EME 311 Mecânica dos Sólidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EME 311 Mecânica dos Sólidos"

Transcrição

1 2 ESTÁTICA DOS CORPOS RÍGIDOS EME 311 Mecânica dos Sólidos - CAPÍTULO 2 - Profa. Patricia IEM Instituto de Engenharia Mecânica UNIFEI Universidade Federal de Itajubá 2.1 Vetores Posição e Deslocamento 2.3 Momento de uma Força em relação a um Eixo 2.4 Momento de um Conjugado 2.5 Sistema de Forças Equivalentes Translação de uma Força para uma Posição Paralela Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 2 2 ESTÁTICA DOS CORPOS RÍGIDOS 2.5 Sistema de Forças Equivalentes Translação de uma Força para uma Posição Paralela Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado 2.6 Equilíbrio de um corpo rígido Condições de equilíbrio para um corpo rígido; Equações de equilíbrio Diagrama de corpo livre Vínculos ou apoios Restrições para um corpo rígido 2.1 Vetores Posição e Deslocamento Vetor posição r é um vetor fixo que localiza um ponto do espaço em relação a outro; r = xi + yj + zk Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 3 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 4

2 2.1 Vetores Posição e Deslocamento 2.1 Vetores Posição e Deslocamento Módulo - é a distância entre a origem do sistema coordenado e o ponto P. A adição vetorial da origem para a extremidade dos 3 componentes dá o vetor r. r = xi + yj + zk r = xi + yj + zk Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 5 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Vetores Posição e Deslocamento Observação: Em manuscritos o vetor posição r é representado por uma letra com uma flecha em cima ( ). r Então, na forma do vetor cartesiano: r = x ˆi + yˆj + z kˆ 2.1 Vetores Posição e Deslocamento Se r é o vetor posição orientado do ponto A ao ponto B, então: r + r = r A B r = r = r r AB B A ( xb yb zb ) ( xa ya za ) ( x x ) ( y y ) ( z z ) r = i + j+ k i + j+ k = i + j+ k B A B A B A Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 7 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 8

3 2.1 Vetores Posição e Deslocamento O vetor r que vai de um ponto no espaço a outro ponto qualquer também é conhecido como vetor deslocamento. Exemplo 1 (Hibbeler pág. 50) O homem mostrado na figura puxa a corda com uma força de 70 lb. Represente essa força, que atua sobre o suporte A, como vetor cartesiano e determine sua direção. ( x x ) ( y y ) ( z z ) r = r = i + j+ k AB B A B A B A Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 9 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 10 Tendência da força de provocar a rotação de um corpo em torno do ponto ou de um eixo. Seja F x que age perpendicularmente ao cabo da chave inglesa e está localizada a uma distância d y do ponto O. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 11 F x tende a provocar um giro do tubo em torno do eixo z. Essa tendência de rotação é chamada de torque, ou momento de uma força ou momento (M O ) z. F x e d y estão no plano xy que é perpendicular ao eixo do momento (z). Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 12

4 F z tende a provocar rotação no tubo em torno do eixo z? Não, a tendência de giro é em torno do eixo x, produzindo o momento (M O ) x F z e d y estão no plano yz que é perpendicular ao eixo (x). Se uma força F y é aplicada à chave, nenhum momento é produzido em relação ao ponto O. Haverá ausência total de giro do tubo, pois a linha de ação da força passa pelo ponto O. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 13 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 14 M o = Fd = df Direção - perpendicular ao plano formado pela distância d e a força. Sentido - regra da mão direita. Seja um sistema de forças no plano xy, o momento resultante M RO é a soma dos momentos de cada força: + M RO = Fd Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 15 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 16

5 Exemplo 2 (Hibbeler pág. 100) Determine o momento resultante das quatro forças que atuam na haste, em relação ao ponto O. Produto escalar A B = AB cos θ O resultado é um escalar! Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 17 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 18 Produto vetorial Propriedades: ( AB senθ ) C A B = u Não-comutativo A B B A O resultado é um vetor! ou A B = B A Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 19 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 20

6 Propriedades: Multiplicação por escalar ( A B ) = ( A ) B = A ( B ) a a a = ( A B)a Produto vetorial de um par de vetores unitários cartesianos: i j = k i k = j i i = 0 j k = i j i = k j j = 0 k i = j k j = i k k = 0 Lei distributiva A ( B + D) = ( A B) + ( A D) Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 21 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 22 Produto vetorial como vetores cartesianos ( Ax Ay Az ) ( Bx By Bz ) ( AyBz Az By ) ( Ax Bz Az Bx ) ( Ax By AyBx ) A B = i + j+ k i + j+ k = i j + k que pode ser escrito como i j k A B = A A A x y z B B B x y z O momento de uma força pode ser expresso na forma de produto vetorial: M = r F O r é o vetor posição traçado de O até qualquer ponto sobre a linha de ação de F Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 23 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 24

7 Do cálculo vetorial: O ( θ ) M = r F = rf senθ = F r sen = Fd Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 25 Princípio da Transmissibilidade F aplicada no ponto A M = r F O F deslizante e pode agir em qualquer ponto sobre sua linha de ação, produzindo o mesmo momento M = r F = r F O Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 26 B A C Finalmente, o momento M O pode ser resolvido por meio de um determinante: E como seria determinado o momento resultante de um sistema de forças? M = r F = O i j k r r r x y z F F F x y z ( ) M = R r F O Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 27 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 28

8 Exemplo 3 (Hibbeler pág. 105) O poste da figura está sujeito a uma força de 60 N na direção de C para B. Determine a intensidade do momento criado pela força em relação ao suporte em A. Princípio dos Momentos (teorema de Varignon) O momento de uma força em relação a um ponto é igual à soma dos momentos dos componentes da força em relação ao mesmo ponto. M = + O r F r F 1 2 ( ) = r F + F = r F 1 2 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 29 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Momento de uma Força em relação a um Eixo Seja a tubulação espacial livre em A e engastada no plano xz. 2.3 Momento de uma Força em relação a um Eixo O momento da força F em relação ao ponto O tende a girar a tubulação em relação ao eixo Ob. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 31 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 32

9 2.3 Momento de uma Força em relação a um Eixo Como obter o momento da força F em relação ao eixo y? 2.3 Momento de uma Força em relação a um Eixo É obtido por meio de duas etapas: 1 - Encontrar o momento em relação a um ponto localizado no eixo desejado; O A ( 0,3 0, 4 ) ( 20 ) ( 8i 6j) N.m M = r F = i + j k = + Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 33 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Momento de uma Força em relação a um Eixo É obtido por meio de duas etapas: 2 - A componente (projeção) desse momento sobre o eixo desejado é dado por M = M u = M j y O a O ( ) = 8i + 6j j = 6 N.m 2.3 Momento de uma Força em relação a um Eixo 1 Generalizando: ) ) M = r F O 2 M a = M O cosθ = M O u a Combinando: a ( ) M = r F u a a a ( ) M = u r F COMUTATIVO Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 35 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 36

