CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação sumativa Avaliação sumativa interna Avaliação sumativa externa 2. EFEITOS DA AVALIAÇÃO SUMATIVA: PROGRESSÃO E RETENÇÃO 2.1 Anos terminais de ciclo (4º, 6º e 9º anos) 2.2 Anos não terminais de ciclo 3. DIMENSÕES DA AVALIAÇÃO PRIMEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. PONDERAÇÃO DAS DIMENSÕES DA AVALIAÇÃO 2. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO 2.1 Ponderação dos instrumentos de avaliação (para o 4º ano) 3. CRITÉRIOS ESPECÍFICOS 4. EXPRESSÃO DA AVALIAÇÃO FORMATIVA 5. EXPRESSÃO DA AVALIAÇÃO SUMATIVA 6. ÁREAS CURRICULARES NÃO DISCIPLINARES SEGUNDO E TERCEIRO CICLOS 1. ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO DOS TRABALHOS ESCOLARES DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE MATEMATICA E CIENCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES 1

2 PARÂMETROS GERAIS Enquadramento legal: Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Despacho Normativo nº 24-A/2012, de 6 de dezembro A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa, permitindo uma recolha sistemática de informações que, uma vez analisadas, apoiam a tomada de decisões adequadas à qualidade das aprendizagens. De acordo com o Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelos alunos. Assim, a avaliação tem por objetivo a melhoria da qualidade do ensino, não só através da verificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas nos alunos, como também através da aferição do grau de cumprimento das metas curriculares globalmente fixadas para os níveis do ensino básico. O Despacho Normativo nº 24-A/2012, de 6 de dezembro, regulamenta a avaliação e certificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas pelos alunos do ensino básico e as medidas de promoção do sucesso escolar que podem ser adotadas no acompanhamento e desenvolvimento dos alunos. Considera-se atividade de avaliação o conjunto de atividades realizadas pelo aluno (individualmente ou em grupo), no decurso das experiências educativas, atendendo à aquisição de novos conceitos ou reconstrução de outros, à capacidade para comunicar e organizar-se, tendo por objetivo a resolução de problemas, as atitudes desenvolvidas face às tarefas propostas e a sua capacidade de decisão e autonomia, para além das relações de comunicação e participação desenvolvidas no grupo-turma. 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica A avaliação diagnóstica realiza-se no início de cada ano de escolaridade ou sempre que seja considerado oportuno, devendo fundamentar estratégias de diferenciação pedagógica, de superação de eventuais dificuldades dos alunos, de facilitação da sua integração escolar e de apoio à orientação escolar e vocacional. 1.2 Avaliação formativa A avaliação formativa assume caráter contínuo e sistemático, recorrendo a uma variedade de instrumentos de recolha de informação adequados à diversidade da aprendizagem e às circunstâncias em que ocorrem, permitindo ao professor, ao aluno e ao encarregado de educação e a outras pessoas ou entidades legalmente autorizadas obter informação sobre o desenvolvimento da aprendizagem, com vista ao ajustamento de processos e estratégias. 2

3 1.3 Avaliação sumativa A avaliação sumativa no ensino básico traduz-se na formulação de um juízo global sobre as aprendizagens realizadas pelos alunos, no respeito pelos critérios de avaliação definidos para o agrupamento e aprovados em conselho pedagógico Avaliação sumativa interna A avaliação sumativa interna, que se realiza no final de cada período letivo, é da responsabilidade do professor titular de turma no 1º ciclo, dos professores que integram os conselhos de turma nos 2º e 3º ciclos e do órgão de direção do agrupamento de escolas. Compete ao professor titular de turma, no 1º ciclo, e ao diretor de turma, nos 2º e 3º ciclos, coordenar o processo de tomada de decisões relativas à avaliação interna, na garantia da sua natureza globalizante e no respeito pelos critérios de avaliação aprovados em conselho pedagógico Avaliação sumativa externa A avaliação sumativa externa, da responsabilidade dos serviços ou entidades do Ministério da Educação e Ciência designados para o efeito, compreende a realização das provas finais nos 4º, 6º e 9º anos de escolaridade e destina-se a aferir o grau de desenvolvimento da aprendizagem dos alunos, mediante o recurso a critérios de avaliação definidos a nível nacional. As provas finais incidem sobre os conteúdos dos 1º, 2º e 3º ciclos nas disciplinas de Português e Matemática ou Português Língua Não Materna e Matemática, para os alunos que tenham concluído o nível de proficiência linguística de iniciação A2 ou o nível intermédio B1, nos 2º e 3º ciclos. 2. EFEITOS DA AVALIAÇÃO SUMATIVA: PROGRESSÃO E RETENÇÃO A avaliação sumativa dá origem a uma tomada de decisão sobre a progressão ou retenção do aluno, expressa através das menções Transitou ou Não Transitou, no final de cada ano, e de Aprovado ou Não Aprovado, no final de cada ciclo. As decisões de transição e de progressão do aluno para o ano de escolaridade seguinte ou para o ciclo subsequente revestem caráter pedagógico e são tomadas pelo professor titular de turma, no 1º ciclo, ou o conselho de turma, nos 2º e 3º ciclos. Determina o Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, que em situações em que o aluno não adquira os conhecimentos nem desenvolva as capacidades definidas para o ano de escolaridade que frequenta, o professor titular de turma, no 1º ciclo, ouvido o conselho de docentes, ou o conselho de turma, nos 2º e 3º ciclos, deve propor as medidas necessárias para colmatar as deficiências detetadas no percurso escolar do aluno, designadamente, nos 1º e 2º ciclos, o eventual prolongamento do calendário escolar para estes alunos. No 1º ano de escolaridade não há lugar a retenção, exceto por motivos de falta de assiduidade e, após cumpridos os procedimentos previstos no Estatuto do Aluno e Ética Escolar (Lei nº 51/2012, de 5 de setembro) o professor titular, em articulação com o conselho de docentes, decida pela retenção do aluno. 3

