Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação"

Transcrição

1 Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Prgunts Avlição Romnmos qu voê srv sus rsposts m um pço ppl pr qu voê poss pssr sus olgs trlho migos st urso. MÓDULO 1: INTRODUÇÃO 1. Qul os sguints são ojtivos prinipis s orgnizçõs sú? Esolhr rspost qu. Elvr o sttus soil méios Prvnir onç, urr os nfrmos promovr omunis suávis Slvr ou prolongr vi útil pint qu ntr port Enriqur os mmros o pssol 2. Qul s sguints firmçõs é vrir orgnizçõs sú fizs? A mlhor mnir izr s um orgnizção sú stá umprino sus propósitos é s onntrr xlusivmnt m sfhos línios. Um orgnizção fiz sú onstntmnt rs xpn sus srviços. Orgnizçõs sú m suis monitorr iniors m váris árs: sfhos línios, sustntili finnir, rsimnto rsponsávl funionários ngjos A mlhor mnir izr s um orgnizção sú é fiz m um omuni é pr pir opiniõs os lírs polítios. 3. Inir s s instruçõs sguir sor o ppl os lírs gstors são vr ou flso. sú. quip Os grnts s onntrr no snvolvimnto irção pr orgnizção Os lírs s onntrr m implmntr s irçõs os grnts om fiiêni oprionl Lírs gstors vm omptir pr gnhr ll os mmros Lírs gstors são rsponsávis por inspirr s pssos trlhr m irção ojtivos omuns

2 4. Por qu o méios muits vzs nfrntm ifiuls movno-s m posiçõs gstão? Os méios normlmnt não são pzs grir orgnizçõs Os méios usm métoos intífios pr rsolvr prolms, nqunto gstors mprgm métoos mnos lógios Os méios vrão str ompltmnt xt om sus ignóstios, nqunto gstors vm sr onfortávis trlhr om informção limit Méios vm mur o foo su ppl pssol no prosso ur pr lvnr sus próprios os outros tlntos pr um omuni mior impto Tos s ntriors f C D g A, B C 5. riro ou flso? Méios m trnsição n gstão muits vzs pssr por um príoo luto, omo ls ixm pr trás o su ntigo ppl Por mio quirir onhimntos rlvnts, prtino s hilis titus pr o susso onstrução, ninguém po s tornr um mlhor grnt ou lír Pssivmnt, ouvino st DD séri srá om o sufiint pr mlhorr minhs hilis gstão lirnç Cuios fizs, lt quli rqur um quip méios, nfrmiros, rurso finniro/humnos/i lírs strtégios qu trlhm juntos As qutro isiplins ssniis são lirnç, gstão, sustntili omptitivi MÓDULO 2: LIDERANÇA - DIGITALIZAÇÃO 1. Qul os sguints é vriro sor vlição s nssis? N rlizção vliçõs nssis xtrns, lírs sú vm primiro ouvir s xpttivs su omuni. Ao onuzir um vlição nssis intrns, os lírs vm prguntr, "Qul é pi noss orgnizção pr tnr omuni tul futur pris?" O ojtivo um vlição s nssis é intifir s luns ntr sus nívis futuros tuis ntipos o srviço. Pris ju vliçõs lírs sú intifir rsponr às proupçõs os pints. Tos s ntriors. 2. Qul os sguints não é vriro mlhors prátis m gstão sú? As mlhors prátis são frrmnts grnimnto ou prõs omportmntis qu outros lírs sú têm nontro pr sr fiz m sus orgnizçõs. Mlhors prátis os píss ltmnt snvolvios ointis são ompltmnt irrlvnts m onfigurçõs rursos ixos porqu ls

3 são ss m suposiçõs qu são impriss m ulturs não-ointis. As mlhors prátis pom sr nontrs pl Intrnt psquis, livros prióios pulios por ssoiçõs profissionis rlvnts, sguino lírs inústri ntworking om olgs m onfrênis Mlhors prátis vm sr pto pr rfltir qu s tuis futurs nssis spífis su orgnizção sú srv Comuni. 3 Pr sr um lír fiz, voê v sr grnir msmo nts grnir os outros. São s sguints instruçõs sor lirnç vriro ou flso? É mlhor onstruir um quip om intrsss omplmntrs o su o qu onstruir um quip hilis spilizs smlhnts o su próprio. Bons lírs pom tornr-s mis fizs trvés introspção rflxão sor o qu ls stão prnno, lno, xprimntno sntino. Não é proprio soliitr outros omntários sor sus pontos gos. MÓDULO 3: LIDERANÇA - OCO 1. Qu mlhor srv finli um missão um lrção visão? Um lrção missão rsponr s prgunts, "por qu xistimos? Qul é nosso propósito? "; um lrção visão srv strtégi pr umprir missão. Um lrção missão v sr lr, onis mmorávl, um lrção visão v sr um vrsão xpni lrção missão. Um lrção missão rsponr s prgunts, "por qu xistimos? Qul é nosso propósito? "; um lrção visão srv um imgm o futuro pr sr lnço trvés missão. Um lrção missão srv um imgm o futuro pr sr rlizo por mio visão strtégi, qu onismnt rspon s prgunts, "por qu xistimos? Qul é nosso propósito?" 2. Qul é finli xutr um nális luns? Pr ntnr us riz um prolm orgnizionl Pr vlir os sfios ou prolms nfrntos orgnizção sú qu prmnm omo ostáulos pr lnçr missão visão Pr intifir os rursos orgnizção tm stisfzr s xigênis omuni tul Pr intifir os vlors nssários pr umprir missão visão orgnizção 3. Os lírs prism priorizr trfs oro om urgêni importâni. S voê nfrnt prssão pr fzr um trf hoj, ms não é importnt pr o om smpnho o su trlho, qul tgori l iri so?. Urgnt importnt. Importnt ms não urgnt. Urgnt ms não importnt. Nm urgnt nm importnt

4 4. As sguints çõs vm sr toms pr onntrr um orgnizção. Qul é mlhor squêni pr sss çõs? A - Dsnvolv um lrção visão poros, motivor. B - Avli qustõs sfios pr orgnizção m su ontxto tul. C - Esrvr um lrção missão lr onis,. D - Artiulr sus vlors orgnizionis. B,D,C,A C, A, D, B D, C, A, B D, A, C, B MÓDULO 4: LIDERANÇA - MOBILIZAÇÃO 1. Por qu os lírs nfrntm rrirs pr onstrução quips fizs? Mmros quip têm mo nfrntr um o outro são xssivmnt foos m rsultos. Alguns lírs não são vigoross ou grssiv o sufiint pr onvnr sus funionários trlhr omo um quip. Mmros quip prfrm protgr-s, o invés s ompromtr om o ojtivo omum não onfir um no outro. Mmros quip s rusrm sumtr à utori o lír, quno surg um onflito vlors. 2. Inim-s s sguints firmçõs sor onstrução quips são vriro ou flso Pr onstruir onfinç, os lírs vm vitr tornr-s msio trnsprnt ou vulnrávl om quip. Não é rsponsili os lírs pr psquisr rsolvr potniis onflitos quip. Mmros quip qu gir inpnntmnt, sm proupção om o impto sor os outros impm o progrsso quip. Mo o onflito, flt ompromisso stnção os rsultos são três rrirs omuns o trlho m quip fiz. 3. Qul s sguints são forms m qu os grnts pom motivr s pssos trlhr omo um quip fiz? f g Grnts pom folizr vinulno omportmntos os funionários om mlhors slários sgurnç no trlho, im tuo. Os grnts pom vinulr mts om rompnss m onsonâni om hirrqui Mslow s nssis. Os grnts pom monstrr rspito, rsponsili onfiili toos os funionários. Os grnts pom jur lnçr um visão pr o uio lt quli. Tos s ntriors A, B C B, C D

5 4. Inim-s s sguints firmçõs sor motivção são vriro ou flso. Grnts normlmnt ritm qu o trlho signifitivo é o mlhor motivor, trás inhiro trlho sgurnç. O mlhor smpnho quips srá qumnt ompnso, rspitosmnt poio inntivo fzr jus o su potnil máximo. É possívl pr os gstors influnir s titus s pssos trvés rição um mint trlho motivor rspitoso. É possívl pr os gstors motivr um grupo méios ltmnt inpnnts pr trlhr m onjunto trvés funição um visão tnimnto lt quli. MÓDULO 5: LIDERANÇA INSPIRADOR 1. Qul s sguints tivis é o mnos importnt pr os lírs prossguir? Cominr sus plvrs às sus çõs, onsistntmnt, o longo o tmpo. Crtifiqu-s qu toos os mmros quip omo voê tos s isõs qu voê fz. Ato m onformi om sus vlors m toos os momntos. Não prmitm orrupção ou sonsti, msmo qu rsult num gnho urto przo. 2. Um mnir importnt pr os lírs onstruir onfinç pssol poio é trvés lgção utori os outros so o su omno. São s sguints firmçõs sor vriro lgção ou flso? N trir s qutro tps lgção, o grnt po izr um mmro o pssol, "oê psquis, i implmnt soluçõs um rltório sor os rsultos." S psso qum é lg um trf não tm s hilis ou rursos pr ompltr trf, o grnt pr rtifir-s qu o mprgo gnh s hilis. A longo przo, lgção lv mis tmpo o qu o lír gir oro om l ou l msm. O irito lgr, omo o irito lirr, v sr onquisto. É importnt pr os lírs gstors pr ntnr omo fzr postos trlho os mprgos fim orrtmnt lgr trfs. 3. Quis são s fss nvolvis no prosso munç? Dsonglmnto (trzno sor rlizção qu munç v oorrr), trzno sor munç m si ronglr o novo prosso ou omportmnto Dsrvno ltrção nssári, soluçõs rinstorming, vlino ltrntivs, implmntr isão vlir s ltrçõs rsultnts. Crino onsiêni qu munç v oorrr, vlino ltrntivs, implmntr isão songlr o omportmnto qu imp mum oorr Esut um situção orgnizionl, lrmnt finir o prolm fornr um solução lr, onis

6 4. Ini pr um s sguints firmçõs sor lirnç inspiror, qu são vrirs ou flss. riili. Plvrs çõs vm sr onsistnts pr onstruir onfinç Lírs inspirors gir om intgri tl qu ls não omtm rros. Lírs inspirors vm tr um quli rismáti su nturz. A lgção é um hili prni qu po sr snvolvi onstrói onfinç ntr os olorors. Qulqur um po sr um gnt munç. Lírs inspirors usm hilis rsolução prolms rinstorming pr prouzir soluçõs. Lirnç inspiror fiái pn intgri, honsti rátr. Lírs inspirors são prnizs long vi. É importnt pr qu os lírs inspirors rtr ríti ou ríti omo iéis rinstorming vm int. É importnt pr os lírs inspirors ssumir o ontrol quno os mmros quip sugrm iéis inomuns ririonr o su prosso pnsmnto. MÓDULO 6: CONCLUSÃO SOBRE A DISCIPLINA DE LIDERANÇA 1. Qul s sguints firmçõs é fls? Hilis línis são útis pr onstrução onhimnto sor o stor sú, ms são spros istintos hilis lirnç. Lírs sú prism xiir utntimnt um titu rsponsili ompixão Comuni, lém onfinç, riili, uriosi, humil rsponsili. Hoj, o mlhor smpnho orgnizçõs sú é quls liros por irtors prsints om ntnts línios signifitivo ontto pint. Lírs sú prism sr omo grnir finnçs, ontili funçõs onformi, lém implmntr plnos orgnizionis trvés quips. 2. Como po um lír sú snvolvr su próprio plno prnizgm pr o snvolvimnto profissionl ontínuo? sú f g Com por pssolmnt rfltino sor sfios vistos n lirnç Us frrmnts vlição, omo prfil iso ou Myrs-Briggs, pr ntnr mlhor su própri prsonli Intifir luns m su onhimnto, hilis titus s rr pssos forçs omplmntrs Li o mis rnt st-sllr livros gstão All of th ov A, B C A, C, D

7 3. Qu o onhimnto é irrlvnt pr os lírs sú? f As polítis nionis sú os rquisitos govrnnç orgnizção Como grnir os méios m olorção om outros mmros quip Como onstruir struturs tom isão ntro o hospitl Sus pontos forts pssois, frquzs vulnrilis Toos os im B D 4. Qu hilis lírs sú vm sr rto pr snvolvr omo prt su plno snvolvimnto profissionl pssol? Intifir qul ls não s pli. Johri Cpi quilirr os intrsss profissão méi om outros sgmntos orgnizção sú. Cpi quilirr os intrsss os ivrsos sgmntos orgnizção sú om intrsss polítios pssois. Como usr s frrmnts vlição, omo Myrs-Briggs, iso Jnl Suprimino uriosi fim mntr um sistm fiint stlr mts monitorr o progrsso m irção sss ojtivos Como provitr o por lirnç trvés utoomínio MÓDULO 7: GESTÃO - PLANEJAMENTO 1. Qul s sguints informçõs não é nssári pr formr um plno strtégio? Um list fonts oção Dos prvlêni onç Expttivs propritários, invstiors funionários o govrno Conhimnto sor provors uios ltrntivos n Comuni Nssis potniis os futuros pints 2. Quis os prinipis lmntos prism sr inluíos m um plno strtégio? Qul ls não s pli. Prços tlhs sor mimntos m stoqu Informçõs sor os onorrnts s nssis não stisfits Comuni Tipos srviços nssários os progrms méios, qu sprmos ntrgr Projçõs volum Projçõs finnirs om s no volum rits o pints s spss nssáris pr uir pints f Pssol nssário pr prstr srviços pint g isão grl s instlçõs quipmntos nssários pr o tnimnto o pint

8 3. Qul os sguints não é vr sor mts? lnços Ojtivos tnm sr 3 5 nos, ms pom ontinur lém isso Els são flos, mnsurávl, prmissívl, rionl oportun O nvolv um plno ção orrsponnt, srvno omo ls srão Els jum voê s onntrr m trfs iáris importnts mntno-s no minho om su missão 4. Existm ino pssos pr srvr um plno strtégio. Qul sts sis pssos não prtnm? f Intifir s nssis xpttivs s prts intrsss Avlir onição orgnizção Dsnvolvr plnos finniros orçmntos Artiulr orgnizção missão, visão vlors Dsnvolvr ojtivos plnos ção Entrvistr funionários orgnizçõs onorrnts pr mlhors prátis MÓDULO 8: GERENCIAMENTO - ORGANIZAÇÃO 1. Por qu são os iritos isão importnts? Els ssgurr o fluxo rursos suprimntos mntém os ustos ixos Rforçm utori grnil nssári pr mntr orm stili Els prmitm qu mmro o pssol sntir su voz rspit n tom isão Assgurm o livr fluxo informçõs pr mlhorr omunição 2. Qul os sguints é prinípios fiiêni orgnizionl fiái? fiints Rsrvr s isõs o i i trlho pr gstão topo Pln, ou sj, mnos hirárquios struturs orgnizionis são mis A psquis mostr qu s orgnizçõs mis fiints struturm um grnt pr 3 6 trlhors 3. Por qu são prõs smpnho é um importnt prt srição o trlho? Els jum os grnts rrutr os funionários quli mis lt Els pitr grnts pr jur os funionários sr m suio, linno s onsquênis rlizção ix lt Els srvm o qu os funionários prism fzr pr gnhr um ônus Els não são importnts m sriçõs 4. São s sguints firmçõs sor o plnjmnto forç trlho, vriro ou flso? O ppl o grnt sú é nontrr o quilírio ntr s nssis os rursos orgnizção om s m rquisitos normtivos, psquis inústri, nális trf ou strtégis prtmntis

9 Os grnts vm justr utomtimnt ráios pssol om s m puliçõs lvntmnto os sor ráios pssol m hospitis m mros muros Anális trf nvolv lulr qunts pssos são nssáris qu omptênis psso pris ominr pr umprir mts prtmntis Proporçõs m lguns prtmntos pssol, finlmnt, po sr trmin por rquisitos rgulmntrs Grnts nívl supriors pom prisr justr os nívis pssol prtmntis, om s ns ltrçõs strtégi orgnizionl Grlmnt, é mlhor pr os grnts quip m um prtmnto nolhimnto pr ontrtr novos funionários spilizos m um prtmnto rsnt, o invés trinr funionários intrnmnt MÓDULO 9: GESTÃO - IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO 1. Por qu são polítis, sistms proimntos importnts loos onstrução s orgnizçõs sú? f g Els fornm onsistêni n gstão rursos Els pom grnir um orgnizção sm invor o isrnimnto um grnt Els simplifim o trinmnto pr novos mprgos Els ontrium pr um mint trlho sguro Els pom sr ris pr vnto, liminno ssim inrtz quno rliz-s um oorrêni inomum B E A, C, D 2. Intifir s s sguints instruçõs sor xução ompnhmnto são vriro ou flso?. T/ Um plno trlho intifi s trfs nssáris pr rlizr om susso grns projtos T/ Um plno trlho rprt-s projtos m tps pquns, lógis T/ O grnt v intifir qum é rsponsávl pr rlizção trf T/ Plnos trlho são spilmnt grns frrmnts pr usr om quips pssos om ntnts línios smlhnts T/ Iniors hv smpnho pom ontrolr tnto qunti omo quli mis T/ Os KPIs vl rstrmnto inlum stisfção o pint, nívis oupção, omprimnto méio sti volum pint T/ Os pinéis vm sr rvistos nulmnt T/ Os grnts vm rvr rltórios inints logs sgurnç m um s smnl 3. Como o mlhors gstors pom jur su orgnizção mlhorr ontinumnt? Ignorr rlmçõs os mmros quip Osrvr ltrçõs ns xpttivs o onsumior Minimizr risos sgurnç r mts stlio quno orgnizção foi inii

10 MÓDULO 10: SUSTENTABILIDADE - POSSUIR 1. Pr lnçr sustntili orgnizionl, os grnts prism fzr qul s sguints? oo sor o qu os outros po fzr pr voê su orgnizção Evit risos ssumir rsponsili pssol pr prolms Soliitr rgulrmnt grns oçõs funçõs ri Assgurr orgnizção forn vlor rsnto srviços à Comuni por um usto mnor o qu su nfíio onómio 2. Intifir s s sguints firmçõs sor sustntili orgnizionl são vriro ou fls. Orgnizçõs sustntávis são smpr ompltmnt inpnnts for fonts finnimnto Mmros orgnizção s proprir psiológi orgnizção Els fornm srviços vlor grgo os lints ustos im su nfíio onómio A miori vi omçr m um stágio omplt pnêni finniors xtrnos 3. Qu prgunts grnts pom pir pr vlir o mro, s xpttivs qu os jurá tornr-s ou prmnm sustntávl? Quão rpimnt populção stá rsno? Como vi munçs onômis ft omuni nosso rsimnto? Como prõs migrção vi ftr o tmnho noss orgnizção sú? Como são outrs inústris molr s xpttivs os onsumiors? Qu quipmnto nós v quirir pr lnçr nosso plno strtégio? MÓDULO 11: SUSTENTABILIDADE - RASTREAMENTO 1. O qu pris sr quiliro m um folh ontrpso? Pssivo + tivo = ptrimônio líquio Ativo - pssivo = ptrimônio líquio Rit - usto = luro Luro + rits = usto 2. riro ou flso? S qui ruz um no pr o outro, ntão orgnizção tornou-s finnirmnt mis fort S su orgnizção é rntávl, su ptrimônio rsrá no lnço Ativos são rursos qu orgnizção possui livr slrio Itns orçmnto pitl são grns omprs qu têm um urili spr plo mnos três nos

11 Cpitl giro é qunti inhiro qu voê pris pr fornr srviços nts rr o pgmnto pr ls Rltórios orçmnto smpr omprm spss orçmnts os nos ntriors, m omprção om s spss ris orrnts Rltórios rits spss são um outro trmo pr lnços. 3. Pr orçmnto m um hospitl, é importnt pr prvisão : olums missõs pints Comprimnto volums sti Lortório riologi usm volums Tos s ntriors 4. O qu é um plno viili finnir? importnt Um nális prosptiv os ustos nfíios um nov iniitiv Um nális rtrosptiv os ustos nfíios um projto rémonluío Um nális prosptiv o impto spro um novo projto no lnço orgnizção Um nális prosptiv o spro rtorno imito sor o invstimnto um novo projto 5. riro ou flso? Os grnts vm prourr onstntmnt ruzir os ustos sm ompromtr quli os uios N miori os píss, é nssário por li pr omprr o rnimnto rl rltórios spss pr s orçmntos rits spss. É proprio rrgr toos os pints um qunti pns ixo o usto suprimntos spss Enontrr mnirs utilizr pssol fiintmnt possívl po jur lnçr sustntili finnir É importnt pr os gstors om xpriêni líni mntr-s foo m sptos uios mis o qu tlhs finniros

12 MÓDULO 12: SUSTENTABILIDADE - PREÇOS E AUDITORIA 1. Como é qu gstors pom trminr o vlor os sus srviços? futuro muros f Custo mis strtégi, qu nvolv ição um mrção pr rsimnto Psquis o qu s pssos Comuni stão isposts pgr por srviços sú spífios Psquis otr os prços srviços smlhnts m mros mis Tos s ntriors A B A C 2. D oro om o molo plnjmnto finniro, sri hms rsrvs pr sustituir os quipmntos xistnts quisição novos quipmntos: Custos irtos Custos inirtos Cpitl giro Aumntos pitl Rits m xsso 3. D oro om o molo plnjmnto finniro, pgmntos hipot, utilitários, slários pssol poio, os pgmntos juros filis sri hmos ustos: Custos irtos Custos inirtos Cpitl giro Aumntos pitl Rits m xsso 4. Quno é proprio usr strtégis isontr? mnsl Quno orgnizção sú stá lutno pr nontrr o orçmnto Quno orgnizção stá mpnh m umntr o sso os uios sú pr os pors Quno ninguém n Comuni po pgr os srviços sú Quno s rits m xsso são onsistntmnt mis lvs o qu o spro pr um trmino príoo tmpo MÓDULO 13: SERIÇO - PREPARAÇÃO E TREINAMENTO 1. Qul os sguints não é um rzão pr qu o srviço vri importr pr os gstors sú? Bom srviço po mlhorr vntgm omptitiv orgnizção Cuios méios são muito pssol, os rsultos m suios pnm, m prt, s os rlçõs méio-pint

13 Pints julgr quli o tnimnto, om s no srviço qu rm ornr om srviço é ro 2. D qu form pom os gstors sú impto quli s xpriênis pint srviço? ornr trinmnto pr méios nfrmiros m hilis omunição qu ir Crtifiqu-s qu há pssol qulifio sufiint m prtmnto Mntnh funionários rsponsávis prnt omportmntl xpttivs Rlor rursos mnutnção instlçõs pr trinmnto pssol n prstção srviços mlhoros,, f,, 3. riro ou flso proprio Os grnts são mmros quip prinipl rsponsávis pr sr omo rsolvr prolms srviço quno ls hgm Aultos prnm mlhor trvés ouvir plstrs rsponm m os métoos nsino onsistnt Po sr néfio pr os méios sr trino m omo o su omportmnto m irção nfrmirs Impt os rsultos os pints unionários vm sr trinos pr trtr pints srspitosos MÓDULO 14: SERIÇO - CONIRMANDO E MELHORAR 1. Qul é o spto mis importnt qustionários stisfção os pints? Els prmitm qu os grnts grgr s pontuçõs stisfção o pint, portnto, o monitor mur o longo o tmpo Els ão os grnts oportunis pr rr fk pints ns plvrs os próprios pints Els fzm o prosso mlhori srviço mis fiint Els mm onformi os funionários om os prõs srviço 2. Elvr os prõs srviço nvolv sforços qu três? Aumnto s rits, rução ustos rlizção nális luns Elvr os prõs omptêni téni, novs opçõs srviço t iis prmitir rros no mint trlho Digitlizção muno s xpttivs, rplino s mlhors prátis punir os rros omtios Digitlizção muno s xpttivs, novs opçõs srviço, t iis à formção rilgm o pssol omo prõs munç 3. riro ou flso Prõs srviço grlmnt não mum o longo o tmpo Pr um rro tornr-s um oportuni prnizgm, os grnts vm soltrr grvs onsqüênis sss rros

14 Avliçõs smpnho são um hor propri pr os gstors isutir om um funionári, o impto su titu no smpnho iniviul O prinipl ojtivo vlição smpnho os funionários é onsintizr os funionários sus flhs linr s onsqüênis Expttivs m rlção mlhoris srviço são mis propnsos s originr for orgnizção o qu pints tuis MÓDULO 15: REISÃO & SEGUINDO EM RENTE 1. O qu é um sistm "lgnt"? Um séri çõs orrsponnts tivis nurológis rrmnts tngívis qu rsultm m fiint proução, lt quli xlnt vlor Um séri qustõs olos plos lunos uriosos qu rsult m fiiêni orgnizionl Um orgnizção qu pgo n tnsão ntr o fluxo ritivo proimntos sistmátios 2. Por qu voê v tr o su próprio plno snvolvimnto profissionl ontínuo? Orgnizçõs mum, voê po snvolvr flxiili pr justr. Pr triná-lo omo rgir o mro mu qu vêm surprs. Pr prnhr s luns m sus própris hilis onhimnto m rlção sus spirçõs Tos s ntriors B C f A B g A C 3. riro/flso Curioss orgnizçõs rgm às prssõs o mro Curioso qu s orgnizçõs stão isposts nonr vlhs iéis qu não são mis vális Curioso qu s orgnizçõs são grlmnt mis sistmátis o qu ivrti Est urso é projto pr fornr ução ngóios Univrsi profissionl ixo usto As qutro isiplins ssniis são lirnç, gstão, sustntili uriosi.

15 Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Rspost-hv MÓDULO 1: INTRODUÇÃO f 5. MÓDULO 2: LIDERANÇA - DIGITALIZAÇÃO MÓDULO 3: LIDERANÇA - OCO MÓDULO 4: LIDERANÇA - MOBILIZAÇÃO g

16 4. MÓDULO 5: LIDERANÇA INSPIRADOR MÓDULO 6: CONCLUSÃO SOBRE A DISCIPLINA DE LIDERANÇA f MÓDULO 7: GESTÃO - PLANEJAMENTO f MÓDULO 8: GERENCIAMENTO - ORGANIZAÇÃO

17 MÓDULO 9: GESTÃO - IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO 1. g 2. T T T T T T 3. MÓDULO 10: SUSTENTABILIDADE - POSSUIR MÓDULO 11: SUSTENTABILIDADE - RASTREAMENTO MÓDULO 12: SUSTENTABILIDADE - PREÇOS E AUDITORIA

18 MÓDULO 13: SERIÇO - PREPARAÇÃO E TREINAMENTO MÓDULO 14: SERIÇO - CONIRMANDO E MELHORAR MÓDULO 15: REISÃO & SEGUINDO EM RENTE g 3. Após onlusão st urso por fvor srv ou -mil Mil Missions for Chilrn pr soliitr su Crtifio Lirnç Sú: Mil Missions for Chilrn 35 Gtty Avnu, Builing 400 Ptrson, NJ USA Tl: (973)

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: TEMPO TOTAL APLICADO: h m TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: 01)

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados.

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados. Luís Antuns Grfos Grfo: G=(V,E): onjunto vértis/nós V um onjunto rmos/ros E VxV. Rprsntção visul: Grfos não irigios Dfinição: Um grfo m qu os rmos não são irionos. Grfos irigios Dfinição: Um grfo m qu

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a),

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a), 2013 QUSTIONÁRIO O PROSSOR Senhor(a) Professor(a), O Sistema Nacional de valiação da ducação ásica, S, é composto por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes e os questionários

Leia mais

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS Flávi Bini Ni Mstro Ennhri Proução Univrsi Frl Fluminns Ru Psso Pátri, 5, São Dominos, CEP:

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M FULS INTGRS IPIRNG OS XTRÍOS M /06/0 7:6: Turma MKN0 Semestre 0 MINISTRO SISTMS INFORMO - 60H MINISTRçãO SISTM INFORMçãO MINISTRçãO SISTM INFORMçãO MINISTRçãO SISTM INFORMçãO MINISTRçãO

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms ssinl ltrntiv

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR-SC Srtri Muniipl Sú PROVA Crgo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS LIMPEZA PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA AUXILIAR

Leia mais

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS,

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, P á g i n a 57 LÓRI US (TOM: Ó) 4/4 PLO SOL QU RILH, LÓRI US PL LOR QU NS, LÓRI US PLOS MONTS LTOS, LÓRI US PLO MR TMÉM, LÓRI US PLOS PSSRINHOS, LÓRI US PL NOIT O I, LÓRI US PL RIS LR, LÓRI US QU LON VM,

Leia mais

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa MODELOS ESPACIALMENTE EXPLÍCITOS DE ANÁLISE DE DINÂMICAS LOCAIS: O CASO DA VEGETAÇÃO NATURAL POTENCIAL NO APOIO AO PLANEAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Frncsco Gutrrs1, Eusébo Rs1, Crlos Nto1 José Crlos

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

Índia Até o bicho separa o lixo

Índia Até o bicho separa o lixo Opror Máquins Agríols Nº Insrição: Pró-Ritori Gstão Pssos Univrsi Frl Snt Mri Prt I Língu Portugus Pr rsponr às qustõs númros 01 10, li os txtos sguir. Txto I Txto II Txto III OBICHO Vi ontm um iho N imuníi

Leia mais

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore Fonts Biliográis Estruturs Dos Aul 15: Árvors 24/05/2009 Livros: Introução Estruturs Dos (Cls, Crquir Rngl): Cpítulo 13; Projto Algoritmos (Nivio Zivini): Cpítulo 5; Estruturs Dos sus Algoritmos (Szwritr,

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni. Rsolv os prolms

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

O guia da Splunk para inteligência operacional

O guia da Splunk para inteligência operacional O ui Splunk pr intliêni oprionl Us o Splunk os os su máquin pr orr novos nívis visiili prpção pr TI os nóios O qu é o Splunk Entrpris TM? O Splunk é o mnismo pr os os ros por máquin. El olt, lssii provit

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Propost Plno Crrir pr os Srviors o Por Juiiário União ANATA Assoição Nionl os Anlists, Ténios Auxilirs o Por Juiiário Ministério Púlio União Li nº, 0 Institui o Plno Crrir os srviors o Por Juiiário União

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Capacidade em Rotundas. Métodos e Problemas

Capacidade em Rotundas. Métodos e Problemas Métodos Problmas Basado numa ompilação fita plos alunos Elisu Vinagr nº 37872 João Costa nº 37893 Susana Figuira nº 46088 IST/ Liniaturas m Engª Civil & Trritório - Mstrado m Transports - Gstão d Tráfgo

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

- SV22-92014 - SV22-92015 - SV22-92016 - SV22-92024

- SV22-92014 - SV22-92015 - SV22-92016 - SV22-92024 Funionlis 1 Suport lvtório 2 Artiulção o LCD 3 Elvor 5 (12,7 m) 4 Suprfíi trlho 5 Gvt loquio ltrónio utomátio 6 Tuliro inlinávl pr tlo poio pulso 7 Tuliro suport pr rto, irit/squr 8 Gstão os 9 Trvão lvção

Leia mais

Problemas Hamiltonianos

Problemas Hamiltonianos Prolms Hmiltoninos Dfinição: Um iruito hmiltonino m um grfo onxo G é finio omo um minho lmntr, fho pssno m vérti G xtmnt um vz. Um grfo qu mit um iruito hmiltonino é um grfo hmiltonino. Evintmnt nm too

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. CARTÃO-RESPOSTA stino à mrção s rsposts s 56 qustõs ojtivs. 2. Confir su nom, númro insrição

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia Conxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não for suportao plo CD Softwar Doumntação, o Assistnt para

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos UFMG/ICEx/DCC DCC111 Mtmáti Disrt List Exríios 9: Soluçõs Gros Ciênis Exts & Engnhris 2 o Smstr 2016 1. O gro intrsção um olção onjuntos A 1, A 2,..., A n é o gro qu tm um vérti pr um os onjuntos olção

Leia mais

Anexo IV Estrutura societária. Estrutura societária vigente

Anexo IV Estrutura societária. Estrutura societária vigente tdt ntrg o Anxo: (Pr uso o BNA) Bno Nionl Angol Prtiipçõs Anxo IV Estrutur soitári Estrutur soitári vignt D orm rir o umprimnto os rquisitos lgis stlios n Li s Instituiçõs Finnirs, nos trmos o Aviso nº

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não 13 - Gros Plnrs Nst ul qurmos rsponr à suint qustão: Do um ro G, é possívl nontrr um rprsntção rái pr o ro tl qu não hj ruzmnto rsts? Consir por xmplo o ro K 4 rprsnto rimnt ns iurs i1, i2 i3.: i. 1 i.

Leia mais

ANEXO VI AO TERMO DE REFERÊNCIA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ANALÍTICA

ANEXO VI AO TERMO DE REFERÊNCIA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ANALÍTICA NXO VI O TRMO RRÊNI PLNILH USTOS ORMÇÃO PRÇOS - NLÍTI NXO VI - PLNILH USTOS ORMÇÃO PRÇOS (NLÍTI - MÃO OR) MÃO--OR VINUL À XUÇÃO ONTRTUL Nº do processo: Licitação nº: Regime de Tributação: SIMPLS ( ) PRSUMIO

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia onxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não or suportao plo CD Sotwar oumntação, o Assistnt para aiionar

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares Sisms d quçõs Linrs Equção Linr Tod qução do ipo:.. n n Ond:,,., n são os ofiins;,,, n são s inógnis; é o rmo indpndn. E.: d - Equção Linr homogên qundo o rmo indpndn é nulo ( ) - Um qução linr não prsn

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL LL LTVIST PRÂMTRO IMGM SÍNTS UNIONL NTORNO IDNTIIR RLÇÃO DO DIÍIO OM OS LMNTOS D NTORNO, ONSIDRNDO OS TRIUTOS DO LUGR - MSSS DIIDS, RLÇÕS D PROXIMIDD, DIÁLOGO, INTGRÇÃO OU UTONOMI LL DIGO RIVR LL LRO LL

Leia mais

Guia para instalação e utilização

Guia para instalação e utilização Gui pr instlção utilizção Aprlho r oniiono om sistm VRV IV RYYQ8T7Y1B RYYQ10T7Y1B RYYQ12T7Y1B RYYQ14T7Y1B RYYQ16T7Y1B RYYQ18T7Y1B RYYQ20T7Y1B RYMQ8T7Y1B RYMQ10T7Y1B RYMQ12T7Y1B RYMQ14T7Y1B RYMQ16T7Y1B

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M FULS INTGRS IPIRNG OS XTRÍOS M //0 6:9:0 Turma TLGN Semestre 0 MINISTRO SISTMS INFORMO- 60 MINISTRO SISTMS INFORMO MINISTRO SISTMS INFORMO T 7. MINISTRO SISTMS INFORMO MINISTRO SISTMS INFORMO

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões Séri V300 Exclnt control para caminhõs pqunos furgõs A solução para obtr Exclnt smpnho Alta confiabilida Fácil manutnção Montagm frontal ou no tto Construção compacta AEssa sérilinha V-300 ofrc uma xclnt

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS P2 COM SENSORES NESS P2 SEM SENSORES

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS P2 COM SENSORES NESS P2 SEM SENSORES 0 QUIPMTOS OTROLOS OMPRSSOR PRUSO IRM ITRLIÇÃO UTOMÇÃO 0.0.. SS P OM SSORS 0.0..0 SS P SM SSORS /0/ ILUSÃO O MOLO SM SSORS 0/0/ LTRÇÃO MR O TRSUTOR ORRT URO URO /0/ RVISÃO S IMSÕS O LYOUT /0/ LTRÇÃO O

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Manual de Utilização do Hosp

Manual de Utilização do Hosp Mnul_Hosp_10_10_vr_1.o Mnul Utilizção o Hosp Mnul_Hosp_10_10_vr_1.o ÍNDICE CARO USUÁRIO LEIA COM ATENÇÃO.... 3 PASSO A PASSO 1º ACESSO... 3 INFORMAÇÕES IMPORTANTES DA OPERADORA... 3 TAGS DE PREENCHIMENTO

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões V300 Séris Exclnt control caminhõs pqus furgõs A obtr Exclnt smpnho Alta confiabili Manutnção fácil Montagm frontal ou tto Construção pacta séri ofrc ofrc xclnt xclnt AAAséri séri ofrc xclnt A séri ofrc

Leia mais

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ ДХILUIR P/ LRR RL_ R To l. er a l es. Num. QU M PRVR IOO P O RROR MIOR V R LMJ U: UZZR R 0 ILUIR P M PRLLO OM ONTTO O RL 0.u/ 00V V R 0 0 R 0 verm elho U: ULN00 U: LMJ 0 ULN00 U: LI/ LI RROR V N R 0u/

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Conversor BCD-7 Segmentos SSI

Conversor BCD-7 Segmentos SSI Tnoloi os Computors 2002/2003 Trlho Prátio n o 3 Trlho Prátio n o 3 Projto Funçõs Lóis Cominionis Convrsor BCD-7 Smntos SSI 1 Introução Est trlho tm omo ojtivo: introuzir o onito Esl Intrção (Sl o Intrtion)

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

Guia de referência rápida

Guia de referência rápida Guia de referência rápida Gestão de Projetos Um sistema para administrar a sua empresa. esde os contatos da sua agenda até o financeiro, passando pelos projetos e tarefas. tudo isso via internet, sem precisar

Leia mais

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 EDITAL INTRODUÇÃO A prtir 2009, o IAB RJ pssrá onsirr o onito Dsnvolvimnto Sustntili, omo orgm romnávl n proução o rquitto, o urnist o stunt sts árs, ontmplno s

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

platibanda com rufo metálico h:120cm +12.91 m telha em fibro cimento 12% calha platibanda com rufo metálico h:120cm

platibanda com rufo metálico h:120cm +12.91 m telha em fibro cimento 12% calha platibanda com rufo metálico h:120cm QURO ÁRS STTÍSTI: ÁRS ONSTRUÍS: etiz rua YYYY etiz rua N etiz etiz º PVIMNTO (TÉRRO):,m² ººº PVIMNTO (TIPO - x):,m² x=,m² PVIMNTO TÉNIO (RRILTIX 'ÁU):,m² ÁR TOTL ONSTRUÍ:,m² ÁR OMPUTÁVL:,m² ÁR NÃO OMPUTÁVL:,m²

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

V CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO VALE DO SÃO FRANCISCO - CEFIVASF

V CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO VALE DO SÃO FRANCISCO - CEFIVASF 1 V ONGRSSO UÇÃO ÍSI O VL O SÃO RNISO - IVS Relação geral de trabalhos aprovados no V IVS 2015 1º UTOR TÍTULO O TRLHO ormato ata/horário LOL lison lves de morim lison Oliveira da na arolina Mariano Rocha

Leia mais

OLETIM COOPERATIVISTA

OLETIM COOPERATIVISTA O COOPERTIVISMO É DE I N I C I T I V POPULR EM T U D O. TODO ELE É EDIFICDO PEL CTIVIDDE DOS CIDDÃOS OLETIM COOPERTIVIST REDCÇÃO E DMINISTRÇÃO: Ru Cruziro, 1 - Tlf. 63 26 49 - Lisbo-3 COORDENDO POR N.

Leia mais