DEFINIÇÃO DE MOTIVAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEFINIÇÃO DE MOTIVAÇÃO"

Transcrição

1 DEFINIÇÃO DE MOTIVAÇÃO MOTIVAÇÃO A motivação é caracterizada como um processo ativo, intencional e dirigido a uma meta, o qual depende da interação de fatores pessoais (intrínsecos) e ambientais (extrínsecos). (Samulski 1955)

2 DEGRAUS DA MOTIVAÇÃO Necessidades Fisiológicas: restabelecimento do equilíbrio orgânico. Funcionamento de um corpo físico e mental a serviço da sobrevivência. Necessidades de Segurança : viver dentro de padrões que garantam uma eventual necessidade futura que possa ser suprida. Ex. plano de saúde, seguro de vida, aposentadoria, etc... Necessidades de Pertencimento: estar ligado a grupos de determinadas ideologias, costumes, idéias. Sentir-se integrante de alguma comunidade. Necessidades de Reconhecimento: Ser o que os outros reconhecem em mim.buscar ser aceito, deixando de lado a própria essência em nome do reconhecimento externo. Necessidades de Auto-Realização: tornar-se independente do mundo externo, buscando a felicidade dentro das próprias convicções.

3 PREMISSAS DA MOTIVAÇÃO 1) MOTIVAÇÃO NASCE DAS NECESSIDADES HUMANAS. 2) TEMOS QUE ATINGIR O REPERTÓRIO MOTIVACIONAL DA PESSOA. 3) FATORES DE MOTIVAÇÃO SÃO ENERGIZADORES DO COMPORTAMENTO. 4) AS NECESSIDADES HUMANAS SÃO INSACIÁVEIS.

4 MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA E EXTRÍNSECA. Motivação extrínseca: O indivíduo participa de uma atividade física em busca de um resultado, em busca de desenvolvimento e crescimento, manter-se em forma para impressionar o sexo oposto, ou por recompensas ( mesmo que a atividade não seja prazerosa). Fatores que influenciam o individuo em relação a sua motivação extrínseca: Família, amigos, facilidades, desafios, influências sociais, mídia e torcida. Motivação intrínseca: O indivíduo se compromete e participa em uma atividade pelo prazer, pela satisfação em aprender, explorar, realizar, dominar habilidades difíceis, para experimentar sensações prazerosas ou pelo prazer estético. Os fatores que podem influenciar o indivíduo em relação a sua motivação intrínseca são: Personalidade, necessidade pessoal, motivos, metas e expectativas.

5 DIREÇÃO E INTENSIDADE DO ESFORÇO Intensidade do esforço: É a quantidade de esforço que uma pessoa coloca em determinada situação. Direção do esforço: É o fato de um indivíduo procurar, se aproximar ou ser atraído por certas situações. Direção e intensidade do esforço estão relacionadas uma com a outra, pois o individuo pode estar praticando uma atividade simplesmente por obrigação e então não irá intensificar seus esforços durante a prática como também pode haver a pessoa que está praticando com um objetivo determinado e então irá despender uma grande quantidade de energia durante a realização da atividade.

6 MOTIVAÇÃO PARA REALIZAÇÃO E COMPETIÇÃO Motivação para realização: É a motivação de um indivíduo para realizar atividades físicas com objetivo de melhorar o seu nível,superar limites, atingir saúde e bemestar,alcançar metas, entre outros.exemplo: Um corredor que fica satisfeito em apenas completar uma prova de maratona. Motivação para competição: É quando o indivíduo pratica a atividade física com o intuito de melhorar sua performance em relação a outros competidores, a marcas e tempos estabelecidos, ou seja aquela pessoa que treina para vencer uma prova ou competição. Exemplo: Um maratonista que fica insatisfeito ao chegar em segundo lugar ao final da maratona

7 ABORDAGENS DA MOTIVAÇÃO Visão centrada no traço: Afirma que o comportamento motivado se dá principalmente em função de características individuais. Ou seja, a personalidade, as necessidades e os objetivos das pessoas são os determinantes principais do comportamento motivado. Portanto, os técnicos freqüentemente descrevem um atleta como um verdadeiro vencedor, querendo dizer que esse individuo tem uma constituição pessoal que lhe permite sobressair-se nos esportes. Do mesmo modo, outro atleta pode ser descrito como um perdedor sem energia e entusiasmo.

8 VISÃO CENTRADA NA SITUAÇÃO Ao contrário da visão centrada no traço, a visão centrada na situação afirma que o nível de motivação é determinado principalmente pela situação. Visão interacional: É a visão de motivação mais aceita por psicólogos do esporte e do exercício. Ela é composta por dois fatores: fatores pessoais e fatores situacionais. Esta visão estabelece uma relação entre os fatores tratando-os de uma forma conjunta sem isolá-los. Nesta visão os fatores pessoais e situacionais juntos resultam na motivação do atleta.

9 CINCO DIRETRIZES PARA DESENVOLVER A MOTIVAÇÃO 1. Tanto as situações como os traços motivam as pessoas. 2. As pessoas tem vários motivos para participar. 3. Mude o ambiente para aumentar a motivação. 4. Incentivo à motivação. 5. Modificação do comportamento para alterar motivos indesejáveis do participante.

10 MOTIVAÇÃO PARA O RENDIMENTO Refere-se ao esforço de uma pessoa com o fim de solucionar uma tarefa exigente, adquirir excelência esportiva, superar obstáculos, procurar e demonstrar uma melhor performance do que outras pessoas e sentir-se orgulhoso mostrando seu talento. (WEINBERG e GOULD, 2001)

11 COMPARAÇÃO ENTRE OS TIPOS Orientado p/ o sucesso; Auto-conceito positivo; Metas realistas; Motivação intrínseca; Análise adequado p/ o resultado; Auto-reforço positivo; Segurança no comportamento; Autodeterminação; Autocontrole. Perdedor Orientação p/ o fracasso Auto-conceito negativo; Metas irrealistas; Motivação extrínseca; Análise inadequada para o resultado; Auto-reforço negativo; Insegurança no comporta.; Falta de auto-determinação; Falta de autocontrole.

12 EXEMPLOS DE ATRIBUIÇÕES PARA O SUCESSO/ FRACASSO FATOR INSTÁVEL: sorte ou azar; FATOR INTERNO: esforço, força de vontade e determinação; FATOR EXTERNO: clima, condições de jogo, nível do adversário, árbitro; FATOR DE CONTROLE INTERNO: preparação mental para a competição; FATOR DE CONTROLE EXTERNO: nível físico e técnico do adversário.

13 REFORÇOS POSITIVOS Reforçar a performance e não só o resultado; Premiar os atletas mais pelo esforço do que pelo resultado; Reforçar os pequenos progressos e conquistas (um campeão não se forma em poucos anos mas..) Reforçar aprendizagem de capacidade emocionais e sociais; Reforçar com freqüência as técnicas esportivas aprendidas; Desenvolver MOTIVAÇÃO intrínseca nos atletas.

14 O TREINADOR E SUA FUNÇÃO MOTIVACIONAL O papel mais importante desempenhado pelo técnico é o de motivador. Fazendo com que um treinador sensível esteja consciente das necessidades de seus atletas, este mesmo treinador deve conhecer uma grande variedade de técnicas motivacionais e achar a combinação ideal para resultados produtivos. As atitudes do treinador devem se ajustar a cada pessoa, pois os conceitos de incentivo e desempenho ótimo são subjetivos e particulares, para isso necessita da ajuda de um profissional daárea, ou seja umpsicólogo.

TREINAMENTO MENTAL. Segundo Samulski (2002): "é"

TREINAMENTO MENTAL. Segundo Samulski (2002): é TREINAMENTO MENTAL Segundo Samulski (2002): "é" a imaginação de forma planejada, repetida e consciente de habilidades motoras, técnicas t esportivas e estratégias táticas". t ticas". CONSTITUÍDO Técnicas

Leia mais

MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA E EXTRÍNSECA EM CRIANÇAS DE 7 A 14 ANOS NA INICIAÇÃO DO VOLEIBOL

MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA E EXTRÍNSECA EM CRIANÇAS DE 7 A 14 ANOS NA INICIAÇÃO DO VOLEIBOL MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA E EXTRÍNSECA EM CRIANÇAS DE 7 A 14 ANOS NA INICIAÇÃO DO VOLEIBOL Ana Luiza Correia de Souza Ronaldo Pacheco de Oliveira Filho O presente artigo tem como objetivo verificar os níveis

Leia mais

Potencial PSI. Educação. www.potencialpsi.com.br

Potencial PSI. Educação. www.potencialpsi.com.br Educação O povo feliz é o povo que mais se preocupa com a educação de seus filhos, seja na educação intelectual seja na educação dos sentimentos. Umpovoinstruídoamaotrabalhoesabecomocrescercomele. Ao nascer,

Leia mais

FUTEBOL NO PROJETO ESCOLA DA BOLA

FUTEBOL NO PROJETO ESCOLA DA BOLA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações.

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. TEORIA COMPORTAMENTAL Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. Teoria Comportamental Um dos temas fundamentais é a Motivação Humana, pois para explicar

Leia mais

Liderança Ciclo Motivacional Clima Organizacional Cultura Organizacional

Liderança Ciclo Motivacional Clima Organizacional Cultura Organizacional Clima Organizacional Cultura Organizacional Disciplina: Gestão de Pessoas Página: 1 Aula: 09 O líder pode ser definido como uma pessoa capaz de unir outras através de esforços combinados para atingir determinado

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

AULA 11 Marketing de Serviços

AULA 11 Marketing de Serviços AULA 11 Marketing de Serviços Pessoal de serviço da linha de frente: fonte de fidelidade de clientes e vantagem competitiva A linha de frente é uma fonte importante de diferenciação e vantagem competitiva.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

Motivação: uma breve revisão de conceitos e aplicações

Motivação: uma breve revisão de conceitos e aplicações Motivação: uma breve revisão de conceitos e aplicações Leticia de Matos Malavasi Resumo O assunto relacionado à motivação pessoal tem alcançado grande importância atualmente. Em razão deste destaque encontra-se

Leia mais

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS Rogéria Lopes Gularte 1 Resumo: No presente trabalho procuramos primeiramente definir o que é motivação, e como devemos nos comportar com as diferentes necessidades,

Leia mais

Introdução à participação infantil

Introdução à participação infantil Seção 1 Introdução à participação 1.1 Uma visão bíblica da criança Em muitas culturas, as crianças são subestimadas. No entanto, Deus valoriza as crianças tanto quanto os adultos. Todos os seres humanos

Leia mais

CollaborativeBook. número 4. Feedback

CollaborativeBook. número 4. Feedback CollaborativeBook número 4 Feedback Feedback 2 www.apoenarh.com.br Nesta nova publicação abordaremos o tema feedback, usando com o objetivo de instrumentalizar o indivíduo para ação e desenvolvimento.

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

MÓDULO 2 MÓDULO 1 MÓDULO 3 MÓDULO 4 GESTÃO COMPORTAMENTAL NEUROCOACHING COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS PSICOLOGIA POSITIVA

MÓDULO 2 MÓDULO 1 MÓDULO 3 MÓDULO 4 GESTÃO COMPORTAMENTAL NEUROCOACHING COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS PSICOLOGIA POSITIVA MÓDULOS MÓDULO 1 MÓDULO 2 MÓDULO 3 NEUROCOACHING GESTÃO COMPORTAMENTAL MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS PSICOLOGIA POSITIVA MÓDULO 1 NEUROCOACHING PENSAR BEM RÁPIDO FALAR BEM FÁCIL AGIR BEM MELHOR Aprenda

Leia mais

Facilitadora: Ana Leila Moura

Facilitadora: Ana Leila Moura Facilitadora: Ana Leila Moura RELAÇÕES INTERPESSOAIS FÁBULA A UNIÃO DE FLORA - RAINHA DA VEGETAÇÃO E ZÉFIRO - O VENTO OESTE. Diz-se que um dia ambos se encontraram: No momento do encontro, a senhora da

Leia mais

MOTIVAÇÃO MOTIVO PARA AÇÃO

MOTIVAÇÃO MOTIVO PARA AÇÃO Estados e Fatores da Motivação As pessoas dizem freqüentemente que a motivação não dura. Bem, nem o banho é por isso que ele é recomendado diariamente. MOTIVAÇÃO MOTIVO PARA AÇÃO Motivação é um Estado

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados?

O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados? O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados? A empresa deve ser pensada como organização social, humana. Além das relações decorrentes das tarefas, ocorrem outros relacionamentos

Leia mais

19 Dicas importantes para um Profissional Motivado. Por Nazir Rachid Filho Adaptado do texto de ERNESTO ARTUR BERG Revista Técnica de Vendas 11/98.

19 Dicas importantes para um Profissional Motivado. Por Nazir Rachid Filho Adaptado do texto de ERNESTO ARTUR BERG Revista Técnica de Vendas 11/98. 19 Dicas importantes para um Profissional Motivado Por Nazir Rachid Filho Adaptado do texto de ERNESTO ARTUR BERG Revista Técnica de Vendas 11/98. 1. Olhe-se no Espelho. Todas as manhãs ao acordar se olhe

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA

Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA Profa. Márcia R.Banov Teorias Motivacionais Teoria das Necessidades, A. Maslow Teoria dos dois Fatores, F. Herzberg Teoria da Eqüidade, J.S.Adams Teoria do Reforço,

Leia mais

SUBPREFEITURA SÃO MIGUEL PTA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E A GESTÃO PÚBLICA

SUBPREFEITURA SÃO MIGUEL PTA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E A GESTÃO PÚBLICA Roka 15 SUBPREFEITURA SÃO MIGUEL PTA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E A GESTÃO PÚBLICA Dr. Roberto Kanaane FATORES PSICOLÓGICOS DETERMINANTES DA SAÚDE MENTAL EMOÇÃO RACIOCÍNIO SAÚDE MENTAL DISCERNIMENTO JULGAMENTO

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS Alessandra dos Santos Silva Helenice Moraes Rosa Roseneia Farias Gazoli Valdilene Batista de Lima O QUE PODEMOS APRENDER

Leia mais

LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA

LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA Assunção, Paraguay Maio 2015 INTRODUÇÃO Q uando uma criança ingressa na

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

planodenegocioapostilaempreendedorismo_exerc.doc Empreendedorismo EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS

planodenegocioapostilaempreendedorismo_exerc.doc Empreendedorismo EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Qual o conceito de empreendedor?...empreendedor é um indivíduo que imagina, desenvolve e realiza visões. Ele está sempre buscando novas idéias e criando

Leia mais

www.belcorp.biz VIII/09

www.belcorp.biz VIII/09 CÓDIGO DE ÉTICA www.belcorp.biz VIII/09 Na Belcorp acreditamos que cada pessoa tem o poder de transformar seus sonhos em realidade. Assumir este poder significa reconhecer que nossas ações e decisões têm

Leia mais

Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011. Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com

Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011. Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011 Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com 05 de maio de 2011 LIDERANÇA COACHING : A PRÁTICA DE VALORIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais

MOTIVAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 14 OBJETIVOS:

MOTIVAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 14 OBJETIVOS: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 14 MOTIVAÇÃO Motivação OBJETIVOS: Explicar o significado da palavra motivação e do processo da motivação. Descrever as principais teorias da motivação. Explicar como os

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Controle e execução do projeto Objetivos - Desenvolvimento da equipe - Controle do gerenciamento de mudanças - Monitorar o progresso

Leia mais

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER?

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? Rita de Cássia de Souza Soares 1 Arno Bayer 2 Resumo O presente texto versa sobre questões motivacionais e o trabalho de sala de aula. O enfoque dado diz respeito

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

Conteúdo Programático. Princípios e Ferramentas de Psicologia Esportiva e Tecnologia no Preparo de Atletas de Elite Presencial e Online

Conteúdo Programático. Princípios e Ferramentas de Psicologia Esportiva e Tecnologia no Preparo de Atletas de Elite Presencial e Online 1. A Psicologia Esportiva no Brasil História. Atualidade. 2. Tarefas do Psicólogo do Esporte Do ponto de vista do atleta. Do ponto de vista da equipe multidisciplinar e, sobretudo dos treinadores. 3. Capacidades

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Caros colegas, orienta o modo como nossa organização trabalha para selecionar, desenvolver, motivar e valorizar o bem mais importante da Bausch + Lomb nossas

Leia mais

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck Gestão de RH Prof: Roberto Huck Treinamento Roteiro da Teleaula 1. Cenário atual; 2. Conceito de Treinamento e Desenvolvimento; 3. Desenvolvimento de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional; 4. Mútuo

Leia mais

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna A importância dos RECURSOS HUMANOS na empresa moderna Organizações: cenário atual Empresas vêm passando por impactos revolucionários: Dimensão globalizada Aumento da competitividade Mudanças constantes

Leia mais

Eventualmente tutores podem desafiar a coragem e independência de seus pares através de atividades de competição entre todos, mudando de vínculo

Eventualmente tutores podem desafiar a coragem e independência de seus pares através de atividades de competição entre todos, mudando de vínculo Uma experiência com a diversidade: crianças deficientes...crianças eficientes...educadores Uma experiência da inclusão reversa com pares tutores auxiliares de aula Nossa equipe com o primeiro grupo de

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 1 Fundamentos do comportamento de grupos 1 Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Ref.: Robbins, caps. 7 e 8 Definição Um grupo é

Leia mais

Desenvolvimento do Coaching Ferramentas Poderosas Ação vs Adiamento Página 1

Desenvolvimento do Coaching Ferramentas Poderosas Ação vs Adiamento Página 1 Desenvolvimento do Coaching Ferramentas Poderosas Ação vs Adiamento Página 1 Ação vs Adiamento Seja o que for que pense ou acredite que consegue fazer, comece. A ação tem magia, graciosidade e poder em

Leia mais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais Seção Relação entre as organizações cristãs e as Conforme discutido na Seção 1, as desempenham um papel na proclamação e na demonstração do evangelho. Entretanto, com muita freqüência, o papel da igreja

Leia mais

PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO. Lócus de controle

PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO. Lócus de controle Lócus de controle As pessoas tendem a buscar explicações sobre sua conduta, seus resultados e suas conseqüências com o objetivo de predizer, compreender, justificar e controlar o mundo. Todos buscamos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA VITOR HUGO ROSSI FARIA DE SOUZA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA VITOR HUGO ROSSI FARIA DE SOUZA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA VITOR HUGO ROSSI FARIA DE SOUZA MOTIVAÇÃO E ESTRESSE: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO BRASILEIRO DE BASQUETE MARINGÁ

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

AVALIAÇÃO: Teste escrito

AVALIAÇÃO: Teste escrito Aulas de Ciências do Comportamento 24 Novembro (quarta) Introdução à Psic. Desporto Conhecimento do atleta Motivação 3 Dezembro (quarta) Comunicação e aprendizagem Auto-confiança Formulação de objectivos

Leia mais

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Ponto de Vista da Mercer A avaliação 360 é um elemento vital para o desenvolvimento da liderança e planejamento de talentos Identifica pontos fortes e áreas de desenvolvimento

Leia mais

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo:

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: 05/07/1988 Marcelo Ponzoni Cristiane Lança Ponzoni São Paulo e Ribeirão Preto Sede Própria com 700m2 C O M U N I C

Leia mais

Coaching Para a EXCELÊNCIA

Coaching Para a EXCELÊNCIA Coaching Para a EXCELÊNCIA António Santos António Santos Coaching ferramenta que permite elevar o nível de lucidez Mudanças que alargam horizontes. COACHING para a EXCELÊNCIA Mudanças que alargam horizontes.

Leia mais

Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais

Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais Carlos Alberto Pereira Soares (UFF) carlos.uff@globo.com Wainer da Silveira e Silva, (UFF) wainer.uff@yahoo.com.br Christine Kowal Chinelli

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 Índice 1. Regulamento, Procedimento e Programação em Recursos Humanos...3 2. Aprendizagem...3 3. Como melhorar a aprendizagem...5 4. Avaliação

Leia mais

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br P-06 Revendo o Treinamento Comportamental Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br Proposta Refletir e analisar a metodologia de treinamentos comportamentais. O que acontece

Leia mais

$LQIOXrQFLDGRWHPSR GHSUiWLFDQD PRWLYDomR LQWUtQVHFDGHDWOHWDV GHIXWHEROPDVFXOLQR GDFDWHJRULDMXYHQLO GHFOXEHV SURILVVLRQDLV

$LQIOXrQFLDGRWHPSR GHSUiWLFDQD PRWLYDomR LQWUtQVHFDGHDWOHWDV GHIXWHEROPDVFXOLQR GDFDWHJRULDMXYHQLO GHFOXEHV SURILVVLRQDLV $LQIOXrQFLDGRWHPSR GHSUiWLFDQD PRWLYDomR LQWUtQVHFDGHDWOHWDV GHIXWHEROPDVFXOLQR GDFDWHJRULDMXYHQLO GHFOXEHV SURILVVLRQDLV Centro de Pesquisa em Exercício e Esporte Grupo de Pesquisa em Psicologia do Esporte

Leia mais

Márcia Maria Frigotto

Márcia Maria Frigotto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Centro Acadêmico de Línguas Estrangeiras Modernas Curso de Especialização em Línguas Estrangeiras Modernas Márcia Maria Frigotto AS RELAÇÕES

Leia mais

Projeto: BRINCAR: sem tempo, sem idade, sem fronteiras.

Projeto: BRINCAR: sem tempo, sem idade, sem fronteiras. Festival de jogos Projeto: BRINCAR: sem tempo, sem idade, sem fronteiras. O ser humano necessita permanentemente do entusiasmo, da seriedade e da alegria. Tudo isso pode ser proporcionado pelas vivências

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 2 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar o desenvolvimento e o amadurecimento dos aspectos motores. 2 Relacionar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Recursos Humanos cynaracarvalho@yahoo.com.br Conceitos A gestão

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I:

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I: Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional Unidade I: 0 Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional http://pro.corbis.com/enlarge ment/enlargement.aspx?id=4 2-22634984&caller=search

Leia mais

Aos 4 anos. Desenvolvimento Psicológico. i dos Pais

Aos 4 anos. Desenvolvimento Psicológico. i dos Pais i dos Pais Aos 4 anos Aos 4 anos de idade várias competencias intelectuais e emocionais surgem mais integradas dando à criança um acréscimo de autonomia e iniciativa no contexto das relações com os adultos

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação

Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação Um ambiente em constante mutação, com alterações cada vez mais rápidas e significativas, exige uma empresa com capacidade de adaptação crescente ao

Leia mais

Explore ao Máximo o Seu Potencial!

Explore ao Máximo o Seu Potencial! Explore ao Máximo o Seu Potencial! Esse E-book foi escrito por: Sobre o MenteMarcial.com Acreditamos que a mentalidade e controle emocional são determinantes para a superação dos limites e ganho de alta

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

RIO DE JANEIRO 2007.2

RIO DE JANEIRO 2007.2 UNIVERCIDADE CENTRO UNIVERSITÁRIO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DA SAÚDE E DO DESPORTO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ AUGUSTO DOS SANTOS LEAL A MOTIVAÇÃO NO FUTSAL DE ALTO RENDIMENTO RIO DE JANEIRO

Leia mais

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga 2014 A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. 3 A palestra em questão aborda a busca da excelência e o paradigma

Leia mais

Gestão de Pessoas e de Competências MOTIVAÇÃO.

Gestão de Pessoas e de Competências MOTIVAÇÃO. MOTIVAÇÃO. O FUNCIONAMENTO DAS ORGANIZAÇÕES E DE ATIVIDADES DE FORMA GERAL TEM COMO BASE O COMPROMISSO, A DEDICAÇÃO E O ESFORÇO DE SEUS INTEGRANTES. 1 MOTIVAÇÃO. PRIMEIRAS ABORDAGENS: Marcadas pela busca

Leia mais

Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas FGV

Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas FGV Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas FGV Apresentação Novos desafios para empresas Planejar Competências a desenvolver Desenvolver Competências Coletivamente Desenvolver Competências Individualmente

Leia mais

Pedagogia do Desporto. António Rosado

Pedagogia do Desporto. António Rosado Pedagogia do Desporto António Rosado Âmbito da Pedagogia do Desporto A Pedagogia reflecte sobre as questões: 1. O que é uma boa Educação? 2. Como consegui-la? A Pedagogia do Desporto reflecte: 1. O que

Leia mais

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A relevância da teoria e da pesquisa em aprendizagem motora para o treinamento e desenvolvimento esportivo Porque um estudante que obterá um diploma superior de Educação

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

PLANOS DE VENDAS E MARKETING

PLANOS DE VENDAS E MARKETING PLANOS DE VENDAS E MARKETING André Coelho www.andrenomics.com 4 - PLANO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO EM VENDAS UMA PROPOSTA ESTRUTURA SINTÉTICA ESTRUTURA SINTÉTICA DE PLANO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DO ALUNO NO CONTEXTO ESCOLAR

A MOTIVAÇÃO DO ALUNO NO CONTEXTO ESCOLAR ANUÁRIO DE PRODUÇÕES ACADÊMICO-CIENTÍFICAS DOS DISCENTES DA FACULDADE ARAGUAIA A MOTIVAÇÃO DO ALUNO NO CONTEXTO ESCOLAR Alessandra Cândida Avelar Pedagogia Faculdade Araguaia Unidade Centro RESUMO : Este

Leia mais

Governança e Recursos Naturais Incentivos para o Uso Sustentável. Dr. Christoph Trusen

Governança e Recursos Naturais Incentivos para o Uso Sustentável. Dr. Christoph Trusen Governança e Recursos Naturais Incentivos para o Uso Sustentável Dr. Christoph Trusen Parte II: Atividades 8º passo Bens/ Serviços Arena: Atores Regras 1º passo 3º passo 4º passo Características do bem

Leia mais

Psicologia do Esporte

Psicologia do Esporte Psicologia do Esporte Luana Pilon Jürgensen Bacharel em Educação Física Unesp/Rio Claro (2010) LEPESPE (2008-2010) 2 Termo Nutrição UNIFESP/Baixada Santista (2011) Formação Graduação em Psicologia privilegia

Leia mais

Você gostaria de atingir os objetivos que traçou para sua vida de maneira mais consistente e sustentável? Gostaria de melhorar o seu aproveitamento, trabalhar menos pressionado ou estressado, e ainda aumentar

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME)

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (NEA) SEMED TÉCNICAS RESPONSÁVEIS: REGINA FREIRE ARNALDO DO NASCIMENTO (GESTORA AMBIENTAL) E SOLANGE ALVES OLIVEIRA (BIÓLOGA) LEI N o 9.795,

Leia mais

Empreendedorismo. O perfil empreendedor

Empreendedorismo. O perfil empreendedor Empreendedorismo O perfil empreendedor Empreendedorismo O perfil empreendedor O Empreendedor É uma pessoa capaz de transformar um sonho, um problema ou uma oportunidade de negócios em uma solução viável.

Leia mais

OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E

OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E TRABALHO EM EQUIPE: SUPERANDO DESAFIOS OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E DOS OUTROS. ANALISAR, ESTUDAR E DISCUTIR AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS EXISTENTES NA EQUIPE DE TRABALHO, VISANDO

Leia mais

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4 Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM Árbitro ou Oficial de Mesa. Uma forma diferente de jogar Basquetebol NOV 2015 Nº 01 Índice: PAG. 2 CO N CENTRAÇÃO PAG. 3 CRITÉRIO PAG. 4 COMUNICAÇÃO

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

Guias de Treinamento Princípios de treinamento

Guias de Treinamento Princípios de treinamento Guias de Treinamento Princípios de treinamento Princípios de treinamento Introdução Definição de técnico da Special Olympics Descrição de técnico da Special Olympics Parte I: Desenvolvendo sua filosofia

Leia mais

Dilbert, Google imagens. Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente

Dilbert, Google imagens. Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente Dilbert, Google imagens Selecionando pessoas Gestão de pessoas II Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente Por que selecionar pessoas? ѱ Devemos selecionar porque existe uma variabilidade

Leia mais

OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO

OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO Tênis é em grande parte um jogo mental. Um bom tenista deve ser mentalmente forte para conseguir lidar com as adversidades e manter um jogo consistente.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE Falta de Motivação no mercado televisivo: Um vácuo nas empresas Por: Alice Urbanetto Orientador Prof.ª Mary Sue Rio de Janeiro

Leia mais

#CRIESEUCAMINHO AULA 1 - EXERCÍCIOS DE REFLEXÃO MEDO DE MUDAR VONTADE DE MUDAR

#CRIESEUCAMINHO AULA 1 - EXERCÍCIOS DE REFLEXÃO MEDO DE MUDAR VONTADE DE MUDAR CRIE SEU CAMINHO AULA 1 - EXERCÍCIOS DE REFLEXÃO Na primeira aula do curso introdutório do Programa Crie seu Caminho, você pôde compreender a origem da dor que se manifesta em todas as pessoas que desejam

Leia mais

OS 10 PASSOS PARA TRANSFORMAR A SUA PROSPERIDADE AGORA!

OS 10 PASSOS PARA TRANSFORMAR A SUA PROSPERIDADE AGORA! OS 10 PASSOS PARA TRANSFORMAR A SUA PROSPERIDADE AGORA! Professores Bruno J. Gimenes e Patrícia Cândido O que você verá nesse webinário: Dicas para um plano de ação rápido para você mudar a sua realidade;

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula de Motivação Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Teorias da Motivação? As teorias sobre a motivação, que explicam desempenho das pessoas

Leia mais

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM PSICOLOGIA do DESPORTO e do EXERCÍCIO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Leia mais

1. Preconceito e discriminação, 14 Homofobia, 17

1. Preconceito e discriminação, 14 Homofobia, 17 SUMÁRIO Uma breve introdução, 11 PARTE I As principais dúvidas dos pais 1. Preconceito e discriminação, 14 Homofobia, 17 2. O dilema dos pais: um exemplo, 21 Os limites dos pais, 24 Diálogos no consultório,

Leia mais

Considerando o funcionário como participante

Considerando o funcionário como participante Integração e bem-estar dos funcionários na empresa: Esporte como caminho RENATO FRANCISCO RODRIGUES MARQUES RESUMO Considerando o funcionário como participante fundamental na produtividade da empresa,

Leia mais

APL (Avaliação de Potencial para Liderança)

APL (Avaliação de Potencial para Liderança) APL (Avaliação de Potencial para Liderança) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:41:14 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/13 Índice analítico

Leia mais

OS DESAFIOS DO DIAGNÓSTICO/ IDENTIFICAÇÃO DA SUPERDOTAÇÃO

OS DESAFIOS DO DIAGNÓSTICO/ IDENTIFICAÇÃO DA SUPERDOTAÇÃO OS DESAFIOS DO DIAGNÓSTICO/ IDENTIFICAÇÃO DA SUPERDOTAÇÃO TÂNIA GONZAGA GUIMARÃES SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DF CONBRASD - SÓCIA FUNDADORA Explorando minhas habilidades Nesta coluna, liste tudo

Leia mais