4 A disciplina de Educação Moral e Religiosa, nos três ciclos do ensino básico, as áreas não disciplinares no 1º ciclo, o Apoio ao Estudo no 2ºciclo e as disciplinas de oferta complementar nos 2º e 3º ciclos não são consideradas para efeitos de progressão de ano e de conclusão do ciclo. 2.1 Anos terminais de ciclo (4º, 6º e 9º anos) No final de cada um dos ciclos do ensino básico, o aluno não progride e obtém a menção de Não Aprovado, se estiver numa das seguintes situações: a) tiver obtido, simultaneamente, classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português (ou Português Língua Não Materna) e de Matemática; b) tiver obtido classificação inferior a 3 em três ou mais disciplinas, no caso dos 2º e 3º ciclos, e tiver obtido classificação inferior a 3 em Português (ou Português Língua Não Materna) ou em Matemática e simultaneamente menção não satisfatória nas outras áreas disciplinares, no caso do 1º ciclo. 2.2 Anos não terminais de ciclo O Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho estabelece que, caso um aluno não adquira os conhecimentos definidos para um ano não terminal de ciclo que, fundamentadamente, comprometam a aquisição dos conhecimentos e o desenvolvimento das capacidades definidas para um ano de escolaridade (à exceção do 1º ano), o professor titular de turma, no 1º ciclo, ouvido o conselho de docentes, ou o conselho de turma, nos 2º e 3º ciclos, pode, a título excecional, determinar a retenção do aluno no mesmo ano de escolaridade. Verificando-se a retenção, compete ao professor titular de turma, no 1º ciclo, e ao conselho de turma, nos 2º e 3º ciclos, identificar os conhecimentos não adquiridos e as capacidades não desenvolvidas pelo aluno, as quais devem ser tomadas em consideração na elaboração do plano da turma em que o referido aluno venha a ser integrado no ano escolar subsequente. Tendo em conta o texto do referido normativo, e considerando que a decisão de retenção num ano não terminal não deve ser tomada pelo facto de o aluno não ter realizado as aprendizagens essenciais previstas para esse ano, mas sim quando o seu atraso é tal que não é possível a realização dessas aprendizagens até ao final do ciclo, constitui recomendação do conselho pedagógico que se tome a decisão de progressão, por maioria, quando se verifique: a) que um aluno teve avaliações negativas a Português ou Português Língua Não Materna e a Matemática; b) que um aluno teve avaliações negativas em três disciplinas, desde que não integrem cumulativamente Português ou Português Língua Não Materna e Matemática. 3. DIMENSÕES DA AVALIAÇÃO A avaliação incide em duas dimensões: Na dimensão pessoal e social avaliam-se os comportamentos, as atitudes e o respeito pelos valores da escola democrática e da cidadania. 4

5 Na dimensão cognitiva avaliam-se as competências de comunicação, a capacidade de raciocínio, a aplicação de procedimentos e técnicas e o conhecimento dos conteúdos específicos de cada área curricular. Parâmetros Conhecimentos Comunicação Raciocínio Procedimentos e técnicas Pontualidade Assiduidade Autonomia Responsabilidade Cumprimento das regras Cooperação Empenho Interacção com os elementos do grupo Respeito pelas opiniões e pelo trabalho dos colegas e professores Aceitação da crítica Auto-avaliação Hetero-avaliação 5

6 PRIMEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. PONDERAÇÃO DAS DIMENSÕES DA AVALIAÇÃO A ponderação para cada uma das dimensões é a seguinte: Dimensão Ponderação 20% 80% 2. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO a) Fichas formativas/de trabalho; b) Fichas sumativas; c) Projetos; d) Caderno diário; e) Registos de observações; f) Produtos das atividades desenvolvidas; g) Grelhas de auto e heteroavaliação 2.1 Ponderação dos instrumentos de avaliação (para o 4º ano) Instrumentos Ponderação Fichas sumativas e Projetos 50% Fichas formativas 20% Caderno diário 15% Registos de observação 10% Produtos das atividades desenvolvidas 5% 6

7 3. CRITÉRIOS ESPECÍFICOS (por áreas curriculares e por anos de escolaridade) São definidos, todos os anos, em reunião de professores, por ano de escolaridade e constam do plano de trabalho da turma. 4. EXPRESSÃO DA AVALIAÇÃO FORMATIVA (utilizada nas fichas/provas de avaliação) Cotação (%) De 0 a 19% De 20% a 49% De 50% a 69% De 70% a 89% De 90% a 100% Fraco Não Satisfaz Satisfaz Bom Muito Bom Classificação 5. EXPRESSÃO DA AVALIAÇÃO SUMATIVA No Primeiro Ciclo, a avaliação sumativa reveste a forma de uma síntese descritiva que: - é preenchida pelo professor titular de turma; - tem por base o plano de trabalho da turma; - descreve as finalidades alcançadas; - evidencia os aspectos em que o comportamento ou as aprendizagens dos alunos precisam de ser melhorados; - aponta modos de superar as dificuldades; - valoriza o que o aluno já sabe e as competências que já adquiriu. 7

8 Equivalência entre níveis e percentagens: NÍVEIS PERCENTAGENS 1 de 0 a 19% 2 de 20% a 49% 3 de 50% a 69% 4 de 70% a 89% 5 de 90% a 100% 6. Outras componentes do currículo As componentes do currículo Estudo Acompanhado e Oferta Complementar - Cidadania e TIC são avaliadas de forma descritiva que pode ser sintetizada mediante a atribuição das menções usadas nas outras áreas disciplinares. São tidos em conta os parâmetros que constam na seguinte tabela: Áreas Parâmetros Apoio ao Estudo Autonomia na realização das aprendizagens; Métodos de estudo de organização e de trabalho; Estratégias de resolução de problemas; Pesquisa e utilização de diversas fontes de informação; Tratamento de informação; Leitura e escrita autónomas; Oferta Complementar- Cidadania e TIC Cidadania e comunidade; Cidadania e informação; Tecnologias de informação e comunicação; Tecnoliteracia e intervenção cidadã; 8

9 SEGUNDO E TERCEIRO CICLOS DO ENSINO BÁSICO 1. ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO DOS TRABALHOS ESCOLARES Cotações e classificações De 0 a 19% De 20% a 49% De 50% a 69% De 70% a 89% De 90% a 100% Fraco Não Satisfaz Satisfaz Bom Muito Bom Departamento de Línguas Português 9º Ano 80% 20% Compreensão de conhecimentos Sentido de responsabilidade Aquisição de conhecimentos Capacidade de autonomia Aplicação de conhecimentos Integração e sociabilidade Instrumentos e suportes de avaliação Grelhas de observação; Fichas e questionários de natureza diversa: Fichas de trabalho realizadas em sala de aula; produções escritas realizadas em sala de aula; trabalho realizado em sala de aula, individual ou em grupo. Testes de diagnóstico; Testes formativos; Testes sumativos; Fichas de auto-avaliação. 9

10 Português 5º, 6º, 7º e 8º Anos Português Língua Não Matena A1, A2, B1 Leitura / Compreensão Expressão escrita Expressão oral Gramática 90% 10% Sentido de responsabilidade Capacidade de autonomia Empenho e participação nas tarefas propostas Instrumentos e suportes de avaliação Dimensão Testes de avaliação 60% Produções escritas realizadas em sala de aula 10% Fichas, questionários e trabalhos realizados 5% Exposições orais 10% Gramática 5% Dimensão Sentido de responsabilidade 3% Capacidade de autonomia 3% Empenho e participação nas tarefas propostas 4% Inglês 2º e 3º ciclos 75% 25% Compreensão de conhecimentos Sentido de responsabilidade Aquisição de conhecimentos Capacidade de autonomia Aplicação de conhecimentos Integração e sociabilidade Instrumentos e suportes de avaliação Dimensão Testes de avaliação 60% Compreensão oral 5% Oralidade: participação / interação 5% Leitura 5% Dimensão Responsabilidade 10% (assiduidade / pontualidade / cooperação / participação / trabalhos de casa) Comportamento 10% (respeito / relacionamento) Autonomia 5% (cumprimento das tarefas / organização dos materiais) 10

11 Francês 3º ciclo 75% 25% Compreensão de conhecimentos Sentido de responsabilidade Aquisição de conhecimentos Capacidade de autonomia Aplicação de conhecimentos Integração e sociabilidade Instrumentos e suportes de avaliação - Grelhas de observação - Testes de avaliação (diagnóstica, formativa e sumativa) - Realização / Apresentação de trabalhos (trabalhos de casa e outros) - Fichas de trabalho - Caderno diário Departamento de Ciências Sociais e Humanas História e Geografia de Portugal 2º ciclo História 3º ciclo Geografia 3º ciclo 70% 30% Conhecimentos: - Compreensão e mobilização de conhecimentos - Localização no tempo e no espaço de acontecimentos e processos - Análise de documentos escritos, gráficos e iconográficos Comunicação: - Expressão oral e escrita com correcção Raciocínio: - Estabelecimento de relações entre dados/informações textuais, dados/informações iconográficas, mapas/gráficos - Estabelecimento de relações entre dados/informações no contexto histórico e geográfico Autonomia Aceitação da crítica Respeito pela opinião e trabalho dos colegas e professores Interacção com elementos do grupo Exposição de dificuldades e dúvidas Auto e hetero avaliação Responsabilidade Cumprimento das regras Cooperação 11

