DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS"

Transcrição

1

2

3

4 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I BEJA ANO LETIVO DE DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Disciplina de Português Critérios de Avaliação A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem e deve ser sistemática e cuidadosa para ser objetiva e rigorosa. Como parte integrante de um processo pedagógico, pressupõe uma atitude formativa criteriosa que acompanhe e contribua para o desenvolvimento das competências do aluno ao longo do ano escolar e/ou ciclo de estudos. Decorrente do processo ensino-aprendizagem, a avaliação deve ser equacionada nas várias etapas da prática letiva, recorrendo a procedimentos formais e informais adequados ao objeto a avaliar: compreensão / expressão oral, escrita, leitura, bem como o funcionamento da língua, transversal a todos os domínios. Autonomia e responsabilidade são indissociáveis e podem conduzir a uma dinâmica inovadora e participada, no sentido da procura de respostas diversificadas para os desafios que se colocam a todos, professores e alunos. A avaliação da aprendizagem em Português deverá: - adequar técnicas e instrumentos aos objetivos e conteúdos, e ao processo de ensinoaprendizagem; - especificar, de forma clara, o objeto de avaliação, os critérios e as estratégias; - considerar como objeto de avaliação processos e produtos; - propiciar a autoavaliação e a coavaliação; - equacionar o percurso individual e o coletivo, considerando ajustamento e correções, de forma a reorientar as práticas pedagógicas; - fornecer ao aluno um feedback em tempo útil. Modalidades e Instrumentos de Avaliação Modalidades: - formativa - sumativa interna e externa A avaliação formativa é contínua e sistemática e tem função diagnostica, permitindo informações sobre o desenvolvimento das aprendizagens, com vista ao apuramento de processos e estratégias. Cf. Decreto-Lei nº 74/2004 de 25 de março

5 Avaliação Formativa: Os critérios de avaliação organizam-se em torno das competências nucleares: compreensão/ expressão oral, escrita, leitura e funcionamento da língua. O ensino deve incrementar e diversificar as experiências comunicativas do aluno, desenvolvendo e aperfeiçoando a oralidade e a escrita. Assim sendo e porque têm muitos elementos em comum, especialmente em situações mais formais, ambas requerem um ensino planificado e uma avaliação equitativa, para que se tornem suportes eficazes de comunicação e de representação. Programa de Português, 10º, 11º e 12º anos Instrumentos: Dada a natureza da disciplina, os instrumentos de avaliação a usar em Português serão obrigatoriamente diversificados: - observação direta; - questionários de textos orais e escritos; - listas de verificação (observação da execução de tarefas) que permitam verificar a progressão; - escalas de classificação (numéricas, de frequência e descritivas) onde constem os critérios de desempenho tais como as competências linguística, discursiva e sociolinguística; - testes objetivos: exercícios de escolha múltipla, de associação, de alternativa Verdadeiro/Falso, de completamento; - testes não objetivos (resposta curta e ensaio) para testar aprendizagens complexas (interpretação / produção de textos orais e escritos organização das ideias estruturando o texto em parágrafos coerência e coesão textuais adequação dos enunciados à intenção e situação comunicativas. - portefólio de avaliação (facultativo) deverá incluir um conjunto variado de trabalhos datados e comentados. Entre esses elementos deverão constar relatórios, textos escritos, registos áudio, vídeo e outro software, trabalhos de pesquisa, comentários de texto, fichas de leitura, trabalhos realizados fora da sala de aula, listas de verificação, escalas de classificação, grelhas de observação, grelhas de auto e coavaliação, testes e outros. Todas as grelhas de observação/classificação/avaliação devem identificar, necessariamente, os vários parâmetros a avaliar e os critérios/níveis de desempenho requeridos para cada um deles. O peso percentual a atribuir nos parâmetros do conteúdo, organização e correção linguística varia de acordo com o tipo de item e de competência testada. Fatores de desvalorização no domínio da correção linguística: - Por cada erro de sintaxe ou de impropriedade lexical, são descontados dois (2) pontos; - Por cada erro inequívoco de pontuação ou por cada erro de ortografia (incluindo erro de acentuação, erro por ausência de letra maiúscula quando obrigatória e erro de translineação), é descontado um (1) ponto; - Por cada erro de ortografia repetido (incluindo acentuação, usos convencionais de letra maiúscula e erro de translineação), apenas é descontada uma ocorrência;

6 - Por cada erro por incumprimento das regras de citação de texto (ausência ou uso indevido de aspas, ausência de indicador(es) de corte de texto, etc.) ou de referência a uma obra (ausência de sublinhado ou de uso de aspas no título, etc.), é descontado um (1) ponto; - Os descontos por erro de citação de texto ou de referência a uma obra são efetuados até ao máximo de cinco (5) pontos na totalidade do instrumento de avaliação; - Os descontos por aplicação dos fatores de desvalorização, no domínio da correção linguística, são efetuados até ao limite das pontuações indicadas para este critério. Nos itens de resposta aberta de composição curta/composição extensa, a cotação é percentualmente distribuída pelos seguintes parâmetros: a) aspetos de conteúdo (60%); b) aspetos de organização e correção linguística (40%). Se o aluno obtiver 1/3 nos aspetos de conteúdo, a cotação relativa a aspetos de correção linguística será igualmente proporcional a 1/3. Sempre que for indicado um número mínimo e/ou máximo de palavras para a elaboração da resposta, deve ser tido em conta o seguinte: a) os limites explicitados correspondem a requisitos relativos à extensão de texto, que devem ser respeitados; o incumprimento dos limites de extensão implica o desconto de 1 ponto por cada palavra a mais ou a menos, até ao máximo de 5 pontos, depois de aplicados todos os critérios definidos para o item. Se, da aplicação deste fator de desvalorização, resultar uma classificação inferior a zero pontos, é atribuída à resposta a classificação de zero pontos. O afastamento integral dos aspetos de conteúdo relativos a cada um dos itens implica a desvalorização total da resposta.

7 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I PORTUGUÊS - 10º, 11º e 12º Anos CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO Competências Nucleares Compreensão / Expressão Oral Leitura / Expressão Escrita / Funcionamento da Língua Competências Transversais Exercícios de Compreensão Oral Leitura Expressiva Participação na aula/ comportamento a) Exercícios Produção Oral (leituras contratuais, apresentação de trabalhos de grupo e de leituras seletivas realizadas na aula e em casa) Testes de Avaliação (leitura, escrita e funcionamento da língua) Produções Escritas (Textos de tipologia variada e portefólio - facultativo) 5% 5% 15% 75% Elementos Mínimos de Avaliação por Período Um exercício de produção oral Um exercício de compreensão oral Dois testes de avaliação * no 3º Período 1 ou 2 testes e avaliação e portefólio (facultativo) ou uma produção escrita Nota: No arredondamento das classificações de período, se 0,5 for sinónimo de progressão a classificação sobe para o valor acima; se 0,5 for sinónimo de regressão a classificação desce para o valor abaixo.

8 a) Participação nas aulas / Comportamento A avaliação global da participação de cada aluno será efetuada com base na seguinte grelha, cabendo, também, ao professor solicitar a intervenção dos alunos mais tímidos. Critérios de Participação e Comportamento Classificação (Valores) 1.Participa frequentemente nas aulas, respeitando professor e colegas. 2. Participa nas aulas, incidindo de forma objetiva nas temáticas. 3. Identifica as suas dúvidas e solicita clarificações, revelando que procura relacionar novos conhecimentos com o trabalho desenvolvido na sala de aula. 4. Contribui para a dinâmica da aula; a) desenvolvendo pontos de vista e comentários avançados de forma incipiente por colegas, b) apresentando alternativas sobre questões mal compreendidas ou conclusões superficiais Apresenta ideias que enriquecem as aulas provenientes de outras fontes, fruto de pesquisa pessoal. 6. Revela espírito crítico, revendo as suas opiniões e apreciações face a comentários dos colegas ou professores. 7. É sempre assíduo e pontual. 8. Nunca perturba o bom funcionamento das aulas. 18 Preenche, no geral, 5 aspetos, revelando pertinência nas participações. É quase sempre assíduo e pontual. Nunca perturba o bom funcionamento das aulas. Preenche, no geral, 4 aspetos, embora participe de modo irregular e, por vezes, não cumpra as normas de bom funcionamento na sala de aula (assiduidade, pontualidade, organização do trabalho, respeito por colegas e professor). Preenche, no geral, três aspetos, embora participe de modo irregular e raramente cumpra as normas de bom funcionamento na sala de aula (assiduidade, pontualidade, organização do trabalho, respeito por colegas e professor) Revela muitas lacunas nas participações e nunca cumpre as normas de bom funcionamento na sala de aula (assiduidade, pontualidade, organização do trabalho, respeito por colegas e professor) 4 2 Não participa e/ou prejudica as atividades letivas com comportamentos que revelam total desrespeito pelas normas de funcionamento na sala de aula. 0

9 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO D. MANUEL I BEJA Língua Portuguesa-9º Ano CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO Competências Nucleares Compreensão / Expressão Oral / Leitura Leitura / Expressão Escrita / Funcionamento da Língua Competências Transversais. Oralidade (expressão oral). Leitura Expressiva. Participação / comportamento Testes de Avaliação (leitura, escrita e funcionamento da língua) Produções Escritas. Compreensão do oral a) nota 2 (Textos de tipologia variada) 15% 5% 5% 75% Elementos Mínimos de Avaliação por Período Um exercício de produção oral Um exercício de compreensão oral Uma produção escrita ou uma ficha de funcionamento da língua Dois testes de avaliação * no 3º Período 1 ou 2 testes e uma produção escrita ou uma ficha de funcionamento da língua Nota: No arredondamento das classificações de período, se 0,5 for sinónimo de progressão em todas as competências a classificação sobe para o nível acima; se 0,5 for sinónimo de regressão em todas as competências a classificação desce para o nível abaixo.

10 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO D. MANUEL I BEJA Língua Portuguesa-8º Ano CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO Competências Nucleares Compreensão / Expressão Oral / Leitura Leitura / Expressão Escrita / Funcionamento da Língua Competências Transversais. Oralidade (expressão oral). Leitura Expressiva. Participação / comportamento Testes de Avaliação (leitura, escrita e funcionamento da língua) Produções Escritas. Compreensão do oral a) nota 2 (Textos de tipologia variada) 15% 5% 10% 70% Elementos Mínimos de Avaliação por Período Um exercício de produção oral Um exercício de compreensão oral Uma produção escrita ou uma ficha de funcionamento da língua Dois testes de avaliação * no 3º Período 1 ou 2 testes e uma produção escrita ou uma ficha de funcionamento da língua. Nota: No arredondamento das classificações de período, se 0,5 for sinónimo de progressão em todas as competências a classificação sobe para o nível acima; se 0,5 for sinónimo de regressão em todas as competências a classificação desce para o nível abaixo.

11 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO D. MANUEL I BEJA Língua Portuguesa-7º Ano CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO Competências Nucleares Compreensão / Expressão Oral / Leitura Leitura / Expressão Escrita / Funcionamento da Língua Competências Transversais. Oralidade (expressão oral). Leitura Expressiva. Participação / comportamento Testes de Avaliação (leitura, escrita e funcionamento da língua) Produções Escritas. Compreensão do oral a) nota 2 (Textos de tipologia variada) 15% 10% 10% 65% Elementos Mínimos de Avaliação por Período Um exercício de produção oral Um exercício de compreensão oral Uma produção escrita ou uma ficha de funcionamento da língua Dois testes de avaliação * no 3º Período 1 ou 2 testes e uma produção escrita ou uma ficha de funcionamento da língua.

12 Notas: 1. No arredondamento das classificações de período, se 0,5 for sinónimo de progressão em todas as competências a classificação sobe para o nível acima; se 0,5 for sinónimo de regressão em todas as competências a classificação desce para o nível abaixo. 2. Alínea a) Participação nas aulas / Comportamento (Para o 7º e 8º anos) A avaliação global da participação de cada aluno será efetuada com base na seguinte grelha, cabendo, também, ao professor solicitar a intervenção dos alunos mais tímidos. Critérios de Participação e Comportamento Classificação (Valores) 1. Participa nas aulas, incidindo de forma objetiva nas temáticas. 2. Identifica com clareza as suas dúvidas e solicita clarificações, revelando que procura relacionar novos conhecimentos com o trabalho desenvolvido na sala de aula. 3. Revela empenho nas atividades letivas propostas pelo professor em sala de aula. 4. Revela respeito pelo trabalho de colegas e professores Realiza sempre os tpc. 6. Sabe entrar e estar na sala de aula. 7. É sempre pontual e assíduo. Preenche, no geral, 6 aspetos 4 Preenche, no geral, 5 / 4 aspetos. 3 Preenche, no geral, 3 / 2 aspetos. 2 Prejudica as atividades letivas, revelando total desrespeito pelas normas de funcionamento na sala de aula. 1

13 (Para o 9º ano) Critérios de Participação e Comportamento Classificação (Valores) 1. Participa nas aulas, incidindo de forma objetiva nas temáticas. 2. Identifica com clareza as suas dúvidas e solicita clarificações, revelando que procura relacionar novos conhecimentos com o trabalho desenvolvido na sala de aula. 3. Revela empenho nas atividades letivas propostas pelo professor em sala de aula Revela respeito pelo trabalho de colegas e professores. 5. Apresenta ideias que enriquecem as aulas provenientes de outras fontes, fruto de pesquisa pessoal. 6. Revela espírito crítico, revendo as suas opiniões e apreciações face a comentários dos colegas ou professores. 7. Realiza sempre os tpc. Preenche, no geral, 6 aspetos. 4 Preenche, no geral, 5 / 4 aspetos. 3 Preenche, no geral, 3 / 2 aspetos. 2 Prejudica as atividades letivas, revelando total desrespeito pelas normas de funcionamento na sala de aula. 1

14 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I BEJA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS GRUPO DISCIPLINAR DE PORTUGUÊS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE EDUCAÇÃO MUSICAL (T21) COMPETÊNCIAS CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ATITUDES e VALORES Competências Específicas (em anexo) em torno de três organizadores: Interpretação e Comunicação; Percepção Sonora e Musical; Culturas Musicais nos Contextos. Participação: Cumprir regras de trabalho previamente estabelecidas; cumprir orientações técnicas dadas pelo professor; participar nas tarefas propostas; revelar empenho; valorizar o seu trabalho e o dos colegas; desenvolver capacidades de trabalho individual / grupo. Responsabilidade: Ser assíduo e pontual; interagir adequadamente com o professor e os colegas nas tarefas propostas; apresentar e organizar o material. Autonomia: Ultrapassar dificuldades; criticar o seu trabalho e o dos outros ao nível estético, ao nível do rigor e da qualidade; revelar gosto pela pesquisa. Instrumentos de Avaliação: CONHECIMENTOS E CAPACIDADES Fichas de trabalho; Fichas de avaliação; Trabalhos individuais e de grupo; Avaliação da performance vocal e instrumental (flauta de bisel e instrumental Orff); Exercícios auditivos (escritos e orais); Observação directa (preenchimento de grelhas de observação e avaliação); Participação em Concertos. Instrumentos de Avaliação: ATITUDES e VALORES Registo de Assiduidade; Observação e organização do caderno diário e material; Observação e registo do cumprimento de regras de trabalho previamente definidas; Observação e registo dos comportamentos e relacionamento interpessoal; Grelha de auto-avaliação. Material necessário para a disciplina: - Flauta de Bisel; - Caderno Diário (pautado)

15 Competências Essenciais e descritores de nível Anexo I Experiências de Aprendizagem Descritores Interpretação e Comunicação Prepara peças musicais diferenciadas Canta sozinho ou em grupo pequenas peças musicais Toca sozinho ou em grupo pequenas sequências melódicas / rítmicas Partilha as músicas do seu quotidiano Contacta com diferentes instrumentos musicais Não Satisfaz: 2 competências adquiridas Satisfaz: 3 competências adquiridas Percepção Sonora e Musical Identifica as qualidades dos sons Reconhece as qualidades dos sons Utiliza a terminologia e o vocabulário adequado Identifica, auditivamente, o vocabulário musical que constitui o programa CEI Satisfaz Bastante: 4 competências adquiridas Não Satisfaz: 1 competência adquirida Satisfaz: 2 competências adquiridas Culturas Musicais nos Contextos Identifica diversos estilos musicais Compara estilos musicais Investiga significados de música Compreende a música em relação à sociedade, à história e à cultura Valoriza a música em relação à sociedade, à história e à cultura Satisfaz Bastante: 3 competências adquiridas Não Satisfaz: 2 competências adquiridas Satisfaz: 3 competências adquiridas Satisfaz Bastante: 4 competências adquiridas O docente: António Carlos Bettencourt

16 Saber Fazer Saber Aprender ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I BEJA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS GRUPO DISCIPLINAR DE PORTUGUÊS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE OFICINA DE ARTES (T21) COMPETÊNCIAS Destreza manual criatividade Autonomia Aquisição de técnicas Manuseamento de ferramentas e materiais Qualidade dos produtos finais: Qualidade funcional; Qualidade estética/artística; Criatividade Saber Estar Responsabilidade, assiduidade, limpeza, higiene e segurança no local de trabalho, cumprimento de prazos, cooperação com colegas, colaboração com a comunidade Anexo I Não Satisfaz Satisfaz Satisfaz Bastante O aluno revela dificuldades psicomotoras a nível da motricidade fina. É pouco criativo, não produzindo materiais funcionais e de forma autónoma. Não adquiriu de modo suficiente as técnicas para utilizar ferramentas e materiais utilizados. Os trabalhos realizados não revelam cuidado estético/artístico, técnico e funcional. É pouco assíduo, revelando alguma irresponsabilidade, não respeitando colegas, nem prazos de finalização dos trabalhos. Não integra regras de higiene, limpeza e segurança na realização das tarefas. O aluno revela algumas dificuldades psicomotoras a nível da motricidade fina. É pouco criativo, mas produz materiais funcionais e já com alguma autonomia. Adquiriu de modo suficiente as técnicas para utilizar ferramentas e materiais utilizados. Os trabalhos realizados revelam algum cuidado estético/artístico, técnico e funcional. É assíduo, mas revela alguma irresponsabilidade, nem sempre respeitando colegas ou prazos de finalização dos trabalhos. Integra regras básicas de higiene, limpeza e segurança na realização das tarefas. O aluno revela habilidade psicomotora a nível da motricidade fina. É muito criativo, produzindo materiais funcionais e com autonomia. Adquiriu as técnicas para utilizar ferramentas e materiais utilizados. Os trabalhos realizados revelam elevado cuidado estético/artístico, técnico e funcional. É assíduo, responsável, respeitando colegas e prazos de finalização dos trabalhos. Integra as regras de higiene, limpeza e segurança na realização das tarefas. A docente: Sandra Bettencourt

17 ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO D. MANUEL I ANO LECTIVO 2011/2012 Oficina de Teatro O objectivo da Oficina de Teatro não é avaliar o talento dos jovens, mas sim atender ao grau de envolvimento nas tarefas propostas, imaginação, criatividade, cooperação com o grupo, expressão vocal, expressão corporal, competência para planear e organizar tarefas de grupo, tendentes à realização de unidades de trabalho ou projectos de aula. A avaliação é feita diariamente por observação directa bem como pelo relatório das actividades que o aluno desenvolve e regista no caderno da disciplina. Áreas de Avaliação TRABALHAR COM OS OUTROS DISCUSSÃO DAS PROPOSTAS DE TRABALHO TRABALHO TEATRAL - Capacidade de trabalhar com todos os elementos do grupo - Capacidade de discordar e argumentar - Desenvolvimento das ideias de outros colegas. - Capacidade de escuta. - Capacidade de crítica construtiva. - Comprometimento nos exercícios de expressão oral e corporal, improvisações, trabalho sobre personagem,... - Responsabilização e envolvimento na realização e produção de projectos. - Comprometimento com as tarefas distribuídas e aceites, cumprindo os prazos previstos. - Envolvimentos nas pesquisas necessárias para o desenvolvimento do trabalho prático. - Leitura e pesquisa de textos que envolvam reflexão sobre o trabalho teatral.

18 Parâmetros e Critérios de Avaliação Domínio dos conhecimentos/ Aptidões e Capacidades 25% O aluno integra as regras do jogo dramático, sabe o significado e pratica a improvisação, dramatização, a expressão vocal e corporal, jogo teatral, situação dramática, conflito e tensão dramática; 20% O aluno desenvolve sensibilidade estética, noções de qualidade artística, sentido estético e jogo simbólico; 20% O aluno reconhece e utiliza códigos e convenções da linguagem teatral (máscara, guarda-roupa, efeitos de luz e som, produção de climas e tensão dramática, cenários; 20% O aluno reconhece diversidade nas abordagens dramatúrgicas com que se confronta (trabalhos realizados no âmbito da disciplina e outros eventos performativos, documentários de produções artísticas). Domínio das Atitudes Caderno organizado / relatórios Participa de forma organizada 5% - 1º Parâmetro Integração das regras estabelecidas Capacidade de trabalhar em grupo Capacidade de realização autónoma Empenhamento Concentração no trabalho 1% Para todos os restantes parâmetros Criatividade Capacidade de reflexão Revela Interesse e atenção nas aulas Faz os trabalhos propostos para casa

19 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I BEJA FRANCÊS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano lectivo 2011/2012 COMPETÊNCIAS ANOS/ NÍVEIS COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAIS COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ESCRITAS ATITUDES (organização dos materiais, execução das tarefas propostas pelo professor, cooperação, autonomia) INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Competência de comunicação:. Compreender textos orais e audiovisuais; a). Compreender textos escritos;. Interagir oralmente; a). Interagir por escrito;. Produzir textos escritos;. Produzir textos orais; Competências transversais: SABER APRENDER. Utilizar estratégias de organização do processo de aprendizagem e de superação autónoma de dificuldades;. Adquirir hábitos de trabalho autónomo;. Participar nas actividades lectivas e extra lectivas de forma responsável e cooperativa. 7º /8º/ 9º Níveis 1, 2, 3 10º /11º Cursos Profissionais Francês iniciação / continuação 30% 60% 10% Elementos mínimos por período: 2 testes escritos (1º e 2º períodos) e 1 no 3º período; 1 actividade de interacção/ produção oral; 1 actividade de compreensão oral;. ficha(s) de trabalho/trabalho de pesquisa Elementos mínimos por módulo: 1 teste escrito.1 actividade de interacção/ produção oral; 1 actividade de compreensão oral; 1 ficha(s) de trabalho/trabalho de pesquisa Outros instrumentos: Grelhas de observação directa; Fichas de autoavaliação

20 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I BEJA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE ESPANHOL ENSINO DIURNO (Ensino Básico, Secundário e Profissional) Ano Lectivo: 2011/2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ANOS E NÍVEIS COMPETÊNCIAS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO ESCRITAS COMPETÊNCIAS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO ORAIS ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO (10º, 11º anos) Cursos profissionais (níveis 1, 2 e 3) Testes de avaliação e/ou outras produções escritas. 65% 65% Testes de compreensão oral Apresentação oral 10% 20% 30% Competências Transversais: 5% COMPREENSÃO E EXPRESSÃO ESCRITAS: ELEMENTOS MÍNIMOS DE AVALIAÇÃO POR PERÍODO Dois testes escritos. NOTAS: - No 3º Período poderá realizar-se apenas um teste escrito nos diferentes níveis; - No 2º Período nos 8º e 9º anos poderá realizar-se apenas um teste escrito, tendo em conta que a carga lectiva semanal consta apenas de 90 minutos semanais. COMPREENSÃO E EXPRESSÃO ORAIS: Um teste de compreensão oral; Uma actividade de produção oral. POR MÓDULO (Cursos Profissionais) COMPREENSÃO E EXPRESSÃO ESCRITAS: Um teste escrito. COMPREENSÃO E EXPRESSÃO ORAIS: Um teste de compreensão oral; Uma actividade de produção oral. Nota: No arredondamento das classificações de período, se 0,5 for sinónimo de progressão a classificação sobe para o valor acima; se 0,5 for sinónimo de regressão a classificação desce para o valor abaixo. O cálculo da classificação final dos 2º e 3º períodos contempla a nota do período anterior não arredondada, na ponderação de 50%.

21 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I BEJA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE ESPANHOL COMUNICATIVAS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Reconhecer os sons e fonemas da língua espanhola. Compreender textos orais e escritos, adequados ao seu desenvolvimento linguístico, psicológico e social. Produzir, oralmente e por escrito, enunciados de complexidade adequada ao seu desenvolvimento linguístico, psicológico e social. Identificar e contrastar as características dos textos formais e coloquiais. Aprofundar o conhecimento da própria realidade sócio-cultural através do confronto com aspectos da cultura e da civilização dos povos de língua espanhola. Recorrer a estratégias que lhe permitam a comunicação, em situações em que os seus conhecimentos linguísticos sejam deficientes. Desenvolver a capacidade de iniciativa, o poder de decisão, o sentido de responsabilidade a autonomia. Desenvolver o sentido crítico, a autoconfiança, assim como atitudes de sociabilidade, tolerância e cooperação. Testes de avaliação diagnóstica e formativa; Actividades de produção escrita; Testes de compreensão oral; Actividades de produção oral; Observação directa.

22 Ensino Básico. Ensino Secundário ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º Ciclo D. MANUEL I DE BEJA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO DOS ENSINOS BÁSICO, SECUNDÁRIO DIURNO E PROFISSIONAL E ENSINO DE ADULTOS GRUPO DE RECRUTAMENTO INGLÊS Ano Lectivo 2011/2012 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAs COMPETÊNCIAS GERAIS COMPREENSÃO E PRODUÇÃO Anos/Níveis ESCRITA COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL Competências de Competências de (ler, escrever e uso da língua) Cidadania Aprendizagem Testes escritos Fichas Testes de Testes de Compreensão Oral Produção Oral 7º/8º Inglês Cont. 35% 15% 10% 10% 15% 15% 9º Inglês Cont 40% 15% 10% 10% 10% 15% 10º/ 11º Inglês 40% 10% 15% 15% 10% 10% Cont. AVALIAÇÃO FORMATIVA Periodicidade mínima dos Instrumentos de Aferição momentos de Avaliação Teste de diagnóstico - Início do ano e sempre que se revelar oportuno Teste de compreensão oral - 1 teste de listening por período Ensino Profissional Currículos Alternativos Inglês Cont./Comunica r em Inglês OTET/ Comunicação e relações Inter- Pessoais 10º/ 11º/ 12º Inglês 35% 15% 15% 15% 10% 10% 35% 20% 20% 10% 15% 30% 20% 10%** 10%** 15% 15% Teste de compreensão e produção escrita (teste formal, fichas Teste de produção oral (exposição e/ou apresentação oral) - 2 no 1º e 2º períodos; 1 no 3º período/1 no final dos módulos* - sempre que se considere oportuno - 1 apresentação oral por período/módulo/tema

23 Alunos com deficiência auditiva (caso haja) 40% 30% % 15% Auto-regulação Auto e Hetero-Avaliação Auto-regulação ao longo do ano *Nos cursos profissionais, o(s) teste(s) poderá(ão) ser substituído(s) por 1 trabalho, apresentado em sala de aula ** C.A.-1 teste por período; - 2 fichas por período - compreensão oral sistemática; - produção oral guiada; Formações Modulares Fichas formativas 20% Interação oral 40% 15% 25% Teste de diagnóstico Observação direta Fichas formativas Interação oral Auto-avaliação ***No 9º ano, o teste intermédio, substituirá um dos testes de compreensão/produção escrita e oral. Ao longo do curso Bibliografia QECR Afonso, Almerindo, Avaliação Educacional: Regulação e Emancipação, Cortez Editora, 2002 Byram, Michael, Assessing Intercultural Competence in Language Teaching, Multilingual Matters, Clevedon, 1999 Costa, António Paulo, Avaliação: Como avaliar o aprender a (Competência) e o aprender que (Conteúdos)?, Porto, 28 de Outubro de 2004 Fernandes, Domingos, Avaliação das Aprendizagens: Uma Agenda, muitos Desafios, Texto 2004 Leite, Clarinda, A avaliação e o ensino-aprendizagem em função de competências porquê? Como?, Correio da Educação, nº 71, Suplemento especial, CRIAP/ Asa, (2006) Perrenoud, Philippe, De l organisation du travail dêpend lar encontre entre chaque élève et le savoir, Éducateur, nº 10, Outubro de 2005 Richards, Jack C. e Lockat, Charles, Reflective Teaching in Second Language Classrooms, CUP, 1996

24

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 2º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação Área de Formação Pessoal e social Revelar autonomia na higiene e alimentação. Demonstrar controlo de emoções, reações e atitudes.

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio. Critérios de Avaliação Educação Musical 2º ciclo Ano letivo 20015 2016

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio. Critérios de Avaliação Educação Musical 2º ciclo Ano letivo 20015 2016 Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Critérios de Avaliação Educação Musical 2º ciclo Ano letivo 20015 2016 -Saber/saber fazer- Ponderação: 85% 5º Ano de escolaridade - Interpretação: Cantar,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Línguas Grupos: 220; 300; 320; 330; 350 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Língua Portuguesa- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente Cognitiva

Leia mais

Grupo de Educação Especial

Grupo de Educação Especial Grupo de Educação Especial Critérios Gerais de Avaliação 2015/2016 De acordo com o Despacho normativo n.º 24-A/2012, artigo 8.º (ponto 10): 10 A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo 550 Informática Ano Lectivo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Critérios de Avaliação Departamento de Línguas. 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores

Critérios de Avaliação Departamento de Línguas. 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores Critérios de Avaliação Departamento de Línguas 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores Aprovado em reunião de Conselho Pedagógico a 10 de Setembro de 2015 Cálculo da classificação interna a atribuir

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS GRUPO DE DOCÊNCIA 330 INGLÊS E ALEMÃO 2008/2009 Na aprendizagem de uma língua é fundamental dar ênfase ao desenvolvimento equilibrado das capacidades Ouvir-Falar-Ler-Escrever e

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Colégio de Lamego. Educação Musical. Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos. Rui S. Ribeiro

Colégio de Lamego. Educação Musical. Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos. Rui S. Ribeiro Colégio de Lamego Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos Rui S. Ribeiro 2014-2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A música «enriquece o ser humano pelo poder do som e do ritmo, pelas virtudes próprias da melodia

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS VALOR AVALIAÇÃO 1. Durante o período de aprendizagem o aluno deverá

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons;

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons; DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA Educação Musical _ º ANO _ A Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades O processo de ensino e aprendizagem da educação musical consiste na interação de um conjunto

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO AMGE - Auxiliar de Manutenção e Gestão de Espaços CRITÉRIOS DE Ano Lectivo 2014/15 Coordenador do Curso: José Pedro Moutinho Critérios de Avaliação (14-15) VOCACIONAL C AMGE -

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ANO LETIVO 2014 / 2015 1 1. EXPLICITAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Conhecimentos e Capacidades O peso dos Conhecimentos e Capacidades na avaliação do aluno é de 80% que,

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Projeto de Música Pop e Rock

Projeto de Música Pop e Rock Projeto de Música Pop e Rock Docentes: Ângelo Cunha Paulo Bispo Teresa Laranjeira Externato Marista de Lisboa Introdução A Música é única para os seres humanos e como as outras artes, é tão básico como

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO PROFISSIONAL DE ANIMADOR SOCIOCULTURAL 2015/2016 Aprovados em Conselho Pedagógico de 14 de outubro de 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO PROFISSIONAL DE ANIMADOR SOCIOCULTURAL

Leia mais

Educação Musical Prova 12 2015

Educação Musical Prova 12 2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Musical Prova 12 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16. Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso

CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16. Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16 Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso Conhecimentos AQUISIÇÃO DE CONHECIMENTOS Percepção e Compreensão

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História Critérios específicos de avaliação História Ponto 1 : Informações gerais Os elementos de avaliação serão classificados de forma qualitativa, de acordo com a terminologia que a seguir se indica. A classificação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Formação Musical - 2º Ciclo Contínua COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Leitura - Ler frases rítmicas em diferentes unidades de tempo e compassos; - Entoar afinadamente, melodias nos modos

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO D. MANUEL I BEJA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO D. MANUEL I BEJA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA 7º Ano actividades - mas apenas de algumas modalidades). EDUCAÇÃO FÍSICA 8º Ano actividades - mas apenas de algumas modalidades). EDUCAÇÃO FÍSICA 9º Ano actividades - mas apenas de algumas

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA E. B. 2,3 DE PORTO ALTO 2013-2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA E. B. 2,3 DE PORTO ALTO 2013-2014 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013-2014 D E P A R T A M E N TO DAS L Í N G U A S PORTUGUÊS 2º CICLO Português Saber Fazer 2º Ciclo Testes 50% Leitura 9% Oralidade: Compreensão 12% Expressão Trabalhos escritos

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Perfil do aluno no final do 5.º Ano O aluno canta a solo e em grupo, com intencionalidade expressiva, canções em diferentes tonalidades

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Critérios de Avaliação Avaliação na Educação Pré-Escolar Princípios Orientadores De acordo com as recomendações da DGIDC, a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO DOMÍNIO DOMÍNIO COGNITIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO DOMÍNIOS / INDICADORES DE DOMÍNIO INSTRUMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Índice Introdução... 3 Língua Portuguesa... 3 Inglês I... 3 Francês II... 3 Espanhol... 3 Matemática...

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4.

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. Índice 1. Introdução... p.2 2. Orientações programáticas do 1º Ciclo do Ensino Básico... p.4 2.1. Finalidades... p.4 2.2. Princípios Orientadores... p.4 2.3. Propostas de operacionalização curricular...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Critérios de Avaliação de Português Ensino Secundário Cursos Científico-Humanísticos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Critérios de Avaliação de Português Ensino Secundário Cursos Científico-Humanísticos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE Escola Secundária da Portela Escola EB,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Critérios de Avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2008/2009 A avaliação é um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certifica as aquisições realizadas pelos/as alunos/as. Na avaliação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA ESCOLA EB 2,3/ES S. SEBASTIÃO DE MÉRTOLA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA ESCOLA EB 2,3/ES S. SEBASTIÃO DE MÉRTOLA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA 2º Ciclo do Ensino Básico Exercícios práticos 50% fitnessgram * Sabe aplicar os s às situações práticas ou oralidade actividades (5%) * Interesse, participação e empenho Higiene pessoal (5%) * Higiene

Leia mais

Planificação Curricular Pré-escolar

Planificação Curricular Pré-escolar PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ciclo/ Área/ Disciplina: Pré-escolar Ano Letivo 2012/2013 Área de Formação pessoal e Social Esboço Curricular para a Educação de Infância (segundo as Orientações Curriculares

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro- Medas

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro- Medas AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro- Medas Departamento de Línguas Estrangeiras - Inglês - 3º Ciclo - 7º Ano Planificação Anual 2010 / 2011 1º Período - Aulas

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Educação Pré-Escolar 2014/15 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2015 / 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova (06) 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE PAIVA Escola Sede: Escola Secundária de Vila Nova de Paiva Rua Padre Joaquim Rodrigues da Cunha 3650-219 Vila Nova de Paiva Telefone: 232609020 Fax:232609021 http://esvnp.prof2000.pt

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação INGLÊS 2º Ciclo - 6.º Ano de Escolaridade Despacho Normativo

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO Critérios de Avaliação 1º Ano Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Ponderação Oralidade Assimilar e expressar

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Expressões Educação Especial INTRODUÇÃO A Educação Especial, através dos Docentes de Educação Especial (DEE), intervêm na realidade escolar, realizando ações diversificadas

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional Marinha. Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL

Ministério da Defesa Nacional Marinha. Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL Ministério da Defesa Nacional Marinha Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL Dezembro 2015 Índice por artigos CAP I Princípios gerais 1 Corpo discente

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE 2015-2016 Índice Enquadramento 3 Referentes 4 Princípios orientadores 5 Intervenientes 5 Modalidades de 6 Atividades, Parâmetros e Descritores de 8 Conselho de

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO-PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova Final de Ciclo de Prova Escrita e prática Educação Musical 2º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Inglês 3º ciclo L.E.I 2015/2016

Critérios de Avaliação da Disciplina de Inglês 3º ciclo L.E.I 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO EB 2, 3 INFANTE D. FERNANDO EB1/JI MANUEL CABANAS Critérios de Avaliação da Disciplina de

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar Departamento Educação Pré Escolar Ano letivo 2013/2014 A avaliação do processo permite reconhecer a pertinência e sentido

Leia mais

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões Introdução A apresentação das metas para as Expressões baseia-se nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar integrando, as Expressões Motora.

Leia mais

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 6-A/2015, de 5 de março.

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 6-A/2015, de 5 de março. Informação - Prova de Equivalência à Frequência Expressões Artísticas 23 Prova 2014.2015 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 15 Espanhol _ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO Prova escrita e oral _ 2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 15 Espanhol _ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO Prova escrita e oral _ 2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 15 Espanhol _ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO Prova escrita e oral _ 2014 1. INTRODUÇÃO O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA Critérios e procedimentos de avaliação Aprovado na reunião do Conselho Pedagógico de 24 de setembro de 2013 Página 1 de 28 CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

PROVA ESCRITA. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015. Duração: 90 minutos (escrita) e 15 minutos (oral)

PROVA ESCRITA. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015. Duração: 90 minutos (escrita) e 15 minutos (oral) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015 Prova 06 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos (escrita)

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar

Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA BÁRBARA Departamento Pré-Escolar/1º Ciclo 151 956 Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar Área

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si.

Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si. Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si. Anabela Costa Neves acn.anabela@gmail.com Inquietações em torno de 1. Critérios de avaliação 2. Testes 3. Funções da avaliação 4. Autoavaliação 5. Avaliação

Leia mais

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA)

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (10º, 11º e 12º anos) ENSINO SECUNDÁRIO ATITUDES E VALORES Assiduidade e Pontualidade 3% Fichas de registo de observação Responsabilidade e

Leia mais

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo 2014/2015 Avaliar é um conceito que se utiliza com frequência na sociedade actual. Ao fazer-se uma avaliação queremos apreciar

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR. critérios de avaliação 2015/2016

PRÉ-ESCOLAR. critérios de avaliação 2015/2016 PRÉ-ESCOLAR critérios de avaliação 2015/2016 Aprovado em Conselho Pedagógico a 1 de Setembro de 2015 Índice I. Introdução / Enquadramento Normativo. 2 II. Finalidades.. 3 III. Princípios. 4 IV. Processo

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência Data: 2014.04.02 Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Prova 61 2014 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 05 de julho

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Quadro de síntese 3º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber 70% Português 0 Saber Fazer 20% "0 Ser / Saber Ser" " O Saber 75% Inglês

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico ANO LETIVO 2015/2016 Constituem objeto de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015 Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência Introdução Os Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência dos Ensinos Básico e Secundário

Leia mais

DESCRITORES. Executa as ações coletivas do ataque e da defesa. Realiza dentro da zona saudável os testes do fitnessgram

DESCRITORES. Executa as ações coletivas do ataque e da defesa. Realiza dentro da zona saudável os testes do fitnessgram Aquisição de conhecimentos e desenvolvimento de capacidades e competências de nível psicomotor Atividades físicas CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARCELINO MESQUITA DO CARTAXO

Leia mais

FACE. Formação Avançada em Ciências da Educação CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2015

FACE. Formação Avançada em Ciências da Educação CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2015 FACE Modalidades de formação: A Cursos/Oficinas acreditadas pelo Conselho Científicopedagógico da Formação Contínua (CCPFC) B Módulos de Formação A Cursos/Oficinas acreditadas pelo CCPFC Desenvolvimento

Leia mais

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ - Apresentar comportamentos que promovam um melhor crescimento saudável de si, dada a compreensão

Leia mais

Departamento de Ciências da Educação Licenciatura em Educação de Infância 3º Ano

Departamento de Ciências da Educação Licenciatura em Educação de Infância 3º Ano Departamento de Ciências da Educação Licenciatura em Educação de Infância 3º Ano Programa da disciplina de Oficina de Materiais Educativos Ano lectivo 2008/2009 3 horas semanais Docente: Prof. Doutor Paulo

Leia mais

A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica propõe que o aluno seja capaz de:

A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica propõe que o aluno seja capaz de: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Educação Moral e Religiosa Católica _ 6º Ano _ A Ano Letivo: 2011/2012 1. Introdução e Finalidades A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica visa a

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar Critérios de Avaliação Departamento Educação Pré-Escolar 2015/2016 Critérios de Avaliação As principais diretrizes normativas referentes à avaliação na Educação Pré-Escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais