Modalidade Individual: Ginástica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modalidade Individual: Ginástica"

Transcrição

1 Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano Letivo 2011/2012

2 Índice 1. História da modalidade Elementos gímnicos de solo (descrição/aspetos técnicos) Rolamentos Roda e rodada Apoio facial invertido Posições Posições de equilíbrio Posições de Flexibilidade Elementos de ligação e combinações Saltos Voltas Afundos Sequência no solo

3 1. História da modalidade Desde sempre a Humanidade se dedicou à prática da Ginástica, quer como preparação para a guerra, preparação para a caça, ou mesmo como diversão. Os Egípcios já dispunham de profissionais que executavam exercícios gímnicos e acrobáticos para animarem as festas dos grandes senhores. Também como preocupação higiénica, respiratória, corretiva e educativa vários povos, particularmente os Gregos, praticavam Ginástica, quer aconselhados pelos médicos quer pelos educadores. Os Romanos utilizavam a Ginástica como treino militar e, no Renascimento, dá-se a redescoberta dos valores gregos, voltando a Ginástica a despertar interesse. A Ginástica integra o programa olímpico moderno desde 1896, nos Jogos Olímpicos de Atenas. A Federação Internacional de Ginástica foi fundada em 1881 (inicialmente com a designação de Federação Europeia de Ginástica e, a partir de 1921, com o nome atual); a Federação Portuguesa de Ginástica, fundou-se a 20 de Novembro de A Ginástica de Solo procura dotar os jovens de capacidades motoras que lhes permitam um desenvolvimento harmonioso do seu esquema corporal. Os seus objetivos são a realização de um conjunto de exercícios executados no solo e/ou sobre colchões e tapetes de ginástica, que visam reforçar, entre outras, as competências da coordenação, equilíbrio, destreza, autonomia e organização. 2

4 2. Elementos gímnicos de solo (descrição/aspetos técnicos) 2.1. Rolamentos Rolamento à frente engrupado Posição inicial: pés juntos, joelhos fletidos e unidos, tronco ligeiramente inclinado à frente, ventre encolhido, queixo junto ao peito, braços estendidos e no prolongamento do tronco. Execução técnica: através de um impulso das pernas e sem baixar os braços, o aluno apoia as mãos no solo à largura dos ombros e com os dedos orientados para a frente. Os pés abandonam o solo após a uma ligeira impulsão ao mesmo tempo que se eleva a bacia. Assim que as mãos tocam no solo, o aluno flete os cotovelos sem os afastar, apoia a nuca no solo e através de repulsão dos membros superiores rola, mantendo a cabeça em flexão e o corpo engrupado. Por último, o aluno deve projetar os ombros e os braços estendidos para a frente de forma a voltar à posição inicial. - Colocação de uma mão na coxa e outra nas costas ou na nuca; - Segurar as mãos na fase de elevação. - Colocar as mãos à largura dos ombros, viradas para a frente com queixo ao peito; - Realizar uma forte impulsão com os MI; - Elevar a bacia; - Manter o corpo fechado no enrolamento; - Realizar a repulsão das mãos na parte final. Rolamento à frente com membros inferiores afastados 3

5 Execução técnica: O aluno coloca as mãos no solo à largura dos ombros e viradas para a frente. Posteriormente, impulsiona os membros inferiores, apoia as mãos longe do apoio dos pés e estende e afasta os membros inferiores só no final do enrolamento. Para permitir a repulsão de M.S efetuada por dentro dos M.I afastados, o aluno deverá fletir o tronco à frente. - Se o aluno estiver numa fase atrasada da aprendizagem, deverá ser ajudado por trás, na zona lombar ou nadegueiros; - Se o aluno estiver numa fase já um pouco adiantada, poderá ser ajudado de frente sendo puxado pelos M.S. junto aos ombros. - Apoiar as mãos longe do apoio dos pés; - Manter os MI estendidos; - Afastar os MI só no final do enrolamento; - Realizar uma boa flexão do tronco, com repulsão dos MS por dentro dos MI afastados. Rolamento à retaguarda engrupado Posição inicial: pés juntos, joelhos fletidos e unidos, tronco ligeiramente inclinado atrás, ventre encolhido, queixo junto ao peito, braços junto ao corpo com as palmas das mãos viradas para cima e as costas das mãos apoiadas perto dos ombros. Execução técnica: através de um ligeiro desequilíbrio, o aluno apoia a parte posterior das costas até chegar à nuca. Os pés abandonam o solo após a uma ligeira impulsão ao mesmo tempo que se eleva a bacia. Assim que as mãos tocam no solo, o aluno flete os cotovelos sem os afastar, apoia a nuca no solo e através da repulsão dos membros superiores rola, mantendo a cabeça em flexão e o corpo engrupado. Por último, o aluno deve projetar os ombros e os braços estendidos para a frente de forma a voltar à posição inicial. - Coloca-se uma mão junto à nuca e a outra nas suas costas. O ajudante deve estar de joelhos face ao executante. 4

6 - Manter os MI fletidos sobre o tronco (joelhos ao peito) e o queixo ao peito; - Colocar as mãos à largura dos ombros, viradas para a frente; - Manter o corpo fechado no enrolamento; - Realizar a repulsão das mãos na parte final. Rolamento à retaguarda com membros inferiores afastados Execução técnica: O aluno flete o tronco sobre os M.I. e o queixo sobre o tronco, coloca as mãos apoiadas no solo à largura dos ombros e viradas para a frente. Durante o enrolamento, mantem o corpo bem fechado sobre si próprio. De forma a passar a cabeça sem bater, o aluno realiza uma repulsão efetiva das mãos no solo. anca. - Colocação das mãos nas costas (zona lombar) do aluno e a posteriormente na - Fletir o tronco sobre MI; - Manter o queixo ao peito; - Apoiar as mãos no solo à largura dos ombros; - Manter o corpo bem fechado Roda e rodada Roda Nota: Todos os rolamentos exigem que o ajudante, coloque uma mão na nuca do executante para o ajudar a encostar o queixo ao peito de forma a evitar lesões. Execução técnica: O aluno dá início ao movimento com um pé à frente do outro. Posteriormente, avança um dos M.I. e realiza afundo lateral. Após um balanço enérgico do M.I de trás que se encontra em extensão, apoia alternadamente as mãos na linha do 5

7 movimento. Em seguida impulsiona a perna de chamada (perna da frente), mantém os M.S. e tronco alinhados na vertical dos apoios e na trajetória aérea, os M.I. realizam o máximo afastamento possível e em extensão completa. Ao contactarem o solo, os pés apoiam alternadamente na linha do movimento. - A mão mais próxima do ajudante coloca-se na anca mais próxima do executante e a outra é depois colocada na outra anca, quando executante atinge a vertical dos apoios. Deve-se sempre acompanhar o executante até ao final do movimento. - Lançar energicamente a perna livre; - Apoiar as mãos alternadamente no solo longe do pé de chamada, na mesma linha dos membros inferiores; - Passar a bacia pela vertical com os membros inferiores estendidos e bem afastados. - Realizar um grande afastamento dos MI na fase de passagem; - Manter a tonicidade do corpo e fixação da bacia (retroversão). Rodada Partindo da posição de afundo, o aluno apoia alternadamente as mãos, com os dedos bem afastados, com a primeira mão numa posição natural e a segunda colocada em rotação interna (voltada para a outra). Com os MS afastados, o aluno deverá unir os MI após a passagem pela vertical; Posteriormente deverá fazer a repulsão dos MS, projetando o tronco para cima e executar a rotação da bacia e tronco, ficando virado para o sentido contrário do deslocamento. - Lançar energicamente a perna livre; - Apoiar as mãos alternadamente no solo longe do pé de chamada, na mesma linha dos membros inferiores; - Passar a bacia pela vertical com os membros inferiores estendidos e bem afastados. - Realizar um grande afastamento dos MI na fase de passagem; - Manter a tonicidade do corpo e fixação da bacia (retroversão). 6

8 2.3. Apoio facial invertido Apoio facial invertido Posição inicial: um pé ligeiramente à frente do outro, membros inferiores em extensão, tronco direito e membros superiores em extensão no prolongamento do tronco. Execução técnica: o aluno faz um grande afundo à frente, coloca o tronco no prolongamento da perna de trás, os braços estendidos e as palmas das mãos voltados para o solo. Com o olhar dirigido para as mãos coloca-as no solo longe e à frente do corpo, sem fechar o ângulo braço/tronco, realizando simultaneamente um longo impulso contínuo com a perna da frente. As mãos são colocadas à largura dos ombros com os dedos bem afastados e voltados para fora. Posteriormente realiza a hiper-extensão dos membros superiores, alinha os segmentos corporais com extensão máxima do corpo e imprime uma tonicidade geral ao corpo com a bacia em retroversão. - O ajudante coloca ambas as mãos nas coxas do executante, perto da bacia. - O ajudante agarra a perna de impulsão e controla o colega; - O ajudante coloca a sua perna a ajudar do mesmo lado da perna de impulsão. - Colocar as mãos à largura dos ombros, viradas para a frente; - Manter a cabeça levantada dirigindo o olhar em frente; - Manter os membros superiores (MS) em extensão completa; - Permanecer com o corpo alinhado e em tonicidade. Apoio facial invertido de cabeça 7

9 Partindo da posição de afundo (MI de impulsão fletida à frente e MI de balanço em extensão à retaguarda), o aluno apoia as mãos à largura dos ombros com os dedos bem afastados e voltados para a frente. Posteriormente, lança o MI de balanço para a vertical, seguido do MI de impulsão. Por último, coloca a cabeça entre os MS em completa extensão, mantem o olhar dirigido para mãos e alinhar o corpo na vertical em extensão completa dos MS e inferiores. Para poder executar o rolamento à frente, o aluno realiza um desequilíbrio à frente dos MI, junta o queixo ao peito, flete os MS e apoia a nuca no solo. - Apoiar a testa (cujo ponto de apoio no solo faz um triângulo com os apoios das mãos); - Começar por subir a bacia (noção de puxar as pontas dos pés para o nariz) e só quando esta estiver por cima dos apoios, deixar subir os MI para a vertical. - Empurrar o solo com os MS de forma a levantar a cabeça antes do enrolamento; - Manter a tonicidade geral, MI e pés bem estendidos Posições Posições de equilíbrio Avião O aluno eleva um MI à retaguarda e mantem o apoio sobre o outro MI. - Estender e afastar os MI; - Fletir tronco à frente, paralelo ao solo e em extensão; - Olhar em frente; - Afastar os MS e estendê-los no prolongamento da linha dos ombros. - O ajudante coloca a mão na perna livre do executante e exercer força para cima, para ajudar a sua elevação até a posição correta. Bandeira O aluno eleva um MI lateralmente e mantendo o apoio sobre o outro MI. - A mão segura no calcanhar do MI elevado (por dentro); - Manter os MI em extensão e afastados e o tronco na vertical. 8

10 Posições de flexibilidade Ponte Na posição de deitado de decúbito dorsal (de costas), o aluno apoia as mãos no solo à largura dos ombros e estende completamente os MS elevando a bacia. O aluno deverá empurrar com os pés o solo, tentando estender completamente as pernas, e comisso forçar a colocação dos ombros numa linha perpendicular ao apoio das mãos no solo (ou atrás). - Manter as mãos apoiadas à largura dos ombros - Estender completamente os MS, elevando a bacia; - Manter os MI unidos e em extensão; - Olhar para as mãos. - O ajudante coloca as mãos nos ombros do executante exercendo uma força para cima. O executante segura os tornozelos do companheiro, para ajudar a extensão dos membros superiores e inferiores. - O ajudante coloca as mãos nos ombros e na cintura do executante, para ajudar a colocação dos membros superiores no solo e a extensão dos membros superiores e inferiores. Vela - Manter os MI estendidos e unidos; - Manter o corpo alinhado numa posição vertical. Flexão do tronco à frente - Manter os MI estendidos e unidos com pés em extensão; - Colocar os MS no prolongamento do tronco; - Fletir o tronco sobre os MI. 9

11 Flexão do tronco à retaguarda - Manter a cabeça no prolongamento do tronco; - Manter os MS em elevação superior; - Manter MI unidos; - Realizar uma boa contração abdominal para regressar à posição inicial. Sapo O aluno senta-se no solo e afasta os MI. - Realizar um grande afastamento dos membros inferiores; - Fletir o tronco à frente, tocando no solo; - Manter os MS estendidos e afastados. Espargata O aluno afasta e estender os MI, mantendo o tronco na vertical. - Aproximar a bacia do solo; - Manter o tronco na vertical e orientado para o MI (lateral) ou orientado para a frente (frontal); - Colocar os MS estendidos lateralmente; - Manter a cabeça levantada e o olhar para frente. - O ajudante coloca as mãos nas coxas do executante exercendo uma força para baixo, sem deixar que este se desequilibre e ultrapasse os seus limites articulares. 10

12 2.5. Elementos de ligação e combinações Saltos Salto em extensão (0,5 valores): Partindo da posição de sentido, o aluno realiza a elevação superior dos braços e depois lateral, enquanto caminha em frente. Posteriormente realiza um pequeno salto para chegar com os pés juntos ao salto em extensão. A receção é também feita com os pés juntos (tronco direito e braços em elevação lateral). - Impulsionar o corpo verticalmente; - Manter os pés em extensão quando se elevam do solo; - Elevar os MS superiormente; - Realizar uma receção equilibrada. Salto engrupado: Partindo da posição de sentido, o aluno realiza a elevação superior dos braços e depois lateral, enquanto caminha em frente. Posteriormente realiza um pequeno salto para chegar com os pés juntos ao salto engrupado. A receção é também feita com os pés juntos (tronco direito e braços em elevação lateral). Salto de tesoura: Este salto é executado com o tronco na vertical, através da impulsão alternada dos MI acima do nível da bacia e com os MS em extensão ao nível dos ombros ou em elevação superior. 11

13 - Realizar uma elevação anterior dos MI alternadamente, e em extensão; - Realizar um movimento de troca dos MI no momento de maior impulsão; - Impulsionar um MI com lançamento do outro membro até à horizontal; - Realizar a receção com o pé do MI primeiramente projetado. Salto de gato: com o tronco na vertical, o aluno impulsiona alternadamente os membros inferiores fletidos acima do nível da bacia e os membros superiores ao nível dos ombros ou em elevação superior. - Elevar os joelhos alternadamente; - Manter os pés em extensão logo após elevarem-se do solo; - Colocar os MS em elevação lateral. Saltos de "carpa" - Impulsionar os MI; - Realizar um grande afastamento frontal dos MI (paralelos ao solo); - Manter o tronco na vertical com os MS superiores colocados à frente ou ao lado; - Realizar uma receção simultânea dos pés. 12

14 Salto "enjambé" - Impulsionar os MI; - Realizar um grande afastamento antero-posterior dos MI; - Manter o tronco na vertical, com os MS colocados lateralmente (na segunda fase de voo); - Realizar uma receção alternada dos pés Voltas Meia Pirueta (com salto): impulsionamo-nos na vertical e com o corpo em extensão com os membros superiores em elevação superior e fazemos uma rotação de 180º graus sobre o eixo longitudinal. - Realizar uma impulsão vertical; - Manter o corpo em extensão, com os MS em elevação superior; - Rodar o corpo sobre o eixo longitudinal (360º); - Fixar um ponto e rodar a cabeça na fase final. Pirueta (com salto): impulsionamo-nos na vertical e com o corpo em extensão com os membros superiores, fixando um ponto rodamos 360º. 13

15 Pivot - Rodar o corpo sobre um apoio no eixo longitudinal (360º); - Colocar a bacia sobre o MI de apoio; - Fixar um ponto e rodar a cabeça na fase final; - Terminar o movimento com o MI que inicia atrás, colocado à frente Afundos Afundo frontal - Realizar um grande afastamento dos MI; - Fletir o MI colocado à frente; - Estender o MI colocado atrás; - Manter o tronco no prolongamento do MI de trás e MS em elevação superior. Afundo lateral - Realizar um grande afastamento dos MI; - Fletir um MI e estender o outro; - Manter o tronco no prolongamento do MI estendido; - MS estendidos ao nível dos ombros. 14

16 3. Sequência no solo A execução dos elementos técnicos em sequência, com fluidez e de forma harmoniosa, é o objetivo central a alcançar na ginástica de solo. A capacidade de compor uma sequência de solo, tendo em conta as suas capacidades ao nível da execução, é também uma competência a desenvolver pelo aluno. 15

17 AVALIAÇÃO DE GINÁSTICA O aluno deverá construir uma sequência de solo, com as diversas figuras. - Elementos obrigatórios (140 pontos) 3 Rolamentos (13 pontos cada) 1 Apoio facial invertido ou pino de cabeça (18 pontos) 1 Roda ou rodada (18 pontos) 2 Posições de flexibilidade (11 pontos cada) 1 Posição de equilíbrio (10 pontos) 6 Elementos de ligação: - 3 Saltos (6 pontos cada) - 3 Voltas ou afundos (5 pontos cada) - Apresentação inicial e final (5 pontos cada) - Criatividade (30 pontos) - Fluidez (10 pontos) - Encadeamento (10 pontos) - Total 200 pontos 16

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física Seguidamente, apresento os elementos gímnicos que seriam abordados nas aulas dos dias 20 e 22 de Outubro. Dada a impossibilidade da vossa presença,

Leia mais

5.1. História da Modalidade

5.1. História da Modalidade V. Unidade Didáctica de Ginástica Desportiva 5.1. História da Modalidade O aparecimento da Ginástica é datado de 2700-1400 a.c. A palavra Ginástica deriva do grego gymnos (nu) e, no início, servia apenas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Prática 3º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 2º PERÍODO Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas Cooperar com os companheiros para o alcance do objectivo

Leia mais

Prof. Mª Alexandra Lopes. Módulo 8-Desportos Individuais. Trave Olímpica. Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015

Prof. Mª Alexandra Lopes. Módulo 8-Desportos Individuais. Trave Olímpica. Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015 Prof. Mª Alexandra Lopes Módulo 8-Desportos Individuais Trave Olímpica Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015 Índice Nome Página Introdução 3 Trave Olímpica- O que é?

Leia mais

Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição

Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição Planificações Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição física de base - Resistência aeróbia e anaeróbia - Força explosiva - Força resistente - Flexibilidade

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1-HISTÓRIA DA GINÁSTICA... 3 2- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais

(Despacho Normativo nº1-g/2016, de 6 de abril)

(Despacho Normativo nº1-g/2016, de 6 de abril) ANO LETIVO 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TEMPLÁRIOS INFORMAÇÃO: PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 3.º Ciclo do Ensino Básico 9.º ano Disciplina de EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 26 (modalidade prática) (Despacho

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 60 Aula U.D. Nº: 3 de 8 Instalações: Pavilhão Data: 12-03-2010 Hora: 9h20m Duração: 35 minutos Unidade Didáctica: Ginástica

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

Unidade didática de Ginástica

Unidade didática de Ginástica Livro do Professor 5 Unidade didática de Ginástica Objetivos gerais da Ginástica Compor e realizar as destrezas elementares de solo, aparelhos e minitrampolim, em esquemas individuais e/ou de grupo, aplicando

Leia mais

Protocolo de Avaliação Inicial. Educação Física

Protocolo de Avaliação Inicial. Educação Física Protocolo de Avaliação Inicial Educação Física ÁREA DAS ACTIVIDADE FÍSICAS 1- JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS 1.1. FUTEBOL. Jogo reduzido 5x5 (4+GR; 2 balizas) ou 4x4 (3+GR; 2 balizas). Critérios de êxito:

Leia mais

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril)

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física 2016 Prova 26 / 2016 1ª e 2ª fase 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física 9º ANO - 1º PERÍODO UNIDADE DIDÁTICA TESTES DE C.F. ATLETISMO GINÁSTICA SOLO Conteúdos -

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 58 e 59 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 8 Instalações: Pavilhão Data: 9-3-2010 Hora: 10h20m Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO

CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO 154 CROSSCORE 180 MANUAL DO UTILIZADOR GUIA PRÁTICO Manual elaborado por: Fernando Jorge Ferreira da Costa Pedro Miguel da Costa Vidrago Janeiro, 2014 155

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano 1. Se tem a bola, passar a um companheiro liberto 2.

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 5º ano Ano letivo: 201.201 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física (Prova Escrita + Prova Prática) 2016 Prova 311 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FISICA ANO: 5º, 6º TURMAS: A, B, C ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O DE AÇÃO No 5º e 6º ano o aluno deverá adquirir competências de nível "introdução"

Leia mais

Forma Perfeita Em Poucas Semanas

Forma Perfeita Em Poucas Semanas Forma Perfeita Em Poucas Semanas Quer desenvolver bíceps, tríceps e antebraços fortes como uma rocha? Para isso é só encarar nosso programa de treino de 1 mês. Serão 4 semanas intensas, mas o resultado

Leia mais

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1 GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS 1. TESTES DE INICIAÇÃO GERAL Os elementos impostos, que deverão ser acompanhados por um tema musical, poderão ser executados numa ordem aleatória. A música poderá

Leia mais

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009 ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE Novembro 2009 Rui Silva ALONGAMENTOS NO BASQUETEBOL Na generalidade, os alongamentos devem ser feitos durante 20-30 segundos. De seguida, apresentam-se uma série de exercícios

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar e Quadril E - Abraçar um joelho - Alongamento Deitado, segure embaixo de um joelho e puxe-o em direção ao peito até sentir o alongamento. Com 5 segundo(s) de descanso. Lombar e Quadril D - Abraçar

Leia mais

Documento de Apoio de Atletismo

Documento de Apoio de Atletismo Documento de Apoio de Atletismo Foi na antiga Grécia, onde as actividades atléticas tinham particular relevância na educação, que o Atletismo surgiu como uma modalidade desportiva, que era objecto de competição,

Leia mais

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA CATEGORIAS: - Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição. - Pré-infantil: 9 e 10 anos, completos no ano da competição. - Infantil: 11 e 12 anos, completos no ano da competição. - Juvenil: 13 a 15,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 11º ANO PLANIFICAÇÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-402011 Objetivos gerais: Realizar atividades de forma autónoma, responsável e criativa Cooperar com outros em tarefas e projetos comuns Relacionar harmoniosamente

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

Educação Física 28 Prova Prática

Educação Física 28 Prova Prática AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 2.º Ciclo do Ensino Básico 2015/2016 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Decreto -Lei nº 17/2016, de 4 de abril Aprovado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA - Prova teórica e prática 2016 Prova 28. 2º Ciclo do Ensino Básico 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova de Educação Física tem por referência o programa

Leia mais

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 1 -CRISTO REDENTOR (abraço universal) 2- SAUDAÇÃO ORIENTAL (respeito e humildade) 3 -MEDITAÇÃO TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 PARTE I - ALONGAMENTO 4 -ROT AÇÃO DO TRONCO 1. Abrir mãos alternadas (acompanhar

Leia mais

MATRIZ A Prova Global do Agrupamento

MATRIZ A Prova Global do Agrupamento Compor e realizar Ginástica. Destrezas elementares de solo e aparelhos (Plinto e mini trampolim), em esquemas individuais, aplicando os critérios de correcção técnica e apreciando os esquemas de acordo

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Participação 5 Artigo 2.º Escalões Etários 5 Artigo 3.º Equipamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 6º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 6.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI)

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI) GINÁSTIA RÍTMIA JOGOS ESOLARES O PARANÁ. ELEMENTOS AAPTAOS (S e I) 1. IIULAE ORPORAL (1) Para todos os aparelhos: na ficha a sucessão das dificuldades deve seguir a mesma que a ginasta executa em sua coreografia.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ATLETISMO 1 CORRIDAS 1.1 CORRIDA DE VELOCIDADE 1.2 CORRIDA DE MEIO-FUNDO E FUNDO

EDUCAÇÃO FÍSICA ATLETISMO 1 CORRIDAS 1.1 CORRIDA DE VELOCIDADE 1.2 CORRIDA DE MEIO-FUNDO E FUNDO EDUCAÇÃO FÍSICA ATLETISMO O Atletismo é uma modalidade desportiva constituída por muitas especialidades, englobadas em (segundo o Programa dos Jogos Olímpicos): Corridas: planas, barreiras, estafetas,

Leia mais

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011 PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES Leiria, 12 de Novembro de 2011 Índice Objectivos do Treino -Gerais - Específicos - Prioritários Meios de Treino - Exemplos Objectivos do Treino GERAIS Gosto pelo

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do ombro. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Data: 5 de março de 2016 Horário: 09h30 às 12h30 Organização: *Centro de Formação Desportiva de Atletismo Gonçalo Sampaio Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºANO DE ESCOLARIDADE

PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºANO DE ESCOLARIDADE Departamento Educação Física e Desporto Escolar PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2013/2014 Departamento Educação Física e Desporto Escolar Planificação Anual do 6.º ano escolarida Capacidas

Leia mais

Osteologia e Artrologia. Constituição e caracterização funcional do sistema ósteo-articular

Osteologia e Artrologia. Constituição e caracterização funcional do sistema ósteo-articular Constituição e caracterização funcional do sistema ósteo-articular Tema A NOÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O ESTUDO DA ANATOMIA 1 Posição descritiva anatómica 2 Planos descritivos e noções associadas POSIÇÃO DESCRITIVA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Educação Física 2.º Ciclo do Ensino Básico As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO Grupo Disciplinar de Educação Física JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente e realiza

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Paraná 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão Mobilização da Coluna (fase 1) - ADM Ativa Deitado, pés no chão. Junte as palmas das mãos a frente com o braço esticado e mova para um lado, mantenha e mova para o outro. Alongamento da Coluna - Pernas

Leia mais

MODELO DE EDUCAÇÃO DESPORTIVA

MODELO DE EDUCAÇÃO DESPORTIVA Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Eduardo Brazão de Castro MODELO DE EDUCAÇÃO DESPORTIVA GINÁSTICA Prof. Arcanjo Gaspar Prof. Estagiário Marcelo Delgado Funchal, 5 de janeiro de 2016 MED O que é? Objetivo

Leia mais

Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de

Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de Ginástica Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de soldados. A ginástica deve a sua história ao militarismo.

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Lombar - Abdômen - Alongamento Em decúbito ventral coloque as mãos ao lado e empurre seu corpo para cima até sentir o alongamento. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Deitado

Leia mais

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 informação-prova de equivalência à frequência data:. 0 5. 2 0 26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 1.O B J E

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º ciclo) 1. Introdução

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º ciclo) 1. Introdução Departamento do Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS de MOURA Escola do Ensino Básico dos 2º e 3º Ciclos de Moura Ano letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º

Leia mais

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO Formas Elementares de : O movimento humano énormalmente descrito como sendo um movimento genérico, i.e., uma combinação complexa de movimentos de translação e de movimentos de rotação. Translação (Rectilínea)

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

MEC - Ginástica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3

MEC - Ginástica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 I FASE DE ANÁLISE... 4 1. MÓDULO 1 ANÁLISE DA MODALIDADE DESPORTIVA EM ESTRUTURA DO CONHECIMENTO... 4 1.1 Cultura Desportiva... 8 1.2 Habilidades motoras... 10 1.2.1 Ginástica de

Leia mais

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CAMPEONATO ESTADUAL 2014 PROVAS FEMININAS:. Salto (altura da mesa) Estreante 1.00m ou 1,10m - Iniciante 1,10m ou 1,20m. - Intermediário 1,20m ou 1,25m. - Avançado - 1,25m.. Barras Paralelas Assimétricas.

Leia mais

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Documento de Apoio a Professores Responsáveis por Grupo/Equipa de Ginástica Artística Janeiro 2008 Livro de Exercícios de Ginástica

Leia mais

Código Nacional Adaptado

Código Nacional Adaptado Código Nacional Adaptado Base & Infantis GINÁSTICA AERÓBICA 2017/20 1 Índice Introdução...3 Secção A - Código Nacional de INFANTIS... 3 1. Estrutura Técnica do Programa...3 1.1. Tempo e música...3 1.2.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL GENERALIDADES PARTICIPANTES: É aberta a participação no TNGAF a qualquer entidade filiada à federação ou de alguma forma ligada a esta.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR BIANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/ /2013 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - EMPREGADO DE BAR (2º ANO)

PLANIFICAÇÃO MODULAR BIANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/ /2013 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - EMPREGADO DE BAR (2º ANO) PLANIFICAÇÃO MODULAR BIANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012-2012/2013 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - EMPREGADO DE BAR (2º ANO) MÓDULO A1 JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividades

Leia mais

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2014-2015 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA 2 ºCICLO PATINAGEM:

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA 2 ºCICLO PATINAGEM: (Currículo Regional do Ensino 5,8,9,10 e 14 - Compreender e valorizar a prática da patinagem como factor de desenvolvimento pessoal e de melhor qualidade de vida; - Conhecer as características da Patinagem

Leia mais

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo I

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo I Regulamento Específico Ginástica Rítmica Módulo I 1 Art. 1º - A competição de ginástica rítmica será regida de acordo com as regras oficiais da Federação Internacional de Ginástica (FIG), reconhecidas

Leia mais

Código Nacional Adaptado

Código Nacional Adaptado Código Nacional Adaptado Base & Infantis GINÁSTICA AERÓBICA 2017/20 0 Índice Secção A - Código Nacional de INFANTIS... 2 1. Estrutura Técnica do Programa... 2 1.1. Tempo e música... 2 1.2. Categorias e

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1 Escola Secundária De São Pedro Da Cova Voleibol 25-01-2011 Ano lectivo 2010/2011 1 índice Serviço Recepção Passe de costas Remates Manchete Situação de jogo Vídeo Objectivo do jogo Terreno de jogo Toques

Leia mais

Aula Teórica. Prof. Cláudio Gomes

Aula Teórica. Prof. Cláudio Gomes Aula Teórica História do Basquetebol Em 1891, o director da secção de Educação Física do Springfield College (USA), pediu o Professor James Naismith para criar um actividade que satisfizesse o interesse

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA Para a realização dos exercícios de ginástica, foram usados alguns materiais e aparelhos, cuja manipulação e utilização, exigiram determinados cuidados específicos: Tapete de

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA - PCA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO DARDO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO DARDO LANÇAMENTO DO DARDO REGRAS DO LANÇAMENTO DO DARDO E ARREMESSO DE BOLA Local da Competição A prova do lançamento do dardo disputa-se na pista de atletismo, numa zona específica que compreende uma pista

Leia mais

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 MARÇO 2013 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 ESCALÕES DE E O Código de Pontuação Adaptado é diferente para

Leia mais

Treinamento Esportivo.com

Treinamento Esportivo.com Treinamento Esportivo.com 2009 w w w. t r e i n a m e n t o e s p o r t i v o. c o m Página 0 APRESENTAÇÃO Este circuito de peso corporal surgiu anos atrás quando comecei a trabalhar com atletas de tênis

Leia mais

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Prova 24 2º Ciclo/ 6º Ano de escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento

Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento 10.00 Horas Abordagem Técnica do Salto em Comprimento Principais Erros e Suas Correcções Progressão Técnica de Salto em Comprimento 11.00 13.00 Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento 13.00 Horas

Leia mais

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 CATEGORIAS FEMININAS: REGULAMENTO Pré-Mirim: até 6 anos Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição Pré-Infantil: 09 e 10 anos, completos

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

Escola Secundária Campos Melo Plano de aula Professor Carlos Carvalho Disciplina Educação Física Unidade Didáctica

Escola Secundária Campos Melo Plano de aula Professor Carlos Carvalho Disciplina Educação Física Unidade Didáctica Anexo V Escola Secundária Campos Melo Plano de aula Professor Carlos Carvalho Disciplina Educação Física Unidade Didáctica Aula Número 8 Voleibol Local Pavilhão Data 1//2009 Hora : 11:40 Duração 90 minutos

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 2º CEB 5º ANO DE ESCOLARIDADE

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 2º CEB 5º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 2º CEB 5º ANO DE ESCOLARIDADE Os conteúdos lecionados no 1º, 2º e 3º períodos são os mesmos mas com etapas diferentes a saber: 1º Período - recuperação

Leia mais

PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR?

PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR? PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR? Quando se desenvolve músculos mais fortes e resistentes você diminui o desgaste do sistema cardiovascular, economizando energia, pois sua musculatura tem um torque de

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 311 2015 Prova Escrita e Prática Curso científico humanístico Ensino Secundário /12º Ano Decreto Lei n.º 139/2012 de 5 de julho O presente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PLANIFICAÇÃO ANUAL - 9ºANO

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PLANIFICAÇÃO ANUAL - 9ºANO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2015-2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL - 9ºANO I - DISTRIBUIÇÃO DE ESPAÇOS E RESPECTIVA CARGA HORÁRIA PARA DESENVOLVIMENTO DOS 10 BLOCOS DE ACTIVIDADES 9.º ANO Sequência

Leia mais

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Exame de Equivalência à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Junho de 2010 2 Índice Informações gerais. 3 Solo 6 Cavalo de Arções.. 26 Argolas. 42

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento motor A maturação motora da criança se dá nos sentidos: Caudal Céfalo Proximal Distal Desenvolvimento fetal Desenvolvimento

Leia mais

(Sinais Árbitro da mão) 1. Chamada para competidores

(Sinais Árbitro da mão) 1. Chamada para competidores (Sinais Árbitro da mão) 1. Chamada para competidores 1) Levante ambos os punhos fechados com o polegar sobre o dedo médio e indicador estendidos até a altura do orelha. 2) Estender os braços para baixo,

Leia mais

Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: Execução: Tempo: Músculos envolvidos

Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: Execução: Tempo: Músculos envolvidos Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: PI - Em pé, MMII unidos, joelhos semiflexionados, MMSS ao longo do tronco. Execução: Flexionar o quadril e o tronco, entrelaçar os dedos na parte posterior

Leia mais