12 Procedimentos e técnicas: - Pesquisa e selecção de informação - Organização e interpretação de informação Instrumentos e suportes de avaliação Consideram-se instrumentos de avaliação neste departamento curricular, para além dos instrumentos de avaliação comuns a todo o agrupamento, os seguintes: Cadernos diários Atlas da aula Glossários Listas de controlo Folhas de registo Análise de trabalhos individuais, de pares ou de grupo Discussões e debates Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Matemática 2ºe 3º ciclos Ciências Naturais 2º e 3º ciclos Ciências Físico-Químicas 3º ciclo 80% 20% Compreende / adquire / aplica Participação / cooperação conhecimentos Responsabilidade Desenvolve um raciocínio Interesse Resolve problemas Autonomia Domina técnicas e procedimentos Comportamento Seleciona e organiza informação Revela competências de comunicação Utiliza linguagem científica Instrumentos e suportes de avaliação Fichas de avaliação Relatórios Trabalhos de pesquisa / investigação Grelhas de observação 12

13 Departamento de Expressões Educação Visual 2º ciclo Educação Tecnológica 2º ciclo 60% 40% Capacidades: - Exprime ideias através da linguagem visual. - Cria projectos de natureza diversa. - Executa projectos diversos. - Domínio progressivo de técnicas e procedimentos Conhecimentos: - Conhecimento de formas diversas de expressão - Aquisição dos componentes formais de expressão plástica e da comunicação visual - Pesquisar, seleccionar e explorar recursos disponíveis - Seleccionar e manusear materiais e processos técnicos aplicáveis a situações concretas Atitudes e valores: - Intervém de forma oportuna e adequada - Colabora nas actividades partilhando tarefas e saberes - Adopta comportamentos adequados - Respeita os outros e as suas opiniões - Respeita as normas estabelecidas para o funcionamento da aula - Assiduidade e pontualidade - Ultrapassa as suas dificuldades de forma autónoma - Toma iniciativas no desenvolvimento das actividades - Questiona - Argumenta apontando alternativas - Expressa as suas ideias Instrumentos e suportes de avaliação Consideram-se instrumentos de avaliação na área curricular disciplinar de Educação Visual e Tecnológica, para além dos instrumentos de avaliação comuns a todo o agrupamento, os seguintes: Teste Diagnóstico Avaliação Formativa Avaliação Sumativa Questionários orais Trabalhos de grupo Cadernos diários Demonstrações práticas 13

14 Educação Musical 2º ciclo 70% 30% Domínio cognitivo: - Compreensão de sons e ritmos - Conhecimentos de instrumentos musicais - Conhecimento de formas de expressão musical - Domínio do vocabulário musical Domínio psico-motor: - Desempenho vocal - Domínio das técnicas de produção de sons e ritmos Domínio sócio-afectivo: - Pontualidade e assiduidade - Interesse e envolvimento nas actividades - Cumprimento das tarefas propostas - Organização - Atitudes e valores - Participação em projectos comuns Instrumentos e suportes de avaliação Consideram-se instrumentos de avaliação na área curricular disciplinar de Educação Musical, para além dos instrumentos de avaliação comuns a todo o agrupamento, os seguintes: Grelhas de registo Listas de verificação Observação directa Educação Visual 3º ciclo 70% 30% Capacidades / Aptidões: - Utiliza diferentes meios expressivos de representação nos domínios operativos - Utiliza a linguagem visual de maneira expressiva - Utiliza elementos de registo e observação aplicando as variações de dimensão, de cor e de claro-escuro - Aplica de maneira eficaz as técnicas escolhidas - Aplica com rigor o traçado das construções geométricas - Elabora de maneira criativa produções gráfico-plásticas Atitudes e valores: - Participa e coopera nas actividades individuais e de grupo - É sociável e respeita o trabalho dos outros - Cumpre as normas da sala de aula - Apresenta sentido crítico construtivo - Revela autonomia - É assíduo e pontual 14

15 Conhecimentos : - Terminologia específica - Elementos da linguagem visual - Processos e mecanismos da percepção visual e dos fenómenos da luz-cor - Características expressivas das técnicas - Geometria das formas visuais - Interpreta e critica de maneira autónoma as expressões plásticas Educação Tecnológica 3º ciclo 60% 40% Capacidades / Aptidões: - Adquire noções básicas dos diferentes saberes que intervêm no processo tecnológico - Identifica os diversos instrumentos para a execução dos trabalhos práticos das diferentes áreas - Identifica e conhece as características e as propriedades mecânicas e físicas das matérias / elementos / componentes aplicados na implementação dos objectos técnicos / sistemas técnicos - Indica e aplica soluções tecnológicas adequadas e os conhecimentos adquiridos a novas situações - Indica e conhece características e processos de utilização das tecnologias de acabamento - Identifica e conhece as tecnologias implícitas no processo de ligação a utilizar Conhecimentos: - Projecta de acordo com o enunciado proposto - Executa correctamente o trabalho proposto aplicando os materiais adequados - Aplica adequadamente as técnicas de transformação dos materiais - Utiliza correctamente os diferentes instrumentos - Executa os protótipos e os moldes de acordo com os projectos - Realiza correctamente as diferentes técnicas na execução do objecto técnico e executa devidamente as técnicas de acabamento Atitudes e valores: - Participa na organização / arrumação de sala de aula - Revela autonomia na execução das tarefas propostas - Demonstra empenho no trabalho - Coopera em grupo - É sociável - É assíduo - Revela sentido crítico 15

16 Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação 3º ciclo 80% 20% Compreende / adquire / aplica Participação / cooperação conhecimentos Responsabilidade Desenvolve um raciocínio Interesse Resolve problemas Autonomia Domina técnicas e procedimentos Comportamento Seleciona e organiza informação Revela competências de comunicação Utiliza linguagem científica Instrumentos e suportes de avaliação Fichas de avaliação Relatórios Trabalhos de pesquisa / investigação Grelhas de observação Educação Física 2º e 3º ciclos A definição de Metas de Aprendizagem na Área Curricular de Educação Física tem como base os seguintes instrumentos legais: Programas Nacionais de Educação Física (PNEF), Currículo Nacional do Ensino Básico (CNEB) Competências Essenciais. Os Objectivos Específicos, por ano, definem para cada matéria três níveis de especificação e domínio Introdução (I), Elementar (E) e Avançado (A). Cada nível traduz a actividade representativa de um certo grau de competência prática de interpretação dos conteúdos dessa matéria. O professor pode situar (avaliar) o aluno em cada um dos três níveis em que se diferencia o tratamento da matéria e organizar as suas opções didácticas a partir daí. As Normas de Referência estabeleceram as regras ou critérios gerais para se considerar que um aluno tem sucesso em EF. Constituíram-se como um padrão de referência para o sucesso na aprendizagem e para que os resultados da avaliação possam ser compreendidos pelos alunos, encarregados de educação, colegas do conselho de turma, etc. As Normas de Referência são uma referência externa às condições de leccionação que indicam os resultados de aprendizagem em cada ciclo para que o aluno tenha classificação positiva em EF, em qualquer escola. 16

17 Garantindo o ecletismo (nenhuma das áreas está excluída) pode verificar-se que para o aluno ter sucesso não necessita de demonstrar domínio em todas as matérias nucleares do programa do 5.º ao 9.º ano, nem ao mesmo nível específico (I, E ou A). Também os pontos fortes de cada aluno poderão ser devidamente considerados. Dois alunos podem alcançar o critério de sucesso demonstrando domínio em matérias diferentes e eventualmente em categorias diferentes desde que cumpridas as regras constantes nas Normas de Referência. É seguido o princípio da equidade e não da igualdade literal no currículo e na avaliação, conjugando a coerência e a diversidade, atendendo à grande diversidade de condições das escolas, às diferentes capacidades dos alunos e à própria filosofia do programa quanto à sua gestão e eventual diferenciação das matérias que compõem o currículo. Definem-se metas de aprendizagem para os 2.º e 3.º ciclos e metas de aprendizagem intermédias por ano, nas áreas das Actividades Físicas e da Aptidão Física, com o mesmo formato das normas de referência, marcando um padrão geral de progressão do currículo, de aplicação flexível em todas as escolas. Continua a definir-se metas de aprendizagem por ciclo na área dos Conhecimentos. Aspectos Operacionais Consideram-se, como referência fundamental para o sucesso nesta área disciplinar, nos 2.º e 3.º ciclos, três Domínios de avaliação específicos da Educação Física, que representam as grandes áreas de extensão da Educação Física: Actividades Físicas (Matérias), Aptidão Física e Conhecimentos relativos aos processos de elevação e manutenção da Aptidão Física e à interpretação e participação nas estruturas e fenómenos sociais no seio dos quais de realizam as Actividades Físicas A operacionalização das Metas de Aprendizagem tem como referência para: - O Domínio Actividades Físicas, a especificação de cada matéria do programa em três níveis introdução, elementar e avançado. - O Domínio Aptidão Física, a zona saudável de aptidão física (ZSAF) considerada na bateria de testes do Fitnessgram. - O Domínio Conhecimentos relativos aos objectivos do Programa do 2.º ou 3.º Ciclo. Para as presentes Metas considera-se que um aluno cumpre um nível (I, E ou A) no domínio Actividades Físicas quando o seu desempenho, conhecimentos e atitudes representam a totalidade do nível considerado. De acordo com a filosofia destas metas, é completamente contra-indicado, em critérios de classificação, o fraccionamento dos domínios (motor, cognitivo e afectivo) ou a atribuição de percentagens aos domínios de avaliação. De todas as matérias em que o aluno foi previamente avaliado, selecciona-se um conjunto de níveis para efeitos de classificação positiva em EF, de acordo com os quadros adiante: Domínios, Metas e Normas 2.º Ciclo JOGOS JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS (Futebol, Voleibol, Basquetebol, Andebol) GINÁSTICA (Ginástica no Solo, Ginástica de Aparelhos, Ginástica Rítmica) ATLETISMO PATINAGEM DANÇA (Dança, Danças Sociais, Danças Tradicionais) OUTRAS (Orientação, Escalada, Luta, Natação, etc.) 17

18 3.º Ciclo JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS (Futebol, Voleibol, Basquetebol, Andebol) GINÁSTICA (Ginástica no Solo, Ginástica de Aparelhos, Ginástica Rítmica) ATLETISMO PATINAGEM DANÇA (Dança, Danças Sociais, Danças Tradicionais) RAQUETAS (Badmington, Ténis, Ténis de Mesa) OUTRAS (Orientação, Escalada, Luta, Natação, etc) QUADRO 2 Domínio das Actividades Físicas Metas de Aprendizagem (2.º e 3.º ciclo) e Normas de aplicação. Ano 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º Meta 3 Níveis 4 Níveis 4 Níveis 5 Níveis 5 Níveis Introdução Introdução Introdução Introdução Introdução Norma De cada um dos níveis de matérias de Subdomínios diferentes 1 nível de uma matéria dos subdomínios : Jogos ou JDC 1 nível de uma matéria do Subdomínio GIN 2 níveis de 2 matérias dos restantes Subdomínios, cada um de Subdomínios diferentes 1 nível de uma matéria do Subdomínio JDC 1 nível de uma matéria do Subdomínio GIN 2 níveis de 2 matérias dos restantes Subdomínios, cada um de Subdomínios diferentes 1 nível de uma matéria do Subdomínio JDC 1 nível de uma matéria do Subdomínio GIN 3 níveis de 3 matérias dos restantes Subdomínios, cada um de Subdomínios diferentes 2 níveis de duas matérias do Subdomínio JDC 1 nível de uma matéria do Subdomínio GIN 1 nível de uma matéria do Subdomínio DANÇA 1 nível de matérias de outro Subdomínio QUADRO 3 Domínio da Aptidão Física Metas de Aprendizagem Ano 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º Meta Demonstra capacidades em testes de Resistência Aeróbia e testes de Aptidão Muscular adequadas às normas da aptidão física representativa da Saúde, para a sua idade. 18

19 Norma Encontra-se na Zona Saudável de Aptidão Física (ZSAF FitnessGram) num dos testes de aptidão aeróbia (vai-vêm; corrida da milha, marcha). Encontra-se na Zona Saudável de Aptidão Física (ZSAF FitnessGram) no teste de aptidão muscular da categoria: Força Abdominal e Resistência (abdominais). Encontra-se na Zona Saudável de Aptidão Física (ZSAF FitnessGram) num dos testes de aptidão aeróbia (vai-vêm; corrida da milha, marcha). Encontra-se na Zona Saudável de Aptidão Física (ZSAF FitnessGram) em dois testes de aptidão muscular, um da categoria Força Abdominal e Resistência (abdominais) e outro das restantes categorias (Força Superior, Força e Flexibilidade do Tronco e Flexibilidade). QUADRO 4 Domínio dos Conhecimentos Metas de Aprendizagem Ano 6.º 9.º Meta Identifica as capacidades físicas: Resistência, Força, Velocidade, Flexibilidade, Agilidade e Coordenação (Geral), de acordo com as características do esforço realizado. Interpreta as principais adaptações do funcionamento do seu organismo durante a actividade física. Relaciona Aptidão Física e Saúde e identifica os factores associados a um estilo de vida saudável, nomeadamente o desenvolvimento das capacidades motoras, a composição corporal, a alimentação, o repouso, a higiene, afectividade e a qualidade do meio ambiente. Interpreta a dimensão sociocultural dos desportos e da actividade física na actualidade e ao longo dos tempos, identificando fenómenos associados a limitações e possibilidades de prática dos desportos e das actividades físicas, tais como: o sedentarismo e a evolução tecnológica, a poluição, o urbanismo e a industrialização, relacionando-os com a evolução das sociedades. Norma O aluno realiza trabalho de grupo e prova escrita individual sobre o conteúdo dos trabalhos de grupo. 19

20 Documento apresentado e aprovado em reunião de Conselho Pedagógico 12 de dezembro de 2012 A Diretora Cristina Maria Bento Madaleno Documento atualizado em 09 de Dezembro de

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Planeamento Anual Conteúdos Avaliação Inicial Objetivos Curriculares 1. - Registar as principais características dos alunos em função de destrezas que os permitam atingir as metas definidas para esse ano

Leia mais

I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Componentes a Avaliar 1. Domínio Psicomotor 2. Domínio Cognitivo 3. Domínio Sócio-Afetivo 1- REGIME GERAL DE FREQUÊNCIA Alíneas % % % Execução e aplicação dos

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos 7. AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola e no

Leia mais

Escola Secundária António Damásio

Escola Secundária António Damásio Escola Secundária António Damásio Critérios de Avaliação 3º Ciclo e Secundário Ano Letivo 2011-2012 Grupo de Recrutamento 620 Educação Física INTRODUÇÃO A avaliação é um processo contínuo e sistemático

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação Física

Critérios de Avaliação Educação Física M. E. - GEPE Critérios de Avaliação Educação Física Grupo Disciplinar de Educação Física 2015/2016 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 Critérios de Avaliação Educação Física Cursos Regulares Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

Departamento de Educação Física e Desporto

Departamento de Educação Física e Desporto ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Ano Letivo 2013-2014 Departamento de Educação Física e Desporto CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Disciplina de Educação Física Revisto em Departamento no dia

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de escolas de Santa Maria dos Olivais Escola Secundária António Damásio Escola Básica 2-3 dos Olivais GRUPO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 620 EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo e Ensino

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Quadro de síntese 3º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber 70% Português 0 Saber Fazer 20% "0 Ser / Saber Ser" " O Saber 75% Inglês

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 2º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE 2015-2016 Índice Enquadramento 3 Referentes 4 Princípios orientadores 5 Intervenientes 5 Modalidades de 6 Atividades, Parâmetros e Descritores de 8 Conselho de

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A Ano Letivo: 0/03. Introdução A Educação Física, enquanto área curricular estabelece um quadro de relações com as que com ela partilham

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2008/2009 A avaliação é um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certifica as aquisições realizadas pelos/as alunos/as. Na avaliação

Leia mais

Áreas Específicas CEF Secundário 3º Ciclo e Cursos Profissionais. Atividades Físicas e Desportivas 50% 60% 50% Conhecimentos 10% 20% 20%

Áreas Específicas CEF Secundário 3º Ciclo e Cursos Profissionais. Atividades Físicas e Desportivas 50% 60% 50% Conhecimentos 10% 20% 20% Critérios de Avaliação Educação Física e 1. Ponderação da Avaliação A avaliação em Educação Física é composta por três Áreas Especificas. Áreas Específicas CEF e Cursos Profissionais Atividades Físicas

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar Critérios de Avaliação Departamento Educação Pré-Escolar 2015/2016 Critérios de Avaliação As principais diretrizes normativas referentes à avaliação na Educação Pré-Escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO AMGE - Auxiliar de Manutenção e Gestão de Espaços CRITÉRIOS DE Ano Lectivo 2014/15 Coordenador do Curso: José Pedro Moutinho Critérios de Avaliação (14-15) VOCACIONAL C AMGE -

Leia mais

Departamento de Educação Física Ano Letivo 2013/14

Departamento de Educação Física Ano Letivo 2013/14 Departamento de Educação Física Ano Letivo 2013/14 AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA No que se refere à componente de formação sócio-cultural, disciplina de Educação Física, a avaliação decorre dos objectivos

Leia mais

Carga Formação Total de. Carga. horária Semanal. Tempos letivos

Carga Formação Total de. Carga. horária Semanal. Tempos letivos GERAL CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1. Matriz Curricular dos Cursos (Educação Física) 1º ano 2º ano Componentes de Carga Carga Formação Total

Leia mais

Grupo de Educação Especial

Grupo de Educação Especial Grupo de Educação Especial Critérios Gerais de Avaliação 2015/2016 De acordo com o Despacho normativo n.º 24-A/2012, artigo 8.º (ponto 10): 10 A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação Área de Formação Pessoal e social Revelar autonomia na higiene e alimentação. Demonstrar controlo de emoções, reações e atitudes.

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico ANO LETIVO 2015/2016 Constituem objeto de

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ANO LETIVO 2014 / 2015 1 1. EXPLICITAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Conhecimentos e Capacidades O peso dos Conhecimentos e Capacidades na avaliação do aluno é de 80% que,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Educação Física

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Educação Física Prova 311 2015 Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Educação Física 12º Ano de Escolaridade Despacho normativo n.º 6-A/2015 1. Introdução O presente documento visa divulgar

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Avaliação das aprendizagens 2014/2015

Avaliação das aprendizagens 2014/2015 Avaliação das aprendizagens 2014/2015 Por uma Escola Viva e Exigente ÍNDICE ÍNDICE... I I - PRINCÍPIOS... 1 II - PROCESSO... 1 III - INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO... 2 IV - MODALIDADES DE AVALIAÇÃO... 2 V

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 6 de junho de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho normativo n.º 4/2013 Regulamenta a avaliação e certificação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Línguas Grupos: 220; 300; 320; 330; 350 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Língua Portuguesa- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente Cognitiva

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO. Critérios de Avaliação da Disciplina de Educação Física

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO. Critérios de Avaliação da Disciplina de Educação Física Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Critérios de Avaliação da Disciplina de Educação Física Os alunos são avaliados em todas as atividades desenvolvidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010 8.2 Do requerimento devem constar os seguintes elementos: a) Identificação completa (nome, filiação, naturalidade, data de nascimento,

Leia mais

As informações sobre o exame apresentadas neste documento não dispensam a consulta do Programa da disciplina.

As informações sobre o exame apresentadas neste documento não dispensam a consulta do Programa da disciplina. Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Informação - Prova Data: 16-05-2014 Prova 311/2014 Ensino Secundário Cursos Científico-Humanísticos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho As informações

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Critérios de Avaliação Avaliação na Educação Pré-Escolar Princípios Orientadores De acordo com as recomendações da DGIDC, a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR ANO LETIVO 2013/2014 Departamento do Pré- Escolar 2013/2014 Page 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Introdução A avaliação em educação é um elemento integrante

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015 Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência Introdução Os Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência dos Ensinos Básico e Secundário

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento é um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que especifica as normas que

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

Metas de Aprendizagem de Educação Física

Metas de Aprendizagem de Educação Física Metas de Aprendizagem de Educação Física Introdução A definição de Metas de Aprendizagem na Área Curricular de Educação Física tem como base os seguintes instrumentos legais: Programas Nacionais de Educação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

PLANOS DE ESTUDO E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO

PLANOS DE ESTUDO E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO PLANOS DE ESTUDO E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO TRIÉNIO 2013/2016 «conjunto de decisões articuladas, partilhadas pela equipa docente de uma escola, tendentes a dotar de maior coerência a sua actuação,

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Critérios de Avaliação de Educação Física. Agrupamento de Escola de Caneças

Critérios de Avaliação de Educação Física. Agrupamento de Escola de Caneças Critérios de Avaliação de Educação Física Agrupamento de Escola de Caneças 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO A avaliação dos alunos do 2º ciclo do ensino básico na disciplina de

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

DESCRITORES. Executa as ações coletivas do ataque e da defesa. Realiza dentro da zona saudável os testes do fitnessgram

DESCRITORES. Executa as ações coletivas do ataque e da defesa. Realiza dentro da zona saudável os testes do fitnessgram Aquisição de conhecimentos e desenvolvimento de capacidades e competências de nível psicomotor Atividades físicas CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARCELINO MESQUITA DO CARTAXO

Leia mais

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS GRUPO DE DOCÊNCIA 330 INGLÊS E ALEMÃO 2008/2009 Na aprendizagem de uma língua é fundamental dar ênfase ao desenvolvimento equilibrado das capacidades Ouvir-Falar-Ler-Escrever e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES Aprovado em 26 de março de 2013 0 ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA Critérios e procedimentos de avaliação Aprovado na reunião do Conselho Pedagógico de 24 de setembro de 2013 Página 1 de 28 CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Educação Física Componente Escrita

Educação Física Componente Escrita Informação Prova de Equivalência à Frequência / Prova Final de Ciclo Educação Física Componente Escrita Prova 26 2015 9.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 45 minutos 3º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Expressões Educação Especial INTRODUÇÃO A Educação Especial, através dos Docentes de Educação Especial (DEE), intervêm na realidade escolar, realizando ações diversificadas

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7.ºANO EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO Critérios de Avaliação 1º Ano Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Ponderação Oralidade Assimilar e expressar

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BEMPOSTA

DIRECÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BEMPOSTA Critérios de Avaliação Pré-Escolar 2015/2016 Avaliar é produzir juízos de adequação e de valor. Avaliar é reunir informação sobre as coisas que com os outros produzimos ou nos apropriamos; é torná-las

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

PROJECTO CURRICULAR 1

PROJECTO CURRICULAR 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO PROJECTO CURRICULAR 1 Documento de orientação e organização pedagógica para o ano letivo 2013/14 Aprovado em Conselho Pedagógico 3 Julho 2013 1 O Projecto

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo 550 Informática Ano Lectivo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Planificação Curricular Pré-escolar

Planificação Curricular Pré-escolar PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ciclo/ Área/ Disciplina: Pré-escolar Ano Letivo 2012/2013 Área de Formação pessoal e Social Esboço Curricular para a Educação de Infância (segundo as Orientações Curriculares

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Laboral - 7ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: 2.000 exemplares

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I BEJA ANO LETIVO DE 2011-2012 DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Disciplina de Português Critérios de Avaliação A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si.

Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si. Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si. Anabela Costa Neves acn.anabela@gmail.com Inquietações em torno de 1. Critérios de avaliação 2. Testes 3. Funções da avaliação 4. Autoavaliação 5. Avaliação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA Departamento do 1ºCiclo PLANO DE TURMA Ano Turma Plano de Turma 1º Ciclo Ano Letivo 20 /20 Índice Introdução 1. Caracterização da turma 1.1. Caracterização dos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015. Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015. Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos Escola Básica dos 2º e s do Estreito de Câmara de Lobos N.º do Código do Estabelecimento de Ensino 3102-202 N.º de Telefone: 291945614/15 Fax: 291947271 Grupos Disciplinares Áreas Curriculares Disciplinares

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

2012 / 2013 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA EB ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS EPE 1º CICLO 2º CICLO OPORTUNIDADE 1 3º CICLO

2012 / 2013 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA EB ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS EPE 1º CICLO 2º CICLO OPORTUNIDADE 1 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA EB ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS 2012 / 2013 EPE 1º CICLO 2º CICLO OPORTUNIDADE 1 3º CICLO PROJETOS CURRICULARES ADAPTADOS ÍNDICE ÍNDICE... 2 I ENQUADRAMENTO LEGAL... 4

Leia mais

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo 2014/2015 Avaliar é um conceito que se utiliza com frequência na sociedade actual. Ao fazer-se uma avaliação queremos apreciar

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais