0001 CNPJ: Código T Classificação Nome

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "0001 CNPJ: Código T Classificação Nome"

Transcrição

1 /000-9 S ATIVO S. ATIVO CIRCULANTE S.. DISPONIVEL S...0 CAIXA CAIXA GERAL FUNDO FIXO DE CAIXA 7 S...0 BANCOS CONTA MOVIMENTO BANCO DO BRASIL CAIXA ECONOMICA FEDERAL 0 S...0 APLICAÇÕES FINANCEIRAS LIQUIDEZ IMEDIATA POUPANÇA CAIXA ECONOMICA S.. CLIENTES S...0 DUPLICATAS A RECEBER CLIENTE A CLIENTE DIVERSO 6 S...0 (-) DUPLICATAS DESCONTADAS 7 S...0 CRÉDITOS VENCIDOS E NÃO LIQUIDADOS 8 S.. OUTROS CRÉDITOS 9 S...0 BANCOS CONTA VINCULADA 0 S...0 TITUOLOS A RECEBER S...0 CHEQUES EM COBRANÇA S...0 DIVIDENDOS A RECEBER S...0 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES S...06 ADIANTAMENTO A EMPREGADOS ADIANTAMENTO DE SALÁRIO ADIANTAMENTO DE º SÁLARIO 7 S...07 EMPRÉSTIMO A EMPREGADOS 8 S...08 TRIBUTOS A RECUPERAR/COMPENSAR IPI A RECUPERAR ICMS A RECUPERAR IRRF A RECUPERAR IMPOSTO DE RENDA PAGO POR ESTIMATIVA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGA ESTIMATIVA TRIBUTOS PAGOS A MAIOR OU INDEVIDAMENTE CONTRIBUIÇÃO SOCIAL RETIDO A COMPENSAR COFINS RETIDO A COMPENSAR PIS RETIDO A COMPENSAR INSS A COMPENSAR BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL A COMPENSAR COFINS A RECUPERAR PIS A RECUPERAR COFINS A RECUPERAR - CRÉDITO PRESUMIDO PIS RECUPERAR - CRÉDITO PRESUMIDO ISS A RECUPERAR S...09 JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO A RECEBER 6 S.. APLICAÇÕES FINANCEIRAS 7 S...0 APLICAÇÕES FINANCEIRAS REND. PREFIXADOS APLICAÇÕES BANCO DO BRASIL 9 S...0 AÇÕES 0 S...0 DEBÊNTURES VALOR NOMINAL (-) DESÁGIO A APROPRIAR S.. ESTOQUE S...0 MERCADORIAS, PRODUTOS E INSUMOS MERCADORIAS PARA REVENDA MATÉRIA-PRIMA

2 / MATRIAL DE ACONDICIONAMENTO OUTROS MATERIAIS DE CONSUMO INDUSTRIAL PRODUTOS ACABADOS PRODUTOS EM ELABORAÇÃO 6 S...0 ALMOXARIFADO ALMOXARIFADO DE MANUTENÇÃO ALMOXARIFADO ADMINISTRATIVO 6 S...0 (-) PROVISÃO PARA AJUSTES DO ESTOQUE 6 S..6 DESPESAS PAGAS ANTECIPADAMENTE 66 S..6.0 DESPESAS DE MESES SEGUINTES PREMIOS DE SEGUROS A APROPRIAR ASSINATURAS E ANUIDADES 69 S. ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 70 S.. CLIENTES 7 S...0 DUPLICATADAS A RECEBER CLIENTE B CLIENTE C 7 S...0 (-) DUPLICATAS DESCONTADAS 7 S...0 (-) CRÉDITOS VENCIDOS E NÃO LIQUIDADOS 76 S.. OUTROS CRÉDITOS 77 S...0 TÍTULOS A RECEBER 78 S...0 BANCOS CONTA VINCULADA 79 S...0 CONTROLADORA, CONTROLADAS E COLIGADAS 80 S...0 SÓCIOS, ADMINISTRADORES E PESSOAS LIGADA 8 S...0 APLICAÇÕES FINANCEIRAS 8 S...06 DEPÓSITOS JUDICIAIS 8 S...07 EMPRÉSTIMOS COMPULSÓRIOS 8 S...08 TRIBUTOS A RECUPARAR 8 S...09 DESPESAS PAGAS ANTECIPADAS 86 S...0 DEPÓSITOS POR INCENTIVOS FISCAIS 87 S. ATIVO PERMANENTE 88 S.. INVESTIMENTOS 89 S...0 CONTROLADAS E COLIGADAS - EQUIV. PATRIM CONTROLADA A - VALOR PATRIMONIAL CONTROLADA A - ÁGIO AQUISIÇÃO (-) CONTROLADA A - AMORTIZAÇÃO DO ÁGIL (-) CONTROLADA A - DESÁGILO NA AQUISIÇÃO CONTROLADA A - AMORTIZAÇÃO DO DESÁGIO 9 S...0 CONTROLADAS E COLIGADAS CUSTO CORRIGIDO 96 S...0 OUTRAS PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS 97 S...0 PARTICIPAÇÕES POR INCENTIVOS FISCAIS FINOR FINAM 00 S...0 IMÓVEIS NÃO DESTINADOS AO USO 0 S...06 OUTROS INVESTIMENTOS PERMANENTES OBJETOS DE ARTE CAUÇÕES PERMANENTES 0 S...07 (-) PROVISÃO PARA PERDAS PERMANENTE (-) CONTROLADAS E COLIGADAS EQUI. PATRIM (-) CONTROLADAS COLIGADAS CUSTO CORRIGID (-) OUTRAS PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS (-) PARTICIPAÇÕES POR INCENTIVOS FISCAIS (-) IMÓVEIS NÃO DESTINADOS A USO (-) OUTROS INVESTIMENTOS PERMANENTES S.. IMOBILIZADO S...0 IMÓVEIS TERRENOS CONSTRUÇÕES

3 / EDIFÍCIOS 6 S...0 MÓVEIS E UTENCÍLIOS MÓVEIS E UTENCÍLIOS 8 S...0 MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 0 S...0 VEICULOS VEÍCULOS S...0 RECURSOS NATURAIS S...06 MARCAS, DIREITOS E PATENTES S...08 IMOBILIZADO EM ANDAMENTO S...09 (-) DEPRECIAÇÕES, AMORT. E EXAUS. ACUMUL (-) DEPRECIAÇÕES DE EDIFÍCIOS (-) DEPRECIAÇÕES DE MÓVEIS E UTENCÍLIOS (-) DEPRECIAÇÕES DE MÁQUINAS, EQUIP. FER (-) DEPRECIAÇÕES DE VEICULOS (-) EXAUSTÕES E DEPREC. DE REC. NATURAIS (-) AMORTIZAÇÃO DE MARCAS, DIR. PATENTES S.. ATIVO DIFERIDO S...0 GASTOS PRÉ-OPERACIONAIS ADMINISTRATIVOS DE ORGANIZAÇÃO FINANCEIROS 7 S...0 GASTOS COM PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GASTOS GERAIS FINANCEIROS 0 S...0 GASTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE NOVOS SISTEMA GASTOS GERAIS FINANCEIROS S...0 BENEFEITORIAS EM PROPEIEDADE DE TERCEIRO S...0 (-) AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS (-) AMORTIZAÇÕES DE GASTOS PRÉ-OPERAC (-) AMORTIZAÇÕES DE GASTOS PESQ. DESENV (-) AMORTIZAÇÕES DE GASTOS NOVOS SISTEMA (-) AMORTIZAÇÕES DE BENEF. EM PROP. TERC 9 S PASSIVO 0 S. PASSIVO CIRCULANTE 8 S.. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS S...0 EMPRESTIMOS EMPRÉSTIMO BANCO BRASIL S...0 EMPRÉSTIMO ESTRANGEIRO S...0 FINANCIAMENTOS FINANCIONAMENTO BANCO FINASA 6 S...0 FINANCIAMENTOS ESTRANGEIROS 7 S...0 TITULOS A PAGAR 8 S...06 ADIANTAMENTOS SOBRE CONTRATOS DE CÂMBIO 9 S...07 CONTROLADORA, CONTROLADAS E COLIGADAS 60 S.. DEBÊNTURES 6 S...0 DEBÊNDUTES CONVERSÍVEIS EM AÇÕES 6 S...0 DEBÊNTURES NÃO CONVERSÍVEIS 6 S...0 (-) DESÁGIO A APROPRIAR 6 S.. FORNECEDORES 6 S...0 FORNCEDORES FORNECEDOR RS FORNECEDOR SC

4 / S...0 FORNCEDORES ESTRANGEIROS 69 S.. OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS 70 S...0 IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES A RECOLHER IPI A RECOLHER ICMS A RECOLHER ISS A RECOLHER PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA PROVISÃO P/ CONTRIBUIÇÃO SOCIAL S/ LUCRO IMPOSTO DE RENDA A RECOLHER CONTRIBUIÇÃO SOCIAL A RECOLHER IRRF A RECOLHER PIS A RECOLHER COFINS A RECOLHER PROVISÃO PARA IOF CRF A RECOLHER ISS RETIDO A RECOLHER INSS RETIDO A RECOLHER SIMPLES A RECOLHER SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA A RECOLHER REFIS A RECOLHER FIA A RECOLHER PIS RETIDO A RECOLHER COFINS RETIDO A RECOLHER CONTRIBUIÇÃO SOCIAL RETIDA A RECOLHER FUNRURAL A RECOLHER CONTRIBUIÇÃO SINDICAL A RECOLHER 8 S.. OBRIGAÇÕES TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA 86 S...0 OBRIGAÇÕES COM O PESSOAL SALÁRIOS E ORDENADOS A PAGAR PRÓ-LABORE A PAGAR GRATIFICAÇÕES A PAGAR 90 S...0 OBRIGAÇÕES PREVIDÊNCIARIAS INSS A RECOLHER FGTS A RECOLHER 9 S...0 PROVISÕES PROVISÕES PARA FÉRIAS PROVISÕES PARA º SALÁRIO INSS SOBRE PROVISÕES PARA FÉRIAS INSS SOBRE PROVISÕES PARA º SALÁRIO FGTS SOBRE PROVISÕES PARA FÉRIAS FGTS SOBRE PROVISÕES PARA º SALÁRIO 00 S..6 OUTRAS OBRIGAÇÕES 0 S..6.0 ADIANTAMENTOS A CLIENTES 0 S..6.0 CONTAS A PAGAR 0 S..6.0 ENERGIA ELÉTRICA. AGÚA E TELEFONE A PAGA 0 S..6.0 CONTAS CORRENTES 0 S..6.0 SEGUROS 06 S OUTRAS OBRIGAÇÕES 07 S..7 DIVIDENDOS, PART. E JURO SOBRE O CAPITAL 08 S..7.0 DIVIDENDOS DIVIDENDOS PROPOSTOS DIVIDENDOS A PAGAR S..7.0 PARTICIPAÇÕES PARTICIPAÇÕES PROPOSTA A ADMINISTRADORES PARTICIPAÇÕES PROPOSTA A EMPREGADOS PARTICIPAÇÕES A PAGAR S..7.0 JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO A PAGAR 7 S. PASSSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

5 / S.. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 9 S...0 EMPRÉSTIMOS 0 S...0 EMPRÉSTIMOS ESTRANGEIROS S...0 FINANCIAMENTOS BANCO FINASA S/A S...0 FINANCIAMENTOS ESTRANGEIROS S...06 CONTROLADORA, CONTROLADAS E COLIGADAS 6 S...07 OUTROS DÉBITOS COM SÓCIOS, ADM, PESSOAS S... TÍTULOS A PAGAR 7 S.. FORNECEDORES 8 S...0 FORNCEDORES FORNECEDOR A FORNECEDOR B S...0 FORNCEDORES ESTRANGEIROS S.. OBRIGADÇÕES TRIBUTÁRIAS S...0 IMPOSTOS E CONTRUBIÇÕES A RECOLHER PROVISÃO PARA IR SOBRE LUCROS DIFERIDOS CRÉDITOS DA CLS SOBRE BENS DO ATIVO 6 S.. OUTRAS OBRIGAÇÕES 7 S...0 CONTAS A PAGAR 8 S. RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS 9 S.. RESULTADO OPERACIONAL 0 S...0 RECEITAS DE EXERCÍCIOS FUTUROS...0 CUSTOS E DESPESAS VINCULADAS AS RECEITAS S. PATRIMÔNIO LÍQUIDO S.. CAPITAL SOCIAL S...0 CAPITAL SUBSCRITO CAPITAL SOCIAL 6 S...0 (-) CAPITAL A INTEGRALIZAR CAPITAL A INTEGRALIZAR 8 S.. RESERVAS 9 S...0 RESERVAS DE CAPITAL CORREÇÃO MONETÁRIA DO CAP. INTEGRALIZADO ÁGIO NA EMISSÃO DE AÇÕES DOAÇÕES E SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS (-) AÇÕES/QUOTAS EM TESOURARIA S...0 RESERVA DE REAVALIAÇÃO REAVALIAÇÃO DE ATIVOS PRÓPRIOS REAVALIAÇÃO DE ATIVOS COLIGADAS 7 S...0 RESERVAS DE LUCROS RESERVA LEGAL RESERVA ESTATUTÁRIA RESERVA PARA CONTINGÊNCIAS RESERVA DE LUCROS A REALIZAR RESERVA ESPECIAL (-) AÇÕES/QUOTAS EM TESOURARIA 6 S.. LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS 6 S...0 LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS LUCROS ACUMULADOS (-) PREJUÍZOS ACUMULADOS RESULTADO DO EXERCÍCIO EM CURSO 69 S CONTAS DE RESULTADOS - CUSTOS E DESPESAS 70 S.. CUSTOS DIRETOS DE PRODUÇÃO 7 S...0 MATERIAL APLICADO MATÉRIA-PRIMA

6 / S...0 MÃO-DE-OBRA DIRETA SALÁRIOS E ORDENADOS PRÓ-LABORE PRÊMIOS DE GRATIFICAÇÕES º SALÁRIO FÉRIAS INSS FGTS INDENIZAÇÕES E AVISO PRÉVIO ASSITÊNCIA MÉDICA E SOCIAL 8 S.. CUSTOS INDIRETOS DE PRODUÇÃO 8 S...0 MÃO-DE-OBRA INDIRETA 8 S...0 MATERIAIS DE CONSUMO INDIRETO 87 S...0 MATERIAIS DE MANUTENÇÃO E REPARO 86 S...0 UTILIDADES E SERVIÇOS 88 S...0 ALUGUEIS E ARRENDAMENTOS 89 S...06 DEPRECIAÇÕES, AMORTIZAÇÕES E EXAUSTÕES DEPRECIAÇÃO 90 S...07 CONBUSTÍVEIS E ENERGIA ELÉTRICA COMBUSTÍVEL 9 S.. CUSTOS DIRETOS DA PRODUÇÃO DE SERVIÇOS 9 S...0 MÃO-DE-OBRA DIRETA 9 S. DESPESAS OPERACIONAIS COMISSÕES 96 S.. DESPESAS COM VENDAS 97 S...0 DEPESAS COM PESSOAL SALÁRIOS E ORDENADOS PRÓ-LABORE PRÊMIOS E GRATIFICAÇÕES º SALÁRIO FÉRIAS INSS FGTS INDENIZAÇÕES E AVISO PRÉVIO ASSINTÊNCIA MÉDICA E SOCIAL 07 S...0 COMISSÕES SOBRE VENDAS 09 S...0 PROPAGANDA E PUBLICIDADE AMOSTRAS GRÁTIS S...0 DESPESAS COM ENTREGA FRETES E CARRETOS MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS S...0 DESPESAS COM VIAGENS E REPRESENTAÇÕES VIAGENS TERRESTRES VIAGENS AEREAS HOSPEDAGEM REFEIÇÕES 9 S...06 DESPESAS GERAIS ALUGUÉIS MANUTENÇÃO E REPARO TELEFONE DESPESAS POSTAIS E TELEGRÁFICAS DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES SERVIÇOS PRESTADOS POR TERCEIROS SEGUROS 7 S...07 PERDAS NO RECEBIMENTO DE CRÉDITOS CRÉDITOS VENCIDOS E NÃO LIQUIDADOS

7 / S.. DESPEAS ADMINISTRATIVAS 0 S...0 DESPESAS COM PESSOAL SALÁRIOS E ORDENADOS PRÓ-LABORE PRÊMIOS E GRATIFICAÇÕES º SALÁRIO FÉRIAS INSS FGTS INDENIZAÇÕES E AVISO PRÉVIO ASSINTÊNCIA MÉDICA E SOCIAL VALE TRANSPORTE 0 S...0 ALUGUÉIS E ARRENDAMENTOS ALUGUÉIS DE IMÓVEIS ALUGUÉIS DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS ARRENDAMENTO MERCANTIL (LEASING) S...0 IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES PIS COFINS ITPU IPVA TAXAS DIVERSAS CPMF MULTAS DE MORA S...0 DESPEAS GERAIS ENERGIA ELÉTRICA ÁGUA E ESGOTO TELEFONE DESPESAS POSTAIS E TELEGRÁFICAS SEGUROS MATERIAL DE ESCRITÓRIO MATERIAL DE HIGIENE E LIMPEZA ASSISTÊNCIA CONTÁBIL SERVIÇOS PRESTADOS POR TERCEIROS DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES REPRODUÇÕES DESPESAS LEGAIS E JUDICIAIS LIVROS, JORNAIS E REVISTAS MULTA DE TRÂNSITO 67 S...0 DESPESAS FINANCEIRAS JUROS PASSIVOS VARIAÇÕES MONETÁRIAS PASSIVAS VARIAÇÕES CAMBIAIS PASSIVAS DESCONTO CONCEDIDOS JUROS DE MORA JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO JUROS E COMISSÕES BANCÁRIAS JUROS SOBRE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 76 S...06 OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS PROVISÕES P/ PERDAS E A JUSTES DE ATIVOS EQUIVALENCIA PATRIMONIAL AMORTIZAÇÃO DE ÁGIO 80 S. DESPESAS NÃO OPERACIONAIS 8 S.. RESULTADOS NÃO OPERACIONAIS 8 S...0 RESULTADOS NEGATIVOS NA ALIEN. DE INVEST PERDAS NA ALIENAÇÃO EM PAR. EM COLIGADAS 8 S...0 RESULTADO NEGATIVO NA ALIENAÇÃO DO IMOB PERDAS NA ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS

8 / PERDAS NA ALIENAÇÃO DE MÓVEIS E UTENC PERDAS NA ALIENAÇÃO DE MAQ. EQUIPAMENTOS PERDAS NA ALIENAÇÃO DE VEICULOS 90 S...0 RESULTADO NEGATIVO DE SINISTRO COM IMOB PERDAS EM SINISTROS COM IMOBILIZADO 9 S...0 OUTRAS BAIXAS DO ATIVO PERMANENTE BAIXAS DE INVESTIMENTOS PERMANENTES BAIXAS DE IMOBILIZADO BAIXAS DE ATIVO DIFERIDO 96 S...0 PROVISÕES PARA PERDAS PERMANENTE CONTROLADAS E COLIGADAS - EQUIV. PATRIM CONTROLAS E COLIGADAS - CUSTO CORRIGIDO OUTRAS PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS 00 S...06 PERDAS POR FALTA NO INVENTÁRIO PERDAS POR FALTA NO INVENTÁRIO 0 S CONTAS DE RESULTADO - RECEITAS 0 S. RECEITAS OPERACIONAIS 0 S.. RECEITA BRUTA DE VENDAS E SERVIÇOS 0 S...0 RECEITA BRUTAS DE VENDAS E MERCADORIAS VENDA DE PRODUTOS VENDA DE PRODUTOS NO MERCADO EXTERNO VENDA DE MERCADORIAS VENDA DE MERCADORIAS NO MERCADO EXTERNO 0 S...0 RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SERVIÇOS PRESTADOS SERVIÇOS PRESTADO MERCADO EXTERNO S.. (-) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA S...0 (-) CANCELAMENTO E DEVOLUÇÕES (-) DEVOLUÇÃO DE VENDA DE PRODUTOS (-) DEV. VENDA DE PRODUTOS MERCADO EXT (-) DEVOLUÇÃO DE VENDA DE MERCADORIAS (-) DEV. VENDA DE MERCADORIAS MERC. EXT 9 S...0 (-) DESCONTOS INCONDICIONAIS (-) DESCONTO VENDA DE PRODUTOS (-) DESCONTO VENDA DE PRODUTO MERC. EXT (-) DESCONTO VENDA DE MERCADORIA (-) DESC. VENDA DE MERCADORIAS MERC. EXT S...0 (-) IMPOSTOS SOBRE VENDAS E SERVIÇOS (-) IPI (-) ICMS (-) ISS (-) COFINS (-) PIS (-) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL (-) IMPOSTO DE RENDA (-) SIMPLES (-) SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (-) REFIS (-) FIA 0 S.. RECEITAS FINANCEIRAS S...0 JUROS E DESCONTOS JUROS DE APLICAÇÕES JUROS ATIVOS (OUTROS) DESCONTOS FINANCEIROS OBITIDOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO

9 / MULTA 6 S...0 VARIAÇÕES MONETÁRIAS VARIAÇÕES MONETÁRIAS ATIVAS VARIAÇÕES CAMBIAIS ATIVAS 9 S.. RECUPERAÇÃO DE DESPESAS 0 S...0 RECUP. CRÉDITOS CONSIDERADOS INCOBRÁVEIS S...0 REVERSÃO DE PROVISÕES S.. OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS S...0 RECEITAS DIVERSAS ALUGUÉIS E ARRENDAMENTOS VENDAS ACESSÓRIAS RECEITA DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL DIVIDENDOS E LUCROS RECEBIDOS AMORIZAÇÃO DE DESÁGIO 9 S. RECEITAS NÃO OPERACIONAIS 0 S.. RESULTADOS NÃO OPERACIONAIS S...0 RESULTADOS POSIT. NA ALIEN. DE INVESTIM LUCROS NA ALIENAÇÃO DE PART. EM COLIGADA S...0 LUCROS NA ALIENAÇÃO DE IMOBILIZADO LUCROS NA ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS LUCROS NA ALIENAÇÃO DE MÓVEIS E UTENC LUCROS NA ALIEN. DE MÁQ. EQUIP. FERRAMEN LUCROS NA ALIENAÇÃO DE VEICULOS 8 S...0 RESULTADO DE SINISTROS COM IMOBILIZADO SINISTROS COM IMOBILIZADO 60 S CONTAS DE APURAÇÃO 6 S. CUSTOS DOS PRODUTOS E SERVIÇOS VENDIDOS 6 S.. CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS 6 S...0 CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS 6 S.. CUSTOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS 66 S...0 CUSTOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS CUSTOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS 68 S.. CUSTOS DAS MERCADORIAS VENDIDAS 69 S...0 CUSTOS DAS MERCADORIAS VENDIDAS CUSTOS DAS MERCADORIAS VENDIDAS 7 S.. APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO 7 S...0 APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO RESULTADO DO EXERCÍCIO GANHOS/PERDAS NA ALIENAÇÃO DE IMOB.

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Classificação CONTA 1. ATIVO 1. 1. ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. DISPONIBILIDADES 1. 1. 1. 01. CAIXA GERAL 1. 1. 1. 01. 1001 Caixa 1. 1. 1. 02. BANCOS CONTA

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01 1 1.00.00.00.000000 10000 **** A T I V O **** 01 1 1.01.00.00.000000 10050 CIRCULANTE 01 1.01 1.01.01.00.000000 10100 DISPONIBILIDADES 01 1.01.01 1.01.01.01.000000 10150 CAIXA 01 1.01.01.01.00 1.01.01.02.000000

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A)

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A) 6. PLANO DE CONTAS É apresentada abaixo a estrutura do Plano de Contas elaborada para o Manual de Contabilidade do Serviço Público de Exploração da Infraestrutura Rodoviária Federal. Legenda: (A) Rubrica

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Conta Descrição 30/06/2012 31/12/2011. 1 Ativo Total 13.041.716 13.025.168. 1.01 Ativo Circulante 955.080 893.603

Conta Descrição 30/06/2012 31/12/2011. 1 Ativo Total 13.041.716 13.025.168. 1.01 Ativo Circulante 955.080 893.603 Conta Descrição 0/06/0 //0 Ativo Total.0.76.05.68.0 Ativo Circulante 955.080 89.60.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 5.8 7.9.0.0.0 Bens Numerários.0.0.0 Depósitos Bancários.69 6..0.0.0 Aplicações Financeiras.9.5.0.0

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Cod.Normal Cód.Reduz. Grau Tipo Natureza Descrição 1. 1 1 S A ATIVO 1.1. 2 2 S AC ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. 3 3 S AC DISPONÍVEL 1.1.1.01. 4 4 S AC BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.001-5 5 A AC Caixa 1.1.1.01.002-6

Leia mais

PLANO DE CONTAS PADRÃO ANS

PLANO DE CONTAS PADRÃO ANS MICROFLEX Informática Folha 1 1 ATIVO 1.2 ATIVO CIRCULANTE 1.2.1 DISPONÍVEL 1.2.1.1 CAIXA 1.2.1.1.1 Caixa 1.2.1.1.1.9.1.0.0 Caixa 1.2.1.2 VALORES EM TRÂNSITO 1.2.1.2.1 Valores em Trânsito 1.2.1.2.1.9.1.0.0

Leia mais

ANEXO Capítulo II - Elenco Sintético das Contas 2013 ATIVO

ANEXO Capítulo II - Elenco Sintético das Contas 2013 ATIVO SUB 1 1 2 CIRCULANTE 1 2 1 DISPONÍVEL 1 2 1 1 CAIXA 1 2 1 1 1 CAIXA 1 2 1 1 1 9 CAIXA 1 2 1 1 1 9 0 1 CAIXA 1 2 1 1 1 9 0 1 1 Caixa 1 2 1 2 NUMERÁRIO EM TRANSITO 1 2 1 2 1 NUMERÁRIO EM TRANSITO 1 2 1 2

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Plano de Contas - Modelo

Plano de Contas - Modelo Plano de Contas - Modelo Ativo Passivo Contas De Compensação Passivas (CCP) Contas De Resultado Despesas Operacionais (DO) Provisão para o Imposto Sobre a Renda e Contribuição Social (PR) Participações

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação ESTATÍSTICAS TRIBUTÁRIAS Consolida DIPJ 2006 Consolidação da Declaração do Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Codificação 3. Abertura de Contas Novas 4. Manual de Contas 5. Estrutura e Classificação Das Contas Patrimoniais 6. Modelo

Leia mais

Divulgação: segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicação: terça-feira, 27 de janeiro de 2015. Tribunal Superior Eleitoral

Divulgação: segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicação: terça-feira, 27 de janeiro de 2015. Tribunal Superior Eleitoral Página 1 Divulgação: segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicação: terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Tribunal Superior Eleitoral Ministro José Antonio Dias Toffoli Presidente Ministro Gilmar Ferreira

Leia mais

Ano 2015, Número 018 Brasília, terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Página 1

Ano 2015, Número 018 Brasília, terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Página 1 Ano 2015, Número 018 Brasília, terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Página 1 Ano 2015, Número 018 Divulgação: segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicação: terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Tribunal

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE PLANO DE CONTAS Associações, Sindicatos e Outras Entidades. 1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. Disponibilidades 1.1.1.1. Caixa 1.1.1.2. Bancos c/ Movimento 1.1.1.3. Aplicações Financeiras 1.1.2. Créditos

Leia mais

PLANO DE CONTAS - GÁS NATURAL

PLANO DE CONTAS - GÁS NATURAL 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponibilidades 1.1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa 1.1.1.1.01 Caixa 1.1.1.1.02 Depósitos Bancários em Moeda Nacional 1.1.1.1.03 Contas de Poupança 1.1.1.1.04 Numerários

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Adiantamento para futuro Capital Prejuízos aumento Explicativa n o social acumulados Subtotal de capital Total SALDO EM 01 DE DEZEMBRO DE 2010 255.719.100

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

GRANDE ~ RECIFE CONSORCIO DE TRANSPORTE

GRANDE ~ RECIFE CONSORCIO DE TRANSPORTE GRANDE ~ RECIFE CONSORCIO DE TRANSPORTE Piano de Contas Anexo 20 -- grandev

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Art. 2º) A peça orçamentária e parte integrante desta resolução.

Art. 2º) A peça orçamentária e parte integrante desta resolução. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO FUnC RESOLUÇÃO 01/2010 FUnC Dispõe sobre o orçamento 2010 da FUnC. O Presidente da Fundação Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art.

Leia mais

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL EXERCÍCIO DE DFC 02 RAZÃO DAS CONTAS DO CAIXA E EQUIVALENTES (DISPONÍVEL) CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO (ATÉ 90 DIAS) CONTA BCO C/MOVIM Saldo Inicial: 1.000.000,00 10/01 Pela Aquisição

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

Folha: 1 Descrição Class.Externa Saldo Anterior Débito Crédito Saldo Atual

Folha: 1 Descrição Class.Externa Saldo Anterior Débito Crédito Saldo Atual Folha: 1 [1]ATIVO [1-1]ATIVO CIRCULANTE [1-1-1]ATIVO CIRCULANTE - FUNDO PARTIDÁRIO [1-1-1-01]DISPONÍVEL [1-1-1-01-02]BANCOS CONTA MOVIMENTO [1-1-1-01-02-01]BANCOS [1-1-1-01-02-01-01]BANCO DE BRASILIA C/C:

Leia mais

FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 Período: 01/05/13 a 31/05/13

FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 Período: 01/05/13 a 31/05/13 FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 17 T 1 ATIVO 42.807.744,57D 5.912.830,23 5.858.043,39 42.862.531,41D 23 T 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.202.794,33D 5.390.052,54 5.127.142,48 2.465.704,39D 30 T

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped)

Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped) Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped) Código Descrição Analítica Patrim. Natureza 1 *** Ativo *** X Devedora 101 Ativo Circulante X Devedora 10101 Disponibilidades

Leia mais

ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011

ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011 ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011 Anexo II TABELAS DE CÓDIGO E plano de contas referencial INTRODUÇÃO As tabelas de códigos internas ao Sped terão o seguinte leiaute (separados por ; ponto e vírgula):

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte EXERCÍCIOS PRÁTICOS - PLANILHAS DE CÁLCULOS CONTABILIZAÇÕES 1. Empréstimo Bancário Contabilização de empréstimo (Planilha 1), considerando que não houve despesas incrementais de captação, como taxas e

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - JUNHO/2015

BALANCETE ANALÍTICO - JUNHO/2015 : 1 1 ATIVO 6.696.323,89D 1.488.250,06 1.434.586,10 6.749.987,85D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 4.489.543,31D 1.482.146,36 1.418.329,94 4.553.359,73D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 4.192.202,67D 1.192.026,76 1.128.756,69

Leia mais

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO Conta do ATIVO 1 ATIVO 1. Circulante 1.. Disponível 1.. Realizável 1... Créditos 1... Estoques 1... Combustíveis 1... Lubrificantes 1... Peças, Acessórios, Materiais 1...

Leia mais

TOTAL DO ATIVO... 471.512,76 D TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 471.512,76 C

TOTAL DO ATIVO... 471.512,76 D TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 471.512,76 C BALANÇO PATRIMONIAL CNPJ: 11.228.471/0001-78 ATIVO PASSIVO PERÍODO DE ENCERRAMENTO:01/01/2012 ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE DISPONIBILIDADE VALORES EXIGIVEIS A CURTO PRAZO BENS NUMERARIOS DEPOSITOS

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

*** BALANCETE DE VERIFICAÇÃO ***

*** BALANCETE DE VERIFICAÇÃO *** 0153 0001 ASSOCIACAO DO PESSOAL DA CAIXA ECONOMICA FEDERAL MT Folha: 00002 Hora: 09:04:24 1 A T I V O 464.388,49-D 134.241,69 186.389,95 412.240,23-D 1.10 ATIVO CIRCULANTE 164.587,49-D 131.014,69 186.389,95

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Março / 2013. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Março / 2013. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 1.543.261,71 238.294,47 513.920,19 1.267.635,99 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 693.440,20 144.392,35 429.891,01 407.941,54 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 91.806,07 71.672,46 44.422,16

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c = (a-b)

Leia mais

============================================================================================================================

============================================================================================================================ 01/02/2015 a 28/02/2015 Folha:1 1 203 Ativo 27.205.825,51 33.646.052,26 31.176.612,07-29.675.265,70 1.01 204 Circulante 21.524.160,64 32.787.953,60 30.593.987,96-23.718.126,28 1.01.01 205 Caixa e Equivalentes

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza ATIVO Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1.0.0.00.00.00 1.1.1.1.0.00.00.00 1.1.1.1.1.00.00.00 1.1.1.1.1.01.00.00 CAIXA

Leia mais

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 DUDALINA S/A BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO DE 2014 (Valores expressos em milhares de reais) Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01446-0 BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS 73.178.600/0001-18 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01446-0 BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS 73.178.600/0001-18 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

ECF - PLANO REFERENCIAL - VERSAO 8 - TABELA - PJ em Geral

ECF - PLANO REFERENCIAL - VERSAO 8 - TABELA - PJ em Geral ECF - PLANO REFERENCIAL - VERSAO 8 - TABELA - PJ em Geral 1 ATIVO 1.01 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 DISPONIBILIDADES 1.01.01.01 CAIXA GERAL 1.01.01.01.01 Caixa Matriz 1.01.01.01.02 Caixa Filiais 1.01.01.02

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

CREFITO/MT Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56

CREFITO/MT Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 1.474.008,93D 717.680,43 804.036,65 1.387.652,71D 1.1 - ATIVO

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Planejamento Financeiro Aula 2 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Definição da quantidade de capital para investimento Movimentações financeiras constituem o patrimônio da empresa O bom planejamento

Leia mais

FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 Período: 01/01/11 a 31/01/11

FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 Período: 01/01/11 a 31/01/11 FUNDACAO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE Folha: 1 17 T 1 ATIVO 41.752.495,74D 4.036.938,36 4.262.358,02 41.527.076,08D 23 T 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.250.072,51D 3.944.278,77 4.201.929,51 992.421,77D 30 T 1.1.01

Leia mais

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL EXERCÍCIO DE DFC 03 RAZÃO DAS CONTAS DO CAIXA E EQUIVALENTES (DISPONÍVEL) CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO (ATÉ 90 DIAS) CONTA BCO C/MOVIM Saldo Inicial: 2.270.700,00 10/01 Pela Aquisição

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 ITR Informações Trimestrais 30/06/2012 NEOENERGIA S.A Versão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial

Leia mais

Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. 31 de março de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. 31 de março de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demosntrações Financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Balanços patrimoniais...

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 2 - Lucro Presumido

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 2 - Lucro Presumido 1 ATIVO 1.01 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 DISPONIBILIDADES 1.01.01.01 CAIXA GERAL 1.01.01.01.01 Caixa Matriz 1.01.01.01.02 Caixa Filiais 1.01.01.02 DEPÓSITOS BANCÁRIOS À VISTA 1.01.01.02.01 Bancos Conta Movimento

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo

ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo Prof. Luciano Moura 1 de 6 (Questão Inédita ) As contas escrituradas no livro razão da empresa Aprovados S/A,

Leia mais

Balancete de Verificação De 01/08/2014 até 31/08/2014

Balancete de Verificação De 01/08/2014 até 31/08/2014 Folha 1 ATIVO CAIXA 1.1.1.01.001 CAIXA 3.695,75D 1.488,01 1.583,65 3.600,11 D Total do Grupo 3.695,75D 1.488,01 1.583,65 3.600,11 D BANCO CTA MOVIMENTO 1.1.1.02.001 BANCO BRASIL AG 1622-5 CC 11766-8 ACOLHIMENTO

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014 Ficha 01 - Dados Iniciais CNPJ: Situação da Declaração: Normal

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

CRP/PA Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20

CRP/PA Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20 Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 723.347,50D 3.344.572,02 3.148.733,90 919.185,62D 1.1 - ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

1 0001 ATIVO 9.896.721,29 153.304.361,34 (150.247.920,65) 12.953.161,98

1 0001 ATIVO 9.896.721,29 153.304.361,34 (150.247.920,65) 12.953.161,98 WWF BRASIL Balancete Contábil Sintético Grau 5 01/01/2005 a 31/12/2005 Pag.: 1 1 0001 ATIVO 9.896.721,29 153.304.361,34 (150.247.920,65) 12.953.161,98 1.1 0002 ATIVO CIRCULANTE 8.863.441,44 152.407.272,13

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

A EMPRESA REALIZOU COMPRAS DE IMOBILIZADO (sem crédito de ICMS) CONFORME ABAIXO:

A EMPRESA REALIZOU COMPRAS DE IMOBILIZADO (sem crédito de ICMS) CONFORME ABAIXO: PROJETO INTERDISCIPLINAR 2011.01 INFORMAÇÕES PARA O BALANÇO 03 CONSIDERANDO QUE O SEU GRUPO CONSTITUI UMA EMPRESA QUE PRODUZ, COMERCIALIZA PRODUTO, MERCADORIAS, E PRESTA SERVIÇOS EM UMA DETERMINADA ÁREA;

Leia mais

Conta Especificação 2015 1 ATIVO 2.495.467,76 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.213.089,40 1.549.437,08

Conta Especificação 2015 1 ATIVO 2.495.467,76 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.213.089,40 1.549.437,08 Pág. : 1 ATIVO 1 ATIVO 2.495.467,76 1.827.298,27 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.213.089,40 1.549.437,08 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 348.629,69 125.969,11 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 348.629,69

Leia mais

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Curso de Contabilidade Básica com Prof Elias Cruz: maio/2010 (Manaus/AM); julho/2010 (Natal/RN);... Aguardem!!! Prova de (Prova elaborada pela ESAF

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

11 A redução nas taxas de juros que afetem o retorno necessário. 12 O cálculo do valor em uso de uma unidade geradora de caixa

11 A redução nas taxas de juros que afetem o retorno necessário. 12 O cálculo do valor em uso de uma unidade geradora de caixa De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A.

Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A. Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A. Período de sete meses findo em 31 de julho de 2009 e exercício findo em 31 de com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações

Leia mais