O guia da Splunk para inteligência operacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O guia da Splunk para inteligência operacional"

Transcrição

1 O ui Splunk pr intliêni oprionl Us o Splunk os os su máquin pr orr novos nívis visiili prpção pr TI os nóios O qu é o Splunk Entrpris TM? O Splunk é o mnismo pr os os ros por máquin. El olt, lssii provit os os máquin ros por sus sistms TI inrstrutur, sjm ls ísios, virtuis ou m nuvm. Us o Splunk os os su máquin pr orr novos nívis visiili intliêni oprionl pr TI o nóio. A oportuni os máquin Tos s sus pliçõs, sistms inrstrutur TI rm os milissuno, toos os is. Esss os ros por máquin ontêm um ristro initivo s trnsçõs o usuário, omportmnto o lint, omportmnto máquin, mçs surnç, tivis ruulnts muito mis. Els tmém são inâmios, não struturos não pronizos, onstitum miori os os su mprs. Os os ros por máquin são um rurso inrivlmnt vlioso, ms s mprss rrmnt xtrm ls o vlor qu prism. As soluçõs xistnts pr nális, rnimnto monitormnto os simplsmnt não orm projts pr ss tipo os. Pns no rnimnto inormçõs. Os sistms rnimnto t wrhouss nos os rlionis são sos m squms ríios projtos pr os struturos onsistnts. Els ornm nális histório, ms não visiili m tmpo rl. O Entrpris Srh oi rio pr os ros por humnos, omo oumntos páins W. Esss os são muito irnts os os máquin. Os os máquin têm um orm mnitu, mior volum ivrsi o qu os os triionis struturos. As rrmnts rnimnto TI o rnimnto vntos inormçõs surnç são, por outro lo, isolos projtos pr um nívl mprs. Els ornm um visão limit os os ásios stão vinulos tipos spíios os onts. Ou ls monitorm vários sistms, om rvs luns nos os qu oltm. Els tmém não ornm o ontxto histório. N vr, nontrr mlhor mnir iltrr, rinr omprnr s norms quntis os máquin po trnsormr orm omo s ornizçõs TI rnim, protm zm uitoris TI. Isso tmém po ornr inormçõs vlioss pr mprs sor s tnênis omportmntos os sus lints srviços. A orm o Splunk O Splunk é o mnismo pr os os máquin. El oi snvolvio pr rsolvr toos os sios os os máquin oltr, inxr provitr sus os máquin não struturos m orrlçõs ss m tmpo. O Splunk po lr os os prtimnt qulqur ont iminávl, omo tráo r, srviors W, plitivos prsonlizos, srviors plitivos, hyprvisors, sistms GPS, s olss vlors, míis soiis nos os struturos prxistnts. El or um omprnsão o qu stá ontno m tmpo rl um nális proun o qu stá ontno m toos os sistms inrstrutur TI. Além isso, trnsorm os os ros por máquin m inormçõs vlioss, não import su nóio. Fzr "splunkin" os os máquin or muitos usos pr TI o nóio: Grnimnto plitivos: soluionr prolms m to pilh plitivos prtir um únio lol monitorr qu smpnho. Surnç onormi: or rpimnt rspost, orrlção monitormnto prouno inints m tos s onts os Grnimnto oprçõs inrstrutur: monitor orm protiv pr rntir o tmpo tivi, lém ttr rsolvr prolms Anális mprsril W: nh visiili intliêni sor lints, srviços trnsçõs, lém intiir tnênis prõs m tmpo rl Enontrr orriir prolms, suir trilh um invsor, mitir rltórios onormi nlisr o omportmnto os lints são tivis qu xim um visulizção omplt. Crir pinéis ontrol prsonlizos stá pns luns liqus pr TI usuários orportivos.

2 A solução os prolms muits vzs sinii orrlionr los o srvior W, mnsns SOA, trnsçõs no os, smpnho virtul ltrçõs oniurção. Invstir inints surnç xi nális os vntos os los os srviors, irwlls vrrurs IDS, lém vntos plitivos, oniurçõs sripts pr ntnr o qu stá ontno. Cumprir onormi xi rvisõs sistmátis rtnção os m lono przo to inrstrutur, olono mis rrirs o sso sss os pr s nssis oprionis iáris. Quno mprs us mlhor intliêni, pom sr nssáris orrlção nális m tmpo rl s trnsçõs vntos ivrss onts TI, possivlmnt ominos om os mprsriis. O Splunk mun os nnhiros r, ministrors sistms, nlists surnç onormi, quip ntrl tnimntos usuários orportivos om novos nívis visiili, tuo isso prtir um úni solução. Isso é o qu onsirmos orr Intliêni Oprionl. Qul é irnç o Splunk? O Splunk é irnt s orns ntriors rnir, zr uitoris, protr oltr intliêni sistms TI. Nós mostrmos omo. Rsultos imitos, sm risos. O Splunk é um sotwr mprsril áil usr. Os usuários pom ixr o Splunk rtuitmnt, instlá-lo m pouos minutos, limntá-lo om quisqur os ros por máquin s tornr proutivo imitmnt. Ch quls xéritos onsultors ou DBAs pr zr s oiss unionrm. A prov é imit. A miori os usuários ix instl o Splunk quno stão sno tos. Um prolm rv srviço ou inint surnç or pom sr invstios m pouos minutos, o ontrário s hors ou is qu isso ostumv lvr. Bso m tnoloi inxção psquis lto smpnho. Toos os is, milhõs pssos psquism nvm por ilhõs páins W srvis por omputors m too o muno. A psquis é lxívl, intuitiv or rsultos imitos. O Splunk possui m su núlo um tnoloi poros inxção psquis, muno ompltmnt o siniio vloi pi rspost. Com l, voê po psquisr ilhõs vntos m sunos omçr vr os rsultos imitmnt. Projto pr os não struturos m séri tmporl. Os os ros por máquin são os não struturos. Bsim-s m séri tmporl, inâmios não pronizos. Els pturm tos s intrçõs ntr máquins ntr homm máquin, rs m volums qu suprm os os mprsriis struturos. Els tmém stão rsno m ritmo xponnil. O Splunk não us squms prinios, pono lr os m qulqur ormto prtimnt qulqur ont iminávl. Inx os qulqur ont. Proutos pr rnimnto sistms, SIEM, CEP/ECA rnimnto los xim smns ou mss snvolvno ou oniurno ontors prsonlizos pr ont os. O Splunk olt irtmnt os os zns milhrs onts, lvno-os m surnç té um lol ntrl m tmpo rl. Ns situçõs m qu os os nssários não stão isponívis n r, voê po instlr Splunk orwrrs. Os Splunk orwrrs são lvs nts orm um oltor os univrsl m tmpo rl. Monitor os rquivos lo plitivos lois, ptur sí omnos sttus m um ronorm, otnh métris smpnho prtir onts virtuis ou não virtuis ou osrv o sistm rquivos pr ltrçõs oniurção, prmissõs triutos. Prmit nális os histório m tmpo rl. Os sistms triionis TI orçm um isão ntr monitormnto m tmpo rl nális histório. Com o Splunk, voê po psquisr nlisr os os histórios m tmpo rl prtir um úni solução. Isso sinii qu voê po intiir rsponr os prõs omportmnto ou tivi intrss nts qu sj tr mis. O sotwr qu os usuários qurm usr. Ants zi sntio rnir su inrstrutur TI m silos. Porém, om omputção tul imnsion istriuí, om prolirção virtulizçõs plitivos omplxos sos n W, isso simplsmnt não union mis. O Splunk romp os silos TI. Psquis, ri rltórios, monitor nlis toos os sus os prtir qulqur plitivo, srvior ispositivo, tuo isso prtir um únio lol m tmpo rl. Intr o sistm ilmnt om rrmnts mprsriis rnimnto, surnç onormi xistnts. Enontrr orriir prolms, suir trilh um invsor, rstrr trnsçõs nhr novs prpçõs os sus os oprionis, rpnt, s trnsormou m um onjunto trs muito mis rápio áil. Cri visulizçõs pinéis ontrol prsonlizos. O Splunk ju r sntio rns volums os ros por máquin pr stiszr às nssis irnts usuários rupos n mprs. Cri rpimnt pinéis ontrol prsonlizos qu intrm ivrsos ráios visulizçõs os sus os m tmpo rl, visuliz-os plo su sktop ou ispositivo móvl. Prsonliz os pinéis ontrol pr irnts usuários n su mprs, omo rnts, nlists nóios, nlists surnç, uitors, snvolvors ministrors sistms. Os usuários pom itr os pinéis ontrol usno um simpls intr o tipo "rrstr soltr". Os ontrols intros ráios siniim qu ls pom ltrr os tipos ráio, sm intrrupçõs. Fç mis om os Splunk Apps. Cri plitivos no Splunk qu orçm um xpriêni usuário irion pr tnolois situçõs uso spíis. Voê po omprtilhr rutilizr os plitivos ntro su mprs no rstnt omuni o Splunk. Há um númro rsnt plitivos no sit noss omuni (www.splunks.om), rios pl noss omuni, priros pl Splunk. Aplitivos pr surnç mprsril 2

3 Toos os os máquin Prpçõs nóios Visiili oprionl Monitormnto protivo Psquis + invstição Otnh um prpção m tmpo rl os os oprionis pr tomr isõs nóios om mis msmnto. Otnh visiili pont pont pr ompnhr orr KPIs TI tomr isõs TI om mis msmnto. Monitor utomtimnt su inrstrutur pr intiir qustõs, prolms tqus nts qu inlunim sus lints srviços. Loliz orrij prolms om muito mis rpiz por to su mprs, usno os os TI. O Splunk or Intliêni Oprionl ou pr onormi, plitivos pr irnts pltorms, omo Winows, Linux Unix, plitivos pr irnts tnolois, omo rs, virtulizçõs muito mis. Aompnh s munçs. A úni onstnt nos tuis mints TI omplxos, virtulizos hírios são s munçs. O qu pnsmos qu smos stá, muits vzs, rro. As orns triionis TI pr rnimnto surnç prsumm qu os usuários onhçm tos s possívis lhs risos om ntêni, qu sss ormtos os não murão. Simplsmnt, ss não é mis o so. N vr, miori os prtmntos TI st mis tmpo prsonlizno mntno sus rrmnts o qu usno-s. O Splunk não pn squms ráis qu limitm lxiili qu orrompm quno os ormtos os os mum. O Splunk inx toos os os slionos m tmpo rl, o tmpo too. Tos s intrprtçõs os qu voê prisr, omo xtrir um mpo ou mrr um suonjunto hosts, pom sr its ilmnt sm intrrupçõs, nqunto voê psquis. Dimnsionmnto o lptop o tntr. Em um momnto m qu sps é minuiosmnt ontrol, s mprss nm smpr ontm os rursos qu prism. É por isso qu o Splunk tm um prço oi rio pr s qur toos os mints. El po sr ixo xuto m um lptop m mnos ino minutos o msmo sotwr po sr imnsiono trvés s miors inrstruturs lois, inxno zns tryts os por i. Orno os prinipis rursos pr intliêni oprionl Colt inx univrslmnt os os máquin, prtimnt qulqur ont Hilit us m ormto livr invstiçõs inints prtir um únio lol Extri onhimnto os os utomtimnt prmit qu os usuários iionm os sus próprios os Monitor os os ornç lrts m tmpo rl, quno surirm oniçõs spíis Fornç rltórios náliss izs. Orç pi rir pinéis ontrol visulizçõs prsonlizos pr irnts unçõs Dimnsion orm iint, utilizno um hrwr omum Orç surnç s m unção ontrol sso rnulrs Suport multi-tnny sj implnto orm lxívl Inxção univrsl Os omponnts iniviuis m su inrstrutur rm ntns vntos por suno. Um tntr po ristrr vários tryts os por i. Voê provvlmnt omçrá s pruntr omo srá possívl ssr toos sss os m toos os irnts ormtos lois. O Splunk or um séri métoos ntr lxívis não pris ontors spiis pr ormtos os spíios. Assim, voê po imitmnt inxr os los, os os likstrm, s oniurçõs, rmilhs lrts, mnsns, sripts, os sttístis smpnho prtir os sus plitivos, srviors ispositivos m r, sjm ls ísios, virtuis ou m nuvm. Entr os lxívl. O Splunk olt inx os os prtimnt qulqur ont iminávl, omo tráo r, srviors W, plitivos prsonlizos, srviors plitivos, hyprvisors, sistms GPS, s olss vlors, míis soiis nos os struturos prxistnts. Não import omo voê otém os os ou o ormto m qu stão, ls srão inxos msm orm, sm quisqur nlisors ou ontors spíios pr srvr ou mntr. Enminh os sistms rmotos. Os Splunk orwrrs pom sr implntos m situçõs m qu os os nssários não stão isponívis n r ou visívis pr o srvior on o Splunk stá instlo. Os Splunk 3

