SEAM - SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEAM - SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ"

Transcrição

1 SEAM - SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ

2 MÚLTIPLOS E DIVISORES PROFª EDNALVA DOS SANTOS

3 Um Objeto de Aprendizagem é um arquivo digital (imagem, filme, etc.) que pretende ser utilizado para fins pedagógicos e que possui, internamente ou através de associação, sugestões sobre o contexto apropriado para sua utilização. (Sosteric & Hesemeier, 2001).

4 MÚLTIPLOS E DIVISORES A IDEIA DE MÚLTIPLO E DIVISOR É CONHECIDA DESDE A ANTIGÜIDADE GREGA. NAQUELA ÉPOCA, OS SÁBIOS DAVAM TANTA IMPORTÂNCIA AOS NÚMEROS QUE LHES ATRIBUÍAM CARACTERÍSTICAS HUMANAS. PARA VOCÊS TEREM UMA IDEIA, ELES AGRUPAVAM OS NÚMEROS EM MASCULINOS ( OS ÍMPARES) E FEMININOS ( OS PARES).

5 CRITÉRIOS DE MÚLTIPLOS E DIVISORES Divisibilidade Critérios de divisibilidade: São critérios que nos permite verificar se um número é divisível por outro sem precisarmos efetuar grandes divisões. Um número natural é divisível por outro natural, excluindo-se o zero, se a divisão entre eles é exata, ou seja, se tem resto zero. Divisibilidade por 2 Um número natural é divisível por 2 quando ele termina em 0, ou 2, ou 4, ou 6, ou 8, ou seja, quando ele é par. Exemplos : 8490é divisível por 2, pois termina em não é divisível por 2, pois não é um número par

6 Divisibilidade por 3 :Um número é divisível por 3 quando a soma dos valores absolutos dos seus algarismos for divisível por 3. Exemplo: 870 é divisível por 3, pois a soma de seus algarismos é igual a 8+7+0=15, como 15 é divisível por 3, então 870 é divisível por 3. Divisibilidade por 4 :Um número é divisível por 4 quando termina em 00 ou quando o número formado pelos dois últimos algarismos da direita for divisível por 4. Exemplo: 9500 é divisível por 4, pois termina em é divisível por 4, pois 32 é divisível por é divisível por 4, pois 36 é divisível por não é divisível por 4, pois não termina em 00 e 70 não é divisível por 4. Divisibilidade por 5 Um número natural é divisível por 5 quando ele termina em 0 ou 5. Exemplos: 425 é divisível por 5, pois termina em é divisível por 5, pois termina em não é divisível por 5, pois não termina em 0 nem em 5.

7 Divisibilidade por 6: Um número é divisível por 6 quando é divisível por 2 e por 3 ao mesmo tempo. Exemplos: 6456 é divisível por 6, porque é divisível por 2e por 3 ao mesmo tempo. 984 não é divisível por 6, é divisível por 2, mas não é divisível por não é divisível por 6, é divisível por 3, mas não é divisível por 2. Divisibilidade por 8: Um número é divisível por 8 quando termina em 000, ou quando o número formado pelos três últimos algarismos da direita for divisível por 8. Exemplos: 2000 é divisível por 8, pois termina em é divisível por 8, pois 120 é divisível por não é divisível por 8, pois 341 não é divisível por 8. Divisibilidade por 9: Um número é divisível por 9 quando a soma dos valores absolutos dos seus algarismos for divisível por 9. Exemplo: 6192 é divisível por 9, pois a soma de seus algarismos é igual a =18, e como 18 é divisível por 9, então 6192 é divisível por 9. Divisibilidade por 10 Um número natural é divisível por 10 quando ele termina em 0. Exemplos: 8970 é divisível por 10, pois termina em não é divisível por 10, pois não termina em 0.

8 MÚLTIPLOS Se um número é divisível por outro, diferente de zero, então dizemos que ele é múltiplo desse outro. Os múltiplos de um número são calculados multiplicando-se esse número pelos números naturais. Exemplo: os múltiplos de 7 são: 7x0, 7x1, 7x2, 7x3, 7x4,... = 0, 7, 14, 21, 28,... ATENÇÃO: Observações importantes 1) Um número tem infinitos múltiplos 2) Zero é múltiplo de qualquer número natural

9 NÚMEROS PRIMOS Número primo: É quando um número só é divisível por dois números diferentes; 1 e ele mesmo. Exemplos: 2 tem apenas os divisores 1e 2, portanto 2 é primo. 23 tem apenas os divisores 1e 23, portanto 23 é primo. 10 tem os divisores 1, 2, 5e 10, portanto 10 não é primo. Atenção: 1 não é um número primo, porque ele tem apenas um divisor ele mesmo. 2 é o único número primo que é par. Os números que têm mais de dois divisores são chamados números compostos. Exemplo: 36 tem mais de dois divisores então 36 é um número composto.

