Biologia Filosofia Física Geografia História Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biologia Filosofia Física Geografia História Língua Portuguesa Literatura Brasileira Matemática Química. Prova Seletiva."

Transcrição

1 3 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Prov Sltiv Insrição nº:

2 Qustão 01 No omço o séulo XX, os Estos Unios Améri stnrm su ár influêni pr s Améris Cntrl o Sul, utilizno too o su por onômio, tnológio militr, onstruírm, inugurrm ssumirm o ontrol o nl introânio situo no trritório o Pnmá. No séulo XXI, o rsimnto o fluxo o omério glol justifi onstrução um novo nl, lém o qu já xist. Pr tnr ss mn, o projto pr onstrução o Grn Cnl Introânio nontr-s n fs finl stuos, om prvisão iníio s ors pr Além ispor um orçmnto 40 ilhõs ólrs um prvisão término m sis nos, ss mgprojto já ru provção o Prlmnto nionl. Ess onstrução s rá m trritório, om prtiipção pitis, mprss tnologi oriunos. Assinl ltrntiv qu prnh, orrtmnt, s luns. Honurs o Jpão Nirágu Chin Cost Ri Rússi El Slvor o Rino Unio o Méxio Almnh Qustão 02 Osrv s imgns: Font: TERRA, Lygi; ARAÚJO, Rgin; GUIMARÃES, Rul Borgs. Conxõs: stuos gogrfi grl o Brsil. 1.. São Pulo: Morn, 2008.p

3 As figurs mostrm onpçõs pssos, fits há r m nos, sor omo sri o otiino no séulo XXI. Em rlção o Brsil, sss onpçõs stvm I - orrts, porqu houv tnto vrtilizção s onstruçõs m grns méis is rsilirs, omo o progrsso tnológio os mios trnsport omunição. II - rrs, porqu houv mnutnção s pisgns psr s mrs s ténis o trlho humno. III - orrts, porqu volução s ténis tornou possívl mprgr onhimntos, instrumntos hilis, stno o mio ténio inorporno às pisgns mrs o trlho humno. Está(ão) orrt(s) pns I. pns I III. I, II III. pns II. pns II III. Qustão 03 Li o txto sguir pr rsponr à qustão. Um lgoritmo vl mis qu o hrm? Um nov sfr sits nmoro tnologi pr juntr s pssos à mo ntig. Vl té um PowrPoint sor su vi. 1 As rs soiis mplirm não só os grupos migos, ms tmém o númro pssos om s quis tr um rlionmnto moroso. Ms o prolm é qu s rs soiis umntrm qunti não quli os nitos. O novo sfio moroso é xtmnt st: filtrr s pssos qu intrssm. Dí srviços, omo o Hrmony.om Mth.om, qu jum 5 slionr priros(s) ntro for su r om ju lgoritmos qu nlism omptiili ntr us pssos. Outros plitivos, omo o Pir, grn importâni à privi num muno on s intrçõs são vz mis púlis. E s r tuo rro, vários sits ivório. S voê quisr mntr o lo triionl sprção, ms sm lntião Justiç, hosp-s no DivorHotl.om. Font: LARIU, Alssnr. Um lgoritmo vl mis qu o hrm? INFO, jul. 2012, p. 30. (pto) Assinl ltrntiv qu prnh, qumnt, s luns o txto, sguno os prinípios norm-prão língu portugus. us s po ntrm ão xistm utiliz é possívl surgm tm o há usm po-s ntrm ão xistm utiliz é possívl surg stão no há utilizm s po ntr ão xist 03

4 Qustão 04 Consir o sguint txto: [...] o rsimnto, ojtivo prinipl tori políti onômi, po tr ixo fzr sntio. Até o último qurto o séulo XX, rsr nriqur rm ojtivos inqustionávis. Hoj já não são. Primiro, porqu os limits físios o plnt omçm r sinis qu pom str próximos. Sguno, porqu o xtrorinário rsimnto riquz ri nos últimos ois séulos rsultrm num gnho m-str muito quém o qu s pori sprr. A sigul prsistnt, o onsumismo snfro, o lto nivimnto púlio privo, invsão o Esto sor tos s sfrs vi, os impostos usivos, prpção gnrliz qu vi ontmporân é xustiv ompõm um quro slntor, muito ifrnt o qu imginri lguém qu, no iníio o séulo XX, tntss srvr omo sri vi, um séulo pois, um vz tingio o nívl rn riquz o muno ontmporâno. Aplino o txto o prinípio qu o rto é quilo qu promov o máximo m-str o númro pssos, o rsimnto onômio é um mt. Assinl ltrntiv qu prnh, orrtmnt, s luns. normtivist mior qustionávl utilitrist mior qustionávl utilitrist mnor inqustionávl normtivist mnor inqustionávl Font: RESENDE, Anré Lr. O s limits o possívl: onomi lém onjuntur. São Pulo: Compnhi s Ltrs, normtivist mnor qustionávl Qustão 05 À mi qu o uso intrnt s populriz, o sso qu s pssos têm fonts informção s mpli. Um os fitos isso é qu hoj há mior fili pr ontrolr s çõs os rprsntnts polítios litos pl populção (vrors, putos t.). Alguns filósofos spulm qu, no futuro, om intnsifição o uso intrnt, po-s vir otr forms mori irt, o mnos m lguns omínios ou m lguns ssuntos. Assinl ltrntiv orrt. N mori rprsnttiv, os rprsntnts litos xprssm vont irt os inivíuos, onsultno-os sor qustão sr vot. N mori irt, os rprsntnts populção são litos plo voto populr. N mori irt, os rprsntnts populção tomm sus isõs utonommnt. N mori rprsnttiv, psso mnifst su vont iniviulmnt g sm intrmiários. N mori irt, psso mnifst su vont iniviulmnt não g por mio rprsntnts. 04

5 Qustão 06 A tnologi os prlhos ltroltrônios stá s nos fnômnos intrção s prtíuls rrgs om mpos létrios mgnétios. A figur rprsnt s linhs mpo um mpo létrio. Assim, nlis s firmtivs: I - O mpo é mis intnso n rgião A. II - O potnil létrio é mior n rgião B. III - Um prtíul om rg ngtiv po sr font ss mpo. Está(ão) orrt(s) A B pns I. pns III. I, II III. pns II. pns II III. Qustão 07 Durnt s us últims és, ioos orgânios missors luz (o inglês, OLEDs) têm trío onsirávl intrss, vio às sus pliçõs promissors m monitors tl pln, sustituino tuos rios tóios (CRT) ou tls ristl líquio (LCDs). A onfigurção típi um ioo orgânio missor luz é mostr n figur, sor um mtril trnsprnt, qu po sr viro. São positos o ânoo óxio titânio (trnsprnt), us ms missors orgânios um átoo, prt. N A figur tmém mostr rprsntção moléul um sss missors luz orgânio. Po-s osrvr qu possui, portnto po rgir omo Lwis n prsnç lorto lumínio (AlCl ). 3 N As luns o txto são orrtmnt prnhis por mis triáris áio. Cátoo Cms orgânis Ânoo Ag ITO mins triáris s. mins lifátis s. Viro mis romátis áio. mins romátis áio. 05

6 Qustão 08 No plno omplxo, o ponto z 0 rprsnt o lol instlção um ntn wirlss n prç limntção um shopping. y Os pontos z=x+yi qu stão lolizos no ln máximo ss ntn stisfzm qução z - z 0 = 30 5 wirlss z O x D oro om os os, sss pontos prtnm à irunfrêni por 2 x + y 2 20x 10y 775 = 0. 2 x + y 2 10x + 20y 900 = 0. 2 x + y = 0. 2 x + y 2 20x 10y 900 = 0. 2 x + y 2 10x + 20y 775 = 0. Qustão 09 font: 101 invnçõs qu murm o rumo o muno. São Pulo: ril, p. Suprintrssnt olçõs. (pto) Osrv figur sguir. Nosso náufrgo omç sntir strnhos sintoms. No kit sorvivêni, há pns mimntos ntitrinos. Assno o plitivo qu rlion sintoms possívis onçs, l nontr ino possiilis pr su ml. Qul s nfrmis sguir l pori omtr om o mimnto qu ispõ? Pnumoni (por Strptoous pnumoni). Disntri (por Entmo hystoliti). Girís (por Giri lmli). Mlári (por Plsmoium). Mononulos (por Lymphoryptovirus). 06

