Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário"

Transcrição

1 Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012

2

3 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das Estruturas do Colégio 3 Secção III Órgãos de Direcção 3 Secção IV Órgãos de Coordenação e Orientação Educativa 7 Secção V Responsáveis de Estruturas de Apoio e Complemento Educativo 15 Secção VI Responsáveis dos Serviços de Apoio 16

4

5 Capítulo II Dos Órgãos de Gestão Secção I Disposições gerais Artigo 1.º Enquadramento A Direcção do Colégio de Nossa Senhora do Rosário reporta à sua entidade titular o Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria em Portugal a qual, através da sua Superiora Provincial, nomeia os titulares dos cargos de Direcção Pedagógica e de Administração, de acordo com o estabelecido nos Estatuto do Director Pedagógico e no Estatuto do(a) Administrador(a) das Obras, aprovados pelo Conselho Provincial do Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria. Artigo 2.º Direcção Pedagógica A Direcção Pedagógica compete ao Director, o qual é coadjuvado na sua acção por uma Subdirectora, nomeada pela Superiora Provincial do Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria. Artigo 3.º Administração A Administração compete a uma Religiosa do Sagrado Coração de Maria, representante da entidade titular, sendo o seu exercício partilhado com o Director. Artigo 4.º Natureza e Finalidades Toda a gestão do Colégio se estrutura a partir das perspectivas e valores decorrentes do Ideário das Religiosas do Sagrado Coração de Maria em Portugal; visa a 1

6 prossecução da Missão, Visão e objectivos previstos no Compromisso Educativo do Colégio e está ao serviço da formação e sucesso educativo dos alunos. Artigo 5.º Rede Comunicação e Liderança Numa perspectiva de Direcção orientada por valores, liderança partilhada, desenvolvimento de uma cultura colaborativa e tendo por foco de toda a nossa acção as pessoas dos Alunos, assumimos como modelo de organização e gestão o trabalho em rede, partilhado por diferentes equipas, o qual se consubstancia na Rede de Comunicação e Liderança, apresentada no Capítulo I, artigo 11.º. Secção II Órgãos e Responsáveis de Estruturas do Colégio Artigo 6.º Natureza A gestão do Colégio Nossa Senhora do Rosário, embora assente num modelo participativo, contempla diferentes níveis de responsabilidade, aos quais correspondem as seguintes categorias de Órgãos e responsáveis de Estruturas: a) Órgãos de Direcção; b) Órgãos de Coordenação e Orientação Educativa; c) Responsáveis de Estruturas de Apoio e Complemento Educativo; c) Responsáveis dos Serviços de Apoio. 2

7 Secção III Órgãos de Direcção Artigo 7.º Director 1 No Colégio Nossa Senhora do Rosário o Director é o responsável pela Direcção Pedagógica, enquanto órgão singular, bem como pela Administração do Colégio conjuntamente com a Administradora. 2 No domínio da Direcção Pedagógica, além das competências que resultam da lei e do Estatuto do Director Pedagógico aprovado pelo Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria, compete designadamente ao Director: a) Promover a concretização do Ideário dos Colégios das Religiosas do Sagrado Coração de Maria, prosseguindo uma filosofia e prática educativas que assegurem o desenvolvimento das diferentes dimensões da pessoa humana à luz da visão de fé do Pe. Jean Gailhac; b) Representar o Colégio em todos os assuntos de natureza pedagógica junto de todas as entidades públicas e privadas; c) Garantir a aplicação das directrizes, de carácter obrigatório, emanadas do Ministério da Educação ou dos seus órgãos; d) Presidir à Direcção, bem como a outros órgãos de carácter pedagógico; e) Assegurar a actualização e cumprimento do Compromisso Educativo, do Projecto Curricular e do Regulamento Interno do Colégio; f) Responsabilizar-se pela elaboração e cumprimento do Plano Anual de Actividades do Colégio; g) Seleccionar os docentes e assegurar a sua gestão na área pedagógica; h) Nomear os elementos da Direcção Pedagógica, excepto a Subdirectora, bem como os de todos os órgãos e estruturas Educativas; i) Definir programas de formação contínua para docentes e não docentes; 3

8 j) Assegurar a avaliação anual das actividades do Colégio e do desempenho de todos os que nele colaboram, bem como a implementação de programas de desenvolvimento da qualidade; l) Superintender ao funcionamento dos serviços de administração escolar; m) Detectar carências, apreciar projectos e participar na definição de melhoramentos, renovação ou criação de novas instalações e aquisição de novos equipamentos; n) Decidir sobre a admissão de alunos e, com base na lei geral e neste Regulamento, sobre a sua exclusão; o) Zelar pelo desenvolvimento das diferentes dimensões da pessoa do aluno, pela qualidade do ensino e pelo sucesso das aprendizagens; p) Resolver problemas pedagógicos e humanos, criando relações de cooperação entre todos os membros da Comunidade Educativa; q) Desenvolver iniciativas que visem o estreitamento das relações entre o Colégio, outras instituições e o meio envolvente; r) Manter informada a Superiora Provincial do IRSCM sobre o trabalho realizado, apresentando-lhe ainda os projectos do Colégio, suas possibilidades e carências. 3 No domínio da Administração do Colégio, em articulação com a Administradora, além das obrigações que resultam da lei e do Estatuto do(a) Administrador(a) aprovado pelo Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria, compete designadamente ao Director: a) Assegurar a gestão económica, financeira, patrimonial e administrativa, em moldes que contribuam eficazmente para que o Colégio cumpra com as suas finalidades, atendendo à Missão e às perspectivas do Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria; b) Responsabilizar-se pela elaboração do Orçamento Anual e pelo seu cumprimento, após discussão e aprovação do mesmo junto do Conselho Provincial do IRSCM; c) Desencadear as medidas adequadas ao equilíbrio financeiro e à valorização dos activos do Colégio em estreita colaboração com a Ecónoma Provincial; d) Propor e acompanhar a realização de investimentos, de acordo com os planos previamente definidos e aprovados pelo Conselho Provincial do IRSCM; 4

9 e) Zelar pelo património imobiliário, desenvolvendo todas as acções necessárias à sua boa conservação; f) Realizar obras e adquirir bens e serviços na medida do que for necessário e adequado à prossecução da Missão e do Projecto Educativo do Colégio; g) Superintender na gestão administrativa de todos os serviços e colaboradores do Colégio; h) Zelar pelo cumprimento das obrigações contabilísticas, fiscais e perante a Segurança Social; i) Definir os valores das propinas, bem como outras contrapartidas monetárias dos serviços prestados pelo Colégio; j) Manter informada a Superiora Provincial e a Ecónoma Provincial do IRSCM sobre todas as questões que digam respeito à gestão económica, financeira, patrimonial e administrativa do Colégio. Artigo 8.º Subdirectora A Subdirectora trabalha em estreita colaboração com o Director, competindo-lhe coadjuvar a acção do mesmo em todas as suas competências, substitui-lo na sua ausência e, especificamente, conduzir o processo de admissão de alunos. Artigo 9.º Direcção 1 Órgão colegial, de reflexão, acompanhamento e coordenação de toda a actividade do Colégio, especialmente da acção educativa. 2 A Direcção é constituída pelo Director, que preside, pela Subdirectora e pelos Coordenadores dos diferentes ciclos de ensino. 3 A Direcção reúne ordinariamente de acordo com o previsto no Plano Anual e extraordinariamente sempre que convocada pelo Director. 4 Compete especialmente à Direcção: 5

10 a) Definir linhas de orientação estratégica para toda a actividade do Colégio, especialmente no domínio educativo, na fidelidade ao espírito do Ideário dos Colégios das Religiosas do Sagrado Coração de Maria; b) Assegurar a concretização do Compromisso Educativo, do Projecto Curricular e do Plano de Actividades; c) Promover a actualização e o cumprimento do Regulamento Interno; d) Assegurar a qualidade de ensino e a prática da interdisciplinaridade; e) Zelar pelo eficaz funcionamento dos órgãos e estruturas educativos. Artigo 10.º Coordenações de ciclo 1 Estruturas de acompanhamento dos diferentes níveis de ensino, superintendendo a toda a actividade dos mesmos em estreita articulação com o Director. 2 Os Coordenadores de Ciclo são escolhidos e nomeados pelo Director. 3 Aos Coordenadores dos diferentes ciclos compete, no âmbito do respectivo ciclo: a) Promover um ambiente educativo, conforme às orientações decorrentes do Ideário do IRSCM e do Compromisso Educativo do Colégio; b) Zelar pelo desenvolvimento das diferentes dimensões da pessoa do aluno, pela qualidade do ensino e pelo sucesso das aprendizagens; c) Orientar as actividades lectivas e não lectivas; d) Fazer cumprir o presente Regulamento Interno, nomeadamente no que se refere às atitudes e comportamentos dos alunos; e) Coordenar a actuação dos Directores de Turma nos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico e no Ensino Secundário; f) Acompanhar a actuação e desempenho dos respectivos docentes e dos não docentes; g) Assegurar um relacionamento aberto e colaborante com as famílias dos alunos; h) Garantir a articulação do sector com os restantes níveis do Colégio. 6

11 Secção IV Órgãos de Coordenação e Orientação Educativa Artigo 11.º Conselho de Coordenadores 1 Órgão de orientação educativa, que presta apoio aos órgãos de Direcção do Colégio nos domínios pedagógico e didáctico, de coordenação de actividades e animação educativas, de orientação e acompanhamento dos alunos e de formação do pessoal docente e não docente. 2 O Conselho de Coordenadores é composto pelos seguintes elementos: Director, Subdirectora, Coordenadores dos diferentes ciclos, Assessora do Director, Coordenadores dos Departamentos Curriculares, Coordenadores das Equipas Educativas do Ensino Básico, Coordenadora da Equipa da Pastoral, Coordenador do Serviço de Psicologia, Coordenador do Serviço Projectos e Qualidade, Responsável dos Auxiliares de Acção Educativa e dos Serviços de Apoio e Chefe dos Serviços Administrativos. 3 São especificamente atribuições do Conselho de Coordenadores: a) Discutir e decidir sobre todas as matérias, nomeadamente do âmbito pedagógico, que o Director e a Direcção entendam dever submeter-lhe; b) Contribuir para a elaboração e revisão do Compromisso Educativo, bem como proceder à sua aprovação; c) Contribuir para a elaboração e revisão do Projecto Curricular, bem como proceder à sua aprovação; d) Contribuir para a elaboração e revisão do Regulamento Interno, bem como proceder à sua aprovação nas matérias que a Direcção entenda dever submeter-lhe, nomeadamente as relacionadas com questões educativas; 7

12 e) Contribuir para a elaboração do Plano Anual de Actividades, bem como proceder à sua aprovação; f) Apresentar propostas e emitir pareceres nos domínios da gestão de currículos, programas e actividades de complemento curricular; g) Emitir pareceres, por sua iniciativa ou quando solicitado, sobre qualquer matéria de natureza pedagógica; h) Dar parecer em matéria de formação de pessoal docente e não docente; i) Dar parecer em matéria de gestão de espaços e equipamentos escolares; j) Sugerir estratégias que promovam a interdisciplinaridade; l) Debater demais matérias que sejam suscitadas no âmbito do funcionamento de cada um dos Departamentos Curriculares. 4 No âmbito do Conselho de Coordenadores funcionam as secções Animação Cultural, Recreativa e Desportiva; Formação e Informação e Comunicação, as quais são coordenadas por um dos membros do Conselho, podendo integrar elementos não pertencentes ao mesmo. 5 O Conselho de Coordenadores é presidido pelo Director, ou em quem este delegar, e reúne ordinariamente de acordo com o previsto no Plano Anual e extraordinariamente sempre que convocado pelo respectivo presidente. Artigo 12.º Coordenador de Departamento Curricular 1 O Coordenador de Departamento Curricular é responsável pela orientação pedagógica e pela coordenação das actividades educativas de todos os professores que constituem o respectivo Departamento. 2 O Coordenador de Departamento Curricular é um professor, designado pelo Director, de entre aqueles que integram cada Departamento Curricular, sendo o seu mandato anual, podendo ser sucessivamente prorrogado. 3 São especificamente atribuições do Coordenador de Departamento Curricular: 8

13 a) Assegurar o cumprimento das deliberações do Conselho de Coordenadores no âmbito do respectivo Departamento; b) Zelar pela qualidade do ensino, por parte dos professores, nas vertentes científica e pedagógica; c) Garantir a elaboração, o cumprimento e avaliação do Plano de Actividades; d) Fomentar o bom relacionamento, o espírito de grupo e o trabalho em equipa; e) Assegurar a auto-avaliação anual do desempenho do Departamento e a elaboração do respectivo Relatório. f) Promover a articulação do respectivo Departamento com as restantes estruturas educativas. Artigo 13.º Departamento Curricular 1 O Departamento Curricular é uma estrutura de coordenação educativa, a quem incumbe, essencialmente, definir medidas e desencadear acções que reforcem a qualidade científica, pedagógica e didáctica das respectivas áreas curriculares, bem como assegurar a permanente actualização e desenvolvimento do Projecto Curricular do Colégio e a articulação interdisciplinar. 2 No Colégio existem os seguintes Departamentos Curriculares: Artes e Tecnologias, Ciências da Natureza, Ciências Físico-Químicas, Ciências Humanas e Sociais, Ciências Matemáticas, Educação Física e Desporto, Educação Moral e Religiosa Católica, Línguas Estrangeiras, Língua Portuguesa e Música. 3 São especificamente atribuições de cada Departamento Curricular: a) Coordenar as actividades pedagógicas a desenvolver pelos professores do Departamento, no domínio da planificação e implementação do currículo, nas suas componentes disciplinares e não disciplinares, bem como de outras actividades educativas, constantes do plano anual de actividades; b) Assegurar a articulação horizontal e vertical, ao nível dos conteúdos programáticos, estratégias e instrumentos utilizados, dos docentes de uma mesma área disciplinar; 9

14 c) Analisar e debater questões relativas à adopção de modelos pedagógicos, de métodos de ensino, de critérios de avaliação, de materiais de ensino/aprendizagem e manuais escolares; d) Analisar a conveniência do agrupamento flexível de cargas horárias semanais para as diferentes disciplinas; e) Desenvolver, em conjugação com os Serviços de Psicologia e os Directores de Turma, medidas nos domínios da orientação, acompanhamento e avaliação dos alunos, visando contribuir para o seu sucesso educativo; f) Colaborar com o Serviço de Psicologia e com os Directores de Turma na elaboração de programas específicos e medidas de apoio educativo, estabelecidas no contexto do sistema de avaliação dos alunos; g) Colaborar na definição dos objectivos de cada disciplina, bem como na elaboração de instrumentos de avaliação, no quadro dos sistemas de avaliação dos alunos; h) Sugerir medidas no domínio da formação dos docentes do Departamento; i) Sugerir critérios para atribuição de serviço docente e gestão de espaços e equipamentos; j) Elaborar o Plano Anual de Actividades do Departamento, tendo em vista a concretização do Compromisso Educativo do Colégio, bem como proceder à avaliação da sua concretização no final de cada ano lectivo. l) Proceder à auto-avaliação anual do desempenho do Departamento e elaborar o respectivo Relatório. 4 Cada Departamento Curricular é presidido pelo respectivo Coordenador e reúne sempre que o mesmo convoque os seus membros para o efeito. Artigo 14.º Coordenador de Equipa Educativa 1 O Coordenador de Equipa Educativa é responsável pela coordenação das actividades da mesma, tendo em vista a prossecução das suas atribuições. 10

15 2 O Coordenador de Equipa Educativa é no Pré-Escolar e 1.º CEB o respectivo Coordenador de ciclo e em cada ano de escolaridade do 2.º e 3.º CEB um professor, designado pelo Director, de entre o conjunto dos professores de cada ano de escolaridade, sendo o seu mandato correspondente à duração do ciclo. Artigo 15.º Equipa Educativa 1 Estrutura de coordenação educativa que assegura a acção conjunta dos educadores na articulação, planificação, desenvolvimento e avaliação de todas as actividades lectivas e não lectivas tendo em vista o desenvolvimento das aprendizagens e competências e a formação global dos alunos. 2 No Colégio existem as seguintes equipas educativas: educadoras do pré-escolar, professores do 1.º ciclo do Ensino Básico e uma por cada ano de escolaridade nos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico. 3 São especificamente atribuições das Equipas Educativas do Pré-Escolar e 1.º CEB: a) Elaborar o Plano Anual de Actividades de cada sector; b) Fazer o acompanhamento e uma permanente avaliação das actividades desenvolvidas; c) Contribuir para a reflexão e resolução em conjunto de todos os problemas que digam respeito a cada sector; d) Reflectir em conjunto as orientações curriculares adoptadas para cada nível educativo e modos de planificação das actividades, assegurando a necessária articulação horizontal e vertical entre os diferentes docentes; e) Definir critérios para a observação e avaliação das actividades das crianças que lhes estão confiadas; f) Aprovar planos de apoio e acompanhamento de alunos com dificuldades de desenvolvimento e aprendizagem; g) Dar sugestões de aquisição de equipamentos e materiais que permitam optimizar a acção educativa que desenvolvem; 11

16 h) Definir estratégias concertadas de actuação e diálogo junto das famílias dos alunos. 4 São especificamente atribuições das Equipas Educativas dos 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico: a) Elaborar os Projectos Curriculares de Turma (PCT) tendo por referência o Compromisso Educativo e o Projecto Curricular do Colégio; b) Assegurar a prática da interdisciplinaridade, ao nível das áreas curriculares disciplinares e não disciplinares, criando as melhores condições para o desenvolvimento das competências dos alunos definidas para cada ano de escolaridade / ciclo; c) Garantir o acompanhamento sistemático do processo ensino / aprendizagem de cada um e do conjunto dos alunos; d) Definir critérios e estratégias de intervenção comuns a todos os professores e para o conjunto dos alunos; e) Definir critérios gerais e específicos de avaliação, adoptados para o conjunto das disciplinas e para cada uma delas, dando ênfase ao papel central da avaliação formativa no processo educativo dos alunos; f) Planear estratégias de intervenção para alunos com dificuldades de aprendizagem e ou necessidades educativas especiais, em articulação com o Serviço de Psicologia ou outros técnicos especializados. 4 As Equipas Educativas reúnem em horário previamente definido para o efeito com periodicidade semanal ou, no máximo, quinzenal. Artigo 16.º Conselho de Directores de Turma 1 Órgão de orientação educativa que reúne todos os Directores de Turma dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário. 2 São especificamente atribuições do Conselho de Directores de Turma: a) Garantir a coordenação da acção dos Directores de Turma; 12

17 b) Definir critérios e procedimentos que permitam a harmonização da actuação dos Directores de Turma junto de alunos, professores, auxiliares de acção educativa, encarregados de educação e outros agentes educativos; c) Implementar medidas que estimulem a prática da interdisciplinaridade; d) Promover a interacção entre a escola e o meio; e) Reflectir sobre medidas que visem o acompanhamento e a formação dos alunos em todas as dimensões do ser Pessoa; f) Elaborar o Plano Anual de Actividades dos Directores de Turma, tendo em vista a concretização do Compromisso Educativo do Colégio, bem como proceder à avaliação da sua concretização no final de cada ano lectivo; g) Proceder à auto-avaliação anual do desempenho e elaborar o respectivo Relatório. 3 O Conselho de Directores de Turma é presidido pelo Director, ou em quem este delegue, e reúne ordinariamente de acordo com o previsto no Plano Anual e extraordinariamente sempre que convocado pelo respectivo presidente. 4 Sempre que a Direcção considere oportuno, este órgão pode reunir separadamente os Directores de Turma do Básico e do Secundário. Artigo 17.º Director de Turma 1 O Director de Turma é o elo fundamental do diálogo permanente entre o Colégio e as famílias, assumindo um papel essencial no apoio, acompanhamento e formação do grupo de alunos que lhe está confiado. 2 São especificamente atribuições do Director de Turma: a) Assegurar junto do grupo de alunos que lhe está confiado a concretização do Ideário do IRSCM e do Compromisso Educativo do Colégio; b) Promover a integração dos seus alunos na turma e no Colégio; c) Planificar e orientar as sessões de Direcção de Turma; d) Assegurar a actualização do dossier individual de cada aluno; 13

18 e) Manter actualizado o dossier de Direcção de turma; f) Presidir e orientar os trabalhos do Conselho de Turma respectivo; g) Garantir, no âmbito das suas competências, aos professores da turma a existência de meios e documentos de trabalho, bem como a orientação necessária ao desempenho das actividades educativas; h) Coordenar, nas turmas que não estejam abrangidas pelas Equipas Educativas, todas as acções de carácter interdisciplinar, nomeadamente as Visitas de Estudo; i) Promover junto dos pais e encarregados de educação o conhecimento e concretização do Ideário do IRSCM e do Compromisso Educativo do Colégio, bem como das orientações, educativas e outras, emanadas dos diferentes órgãos do Colégio; j) Garantir junto dos Pais e Encarregados de Educação dos alunos da turma toda a informação relevante para o acompanhamento, por parte destes, do percurso escolar e educativo dos seus educandos; l) Registar, controlar, e comunicar aos Encarregados de Educação dos alunos da turma as faltas dos seus educandos e obter as respectivas justificações; m) Sintetizar os resultados das entrevistas com os Encarregados de Educação e preencher as respectivas Fichas de Registo de Entrevista; n) Comunicar à Direcção todas as situações relevantes que surjam no âmbito da turma e do diálogo que estabelece com os Encarregados de Educação; o) Conhecer a legislação em vigor, bem como os documentos necessários ao bom desempenho da sua missão. 3 O Director de Turma é nomeado anualmente, pelo Director, de entre os professores de cada turma dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário. Artigo 18.º Conselho de Turma 1 O Conselho de Turma é o órgão que reúne todos os professores de cada uma das turmas do 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico e do ensino Secundário. 14

19 2 Nos anos em que funcionam Equipas Educativas a acção do Conselho de Turma deve articular-se com o funcionamento das mesmas, sem prejuízo das suas competências legais, nomeadamente em matéria de avaliação dos alunos. 3 O Conselho de Turma reúne: a) Ordinariamente para avaliação dos alunos da turma, bem como para planificação, acompanhamento e avaliação de todas as actividades educativas; b) Extraordinariamente para análise de situações de natureza disciplinar, por convocação do Director, e, sempre que tal se revele necessário, por convocação do respectivo Director de Turma. 4 São especificamente atribuições do Conselho de Turma: a) Analisar os problemas de integração dos alunos da turma e propor soluções; b) Colaborar nas acções que favoreçam a relação escola/meio; c) Apreciar e dar soluções para todas as questões pedagógicas e disciplinares da turma; d) Dar cumprimento às orientações da Direcção, do Conselho de Coordenadores e do Conselho de Directores de Turma; e) Aprovar as propostas de avaliação do rendimento escolar dos alunos, apresentadas nas reuniões de avaliação por cada um dos professores da turma, de acordo com os critérios (PQ 021) e procedimentos (PQ 027) de avaliação estabelecidos; f) Actuar conforme o previsto na lei e neste Regulamento em questões de natureza disciplinar. 15

20 Secção V Responsáveis de Estruturas de Apoio e Complemento Educativo Artigo 19.º Disposições Gerais 1 São atribuições dos Responsáveis pelas Estruturas de Apoio e Complemento Educativo: a) Coordenar a actividade das equipas e pessoas que lhes estão afectas, assegurando que as mesmas cumprem eficazmente a missão e responsabilidades que lhes estão confiadas, no quadro do Compromisso Educativo do Colégio; b) Assegurar, no desenvolvimento das funções que cabem a cada uma destas estruturas, o cumprimento das directrizes que lhes são dadas pelos Órgãos de Direcção; c) Reportar ao Director todas as informações e factos relevantes relacionados com o funcionamento das respectivas equipas; d) Fomentar o bom relacionamento, o espírito de grupo e o trabalho em equipa; e) Garantir a elaboração, o cumprimento e avaliação do Plano de Actividades, sempre que tal instrumento seja utilizado; f) Assegurar a auto-avaliação anual do desempenho da equipa e a elaboração do respectivo Relatório; g) Promover uma boa articulação da respectiva equipa com as restantes estruturas do Colégio. 16

21 Secção VI Responsáveis de Serviços de Apoio Artigo 20.º Disposições Gerais 1. São atribuições dos Responsáveis dos Serviços de Apoio: a) Coordenar a actividade dos Serviços e pessoas que lhes estão afectos, assegurando que os mesmos cumprem eficazmente as responsabilidades e tarefas que lhes estão confiadas, no quadro do Compromisso Educativo do Colégio; b) Assegurar, no desenvolvimento das funções que cabem a cada um destes Serviços, o cumprimento das directrizes que lhes são dadas pelos Órgãos de Direcção; c) Reportar ao Director todas as informações e factos relevantes relacionados com o funcionamento dos respectivos serviços; d) Fomentar o bom relacionamento, o espírito de grupo e o trabalho em equipa; e) Assegurar a auto-avaliação anual do desempenho da equipa e a elaboração do respectivo Relatório; f) Promover uma boa articulação do respectivo Serviço com as restantes estruturas do Colégio. 17

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. SECÇÃO I Princípios Fundamentais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. SECÇÃO I Princípios Fundamentais INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais SECÇÃO I Princípios Fundamentais Artigo 1.º Missão A Escola Superior de Educação de Portalegre, adiante

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO A evolução do sistema escolar, da sociedade no seu geral e das exigências educativas, levou a que fossem colocados cada vez mais desafios às escolas. A desadequação do DL

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

REGIME JURÍDICO AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO. Projecto de Decreto-lei para Consulta Pública DOS ESTABELECIMENTOS PÚBLICOS DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIME JURÍDICO AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO. Projecto de Decreto-lei para Consulta Pública DOS ESTABELECIMENTOS PÚBLICOS DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIME JURÍDICO DE AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DOS ESTABELECIMENTOS PÚBLICOS DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO Projecto de Decreto-lei para Consulta Pública As escolas são

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº. 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PAULA FRASSINETTI (CIPAF) REGULAMENTO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PAULA FRASSINETTI (CIPAF) REGULAMENTO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PAULA FRASSINETTI (CIPAF) REGULAMENTO REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI - CIPAF PREÂMBULO Concebendo o conhecimento como fator fortemente potenciador do

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA )

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Preâmbulo O regulamento da Universidade Sénior de Almada (USALMA) foi aprovado pela Associação de Professores do Concelho de Almada (APCA) em reunião

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Maputo, Maio de 2014 Regulamento do Conselho Pedagógico 2 REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Capítulo I Disposições

Leia mais

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos Estatutos da FDUNL Artigo 1.º Natureza 1. A Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, adiante designada por Faculdade, é uma unidade orgânica da Universidade Nova de Lisboa. 2. A Faculdade é

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS (ISCJS)

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS (ISCJS) INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS (ISCJS) ESTATUTOS Nos termos do número 1 do artigo 97.ºdo Decreto-Lei n 20/2012, de 19 de Julho, que aprovou o novo regime jurídico das instituições do

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

FUNDAÇÃO LUIS DE MOLINA FP ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Natureza

FUNDAÇÃO LUIS DE MOLINA FP ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Natureza FUNDAÇÃO LUIS DE MOLINA FP ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Fundação Luis de Molina FP, adiante designada simplesmente por Fundação, é uma Fundação Pública de Direito Privado,

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES Aprovado em 26 de março de 2013 0 ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE Apresentação geral do Decreto Regulamentar (a publicar em breve) - diferenciação; Princípios orientadores - distinção pelo mérito (diferenciação pela positiva);

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra Regulamento Interno PREÂMBULO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (Lei n.º147/99 de 1 de Setembro) regula a criação, competência

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Regulamento Interno 2013/14 2016/17 Índice INTRODUÇÃO... 6 ORGANIGRAMA... 7 Constituição do Agrupamento... 7 Comunidade Educativa... 7 Órgãos de Administração

Leia mais

AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS

AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS 8h45 9h00-11h00 11h00-12h30 12h30 14h30-16h30 17h00-18h00 18h00 1.º dia Chegada à escola-sede do Agrupamento Sessão de apresentação do Agrupamento pela Direcção e primeira

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Organização Administrativa e Técnica TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA FUNCIONAL Art. 7º A organização administrativa e técnica da

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 3780 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 298/10 de3dedezembro Convindo adequar o sistema de contratação pública à nova realidade constitucional, bem como uniformizar a

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho Regime Jurídico de Autonomia e Administração e Gestão dos Estabelecimentos de Ensino, aprovado pelo DL 75/2008, de 22 de Abril. Norma a regulamentar. Norma a regulamentar Objecto da regulamentação Forma

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Regulamento Interno Agrupamento de Escolas de Mem Martins. Regulamento Interno. Página 1

Regulamento Interno Agrupamento de Escolas de Mem Martins. Regulamento Interno. Página 1 Regulamento Interno 2015 Página 1 Página 2 Índice LISTAGEM DE ABREVIATURAS... 5 PREÂMBULO... 6 CAPÍTULO I - PRINCÍPIOS GERAIS... 7 SECÇÃO I - OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 7 SECÇÃO II - ORGANIZAÇÃO E

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Artigo 1.º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Colégio da Imaculada Conceição Viseu Regulamento Interno 2015-2016 1 www.cicviseu.net cicviseu@cicviseu.net

REGULAMENTO INTERNO. Colégio da Imaculada Conceição Viseu Regulamento Interno 2015-2016 1 www.cicviseu.net cicviseu@cicviseu.net Colégio da Imaculada Conceição Viseu Regulamento Interno 2015-2016 1 Colégio da Imaculada Conceição Viseu Regulamento Interno 2015-2016 2 Índice Identidade... 7 I Parte... 8 Capítulo preliminar...8 Secção

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

Escola Secundária de Santa Maria da Feira - 402813. Regulamento Interno

Escola Secundária de Santa Maria da Feira - 402813. Regulamento Interno Escola Secundária de Santa Maria da Feira - 402813 Regulamento Interno ÍNDICE GERAL 1. Introdução 3 2. Denominação e Simbologia 5 3. Princípios Gerais 6 4. Organização Funcional e Administrativa 8 5. Organização

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

1422 9501-855 PONTA DELGADA

1422 9501-855 PONTA DELGADA REGULAMENTO 2010 Departamento de Línguas e Literaturas Modernas Universidade dos Açores Rua da Mãe de Deus Apartado 1422 9501-855 PONTA DELGADA! 296 659 188/9! 296 650 187 " ddllm@ uac.pt ARTIGO 1. o (Natureza,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra CAPÍTULO I Da natureza e missão da Faculdade de Medicina Artigo 1.º Natureza jurídica A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação: área

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

35552 Diário da República, 2.ª série N.º 169 1 de Setembro de 2009

35552 Diário da República, 2.ª série N.º 169 1 de Setembro de 2009 35552 Diário da República, 2.ª série N.º 169 1 de Setembro de 2009 3.º ano 2.º semestre QUADRO N.º 6 Tempo de trabalho (horas) Unidades curriculares Área científica Tipo Total Contacto Prática Integrada

Leia mais

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003)

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) ESTATUTOS DA TINIGUENA (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) Bissau, 30 de Agosto de 2003 Capítulo I (Denominação, Natureza, Sede, Âmbito e Objecto)

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGIMENTO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PG.01_PROC.07_IMP.08 DDS SECTOR DA ACÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO 1 de 9 REGIMENTO PREÂMBULO Considerando que a Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores?

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? PERGUNTAS FREQUENTES Sobre Horários Pessoal docente, escolas públicas 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? Sim! A elaboração dos horários dos professores e educadores obedece

Leia mais

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002 466 Decreto Legislativo Regional n.º 13/2002/A de 12 de Abril Organização e funcionamento do sistema de reconhecimento e validação de competências e da educação e formação de adultos A Lei de Bases do

Leia mais

Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares

Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares Cod. 152602 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES I - DEFINIÇÕES 1.1. Considera-se Visita

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 04 ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO SECÇÃO 1 CONSELHO GERAL 06 SECÇÃO 2 DIREÇÃO

Leia mais

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino Básico Relatório-Síntese Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ÉVORA CÓDIGO 135537 CONCELHO DE ÉVORA DELEGAÇÃO REGIONAL

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Artigo 74.º Direitos dos pais e encarregados de educação São direitos dos pais e encarregados de educação: a) Participar

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais