Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia"

Transcrição

1 Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Homm

2 PG. HOMEM. DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO DO HOMEM. 04 II, 1, CORRENTE DICOTOMISTA. 05 II, 2, CORRENTE TRICOTOMISTA. 07 II, 3, DICOTOMISTA OU TRICOTOMISTA? 14 II, 1, A PARTE MATERIAL DO SER HUMANO (CORPO). 14 II, 2, A PARTE IMATERIAL DO SER HUMANO (ALMA E OU ESPÍRITO). 15 II, 3, INTERAÇÃO ENTRE O CORPO E A ALMA. 15 III, A MULTIPLICAÇÃO DO HOMEM. 16 III, 1, A PREEXISTÊNCIA DA ALMA. 16 III, 2, A CRIAÇÃO IMEDIATA DA ALMA. 16 III, 3, A TRANSMISSÃO DA ALMA. 17 IV, O TEMPO DE VIDA DO HOMEM. 18 V, A SEMELHANÇA ENTRE O HOMEM E DEUS. 19 V, 1, A SEMELHANÇA NATURAL ENTRE O HOMEM E DEUS. 19 V, 1, A, CARACTERÍSTICAS DA PESSOA HUMANA. 19 V, 1, A,, INTELIGÊNCIA. 20 V, 1, A,, AFEIÇÃO. 20 V, 1, A,, VONTADE. 20 V, 2, OS PODERES DO SER HUMANO. 20 V, 2, A, O PODER DE PENSAR. 20 V, 2, B, O PODER DE SENTIR. 20 V, 2, B,, O PODER DE SENTIR FISICAMENTE. 20 V, 2, B,, O PODER DE SENTIR ABSTRATAMENTE. 21 V, 2, C, O PODER DE QUERER. 21 V, 2, D, O PODER DE PENSAR EM SI MESMO, OU CONSCIÊNCIA PRÓPRIA. 21 V, 2, E, O PODER DE DIRIGIRSE A SI MESMO, OU DIREÇÃO PRÓPRIA. 22 V, 3, A SEMELHANÇA MORAL ENTRE O HOMEM E DEUS. 23 VI, O HOMEM E SEUS DOIS MUNDOS. 23 VI, 1, MUNDO SUBJETIVO DO HOMEM. 23 VI, 1, A, O HOMEM E AS NECESSIDADES DO MUNDO SUBJETIVO. 24 VI, 1, B, O HOMEM E OS PODERES DO MUNDO SUBJETIVO. 24 VI, 2, O MUNDO OBJETIVO DO HOMEM. 25 VI, 3, A LIGAÇÃO ENTRE OS DOIS MUNDOS. 26 VII, O HOMEM E O PECADO. 26 VIII, A SALVAÇÃO ETERNA DO HOMEM. 27 CONCLUSÃO. 28 BIBLIOGRAFIA. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 2

3 DOUTRINA CRISTÃ DO HOMEM. INTRODUÇÃO. Est stuo outrinário r o homm, vis mostrr o slvo por JESUS CRISTO, um pouo sor rvlção DEUS, sor psso humn. Estumos, portnto, lgo o qu BÍBLIA SAGRADA rvl r nós msmos. Com to rtz, srmos nfiios om st stuo. I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. Sor rição o homm, o qu tmos onrto, é o qu BÍBLIA SAGRADA nos nsin m Gên 1:2627, 2:7, 1825, 3:19; El 12:7. Como pomos vr, m trmos mtriis, o homm foi rio o pó Trr, Gên 2:7. Em trmos imtriis, o homm, foi rio à imgm smlhnç DEUS, Gên 1:2627, 9:6. Como sr soil DEUS riou o sr humno, om nssi m omo, om oniçõs soiili (não é om qu o homm stj só), Gên 2:18, já qu não foi rio isolo, foi rio, isto sim, omo mho fêm, homm mulhr, Gên 1:27, 2:1825. II, A CONSTITUIÇÃO DO HOMEM. Qunto à onstituição o sr humno, há us orrnts pnsmnto: 01, DICOTOMISTA. 02, TRICOTOMISTA. Pr os iotomists o homm s ivi m us prts, quis sjm: 01, A, CORPO. 02, B, ALMA. Est orrnt pnsmnto sis, priniplmnt, m, José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 3

4 Gên 2:7 Mt 10:28. Os triotomists rêm, nsinm prgm qu o homm s ivi m três prts, sr: 01, CORPO. 02, ALMA. 03, ESPÍRITO. Est orrnt pnsmnto tm s m pssgns tis omo, Jó 12:10, 32:8; H 4:12, ms priniplmnt 1ªTss 5:23. II, 1, CORRENTE DICOTOMISTA. Como já issmos, os iotomists ivim o homm m us prts, quis sjm: 01, CORPO. 02, ALMA. 01, O CORPO. Qunto o orpo, o qu tmos onrto é o qu nos iz BÍBLIA SAGRADA, Gên 2:7, 3:19; E 12:7, o orpo qu foi rio por DEUS o pó trr é prt mtril visívl o homm. 02, A ALMA. Qunto à lm, há vários vrsíulos, qu flm sor lm, rfrinos à prt imtril o sr humno, Mt 10:28; Tigo 5:20; 1ªP 1:9; Apo 6:9, 20:4. Já no to rição, PALAVRA DE DEUS firm: o homm foi fito lm vivnt, Gên 2:7. Além isto, tuo o qu s rfr à lm ou o spírito o homm, srito logo ixo, tmém s pli à lm orrnt iotomist. Apns últim frs v sr mu pr. Pr os iotomists o novo nsimnto, João 3:38, m virtu fé m JESUS CRISTO, ont n lm ou spírito. II, 2, CORRENTE TRICOTOMISTA. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 4

5 Como já issmos, os triotomists ivim o homm m três prts. 01, CORPO. 02, ALMA. 03, ESPÍRITO. 01, O CORPO. Qunto o orpo, não há prolm, visto qu é impossívl ngr xistêni o msmo, n vi o sr humno. No qu onrn o orpo, trnsrvmos o qu foi visto no stuo orrnt iotomist, já qu pr s us orrnts não há ifrnç. Qunto o orpo, o qu tmos onrto é o qu nos iz BÍBLIA SAGRADA, Gên 2:7, 3:19; E 12:7, o orpo qu foi rio por DEUS o pó trr é prt mtril visívl o homm. 02, A ALMA. N lm stá s os sntimntos moçõs o homm. A lm é prt imtril o sr humno qu pross s informçõs pr qu o orpo s xprss no muno, for o orpo. A lm é, tmém prt imtril o sr humno, qu pross s informçõs qu st r o muno trvés os ino sntios. 03, O ESPÍRITO. O spírito é prt, tmém imtril, fit à imgm smlhnç DEUS, Gên 1:2627. O spírito o homm é qu possiilit o rlionmnto st om DEUS, m omo orção DEUS m spírito m vr, João 4:24. Porém, vjmos sguir lgo sum importâni. Nm toos os srs humnos pom orr DEUS m spírito m vr. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 5

6 Só po orr DEUS m spírito m vr qum é su filho, pr sr filho DEUS é nssário itr JESUS CRISTO omo únio sufiint SALVADOR, João 1:12, 3:1618. Est nssi é imprtiv, já qu o sr humno ns ontinu por sm prão, Rom 3:10, 23, 5:12. Como por não proo o homm é um funto spiritul, Ef 2:16; Col 2:13, não sno por isso filho DEUS João 1:12, ms filho o io, João 8:44; At 13:10. Est situção só s rvrt om o rrpnimnto os pos, Mr 1:15; At 2:38, itção JESUS CRISTO omo únio sufiint SALVADOR, João 1:12, 3:16, Ef 2:1; Col 2:13. Nos últimos ois vrsíulos im vmos lrmnt st situção, porém s lrmos Ef 2:110 Col 2:815 vr nos hg mis omplt o orção. Já om os pos proos, m virtu fé m JESUS CRISTO omo únio sufiint SALVADOR m su srifíio n ruz, m prol o por qu tom tl isão, At 3:19, 10:43; Rom 4:7; 1ªCor 15:3; Gál 1:4; H 1:3, 9:28, 10:12; 1ªP 2:24, 3:18; 1ªJoão 1:9, 2:12, 3:5, 4:10; Apo 1:5, pr sprção ntr juus gntios inimiz qu hvi ntr DEUS o homm são struís, Ef 2:1122 (1416). Com inimiz pr sprção sfits, m su lugr é o homm onvrtio ronilição om DEUS Ef 2:16, pl pont sso, qul é o próprio JESUS CRISTO, Ef 2:13-18 (18). JESUS CRISTO é pont sso porqu é o únio intrmiário ou mior ntr DEUS o homm, 1ªTim 2:5. Nsio novo, 2ªCor 5:17, já n onição filho DEUS, João 1:12, om pont ligção à su isposição, 1ªTim 2:5, o slvo por JESUS CRISTO tm oniçõs hgr DEUS orálo m spírito m vr, João 4:24. Pr os triotomists o novo nsimnto, João 3:38, m virtu fé m JESUS CRISTO, ont no spírito. II, 3, DICOTOMISTA OU TRICOTOMISTA? Vjmos gor váris finiçõs lm spírito. O miniiionário Aurélio, ntr outros signifios, fin José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 6

7 ALMA ESPÍRITO omo sinônimos. O oniso iionário tologi CRISTÃ, ssim fin plvr ALMA: 01, Pr s ESCRITURAS vi, o sr ou própri psso. Tologimnt, o spto spiritul o sr humno. Pr ALMA HUMANA, tmos, no msmo iionário: 01, Arits sr um nti qu é font vi psiológi spiritul o homm. Rfrinos JESUS, xprssão sign qu su nturz tnto spiritul qunto nturl r humn. Ain no msmo iionário, pr ESPÍRITO, tmos: 01, Litrlmnt, sopro ou vnto, o prinípio vi imputo os nimis às pssos humns DIVINAS. Vjmos tmém o qu nos iz o iionário BÍBLIA John D. Dvis sor o vrt ALMA, o qul nglo tmém plvr ESPÍRITO. No sntio orinário plvr, lm é um nti spiritul, inorpór, qu po xistir ntro um orpo ou for l. DEUS é spírito. O mu spírito s lgrou m DEUS mu slvor João 4:24; Lu 1:47. A lm é um spírito qu hit um orpo, ou nl tm sto, omo s lms os qu tinhm sio mortos por us PALAVRA DE DEUS plo tstmunho JESUS, Apo 6:9, spírito é lm sinorpor. Os tólogos prsntm us iéis r lm, onsqüntmnt rspito nturz o homm os irrionis. Um s iéis prtn os triotomists qu ifrm onsirvlmnt ntr si. Sguno ls, o homm ompõs três prts, ou lmntos ssniis, qu vêm sr, o orpo, lm o spírito, 1ªTss 5:23. O orpo é prt mtril su onstituição; lm, m hru, nphsh m grgo psyh, é o prinípio vi niml, qu o homm possui m omum om os rutos. A l prtnm o ntnimnto, moção snsiili, qu trminm om mort. O spírito, m hru, ruh, m grgo pnum, é o prinípio o homm rionl vi imortl, possui rzão, vont onsiêni. DEUS riou o homm o rro trr inspirou nl um sopro vi, pois riou um spírito rionl qu infuniu nl, Gên 2:7. N mort, o pó ou o orpo, volt à trr on vio, José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 7

8 o spírito volt pr DEUS qu o u, El 12:7. A lm, m hru nphsh hyyh, no sntio vi niml, Gên 1:2124 é o lmnto qu nim o orpo; é físi mtril m su nturz pr om o orpo qu lh srv prinípio vitl. A lm tom m sntio mis lvo, om rfrêni o homm, é o prinípio rionl qu l possui, om o CRIADOR, qu o fz à su imgm smlhnç. Em grl os sritors BÍBLICOS não fzm istinção ntr psyh lm, niml qu é prt infrior o nt humno, pnum, ou lm rionl, prt suprior, s qu ms formm um só lm, psyh pr istinguil o orpo. Ams são, às vzs, signs m um uni plo voáulo pnum, outrs vzs por psyh. Orinrimnt, os sritors sgros rfrms o homm omo sno um omposto orpo lm, ou orpo spírito, não orpo, lm spírito, não sr s pssgns m 1ªCor 15:44 1ªTss 5:23; m H 4:12, m qu s fz istinção ntr lm niml rionl, pr fins pur rgumntção. Sguno iéi os iotomists, xistm pns ois lmntos ssniis n onstituição o homm; o orpo, formo o pó trr lm qu é o prinípio vi, Gên 2:7. A lm é o prinípio to vi qur s fl homm, qur nimis: É o prinípio to vi físi, morl rligios. Contém l us sustânis: Um é lm qu snt ror, outr sustâni é o spírito qu tm onsiêni possui o onhimnto DEUS. A lm o ruto onstitui o su prinípio vi, r s imprssõs os ojtos xtrnos, trnsmitis plos órgãos snsórios, é oto rto gru intligêni qu xpriêni nos mostr xistir nos nimis infriors, porém é irrionl mortl. Os rutos prm, porqu DEUS não qur qu o prinípio vi, qu nls xist, v ontinur. A lm humn é smlhnt à o ruto, ms ifr l m sr orm suprior. Em ição os triutos snsiili, mmóri o instinto, tm in fuls qu são supriors, qu prtnm à vi intltul, morl rligios, uj xistêni s prptu pois qu o orpo ix xistir, não m rzão su nturz, ms porqu DEUS ssim o qur. Os vogos st tori ulist izm qu: 1. A lm vi, nphsh hyyh, signifi pns xistêni nim, um nti m qu hit um lm vivnt. Ninguém po firmr isto m rfrêni um ruto, izr o ontrário rspito o homm. 2. A BÍBLIA não iz qu os nimis são otos psyhé somnt, qu o homm possui tnto o psyhé omo o pnum. O prinípio vitl os rutos hms spírito, ruh, o msmo moo qu lm nphsh, psyhé. Qum s s o spírito os filhos Aão suirá pr im o spírito os rutos srá pr ixo, El 3: Não s not istinção lgum no mprgo s José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 8

9 plvrs lm spírito. As lms os qu form mortos por us PALAVRA DE DEUS stão nos éus, Apo 6:9, 20:4, o msmo moo qu os spíritos os justos onsumos, H 12:23. Os triotomists itm m su ono, 1ªTss 5:23: E o msmo DEUS pz vos sntifiqu m tuo, pr qu too o vosso spírito, lm orpo, s onsrvm sm rprnsão pr vin NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, p. H 4:12, provno qu o póstolo Pulo fzi istinção ntr lm niml o spírito rionl. Rsponm os iotomists qu lingugm o póstolo é intirmnt smlhnt à o mnmnto: Amrás o SENHOR tu DEUS to lm, too o ntnimnto tos s tus forçs, Mr 12:30; p Lu 1:4647. Quno s iz Amrás o SENHOR tu DEUS quno s xort prsvrr m orção, tms m vist simplsmnt mostrr importâni tis tos pr o homm, por mio plvrs ivrss. O orção, lm, forç, mnt, não signm outros tntos lmntos ssniis à onstituição humn, o msmo moo qu não s po provr qu o orpo, lm o spírito o sjm. A pssgm prinipl qu srv s o rgumnto os triotomists é 1ªCor 15:44: E smo o orpo niml, rssusitrá o orpo spiritul. S há orpo niml, tmém o há spiritul. Dizm ls qu xprssão som psyhikon, ou orpo nturl, é o orpo qu s istingu pls qulis o psyhé, ou lm niml; isto é, qu s istingu plos ptits pixõs físis, omo sjm fom, s os sjos sxuis, qu s sim n rn no sngu, ou nqul sustâni qu s ompõ o orpo humno tul. A rssurrição, ou o orpo spiritul, por outro lo, istingus pls qulis o pnum, ou lm irrionl. Não s ompõ rn sngu, ms um sustâni qu mis s pr om lm rionl o qu om niml. Há in outr intrprtção, não somnt m hrmoni om outrin onstituição ul o homm, ms oro tmém om o mprgo grl s plvrs psyhikos pnumtikos, nturl spiritul. O orpo rssusito os rmios não srá onhio pls qulis vi niml orinári, srá ifrnt tuo qunto sj rnl, rtriznos pls qulis o homm qu é lvo plo spírito. Isto s prn plo stuo s própris plvrs. Sguno o uso stlio ntr os grgos plvr psyhé srvi pr signr o prinípio vitl, qu, não ostnt, poi tmém plirs à lm snrn, prt imortl o homm órgão o pnsmnto o juízo, Hró.2.123; 5.124; Pltão, Tim, 10, i. é.,p.30, sgus, pois, qu plvr psyhikos, qu signv primitivmnt vi niml orinári, onform o sntio qu lh ão os póstolos Pulo, Tigo Jus, 1ªCor 2:14; Tigo 3:5; Jus 19. A plvr pnumtikos, por outro lo, rfrs qus xlusivmnt, sguno s ESCRITURAS, o pnum gion, isto é, José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 9

10 o ESPÍRITO SANTO. Emprgs m oposição o qu é rnl, tuo qunto s nontr m nturz humn, non plo ESPÍRITO DE DEUS; rfrs o govrno omínio o ESPÍRITO SANTO m ontrst om o omínio rn; 1ªCor 3:1; not qu é omino plo Espírito qu l prtn, Rom 1:11; 1ªCor 2:13, 12:1. Portnto, o orpo spiritul ontrst om o orpo rnl, m sr livr os sjos rn, m lvrs im s pixõs ptits físios nturis o homm, Mt 22:30, m hrs m união om o ESPÍRITO DE DEUS m istinguirs pls qulis qu rtrizvm o homm qu é guio plo Espírito. As trnsriçõs BÍBLICAS o iionário BÍBLIA stão oro om o msmo, porém, s rfrênis sgum o prão os nossos stuos. Vjmos in n BÍBLIA SAGRADA. JESUS CRISTO fl lm omo sno prt invisívl imortl o sr humno, Mt 10:28, 16:26; M 8:3637. Aliás, st onito qu já r uso no ANTIGO TESTAMENTO, Sl 16:10, 86:13; Prov 23:14, foi lmro por JESUS CRISTO, Mt 10:28; por Pro no i PENTECOSTES, imitmnt postrior à snsão JESUS CRISTO o éu, i m qu IGREJA DE JESUS CRISTO ru o ESPÍRITO SANTO, At 2:2531 (27, 31). Qunto o spírito, st é uso n BÍBLIA SAGRADA pr vi, tnto homns omo nimis, Gên 6:17, 7:15, O msmo s pli à plvr lm. A plvr lm us pr homns, Gên 2:7, 17:14; Êx 12:1516, 19, 31:14; Lv 4:2; Ez 18:4, 20. A plvr lm us pr nimis, Gên 1:20, 30, 2:19, 9:10, 12, 1516; Apo 16:3. A plvr lm é us n BÍBLIA SAGRADA om o signifio qu os triotomists lh trium, ou sj: Por sr s os sntimntos moçõs o homm, lm é prt imtril o sr humno qu pross s informçõs pr qu o orpo s xprss no muno, for o orpo, pross tmém s informçõs qu r o muno trvés os ino sntios. Gên 34:3, 8, 42:21; Lv 26:16, 43; Núm 21:5; 1ºSm 1:10, 2:33; José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 10

11 Jó 10:1; Sl 6:3, 123:4; Prov 19:2; Is 19:10. A plvr lm é tmém us pr o qu os triotomists lgm ontr no ou om o spírito, Sl 42:12, 63:1, 130:6, notmos qu no Sl 63:1 té rn tm muito sjo DEUS. Por outro lo, plvr spírito é us tmém pr o qu os triotomists izm ontr só n lm, vjmos lgums pssgns qu omprovm noss firmção. Gên 41:8; Êx 6:9, 35:21; 1ºSm 1:15, 22:2; 2ºSm 17:8; Jó 7:11, 20:3, 21:4; Sl 77:3, 143:4; Prov 15:13; El 7:89; Is 54:6; Ez 3:14; Dn 5:20, 7:15. A plvr spírito é tmém us o lo plvr lm, omo plvrs sinônims, Jó 7:11, 12:10; Is 26:9. Em Tigo 2:26 plvr spírito é us pr o qu no to rição o homm foi hmo lm, Gên 2:7. Smos qu DEUS é Espírito, João 4:24, porém, plvr lm tmém é us m rfrêni DEUS, qur sj plo próprio DEUS, ou plos homns. DEUS rfrinos si om plvr lm, Lv 26:11, 30, 1ºSm 2:35; Is 1:14, 42:1; Jr 5:9, 6:8, 9:9, 15:1, 32:41; Ez 23:18; Z 11:8. A plvr lm us plos homns rfrinos DEUS, Sl 11:5; Prov 6:16; Jr 14:19, 15:1. Visto hvr us orrnts pnsmnto r onstituição o sr humno, é nssário otr um posição. Po prr qu o qu vimos té qui é sufiint pr tomrmos um isão, porém, nts nos finirmos, vjmos lgo sum importâni. Em João 3:121, JESUS CRISTO iz Niomos qu é nssário nsr novo, Vs 3, porqu qum não ns novo, não po vr o rino os éus, Vs 3, nm ntrr nl, Vs 5. S é nssário nsr novo é porqu há mort n vi o homm. Com o po Aão, to humni pou, Rom 3:10, 23, 5:12, por isso, toos os homns stão mortos spiritulmnt, Rom 5:12, 17, 21, 6:23. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 11

12 A mort spiritul é sprção ntr o homm DEUS, Ef 4:17-19 (18); Col 2:13. A mort físi é sprção ntr o orpo lm, Gên 35:18, ou ntr o orpo o spírito, El 12:7. Em João 3:6 JESUS CRISTO iz qu o qu é nsio o Espírito é spírito. Pulo fl filhos DEUS qu nts srm vivifios (nsios novo), stvm mortos m ofnss pos, Ef 2:1, stvm mortos m ofnss (inlusiv Pulo), Ef 2:5, stvm mortos nos pos, Cl 2:13. Smos qu toos sts stvm mortos no spto spiritul, ou sj, stvm spros DEUS porqu stvm mortos spiritulmnt, Ef 4:18. Mort st qu é hrnç Aão m virtu o su po no jrim o Én, Gên 3:119; Rom 5:12. Por isso, m João 3:121 JESUS CRISTO iz pr Niomos qu é nssário nsr novo, Vs 3, porqu qum não ns novo, não po vr o rino os éus, Vs 3, nm ntrr nl, Vs 5. JESUS CRISTO tmém iz qu DEUS não é DEUS mortos, ms vivos, Mt 22:3132; Mr 12:2627; Lu 20:3738. Or, DEUS é DEUS vivos, ou sj os qu stvm mortos, ms nsrm novo. Est novo nsimnto ont quno o homm it JESUS CRISTO omo únio sufiint SALVADOR, João 3:16, 18; 2ªCor 5:17. Est novo nsimnto é vlor trno, já qu: Qum ns novo é fito filho DEUS, João 1:12. Qum ns novo não é onno, João 3:18. Qum ns novo não é lnço for form nnhum, João 6:3740. Qum ns novo jmis srá rrto mão JESUS CRISTO, nm mão o PAI, João 10:2730. Qum ns novo jmis srá onno, Rom 8:12. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 12

13 Crmos qu st. Vimos váris finiçõs, Aurélio, o oniso iionário tologi CRISTÃ, o iionário BÍBLIA váris pssgns n BÍBLIA SAGRADA. Por tuo o qu vimos, rmos não hvr qulqur ifiul pr itrmos DICOTOMIA pr os inréulos, já qu o spírito stá morto nos pos n inruli. Porém, pr os slvos por JESUS CRISTO itmos, sm qulqur somr úvi TRICOTOMIA. Entrtnto, por qustão simplifição pr qu não hj ngno o nos rfrirmos à lm ou o spírito, otmos iotomi, om rtz qu o ontxto m qu plvr us stivr insri rá isrnimnto qu nos rfrimos. Est isão é tom, porqu pr os iotomists é norml rfrirs à lm ou o spírito sm istinção lgum sm qulqur proupção. Porém, os triotomists, psr too o zlo, por vzs s onfunm flno spírito quno o rto sri lm, m omo o ontrário, ou sj, rfrms à lm quno vrim flr spírito. Portnto, gor m int firmos om iotomi. o sr humno é onstituío por us prts, um, mtril (O CORPO) outr, imtril, (A ALMA, E OU O ESPÍRITO) sm s prouprm om istinção ntr os ois. Porém, já issmos im o porquê opção pl iotomi. Tigo 2:26, nos fl pns spírito, porém, tmém pori sr us plvr lm, sm qulqur ifiul, visto qu tl tro, não muri o sntio lrção. Já qu otmos iotomi, tmos qu; o sr humno, é omposto por us prts, quis sjm: 01, UMA PARTE MATERIAL (CORPO). 02, UMA PARTE IMATERIAL (ALMA E OU ESPÍRITO). Vjmos, um ls m prtiulr. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 13

14 II, 1, A PARTE MATERIAL DO SER HUMANO (CORPO). A prt mtril o sr humno, é O CORPO. Pomos izr, qu o orpo, é o invóluro ou vstimnt lm. O orpo, po sr onsiro, tmém, omo ofiin lm. É trvés o orpo, qu s pis imtriis o sr humno, pom sr tts, m omo, monstrs. Como nos nsin Gên 2:7, prt mtril o homm foi ri, por DEUS, o pó Trr. A própri iêni, onfirm qu os lmntos mtriis os quis o homm é omposto, são os msmos qu fzm prt omposição o plnt Trr. No orpo stão onntrs tos s funçõs orgânis, m omo, toos os órgãos os sntios, (m númro ino), om os quis, o homm tm oniçõs omunirs om o muno xtrior, qur sj, rno ou trnsmitino informçõs. II, 2, A PARTE IMATERIAL DO SER HUMANO (ALMA E OU ESPÍRITO). Gên 2:7 nos inform qu, prt imtril o sr humno foi olo nst, quno DEUS soprou o fôlgo vi nos nrizs o orpo qu hvi formo, ou sj, qu hvi rio o pó trr, porém in sm vi, tornnoo, logo pós ss sopro, m lm vivnt, ou sj, m homm omplto. Ali stv, gor, um homm omplto, oto orpo, prt mtril, m omo lm, su prt imtril. Ants o sopro DIVINO, hvi pns um orpo sm vi, o qul, for fito o pó Trr. Após o sopro DIVINO, li stv, rptimos, um homm omplto, sm n lh fltr. Apns pr lmrr; já qu otmos, iotomi, o flrmos m lm ou m spírito, strmos nos rfrino, smpr à prt imtril o sr humno, omo pomos vr m Tigo 2:26. A prt o sr humno qu é fit à imgm smlhnç DEUS, Gên 1:2627, 5:1, é lm, n qul stão s rtrístis pors o homm, stus ixo; isto, porqu DEUS é Espírito spírito não tm orpo, Lu 24:39. II, 3, INTERAÇÃO ENTRE O CORPO E A ALMA. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 14

15 Ain qu o homm omplto, sj omposto por orpo lm, há om to rtz, um intrção ntr sts ois omponnts. Um provério populr iz: O orção mis os olhos, são ois migos lis; quno o orção stá trist, logo os olhos ão sinis! Est provério populr, po muito m sr omprovo n BÍBLIA SAGRADA, m Prov 12:25, 15:13, 17:22; El 8:1. III, A MULTIPLICAÇÃO DO HOMEM. DEUS iss o primiro sl humno: Frutifii multipliivos, nhi Trr, Gên 1:28. Qunto o orpo, toos smos, mis ou mnos, omo é gro um sr humno, porém, qunto à lm, rmos qu miori s pssos não s, pois s ifiuls pr sorir ntnr su rição, são norms, já qu não po sr vist, xprimnt, nm xpli pl iêni. Já, tologi s propõ hgr à onlusão orrt, porém, não há unnimi ntr os tólogos, sor st ssunto, visto qu, pr lm, há plo mnos três orrnts pnsmnto, quis sjm: 01, A PREEXISTÊNCIA DA ALMA. 02, A CRIAÇÃO IMEDIATA DA ALMA. 03, A TRANSMISSÃO DA ALMA. III, 1, A PREEXISTÊNCIA DA ALMA. Sguno tori prxistêni lm, DEUS riou (não informm quno), um qunti lms, s quis, stão sprno rição orpos (tmém não informm qunts nm on), pr nls srm oloos (nrnrm). Sguno ls, quno um orpo é rio, ou, urnt su formção, um lm vin, não sm, nm firmm on, nm omo, ntr m tl orpo, formno st form um sr humno omplto. III, 2, A CRIAÇÃO IMEDIATA DA ALMA. Os fnsors tori rição imit lm, nsinm qu, o orpo é formo nturlmnt, porém, lm, é ri por DEUS, imitmnt é olo no orpo, no momnto José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 15

16 su rição. III, 3, A TRANSMISSÃO DA ALMA. A tori trnsmissão lm, nsin qu, os pis trnsmitm os filhos, to nturz humn, ou sj, trnsmitm, tnto o orpo qunto lm. Dst form, os pis são pis, tnto o orpo omo lm. CONSIDERAÇÕES SOBRE ESTAS TRÊS TEORIAS. 01, S s us primirs toris fossm vrirs, hvri, tlvz, um injustiç, prt DEUS, visto qu: 02, Toos os homns, sguno DEUS, são pors, Rom 3:23. 03, Or, s lm é, ns us primirs toris, ri por DEUS, olo no orpo, ntão, o po pss sr só o orpo, não lm! 04, S sts us toris são vrirs, porqu nssitri lm SALVAÇÃO ETERNA? 1ªP 1:9. 05, A onlusão lógi qu hgmos, é qu s us primirs toris, não onizm om o om snso, nm om vr. 06, A trir tori, é qu stá oro om vr, visto qu: 07, A smlhnç ntr pis filhos, é, tnto físi, qunto lm. 08, O po, fz prt nturz, tnto os pis, qunto os filhos. 09, O po, ontinu sno trist mr o sr humno. 10, DEUS riou o homm, omplto, om o por multiplirs, ou sj, rprouzirs. 11, A tori trnsmissão, moo lgum smnt, o fto qu too o sr humno, é rição DEUS. 12, Confirmo, isto sim, nsinnonos qu os pis trnsmitm os filhos, tnto o orpo omo lm, ou sj, trnsmissão é intgrl. IV, O TEMPO DE VIDA DO HOMEM. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 16

17 Como já vimos, os snnts Aão Ev têm um iníio vi, o qul, ont n onpção. Já o finl, st, ont, pns no qu onrn o orpo trrstr, mtril visívl, Gên 3:19; El 3:20; 12:7. Dissmos, orpo trrstr, mtril visívl, visto qu hvrá rssurrição, tnto os justos, ou sj, os trnmnt slvos, qunto os injustos ou trnmnt onnos, Dn 12:2; João 5:29; At 24:15, uns pr vivrm trnmnt junto DEUS, outros, tmém trnmnt, ms juntmnt om o io. Além isso, o orpo trrstr, mtril visívl toos os SALVOS por JESUS CRISTO, qu stivrm vivos, quno o SALVADOR vir usr su IGREJA, srá trnsformo num orpo inorruptívl imortl, 1ªCor 15:44, 5154; 1ªTss 4:1617. Já lm, ontinu smpr viv onsint. É m vr, qu há rts orrnts pnsmnto, qu rêm nsinm sor niquilção totl lm, pr qum não stisfizr os rquisitos DEUS. N vr, há lgums pssgns BÍBLICAS, qu quno tirs o ontxto grl BÍBLIA SAGRADA, nos ão tl imprssão; vjmos Jó 7:89; El 9:5, 10; Is 26:14. Ests pssgns, rlmnt nos ão ntnr, qu há niquilção totl o sr humno. Porém, o juntrmos sts outrs pssgns BÍBLICAS, s msms, om to rtz, nos rão, outro signifio; stjmos, portnto, tntos rtos à PALAVRA DE DEUS, pr ntnrmos o qu l, omo um too, nos iz, fim nos lirçrmos n vr. Vjmos omprmos s pssgns ntriors, om s próxims, Dn 12:2; Mt 25:46; Lu 16:1931 (2331); João 5:29; 1ªP 3:18; Apo 6:911, 20:4. Após omprs, não há úvi, lm tm xistêni trn. Dst form, pomos firmr; há um trni sr vivi, qur sj, junto DEUS, ou junto o io. V, A SEMELHANÇA ENTRE O HOMEM E DEUS. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 17

18 A BÍBLIA nsin qu, o homm foi rio à imgm smlhnç DEUS, Gên 1:2627, 5:1; Tigo 3:9. À primir vist, po prr qu o homm tm su imgm físi smlhnt DEUS. Entrtnto, st imgm smlhnç om DEUS não s rfr, form lgum, o físio, visto qu, DEUS É ESPÍRITO, não tno por isso, orpo físio omo o homm, João 4:24; 2ªCor 3:17. No stuo DOUTRINA CRISTÃ DE DEUS, firmmos qu os onhors língu hri, iiom qus totli s ESCRITURAS o ANTIGO TESTAMENTO, inluino s pssgns its, nos nsinm qu: As plvrs hris TSELEM DEMUT, truzis por imgm smlhnç, não s rfrm físio. Est fto onor, prfitmnt, om João 4:24, on pomos omprovr qu: DEUS é ESPÍRITO. Por sr ESPÍRITO, DEUS é invisívl o sr humno, plo mnos, nqunto st stivr m su orpo pminoso, orruptívl mortl, Col 1:15; 1ªTim 1:17, vjmos in Lu 24:39. Vjmos tmém o qu nos iz Dut 4:1520. Por isso, Moisés proiiu o povo isrlit, por xtnsão, toos os mis povos Trr jmis omprrm DEUS qulqur ois xistnt, qur no éu, qur n Trr, qur ixo trr, qur n águ ixo trr, Êx 20:45. Entrtnto, imgm smlhnç o homm om DEUS xist, porém, no mpo s rtrístis os pors. Tos s rtrístis pors qu o homm possui, os quis srão stuos no próximo pítulo, fzm, om to rtz, prt xistêni o CRIADOR. Entrtnto, o po o homm usou um rro n fiiêni os msmos, ou sj, tis pors firm omo qu sfiguros, ou xtrmmnt fiints. A smlhnç ntr o homm DEUS é vrifi m ois sptos, quis sjm: 1, SEMELHANÇA NATURAL. 2, SEMELHANÇA MORAL. Vjmos um sts m prtiulr. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 18

19 V, 1, A SEMELHANÇA NATURAL ENTRE O HOMEM E DEUS. A smlhnç nturl ntr o homm DEUS, rfrs às rtrístis os pors pssois, qu form os por DEUS o sr humno. V, 1, A, CARACTERÍSTICAS DA PESSOA HUMANA. Tos s pssos, ou srs pssois, ntr os quis stá o sr humno, possum, plo mnos, três rtrístis istintivs, s quis, por isso msmo, os istingum toos os mis srs, tis rtrístis são:, INTELIGÊNCIA., AFEIÇÃO., VONTADE. Vjmos, s possiilis qu sts rtrístis, ofrm o homm. V, 1, A,, INTELIGÊNCIA. A intligêni á o homm o por pnsr m oiss onrts, strts, inlusiv, sor si msmo. V, 1, A,, AFEIÇÃO. A fição, ofr o homm, o por sntir or, mor, óio, mrgur, lgri, tristz, t. V, 1, A,, VONTADE. A vont, proporion o homm o por qurr, por isso, po irigirs si msmo, po r orns, m omo, or orns s por outrs pssos. Ests três rtrístis, proporionm o homm vários pors. V, 2, OS PODERES DO SER HUMANO. As rtrístis stus, proporionm o homm, plo mnos, ino tipos pors, quis sjm: A, PODER DE PENSAR. B, PODER DE SENTIR. C, PODER DE QUERER. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 19

20 D, PODER DE PENSAR EM SI MESMO (CONSCIÊNCIA PRÓPRIA). E, PODER DE DIRIGIRSE A SI MESMO (DIREÇÃO PRÓPRIA). Toos sts pors, pom, muito m sr onfirmos n BÍBLIA SAGRADA. V, 2, A, O PODER DE PENSAR. Há, n BÍBLIA SAGRADA, um grn qunti pssgns rfrnts à pi qu o homm tm pnsr, vjmos lgums; Sl 94:11, 139:2; Amós 4:13; Mt 9:4; Filip 4:8. V, 2, B, O PODER DE SENTIR. Est pi mnifsts no homm, físi ou strtmnt. V, 2, B,, O PODER DE SENTIR FISICAMENTE. 01, O por sntir or, Jó 33:19; 1ªTss 5:3. 02, O por sntir przr rn, Prov 21:17; 2ªP 2:13. V, 2, B,, O PODER DE SENTIR ABSTRATAMENTE. 01, O por sntir przr, Sl 1:2; 2ªCor 12:10. 02, O por sntir prplxi, Lu 21:25, 24:4; At 5:24, 25:20; Gál 4:20; 2ªCor 4:8. 03, O por sntir mor, 1ªP 4:8; 2ªP 1:7. 04, O por sntir tristz, Sl 119:28; Jr 8:18; Rom 9:2; 2ªCor 9:7. 05, O por sntir ir, 1ºSm 20:30; 2ªCor 12:20; Gál 5:20; Col 3:8. V, 2, C, O PODER DE QUERER. O por qurr, o qul o homm é possuior, é muito fort, tl form qu, pnno su vont, po nminhrs, pr o m, Prov 11:11, 23; Rom 2:10, ou pr o ml, Sl 78:10; Jr 5:3; Mt 21:30; Rom 7:18; Gál 6:12. V, 2, D, O PODER DE PENSAR EM SI MESMO, OU CONSCIÊNCIA PRÓPRIA. Est é um quli qu só os srs intlignts, ntr os quis, o homm, possui, qul sj, o por onsiêni própri, qul, proporion o homm, oniçõs rfrirs si msmo, José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 20

21 Êx 6:30; Jó 10:1; Jr 1:6; Lu 12:19; At 4:20; 1ªCor 13:11, 14:19. V, 2, E, O PODER DE DIRIGIRSE A SI MESMO, OU DIREÇÃO PRÓPRIA. Est, é outr pi, om qu o sr humno é oto, qul, pnno o su uso, po oloálo ou não, srviço DEUS, Ez 3:15; Lu 9:57; At 18:6; 1ªCor 4:19; 2ªCor 13:1. Quno mnifstção, qulqur um sts ino pors, qu o homm possui, smpr são monstrs, m gru mis ou mnos lvo, rptimos, s sus três rtrístis, quis sjm: A INTELIGÊNCIA, A AFEIÇÃO E A VONTADE. Toos sts pors, os quis o homm é tntor, DEUS, tmém os possui. Por isso, o homm, é nturlmnt, smlhnt DEUS. Dst form, o homm é psso, tnto qunto DEUS o é. Porém, é om ntnrmos qu; O homm é smlhnt, não igul DEUS, visto qu: 01, DEUS É PESSOA DIVINA, INCRIADA, CRIADORA, ETERNA E INFINITA. 02, O HOMEM É PESSOA HUMANA, CRIADA E FINITA. Firmmonos nst ponto: A smlhnç nturl, ntr o homm DEUS, stá no fto qu; tnto DEUS qunto o homm, têm os msmos pors, os quis, o homm não pru om qu ADÃO. Porém NATUREZA DE DEUS, É PERFEITA, ESPIRITUAL E INFINITA. Ao psso qu nturz humn, in qu tmém spiritul, é imprfit finit (não qunto o futuro, sim qunto o psso). V, 3, A SEMELHANÇA MORAL ENTRE O HOMEM E DEUS. Pr qu os pors, om os quis, DEUS quipou o homm, fossm m utilizos por st, DEUS tmém o quipou om um prão morl. Est prão morl, trminri tos s çõs lvs fito plos pors o homm, no su sto purz, tl form qu, tos ls porim sr rlizs à smlhnç s çõs DEUS. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 21

22 Entrtnto, o homm pou, Gên 3:112. Com su qu no po, o prão morl o homm fiou muito trioro. Dst form, smlhnç morl om DEUS, fiou, omo qu, sfigur, ou srtriz. Com su prão morl srtrizo, o homm fz uso os sus pors nturis, oro om o prão morl qu possui. Portnto, pois qu, Gên 3:124, tnêni morl o homm é pr o rro, ou sj, pr o po, m virtu trs torno por, Sl 14:3, 53:23; Rom 3:10, 23, 5:12. Só pl fé m JESUS CRISTO, omo únio sufiint SALVADOR, o homm, po proximrs o prão morl qu possuí nts qu ADÃO, 1ªCor 1:49, 6:20; Gál 3:27; 1ªP 1:18. VI, O HOMEM E SEUS DOIS MUNDOS. Rltivmnt tuo o qu xist, pomos izr qu o homm viv m, ou, ntr ois munos. C um os sus ois munos, é xtrmmnt importnt pr o homm, visto qu tuo o qu ont, qur sj om ou mu, pn o om ou mu uso qu o sr humno ls fz. Ests ois munos são: 1, MUNDO SUBJETIVO. 2, MUNDO OBJETIVO. Vjmos, um sts m prtiulr. VI, 1, MUNDO SUBJETIVO DO HOMEM. O muno sujtivo, é o onjunto o qu há no intrior o sr humno, o qul é omposto por ois omponnts, quis sjm: A, NECESSIDADES. B, PODERES. Vjmos, tmém, um sts m prtiulr. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 22

23 VI, 1, A, O HOMEM E AS NECESSIDADES DO MUNDO SUBJETIVO. Vjmos lgums nssis o muno sujtivo o sr humno: 01, Nssi limntos, prouzi pl fom. 02, Nssi líquios, prouzi pl s. 03, Nssi rvr lugrs, oiss pssos, provo pl su. 04, Nssi onhimnto. 05, Nssi vntur. 06, Nssi SALVAÇÃO ETERNA. 07, Et., t., t. VI, 1, B, O HOMEM E OS PODERES DO MUNDO SUBJETIVO. Os pors o sr humno, já os stumos no itm V, 2, st stuo. Quno s nssis o muno sujtivo, s juntm os sus pors, o rsulto, é us lgo qu stisfç sss msms nssis no muno ojtivo. VI, 2, O MUNDO OBJETIVO DO HOMEM. O muno ojtivo o homm é omposto por tuo o qu stá for o homm. Tuo o qu é nssário pr stisfzr s nssis o muno sujtivo o homm po sr nontro, pns, no muno ojtivo. Exmplifimos sguir, prtino list us, ntriormnt, omo são stisfits s nssis o muno sujtivo. 01, A FOME É SATISFEITA COM O ALIMENTO. O ALIMENTO QUE MATA, OU SATISFAZ, A FOME ESTÁ NO MUNDO OBJETIVO, PORQUE ESTÁ FORA DO HOMEM. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 23

24 02, A SEDE É SATISFEITA COM A ÁGUA. A ÁGUA QUE MATA, OU SATISFAZ, A SEDE ESTÁ NO MUNDO OBJETIVO, PORQUE ESTÁ FORA DO HOMEM. 03, A SAUDADE QUE O HOMEM TEM DE ALGUÉM OU DE ALGUMA COISA É SATISFEITA COM A PRESENÇA DESSE ALGUÉM OU COISA. ALGUÉM OU ALGUMA COISA QUE SE APRESENTE OU APAREÇA E MATE A SAUDADE ESTÁ NO MUNDO OBJETIVO, PORQUE ESTÁ FORA DO HOMEM. 04, O DESEJO DO CONHECIMENTO É SATISFEITO ATRAVÉS DO ESTUDO DAS FONTES DO CONHECIMENTO. AS FONTES DO CONHECIMENTO, QUE SATISFAZEM O DESEJO DO CONHECIMENTO ESTÃO NO MUNDO OBJETIVO, PORQUE ESTÃO FORA DO HOMEM. 05, O DESEJO DA AVENTURA É SATISFEITO ATRAVÉS DA AVENTURA. A AVENTURA É LEVADA A EFEITO COM ALGO, COM ALGUÉM, OU EM ALGUM LUGAR, ITENS ESTES QUE, COM CERTEZA, ESTÃO NO MUNDO OBJETIVO, PORQUE ESTÃO FORA DO HOMEM. 06, A NECESSIDADE DE SALVAÇÃO ETERNA É SATISFEITA PELA ACEITAÇÃO DE JESUS CRISTO COMO ÚNICO E SUFICIENTE SALVADOR. JESUS CRISTO, QUE SATISFAZ A NECESSIDADE HUMANA DA SALVAÇÃO ETERNA, ESTÁ NO MUNDO OBJETIVO, PORQUE ESTÁ FORA DO HOMEM. E ssim por int, tos s nssis o muno sujtivo, só porão sr stisfits trvés lgo qu só po sr nontro no muno ojtivo. Plos xmplos os não há úvi; tuo o qu stá for o homm prtn o muno ojtivo. VI, 3, A LIGAÇÃO ENTRE OS DOIS MUNDOS. Já issmos rptimos. Quno s nssis o muno sujtivo o homm, s juntm os sus pors, o rsulto, é us lgo qu stisfç sss msms nssis. Visto qu tuo o qu po stisfzr s nssis o muno sujtivo, stá no muno ojtivo, há hvr lgo qu José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 24

25 proporion o lo ligção ntr mos. Est lo ligção é FÉ. Vjmos o funionmnto fé omo lo ligção ntr os ois munos o sr humno. 01, O HOMEM SENTE A FOME. Pl fé us o limnto. 02, O HOMEM SENTE A SEDE. Pl fé us águ. 03, O HOMEM SENTE SAUDADE DE ALGUÉM. Pl fé fz tuo o qu stivr o su ln pr nontrrs om ss lguém. 04, O HOMEM SENTE DESEJO DO CONHECIMENTO. Pl fé us omo ou on nhrs onhimnto (prnr). 05, O HOMEM SENTE DESEJO DA AVENTURA. Pl fé us stisfzl, om lguém, om lgo, ou m lgum lugr. 06, O HOMEM QUE SENTE A NECESSIDADE DE SALVAÇÃO ETERNA. Pl fé, o tomr onhimnto qu JESUS CRISTO é o únio qu po stisfzr tl nssi s sjr sr slvo, ito omo su ÚNICO E SUFICIENTE SALVADOR. Dst form, fé é lgo sum importâni pr o sr humno, visto qu sm msm, pouo ou nnhum progrsso, pori sr lnço. Assim sno, o inréulo us fé, pns pr s oiss st muno. Já um psso SALVA POR JESUS CRISTO, us FÉ, tnto no âmito st muno, qunto o âmito vi ESPIRITUAL E ETERNA COM DEUS. N mtéri DOUTRINA CRISTÃ DA FÉ é mis omplto sor st tm. VII, O HOMEM E O PECADO. Após qu Aão Ev, to su snêni pssou tr nturz por; onfirmmos st lrção ns próxims José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 25

26 pssgns BÍBLICAS, 1ºRis 8:46; 2ºCrô 6:36; Sl 51:5, 143:2; Prov 20:9; El 7:20; Rom 3:10, 23, 5:12. Em virtu o po into snêni Aão, o homm nssit ssprmnt SALVAÇÃO ETERNA. N mtéri DOUTRINA CRISTÃ DO PECADO, vrmos mis sor st ssunto. VIII, A SALVAÇÃO ETERNA DO HOMEM. A SALVAÇÃO ETERNA é om rtz, o mior prsnt ou mior or DEUS, n vi o sr humno, visto qu, há um onnção sr umpri trnmnt, por too qul qu não for slvo por JESUS CRISTO, João 3:18. Porém, DEUS nviou su FILHO o muno, pr ofrr SALVAÇÃO ETERNA à humni, qul, tos s pssos om snso, vm itr, pr o su próprio m, m omo, pr honr glóri DEUS, João 3:1618. A mtéri DOUTRINA CRISTÃ DA SALVAÇÃO ETERNA é mis omplt sor st tm. CONCLUSÃO. Finlizmos st stuo outrinário sor o homm, rmos qu o msmo, in qu ruzio, tnh trzio lguns susíios o nosso onhimnto, r nós msmos. Fçmos uso st onhimnto, pr nfíio próprio, o próximo, ou IGREJA DE NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO, qul é positári fil to vr rvl por DEUS o sr humno, pr qu st o fzr prt ss orpo, qul sj IGREJA DO SENHOR JESUS CRISTO, o honr glorifiqu, pois só por intrméio DELE, o sr humno lnç glorios, mrvilhos SALVAÇÃO ETERNA. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 26

27 BIBLIOGRAFIA. 01, BÍBLIA SAGRADA. 02, CONCISO DICIONÁRIO DE TEOLOGIA CRISTÃ. Erikson, Millr J. JUERP, 1.991, Rio Jniro, RJ, Brsil. 03, DICIONÁRIO DA BÍBLIA. D Dvis, John. Trução, Brg, Rv. J. R. rvlho. JUERP, 1.980, 7ª ição, Rio Jniro, RJ, Brsil. 04, DOUTRINAS, 1. Novs Eiçõs Lírs Evngélios. 1 Eição, 1.979, São Pulo, SP, Brsil. 05, ESBOÇO DE TEOLOGIA SISTEMÁTICA. Lngston, A. B. JUERP 8 Eição, 1.986, Rio D Jniro, RJ, Brsil. 06, MINIDICIONÁRIO AURÉLIO. Frrir, Aurélio Burqu Holn. Eitor Nov Frontir, 1 ição, 6 imprssão, Rio Jniro, RJ, Brsil. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 27

28 Ministério Smors Plvr Avlição Móulo II Mtéri 1 - Homm Cro () Irmão (ã). Pr o su próprio m, omplt prfit stisfção pssol, romnmos qu prov sj rliz sm onsult, já qu vlição prfit é qu Dus fz, o qul é Oniprsnt Onisint, por isso, n s lh oult. Sig noss romnção pr qu, intimmnt, voê tnh lgri rtz não tr-s ngno si msmo, simpls homns, tmpouo pnsr qu po ngnr Dus. Est práti rá, futurmnt, onfinç sgurnç inimginávl n Plvr Dus. Est prov po sr fit nvi isolmnt ou fzr prt o Móulo omplto. D qulqur form not mínim provção é 7 (st). Aso not 7 (st) não for lnç, voê trá tnts oportunis qunts form nssáris té lnçr not mínim provção. Est rgr s pli tmém pr vlição o Móulo omplto. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 28

29 Isso porqu méi vlição o Móulo omplto não é méi totli s rsposts, ms méi méi tos s provs. Por isso, voê v prnhr prov lápis, m lv, porqu, so not mínim não for lnç, voê rfrá sm qulqur no o ppl. Fç gor su prov. Fliis Dus o () Anço urnt rlizção msm. 1 - Dus nviou su filho Jsus Cristo o muno pr ofrr, à humni. A pitção trn. A slivção trn. A inlusão trn. A Slvção Etrn. A impostção trn. 2 - Qunto à onstituição o sr humno há. Um orrnt pnsmnto. Dus orrnts pnsmnto. Três orrnts pnsmnto. Qutro orrnts pnsmnto. Cino orrnts pnsmnto. 3 - Toos os srs humnos mortos. Cpitrão. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 29

30 Rssumirão. Conluirão. Rssusitrão. Pifirão. 4 - As orrnts pnsmnto rltivs à rição lm são. A) Prxistêni lm; B) Crição imit lm; C) Trnsmissão lm; D) Multiplição lm; E) Aloção lm; F) Infiltrção lm. A) Prxistêni lm; B) Insrção lm; C) Trnsmissão lm. A) Coxistêni lm; B) Crição imit lm; C) Trnsmissão lm; D) Multiplição lm. A) Prxistêni lm; B) Crição imit lm; C) Inlusão lm; D) Prorição lm; E) Aloção lm. A) Prxistêni lm; B) Crição imit lm; C) Trnsmissão lm. 5 - As Crtrístis um psso proporionm-lh. Dois pors. três pors. Qutro pors. Cino pors. Sis pors. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 30

31 6 - O homm pssrá trni junto Dus ou. Junto Jsus. Junto os njos. Tlvz junto o io. Long o io. Junto o io. 7 - O muno sujtivo o homm onst. A) Nssis; B) Pors; C) Rsponsilis; D) Clmors. A) Nssis. A) Nssis; B) Rsponsilis. A) Clmors. A) Nssis; B) Pors. 8 - Pr o homm inréulo fé é us pns pr. Sus intrsss spirituis. As oiss st muno. As oiss o muno vinouro. Sus tnçõs possívis. As oiss impossívis. 9 - Em trmos mtriis, o homm. É onformo om o pó trr. Sri formo o pó trr. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 31

32 Pori sr formo o pó trr. É formo o pó trr. É rformo om o pó trr Os sptos smlhnç o homm om Dus são. A) Smlhnç morl; B) Smlhnç mtril. A) Smlhnç morl; B) Smlhnç ulturl. A) Smlhnç nturl; B) Smlhnç morl. A) Smlhnç morl; B) Smlhnç pitl. A) Smlhnç pitl; B) Smlhnç nturl As orrnts pnsmnto r onstituição o sr humno são. A) Diotomist; B) Triotomist. A) Diotomist; B) Triotomist; C) Ttrotomist. A) Diotosist; B) Triotosist. A) Diotrist; B) Triotrist; C) Ttrotrist. A) Diotromist; B) Triotromist; C) Ttrotromist Toos os homns são. Pgors. Dfnsors. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 32

33 Pors. Prgors. Opositors Too o sr pssol, inlusiv o homm, tm os pors. A) Pnsr; B) Agir; C) Qurr; D) Omitir; E) Pnsr m si msmo; F) Dirigir-s si msmo. A) Sntir; B) Qurr; C) Pnsr m si msmo; D) Dirigir-s si msmo. A) Pnsr; B) Sntir; C) Qurr; D) Pnsr m si msmo; E) Dirigir-s si msmo. A) Pnsr; B) Sntir; C) Qurr; D) Omitir; E) Rtrogir; F) Pnsr m si msmo; G) Dirigir-s si msmo. A) Pnsr; B) Sntir; C) Qurr; D) Comunir-s; E) Pnsr m si; F) Dirigir-s si O lo ligção ntr os munos m qu o homm viv é. Vont. Intligêni. Fé. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 33

34 Afição. Cpi Os iotomists nsinm qu o homm é onstituío. A) Rzão; B) Alm. A) Corpo; B) Rzão. A) Plsm; B) Sntios. A) Corpo; B) Alm. A) Corpo; B) Plsm Dus é psso Divin, inri, rior trn, o homm é psso humn. Ari finit. Cri finit. Inri finit. Crior infinit. Rri finit To psso om snso it. Cpitção trn ofri por Dus. Prtiulrizção trn ofri por Dus. Imposição trn ofri por Dus. Inlusão trn ofri por Dus. Slvção Etrn ofri por Dus. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 34

35 18 - As Crtrístis um psso são. A) Intligêni; B) Afição; C) Vont. A) Intligêni; B) Introspção; C) Vont; D) Cpi. A) Intligêni; B) Animosi; C) Vont; D) Cpi; E) Bon. A) Intligêni; B) Introspção; C) Animosi; D) Cpi; E) Bon; F) Hili. A) Intligêni; B) Vont Rltivmnt tuo o qu xist, o homm viv m ou ntr. Um muno. Dois munos. Três munos. Qutro munos. Cino imunos O mior mlhor prsnt Dus o homm é. Cpi trn. Intligêni trn. Nturz trn. Slvção Etrn. Slivção trn. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 35

36 21 - Os triotomists nsinm qu o homm é onstituío. A) Corpo; B) Alm; C) Plsm. A) Corpo; B) Alm; C) Rzão. A) Corpo; B) Alm; C) Espírito. A) Corpo; B) Alm; C) Sntios. A) Corpo; B) Plsm; C) Espírito O homm viv nos munos. A) Sustntivo; B) Ojtivo; C) Sujnt. A) Sujtivo; B) Ojtivo. A) Sujtivo; B) Rltivo; C) Sustntivo; D) Sujnt; E) Aprzívl. A) Sujnt; B) Ojtivo; C) Sustntivo; D) Sujtivo. A) Sujnt; B) Ojtivo; C) Introsptivo; D) Plpávl; E) Rltivo; F) Aprzívl A imgm smlhnç o homm om Dus é rfrnt. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 36

37 Às rtrístis os sntios o homm. Às rtrístis os pors o homm. Aos sntios os pors o homm. Às rtrístis às vonts o homm. Às vonts os pors o homm O muno ojtivo o homm é omposto por tuo o qu. Está for o homm. Está for o ln o homm. Está à vist o homm. Está for o pnsmnto o homm. O homm po tor As orrnts pnsmnto rltivs à rição lm são. Dus. Três. Qutro. Cino. Sis. Préns, mo () Irmão (ã), pl onlusão os stuos pl rlizção prov. Pr nos nvir prov prnhi, por gntilz: 1 - Ar págin om o grito prov onfir s msm é mtéri sor o Homm. 2 - Prnh toos os os soliitos, os quis vm oiniir om os os stris iniiis. 3 - Copi opção solhi m qustão pr o grito próprio mtéri r o homm. 4 - Envi su prov o sort. Dus o () nço. Ministério Smors Plvr. José Joquim Gonçlvs Fri Milton Vill 37

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia wwwsmorsplvromr Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Do Po PG PECADO DOUTRINA CRISTÃ DO 03 INTRODUÇÃO 03 I, PECADO, O QUE É? 04 II, O ROTEIRO DO PECADO,

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Jsus Cristo CRISTO DESOBEDECESSE Ministério Smors Plvr PG. DOUTRINA CRISTÃ DE JESUS CRISTO.

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6

GÁLATAS. Não Há Outro Evangelho 6 GÁLATAS Cpítulo Pulo, póstolo nvio, não prt homns nm por mio psso lgum, ms por Jsus Cristo por Dus Pi, qu o rssusitou os mortos, toos os irmãos qu stão omigo, às igrjs Glái: A voês, grç pz prt Dus nosso

Leia mais

Doutrina Cristã do Homem

Doutrina Cristã do Homem Doutrina Cristã do Homem DOUTRINA CRISTÃ DO HOMEM. PÁGINA INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO DO HOMEM. 03 II, 1, A PARTE MATERIAL DO SER HUMANO (CORPO). 04 II, 2, A PARTE IMATERIAL

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: TEMPO TOTAL APLICADO: h m TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: 01)

Leia mais

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados.

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados. Luís Antuns Grfos Grfo: G=(V,E): onjunto vértis/nós V um onjunto rmos/ros E VxV. Rprsntção visul: Grfos não irigios Dfinição: Um grfo m qu os rmos não são irionos. Grfos irigios Dfinição: Um grfo m qu

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS,

(BIS) GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS, P á g i n a 57 LÓRI US (TOM: Ó) 4/4 PLO SOL QU RILH, LÓRI US PL LOR QU NS, LÓRI US PLOS MONTS LTOS, LÓRI US PLO MR TMÉM, LÓRI US PLOS PSSRINHOS, LÓRI US PL NOIT O I, LÓRI US PL RIS LR, LÓRI US QU LON VM,

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Rsolv os prolms ssinl ltrntiv orrsponnt: Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms ssinl ltrntiv

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni. Rsolv os prolms

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

1 PEDRO. Capítulo 1. Louvor a Deus por uma Esperança Viva 3

1 PEDRO. Capítulo 1. Louvor a Deus por uma Esperança Viva 3 PEDRO Pro, póstolo Jsus Cristo, Cpítulo os litos Dus, prgrinos isprsos no Ponto, n Glái, n Cpói, n províni Ási n Bitíni, 2 solhios oro om o pré-onhimnto Dus Pi, pl or sntiior o Espírito, pr oiêni Jsus

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano AGUPAMENO DE EOLA DE MOÁGUA Gomti Fih lho Nº 0 0º Ano Osv igu o lo... Ini so istm: ois plnos ppniuls us ts plls um t post um plno um t snt o plno FIH us ts não omplns. s oons os vétis... Qul posição ltiv

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS P2 COM SENSORES NESS P2 SEM SENSORES

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS P2 COM SENSORES NESS P2 SEM SENSORES 0 QUIPMTOS OTROLOS OMPRSSOR PRUSO IRM ITRLIÇÃO UTOMÇÃO 0.0.. SS P OM SSORS 0.0..0 SS P SM SSORS /0/ ILUSÃO O MOLO SM SSORS 0/0/ LTRÇÃO MR O TRSUTOR ORRT URO URO /0/ RVISÃO S IMSÕS O LYOUT /0/ LTRÇÃO O

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos

Lista de Exercícios 9: Soluções Grafos UFMG/ICEx/DCC DCC111 Mtmáti Disrt List Exríios 9: Soluçõs Gros Ciênis Exts & Engnhris 2 o Smstr 2016 1. O gro intrsção um olção onjuntos A 1, A 2,..., A n é o gro qu tm um vérti pr um os onjuntos olção

Leia mais

Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA

Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA (Pr. Eudes Lopes Cavalcanti) 1) Etimologia Anthropos = homem; logos (logia) = estudo, tratado 2) Conceito Antropologia é a parte da Teologia Sistemática que estuda

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a),

QUESTIONÁRIO. Senhor(a) Professor(a), 2013 QUSTIONÁRIO O PROSSOR Senhor(a) Professor(a), O Sistema Nacional de valiação da ducação ásica, S, é composto por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes e os questionários

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

Paróquia Nossa Senhora do Lago

Paróquia Nossa Senhora do Lago LRI... 10 BR... 10 HV O OFR... 11 OMÇR M MIM... 11 IFIR IRJ... 12 L LÓRI (LF, ÔM)... 12 SOLHI... 12 HOR VZ... 13 JUVNTU É UM SMNT... 14 MSM NÇÃO... 15 MISSÃO O RISTÃO... 16 NÓS SI IVIN LUZ... 17 PZ QU

Leia mais

ÍNDICE PREFÁCIO 9 O GREGO 9 FONÉTICA 11 MORFOLOGIA 23 PARTE PARTE CAPÍTULO I 25 ARTIGO CAPÍTULO II 26 SUBSTANTIVOS. QUADRO GERAL DAS DESINÊNCIAS

ÍNDICE PREFÁCIO 9 O GREGO 9 FONÉTICA 11 MORFOLOGIA 23 PARTE PARTE CAPÍTULO I 25 ARTIGO CAPÍTULO II 26 SUBSTANTIVOS. QUADRO GERAL DAS DESINÊNCIAS ÍNI 1 PRT 2 PRT PRÁIO 9 O GRGO 9 ONÉTI 11 LTO GRGO PRONÚNI TRIIONL... 12 SONS LÍNGU GRG... 13 ONSONTS QU POM INLIZR PLVRS... 13 MOIIÇÕS ONÉTIS... 14 1. SÍLS... 15 2. ONTRÇÃO... 16 3. RS... 16 4. LISÃO...

Leia mais

Uma nota sobre bissetrizes e planos bissetores

Uma nota sobre bissetrizes e planos bissetores Runs Ros Ortg Junior 83 Um not sor isstris pnos isstors Runs Ros Ortg Junior Doutor Curso Mtmáti Univrsi Tuiuti o rná Dprtmnto Mtmáti Univrsi Fr o rná Tuiuti: Ciêni Cutur n 9 FCET 4 pp 83-9 Curiti r 84

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

CD CIA DE JOÃO BATISTA - 1. PREPARAI O CAMINHO INTR: C9 SOMOS UM POVO CLAMANDO POR JESUS QUE VENHA O SEU REINO SOBRE NÓS

CD CIA DE JOÃO BATISTA - 1. PREPARAI O CAMINHO INTR: C9 SOMOS UM POVO CLAMANDO POR JESUS QUE VENHA O SEU REINO SOBRE NÓS C CI JOÃO BTIST - 1. PRPRI O CMINHO INTR: SOMOS UM POVO CLMNO POR JSUS QU VNH O SU RINO SOBR NÓS VOZ OS SUS PROFTS S OUVIRÁ m7 PRPRI O CMINHO O SNHOR COMO UM NOIV O SU NOIVO SPRR C NSIMOS SU VOLT ÓH JSUS,

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR

E NINGUÉM PODE TIRAR O QUE MEU DEUS ME DÁ A D B SUAS PROMESSAS EM MIM SE CUMPRIRÃO E JÁ POSSO CELEBRAR LÓRI ÚLTIM S Intro: ON HVI SURIÃO LUZ US M MIM RILHOU ON STV SO SUS ÁUS RRMOU MINH OR ULP SOR SI L LVOU UM NOVO NTINO M MUS LÁIOS OLOOU # U VOU, VOU LRR VOU TRNSOR LRI # PORQU LÓRI ÚLTIM S JÁ É MIOR QU

Leia mais

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não

Dado um grafo G, é possível encontrar uma representação gráfica para o grafo tal que não 13 - Gros Plnrs Nst ul qurmos rsponr à suint qustão: Do um ro G, é possívl nontrr um rprsntção rái pr o ro tl qu não hj ruzmnto rsts? Consir por xmplo o ro K 4 rprsnto rimnt ns iurs i1, i2 i3.: i. 1 i.

Leia mais

No entanto, devemos evitar tratar destas coisas como se fossem separadas. O homem deve ser visto como um ser completo, um todo indivisível.

No entanto, devemos evitar tratar destas coisas como se fossem separadas. O homem deve ser visto como um ser completo, um todo indivisível. 1 Aula 02 A CRIAÇÃO DO HOMEM À IMAGEM E SEMELHANÇA DE DEUS Depois de haver feito as outras criaturas, Deus criou o homem, macho e fêmea, com almas racionais e imortais, e dotou-as de inteligência, retidão

Leia mais

1 Sm ª 13. Então, se dispôs Davi com os seus homens, uns seiscentos, saíram de Queila e se foram sem rumo certo. Ziclague

1 Sm ª 13. Então, se dispôs Davi com os seus homens, uns seiscentos, saíram de Queila e se foram sem rumo certo. Ziclague 1 Sm. 23.13ª 13 Então, s dspôs Dv om os ss homns, ns ssntos, sírm d Q s form sm rmo rto. Z 1 Sm 27.1-3 1 Dss, porém, Dv onso msmo: Pod sr q m d vnh prr ns mãos d S; nd há, pos, mhor pr mm do q fr pr trr

Leia mais

Anexo IV Estrutura societária. Estrutura societária vigente

Anexo IV Estrutura societária. Estrutura societária vigente tdt ntrg o Anxo: (Pr uso o BNA) Bno Nionl Angol Prtiipçõs Anxo IV Estrutur soitári Estrutur soitári vignt D orm rir o umprimnto os rquisitos lgis stlios n Li s Instituiçõs Finnirs, nos trmos o Aviso nº

Leia mais

O SENHOR JESUS CRISTO

O SENHOR JESUS CRISTO O SENHOR JESUS CRISTO I. SUA EXISTÊNCIA A) Provada pelo Antigo Testamento: (Mq 5.2; Is 9:6 Pai da Eternidade ) B) Provada pelo Novo Testamento: 1) João 1.1, em comparação com o versículo 14. 2) Jo 8.58

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS COLHEDORA DE CAPIM. Rev /01

CATÁLOGO DE PEÇAS COLHEDORA DE CAPIM. Rev /01 TÁLOO PÇS Rev. 0.0/0 OLOR PIM N 00 Implementos Netz Ltda. one: () -7 / -00 ndereço: RS, KM, - ao lado da O do rasil Santa Rosa - RS ÍNI N00 (VISÃO RL OLOR PIM) 0 N00 (LIST PÇS OLOR PIM) 0 N0 (J MT I) 0

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 2010 JUNHO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor

Leia mais

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI C RSATAI A NOIVA - 1. L SHAAI F9 Bb9 C4 F9 L SHAAI, TOO POROSO ÉS F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, NÃO HÁ OUTRO US IUAL F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, OMÍNIO STÁ M SUAS MÃOS Bb9 C4 F9 POROSO L SHAAI C F9 MU ABA PAI PROVOR,

Leia mais

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore Fonts Biliográis Estruturs Dos Aul 15: Árvors 24/05/2009 Livros: Introução Estruturs Dos (Cls, Crquir Rngl): Cpítulo 13; Projto Algoritmos (Nivio Zivini): Cpítulo 5; Estruturs Dos sus Algoritmos (Szwritr,

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS

DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS Movendo Pessoas da Congregação para os Comprometidos para que não mais sejamos como meninos Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

2º Aquele que não pratica (não pratica a Lei), mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é

2º Aquele que não pratica (não pratica a Lei), mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é Muitos, ao ouvirem que o cristão não precisa praticar as obras da Lei, como: guarda do sábado, sacrifício de jejum, uso do véu, devolução de dízimo, etc., logo fazem a seguinte pergunta: A Lei de Deus

Leia mais

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita.

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita. Produto toril ou produto trno Notção: Propridds Intnsidd: Sntido: ntiomuttiidd: Distriutio m rlção à dição: Não é ssoitios pois, m grl, Cso prtiulr: Pr tors dfinidos m oordnds rtsins: Ests rsultdos podm

Leia mais

ANTROPOLOGIA BÍBLICA Algumas considerações sobre a imagem e semelhança de Deus no homem

ANTROPOLOGIA BÍBLICA Algumas considerações sobre a imagem e semelhança de Deus no homem 1 Introdução ANTROPOLOGIA BÍBLICA Algumas considerações sobre a imagem e semelhança de Deus no homem João Pedro da Silva 1 Neste trabalho irei abordar diferentes posições teológicas acerca do entendimento

Leia mais

COMUNHÃO E PARTICIPAÇÃO

COMUNHÃO E PARTICIPAÇÃO OMUNHÃO PRTIIPÇÃO rquidiocese de Goiânia SOLNIDD D SNT MÃ D DUS 01 de janeiro de 2012 no XXIX **** O RI DOS SÉULOS, IMORTL INVISÍVL, HONR GLÓRI PLOS SÉULOS. MÉM! **** 1 RTUR NOSSO DUS VIU QU O TMPO HGOU

Leia mais

Texto base Jo 8: 12 a 59

Texto base Jo 8: 12 a 59 Texto base Jo 8: 12 a 59 EU SOU Eternidade, Imutabilidade e Fidelidade pactual a. A busca equivocada Após a multiplicação dos pães e peixes, Jesus deixou a multidão (Jo 6: 1 a 15) A multidão resolveu procurá-lo

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia onxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não or suportao plo CD Sotwar oumntação, o Assistnt para aiionar

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO DECLARAÇÃO DE FÉ Pr Josemeire Ribeiro CRM PR 2015 O que é credo? É o que eu creio. PLANO DE SALVAÇÃO QUEDA REDENÇÃO RESTAURAÇÃO Declaração de Fé da IEQ foi compilada por sua fundadora Aimeé Semple McPherson,

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL LL LTVIST PRÂMTRO IMGM SÍNTS UNIONL NTORNO IDNTIIR RLÇÃO DO DIÍIO OM OS LMNTOS D NTORNO, ONSIDRNDO OS TRIUTOS DO LUGR - MSSS DIIDS, RLÇÕS D PROXIMIDD, DIÁLOGO, INTGRÇÃO OU UTONOMI LL DIGO RIVR LL LRO LL

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia Conxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não for suportao plo CD Softwar Doumntação, o Assistnt para

Leia mais

A TEOLOGIA DE GENESIS Márcio Martins

A TEOLOGIA DE GENESIS Márcio Martins A TEOLOGIA DE GENESIS Márcio Martins O LIVRO DE GENESIS PODE SER CONSIDERADO COMO A BASE TEOLÓGICA DO NOVO TESTAMENTO. GENESIS DE CERTA FORMA ESTÁ MAIS PROXIMO DO NOVO TESTAMENTO DO QUE DO VELHO. VARIOS

Leia mais

HEBREUS. Capítulo 1. Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, 2

HEBREUS. Capítulo 1. Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, 2 HEBREUS Cpítulo O Filho é Suprior os Anjos Há muito tmpo Dus flou muits vzs váris mnirs os nossos ntpssos por mio os profts, 2 ms nsts últimos is flou-nos por mio o Filho, qum onstituiu hriro tos s oiss

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO

COMPASSO Consultoria Multidisciplinar em Políticas Sociais CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2009 - MODALIDADE - EMPREGO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR-SC Srtri Muniipl Sú PROVA Crgo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS LIMPEZA PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA AUXILIAR

Leia mais

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares Sisms d quçõs Linrs Equção Linr Tod qução do ipo:.. n n Ond:,,., n são os ofiins;,,, n são s inógnis; é o rmo indpndn. E.: d - Equção Linr homogên qundo o rmo indpndn é nulo ( ) - Um qução linr não prsn

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA

BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BOLETIM DE QUESTÕES PROVA TIPO 2 2ª ETAPA LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Est Boltim Qustõs é onstituío 60 qustõs ojtivs. 2. Voê rrá, tmém um CARTÃO-RESPOSTA

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira S S O homem é pecador Romanos 3:9-18 S Pecadores merecem a morte Genesis 2:17, Romanos 6:23 S Portanto, se é para Deus ser justo e dar somente o que

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015 1 QUEM É JESUS Jo 1 26 Respondeu João: Eu batizo com água, mas entre vocês está alguém que vocês não conhecem. 27 Ele é aquele que vem depois de mim, e não sou digno de desamarrar as correias de suas sandálias

Leia mais

MECANISMOS DE REAÇÕES

MECANISMOS DE REAÇÕES /4/7 MECSMS DE REÇÕES rof. Hrly. Mrins Filho Rçõs lmnrs Rçõs qu concm m pns um p são rçõs lmnrs. molculri rção lmnr é o númro moléculs qu rgm. Rção lmnr unimolculr: C molécul m um proili inrínsc s compor

Leia mais