Técnicas dos nados culturalmente determinados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas dos nados culturalmente determinados"

Transcrição

1 Técnicas dos nados culturalmente determinados NADOS CRAWL E COSTAS NADO CRAWL CRAWL POSIÇÃO DO CORPO EM DECÚBITO VENTRAL O CORPO PERMANECE O MAIS HORIZONTAL POSSÍVEL REALIZANDO MOVIMENTOS DE ROLAMENTOS LATERAIS NO EIXO LONGITUDINAL 1

2 CRAWL POSIÇÃO DA CABEÇA NA RESPIRAÇÃO O ROSTO PERMANECE EM CONTATO COM A ÁGUA, MANTENDO O NÍVEL NA PARTE SUPERIOR DA CABEÇA (TESTA), DIRECINANDO O OLHAR PARA FRENTE E PARA O FUNDO DA PISCINA. A EXPIRAÇÃO É REALIZADA PELA BOCA, NARIZ OU NARIZ/BOCA. O MOVIMENTO DE INSPIRAÇÃO É ATRAVÉS DA ROTAÇÃO LATERAL DO TRONCO E UMA PEQUENA ROTAÇÃO DE PESCOÇO. A INSPIRAÇÃO DEVE SER REALIZADA PELA BOCA NA ONDA DA PROA (NA CABEÇA), MANTENDO O MAIS PRÓXIMO POSSÍVEL DA ÁGUA, E ACONTECE NO MOMENTO EM QUE UM BRAÇO ESTIVER NA FASE DE APOIO E OUTRO NA FINALIZAÇÃO DA BRAÇADA. A RESPIRAÇÃO É CLASSIFICADA DE ACORDO COM O NÚMERO DE BRAÇADAS 2 X 1, 3 X 1 OU BILATERAL, 4 X 1... CRAWL POSIÇÃO DA CABEÇA 2

3 CRAWL TÉCNICA DE BRAÇADA O MOVIMENTO DOS BRAÇOS CONSISTE EM CIRCUNDUÇÃO ANTERO POSTERIOR ALTERNADOS DOS MESMOS. A TÉCNICA É DIVIDIDA EM FASE DE: ENTRADA APOIO TRAÇÃO FINALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO CRAWL BRAÇADA: ENTRADA DEVE SER FEITA À FRENTE DA CABEÇA ENTRE A LINHA DESTA E A LINHA DA DIREÇÃO DO OMBRO. O BRAÇO DEVE ESTAR LIGEIRAMENTE FLEXINADO, COM O COTOVELO ACIMA DA MÃO,DE MODOQUE OSDEDOSSEJAM APRIMEIRAPARTEDOMMSS AENTRAR NA ÁGUA. OBRAÇO DEVE DESLIZAR PARA DENTRO DA ÁGUA,ÁFRENTE,DE LADO,COM A PALMA DA MÃO VOLTADA PARA FORA. 3

4 CRAWL BRAÇADA: APOIO CONSISTE EM UMA PUXADA PARA BAIXO, EM DIREÇÃO AO FUNDO DA PISCINA COM O BRAÇO ESTENDIDO. NESTE MOMENTO ACONTECE UM PEQUENA ROTAÇÃO DO TRONCO, POSICIONANDO UM OMBRO A FRENTE E, ASSIM, COLOCANDO O BRAÇO EM UMA POSIÇÃO EM QUE TERÁ MAIOR APOIO NA ÁGUA. CRAWL BRAÇADA: TRAÇÃO ÉOMOMENTO EMQUE COMEÇARÁ A EXISTIRMAIOR EFICIÊNCIA DABRAÇADA. ONDE É POSSIVEL VERIFICAR UMA FLEXÃO DO ANTEBRAÇO, EM RELAÇÃO AO BRAÇO FASE EM QUE MÃO, COTOVELO E OMBRO ESTÃO ALINHADOS, SOB O CORPO. IRÁATÉOANTEBRAÇO EMÃOCHEGAR NADIREÇÃODOUMBIGO. NESTE MOVIMENTO A MÃO SERÁ PRIMEIRAMENTE PARA FORA, ATÉ PASSAR A DIREÇÃO DO OMBRO,EPARA DENTRO,EMDIREÇÃOALINHA ALBA,OUSEJA, PERTODOUMBIGO. CRAWL BRAÇADA: TRAÇÃO 4

5 CRAWL BRAÇADA: FINALIZAÇÃO CONSISTE EM UM EMPURRÃO FINAL REALIZANDO UMA APROXIMAÇÃO DO BRAÇO E COTOVELO AO TRONCO, ATRAVÉS DE UMA SEMI-EXTENSÃO DO ANTEBRAÇO EM RELAÇÃO AO BRAÇO, RETIRANDO-SE A MÃO DA ÁGUA PRÓXIMA AO QUADRIL. CRAWL BRAÇADA: RECUPERAÇÃO DEVERÁ SER FEITA DA ELEVAÇÃO DO COTOVELO, FLEXIONANDO O ANTEBRAÇO E PROJETANDO AMÃO AFRENTE. O BRAÇO E MÃO DEVERÃO ESTAR RELAXADO POSSÍVEIS. O COTOVELO TEM QUE ESTAR MAIS ALTO QUE A MÃO DURANTE TODO O PERCURSO E MÃO PASSARÁ PRÓXIMA DA ÁGUA. 5

6 CRAWL DIREÇÃO DO MOVIMENTO DURANTE A FASE AQUÁTICA DO BRAÇOS (ENTRADA, APOIO, TRAÇÃO E FINALIZAÇÃO), A MÃO PERCORRERÁ UM TRAJETO CHAMADO DE MOVIMENTO DE S. SEGUNDO PESQUISAS NA ÁREA DA HIDRODINÂMICA ESTE É O MOVIMENTO QUE PROPORCIONA MAIOR APOIO DO BRAÇO, ANTEBRAÇO E MÃO. CRAWL PERNADA OS MOVIMENTOS DE PERNAS SÃO REALIZADOS ALTERNADAMENTE, COM TRAJETÓRIAS ACENDENTES E DESCENDENTES E LATERAIS (DE ACORDO COM O ROLAMENTO DO TRONCO) CRAWL PERNADA: Mov. Descendentes INICIADA QUANDO O CALCANHAR ESTA ALINHADO COM A SUPERFÍCIE DA ÁGUA. MOVIMENTANDO ESTE EM QUE ACONTECERÁ UM PEQUENA FLEXÃO DA ARTICULAÇÃO COXO- FEMURAL (QUADRIL) E DO JOELHO, FAZENDO COM HAJA UM PEQUENO ABAIXAMENTO DO JOELHO PARA UMA POSTERIOR EXTENSÃO RIGOROSA DA PERNA. OSPÉSDEVERÃOESTAR EMFLEXÃOPLANTAR EEMINVERSÃO ESTE MOVIMENTO DEVERÁ TER UMA PROFUNDIDADE DE APROXIMADAMENTE 30 A 35 CM ABAIXO DA SUPERFÍCIE DA ÁGUA. 6

7 CRAWL PERNADA: Mov. Ascendentes OPÉESTARÁ AINDA EMFLEXÃOPLANTAR PERNA RETORNARÁ A POSIÇÃO INICIAL ESTENDIDA, PORÉM RELAXADA. 7

8 CRAWL Coordenação braços/pernas EXISTEM ALGUNS TIPOS DE CLASSIFICAÇÃO, EM RELAÇÃO A ESTA COORDENAÇÃO: CRAWL DOIS TEMPOS: PARA CADA CICLO DE BRAÇADAS, CORRESPONDEM A DOIS MOVIMENTOS DE PERNAS (SEMELHANTE AO ANDAR). CRAWL QUATRO TEMPOS CRAWL SEIS TEMPOS (MAIS UTILIZADOS EM PROVAS DE FUNDO) CRAWL Processo Pedagógico NÃO SE TEM UM PROCESSO, PORÉM O PROFESSOR TEM QUE FICAR ATENTO AS SEGUINTES CARACTERÍSITCA DA AÇÃO TÉCNICA DO ALUNO: 1. POSIÇÃO DO CORPO 2. AÇÃO DAS PERNAS 3. AÇÃO DOS BRAÇOS 4. COORDENAÇÃO NADO COSTAS 8

9 COSTAS POSIÇÃO DO CORPO / CABEÇA O corpo permanece o mais horizontalmente possível, em decúbito dorsal, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. A cabeça deverá permanecer apoiada na água, com o nível da água passando por sua parte posterior ou mediana das orelhas. COSTAS RESPIRAÇÃO A inspiração do nado costas deverá ser feita pela boca, no momento em que um dos braços estiver iniciando a recuperação e o outro, o apoio. A expiração deverá ser feita de preferência pelo nariz, evitando assim o desconforto de possível entrada de água neste. E geralmente a expiração é realizada quando um dos braços estiver na direção do rosto. COSTAS BRAÇADA / ENTRADA Deve ser feita entre a direção da cabeça e o ombro. O braço deve estar estendido, com a palma da mão voltada para fora, de modo que a ponta do dedo mínimo seja a primeira parte a entrar na água. 9

10 COSTAS BRAÇADA / APOIO E TRAÇÃO Consiste de uma puxada para baixo e ligeiramente para o lado, em direçãoaofundodapiscina,ecomobraçoestendido. É um momento onde começará a existir uma maior eficiência da braçada, em que podemos observar uma flexão do antebraço em relação ao braço (em torno de 90 graus.), fase em que a mão e o cotovelo deverão estar alinhados, com o braço perpendicular ao corpo,eocotoveloapontando paraofundodapiscina. COSTAS BRAÇADA/ RECUPERAÇÃO Deverá ser feita através da retirada do braço estendido da água, sendoqueodedopolegar será oprimeiroadeixar aágua. Os braços deverão estar estendidos, mas, no entanto relaxados. Aproximadamente acima do rosto realizamos a rotação do braço para que este esteja pronto para iniciar um novo ciclo. COSTAS PERNADA Movimento descendente: A fase descendente é iniciada quando o dorso de um dos pés está alinhado com a superfície da água, com a perna estendida, posição em que permanecerá até o final da fase descendente. Ao final da fase descendente acontecerá uma pequena flexão da articulação coxo-femural e do joelho, fazendo com que haja uma pequena elevação do joelho. Os pés deverão estar em flexão plantar e em inversão. Movimento ascendente: Na fase ascendente a perna realizará uma extensão rigorosa da perna, os pés deverão estar em flexão dorsal e em inversão, procurando aproveitar bemapressãorealizadapelodorsodepéeperna. 10

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS *

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * Autor: Antônio Hernández Tradução: Leonardo de A. Delgado POSIÇÃO DO CORPO A cabeça se manterá de maneira que a superfície da água esteja ao nível da nuca

Leia mais

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS 2006 Índice 1 DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES... 3 2 POSIÇÃO DO CORPO... 3 3 POSIÇÃO DA CABEÇA... 3 4 AÇÃO DOS BRAÇOS... 4 4.1 Fase Área... 4 4.1.1 Recuperação...

Leia mais

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros TÉCNICA DE MARIPOSA Características técnicas Erros Equilíbrio dinâmico (I) corpo tão horizontal quanto possível durante as fases propulsivas da braçada; (ii) bacia para cima e frente durante a AD do 1º

Leia mais

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO Educação e produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Alessandro de Oliveira 1 Luciano Acordi da Silva

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO Prevalência do Erro Técnico em Nadadores Pré Juniores de Nível Nacional Orientador: Mestre Luís Rama

Leia mais

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: FOAM ROLLER GESTANTES FAIXA ELÁSTICA FITBALL TONNING BALLS BOSU DUPLA FUNCIONAL DUPLA ACROBATICA

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos Perímetros Ergonomia 2007 Antropometria: Técnicas e aplicações Essa medida antropométrica é o perímetro máximo de um segmento corporal medido em ângulo reto em relação ao seu maior eixo. Estudo da composição

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA Diagnóstico Cinético-Funcional e Imaginologia: Membros Superiores, Cabeça e Tórax Unidade II OMBRO 1 2 3 4 5 Luxação anterior 6 Fratura de cabeça

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

Série Natação em Academias. Apoio SEEAATESP. Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo

Série Natação em Academias. Apoio SEEAATESP. Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo Copyright 1997. Ícone Editora Ltda Série Natação em Academias Apoio SEEAATESP Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo Coordenador Prof. Gilberto

Leia mais

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL *

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * Autor: J. Antonio Hernández 1 POSIÇÃO DO CORPO Em todos os estilos de natação as posições do corpo têm de ser a mais hidrodinâmicas possíveis.

Leia mais

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas:

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: NATAÇÃO a disciplina de natação pura desportiva (modalidade individual); a disciplina de pólo-aquático (jogo desportivo colectivo); a disciplina

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do ombro. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo Hidrodinâmica Hidrodinâmica Estudo dos corpos em movimento na água ou em fluídos em movimento. Na natação a hidrodinâmica oferece conhecimentos para a aplicação dos elementos de propulsão e resistência,

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Escrito por Isabel Amaral Domingo, 12 Outubro :49 - Actualizado em Sábado, 29 Novembro :46

Escrito por Isabel Amaral Domingo, 12 Outubro :49 - Actualizado em Sábado, 29 Novembro :46 Após um AVC, a sensibilidade e o controlo dos movimentos do doente encontram-se muitas vezes diminuídos. Por isso, é muito importante ter cuidado com a posição em que se põem, pois podem não ser capazes

Leia mais

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Preparativos Para a massagem você vai precisar de: - um produto emoliente (como óleo), de uso exclusivo infantil e dermatologicamente testado pode ser óleo

Leia mais

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo:

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo: MOVE NATAÇÃO Treino 1 iniciante Treino 1 intermediário Treino 1 avançado Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração 75 metros crawl 25 metros perna de crawl 4x Condicionamento cardiorrespiratório

Leia mais

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO Formas Elementares de : O movimento humano énormalmente descrito como sendo um movimento genérico, i.e., uma combinação complexa de movimentos de translação e de movimentos de rotação. Translação (Rectilínea)

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais 12/10/2014 Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais Os Estilos Nado Livre (Crawl) Modalidade Olímpica Praticado bem antes do aparecimento da civilização O estilo mais utilizado e mais rápido

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Calendarização... 3 3. Escalões Etários... 3 4. Competições... 3 4.1. Quadro de provas... 3 4.2. Inscrição... 5 4.3. Classificação... 5 4.4.

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia /NATAÇÃO De acordo com o nível das crianças, elas serão enquadradas em diferentes grupos com diferentes monitores. Promovendo a aprendizagem coerente procuraremos que cada professor seja responsável por

Leia mais

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento motor A maturação motora da criança se dá nos sentidos: Caudal Céfalo Proximal Distal Desenvolvimento fetal Desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES

MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES Apresentação A goniometria é a medição dos ângulos articulares presentes nas articulações humanas. Este manual tem como objetivo, esclarecer e orientar

Leia mais

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS 1 Execução de uma Perna de Ballet Partir da Posição Básica Dorsal. Um membro inferior mantém-se à superfície durante toda a execução. O pé do outro membro inferior desliza

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: Execução: Tempo: Músculos envolvidos

Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: Execução: Tempo: Músculos envolvidos Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: PI - Em pé, MMII unidos, joelhos semiflexionados, MMSS ao longo do tronco. Execução: Flexionar o quadril e o tronco, entrelaçar os dedos na parte posterior

Leia mais

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão com MELHOR SALTO trampolim. Aterrissagem

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012.

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012. CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012. ANEXO V CRITÉRIOS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA RETIFICADO EM

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL

APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL 2008 2 SUMÁRIO LISTA SIGLAS... 4 1 INTRODUÇÃO... 5 1.1 Origem e Evolução... 6 1.2 Regulamentação... 7 2 PRINCÍPIOS BIOMECÂNICOS DO NADO CRAWL... 9 2.1 Principio da Redução

Leia mais

DESVIOS POSTURAIS. 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço

DESVIOS POSTURAIS. 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO: - Fortalecimento da musculatura anterior do pescoço

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

Introdução ao Estudo da Anatomia Humana. Prof. Dr.Thiago Cabral

Introdução ao Estudo da Anatomia Humana. Prof. Dr.Thiago Cabral Introdução ao Estudo da Anatomia Humana Conceito de Anatomia É a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição dos seres organizados. Especializações da anatomia Citologia (Biologia celular)

Leia mais

Grupo I Voleibol (25 pontos)

Grupo I Voleibol (25 pontos) Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2014 1ª FASE PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Duração da prova: 45 minutos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta.

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Fábio Rodrigues de Souza Frederico Engel de Oliveira Minkos Guilherme Estevam Dantas João Marcello Paes Zanco Paulo Sérgio Santos de Souza 1 Bárbara Pereira de Souza

Leia mais

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 TESTES DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO I, FUNÇÃO DE ELETRICISTA APRENDIZ INFORMAÇÕES GERAIS : 1. TESTES DE APTIDÃO

Leia mais

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar e Quadril E - Abraçar um joelho - Alongamento Deitado, segure embaixo de um joelho e puxe-o em direção ao peito até sentir o alongamento. Com 5 segundo(s) de descanso. Lombar e Quadril D - Abraçar

Leia mais

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas O que significa adaptação ao meio liquídio (aquático): Fase preparatória para aprendizagem seguinte, deve proporcionar relação

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Campo Mourão 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

Semiologia Reumatológica em Crianças

Semiologia Reumatológica em Crianças Semiologia Reumatológica em Crianças PGALS - Exame de triagem básica para problemas musculoesqueléticos em crianças na idade escolar, modificado Traduzido e adaptado de "pgals A SCREENING EXAMINATION OF

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força de reação exercida pelo piso sobre os pés. Um corpo em

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 / 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Forma Perfeita Em Poucas Semanas

Forma Perfeita Em Poucas Semanas Forma Perfeita Em Poucas Semanas Quer desenvolver bíceps, tríceps e antebraços fortes como uma rocha? Para isso é só encarar nosso programa de treino de 1 mês. Serão 4 semanas intensas, mas o resultado

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Lombar - Abdômen - Alongamento Em decúbito ventral coloque as mãos ao lado e empurre seu corpo para cima até sentir o alongamento. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Deitado

Leia mais

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS MANUAL PoCKet 1 The Hundred básico intermediário avançado Subir e descer os braços em um movimento rápido e coordenado com a respiração; e Contar mentalmente 5 inspirações e 5 expirações fracionadas até

Leia mais

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP)

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP) Coluna Cervical (AP) COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Rev Bras Neurol. 52(3):12-19, 2016 PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON PROPOSAL FOR A PROGRAMME OF PRACTICE

Leia mais

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13 Escola Secundária D.Pedro V Ginástica de Solo Ana Abel 06/04/13 Introdução Este trabalho sobre ginástica é um elemento de avaliação das disciplinas de Educação Física e Prática de Actividades Físicas e

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO

CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO 154 CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO Manual elaborado por: Fernando Jorge Ferreira da Costa Pedro Miguel da Costa Vidrago Janeiro, 2014 155

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROVA 26 / 2017 (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Formação de Árbitros Natação

Formação de Árbitros Natação Formação de Árbitros Natação O árbitro é o indivíduo responsável por fazer cumprir as regras, o regulamento e o espírito do jogo ao qual estão submetidos e intervir sempre que necessário, no caso quando

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão Mobilização da Coluna (fase 1) - ADM Ativa Deitado, pés no chão. Junte as palmas das mãos a frente com o braço esticado e mova para um lado, mantenha e mova para o outro. Alongamento da Coluna - Pernas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA CERVICAL FUNÇÕES: Suporte e estabilidade à cabeça Dar mobilidade à cabeça Abrigar, conduzir e proteger a medula espinhal e a artéria vertebral INSPEÇÃO Postura Global

Leia mais

AVALIAÇÃO DA IDADE GESTACIONAL PELO MÉTODO NOVO DE BALLARD NEW BALLARD SCORE (NBS) Paulo R. Margotto Chefe da Unidade de Neonatologia/HRAS

AVALIAÇÃO DA IDADE GESTACIONAL PELO MÉTODO NOVO DE BALLARD NEW BALLARD SCORE (NBS) Paulo R. Margotto Chefe da Unidade de Neonatologia/HRAS AVALIAÇÃO DA IDADE GESTACIONAL PELO MÉTODO NOVO DE BALLARD NEW BALLARD SCORE (NBS) Paulo R. Margotto Chefe da Unidade de Neonatologia/HRAS O NBS é um método de avaliação da idade gestacional (IG) de recém-nascido

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Paraná 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

Escola Secundária Braamcamp Freire - Pontinha 2012/2013

Escola Secundária Braamcamp Freire - Pontinha 2012/2013 Plano de Aula Professor: Sandra Cintrão Gonçalves Turma: 7º 2ª Espaço: SG Data: 15/11/2012 Dia: quinta-feira Hora: 8h15 Duração: 90min Nº Aula: 24,25 Unidade Ensino: Etapa: 1 Matérias Abordadas: Ginástica

Leia mais

Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Enfº. Mário Lopes Dr. Salvador Massada

Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Enfº. Mário Lopes Dr. Salvador Massada Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Médico Interno Complementar de Cirurgia Pediátrica-HSJ Enfº. Mário Lopes Enfermeiro Graduado do Serviço de Urgência Geral-HSJ Dr. Salvador Massada

Leia mais

Introdução ao estudo da anatomia

Introdução ao estudo da anatomia 1 Introdução ao estudo da anatomia Paulo Henrique Ferreira Caria Anatomia é uma palavra de origem grega cujos radicais, ana e tomia, significam, respectivamente, através de e cortar, fazendo referência

Leia mais

Trabalhe por si. Promoção da Saúde no Trabalho Pela sua Segurança e Conforto

Trabalhe por si. Promoção da Saúde no Trabalho Pela sua Segurança e Conforto Trabalhe por si Promoção da Saúde no Trabalho Pela sua Segurança e Conforto As doenças relacionadas com o trabalho estão associadas com situações de repetitividade, aplicação de força e adoção de posições

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 2º PERÍODO Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas Cooperar com os companheiros para o alcance do objectivo

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº 02, DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE PRAÇAS BOMBEIROS MILITARES COMBATENTES 2015.

CONCURSO PÚBLICO Nº 02, DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE PRAÇAS BOMBEIROS MILITARES COMBATENTES 2015. DOE Nº 33.276 DE 22.12.2016. GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

Exame físico: Considerações iniciais

Exame físico: Considerações iniciais Semiologia e Semiotécnia em Enfermagem I Aula 2 Introdução ao Exame Físico Prof. Ricardo Mattos Bibliografia de referência: ANDRIS, DA, Cap. 2 POSSO, MBS, Cap. 1 UNIG, 2009.1 Exame físico: Considerações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA

DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA Roseli Fernandes* Shana Machado* Judite Filgueiras** Deficiência física é toda e qualquer alteração no corpo humano,

Leia mais

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS Prescrições sobre os extensores Ao realizar um exercício não exceda a elasticidade prescrita na descrição do produto, o elástico atinge o dobro de seu tamanho

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012 ANEXO II TAF TESTE DE APTIDÃO FÍSICA E EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS MASCULINO E FEMININO 1 - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O TAF Teste de aptidão Física é um instrumento usado para medir e avaliar as condições

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA Os Teste de Capacidade Física e de Habilidade Específica têm o objetivo de selecionar os candidatos cuja

Leia mais

O SALTO EM ALTURA A TÉCNICA DO SALTO EM ALTURA

O SALTO EM ALTURA A TÉCNICA DO SALTO EM ALTURA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ O SALTO EM ALTURA A TÉCNICA DO SALTO EM ALTURA A procura de uma técnica de salto em altura ideal é uma questão de estilo biomecanicamente adequado da transposição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ALCINDO VALDAIR SCHÜLLER EXERCÍCIOS COM MEDICINEBOL PARA ATLETAS DE NATAÇÃO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ALCINDO VALDAIR SCHÜLLER EXERCÍCIOS COM MEDICINEBOL PARA ATLETAS DE NATAÇÃO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ALCINDO VALDAIR SCHÜLLER EXERCÍCIOS COM MEDICINEBOL PARA ATLETAS DE NATAÇÃO Palhoça 2010 ALCINDO VALDAIR SCHÜLLER EXERCÍCIOS COM MEDICINEBOL PARA ATLETAS DE NATAÇÃO

Leia mais

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização A pista O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos

Leia mais

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1 GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS 1. TESTES DE INICIAÇÃO GERAL Os elementos impostos, que deverão ser acompanhados por um tema musical, poderão ser executados numa ordem aleatória. A música poderá

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais

ANDEBOL. Nível Introdutório

ANDEBOL. Nível Introdutório Nível ANDEBOL Nível Não Com posse de bola: Desmarca-se, oferecendo linha de passe. Opta por passe, ou por drible em progressão para finalizar. Finaliza em remate em salto. Perde a posse de bola, assume

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

Treino das Capacidades Motoras Condicionais e Coordenativas

Treino das Capacidades Motoras Condicionais e Coordenativas Treino das Capacidades Motoras Condicionais e Coordenativas Orientador: Dr.ª Mariana Cunha Professora Cooperante: Dr.ª Júlia Gomes Professor Estagiário: Fernando Santos 1. Índice 2. Introdução... 3 3.

Leia mais

escápula e clavícula. Peitoral maior Clavícula, úmero, Adução do úmero

escápula e clavícula. Peitoral maior Clavícula, úmero, Adução do úmero Músculo Ligações Movimentos Esternocleidomastóideo Esterno, clavícula, Flexão, flexão lateral e rotação da processo mastóide cabeça Trapézio Osso occipital, apófises Extensão e flexão lateral da espinhosas

Leia mais

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão)

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) Nome do paciente: Data do teste - hora: Nome do avaliador: Duração do teste: min Dominância: direita/esquerda

Leia mais

Anexo 2. Variável Antropométrica

Anexo 2. Variável Antropométrica Anexo 2 Com o intuito de minimizar os erros de medida e conferir consistência durante o processo de medição, procedeu-se a uma ordem de medições que se repetiu para todos os sujeitos de igual forma. Os

Leia mais