4 orwrrs orm olt univrsl os sur, istriuí m tmpo rl. Els onsum monitorr os rquivos lo plitivos lois, pturr sí omnos sttus m um ronorm, otr métris smpnho prtir onts virtuis ou não virtuis ou osrvr o sistm rquivos pr ltrçõs oniurção, prmissõs triutos. Els são lvs, pom sr instlos rpimnt sm nnhum usto iionl. Inxção m tmpo rl. O pssol TI pn inormçõs tulizs pr soluionr prolms, rlizr invstiçõs inints surnç, rltórios onormi outrs trs importnts. O Splunk inx onstntmnt os os máquin m tmpo rl, omo sus los, os oniurção, vntos munçs, sí os omnos inóstio, os APIs ils mnsns, inlusiv os los os sus plitivos prsonlizos. Cptur tuo. O Splunk rmzn os os rutos os ínis primoros m um rpositório os iint, omprimio so m sistm rquivos, om ssintur uitori os opionis pr omprovr intri os os. Sm squms ríios. O Splunk não tm um squm prinio. As soluçõs qu pnm squms ráis possum lxiili limit m por trr quno os ormtos os os mum. Tos s intrprtçõs os qu voê prisr, omo xtrir um mpo ou mrr um suonjunto hosts, são its no momnto psquis. Automtiz ronoloi. Toos sss os strmin siniim xtrção, normlizr mrs tmporis é muito importnt. O Splunk trmin utomtimnt o horário vnto, msmo om os ormtos mis típios ou não triionis. As mrs tmporis usnts os pom sr trts inrino-s s mrs tmporis om s m ontxto. Psquis invstição O Splunk prmit qu os usuários psquism nvum plos sus os prtir um únio lol. Psquis invstiu qulqur ois. A us m ormto livr é omptívl om psquiss intuitivs oolns, ninhs, om txto ntr sps urins, omuns toos ostumos usr Intrnt. Isso prmit qu os usuários itrm rinm sus psquiss rpimnt, sm srm n sor ormtos spíios os. Bus m tmpo rl. Psquisr os strmin os histório inxos m tmpo rl, prtir msm intr, é o qu há mlhor. Com o Splunk, voê onsu nlisr o omportmnto tivi m tmpo rl, lém visulizr o ontxto histório. Psquis por tmpo. Em unção o rn volum nturz rptitiv os os máquin, os usuários muits vzs omçm rstrinino psquis um intrvlo tmpo spíio. Com noqu no momnto m os vntos ontm, o Splunk prmit qu os usuários ominm psquiss por tmpo plvrs. Ess pi psquisr m toos os nívis su inrstrutur por rros ltrçõs oniurção, sunos nts oorrêni um lh o sistm, é inrivlmnt rápi poros. Rsultos intrtivos. Quno ompr rrmnts sripts linh omno, um intr intrtiv mlhor siniitivmnt xpriêni o usuário vloi om qul s trs pom sr rlizs. Ampli ruz m um linh ronolói rsultos pr rvlr rpimnt s tnênis, pios nomlis. Cliqu pr tlhr sus rsultos liminr ruíos, nontrno qul ulh no plhiro. S stivr rsolvno um prolm um lint ou invstino um lrt surnç, voê nontrrá s rsposts m sunos ou minutos, m vz hors ou is. Psquis trnsçõs. Envir -mils, zr um pio m um sit ou ontr um hm VoIP rirão inúmros vntos m irnts omponnts TI. Muits vzs voê vi qurr prourr por sss olçõs vntos, qu zm prt msm trnsção. Por xmplo, nontrr toos os vntos o snmil om o msmo ID usuário, ntr um loin um loout, qu oorrm ntro 10 minutos. O Splunk possiilit orrlionr os vntos, nontrno rtrístis omuns, m sui, slvno qul psquis omo um trnsção, pr qu voê poss nontrr os msmos tipos trnsçõs novmnt, pr prâmtros psquis irnts. Aumnt o onhimnto O Splunk utomtimnt xtri onhimnto os os prmit qu os usuários iionm os sus próprios, lirno too o potnil os sus os. É possívl rr os os inormçõs sor os vntos, mpos, trnsçõs, prõs sttístis. Voê tmém po intiir, nomr mrr sss os, po rlizr váris trs, omo nontrr toos os vntos om um nom usuário spíio té otr instntnmnt os os sttístios sor tivis spíis o usuário. Voê tmém po orrlionr nomr s trnsçõs qu nlom múltipls onts os. O Splunk un lxiili us m ormto livr om pi trlhr om sus os, um jito qu voê nun xprimntou nts. Mpi o onhimnto no momnto psquis. O Splunk vit os prolms usos pls orns triionis, mpno o onhimnto pr os os no momnto psquis, m vz tntr normlizr os os m um squm no os ráil ntipmnt. Além isso, não há mis nssi o rnimnto omplxo nlisors ontors prsonlizos. Vloriz ilmnt sus os máquin om inormçõs nos os xtrnos rnimnto tivos, sistms rnimnto oniurção irtórios usuário. Aor voê tm um orm lxívl rnir sus os. Assim, onorm ls mum, voê não pris mur tmém. Trlh orm mis intlint. O Splunk prmit qu toos os usuários iionm sus próprios onhimntos nqunto trlhm. Ao slvr psquiss intiir irnts tipos mpos, vntos trnsçõs, voê torn o sistm mis intlint pr too muno. Além isso, ss onhimnto não si pl port quno luém vi mor. Monitor mit lrts Em vz usr psquis om úni inli rir inints prolms, voê sj sr protivo. O Splunk or rursos lxívis lrts qu mlhorm su 4

5 ortur monitormnto. Além isso, por unionr m to su strutur TI, l é solução monitormnto mis lxívl o su rsnl. Trnsorm s psquiss m lrts m tmpo rl. As psquiss pom sr slvs prorms pr monitormnto ontínuo, lém srm pzs isprr lrts por -mil ou RSS. Voê po té msmo lnçr um sript pr tomr çõs orrtivs, nvir um intrptção SNMP pr o su onsol rnimnto sistms ou rr um protoolo pr ntrl tnimnto. Prormr lrts é um ótim mnir onluir invstição um prolm ou inint surnç, prourno orm protiv oorrênis smlhnts no uturo. Corrlion vntos omplxos. O Splunk prmit orrlionr vntos omplxos prtir múltipls onts os m to su inrstrutur TI, pr qu voê monitor vntos mis siniitivos. Por xmplo, voê po ompnhr um séri vntos rlionos omo um úni trnsção, pr mir urção ou sttus. Monitor pr oniçõs spíis. Os lrts pom s sr m um séri oniçõs limit ss m tnênis, m qulqur nívl rnulri. A linum us vi lém s simpls psquiss oolns m psquiss mpo, uss su-uss sttístis, voê po orrlionr o qu quisr mitir lrts sor prõs omplxos, omo rrinhos omprs nonos, tqus rutis nários ru. Gr rltórios náliss S voê smpr quis rr rltórios sm intrrupçõs prtir os ros por máquin iíis ntnr, voê vi orr o Splunk. Cri rltórios izs, rios m inormçõs, pr zr náliss sm prisr onhimntos vnços sor omnos us. Voê po prormr ntr qulqur rltório m PDF omprtilhá-lo om usuários orportivos, rnts ou outros intrssos m TI. Rltórios sor os rsultos psquis. Cri ilmnt ráios, tls miniráios prtir os rsultos psquis, visuliz tnênis importnts, osrv os ltos ixos, ç um rsumo os prinipis vlors r um rltório sor os tipos oniçõs mis mnos rqunts. A simplii nlisr norms quntis os vi surprnê-lo ( o su h). Por xmplo, um rltório po mostrr o totl yts nvios plo nrço IP prtir vntos tivi irwll, um tl mostrno yts por protoolo por nrço IP ou um ráio ilustrno o tráo irwll por hor pr o lptop um trmino unionário. Prtimnt toos os mpos pom sr usos omo ritério rltório. E lmr-s, omo os mpos são intiios omo su psquis, voê po spiir novos mpos sm rinxr sus os. Anlis vntos orrlionos. O Splunk é omptívl om ino tipos orrlção. Corrlçõs ss no tmpo, pr intiir rlçõs ss m tmpo, proximi ou istâni. Corrlçõs ss m trnsçõs, pr rstrr trnsçõs qu rnm vários silos, sistms onts os, pr qu voê poss rr rltórios nlisr tivis importnts, omo o tmpo pr inlizr um trnsção novo srviço ou trminr s um trnsção omplx já oi ou não inliz. Su-uss, tomno os rsultos um psquis pr usá-los m outr. Psquiss, orrlionno om onts os xtrns, or o Splunk. Junçõs, pr suportr junçõs intrns xtrns tipo SQL. Funion m om os outros. Aor, to su mprs po provitr o vlor os os máquin. Os rltórios pom sr slvos omprtilhos om ministrção ou outros ols m ormtos suros tipo somnt litur, omo o PDF, té msmo, intros m pinéis ontrol. Visulizçõs pinéis ontrol prsonlizos Dê mis sntio os norms volums os à su isposição. O Splunk possiilit rição pinéis ontrol visulizçõs pr irnts tipos usuários, ténios não ténios. Intr os rltórios, psquis os rsultos, té msmo, os plitivos xtrnos. Eit pinéis ontrol, usno um simpls intr o tipo rrstr soltr. Os ontrols intros ráios siniim qu voê po ltrr os tipos ráio, sm intrrupçõs. Fzr tuo isso pl IU o Splunk sinii qu voê po pitr os usuários orportivos zr o msmo. Pinéis ontrol inâmios. Os pinéis ontrol intrm múltiplos ráios, visulizçõs rltórios os histório o vivo, pr stiszr s nssis irnts usuários. Os mlhors mnismos tori orm pi prsonlizr os pinéis ontrol pr nlists stão, omriis ou surnç, uitors, snvolvors ministrors sistms. Mshups om outros plitivos. O Splunk or pi rir mshups om outros plitivos sos n W, omo o Tivoli, SAP, onsols surnç muito mis, pr orr um visão prit trvés os silos. Pinéis ontrol qulqur hor, m qulqur lur. Os ráios os ronorms no Splunk não usm o Flsh, o qu sinii qu os pinéis ontrol pom sr visulizos itos qulqur lur m ispositivos móvis ou m nvors qu não tnhm o Flsh instlo. Cri ix Splunk Apps Aor voê stá inxno usuruino toos os os su máquin, porá usuruir plitivos qu prmitm zr in mis. Inov voê msmo. O Splunk ilit rição plitivos qu orçm um xpriêni usuário irion pr irnts unçõs situçõs uso. A strutur o Splunk App or pi snvolvr mpotr plitivos trvés um úni intr usuário. Proporion um xpriêni usuário pt um situção uso spíi ou primor s tnolois os ornors xistnts. 5

6 Comprtilh ix plitivos. Voê po omprtilhr rutilizr os plitivos ntro su mprs no rstnt omuni o Splunk. Há um númro rsnt plitivos no sit noss omuni rios pl noss omuni, priros pl Splunk. Voê po nontrr plitivos qu jum visulizr os os orimnt ou qu suportm situçõs spíis uso, omo surnç mprsril ou onormi om PCI. Tmém xistm plitivos pr irnts sistms oprionis tnolois triros, omo Winows, Linux, Blu Cot, Ciso, WSphr F5 Ntworks. Grnimnto áil. Após instlo, voê pli ontrols sso sos m unção istriui plitivos om um xpriêni usuário prsonliz por to mprs, mplino o vlor os sus os pr irnts usuários. Eslili mssiv Com o Splunk, voê po imnsionr su instlção prtir um únio srvior Winows, Linux ou Unix omum pr s miors mis omplxs inrstruturs ori ntro prossmnto os múltiplos, inxno zns tryts os por i. A rquittur o Splunk s si n strutur o MpRu é imnsion linrmnt trvés srviors omuns pr volums ilimitos os. Voê nontrrá um rn vri opçõs pr ssr os os, rmzná-los, prourá-los nminhá-los pr outros sistms. Fáil instlção. Um pot sotwr utônomo inpnnt prorms triros z om qu o Splunk sj áil instlr xutr. El union m toos os prinipis sistms oprionis pltorms hrwr. Além isso, omo o Splunk é um sotwr, l po oprr m inrstruturs ísis ou virtuis, m vz xiir hrwr, nri spço no rk ios. Anlis os rns. Su ntro prossmnto os r mis os ros por máquin o qu voê provvlmnt jmis iminou. Um únio srvior proução po rr ntns myts os por i. Firwlls srviors w pom rr, um ls, muits vzs ss qunti. N rli, os os máquin onstitum um os mis rápios omplxos smntos os os rns. Ess volum os tmém stá sujito xiênis rtnção, qu vão s luns is pr rspost inints, té mss nos pr onormi. Bso n strutur o MpRu, o Splunk prmit o imnsionmnto linr trvés hrwr omum. Ao onsirrmos smpnho omprrmos orns pr oltr, inxr provitr sus os máquin, qui stão luns pontos osrvr onsirr: Tx trnsrêni inxção. Os vntos por suno (EPS) é um mi omum tx trnsrêni, ms onsir qu os tmnhos os vntos pom vrir lums ntns yts um myt ou mis. Os vlors EPS são rlmnt lulos sj qul or o tmnho il pr o quipmnto ou solução um trmino ornor. Busqu ornors qu inxm yt os sus os, sm nssi nlisors ou ontors prsonlizos. S o ornor or inpz ou não s ispusr otr sus vlors EPS om s nsss ritérios, si m rnt nontr um qu o ç. Vloi psquis. Psquiss qulqur tipo vm rr rsultos m qustão sunos, não minutos ou hors. Com s m um strutur omputção istriuí, o Splunk onvrt utomtimnt s psquiss m um prorm prllo, prmitino ruprr nlisr rpimnt rns onjuntos os. Um únio srvior omum srá omptívl om psquiss ilhõs vntos m sunos. Eiiêni rmznmnto. Mi omo prntm o tmnho oriinl o luxo os, iiêni rmznmnto trmin qunti pi rmznmnto qu voê prisrá pr mntr sus os sus rsptivos ínis. Um o solução xiirá 25% 50% o tmnho oriinl os os pr mntr sus os um onjunto útil ínis. Cuio om s soluçõs qu irmm usr 10% ou mnos o tmnho oriinl os os. Isso ini pns o rmznmnto os omprimios, não inxção. Arquivmnto. No im, voê po iir rmznr sus os m ms. O rmznmnto m ms po orr mnor usto mlhor runâni. O rquivmnto os om s n utilizção o iso ou n i srá útil pr rição um rpositório os m múltipls ms. Crtiiqu-s qu su solução prmit oniurr um políti rquivmnto om s no tmnho ou no tmpo o rpositório os rsturr sus rquivos so mn. Rimnsionmnto linr. Voê po imnsionr o Splunk horizontl vrtilmnt, simplsmnt rsntno mis pi omputção. Voê po xutr um oniurção istriuí m irnts srviors ísios, um ominção srviors virtuis não virtuis ou m um máquin rn om múltiplos prossors núlos. O Splunk prmit quilirr s rs trlho, oniurno vários inxors rrmnts us m to su oniurção. Psquis istriuí. Muits vzs, não srá viávl ntrlizr isimnt toos os sus os m um únio lol. Voê provvlmnt prisrá psquisr m váris instlçõs rpositórios os, m irnts silos tnoloi oráios. Rotmnto lonm os. Com too qul luxo os pr rnir, voê sjrá tr pi nminhr os os sos ns rtrístis ontúo. Isso srá importnt pr imnsionr protr instlção o su Splunk. E, o pnr o Splunk omo pç ssnil su inrstrutur TI, voê provvlmnt sjrá lonr os os importnts pr vários srviors pr rntir um lt isponiili. 6

7 Intrção. S voê or omo miori os prtmntos TI, voê z invstimntos siniitivos m outrs rrmnts rnimnto, rrmnts monitormnto rrmnts nális. Não sri ótimo s voê puss intrr o Splunk tos ls? Imin lnçr psquiss ontxto o su onsol rnimnto r, nvir lrts o Splunk pr o su onsol rnimnto sistms ou utomtizr rição protoolos prolm quno tivis inomuns ontm. O Splunk or múltiplos pontos intrção um API roust oumnt. Surnç Voê prisrá mntr os os su máquin suros. Espilmnt quno voê prr qu sss inormçõs são sus ns vliosos. O Splunk or mnipulção sur os os, ontrols sso, uitoris, rnti intri os os intrção om s soluçõs sinl sin-on mprs. Asso trnsport suros os os. Os os ros por máquin pom sr siilosos. O Splunk é omptívl om o ornimnto vnço os nônimos pr msrr s inormçõs oniniis os rsultos. As inormçõs orportivs ou lints prtiulrs tmém xim sso, trnsport rmznmnto suros. Voê v vlir possívis soluçõs pr sso riptoro luxos os, usno lo omo TCP/SSL. Crtiiqu-s qu o sso o usuário stj protio, usno, por xmplo, HTTPS ou SSH, pr tr sso linh omno. Control sso rnulr. Clro qu voê tmém pris sr pz ontrolr s çõs qu os usuários pom rlizr quis os, rrmnts pinéis ontrol ls pom ssr. Voê não sj nssrimnt prmitir qu quip snvolvimnto plitivos ss sus náliss IDS, lrts los irwll. O Splunk é um sistm lxívl so m unção qu prmit qu voê ri sus própris unçõs pr mpr s polítis su mprs pr irnts lsss usuários. Em luns mints, omo srviços multi-tnnt, po sr nssário ontrolr isimnt o sso os os. A pi nminhr os os slionos pr irnts instlçõs o Splunk prmitirá qu voê spr os os isimnt m irnts rpositórios os. Voê tmém vi qurr intrr om LDAP Ativ Dirtory rupos mps pr irnts unçõs. Sinl sin-on. S stivr usno ontrols sso intrnmnt tivr polítis ontrol sso ornizionis, voê vi qurr tr rtz por intrr su solução Splunk om o sistm utntição, sj l LDAP, Ativ Dirtory, -Dirtory ou outro sistm utntição. Função uitori. Dpois oniurr sus ontrols sso, é priso monitorr qum stá zno o quê. O Splunk ristr s tivis ministrtivs os usuários, pr qu voê poss uitorr qum stá ssno quis os quno. Intri os os. Voê tmém prisrá rntir intri os os. Como voê s s os rsultos psquis ou o rltório qu voê stá vno não são sos m os qu orm ultros? Com o Splunk, vntos iniviuis pom sr ssinos luxos vntos loquos. O Splunk tmém or mis intri mnsns qu provm qu ninuém insriu nm xluiu vntos o luxo oriinl. Implntção proti. Mntr um trilh uitori ssintur os vntos é inútil s o srvior qu xut o Splunk pur sr ompromtio. Crtiiqu-s qu su ornor orç orintçõs protção. ROI Splunk Os lints Splunk rlmnt onsum mir o ROI m smns ou mss, às vzs, té msmo nts sr implnto n proução. Os usuários o Splunk pom soluionr prolms m plitivos invstir inints surnç m minutos, m vz hors ou is, mlhorno siniitivmnt os nívis srviço, ruzino s intrrupçõs ntrno rltórios onormi um usto mnor. Ess visiili, normlmnt inisponívl nts o Splunk, or às mprss um ROI rápio, nov proutivi importnts prpçõs. Aqui stão luns xmplos: Um ornor lír m soluçõs stão sú vitou um mult US$ , nontr urnt s vlição o Splunk. Ess msmo lint otv um ROI nul mis US$ Um s itors mis importnts o muno os nóios sustituiu su ntio sotwr monitormnto srviors plo Splunk outro sotwr óio rto. Isso liminou s txs mnutnção ruziu os ustos oprionis m US$ 1,6 milhõs/no. Um os prinipis rints o rmo omuniçõs vitou um tulizção linç sotwr no vlor US$ 1,5 mil pr su SIEM xistnt, rtriuiu s unçõs ino nlists turno intrl pr outrs trs (US$ /no) or monitor novs onts os pr intiir os tqus sonhios ntriors. O mior ornor pôqur B2B o muno, hospno 25 s miors mrs o stor té joors simultânos ns hors pio, ruziu o tmpo intivi m 30% ontilizou um onomi nul US$ 1,9 milhão (16x ROI no 1º no). Um os miors sits vins on-lin o muno monstrou um ROI nul mis US$ 14 milhõs. Ess ROI oi um ominção rrmnts onsolição, linçs posntos, prvnção intrrupçõs iiêni n rsolução prolms, oti plo uso o Splunk. Downlo rtuito Bix o Splunk rtuitmnt. Voê rrá um linç o Splunk Entrpris pr 60 is porá inxr té 500 myts os por i. Após 60 is, ou qulqur momnto nts isso, voê porá onvrtr um linç prpétu rátis ou omprr um linç Entrpris, ntrno m ontto plo 7

8 Busno um solução lto nívl pr rnir os os su máquin? Então onsir o suint: 1 Inxção os inâmios Inx toos os os máquin ros por plitivos, srviors ou ispositivos m r, inlusiv los, os likstrm, oniurçõs, mnsns, rmilhs lrts, métri os smpnho, sm nlisors ou ontors prsonlizos pr ormtos spíios (inlui mints virtuis não virtuis). Asso lxívl os os, m tmpo rl so mn, prtir rquivos, ports nos os m r APIs intrs prsonlizos. Ouv s ports TCP UDP r pr rr syslo, syslo-n ntrs outrs rs. Consom rquivos omptos. Cptur novos vntos m rquivos lo inâmios m tmpo rl. Monitor rquivos por munçs. Psquis tls no os por DBI. Monitor vntos o Winows rmotmnt trvés WMI. Ass ntivmnt API vntos o Winows. Monitor o ristro o Winows pr munçs. Cont-s o OPSEC LEA outros protoolos importnts vntos surnç. Insrv-s m ils mnsns, tis omo JMS. Cptur sí os omnos sttus o sistm Unix / Linux, omo o ps, top vmstt. Copi rquivos rmotmnt trvés sp, rsyn, tp stp. Expnsívl pls ntrs sript pr pturr sí omnos novo sttus, ontr-s APIs novos vntos insrvr-s m irnts tipos ils mnsns. Inxção univrsl os os m prtimnt toos os ormtos, sm nlisors ou ontors prsonlizos pr ormtos spíios os. Intii vntos m linh úni, multilinh omplxs struturs XML. Ronh normliz mrs tmporis. Li om mrs tmporis rrs ou usnts trvés inrêni ontxtul. Cptur inx strutur vnto. Rstri inx o host orim vnto. Clssii os ormtos óio inmimnt. Inx nsmnt trmo nos os oriinis. Mntém os os máquin oriinis inltros. Cri um íni não struturo no iso sm squm. Suport trnsmissão rpção os um máquin rmot pr lnmnto r, ilovr implntçõs istriuís. 8

9 2 Psquis invstição h i j k l m n o Psquis vntos ntr omponnts m vários ormtos o msmo tmpo. Psquis os inâmios histório prtir msm intr utomtimnt prnh os os histório pr psquiss m tmpo rl, om jnls. Rsultos rápios ns psquiss por trmos m vz onsults otimizs pr mpos/oluns spíios m um squm prsistnt. Psquis ho ormto livr pr qulqur trmo nos vntos oriinis om suport pr oolns, ninhs, om txto ntr sps urins. Psquiss priss usno mpos intiios ntro os os no momnto psquis. Suport váris xiiçõs squm pr os msmos os, sm rmznmnto runnt ou rinxção. Sustõs prnhimnto utomátio pr tornr mis áil sorir o qu prourr. Nvu por vntos rlionos rin s psquiss lino m mpos ou trmos nos rsultos psquis. Psquis por tmpo m vários ormtos os. Visuliz s tnênis nvu por rsultos usno ráios, historms, miniráios rsumos intrtivos sos no tmpo. Psquis por trnsçõs m irnts onts omponnts os. Psquis prsistnt omo vnto tipos trnsção psquis, iltr rsum por vnto tipo trnsção. Dsur mpos, tipos vntos trnsçõs orm intrtiv no momnto psquis. Slv s psquiss m rltórios, pinéis ontrol ou moos xiição pr simpliir os nários psquis rotin. Intr o usuário AJAX intrtiv, s m nvor. Não são nssário plu-ins. Intr CLI opionl prormávl pr psquis m tmpo rl histório. 3 Aiion onhimnto Prmit qu o sistm o usuário iionm utomtimnt siniio smântio os os ros por máquin. Extri onhimnto os os máquin utomtimnt, omo mrs tmporis, prs nom/vlor, çlhos t. Prmit qu os usuários rum onhimntos sor os vntos, mpos, trnsçõs prõs nos os su máquin. Atriu tiquts os vlors mpo pr jur psquisr rupos vntos om sus rsptivos vlors mpo orm mis iint. Intiir lssiir s trnsçõs por orrlção vntos múltipls onts os. Slv s psquiss qu rtornm rsultos intrssnts, slvno squêni psquis (pr xutr psquis pois) ou os rsultos psquis (pr rvr os rsultos pois). Comprtilh promov psquiss slvs, rltórios slvos tipos vntos om outros usuários utorizos. 9

10 4 Monitor mit lrts Exut psquiss ss m tmpo m um prormção in s oniçõs lrt om s m limits lts no númro istriuição os rsultos. Dispr lrts vi -mil, RSS, SNMP ou sripts. Tom titus orrtivs ou ompnhmnto utomtizs trvés lrts sript. Inorpor rrs orrlção soistis m lrts trvés supsquiss. 5 Gr rltórios náliss h i j Cri rltórios rsumios om s nos rsultos qulqur psquis orm intrtiv, lino m mpos sttístis isponívis. Cri rltórios usno mpos squms intiios no momnto psquis. É omptívl om váris xiiçõs squm pr os msmos os, sm rmznmnto runnt ou rinxção. Suport nális sttísti rsumi soisti, nlizno os omnos psquis vnç juntos m um úni psquis. Visuliz os rsultos o rltório m um ormto tulr. Visuliz os rsultos o rltório m ráios intrtivos linh, rr, pizz, isprsão mps lor. Aproun-s m qulqur mpo ou trmo. An psquiss ou rltórios pr ntr utomáti por -mil ou RSS. Armzn m h os rsultos os rltórios prormos pr rutilizção. Cri rltórios m tmpo rl sos m onts os strmin inâmios. An os rltórios ntr vi PDF. 6 Cri visulizçõs pinéis ontrol prsonlizos Cri it pinéis ontrol qu ominm psquiss, rltórios, ráios tls usno um itor pinl ontrol visul. Cri pinéis ontrol soistios, om intrs usuário visulizçõs ris totlmnt prsonlizs, inluino mshups om outros plitivos os onts xtrns. Fornç pinéis ontrol pré-mlos, qu rtrtm s prinipis inormçõs tivi o usuário, omo tivi o ministror, tivi psquis, tivi inxção tivi ntrs. Orç inxção rsumo pr rr rltórios orm iint sor rns volums os, omo tnênis lono przo. Ampli ou rstrinj s prmissõs litur rvção ss m unçõs pr um pinl ontrol. Cri pinéis ompostos om s m onts os histório ou inâmios. Implnt pinéis ontrol m ispositivos nvors qu não suportm Flsh. An ntr qulqur pinl ontrol vi PDF. 10

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia onxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não or suportao plo CD Sotwar oumntação, o Assistnt para aiionar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

Conversor BCD-7 Segmentos SSI

Conversor BCD-7 Segmentos SSI Tnoloi os Computors 2002/2003 Trlho Prátio n o 3 Trlho Prátio n o 3 Projto Funçõs Lóis Cominionis Convrsor BCD-7 Smntos SSI 1 Introução Est trlho tm omo ojtivo: introuzir o onito Esl Intrção (Sl o Intrtion)

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia Conxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não for suportao plo CD Softwar Doumntação, o Assistnt para

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Prgunts Avlição Romnmos qu voê srv sus rsposts m um pço ppl pr qu voê poss pssr sus olgs trlho migos st urso. MÓDULO 1: INTRODUÇÃO 1. Qul os sguints são ojtivos prinipis

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS Flávi Bini Ni Mstro Ennhri Proução Univrsi Frl Fluminns Ru Psso Pátri, 5, São Dominos, CEP:

Leia mais

Guia de referência rápida

Guia de referência rápida Guia de referência rápida Gestão de Projetos Um sistema para administrar a sua empresa. esde os contatos da sua agenda até o financeiro, passando pelos projetos e tarefas. tudo isso via internet, sem precisar

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E OPÇÕES - ANEXO 1

TABELA DE PREÇOS E OPÇÕES - ANEXO 1 ONTRTO PRSTÇÃO SRVÇOS PN Pendências inanceiras UN TL PRÇOS OPÇÕS NXO 1 ste anexo é parte integrante do contrato assinado entre a ONTRT e a ONTRTNT, referente à prestação de serviço do PN e será de uso

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a),

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a), 2013 QUSTIONÁRIO O PROSSOR Senhor(a) Professor(a), O Sistema Nacional de valiação da ducação ásica, S, é composto por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes e os questionários

Leia mais

Faturamento WEB IAMSPE v20130424.docx. Manual de Faturamento

Faturamento WEB IAMSPE v20130424.docx. Manual de Faturamento Fturmnto WEB IAMSPE v20130424.dox Mnul d Fturmnto Fturmnto WEB IAMSPE v20130424.dox ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 SUPORTE DA MEDLINK VIA LINK DÚVIDAS... 3 MOVIMENTO MANUAL... 3 IMPOSSIBILIDADE

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Manual de Utilização do Hosp

Manual de Utilização do Hosp Mnul_Hosp_10_10_vr_1.o Mnul Utilizção o Hosp Mnul_Hosp_10_10_vr_1.o ÍNDICE CARO USUÁRIO LEIA COM ATENÇÃO.... 3 PASSO A PASSO 1º ACESSO... 3 INFORMAÇÕES IMPORTANTES DA OPERADORA... 3 TAGS DE PREENCHIMENTO

Leia mais

Atendimento_WEB_TISS_Seguros Unimed (1).doc. Manual de Atendimento

Atendimento_WEB_TISS_Seguros Unimed (1).doc. Manual de Atendimento Atndimnto_WEB_TISS_Sguros Unimd (1).do Mnul d Atndimnto Atndimnto_WEB_TISS_Sguros Unimd (1).do ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 MOVIMENTO MANUAL... 3 ITENS DE FACILIDADE... 3 FECHAMENTO

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS,

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, P á g i n a 57 LÓRI US (TOM: Ó) 4/4 PLO SOL QU RILH, LÓRI US PL LOR QU NS, LÓRI US PLOS MONTS LTOS, LÓRI US PLO MR TMÉM, LÓRI US PLOS PSSRINHOS, LÓRI US PL NOIT O I, LÓRI US PL RIS LR, LÓRI US QU LON VM,

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física rsão rlmnr rl Nots ul Fís. ENOPI E SEGUN LEI EMOINÂMI... POESSOS EESÍEIS E IEESÍEIS... MÁUINS ÉMIS... Um máqun rnot... Eên um máqun rnot...6 EFIGEOES...6 EOEM E LUSIUS...7 SEGUN LEI EMOINÂMI...9 Enuno

Leia mais

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 EDITAL INTRODUÇÃO A prtir 2009, o IAB RJ pssrá onsirr o onito Dsnvolvimnto Sustntili, omo orgm romnávl n proução o rquitto, o urnist o stunt sts árs, ontmplno s

Leia mais

platibanda com rufo metálico h:120cm +12.91 m telha em fibro cimento 12% calha platibanda com rufo metálico h:120cm

platibanda com rufo metálico h:120cm +12.91 m telha em fibro cimento 12% calha platibanda com rufo metálico h:120cm QURO ÁRS STTÍSTI: ÁRS ONSTRUÍS: etiz rua YYYY etiz rua N etiz etiz º PVIMNTO (TÉRRO):,m² ººº PVIMNTO (TIPO - x):,m² x=,m² PVIMNTO TÉNIO (RRILTIX 'ÁU):,m² ÁR TOTL ONSTRUÍ:,m² ÁR OMPUTÁVL:,m² ÁR NÃO OMPUTÁVL:,m²

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL LL LTVIST PRÂMTRO IMGM SÍNTS UNIONL NTORNO IDNTIIR RLÇÃO DO DIÍIO OM OS LMNTOS D NTORNO, ONSIDRNDO OS TRIUTOS DO LUGR - MSSS DIIDS, RLÇÕS D PROXIMIDD, DIÁLOGO, INTGRÇÃO OU UTONOMI LL DIGO RIVR LL LRO LL

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M FULS INTGRS IPIRNG OS XTRÍOS M /06/0 6:8:8 Turma SN Semestre 0 SNVOLVIMNTO W-0H SNVOLVIMNTO W SNVOLVIMNTO W SNVOLVIMNTO W SNVOLVIMNTO W SNVOLVIMNTO W SISTMS POIO TOM ISO SISTMS POIO TOM

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

ANEXO VI AO TERMO DE REFERÊNCIA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ANALÍTICA

ANEXO VI AO TERMO DE REFERÊNCIA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ANALÍTICA NXO VI O TRMO RRÊNI PLNILH USTOS ORMÇÃO PRÇOS - NLÍTI NXO VI - PLNILH USTOS ORMÇÃO PRÇOS (NLÍTI - MÃO OR) MÃO--OR VINUL À XUÇÃO ONTRTUL Nº do processo: Licitação nº: Regime de Tributação: SIMPLS ( ) PRSUMIO

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ ДХILUIR P/ LRR RL_ R To l. er a l es. Num. QU M PRVR IOO P O RROR MIOR V R LMJ U: UZZR R 0 ILUIR P M PRLLO OM ONTTO O RL 0.u/ 00V V R 0 0 R 0 verm elho U: ULN00 U: LMJ 0 ULN00 U: LI/ LI RROR V N R 0u/

Leia mais

Índia Até o bicho separa o lixo

Índia Até o bicho separa o lixo Opror Máquins Agríols Nº Insrição: Pró-Ritori Gstão Pssos Univrsi Frl Snt Mri Prt I Língu Portugus Pr rsponr às qustõs númros 01 10, li os txtos sguir. Txto I Txto II Txto III OBICHO Vi ontm um iho N imuníi

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

Guia para instalação e utilização

Guia para instalação e utilização Gui pr instlção utilizção Aprlho r oniiono om sistm VRV IV RYYQ8T7Y1B RYYQ10T7Y1B RYYQ12T7Y1B RYYQ14T7Y1B RYYQ16T7Y1B RYYQ18T7Y1B RYYQ20T7Y1B RYMQ8T7Y1B RYMQ10T7Y1B RYMQ12T7Y1B RYMQ14T7Y1B RYMQ16T7Y1B

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 stmro 01 outuro 2010 ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA ÁGUA CONSUMIDA PELA POPULAÇÃO DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO VERMELHO-MG GABRIELA LÚCIA PINHEIRO 1, CELSO RICARDO CARVALHO 2 ; LÍVIA BOTELHO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Propost Plno Crrir pr os Srviors o Por Juiiário União ANATA Assoição Nionl os Anlists, Ténios Auxilirs o Por Juiiário Ministério Púlio União Li nº, 0 Institui o Plno Crrir os srviors o Por Juiiário União

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

- SV22-92014 - SV22-92015 - SV22-92016 - SV22-92024

- SV22-92014 - SV22-92015 - SV22-92016 - SV22-92024 Funionlis 1 Suport lvtório 2 Artiulção o LCD 3 Elvor 5 (12,7 m) 4 Suprfíi trlho 5 Gvt loquio ltrónio utomátio 6 Tuliro inlinávl pr tlo poio pulso 7 Tuliro suport pr rto, irit/squr 8 Gstão os 9 Trvão lvção

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M FULS INTGRS IPIRNG OS XTRÍOS M //0 6:9:0 Turma TLGN Semestre 0 MINISTRO SISTMS INFORMO- 60 MINISTRO SISTMS INFORMO MINISTRO SISTMS INFORMO T 7. MINISTRO SISTMS INFORMO MINISTRO SISTMS INFORMO

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

Soluções E-Procurement

Soluções E-Procurement Soluçõs -Procurm Móulos Vgs Aprsção Dspss Tomé A. Gl Jro/2003 Sumáro: Soluçõs - Procurm 2 Soluçõs - Procurm m xrp 3 Prcps Vgs 4 Solução 5 Móulo vgs 7 Móulo Rlóros Aprsção spss 8 Cls 9 Cocos Ús 10 www.scrgl.com

Leia mais

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E 1ª limintóri 2012 Est tst é onstituío por 30 qustõs qu orm ivrss tmátis Biologi. Li s qustõs tntmnt slion opção orrt unimnt n Folh Rsposts, mrno- om um X no quro rsptivo. O tst tm urção máxim 90 minutos.

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

UNEB Universidade do Estado da Bahia Campus II Alagoinhas DCET Curso: Análise de Sistemas Aluno: Data: / /

UNEB Universidade do Estado da Bahia Campus II Alagoinhas DCET Curso: Análise de Sistemas Aluno: Data: / / UN Universidade do stado da ahia ampus lagoinhas T urso: nálise de Sistemas luno: ata: / / Gerência de Projeto de Sistemas PRT/PM : Representação tem escrição Representação PROJTO onjunto de ações e Rede,

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões V300 Séris Exclnt control caminhõs pqus furgõs A obtr Exclnt smpnho Alta confiabili Manutnção fácil Montagm frontal ou tto Construção pacta séri ofrc ofrc xclnt xclnt AAAséri séri ofrc xclnt A séri ofrc

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Piso/Teto R-22 60 Hz (Cond. Vertical) YOE(K)A18-60FS-AD(E)(F)T

MANUAL DO USUÁRIO. Piso/Teto R-22 60 Hz (Cond. Vertical) YOE(K)A18-60FS-AD(E)(F)T MANUAL DO USUÁRIO Piso/Tto R-22 60 Hz (Con. Vrticl) YOE(K)A18-60FS-AD(E)(F)T Li st mnul nts instlção orção Crtifiqu-s qu l sj m uro r rfrêncis futurs CONTEÚDO INFORMAÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA-----------------------------------------------------1

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI C RSATAI A NOIVA - 1. L SHAAI F9 Bb9 C4 F9 L SHAAI, TOO POROSO ÉS F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, NÃO HÁ OUTRO US IUAL F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, OMÍNIO STÁ M SUAS MÃOS Bb9 C4 F9 POROSO L SHAAI C F9 MU ABA PAI PROVOR,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

Redes Sem Fio. Luiz Carlos Pessoa Albini

Redes Sem Fio. Luiz Carlos Pessoa Albini Rs Sm Fio Luiz Crlos Psso Albini Rotiro - ª Prt Introução Ons Ráio Ons Eltromgnétics Espctro Eltromgnético Moos Propgção Espctro Frqüênci Lrgur Bn Acsso Múltiplo 802. - WiFi 802.5 - Blutooth - rro no livro

Leia mais

7 - RUÍDO EM RECEPTORES

7 - RUÍDO EM RECEPTORES 7 - UÍDO EM ECEPTOE Em um rptor, qundo não s rb nnhum stção d rádio, ouvimos no lto flnt um ruído. Est ruído pod tr sido rbido pl ntn ou pod tr sido grdo no próprio rptor. Qundo o som dst ruído tm nturz

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia wwwsmorsplvromr Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Po PG PECADO DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO 03 I, PECADO, O QUE É? 04 II, O ROTEIRO DO PECADO,

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões Séri V300 Exclnt control para caminhõs pqunos furgõs A solução para obtr Exclnt smpnho Alta confiabilida Fácil manutnção Montagm frontal ou no tto Construção compacta AEssa sérilinha V-300 ofrc uma xclnt

Leia mais

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892)

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892) Vi duto do Chá (1892) UHE P rn íb (1900) Est ção d Luz (1900) 1.2 Atr ção do C pit l Estr ngeiro Em 1911 Emile Quoni m de S hompré publi ou, em fr n ês, pel C s G rreux o livro L Bourse de São P ulo, om

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES Polems Resolvios e Físi Pof. Aneson Cose Guio Depto. Físi UFES HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES 16. N som A + = C, o veto A

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Capítulo 3. Análise de Sinais Dep. Armas e Electronica, Escola Naval V1.1 - Victor Lobo 2004. Page 1. Domínio da frequência

Capítulo 3. Análise de Sinais Dep. Armas e Electronica, Escola Naval V1.1 - Victor Lobo 2004. Page 1. Domínio da frequência Dp. Armas Elcronica, Escola Naval V. - Vicor Lobo 004 Capíulo 3 Transformadas ourir ourir Discra Bibliografia Domínio da frquência Qualqur sinal () po sr composo numa soma xponnciais complxas Uma xponncial

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. CARTÃO-RESPOSTA stino à mrção s rsposts s 56 qustõs ojtivs. 2. Confir su nom, númro insrição

Leia mais

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa MODELOS ESPACIALMENTE EXPLÍCITOS DE ANÁLISE DE DINÂMICAS LOCAIS: O CASO DA VEGETAÇÃO NATURAL POTENCIAL NO APOIO AO PLANEAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Frncsco Gutrrs1, Eusébo Rs1, Crlos Nto1 José Crlos

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais