CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação Área de Formação Pessoal e social Revelar autonomia na higiene e alimentação. Demonstrar controlo de emoções, reações e atitudes. Saber respeitar e interagir com a diversidade social e cultural. Demonstrar interesse e aderir às atividades propostas com aceitação e cumprimento de orientações. Compreender e respeitar as regras de conduta. - Ficha de diagnóstico. -Registos diversos de observação direta. -Análise do produto de trabalhos realizados. Área de Expressão e Comunicação: Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita Reconhecer e escrever palavras. Compreender discursos orais com interação verbal. Demonstrar capacidade de expressar sentimentos, desejos e ideias adequando-os aos diferentes contextos e interlocutores; ter capacidade de análise crítica. Compreender que o código escrito tem regras próprias. Utilizar o computador. Isolar e contar palavras em frases. -Grelha de avaliação (trimestral) desenvolvimento/aprendizagem. -Grelha de avaliação (trimestral) desenvolvimento/aprendizagem. -Observação direta. Matemática Saber resolver problemas utilizando as possibilidades de representação matemática para descrever com rigor objetos, as suas características e propriedades. Formar sequências com regras lógicas subjacentes. Saber resolver problemas com recurso a ideias e métodos matemáticos. Ter capacidade de apropriar-se da noção do desenrolar do tempo. Reconhecer sem contagem o número de objetos de um conjunto e verificá-la por contagem até 6. -Trabalhos realizados. -Grelha de avaliação (trimestral) desenvolvimento/aprendizagem. -Observação direta. Expressão Plástica Saber representar a figura humana, reconhecendo o esquema corporal. Ter capacidade de utilizar de forma autónoma diferentes materiais e meios de expressão para recriar vivências individuais, temas, histórias entre outros. Demonstrar capacidade de recriar a mensagem visual de forma imaginativa. -Trabalhos realizados. -Grelha de avaliação (trimestral) desenvolvimento/aprendizagem. Expressão Dramática Saber exprimir simbolicamente sentimentos e emoções. Imitar e recriar experiencias do quotidiano, usando a imaginação e atribuindo significados múltiplos aos objetos. Criar diferentes situações de comunicação verbal e não verbal. -Observação direta. -Trabalhos realizados.

2 Expressão Musical Participar em canções, compreendendo as letras e mostrando sentido rítmico. Identificar características dos sons. Identificar instrumentos musicais. Exprimir através da dança a forma como sente a música. -Grelha de avaliação (trimestral) desenvolvimento/aprendizagem. -Observação direta. Expressão Motora Saber controlar e coordenar os movimentos do seu corpo. Demonstrar capacidade de realizar ações motoras básicas com objetos. Ter capacidade de participar em jogos de movimento com regras progressivamente mais complexas. Demonstrar coordenação da motricidade global (fina e larga). Representar a figura humana reconhecendo o esquema corporal. -Trabalhos realizados. -Grelha de avaliação (trimestral) desenvolvimento/aprendizagem. -Observação direta. Área do Conhecimento do Mundo Ter noções básicas sobre hábitos de vida saudável. Saber adotar comportamentos que revelem respeito e preocupação com a preservação do ambiente. Revelar interesse e conhecimento específico sobre o meio natural e social, estabelecendo relações adequadas. Identificar a origem de um dado material de uso corrente (animal, vegetal ou mineral). Identificar algumas diferenças e semelhanças entre meios diversos ao longo de tempos diferentes (ex. diferenças e semelhanças no vestuário e na habitação em aldeias e cidades atuais, ou naturalidade e na época dos castelos, príncipes e princesas). -Trabalhos realizados. -Grelha de avaliação (trimestral) desenvolvimento/aprendizagem. -Observação direta. -Trabalhos realizados. -Grelha de avaliação (trimestral) desenvolvimento/aprendizagem. -Observação direta. -Trabalhos realizados.

3 1.º CICLO Domínios Componentes do Currículo Critérios de Avaliação Ponderação Instrumentos de Avaliação Cognitivo e das aptidões Português Matemática Estudo do Meio A comunicação oral e escrita, com correção e pertinência. A aplicação do vocabulário ativo. A compreensão de enunciados orais e escritos. A leitura, interpretação e aplicação de noções gramaticais. A aplicação de regras de ortografia. A sintetização de saberes, selecionando o relevante. A compreensão de enunciados orais e escritos. A análise de situações diversificadas. O desenvolvimento do raciocínio matemático. A resolução de problemas. A comunicação matemática. A compreensão e aplicação de conceitos e procedimentos. O uso de diferentes linguagens e fontes de informação. O conhecimento da realidade pessoal, natural e social. A compreensão de enunciados orais e escritos. A compreensão e aplicação de conceitos e procedimentos. 70% 70% 70% - Observação direta/indireta; - Trabalhos individuais; - Trabalhos de grupo; - Registos de monitorização; - Fichas de avaliação formativa; - Fichas de avaliação sumativa; Expressões Artísticas A capacidade de desenvolver aptidões técnicas e manuais. O desenvolvimento do sentido estético e artístico. O desenvolvimento da criatividade. A exploração de ideias, partindo de estímulos e temáticas. A utilização de técnicas e práticas apropriadas e contextualizadas. 70% - Debates; -Comunicações; - Caderno diário. Físico-Motora A cooperação com os colegas. A capacidade de melhorar as suas aptidões físicas. A participação ativa, respeitando as regras estabelecidas com correção e oportunidade. 70%

4 Domínios Componentes do Currículo Critérios de Avaliação Ponderação Instrumentos de avaliação Apoio ao Estudo O conhecimento e aplicação de métodos de trabalho. A capacidade de organização do tempo/espaço. A capacidade de selecionar interesses e prioridades. O desenvolvimento da autonomia na aprendizagem. 70% Cognitivo e das aptidões Componente de Cidadania e Tecnologias (Oferta complementar) Inglês 3.º ano A1 A participação na planificação/realização das atividades. A aptidão na utilização de diferentes equipamentos tecnológicos. A capacidade de trabalhar em grupo. A valorização de diferentes formas de conhecimento, comunicação e expressão. A valorização das dimensões relacionais da aprendizagem e dos princípios éticos, que regulam o relacionamento com o saber e com os outros. Compreensão Oral A compreensão de sona, entoações e ritmos da língua. A compreensão de palavras e expressões simples. Leitura A compreensão de palavras e frases simples. Interação Oral A expressão com ajuda e de forma adequada, em diferentes contextos. A interação com o professor, utilizando expressões/frases simples. Produção Oral A produção, com ajuda, de sons, entoações e ritmos da língua. A expressão, com vocabulário muito limitado, em situações previamente preparadas. Escrita A utilização, com ajuda, de palavras conhecidas. A produção, com ajuda, de frases simples. 70% - Observação direta/indireta; - Trabalhos individuais; - Trabalhos de grupo; - Fichas de avaliação formativa; - Registos de monitorização; - Auto / heteroavaliação; - Debates; -Comunicações; - Caderno diário.

5 Domínio Intercultural A capacidade para se conhecer a si e ao outro. O conhecimento do dia a dia na escola. O conhecimento de algumas características do seu país e de outros países. Léxico e Gramática O conhecimento de vocabulário simples: do dia a dia; relacionado com a escola; contextualizado com base nas estações do ano. O conhecimento, de forma implícita, de algumas estruturas elementares do funcionamento da língua. Atitudes e valores (Todas as componentes do currículo) A participação com interesse e empenho nas atividades propostas; A capacidade de relação /respeito/cooperação com os outros; A responsabilidade no cumprimento das regras; A capacidade de reflexão crítica. 30% - Registos de monitorização; - Observação direta/indireta do comportamento; - Auto / heteroavaliação.