10 2.3 Momento de uma Força em relação a um Eixo ( ) u u u a a a x y z M = u r F = r r r a a x y z F F F x y z O resultado pode ser um escalar positivo ou negativo. Positivo - M a com o mesmo sentido de u a ; Negativo - M a com o sentido oposto de u a. 2.3 Momento de uma Força em relação a um Eixo Na forma de um vetor cartesiano ( ) M = M u = u r F u a a a a a Momento resultante de uma série de forças, calculado em relação ao eixo aa, é dado por ( ) ( ) M a = ua r F = ua r F Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 37 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 38 Exemplo 4 (Hibbeler pág. 121) A barra mostrada na figura é sustentada por dois grampos em A e B. Determine o momento M AB produzido por F = (-600i + 200j -300k) N, que tende a girar a barra em torno do eixo AB. 2.4 Momento de um Conjugado Um conjugado ou binário é formado por duas forças paralelas de mesma intensidade, sentidos opostos e separadas por uma distância perpendicular d. Como a força resultante é nula, o único efeito de um conjugado é produzir rotação ou tendência de rotação em determinada direção. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 39 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 40

11 2.4 Momento de um Conjugado Momento conjugado sobre a origem: ( ) ( A B ) ( ) M = r F + r F A M = r + r F B A B M = r r F M = r F ( ) ( ) M = r F 2.4 Momento de um Conjugado Logo, o momento de um conjugado é um vetor livre; Depende apenas do vetor posição r, que é orientado entre as forças, não se encontrando ligado ao ponto arbitrário O; Isso não acontece com os vetores posição r A e r B, que têm origem no ponto O. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 41 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Momento de um Conjugado M está na direção normal ao plano do conjugado; O sentido pode ser visto pela figura. 2.4 Momento de um Conjugado Como lembrar da equação do momento conjugado? Tome o momento em relação ao ponto A ou ao ponto B. Com relação ao ponto A: - O momento de (-F) é nulo; - O momento de F é M = r F Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 43 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 44

12 2.4 Momento de um Conjugado Conjugados equivalentes: Se produzem o mesmo momento; É necessário que as forças de conjugados iguais estejam ou no mesmo plano ou em planos paralelos entre si. Momento conjugado resultante: Como os momentos conjugados são vetores livres, podem ser aplicados em qualquer ponto de um corpo e somados vetorialmente. 2.4 Momento de um Conjugado Exemplo: Substitua os conjugados que estão em planos diferentes por seus momentos conjugados; Mova-os (vetor livre) até um ponto P e os soma para obter o momento conjugado resultante. ( ) M = r F Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 45 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Momento de um Conjugado Exemplo 5 (Hibbeler pág. 129) Determine o momento conjugado que atua sobre a estrutura de tubos mostrada na figura. O segmento AB está orientado em 30 o abaixo do plano xy. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 47 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 48

13 Exemplo 6 Uma força F 1 = 10i + 6j + 3k age na posição (3,0,2). No ponto (0,2,-3) age uma força igual e oposta - F1. a) Qual o momento conjugado? b) Quais são os cossenos diretores da normal ao plano do conjugado? 2.5 Sistema de Forças Equivalentes Quando um sistema de força e momento conjugado produz o mesmo efeito externo de translação e rotação do corpo que sua resultante, os dois conjuntos de cargas são ditos ser equivalentes. c) Qual é a distância perpendicular entre essas forças? Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 49 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Sistema de Forças Equivalentes Condições necessárias e suficientes para que dois sistemas sejam equivalentes: n ( F ) = ( F ) n 1 2 i I i= 1 i= 1 n m n m ( r F ) + ( M ) = ( r F ) + ( M ) i i P I i I i i P II i II i= 1 i= 1 i= 1 i= 1 P - qualquer ponto sobre o qual o momento é tomado; M i - momento conjugado. i II Exemplo 7 Dados dois sistemas de forças (I) F 1 = (5i + 10j 4k) kgf aplicada no ponto (0,0,0) F 2 = (2i + 2j + 3k) kgf aplicada no ponto (1,2,0) m M 1 = (5i + 10j + 12k) kgf.m M 2 = (2i + 3j + 7k) kgf.m (II) F 3 = (4i + 8j + 2k) kgf aplicada no ponto (2,0,0) m F 4 =? aplicada no ponto (3,1,0) m M 3 = (16i - 2j 3k) kgf.m M 4 =? Encontrar F4 e M4 para que os dois sistemas sejam equivalentes. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 51 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 52

14 2.5.1 Translação de uma Força para uma Posição Paralela Consideremos uma força F atuante sobre um ponto A. Suponha que por alguma razão a força F tivesse que atuar no ponto O Translação de uma Força para uma Posição Paralela Pelo princípio da transmissibilidade podemos mover F ao longo de sua linha de ação; Mas movê-la para o ponto O, muda a ação original de F sobre o corpo rígido. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 53 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Translação de uma Força para uma Posição Paralela Sem modificar a ação original, aplica-se duas forças no ponto O (F e F); Translação de uma Força para uma Posição Paralela Logo, além do momento conjugado M (vetor livre) que pode atuar em qualquer ponto P do corpo, F atua agora no ponto O As forças indicadas por um traço formam um binário, cujo momento é M = r F. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 55 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 56

15 2.5.2 Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado Usando o mesmo conceito para substituir um sistema de forças e momentos conjugados por uma única força resultante equivalente, atuando em um dado ponto O, e um momento resultante. Vetor livre Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado FR = F M = M + M R C O Vetor livre Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 57 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 58 Exemplo 8 (Hibbeler pág. 140) Um elemento estrutural está sujeito a um momento M e as forças F 1 e F 2, como mostrado na figura. Substitua este sistema por uma força resultante e um momento equivalente que atuam em sua base no ponto O Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado Simplificação a uma única força resultante: quando a força e o momento resultantes são perpendiculares entre si. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 59 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 60

16 2.5.2 Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado Em geral, um dado sistema de forças e momentos atuantes são reduzidos a uma força resultante e a um momento resultante em O que não são perpendiculares entre si Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado M RO pode ser decomposto em dois componentes, um perpendicular e outro paralelo em relação à linha de ação da força F R ; Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 61 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado Redução a um torsor: Eliminar o momento perpendicular pelo deslocamento da força até o ponto P; O momento paralelo é um vetor livre. O resultado é uma combinação de força e momento colineares. chamado TORSOR Redução de um Sistema de Forças a uma Força e um Conjugado Redução a um torsor: O torsor está na mesma linha de ação das forças, então, ele tende a provocar tanto uma translação ao longo do eixo quanto uma rotação em torno dele. Torsor positivo - momento paralelo e força resultante no mesmo sentido; Torsor negativo - momento paralelo e força resultante sentidos opostos. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 63 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 64

17 Exemplo 9 (Hibbeler pág. 144) A viga AE da figura está sujeita a um sistema de forças coplanares. Determine a intensidade, a direção, o sentido e a localização na viga de uma força resultante equivalente ao sistema de forças dado em relação ao ponto E. Exemplo 10 Um bloco é carregado pelas cinco forças mostradas na figura. Reduzir o sistema de forças em: a) Um sistema força-conjugado na origem; b) Um torçor, especificando o eixo central. y 5 kgf 8 cm 5 kgf 10 kgf 6 cm x 10 kgf 5 kgf z Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 65 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Condições de equilíbrio para um corpo rígido Considere um corpo rígido que está em repouso ou movendose com velocidade constante Condições de equilíbrio para um corpo rígido No diagrama de corpo livre da i-ésima partícula do corpo, há duas forças: força interna (f i ); força externa (F i ). Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 67 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 68

18 Condições de equilíbrio para um corpo rígido Condições de equilíbrio para um corpo rígido f i - provocada pela interação das partículas adjacentes; F i - representando os efeitos externos (força gravitacional, elétrica, magnética ou das forças de contato entre a i- ésima partícula e os corpos ou partículas vizinhos não incluídos no corpo). Se a partícula está em equilíbrio, da primeira lei de Newton F + f = 0 i Para cada uma das outras partículas do corpo, equações similares são obtidas, que são somadas vetorialmente Fi i + f = 0 i Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 69 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Condições de equilíbrio para um corpo rígido O somatório das forças internas é igual a zero, pois essas forças entre as partículas do próprio corpo ocorrem aos pares, são opostas e de mesma intensidade. Portanto, De modo análogo, Fi = F = 0 M O = 0 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Equações de equilíbrio Para cada diagrama de corpo livre é possível substituir o sistema de forças e conjugados agindo sobre o corpo por um sistema único, força-conjugado, agindo sobre um ponto arbitrário do corpo. As condições necessárias e suficientes para um corpo rígido estar em equilíbrio são F = 0 M O = 0 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 72

19 2.6.2 Equações de equilíbrio Num sistema coplanar (forças no plano xy), as condições de equilíbrio em duas dimensões são: F = 0 x F y = 0 M O = 0 Ponto O pode pertencer ao corpo ou estar fora dele! Diagrama de corpo livre Esboço da forma do corpo livre dos elementos vizinhos; Para estudar o equilíbrio de um corpo impedido de mover-se livremente, imagina-se sempre que os apoios ou vínculos foram retirados e que, em seus lugares, permanecem as reações que exercem sobre o corpo. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 73 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Diagrama de corpo livre No caso de uma viga, pode-se ter as seguintes reações: Vínculos ou apoios Um corpo geralmente é fixo, ou seja, é impedido de mover-se devido aos vínculos ou apoios que conectamos neste corpo. A seguir, veremos os tipos de vínculos mais comuns. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 75 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 76

20 2.6.4 Vínculos ou apoios Apoio ou Ligação Reação Nº Incógnitas Vínculos ou apoios Apoio ou Ligação Reação Nº Incógnitas Roletes Balancim Superfície Lisa Força com linha de ação conhecida Cabo curto Biela curta Força com linha de ação conhecida Articulação Pino sem sem atrito atrito ou articulação apoio fixo Superfície rugosa Força com linha de ação desconhecida Cursor sobre haste lisa Pino deslizante sem atrito Força com linha de ação conhecida Engaste Força e Momento Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 77 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Vínculos ou apoios Representações Rolete Vínculos ou apoios Por que as forças internas ao corpo não devem ser representadas no diagrama de corpo livre? Engastamento Articulação Porque essas forças são iguais em intensidade, sempre ocorrem aos pares colineares e opostos. Logo, sua resultante sobre o corpo é nula. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 79 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 80

21 Exemplo 11 (Hibbeler pág. 179) Determine os componentes horizontal e vertical da reação para a viga carregada, como mostrado na figura. Despreze o peso da viga em seus cálculos. Exemplo 12 (Hibbeler pág. 180) A corda mostrada na figura suporta uma força de 100 lb apoiando-se numa polia sem atrito. Determine a força de tração na corda em C e nos componentes horizontal e vertical da reação no pino em A. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 81 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 82 Exemplo 12 (Hibbeler pág. 180) Continuação... Diagramas isolados: Exemplo 13 (Hibbeler pág. 181) A haste mostrada na figura é conectada por um pino em A e sua extremidade B tem movimento limitado pelo apoio liso em B. Calcule os componentes horizontal e vertical da reação no pino A. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 83 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 84

22 Exemplo 14 (Hibbeler pág. 182) A chave de boca mostrada na figura é utilizada para apertar o parafuso em A. Se a chave não gira quando a carga é aplicada ao seu cabo, determine o torque ou momento e a força da chave aplicados ao parafuso Restrições para um corpo rígido. Quando um corpo tem apoios redundantes (mais apoios do que o necessário), seu estado de equilíbrio se torna estaticamente indeterminado, pois haverá mais incógnitas do que equações para resolver o problema. Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 85 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos Restrições para um corpo rígido. Estaticamente indeterminado Proposto A viga AB é apoiada sobre suportes A e B. Determine as reações nos apoios, sendo a força P = 2000 (kgf). Desprezar o peso próprio da viga. 5 incógnitas Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 87 Capítulo 2 - Estática dos Corpos Rígidos 88

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil Introdução aos Sistemas Estruturais Prof.

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil Introdução aos Sistemas Estruturais Prof. Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil Introdução aos Sistemas Estruturais Prof. Estela Garcez 1. a soma vetorial das forças que atuam sobre o corpo deve

Leia mais

M0 = F.d

M0 = F.d Marcio Varela M0 = F.d M = F.d M R = F.d Exemplo: Determine o momento da força em relação ao ponto 0 em cada caso ilustrado abaixo. Determine os momentos da força 800 N que atua sobre a estrutura na figura

Leia mais

Irineu dos Santos Yassuda

Irineu dos Santos Yassuda MECÂNICA TÉCNICA 2 Curso: Técnico em Automação Industrial Irineu dos Santos Yassuda Revisão de Matemática Conceito de Momento de uma Força O momento de uma força em relação a um ponto ou eixo fornece uma

Leia mais

MECÂNICA GERAL 3º e 4º CICLO (ENGENHARIA MECÂNICA E DE PRODUÇÃO) Profa. Ms. Grace Kelly Quarteiro Ganharul

MECÂNICA GERAL 3º e 4º CICLO (ENGENHARIA MECÂNICA E DE PRODUÇÃO) Profa. Ms. Grace Kelly Quarteiro Ganharul MECÂNICA GERAL 3º e 4º CICLO (ENGENHARIA MECÂNICA E DE PRODUÇÃO) Profa. Ms. Grace Kelly Quarteiro Ganharul grace.ganharul@aedu.com Graduação em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção Disciplina:

Leia mais

Mecânica Un.2. Momento em relação a um Ponto. Créditos: Professor Leandro

Mecânica Un.2. Momento em relação a um Ponto. Créditos: Professor Leandro Mecânica Un.2 Momento em relação a um Ponto Créditos: Professor Leandro Equilíbrio Equilíbrio Para que uma partícula esteja em equilíbrio, basta que a o resultante das forças aplicadas seja igual a zero.

Leia mais

efeito: movimento P = m. g

efeito: movimento P = m. g CAPÍTULO I 1 REVISÃO DE MECÂNICA GERAL CONCEITOS BÁSICOS I. FORÇA A. Conceito: Força é toda a grandeza capaz de provocar movimento, alterar o estado de movimento ou provocar deformação em um corpo. É uma

Leia mais

Estática. Prof. Willyan Machado Giufrida. Estática

Estática. Prof. Willyan Machado Giufrida. Estática Estática Conceito de Momento de uma Força O momento de uma força em relação a um ponto ou eixo fornece uma medida da tendência dessa força de provocar a rotação de um corpo em torno do ponto ou do eixo.

Leia mais

CAPÍTULO I REVISÃO DE MECÂNICA GERAL CONCEITOS BÁSICOS

CAPÍTULO I REVISÃO DE MECÂNICA GERAL CONCEITOS BÁSICOS CAPÍTULO I REVISÃO DE MECÂNICA GERAL CONCEITOS BÁSICOS I. FORÇA A. CONCEITO: Força é toda a grandeza capaz de provocar movimento, alterar o estado de movimento ou provocar deformação em um corpo. É uma

Leia mais

Curso Física 1. Aula - 4. Vetores

Curso Física 1. Aula - 4. Vetores Curso Física 1 Aula - 4 Vetores Escalares e Vetores Uma quantidade escalar é completamente especificada por um único valor com uma unidade apropriada e não tem nenhuma direção especifica. Exemplos: - Distância

Leia mais

ESTÁTICA DOS SÓLIDOS

ESTÁTICA DOS SÓLIDOS Postulados: (Nóbrega, 1980) ESTÁTICA DOS SÓLIDOS 1. Se nenhuma força for aplicada a um sólido em equilíbrio, ele permanece em equilíbrio. 2. Aplicando uma única força a um sólido isolado em equilíbrio,

Leia mais

Resposta: F AB = 1738,7 N F AC = 1272,8 N

Resposta: F AB = 1738,7 N F AC = 1272,8 N Trabalho 1 (Cap. 1 a Cap. 4) Mecânica Aplicada - Estática Prof. André Luis Christoforo, e-mail: christoforoal@yahoo.com.br Departamento de Engenharia Civil - DECiv/UFSCar Cap. 1 Vetores de Força 1) A força

Leia mais

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr.

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr. PUC - Goiás Curso: Engenharia Civil Disciplina: Mecânica Vetorial Corpo Docente: Geisa Pires Turma:----------- Plano de Aula Data: ------/--------/---------- Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para

Leia mais

Lista de Exercícios - Aula 08 Equilíbrio de um Corpo Rígido Capítulo R. C. Hibbeler

Lista de Exercícios - Aula 08 Equilíbrio de um Corpo Rígido Capítulo R. C. Hibbeler Lista de Exercícios - Aula 08 Equilíbrio de um Corpo Rígido Capítulo R. C. Hibbeler A primeira condição para que um corpo rígido esteja em equilíbrio é que a somatória das forças que agem sobre o corpo

Leia mais

RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS

RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES MÓDULO 01 RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS NOTAS DE AULA: - Prof. Borja 2016.2 MÓDULO 1 Relações Trigonométricas OBJETIVOS Ao final deste módulo o aluno deverá ser capaz de: resolver problemas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS 01 NOTA DE AULA 0 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Disciplina: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I (MAF 01) Coordenador: PROF. EDSON VAZ CAPÍTULOS: 05 e 06 CAPÍTULO 5 FORÇA

Leia mais

2010The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

2010The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Introdução Para um corpo rígido em equilíbrio estático, as forças e momentos externos estão balenceadas e não impõem movimento de translação ou de rotação ao corpo.

Leia mais

FIS-14 Lista-02 Agosto/2012

FIS-14 Lista-02 Agosto/2012 FIS-14 Lista-02 Agosto/2012 1. Substitua o sistema de forças que age sobre a viga por uma força e um momento de binário equivalente no ponto B. 2. Substitua o sistema de forças por uma força e um momento

Leia mais

Rígidos MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr.

Rígidos MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. Nona E 4 Equilíbrio CAPÍTULO MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. Notas de Aula: J. Walt Oler Texas Tech University de Corpos Rígidos 2010 The McGraw-Hill

Leia mais

REVISAO GERAL. GRANDEZA ESCALAR É caracterizada por um número real. Como, por exemplo, o tempo, a massa, o volume, o comprimento, etc.

REVISAO GERAL. GRANDEZA ESCALAR É caracterizada por um número real. Como, por exemplo, o tempo, a massa, o volume, o comprimento, etc. MECÂNICA APLICADA 5º Período de Engenharia Civil REVISAO GERAL GRANDEZA ESCALAR É caracterizada por um número real. Como, por exemplo, o tempo, a massa, o volume, o comprimento, etc. GRANDEZA VETORIAL

Leia mais

Capítulo 11 Rotações e Momento Angular

Capítulo 11 Rotações e Momento Angular Capítulo 11 Rotações e Momento Angular Corpo Rígido Um corpo rígido é um corpo ideal indeformável de tal forma que a distância entre 2 pontos quaisquer do corpo não muda nunca. Um corpo rígido pode realizar

Leia mais

FORÇA TICA FORÇA A RESULTANTE

FORÇA TICA FORÇA A RESULTANTE ESTÁTIC TIC Estuda a causa dos movimentos, sem se preocupar com os movimentos. FORÇ gente capaz de produzir variações no estado de movimento de um corpo e ou produzir deformações neste corpo. É uma grandeza

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 15 Reações de Apoio em Vigas e Estruturas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 15 Reações de Apoio em Vigas e Estruturas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 15 Reações de Apoio em Vigas e Estruturas Tópicos Abordados Nesta Aula Apoios Submetidos a Forças Bidimensionais. Cálculo de Reações de Apoio em Estruturas Isostáticas. Equações de Equilíbrio da Estática

Leia mais

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido Do professor para o aluno ajudando na avaliação de compreensão do capítulo. Fundamental que o aluno tenha lido o capítulo. Introdução: Produto vetorial Ilustração da

Leia mais

Física 1. 2 a prova 02/07/2016. Atenção: Leia as recomendações antes de fazer a prova.

Física 1. 2 a prova 02/07/2016. Atenção: Leia as recomendações antes de fazer a prova. Física 1 2 a prova 02/07/2016 Atenção: Leia as recomendações antes de fazer a prova. 1- Assine seu nome de forma LEGÍVEL na folha do cartão de respostas. 2- Leia os enunciados com atenção. 3- Analise sua

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Vetores: Força e Posição Engenharia e Estática...1

SUMÁRIO. 1 Introdução Vetores: Força e Posição Engenharia e Estática...1 SUMÁRIO 1 Introdução... 1 1.1 Engenharia e Estática...1 1.2 Uma Breve História da Estática...3 Galileu Galilei (1564-1642)... 4 Isaac Newton (1643-1727)... 4 1.3 Princípios Fundamentais...5 Leis do movimento

Leia mais

Mecânica Geral. Prof. Evandro Bittencourt (Dr.) Engenharia de Produção e Sistemas UDESC. 27 de fevereiro de 2008

Mecânica Geral. Prof. Evandro Bittencourt (Dr.) Engenharia de Produção e Sistemas UDESC. 27 de fevereiro de 2008 Mecânica Geral Prof Evandro Bittencourt (Dr) Engenharia de Produção e Sistemas UDESC 7 de fevereiro de 008 Sumário 1 Prof Evandro Bittencourt - Mecânica Geral - 007 1 Introdução 11 Princípios Fundamentais

Leia mais

O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal.

O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal. CENTRÓIDES E MOMENTO DE INÉRCIA Centróide O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal. De uma maneira bem simples: centróide

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 2 Lei dos Senos e Lei dos Cossenos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 2 Lei dos Senos e Lei dos Cossenos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 2 Lei dos Senos e Lei dos Cossenos Tópicos Abordados Nesta Aula Cálculo de Força Resultante. Operações Vetoriais. Lei dos Senos. Lei dos Cossenos. Grandezas Escalares Uma grandeza escalar é caracterizada

Leia mais

Força direção magnitude magnitude

Força direção magnitude magnitude Leis de Newton Sir Isaac Newton 1642 1727 Formulou as leis básicas da mecânica. Descobriu a Lei da Gravitação Universal. Inventou o cálculo Diferencial e Integral. Fez muitas observações sobre luz e óptica.

Leia mais

P 2 M a P 1. b V a V a V b. Na grelha engastada, as reações serão o momento torçor, o momento fletor e a reação vertical no engaste.

P 2 M a P 1. b V a V a V b. Na grelha engastada, as reações serão o momento torçor, o momento fletor e a reação vertical no engaste. Diagramas de esforços em grelhas planas Professora Elaine Toscano Capítulo 5 Diagramas de esforços em grelhas planas 5.1 Introdução Este capítulo será dedicado ao estudo das grelhas planas Chama-se grelha

Leia mais

Tensão. Introdução. Introdução

Tensão. Introdução. Introdução Capítulo 1: Tensão Adaptado pela prof. Dra. Danielle Bond Introdução A resistência dos materiais é um ramo da mecânica que estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e

Leia mais

Mecânica Geral II Lista de Exercícios 1 Prof. Dr. Cláudio S. Sartori. Use 1lb = 4,448 N 1 in = 0,0254 m 1 ft = 0,3048 m Exercício 1

Mecânica Geral II Lista de Exercícios 1 Prof. Dr. Cláudio S. Sartori. Use 1lb = 4,448 N 1 in = 0,0254 m 1 ft = 0,3048 m Exercício 1 Use 1lb = 4,448 N 1 in = 0,0254 m 1 ft = 0,3048 m Exercício 1 As tensões nos cabos AB e AC valem 777N e 990N, respectivamente. Determine o momento em relação ao ponto O das forças exercidas pelos cabos

Leia mais

Estática. Vista da estrutura da ponte Golden Gate, São Francisco, Califórnia (EUA).

Estática. Vista da estrutura da ponte Golden Gate, São Francisco, Califórnia (EUA). Estática Todo o nosso estudo até agora foi dedicado quase que exclusivamente ao movimento. Passamos da Cinemática - descrição matemática dos movimentos - à Dinâmica, em que essa descrição se aprofunda

Leia mais

Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos

Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos Mecânica Geral Caros alunos, neste arquivo de apresentação, você encontrará um resumo dos tópicos estudados na Unidade IV. Use-o como guia para complementar o estudo

Leia mais

1 Vetores no Plano. O segmento de reta orientada P Q tem P como ponto inicial, Q como ponto nal e

1 Vetores no Plano. O segmento de reta orientada P Q tem P como ponto inicial, Q como ponto nal e Vetores no Plano Resumo 1 - Vetores no Plano 2. Componentes de um vetor; 3. Vetor nulo e vetores unitários; 4. Operações algébricas com vetores; 5. Exercícios; 6. Questões de Revisão 1 Vetores no Plano

Leia mais

Notas de aula resumo de mecânica. Prof. Robinson RESUMO DE MECÂNICA

Notas de aula resumo de mecânica. Prof. Robinson RESUMO DE MECÂNICA RESUMO DE MECÂNICA Ano 2014 1 1. DINÂMICA DE UMA PARTÍCULA 1.1. O referencial inercial. O referencial inercial é um sistema de referência que está em repouso ou movimento retilíneo uniforme ao espaço absoluto.

Leia mais

Equilíbrio de uma Partícula Cap. 3 T CE T CD P B T DC =-T CD T DC -T CD

Equilíbrio de uma Partícula Cap. 3 T CE T CD P B T DC =-T CD T DC -T CD Eemplo. MEÂNIA - ESTÁTIA esenhar todos os diagramas de corpo livre possíveis para o problema mostrado na figura abaio, considerando todos os nomes de forças como vetores. Equilíbrio de uma Partícula ap.

Leia mais

A força resultante sobre um corpo é igual ao produto da massa do corpo pela aceleração do corpo. Em termo de equação temos

A força resultante sobre um corpo é igual ao produto da massa do corpo pela aceleração do corpo. Em termo de equação temos !!"#$#!"%&' Uma interação que pode causar uma aceleração de um corpo (mudança na velocidade) é uma grandeza vetorial chamada de força. A relação entre uma força e a aceleração que ela causa foi descrita

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Nome Data Nota: 1. Não serão aceitos exercícios escritos a lápis. 2. Não serão aceitos exercícios em mais de uma folha que não estejam grampeados. 3. Data de entrega 01/04/2015. Não

Leia mais

LEIS DE NEWTON DINÂMICA 3ª LEI TIPOS DE FORÇAS

LEIS DE NEWTON DINÂMICA 3ª LEI TIPOS DE FORÇAS DINÂMICA É a parte da Mecânica que estuda as causas e os movimentos. LEIS DE NEWTON 1ª Lei de Newton 2ª Lei de Newton 3ª Lei de Newton 1ª LEI LEI DA INÉRCIA Quando a resultante das forças que agem sobre

Leia mais

Lista 5 Leis de Newton

Lista 5 Leis de Newton Sigla: Disciplina: Curso: FISAG Física Aplicada a Agronomia Agronomia Lista 5 Leis de Newton 01) Um corpo de massa m sofre ação de duas forças F1 e F2, como mostra a figura. Se m = 5,2 kg, F1 = 3,7 N e

Leia mais

UNIDADE 2 VETORES E FÍSICA. Exercícios 1 Vetores

UNIDADE 2 VETORES E FÍSICA. Exercícios 1 Vetores 1 UNIDADE 2 VETORES E FÍSICA Exercícios 1 Vetores 1. Na figura abaixo está representada, vista do alto, uma sala quadrada de paredes com 5 metros de comprimento. Você entra na sala pela porta, em A, e

Leia mais

Lista de Exercícios - Aula 01

Lista de Exercícios - Aula 01 Lista de Exercícios - Aula 01 Lei dos Cossenos e Senos 5 (R. C Hibbeler Mecânica - Estática exemplo 2.1 p.16). O parafuso tipo gancho da figura está sujeito a duas forças F 1 e F 2. Determine a intensidade

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC.

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC www.ismaelfisica.wordpress.com RevisãodeVetores... PrimeiraLeideNewton... EquilíbriodeTranslação... TerceiraLeideNewton... As grandezas vetoriais são caracterizadas

Leia mais

UC: STC 6 Núcleo Gerador: URBANISMO E MOBILIDADES Tema: Construção e Arquitectura Domínio de Ref.ª:RA1 Área: Ciência

UC: STC 6 Núcleo Gerador: URBANISMO E MOBILIDADES Tema: Construção e Arquitectura Domínio de Ref.ª:RA1 Área: Ciência UC: STC 6 Núcleo Gerador: URBANISMO E MOBILIDADES Tema: Construção e Arquitectura Domínio de Ref.ª:RA1 Área: Ciência Sumário: Betão armado armadura aplicações Equilíbrio estático de um ponto material Momento

Leia mais

Sumário. Energia em movimentos 18/05/2012

Sumário. Energia em movimentos 18/05/2012 Sumário Unidade temática 2 Transferências de energia como trabalho. - Conceito de força (revisão). - As componentes duma força. - Trabalho de uma força constante e energia transferida. Exemplos de aplicação.

Leia mais

Lista de exercícios 3 Mecânica

Lista de exercícios 3 Mecânica Lista de exercícios 3 Mecânica Geral I 4.5 Se o homem em B exerce uma força P =150N sobre sua corda, determine a intensidade da força F que o homem em C precisa exercer para impedir que o poste gire; ou

Leia mais

Considerando a variação temporal do momento angular de um corpo rígido que gira ao redor de um eixo fixo, temos:

Considerando a variação temporal do momento angular de um corpo rígido que gira ao redor de um eixo fixo, temos: Segunda Lei de Newton para Rotações Considerando a variação temporal do momento angular de um corpo rígido que gira ao redor de um eixo fixo, temos: L t = I ω t e como L/ t = τ EXT e ω/ t = α, em que α

Leia mais

MOMENTO DE UMA FORÇA

MOMENTO DE UMA FORÇA INSTITUT FEDERAL DE EDUCAÇÃ CIÊNCIA e TECNLGIA D RI GRANDE D NRTE DIRETRIA ACADÊMICA DE CNSTRUÇÃ CIVIL TECNLGIA EM CNSTR. DE EDIFÍCIS TEC. EDIFICAÇÕES ESTABILIDADE DAS CNSTRUÇÕES MMENT DE UMA FRÇA Apostila

Leia mais

Equilíbrio de um corpo rígido

Equilíbrio de um corpo rígido Equilíbrio de um corpo rígido Objetivos da aula: Desenvolver as equações de equilíbrio para um corpo rígido. Introduzir o conceito do diagrama de corpo livre para um corpo rígido. Mostrar como resolver

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 05 ROLDANAS E ELEVADORES

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 05 ROLDANAS E ELEVADORES FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 05 ROLDANAS E ELEVADORES T T Como pode cair no enem? (CEFET) Nos sistemas seguintes, em equilíbrio, as roldanas, os fios e as hastes têm massas desprezíveis. Os dinamômetros

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC.

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC www.ismaelfisica.wordpress.com Máquinas Simples(ver arquivo) Revisão... ForçadeAtrito... AlgunsSistemasMecânicos... SistemasMecânicos... Máquinas Simples:

Leia mais

5 Forças em Dinâmica. 1 Princípio da inércia (primeira lei de Newton) 2 Princípio fundamental da Dinâmica (segunda lei de Newton)

5 Forças em Dinâmica. 1 Princípio da inércia (primeira lei de Newton) 2 Princípio fundamental da Dinâmica (segunda lei de Newton) F=m.a 5 Forças em Dinâmica A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam. Significa que a força resultante F produz uma aceleração a com mesma direção

Leia mais

Lista 12: Rotação de corpos rígidos

Lista 12: Rotação de corpos rígidos Lista 12: Rotação de Corpos Rígidos Importante: i. Ler os enunciados com atenção. ii. Responder a questão de forma organizada, mostrando o seu raciocínio de forma coerente. iii. iv. Siga a estratégia para

Leia mais

Lista11: Equilíbrio de Corpos Rígidos

Lista11: Equilíbrio de Corpos Rígidos Lista 11: Equilíbrio dos Corpos Rígidos NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção.

Leia mais

Vetores e Geometria Analítica

Vetores e Geometria Analítica Vetores e Geometria Analítica Vetores ECT2102 Prof. Ronaldo Carlotto Batista 28 de março de 2016 Sistema de coordenadas e distâncias Nesse curso usaremos o sistema de coordenadas cartesiano destro em três

Leia mais

FORÇA E MOVIMENTO Leis de Newton

FORÇA E MOVIMENTO Leis de Newton PROF. OSCAR FORÇA E MOVIMENTO Leis de Newton Qual é o fator responsável pela sensação de perigo para alguém que está no último carro de uma montanha russa? Uma força aceleração. atuando sobre o quilograma

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este

Leia mais

O equilíbrio ESTÁTICO, quando o corpo permanece em repouso. O equilíbrio DINÂMICO, quando o corpo permanece em movimento retilíneo uniforme.

O equilíbrio ESTÁTICO, quando o corpo permanece em repouso. O equilíbrio DINÂMICO, quando o corpo permanece em movimento retilíneo uniforme. 1- OÇA: orça é uma grandeza vetorial (caracterizado por um módulo ou intensidade, uma direção e um sentido) capaz de produzir em um, uma deformação e /ou uma variação em sua velocidade vetorial. 1.1- LEIS

Leia mais

Vetores. É tudo aquilo que pode ser medido em um fenômeno físico. Serve para entendermos como funciona e porque ocorre qualquer fenômeno físico.

Vetores. É tudo aquilo que pode ser medido em um fenômeno físico. Serve para entendermos como funciona e porque ocorre qualquer fenômeno físico. Grandezas Vetores É tudo aquilo que pode ser medido em um fenômeno físico. Serve para entendermos como funciona e porque ocorre qualquer fenômeno físico. GRANDEZA ESCALAR São aquelas medidas que precisam

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil. Disciplina:Física Geral e Experimental I 1 período Prof.a: Msd. Érica Muniz

Bacharelado Engenharia Civil. Disciplina:Física Geral e Experimental I 1 período Prof.a: Msd. Érica Muniz Bacharelado Engenharia Civil Disciplina:Física Geral e Experimental I 1 período Prof.a: Msd. Érica Muniz Cálculo Vetorial Grandeza Vetorial Algumas vezes necessitamos mais que um número e uma unidade para

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula ENG1200 Mecânica Geral 2013.2 Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula Questão 1 - Prova P1 2013.1 Determine o máximo valor da força P que pode ser aplicada na estrutura abaixo, sabendo que no tripé

Leia mais

IFRN / campus Natal Central Apostila de Física Aplicada a Engenharia. Capítulo I Vetores Cartesianos. Capítulo II Vetor Posição

IFRN / campus Natal Central Apostila de Física Aplicada a Engenharia. Capítulo I Vetores Cartesianos. Capítulo II Vetor Posição Capítulo I Vetores Cartesianos Capítulo II Vetor Posição Capítulo III Vetor Força Orientado ao Longo de uma Reta Capítulo IV Produto Escalar Capítulo V Equilíbrio de um Ponto Material Capítulo VI Momento

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Departamento de Física Física Fundamental Prof. Normando Lista de Exercícios 1

Universidade Federal do Ceará Departamento de Física Física Fundamental Prof. Normando  Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Ceará Departamento de Física Física Fundamental Prof. Normando (normandof@gmail.com/ normando@ufc.br) Lista de Exercícios 1 1ª) Achar o módulo e a direção dos vetores que cada um

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PLANO INCLINADO PROF. PEDRO RIBEIRO

LISTA DE EXERCÍCIOS PLANO INCLINADO PROF. PEDRO RIBEIRO LISTA DE EXERCÍCIOS PLANO INCLINADO PROF. PEDRO RIBEIRO 1 Um bloco de massa m = 10 kg, inicialmente a uma altura de 2 m do solo, desliza em uma rampa de inclinação 30 o com a horizontal. O bloco é seguro

Leia mais

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Física Grupos 05 e 20

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Física Grupos 05 e 20 1 a QUESTÃO: Dois blocos estão em contato sobre uma mesa horizontal. Não há atrito entre os blocos e a mesa. Uma força horizontal é aplicada a um dos blocos, como mostra a figura. a) Qual é a aceleração

Leia mais

Chamaremos AC de vetor soma (um Vetor resultante) dos vetores AB e BC. Essa soma não é uma soma algébrica comum.

Chamaremos AC de vetor soma (um Vetor resultante) dos vetores AB e BC. Essa soma não é uma soma algébrica comum. Vetores Uma partícula que se move em linha reta pode se deslocar em apenas uma direção, sendo o deslocamento positivo em uma e negativo na outra direção. Quando uma partícula se move em três dimensões,

Leia mais

Lista 5: Trabalho e Energia

Lista 5: Trabalho e Energia Lista 5: Trabalho e Energia NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a

Leia mais

VETORES. Física. primeiro à extremidade do último vetor traçado. magnético.

VETORES. Física. primeiro à extremidade do último vetor traçado. magnético. Prof. Paulino Mourão VETORES Física MARÇO/009 ursos C 1. GRANDEZAS FÍSICAS 3. SOMA DE VETORES º E.M. Master 11/03/09 1.1. Grandezas Escalares São totalmente definidas somente por um valor numérico associado

Leia mais

Mecânica Geral II Notas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori

Mecânica Geral II Notas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori Mecânica Geral II otas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori Forças em vigas e em cabos Introdução Analisaremos dois tipos de forças internas em dois tipos de estruturas em engenharia:. Vigas.

Leia mais

MOVIMENTO 3D: EQUAÇÕES DE MOVIMENTO

MOVIMENTO 3D: EQUAÇÕES DE MOVIMENTO MOVIMENTO 3D: EQUAÇÕES DE MOVIMENTO INTRODUÇÃO ESTUDO DE CASO Um motor de dois cilindros roda em vazio a 1000 rpm quando a válvula borboleta é aberta. Como a forma assimétrica da árvore de manivelas e

Leia mais

Vetores Forças Cap. 2

Vetores Forças Cap. 2 Eemplo.B MECÂNICA - ESTÁTICA Decomponha a força horizontal de 600 N da igura nas componentes que atuam ao londo dos eios u e v e determine as intensidades dessas componentes Vetores orças Cap. Prof Dr.

Leia mais

Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I

Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I 5.9. Desenhe o diagrama de corpo livre da barra, que possui uma espessura desprezível e pontos de contato lisos em A, B e C. Explique o significado de cada força

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Prof. Msc. HELBER HOLLAND

ENGENHARIA CIVIL. Prof. Msc. HELBER HOLLAND ENGENHARIA CIVIL REVISÃO TRELIÇAS Reações em Estruturas Prof. Msc. HELBER HOLLAND As treliças são um tipo de estrutura usado em engenharia normalmente em projetos de pontes e edifícios. Uma treliça é uma

Leia mais

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N)

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N) Força Empurrão ou puxão; Força é algo que acelera ou deforma alguma coisa; A força exercida por um objeto sobre o outro é correspondida por outra igual em magnitude, mas no sentido oposto, que é exercida

Leia mais

Fís. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão)

Fís. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) Semana 16 Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. Exercícios

Leia mais

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO ANÁLISE DE TENSÕES

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO ANÁLISE DE TENSÕES Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. www.resmat.ufba.br 4ª LISTA

Leia mais

Vetores. Grandeza Escalar precisa somente de um número e sua unidade.

Vetores. Grandeza Escalar precisa somente de um número e sua unidade. Vetores Grandeza Escalar precisa somente de um número e sua unidade. Grandeza Vetorial precisa de módulo, direção e sentido para ficar perfeitamente representado. VETOR É o ente matemático que nos ajuda

Leia mais

INTERVENÇÃO FÍSICA 1 SEMESTRE. Bimestre: 1º Série: 1º Ano-Ensino Médio Disciplina: Física Turma: PARTE 01

INTERVENÇÃO FÍSICA 1 SEMESTRE. Bimestre: 1º Série: 1º Ano-Ensino Médio Disciplina: Física Turma: PARTE 01 INTERVENÇÃO FÍSICA 1 SEMESTRE Bimestre: 1º Série: 1º Ano-Ensino Médio Disciplina: Física Turma: Nome: nº. Data: Professor: Robson T. Paiva PARTE 01 Refazer os exercícios da lista entregue na recuperação

Leia mais

Lista 10: Dinâmica das Rotações NOME:

Lista 10: Dinâmica das Rotações NOME: Lista 10: Dinâmica das Rotações NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos.

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos (Período: 2016.1) Notas de Aula Capítulo 1: VETORES Ivan Menezes ivan@puc-rio.br

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 e 2 PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 29/11/2015 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES:

Leia mais

Revisão, apêndice A Streeter: SISTEMAS DE FORÇAS, MOMENTOS, CENTROS DE GRAVIDADE

Revisão, apêndice A Streeter: SISTEMAS DE FORÇAS, MOMENTOS, CENTROS DE GRAVIDADE UNVERSDDE FEDERL D BH ESCOL POLTÉCNC DEPRTMENTO DE ENGENHR QUÍMC ENG 008 Fenômenos de Transporte Profª Fátima Lopes FORÇS HDRÁULCS SOBRE SUPERFÍCES SUBMERSS Revisão, apêndice Streeter: SSTEMS DE FORÇS,

Leia mais

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Bibliografia Básica: BEER, F. P.; JOHNSTON JUNIOR, E. R. Mecânica vetorial para engenheiros: cinemática e dinâmica 5ª ed. 2v. São Paulo: Makron, 1994. HIBBELER, R. C. Dinâmica: Mecânica para Engenharia.

Leia mais

Grandeza Vetorial. Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I. Considerações. Vetores- Unidade 2 Prof.a : Msd Érica Muniz 1 período

Grandeza Vetorial. Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I. Considerações. Vetores- Unidade 2 Prof.a : Msd Érica Muniz 1 período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Vetores- Unidade 2 Prof.a : Msd Érica Muniz 1 período Grandeza Vetorial Algumas vezes necessitamos mais que um número e uma unidade para representar

Leia mais

Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável

Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Resistência dos Materiais Definição: É um ramo da mecânica que estuda as relações entre

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 / 2016

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 / 2016 CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 / 2016 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 Um copo está sobre uma mesa com a boca voltada para cima. Um explosivo no estado sólido

Leia mais

Parte 2 - PF de Física I NOME: DRE Teste 1

Parte 2 - PF de Física I NOME: DRE Teste 1 Parte 2 - PF de Física I - 2017-1 NOME: DRE Teste 1 Nota Q1 Questão 1 - [2,5 ponto] Um astronauta está ligado a uma nave no espaço através de uma corda de 120 m de comprimento, que está completamente estendida

Leia mais

13/4/2011. Quantidade de movimento x Massa Quantidade de movimento x Velocidade. Colisão frontal: ônibus x carro

13/4/2011. Quantidade de movimento x Massa Quantidade de movimento x Velocidade. Colisão frontal: ônibus x carro FORÇA x BRAÇO DE MOMENTO (Unidade: N.m) Régua sobre a mesa Torque = F senθ.r = r sen θ. F = F.d Braço de momento (d) = menor distância ou distância perpendicular do eixo à força Carolina Peixinho carolina@peb.ufrj.br

Leia mais

Estruturas. Treliças planas. Treliça Simples O elemento básico de uma treliça plana é o triangulo. Três barras unidas por pinos em suas extremidades.

Estruturas. Treliças planas. Treliça Simples O elemento básico de uma treliça plana é o triangulo. Três barras unidas por pinos em suas extremidades. TRELIÇAS Estruturas Como já é sabido o equilíbrio de um único corpo rígido ou de um sistema de elementos conectados, tratado como um único corpo rígido. Inicialmente desenhamos um diagrama de corpo livre

Leia mais

Lista 3: Vetores e Sistemas de Coordenadas NOME:

Lista 3: Vetores e Sistemas de Coordenadas NOME: Lista 3: Vetores e Sistemas de Coordenadas Lista 3: Vetores e Sistemas de Coordenadas NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar.

Leia mais

Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME:

Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME: Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Instituto de Física Lista de exercícios para a P2 - Física 1

Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Instituto de Física Lista de exercícios para a P2 - Física 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Instituto de Física Lista de exercícios para a P2 - Física 1 1. Dois corpos A e B, de massa 16M e M, respectivamente, encontram-se no vácuo e estão separados

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 01 INTRODUÇÃO

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 01 INTRODUÇÃO CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL A resistência dos materiais é um assunto bastante antigo. Os cientistas da antiga Grécia já tinham o conhecimento do fundamento da estática, porém poucos sabiam do problema

Leia mais

Professor: José Junio Lopes. Lista de Exercícios - Aula 1a Revisão Equilíbrio de um Corpo Rígido Reação de Apoio

Professor: José Junio Lopes. Lista de Exercícios - Aula 1a Revisão Equilíbrio de um Corpo Rígido Reação de Apoio Lista de Exercícios - Aula 1a Revisão Equilíbrio de um Corpo Rígido Reação de Apoio A primeira condição para que um corpo rígido esteja em equilíbrio é que a somatória das forças que agem sobre o corpo

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO LEIS DE NEWTON E SUAS APLICAÇÕES 2ª ETAPA

ESTUDO DIRIGIDO LEIS DE NEWTON E SUAS APLICAÇÕES 2ª ETAPA Curso: Engenharia Civil Disciplina: Física Geral Experimental I Período: 1 período Data: 04/16/2014 Prof.a: Érica Estanislau Muniz Faustino ESTUDO DIRIGIDO LEIS DE NEWTON E SUAS APLICAÇÕES 2ª ETAPA 1-

Leia mais

MECÂNICA - MAC Prof a Michèle Farage. 14 de março de Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais

MECÂNICA - MAC Prof a Michèle Farage. 14 de março de Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais MECÂNICA - MAC010-01 Prof a Michèle Farage 14 de março de 2011 Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais Programa 1. Introdução: conceitos e definições básicos da Mecânica, sistemas

Leia mais

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade TENSÃO Introdução A mecânica dos sólidos estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das cargas internas que agem no interior do corpo. Esse assunto também

Leia mais

Deslocamento, velocidade e aceleração angular. s r

Deslocamento, velocidade e aceleração angular. s r Rotação Deslocamento, velocidade e aceleração angular s r s r O comprimento de uma circunferência é πr que corresponde um ângulo de π rad (uma revolução) ( rad) (deg ou graus) 180 Exemplo 0 60 3 rad Porque

Leia mais

As variáveis de rotação

As variáveis de rotação Capítulo 10 Rotação Neste capítulo vamos estudar o movimento de rotação de corpos rígidos sobre um eixo fixo. Para descrever esse tipo de movimento, vamos introduzir os seguintes conceitos novos: -Deslocamento

Leia mais