período 01.1 1 Exercícios Exercício 1 Considere a região = {(x, y, z) R 3 x + y z 1}. 9 1. Calcule o volume de.. Determine o valor de b de forma

Leia mais

Aula 33. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Aula 33. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Aplicações da Integral - Continuação e Técnicas de Integração Aula 33 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 30 de Maio de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106

Leia mais

3 Cálculo Integral em R n

3 Cálculo Integral em R n 3 Cálculo Integral em n Exercício 3.. Calcule os seguintes integrais. Universidade da Beira Interior Matemática Computacional II Engenharia Informática 4/5 Ficha Prática 3 3 x + y dxdy x y + x dxdy e 3

Leia mais

Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton /4 Professores: Jerônimo e Juaci

Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton /4 Professores: Jerônimo e Juaci Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton - 5/4 Professores: Jerônimo e Juaci a Lista de exercícios para monitoria. Determine o volume do sólido limitado pelos planos coordenados e pelo

Leia mais

MAT Lista de exercícios

MAT Lista de exercícios 1 Curvas no R n 1. Esboce a imagem das seguintes curvas para t R a) γ(t) = (1, t) b) γ(t) = (t, cos(t)) c) γ(t) = (t, t ) d) γ(t) = (cos(t), sen(t), 2t) e) γ(t) = (t, 2t, 3t) f) γ(t) = ( 2 cos(t), 2sen(t))

Leia mais

Cálculo Integral, Sequências e Séries

Cálculo Integral, Sequências e Séries Cálculo Integral, Sequências e Séries por PAULO XAVIER PAMPLONA UFCG-UACTA 5 Conteúdo Integral 4. Definição de Integral............................... 4. Integral Indefinida................................

Leia mais

Integração por partes

Integração por partes Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo 1 Integração por partes Vimos nos textos anteriores que a técnica de mudança de variáveis é muito útil no cálculo de algumas primitivas. Porém,

Leia mais

CÁLCULO II - MAT Em cada um dos seguintes campos vetoriais, aplicar o resultado do exercício 3 para mostrar que f

CÁLCULO II - MAT Em cada um dos seguintes campos vetoriais, aplicar o resultado do exercício 3 para mostrar que f UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERIANA Instituto Latino-Americano de iências da Vida e da Natureza entro Interdisciplinar de iências da Natureza 1. Dado um campo vetorial bidimensional ÁLULO

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 4

Cálculo III-A Módulo 4 Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada Cálculo III-A Módulo 4 Aula 7 Integrais Triplas Objetivo Compreender a noção de integral tripla.

Leia mais

Escola Naval 2010 ( ) ( ) 8 ( ) 4 ( ) 4 (

Escola Naval 2010 ( ) ( ) 8 ( ) 4 ( ) 4 ( Escola Naval 0 1. (EN 0) Os gráficos das funções reais f e g de variável real, definidas por f(x) = x e g(x) = 5 x interceptam-se nos pontos A = (a,f(a)) e B = (b,f(b)), a b. Considere os polígonos CAPBD

Leia mais

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : REGIÕES DO ESPAÇO E INTEGRAIS TRIPLAS

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : REGIÕES DO ESPAÇO E INTEGRAIS TRIPLAS MAT1153 / 008.1 LISTA DE EXERCÍCIOS : (1) Fazer os seguintes exercícios do livro texto. Exercs da seção.1.4: Exercs 1(b), 4(a), 4(b). () Fazer exercícios 3:(b), (c), (d) da secão 4.1.4 pg 99 do livro texto.

Leia mais

Aplicação de Integral Definida: Volumes de Sólidos de Revolução

Aplicação de Integral Definida: Volumes de Sólidos de Revolução Aplicação de Integral Definida: Prof a. Sólidos Exemplos de Sólidos: esfera, cone circular reto, cubo, cilindro. Sólidos de Revolução são sólidos gerados a partir da rotação de uma área plana em torno

Leia mais

MAT Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia III 1a. Lista de Exercícios - 1o. semestre de 2016

MAT Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia III 1a. Lista de Exercícios - 1o. semestre de 2016 MAT55 - Cálculo iferencial e Integral para ngenharia III a. Lista de xercícios - o. semestre de 6. Calcule as seguintes integrais duplas: (a) (y xy )dxdy, onde = {(x, y) : x, y }. esp. (a) 585. 8 x sin

Leia mais

Integrais - Aplicações I. Daniel 26 de novembro de 2016

Integrais - Aplicações I. Daniel 26 de novembro de 2016 Integrais - Aplicações I Daniel 26 de novembro de 2016 1 Sumário Aplicações da Integral Construção de Fórmulas Integrais Aplicação da Estratégia de Integrais Definidas Áreas entre duas Curvas Volume por

Leia mais

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na Integrais Duplas em Coordenadas Polares Bibliografia básica: THOMAS, G. B. Cálculo. Vol. Capítulo 1. Item 1.3. STEWAT, J. Cálculo. Vol.. Capítulo 15. Item 15.4. Sabemos que o cálculo da área de uma região

Leia mais

Capítulo I - Funções Vectoriais EXERCÍCIOS

Capítulo I - Funções Vectoriais EXERCÍCIOS ANÁLISE MATEMÁTIA II Universidade Fernando Pessoa Faculdade de iência e Tecnologia apítulo I - Funções Vectoriais EXERÍIOS 1. Sendo F, G e H funções vectoriais de t, encontre uma fórmula para a derivada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, apresentaremos a noção de integral indefinidada. Também discutiremos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, apresentaremos a noção de integral indefinidada. Também discutiremos CÁLCULO L NOTAS DA DÉCIMA OITAVA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula, apresentaremos a noção de integral indefinidada. Também discutiremos a primeira técnica de integração: mudança

Leia mais

Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas. 1. Calcular I =

Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas. 1. Calcular I = 1 Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas 1. Calcular I = (x 1)dV, sendo T a região do espaço delimitada pelos planos y =, z =, T y + z = 5 e pelo cilindro parabólico z = 4 x.. Determinar

Leia mais

Professor Bruno Alves

Professor Bruno Alves Professor Bruno Alves Engenharia maecânica Engenharia de produção Engenharia de controle e automação Poços de Caldas Segundo semestre de 1 Notas de aula da disciplina Cálculo III ministrada no segundo

Leia mais

Análise Matemática 2 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Análise Matemática 2 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores FCULDDE DE ENGENHRI D UNIVERSIDDE DO PORTO Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores nálise Matemática 2 pontamentos das aulas teóricas - Integrais Múltiplos 29/21 Maria do Rosário

Leia mais

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade

Leia mais

Integrais Triplas em Coordenadas Polares

Integrais Triplas em Coordenadas Polares Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Triplas em Coordenadas Polares Na aula 3 discutimos como usar coordenadas polares em integrais duplas, seja pela região

Leia mais

Renato Martins Assunção

Renato Martins Assunção Análise Numérica Integração Renato Martins Assunção DCC - UFMG 2012 Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 1 / 1 Introdução Calcular integrais é uma tarefa rotineira em engenharia,

Leia mais

Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então

Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então Seja D v f(p 0 ) = lim λ 0 f(p 0 + λ v) f(p 0 ) λ v representa a derivada direcional de f segundo

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Área de Superfície de Revolução

CÁLCULO I. 1 Área de Superfície de Revolução CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 6: Área de Superfície de Revolução e Pressão Hidrostática Objetivos da Aula Calcular a área de superfícies de revolução; Denir pressão hidrostática.

Leia mais

Coordenadas Polares. Exemplos: Representar em um sistema de coordenadas polares, os seguintes pontos: d) P 4,

Coordenadas Polares. Exemplos: Representar em um sistema de coordenadas polares, os seguintes pontos: d) P 4, Cálculo II Profa. Adriana Cherri 1 Coordenadas Polares Existem vários sistemas de coordenadas que mostram a posição de um ponto em um plano. O sistema de coordenadas polares é um deles. No sistema cartesiano,

Leia mais

Integrais Duplos e Triplos.

Integrais Duplos e Triplos. Capítulo 4 Integrais uplos e Triplos. 4.1 Integrais uplos xercício 4.1.1 Calcule os seguintes integrais. a. e. 1 1 e 1 2x+2 15xy + 1y 2 dy dx b. y x dx dy 4 x 2y) dy dx f. 4 1 π 6 2 π 2 x 1 6xy 3 + x )

Leia mais

Derivada. Capítulo Retas tangentes e normais Número derivado

Derivada. Capítulo Retas tangentes e normais Número derivado Capítulo 3 Derivada 3.1 Retas tangentes e normais Vamos considerar o problema que consiste em traçar a reta tangente e a reta normal a uma curvay= f(x) num determinado ponto (a,f(a)) da curva. Por isso

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula

Geometria Analítica II - Aula Geometria Analítica II - Aula 0 94 Aula Coordenadas Cilíndricas e Esféricas Para descrever de modo mais simples algumas curvas e regiões no plano introduzimos anteriormente as coordenadas polares. No espaço

Leia mais

Aula 14 Áreas entre duas curvas. Volumes e Áreas de sólidos de revolução.

Aula 14 Áreas entre duas curvas. Volumes e Áreas de sólidos de revolução. Universidade Federal do ABC Aula 14 Áreas entre duas curvas. Volumes e Áreas de sólidos de revolução. BCN0402-15 FUV Suporte ao aluno Site da disciplina: http://gradmat.ufabc.edu.br/disciplinas/fuv/ Site

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana Parte A 1. Reparametrize as curvas pelo parâmetro comprimento de arco medido a partir do ponto t = 0 na direção crescente de t. (a) r(t) = ti + (1 3t)j

Leia mais

Cálculo IV EP4. Aula 7 Integrais Triplas. Na aula 1, você aprendeu a noção de integral dupla. agora, você verá o conceito de integral tripla.

Cálculo IV EP4. Aula 7 Integrais Triplas. Na aula 1, você aprendeu a noção de integral dupla. agora, você verá o conceito de integral tripla. Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Cálculo IV EP4 Aula 7 Integrais Triplas Objetivo

Leia mais

1. Determine o valor do integral curvilíneo do campo F (x, y, z) = xzî + xĵ + y k ao longo da linha (L), definida por: { x 2 /4 + y 2 /25 = 1 z = 2

1. Determine o valor do integral curvilíneo do campo F (x, y, z) = xzî + xĵ + y k ao longo da linha (L), definida por: { x 2 /4 + y 2 /25 = 1 z = 2 Análise Matemática IIC Ficha 6 - Integrais Curvilíneos de campos de vectores. Teorema de Green. Integrais de Superfície. Teorema de Stokes. Teorema da Divergência. 1. Determine o valor do integral curvilíneo

Leia mais

Lista Determine o volume do sólido contido no primeiro octante limitado pelo cilindro z = 9 y 2 e pelo plano x = 2.

Lista Determine o volume do sólido contido no primeiro octante limitado pelo cilindro z = 9 y 2 e pelo plano x = 2. UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II (Turma B) Prof. José Carlos Eidam Lista 3 Integrais múltiplas. Calcule as seguintes integrais duplas: (a) R (2y 2 3x

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciências Exatas

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciências Exatas Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciências Exatas LCE0176 - Cálculo e Matemática Aplicados às Ciências Biológicas Professora: Clarice G. B. Demétrio

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 16/10/2016 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES: 1.

Leia mais

12 AULA. ciáveis LIVRO. META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais.

12 AULA. ciáveis LIVRO. META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. 1 LIVRO Diferen- Funções ciáveis META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. OBJETIVOS Estender os conceitos de diferenciabilidade de funções de uma variável a valores reais. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

A Regra da Cadeia. V(h) = 3h 9 h 2, h (0,3).

A Regra da Cadeia. V(h) = 3h 9 h 2, h (0,3). Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo 1 A Regra da Cadeia Suponha que, a partir de uma lona de plástico com 6 metros de comprimento e 3 de largura, desejamos construir uma barraca

Leia mais

Superfícies Parametrizadas

Superfícies Parametrizadas Universidade Estadual de Maringá - epartamento de Matemática Cálculo iferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit Superfícies Parametrizadas Prof.

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS - Lista I

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS - Lista I EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS - Lista I 1. Desenhe um campo de direções para a equação diferencial dada. Determine o comportamento de y quando t +. Se esse comportamento depender do valor inicial de

Leia mais

Instituto de Matemática e Estatística da USP MAT Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia 1a. Prova - 1o. Semestre /04/2010

Instituto de Matemática e Estatística da USP MAT Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia 1a. Prova - 1o. Semestre /04/2010 Turma A Questão : (a) (, pontos) Calcule Instituto de Matemática e Estatística da USP MAT - Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia a. Prova - o. Semestre - // 8 ( y e x dx ) dy. (b) (, pontos)

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 10 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 1. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS BÁSICAS 1.1. EQUAÇÃO EM SENO. sen a arcsena 2k, k arcsena 2k, k

MATEMÁTICA MÓDULO 10 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 1. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS BÁSICAS 1.1. EQUAÇÃO EM SENO. sen a arcsena 2k, k arcsena 2k, k EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS BÁSICAS Vamos mostrar como resolver equações trigonométricas básicas, onde temos uma linha trigonométrica aplicada sobre uma função e igual

Leia mais

Integrais. ( e 12/ )

Integrais. ( e 12/ ) Integrais (21-04-2009 e 12/19-05-2009) Já estudámos a determinação da derivada de uma função. Revertamos agora o processo de derivação, isto é, suponhamos que nos é dada uma função F e que pretendemos

Leia mais

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : REGIÕES DO PLANO, INTEGRAIS DUPLAS E VOLUMES : 1(d), 1(f), 1(h), 1(i), 1(j).

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : REGIÕES DO PLANO, INTEGRAIS DUPLAS E VOLUMES : 1(d), 1(f), 1(h), 1(i), 1(j). MAT1153 / 2008.1 LISTA DE EXECÍCIOS : EGIÕES DO PLANO, INTEGAIS DUPLAS E VOLUMES (1) Fazer os seguintes exercícios do livro texto. Exercs da seção 1.1.4: 1(d), 1(f), 1(h), 1(i), 1(j). 2(b), 2(d) (2) Fazer

Leia mais

CANDIDATO: DATA: 20 / 01 / 2010

CANDIDATO: DATA: 20 / 01 / 2010 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - SEaD Universidade Aberta do Brasil UAB LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS CANDIDATO: DATA: 0 / 0

Leia mais

Aula 32. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Aula 32. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Superfícies de Revolução e Outras Aplicações Aula 32 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 29 de Maio de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia

Leia mais

A Derivada. Derivadas Aula 16. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

A Derivada. Derivadas Aula 16. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Derivadas Aula 16 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 04 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014104 - Engenharia Mecânica A Derivada Seja x = f(t)

Leia mais

AMIII - Exercícios Resolvidos Sobre Formas Diferenciais e o Teorema de Stokes

AMIII - Exercícios Resolvidos Sobre Formas Diferenciais e o Teorema de Stokes AIII - Exercícios Resolvidos obre Formas Diferenciais e o Teorema de tokes 4 de Dezembro de. eja a superfície Calcule: a) A área de ; b) O centróide de ; { x, y, z) R 3 : z cosh x, x

Leia mais

Descrevendo Regiões no Plano Cartesiano e no Espaço Euclidiano

Descrevendo Regiões no Plano Cartesiano e no Espaço Euclidiano Descrevendo Regiões no Plano Cartesiano e no Espaço Euclidiano Americo Cunha Débora Mondaini Ricardo Sá Earp Departamento de Matemática Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Regiões no Plano

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 e 2 PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 29/11/2015 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES:

Leia mais

da dx = 2 x cm2 /cm A = (5 t + 2) 2 = 25 t t + 4

da dx = 2 x cm2 /cm A = (5 t + 2) 2 = 25 t t + 4 Capítulo 13 Regra da Cadeia 13.1 Motivação A área A de um quadrado cujo lado mede x cm de comprimento é dada por A = x 2. Podemos encontrar a taxa de variação da área em relação à variação do lado: = 2

Leia mais

Algumas Aplicações das Integrais tríplas

Algumas Aplicações das Integrais tríplas Algumas Aplicações das Integrais tríplas META: Apresentar algumas aplicações das integrais triplas de funções de valores reais e domínio em R 3. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes

Leia mais

3. Esboce a região de integração e inverta a ordem nas seguintes integrais: 4., onde R é a região delimitada por y x +1, y x

3. Esboce a região de integração e inverta a ordem nas seguintes integrais: 4., onde R é a região delimitada por y x +1, y x Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo Avançado / Métodos Matemáticos / Cálculo IV Profa: Ilka Freire ª Lista de Eercícios: Integrais Múltiplas 9., sendo:. Calcule f, da a) f, e ; =,

Leia mais

26 CAPÍTULO 4. LIMITES E ASSÍNTOTAS

26 CAPÍTULO 4. LIMITES E ASSÍNTOTAS Capítulo 4 Limites e assíntotas 4.1 Limite no ponto Considere a função f(x) = x 1 x 1. Observe que esta função não é denida em x = 1. Contudo, fazendo x sucientemente próximo de 1 (mais não igual a1),

Leia mais

Lista de exercícios sobre integrais

Lista de exercícios sobre integrais Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Matemática DEMAT Cálculo Diferencial e Integral A Lista de exercícios sobre integrais Questão : Em nossa

Leia mais

Capítulo 1. Funções e grácos

Capítulo 1. Funções e grácos Capítulo 1 Funções e grácos Denição 1. Sejam X e Y dois subconjuntos não vazios do conjunto dos números reais. Uma função de X em Y ou simplesmente uma função é uma regra, lei ou convenção que associa

Leia mais

A derivada (continuação) Aula 17

A derivada (continuação) Aula 17 A derivada (continuação) Aula 17 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 08 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia Mecânica Teorema

Leia mais

2.2 Aplicações da Integral dupla

2.2 Aplicações da Integral dupla . Aplicações da Integral dupla..1 Área de figuras planas Sobre esta aplicação, não há muito o que acrescentar, pois esta foi a motivação para o conceito de integral dupla. Para calcular a área de uma região

Leia mais

Dividir para conquistar. Eduardo Nobre Lages CTEC/UFAL

Dividir para conquistar. Eduardo Nobre Lages CTEC/UFAL Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Fundamentos para a Análise Estrutural Código: AURB006 Turma: A Período Letivo: 2007-2 Professor:

Leia mais

CÁLCULO I. Conhecer a interpretação geométrica da derivada em um ponto. y = f(x 2 ) f(x 1 ). y x = f(x 2) f(x 1 )

CÁLCULO I. Conhecer a interpretação geométrica da derivada em um ponto. y = f(x 2 ) f(x 1 ). y x = f(x 2) f(x 1 ) CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. André Almeida Prof. Edilson Neri Júnior Aula n o 0: Taxa de Variação. Derivadas. Reta Tangente. Objetivos da Aula Denir taxa de variação média e a derivada como a taxa

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS #5 - ANÁLISE VETORIAL EM FÍSICA

LISTA DE EXERCÍCIOS #5 - ANÁLISE VETORIAL EM FÍSICA LISTA DE EXERCÍCIOS #5 - ANÁLISE VETORIAL EM FÍSICA PROBLEMAS-EXEMPLO 1. Determinar o comprimento de arco das seguintes curvas, nos intervalos especificados. (a) r(t) = t î + t ĵ, de t = a t =. Resolução

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida EMENTA: Conceitos introdutórios de limite, limites trigonométricos, funções contínuas, derivada e aplicações. Noções introdutórias sobre a integral

Leia mais

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P2: aulas teóricas (segundas e quartas)

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P2: aulas teóricas (segundas e quartas) Cálculo a Várias Variáveis I - MAT 116 0141 Cronograma para P: aulas teóricas (segundas e quartas) Aula 10 4 de março (segunda) Aula 11 6 de março (quarta) Referências: Cálculo Vol James Stewart Seções

Leia mais

INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT CÁLCULO II-A. Última atualização:

INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT CÁLCULO II-A. Última atualização: INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 4 - CÁLCULO II-A Última atualização: --4 ) Nos problemas a seguir encontre a área das regiões indicadas: A) Interior

Leia mais

6.1 equações canônicas de círculos e esferas

6.1 equações canônicas de círculos e esferas 6 C Í R C U LO S E E S F E R A S 6.1 equações canônicas de círculos e esferas Um círculo é o conjunto de pontos no plano que estão a uma certa distância r de um ponto dado (a, b). Desta forma temos que

Leia mais

Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática. Notas de Aulas de

Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática. Notas de Aulas de Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática Notas de Aulas de Cálculo Rosivaldo Antonio Gonçalves Notas de aulas que foram elaboradas para

Leia mais

Lista 7 Funções de Uma Variável

Lista 7 Funções de Uma Variável Lista 7 Funções de Uma Variável Aplicações de Integração i) y = sec 2 (x) y = cos(x), x = π x = π Áreas 1 Determine a área da região em cinza: Ache a área da região delimitada pela parábola y = x 2 a reta

Leia mais

8.1. Comprimento de Arco. Nesta seção, nós aprenderemos sobre: Comprimento de Arco e suas funções. MAIS APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO

8.1. Comprimento de Arco. Nesta seção, nós aprenderemos sobre: Comprimento de Arco e suas funções. MAIS APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO MAIS APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO 8.1 Comprimento de Arco Nesta seção, nós aprenderemos sobre: Comprimento de Arco e suas funções. COMPRIMENTO DE ARCO Podemos pensar em colocar um pedaço de barbante sobre

Leia mais

Integrais Múltiplos Matemática Aplicada

Integrais Múltiplos Matemática Aplicada Integrais Múltiplos Matemática Aplicada José Caldeira uarte Revisto em 4/5 Conteúdo Introdução Integrais uplos. efinição.... Propriedadesdointegralduplo....3 Aplicaçõesdosintegraisduplos... 4.3. Aplicações

Leia mais

CÁLCULO I. 1 A Função Logarítmica Natural. Objetivos da Aula. Aula n o 22: A Função Logaritmo Natural. Denir a função f(x) = ln x;

CÁLCULO I. 1 A Função Logarítmica Natural. Objetivos da Aula. Aula n o 22: A Função Logaritmo Natural. Denir a função f(x) = ln x; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 22: A Função Logaritmo Natural Objetivos da Aula Denir a função f(x) = ln x; Calcular limites, derivadas e integral envolvendo a função

Leia mais

Coordenadora do Curso de Graduação

Coordenadora do Curso de Graduação CÁLCULO II 2007 INSTRUCIONAIS DE MATEMÁTICA Coordenadora do Curso de Graduação Sônia Albuquerque - Matemática Conteudista Sônia Albuquerque SUMÁRIO UNIDADE I PRIMITIVA 1.1 Introdução 1.2 Definição UNIDADE

Leia mais

Transformações geométricas planas

Transformações geométricas planas 9 Transformações geométricas planas Sumário 9.1 Introdução....................... 2 9.2 Transformações no plano............... 2 9.3 Transformações lineares................ 5 9.4 Operações com transformações...........

Leia mais

Álgebra Linear I - Aula 8. Roteiro

Álgebra Linear I - Aula 8. Roteiro Álgebra Linear I - Aula 8 1. Distância de um ponto a uma reta. 2. Distância de um ponto a um plano. 3. Distância entre uma reta e um plano. 4. Distância entre dois planos. 5. Distância entre duas retas.

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

Comprimento de Arco. 1.Introdução 2.Resolução de Exemplos 3.Função Comprimento de Arco 4.Resolução de Exemplo

Comprimento de Arco. 1.Introdução 2.Resolução de Exemplos 3.Função Comprimento de Arco 4.Resolução de Exemplo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Comprimento de Arco

Leia mais

Cálculo III. por PAULO XAVIER PAMPLONA

Cálculo III. por PAULO XAVIER PAMPLONA Cálculo III por PAULO XAVIER PAMPLONA CCTA/UFCG 15 Conteúdo 1 Funções de Várias Variáveis 4 1.1 Conceito de Funções de Várias Variáveis.................... 4 1. omínio e Imagem................................

Leia mais

Exercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas

Exercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas Instituto uperior écnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Eercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas Eercício Considere o conjunto {(, R : < < ; < < + } e a função g : R R definida

Leia mais

NOTAÇÕES. R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos

NOTAÇÕES. R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos NOTAÇÕES R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos i : unidade imaginária: i = 1 z : módulo do número z C Re(z) : parte real do número z C Im(z) : parte imaginária do número z C

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Coletânea de Questões Isoladas ITA 1970

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Coletânea de Questões Isoladas ITA 1970 A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Coletânea de Questões Isoladas ITA 1970 Essas 24 questões foram coletadas isoladamente em diversas fontes bibliográficas. Seguindo sugestão de uma

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana - 01/2016

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana - 01/2016 Lista de Exercícios de Cálculo 3 Primeira Semana - 01/2016 Parte A 1. Se v é um vetor no plano que está no primeiro quadrante, faz um ângulo de π/3 com o eixo x positivo e tem módulo v = 4, determine suas

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS Como vimos no Capítulo 4, no Volume I, um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. DERIVADAS PARCIAIS 14.7

Leia mais

CÁLCULO I. Denir o trabalho realizado por uma força variável. Denir pressão e força exercidas por um uido.

CÁLCULO I. Denir o trabalho realizado por uma força variável. Denir pressão e força exercidas por um uido. CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. André Almeida Prof. Edilson Neri Júnior Aula n o 3: Aplicações da Integral: Comprimento de Arco. Trabalho. Pressão e Força Hidrostática. Objetivos da Aula Denir comprimento

Leia mais

d [xy] = x arcsin x. dx + 4x

d [xy] = x arcsin x. dx + 4x Instituto de Matemática e Estatística da USP MAT456 - Cálculo Diferencial e Integral IV para Engenharia 3a. Prova - o. Semestre 01-6/11/01 Turma A Questão 1. a (1,0 ponto Determine a solução geral da equação

Leia mais

y (n) (x) = dn y dx n(x) y (0) (x) = y(x).

y (n) (x) = dn y dx n(x) y (0) (x) = y(x). Capítulo 1 Introdução 1.1 Definições Denotaremos por I R um intervalo aberto ou uma reunião de intervalos abertos e y : I R uma função que possua todas as suas derivadas, a menos que seja indicado o contrário.

Leia mais