6 Competências socio- -afetivas Conhecimentos/capacidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2.º CICLO PORTUGUÊS A avaliação é contínua, incidindo sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste- -se de caráter formativo e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte sendo a terminologia utilizada a das Metas Curriculares. Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Leitura e escrita (Compreensão da leitura / expressão escrita) Educação literária Gramática 70% - Testes globais - Testes parcelares que podem corresponder a trabalhos escritos feitos na aula, realizados segundo linhas orientadoras definidas pelo professor - Fichas de gramática - Composições e produção de textos para apropriação de modelos e técnicas, realizados em sala de aula. Oralidade (Compreensão e expressão oral) Educação literária Gramática Atitudes e valores 15% 15% - Testes de compreensão oral - Apresentações orais - Leitura expressiva e recreativa - Recitação de textos - Participação oral. - Assiduidade e pontualidade - Estudo regular e empenho no trabalho solicitado - Apresentação de material obrigatório - Cumprimento das tarefas propostas (individuais ou de grupo) no prazo estabelecido - Respeito, cooperação e cumprimento das regras de bom funcionamento da sala de aula -Desenvolvimento de um sentido crítico. Principais aspetos considerados nos diferentes domínios a) Compreensão da leitura: - utilizar estratégias de leitura adequadas; - captar o sentido e interpretar textos escritos;

7 - manifestar preferências na seleção de leituras e expressar opiniões e gosto sobre textos lidos; - respeitar as regras estabelecidas no contrato de leitura; - utilizar conscientemente os conhecimentos adquiridos sobre a língua para uma melhor compreensão dos textos. b) Educação literária: - Ler, apreciar e interpretar oralmente e por escrito textos literários; - Ler e escrever para fruição estética. c) Expressão escrita: - produzir textos de várias tipologias, tendo em atenção a continuidade, a progressão, a coesão e a coerência; - redigir textos com finalidades diversas e destinatários variados; - expressar ideias, vivências e factos de forma estruturada e fundamentada; - expressar opiniões e gostos sobre textos lidos; - utilizar conscientemente os conhecimentos adquiridos sobre a língua para um aperfeiçoamento da expressão escrita. d) Compreensão / expressão oral: - captar as ideias essenciais e as intenções de textos orais de diferentes tipos; - produzir textos orais de diferentes tipos; - fazer a leitura expressiva de textos; - intervir oralmente nas aulas, de forma pertinente e adequada; - participar nos trabalhos (debates, exposições orais, apreciações críticas, dramatizações) respeitando as normas estabelecidas; - utilizar conscientemente os conhecimentos adquiridos sobre a língua para um aperfeiçoamento da expressão oral. e) Gramática: - identificar marcas linguísticas e distintos usos de língua; - refletir sobre as regras de funcionamento da língua; - dominar conhecimentos básicos sobre classes de palavras, sintaxe e semântica, bem como regras de ortografia, pontuação e acentuação. Critérios específicos de avaliação da escrita e da oralidade 1. Escrita (composições resposta extensa) Os critérios de classificação das composições são os constantes nas Provas Finais Nacionais que podem ser consultados na página do GAVE.

8 2. Oralidade (Compreensão e expressão oral) A avaliação da expressão oral baseia-se nos seguintes aspetos: Menção Âmbito Correção Fluência Desenvolvimento temático e coerência Interação Peso Para se Usa com Produz Desenvolve um tema Inicia, mantém e conclui Muito Bom exprimir com clareza sobre a maioria dos assuntos, usa: - um leque alargado de recursos linguísticos; - expressões complexas / variadas; - conectores interfrásicos adequados à intenção comunicativa ( expor, argumentar). correção elevada: - vocabulário adequado, variado e pertinente; - estruturas gramaticais variadas e corretas ( sem erros de conjugação verbal, de concordância, de regência ou de ordem de palavras). Realiza uma articulação correta, uma dicção clara e entoação clara e natural. discursos: - longos e em velocidade regular; - com poucas Pausas evidentes; - com ritmo adequado; - sem hesitações com consistência, apresentando informações ou argumentos com segurança e exemplos relevantes. Produz um discurso coerente. Utiliza eficazmente mecanismos de coesão variados. eficazmente um discurso. «Utiliza pausas como processo estruturador de coesão textual. Adota uma postura natural e uma atitude aberta. Utiliza gestos expressivos e adequados. Mantém contacto visual com o auditório. Utiliza material de suporte relevante e adequado. Realiza reformulações adequadas às reações do auditório. Mantém a assistência permanentemente atenta. 13/15 % Bom Para se exprimir com clareza sobre a maioria dos assuntos, usa: - um leque de recursos linguísticos; - expressões variadas; - conectores interfrásicos adequados à intenção comunicativa ( expor, argumentar). Usa com correção: - vocabulário adequado, variado e pertinente; - estruturas gramaticais variadas e corretas ( sem erros de conjugação verbal, de concordância, de regência ou de ordem de palavras). Realiza uma articulação correta, uma dicção clara. Produz discursos em velocidade regular; - com poucas pausas; - com ritmo adequado; - sem hesitações.. Desenvolve um tema com consistência e segurança e apresenta alguns exemplos. Produz um discurso coerente. Utiliza eficazmente mecanismos de coesão variados. Inicia, mantém e conclui eficazmente um discurso. Adota uma postura natural e uma atitude aberta. Utiliza gestos expressivos e adequados. Mantém contacto visual com o auditório. Utiliza material de suporte relevante e adequado. Realiza reformulações adequadas às reações do auditório. Mantém a assistência permanentemente atenta. 10/12 % Para se Usa com Produz um Desenvolve um tema, Inicia, mantém e conclui Suficiente exprimir sobre a maioria dos assuntos, usa: - meios linguísticos suficientes e pertinentes; - processos comuns de articulação interfrásica. Eventuais hesitações/ repetições /dificuldades de formulação do discurso. correção: - vocabulário elementar e comum; - estruturas gramaticais simples. Dicção satisfatória discurso: - com relativa segurança; - com pausas para planear e remediar; - Apresenta hesitações ocasionais. apresentando informação pertinente e progressão coerente. Constrói sequências lineares de informação exposições simples, utilizando as expressões mais comuns num registo neutro. Exprime-se com correção. Evita contactos visuais com o auditório. Evidencia alguma dependência dos apontamentos. Consegue atrair, na maior parte do tempo, a atenção do auditório. Apresenta um discurso pouco original. 7/9% Insuficiente Para se exprimir sobre a maioria dos assuntos, usa: - meios Usa com razoável correção: - um repertório lexical limitado e redundante; Produz um discurso: - com pouca segurança; - com Desenvolve um tema, apresentando informação redundante. Constrói sequências de informação Apresenta desorganizadamente exposições simples, utilizando as expressões comuns num registo neutro. Exprime-se com pouca correção. Estabelece pontualmente 4/6%

9 linguísticos insuficientes; - processos comuns de articulação interfrásica. Hesitações e repetições frequentes; dificuldades de formulação do discurso. - estruturas gramaticais simples. Dicção pouco clara. bastantes pausas para planear e remediar; - Apresenta muitas hesitações. desorganizadamente contactos visuais com o auditório. Evidencia uma clara dependência dos apontamentos. Consegue atrair, esporadicamente, a atenção do auditório. Apresenta um discurso muito pouco original. Muito Insuficiente Para satisfazer as necessidades comunicativas elementares, usa: - um leque de padrões frásicos elementares; - expressões feitas; - vocabulário insuficiente. Usa com pouca correção: - um repertório lexical muito limitado e redundante; - estruturas gramaticais muito simples. Má dicção. Produz enunciados: - muito curtos; - com muitas pausas e hesitações; - com reformulações evidentes. Fornece informação limitada. Liga frases simples com conectores elementares e mais frequentes. Organiza o discurso de forma elementar, repetitiva e lacunar. Estabelece poucos contactos, utilizando as expressões comuns mais simples. Utiliza um leque limitado de funções linguísticas elementares. Não estabelece contactos visuais com o auditório. Utiliza gestos inexpressivos ou excessivos. Lê o seu discurso. Não consegue atrair a atenção do auditório. É evidente a apropriação das ideias de outrem. 1/3% 3. Atitudes (peso de 15% na avaliação global) Consideram-se os seguintes patamares e respetivas percentagens: Muito Bom Aluno muito cumpridor, muito empenhado e trabalhador, realiza com muito interesse, dinamismo e elevado sentido crítico as tarefas propostas, tanto em casa como nas aulas. 13/15% Bom Suficiente Insuficiente Muito Insuficiente Aluno cumpridor, empenhado e trabalhador, realiza com interesse, regularidade e sentido crítico as tarefas propostas, tanto em casa como nas aulas. 10/12% Aluno assíduo e pontual, pouco participativo / interventivo, nem sempre faz os trabalhos de casa e desenvolve um trabalho irregular nas aulas. 7/9% Aluno com alguns problemas de assiduidade e / ou pontualidade, desinteressado, raramente faz os trabalhos de casa e desenvolve um trabalho muito irregular nas aulas. 4/6% Aluno com graves problemas de assiduidade e / ou pontualidade, desinteressado e perturbador, não faz os trabalhos de casa, não participa nas tarefas propostas nas aulas. 1/3% Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada no domínio das competências cognitivas e das atitudes.

10 2.º CICLO INGLÊS A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de carácter diagnóstico, formativo e sumativo. A progressão na aprendizagem é um fator valorativo. Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos têm como referência os programas da disciplina, bem como as metas curriculares de Inglês homologadas pelo MEC. Os domínios de referência definidos, para cada ano, na disciplina de Inglês, traduzem a visão de uma aprendizagem da língua estrangeira que valoriza a compreensão, a interação e a expressão, tanto na oralidade, como na escrita. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Conhecimentos/ capacidades Domínios de referência Pesos Instrumentos de avaliação Proficiência linguística Leitura Interação escrita Expressão escrita Domínio intercultural Léxico e gramática Compreensão oral Leitura Interação oral Produção oral Domínio intercultural Léxico e gramática 70% 15% - Testes globais - Testes parcelares - Fichas de gramática - Pequenos trabalhos de projeto - Testes de compreensão oral - Apresentações orais - Debates - Leitura expressiva - Grelhas de observação direta do trabalho realizado nas aulas Competências Sócio-culturais Domínios de referência Atitudes e valores (Transversalmente, em todos os domínios de referência) Pesos 15% Instrumentos de avaliação Registos de: - Assiduidade e pontualidade - Apresentação de material obrigatório - Estudo regular e empenho no trabalho - Cumprimento das tarefas propostas (trabalho individual, em pares ou grupo) no prazo estabelecido - Participação - Cooperação - Desenvolvimento do pensamento crítico - Respeito pelas identidades e diferenças - Cumprimento das regras de bom funcionamento da sala de aula e da Escola

11 Perfis de desempenho: 1. Oralidade: peso de 15% na avaliação global. Muito Bom Bom Suficiente Insuficiente Muito Insuficiente O aluno domina muito bem a língua estrangeira ao nível da compreensão e expressão orais, utiliza vocabulário rico e diversificado e articula correta e fluentemente as frases. O aluno evidencia um bom domínio da língua estrangeira ao nível da compreensão e da expressão orais, utiliza vocabulário adequado e estrutura as frases de forma apropriada. O aluno revela algumas dificuldades na compreensão de textos orais, exprime-se utilizando vocabulário simples e articulando as ideias de forma pouco apropriada. O aluno tem muitas dificuldades na compreensão de textos orais, exprime-se de forma deficiente, utilizando vocabulário muito elementar, pouco adequado e construindo frases mal estruturadas. O aluno não compreende textos orais, não se exprime em língua estrangeira, utilizando apenas palavras soltas e construindo frases agramaticais. 13/15% 10/12% 7/9% 4/6% 1/3% 2. Atitudes, valores e competências: peso de 15% na avaliação global Muito Bom Bom Suficiente Insuficiente Muito Insuficiente Aluno muito assíduo e pontual. É cumpridor, muito empenhado e trabalhador. Realiza com muito interesse e dinamismo as tarefas propostas, tanto em casa como nas aulas. Revela espírito de cooperação. Aluno assíduo e pontual. É cumpridor, empenhado e trabalhador. Realiza com interesse e regularidade as tarefas propostas, tanto em casa como nas aulas. Revela espírito de cooperação. Aluno assíduo e pontual, pouco participativo, nem sempre faz os trabalhos de casa e desenvolve um trabalho irregular nas aulas. Coopera apenas quando solicitado. Aluno com alguns problemas de assiduidade e / ou pontualidade, desinteressado, raramente faz os trabalhos de casa e desenvolve um trabalho muito irregular nas aulas. Não revela espírito de cooperação. Aluno com graves problemas de assiduidade e / ou pontualidade. Desinteressado e perturbador, não faz os trabalhos de casa e não participa nas tarefas propostas nas aulas. 13/15% 10/12% 7/9% 4/6% 1/3% A avaliação é contínua, atende-se à situação particular de cada aluno e à sua progressão na aprendizagem. São ponderados os resultados obtidos nos testes e nos diferentes itens sujeitos a observação na sala de aula em cada período.

12 2.º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter formativo e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Competên cias Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Cognitivas A capacidade de localização no espaço e no tempo, de relacionamento entre acontecimentos e de utilização de técnicas específicas. O conteúdo e apresentação oral dos trabalhos de grupo. A expressão oral e escrita. Os relatórios de atividades práticas. O desempenho nas fichas de avaliação. O empenho e a participação nas tarefas da aula. A participação oral. 75% Testes de verificação de conhecimentos Questionários individuais orais/escritos entregues em suporte papel ou digital. Trabalhos individuais ou de grupo. Relatórios de visitas de estudo. Registos de participação oral (voluntária ou solicitada). A organização dos materiais essenciais para a aula. 10% Registos da organização do caderno diário e de outros A realização de trabalhos extra aula. materiais essenciais à aula. Registo da realização de tarefas fora da sala de aula. Sócioafetivas: Atitudes e valores Adequação do comportamento à situação de aprendizagem. A cooperação nos trabalhos de grupo. A pontualidade, assiduidade e sentido de responsabilidade. 15% Registo de observação de atitudes em sala de aula Registo da assiduidade e pontualidade. Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada no domínio das competências cognitivas e das atitudes.

13 2.º CICLO MATEMÁTICA A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter formativo e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Conhecimentos e capacidades Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Cognitivas -Pensar de maneira lógica. -Explorar situações problemáticas. -Adequar processos na resolução de problemas. -Analisar e criticar a razoabilidade do resultado de um problema. -Representar informações de diversos modos: símbolos, esquemas, conjuntos, tabelas, gráficos, fórmulas, representações geométricas, etc. -Desenvolver capacidades de curiosidade, de investigação, de experimentação e de resolução de problemas. 70% 15% Sócio afetivas Atitudes e valores 15% Fichas de avaliação globais Minifichas dos conteúdos lecionados -Ficha de registo da assiduidade / pontualidade. -Realização dos trabalhos de casa. -Ficha de registo de comportamento. -Ficha de registo de atitudes/participação. -Ficha de registo da organização do caderno diário. Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada no domínio das competências cognitivas e das atitudes.

14 2.º CICLO CIÊNCIAS NATURAIS A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter formativo e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Conhecimentos e capacidades Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Cognitivas -Aplicar os conhecimentos culturais e científicos na compreensão da realidade e na resolução de situações ou problemas. -Desenvolver a capacidade de pesquisa, seleção e organização de informação, individual e / ou em grupo. -Representar a informação de diversos modos: símbolos, esquemas, conjuntos, tabelas, gráficos, fórmulas, representações geométricas, etc. -Participar nas atividades experimentais. 85% Fichas de avaliação Sócio afetivas Atitudes e valores 15% -Ficha de registo da assiduidade / pontualidade. -Realização dos trabalhos de casa. -Ficha de registo de comportamento. -Ficha de registo de atitudes/ participação. -Ficha de registo da organização do caderno diário. Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada no domínio das competências cognitivas e das atitudes.

15 2.º CICLO EDUCAÇÃO VISUAL A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter formativo e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Competências Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Cognitivas Aquisição e aplicação de conhecimentos a novos contextos Utilização expressiva dos elementos visuais Criatividade Expressão oral e escrita 60% Fichas de trabalho Apresentação dos trabalhos ( individuais ou colectivos) Apresentação oral e escrita de trabalhos de pesquisa. Registos no caderno diário da disciplina Psicomotoras Domínio de técnicas e procedimentos Autonomia, organização e método de trabalho 25% Observação direta da realização dos trabalhos ( operações técnicas) Observação do empenho e da participação nas atividades propostas Sócio-afetivas Cumprimento regras de sala de aula Assiduidade e pontualidade 15% Observação do comportamento em sala de aula (grelha de registo de comportamentos ) Apresentação dos materiais essenciais à realização das tarefas. Fichas de auto e heteroavaliação Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada no domínio das competências cognitivas e das atitudes. Fatores de ponderação na atribuição da nota final de: 2ºperíodo: o nível atribuído ao aluno corresponde a 30% da sua avaliação no 1º período mais 70% da sua avaliação no segundo = (3x1º período) + (7x2º período) : 10; 3º período: o nível atribuído ao aluno corresponde a 40% da sua avaliação no 2º período mais 60% da sua avaliação no terceiro = (4x2º período) + (6x3ºperíodo) : 10.

16 2.º CICLO EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter formativo e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Competências Cognitivas Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Aquisição e aplicação de conhecimentos a novos contextos Utilização de conceitos tecnológicos Criatividade Expressão oral e escrita 60% Fichas de trabalho Apresentação dos trabalhos (individuais ou coletivos). Apresentação oral e escrita de trabalhos de pesquisa. Registos no caderno diário da disciplina Psicomotoras Domínio de técnicas e procedimentos Autonomia, organização e método de trabalho 25% Observação direta da realização dos trabalhos (operações técnicas) Observação do empenho e da participação nas atividades propostas Sócio-afetivas Cumprimento regras de sala de aula Assiduidade e pontualidade 15% Observação do comportamento em sala de aula (grelha de registo de comportamentos) Apresentação dos materiais essenciais à realização das tarefas. Fichas de auto e heteroavaliação Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada no domínio das competências cognitivas e das atitudes. Fatores de ponderação na atribuição da nota final de: 2ºperíodo: o nível atribuído ao aluno corresponde a 30% da sua avaliação no 1º período mais 70% da sua avaliação no segundo = (3x1º período) + (7x2º período) : 10; 3º período: o nível atribuído ao aluno corresponde a 40% da sua avaliação no 2º período mais 60% da sua avaliação no terceiro = (4x2º período) + (6x3ºperíodo) : 10.

17 2.º CICLO EDUCAÇÃO MUSICAL A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter formativo e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Competências Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Cognitivas Criatividade Apropriação, adequação e aplicabilidade das linguagens musicais. Audição, interpretação e composição. Compreensão da música em contexto. Capacidade de expressão e comunicação nas atividades musicais. Utilização correta da língua materna 45% Avaliação formativa: Fichas de trabalho de apreensão e consolidação Testes auditivos de identificação de conceitos musicais Registo da observação direta da evolução das aprendizagens. Apresentação dos trabalhos (individuais ou coletivos) Testes sumativos Execução vocal e instrumental 45% Avaliação formativa através de testes práticos 1. Registo da apresentação de trabalhos musicais individuais e coletivos, tendo como referência: Atitudes e valores - as atitudes - a técnica Sócio-afetivas - os valores 10% - o método - o produto final. - Registo da participação diária. - Registo da auto e heteroavaliação. 1 A avaliação dos testes de flauta ou outros práticos será registada no caderno diário do aluno. Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada no domínio das competências cognitivas e das atitudes. Fatores de ponderação na atribuição da nota final de: 2ºperíodo: o nível atribuído ao aluno corresponde a 30% da sua avaliação no 1º período mais 70% da sua avaliação no segundo = (3x1º período) + (7x2º período) : 10; 3º período: o nível atribuído ao aluno corresponde a 40% da sua avaliação no 2º período mais 60% da sua avaliação no terceiro = (4x2º período) + (6x3ºperíodo) : 10.

18 2.º CICLO EDUCAÇÃO FÍSICA Competências Domínios Pesos Instrumentos de Avaliação Conhecimentos Fichas de observação/avaliação (25%) Cognitivas * Inclui expressão oral e/ou escrita 20% Fichas de avaliação ou Trabalhos escritos (70%)* * Alunos portadores de Atestado Médico de longa duração permanente ou temporário. Motoras Desempenho 60% Fichas de observação/avaliação (exercício-critério e situação de jogo reduzido ou formal)* * Alunos portadores de Atestado Médico de longa duração permanente ou temporário não são avaliados nesta competência/domínio. Sócio-afetivas Atitudes e Valores 20% Fichas de observação

19 EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter formativo e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Competências Domínios Pesos Instrumentos de avaliação A capacidade de interpretar produções culturais (literárias, históricas, estéticas) que aludem a valores éticos ou perspetivas religiosas. O conteúdo dos trabalhos realizados 65% Testes de verificação de conhecimentos Trabalhos individuais ou de grupo. Cognitivas A expressão oral e escrita. O desempenho nas fichas de avaliação. O empenho e a participação nas tarefas da aula. Relatórios ou questionários de visitas de estudo. Registos de participação oral (voluntária ou solicitada). Registos da organização do A organização dos materiais essenciais para a aula. 10% caderno diário e de outros materiais essenciais à aula. Registo da realização de A realização de trabalhos extra aula. tarefas fora da sala de aula. Sócio-afetivas: Atitudes e valores O sentido de responsabilidade e a cooperação com os colegas. A pontualidade, assiduidade e sentido de responsabilidade. 25% Registo de observação de atitudes em sala de aula. Registo da assiduidade e pontualidade. Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada no domínio das competências cognitivas e das atitudes.

20 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA A avaliação, entendida como um elemento regulador das aprendizagens, deve assegurar a articulação entre a avaliação diagnóstica, formativa e sumativa. A avaliação, no final de cada período letivo, permite efetuar um balanço do trabalho realizado e formular um juízo globalizante sobre o grau de desenvolvimento das aprendizagens do aluno. A avaliação sumativa expressa-se numa escala de 1 a 5, tendo por base os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Competências Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Cognitivas Relações interpessoais. A vida na turma, na escola e na comunidade. Direitos e responsabilidades. Identidades e diversidades. Oralidade, leitura e escrita ao nível da língua portuguesa. 60% Trabalhos/Projetos sobre os temas propostos (individual e em grupo). Apresentação dos trabalhos/ projetos. Análise crítica dos trabalhos dos colegas apresentada de forma construtiva. Intervenções cívicas e contextualizadas no âmbito dos assuntos a debater. Sócio-afetivas Atitudes e Valores:. Sentido de responsabilidade.. Respeito pelos outros.. Sentido de cooperação.. Participação empenhada no 40% Registo da assiduidade e pontualidade. Registo da organização e apresentação dos materiais essenciais à aula. Registo da observação direta das atitudes em sala de aula. trabalho desenvolvido.. Autonomia. Registos do percurso disciplinar do aluno. Autoavaliação e heteroavaliação.. Espírito crítico.

21 Competências socio- -afetivas Conhecimentos/capacidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º CICLO PORTUGUÊS A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter diagnóstico, formativo, formador e sumativo. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios apresentados no quadro seguinte, sendo a terminologia utilizada a das Metas Curriculares. Domínios Pesos Instrumentos de avaliação Leitura e escrita (Compreensão da leitura / expressão escrita) Educação literária Gramática 75% - Testes globais - Testes parcelares - Testes de gramática - Produções escritas Oralidade (Compreensão e expressão oral) Educação literária Gramática Atitudes e valores 15% 10% - Testes de compreensão oral - Apresentações orais - Leitura expressiva e recreativa - Recitação de textos - Participação oral -Assiduidade e pontualidade -Apresentação do material obrigatório -Estudo regular e empenho no trabalho solicitado -Cumprimento das tarefas propostas (individuais, em pares ou grupo) no prazo estabelecido -Respeito, cooperação e cumprimento das regras de bom funcionamento da sala de aula -Desenvolvimento do sentido crítico Principais aspetos considerados nos diferentes domínios a) Compreensão da leitura: - utilizar estratégias de leitura adequadas; - captar o sentido e interpretar textos escritos; - manifestar preferências na seleção de leituras e expressar opiniões e

22 gosto sobre textos lidos; - respeitar as regras estabelecidas no contrato de leitura; - utilizar conscientemente os conhecimentos adquiridos sobre a língua para uma melhor compreensão dos textos. b) Educação literária - Ler, apreciar e interpretar oralmente e por escrito textos literários; - Ler e escrever para fruição estética. c) Expressão escrita: - produzir textos de várias tipologias, tendo em atenção a continuidade, a progressão, a coesão e a coerência; - redigir textos com finalidades diversas e destinatários variados; - expressar ideias, vivências e factos de forma estruturada e fundamentada; - expressar opiniões e gostos sobre textos lidos; - utilizar conscientemente os conhecimentos adquiridos sobre a língua para um aperfeiçoamento da expressão escrita. d) Compreensão / expressão oral: - captar as ideias essenciais e as intenções de textos orais de diferentes tipos; - produzir textos orais de diferentes tipos, - fazer a leitura expressiva de textos; - intervir oralmente nas aulas, de forma pertinente e adequada; - participar nos trabalhos (debates, exposições orais, apreciações críticas, dramatizações) respeitando as normas estabelecidas; - utilizar conscientemente os conhecimentos adquiridos sobre a língua para um aperfeiçoamento da expressão oral. d) Gramática: - identificar marcas linguísticas e distintos usos de língua; - refletir sobre as regras de funcionamento da língua; - dominar conhecimentos básicos sobre classes de palavras, sintaxe e semântica, bem como regras de ortografia, pontuação e acentuação. Critérios específicos de avaliação da escrita e da oralidade 4. Escrita (composições resposta extensa) Os critérios de classificação das composições são os constantes nas Provas Finais Nacionais que podem ser consultados na página do GAVE.

23 5. Oralidade (expressão oral) A avaliação da expressão oral baseia-se nos seguintes aspetos: Menção Âmbito Correção Fluência Desenvolvimento temático e coerência Interação Peso Muito Bom Para se exprimir com clareza sobre a maioria dos assuntos, usa: - um leque alargado de recursos linguísticos; - expressões complexas / variadas; - conectores interfrásicos adequados à intenção comunicativa ( expor, argumentar). Usa com correção elevada: - vocabulário adequado, variado e pertinente; - estruturas gramaticais variadas e corretas ( sem erros de conjugação verbal, de concordância, de regência ou de ordem de palavras). Realiza uma articulação correta, uma dicção clara e entoação clara e natural. Produz discursos: - longos e em velocidade regular; - com poucas Pausas evidentes; - com ritmo adequado; - sem hesitações Desenvolve um tema com consistência, apresentando informações ou argumentos com segurança e exemplos relevantes. Produz um discurso coerente. Utiliza eficazmente mecanismos de coesão variados. Inicia, mantém e conclui eficazmente um discurso. «Utiliza pausas como processo estruturador de coesão textual. Adota uma postura natural e uma atitude aberta. Utiliza gestos expressivos e adequados. Mantém contacto visual com o auditório. Utiliza material de suporte relevante e adequado. Realiza reformulações adequadas às reações do auditório. Mantém a assistência permanentemente atenta. 13/15% Bom Para se exprimir com clareza sobre a maioria dos assuntos, usa: - um leque de recursos linguísticos; - expressões variadas; - conectores interfrásicos adequados à intenção comunicativa ( expor, argumentar). Usa com correção: - vocabulário adequado, variado e pertinente; - estruturas gramaticais variadas e corretas ( sem erros de conjugação verbal, de concordância, de regência ou de ordem de palavras). Realiza uma articulação correta, uma dicção clara. Produz discursos em velocidade regular; - com poucas pausas; - com ritmo adequado; - sem hesitações.. Desenvolve um tema com consistência e segurança e apresenta alguns exemplos. Produz um discurso coerente. Utiliza eficazmente mecanismos de coesão variados. Inicia, mantém e conclui eficazmente um discurso. Adota uma postura natural e uma atitude aberta. Utiliza gestos expressivos e adequados. Mantém contacto visual com o auditório. Utiliza material de suporte relevante e adequado. Realiza reformulações adequadas às reações do auditório. Mantém a assistência permanentemente atenta. 10/12% Suficiente Para se exprimir sobre a maioria dos assuntos, usa: - meios linguísticos suficientes e pertinentes; - processos comuns de articulação interfrásica. Eventuais hesitações/ repetições /dificuldades de formulação do discurso. Usa com correção: - vocabulário elementar e comum; - estruturas gramaticais simples. Dicção satisfatória Produz um discurso: - com relativa segurança; - com pausas para planear e remediar; -Apresenta hesitações ocasionais. Desenvolve um tema, apresentando informação pertinente e progressão coerente. Constrói sequências lineares de informação Inicia, mantém e conclui exposições simples, utilizando as expressões mais comuns num registo neutro. Exprime-se com correção. Evita contactos visuais com o auditório. Evidencia alguma dependência dos apontamentos. Consegue atrair, na maior parte do tempo, a atenção do auditório. Apresenta um discurso pouco original. 7/9%

24 Insuficiente Para se exprimir sobre a maioria dos assuntos, usa: - meios linguísticos insuficientes; - processos comuns de articulação interfrásica. Hesitações e repetições frequentes; dificuldades de formulação do discurso. Usa com razoável correção: - um repertório lexical limitado e redundante; - estruturas gramaticais simples. Dicção pouco clara. Produz um discurso: - com pouca segurança; - com Bastantes pausas para planear e remediar; -Apresenta muitas hesitações. Desenvolve um tema, apresentando informação redundante. Constrói sequências de informação desorganizadamente Apresenta desorganizadamente exposições simples, utilizando as expressões comuns num registo neutro. Exprime-se com pouca correção. Estabelece pontualmente contactos visuais com o auditório. Evidencia uma clara dependência dos apontamentos. Consegue atrair, esporadicamente, a atenção do auditório. Apresenta um discurso muito pouco original. 4/6% Muito Insuficiente Para satisfazer as necessidades comunicativas elementares, usa: - um leque de padrões frásicos elementares; - expressões feitas; - vocabulário insuficiente. Usa com pouca correção: - um repertório lexical muito limitado e redundante; - estruturas gramaticais muito simples. Má dicção. Produz enunciados: - muito curtos; - com muitas pausas e hesitações; - com reformulações evidentes. Fornece informação limitada. Liga frases simples com conectores elementares e mais frequentes. Organiza o discurso de forma elementar, repetitiva e lacunar. Estabelece poucos contactos, utilizando as expressões comuns mais simples. Utiliza um leque limitado de funções linguísticas elementares. Não estabelece contactos visuais com o auditório. Utiliza gestos inexpressivos ou excessivos. Lê o seu discurso. Não consegue atrair a atenção do auditório. É evidente a apropriação das ideias de outrem. 1/3% Muito Bom Bom Suficiente Insuficiente Muito Insuficiente 6. Atitudes (peso de 10% na avaliação global) Consideram-se os seguintes patamares e respetivas percentagens: Aluno muito cumpridor, muito empenhado e trabalhador, realiza com muito interesse, dinamismo e elevado sentido crítico as tarefas propostas, tanto em casa como nas aulas. 9/10% Aluno cumpridor, empenhado e trabalhador, realiza com interesse, regularidade e sentido crítico as tarefas propostas, tanto em casa como nas aulas. 7/8% Aluno assíduo e pontual, pouco participativo/ interventivo, nem sempre faz os trabalhos de casa e desenvolve um trabalho irregular nas aulas. 5/6% Aluno com alguns problemas de assiduidade e / ou pontualidade, desinteressado, raramente faz os trabalhos de casa e desenvolve um trabalho muito irregular nas aulas. 3/4% Aluno com graves problemas de assiduidade e / ou pontualidade, desinteressado e perturbador, não faz os trabalhos de casa, não participa nas tarefas propostas nas aulas. 1/2% Nos finais de período, a avaliação atribuída tem em conta a evolução ou regressão das aprendizagens do aluno, sendo sempre valorizada a progressão verificada na área dos conhecimentos e capacidades e no domínio das atitudes e valores.

25 3.º CICLO INGLÊS A avaliação é contínua, incide sobre todo o trabalho realizado pelo aluno e reveste-se de caráter diagnóstico, formativo e sumativo. A progressão na aprendizagem é um fator valorativo. Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos têm como referência os programas da disciplina, bem como as metas curriculares de Inglês homologadas pelo MEC. Os domínios de referência definidos, para cada ano, na disciplina de Inglês, traduzem a visão de uma aprendizagem da língua estrangeira que valoriza a compreensão, a interação e a expressão, tanto na oralidade, como na escrita. O trabalho realizado pelo aluno em cada período é avaliado segundo os critérios que se apresentam no quadro seguinte: Conhecimentos/ capacidades Domínios de referência Pesos Instrumentos de avaliação Proficiência linguística Leitura Interação escrita Expressão escrita Domínio intercultural Léxico e gramática Compreensão oral Leitura Interação oral Produção oral Domínio intercultural Léxico e gramática 70% 20% - Testes globais - Testes parcelares - Testes sobre leitura extensiva - Fichas de gramática - Testes de compreensão oral - Apresentações orais - Debates - Leitura expressiva - Dramatizações - Grelhas de observação direta do trabalho realizado nas aulas Competências Sócio-culturais Domínios de referência Atitudes e valores (Transversalmente, em todos os domínios de referência) Pesos 10% Instrumentos de avaliação Registos de: - Assiduidade e pontualidade - Apresentação de material obrigatório - Estudo regular e empenho no trabalho - Cumprimento das tarefas propostas (trabalho individual, em pares ou grupo) no prazo estabelecido - Participação - Cooperação - Desenvolvimento do pensamento crítico - Respeito pelas identidades e diferenças - Cumprimento das regras de bom funcionamento da sala de aula e da Escola

26 Atitudes, valores e competências 10% na avaliação global Consideram-se os seguintes patamares e respetivas percentagens: Muito Bom Aluno assíduo e muito pontual. Participa, civicamente, de forma ativa e muito responsável nas atividades da aula e cumpre regras e prazos. Mantém o interesse e o espírito de cooperação e cumpre com muito rigor as tarefas necessárias à construção do seu percurso de aprendizagem. 9/10% Bom Aluno assíduo e pontual. Participa de forma responsável nas atividades da aula e cumpre regras e prazos. Mantém o interesse e o espírito de cooperação e cumpre as tarefas necessárias à construção do seu percurso de aprendizagem. 7/8% Suficiente Aluno assíduo e pontual. Participa pouco nas atividades da aula e nem sempre cumpre as regras e prazos. É irregular no cumprimento dos trabalhos propostos para casa. Coopera apenas quando solicitado. 5/6% Insuficiente Aluno com alguns problemas de assiduidade e / ou pontualidade. Participa muito pouco nas atividades da aula e dificilmente cumpre as regras e prazos. Raramente faz os trabalhos de casa. Não revela espírito de cooperação. 3/4% Muito Insuficiente Aluno com graves problemas de assiduidade e / ou pontualidade. Mantém uma atitude irresponsável, desinteressada e perturbadora. Não participa nas atividades da aula e não faz os trabalhos de casa. 1/2%

27 Domínio de referência: ESCRITA N5 Pragmática Escreve um texto narrativo/descritivo simples, desenvolvendo o tópico de forma coerente. Utiliza mecanismos de coesão, como por exemplo, conectores e concordância nominal e verbal, com alguma eficácia, construindo um texto simples que corresponde a uma sequência linear de informações. Respeita os limites de palavras indicados. N4 18 N3 Escreve um texto narrativo/descritivo simples, desenvolvendo o tópico de forma coerente na generalidade. Utiliza alguns mecanismos de coesão, como por exemplo, conectores simples ( and, but e because ), de forma nem sempre eficaz, construindo um texto simples que corresponde ainda a uma sequência linear de informações. Pode não respeitar os limites de palavras indicados. N2 8 N1 Escreve um texto muito simples mas que evidencia características de um texto narrativo/descritivo. Aborda de forma genérica, podendo desenvolver o tópico de forma pouco coerente. Escreve expressões e frases simples estruturando deficientemente o texto e podendo revelar falta de coesão. Pode não respeitar os limites de palavras indicados N5 Linguística* Utiliza recursos linguísticos suficientes e, geralmente, adequados ao tipo e à temática do texto que lhe permitem transmitir a informação com alguma precisão. Pode ainda revelar alguma influência da língua materna, por exemplo, na organização sintática, na escolha de vocabulário, na grafia ou na pontuação, que não causa incompreensão. Utiliza vocabulário simples mas suficiente e, geralmente, adequado para se exprimir, podendo suprir algumas lacunas com a ajuda de circunlocuções. Revela um bom domínio do vocabulário elementar, cometendo erros graves apenas quando exprime um pensamento mais complexo. Utiliza, com correção, estruturas simples, não cometendo de forma sistemática erros gramaticais elementares, que causam incompreensão. A ortografia é suficientemente precisa para não afetar a inteligibilidade do texto. A pontuação é geralmente adequada. N4 18 N3 Utiliza recursos linguísticos ainda limitados e, por vezes pouco adequados, recorrendo a padrões frásicos elementares e revelando algumas dificuldades na transmissão de informação precisa. Utiliza vocabulário elementar limitado, mas ainda suficiente, para se exprimir, podendo cometer erros. Utiliza, com correção, estruturas simples, mas ainda comete alguns erros gramaticais elementares de forma sistemática, sem que isso impeça, na generalidade, a compreensão. Revela algum conhecimento das convenções ortográficas, mas podendo ocorrer, por vezes, imprecisões que afetam a inteligibilidade do texto. A pontuação é geralmente adequada. N2 8 N1 Utiliza recursos linguísticos básicos e, geralmente insuficientes ou desadequados ao tipo e à temática do texto. Utiliza vocabulário elementar limitado, mas ainda suficiente, para se exprimir, podendo cometer erros. Utiliza, com pouco controlo, um repertório de palavras ou expressões memorizado. Utiliza estruturas elementares, cometendo erros gramaticais de forma sistemática que causam, frequentemente, incompreensão. Revela algum conhecimento das convenções ortográficas, mas as incorreções que causam incompreensão são frequentes. A pontuação é, frequentemente, desadequada ou insuficiente. *A competência linguística só será avaliada se o aluno tiver tratado o tema proposto, situando-se o seu texto, pelo menos, no nível 1 da pragmática

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Critérios de Avaliação de Português Ensino Secundário Cursos Científico-Humanísticos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Critérios de Avaliação de Português Ensino Secundário Cursos Científico-Humanísticos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE Escola Secundária da Portela Escola EB,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Critérios de Avaliação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Critérios de Avaliação de Português. Ensino Secundário Curso Profissional. Ano letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Critérios de Avaliação de Português. Ensino Secundário Curso Profissional. Ano letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Critérios de Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 2º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

Grupo de Educação Especial

Grupo de Educação Especial Grupo de Educação Especial Critérios Gerais de Avaliação 2015/2016 De acordo com o Despacho normativo n.º 24-A/2012, artigo 8.º (ponto 10): 10 A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2015 / 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova (06) 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO DOMÍNIO DOMÍNIO COGNITIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO DOMÍNIOS / INDICADORES DE DOMÍNIO INSTRUMENTOS

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Línguas Grupos: 220; 300; 320; 330; 350 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Língua Portuguesa- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente Cognitiva

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO Critérios de Avaliação 1º Ano Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Ponderação Oralidade Assimilar e expressar

Leia mais

Cursos Científico-Humanísticos. Curso de Línguas e Humanidades Disciplina de Formação Específica - Literatura Portuguesa. Ano Letivo 2012-2013

Cursos Científico-Humanísticos. Curso de Línguas e Humanidades Disciplina de Formação Específica - Literatura Portuguesa. Ano Letivo 2012-2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História Critérios específicos de avaliação História Ponto 1 : Informações gerais Os elementos de avaliação serão classificados de forma qualitativa, de acordo com a terminologia que a seguir se indica. A classificação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio. Critérios de Avaliação Educação Musical 2º ciclo Ano letivo 20015 2016

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio. Critérios de Avaliação Educação Musical 2º ciclo Ano letivo 20015 2016 Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Critérios de Avaliação Educação Musical 2º ciclo Ano letivo 20015 2016 -Saber/saber fazer- Ponderação: 85% 5º Ano de escolaridade - Interpretação: Cantar,

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar

Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA BÁRBARA Departamento Pré-Escolar/1º Ciclo 151 956 Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar Área

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO AMGE - Auxiliar de Manutenção e Gestão de Espaços CRITÉRIOS DE Ano Lectivo 2014/15 Coordenador do Curso: José Pedro Moutinho Critérios de Avaliação (14-15) VOCACIONAL C AMGE -

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS VALOR AVALIAÇÃO 1. Durante o período de aprendizagem o aluno deverá

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Substrutura de EDUCAÇÃO FÍSICA- 2ºciclo Desempenho Motor: desempenho técnico-tático evidenciado nas Unidades Didáticas selecionadas para cada período, progressão na aprendizagem; autonomia; estratégia

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I BEJA ANO LETIVO DE 2011-2012 DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Disciplina de Português Critérios de Avaliação A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

INGLÊS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova 358 2015. Ensino Secundário 12º Ano

INGLÊS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova 358 2015. Ensino Secundário 12º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DE VERGÍLIO FERREIRA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova 358 2015 1ª e 2ª Fases Tipo de prova: Escrita e Oral Ensino Secundário

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Quadro de síntese 3º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber 70% Português 0 Saber Fazer 20% "0 Ser / Saber Ser" " O Saber 75% Inglês

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAROLINA MICHAËLIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAROLINA MICHAËLIS Conhecimentos e Competências Saber, Saber Fazer Atitudes e Comportamentos Saber Estar 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico Ano Letivo 2013/2014 Os professores dos grupos disciplinares de línguas estrangeiras

Leia mais

Planificação Curricular Pré-escolar

Planificação Curricular Pré-escolar PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ciclo/ Área/ Disciplina: Pré-escolar Ano Letivo 2012/2013 Área de Formação pessoal e Social Esboço Curricular para a Educação de Infância (segundo as Orientações Curriculares

Leia mais

Curso Profissional 11º ano. Módulo III Lugares e Transportes

Curso Profissional 11º ano. Módulo III Lugares e Transportes Curso Profissional 11º ano Módulo III Lugares e Transportes 1. Competências visadas (a desenvolver no aluno) Compreensão oral: - Compreender o suficiente para resolver necessidades concretas, desde que

Leia mais

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo 2014/2015 Avaliar é um conceito que se utiliza com frequência na sociedade actual. Ao fazer-se uma avaliação queremos apreciar

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Critérios de Avaliação Departamento de Línguas. 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores

Critérios de Avaliação Departamento de Línguas. 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores Critérios de Avaliação Departamento de Línguas 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores Aprovado em reunião de Conselho Pedagógico a 10 de Setembro de 2015 Cálculo da classificação interna a atribuir

Leia mais

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO ENTRE O PLANO DE ESTUDOS EM VIGOR ATÉ AO ANO LETIVO 2014/2015 E O NOVO PLANO Artigo 1º (Âmbito) O presente plano regula o processo de transição

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2008/2009 A avaliação é um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certifica as aquisições realizadas pelos/as alunos/as. Na avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS Escola Básica 2/3 de Pedrouços Planificação de Português 7. 7ºano de escolaridade Ano letivo 2012/2013 Expressão oral Compreensão oral 1. o Período (+-64 aulas ) ))))))))646464+66666646

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE 2015-2016 Índice Enquadramento 3 Referentes 4 Princípios orientadores 5 Intervenientes 5 Modalidades de 6 Atividades, Parâmetros e Descritores de 8 Conselho de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano.