7 Qustão 10 A figur mostr um jogo viogm, m qu viõs isprm ls visno tingir o lvo. Quno o vião stá no ponto (1,2), ispr um l ting o lvo n posição (3,0) Sno r rt trmin pl trjtóri l, osrv s sguints firmtivs: 1 I - O ponto P, 5 prtn r. 2 2 II - A rt r é prpniulr à rt qu pss pl origm plo ponto méio o sgmnto AB, on A(0,3) B(3,0) III - A rt r é prll à rt s: 2x-2y+5=0. GAME Está(ão) orrt(s) pns I. pns III. I, II III. pns I II. pns II III. Qustão 11 Óulos, mirosópios tlsópios vêm sno utilizos há lguns séulos, trzno norms vnços intífios om onsquênis irts no snvolvimnto ivrsos mpos, omo sú tnologi. Consirno os prossos físios funmntis nvolvios n óti lnts lgs, omplt s luns n firmção sguir. O prosso onvrgêni ou ivrgêni os rios luminosos trvés lnts lgs tm omo s físi o fnômno, qu s rtriz pl munç luz, o pssr um mio pr outro (o r pr o viro, por xmplo). O svio n trjtóri os rios luminosos n intrf ntr o r lnt pn luz. Assinl squêni orrt. rfrção vloi o ângulo iniêni ifrção frquêni polrizção ifrção vloi o ângulo iniêni rfrção frquêni polrizção rfrção frquêni o ângulo iniêni 07

8 Qustão 12 Li o txto sguir, utori Plé, pr rsponr à qustão. Bol, hutir, gol tnologi O uso hip po r om os rros ritrgm ns prtis futol? Eison Arnts o Nsimnto 1 O pnsmnto por trás fs tnologi pr linh o gol é: s o áritro rit qu ol ntrou, vi prr o jogo prguntr 5 lguém num stúio TV, qu vi rsponr sim ou não. [...] Nos sports qu têm prs rgulrs isso é ótimo. Há tmpo pr vrifir s rlmçõs. No futol s oiss stão smpr ontno, é tuo muito omplio. O gol Goff Hurst pr Ingltrr, no jogo ontr Almnh no finl Cop o Muno , foi rpiíssimo. Srá qu ss gol s mntri pé pós um xm minuioso? [...] N rli, tnologi pr linh gol já s mostrou prolmáti. Em Dui form fitos xprimntos om um hip n ol, ms quno o goliro ori ss hip, o ispositivo não funionv. S voê us tnologi in ssim não otém rsultos rtos m tos s situçõs, l não umnt o nívl justiç no jogo. Font: Plé. Bol, hutir, gol tnologi. INFO, go. 2012, p. 46. (pto) A rspost Plé pr prgunt qu onstitui o sutítulo o txto é, opinião mnifst, ntr outros rursos linguístios, por mio íni vlitivo, omo, sustnt por rgumnto onstruío om rurso quntifição, omo. Assinl ltrntiv qu omplt, orrtmnt, s luns. não prolmáti ( l. 20) tos ( l. 26) não omplio ( l. 12) ms ( l. 22) sim ótimo ( l. 8) rtos ( l. 25) não rtos ( l. 25) tuo ( l. 11) sim justiç ( l. 27) tuo ( l. 11) Qustão 13 O no 1905 é onhio omo o "no miruloso" Alrt Einstin, vio à pulição um séri trlhos intífios rvoluionários su utori. Esss trlhos, ompostos pl tori rltivi spil, tori o movimnto rownino, fito fotolétrio quivlêni mss-nrgi tivrm impto rítio no ntnimnto nturz no snvolvimnto novs tnologis. O fito fotolétrio m prtiulr tm pliçõs importnts, omo m fotoéluls, projtors inmtográfios, t. A rspito o fito fotolétrio, ssinl s firmtivs sguir om vrir (V) ou fls (F). O fito fotolétrio onsist n missão létrons por um pl mtáli, m orrêni iniêni rição. 08

9 D oro om tori Einstin, rição qu ini sor mtéri xi rtrístis orpusulrs. A rição é quntiz n form fótons, qu trnsportm um qunti nrgi proporionl à mplitu on inint. A squêni orrt é V F V. F V V. V V F. V F F. F F V. Qustão 14 Um omputor omum (omo sss qu muits pssos têm m s pr uso otiino), quno progrmo qumnt, é pz rsolvr prolms ritméti jogr xrz. Ao rsolvr um prolm ritmétio ou jogr xrz, um sr humno normlmnt s o qu stá fzno, ifrntmnt um omputor, qu pns xut um progrm. Consirno os omputors qu tulmnt s ispõ pr uso otiino, qul(is) s firmçõs sguir ini(m) m qu sntio os srs humnos sm o qu stão fzno, quno rsolvm prolms ritméti ou jogm xrz, ifrntmnt os omputors? I - Srs humnos normlmnt têm rnçs vrirs justifis sor o qu stão fzno, quno rsolvm prolms ritméti ou jogm xrz, o ontrário os omputors, qu não têm proprimnt rnçs nm justifiçõs. II - Srs humnos prm sss çõs (rsolução prolms ritméti lns m um jogo xrz) sujtivmnt, o ontrário os omputors, m qu tuo é ojtivo. III - Os srs humnos sm o qu stão fzno são pzs justifir sus çõs. Os omputors, o ontrário, sm o qu fzm, ms não são pzs justifir sus çõs. Está(ão) orrt(s) pns I. pns II. pns III. pns I II. pns II III. 09

10 Qustão 15 A função f(t) = t 4t + 17t 20 4 rprsnt o luro um mprs proutos ltrônios (m milhõs ris), no tmpo t (m nos). S t 1, t2 t 3, om t 1< t 2< t 3, orrsponm os nos m qu o luro mprs é zro, ntão t3 t2 t1é igul Qustão 16 Font: Rvist Conslho m Rvist, n.73, stmro Porto Algr, CREA-RS, p.4. Osrv figur: A hrg stiriz iotomi: volução tnológi x lixo ltrônio. Nss sntio, é orrto firmr: I - No Brsil, Políti Nionl Rsíuos Sólios (PNRS) institui logísti rvrs, origno frints, importors, istriuiors vnors oltrm sss lixos rm o mlhor stino ls, um vz srtos plos onsumiors. II - A volução tnológi ri quipmntos qu filitm vi morn; no ntnto, n tuli, stmos "ngolios" plo lixo ltrônio gro prtir sss símolos noss própri volução, um vz qu stão sno inqumnt srtos, usno prolms mintis. III - Em nívl munil, o Brsil stá ntr os píss signtários onvnção Bsili qu rgulmnt o movimnto trnsfrontiriço rsíuos tóxios, ntr ls, os rsíuos ltrônios. Está(ão) orrt(s) pns I. pns III. I, II III. pns I II. pns II III. 10

11 Qustão 17 O Profssor os sfios tnologi O infográfio sguir foi inspiro no trho um plstr o profssor Luli Rfhrr Pr qu srv um monootilôn? Nrs, míis soiis sol o séulo 21. Font: Eutrix, out. 2012, p. 40. (pto) Assinl V (vrir) ou F (fls) ns firmtivs sguir. A rlção onição xpliit pl onjunção S é us m três príoos o txto pr rtiulr possívis situçõs qu nvolvm tnologi igitl n ução sus onsquênis. Nos ois príoos qu onstitum fl o mnino no sguno lão, rlção sntio ntr s proposiçõs po sr xpliit om insrção onjunção porqu, sustituino-s o ponto por vírgul. No triro quro, xprssão Sm ução po sr sustituí por um orção, omo Contnto qu hj ução, mntno rlção sntio rforçno ts o utor o txto. A squêni orrt é V F F. V F V. F F V. F V F. V V F. 11

12 Qustão 18 Li o txto sguir pr rsponr à qustão. Font: TRIGO, Il. Pnsr m r: sol Intrnt prtiiptiv. Eutrix, out. 2012, p. 37. (pto) 1 5 Há ivrss mnirs fzr uso s míis m mint solr. O ontrol frquêni os stunts por mio hips, por xmplo, já stnt omum ns sols, po tr no lulr um grn lio. Foi o qu fz Srtri Muniipl Eução Vitóri Conquist, muniípio proximmnt 500 km Slvor, BA. Por mio mnsgns lulr, s sols r muniipl i pssrm omunir os pis o horário hg sí os lunos, qu tivrm um hip instlo no uniform. Emor ss tipo ontrol sj polêmio, iniitiv grou tnto pis lunos qu s sntirm mis sguros qunto uors, qu virm spnr os ínis vsão solr. Consir s sguints firmtivs: I As vírguls mprgs int s orçõs qu tivrm um hip instlo no uniform ( l. 6) qu virm spnr os ínis vsão solr ( l. 8) sinlizm introução informçõs suplmntrs qu nvolvm, rsptivmnt, os lunos uors s sols r muniipl i Vitóri Conquist. II O uso Emor ( l. 6) ini qu o vínulo usl ntr s proposiçõs é ngo, um vz qu polêmi sor o uso tnologi pr ontrol frquêni stunts não imp stisfção pis, lunos uors no ontxto s sols r muniipl Vitóri Conquist. Está(ão) orrt(s) pns I. pns II. pns I II. pns III. I, II III. III Os trvssõs, n linh 7, o olorm m viêni um sntimnto pis, lunos uors, funionm omo rurso linguístio n onstituição o rgumnto m fvor o uso tnologi ns sols o pís. Qustão 19 Osrv o pom sguir. EMERGÊNCIA A prtir o txto, ssinl ltrntiv orrt. Qum fz um pom r um jnl. Rspir, tu qu stás num l f, ss r qu ntr por l. Por isso é qu os poms têm ritmo pr qu posss profunmnt rspirr. Qum fz um pom slv um fogo. Mário Quintn, No pom, pr-s um ríti o u-lírio os nlftos funionis, àquls qu são inpzs omprnr grniosi posi. No último vrso, o fogo po sr ntnio omo um rfrêni os tnorts, qu ignorm o por o ln plvr srit. Nos vrsos 2 3, nontr-s um ríti o sistm rrário rsiliro, uj suprlotção sri rsponsávl plo fogmnto os prisioniros. No pom Quintn (1976), posi pr omo um form rsgtr tnto o sritor qunto o litor, sj miori o otiino, sj oprssão ittoril in prsnt nos nos 70. No pom, po sr pri um homngm o litor, sujito qu, o lr o pom, rtir, hroimnt, o pot o nonimto. 12

13 Qustão 20 Li o txto sguir pr rsponr à qustão. o softwr s Automt Insights Font: BARRETO, Julino. T ui, Glvão! INFO, jun. 2012, p (pto) Consirno-s o ontxto m qu o txto foi pulio, ltrntiv qu prsnt um firmção quésguint: Em 2012, o GlooEsport.om usou um progrm pr rir molos txtos qu s nqurm ns situçõs mis orriquirs o futol: vitóris, rrots, mpts gols. Com rlção à rvisão txtos utomátios por jornlists, o prsint mprs Automt Insights o Profssor o Dprtmnto Informáti PUC-Rio prsntm posiionmntos ivrgnts. A Gloo.om mpliou, no Cmponto Brsiliro 2013, o uso o progrm utomtimnt. qu ri notíis A mprs mrin Automt Insights forn notíis utomátis sor futol sm ição prévi por profissionis o jornlismo. O progrm utilizo pl Gloo.om prmit intifição prõs nos os s prtis futol, om os quis s notíis são prouzis, ispnsno ição por jornlists. 13

14 Qustão 21 Font: Disponívl m: < Asso m: 16 go Em 9 novmro é rruo o Muro Brlim. O govrno [ Almnh Orintl] não tinh oniçõs mntê-lo, mnos qu prtiss pr um rprssão sngrnt. [...] Em pns 3 is, plo mnos 2 milhõs lmãs-orintis pssrm pr Brlim Ointl. [...] Já no lo ointl, os lmãs-orintis formvm fils norms int s isots lojs pornôs [...]. Emor não tivssm inhiro sufiint pr omprr, s pssos olhvm tuo omo s foss um grn prqu ivrsõs. Font: ARBEX JR., José. Rvolução m 3 tmpos: URSS, Almnh, Chin. SP: Morn, p A prtir o txto, po-s firmr qu qu o Muro Brlim, m 1989, ini flêni o molo soilist soviétio m tnr às mns populção qunto à lir iniviul o onsumo ns srviços. s grns rlizçõs o molo soilist n sú ução, pzs mntr s msss istnts os plos o muno o onsumo ns privos, próprios onomi pitlist. o rsulto o ro militr s potênis pitlists, onsquntmnt, o sgotmnto o sistm soilist tnr às mns s populçõs os píss o Lst Europu. o vigor o molo soilist oto pl Almnh Orintl, o qul rpti o prão soviétio, porém r mis rno qunto à livr orgnizção soi à lir imprns. ris o pitlismo os píss Europ Ointl os Estos Unios, om o sgotmnto o Esto o Bm-Estr Soil rtrção soi onsumo. 14

15 Qustão 22 O romn Noit (1954), Ério Vríssimo, sguno Flávio Louriro Chvs, sri um xmplo romnurnoujopontoprtiévi impssol mniz,nqulo homm já não po sr quilo qu l fz; [...], tornno-s um ojto morfo ntr outros ojtos morfos. Nss sntio, i sri o spço on s snvolv o rm privção lir iniviul (f. CHAVES, 1995). Assinl ltrntiv ujo frgmnto xmplifi form qu os rgumntos o rítio ito. Continuv o tropl n lç, o zunzum inform s vozs, quno m quno s stv um plvr lr ou msmo um frs. "Qu forno!" Alguém flr tão prto qu l hgr sntir-lh o hálito morno. O Dsonhio ontinuv olhos fhos, omo pr mntr qul noit prtiulr à prt outr qu nvolvi i. E ns rus sm nom nm nort su noit l stv tmém prio. Aprtou têmpor ontr o post murmurou: Mu Dus, mu Dus!" [...] Alguém lh u um nontrão l s pôs minhr sm sr por qu nm pr on. A históri srt i vi sr srit o ângulo o Pronto-Soorro. Espr s minhs mmóris ilustrs plo nnio... O méio rguu o fon, isou um númro iss: Alô! Trg três fzinhos qui n minh sl. Olh, n rqunto, stá ouvino? Dntro o prqu sntiu-s lirto i, mor in prisioniro noit. Anou vguno sm rumo, urnt sss minutos su spírito, splho morto, rfltiu pssivmnt o qu os sus olhos ntrvim; [...]. Estvm mi nost olin, à frnt um vlho portão olonil on s tinh um mpl vist o stuário i. Pr lém os rros, o outro lo s águs, rlâmpgos lrvm o horizont. O trilr os grilos rspv f o silênio. Um vg-lum luilou por ntr s árvors. Qustão 23 A tnologi mintl tm iriono s inústris à us rução os spríios nos prossos proução. Isso impli rução ou o rprovitmnto rsíuos. Os rsíuos são vistos omo spríio, pois é mtril qu foi ompro stá sno jogo for, o qu ruz omptitivi onômi um prosso. Dntr os mis stuos m us rprovitmnto, stão os rsíuos groinústri, gços, plhs ss. Esss omponnts intgrm um iomss ri m glios, frutos lulos, proutos om lto vlor pr inústris químis limntos. Qul rlção struturl ntr os monossríios itos no txto lulos? Glios frutos formm sros qu, por su vz, é o monômro onstituint lulos. A frutos é o monômro formor lulos. Glios frutos são onstituints lulos. A glios é o monômro formor lulos. Glios, frutos lulos são monossríios istintos. 15

16 Qustão 24 Alguns lortórios snvolvrm fits sivs om o "prinípio lgrtix": ls rm sm ol não ixm rsíuo. O sgro stá n spilizção o rvstimnto os os sss réptis. Font: Rvist Suprintrssnt, p. 64 go., (pto) Aliás, é justmnt n pl sss nimis qu stá um s vntgns pr onquist finitiv o mio trrstr. Assinl ltrntiv qu ini qul é ss rtrísti volutiv. Epirm lg por isso pt às oniçõs o mio. Epirm pt à rspirção utân. Epirm imprmiliz por grn qunti qurtin. Epirm úmi lurifi, ri m glânuls muoss. Epirm ri m glânuls suoríprs. Qustão 25 A ii os psquisors Univrsi Northhumri, Rino Unio, é um simplii gnil; ls iionrm à mistur onstruçõs sporos rt téri nontr m solos llinos (omo é o imnto). S houvr rhurs, águ ntr plo onrto "rssusit" os ilos. A téri xrt lit (tipo ristl ronto álio) tornno suprfíi o préio mis imprmávl. Pr ntnr mlhor, sporo é um () form intiv rsistêni s téris. tipo rproução ssxu s téris. tipo élul sxul s téris. olôni téris. élul urióti nontr ns téris. Font: Rvist Suprintrssnt, p. 65 go., (pto) Qustão 26 Como oorr m outros stos rsiliros, xist, no Rio Grn o Sul, um séri vriávis qu influnim o vlor trr, omo, por xmplo, rtrístis rlions o lim, rlvo, solo, vgtção hirogrfi, lém ftors lolizção omrilizção proutos gríols puários. Assim, ssinl vrir (V) ou fls (F) m firmtiv sguir. A mornizção ténis mprgs no ultivo trmins ulturs vm ontriuino pr vlorizção s trrs n Mt Sul o sto o Rio Grn o Sul. A mornizção ténis mprgs n griultur, tulmnt, no Rio Grn o Sul ontriui pr iminuir uli históri prsnt n pisgm gríol o nort n pstoril o sul. 16

17 A ivrsi o lim, vgtção os solos no sto gúho, li à ifusão ténis proução n griultur n puári, proporion vrição no prço s trrs no sto. A squêni orrt é V F F. F V F. F F V. V V F. V V V. Qustão 27 Font: PATELLA, Luin; SANTUCCI, Jô. Voê s o qu om? Rvist Conslho m Rvist, n.93, novmro zmro Porto Algr, CREA-RS, p.24. (pto) Voê s o qu om? Pr spilists, sgurnç limntr não é grnti no Brsil, qu figur ntr um os miors onsumiors muniis grotóxios. A squêni orrt é F V V. V F F. Qustão 28 Assinl vrir (V) ou fls (F) ns ltrntivs qu ompltm sguint frs: Dint o nário on, por no, têm sio utilizs, m solos rsiliros, milhrs tonls grotóxios, sgurnç limntr rqur oção sistms fiints rstrili os proutos gríols. ftiv fislizção punição quls qu omrilizm ou utilizm grotóxios mnir irrgulr. implmntção progrm rtifição os proutos gríols. F V F. V V V. F F V. As lvours rsilirs são sinônimo limntos, qu vão prr ns mss s fmílis rsilirs o xtrior. C vz mis, no ntnto, om o vnço tnologi quími, proução gropuári tm sio vist tmém omo font iomss qu po sustituir o ptrólo omo mtéri-prim pr ivrsos proutos, tis omo tnol, iogás, ioisl, ioqurosn, sustânis romátis, iopstiis, polímros sivos. Por xmplo, hirólis ái lulos plnts mtriis rsiuis rsult n proução hiroximtilfurfurl furfurl. Esss proutos são utilizos n grção outros insumos, tmém lto vlor grgo, usos n inústri quími. O squm rçõs mostr trnsformção lulos no álool furílio onvrsão st m outros rivos. CELULOSE + H2O/H OH? O? O O O O H OH Álool furílio (1) Furfurl (2) Áio furoio (3) 17

18 Osrvno o squm rçõs, é orrto firmr qu trnsformção 1 m 22m3 nvolvm, rsptivmnt, rçõs hirólis oxição. oxição oxição. rução rução. rução oxição. rução hirólis. Qustão 29 Os prinípios ásios frição rtsnl ou inustril o vinho são simpls utilizm o "trlho" rtos fungos ( Shromys): o suo uv, rio m çúrs, onstitui-s no mio il pr o rsimnto s lvurs (ou frmntos), fungos mirosópios. Nss prosso, o provitrm os çúrs, s lvurs lirm CO álool tílio, no ontinui à otnção i. 2 Ess pquno rsumo o prosso frição o vinho trz informçõs sor o () spéi fungo nvolvi n otnção o vinho m qustão. ssoição hrmonios ntr os fungos uv, om nfíios mútuos. prsitismo s lvurs, qu lv à otnção i. orgnizção orporl ss tipo fungo, om formção orpos frutífros, por xmplo. prosso nutrição htrotrófi s lvurs. Qustão 30 Muits plnts pom srvir omo ltrntiv trpêuti pl tivi ntimiroin omumnt ssoi os sus ólos ssniis. Tmém é promissor utilizção sss ólos omo itivos limntrs, pr rtrr triorção os limntos ou pr vitr o rsimnto ptógnos limntrs miro-orgnismos rsistnts os ntiiótios. A figur mostr strutur quími ois onstituints ólos ssniis fmílis plnts rsilirs já stus, o limonno o lftrpinol. OH Limonno α-trpinol A trnsformção um sss onstituints m outro no orgnismo o vgtl é mi por nzims oorr moo m spífio; ntrtnto, m lortório quími, s for onuzio um xpri- 18

19 mnto pr ição águ so tális ái o limonno, supono qu oorrss somnt um rção ição por moléul, mistur rsultnt sri onstituí priniplmnt o qu stá rprsnto n ltrntiv OH OH OH OH OH OH OH OH + + OH OH Qustão 31 Cintists rsiliros finm omo trnsgênio um "orgnismo ujo gnom foi ltro pl introução DNA xógno, qu po sr rivo outros inivíuos msm spéi, um spéi ompltmnt ifrnt ou té msmo um onstrução gêni sintéti". A tnologi proução limntos trnsgênios omçou om o snvolvimnto ténis ngnhri gnéti qu visvm um mlhormnto gnétio qu puss promovr rsistêni vgtis onçs instos, su ptção os strsss mintis mlhori quli nutriionl. Porém, us por mior proutivi mior vriili lvou o snvolvimnto longm gns. Ess téni tornou possívl isolr um gn um orgnismo introuzi-lo m outro omo, por xmplo, um plnt qu, o xprssr ss gn, mnifstrá rtrísti qu l trmin. Um s ss onstituints o DNA é itosin. No prosso químio mostro, sustân- NH 2 NH 2 i A é um itosin. O trmo qu prnh, orrtmnt, N N lun é o mtâmro. O N H HO N isômro posição. nntiômro. Citosin A isômro gométrio. tutômro. 19

20 Qustão 32 Font: ZATZ, Myr. Gnéti: solhs qu nossos vós não fzim. São Pulo: Gloo, Consir o sguint txto: Diimos há lguns nos não tstr rinçs qu porim sr portors ssintomátis onçs qu só irim smnifstrnviultprs quis não xist trtmnto, psr insistêni lguns pis qu qurim tr sus filhos tstos. Não há nfíios nss sort. Ao fzr sss tsts, voê tirno rinç opção iir no futuro s l sj ou não sr s possui ss gn ptogênio. Noss xpriêni mostr qu os jovns ultos prfrm não sr tstos o omprnr qu n po sr fito pr juá-los, s o rsulto o tst mostrr qu ls trão onç. Consir s sguints firmtivs sor utonomi iniviul: I - Srtrismo: um psso s invnt utonommnt. II - Consqunilismo: tomr um isão sor o futuro um rém-nsio não é violr utonomi ninguém, pois um rém-nsio não é utônomo. III - Hrmsismo: um progrmção ugêni olo um psso m um rto plno vi, o qu intrfr n su lir solh o próprio plno vi. Sguno gntiist, stá(ão) orrt(s) pns I. pns I II. pns I III. pns II III. pns III. Qustão 33 Anlis fotogrfi o txto. Font: Musu Impril Gurr. Lonrs. In: DIVALTE. Históri. Ensino Méio. São Pulo : Áti, 2003, p "Plntção" Arms Ess onflito hmou tnção por plir vnços tnológios épo srviço struição. Por isso, gurr não r trv pns nos mpos tlh, n linh frnt, ms tmém nos stiors, n isput inustril ntr s nçõs pl frição rms mis potnts rvoluionáris. Pl primir vz n históri, mior prt os rursos prouzios pl soi, sortuo s inovçõs iêni, stv volt pr o sforço gurr. Ess é um os sptos Font: ALVES, A. OLIVEIRA, L. Conxõs om Históri. São Pulo : Morn, 2010, vol. 3, p. 49. (pto) ntris qu istingu ss onflito os ntriors: l foi tmém um gurr tnologi. N épo, 70% os trlhors inglss stvm oupos n inústri éli. O prosso histório qu un fotogrfi o txto, xprssno um sntio omum mos, nomin-s Gurr Sssão. Gurr Hispno-Amrin. Sgun Gurr Munil. Gurr o Ópio. Primir Gurr Munil. 20

21 Qustão 34 Li o txto: Ár trritoril o Brsil umnt pós IBGE tulizr os Ao tulizr s imnsõs ofiiis o Brsil, o Instituto Brsiliro Gogrfi Esttísti (IBGE) soriu qu o pís xpniu su ár m 890,45 quilômtros quros. Sguno o IBGE, trt-s um primormnto tnológio n mição simpls inorporção novs árs, spilmnt pqunos rquipélgos águs intrns. N tulizção o instituto ivulg m 2001, s lgos os Ptos Mirim ntrrm n ont o trritório gúho. D oro om o gógrfo Grvásio Rorigo Nvs, x-profssor Univrsi Frl o Rio Grn o Sul (UFRGS) x-lgo o IBGE no sto, munç não é signifitiv. Justo porqu l ont o tmpo too, ssim smpr srá. Culp pqunos tlhs, imprptívis pr os ligos, ms snsívis os quipmntos mição. Qulqur ltrção no nívl o mr mu mi. S mré stv ix, é um ois. Alt, é outr iz. Sguno Grvásio, "Nós não stmos muno os limits trritoriis o pís ou iviss intrnionis, ms primorno tnologi o trlho, o qu lv à rvisão vlors ár pulios". Nst so, grn rsponsili ri sor o GPS, vlho onhio os rros rsiliros funmntl pr o funionmnto o Sistm Rfrêni Goêntrio pr s Améris (Sirgs2000), oto plo IBGE. O instrumnto prmitiu mior prisão no mpmnto trritoril suprior às tnologis é 1990, por xmplo, sm omprção om fotogrfi ér, os nos Font: Jornl Zro Hor, 24/01/2013. D oro om o txto om sus onhimntos, mrqu vrir (V) ou fls (F) m firmtiv sguir. Dntr os prinipis motivos pr o umnto o trritório rsiliro, há os vnços tnológios ligos os instrumntos osrvção mição, omo imgns stélit uso o GPS. A isput por trritórios om o Pru Colômi, nos últimos nos, fz o Brsil umntr tmnho. As lgos Mirim os Ptos não rm ontilizs n xtnsão trritoril o Brsil, por isso o pís r mnor té ss tulizção As fotogrfis érs in são mtriis rtográfios importnts n finição mrção trritórios. A squêni orrt é F F V V. F V F V. V F V F. V F F V. V V V F. 21

22 Qustão 35 A pç ttrl Clr, o logio trição (1973), utori Chio Burqu Ruy Gurr, tm omo ponto prti um ontimnto histório: invsão holns à Cpitni Prnmuo, no séulo XVII. N pç qu trt sor mútu trição ntr portuguss, holnss hitnts Colôni, motiv por intrsss nssis momntânos, Clr, o prsongm-título, não tu. Figur simultnmnt históri fiionl, nturl Colôni, Clr é rtrizo plos mis prsongns omo um tmívl mstiço, uj mort é sj plos portuguss. A prtir s informçõs, po-s intrprtr usêni o prsongm-título no txto omo um rfrêni o rátr inorruptívl qu sri hro plos rsiliros, já qu Clr spr históri pr não s grr, omo oorru om os mis prsongns. um homngm os hróis nônimos qu fnrm os intrsss portuguss, figurs não ontmpls pl Históri ofiil, ssim omo Clr, ujos tos são omitios n pç. um lusão à inxistêni um onsiêni nionl rsilir, já qu o momnto histório omprnio pl pç é o séulo XVII, príoo istnt Inpnêni. um pologi o "jitinho" à mlnrgm qu rtrizm o povo rsiliro, já qu Clr spr por str fugino prsongm Bárr, qu plnjv sr-s om l. um lusão à inxistêni um visão progrssist por prt os rsiliros qu, n pç, são rprsntos por Clr, prsongm "mlnro", à smlhnç Muním. Qustão 36 Osrv figur: A O Brsil é rfrêni intrnionl Esto ostiro plo stlimnto polítis pr Mr Zon Costir. Num nário um gstão intgr zon ostir, squêni figurs ini Font: GRUBER, Nlson. S. t l. Plno mnjo uns frontis: susíios à gstão muniipl no ornmnto trritoril vulnrili à rosão. Rvist Conslho m Rvist. n. 84, gosto 2011.Porto Algr, CREA-RS.p.32. (pto) B C I - um visão o plnjmnto omo instrumnto gstão, moo prsrvr, form sustntávl, os triutos mintis pisgístios m zons ostirs mrinhs. II- o ignóstio m um nário tul m A; um tnêni prssão plo uso oupção m B; um nário prtir um plno intrvnção ornmnto trritoril m C. III- mnutnção prigms um rotin çõs qu usm rgir ou onsrtr prolms imitos rorrnts nss intrf árs ostirs mrinhs. 22

23 Está(ão) orrt(s) pns I. pns III. I, II III. pns I II. pns II III. Qustão 37 A tnologi s grns usins hirolétris pn xtnss linhs trnsmissão. As linhs trnsmissão usulmnt trnsportm nrgi létri m tnsão. O trnsformor é um ispositivo qu prmit trnsformr ix tnsão orrnt m lt tnsão orrnt vi-vrs. No trnsformor, o fluxo mgnétio ssoio o mpo rio pl orrnt no primário gr um orrnt no sunário, onform li Fry. A ltrntiv qu omplt, orrtmnt, s luns é lt lt ix ontínu. lt lt ix ltrn. lt ix lt ltrn. ix ix lt ontínu. ix ix ix ontínu. Qustão 38 Nos inúmros protstos ru qu ontrm no Brsil o longo st no, um grupo signifitivo pssos riviniou liminção ornç pssgns ônius ns linhs muniipis. Contr ss rivinição, lgums pssos rgumntrm qu, s l foss tni, novs riviniçõs por "trif zro" surgirim pr muitos outros srviços tmém trim sr tnis. Assim, m rv, hvri riviniçõs por "trif zro" nos srviços táxi, no trnsport éro, nos inms, nos suprmros, nos slõs lz t. Por isso, sri mlhor não tnr nnhum rivinição ss tipo. Ess ojção é inorrt, pois um s prmisss ojção é fls, sr, qu, nos protstos ru qu ontrm no Brsil o longo st no, lgums pssos rivinirm "trif zro" pr os ônius muniipis. omt flái "lir sorrgi", pois supõ qu itção um rivinição prtiulr impli qu riviniçõs pr outrs árs ou stors tmém trim sr tnis. é váli, pois o fto um rivinição prtiulr sr tni impli logimnt qu tos s riviniçõs pris pr outros srviços têm nssrimnt sr tnis tmém. é irulr, pois o qu ojção onlui (isto é, qu sri mlhor não tnr nnhum rivinição ss tipo) é prssuposto por um s prmisss ojção ( qu, s um rivinição prtiulr é tni, tos s outrs tmém têm sr tnis). omt flái ngção o ntnt, isto é, supõ qu, s o ntnt um nunio oniionl é flso, ntão tmém o onsqunt é flso. 23

24 Qustão 39 Osrv figur: IMPEDIMENTO Mis mt s ors nssáris pr grntir luz nos stáios Cop stá trs % s ors trss Mnus 50% DISTRIBUIDORA >AME 5 s 10 ors stão trss ou 50% o totl Fortlz 0% >COELCE AS OBRAS ESTÃO EM DIA Rif 0% >CELPE Ntl 30% >COSERN As 4 ors prvists trão iníio no próximo mês. Os projtos 2 ls têm pns 30% onluíos Slvor 75% >COELBA Ds 4 ors prvists, 3 stão trss ou 75% o totl D oro om o mp s informçõs ontis nl, qusrfrmàsituçãos ors nrgi létri s is-s Cop 2014, vrifi m jniro 2013, nlis s firmtivs: Brsíli 90,9% >CEB Atrsos m 10 s 11 ors, ou 90,9% o totl Cuiá 44% Curiti 78,9% AC RR AM RO P. Algr 96% AP PA TO MT DF GO MS SP PR SC RS MA MG PI BA RJ CE ES S. Pulo 30,4% RN PB PE AL SE Blo Horizont 41% >CEMIG Ds 37 ors, 15 stão trss, r 41% o totl R.Jniro 41% I - As pitis mis trss rm Porto Algr, on 25 s 26 ors onuzis pl onssionári CEEE stvm for o przo, Brsíli, qu prsntv o msmo prolm m 10 os 11 mprnimntos. >CEMAT 4 s 9 ors prvists stão trss, r 44% o totl >COPEL 15 s 19 ors m trso ou 78,9% o totl Qunto tmpo flt pr Cop o Muno no 5 mss >CEEE É om mis trsos. Estão for o ronogrm 25 s 26 ors 92 os 163 mprnimntos prvistos, stão om trso no ronogrm: % o 56 totl >ELETROPAULO Atrsos m 7 s 23 ors, ou 30,4% Font: Disponívl m: < Asso m: 15 mi (pto) >LIGHT Há trso m 5 s 12 ors, ou 41% o totl II - Mrim spil tnção, sguno os ténios gêni: Mnus, onssionári Am (50% trso); Rio Jniro, srvi pl Light (41% trso); Blo Horizont, tni pl Cmig (41% trso). III - Apns us s oz pitis qu sirão jogos stvm om s ors totlmnt m i: Fortlz Rif. IV - Em jniro 2013, mnos mt s ors nssáris pr grntir luz nos stáios Cop stv trs. Está(ão) orrt(s) pns II. pns III. pns IV. pns I, II III. pns I IV. 24

25 Qustão 40 Um mprs rtão réito opr om juros ompostos 6% o mês. Um usuário ss mprs ontriu um ívi R$ 2.000,00, urnt 6 mss, não pô ftur o pgmnto. Ao prourr mprs pr rngoir ívi, mprs propôs qu sj quit m um úni prl, om juros simpls 5% o mês, rfrnts os 6 mss trso. Ait propost, o totl juros pgos o sonto otio, m ris, são, rsptivmnt, iguis 600,00 117,00. 6 Do: (1,06) = 1, ,00 120, ,00 237, ,00 117, ,00 120,00. Qustão 41 No momnto m qu um soi s torn triutári o trnsport, não somnt pr s vigns osionis, ms tmém pr sus slomntos otiinos, s torn visívl ontrição ntr justiç soil nrgi motoriz, isto é, ntr lir psso mnizção rot. A pnêni, m rlção o motor, ng um oltivi xtmnt quls vlors qu s onsirrim implíitos o mlhormnto irulção. Font: ILLICH, Ivn. Enrgi qui. In: LUDD, N. (Org.). Apolips motorizo: tirni o utomóvl m um plnt poluío. São Pulo: Conr, p Assinl ltrntiv qu omplt, orrtmnt, s luns sguint práfrs: Em um soi om o otiino motorizo, há lir, pois há pnêni m rlção um mio qu onflit om justiç soil. mis mnos mis mis mis mnos mis mnos mnos mnos mnos mis mnos mis mnos 25

26 Qustão 42 Um ltrntiv nontr pr mlhori irulção m grns is m roovis é onstrução túnis. A rlizção sss ors nvolv muit iêni tnologi. Um túnl m formto smiirulr, stino o trnsport rooviário, tm s imnsõs onform figursguir. 400 m 12 m 3 Qul é o volum, m m, no intrior ss túnl? π π π π π. Qustão 43 Complt os spços om os filósofos mornos qu orrsponm à srição onti ns três prts o igrm. Els são, rsptivmnt, Dsrts Glilu Hos. Glilu Bon Roussu. Dsrts Bon Hos. Dsrts Bon Roussu. Bon Dsrts Roussu. 26

27 Qustão 44 Osrv s sguints strofs o pom Corção numroso, Crlos Drummon Anr: Ms trmi n i um fsinção ss ompris utos rtos orrno minho o mr voluptuosi rrnt o lor mil prsnts vi os homns inifrnts, qu mu orção tu fort, mus olhos inútis horrm. O mr ti m mu pito, já não ti no is. A ru ou, qu s árvors? i sou u i sou u sou u i mu mor. Nos vrsos itos, rlção ntr o u-lírio o su ntorno é strit o qu é onfirmo pls xprssõs sulinhs. A prtir tis osrvçõs, po-s firmr qu proximção stli ntr o sujito i onot omoção o sujito poétio, uj snsiili é sprt pl vitli qu movimnt ur. sumnizção o sujito poétio, ujo otiino frnétio rpt o ritmo o spço urno. sor o u-lírio, qu s supõ tão grnioso fsinnt qunto i. grção o sujito lírio qu, ssim omo i, stá ont por não rr tnção s pssos. pti o u-lírio qu, ssim omo i, sgu o su rumo, imun o os urno. Qustão 45 Font: FERRO, Mr. O Séulo XX xplio os mus filhos. RJ: Agir, p (pto) No xtrmo gurr [...] stão s novs rms. Mis in o qu m , ls tivrm um ppl trminnt urnt o sguno onflito munil. Dss ponto vist, os inglss form os mis ritivos, om sus rrs qu os lrtvm sor os tqus éros Luftwff [...]. Os lmãs prfiçorm sus foguts V1 V2, ms, omo smos, foi om tômi mrin qu pôs fim à gurr ontr o Jpão. A prtir o txto, po-s firmr qu gurr morn, no Séulo XX, vio o su rátr proução vítims m sl inustril, sofru um ponto inflxão om o término Gurr Fri, provono o ruo inústri éli iminuição os ftivos militrs. psr mis sofisti o ponto vist élio, mntv, m sus onflitos, o msmo prão s Gurr os Cm Anos, no finl i méi, té s Gurrs Npolônis, no iníio i ontmporân. nontr vz mis oposição opinião púli, por isso, tm sio xluí put políti os novos irignts os Estos morátios o Oint. gnhou um novo ontorno, prouzino vítims m sl inustril, omo m monstrm os tqus lvos ivis, m Lonrs, Drsn Hiroxim,, tulmnt, m Bgá n Fix Gz. rvlou-s um prmnêni o muno rio, um ção inomptívl om morni,, por isso, vm s tornno um práti m xtinção pr rsolução onflitos ntr populçõs ou grupos soiis. 27

28 Qustão 46 D oro om Ítlo Morioni, int o onsumismo intrnionlizção m qu mrgulh lss méi, rt o onto us trzr o outro lo [...]. O ontist rsiliro os nos 70 qur sfinr o oro os ontnts. A prtir tis informçõs, onsir o frgmnto sguir, rtiro o onto A strutur olh são (1978), Lygi Fguns Tlls, nrrtiv ujo ponto prti é um triângulo moroso: A prtir o frgmnto, po-s izr qu, no Convirm-m snti, os jolhos onto, strtégi utiliz pr sfinr o mos nostos nos mus, ms pqun oro os ontnts é nfixno opos hálitos. M rfugii nos uos glo montoos no funo o opo, l poi stur strutur o glo, não r mis fáil? Ms l quri fzr prgunts. Um ntig miz? Um ntig miz. Ah. Fomos olgs? Não, nos onhmos num pri, on? Por í, num pri. Ah. Aos pouos o iúm foi tomno form trnsorno spsso omo um lior zul-vr, o tom pintur os sus olhos. Esorru pls nosss roups, mppou tolh ms, pingou got got. xposição ríti o ismo ntr s lsss soiis, já qu nrror qustion omo o migo, um físio qu stuv strutur s olhs, poi mr um mulhr omo rivl. o stqu o à rivli ntr s mulhrs já qu, oro om o pnsmnto épo, ls vrim s unir pr omtr os usos um soi mhist xlunt. ênfs à irrlvâni psquis intífi no âmito soil, já qu o prsongm msulino stu strutur olh são. o stqu o no onto à mrgêni um nov msulini, já qu o prsongm msulino mostr-s óil sproupo. xplorção os onflitos s frgilis os prsongns, orgm qu, o r rlvo à vulnrili os sujitos, ontrri o omoismo rtrístio prt soi épo. Qustão 47 Moro m Portln, Orgon, on Nik tm su s mprsril. [...] Prisno tênis novos, omi prourr. [...] Pgv um tênis trás o outro li 'M in Chin', 'M in Kor', 'M in Inonsi', 'M in Thiln'. Comi pir tênis frios nos EUA os lonists. Os pouos qu não firm onfusos m issrm qu não xistm tênis frios nos EUA. Font: Amrinos frim os sus tênis m to prt. Jornl Folh São Pulo, 2 out A prtir o txto, onsir s firmtivs: I - A Glolizção introuziu um novo ritmo à onomi, isto é, um rátr mis rgionl tnto proução inustril qunto omrilizção o onsumo. II - A Glolizção stimulou s onomis o Primiro Muno, lvno-s inrmntr xpnir s sus triionis árs inustriis, omo são os sos Mnhstr Dtroit. 28

29 III - A Glolizção sloou os ntros proução pr s árs o plnt qu ofrm prços oniçõs mnor usto pr s mtéris-prims mão or. IV - A Glolizção intrnionlizou o pitl ltrou os ritmos inústri, o omério, omunição os trnsports, rino um rsnt intrpnêni ntr os píss. Está(ão) orrt(s) pns I II. pns III. I, II, III IV. pns III IV. pns IV. Qustão 48 Assrção O novo prigm tnológio o muno tul, om s inovçõs tnológis s sorts intífis ls ssois, omo o snvolvimnto novos mtriis, iotnologi miroltrôni, tm ontriuío pr moifir s sois s soiilis m sl glol, porqu Rzão os snvolvimntos novs tnologis informção omunição, omo Intrnt os tlfons lulrs, tornrm possívl mplir onsolir o prosso glolizção o muno ontmporâno, fzno om qu tnologi pntrss m tos s sfrs vi humn. Assinl ltrntiv orrt. Assrção orrt, rzão orrt, rzão justifi ssrção. Assrção orrt, rzão orrt, ms rzão não justifi ssrção. Assrção orrt, rzão rr. Assrção rr, rzão orrt. Assrção rzão rrs. Qustão 49 Mrtin Luthr King ( ) Brk Om são ois stos prsongns históri os Estos Unios Améri (EUA) o muno, tno mos rio o Prêmio Nol Pz. Utiliz os sus onhimntos históri ontmporân ssinl s s firmçõs rspito sss ois prsongns, sus çõs su lgo são vrirs (V) ou flss (F). Mrtin Luthr King foi um os lírs o movimnto qu lutou pl igul iritos ivis ntr ngros rnos nos Estos Unios Améri n é 1960, utilizno tátis qu s opunhm o uso violêni. 29

30 As çõs polítis Brk Om n prsiêni os EUA pom sr onsirs qus pr promoção pz munil, omtno s violçõs os iritos humnos, promovno mori inntivno o fim os onflitos no muno too. O fmoso isurso Mrtin Luthr King "Eu tnho um sonho" ( I hv rm) mnifstv sprnç n frtrni univrsl xprssv sonhr om um soi m qu vr justiç rprsntssm vlors funmntis pr onvivêni humn. A squêni orrt é V V F. V V V. F V F. F F V. V F V. Qustão 50 O omportmnto um inivíuo m um grupo grlmnt s qu rts rgrs soiis. Por xmplo, o moo omo s pssos flm s vstm sgu um rto prão, qu ifr o outros inivíuos. O fto muits pssos sguirm prõs omportmnto prios grlmnt ri rstriçõs ou onstrng o omportmnto s mis. No ntnto, isso não s sgu qu toos sjm origos sguir o msmo prão omportmnto smpr. As firmçõs vrirs qu s fzm sor o moo omo s pssos s omportm não implim firmçõs vrirs sor omo s pssos vm s omportr. Em outrs plvrs, m grl nunios não s sgum logimnt nunios. Assinl ltrntiv qu prnh, orrtmnt, s luns. sritivos normtivos vlortivos normtivos ftuis vlortivos normtivos sritivos sritivos ftuis Qustão 51 Po sr strnho pr noss spéi, qu tnto orgulho snt su pi rir lir om s novs tnologis su fvor, prr pr pnsr qu, rt form, in tmos smlhnçs inontstávis om s plnts ngiosprms! Com rlção ss fto, vli s ltrntivs sguir oloqu vrir (V) ou fls (F). Os humnos s ngiosprms têm orpos plurilulrs orgnizos m t- A squêni orrt é ios órgãos. F V F V. F F V V. omprtilhm o msmo tipo nutrição. V F F V. F V F F. rprouzm-s form sxu ssxu. V F V F. formm gmts msulinos fmininos. 30

31 Qustão 52 Font: ROUQUIÉ, Alin. O Esto militr n Améri Ltin. SP: Alf-Omg, p O rátr sngrnto s oprçõs militrs [Golp Esto hilno] rsponi vários imprtivos o Esto- Mior rl. O óio lss fomnto plo grn A prtir o txto, rltivo o Golp Esto no Chil, m stmro 1973, onsir s firmtivs: mo os privilgios s fáuls o 'Plno Z' ou um I - Os stors ominnts o Chil, golp squr n Mrinh, vintmnt ontriuiu tmrosos int o vnço o projto pr froi 'limpz' os 'vrmlhos', ns soilist o Govrno Alln, poirm fvls ns fáris. [...] Pr slvr o pís o 'ânr s çõs violnts s Forçs Arms, mrxist' 'protgr mori', o Exérito qur o pois ntnrm qu r um mnir 'sto ompromisso' sm ixr possiili um rtorno, [...] signno-s um ppl tutlr. possívl prsrvr sus intrsss. II - A squr mrxist qu stv no govrno hilno prtni onstruir um onomi soi soilists por mio vi moráti não nossv vi rvoluionári (rm) outros stors squr. III - As Forçs Arms hilns, o ouprm irção o Esto s prolmrm tutors nção, romprm om orm onstituionl rorintrm onomi pr sfr pitlist. IV - N onjuntur s és , políti xtrn nort-mrin r mplo poio às çõs sstilizção os govrnos orintção nionlist, populr /ou squriznt. Está(ão) orrt(s) pns I. pns I, II III. I, II, III IV. pns II. pns III IV. Qustão 53 A invnção o ráio n primir é o séulo XX é onsir um mro iviliztório importnt, prmitino proximção ntr s pssos ontriuino n ifusão o onhimnto ultur. A omunição vi ráio fz uso ons ltromgnétis, qu são mouls ns stçõs trnsmissors onvrtis m ons sonors nos rptors. Consirno s propris s ons ráio, nlis s firmçõs sguir ssinl-s om vrir (V) ou fls (F). As ons ráio pom sr rfltis pl A squêni orrt é tmosfr. V V F. V F F. As ons ráio têm msm nturz qu os rios X, porém possum frquêni mnor. V F V. F F V. À mi qu sss ons s propgm, F V F. nrgi por uni ár trnsport por ls prmn onstnt. 31

32 Biologi Tl Priói H 1 1, SÉRIE DOS LANTANÍDIOS SÉRIE DOS ACTINÍDIOS 89 A L ,9 [227] Númro tômio (Z) Símolo Mss tômi H 1 1,0 Li N K R Cs Fr 87 [223] 132,9 3 6,9 23, , ,5 P Pt Ni Ds 28 58,7 195,1 106,4 110 Lr Lu 175,0 [262] No Y 173,0 [259] M Tm 168,9 [258] Fm Er 167,3 (257) Es Ho 164,9 [252] Cf Dy 162,5 [251] Bk T 158,9 [247] Cm G 157,3 [247] Am Eu 152,0 [243] Pu Sm 150,4 [244] Np Pm [145] [237] U N 144,2 238, P Pr 140,9 231, Th C 140,1 232, Zn C Hg 30 65,4 200,6 112,4 48 Cu Ag Au 29 63, ,9 47 Co Rh Ir Mt 27 58,9 192,2 102, F Ru Os Hs 26 55,8 190,2 101, Mn T R Bh 25 54,9 [98] 186, Cr Mo W Sg 24 52,0 95,9 183, V N T D 23 50,9 92,9 181, Ti Zr Hf Rf [261] 22 47,9 91,2 178, S Y Séri os Atníos 21 45,0 88, C Sr B R Mg B 88 4 [226] 9, , ,1 87,6 137,3 38 H 2 4,00 N Ar Kr X Rn 36 83,8 [222] 131,3 20,2 39, F Cl Br I At 35 79,9 [210] 126,9 19,0 35, O S S T Po 34 79,0 [209] 127,6 16,0 32, N P As S Bi 33 74,9 209,0 121,8 14,0 31, C Si G Sn P 32 72,6 207,2 118, ,0 28, Al G In Tl 69,7 B 10,8 27,0 204,4 114, Séri os Lntníos Rg 111 Cn [271] [268] [277] [264] [266] [262] [272] [277] Fl [287] 114 Lv [291] 116

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados.

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados. Luís Antuns Grfos Grfo: G=(V,E): onjunto vértis/nós V um onjunto rmos/ros E VxV. Rprsntção visul: Grfos não irigios Dfinição: Um grfo m qu os rmos não são irionos. Grfos irigios Dfinição: Um grfo m qu

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR-SC Srtri Muniipl Sú PROVA Crgo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS LIMPEZA PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA AUXILIAR

Leia mais

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a

1. Introdução. . Nessa relação, conhecida com a m pgou n port s m ixou no sritório. ) Eu tinh bo sir s quno toou o lulr pri pr tnê-lo. Er mu hf, izno qu u stv trso pr um runião. Minh sort é qu nss momnto stv pssno um táxi. Ani pr l pouos minutos pois

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms ssinl ltrntiv

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. CARTÃO-RESPOSTA stino à mrção s rsposts s 56 qustõs ojtivs. 2. Confir su nom, númro insrição

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA

Leia mais

Índia Até o bicho separa o lixo

Índia Até o bicho separa o lixo Opror Máquins Agríols Nº Insrição: Pró-Ritori Gstão Pssos Univrsi Frl Snt Mri Prt I Língu Portugus Pr rsponr às qustõs númros 01 10, li os txtos sguir. Txto I Txto II Txto III OBICHO Vi ontm um iho N imuníi

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química

Biologia Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa. Literatura Brasileira Matemática Química 3 Biologi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Insrição nº: Pr rsponr às qustõs 01 02, li o txto sguir. Um rvolução m ino minutos 1 5 10 15 20 25 Usr tnologi pr onstruir

Leia mais

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E

1ª eliminatória 2012. Ex.: A B C D E 1ª limintóri 2012 Est tst é onstituío por 30 qustõs qu orm ivrss tmátis Biologi. Li s qustõs tntmnt slion opção orrt unimnt n Folh Rsposts, mrno- om um X no quro rsptivo. O tst tm urção máxim 90 minutos.

Leia mais

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação

Treino de Liderança Saúde Quatro Disciplinas Essenciais Perguntas de Avaliação Trino Lirnç Sú Qutro Disiplins Essniis Prgunts Avlição Romnmos qu voê srv sus rsposts m um pço ppl pr qu voê poss pssr sus olgs trlho migos st urso. MÓDULO 1: INTRODUÇÃO 1. Qul os sguints são ojtivos prinipis

Leia mais

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore Fonts Biliográis Estruturs Dos Aul 15: Árvors 24/05/2009 Livros: Introução Estruturs Dos (Cls, Crquir Rngl): Cpítulo 13; Projto Algoritmos (Nivio Zivini): Cpítulo 5; Estruturs Dos sus Algoritmos (Szwritr,

Leia mais

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos UFMG/ICEx/DCC DCC111 Mtmáti Disrt List Exríios 9: Soluçõs Gros Ciênis Exts & Engnhris 2 o Smstr 2016 1. O gro intrsção um olção onjuntos A 1, A 2,..., A n é o gro qu tm um vérti pr um os onjuntos olção

Leia mais

3 PS1 2013 PS2 2014 S R. Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa

3 PS1 2013 PS2 2014 S R. Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Portuguesa S R E I 3 PS1 2013 PS2 2014 A D O Arts Biologi Eução Físi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Portugus Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Soiologi Insrição nº: 2015 Txto Pr rsponr às qustõs númros 01 02, li o

Leia mais

Uma nota sobre bissetrizes e planos bissetores

Uma nota sobre bissetrizes e planos bissetores Runs Ros Ortg Junior 83 Um not sor isstris pnos isstors Runs Ros Ortg Junior Doutor Curso Mtmáti Univrsi Tuiuti o rná Dprtmnto Mtmáti Univrsi Fr o rná Tuiuti: Ciêni Cutur n 9 FCET 4 pp 83-9 Curiti r 84

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

ANEXO II. (Ato da Mesa nº 98, de 2001) ÁREA I

ANEXO II. (Ato da Mesa nº 98, de 2001) ÁREA I NXO II (to da Mesa nº 98, de 2001) ÁR I IRITO ONSTITUIONL. PRINÍPIOS ONSTITUIONIS UNMNTIS, GRIS STORIIS. IRITOS GRNTIS UNMNTIS. STO IRITO STO IRITO MORÁTIO. POR ONSTITUINT: ORIGINÁRIO, RIVO ORRNT. MN,

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

8/8 6/8 5/8 4/8 3/8 2/8 1/8 LAY-OUT DO QUADRO FOLHA 2 LAY-OUT DO QUADRO FOLHA 1 MOTIVO ÉRITON S. VER.

8/8 6/8 5/8 4/8 3/8 2/8 1/8 LAY-OUT DO QUADRO FOLHA 2 LAY-OUT DO QUADRO FOLHA 1 MOTIVO ÉRITON S. VER. 3 4 6 7 8 9 ÁR S MÁQUIN QUIPMNTOS ONTROLOS STÁIOS À 8/8 NOTS, LN OS NOMNLTURS 7/8 LIST PRIÉRIOS 3 7/04/ LTRÇÃO OS USÍVIS, NOTS, LNS OS LIST MTRIIS TOS 77 6/8 /8 4/8 LIST MTRIIS IRM INTRLIÇÕS O MÓULO M-0.

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano AGUPAMENO DE EOLA DE MOÁGUA Gomti Fih lho Nº 0 0º Ano Osv igu o lo... Ini so istm: ois plnos ppniuls us ts plls um t post um plno um t snt o plno FIH us ts não omplns. s oons os vétis... Qul posição ltiv

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 3ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est oltim qustõs é onstituío : - Rção - 54 qustõs ojtivs. 2. Confir s, lém ss oltim

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M //0 :9:7 Turma LN 0 Semestre 0 URRÍULO SOLR IVRSI ULTURL T. URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL URRIULO SOLR IVRSI ULTURL

Leia mais

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não 13 - Gros Plnrs Nst ul qurmos rsponr à suint qustão: Do um ro G, é possívl nontrr um rprsntção rái pr o ro tl qu não hj ruzmnto rsts? Consir por xmplo o ro K 4 rprsnto rimnt ns iurs i1, i2 i3.: i. 1 i.

Leia mais

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS,

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, P á g i n a 57 LÓRI US (TOM: Ó) 4/4 PLO SOL QU RILH, LÓRI US PL LOR QU NS, LÓRI US PLOS MONTS LTOS, LÓRI US PLO MR TMÉM, LÓRI US PLOS PSSRINHOS, LÓRI US PL NOIT O I, LÓRI US PL RIS LR, LÓRI US QU LON VM,

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 stmro 01 outuro 2010 ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA ÁGUA CONSUMIDA PELA POPULAÇÃO DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO VERMELHO-MG GABRIELA LÚCIA PINHEIRO 1, CELSO RICARDO CARVALHO 2 ; LÍVIA BOTELHO

Leia mais

ADESIVO PARAFUSO TRANSPORTE 2 7

ADESIVO PARAFUSO TRANSPORTE 2 7 9 0 Nº O ITM Nº PÇ QT. 0.00. - STRUTUR RVISÃO 0 0 N.. LOLIZÇÃO SRIÇÃO - RTIR O ONJUNTO MORTOR RONTL 0 T SOLIITO POR MOIIO POR 9/0/0 GUILHRM RNNO - SI 0.00.(x) / NTR 0.00.(x) 09/0/0 RNNO RNNO 0.00. - RLO

Leia mais

Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa

Artes Biologia Educação Física Filosofia. Física Geografia História Língua Estrangeira Língua Portuguesa 1 Arts Biologi Eução Físi Filosofi Físi Gogrfi Históri Língu Estrngir Língu Portugus SERIADO Litrtur Brsilir Mtmáti Quími Soiologi Insrição nº: Vstiulno, o prov! 02 01 Consirno o trmo ultur omo um onito

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M //0 08:: Turma LGN 0 Semestre 0 IÊNI TNOLOGI MIO MINT QULI VI-60H IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN MIO M QULI VI IÊNI TN

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

MÓDULO 2 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 2 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) Programa iniciado 2015/2016 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008

PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 PRÊMIO ARQUITETO DO AMANHÃ IAB RJ / 2008 EDITAL INTRODUÇÃO A prtir 2009, o IAB RJ pssrá onsirr o onito Dsnvolvimnto Sustntili, omo orgm romnávl n proução o rquitto, o urnist o stunt sts árs, ontmplno s

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS COLHEDORA DE CAPIM. Rev /01

CATÁLOGO DE PEÇAS COLHEDORA DE CAPIM. Rev /01 TÁLOO PÇS Rev. 0.0/0 OLOR PIM N 00 Implementos Netz Ltda. one: () -7 / -00 ndereço: RS, KM, - ao lado da O do rasil Santa Rosa - RS ÍNI N00 (VISÃO RL OLOR PIM) 0 N00 (LIST PÇS OLOR PIM) 0 N0 (J MT I) 0

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 1 LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA stino à

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni. Rsolv os prolms

Leia mais

Considere a junção representada na Fig.1. Admita que as linhas bifilares são ideais (sem 2 (3)

Considere a junção representada na Fig.1. Admita que as linhas bifilares são ideais (sem 2 (3) Miroons 3/4 Mstro m Ennhri Eltroténi Comutors Rsonsál: Prof. Afonso Brbos º Exm 4//4 urção: 3 hors Rsolr roblm m folh sr Problm Consir junção rrsnt n Fi.. Amit qu s linhs bifilrs são iis (sm rs). Tom =.

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M //0 08:: Turma PLPN Semestre 0 ONSTRUÇÃO INST. VLIÇÃO PRNIZGM-60H T 9. ONST INST. VL PRNIZGM T 9. ONST INST. VL PRNIZGM T 9. ONST INST. VL PRNIZGM T 9. ONST INST.

Leia mais

MÓDULO 5 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 5 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica Física e Quíica A Tabela de Constantes Forulário Tabela Periódica http://fisicanalixa.blogspot.pt/ CONSTANTES Velocidade de propagação da luz no vácuo c = 3,00 10 8 s 1 Módulo da aceleração gravítica de

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a),

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a), 2013 QUSTIONÁRIO O PROSSOR Senhor(a) Professor(a), O Sistema Nacional de valiação da ducação ásica, S, é composto por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes e os questionários

Leia mais

Eletrônica Digital Moderna e VHDL Volnei A. Pedroni, Elsevier, Soluções dos Exercícios Ímpares dos Capítulos 1 5

Eletrônica Digital Moderna e VHDL Volnei A. Pedroni, Elsevier, Soluções dos Exercícios Ímpares dos Capítulos 1 5 Eltrôni Digitl Morn VHDL Volni A. Proni, Elsvir, 200 Trução (om rvisão, tulizção mplição) Digitl Eltronis n Dsign with VHDL Elsvir / Morgn Kufmnn, USA, 2008 Soluçõs os Exríios Ímprs os Cpítulos 5 Cpítulo

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

Manual de instalação. Adaptador de LAN Daikin Altherma BRP069A61 BRP069A62. Manual de instalação Adaptador de LAN Daikin Altherma.

Manual de instalação. Adaptador de LAN Daikin Altherma BRP069A61 BRP069A62. Manual de instalação Adaptador de LAN Daikin Altherma. Mnul instlção Aptor LAN Dikin Althrm BRP069A6 BRP069A6 Mnul instlção Aptor LAN Dikin Althrm Portugus Íni Íni Ar oumntção. Ar st oumnto... Ar o prouto Ar ix. Dsmlr o ptor LAN... Prprção. Rquisitos o lol

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia Conxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não for suportao plo CD Softwar Doumntação, o Assistnt para

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia wwwsmorsplvromr Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Po PG PECADO DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO 03 I, PECADO, O QUE É? 04 II, O ROTEIRO DO PECADO,

Leia mais