10 Como saber se um número é primo Devemos dividir o número dado pelos números primos menores que ele, até obter um quociente menor ou igual ao divisor. Se nenhum das divisões for exata, o número é primo. Decomposição em fatores primos Todo número natural, maior que 1, pode ser escrito na forma de uma multiplicação em que todos os fatores são números primos. É o que nós chamamos de forma fatorada de um número. Decomposição do número 36: 36 =9 x 4 36 = 3 x 3 x 2 x 2 36 = 3 x3 x 2 x 2 = 22x32 No produto 2 x 2 x 3 x 3 todos os fatores são primos. Chamamos de fatoração de 36 a decomposição de 36 num produto de fatores primos.

11 Método Prático Escrevera Forma Fatorada de um Número Natural Existe um dispositivo prático para fatorar um número. Acompanhe, no exemplo, os passos para montar esse dispositivo: ºDividimos o número pelo seu menor divisor primo; 2ºA seguir,dividir o quociente obtido pelo seu menor divisor primo. 3ºProceder dessa forma, daí por diante, até obter o quociente 1.

12 Determinação dos divisores de um número Na prática determinamos todos os divisores de um número utilizando os seus fatores primos. Vamos determinar, por exemplo, os divisores de 72: 1ºFatoramos o número 72. 2ºTraçamos uma linha e escrevemos o 1 no alto, porque ele é divisor de qualquer número. 3º Multiplicamos sucessivamente cada fator primo pelos divisores já obtidos e escrevemos esses produtos ao lado de cada fator primo. 4º Os divisores já obtidos não precisam ser repetidos. Então o conjunto dos divisores de 72 = {1,2,3,4,6,8,9,12,18,36,72}

13 Máximo Divisor Comum (mdc) O máximo divisor comum entre dois ou mais números naturaisnão nulos (números diferentes de zero) é o maior número queé divisor ao mesmo tempo de todos eles. Não vamos aqui ensinar todos as formas de se calcular o mdc, vamos nos ater apenas a algumas delas. Regra das divisões sucessivas Esta regra é bem prática para o calculo do mdc, observe: Exemplo: Vamos calcular o mdc entre os números 160 e 24. 1º: Dividimos o número maior pelo menor. 2º: Como não deu resto zero, dividimos o divisor pelo resto da divisão anterior. 3º: Prosseguimos com as divisões sucessivas até obter resto zero. O mdc (64; 160) = 32

14 Mínimo Múltiplo Comum - MMC mmc (18, 25, 30) = 720 1º: Escrevemos os números dados, separados por vírgulas, e colocamos um traço vertical a direita dos números dados. 2º: Abaixo de cada número divisível pelo fator primo colocamos o resultado da divisão. O números não divisíveis pelo fator primo são repetidos. 3º: Continuamos a divisão até obtermos resto 1 para todos os números.

15 OBJETO APRENDIZAGEM - JOGOS Os jogos quando convenientemente planejados, são um recurso pedagógico eficaz para a construção do conhecimento matemático. Para que o jogo seja um material produtivo em sala, o professor deve ter alguns cuidados ao escolher os jogos a serem aplicados como: não tomar o jogo algo obrigatório; escolher jogos em que o fator sorte não interfira nas jogadas, permitindo que vença aquele que descobrir as melhores estratégias; estabelecer regras; estudar o jogo antes de aplicá-lo ou seja jogá-lo antes.

16 O JOGO BORBOLETAS ANIMAÇÃO

17 O JOGO Apanhar as borboletas que carregam os números certos, no mais curto espaço de tempo. Cada jogo é constituído por 3 fases (números primos, divisores, etc...). Sempre que se apanha uma borboleta errada será sujeito a uma penalização de 30 segundos.

18

19 COMO JOGAR

20

21

22

23

24

25

26

27 OS NÚMEROS O Objetivo do jogo é descobrir as regras de divisibilidade, múltiplos e seus padrões usando rapidez e a lógica através instrumentos educacionais, ou seja, saber se um número é múltiplo ou divisível por outro sem efetuar multiplicação. Verificar os números primos. Identificar números pares.

28 CONCLUSÃO Um objeto de aprendizagem é qualquer recurso que possa ser reutilizado para dar suporte ao aprendizado. Sua principal idéia é "quebrar" o conteúdo educacional disciplinar em pequenos trechos que podem ser reutilizados em vários ambientes de aprendizagem. Qualquer material eletrônico que provém informações para a construção de conhecimento pode ser considerado um objeto de aprendizagem, seja essa informação em forma de uma imagem, uma página HTM, uma animação ou simulação. RIVED - REDE INTERNACIONAL VIRTUAL DE EDUCAÇÃO

29 LINK

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 6

a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 6 Recordando operações básicas 01. Calcule as expressões abaixo: a) 2254 + 1258 = b) 300+590 = c) 210+460= d) 104+23 = e) 239 54 = f) 655-340 = g) 216-56= h) 35 x 15 = i) 50 x 210 = j) 366 x 23 = k) 355

Leia mais

Para resolver o problema de dona Leonor, é preciso aprender a fatorar, como você já viu na Aula = 2 x = 4 x 5

Para resolver o problema de dona Leonor, é preciso aprender a fatorar, como você já viu na Aula = 2 x = 4 x 5 Dona Leonor faz empadinhas e sempre recebe encomendas para festas. Certo dia, ela recebeu três encomendas: uma de 200 empadinhas, outra de 240 e outra de 300. Depois de fazer todas as empadinhas, dona

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 4

Deixando de odiar Matemática Parte 4 Deixando de odiar Matemática Parte 4 Fatoração 2 Quantidade de divisores de um número natural 3 Mínimo Múltiplo Comum 5 Simplificação de Frações 7 Máximo Divisor Comum 8 Método da Fatoração Simultânea

Leia mais

Apontamentos de Matemática 6.º ano

Apontamentos de Matemática 6.º ano Revisão (divisores de um número) Os divisores de um número são os números naturais pelos quais podemos dividir esse número de forma exata (resto zero). Exemplos: Os divisores de 4 são 1, e 4, pois se dividirmos

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA VOLUME 1

CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA VOLUME 1 CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA VOLUME ) SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL O sistema de numeração que usamos é o sistema de numeração decimal, pelo fato de contarmos os elementos em grupos de dez. Dezenas cada grupo

Leia mais

Um número é divisível por 2 se ele é par, ou seja, termina em 0, 2, 4, 6 ou 8.

Um número é divisível por 2 se ele é par, ou seja, termina em 0, 2, 4, 6 ou 8. Alguns critérios de divisibilidade Divisibilidade por 2 Um número é divisível por 2 se ele é par, ou seja, termina em 0, 2, 4, 6 ou 8. Exemplos: O número 5634 é divisível por 2, pois o seu último algarismo

Leia mais

FATORAÇÃO. Os métodos de fatoração de expressões algébricas são:

FATORAÇÃO. Os métodos de fatoração de expressões algébricas são: FATORAÇÃO Fatorar consiste em representar determinado número de outra maneira, utilizando a multiplicação. A fatoração ajuda a escrever um número ou uma expressão algébrica como produto de outras expressões.

Leia mais

Gabarito de Matemática do 6º ano do E.F.

Gabarito de Matemática do 6º ano do E.F. Gabarito de Matemática do 6º ano do E.F. Lista de Exercícios (L11) Querido(a) aluno(a), vamos retomar nossos estudos relembrando os conceitos de divisores, múltiplos, números primos, mmc e mdc. Divisor

Leia mais

COMO SABER SE UM NÚMERO FORMADO APENAS POR ALGARISMOS IGUAIS A 1 É DIVISÍVEL POR 7? RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

COMO SABER SE UM NÚMERO FORMADO APENAS POR ALGARISMOS IGUAIS A 1 É DIVISÍVEL POR 7? RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ARTIGO COMO SABER SE UM NÚMERO FORMADO APENAS POR ALGARISMOS IGUAIS A 1 É DIVISÍVEL POR 7? RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA José Roberto Julianelli (*) abaixo: O relato a seguir teve início quando eu precisei

Leia mais

25 = 5 para calcular a raiz quadrada de 25, devemos encontrar um número que

25 = 5 para calcular a raiz quadrada de 25, devemos encontrar um número que RADICIAÇÃO Provavelmente até o 8 ano, você aluno só viu o conteúdo de radiciação envolvendo A RAIZ QUADRA Para relembrar: = para calcular a raiz quadrada de, devemos encontrar um número que elevado a seja,

Leia mais

Matemática Régis Cortes MÚLTIPLOS E DIVISORES

Matemática Régis Cortes MÚLTIPLOS E DIVISORES MÚLTIPLOS E DIVISORES Múltiplos e divisores de um número Um número é múltiplo de outro quando, ao dividirmos o primeiro pelo segundo, o resto é zero. Observe as seguintes divisões entre números Naturais:

Leia mais

Curso Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em Noturno Matemática Elementar I 60h

Curso Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em Noturno Matemática Elementar I 60h 1 Curso Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em Noturno Matemática Elementar I 60h Matemática Aula Período Data Coordenador 3.1 1. a 06/06/2006 (terça feira) Tempo Estratégia Descrição (Arte)

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 5

Deixando de odiar Matemática Parte 5 Deixando de odiar Matemática Parte Adição e Subtração de Frações Multiplicação de frações Divisão de Frações 7 1 Adição e Subtração de Frações Para somar (ou subtrair) duas ou mais frações de mesmo denominador,

Leia mais

Aula 7 - Mais problemas com inteiros

Aula 7 - Mais problemas com inteiros Aula 7 - Mais problemas com inteiros Já vimos nas aulas anteriores alguns detalhes de operações com inteiros. a) A divisão é inteira e o resultado é truncado b) Existe o operador % (resto da divisão) c)

Leia mais

MÚLTIPLOS E DIVISORES. 8. um número natural, com exceção do zero é simultaneamente múltiplo e divisor de si mesmo.

MÚLTIPLOS E DIVISORES. 8. um número natural, com exceção do zero é simultaneamente múltiplo e divisor de si mesmo. Critérios de Divisibilidade MÚLTIPLOS E DIVISORES MÚLTIPLO Um número natural é múltiplo de um outro, quando a sua divisão por esse outro é exata. Assim, é múltiplo de e de, pois: = = Múltiplo de um número

Leia mais

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES OPERAÇÕES COM FRAÇÕES Adição A soma ou adição de frações requer que todas as frações envolvidas possuam o mesmo denominador. Se inicialmente todas as frações já possuírem um denominador comum, basta que

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Frações Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Frações Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Frações Prof. Dudan Matemática FRAÇÕES Definição Fração é um modo de expressar uma quantidade a partir de uma razão de dois números inteiros. A palavra vem do latim fractus

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º

Leia mais

3 latas de 3 litros do sorvete BOM 2 latas de 3 litros sorvete BOM R$ 12,00 R$ 7,00

3 latas de 3 litros do sorvete BOM 2 latas de 3 litros sorvete BOM R$ 12,00 R$ 7,00 Caro aluno! No desenvolvimento da oficina 1 você teve algumas situações de aprendizagem que proporcionaram-lhe o desenvolvimento de estratégias de resolução. Para enriquecer cada vez mais a sua aprendizagem,

Leia mais

Máximo Divisor Comum (M.D.C.) & Mínimo Múltiplo Comum (M.M.C.)

Máximo Divisor Comum (M.D.C.) & Mínimo Múltiplo Comum (M.M.C.) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Máximo Divisor Comum (M.D.C.) & Mínimo Múltiplo Comum (M.M.C.) DANIELA GUERRA HANNAH LACERDA WESLEY S. V. BATISTA WILLIAN VALVERDE Curitiba 2011 SUMÁRIO Introdução...02 1.

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA MATEMÁTICA DESAFIO DO DIA. Aula 15.1 Conteúdo: Conceituar e exemplificar MMC.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA MATEMÁTICA DESAFIO DO DIA. Aula 15.1 Conteúdo: Conceituar e exemplificar MMC. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 15.1 Conteúdo: Conceituar e exemplificar MMC. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Aplicar os conceitos

Leia mais

MATÉRIA, TRANSFORMAÇÕES E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS

MATÉRIA, TRANSFORMAÇÕES E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS MATÉRIA, TRANSFORMAÇÕES E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS MATERIAIS DIFERENÇAS ENTRE PROCESSOS FÍSICOS E QUÍMICOS DIFERENÇAS ENTRE PROPRIEDADES FÍSICAS E QUÍMICAS Exa+dão x Precisão Algarismos significa+vos

Leia mais

TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA

TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA 1 Adição, subtração, multiplicação e divisão de números naturais e decimais Números Naturais Nos dias de hoje, em lugar das pedrinhas, utilizam-se, em todo o mundo,

Leia mais

Relembrando: Ângulos, Triângulos e Trigonometria...

Relembrando: Ângulos, Triângulos e Trigonometria... Relembrando: Ângulos, Triângulos e Trigonometria... Este texto é apenas um resumo. Procure estudar esses assuntos em um livro apropriado. Ângulo é a região de um plano delimitada pelo encontro de duas

Leia mais

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação

Leia mais

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de :

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de : Sequências Uma sequência é uma função f de em, ou seja. Para todo número natural i associamos um número real por meio de uma determinada regra de formação. A sequencia pode ser denotada por: Ou, por meio

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA A. Aula 14 Velocidades que variam sempre da mesma forma. Página 189

Professora Bruna FÍSICA A. Aula 14 Velocidades que variam sempre da mesma forma. Página 189 FÍSICA A Aula 14 Velocidades que variam sempre da mesma forma Página 189 INTRODUÇÃO O que já vimos até agora? Movimento Uniforme (velocidade constante) gráficos s x t, gráficos v x t e função horária.

Leia mais

a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo várias vezes, temos uma a a a = a³ (a elevado a 3 ou a ao cubo) 3 fatores

a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo várias vezes, temos uma a a a = a³ (a elevado a 3 ou a ao cubo) 3 fatores Operações com potências A UUL AL A Quando um número é multiplicado por ele mesmo, dizemos que ele está elevado ao quadrado, e escrevemos assim: Introdução a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo

Leia mais

Função de 2º Grau. Parábola: formas geométricas no cotidiano

Função de 2º Grau. Parábola: formas geométricas no cotidiano 1 Função de 2º Grau Parábola: formas geométricas no cotidiano Toda função estabelecida pela lei de formação f(x) = ax² + bx + c, com a, b e c números reais e a 0, é denominada função do 2º grau. Generalizando

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

MÓDULO XII. EP.02) Determine o valor numérico da expressão algébrica x 2 yz xy 2 z para x = 1, y = 1 e z = 2. c) y.(y x + 1) +

MÓDULO XII. EP.02) Determine o valor numérico da expressão algébrica x 2 yz xy 2 z para x = 1, y = 1 e z = 2. c) y.(y x + 1) + MÓDULO XII EXPRESSÕES ALGÉBRICAS 1. Epressão algébrica Em álgebra, se empregam outros símbolos além dos algarismos. Damos o nome de epressão algébrica ao conjunto de letras e números ligados entre si por

Leia mais

Aula 03: Potenciação, Radiciação, Expressões Algébricas, Fatoração e Produtos Notáveis.

Aula 03: Potenciação, Radiciação, Expressões Algébricas, Fatoração e Produtos Notáveis. Aula 03: Potenciação, Radiciação, Expressões Algébricas, Fatoração e Produtos Notáveis. GST1073 Fundamentos de Matemática Fundamentos de Matemática Aula 3 - Potenciação, Radiciação, Expressões Algébricas,

Leia mais

Fundamentos da Matemática

Fundamentos da Matemática Fundamentos da Matemática Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

XXXV Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

XXXV Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase XXXV Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 2 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 4 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Progressão Aritmética e Geométrica Progressão Aritmética Uma sucessão de números na qual a diferença entre dois termos consecutivos é constante, é denominada progressão aritmética,

Leia mais

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS Introdução: REGRA DE SINAIS PARA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO: Sinais iguais: Adicionamos os algarismos e mantemos o sinal. Sinais diferentes: Subtraímos os algarismos e aplicamos

Leia mais

Apontamentos de matemática 5.º ano - Múltiplos e divisores

Apontamentos de matemática 5.º ano - Múltiplos e divisores Múltiplos e divisores (revisão do 1.º ciclo) Os múltiplos de um número inteiro obtêm-se multiplicando esse número pela sequência dos números inteiros. Exemplos: Alguns múltiplos de 6 são: 0, 6, 12, 18,

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

ADIÇÃO mesma natureza homogêneas Como fazer Exemplo heterogêneas Como fazer Exemplo

ADIÇÃO mesma natureza homogêneas Como fazer Exemplo heterogêneas Como fazer Exemplo ADIÇÃO É a operação que tem por fim determinar uma fração que contenha todas as unidades e partes de unidades de várias parcelas de mesma natureza. Entende-se por mesma natureza as frações que exprimem

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Potenciação. Lucas Araújo - Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Potenciação. Lucas Araújo - Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.1 Potenciação Lucas Araújo - Engenharia de Produção Potenciação No século 3 a.c na Grécia antiga, Arquimedes resolveu calcular quantos grãos de areia

Leia mais

MATEMÁTICA ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA ENSINO FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP PARABÉNS!!! VOCÊ JÁ É UM VENCEDOR! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos esse material.

Leia mais

30 o 50 o 70 o 90 o 110 o 130 o 150 o 170 o 190 o 210 o 230 o 250 o 270 o 290 o 310 o 330 o 350 o

30 o 50 o 70 o 90 o 110 o 130 o 150 o 170 o 190 o 210 o 230 o 250 o 270 o 290 o 310 o 330 o 350 o Fasores 1- FASORES Fasores, são na realidade vetores que giram e uma determinada velocidade em um círculo trigonométrico, dando origem as funções senoidais. Então toda função senoidal pode ser representada

Leia mais

Lista de Exercícios 06 Modularização (Procedimentos e Funções)

Lista de Exercícios 06 Modularização (Procedimentos e Funções) Lista de Exercícios 06 Modularização (Procedimentos e Funções) Procedimentos: Passagem de parâmetros. 1) Escreva um procedimento que receba um número inteiro e imprima o mês correspondente ao número. Por

Leia mais

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c IR e Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e

Leia mais

Escola Adventista Thiago White

Escola Adventista Thiago White Roteiro de Matemática 6º ano A e B - 1º Bimestre Data Início / / Data Término / / Nota: Tema: Números Primos, MMC e MDC Conceituar um número primo e verificar se um número dado é ou não primo. Obter o

Leia mais

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE MATEMÁTICA PROVA - 3º BIMESTRE 2011 2º ANO Reconhecer e utilizar

Leia mais

X 2 = Área do círculo, setor e coroa circular. Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários

X 2 = Área do círculo, setor e coroa circular. Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários As atividades propostas nas aulas a seguir têm como objetivo proporcionar ao aluno condições de compreender, de forma prática, e identificar em situações cotidianas, a área do círculo, setor e coroa circular.

Leia mais

Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais

Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Aritmética em Bases Não Decimais FAC 1 / 35 Introdução

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática

Prova de Aferição de Matemática prova de aferição do ensino básico 2011 Prova de Aferição de Matemática 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Codificação 2011 PA Página C/1/ 20 CRITÉRIOS GERAIS DE CODIFICAÇÃO A prova de aferição de

Leia mais

OS QUATRO QUATROS. Agora já resolvemos vários números e alguns com mais de uma solução, mas continua faltando

OS QUATRO QUATROS. Agora já resolvemos vários números e alguns com mais de uma solução, mas continua faltando INTRODUÇÃO O PROBLEMA D, tem sua história, sua evolução e generalizações citadas na página REFERÊNCIA da MATEMÁTICA. Entre as referências destaca-se o livro "O Homem que Calculava", de Malba Tahan, pseudônimo

Leia mais

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática othonb@yahoo.com Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama

Leia mais

NÚMEROS E OPERAÇÕES. Sistema de Numeração Decimal. Exercícios Resolvidos

NÚMEROS E OPERAÇÕES. Sistema de Numeração Decimal. Exercícios Resolvidos 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES Sistema de Numeração Decimal O Sistema de Numeração Decimal possui duas características importantes: ele possui base 10 e é um sistema posicional Na base 10, dispomos de 10 algarismos

Leia mais

FÍSICA. Fornece uma compreensão quantitativa de certos fenómenos que ocorrem no Universo.

FÍSICA. Fornece uma compreensão quantitativa de certos fenómenos que ocorrem no Universo. Introdução e Vectores FÍSICA Prof. Marília Peres Adaptado de Serway & Jewett Sobre a Física Fornece uma compreensão quantitativa de certos fenómenos que ocorrem no Universo. Baseia-se em observações experimentais

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade Unidade de Ensino: OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS ABSOLUTOS (adição e subtracção). Tempo Previsto: 3 semanas O reconhecimento do conjunto dos racionais positivos, das diferentes formas de representação

Leia mais

FRAÇÕES. O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro.

FRAÇÕES. O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro. FRAÇÕES O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro. Assim, por exemplo, se tivermos uma pizza inteira e a dividimos em quatro

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Computação e Processamento de Dados CPD INF400 Professor: André Ferreira andre.ferreira@ifba.edu.br Material baseado: Prof.ª Renata Vilas e outros Sistemas de Numeração Observações Gerais Definição: Conjunto

Leia mais

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse: 02/05/2012

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse:  02/05/2012 1. FUNÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO Uma função é um conjunto de pares ordenados de números (x,y) no qual duas duplas ordenadas distintas não podem ter o mesmo primeiro número, ou seja, garante que y seja único para

Leia mais

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente.

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente. Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e c = 6. 6x 2 - x - 1 = 0 é

Leia mais

I-EXPRESSÕES NUMÉRICAS

I-EXPRESSÕES NUMÉRICAS I-EXPRESSÕES NUMÉRICAS São expressões matemáticas que envolvem operações com números. Exemplos: a) 9+3+5 b) 2-5+4 c) (15-4)+2 4 5 + 7 2-1 + 7 2 + 6 2 = + 4 = 4 Nas expressões e sentenças matemáticas, os

Leia mais

Meu nome: Minha Instituição:

Meu nome: Minha Instituição: Meu nome: Minha Instituição: 1. O Teorema Fundamental da Aritmética enuncia que todo número natural maior que 1 ou é primo ou pode ser escrito de forma única, a menos da ordem dos fatores, como produto

Leia mais

Teoria dos Números. A soma de dois números pares é sempre um número par. O produto de dois números pares é sempre um número par.

Teoria dos Números. A soma de dois números pares é sempre um número par. O produto de dois números pares é sempre um número par. Teoria dos Números Resultado obtido nas aulas de Teoria dos Números. Números pares e números ímpares. A soma de dois números pares é sempre um número par. O produto de dois números pares é sempre um número

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO ÁLGEBRA LINEAR

RACIOCÍNIO LÓGICO ÁLGEBRA LINEAR RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 11 ÁLGEBRA LINEAR I - POLINÔMIOS POLINÔMIOS E EQUAÇÕES ALGÉBRICAS 1 Definição Seja C o conjunto dos números complexos ( números da forma a + bi, onde a e b são números reais e i

Leia mais

I. Conjunto Elemento Pertinência

I. Conjunto Elemento Pertinência TEORI DOS CONJUNTOS I. Conjunto Elemento Pertinência Conjunto, elemento e pertinência são três noções aceitas sem definição, ou seja, são noções primitivas. idéia de conjunto é praticamente a mesma que

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS Nome: Nota: LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS OBJETIVOS O objetivo deste experimento é orientar os alunos quanto à utilização correta de instrumentos de medidas elétricas,

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

Aula 3 Distribuição de Frequências.

Aula 3 Distribuição de Frequências. 1 Estatística e Probabilidade Aula 3 Distribuição de Frequências. Professor Luciano Nóbrega Distribuição de frequência 2 Definições Básicas Dados Brutos são os dados originais que ainda não foram numericamente

Leia mais

Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes medidas: o De prevenção; o Detecç

Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes medidas: o De prevenção; o Detecç Auditoria e Segurança de Sistemas Prof.: Mauricio Pitangueira Instituto Federal da Bahia Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Princípios da Contagem Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Princípios da Contagem Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Princípios da Contagem Prof. Dudan Matemática Princípio da Contagem Os primeiros passos da humanidade na matemática estavam ligados a necessidade de contagem de objetos de

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros 1ª parte: revisão teórica Vamos relembrar o conceito de porcentagem com uma situação-problema. O que tem mais água, uma uva ou uma banana? Para responder, leve em consideração

Leia mais

Critérios de Divisibilidade

Critérios de Divisibilidade Critérios de Divisibilidade Introdução Se você procurar pela Internet, irá encontrar dezenas de sites que falam sobre este assunto, alguns muito bons por sinal, mas a grande maioria deles embora apresentem

Leia mais

Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática

Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática D10 Num problema, estabelecer trocas entre cédulas e moedas do sistema monetário brasileiro, em função de seus valores. O que é? Por meio deste

Leia mais

MATEMÁTICA II. Aula 11. 3º Bimestre. Matrizes Professor Luciano Nóbrega

MATEMÁTICA II. Aula 11. 3º Bimestre. Matrizes Professor Luciano Nóbrega 1 MATEMÁTICA II Aula 11 Matrizes Professor Luciano Nóbrega º Bimestre MATRIZES _ INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO Uma matriz é uma tabela com m linhas e n colunas que contém m. n elementos. EXEMPLO: Ângulo 0º 45º

Leia mais

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida,

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, NOÇÃO DE MEDIDA O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, Medir uma dada grandeza consiste em comparar o seu valor com a respetiva

Leia mais

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas A medida de uma grandeza é obtida, em geral, através de uma experiência, na qual o grau de complexidade do processo de medir está relacionado com a grandeza em questão

Leia mais

ÁBACO VERTICAL. 1º. Passo: Explicar aos alunos o significado de cada pino do ábaco.

ÁBACO VERTICAL. 1º. Passo: Explicar aos alunos o significado de cada pino do ábaco. ÁBACO VERTICAL É de extrema importância que os alunos construam os conceitos de número já nas séries iniciais, a fim de que estes evoluam do concreto aos estágios de abstração. Os Parâmetros Curriculares

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº08

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº08 Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 1. Conceitos básicos 3º Ano do Ensino Médio Aula nº08 Assunto: Funções, Equações e Inequações do 1º grau Introdução: Representação de uma equação com 2 variáveis

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

NÚMEROS PRIMOS. Os números primos são os números naturais com exatamente dois divisores. primo? Número divisores quantidade de divisores

NÚMEROS PRIMOS. Os números primos são os números naturais com exatamente dois divisores. primo? Número divisores quantidade de divisores 5. NÚMEROS PRIMOS O conhecimento dos números primos e da decomposição dos números inteiros como produto de primos estão entre os conhecimentos mais úteis e importantes da Aritmética. K. F. Gauss Estudos

Leia mais

1. Métodos de prova: Construção; Contradição.

1. Métodos de prova: Construção; Contradição. Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Ciência da Computação Fundamentos Matemáticos para Computação 1. Métodos de prova: Construção; Contradição.

Leia mais

MOMENTOS DE MATEMÁTICA

MOMENTOS DE MATEMÁTICA MOMENTOS DE MATEMÁTICA... 5º Ano............ Ficha Global n.º 1 1. Calcula o valor de a de cada uma das igualdades: a) 4,5 + a = 15,8 b) 11,2 - a = 5,4 c) 4,5 : a = 0,9 d) 4,5 : a = 0,9 e) 1,24 x a = 3,1

Leia mais

Espera, espera, tive uma idéia e uma idéia não se deixa fugir.

Espera, espera, tive uma idéia e uma idéia não se deixa fugir. Nível 1 5ª e 6ª séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental 2ª FSE 24 de outubro de 2009 Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Parabéns pelo seu desempenho na 1ª Fase da OBMEP. É com grande satisfação

Leia mais

AUTOR: PROF. PEDRO A. SILVA lê-se: 2 inteiros e cinco sextos. Exs.:, 2 3 Fração aparente É aquela cujo numerador é múltiplo do denominador.

AUTOR: PROF. PEDRO A. SILVA lê-se: 2 inteiros e cinco sextos. Exs.:, 2 3 Fração aparente É aquela cujo numerador é múltiplo do denominador. I - NÚMEROS RACIONAIS lê-se: inteiros e cinco sextos. a Dois números a e b ( b 0 ), quando escritos na forma b representam uma fração, onde : b (denominador) e a (numerador). O numerador e o denominador

Leia mais

Curso de Álgebra Linear

Curso de Álgebra Linear Curso de Álgebra Linear Fundamentos e Aplicações Terceira Edição 25 de Outubro de 2012 Marco Cabral PhD Indiana University, EUA Paulo Goldfeld PhD Courant Institute, EUA Departamento de Matemática Aplicada

Leia mais

Quatro alunos do 6º ano de uma escola, em uma aula de matemática, fizeram as seguintes afirmativas:

Quatro alunos do 6º ano de uma escola, em uma aula de matemática, fizeram as seguintes afirmativas: ATIVIDADE PROVÃO 2º BIMESTRE 6º ANO MAT PROVA DIA 09/07 QUESTÃO 01 (Descritor: estabelecer uma conclusão baseando-se nas definições de divisores e múltiplos de um número natural e números primos) Quatro

Leia mais

TEORIA MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA MATEMÁTICA BÁSICA CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras

Leia mais

O que são custos de transformação?

O que são custos de transformação? O que são custos de transformação? A forma encontrada pelo método UEP para analisar os custos da empresa é através da simplificação do modelo de cálculo da produção do período determinando uma unidade

Leia mais

Esquema Básico de Custos (Absorção)

Esquema Básico de Custos (Absorção) Esquema Básico de Custos (Absorção) Vamos exemplificar o esquema básico da Contabilidade de Custos, lembrando que é parte relativa a utilização de Custos para Avaliação de Estoques para fins fiscais e

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

UNICAMP Você na elite das universidades! MATEMÁTICA ELITE SEGUNDA FASE

UNICAMP Você na elite das universidades! MATEMÁTICA ELITE SEGUNDA FASE www.elitecampinas.com.br Fone: (19) -71 O ELITE RESOLVE IME 004 PORTUGUÊS/INGLÊS Você na elite das universidades! UNICAMP 004 SEGUNDA FASE MATEMÁTICA www.elitecampinas.com.br Fone: (19) 51-101 O ELITE

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA FACULDADE COMUNITARIA DE RIO CLARO ANHANGUERA EDUCACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Edílson Celso Luiz Domingues Junior RA 0820290 2º Semestre ADM Taxa Interna de Retorno. TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR)

Leia mais

Recorrendo à nossa imaginação podemos tentar escrever números racionais de modo semelhante: 1 2 = 1 + 3 + 32 +

Recorrendo à nossa imaginação podemos tentar escrever números racionais de modo semelhante: 1 2 = 1 + 3 + 32 + 1 Introdução Comecemos esta discussão fixando um número primo p. Dado um número natural m podemos escrevê-lo, de forma única, na base p. Por exemplo, se m = 15 e p = 3 temos m = 0 + 2 3 + 3 2. Podemos

Leia mais

Exercício Termodinâmica (com solução comentada)

Exercício Termodinâmica (com solução comentada) Exercício ermodinâmica (com solução comentada ara o cálculo do trabalho realizado pelo gás em uma transformação em que a pressão varia devemos calcular a área do gráfico, porém deve-se dividir a área do

Leia mais

Figura 1 - Display de 7 segmentos

Figura 1 - Display de 7 segmentos Lista de exercicio para revisão Um display de 7 segmentos é um dispositivo eletrônico composto por sete led s com formato de segmento, posicionados de modo a possibilitar a formação de um algarismo decimal

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

=...= 1,0 = 1,00 = 1,000...

=...= 1,0 = 1,00 = 1,000... OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS EXATOS Os números decimais exatos correspondem a frações decimais. Por exemplo, o número 1,27 corresponde à fração127/100. 127 = 1,27 100 onde 1 representa a parte inteira

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 6. Revisão Laços de Repetição

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 6. Revisão Laços de Repetição CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 6 Revisão Laços de Repetição TRABALHO 1º Semestre Prazo de entrega: 14/06. Individual ou em Dupla Compactar todos os exercícios em um arquivo. Enviar para o e-mail do PET:

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Polinômios Lista C Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Polinômios Lista C Professor Marco Costa 1 1. (Fuvest 97) Suponha que o polinômio do 3 grau P(x) = x + x + mx + n, onde m e n são números reais, seja divisível por x - 1. a) Determine n em função de m. b) Determine m para que P(x) admita raiz

Leia mais