Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química"

Transcrição

1 3 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº:

2 Pr rsponr às qustõs 01 02, li o txto sguir. Um rvolução m ino minutos Usr tnologi pr onstruir um muno mlhor tm su lo frívolo. Ms, flizmnt, tmém tm um lo m sério. Priniplmnt n políti. A tnologi po jur govrnos otr mis qu nfiim populção. Avnços tnológios filitrm rição frrmnts qu jum não só promovr ini, ms tmém vigir, rportr gir ontr rstrição os iritos ivis. Por isso, po-s rgumntr qu stá vz mis ifíil mntr um govrno injusto vz mis fáil s rlr ontr rgims ntimorátios. S voê quisr monitorr os píss on há srspito à mori, um s mlhors frrmnts é o projto ChokPoint. Inspiro nos ontimntos no Egito n Líi, o ChokPoint (hokpointprojt.nt) é um pltform qu xpõ o intrâmio informção ntr píss. S houvr um pr súit no tráfgo os, o sistm lrt sor um provávl ort lir xprssão nqul pís. [...] E s voê quisr orgnizr um prots to? Aqui ntr tnologi tmém. Em gosto, mnifstnts ontr o govrno usrm m Lonrs o API o GooglMps pr mostrr, m tmpo rl, por quis rus políi stv s proximno. [...] Ms s voê não mor m árs onflito protsto não é su stilo, há váris mnirs usr tnologi pr filitr o ngjmnto. Em sits omo o Chng.org (hng.org) é possívl runir milhrs pssos pr ssinr um ptição. Em sits lois, omo o FixMyStrt (fixmystrt.om) ou Dmory (forums.-mory. org/out), é possívl isutir prolms omuni ionr s utoris. É lro qu tnologi tmém po sr us pr trrorismo, ms miori populção é ontr ss tipo tivi. É grtifint sr qu pomos ontr om tnologi pr ngjr grupos qu vão provor munçs, sjm pr núni uros n su ru ou rru rgims ittoriis. muno onto é pz onstruir um soi mis just. Font: LARIU, Alssnr. Um rvolução m ino minutos. INF, Nov. 2011, p.52. (pto) 01 txto é um rtigo opinião qu prsnt rursos linguístios típios struturs issrttivo-rgumnttivs. Assinl ltrntiv m qu o lmnto linguístio stá orrtmnt nliso no ontxto m qu oorr. 02 Ms ( l. 2) ssoio tmém ( l. 3) rsslt o lo "sério" tnologi limin o lo "frívolo". s lmntos nfiim ( l. 5-6), mlhors ( l. 17) just ( l. 49) sinlizm vliçõs positivs à soi. lmnto s, no iníio o 3º, 4º 5º prágrfos, introuz possiilis çõs qu prsinm o uso rursos tnológios. mprgo pomos ( l. 44), m 1ª psso, mr inlusão utor os litors n possiili uso tnologi pr ngjmnto grupos soiis. mprgo po ( l. 41), m 3ª psso, mr onvição utor sor o uso tnologi pr práti trrorismo.

3 02 Pr rsponr às qustõs 03 04, li o txto sguir. No rtigo opinião, utor or um tm sor o qul fn um ts funmnt por rgumntos, rtiulos por ifrnts strtégis Em su mnsgm prsntção s rgumnttivs. Com rlção sss sptos plstrs profris plos vnors o ontúo, onsir s firmtivs sguir. Prêmio Nol Físi 2009, o Prof. I - mpo smântio uso o longo o txto pont omo tm o uso tnologi no ontxto soiopolítio. Josph Norgrn, Prsint o Comitê Nol Físi, slintou o profuno impto qu o trlho os vnors qul no tv sor o nosso otiino: II - A utilizção ínis vlição, omo flizmnt ( l. 2-3), filitr ( l. 33) grtifint " Prêmio Nol Físi, st no, é onio (l.44), sinliz um posiionmnto fvorávl o uso rursos tnológios pr promovr o ngjmnto pssos m prol justiç soil. III - Pr vinir o potnil o uso tnologi no prosso ngjmnto soil, é mprg trlhos qu têm tio profuno fito, não somnt n iêni, ms irtmnt sor toos nós, m nosso otiino. Tornou-s muito omum qu possmos nontrr lguém m outro ontinnt, strtégi xmplifição, om inição rursos m outr prt o muno, tnológios sus finlis. onvrsr om l, ou om l, omo s ss psso stivss n msm sl. [...] I - No último prágrfo, o mitir possiili Tmém nos ostummos ompnhr mprgo tnologi m prjuízo soi, notíis, om víos fotogrfis, rtiulist us nfrqur tl rgumnto por mio strtégi ontr-rgumntção, mntno, ssim, váli su ts. Está(ão) orrt(s) váris prts o muno, quno os vntos ontm, m tmpo rl. [...] Tmém onxão instntân qu tmos om váris fonts informção por too o pns II. pns I I. pns II III. pns I, III I. I, II, III I. muno stá prsnt hoj, ssim otmos informção qu nssitmos, n form txto, vío, músi t. Esss oiss, qu são prsnts muito útis pr nós hoj m soi, muito s vm o trlho os vnors o Prêmio Nol Físi st no. prêmio, nst no, é iviio m us prts: um plo trlho m firs ótis pr omunição long istâni, outr mt pr invnção o snsor CCD, qu prmit fotogrfi o vío igitis". Disponívl m: Asso m: 07 out (pto) 03

4 03 Ants o su mprgo ns omuniçõs, s firs ótis já vinhm sno uss pr iluminção inspção s vis o orpo humno, o qu possiilitou o snvolvimnto ténis ignóstis omo nosopi. fnômno físio qu prmit guir luz, trvés um fix firs flxívis, por um minho urvo é rflxão intrn totl. Pr qu ss fnômno oorr, I - luz v iniir prtir um mio íni rfrção mis lto sor intrf om um mio íni rfrção mis ixo. II - o ângulo iniêni luz sor intrf sprção ntr ois mios v sr tl qu o ângulo rfrção sj, no mínimo, 90. III - intrf sprção ntr os mios intrno xtrno v sr rvsti om um film rfltor. Assinl ltrntiv qu prnh orrtmnt lun. intnsi frquêni polrizção mplitu urção 05 mio mint humno ostum sr iviio m mio ulturl, onstituío plos proutos tivi humn (ifíios, griultur, instituiçõs púlis soiis, inústris), o mio nturl, qu é nturz m si (solos, rios, lim, rlvo, vgtção originl). Está(ão) orrt(s) pns I. pns II III. Font: ESENTINI, J.W. Gogrfi: o muno m trnsição. São Pulo: Áti, p (pto) Com rlção o onjunto lmntos qu onstitum o mio mint humno, é orrto firmr qu pns III. pns I II. I, II III. 04 fnômno físio rsponsávl plo funionmnto os snsors CCD, prsnts ns primirs m muits s tuis âmrs igitis, é similr o fito fotolétrio. Ao iniirm sor um ristl silíio, os fótons trnsfrm su nrgi os létrons qu s nontrm n n vlêni, qu são "promovios" pr os nívis nrgi qu s nontrm n n onução. xsso rg trnsfrio pr n onução é ntão rno por um potnil létrio plio sor o ispositivo, prouzino um sinl proporionl à intnsi luz inint. A nrgi trnsfri os létrons plos fótons, nss prosso, é proporionl à rição inint. o mio ulturl, om inustrilizção urnizção, pss prominr sor o nturl, ms o Brsil onstitui um xção, sno um os pouos píss m qu mornizção osionou prsrvção norms árs ns quis o mio nturl promin. o prosso mornizção soi rsilir osionou um séri imptos soiis ngtivos, omo, por xmplo, onntrção rn nionl, multiplição fvls outrs moris ruimntrs nos grns ntros urnos. Amzôni rsilir, mor vnh sofrno um prosso vstção florstl, m f su imns ioivrsi, onstitui o qu s nomin mio nturl, ou sj, primir nturz. 04

5 introução m lrg sl plnts nimis gntimnt moifios us ruprr pr ioivrsi rrir s prturçõs n i limntr promovis por imptos mintis, prmitino rtomrs o onito primir nturz pr o trritório rsiliro. xistêni unnt árs vrs (rsrvs florstis, prqus om muits árvors) ns grns méis is rsilirs limin os fitos poluição no r, lém proporionr vris opçõs lzr. 07 Muitos orgnismos são pzs sorvivr m trminos mints, grçs o stlimnto intrçõs ológis omplxs urours. rgnismos o rino Fungi, por xmplo, pom stlr ssoiçõs simiótis spífis om orgnismos ifrnts rinos, tis omo srs fotossinttiznts o rino Protist, formno ssoiçõs miorrízis om sus rízs. srs fotossinttiznts os rinos Monr /ou Protist, formno liquns. 06 Há muits rzõs pr vlorizr iêni. A importâni prvr xplir fnômnos nturis filitr nosso ontrol mints hostis, filitno noss ptção, é um ls. Em função o susso qu iêni tm m xplir muitos fnômnos, miori s pssos não irtmnt nvolvis om tivis intífis tnm pnsr qu um tori intífi é um onjunto lis vrirs inflívis sor o muno nturl. Munçs tóris riis n históri iêni (omo sustituição um molo goêntrio por um molo hlioêntrio xplição o movimnto plntário) lvrm filósofos suspitr ss imgm s toris intífis. A tori iêni o físio filósofo ustrío Krl Poppr s rtrizou por sustntr qu s lis intífis possum um rátr I - hipotétio provisório. II - ssistmátio irrionl. III - mtmátio forml. I - ontritório tutológio. srs o rino Animli, num rlção prsitári m qu o fungo nutr-s proutos fotossínts o hospiro. orgnismos prorionts o rino Protist, num rlção prsitári m qu o fungo nutr-s o gliogênio fornio plo hospiro. srs htrotrófios o rino Protist, formno liquns. 08 Há ivrsos iníios mpírios volução s spéis. Alguns sss iníios são onhios s Drwin, tis omo o rgistro fóssil, s vriçõs ntr inivíuos um msm spéi istriuição gográfi s spéis. utros iníios provêm stuos mis rnts, notmnt m gnéti. onjunto sss iníios torn tori volução mis provvlmnt vrir qu qulqur outr hipóts ltrntiv. Ess infrêni, m qu s prt iníios mpírios s onlui om toris ou nunios gris, é omumnt hm infrêni É/São vrir(s) (s) ssrtiv(s) lógi. inutiv. I pns. II I pns. utiv. iológi. I II pns. III I pns. nlógi. III pns. 05

6 09 srv o mp: ( ) As migrçõs inim insrção ivrss rgiõs n lógi onômi rsilir omo um sintom murimnto polítio onômio o pís. ( ) Aoupçãootrritóriorsiliroémuitoirrgulr, ss istriuição mntém um rlção irt om isprsão s tivis onômis plo trritório. A squêni orrt é F. F F F F.. F F. F F. Font: TAMDJIAN, J..; MENDES, I.L. Gogrfi Grl o Brsil: stuos pr omprnsão o spço - nsino méio. São Pulo: FTD, p.97. (pto) s trmos migrção, imigrção migrção têm signifios istintos. Emigrção é o movimnto sí populção. Imigrção é o movimnto hg populção. Migrção é o trmo gnério pr qulqur slomnto populionl. Font: TAMDJIAN, J..; MENDES, I.L. Gogrfi Grl o Brsil: stuos pr omprnsão o spço - nsino méio. São Pulo: FTD, p.96. Com s no mp m sus onhimntos sor migrçõs, ssinl vrir () ou fls (F) m firmtiv sguir A nssi onvivr m grupo fz o homm snvolvr strtégis pttivs ivrss. Drwin, num stuo sor volução s moçõs, mostrou qu o ronhimnto moçõs primáris, omo riv mo, tv um ppl ntrl n sorvivêni. Estuos ntigos rnts têm mostro qu morli ou omportmnto morl stá ssoio outros tipos moçõs, omo vrgonh, ulp, ompixão mpti. Há, no ntnto, toris étis qu firmm qu s çõs os vm sr motivs xlusivmnt plo vr não por impulsos ou moçõs. Ess tori é éti ( ) molo onômio rsiliro prtio ntr s és inuziu populção migrr pr rgiõs ujo mio mint stv prsrvo, o qul gor sofr um grv prosso vstção. ( ) s fluxos migrtórios pr o intrior o trritório rsiliro são um omprovção vz mis intns prsnç tivis onômis, omo,porxmplo,puárigriulturm rgiõs nts íntgrs, omo o omínio os Crros o Amzôni. ontológi ou kntin. s virtus. utilitrist. ontrtulist. tológi. 06

7 11 Consirno-s qu s lssifiçõs tuis os srs vivos prourm rfltir su rlionmnto volutivo ( prntso ) onsirno-s qu nm to smlhnç s v à hrnç por mio um nstrl omum (há smlhnçs vio prssõs mintis ptçõs mints similrs), vli orrção os itns sguir. I - rgnismos prtnnts à msm lss, omo o urso-polr o golfinho (Mmmli), são mis próximos volutivmnt o qu orgnismos ifrnts lsss o msmo filo, msmo qu sts sjm suprfiilmnt mis smlhnts. Ess é o so o turão (Chonrihthys), qu tm o formto hiroinâmio smlhnt o o golfinho, porém prsnt prntso mis istnt. II - rgnismos prtnnts à msm fmíli, tis omo o loo-gurá o ão (Cni), são mnos prntos ntr si o qu orgnismos prtnnts fmílis ifrnts, porém msm orm, omo lontr (Mustli). III - Plnts ifrnts fmílis são mis prnts ntr si o qu plnts o msmo gênro, sno o mint o qul stão pts imprsinívl pr stlr su prntso. Ess é o so s plnts suulnts rgiõs sértis, onsirs mis prnts por prsntrm ptçõs similrs int flt 'águ. 12 iólogo Ewr Wilson sustnt qu tori volução xpli não pns volução s rtrístis físis prominnts m um spéi, ms tmém volução trços soiis (omo ivisão soil o trlho, volução lingugm morli). S isso é vr, ntão quilo qu hoj tnmos onsirr morlmnt orrto po sr um prouto nosso psso volutivo. S nosso psso volutivo tivss sio ifrnt, é possívl qu noss snsiili morl hoj tmém foss ifrnt. srv s firmçõs sguir, onsirno s qu são omptívis om o nunio qustão. I - fto hoj tnrmos vlorizr tos on ompixão svlorizr tos rul é um trço iológio noss spéi qu v tr trzio vntgns pttivs os nossos ntpssos. II - Há um onjunto norms moris qu não mum qu smpr form ots univrslmnt. III - A volução morl stá orrlion om pi pttiv os inivíuos grupos o mint m qu vivm. Está(ão) orrt(s) pns I. pns II. Está(ão) orrt(s) pns I III. pns I. pns II III. pns II. I, II III. pns I II. pns III. I, II III. 07

8 Rino gtl ou Plnt é formo por orgnismos m grl fotossinttiznts qu, possivlmnt, originrm-s no mint quátio. A prfit ptção s plnts o mint trrstr só foi possívl grçs o surgimnto ivrss novis volutivs. Sor ss ssunto, ssinl ltrntiv qu ontém pns informçõs orrts. s stômtos são rturs rgulávis qu uxilim no ontrol pr 'águ n form vpor, stno prsnts pns ns ngiosprms. s vrsos stos sguir fzm prt Um iáti invnção (1993), pom Mnol Brros. No trto s grnzs o ínfimo stv srito: Posi é quno tr stá omptnt pr ális. É quno Ao lo um prl o i orm nts. [...] Posi é vor for s. Apns hpátis ntóros possum um sistm vsulr vriro, formo xilm flom; ss sistm prmit onução águ, sis minris proutos fotossínts miors istânis ntro plnt. A utíul é um m ros qu uxili s plnts, ruzino s prs 'águ por vpotrnspirção protgno-s ção nos os rios U.. o sol, ss strutur oorr pns ns gimnosprms. A função intrmi plo trnsport o gmt msulino trvés um tuo polínio ruz pnêni águ ns plnts, urnt rproução, é um fnômno prsnt ns ngiosprms. A rução grção sporofíti (sporófito) o umnto grção gmtofíti (gmtófito) ns ngiosprms prmitirm su susso rproutivo no mint trrstr. A prtir o último vrso, po-s onluir qu posi lin o litor, nsin-o fugir o rl. stá rlion om grniosi, o intingívl, o qu rvl impossiili o litor omprnê-l. forn o litor liçõs rsistêni, ii rforç pl imgm o prl. rvl o litor grniosi, um imnsão qu trnsor o otiino. stá lig o sntimnto impotêni, s for onsir impossiili plvr poéti irionr o litor pr lém o otiino. 08

9 15 16 onito omínios morfolimátios po sr ntnio omo um onjunto spil m qu hj um intrção ntr os prossos ológios s pisgns. Font: LIC, N. B.; SILA, A. C. ; LZAN, R. r igitl gogrfi. São Pulo: Morn, p.169. A prtir ss onito omprnsão os omínios nturz qu xistm no trritório rsiliro, onsir s firmtivs sguir. I - São ronhios sis grns omínios pisgístios mroológios, os quis qutro são intrtropiis (mzônio, os rros, s tings os mrs morros) ois sutropiis (o s prris o s ruáris). II - s ossistms qu rtrizm os omínios são onstituíos grn ivrsi iológi, qu s torn i mis prios pr s inústris limntos, osmétios fármos. III - As potnilis pisgístis são finis pl rlção ntr ivrsos lmntos, omo o rlvo, os solos, vgtção s oniçõs limátiohirológis. I - Entr o núlo um omínio pisgístio ológio s árs ntris outros omínios vizinhos, xist um ár trnsição qu ft os omponnts nturis, omo, por xmplo, os solos vgtção. Está(ão) orrt(s) pns III. homm, no intuito xplorr s jzis minris m us novs riquzs, tm fito onstnt uso um xplosivo onhio omo TNT. TNT, trinitrotoluno, é um sólio ristlino mrlo ltmnt xplosivo, utilizo pr fins militrs ou pr xplorção jzis minris. tor oxigênio m su moléul é rlvnt, ss omposto não nssit o oxigênio o r pr sofrr omustão. El po sr otio prtir o nzno, trvés rçõs sustituição (nitrção lquilção). Font: PERUZZ, Frniso M.; CANT, Euro L. Quími n Aorgm o Cotiino. ol. únio. São Pulo: Morn, p.483. (pto) Sno qu prsnç um sustituint no nl nzênio tm fito sor um nov sustituição, firm-s qu I - orm s rçõs (trinitrção lquilção) não intrfr no prouto formo. II - o grupo nitro (-N 2) iminui nsi ltrôni o nl nzênio torn rção sustituição susqunt mis lnt, pois s rtriz omo um grupo stivnt, sno mtirignt. III - os grupos tivnts omo, por xmplo, o mtil (-CH 3), têm sus nuvns ltrônis trís plo nl nzênio, sno, portnto, orto-pr irignts. I - o grupo lquil (-CH 3) prsnt fito msomério; o grupo nitro (-N 2), fito inutivo. pns I. Estão orrts pns I II. pns I II. pns III I. pns I III. I, II, III I. pns II III. pns II I. pns III I. 09

10 17 homm tm uso mlhori quli vi, não somnt no âmito limntr ms tmém no qu tng à proução novos mtriis. A qustão sú tm sio proupção onstnt Ciêni. Muitos os fármos hoj omrilizos tivrm su origm n nturz, omo é o so Aspirin. Tuo iniiou om Hipórts, m 400.C., qu ritv o uso s o slguiro pr o trtmnto ors. Em 1826, grçs os vnços tnológios, Brugntlli Fontn luirm qu o prinípio tivo s o slguiro r sliin, mor pns m 1859 Kol onsig otr m lortório um rivo sliin: o áio sliílio. mimnto foi muito utilizo no omt à fr, no ntnto su iz prjuiv o stômgo osionno úlrs. Assim, m 1893, Hoffmnn, proupo om rtritr su pi, sinttizou o áio tilsliílio, prinípio tivo Aspirin, qu prsntv mnor irritili pr muos stoml. Grn prt o onforto o muno morno é onsquêni o sforço intífio m us novs sorts. srv rção sínts Aspirin: Font: CISCAT, Crlos A. M.; PEREIRA, Luís F. Plnt Quími. ol. únio. São Pulo: Áti, p (pto) H H + HC 3 CH 3 H + HC 3 H CH 3 Áio sliílio Anirio étio Áio tilsliílio Áio étio Anlis s firmtivs: I - A moléul spirin possui i íli htrogên stur. II - A moléul o áio sliílio prsnt função álool função áio roxílio, nqunto o áio tilsliílio prsnt funçõs éstr áio roxílio. III - A rção ntr o áio sliílio o nirio étio po sr onsir um rção áios Lwis. I - A moléul o áio til sliílio possui 2 8 átomos rono hiriizos sp 1 hiriizo sp 3. Estão orrts pns I II. pns II III. pns I I. pns II I. pns III I. 10

11 18 Ds sort o primiro plástio sintétio históri, ss mtril vm sno prfiçoo plio n inústri. Isso s v o fto o plástio sr lv, tr lt rsistêni flxiili. Um pç plásti us n frição um rinquo tm form um pirâmi rgulr qurngulr m qu o pótm m 10 mm rst s m 12 mm. A pç possui pr nix, m su intrior, um prt o volum igul 78 mm 3. 3 volum, m mm, ss pç é igul j-s qu o ppl higiênio xist n Chin s o séulo XI. No Brsil, no ntnto, l pssou sr mplmnt uso pois é 1950, príoo rtrizo plos prossos urnizção mornizção soi. Situno-s nss ontxto soi rsilir, mrqu ltrntiv orrt. A políti snvolvimntist Jânio Quros inntivou inústri, migrção pr s is o ontrol inflção, prmitino o sso os rsiliros os proutos higin. surto snvolvimntist, rsultnt plição o molo sustituição s importçõs o uso os invstimntos strngiros n inústri, ifuniu novos proutos novs prátis higin. 20 A ntropologi mpíri soil fz, ntr outrs oiss, um srição visão muno outros povos, povos isolos, om outrs língus onpçõs rli. A ntropologi filosófi é tivi rflxiv qu us tornr trnsprnts os onitos funmntis ssoios à noss própri visão muno. Esss onitos são, postriormnt, utilizos por outrs prts filosofi, omo filosofi políti, éti filosofi o irito. Qul pr onitos sguir s just à ntropologi filosófi à filosofi políti? Ato potêni. Aptção rproução. Psso orpori. Cus fito. Clss soil stmnto. A Gurr Fri ltrou os háitos soi rsilir, o ssimilr os vlors s novs potênis uropis m snsão. A inorporção háitos higin os rsiliros s u om o ingrsso os trlhors n inústri urnt 1ª Gurr Munil. Grntino um nário morátio s qu ssumiu Prsiêni Rpúli m 1930, Gtúlio rgs invstiu miçmnt n ução n inústri rsilirs. 11

12 21 22 D oro om prtilh stli pl NU, m 1947, o Esto juu, qu inluirá i Tl Aviv, trá r 550 mil hitnts origm jui 500 mil árs. Já o Esto ár, nvolvno i Gz, ontrá om 750 mil árs 10 mil juus. Jruslém, pitl rivini plos ois grupos, srá um i intrnionl. A prtir sss informçõs, ssinl ltrntiv qu prsnt orrtmnt os ontimntos histórios qu onuzm à prtilh Plstin. Font: BRENER, Jym. Jornl o Séulo XX. São Pulo: Morn, p ª Gurr Munil Guto rsóvi Esto Isrl Sionismo 2ª Gurr Munil Holousto Nzismo Mrtismo Cpitlismo Comunismo Antissmitismo Glolizção 2ª Gurr Munil Pto rsóvi Primvr Prg El lvou à éim potêni issminção o onhimnto. El nos prmit vijr sm sir o lugr, ms, lém isso, po gurr informçõs por séulos. Romnos srvim m táus, gípios, m ppiros, os mis sts tinhm um spéi livro fito om s árvor. Ms o ppl, snvolvio no séulo 2 plos hinss, prns Gutnrg, o séulo 15, form s riçõs mis importnts pr o surgimnto o livro form omo o tmos hoj. A primir imprssão oorru m Dpois qu o uso prns s onsoliou, omrints lnçrm um vri títulos, muitos ls originários mnusritos ntigos. Ms o oom oorru msmo no séulo 19. A Rvolução Inustril troux inovçõs tnológis pr o ppl, tornno-o mis rto ssívl às itors. Sm sss lhmços folhs, provvlmnt o prt históri humni tri s prio. Com rlção o mprgo rursos osão pontução no txto, onsir s firmtivs sguir. I - livro é rfrio, o longo o txto, us vzs plo pronom El us vzs plo pronom o. II - A vírgul qu su gípios ( l. 5) foi us pr inir lips plvr srvim ( l. 5), vitno su rptição. III - A vírgul qu nt os mis sts ( l. 6) pori sr limin, sm prjuízo à normprão. Está(ão) orrt(s) Font: SUPERINTERESSANTE. As 101 miors invnçõs humni. E. Espil. 2013, p. 60. (Apto). pns I. pns I II. pns II. I, II III. pns III. 12

13 23 No onto Flii lnstin (1971), Clri Lisptor, nrror m primir psso ror um ontimnto su infâni: o sjo otr um livro mprsto ( As rinçõs Nrizinho, Montiro Loto). Quno finlmnt o onsgu, porém, prsongm tm um rção inspr: Pgui o livro. Não, não sí pulno omo smpr. Sí nno m vgr. [...]. Mu pito stv qunt, mu orção pnstivo. Chgno m s, não omi lr. Fingi qu não o tinh, só pr pois tr o susto o tr.[...]. Criv s mis flss ifiuls pr qul ois lnstin qu r flii. príoo sulinho rvl qu prsongm não s vê omo lguém à ltur um livro Montiro Loto. mnin, init pl litur, sor o gosto por tos ilíitos. prsongm não onsgu s rlizr om poss o livro, prmnno instisfit. protgonist s snt triunfnt m rlção à on o livro, mnin qu ntriormnt lh ngr o mpréstimo. mnin i o sntimnto flii pr mlhor provitá-lo. 24 No romn Noit (1954), Ério ríssimo, o protgonist não é nomo, rno lunh Dsonhio. Po-s ntnr usêni o nom próprio o prsongm omo um ironi volt às lsss fvoris qu, ssim omo o prsongm, sonhm xistêni prári grn prt s populçõs urns. um moo sprsonifição, um vz qu o Dsonhio rprsnt mss nônim vnt, qu prmul pl i qul l não omprn. um strtégi sprsonlizção, o o rátr utoiográfio o romn. um form singulrizção, já qu usêni nom próprio vini importâni o inivíuo pr inâmi urn. um form pronizção, já qu, ns grns is, grn prt populção lut rvmnt pl su sorvivêni, à smlhnç o qu é fito plo Dsonhio. 25 onhimnto é um frrmnt ssnil pr sorvivêni humn. s prinipis filósofos mornos rgumntrm qu nosso onhimnto o muno sri muito limito s não puéssmos ultrpssr s informçõs qu prpção snsívl ofr. No príoo morno, qul prosso ognitivo foi rsslto omo funmntl, pois prmiti otr onhimnto irto, novo pz ntipr ontimntos o muno físio tmém o omportmnto soil? Dução. Tstmunho. Inução. rtóri rtóri. Mmorizção. 13

14 02 26 srv o frgmnto sguir, xtrío o romn Nov noits (2006), Brnro Crvlho. Xingu, m too o so, fiou guro n minh mmóri omo imgm o infrno. Não ntni o qu r n ç os ínios pr s instlrm lá, [...]. Não pnsi mis no ssunto té o ntropólogo qu por fim m lvou os Krhô, m gosto 2001, m slrr: j o Xingu. Por qu os ínios stão lá? Porqu form sno mpurros, nurrlos, form fugino té s stlrm no lugr mis inóspito inssívl, o mis trrívl pr su sorvivêni, o msmo tmpo su últim úni onição. Xingu foi o qu lhs rstou. Font: CARALH, Brnro. Nov noits. São Pulo: Compnhi s Ltrs, p A prtir o xposto, ssinl ltrntiv INCR- RETA. No frgmnto, fi implíit ii qu o srifíio os Krhô é invitávl pr o surgimnto um nov orm, nolirl gloliz. N pssgm, fi nítio o sonforto o nrror m rlção o Xingu o su sonhimnto rltivo à situção os inígns, o qu rprouz ignorâni gnrliz m torno s nssis sss populçõs. 27 Muits onçs humns são uss por vírus, téris ou protozoários. Su trnsmissão po sr intrmi por outros orgnismos, tis omo instos. Assinl ltrntiv qu ontém pns informçõs orrts sor os gnts tiológios s forms trnsmissão lgums onçs. 28 vírus HI, usor AIDS, po sr trnsmitio plo mosquito As gypti. mosquito As gypti é o gnt tiológio onçs, omo fr mrl ngu. ríol, poliomilit, AIDS grip são onçs uss por vírus. Tnto turulos qunto grip são uss por vírus. Eol Donç Chgs são onçs tropiis uss por vírus trnsmitis por mosquitos. srv figur: xrto tm o su sntio omplmnto por outr pssgm o romn, n qul o nrror firm qu os Krhô são os órfãos ivilizção. Estão nonos (p. 97). N pssgm, firmção qu o Xingu é últim úni onição os Krhô é um rvlção om lr onotção trági. A pssgm ssinl o strnhmnto o nrror-prsongm m rlção os Krhô, strnhmnto rforço m outrs situçõs, omo, por xmplo, quno o prsongm rsist prtiipr os rituis trio. Font: AMABIS, José M.; MARTH, Gilrto R. Biologi 2 - Biologi os rgnismos. São Pulo: Morn, p. 59. (pto) Um os grns mpilhos no snvolvimnto rogs pr o omt às onçs viris é vri mnismos infção, intgrção rplição os vírus. s vírus são ptos tipos lulrs hospiros spífios. A figur rprsnt ois tipos ilos vi vírus (ilos A B). 14

15 A prtir figur, é orrto firmr: srv, ntão, strutur: No ilo prsnto m A, oorr, pós proução unis viris n élul hosp- ir (3'), lis ss élul (4') lirção novos vírions. No ilo prsnto m A, o DNA virl não é liro pr o mint pós rplição. No ilo prsnto m B, o mtril gnétio o vírus é injto n élul (2), intgr- NH H H H H s o DNA o hospiro (3), porém é rplio sprmnt, originno vírions. Txol No ilo prsnto m B, o mtril gnétio o vírus intgr-s o DNA o hospiro (3), porém não oorr rplição os sus gns, sno o vírus inofnsivo. No ilo A, os vírions prouzios (4') são inpzs inftr novs éluls, no ilo B, os vírus são inpzs rplir su mtril gnétio. srvno moléul o txol, é orrto firmr qu, ntr s funçõs orgânis prsnts, stão álool, mi éstr. ton, fnol éstr. mi, áio roxílio ton. álool, áio roxílio étr. 29 étr, éstr min. Em us novs rogs pr ur o ânr, intists, no iníio é 1960, snvolvrm um progrm pr nlisr tivos m mostrs mtril vgtl. Dntr s mostrs, nontrv-s o xtrto s o tixo-o-pífio, Txus rvifoli. Ess xtrto mostrou-s stnt fiz no trtmnto ânr ovário mm. No ntnto, árvor prsnt rsimnto muito lnto, pr proução 1000 g txol, são nssáris s ss 3000 árvors tixo 100 nos, ou sj, pr trtr um pint om ânr, sri nssário o ort prossmnto 6 árvors ntnáris. notávl susso o txol no trtmnto o ânr stimulou sforços pr isolr sinttizr novs sustânis qu possm urr onçs qu sjm in mis fizs qu ss rog. Font: BETTELHEIM, F. A. Introução à quími grl, orgâni ioquími. São Pulo: Sriv, p

16 30 Cintifimnt onhi omo Cnnis stiv populrmnt hm monh, o ultivo ss plnt hgou o Brsil no príoo olonil, om o nom ânhmo. Er utiliz pr xtrção firs pr inústri têxtil ors. Não s s o rto quno pssou tmém sr utiliz por qui omo luinógno, su uso tornou-s rprimio pl políi n é Em zmro 2013, o Urugui lglizou o onsumo o ultivo privo rv, ssim omo já ont m lguns lugrs Europ. Qul o rgumnto prinipl utilizo pls utoris uruguis pr justifir isão? númro onsumiors é muito grn ntr juvntu urugui. uso monh é mnos prjuiil qu o uso o to. uso monh é um trço ulturl ntr os uruguios tos s is. A lut ontr s rogs não tm otio susso, psr os muitos invstimntos sforços. Rsult m gnho fisl plo Esto sustitui rrção oti om s fáris lulos. 31 Em A hor vz Augusto Mtrg (1946), Guimrãs Ros, o prsongm título, pós long pnitêni, tm um spéi rvlção: Nhô Augusto snti sus mulhrs. E forç vi nl ltjv, m ons lrgs, num tnsão onfortnt, qu r um rgrsso um rssurgimnto. Assim, sim, qu r om fzr pnitêni, om tntção stimulno, om o rsto no trrno onquisto, om o prigo tuo. Nm pnsou mis m mort, nm m ir pr o éu [...]. Bstv-lh rzr guntr firm, om o io li prto, sujugo pnho rijo, qu r um przr. A prtir o frgmnto, ssinl ltrntiv qu xprss visão Mtrg rltiv às provçõs. A tntção é inorpor pls mulhrs qu, sguno prsptiv o prsongm, são origm toos os tormntos. As ifiuls prm positivs n onpção Nhô Augusto, pois vlorizm in mis su pi rsistêni. A visão o prsongm monstr su mirção plo Ml, lmnto qu s sorpõ o Bm. As tntçõs, oro om o pnsmnto Mtrg, vm sr vits too usto, já qu proximm o homm nção. Sguno o pnsmnto Mtrg, v-s, vntulmnt, r à tntção pr lmrr qu somos pns humnos. 16

17 32 srv o gráfio: Complt tl vr sguir. p F F q F F p (q p) Assinl ltrntiv qu omplt orrtmnt tl. Brsil: pirâmis táris populção ( ) Anos 80 ou mis Homns Mulhrs % Font: LIC, N. B.; SILA, A. C. ; LZAN, R. r igitl - Gogrfi. F São Pulo: Morn, p.388. Com rlção à volução pirâmi tári o Brsil no príoo , onsir s firmtivs sguir. I - A populção ult (20 59 nos) suprou jovm (0 19 nos), inino um tnêni qu o Brsil não srá mis um pís jovm. F F F II - orr rução rltiv s fixs táris infriors n populção totl tmém umnto signifitivo tos s fixs táris supriors 20 nos. F III - Exist um tnêni nvlhimnto populção, vini no stritmnto s lrgmnto o topo pirâmi, rfltino s munçs struturis qu ontrm ns últims és. 33 Ns últims és, houv ivrss munçs struturis n onomi rsilir, omo inustrilizção urnizção, qu ltrrm o omportmnto rproutivo populção. Um gráfio m form pirâmi m uj orn prm os grupos i, m uj siss nontr-s o ontingnt populionl m númros solutos ou prntuis é form usul rprsntr strutur tári um populção. I - Há um tnêni mnutnção n strutur tári populção om prponrâni jovns monstrno stgnção trnsição mográfi no pís. Está(ão) orrt(s) pns II. pns III. pns I. pns I I. pns I, II III. Font: LIC, N. B.; SILA, A. C. ; LZAN, R. r igitl gogrfi. São Pulo: Morn, p (pto) 17

18 34 rsimnto populionl s inovçõs tnológis o séulo XX rirm um grn mn nrgi létri. Pr prouzi-l, svmos o hão m us rvão ou ólo pr limntr s usins trmlétris, xtrímos, nriqumos fissionmos urânio pr qur águ ns usins nulrs, inunmos grns xtnsõs trr pr rmznr águ qu mov s turins s hirlétris, ou rgumos torrs om imnsos t-vntos pr utilizrmos nrgi óli. Em omum, tos sss forms proução nrgi létri sim-s n li inução Fry, sort in no séulo XIX, qul xprss o fto qu o quimnto um oin onutor inuz o movimnto gitção térmi os létrons o onutor. o movimnto rotção um oin onutor inuz um forç mâni qu movimnt os létrons o onutor. o movimnto rotção um oin onutor inuz um forç ltromotriz qu movimnt os létrons o onutor. vrição o fluxo létrio trvés um oin onutor inuz um forç ltromotriz qu movimnt os létrons o onutor. vrição o fluxo mgnétio trvés um oin onutor inuz um forç ltromotriz qu movimnt os létrons o onutor. 35 Pr s sois urno-inustriis, os lmntos nturis rprsntm rursos qu srvm à lógi proução o onsumo m lrg sl. Brsil ispõ um trritório fisiogrfimnt ifrnio, om um grn vri sistms nturis sor os quis históri foi s fzno um moo tmém ifrnio. Font: LIC, N. B.; SILA, A. C. ; LZAN, R. r igitl gogrfi. São Pulo: Morn, p.182. (pto) Com rlção à proprição os rursos nturis no Brsil, onsir s firmtivs sguir. I - A monoultur xportção oupou vsts árs m irção à rgião Cntro-st, fzno vnçr s frontirs gríols mçno o ptrimônio gnétio flor fun o Crro, m f grn vstção qu ting ss omínio. II - mio nturl intoo ixou xistir há muito tmpo, portnto, o spço gográfio rsult justmnt s ifrnts intrvnçõs propriçõs qu form rlizs pl soi no orrr su históri qu s mnifstm no trritório rsiliro. III - A prssão xri plos novos prõs tnológios pr proução gríol minrl rvl onfrontos ntr xplorção prsrvção o ptrimônio mintl m ivrsos pontos o trritório rsiliro, o qu prmit omprnr os onflitos xistnts n proprição os rursos nturis. Está(ão) orrt(s) pns I. pns II. pns I III. pns II III. I, II III. 18

19 36 A figur mostr lolizção no plno rtsino um torr T trnsmissão nrgi. y Dus outrs torrs vm sr instls m posiçõs ifrnts sor rt y = x 5, moo 3 4 qu istâni ntr um sss torrs torr T sj igul 200 mtros. s pontos lolizção sss torrs são iguis T x 37 Um vz qu proução nrgi létri, m qulqur sus molis, tm imptos mintis, inovçõs qu lvm à iminuição o onsumo nrgi são nssáris. Assim, s ntigs lâmps innsnts vêm sno sustituís por ltrntivs nrgtimnt mis fiints. Nqul tipo lâmp, missão luz oorr quno tmprtur um filmnto tungstênio é lv vlors ntr K. Ess quimnto oorr omo rsulto issipção nrgi os létrons o srm trnsportos trvés o onutor. Aquimnto missão rição infrvrmlh onsomm r 90% nrgi létri forni pr lâmp. Com s nss onhimnto, onsir situção rprsnt n tir sguir. (20,10) (160,315). (0,-5) (320,235). (0,-5) (160,315). (-40,115) (320,235). TU AIS TER TIN PRA ME TRCAR ESTA LÂMPIA? BAH! MAIS FÁCIL QUE FAZER UM MATE PR IST EU MESMA ENCILH MEU CHIMARRÃ (-40,115) (160,315). Font: LUZADA, Pulo. Disponívl m: Asso m: 07 out (pto) Por qu um lâmp innsnt 100W 110, omo us plo prsongm tir, quim quno lig m um r 220? Ao orr tnsão, lâmp issip nrgi um tx qutro vzs mior. Ao orr tnsão, lâmp issip nrgi um tx us vzs mior. Ao orr orrnt, lâmp issip nrgi um tx us vzs mior. Ao orr orrnt, rsistêni lâmp i à mt. Ao orr orrnt, potêni lâmp i à mt. 19

20 38 Em 2009, o jornl L'ssrvtor Romno firmou qu máquin lvr roups fz mis pl lirção s mulhrs qu pílul ntionpionl, pois ls ixrm fir hors junto o tnqu purm oupr-s m tivis mis intrssnts proutivs. No Brsil, onomi soi ompnhrm ss tnêni. Assinl ltrntiv qu prsnt s rtrístis tuis o sistm proutivo rsiliro: uso intnsivo roóti, fortlimnto os sinitos rgulção sttl. uso lt tnologi, tririzção munilizção proução. sinitos fortlios, ltos slários nolirlismo. 40 A hg tlvisão no Brsil filitou o sso à informção. Com o vnço tnologi, os prlhos stão i mis mornos onsquntmnt mis ros. Um onsumior sj quirir um tlvisão om tnologi últim grção. Enqunto gur o prço tlvisão ixr, l pli o pitl isponívl R$ 3.000,00 juros simpls 0,8% o mês m um instituição finnir, por um príoo 18 mss. montnt, o finl ss príoo, é igul R$ 7.320,00. R$ 5.400,00. R$ 4.320,00. nolirlismo, onomi mro plno R$ 3.432,00. mprgo. R$ 3.240,00. sto m-str soil, uso intnsivo ltrôni glolizção. 39 Em um instlção létri omésti, s toms são ligs m pr qu msm m toos os ltrooméstios ligos ss instlção. Assinl ltrntiv qu omplt s luns, n orm. prllo tnsão sj pli prllo orrnt irul prllo potêni tu séri tnsão sj pli séri orrnt irul 20

21 41 No txto sguir, são prsnts três invnçõs prsnts no humni. rnking s mis importnts pr PNEUS 1 A ro foi um grn sort, Estos Unios. r um hrói nônimo, o ms um tnto inonvnint. Como ros prouto r um rm vnio num frso pr mir são sólis, provom solvnos nos pssgiros. Em 1845, um rpz 23 nos ptntou solução: ro ér, um irunfrêni inflávl orrh. Ain não tínhmos rros ou iilts, pns rrugns, o jovm soês Rort Thomson não onsguiu onvnr o muno qu os pnus poim sustituir s ros orrh sóli qu rm uss n épo. prouto só xploiu msmo m 1888, quno outro soês, John Boy Dunlop, riou um novo pnu pr iilts, qu stvm n mo. DESDRANTE Sm l, o glomrmnto srs humnos m mints fhos sri inviávl. Civilizçõs ntigs já tntvm rsolvr viro, om mr Mum. Dntro, hvi um gosm om spto r qu tinh lorto zino omo prinípio tivo, pz mtr s téris qu provom mu hiro no orpo. GGLE Até 1997, r um os nvgr n intrnt. Frrmnts us trzim rsultos, ms voê tinh tr piêni pr vsulhr muits págins trás quilo qu prourv. Quno o Googl foi lnço, os sits mis intrssnts omçrm prr logo n primir tl. Mági. Por trás us, stá um fórmul mtmáti (um lgoritmo) qu gr rnkings, hm PgRnk, qu fz os sits qu mis rm links outrs págins prrm ns pri- Font: SUPERINTERESSANTE. As 101 miors invnçõs humni. E. Espil (pto) ss rm om spiris romátis, o- 40 mirs posiçõs. Dmorou, ms o Googl s 20 mo nl innso. Ms o primiro soo- tornou imnsmnt populr. rnt omril surgiu pns m 1888, nos Com rlção iis rursos linguístios o txto, ssinl n(s) ltrntiv(s) vrir(s) F n(s) fls(s). ( ) primiro soornt omril surgiu no msmo no m qu invnção os pnus foi ptnt. ( ) Elmntos omo inonvnint ( l. 2), rm ( l. 19) os ( l. 29) rmtm situçõsprolm m qu s nontrv humni çõs mnions, prtir s quis o muno s tornou mis przívl. ( ) xrto Como ros pr mir são sólis, provom solvnos nos pssgiros ( l. 2-4) pori sr rsrito, sm ltrção o sntio, omo Ros pr mir, por srm sólis, provom solvnos nos pssgiros. A squêni orrt é nts invnção, rsptivmnt, os pnus, o soornt o Googl. F F. F F. ( ) A strtégi prolm-solução é mprg p- F F. F F F. r str munçs promovis pls invn- F. 21

22 42 Não é hoj qu os polímros fzm prt noss vi; progrssos otios plos químios prmitirm vnços importnts m ivrss árs. s vnços intífios tnológios têm possiilito proução novos mtriis mis rsistnts o tqu químio o impto. Kvlr tm sio utilizo n proução inustril olts à prov ls, lém prsntr rtrísti isolnt térmio. A otnção ss polímro oorr por mio rção sguir. H C n C H + n H H N N H H Ctlisors C C H N N H n + 2n H 2 Font: PERUZZ, Frniso M.; CANT, Euro L. Quími n Aorgm o Cotiino. ol. 3. São Pulo: Morn, p.374. (pto) Com s nos os, é orrto firmr qu o polímro é otio por um rção ição o polímro rsultnt é rtrizo por um polimin lifáti. onnsção oorr ntr um áio roxí- onnsção o polímro rsultnt é rt- lio um min sunári. rizo por um polimi romáti. sirtção os grupos funionis ligos o polimrizção um os rgnts é o áio nl nzênio oupm posição orto mt. nzoio. 22

23 43 A oupção rgião Cntro-st sou-s n puári ort qu sti os grns mros onsumiors rgião Sust. N é 1970, introução novs tnologis vlorizou s árs rro, té ntão onsirs imprópris pr griultur m função lv iz sus solos. No omço é 1980, muitos griultors o Sul Sust migrrm pr o Cntro-st tríos pl isponiili trrs virgns rts. Surgirm s hms frontirs gríols, vsts árs form inorpors à inâmi onomi rsilir. Font: TAMDJIAN, J..; MENDES, I.L. Gogrfi Grl o Brsil: stuos pr omprnsão o spço - nsino méio. São Pulo: FTD, p.175. (pto) Com s no txto nos sus onhimntos sor rgião Cntro-st, é orrto firmr qu s tivis gropuáris snvolvis nss rgião s rtrizm por prsntr um proxo: por um lo, os ultivos têm sio mis proutivos mnos nosos o mio mint, grçs o mprgo tnologi; por outro lo, xpnsão o ultivo soj puári ovin mç xtinção váris spéis o ossistm os rros. str mr por um prosso struição Mt Atlânti, qul, iniilmnt, om o ultivo o fé, postriormnt, om o vnto o pró-álool grção nrgi omustívl, u spço pr o ultivo n-çúr. 44 prsntr omo forms proução não só um griultur itinrnt muito nos o mio mint, omo tmém um griultur omril s no grn ltifúnio, on prinipl proução é puári ovin ort tipo xtnsivo, qu, muits vzs, é utiliz pr lgitimr poss trrs. prsntr, m um ossistm rorto por vgtção mpos, um puári smixtnsiv om stqu pr rição ovinos ovinos, ujos rnhos são ontinumnt primoros om rçs uropis. Um ntn tlfon lulr rurl or um 2 rgião irulr ár igul 900 π km. Ess n- tn stá loliz no ntro rgião irulr su posição no sistm rtsino, om mis m quilômtros, é o ponto (0, 10). Assim, qução irunfrêni qu limit rgião irulr é 2 x + y 2 20y 800 = 0. x 2 + y 2 20y + 70 = 0. + y 20x 800 = 0. x y 20x 70 = 0. x 2 2 x 2 + y 2 = 900. ontrstr nários om tivis triionis m um ossistm rorto pl Cting on são prtis tivis susistêni o lo grns plntçõs omriis ultivs om mornos sistms irrigção. 23

24 45 46 onito pisgm po sr ntnio omo mtrilizção prossos soiis, qu no Rio Grn o Sul s xprssm trvés um simplifição litur o spço m us grns unis. Font: SUERTEGARAY, D.M.A.; GUASSELLI, L. Pisgns (imgns rprsntçõs) o Rio Grn o Sul. In: ERDUM, R.; BASS, L.A.; SUERTEGARAY, D.M.A.(rgs) Rio Grn o Sul: pisgns trritórios. 1. Porto Algr: Eitor UFRGS, p (pto) Com rlção às pisgns qu onstitum o sto o Rio Grn o Sul, onsir s firmtivs sguir. I - As trnsformçõs soiis onômis o sto o Rio Grn o Sul, o longo os últimos nos, prmitm prsntr novs liturs lém pisgm gríol no nort pstoril no sul. II - É possívl visulizr no spço gúho um mosio pisgns, rsultnts s prátis sns o longo o séulo XX, m prtiulr pós os nos 50. III - So óti srição pisgm, é ifíil visulizr uli históri qu mrou o spço o sto, pois pisgm gríol s xpn pls ntigs árs mpo, onfigurno trnsformçõs visívis o rornmnto o trritório gúho. I - As siguls soiis rgionis xistnts são trmins pns plos ftors nturis, omo quli pi uso os solos, qu ofrm ostáulos à mlhori quli vi populção. Está(ão) orrt(s) pns II. pns I, II III. A vi otiin n ontmporni é muito ifrnt onhi por nossos ntpssos há us ou três grçõs. S for onsir qustão limntr, spilmnt prtir os nos , tn-s omr vz mis for s pouos in têm isponiili tmpo pr prprr su própri rfição ou fmíli. Esss trnsformçõs orrm vários ftors, omo o trlho fminino, iminuição s fmílis, mior ofrt srviços limntção, os ustos mnors, ntr outros. S isso for onsiro m sl munil, s munçs tmém orrm I - ofrt proutos pl inústri limntíi qu, por prouzir m grn qunti, onsgu iminuir os prços muitos proutos in ntur. II - o stlimnto prõs limntrs vz mis glois, om o uso rfrigrnts, snuíhs, molhos prontos, msss, pizzs, rns xótis. III - grn ofrt orrnt mplição rs limntção, omo MDonl's, Burgur- King, Hr Rok Cfé, ntr muits opçõs fstfoo. I - higin xistnt nos stlimntos ios o omério rfiçõs pr o onsumo m qulqur horário o i noit. Está(ão) orrt(s) pns I III. pns I I. pns II. pns III. pns II I. pns III. I, II, III I. pns I. 24

25 47 Rvolts movimntos soiis, omo os oorrios rntmnt no Brsil, stão frquntmnt nvolvios no prfiçomnto vi soil pom tr ppl pttivo. N históri filosofi políti morn, lguns filósofos onrm srs humnos omo átomos iniviuis movios por ptits ou sjos guios plo przr or, sno o ptit funmntl o homm utoprsrvção. Num situção sssz ns, om pssos guis xlusivmnt por sjos ntipors przr voltos à utoprsrvção, hvrá, invitvlmnt, onflito soil. Qu ltrntiv(s) rionl(is) soluion(m) o onflito? I - Uso forç violêni. II - Uso iologi ontrol informção. III - Aoro lirção oltiv. I - Aplo à trição ostum. Está(ão) orrt(s) (s) ltrntiv(s) 49 insturção um rpúli nrquist, pns om um prsint sm lis. rição um itur o proltrio, irigi por rprsntçõs polítis. insturção um oltivi soilist, s m vlors ristãos soliários. implntção um rgim oltivist, igulitário stmntl. Pr vlir s vns m 2013, o stor plnjmnto um mprs utilizou função polinomil N(t) = t t + 126t m qu N rprsnt o númro tlts vnios no mês t, om t = 1 orrsponno jniro, t = 2 orrsponno fvriro ssim por int. D oro om os os, o númro tlts vn- ios foi igul 480, nos mss I II pns. III I pns. fvriro, julho novmro. I, II III pns. I pns. fvriro, gosto novmro. III pns. fvriro, gosto zmro. 48 Rntmnt, ontrm no Brsil ivrss mrhs mnifstçõs protsto m fvor munçs m stors m srviços prstos spilmnt pl máquin púli govrno. Grn prt os mnifstnts protstou mnir pífi, inlusiv lvno filhos às mrhs. Algums lirnçs, inspirs no Anrquismo, usrm violêni, nfrntrm políi usrm váris prçõs m nos, lojs, víulos, t. Dntr s prinipis iis lássis o Anrquismo, stá mrço, gosto zmro. mrço, stmro zmro. o fim utori o Esto propri priv. 25

26 50 A vi morn tm xigio o homm um munç háitos, ntr ls, o limntr. s Fst Foos surgm omo ltrntiv rápi pr limntção, no ntnto its lóris não lns, lis o sntrismo, têm lvo um umnto mss orporl. Em us ltrntivs pr its rstritivs, o stor limntíio tm snvolvio proutos ligth it. spr- tm é utilizo omo ulornt (oçnt) m limntos itétios, pós su ingst, sofr hirólis sno onvrtio m fnillnin, um minoáio romátio. orgnismo humno mtoliz o xsso ss minoáio, iniilmnt pl nzim fnillnin-hiroxils, prouzino outro minoáio: tirosin. Pssos portors fniltonúri um onç hrnç utossômi rssiv, não onsgum rlizr ss tp mtóli. A onç é ignosti por mio o tst o pzinho po usr rtro mntl. srv, ntão, s struturs: Font: FELTRE, Riro. Funmntos quími. ol. únio. São Pulo: Morn, p.175. (pto) HN 2 H H HN 2 H H HN H CH 3 2 NH H Fnillnin Tirosin Asprtm Com s nsss informçõs, é possívl firmr: Está(ão) orrt(s) I - sprtm é o éstr mtílio um ipptí- pns I. pns II, III I. o, sno fnillnin um os minoáios onstituints. pns I, II I. I, II, III I. II - A fnillnin tirosin são ifrnis pl pns III. função fnol. III - Ds três moléuls rprsnts, pns tirosin prsnt um núlo nzênio. I - A fnillnin tirosin possum tivi óti, pois s us prsntm um rono quirl. 26

27 51 srv figur: 52 A ltr o sm Wilson Btist Atulfo Alvs, on São Jnuário (1940), iz o sguint: Qum trlh tm rzão/ Eu igo/ E não tnho mo rrr/ on São Jnuário/ Lv mis um oprário/ Sou u qu vou trlhr/ Antigmnt u não tinh juízo/ Ms hoj u pnso mlhor/ No futuro/ Grçs Dus/ Sou fliz/ ivo muito m/ A omi não á mis pr ninguém. Font: LUCCI, E. A.; BRANC, A. L.; MENDNÇA, C. Gogrfi o Brsil: nsino méio. São Pulo: Sriv, p.116. Em 1998, Jrmy Rifkin srvu Th Bioth Cntury (o Séulo Biotnologi), rgumntno qu o séulo XXI strá omino por um poroso onjunto frrmnts gnétis onhio omo iotnologi. Font: LUCCI, E. A.; BRANC, A. L.; MENDNÇA, C. Gogrfi o Brsil: nsino méio. São Pulo: Sriv, p.116. (pto) Com rlção o Brsil, há mis um é o novo séulo, é possívl izr qu ss firmção stv rr, pois o plntio trnsgênios stá proiio. rt, porqu s prátis griultur orgâni stão proiis. rt, um vz qu iotnologi tm sio lrgmnt utiliz n griultur, sú proução mtriis mnufturs. rt, pois o uso hormônios noliznts stá nio puári. N ltr ss músi, onstt-s um munç prsptiv os smists o iníio o séulo XX, qu ostumvm vlorizr vi oêmi não o trlho. Ess munç vu-s I - à vitóri pulist n Rvolução Constituionlist 1932, qu rsgtou o vlor o trlho ntr os oprários rsiliros. II - à insturção o Esto Novo, qu implmntou um políti fort snvolvimnto inustril moilizou milhrs trlhors. III - o nionlismo snvolvimnto propgos pl itur gtulist o stímulo à proução mnufturos m sustituição às importçõs ifiults pl 2ª Gurr Munil. I - à implmntção órgãos rprssão nsur, omo o DIP (Dprtmnto Imprns Propgn), urnt o govrno o gnrl Eurio Gspr Dutr, impino viulção proutos ulturis onsiros prmissivos. Está(ão) orrt(s) rr, porqu proutos qu ontnhm m- pns I III. pns I. téri-prim ltr gntimnt stão proiios ns prtlirs os mros. pns II. pns II III. I, II, III I. 27

28 Pr rsponr à qustão 53, li os txtos 1, 2 3. Txto utros tmpos A proupção o homm m mir o tmpo smpr xistiu. Rlógios águ, s lpsirs, rlógios ri, s mpulhts, rlógios sol, rlógios vl, form lguns os instrumntos qu rlizvm tl função. Com o pssr os séulos, ls form s prfiçono. séulo XIII viu surgirm os rlógios três pontiros os ronômtros prisão, n msm épo m qu loim s primirs fáris Rvolução Inustril. Somos hriros irtos ss épo: nosso tmpo é mro plo tmpo xto pl inustrilizção xgr. E fomos lém: tnologis igitis, omputors, smrtphons. Como pontu o filósofo utor livros iátios priátios Riro Mlni, os prlhos m si são oiss progrms qu vrim srvir o homm, frrmnts poio pr gilizr rsolução nossos prolms, jur n orgnizção o i i. srvmos, ontuo, ontinu Mlni, um invrsão ppéis, pois o homm pss grn prt su tmpo rsponno às mns tnológis, imrso nsss ispositivos qu vrim nos jur tr mis tmpo. Font: AGSTINI, Cristin; PLLA, Cuê Croso. Tmpo, um qustão filosófi. Eutrix, 2º smstr 2013, p. 18. Txto 2 Font: Disponívl m: Asso m: 25 go (pto) Txto 3 28 Font: BECK, Alxnr. Armninho ois. Florinópolis, p. 16.

29 53 Anotçõs Com rlção iis rursos linguístios prsnts nos txtos, ssinl n(s) firmtiv(s) vrir(s) F n(s) fls(s). ( ) A situção rtrt no Txto 2 po srvir pr xmplifir ii, prsnt no Txto 1, qu tnologi giliz rsolução prolms junorgnizçãooii. ( ) No Txto 2, os xrtos o przo [...] stá no o qunto nts, ssim omo s imgns o rlógio om os pontiros m ifrnts posiçõs, rprsntm pssgm o tmpo, sm qu tivi prinipl tnh sio rliz. ( ) No Txto 3, po-s infrir qu o uso quipmntos ltrônios m mints lzr intrfr ngtivmnt no tmpo onvivêni intrção ntr pis filhos. A squêni orrt é F. F F. F. F. F F. 29

30 Anotçõs 30

31 Anotçõs 31

32 H 1 1, SÉRIE DS LANTANÍDIS SÉRIE DS ACTINÍDIS 89 A L ,9 [227] Númro tômio (Z) Símolo Mss tômi H 1 1,0 Li N K R Cs Fr 87 [223] 132,9 3 6,9 23, , ,5 P Pt Ni Ds 28 58,7 195,1 106,4 110 Lr Lu 175,0 [262] No Y 173,0 [259] M Tm 168,9 [258] Fm Er 167,3 (257) Es Ho 164,9 [252] Cf Dy 162,5 [251] Bk T 158,9 [247] Cm G 157,3 [247] Am Eu 152,0 [243] Pu Sm 150,4 [244] Np Pm [145] [237] U N 144,2 238, P Pr 140,9 231, Th C 140,1 232, Zn C Hg 30 65,4 200,6 112,4 48 Cu Ag Au 29 63, ,9 47 Co Rh Ir Mt 27 58,9 192,2 102, F Ru s Hs 26 55,8 190,2 101, Mn T R Bh 25 54,9 [98] 186, Cr Mo W Sg 24 52,0 95,9 183, N T D 23 50,9 92,9 181, Ti Zr Hf Rf [261] 22 47,9 91,2 178, S Y Séri os Atníos 21 45,0 88, C Sr B R Mg B 88 4 [226] 9, , ,1 87,6 137,3 38 H 2 4,00 N Ar Kr X Rn 36 83,8 [222] 131,3 20,2 39, F Cl Br I At 35 79,9 [210] 126,9 19,0 35, S S T Po 34 79,0 [209] 127,6 16,0 32, N P As S Bi 33 74,9 209,0 121,8 14,0 31, C Si G Sn P 32 72,6 207,2 118, ,0 28, Al G In Tl 69,7 B 10,8 27,0 204,4 114, Séri os Lntníos Rg 111 Cn [271] [268] [277] [264] [266] [262] [272] [277] Fl [287] 114 Lv [291] Tl Priói

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E 1ª limintóri 2012 Est tst é onstituío por 30 qustõs qu orm ivrss tmátis Biologi. Li s qustõs tntmnt slion opção orrt unimnt n Folh Rsposts, mrno- om um X no quro rsptivo. O tst tm urção máxim 90 minutos.

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados.

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados. Luís Antuns Grfos Grfo: G=(V,E): onjunto vértis/nós V um onjunto rmos/ros E VxV. Rprsntção visul: Grfos não irigios Dfinição: Um grfo m qu os rmos não são irionos. Grfos irigios Dfinição: Um grfo m qu

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms ssinl ltrntiv

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

Índia Até o bicho separa o lixo

Índia Até o bicho separa o lixo Opror Máquins Agríols Nº Insrição: Pró-Ritori Gstão Pssos Univrsi Frl Snt Mri Prt I Língu Portugus Pr rsponr às qustõs númros 01 10, li os txtos sguir. Txto I Txto II Txto III OBICHO Vi ontm um iho N imuníi

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: TEMPO TOTAL APLICADO: h m TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: 01)

Leia mais

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a m pgou n port s m ixou no sritório. ) Eu tinh bo sir s quno toou o lulr pri pr tnê-lo. Er mu hf, izno qu u stv trso pr um runião. Minh sort é qu nss momnto stv pssno um táxi. Ani pr l pouos minutos pois

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 stmro 01 outuro 2010 ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA ÁGUA CONSUMIDA PELA POPULAÇÃO DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO VERMELHO-MG GABRIELA LÚCIA PINHEIRO 1, CELSO RICARDO CARVALHO 2 ; LÍVIA BOTELHO

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M //0 :9:7 Turma LN 0 Semestre 0 URRÍULO SOLR IVRSI ULTURL T. URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano AGUPAMENO DE EOLA DE MOÁGUA Gomti Fih lho Nº 0 0º Ano Osv igu o lo... Ini so istm: ois plnos ppniuls us ts plls um t post um plno um t snt o plno FIH us ts não omplns. s oons os vétis... Qul posição ltiv

Leia mais

8/8 6/8 5/8 4/8 3/8 2/8 1/8 LAY-OUT DO QUADRO FOLHA 2 LAY-OUT DO QUADRO FOLHA 1 MOTIVO ÉRITON S. VER.

8/8 6/8 5/8 4/8 3/8 2/8 1/8 LAY-OUT DO QUADRO FOLHA 2 LAY-OUT DO QUADRO FOLHA 1 MOTIVO ÉRITON S. VER. 3 4 6 7 8 9 ÁR S MÁQUIN QUIPMNTOS ONTROLOS STÁIOS À 8/8 NOTS, LN OS NOMNLTURS 7/8 LIST PRIÉRIOS 3 7/04/ LTRÇÃO OS USÍVIS, NOTS, LNS OS LIST MTRIIS TOS 77 6/8 /8 4/8 LIST MTRIIS IRM INTRLIÇÕS O MÓULO M-0.

Leia mais

ANEXO II. (Ato da Mesa nº 98, de 2001) ÁREA I

ANEXO II. (Ato da Mesa nº 98, de 2001) ÁREA I NXO II (to da Mesa nº 98, de 2001) ÁR I IRITO ONSTITUIONL. PRINÍPIOS ONSTITUIONIS UNMNTIS, GRIS STORIIS. IRITOS GRNTIS UNMNTIS. STO IRITO STO IRITO MORÁTIO. POR ONSTITUINT: ORIGINÁRIO, RIVO ORRNT. MN,

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

Biologia Filosofia Física Geografia História Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva.

Biologia Filosofia Física Geografia História Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva. 3 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Prov Sltiv Insrição nº: Qustão 01 No omço o séulo XX, os Estos Unios Améri stnrm su ár influêni pr s Améris Cntrl o Sul,

Leia mais

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore Fonts Biliográis Estruturs Dos Aul 15: Árvors 24/05/2009 Livros: Introução Estruturs Dos (Cls, Crquir Rngl): Cpítulo 13; Projto Algoritmos (Nivio Zivini): Cpítulo 5; Estruturs Dos sus Algoritmos (Szwritr,

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni. Rsolv os prolms

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

Uma nota sobre bissetrizes e planos bissetores

Uma nota sobre bissetrizes e planos bissetores Runs Ros Ortg Junior 83 Um not sor isstris pnos isstors Runs Ros Ortg Junior Doutor Curso Mtmáti Univrsi Tuiuti o rná Dprtmnto Mtmáti Univrsi Fr o rná Tuiuti: Ciêni Cutur n 9 FCET 4 pp 83-9 Curiti r 84

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

3 PS1 2013 PS2 2014 S R. Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa

3 PS1 2013 PS2 2014 S R. Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa S R E I 3 PS1 2013 PS2 2014 A D O Arts Biologi Eução Físi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Soiologi Insrição nº: 2015 Txto Pr rsponr às qustõs númros 01 02, li o

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos UFMG/ICEx/DCC DCC111 Mtmáti Disrt List Exríios 9: Soluçõs Gros Ciênis Exts & Engnhris 2 o Smstr 2016 1. O gro intrsção um olção onjuntos A 1, A 2,..., A n é o gro qu tm um vérti pr um os onjuntos olção

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO

Leia mais

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR-SC Srtri Muniipl Sú PROVA Crgo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS LIMPEZA PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA AUXILIAR

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M //0 08:: Turma LGN 0 Semestre 0 IÊNI TNOLOGI MIO MINT QULI VI-60H IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN

Leia mais

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS,

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, P á g i n a 57 LÓRI US (TOM: Ó) 4/4 PLO SOL QU RILH, LÓRI US PL LOR QU NS, LÓRI US PLOS MONTS LTOS, LÓRI US PLO MR TMÉM, LÓRI US PLOS PSSRINHOS, LÓRI US PL NOIT O I, LÓRI US PL RIS LR, LÓRI US QU LON VM,

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. CARTÃO-RESPOSTA stino à mrção s rsposts s 56 qustõs ojtivs. 2. Confir su nom, númro insrição

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M //0 08:: Turma PLPN Semestre 0 ONSTRUÇÃO INST. VLIÇÃO PRNIZGM-60H T 9. ONST INST. VL PRNIZGM T 9. ONST INST. VL PRNIZGM T 9. ONST INST. VL PRNIZGM T 9. ONST INST.

Leia mais

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Prgunts Avlição Romnmos qu voê srv sus rsposts m um pço ppl pr qu voê poss pssr sus olgs trlho migos st urso. MÓDULO 1: INTRODUÇÃO 1. Qul os sguints são ojtivos prinipis

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS COLHEDORA DE CAPIM. Rev /01

CATÁLOGO DE PEÇAS COLHEDORA DE CAPIM. Rev /01 TÁLOO PÇS Rev. 0.0/0 OLOR PIM N 00 Implementos Netz Ltda. one: () -7 / -00 ndereço: RS, KM, - ao lado da O do rasil Santa Rosa - RS ÍNI N00 (VISÃO RL OLOR PIM) 0 N00 (LIST PÇS OLOR PIM) 0 N0 (J MT I) 0

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M /06/0 ::8 Turma LMN 0 Semestre 0 FUNMNTOS MNIOS TÉRMIOS ONULTÓRIOS-60H T 0. FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS T 0.

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est oltim qustõs é onstituío : - Rção - 54 qustõs ojtivs. 2. Confir s, lém ss oltim

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

Problemas Hamiltonianos

Problemas Hamiltonianos Prolms Hmiltoninos Dfinição: Um iruito hmiltonino m um grfo onxo G é finio omo um minho lmntr, fho pssno m vérti G xtmnt um vz. Um grfo qu mit um iruito hmiltonino é um grfo hmiltonino. Evintmnt nm too

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia wwwsmorsplvromr Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Po PG PECADO DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO 03 I, PECADO, O QUE É? 04 II, O ROTEIRO DO PECADO,

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Jsus Cristo CRISTO DESOBEDECESSE Ministério Smors Plvr PG. DOUTRINA CRISTÃ DE JESUS CRISTO.

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA stino à

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física rsão rlmnr rl Nots ul Fís. ENOPI E SEGUN LEI EMOINÂMI... POESSOS EESÍEIS E IEESÍEIS... MÁUINS ÉMIS... Um máqun rnot... Eên um máqun rnot...6 EFIGEOES...6 EOEM E LUSIUS...7 SEGUN LEI EMOINÂMI...9 Enuno

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

Anexo IV Estrutura societária. Estrutura societária vigente

Anexo IV Estrutura societária. Estrutura societária vigente tdt ntrg o Anxo: (Pr uso o BNA) Bno Nionl Angol Prtiipçõs Anxo IV Estrutur soitári Estrutur soitári vignt D orm rir o umprimnto os rquisitos lgis stlios n Li s Instituiçõs Finnirs, nos trmos o Aviso nº

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a),

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a), 2013 QUSTIONÁRIO O PROSSOR Senhor(a) Professor(a), O Sistema Nacional de valiação da ducação ásica, S, é composto por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes e os questionários

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

Considere a junção representada na Fig.1. Admita que as linhas bifilares são ideais (sem 2 (3)

Considere a junção representada na Fig.1. Admita que as linhas bifilares são ideais (sem 2 (3) Miroons 3/4 Mstro m Ennhri Eltroténi Comutors Rsonsál: Prof. Afonso Brbos º Exm 4//4 urção: 3 hors Rsolr roblm m folh sr Problm Consir junção rrsnt n Fi.. Amit qu s linhs bifilrs são iis (sm rs). Tom =.

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não 13 - Gros Plnrs Nst ul qurmos rsponr à suint qustão: Do um ro G, é possívl nontrr um rprsntção rái pr o ro tl qu não hj ruzmnto rsts? Consir por xmplo o ro K 4 rprsnto rimnt ns iurs i1, i2 i3.: i. 1 i.

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS P2 COM SENSORES NESS P2 SEM SENSORES

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS P2 COM SENSORES NESS P2 SEM SENSORES 0 QUIPMTOS OTROLOS OMPRSSOR PRUSO IRM ITRLIÇÃO UTOMÇÃO 0.0.. SS P OM SSORS 0.0..0 SS P SM SSORS /0/ ILUSÃO O MOLO SM SSORS 0/0/ LTRÇÃO MR O TRSUTOR ORRT URO URO /0/ RVISÃO S IMSÕS O LYOUT /0/ LTRÇÃO O

Leia mais

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 EDITAL INTRODUÇÃO A prtir 2009, o IAB RJ pssrá onsirr o onito Dsnvolvimnto Sustntili, omo orgm romnávl n proução o rquitto, o urnist o stunt sts árs, ontmplno s

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Propost Plno Crrir pr os Srviors o Por Juiiário União ANATA Assoição Nionl os Anlists, Ténios Auxilirs o Por Juiiário Ministério Púlio União Li nº, 0 Institui o Plno Crrir os srviors o Por Juiiário União

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia Conxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não for suportao plo CD Softwar Doumntação, o Assistnt para

Leia mais

TITÂNIO 25 MESES DE GARANTIA

TITÂNIO 25 MESES DE GARANTIA PAQUÍMETROS UNIVERSAIS Pquímtros Univrsis om Guis Titânio TITÂNIO 25 MESES DE GARANTIA T I T Â N I O TITÂNIO Cóigo Cpi Grução Guis rvstis om titânio Qurimnsionis Cursor monoloo Esl ursor om mnto romo oso

Leia mais

Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa

Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa 1 Arts Biologi Eução Físi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus SERIADO Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Soiologi Insrição nº: Vstiulno, o prov! 02 01 Consirno o trmo ultur omo um onito

Leia mais

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita.

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita. Produto toril ou produto trno Notção: Propridds Intnsidd: Sntido: ntiomuttiidd: Distriutio m rlção à dição: Não é ssoitios pois, m grl, Cso prtiulr: Pr tors dfinidos m oordnds rtsins: Ests rsultdos podm

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa MODELOS ESPACIALMENTE EXPLÍCITOS DE ANÁLISE DE DINÂMICAS LOCAIS: O CASO DA VEGETAÇÃO NATURAL POTENCIAL NO APOIO AO PLANEAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Frncsco Gutrrs1, Eusébo Rs1, Crlos Nto1 José Crlos

Leia mais

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS Flávi Bini Ni Mstro Ennhri Proução Univrsi Frl Fluminns Ru Psso Pátri, 5, São Dominos, CEP:

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

Rev /00. Metalúrgica Netz Ltda. Fone/FAX: (55) Endereço: RS 344, KM 43,5 - ao lado da AGCO do Brasil. Santa Rosa - RS.

Rev /00. Metalúrgica Netz Ltda. Fone/FAX: (55) Endereço: RS 344, KM 43,5 - ao lado da AGCO do Brasil. Santa Rosa - RS. TÁLOO PÇS Rev. 05.2013/00 ROÇIR Metalúrgica Netz Ltda. one/x: (55) 3511-1500 ndereço: RS 344, KM 43,5 - ao lado da O do rasil. Santa Rosa - RS. ÍNI R 1,3 (VISÃO RL ROIR RIOL 1300) 01 R 1,3 (LIST PÇS ROIR

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

Eletrônica Digital Moderna e VHDL Volnei A. Pedroni, Elsevier, Soluções dos Exercícios Ímpares dos Capítulos 1 5

Eletrônica Digital Moderna e VHDL Volnei A. Pedroni, Elsevier, Soluções dos Exercícios Ímpares dos Capítulos 1 5 Eltrôni Digitl Morn VHDL Volni A. Proni, Elsvir, 200 Trução (om rvisão, tulizção mplição) Digitl Eltronis n Dsign with VHDL Elsvir / Morgn Kufmnn, USA, 2008 Soluçõs os Exríios Ímprs os Cpítulos 5 Cpítulo

Leia mais