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano. COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Ao longo do ensino básico as competências que o aluno deve adquirir em Artes Visuais articulam-se em três eixos estruturantes fruição - contemplação, produção criação,

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 14/ Terminologia a utilizar na classificação

Leia mais

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7.ºANO EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar Departamento Educação Pré Escolar Ano letivo 2013/2014 A avaliação do processo permite reconhecer a pertinência e sentido

Leia mais

Metas Curriculares de Português

Metas Curriculares de Português Metas Curriculares de Português Ensino Básico 1.º Ciclo O domínio da ORALIDADE Helena C. Buescu, Maria Regina Rocha, Violante F. Magalhães Objetivos e Descritores de Desempenho Oralidade 1.º Ano Objetivos

Leia mais

Colégio de Lamego. Educação Musical. Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos. Rui S. Ribeiro

Colégio de Lamego. Educação Musical. Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos. Rui S. Ribeiro Colégio de Lamego Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos Rui S. Ribeiro 2014-2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A música «enriquece o ser humano pelo poder do som e do ritmo, pelas virtudes próprias da melodia

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico ANO LETIVO 2015/2016 Constituem objeto de

Leia mais

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons;

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons; DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA Educação Musical _ º ANO _ A Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades O processo de ensino e aprendizagem da educação musical consiste na interação de um conjunto

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16. Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso

CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16. Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16 Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso Conhecimentos AQUISIÇÃO DE CONHECIMENTOS Percepção e Compreensão

Leia mais

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência Data: 2014.04.02 Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Prova 61 2014 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 05 de julho

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Critérios de Avaliação Avaliação na Educação Pré-Escolar Princípios Orientadores De acordo com as recomendações da DGIDC, a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO CADAVAL ANO LETIVO 2014-2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA: ECONOMIA C CÓDIGO: 312

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO CADAVAL ANO LETIVO 2014-2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA: ECONOMIA C CÓDIGO: 312 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO CADAVAL ANO LETIVO 2014-2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA: ECONOMIA C CÓDIGO: 312 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova tem por referência o Programa

Leia mais

2014 / 2015. Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

2014 / 2015. Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 2014 / 2015 O projecto Metas de Aprendizagem insere-se na Estratégia Global de Desenvolvimento do Currículo Nacional que visa assegurar uma educação de qualidade e melhores resultados escolares nos diferentes

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS - 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS - 8.º ANO DE PORTUGUÊS - 8.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No final do 8.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir discursos/textos orais com diferentes graus de formalidade,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA E. B. 2,3 DE PORTO ALTO 2013-2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA E. B. 2,3 DE PORTO ALTO 2013-2014 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013-2014 D E P A R T A M E N TO DAS L Í N G U A S PORTUGUÊS 2º CICLO Português Saber Fazer 2º Ciclo Testes 50% Leitura 9% Oralidade: Compreensão 12% Expressão Trabalhos escritos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro- Medas

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro- Medas AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro- Medas Departamento de Línguas Estrangeiras - Inglês - 3º Ciclo - 7º Ano Planificação Anual 2010 / 2011 1º Período - Aulas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO PROFISSIONAL DE ANIMADOR SOCIOCULTURAL 2015/2016 Aprovados em Conselho Pedagógico de 14 de outubro de 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO PROFISSIONAL DE ANIMADOR SOCIOCULTURAL

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Formação Musical - 2º Ciclo Contínua COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Leitura - Ler frases rítmicas em diferentes unidades de tempo e compassos; - Entoar afinadamente, melodias nos modos

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar Critérios de Avaliação Departamento Educação Pré-Escolar 2015/2016 Critérios de Avaliação As principais diretrizes normativas referentes à avaliação na Educação Pré-Escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Escola Secundária António Damásio

Escola Secundária António Damásio Escola Secundária António Damásio Critérios de Avaliação 3º Ciclo e Secundário Ano Letivo 2011-2012 Grupo de Recrutamento 620 Educação Física INTRODUÇÃO A avaliação é um processo contínuo e sistemático

Leia mais

Escola Básica e Secundária À Beira Douro. Planificação de Língua Portuguesa 5º ano. Ano lectivo 2010-2011

Escola Básica e Secundária À Beira Douro. Planificação de Língua Portuguesa 5º ano. Ano lectivo 2010-2011 Escola Básica e Secundária À Beira Douro Planificação de Língua Portuguesa 5º ano Ano lectivo 2010-2011 COMPETÊNCIAS NÍVEIS DE DESEMPENHO CONTEÚDOS SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM MATERIAIS / RECURSOS AVALIAÇÃO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec. Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015. Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015. Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos Escola Básica dos 2º e s do Estreito de Câmara de Lobos N.º do Código do Estabelecimento de Ensino 3102-202 N.º de Telefone: 291945614/15 Fax: 291947271 Grupos Disciplinares Áreas Curriculares Disciplinares

Leia mais

ENSINO ESPECIAL PLANO PEDAGÓGICO

ENSINO ESPECIAL PLANO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO O nosso Projeto de classes de Ensino Especial com Educadoras, Professores e Técnicos especializados para crianças com NEES, é um projecto de integração dessas crianças no dia-a-dia da comunidade

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Perfil do aluno no final do 5.º Ano O aluno canta a solo e em grupo, com intencionalidade expressiva, canções em diferentes tonalidades

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Inglês 3º ciclo L.E.I 2015/2016

Critérios de Avaliação da Disciplina de Inglês 3º ciclo L.E.I 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO EB 2, 3 INFANTE D. FERNANDO EB1/JI MANUEL CABANAS Critérios de Avaliação da Disciplina de

Leia mais

DESCRITORES. Executa as ações coletivas do ataque e da defesa. Realiza dentro da zona saudável os testes do fitnessgram

DESCRITORES. Executa as ações coletivas do ataque e da defesa. Realiza dentro da zona saudável os testes do fitnessgram Aquisição de conhecimentos e desenvolvimento de capacidades e competências de nível psicomotor Atividades físicas CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARCELINO MESQUITA DO CARTAXO

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Educação Pré-Escolar 2014/15 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BEMPOSTA

DIRECÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BEMPOSTA Critérios de Avaliação Pré-Escolar 2015/2016 Avaliar é produzir juízos de adequação e de valor. Avaliar é reunir informação sobre as coisas que com os outros produzimos ou nos apropriamos; é torná-las

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 Critérios de Avaliação da Educação Pré-Escolar Página 1 Introdução O princípio consensualmente partilhado de que a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo 550 Informática Ano Lectivo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Índice Introdução... 3 Língua Portuguesa... 3 Inglês I... 3 Francês II... 3 Espanhol... 3 Matemática...

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO. Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO

AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO. Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Os critérios definidos pelas docentes da disciplina de História

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA)

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (10º, 11º e 12º anos) ENSINO SECUNDÁRIO ATITUDES E VALORES Assiduidade e Pontualidade 3% Fichas de registo de observação Responsabilidade e

Leia mais

DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340. CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º

DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340. CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO Competências de comunicação Pesos Instrumentos Parâmetros

Leia mais

2012 / 2013 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA EB ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS EPE 1º CICLO 2º CICLO OPORTUNIDADE 1 3º CICLO

2012 / 2013 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA EB ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS EPE 1º CICLO 2º CICLO OPORTUNIDADE 1 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA EB ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS 2012 / 2013 EPE 1º CICLO 2º CICLO OPORTUNIDADE 1 3º CICLO PROJETOS CURRICULARES ADAPTADOS ÍNDICE ÍNDICE... 2 I ENQUADRAMENTO LEGAL... 4

Leia mais

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões Introdução A apresentação das metas para as Expressões baseia-se nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar integrando, as Expressões Motora.

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO . Interação discursiva Princípios de cortesia e cooperação Informação, explicação; pergunta. Compreensão e expressão Vocabulário: variedade e precisão Informação: essencial e acessória; implícita Facto

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1 1. Identificação Agrupamento de Escolas Zona Urbana de Viseu Nº de crianças e idades abrangidas: 20 (3 aos 6 anos) Ano letivo: 2012/2013 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação

Leia mais