COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP)"

Transcrição

1 Coluna Cervical (AP) COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. D.F.F: 100 cm. Filme: 18x24 longitudinal ou 24x30 transversalmente. Fatores de exposições: (média de 60kvp, 32mAs e 160mA). R.C., com um ângulo de 7º a 10º cranial, orientado para o osso hióide. Estruturas de interesse: Coluna vertebral, segmento cervical inteira. Posição do Paciente: Preferencialmente em ortostático, PMS sobre a LCE, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida de modo que a linha que vai do mento à base do crânio esteja perpendicular ao plano da mesa. Comentários: Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizá-lo são as condições do paciente. Prender o cabelo do paciente quando molhado, oferecendo-lhe uma toca cirúrgica.

2 COLUNA CERVICAL (PERFIL) Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. Usar acessórios de proteção sempre que possível (avental, saiote de chumbo, protetor de tireóide etc.) D.F.F: 130cm / 150cm. Filme: 18x24 longitudinal ou 24x30 transversalmente. Fatores de exposições: (média de 60kvp, 32mAs e 160mA). R.C: na horizontal orientado para o osso hióide. Estruturas de interesse: Coluna vertebral, segmento cervical inteira. Posição do Paciente: Em ortostático, PMS paralelo a LCE, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida. Comentários: Em pacientes traumatizados realizar o exame em decúbito dorsal com raios horizontais. Obs.: Não retirar colar cervical; quando politraumatizado. A coluna cervical deve ser estudada desde a 1º vértebra cervical até as vértebras T1. 1. Solicitar ao paciente que faça tração com os MMSS colocando-os para trás, a fim de visualizar a transição C7/T1. 2. Um peso de aproximadamente 1.5kg, preso a cada punho do paciente pode ser uma boa alternativa.

3 Coluna Cervical (Trans Oral) Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. protetor de tireóide etc.) D.F.F: 100 cm. Filme: 18x24 transversalmente. Fatores de exposições: (média de 68vp, 32mAs e 160mA). R.C., orientado para o centro da boca. Estruturas de interesse: Processo odontóide, corpo vertebral de C1, C2. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático com o PMS sobre a LCM/LCE, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida de modo que a linha que vai dos incisivos superiores até a base do crânio esteja perpendicular ao plano da mesa. Comentários: Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizar são as condições do paciente. Preferencialmente realizar esta incidência em decúbito dorsal devido às diferenças anatômicas e de arcada dentária.

4 COLUNA CERVICAL (OBLÍQUAS) AP/PA. Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. protetor de tireóide etc.) D.F.F: 100 cm / 130cm. Filme: 18x24 longitudinalmente/ 24x30 transversalmente. Fatores de exposições: (média de 68vp, 32mAs e 160mA). R.C., Com um ângulo de 7º cranial para o AP, e caudal para o PA, orientado para o osso hióide. Estruturas de interesse: Forames de conjugação e pedículos. Posição do Paciente: Preferencialmente em ortostático com os braços estendidos ao longo do corpo, PMS fazendo um ângulo de 45º com o plano da estativa, cabeça ligeiramente estendida e em rotação de 25º internamente para o AP e externamente para o PA. Comentários: Na obliqua à direita estudamos os forames esquerdos e na obliqua esquerda estudamos os forames direito. Fazer rotação interna da cabeça de ± 25º internamente para o AP e externamente para o PA, para que possamos estudar os primeiros espaços livres de sobreposição.

5 COLUNA CERVICAL (Perfil dinâmico extensão e flexão) Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. D.F.F: 100cm / 130cm. Filme: 18x24 / 24x30 longitudinal. Fatores de exposições: (média de 60kvp, 32mAs e 160mA). R.C.: na horizontal orientado para o osso hióide. Estruturas de interesse: Coluna vertebral, segmento cervical inteira, para estudo do grau de mobilidade. Posição do Paciente: Em ortostático, PMS paralelo a LCE, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça estendida ao máximo para extensão e fletida ao máximo para flexão. Comentários: Nas radiografias em que precisamos de maior colaboração do paciente no sentido de equilibro / movimentos voluntários ou involuntários, sugerimos técnicas de exposições diferenciadas: Ex. 68kvp, 16mAs e 160mA. Solicitar ao paciente que faça tração com os MMSS para trás, a fim de visualizar a transição C7 e T1.

6 Coluna Cérvico - torácica (AP) Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. Usar acessórios de proteção sempre que possível Avental, saiote de chumbo, protetor de tireóide etc.) D.F.F: 100 cm. Filme: 18x24 longitudinal ou 24x30 transversalmente. Fatores de exposições: (média de 60kvp, 32mAs e 160mA). R.C., na horizontal/vertical, orientado ao nível das articulações esterno claviculares. Estruturas de interesse: Vértebras Cervicais e torácicas C6, C7, T1 e T2. Posição do Paciente: Em D.D. / ortostático, PMS sobre a LCM/LCE, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida. Comentários: 1. Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizá-lo são as condições do paciente. 2. A utilização de localizadores, nos casos de radiografias onde há a necessidade de maiores detalhes se faz necessária. Radiografia realizada com cilindro de extensão fechado.

7 Coluna Cervicotorácica (perfil) Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. protetor de tireóide etc.) D.F.F: 130cm. Filme: 18x24 longitudinal ou 24x30 transversalmente. Fatores de exposições: (média de 70kvp, 32mAs e 160mA). R.C: na horizontal/vertical, orientado ao nível das articulações esternos claviculares. Estruturas de interesse: Vértebras Cervicais e torácicas C6, C7, T1 e T2. Posição do Paciente: Em ortostático / Decúbito lateral, PMS paralelo à LCE/LCM, o membro superior mais próximo da mesa deverá ser elevado apoiando a mão sobre a cabeça, o membro mais distante estendido sobre o corpo. Comentários: Em pacientes traumatizados realizar o exame em decúbito dorsal com raios horizontais. Obs.: Não retirar colar cervical quando politraumatizado. 1. Solicitar ao paciente que faça tração com o membro superior que está mais distante a fim de ter maior nitidez na imagem radiográfica. 2. A tração deve ser feita pelo próprio paciente, flexionando as pernas e segurando a parte posterior da coxa. 3. A utilização de localizadores, nos casos de radiografias onde há a necessidade de maiores detalhes se faz necessária. 4. Radiografia realizada com cilindro de extensão fechado.

8 COLUNA TORÁCICA FRENTE (AP) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer a Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. protetor de tireóide etc.) D.F.F: 100 cm. Filme: 30X40 Longitudinal / longitudinalmente. Fatores de exposições: (média de 66kvp, 40mAs e 160mA). R.C., na horizontal/vertical, orientado para o centro do osso esterno. Estruturas de interesse: Coluna vertebral, segmento torácico, espaços intervertebrais. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal / ortostático, PMS sobre a LCE/LCM, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida. Comentários: Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizá-lo são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Utilizar filtro de alumínio na parte superior da coluna torácica a fim compensar as diferenças de espessuras e concentração de ar. 2. Fletir as pernas, apoiar região plantar sobre a mesa, colabora na qualidade do posicionamento.

9 COLUNA TORÁCICA (PERFIL) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer a Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. protetor de tireóide etc.) D.F.F: 130cm. Filme: 30X40 Longitudinal / longitudinalmente. Fatores de exposições: (média de 55kvp, 200mAs e 80mA). R.C., na horizontal / vertical, orientado para a lateral do tórax, orientado para o centro da coluna vertebral. Estruturas de interesse: Coluna vertebral, segmento torácico, espaços intervertebrais. Posição do Paciente: Em decúbito lateral / ortostático, PMS paralelo à LCE/LCM, quando em decúbito um dos membros superiores sob a cabeça e outro poderá o paciente segurar a extremidade superior da mesa, pernas fletidas. Comentários: Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Utilizar filtro de alumínio na parte superior da coluna torácica a fim compensar as diferenças de espessuras e concentração de ar. 2. A exposição deve ser realizada com o paciente respirando normalmente.

10 COLUNA LOMBAR (AP) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, protetor de tireóide etc). D.F.F: 100 cm. Filme: 30X40 Longitudinal / longitudinalmente. Fatores de exposições: (média de 70kvp, 50mAs e 160mA). R.C., na horizontal / vertical, orientado para um ponto acima das cristas ilíacas, que corresponda ao centro do filme. Estruturas de interesse: Coluna vertebral, segmento lombar e sacrais, processo espinhosos e transversos. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal / ortostático, PMS sobre a LCE/LC, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida. Comentários: Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Fletir as pernas, apoiar região plantar sobre a mesa, colabora na qualidade do posicionamento. 2. Fazer preparo intestinal a critério médico. 3. Uma técnica diferenciada alterando a respiração e o fator de exposições pode ser utilizado quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas;

11 COLUNA LOMBAR (PERFIL) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer a Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas; protetor de tireóide etc). D.F.F: 130cm. Filme: 30X40 Longitudinal / longitudinalmente, posicionado em relação ao RC. Fatores de exposições: (média de 80 a 90kvp, 100mAs e 200mA). R.C., na horizontal / vertical, orientado para o centro da coluna lombar. Estruturas de interesse: Coluna vertebral, segmento lombar e sacrais em perfil e processos espinhosos. Posição do Paciente: Em decúbito lateral / ortostático, PMS paralelo à LCE/LCM, posicionar de modo que a coluna lombar fique sobre a LCM, quando em decúbito o membro superior mais próximo do filme sob a cabeça e outro poderá o paciente segurar a extremidade superior da mesa, pernas fletidas. Comentários: Este exame poderá ser realizado em decúbito ou em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Quando no paciente for observada diferença de espessura entre os ombros e quadril deve-se usar um suporte (material radiotransparente) nesta região a fim compensar tais diferenças. 2. O RC poderá sofrer uma inclinação no sentido crânio-caudal a fim de melhor visualização dos espaços intervertebrais.

12 Coluna lombar (perfil flexão máxima) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer a Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas; D.F.F: 100cm. Filme: 30X40 Longitudinal,posicionado em ralação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 80 a 90kvp, 100mAs e 200mA). R.C., na horizontal / vertical, orientado para o centro da coluna lombar. Estruturas de interesse: Coluna lombar para o estudo do grau de mobilidade. Posição do Paciente: Em decúbito lateral / ortostático, PMS paralelo à LCE/LCM, posicionar de modo que a coluna lombar fique sobre esta linha e em posição fetal, o membro superior mais próximo do filme sob a cabeça e outro poderá o paciente segurar a extremidade superior da mesa, pernas fletidas. Comentários: Este exame poderá ser realizado em decúbito ou em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente.

13 Coluna lombar (perfil extensão máxima) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer a Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas; D.F.F: 100cm. Filme: 30X40 Longitudinal, posicionado em ralação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 80 a 90kvp, 100mAs e 200mA). R.C., na horizontal / vertical, orientado para o centro da coluna lombar. Estruturas de interesse: Coluna lombar para o estudo do grau de mobilidade. Posição do Paciente: Em decúbito lateral / ortostático, PMS paralelo à LCE/LCM, posicionar de modo que a coluna lombar fique sobre esta linha, fazer a extensão ao máximo do paciente forçando ombros e quadris para trás, o membro superior mais próximo do filme sob a cabeça e outro poderá o paciente segurar a extremidade superior da mesa, pernas fletidas. Comentários: Este exame poderá ser realizado em decúbito ou em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente.

14 COLUNA LOMBAR (OBLÍQUA DIREITA E ESQUERDA) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venha comprometer a Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas de peças íntimas, D.F.F: 130cm. Filme: 30x40 longitudinal / longitudinalmente. Fatores de exposições: (média de 70 a 75kvp, 50mAs e 160mA). R.C., na horizontal / vertical, orientado para o centro da coluna lombar. Estruturas de interesse: Articulações interapofisárias direita para oblíqua direita e articulações interapofisárias esquerda para oblíqua esquerda. Posição do Paciente: Em D.D., PMS angulado a 45º com o plano da mesa / estativa, elevar o braço mais próximo da mesa e apoiar sob a cabeça, o mais distante elevado podendo o paciente segurar a extremidade superior da mesa. Os membros inferiores deverão estar formando um (4), com o membro inferior direito fletido e colocado sob o membro inferior esquerdo que deverá estar estendido e voltado para cima. Comentários: 1. Deve-se realizar duas oblíquas uma direita e outra esquerda, obedecendo os mesmos dados de posicionamento. 2. Este exame poderá ser realizado em decúbito dorsal, ventral ou em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas as condições do paciente. A posição em OPD/ OPE é mais fácil de ser realizada.

15 COLUNA LOMBAR (L5 S1 FRENTE AP) Usar mesa convencional ou aparelho telecomandado. Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, protetor de tireóide etc.) D.F.F: 100 cm. Filme: 24X30 transversalmente, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 70kvp, 50mAs e 160mA). R.C., Com um ângulo de 30º no sentido cranial, orientado ao nível das EIAS. Estruturas de interesse: Espaço articular L5- S1, articulações sacras ilíacas. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal, PMS sobre a LCM, braços estendidos ao longo do corpo. Comentários: Este exame poderá ser realizado em decúbito dorsal ou ventral, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Fletir as pernas, apoiar região plantar sobre a mesa, colabora na qualidade do posicionamento. 2. Fazer preparo intestinal a critério médico. 3. Uma técnica diferenciada alterando a respiração e o fator de exposições pode ser utilizado quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas;

16 COLUNA LOMBAR (L5- S1 PERFIL) Usar mesa convencional ou aparelho telecomandado. Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, D.F.F: 100 cm. Filme: 24X30 transversalmente, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 80-90kvp, 100mAs e 200mA). R.C., na vertical, orientado para um ponto abaixo das cristas ilíacas que corresponda à transição lombo sacra. Estruturas de interesse: Espaço articular L5-S1 aberto em perfil. Posição do Paciente: Em decúbito lateral, PMS paralelo à LCM, posicionar de modo que a transição lombo sacra fique sobre a LCM, o membro superior mais próximo do filme sob a cabeça e outro poderá o paciente segurar a extremidade superior da mesa, pernas fletidas. Comentários: Este exame poderá ser realizado em decúbito ou em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Quando no paciente for observada diferença de espessura entre os ombros e quadril deve-se usar um suporte (material radiotransparente) nesta região a fim compensar tais diferenças. 2. O RC poderá sofrer uma inclinação no sentido crânio-caudal a fim de melhor visualização dos espaços intervertebrais. 3. Incidência realizada com cilindro de extensão. 4. O R.C. poderá sofrer uma inclinação variando de oito à 15º no sentido crânio -- caudal. 5. Uma radiografia na posição ortostático poderá ser realizada a critério médico para patologias específicas.

17 COLUNA SACRA (FRENTE AP) Usar mesa convencional ou aparelho telecomandado. Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, D.F.F: 100 cm. Filme: 24X30 na posição longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 70kvp, 50mAs e 160mA). R.C., Com um ângulo de 20º no sentido cranial, orientado entre as EIAS e a sínfise púbica. Estruturas de interesse: Osso sacro.sição do Paciente: Em decúbito dorsal, PMS sobre a LCM, braços estendidos ao longo do corpo, pernas semi-fletidas. Comentários: Este exame poderá ser realizado em decúbito dorsal ou ventral, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Fletir as pernas, apoiar região plantar sobre a mesa, colabora na qualidade do posicionamento. 2. 2º Fazer preparo intestinal a critério médico. 3. 3º Uma técnica diferenciada alterando a respiração e os fatores de exposições podem ser utilizados quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas;

18 CÓCCIX (AP) Usar mesa convencional ou aparelho telecomandado. Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, D.F.F: 100 cm. Filme: 18x24 longitudinal / 24X30 transversalmente, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 70kvp, 50mAs e 160mA). R.C., Com um ângulo de 10º no sentido caudal, orientado para ao nível das articulações coxo-femorais. Estruturas de interesse: coluna cóccix. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal, PMS sobre a LCM, braços estendidos ao longo do corpo, pernas semi-fletidas. Comentários: Este exame poderá ser realizado em decúbito dorsal ou ventral, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Fletir as pernas, apoiar região plantar sobre a mesa, colabora na qualidade do posicionamento. 2. Fazer preparo intestinal a critério médico. 3. ma técnica diferenciada alterando a respiração e os fatores de exposições podem ser utilizados quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas; 4. Incidência realizada com cilindro de extensão fechado.

19 CÓCCIX (PERFIL) Usar mesa convencional ou aparelho telecomandado. Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, D.F.F: 100 cm. Filme: 18x24 longitudinal / 24X30 transversalmente, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 70kvp, 100mAs e 200mA). R.C., na vertical, orientado para um ponto abaixo das cristas ilíacas que corresponda à projeção do cóccix. Estruturas de interesse: Cóccix. Posição do Paciente: Em decúbito lateral, PMS paralelo à LCM, posicionar de modo que a projeção do cóccix fique sobre a LCM, o membro superior mais próximo do filme sob a cabeça e outro poderá o paciente segurar a extremidade superior da mesa, pernas fletidas. Comentários: Este exame poderá ser realizado em decúbito ou em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 1. Quando no paciente for observada diferença de espessura entre os ombros e quadril deve-se usar um suporte (material radiotransparente) nesta região a fim compensar tais diferenças. 2. Incidência realizada com cilindro de extensão fechado. 3. Uma técnica diferenciada alterando os fatores de exposições pode ser utilizada quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas; 4. Fazer preparo intestinal a critério médico.

20 ROTINA PARA ESCOLIOSE COLUNA TÓRACO-LOMBAR (AP) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, D.F.F: 130 cm. Filme: 30X40 / 35x43 Longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 70 a 80kvp, 50mAs e 160mA). R.C., na horizontal, orientado para um ponto da coluna vertebral que corresponda ao centro do filme. Estruturas de interesse: Panorâmica da coluna vertebral. Posição do Paciente: Em ortostático, PMS sobre a LCE, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida. Comentários: Exame realizado obrigatoriamente em ortostático. Paciente obrigatoriamente descalço. Uma incidência com calçado poderá ser realizada a critério médico. 1. Fazer preparo intestinal a critério médico. 2. Uma técnica diferenciada alterando a respiração e os fatores de exposições podem ser utilizados quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas; 3. Utilizar filtro de alumínio na parte superior do filme (coluna torácica) a fim compensar as diferenças de espessuras e concentração de ar. 4. Na radiografia devemos incluir as asas maiores das cristas ilíacas.

21 COLUNA TÓRACO-LOMBAR (PERFIL) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer a Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. (Usar acessórios de proteção sempre que possível Avental, saiote de chumbo, D.F.F: 130cm. Filme: 30X40 / 35x43 Longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 70 a 80vp, 100mAs e 160mA). R.C., na horizontal, orientado para um ponto da coluna vertebral que corresponda ao centro do filme. Estruturas de interesse: Panorâmica da coluna vertebral. Posição do Paciente: Em ortostático, PMS paralelo à LCE, braços para cima à altura dos ombros, mantendo-os paralelos e formando um ângulo reto com o corpo. Comentários: Exame realizado obrigatoriamente em ortostático. Paciente obrigatoriamente descalço. Uma incidência com calçado poderá ser realizada a critério médico. 1. Fazer preparo intestinal a critério médico. 2. Uma técnica diferenciada alterando a respiração e os fatores de exposições podem ser utilizados quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas; 3. Utilizar filtro de alumínio na parte superior do filme (coluna torácica) a fim compensar as diferenças de espessuras e concentração de ar. 4. Na radiografia devemos incluir as asas maiores das cristas ilíacas. 5. Todas as incidências para escoliose poderão ser realizadas em filme minhocão se disponível no setor. Algumas rotinas determinam incidências complementares com o paciente sentado ou em decúbito ou ainda com calço sob o pé do lado da convexidade.

22 COLUNA TÓRACO-LOMBAR COM INCLINAÇÃO LATERAL DIREITA (AP) Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, D.F.F: 130 cm. Filme: 30X40 / 35x43 Longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 70 a 80kvp, 50mAs e 160mA). R.C., na horizontal, orientado para um ponto da coluna vertebral que corresponda ao centro do filme. Estruturas de interesse: Panorâmica da coluna vertebral. Posição do Paciente: Em ortostático, PMS sobre a LCE/LCM, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida, fazer uma inclinação pa ra à direita do paciente, mantendo a região pélvica estática. Comentários: Exame realizado em decúbito e em ortostático. Paciente obrigatoriamente descalço. Uma incidência com calçado poderá ser realizada a critério médico. 1. Fazer preparo intestinal a critério médico. 2. Uma técnica diferenciada alterando a respiração e os fatores de exposições podem ser utilizados quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas; 3. Utilizar filtro de alumínio na parte superior do filme (coluna torácica) a fim compensar as diferenças de espessuras e concentração de ar. 4. Na radiografia devemos incluir as asas maiores das cristas ilíacas.

23 COLUNA TÓRACO-LOMBAR COM INCLINAÇÃO LATERAL ESQUERDA. Solicitar ao paciente que retire objetos radiopacos que venham comprometer na Solicitar ao paciente que retire a roupa ficando apenas com peças íntimas, D.F.F: 130 cm. Filme: 30X40 / 35x43 Longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Fatores de exposições: (média de 70 a 80kvp, 50mAs e 160mA). R.C., na horizontal, orientado para um ponto da coluna vertebral que corresponda ao centro do filme. Estruturas de interesse: Panorâmica da coluna vertebral. Posição do Paciente: Em ortostático, PMS sobre a LCE/LCM, braços estendidos ao longo do corpo, cabeça ligeiramente estendida, fazer uma inclinação lateral para a esquerda do paciente, mantendo a região pélvica estática. Comentários: Exame realizado em decúbito e em ortostático. Paciente obrigatoriamente descalço. Uma incidência com calçado poderá ser realizada a critério médico. 1. Fazer preparo intestinal a critério médico. 2. Uma técnica diferenciada alterando a respiração e os fatores de exposições podem ser utilizados quando há presença de grande quantidade de gases nas alças intestinas; 3. Utilizar filtro de alumínio na parte superior do filme (coluna torácica) a fim compensar as diferenças de espessuras e concentração de ar. 4. Na radiografia devemos incluir as asas maiores das cristas ilíacas.

24 BIBLIOGRAFIA Tratado de Técnicas Radiológicas 4º Edição. Atlas de Diagnóstico Diferencial por imagens -- 3º Edição. Paul Juhl -- Interpretação Radiológica.

INCIDENCIAS PARA O ESTUDO DO TÓRAX

INCIDENCIAS PARA O ESTUDO DO TÓRAX INCIDENCIAS PARA O ESTUDO DO TÓRAX PA Incidência Perfil Incidências AP Incidência AP em Decúbito Lateral Incidência AP em Ápico-Lordótica Incidência OAD / OAE Incidência OPD / OPE PA DO TÓRAX PA DO TÓRAX

Leia mais

CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 -

CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 - CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO E TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 - SUMÁRIO ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS...03 TÓPICOS DE ANATOMIA...04 CALOTA CRANIANA...07 CRÂNIO FRENTE CRÂNIO MÉTODO DE CALDWELL CRÃNIO

Leia mais

PA (póstero-anterior) e o perfil esquerdo.

PA (póstero-anterior) e o perfil esquerdo. ESTUDO RADIOGRÁFICO DO CRÂNIO Pontos anatômicos de referência superficial da cabeça São úteis para a identificação de estruturas anatômicas, facilitando a realização do exame radiográfico. Os principais

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA Ossos da Cabeça ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz Cabeça MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça Ossos e Músculos MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça 1 ATM

Leia mais

Posicionamento. Posicionamento. Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado

Posicionamento. Posicionamento. Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado Posicionamento Posicionamento Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado 1 24-03-2009 Posicionamento Regras gerais Área de interesse o mais próximo possível da película Centrado sobre área de

Leia mais

Coluna lombar. Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica

Coluna lombar. Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica COLUNA LOMBAR Coluna lombar Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica 2 tipos de Articulações: Intervertebral cartilaginosa Proc. Articulares - sinovial Coluna lombar Coluna lombar

Leia mais

Tronco. Funções. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) Coluna vertebral

Tronco. Funções. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) Coluna vertebral Tronco Coluna vertebral Caixa torácica Cintura escapular Cintura pélvica Funções Proteção da medula espinhal. Base de suporte e mobilidade para a cabeça. Base estável para fixação de ossos, mm., lig.e

Leia mais

Estrutura da Coluna Vertebral

Estrutura da Coluna Vertebral Fundamentos da Biomecânica CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DA COLUNA VERTEBRAL Estrutura da Coluna Vertebral 33 Vértebras 7 cervicais 12 torácicas 5 lombares 5 sacrais (fundidas) 4-5 coccígeas (fundidas) 1

Leia mais

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO

ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO ESTE E-BOOK É UMA VERSÃO REDUZIDA DE MAT PILATES SOLO 400 EXERCÍCIOS DE SOLO NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: FOAM ROLLER GESTANTES FAIXA ELÁSTICA FITBALL TONNING BALLS BOSU DUPLA FUNCIONAL DUPLA ACROBATICA

Leia mais

MEMBROS SUPERIORES -- POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO

MEMBROS SUPERIORES -- POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO MEMBROS SUPERIORES -- POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO As radiografias dos Membros Superiores são geralmente realizadas com o paciente sentado ou em ortostática. Em casos de pacientes traumatizados ou que apresente

Leia mais

Coluna Vertebral. Coluna Vertebral Cinesiologia. Renato Almeida

Coluna Vertebral. Coluna Vertebral Cinesiologia. Renato Almeida Coluna Vertebral Questão de Concurso Treinando... (EBSERH) A escoliose é uma deformidade em curva da coluna vertebral, podendo ou não ser acompanhada de rotação das vértebras, a chamada giba. Em uma escoliose

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR VERTEBRAS LOMBARES 5 9 3 10 1 6 4 8 2 1- processo espinhoso 2- processo transverso 3- corpo 4- processo articular inferior 5- processo articular superior 6- incisura

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA CERVICAL FUNÇÕES: Suporte e estabilidade à cabeça Dar mobilidade à cabeça Abrigar, conduzir e proteger a medula espinhal e a artéria vertebral INSPEÇÃO Postura Global

Leia mais

No caso de uma lesão, a mielografia serve para identificar a extensão, o tamanho e o nível da patologia. Outro aspecto importante nesse exame é a

No caso de uma lesão, a mielografia serve para identificar a extensão, o tamanho e o nível da patologia. Outro aspecto importante nesse exame é a Mielografia Objetivo: A mielografia é o estudo radiológico da medula espinhal e de suas raízes nervosas que utiliza um meio de contraste. A medula espinhal e as raízes nervosas são delimitadas injetando

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

EXAMES RADIOGRÁFICOS DE TÓRAX: ABORDAGEM, INCIDÊNCIAS E POSICIONAMENTOS DO USUÁRIO

EXAMES RADIOGRÁFICOS DE TÓRAX: ABORDAGEM, INCIDÊNCIAS E POSICIONAMENTOS DO USUÁRIO EXAMES RADIOGRÁFICOS DE TÓRAX: ABORDAGEM, INCIDÊNCIAS E POSICIONAMENTOS DO USUÁRIO MARINEI DO ROCIO PACHECO DOS SANTOS 1 1 Considerações Iniciais Os exames mais realizados em radiologia convencional são

Leia mais

Centro de Gravidade e Equilíbrio. Prof. Dr. André L. F. Rodacki

Centro de Gravidade e Equilíbrio. Prof. Dr. André L. F. Rodacki Centro de Gravidade e Equilíbrio Prof. Dr. André L. F. Rodacki Centro de Gravidade n O centro de gravidade pode ser definido como o único ponto de um corpo ao redor do qual todas as partículas de sua massa

Leia mais

TABELA DE PREÇOS Crânio: Frente + Perfil + Towne 80,00 70,00 Seios da Face 2 posições Seios da face: fronto e mento naso

TABELA DE PREÇOS Crânio: Frente + Perfil + Towne 80,00 70,00 Seios da Face 2 posições Seios da face: fronto e mento naso TABELA DE PREÇOS - 2016 Crânio Frente e Perfil Crânio (F+P) CRÂNIO E FACE PART. CONV. Crânio: Frente + Perfil + Towne Seios da Face 2 posições Seios da face: fronto e mento naso Seios da face: fronto +

Leia mais

MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES

MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES Apresentação A goniometria é a medição dos ângulos articulares presentes nas articulações humanas. Este manual tem como objetivo, esclarecer e orientar

Leia mais

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Coluna Vertebral Canal Vertebral Forames intervertebrais Características de uma vértebra típica Corpo vertebral

Leia mais

COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO

COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO Ft. Ms. Adriana de Sousa do Espírito Santo ANATOMIA 12 vértebras. 1a. e 2a. São de transição. O corpo possui o d ântero-posterior e transversal iguais e apresenta semifacetas

Leia mais

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Formador Credenciado Eng. Paulo Resende Dezembro de 2013 Anatomia e fisiologia do corpo humano OBJETIVOS Caracterizar os diversos sistemas que constituem

Leia mais

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de 2016 Entidades Convencionadas Designação Morada Valências Contactos CAL - Clínica do

Leia mais

Avaliação do Quadril

Avaliação do Quadril Avaliação do Quadril Anatomia -Ossos do quadril constituem a cintura pélvica e unem-se anterior//e na sínfise púbica e posterior//te articulam-se com a parte superior do sacro. Anatomia - Ossos do quadril

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

Bacia obstétrica e Relação útero-fetal

Bacia obstétrica e Relação útero-fetal Bacia obstétrica e Relação útero-fetal Bacia obstétrica Bacia ou pelve: 2 ossos ilíacos, sacro, cóccix, pubis e respectivas articulações: sínfise púbica, sacroilíacas, sacro coccígenas. Bacia grande ou

Leia mais

É o estudo contrastado das articulações sinoviais e estruturas de tecidos moles relacionadas. As articulações que podem ser examinadas por este

É o estudo contrastado das articulações sinoviais e estruturas de tecidos moles relacionadas. As articulações que podem ser examinadas por este PNEUMOARTROGRAFIA É o estudo contrastado das articulações sinoviais e estruturas de tecidos moles relacionadas. As articulações que podem ser examinadas por este procedimento incluem as do quadril, joelho,

Leia mais

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral Sistema Esquelético 213 Esqueleto Apendicular 126 Esqueleto Axial 87 Crânio e ossos associados 29 Caixa torácica 25 Coluna vertebral 33 Crânio Abrigar e proteger o encéfalo Apresenta aberturas para passagem

Leia mais

Imagens para prova prática diagnóstico por imagem Professora: Juliana Peloi Vides

Imagens para prova prática diagnóstico por imagem Professora: Juliana Peloi Vides Imagens para prova prática diagnóstico por imagem Professora: Juliana Peloi Vides Imagem 1 Projeções Ventro-dorsal e Látero-lateral de cavidade abdominal. Nas imagens radiográficas foi possível observar

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS I

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS I MEMBROS INFERIORES Posição: geralmente os exames dos membros inferiores são realizados com o paciente em decúbito dorsal, em decúbito lateral ou sentado, salvo alguns exames especiais. Distância: DFOFI=1

Leia mais

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é Cintura Escapular? Duas clavículas e duas escápulas. Trata-se de uma estrutura que sofreu adaptações à bipedia, onde as

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PROFESSORES: Luciana Batista Nogueira (TP1) Críssia Carem Paiva Fontainha (TP2) 1. EMENTA: Métodos radiográficos convencionais. 2. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Manual de Análise Postural e Avaliação funcional.

Manual de Análise Postural e Avaliação funcional. Manual de Análise Postural e Avaliação funcional. Índice Dobra cutânea ------------------------------------------ 3 a 7 pág. Serão analisadas sete dobras cutâneas, com o aparelho chamado plicômetro. Onde

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PROFESSORES: Luciana Batista Nogueira (TP1) Críssia Carem Paiva Fontainha (TP2) 1. EMENTA: Métodos radiográficos convencionais. 2. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias da coluna são realizadas para diagnosticar

Leia mais

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico ESQUELETO APENDICULAR Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR Ombro - Escápula Braço - Úmero Antebraço Rádio e Ulna Joelho - Carpos Canela - Metacarpos

Leia mais

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias Posições Cirúrgicas Professor: Eunaldo Dias Posições do paciente para cirurgia ou posições cirúrgicas são aquelas em que o paciente é colocado após procedimento anestésico, para ser submetido a intervenção

Leia mais

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos Perímetros Ergonomia 2007 Antropometria: Técnicas e aplicações Essa medida antropométrica é o perímetro máximo de um segmento corporal medido em ângulo reto em relação ao seu maior eixo. Estudo da composição

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

FATORES DO PARTO. TRAJETO trajeto duro - bacia óssea feminina trajeto mole OBJETO. ovóide fetal MOTOR contração uterina

FATORES DO PARTO. TRAJETO trajeto duro - bacia óssea feminina trajeto mole OBJETO. ovóide fetal MOTOR contração uterina FATORES DO PARTO TRAJETO trajeto duro - bacia óssea feminina trajeto mole OBJETO ovóide fetal MOTOR contração uterina ESTUDO DO TRAJETO DURO OSSOS DA PELVE bacia óssea ílio + ísquio + pube = ilíaco ou

Leia mais

TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014

TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014 TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014 INTRODUÇÃO A transferência e a mobilização de pacientes deve ser realizada cuidadosamente por um profissional que tenha o conhecimento das áreas corporais

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELARES Abelardo Raimundo de Souza* INTRODUÇÃO A articulação femoropatelar é de fundamental importância para o aparelho extensor,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PROFESSORES: Luciana Batista Nogueira (TP1) Críssia Carem Paiva Fontainha (TP2) 1. EMENTA: Métodos radiográficos convencionais. 2. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva

SISTEMA ESQUELÉTICO. Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva SISTEMA ESQUELÉTICO Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva O ESQUELETO HUMANO Além de dar sustentação ao corpo, o esqueleto protege os órgãos internos e fornece pontos de apoio para a

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA Diagnóstico Cinético-Funcional e Imaginologia: Membros Superiores, Cabeça e Tórax Unidade II OMBRO 1 2 3 4 5 Luxação anterior 6 Fratura de cabeça

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo Cinesiologia Aplicada Quadril, Joelho e tornozelo Cintura Pélvica - Ossos Ossos Pélvicos: Ílio Isquio Púbis Femúr Cintura Pélvica - Movimentos Movimentos da Cintura Pélvica Rotação Pélvica posterior Retroversão

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

Coluna Vertebral e Crâneo

Coluna Vertebral e Crâneo Coluna Vertebral e Crâneo Nome: Turma: PL1/PL2 Aspectos gerais A. Legende a figura e refira o número de vértebras existentes em cada uma das regiões assinaladas: 1- Cervical 2- Toráxica 3- Lombar N.º de

Leia mais

E-book COLUNA SAUDÁVEL. Dr Thiago Rodrigues

E-book COLUNA SAUDÁVEL. Dr Thiago Rodrigues IMAGINE A VIDA SEM DOR NA COLUNA. E-book COLUNA SAUDÁVEL Dr Thiago Rodrigues DESCUBRA OS EXERCÍCIOS PARA DEIXAR SUA COLUNA SAUDÁVEL COM O FISIOTERAPEUTA DR THIAGO RODRIGUES ESPECIALISTA EM PROBLEMAS DE

Leia mais

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta Posicionamento do corpo O corpo permanece na horizontal em decubito ventral, e caracteriza-se por ações simultâneas de braços e pernas. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água, mantendo-se

Leia mais

Biomecânica da Coluna Cervical

Biomecânica da Coluna Cervical Biomecânica da Coluna Cervical MFT 0833 Isabel de Camargo Neves Sacco Sacco ICN 2007 PROPEDÊUTICA E ANATOMIA DE SUPERFÍCIE Base da cabeça: C1 + occipital C3 - osso hióide C4 e C5 - cartilagem tireoidiana

Leia mais

QUADRIL / PELVE. Prof. Gabriel Paulo Skroch

QUADRIL / PELVE. Prof. Gabriel Paulo Skroch QUADRIL / PELVE Prof. Gabriel Paulo Skroch 1. ANATOMIA Mulher Homem Ilíaco e extremidade superior do fêmur Vista anterior Vista posterior Superfícies articulares da articulação coxo-femural, cápsula e

Leia mais

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza Protocolos coluna Profº. Claudio Souza Coluna vertebral A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, e eventualmente por 32 ou 34, estas são classificadas como ossos irregulares. A coluna vertebral

Leia mais

Exame Físico Ortopédico

Exame Físico Ortopédico TAKE HOME MESSAGES! Exame Físico Ortopédico ANAMNESE REALIZAR UMA HISTÓRIA CLÍNICA DETALHADA, LEMBRANDO QUE DETALHES DA IDENTIFICAÇÃO COMO SEXO, IDADE E PROFISSÃO SÃO FUNDAMENTAIS, POIS MUITAS DOENÇAS

Leia mais

Osteologia. Movimentos realizados Plano Sagital (Eixo Frontal) Plano Frontal (Eixo Sagital) Plano Transverso (Eixo Longitudinal)

Osteologia. Movimentos realizados Plano Sagital (Eixo Frontal) Plano Frontal (Eixo Sagital) Plano Transverso (Eixo Longitudinal) Posiçao anatómica: Osteologia Indivíduo de pé; Face virada para o observador; Palmas das mãos viradas para cima (supinação). Planos do movimento: Plano Sagital - Divide o corpo verticalmente (Esquerda/Direira);

Leia mais

MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX. 1 Peitoral Maior. 1 Peitoral Maior. Região Ântero- Lateral

MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX. 1 Peitoral Maior. 1 Peitoral Maior. Região Ântero- Lateral Nervo Peitoral Lateral e Medial (C5 a T1) Marcelo Marques Soares Prof. Didi Rotação medial, adução, flexão e flexão horizontal do braço Região Ântero- Lateral 2 Peitoral Menor Subclávio Serrátil Anterior

Leia mais

Instituto de Cultura Física

Instituto de Cultura Física Página 1 Instituto de Cultura Física ANÁLISE BIOMECÂNICA Nome: Sexo: Data Nasc: Idade: Cafi Otta M 16/08/78 35 Objetivo: Av. fís. anterior: Av. fís. atual: Alto Rendimento Físico 24/09/12 08/10/13 AVALIAÇÃO

Leia mais

Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de

Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de Prof André Montillo Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de Alta Energia Fraturas: Instabilidade:

Leia mais

DESVIOS POSTURAIS. 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço

DESVIOS POSTURAIS. 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO: - Fortalecimento da musculatura anterior do pescoço

Leia mais

10 Imagem e posicionamento do paciente 10 Transdutor e plano de corte 12 Posicionamentos do exame 14 Quatro abordagens do coração

10 Imagem e posicionamento do paciente 10 Transdutor e plano de corte 12 Posicionamentos do exame 14 Quatro abordagens do coração 1 Exame 10 Imagem e posicionamento do paciente 10 Transdutor e plano de corte 12 Posicionamentos do exame 14 Quatro abordagens do coração 16 Janela paraesternal longa 16 Posição do transdutor e plano de

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico de Radiologia Instruções

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13 Escola Secundária D.Pedro V Ginástica de Solo Ana Abel 06/04/13 Introdução Este trabalho sobre ginástica é um elemento de avaliação das disciplinas de Educação Física e Prática de Actividades Físicas e

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 1 O Ombro é uma articulação de bastante importância para todos nós, visto que para fazermos até as atividades mais simples, como escovar os dentes e dirigir, precisamos dele. Devido a esta característica,

Leia mais

ACESSÓRIO PARA POSICIONAMENTO DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL DURANTE A REALIZAÇÃO DE EXAME RADIOGRÁFICO DE TÓRAX

ACESSÓRIO PARA POSICIONAMENTO DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL DURANTE A REALIZAÇÃO DE EXAME RADIOGRÁFICO DE TÓRAX ACESSÓRIO PARA POSICIONAMENTO DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL DURANTE A REALIZAÇÃO DE EXAME RADIOGRÁFICO DE TÓRAX Leandro de França Antunes Tháina Schlickmann Rosângela Jakubiak Elenise Silveira Nunes

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

Radiografia simples do tórax: incidências, aspectos técnicos e sistematização da análise

Radiografia simples do tórax: incidências, aspectos técnicos e sistematização da análise Radiografia simples do tórax: incidências, aspectos técnicos e sistematização da análise Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Introdução

Leia mais

Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações LANPOP/HNT/FSP/USP

Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações LANPOP/HNT/FSP/USP Guia para realização de medidas antropométricas Peso Corporal Definição: Medida da massa corporal total. Balança portátil. Escala em g. Dispor o equipamento sobre superfície lisa e plana. Aguardar o visor

Leia mais

Introdução ao estudo da anatomia

Introdução ao estudo da anatomia 1 Introdução ao estudo da anatomia Paulo Henrique Ferreira Caria Anatomia é uma palavra de origem grega cujos radicais, ana e tomia, significam, respectivamente, através de e cortar, fazendo referência

Leia mais

MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR

MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR ESTÁTICO ANTERO-POSTERIOR Observar posicionamento da cabeça em relação ao tronco, que pode evidenciar deslocamentos laterais, posicionamento

Leia mais

NERVOS ESPINHAIS. Relação das Raízes Nervosas com as Vértebras

NERVOS ESPINHAIS. Relação das Raízes Nervosas com as Vértebras Page 1 of 7 NERVOS ESPINHAIS São aqueles que fazem conexão com a medula espinhal e são responsáveis pela inervação do tronco, dos membros superiores e partes da cabeça. São ao todo 31 pares, 33 se contados

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS Nomenclatura para os posicionamentos Ao posicionarmos o paciente com o propósito de efetuar radiografias, deve-se dar nome a este

Leia mais

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS Prescrições sobre os extensores Ao realizar um exercício não exceda a elasticidade prescrita na descrição do produto, o elástico atinge o dobro de seu tamanho

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA)

RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA) RADIOLOGIA PULMONAR RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA) É A MAIS UTILIZADA NA RADIOGRAFIA SIMPLES DO TÓRAX. É NECESSÁRIA UMA DISTÂNCIA MÍNIMA PARA A SUA REALIZAÇÃO, DA ORDEM DE 1,50

Leia mais

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento motor A maturação motora da criança se dá nos sentidos: Caudal Céfalo Proximal Distal Desenvolvimento fetal Desenvolvimento

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS

Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS Capacidades Físicas são definidas como todo atributo físico treinável num organismo humano. Em outras palavras, são todas as qualidades físicas motoras passíveis

Leia mais

Introdução ao Estudo da Anatomia Humana. Prof. Dr.Thiago Cabral

Introdução ao Estudo da Anatomia Humana. Prof. Dr.Thiago Cabral Introdução ao Estudo da Anatomia Humana Conceito de Anatomia É a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição dos seres organizados. Especializações da anatomia Citologia (Biologia celular)

Leia mais

PILATES. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado

PILATES. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado PILATES noladder BARREL Por Vinicius G. Machado Exercícios COM FOTOS passo a passo quem somos? A VOLL PILATES atua em todas as áreas de capacitação em Pilates, da formação básica inicial à workshops avançados,

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

Corpos vertebrais. Disco intervertebral

Corpos vertebrais. Disco intervertebral AULA 6 COLUNA VERTEBRAL 33 VÉRTEBRAS 7 Vértebras cervicais (C1-C7) C7) 12 vértebras torácicas (T1-T12) T12) 5 vértebras lombares (L1-L5) L5) 5 vértebras sacrais (S1-S5) S5) 4-5 vértebras coccígeas COLUNA

Leia mais

Anatomia Humana Módulo 02 Conceitos Gerais do Sistema Osteomioarticular

Anatomia Humana Módulo 02 Conceitos Gerais do Sistema Osteomioarticular Anatomia Humana 1 Profª Fabíola Claudia Henrique da Costa Parte 01 Osteologia Partedaanatomiaque estuda o esqueleto, o qual é constituído por ossos e cartilagens. 1 Axial Ossos da cabeça, pescoço e tronco

Leia mais

TERMOS DE MOVIMENTO TERMOS DE MOVIMENTO POSIÇÃO ANATÔMICA POSIÇÃO ANATÔMICA TERMOS DE MOVIMENTO. Curso de. Marcelo Marques Soares Prof.

TERMOS DE MOVIMENTO TERMOS DE MOVIMENTO POSIÇÃO ANATÔMICA POSIÇÃO ANATÔMICA TERMOS DE MOVIMENTO. Curso de. Marcelo Marques Soares Prof. 2ª edição Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz POSIÇÃO ANATÔMICA Linha Sagital Mediana POSIÇÃO ANATÔMICA 1 2 REGIÃO INFERIOR Reto Anterior Piramidal Oblíquo Externo Oblíquo Interno

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

Fisioterapeuta Priscila Souza

Fisioterapeuta Priscila Souza Fisioterapeuta Priscila Souza * Passou de 7 bilhões o número de celulares no mundo. (União Internacional de Telecomunicações UIT, 2015) *Segundo a ONU em 2000 o número de aparelhos celulares era de 738

Leia mais

Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos. Dante Pascali

Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos. Dante Pascali CAPÍTULO 1 Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos Dante Pascali Capítulo 1 Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos 3 OSSOS PÉLVICOS A pelve é a base óssea na qual o tronco se apóia e através da qual o

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais