Secretariado do Conselho de Ministros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretariado do Conselho de Ministros"

Transcrição

1 Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros, aprovado pelo Decreto Lei n.º /97, de 5 de Maio, se mostra desajustado às actuais exigências de desempenho dos órgãos colegiais do Governo; Havendo necessidade de reorganizar se o Secretariado do Conselho de Ministros, dotando o de uma estrutura orgânica que lhe permita acompanhar e controlar com maior eficiência o normal funcionamento dos órgãos colegiais do Governo; Nestes termos, ao abrigo das disposições conjugadas da alínea. a) do n.º 1 do artigo 111. e do artigo 113., ambos da Lei Constitucional, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1. É. aprovado o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros anexo ao presente decreto lei e que dele faz parte integrante. Art.. É revogado o Decreto Lei n.º /97, de 5 de Maio. Art. 3. 'As dúvidas e omissões que resultarem ela interpretação e aplicação do presente Decreto Lei serão resolvidas pelo Conselho de Ministros. Art. 4. Este Decreto Lei entra em vigor na data da sua publicação.

2 Estatuto Orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros CAPÍTULO I Definição, Dependência e Atribuições Artigo 1º (Definição) O Secretariado do Conselho de Ministros é o órgão da administração central do Estado encarregue de prestar apoio técnico, administrativo e material à actividade do Governo, preparar e acompanhar a execução do seu programa legislativo, organizar os trabalhos do Conselho de Ministros, da Comissão Permanente e demais comissões especializadas e servir de elo de ligação entre o Governo e a Assembleia Nacional. Artigo º (Dependência) O Secretariado do Conselho de Ministros depende directamente do Presidente da República no exercício da presidência do Conselho de Ministros e dos demais Órgãos colegiais do Governo e é dirigido por um secretário. Artigo 3º (Atribuições) O Secretariado do Conselho de Ministros tem as seguintes atribuições: a) preparar as sessões do Conselho de Ministros, da Comissão Permanente e das suas comissões especializadas; b) apoiar o Presidente da República no exercício da presidência das sessões do Conselho de Ministros e dos demais órgãos colegiais do governo que presida; c) apoiar o Chefe do Governo na condução das funções políticas, legislativas e administrativas do Governo; d) organizar e seleccionar os assuntos que devem ser apreciados pelo Conselho de Ministros, Comissão Permanente e comissões especializadas, elaborar as respectivas agendas,e submetê las à aprovação superior;

3 e) distribuir a ordem do dia e agendas das reuniões dos diversos órgãos colegiais do Governo, bem como todos os dados e antecedentes que os membros destes órgãos necessitem para conhecer os assuntos submetidos à sua apreciação; f) elaborar as actas das Sessões dos órgãos colegiais do Governo e organizar, gerir conservar o seu depósito; g) assegurar as relações administrativas do Governo, com a Assembleia Nacional e demais entidades políticas e sociais; h) prestar informações ao Presidente da República e ao Chefe do Governo sobre o grau do cumprimento dás deliberações dos órgãos colegiais do Governo; i) preparar os relatórios de prestação de contas d9 Governo à Assembleia Nacional; j) remeter à Assembleia Nacional os projectos apreciados pelo Conselho de Ministros que carecem da sua aprovação; k) analisar os relatórios e as propostas das comissões de trabalho da Assembleia Nacional, referentes à actividade do governo; l) emitir previamente parecer sobre as matérias destinadas ao Conselho de Ministros e suas comissões especializadas; m) acompanhar e controlar a execução das deliberações e recomendações dos Órgãos colegiais do Governo, mantendo os informados; n) efectuar estudos e trabalhos de investigação no domínio da concepção, organização e funcionamento administrativo do Governo; o) prestar apoio administrativo e material aos grupos de trabalho de apoio à actividade do, Governo instituídos pelo Presidente da República ou pelo Conselho de Ministros; p) propor ao Presidente da República as medidas tendentes à melhorar o funcionamento do Conselho de Ministros, Comissão Permanente e das comissões especializadas; q) ordenar e controlar a publicação no Diário da República dos diplomas legais aprovados pelos órgãos colegiais do Governo, velando especialmente pela ordem de prioridade dos mesmos e o cumprimento dos requisitos formais correspondentes;

4 r) orientar e controlar a actividade da Imprensa Nacional, nos termos da lei; s) realizar a concertação multisectorial que lhe seja incumbida pelo Governo, o Chefe do Governo ou pela lei; t) desempenhar as demais funções lhe sejam determinadas superiormente e na lei. CAPÍTULO II Organização em Geral Artigo 4º (Estrutura) A estrutura do Secretariado do Conselho de Ministros compreende os seguintes órgãos e serviços: 1. Órgãos Singulares de Direcção: a) Secretário do Conselho de Ministros; b) Secretário Adjunto do Conselho de Ministros.. Órgão de Apoio Consultivo: a) Conselho de Direcção 3. Serviços de Apoio Técnico: a) Gabinete de Estudos; b) Direcção de Serviços Gerais; c) Direcção de Organização de Sessões; d) Direcção de Recursos Humanos. 4. Serviços de Apoio Instrumental: a) Gabinete do Secretario; b) Gabinete do Secretário Adjunto;

5 c) Gabinete de Assuntos Parlamentares, Políticos e Sociais; d) Gabinete de Acompanhamento das Actividades do Governo. 5. Órgão tutelado: Imprensa Nacional U.E.E CAPÍTULO III Organização em Especial SECÇÃO I (Órgãos Singulares de Direcção) Artigo 5º (Secretário do Conselho de Ministros) 1. O Secretário do Conselho de Ministros é a entidade que dirige o Secretariado do conselho de Ministros e é nomeado pelo Presidente da República, perante quem toma posse.. Ao Secretário do Conselho de Ministros compete: a) dirigir a actividade do Secretariado do Conselho de Ministros, velando pelo cumprimento das suas atribuições; b) propor superiormente assuntos para discussão em Conselho de Ministros, Comissão Permanente e suas comissões especializadas e comunicar aos membros destes órgãos as deliberações adoptadas; c) distribuir aos membros do Governo documentação destinada ao Conselho de Ministros, Comissão permanente, Comissões especializadas para emissão de parecer; d) solicitar parecer ao Ministro da Justiça e ao Procurador Geral da República, sempre que se tratem de diplomas legais a serem apreciados pelo Governo; e) propor ao Presidente da República as formas de acompanhamento e controlo do grau de cumprimento das orientações e deliberações do Governo;

6 f) comunicar aos destinatários as deliberações e recomendações tomadas pelo Conselho de Ministros, Comissão Permanente e demais comissões especializadas, tendo em vista a sua materialização dentro prazos estipulados; g) secretariar as reuni6es do Conselho de Ministros, da Comissão Permanente e das comissões especializadas; h) proceder à verificação das presenças às sessões do Conselho de Ministros, da Comissão Permanente e das comissões especializadas, das faltas ou impedimentos e dar conhecimento superior das justificações apresentadas; i) remeter aos destinatários as actas das sessões do Conselho de Ministros, Comissão Permanente e suas comissões especializadas; j) promover a necessária concertação multisectorial com respeito à preparação dos documentos a serem apreciados pelo Conselho de Ministros, Comissão Permanente e suas comissões especializadas, bem como na fase da sua implementação; k) acompanhar a implementação dos diversos programas aprovados pelos órgãos colegiais do Governo; l) desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas pelo Presidente da República ou pela lei. 3. No desempenho das suas funções o Secretário do Conselho de Ministros exara despachos. 4. O Secretário do Conselho de Ministros tem a categoria de Ministro. Artigo 6º (Secretário Adjunto do Conselho de Ministros). 1. O Secretário Adjunto do Conselho de Ministros é a entidade que coadjuva o Secretário do Conse1ho de Ministros no exercício das suas funções e é nomeado pelo Presidente da República.. As competências do Secretário Adjunto São as que lhe forem expressamente delegadas pelo Secretário do Conselho de Ministros. 3. O Secretário Adjunto do Conselho de Ministros tem a categoria de Vice Ministro.

7 SECÇÃO II (Órgão Consultivo) ARTIGO 7º (Conselho de Direcção) 1. O Conselho de Direcção é o órgão de apoio do secretário do Conselho de Ministros em matéria de coordenação gestão e orientação dos serviços que integram o Secretariado do Conselho de Ministros.. O Conselho de Direcção reger se á por regimento próprio que será aprovado por despacho do Secretário do Conselho de Ministros no prazo de 60 dias a contar da entrada em vigor do presente decreto lei. 3. Integram o Conselho de Direcção, para além do Secretário do Conselho de Ministros que o preside: a) Secretário Adjunto do Conselho de Ministros; b) directores; c) directores de gabinete; d) outras entidades que o Secretário expressamente entenda convocar em razão da matéria a tratar. SECÇÃO III (Serviços de Apoio Técnico) Artigo 8º (Gabinete de Estudos) 1. O Gabinete de Estudos é o serviço encarregue de assessorar tecnicamente a acção colegial do Governo, mediante a elaboração de pareceres, estudos, projectos, programas, e propostas sobre os assuntos de natureza económica, social e jurídica, de interesse do Governo.

8 . Ao Gabinete de Estudos compete: a) analisar e emitir pareceres sobre os assuntos de natureza económica, social e jurídica de interesse do Governo; b) acompanhar e realizar estudos sobre a situação económica, social e judicial do País; c) acompanhar e realizar estudos sobre o engajamento externo dos diferentes órgãos do Governo, bem como sobre as suas relações com os demais órgãos do Estado; d) coligir os elementos de estudo e informação de que careça o Secretário do Conselho de Ministros para o exercício eficiente das suas funções; e) coligir toda a legislação em vigor relacionada com a actividade do Conselho de Ministros, da Comissão Permanente e das comissões especializadas, bem como da Assembleia Nacional com respeito a actividade do Governo; f) emitir pareceres internos sobre as questões de carácter jurídico Iaboral; g) emitir parecer sobre os assuntos de natureza jurídica decorrentes do relacionamento do Secretariado do Conselho de Ministros com outras instituições; h) desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas superiormente. 3. O Gabinete de Estudos é dirigido por um director com a categoria de director nacional e coadjuvado por um director adjunto, com a categoria de chefe de departamento. Artigo 9º (Direcção de Serviços Gerais) 1. Direcção de Serviços Gerais é o serviço encarregue da generalidade das questões administrativas comuns à todos os serviços, bem como de zelar pela gestão do orçamento, património, recursos humanos, transportes, informática, relações públicas do Secretariado do Conselho de, Ministros e assegurar o apoio material e logístico à realização das sessões dos órgãos colegiais do Governo.

9 . À Direcção de Serviços Gerais compete: a) elaborar o projecto de orçamento anual e o programa de investimentos do Secretariado do Conselho de Ministros e assegurar e balancear a sua execução e apresentar os respectivos relatórios de balanço, nos termos da legislação em vigor; b) assegurar a aquisição e a utilização racional dos bens móveis e imóveis do Secretariado do Conselho de Ministros; c) velar pela conservação e manutenção das infra estruturas, bem como coordenar e supervisionar as actividades que visem a racionalização e informatização dos serviços; d) organizar e assegurar o apoio logístico à realização do Conselho de Ministros, Comissão Permanente e comissões especializadas; e) prestar assistência protocolar às delegações do Secretariado do Conselho de Ministros que se desloquem em missão de serviço ao interior e exterior do País; f) programar e assegurar os serviços relativos à recepção de visitas de entidades nacionais e estrangeiras, bem como de audiências, recepções, actos solenes e reuniões promovidas ou supervisionadas pelo Secretariado do Conselho de Ministros; g) convocar e acompanhar a actividade dos órgãos de comunicação social que procedam à cobertura das sessões dos órgãos colegiais do Governo; h) processar toda a informação com relevância para a actividade do Governo; i) assegurar as condições para a publicação regular de um boletim informativo sobre a actividade do Governo; j) assegurar às obrigações protocolares e sociais do Secretário do Conselho de Ministros, do Secretário Adjunto e dos directores; k) planificar e propor a aquisição de meios de transporte para o Secretariado do Conselho de Ministros; l) propor a aquisição do material e equipamento necessário ao normal funcionamento do Secretariado do Conselho de Ministros e fazer a sua gestão; m) elaborar critérios para o provimento dos lugares de direcção e chefia e do pessoal auxiliar;

10 n) promover e coordenar as acções de formação e superação técnico profissional do pessoal e quadros do Secretariado do Conselho de Ministros, elaborando os respectivos programas e planos; o) desempenhar as demais funções que lhe sejam. determinadas superiormente. 3. A estrutura interna da Direcção de Serviços Gerais compreende: a) Departamento de Contabilidade; b) Departamento de Património e Transportes; c) Departamento de Relações Públicas; d) Departamento de Pessoal e Quadros. 4. A Direcção de Serviços Gerais é dirigida por um director com a categoria de director nacional. Artigo 10º (Direcção de Organização de Sessões) 1. A Direcção de Organização de Sessões é o serviço que assegura a preparação técnico material e a realização das sessões do Conselho de Ministros, Comissão Permanente e suas comissões especializadas.. À Direcção de Organização de Sessões compete: a) criar, nos prazos estabelecidos, as condições técnico materiais indispensáveis á realização das sessões dos órgãos colegiais do Governo; b) garantir o registo gráfico e sonoro das sessões dos órgãos colegiais do Governo; c) recolher e organizar toda documentação a ser submetida à apreciação dos órgãos colegiais do Governo e verificar a conformidade jurídico formal dos diplomas legais, emitindo parecer sobre os mesmos com base no estabelecido nas normas regulamentares internas dos órgãos colegiais do Governo, nas normas metodológicas e demais legislação em vigor; d) preparar a redacção final dos diplomas e submetê los à assinatura/ou à promulgação;

11 e) enviar para publicação os diplomas que dela careçam; f) elaborar as actas das sessões dos órgãos colegiais do Governo e organizar a remessa das mesmas aos respectivos destinatários; g) desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas superiormente. 3. A estrutura interna da Direcção de Organização de Sessões compreende: a) Departamento de Preparação das Sessões; b) Departamento de Publicação. 4. A Direcção de Organização de Sessões é dirigida por um director, com a categoria de director nacional. Artigo 11º (Direcção de Recursos Humanos) 1. A Direcção de Recursos Humanos é o serviço encarregue de proceder ao levantamento, registo e gestão dos quadros angolanos, de nível médio e superior, que se encontrem a residir ou a prestar serviços no País ou no estrangeiro.. À Direcção de Recursos Humanos compete: a) fazer o levantamento dos quadros nacionais, de nível médio e superior, ao serviço dos órgãos da administração central e local do Estado e das empresas públicas; b) fazer o levantamento dos quadros nacionais, de nível médio e superior, ao serviço de entidades privadas, trabalhadores por conta própria e desempregados; c) fazer o levantamento dos quadros nacionais, de nível médio e superior, com residência permanente ou temporária no estrangeiro independentemente da sua situação laboral; d) organizar o cadastro das informações e dados recolhidos com base nas acções desenvolvidas para o levantamento constante das alíneas a), b) e c); e) propor ao Governo as acções que julgar pertinentes para o aumento da qualificação e capacitação dos quadros nacionais, bem como para o seu melhor aproveitamento técnico e profissional;

12 f) trabalhar em concertação com os órgãos da administração central e local do Estado para a melhor inserção laboral dos quadros cadastrados, de acordo com as suas aptidões, vocação e o interesse público; g) apoiar o Governo na selecção dos quadros nacionais para os processos de direcção ou gestão de empreendimentos de carácter estratégico para o País; h) desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas superiormente. 3. A estrutura interna da Direcção de Recursos Humanos compreende: a) Departamento de Cadastro de Quadros; b) Departamento de Gestão de Quadros. 4. A Direcção de Recursos Humanos é dirigida por um director com a categoria de director nacional. SECÇÃO IV (Serviços de Apoio Instrumental) Artigo 1º (Gabinete do Secretário) 1. O Gabinete do Secretário do Conselho de Ministros é o serviço de apoio directo e pessoal que assegura a actividade do Secretário do Conselho de Ministros no seu relacionamento com os órgãos e serviços internos do Secretariado do Conselho de Ministros, com os órgãos da administração pública e outras entidades públicas e privadas.. Ao Gabinete do Secretário do Conselho de Ministros compete: a) assegurar a recepção da correspondência destinada ao Secretário do Conselho de Ministros, ao Conselho de Ministros, Comissão Permanente e comissões especializadas; b) remeter, após decisão superior, aos órgãos e serviços que integram o Secretariado do Conselho de Ministros, aos da administração pública e outras entidades públicas e privadas, os assuntos que mereçam o seu parecer ou devam ser por eles acompanhados ou executados;

13 c) proceder ao controlo da documentação classificada destinada ao Secretário do Conselho de Ministros; d) organizar e preparar as audiências a serem concedidas pelo Secretário do Conselho de Ministros; e) assegurar a execução dos trabalhos de tradução e interpretação da documentação e correspondência do órgão; f) organizar e assegurar o apoio material e logístico à realização do Conselho de direcção e demais encontros de trabalho promovidos pelo Secretário do Conselho de Ministros; g) preparar as deslocações do Secretário do Conselho de Ministros; h) desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas pelo Secretário do Conselho de Ministros. 3. O Gabinete do Secretário do Conselho de Ministros estrutura se, com as devidas adaptações, de acordo com a legislação em vigor respeitante aos gabinetes dos membros do Governo. 4. O Gabinete do Secretário do Conselho de Ministros é dirigido por um director com a categoria de director nacional. Artigo 13º (Gabinete do Secretário Adjunto) 1. O Gabinete do Secretário Adjunto é um serviço de apoio directo e pessoal que assegura a actividade do Secretário Adjunto no seu relacionamento com os órgãos e serviços internos do Secretariado do Conselho de Ministros, com os órgãos da administração pública e outras entidades públicas e privadas.. Ao Gabinete do Secretário Adjunto compete: a) assegurar a recepção da correspondência destinada ao Secretário Adjunto; b) fazer o controlo da documentação classificada destinada ao Secretário Adjunto; c) organizar e preparar as audiências a serem concedidas pelo Secretário Adjunto;

14 d) organizar e assegurar o apoio material e logístico à realização dos encontros de trabalho promovidos pelo Secretário Adjunto; e) apoiar na preparação das deslocações do Secretário Adjunto; f) desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas pelo Secretário Adjunto. 3. O Gabinete do Secretário Adjunto estrutura se, com as devidas adaptações, de acordo com a legislação em vigor respeitante aos gabinetes dos membros do Governo. 4. O Gabinete do Secretário Adjunto é dirigido por um director de gabinete com a categoria de director nacional. Artigo 14º (Gabinete de Assuntos Parlamentares, Políticos e Sociais) 1. O Gabinete de Assuntos Parlamentares, Políticos e Sociais é o serviço que assegura o relacionamento entre o Governo, o Parlamento e demais entidades políticas e sociais.. Ao Gabinete de Assuntos Parlamentares, Políticos e Sociais compete: a) acompanhar a articulação entre o Governo, Assembleia Nacional, Partidos Políticos e Associações Profissionais e Filantrópicas; b) prestar ao Secretário do Conselho de Ministros as informações que lhe sejam solicitadas sobre o funcionamento da Assembleia Nacional, suas Comissões de Trabalho e Grupos Parlamentares, bem como sobre a actividade dos Partidos Políticos, Associações Profissionais e Filantrópicas; c) estudar e acompanhar a discussão dos projectos de lei; tratados e convenções internacionais apreciados pela Assembleia Nacional e prestar informação sobre estes assuntos ao Secretário do Conselho de Ministros; d) apoiar o Secretariado do Conselho de Ministros no processo de remissão para a Assembleia Nacional, dos diplomas apreciados pelo Conselho de Ministros e pela Comissão Permanente que careçam de aprovação pela Assembleia Nacional; e) acompanhar e tramitar o processo de apoio institucional e material do Estado aos Partidos Políticos e Associações, de acordo com a legislação em vigor;

15 f) emitir parecer sobre assuntos que lhe sejam superiormente solicitados; g) desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas superiormente. 3. O Gabinete de Assuntos Parlamentares, Políticos e Sociais é dirigido por um director com a categoria de director nacional e coadjuvado por um director adjunto, com a categoria de chefe de departamento. Artigo 15º (Gabinete de Acompanhamento da Actividade do Governo) 1. O Gabinete de Acompanhamento da Actividade do Governo é o serviço que acompanha e controla a implementação pelos órgãos do Governo das deliberações e recomendações do Conselho de Ministros, da Comissão Permanente e das demais comissões especializadas.. Ao Gabinete de Acompanhamento da Actividade do Governo compete: a) assegurar a observância, pelos órgãos do Governo, das deliberações e recomendações do Conselho de Ministros, da Comissão Permanente e das demais comissões especializadas; b) organizar e tramitar o processo de comunicação aos destinatários das deliberações e recomendações tomadas pelos órgãos colegiais do Governo; c) controlar, nos termos da legislação em vigor, o grau de cumprimento dos programas e actividades aprovados pelo Conselho de Ministros, Comissão Permanente e comissões especializadas; d) solicitar aos órgãos centrais e locais da administração pública informação pontual sobre o estado de execução das deliberações, recomendações e tarefas orientadas pejo Conselho de Ministros, Comissão Permanente e comissões especializadas; e) elaborar com base nos relatórios e informações prestadas pelos órgãos encarregues da implementação das deliberações, relatórios periódicos detalhando o seu grau de execução e resultados obtidos; f) sugerir ao Secretário do Conselho de Ministros medidas e normas que visam o aperfeiçoamento da actividade dos órgãos colegiais do Governo, no que concerne à execução das deliberações tomadas;

16 g) acompanhar a execução dos programas sectoriais e regionais do Governo nas províncias de modo a manter o Conselho de Ministros permanentemente informado; h) desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas superiormente. 3. O Gabinete de Acompanhamento da Actividade do Governo é dirigido por um director com a categoria de director nacional e coadjuvado por um director adjunto com a categoria de chefe de departamento. Artigo 16º (Órgão tutelado) A organização, atribuições e funcionamento do órgão tutelado constam dos respectivos estatutos, a aprovar nos termos da legislação em vigor. CAPÍTULO IV Quadro de Pessoal e Formas de Provimento Artigo 17º (Pessoal) 1. O pessoal do Conselho de Ministros é o constante do quadro anexo ao presente decreto lei cujo provimento será por nomeação ou contrato nos termos da legislação vigente.. O quadro de pessoal do Secretariado do Conselho de Ministros poderá ser alterado quanto ao número e categorias de acordo com as exigências do serviço, por despacho do Secretário do Conselho de Ministros, após parecer favorável dos Ministros das Finanças e da Administração Pública, Emprego e Segurança Social.

17 CAPÍTULO V Disposições Finais Artigo 18º (Orçamento) 1. O Secretariado do Conselho de Ministros dispõe de orçamento próprio para o seu funcionamento, cuja gestão obedece as regras estabelecidas na legislação vigente.. O órgão tutelado disporá de orçamento próprio para a cobertura dos encargos decorrentes da sua actividade, sendo a sua gestão da responsabilidade do respectivo director, de acordo com a legislação vigente. Artigo 19º (Regulamentos internos) A organização e funcionamento dos órgãos e serviços do Secretariado do Conselho de Ministros constarão de regulamentos próprios à aprovar pelo Secretário do Conselho de Ministros, no prazo de 60 dias a contar da data da publicação do presente Decreto Lei.

18 Quadro de pessoal a que se refere o artigo 17. do estatuto orgânico que antecede Número de lugares Designação funcional/categoria Titulares de cargos políticos Secretário Secretário Adjunto Cargos de direcção e chefia: Directores nacionais Directores de gabinete Chefes de departamento Chefes de secção Carreira técnica superior Assessor principal Primeiros assessores Assessores Técnicos superiores principais Técnicos superiores de 1ª classe Técnicos superiores de ª classe Carreira técnica média Técnico médio principal de 1,' classe Técnico médio principal de,' classe Técnicos médios principais de 3,' classe Técnicos médios de 1.' Classe Técnicos médios de,' classe Técnicos médios de 3,' classe Carreira administrativa Oficiais administrativos principais Primeiros oficiais administrativos Segundos oficiais administrativos Terceiros oficiais administrativos Aspirantes Escriturários dactilógrafos Carreira de motorista Motoristas de pesados principais Motoristas de ligeiros de 1,' classe Motoristas de ligeiros de,' classe Carreira de auxiliar administrativo Auxiliares administrativos de 1.' Classe Auxiliares administrativos de,' classe Carreira de auxiliar de limpeza Auxiliares de limpeza principais Auxiliares de limpeza de 1.' classe

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 78 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional da Política Comercial do Ministério do Comércio. Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Ministério do Comercio

Ministério do Comercio Ministério do Comercio REGULAMENTO INTERNO DA DELEGAÇÃO REGIONAL NORTE DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Atribuições Artigo.º (Atribuições). A Delegação Regional Norte é um Órgão do Ministério do Comércio equiparado

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS)

REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO O Comité Organizador do Campeonato Africano

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O GOVERNO Decreto-Lei nº 6/2010 Que Altera o Decreto Lei n.º 37/2009 Que Institui o Guichet Único. Decreto

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 3780 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 298/10 de3dedezembro Convindo adequar o sistema de contratação pública à nova realidade constitucional, bem como uniformizar a

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008

COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008 REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO INTERNO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS)

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho Regime Jurídico de Autonomia e Administração e Gestão dos Estabelecimentos de Ensino, aprovado pelo DL 75/2008, de 22 de Abril. Norma a regulamentar. Norma a regulamentar Objecto da regulamentação Forma

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

Província de Cabinda

Província de Cabinda Província de Cabinda Conselho de Ministros Decreto-Lei n.º 1/07 De 2 de Janeiro Considerando a necessidade da aprovação do Estatuto Especial para a Província de Cabinda estabelecido nos termos do Memorando

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei da Observação Eleitoral LEI N.º 4/05 De 4 de Julho Convindo regular a observação eleitoral quer por nacionais quer por estrangeiros; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

1422 9501-855 PONTA DELGADA

1422 9501-855 PONTA DELGADA REGULAMENTO 2010 Departamento de Línguas e Literaturas Modernas Universidade dos Açores Rua da Mãe de Deus Apartado 1422 9501-855 PONTA DELGADA! 296 659 188/9! 296 650 187 " ddllm@ uac.pt ARTIGO 1. o (Natureza,

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2.

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2. Quarta-Feira, 27 de Julho de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 13 $ 2.00 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

GABINETE DO VICE - PREFEITO

GABINETE DO VICE - PREFEITO 4 GABINETE DO VICE - PREFEITO ESTRUTURA O RGANIZACIONAL GABINETE DO VICE-PREFEITO - Cadastro Organizacional/PMS Gabinete do Vice- Prefeito VICE-PREFEITO Coordenadoria Administrativa Setor de Material e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Montemor-o-Novo

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Montemor-o-Novo Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Montemor-o-Novo Preâmbulo Este Regulamento tem como objectivo e fins reger e disciplinar a organização e funcionamento do Conselho Local de Acção

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Maputo, Maio de 2014 Regulamento do Conselho Pedagógico 2 REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Capítulo I Disposições

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

I SÉRIE BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU SUMÁRIO. Número 21. Segunda-feira, 23 de Maio de 2016

I SÉRIE BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU SUMÁRIO. Número 21. Segunda-feira, 23 de Maio de 2016 21 Número 21 I SÉRIE do Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau, constituído pelas séries I e II Segunda-feira, 23 de Maio de 2016 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE

Leia mais

Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho

Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho da Assembleia da República (SIADAR) Resolução da Assembleia da República n.º 83/2004, de 29 de Dezembro A Assembleia da República resolve, nos termos do

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

DECRETO 55/00 de 10 de Novembro

DECRETO 55/00 de 10 de Novembro DECRETO 55/00 de 10 de Novembro Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei n.º 5/97, de 27 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. SECÇÃO I Princípios Fundamentais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. SECÇÃO I Princípios Fundamentais INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais SECÇÃO I Princípios Fundamentais Artigo 1.º Missão A Escola Superior de Educação de Portalegre, adiante

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008

PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008 PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 4o- do Decreto no- 6,061, de 15 de março de 2007, resolve: Art. 1 Aprovar o

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber que a Câmara de Vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar.

O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber que a Câmara de Vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar. Prefeitura Municipal de Novo Horizonte do Sul Estado de Mato Grosso do sul Poder Executivo Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 033/2008 de 30 de Dezembro de 2008. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANO-

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 -------------------------------------------------------------------------------- Aprova a Estrutura da Inspecção-Geral de Jogos Considerando

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE)

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Sob proposta da Directora do CIEP-UE, com parecer favorável da Assembleia de Representantes da Escola de

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA. Decisão nº 1331/2015/CFP

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA. Decisão nº 1331/2015/CFP REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA Secretariado da Comissão da Função Pública Rua Jacinto Cândido Díli, Timor-Leste Tel +670 (333 9090) Fax +670 (3317201) Decisão nº 1331/2015/CFP

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012 Artigo 11.º Norma revogatória É revogado o Decreto Regulamentar n.º 21/2007, de 29 de março, alterado pelo Decreto -Lei n.º 273/2007, de

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 30 de novembro de 2015. Série. Número 186

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 30 de novembro de 2015. Série. Número 186 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de novembro de 2015 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 21/2015/M Aprova a Orgânica da

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

Estatutos da Petróleo, Gás e Energia de Timor-Leste PETROTIL E.P.

Estatutos da Petróleo, Gás e Energia de Timor-Leste PETROTIL E.P. Estatutos da Petróleo, Gás e Energia de Timor-Leste PETROTIL E.P. Minuta de Projecto de Decreto-Lei Este documento pode ser transferido a partir de www.timor-leste.gov.tl/emrd/index.asp ou www.transparency.gov.tl/.

Leia mais

EDUARDO BRAGA Governador do Estado

EDUARDO BRAGA Governador do Estado DECRETO N.º 24031, DE 26 DE JANEIRO DE 2.004 APROVA o Regimento Interno da SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO, ÉTICA E TRANSPARÊNCIA - SCI, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO)

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) PRAIA, 17 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA Sendo globalmente

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25 Quarta-Feira, 19 de Outubro de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 20 $ 0.25 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 143/93, de 26 de Abril - Revogado. Extinção da DGD e do FFD e criação do Instituto do Desporto (INDESP)

Decreto-Lei n.º 143/93, de 26 de Abril - Revogado. Extinção da DGD e do FFD e criação do Instituto do Desporto (INDESP) Decreto-Lei n.º 143/93, de 26 de Abril - Revogado Extinção da DGD e do FFD e criação do Instituto do Desporto (INDESP) Decreto-Lei n.º 143/93, de 26 de Abril... 3 Natureza, atribuições e competências...

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Conselho Económico e Social A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164., alínea d), 168. n. 1, alínea m) e 169., n. 3 da Constituição, para valer como lei

Leia mais

para o Ministro da Ciência e da Tecnologia esteja prevista na lei. Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997

para o Ministro da Ciência e da Tecnologia esteja prevista na lei. Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997 Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997 A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro orgânico

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES

CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES Aprovado na 1.ª Reunião, realizada em 25 de outubro de 2013 com as alterações havidas na 6.ª Reunião Ordinária, realizada em 22 de janeiro de 2014, na 36.ª Reunião Ordinária, realizada em 1 de abril de

Leia mais

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN)

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN) 670 I SÉRIE NÚMERO 76 do artigo 25 da Lei n.º 14/2002, de 26 de Junho, Lei de Minas, o Conselho de Ministros determina: Artigo 1. São aprovados os termos do Contrato Mineiro, para a mina de carvão do Projecto

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DE SOFALA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DE SOFALA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DE SOFALA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I ARTIGO 1 (Natureza do Governo Provincial) 1. O Governo Provincial é o órgão encarregado de garantir a execução,

Leia mais

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra CAPÍTULO I Da natureza e missão da Faculdade de Medicina Artigo 1.º Natureza jurídica A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 20 de abril de 2012

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 20 de abril de 2012 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 20 de abril de 2012 II Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Despacho n.º 6/2012 Regulamenta a formação destinada aos bombeiros dos

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 3/97 de 13 de Março

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 3/97 de 13 de Março ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 3/97 de 13 de Março A legislação angolana referente aos Partidos Políticos, tem-se mostrado cada vez mais desajustada da realidade socio-política e económica nacional. O processo

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério do Comercio é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos Estatutos da FDUNL Artigo 1.º Natureza 1. A Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, adiante designada por Faculdade, é uma unidade orgânica da Universidade Nova de Lisboa. 2. A Faculdade é

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais