DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência Nota Metodológica nº 13

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 13"

Transcrição

1 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistma Contas Nacionais - Brasil Rfrência 2000 Nota Mtoológica nº 13 Ativia Financira (vrsão para informação comntários) Vrsão 1

2 Introução A ativia financira aprsnta altraçõs tanto na part mtoológica, com a rclassificação algumas contas o plano contas as instituiçõs financiras o banco cntral para a stimativa os agrgaos as contas nacionais pouco rlvant -, como uma mlhora na qualia as stimativas os agrgaos rlativos aos auxiliars financiros. Outros pontos qu mrcm staqu izm rspito à istribuição a proução sta ativia plos sus ivrsos utilizaors não consiraa na bas vlha, a nova stimativa o inicaor volum. Est ocumnto ncontra-s iviio m três sçõs qu tratam aspctos concituais a ativia financira, o tratamnto ao ao Banco Cntral o Brasil nas contas nacionais o inicaor volum a ativia financira, incluino as socias sguros funos pnsão. 1. Ativia financira A naturza os srviços prstaos plas instituiçõs financiras é bastant istinta as outras spécis srviços. O srviço intrmiação financira consist m aglutinar rcursos crors canalizá-los para os tomaors créito. Para tanto, as instituiçõs financiras vm fazê-lo forma a atnr às ncssias prfrências mprstaors tomaors, manira a tornar possívl vantajoso para sts aquirirm créitos ou assumirm ébitos para com a instituição financira, m vz fazê-lo irtamnt com a unia intrssaa. Dssa forma, a ativia intrmiação financira consist m assumir obrigaçõs aquirir ativos molano-os m trmos volum, prazo vncimnto, liquiz risco; assumir ívias por conta própria, rcbno pósitos, mitino ltras, ou outros títulos, aquirir ativos sob a forma aiantamntos, mpréstimos, também aquirino títulos. Como função típica as instituiçõs financiras, stá a ativia conciliar as ifrnças xistnts ntr tomaor mprstaor no qu s rfr aos prazos vncimnto os instrumntos financiros nvolvios, o qu significa qu part sua ativia consist m aministrar o scasamnto prazos ntr as opraçõs ativas passivas o balanço. 1.1 Abrangência D acoro com o Systm of National Accounts SNA, 1993, o stor as socias financiras é subivio m instituiçõs financiras instituiçõs sguro, aprsntao as sguints sub-ivisõs. - Banco Cntral; 2

3 - Socias pósitos, constitum-s as mprsas qu captam através pósitos pono sr iviias m ois grupos: - Socias pósitos montários, rfrm-s as qu captam através pósitos a vista: instituiçõs bancárias cooprativas créito; - Outras Socias pósitos, rfrm-s às instituiçõs qu captam através pósitos poupança: socias poupança, socias créito imobiliário tc; - Outros intrmiários financiros, xcto mprsas sguros funos pnsão, instituiçõs qu captam sob outras formas qu não pósitos: bancos invstimnto, socias créito pssoal tc; - Auxiliars financiros: socias corrtoras valors mobiliários, corrtoras câmbio, socias qu organizam instrumntos cobrtura como os swaps, opçõs futuros tc; - Socias sguros funos pnsão, ntias cuja função principal consist no forncimnto sguros m gral as stablcias com o fim provr pnsõs aposntaorias 1. Em rlação à mtoologia cálculo, a principal altração s u na part rfrnt aos auxiliars financiros. Na bas vlha, ssa parcla foi calculaa utilizano-s como bas o Inquérito Espcial o Cnso Econômico o IBGE rlativo às instituiçõs financiras o ano 1980, a partir aí mantio fixo su pso m rlação ao valor proução os mais sgmntos. Na bas 2000, ss substor foi rfinio utilizou-s as informaçõs provnints o Plano Contábil as Instituiçõs Financiras, COSIF, a Dclaração Informaçõs Econômico-Fiscais a Pssoa Juríica DIPJ. 1.2 Font aos A font básica informação são os Balancts Trimstrais Analíticos as instituiçõs financiras, sob a forma o Plano Contábil as Instituiçõs Financiras (COSIF), o Plano Gral Contas o Banco Cntral (PGC), ambos consoliaos por sta instituição. Para os sgmntos não cobrtos plo COSIF, mas consiraos nas contas nacionais como ativia financira, utilizou-s as informaçõs provnints a Dclaração Informaçõs Econômico-Fiscais a Pssoa Juríica DIPJ. Dsta forma, os rsultaos sta ativia na nova bas passam a incorporar anualmnt ssas informaçõs. Dntr sss sgmntos stacam-s as Bolsas Valors Mrcaoria Futuros, as corrtoras câmbio as mprsas factoring, ntr outras. 1.3 Valor a proução A principal função o stor é a intrmiação financira, pla qual l não s rmunra irtamnt via cobrança taxas, a não sr quano fornc srviços spcíficos, como locação 1 Vi Nota Mtoológica Stors Institucionais 3

4 cofrs, rmssas, cobranças tc. Entrtanto, os intrmiários financiros pagam taxas juros infriors as qu vriam pagar aos qu lhs mprstam funos, cobram taxas juros supriors aos qu pm mprstaos sts funos, forma a cobrir sus custos garantir um xcnt opracional. Dsta manira o SCN valoriza valora a proução st stor pla soma três componnts: 1) os srviços cobraos xplicitamnt - srviços bancários; 2) os srviços sm cobrança xplícita, mios forma inirta, qu corrsponm ao total rnimntos propria a rcbr plos intrmiários financiros líquios os juros totais a pagar, xcluino o valor qualqur rnimnto propria a rcbr invstimntos funos próprios, nominao srviços intrmiação financira inirtamnt mios - SIFIM 3) os aluguéis rcbios (proução scunária). Em rlação ao valor a proução o SIFIM, st s á plo ifrncial os juros rcbios os juros pagos, com bas na aplicação nas contas ativas passivas graoras SIFIM, taxas méias juros slcionaas acoro com a transação uma taxa a SELIC - Sistma Espcial Liquiação Custóia -, méia o ano, tomaa como taxa juros rfrência na conomia. A ifrnça ntr os juros pagos às instituiçõs financiras os juros obtios pla aplicação a SELIC rprsnta a parcla o SIFIM paga plos tomaors rcursos. Plo lao a aplicação funos por part os aplicaors junto ao sistma financiro, st montant é obtio uzino-s os juros rsultants a aplicação a SELIC o montant ftivamnt rcbio plos aplicaors as instituiçõs financiras. As contas consiraas como graoras SIFIM foram os mpréstimos, plo lao o ativo os pósitos plo passivo. D forma squmática, po-s rprsntar o cálculo o valor proução o SIFIM pla sguint fórmula: SIFIMTOTAL = E. i E. i + E. i E. i r r Rarranjano a quação, tm-s: ( i i ) E + ( i i ) E r r On: = mpréstimos = pósitos i = taxa juros os mpréstimos i = taxa juros os pósitos i r = taxa juros rfrência E = stoqu mpréstimos E = stoqu pósitos 4

5 Uma outra forma aprsntar o cálculo o SIFIM ncontra-s na tabla a sguir: Tabla - Empréstimos pósitos concios plas Instituiçõs Financiras rsints ATIVO Estoqu Taxa Juros Taxa Estoqu SIFIM Empréstimos (1) Juros rcbios (3) = (1) x (2) juros rfrência corrigio pla Slic (6) = (3) (5) (2) (Slic Méia) (4) (5) = (1) x (4) PASSIVO Estoqu Taxa Juros pagos Taxa Estoqu SIFIM Dpósitos (1) (3) = (1) x (2) juros corrigio pla (6) = (3) (5) Juros rfrência Slic (2) (Slic Méia) (4) (5) = (1) x (4) Como aprsntao na tabla acima, a stimativa o SIFIM rsulta a ifrnça ntr os stoqus mpréstimo/pósito corrigios plos inxaors spcíficos, os msmos stoqus mpréstimos/pósitos corrigios pla SELIC méia ( coluna 6 a tabla ). 1.4 Distribuição o SIFIM A proução a ativia financira v sr rpartia ntr os vários rcbors ou utilizaors os srviços financiros. Na vlha bas não s stimou o consumo SIFIM plos utilizaors ss srviços aa a ificula m s aplicar um métoo aquao istribuição ssa proução. Como solução criou-s um stor fictício, ummy financiro, com proução nula consumo intrmiário igual ao valor o SIFIM. Na conta alocação a rna ra rgistrao o valor total os juros rcbios pagos plas instituiçõs financiras criou-s um fluxo ajustamnto plo SIFIM, rcurso o ummy financiro uso as instituiçõs financiras, tal forma qu o salo as rnas primárias st stor não s altra. Para isso, utilizou-s as contas o ativo o passivo os intrmiários financiros qu gram SIFIM buscano intificar os stors contrapartia. Do lao o ativo o conjunto stas contas formam o grupo mpréstimos, nquanto o lao o passivo o grupo pósitos. Plo talhamnto o plano contas - o Cosif - é possívl uma primira intificação as contrapartias, pssoas físicas pssoas juríicas, prmitino trminar a parcla o SIFIM 5

6 rfrnt a consumo intrmiário a rfrnt ao consumo final. Para a istribuição plos stors institucionais, utiliza s a matriz juros, istribuiu-s o SIFIM ntr consumo intrmiário ( mprsas não financiras, aministraçõs públicas mprsas financiras ) consumo final ( famílias instituiçõs sm fins lucros ao srviço as famílias ). A partir a stimativa consumo o SIFIM plos stors institucionais, foi fita a istribuição ntr as os stors ativias conômicas pla strutura o valor aicionao. 2. Tratamnto o Banco Cntral Compt ao Banco Cntral o Brasil, mitir moa-papl moa mtálica, xcutar os srviços o mio-circulant, rcbr m pósitos os rcolhimntos compulsórios ncaixs obrigatórios stablcios para as instituiçõs financiras concr rsconto às instituiçõs bancárias (instituiçõs qu captam pósitos à vista) além sr o positário as rsrvas intrnacionais o país as isponibilias o Tsouro Nacional. Para implmntar sus objtivos política montária cambial o Banco Cntral rsconta sconta títulos ivrsas naturzas; compra vn títulos a ívia pública no mrcao primário scunário; conc mpréstimos ou abr créito m conta corrnt às instituiçõs créito socias financiras acita o Estao pósitos à vista (Conta o Tsouro ). Sguno a mia provisória n o , 24 agosto 2001, o rsultao apurao no balanço smstral o Banco Cntral srá: a) transfrio ao Tsouro Nacional, quano aprsntar lucro no príoo; b) cobrto plo Tsouro Nacional, quano aprsntar prjuízo. Na nova séri o SCN, aotou-s o sguint procimnto m rlação ao Banco Cntral: Proução não mrcantil, mia plos custos, tno como stino o consumo final o stor institucional Aministraçõs Públicas - APU. Para não squilibrar o rsultao a APU, criou-s uma opração 0D Compnsação pla proução o Banco Cntral -, qu corrspon a uma transfrência corrnt o Banco Cntral para as APU s, no montant igual à spsa consumo final criaa. Em rlação ao rsultao o Banco, optou-s por criar a opração 0D Rsultao o Banco Cntral. No caso rsultao positivo, rprsnta uma opração rcurso para as aministraçõs públicas uma uso para o stor financiro, igual valor, quano há um rsultao ngativo ocorr o contrário, ou sja, uma opração uso para o govrno uma rcurso para o stor financiro. 6

7 3. Ínic volum o stor financiro No Sistma Contas Nacionais, cinco ativias compõm o sistma financiro. São las 2 : Intrmiação Financira, Sguros, Prviência Complmntar, Assistência Méica Suplmntar Ativias Auxiliars a Ativia Financira Sguros. Esta sção iscorrrá sobr a mtoologia utilizaa no cálculo o ínic volum o valor proução para caa um sss srviços prstaos plo stor financiro. 3.1) Ínic volum srviços financiros O ínic volum srviços financiros irtamnt mios é obtio por flação o valor corrnt, xtraío o Plano Contábil as Instituiçõs o Sistma Financiro Nacional - COSIF -. O ínic prço é construío a partir a variação as tarifas os srviços financiros. O valor constant proução a prços o ano antrior passou a sr calculao a partir o valor corrnt o ano / trimstr m qustão, flacionao plo ínic prço a variação as tarifas sss srviços. Por fim, o ínic volum a proução os srviços financiros foi o valor constant a prços o ano antrior iviio plo valor corrnt o ano antrior. 3.2) Ínic volum os srviços intrmiação financira inirtamnt mios (SIFIM) O ínic volum o valor proução o SIFIM foi obtio implicitamnt a partir a razão ntr a soma o valor alguns ativos ( mpréstimos ) passivos ( pósitos ) a prços constants no ano / trimstr m qustão a prços corrnts no ano antrior. A soma o valor a prços constants os ativos passivos foi calculaa através a flação o valor corrnt plo flator o Prouto Intrno Bruto (PIB). 3.3) Ínic volum planos saú O ínic volum o valor proução os Planos Saú - inclusiv sguro saú - foi obtio implicitamnt a partir a razão ntr a soma o valor a prços constants no ano / trimstr m qustão a prços corrnts no ano antrior. O valor a prços constants foi calculao iviino-s o valor corrnt por um ínic prço construío a partir a variação o Ínic Prço ao Consumior Ampliao IPCA, para plano saú. 3.4) Ínic volum os mais proutos o stor financiro Os ínics volum o valor proução os mais proutos o Stor Financiro - Srviço Sguria, Prviência Complmntar, Srviços Auxiliars Financiros Srviços 2 Essas ativias stão contmplaas m uma só ativia chamaa Intrmiação financira, sguros, prviência complmntar srviços rlacionaos no nívl ivulgação os aos. 7

8 Auxiliars Sguro foram calculaos implicitamnt o msmo moo qu no caso Planos Saú. A única ifrnça é qu para sss proutos o flator o PIB é o utilizao na ivisão os valors corrnts proução. 8

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 10

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 10 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistma Contas Nacionais Basil Rfência 2010 Nota Mtoológica nº 10 Ativia Financia (vsão paa infomação comntáios) Vsão 2 Abil 2015 1 Intoução

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Adaptação do WACC ao Juros Sobre Capital Próprio

Adaptação do WACC ao Juros Sobre Capital Próprio Rsumo Aaptação o WACC ao Juros Sobr Capital Próprio Autoria: Lucas Augusto Morais Piloto, Luis Flip Aragão Castro Snra, Robrto Morno A mtoologia avaliação açõs mais utilizaa, o fluxo caixa scontao, basia-s

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabla d Tarifas Pssoa Física Divulgada m 01/08/013 Vigência a partir d: 01/09/013 Rlação dos srviços tarifados rspctivos valors vignts. Os valors máximos foram stablcidos pla Cooprativa, obsrvada a rsolução

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO POR BENEFICIÁRIOS DE PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO A prnchr plo IEFP, I.

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009 Cartão o d Crédito: Custos das Opraçõ çõs no Brasil Audiência Pública Câmara dos Dputados CFT dzmbro d 2009 Instrumntos d Pagamnto Quantidad d transaçõ çõs Evoluçã ção Milhõs d transaçõ çõs 2 Intrbancários

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Analyses of Sale Price Behavior of New Housing Projects in Districts of Sao Paulo City

Analyses of Sale Price Behavior of New Housing Projects in Districts of Sao Paulo City VIII Sminário Intrnacional a LARES Mrcaos mrgnts Ral Estat: novos safios oportunias, Stmbro São Paulo SP Brasil Analyss of Sal Pric Bhavior of Nw Housing Projcts in Districts of Sao Paulo City Anális o

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

Criação, Design e Implementação de Soluções Educacionais Corporativas. www.braune.com.br

Criação, Design e Implementação de Soluções Educacionais Corporativas. www.braune.com.br Criação, Dsign Implmntação Soluçõs Eucacionais Corporativas www.braun.com.br QUEM SOMOS Somos uma mprsa xclência na art ucar gstors-lírs organizaçõs com foco m aspctos o comportamnto humano no ambint organizacional.

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Daniela Monteiro Braga. Planejamento e análise de estudos de bioequivalência: comparação de delineamentos do tipo cross-over

Daniela Monteiro Braga. Planejamento e análise de estudos de bioequivalência: comparação de delineamentos do tipo cross-over Danila Montiro Braga Planjamnto anális stuos bioquivalência: comparação linamntos o tipo cross-ovr Blo Horizont MG Stmbro/008 Danila Montiro Braga Planjamnto anális stuos bioquivalência: comparação linamntos

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone Tabla d Prços C PRODUTO Dscritivo Insumos Consultas d Balcão Consulta com imprssão d xtrato simplificado d rgistros, com composição idêntica à Dclaração Consumidor SóChqu Confirm PJ Confirmação dos dados

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europu PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A prnchr plo IEFP, I. P. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Cntro d Emprgo Data d Rcpção - - Númro do Procsso

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra Estado da art do softwar d minração o impacto nas mlhors práticas d planjamnto d lavra Prof. Dr. Giorgio d Tomi Profssor Associado, Dpto. Engnharia d Minas d Ptrólo da EPUSP Dirtor d Opraçõs, Dvx Tcnologia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013. DOE 29.11.2013, p.51, Municipalidads DOEL-TCEES 29.11.2013 Edição nº 62, p. 1 Dispõ sobr a composição a forma d nvio das tomadas prstaçõs d contas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Capitulo 4 Resolução de Exercícios

Capitulo 4 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO i Taxa Proporcioal ou quivalt (juros simpls) i k Taxas Equivalts (juros compostos) 3 i i i i i i i 4 6 360 a s q t b m d Taxa Eftiva Nomial k i i p ao príodo d capitalização ; i k Taxa Ral Taxa

Leia mais

economia IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

economia IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística i conomia nformal u 2003 rbana IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33 Balanço Social Em 31 d dzmbro d 2015 2014 1 - Bas d Cálculo 2015 Valor (Mil rais) 2014 Valor (Mil rais) Rcita líquida (RL) 190.202 292.969 Rsultado opracional (RO) 111.720 (16.955) Rsultado Financiro (29.648)

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006 PLUGUES E TOMADAS Padrão NBR 14.136 Painl Storial INMETRO 11 abr 2006 1 NBR para (P&T) 2 ABNT NBR NM 60884-1 tomadas para uso doméstico análogo Part 1: Rquisitos grais - Fixa as condiçõs xigívis para P&T

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Guido Mantga INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Sérgio Bssrman Vianna Dirtor Excutivo Nuno

Leia mais

CAPÍTULO 4 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 4 Exercícios Propostos 53. Calcular o valor dos juros pagos por um fiaciamto d capital d giro d $1.500 por cico dias cotratado à taxa d 3% a.m., capitalizada diariamt. Dados: P = $1.500, j = 3% a.m.. k =, m = 5 dias, J =? k

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Atividade Financeira

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Atividade Financeira II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Atividade Financeira Coordenação de Contas Nacionais/IBGE (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 Setor Institucional Empresas Financeiras Unidades institucionais

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009 Cartão o d Crédito: Concntraçã ção o Custos Câmara dos Dputados - Comissão d Finanças Tributação 8 d outubro d 2009 Agnda 2 Indústria d cartõs d pagamntos Concntração Infra-strutura Estrutura d custos

Leia mais

Regime de Previdência dos Servidores Públicos: Equilíbrio Financeiro e Justiça Atuarial

Regime de Previdência dos Servidores Públicos: Equilíbrio Financeiro e Justiça Atuarial Rgim d Prvidência dos Srvidors Públicos: Equilíbrio Financiro Justiça Atuarial Rynaldo Frnands * rfrnan@usp.br rynaldo.frnands@faznda.gov.br Rodovia BR 251, Km 4, Bloco A, Brasília DF Tl (61) 412616 Amaury

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

ISSN 1519-8006 P ESQUISA. erviços NUAL DE. volume 3 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

ISSN 1519-8006 P ESQUISA. erviços NUAL DE. volume 3 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ISSN 1519-8006 A P ESQUISA NUAL DE S rviços 2 0 0 1 volum 3 IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Guido Mantga

Leia mais

A DERIVADA DE UM INTEGRAL

A DERIVADA DE UM INTEGRAL A DERIVADA DE UM INTEGRAL HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. O cálculo o valor a rivaa um ingral ocorr com cra frquência na via profissional físicos, químicos, ngnhiros, conomisas ou biólogos. É frqun, conuo,

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS COMISSÃO DE GRADUAÇÃO DE CIÊNCIAS ATUARIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS COMISSÃO DE GRADUAÇÃO DE CIÊNCIAS ATUARIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS COMISSÃO DE GRADUAÇÃO DE CIÊNCIAS ATUARIAIS RESOLUÇÃO DA COMGRAD/ATU N 03/2013 A COMISSÃO DE GRADUAÇÃO DE CIÊNCIAS ATUARIAIS,

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIE DE POTÊNCIA PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMA EM ENGENHARIA ELÉTRICA

APLICAÇÃO DE SÉRIE DE POTÊNCIA PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMA EM ENGENHARIA ELÉTRICA APLICAÇÃO DE SÉRIE DE POTÊNCIA PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMA EM ENGENHARIA ELÉTRICA José Francis Rorigus, Rnato Crivllari Crpp, Luiz Gongaza Campos Porto, José Alro Covolan Ulson 4, Paulo José Amaral Srni 5

Leia mais

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA I Aos quinz dias d mês d maio d 2014, ntr Autoridad Para

Leia mais

TEREOS INTERNACIONAL S.A.

TEREOS INTERNACIONAL S.A. TEREOS INTERNACIONAL S.A. CNPJ nº..0/000- Rlatório da Administração - Exrcício Findo m d Março d 0 A Tros Intrnacional S.A. ( Tros Intrnacional ou Companhia ) submt à aprciação d sus acionistas o Rlatório

Leia mais

2.5. Estrutura Diamétrica

2.5. Estrutura Diamétrica F:\MEUS-OCS\LIRO_EF_44\CAP_I_ESTRUTURA-PARTE_4.doc 5.5. Estrutura iamétrica A strutura diamétrica é tamém dnominada d distriuição diamétrica ou distriuição dos diâmtros. Concitua-s distriuição diamétrica

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores GERADORES E RECEPTORES Stor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Call Gradors São sstmas qu convrtm um dtrmnado tpo d nrga, m nrga létrca. Cram mantém nos sus trmnas, uma dfrnça d potncal. São xmplos d gradors

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

Dieta portuguesa afasta-se das boas práticas nutricionais

Dieta portuguesa afasta-se das boas práticas nutricionais Balança Alimntar Portugusa 23-28 3 Novmbro 21 Dita tugusa afasta-s boas práticas nutricionais No íodo corrido ntr 23 28 acntuaram-s os squilíbrios dita alimntar tugusa. Excsso calorias satura, disponibili

Leia mais

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões V300 Séris Exclnt control caminhõs pqus furgõs A obtr Exclnt smpnho Alta confiabili Manutnção fácil Montagm frontal ou tto Construção pacta séri ofrc ofrc xclnt xclnt AAAséri séri ofrc xclnt A séri ofrc

Leia mais

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2 MARKETING DIGITAL: MARKETING PARA O NOVO MILÊNIO Cli An Barbosa da Cruz 1, Lângsson Lops da Silva 2 O prsnt artigo busca analisar o markting digital, como um lmnto difusor da intração ntr clints organizaçõs,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

TARIFAS DE SERVIÇOS PRIORITÁRIOS PESSOA FÍSICA

TARIFAS DE SERVIÇOS PRIORITÁRIOS PESSOA FÍSICA TARIFAS DE SERVIÇOS PRIORITÁRIOS PESSOA FÍSICA Página 1 LISTA DE SERVIÇOS CANAIS DE ENTREGA 1 CADASTRO 1.1 Confcção d cadastro para início d CADASTRO rlacionamnto SIGLA NO EXTRATO VALOR DA TARIFA (R$)

Leia mais

DADOS DE INVESTIMENTOS DADOS OPERACIONAIS DADOS DA METLIFE FOUNDATION

DADOS DE INVESTIMENTOS DADOS OPERACIONAIS DADOS DA METLIFE FOUNDATION DESEMPENHO As páginas sguir aprsntam indicadors d dsmpnho opracional, ambintal da força d trabalho. Os indicadors as mtodologias d cálculo stão alinhados às spcificaçõs d divulgação das dirtrizs da GRI

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO e

DIREITO FINANCEIRO e DIREITO FINANCEIRO Fábio Fort d Andrad Dirtor do Dpto. d Administração Financira Prfitura Municipal d Campinas Scrtaria Municipal d Finanças Julho d 2012 História Concito Atividad Financira do Estado ROTEIRO

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais