Prof. Carlos Barretto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Carlos Barretto"

Transcrição

1 Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto

2 Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética e a responsabilidade social da contabilidade; equilíbrio entre a teoria e prática contábil de modo a gerar informações relevantes para fins de tomada de decisões.

3 Objetivos gerais Apresentar uma síntese das principais operações relacionadas à contabilidade tendo em vista o registro contábil, culminando com a elaboração das demonstrações.

4 Módulo I Introdução. Início das atividades. Módulo II Razonetes. Demonstração dos resultados do exercício findo em 31/12/2008. Balanço patrimonial (31/12/08). Atividades operacionais. Atividades de investimentos. Atividades de financiamento.

5 Módulo III Início das atividades operacionais. Contratação de pessoal. Folha de pagamento. Módulo IV Contabilização. Demonstração de resultados. Balanço patrimonial (31/12/2009). Demonstração das mutações do patrimônio líquido.

6 Módulo I Introdução A Comércio de Eletrodomésticos CFC Ltda. Iniciou suas atividades em 01/12/2008, com capital inicial de $ subscritos e integralizados em dinheiro, depositados em conta corrente da pessoa jurídica constituída pelos sócios Álvaro Almeida e Lurdes Sandoval que possuem 50 % das quotas cada um: Lançamento 1 D - Banco: C - Capital social: Os sócios resolveram que a partir de janeiro de 2009, fariam retiradas de prólabore no valor de $ 1500 cada um.

7 Módulo I Início das atividades Em 02/12/2008, os sócios firmaram contrato de locação de um imóvel para servir como sede da empresa, com prazo de 12 meses, pelo valor de $ mensais. As mensalidades seriam pagas no dia 02 de cada mês. O locador exigiu o pagamento imediato de quatro mensalidades do aluguel: Lançamento 2 D Despesas de aluguel: l D Despesas antecipadas: C Banco:

8 Módulo I Início das atividades Em 10/12/2008, adquiriram mesas,cadeiras, armários à vista, totalizando $ (Lanç 3). Em 15/12/2008, efetuaram despesas com instalações do galpão no valor de $ (Lanç 4). Lançamento 3 D - Móveis e utensílios: C Banco: Lançamento 4 D Instalações: C Banco:

9 Módulo I Início das atividades Em 15/12/2008, adquiriram equipamentos de informática por $ , pagos à vista (Lanç 5). Em 18/12/2008, o escritório de contabilidade A&P foi contratado para fazer a contabilidade da empresa e os honorários de $ 600 seriam pagos dia 30 de cada mês (Lanç 6). Lançamento 5 D - Equipamentos de informática: C Banco: Lançamento 6 D - Despesas com serviços de terceiros: 600. C Banco: 600.

10 Módulo I Início das atividades Em 20/12/2008, adquiriram mercadorias para revenda: 30 geladeiras a $ 800 cada; 04 fogões a $ 500 cada. Essa compra foi paga metade no ato (banco) e o restante (fornecedores) para 20/01/2009. Incide sobre o valor unitário de cada mercadoria adquirida 18% de ICMS e 5 % de IPI. Considerando que a empresa é tributada pelo lucro real, possui ainda o direito de crédito de PIS e COFINS sobre a aquisição das mercadorias adquiridas na ordem de 1,65% de PIS e 7,6% de COFINS (lanç 7).

11 Módulo I Início das atividades Lançamento 7 D Estoque de geladeiras: D Estoque de fogões: 1.741,60. D ICMS a recuperar: 4.723,20. D PIS a recuperar: 432,96. D Cofins a recuperar: 1.994,24. C Banco: C Fornecedores:

12 Módulo I Início das atividades 30 geladeiras a $ 800 cada = $ IPI 5 % = $ = $ ICMS 18% = ($ 4.320) PIS 1,65% = ($ 396) Cofins 7,6 % = ($1.824) Estoque de geladeiras = $ fogões a $ 560 cada = $ IPI 5 % = $ 112 = $ ICMS 18% = ($ 403,20) PIS 1,65% = ($ 36,96) Cofins 7,6 % = ($ 170,24) Estoque de geladeiras = $ 1.741,60

13 Módulo I Depreciação A empresa adota o critério de depreciação a partir do mês de aquisição de seu imobilizado (lanç 8). A vida útil dos bens é: móveis e utensílios = 10 anos; instalações = 10 anos; equipamentos de informática = 5 anos. A empresa é tributada pelo lucro real.

14 Módulo I Depreciação Móveis e utensílios = $ /120 meses x 1 mês = $ 125. Instalações = $ 5.000/120 meses x 1 mês = $ 41,67. Equipamentos de informática = $ /60meses x 1 mês = $ 350 = $ 516,57. Lançamento 8 D - Despesas de depreciação: 516,67. C Depreciação acumulada: 516,67.

15 Interatividade Tendo em vista o estudo de caso sobre a Comércio de Eletrodomésticos CFC Ltda, temos que: a) O lançamento da constituição da empresa com capital inicial de $ , é: D Banco = ; C Capital Social = b) A despesa de aluguel de $ por mês, sendo pagas de imediato 4 mensalidades do aluguel é contabilizada: D Despesas de aluguel = ; D despesas antecipadas =7.500 ; C Banco = c) O IPI de 5% que incide em 30 geladeiras a $ 800 cada é de $ d) As alternativas a e b estão corretas. e) Somente a alternativa a está correta.

16 Módulo II Razonetes dos lançamentos: Banco (1) (2) Capital Social (1) Desp. de aluguel (2) Desp. antecipadas (2) 7500

17 Módulo II Razonetes dos lançamentos: Banco Móveis e utensílios (1) (2) (3) 15,000 (4) (5) (3) 15,000 (4) Instalações Desp. antecipadas (5)

18 Módulo II Razonetes dos lançamentos: Banco Desp. Serviços de 3º (1) (2) (3) 15,000 (4) (5) (6) 600,00 (7) (6) 600,00 (7) Fornecedores

19 Módulo II Razonetes dos lançamentos: ICM a recuperar (7) 4.723,20 PIS a recuperar (7) 432,96 COFINS a recuperar (7) 1.994,24 Desp. de depreciação (8) 516,17 Depreciação Acumulada (8) 516,17

20 Módulo II Razonetes dos lançamentos (contas de resultado): Despesas de aluguel Desp. com serv. 3º (2) (a) (6) 600 (b) 600 Desp. de depreciação Prejuízo acumulado (8) 516,67 (e) 516,67 Prejuízo acumulado (d) 3.616,6 (a) (b) 600 (c) 516, ,67 (d) 3.616,6 6

21 Módulo II Demonstração do resultado do exercício findo em 31/12/2008: - Receita bruta de vendas xxxxxx - Deduções da receita de vendas - Devoluções xxxxx - Abatimentos xxxxx - Descontos incondicionais xxxx - ICMS xxxx - PIS xxxx - Cofins xxxx = Receita líquida de vendas xxxxx

22 Módulo II Demonstração do resultado do exercício findo em 31/12/2008: = receita liquida de vendas xxxx (-) custo das mercadorias vendidas xxxx = lucro bruto xxxx; (-) aluguel (2.500) (-) serviços de terceiros (600) (-) depreciação (516,67) = resultado operacional (3.616,67); 67); (-) provisão para IR (-) provisão para contr. social = resultado liquido do exercício (3.616,67).

23 Módulo II Balanço patrimonial: ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE ,00 - Banco Fornecedores ,00 - ICM a rec PIS a rec. 432,96 - Cofins a rec ,24 - Estoques Fogões 1.741,60 geladeiras , Despesas antecipadas 7.500,00

24 Módulo II Balanço patrimonial: ATIVO PASSIVO NÃO ,33 CIRCULANTE ,00 CIRCULANTE Imobilizado ,33 Fornecedores ,00 Moveis e utensílios PATRIMÔNIO LÍQUIDO ,33 Instalações Cap. social Equipamento de informática Depreciação acumulada Total do ATIVO Prejuízo acumulado - 516, Total do PASSIVO + PL , ,33

25 Módulo II Demosntração das mutações do patrimônio líquido: Moviment. Cap. Res cap Saldo 01/12/2008 Cap. social Lucro do exercício Saldo disp. 31/12/08 Aju sav patr Res Lucro ou prej. Ac. Total , , , ,33

26 Módulo II Demonstração do fluxo de caixa - método direto Atividades operacionais: recebimento de clientes; recebimento de juros; duplicatas descontadas; pagamentos: fornecedores (14.376); Impostos; salários; despesas pagas antecipadamente (10.000); = caixa líquido consumido nas atividades operacionais

27 Módulo II Demonstração do fluxo de caixa - método direto Atividades de investimento: recebimento pela venda de imobilizado; pagamento pela compra de imobilizado (41.000); = caixa líquido consumido nas atividades de investimento (41.000).

28 Módulo II D t ã d fl d i ét d Demonstração do fluxo de caixa - método direto Atividades de financiamento: aumento de capital (constituição) ; empréstimo de curto prazo; pagamento de dividendos; = caixa liquido gerado nas atividades de financiamento ; aumento liquido no caixa e equivalente de caixa ; saldo de caixa e equivalente de caixa em 01/12/08 0; saldo de caixa e equivalente de caixa em 31/12/

29 Interatividade Tendo em vista o estudo de caso sobre a Comércio de Eletrodomésticos CFC Ltda, temos que: a) O saldo de caixa: Banco = D: não é o mesmo da demonstração do fluxo de caixa: aumento líquido no caixa e equivalente de caixa. b) A empresa teve um resultado operacional de ( ) por ter elevadas despesas com vendas. c) As despesas antecipadas de $ correspondem ao pagamento adiantado de 3 meses de aluguel. d) Na demonstração da mutações do patrimônio líquido, a empresa apresentou um resultado negativo de 3.617,67, o que alterou o seu patrimônio líquido para ,67. e) O pagamento de fornecedores no valor de figura na demonstração do fluxo de caixa como atividade de investimento.

30 Módulo III Início das atividades operacionais Em janeiro de 2009 a empresa iniciou suas atividades operacionais, contratando 3 funcionários: NOME ADMISSÃO FUNÇÃO SALÁRIO DEPEND José Carlos 05/01/09 Vendedor , sendo 1 menor 14 a Catarino 05/01/09 Vendedor Não tem Manoel 05/01/09 Motorista Menores de 14 anos

31 Módulo III Início das atividades operacionais Dados adicionais As atividades da empresa oferecem um risco médio aos empregados no desenvolvimento de suas atividades. A contribuição a terceiros é de 5,8 %. O administrador Álvaro Ramos possui 1 dependente para fins de cálculo de IRRF.

32 Módulo III A administradora Lurdes não possui dependentes e cada administrador recebe um pro labore de $ 1.500,00. A empresa adquiriu vale transporte dos funcionários no dia 05/01/2009, à vista, no valor de $ 220,00. Para fins de estimativa de perda no recebimento de créditos a empresa adotou um percentual de 2,5% sobre o saldo da conta clientes em 31/12/09.

33 Módulo III Início das atividades operacionais Resumo da folha de pagamento Salários 5.893,34. Vale transporte - 13,20. INSS - 617,06. IRRF - 32,20. Líquido da folha 5.230,88. Pró labore 3.000,00. INSS - 330,00. Líquido pró labore 2.670,00.

34 Módulo III Início das atividades operacionais Resumo da folha de pagamento Encargos sociais: INSS: 20% 1.778,67 (5.893, X 20% ; RAT: 2% 117,87 (5.893,34 34 x 2 %). Terceiros: 5,8% 341,81 (5.893,34 x 5,8%). FGTS: 8% 471,47 (5.893,34 x 8%). TOTAL = 2.709,92. (Lançamentos de 1 a 9)

35 Módulo III Início das atividades operacionais Lançamento 1 D - Despesas de salários: 5.883,34. C - Salários a pagar: 5.883,34. Lançamento 2 D - Despesas com vale transporte: 220,00. C Banco: 220,00. Lançamento 3 D - Salários a pagar: 13,20. C Despesas com vale transporte: 13,20.

36 Módulo III Início das atividades operacionais Lançamento 4 D - Salários a pagar: 617,06. C - INSS a recolher: 617,06. Lançamento 5 D - Salários a pagar: 32,20. C IRRF: 32,20. Lançamento 6 D INSS: 2.238,35. C - INSS a recolher: ,35.

37 Módulo III Início das atividades operacionais Lançamento 7 D FGTS: 471,47. C - FGTS a recolher: 471,47. Lançamento 8 D - Pró-labore: 3.000,00. C - Pró-labore: a pagar 3.000,00. Lançamento 9 D - Pró-labore a pagar: 330,00. C - INSS a recolher: 330,00. 00

38 Módulo III Início das atividades operacionais No mesmo dia 5/01/09 a empresa fez as seguintes operações: uma operação de leasing com o Banco BBG de modo a possibilitar a aquisição de um veículo para entrega de mercadorias. O valor de cada uma das prestações (já incluídos encargos) financeiros totais de $ 6.000) era de $ A primeira prestação foi paga na data do contrato e as demais tem vencimento no mesmo dia dos meses subsequentes. A vida útil de veículos conforme legislação fiscal é de 5 anos (lançamentos de 10 a 12).

39 Módulo III Início das atividades operacionais Lançamento 10 D Veículos: D - Juros a apropriar: C Financiamento: Lançamento 11 D Financiamento: C Banco: Lançamento 12 D - Despesas financeiras: 150, C - Juros a apropriar: 150,00.

40 Módulo III Início das atividades operacionais Em 6/01/09,a empresa adquiriu 4 máquinas de lavar, à vista, pelo valor de $ 6.500, incidindo sobre esse valor 18% de ICMS e 5% de IPI. Nesse mesmo dia, vendeu a prazo 12 geladeiras por $ 1.750, cada, e todo seu estoque de fogões por $ cada. Sobre as vendas incide 18% de ICMS, PIS de 1,65% e Cofins de 7,6% (lançamentos 13 e 14).

41 Módulo III Início das atividades operacionais Lançamento 13 D - Estoque de máquinas de lavar: 4.813,09. D - ICMS a recuperar: 1.114,29. D - PIS a recuperar: 102,14. D - Cofins a recuperar: 470, C Fornecedores: 6.500,00. Lançamento 14 D Clientes: ,00. C - Receita de vendas: ,00. D CMV: 7.464,00. C - Estoque de geladeiras: 7.464,00. D CMV: 1.741,60. C - Estoque de Fogões: 1.741,60.

42 Módulo III Início das atividades operacionais Lançamento 14 D - ICMS sobre vendas: 4.521,60. C - ICMS a recolher: 4.521,60. D - PIS sobre vendas: 414,58. C - PIS a recolher: 414,58. D - Cofins sobre vendas: 1.909,12. C - Cofins a recolher: 1.909,12.

43 Módulo III Início das atividades operacionais A empresa adquiriu em 15/01/09, em 3 parcelas (ato, 30, 60 dias) mais 25 geladeiras por $ 860 cada, 15 fogões por 520 cada e 8 secadoras por 700 cada. Há incidência de 5% de IPI e 18% de ICMS sobre o valor unitário das mercadorias (lançamento 15). Em 21/01/09, vendeu 32 geladeiras, por cada ; 5 fogões por $ 1000 cada ; e 2 secadoras por $ cada da seguinte forma: 40% à vista e o restante para 30 dias. Sobre as vendas incide ICMS de 18%.(lançamento 16). Em 31/01/09, vendeu 5 secadoras por $ cada, à vista.(lançamento 17).

44 Módulo III Lançamento 15 D Estoque de geladeiras: ,25. D ICMS a recuperar: 3.870,00. D PIS a recuperar: 354,75. D Cofins a recuperar: 1.634,00. C Banco: C Fornecedores: D Estoque de fogões: 6.064,50. D ICMS a recuperar: 1.404,00. D PIS a recuperar: 128,70. D Cofins a recuperar: 592,80. C Banco: 2.730,00. C Fornecedores: 5.460,00. D Estoque de secadoras: 4.354,00. D ICMS a recuperar: 1.008,00. D PIS a recuperar: 92,40. D Cofins a recuperar: 425,60. C Banco: 1.960,00. C Fornecedores: 3.920,00.

45 Módulo III Lançamento 16 D Banco: ,00. C Clientes: ,00. C Receita Bruta de vendas: ,00. D CMV: ,91. C Estoque de geladeiras: ,91. D CMV: ,50. C Estoque de fogões: 2.021,50. D CMV: 1.088,50. C Estoque de secadoras: 1.088,50. D ICMS sobre vendas: ,00. C ICMS a recolher: ,00. D PIS sobre vendas: 1.082,40. C PIS a recolher: ,40. D Cofins sobre vendas: 4.985,60. C Cofins a recolher: 4.985,60.

46 Módulo III Lançamento 17 D Banco: C Receita bruta de vendas: D CMV: 2.721,25. C Estoque de secadoras: 2.721,25. D ICMS sobre vendas: 1.350,00. C ICMS a recolher: 1.350, D PIS sobre vendas: 123,75. C PIS a Recolher: 123,75. D - Cofins sobre vendas: 570,00. C Cofins a recolher: 570,00.

47 Módulo III Lançamento 18 D Despesas de constituição de PCLD: 1.612,00. C PCLD: 1.612,00. Lançamento 19 D Despesas de depreciação: ,00. C Depreciação acumulada: ,00. Lançamento 20 D Despesas de aluguel: C Despesas antecipadas: Lançamento 21 D Despesas com serv. Terceiros: C Banco: 600,00. Lançamento 22 D Fornecedores: ,00. C Banco: ,00.

48 Interatividade Tendo em vista o estudo de caso sobre a Comércio de Eletrodomésticos CFC Ltda., temos que: a) Os encargos sociais RAT de 2% sobre o salário de funcionários no valor de $ 5.893,34 34 importam em $ 117,87. b) O lançamento contábil do veículo adquirido pela empresa no valor de $ com juros de 6.000, é: D veículos ; D juros a apropriar ; C Financiamentos c) Sobre as vendas líquidas incide Cofins de 18% e IPI de 7,6 %. d) As alternativas a e b estão corretas. e) Somente a alternativa c está correta.

49 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): BANCO ICMS a recuperar , (A) ,00 PIS a recuperar 1.110, ,95 (B) Cofins a recuperar 5.117, ,12 (C)

50 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): Estoque de geladeiras Estoque de fogões , , , , , ,00 00 DESPESAS ANTECIPADAS 7.500, , ,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 516, , ,67

51 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): FORNECEDORES , , ,00 MOVEIS E UTENS INSTALAÇÕES 5.000,00 EQUIPAMENTOS DE INF ,00 (S) 5.000,00

52 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): CAPITAL SOCIAL LUCROS PREJ. ACUM ,67 684,08 (U) (S) 2.932,59 INSTALAÇÕES 5.000,00 EQUIPAMENTOS DE INF , ,00

53 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): DESP. DE SALÁRIOS SALÁRIOS A PAGAR 5.893, ,34 662, ,34 (D) 5.230,88 DESP. COM VALE TRANSP. ISS A RECOLHER 220,00 13, ,41 206,80 206,80 (E)

54 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): DESP. FINANCEIRAS 150,00 150,00 (F) ESTOQUE MAQ DE LAVAR 4.813,09 IRRF A RECOLHER 32, ,20 INSS 2.238, ,35 (G)

55 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): FGTS 471,47 471,47 (H) FGTS A RECOLHER 471,47 PRÓ-LABORE PRÓ-LABORE A PAGAR (I) 330, ,00)

56 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): VEÍCULOS JUROS A APROPRIAR , , ,00 FINANCIAMENTO CLIENTES 1.400, , , , ,00

57 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): RECEITA DE VENDAS CMV , ,76 (K) ESTOQUE DE SECADORAS ICM SOBRE VENDAS 4.354, , , ,60 (L)

58 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): RECEITA DE VENDAS CMV , ,76 (K) ESTOQUE DE SECADORAS ICM SOBRE VENDAS 4.354, , , ,60 60 (L) 544,25

59 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): ICMS A RECOLHER PIS SOBRE VENDAS (A) , , ,73 (M) 5.560,11 PIS A RECOLHER COFINS SOBRE VENDAS 1.110,95110 (B) 1.620, , ,72 72 (N) 509,78

60 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): COFINS A RECOLHER DESPESAS COM PCLD 5.117,12 (C) 1.612, ,72 1,612,00 (O) 2.347,60 PCLD DESPESAS DE ALUGUEL 1.612, , , , ,00 (P)

61 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): DESPESAS COM SERV 3º DESP. PARA PROV. PARA CONTINGÊNCIAS 600,00 982,20 982,20 (R) 600,00 600,00 (Q) PROV. PARA CONTING. DESPESAS PARA ESTOQUE 920,20 55,20 920,20 55,20 55,20 (S)

62 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): RESERVA LEGAL 716,47 (U) 716,47 DESP. DE DEPRECIAÇÃO , , ,00 (T) RES. PARA AJUSTE DE ESTOQUE 55,25 55,25 PROVI. PARA IR E CS 1.052,20 (XY)

63 Módulo IV Razonetes dos lançamentos (saldos das contas): RESULTADO DO EXERCÍCIO RESULTADO DO EXERCÍCIO (D) 5.893,34 (E) 206,80 (F) 150,00 (G) 2.238,35 (H) 471,47 (I) 3.000,00 (K) ,76 (L) ,60 (M) 1.620,73 (N) 7.464,72 (O) ,00 (P) 2.500,00 (Q) 600, ,00 (U) (R) 982,20 (S) 55,25 (T) , , ,00 (XY)1.052, ,78 (U) 684,08

64 Módulo IV DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 / 12 / 2009 RECEITA BRUTA DE VENDAS ,00 (-) Deduções da receita bruta devoluções abatimentos descontos incondicionais ICMS (17.679,60) PIS (1.620,73) Cofins (7.464,95) = RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS ,95 (-) Custo das mercadorias vendidas (35.808,76) = LUCRO BRUTO ,19

65 Módulo IV = LUCRO BRUTO ,19 (-) Salários (5.893,34) (-) Vale transporte (206,80) (-) Despesas Financeiras (1.500) (-) INSS (2.238,35) (-) FGTS (471,47) (-) Pro-labore (3.000,00) (-) PCLD (1.612,00) (-) Provisão para contingências (982,20) (-) Provisão para ajuste de estoque (55,25) (-) Aluguel (2.500) (-) Serviços de terceiros (600,00) (-) Depreciação (16.200,00) = RESULTADO OPERACIONAL 1,736,78

66 Módulo IV = RESULTADO OPERACIONAL 1.736,78 (-) Provisão para IR (657,94) (-) Provisão para contribuição social (394,76) = RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 684,08

67 Módulo IV Balanço Patrimonial: i ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Banco Fornecedores Clientes Salários a pg PCLD INSS a recolher Estoques IRRF a recolher 32,20 - Geladeiras FGTS a recolher 471,47 Fogões Pro-labore Maq de lavar Prov p/ir e CS Secadora de roupa PROV. PARA AJUSTES EST Despesas antecipadas 544,25 ICMS a recolher ,25 PIS a recolher 509, Cofins a recolher 2.347

68 Módulo IV Balanço Patrimonial: ATIVO NÃO CIRCULANTE PASSIVO Prov p/ conting. 982,20 Imobilizado Financiamentos ,00 Moveis e Utensílios Juros a apropriar ,00 Instalações Ptatr Liquido Equipamento de informática Cap. Social ,00 Veículos Prej. acumilados ,59 Depreciação acumulada Total do ATIVO ,76 TOTAL DO PASSIVO + PL ,76

69 Módulo IV DEMOSNTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO: MOVIMENT. CAP RES CAP AJUS AV PATR RES LUCRO OU PREJ AC TOTAL SALDO , , 01/12/2008 CAP. SOCIAL LUCRO DO EXERCÍCIO SALDO DISP 31/12/08 684,08 684, ,

70 Interatividade Tendo em vista o estudo de caso sobre a Comércio de Eletrodomésticos CFC Ltda., temos que: a) O razonete do Estoque de Fogões apresenta: D 7.806,10 ; C 3.763,10. O estoque é de 7.140,34. b) Sendo a receita bruta de vendas $ ,00, a receita líquida de vendas $ ,95 e o lucro bruto de $ ,19, o CMV é de $ 34,646,76. c) Para um resultado líquido do exercício de $ 648,08, um lucro bruto de $ ,19, o resultado operacional é de $1.736,78. d) As alternativas a e b estão corretas. e) Somente a alternativa a está correta.

71 ATÉ A PRÓXIMA!

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

UNISERCON. Contabilidade UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS

UNISERCON. Contabilidade UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS UNISERCON UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS CRC/RS3101 BALANÇO PATRIMONIAL ANALÍTICO EXERCÍCIO DE 2011 ooo - xxxxxxx- xxxxxx xx xxxxx xxxx (oo.ooo.oo/oooi-oo) CONTA Folha 1 SALDO 1 1. 1 1. 1. 01 1. 1. 01. 01

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo Apostila 2 de Contabilidade Geral I Prof. Ivã C Araújo 2013 Sumário 1 Procedimentos Contábeis... 3 1.1 Escrituração contábil... 3 1.1.1 Lançamentos Contábeis... 3 1.1.1.1 Fórmulas de Lançamentos... 3 1.2

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL EXERCÍCIO DE DFC 03 RAZÃO DAS CONTAS DO CAIXA E EQUIVALENTES (DISPONÍVEL) CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO (ATÉ 90 DIAS) CONTA BCO C/MOVIM Saldo Inicial: 2.270.700,00 10/01 Pela Aquisição

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos Prova de Conhecimentos Específicos Saldos para o Balancete de Verificação em 30/11/98 CONTA SALDO ($) Capital Social 10.000 Financiamentos imobiliários (curto prazo) 2.700 Caixa 250 Fornecedores (curto

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos (valor: 10 pontos)

Prova de Conhecimentos Específicos (valor: 10 pontos) Prova de Conhecimentos Específicos (valor: 10 pontos) Leia, atentamente, as informações que se seguem. A ENERGÉTICA COMÉRCIO LTDA. é uma empresa atacadista do setor alimentício e encerra Exercício Social

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO:Exercícios 02 (ICMS/Ceará Analista/ESAF): A empresa Comercial do Ponto Ltda., ao contabilizar a quitação por via bancária, de uma duplicata no valor de R$

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO MATRIZ E FILIAL A empresa Comércio Vai Bem Ltda, optante

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Contabilidade Geral Questões da FCC

Contabilidade Geral Questões da FCC Olá pessoal!!! Contabilidade Geral Questões da FCC Abaixo seguem duas questões comentadas da FCC cobradas no concurso do TRF da 2ª e 3ª região, ambos para o cargo de Analista Contador. Bons estudos, Roberto

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

0001 CNPJ: Código T Classificação Nome

0001 CNPJ: Código T Classificação Nome 000..678/000-9 S ATIVO S. ATIVO CIRCULANTE S.. DISPONIVEL S...0 CAIXA...0.00 CAIXA GERAL 6...0.00 FUNDO FIXO DE CAIXA 7 S...0 BANCOS CONTA MOVIMENTO 8...0.00 BANCO DO BRASIL 9...0.00 CAIXA ECONOMICA FEDERAL

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTA 01- Contexto Operacional: SIMPROEL Sindicato Municipal dos Profissionais em Educação de Lages - SC Fundado em 17/12/1997,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2010 2009 CIRCULANTE Caixa e bancos 422.947 20.723 Contas a receber 4 698.224 903.098 Outras contas a receber 5 3.304.465 121.908 Estoques 14.070

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais)

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais) ATIVO ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR CIRCULANTE Disponibilidades Aplicação Financeira 27.880 14.201 Caixa e Bancos 18 65 27.898 14.266 Contas a Receber Eletronet 59.145 59.145 Empresas Cedentes

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário 1 NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário Curso: Ciências Contábeis Período: 6º Turno: Noite Sala: 106 Departamento: Ciências Contábeis Faculdade: FACISA Disciplina: Contabilidade Fiscal e Tributária AVALIAÇÃO

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE,

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO Conta do ATIVO 1 ATIVO 1. Circulante 1.. Disponível 1.. Realizável 1... Créditos 1... Estoques 1... Combustíveis 1... Lubrificantes 1... Peças, Acessórios, Materiais 1...

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EXRCÍCIOS DIVERSOS SUMÁRIO EXERCÍCIOS EXTRAÍDOS DOS EXAMES DE SUFICIÊNCIA...2 EXERCÍCIOS EXTRAÍDOS DE CONCURSOS PÚBLICOS...33 QUESTÕES DE CONSOLIDAÇÃO...46 QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56. UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.302-390 CNPJ (MF) 40.853.020/0001-20 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31.12.2007 Mutações Capital

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais