TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014"

Transcrição

1 TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014

2 INTRODUÇÃO A transferência e a mobilização de pacientes deve ser realizada cuidadosamente por um profissional que tenha o conhecimento das áreas corporais que serão manipuladas, pois alguns pacientes da nossa rotina diária apresentam maior fragilidade podendo causar-lhes alguns danos.

3 MOBILIZAÇÃO DE DECÚBITO DORSAL PARA LATERAL Fletir os membros inferiores do paciente Apoiar os pés do paciente no leito Apoiar a mão do paciente sobre sua mão e apoiar a outra mão no quadril do paciente Apoiar posteriormente na escápula e virar o paciente levando os membros inferiores para o lado desejado

4 Quando possível contar com ajuda do paciente!

5 MOBILIZAÇÃO DE DECÚBITO LATERAL PARA SEDESTAÇÃO (SENTADA) 1. Após a lateralização do paciente explorar a possibilidade do mesmo ajudar de forma independente, caso contrário, conduzir o movimento, deslocando os membros inferiores para fora do leito 2. Sentar o paciente, preferencialmente pelo lado bom, com apoio do membro sadio

6 Em uma situação de acometimento bilateral, o manejo deve ser feito garantindo a estabilidade da cintura escapular Apoiar o membro hemiplégico/parético pela escápula e dar outro apoio no quadril Membro hemiplégico

7 MOBILIZAÇÃO DA SEDESTAÇÃO PARA ORTOSATISMO (EM PÉ) 1. Quando o paciente já estiver sentado, segurar abaixo da axila com apoio escapular, garantindo estabilidade desta região. Manter o membro superior ao longo do corpo 2. Assegurar a estabilidade do tronco para evitar risco de queda. Estabilizar o membro inferior hemiplégico/parético com as suas pernas 3. Apoiar o pé do paciente no solo com tênis ou calçado estável

8 Quando possível contar com ajuda do paciente!

9 ATENÇÃO Na lateralização movimentar o paciente segurando-o no tronco e membros inferiores, mantendo os membros superiores apoiado no corpo Para assumir o ortostatismo, o profissional deve posiciona-se em frente ao paciente e apoiar os braços do paciente sobre o seu ombro

10 Nas transferências, utilizar o lençol como suporte. Não suspender o paciente de volta na cadeira de rodas colocando suas mãos somente nas axilas Manter o pé do paciente totalmente apoiado no chão para evitar entorses

11 RISCOS DA MOBILIZAÇÃO INCORRETA Luxação e Subluxação Fraturas Perda de invasivos/complicações Dor Quedas

12 CUIDADOS COM O PROFISSIONAL Ao levantar o paciente preserve sua coluna utilizando as pernas como apoio Mantenha o paciente o mais próximo possível de você Dobre os seus joelhos enquanto mantém suas costas o mais ereto possível Reconheça quando não for possível realizar sozinho a transferência do paciente, peça ajuda a outros funcionários

13 CUIDADOS DURANTE O TRANSPORTE COM CATETER VESICAL DE DEMORA Esvaziar o conteúdo Observar e manter a fixação do cateter, para evitar saídas inadivertidas Evitar trações no cateter Mantê-lo preferencialmente fechado, se estiver aberto manter a bolsa coletora abaixo da bexiga Cuidado para encostar no chão devido contaminação do sistema Ao fim do transporte posicionar a bolsa coletora na altura correta (abaixo da bexiga) e abrir a pinça

14 COM ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Dependendo da solução conectada, interromper a infusão, caso sejam drogas vasoativas e/ou sedativas manter a infusão acoplando-as a um suporte Verificar a fixação do cateter e solicitar reforço caso necessário para evitar perdas durante o transporte Ao final do transporte abrir a infusão novamente ou verificar a manutenção da infusão que não foi interrompida

15 COM ACESSO VENOSO CENTRAL Mantê-lo funcionante durante todo o transporte e a solução em nível acima da veia puncionada utilizando suporte Verificar a fixação do cateter e solicitar reforço caso necessário para evitar perdas durante o transporte

16 COM OXIGENOTERAPIA Ao ser solicitado o transporte examinar o paciente quanto ao uso e tipo de suporte de O 2 Providenciar cilindro de oxigênio, umidificador (vazio) e látex Manter mesma quantidade de L/min Manter cabeceira elevada Se possível monitorar com oxímetro de pulso

17 RECONHECIMENTO DO PACIENTE CRÍTICO Antes de transportar um paciente se faz necessário avaliar o estado geral do paciente e acompanhar durante o transporte possíveis mudanças Sempre consultar o médico e/ou enfermeira antes de realizar o transporte Sinais sugestivos de agravos: CIANOSE REBAIXAMENTO DO SENSÓRIO PALIDEZ CUTÂNEA CONVULSÕES QUEDA DE SATURAÇÃO ALTERAÇÃO NA GLICEMIA

18 FLUXO DE ATENDIMENTO Entrada do paciente na UPA Classificação Avaliação Médica Medicação Exame Observação no eixo 2 Alta

19 TRANFERÊNCIAS

20 ATENDIMENTO VÍTIMA DE TRAUMA Escolhendo o Colar Cervical adequado O colar deve impedir os movimentos de hiperextensão do pescoço. Faça a medida da região do pescoço para determinar o tamanho adequado de colar cervical Faça a conferência da medida escolha o tamanho adequado e providencie a instalação do colar.

21 ATENDIMENTO VÍTIMA DE TRAUMA COLOCANDO O COLAR CERVICAL

22 ATENDIMENTO VÍTIMA DE TRAUMA Colocando o colar cervical

23 ATENDIMENTO VÍTIMA DE TRAUMA RETIRANDO O PACIENTE DO CARRO ESSA É A FORMA MAIS SEGURA DE RETIRAR UM PACIENTE DO CARRO, PODE SER APLICADA PARA PACIENTES CLÍNICOS INCOSCIENTES.

24 ATENDIMENTO VÍTIMA DE TRAUMA UTILIZE ROLAMENTOS E ESTABILIZE A COLUNA CERVICAL PARA COLOCAR O PACIENTE NA PRANCHA.

25 TODOS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA SEGURANÇA E QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA.

[273] O) e/ ou FiO 2. Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S

[273] O) e/ ou FiO 2. Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [273] Fixar bem tubos e cateteres. Abrir cateter gástrico, mantendo-o em sifonagem. Verificar o ventilador de transporte, circuitos e pressão do cilindro de oxigênio. Transportar sempre oxigênio de reserva.

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Extricação, mobilização, imobilização. Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS

Extricação, mobilização, imobilização. Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS Colar cervical Colar cervical Imobilização em prancha longa Objetivo: Proporcionar imobilização completa da vítima.

Leia mais

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS 1 Sexo: - Masculino. (1) - Feminino.. (2) 2 Idade: 3 Estado Civil: - Solteiro (1) - Casado.. (2) - União de Facto (3) - Divorciado..... (4) - Separado..... (5) - Viúvo...

Leia mais

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar e Quadril E - Abraçar um joelho - Alongamento Deitado, segure embaixo de um joelho e puxe-o em direção ao peito até sentir o alongamento. Com 5 segundo(s) de descanso. Lombar e Quadril D - Abraçar

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão Mobilização da Coluna (fase 1) - ADM Ativa Deitado, pés no chão. Junte as palmas das mãos a frente com o braço esticado e mova para um lado, mantenha e mova para o outro. Alongamento da Coluna - Pernas

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Lombar - Abdômen - Alongamento Em decúbito ventral coloque as mãos ao lado e empurre seu corpo para cima até sentir o alongamento. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Deitado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA CERVICAL FUNÇÕES: Suporte e estabilidade à cabeça Dar mobilidade à cabeça Abrigar, conduzir e proteger a medula espinhal e a artéria vertebral INSPEÇÃO Postura Global

Leia mais

Cuidados pós alta hospitalar no AVC

Cuidados pós alta hospitalar no AVC Educação em Saúde VOL. 67 Cuidados pós alta hospitalar no AVC Orientações para trocas de postura e posicionamento Cuidados pós alta hospitalar no AVC Orientações para trocas de postura e posicionamento

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência Profº. Enfº Diógenes Trevizan Introdução O transporte e remoção de clientes em atenção às urgências e emergências se destaca

Leia mais

QUAIS EPI s QUE UTILIZAMOS?

QUAIS EPI s QUE UTILIZAMOS? REGRAS DE HIGIENE E SEGURANÇA E NA NOSSA 4 EMPRESA? QUAIS EPI s QUE UTILIZAMOS? 1 REGRAS DE HIGIENE E SEGURANÇA PLANO DE EMERGÊNCIA 4 INTERNO Pontos nevrálgicos - Incluem instalações que podem, devido

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão. Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão. Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar - Ponte - Fortalecimento Deitado, vagarosamente eleve os quadris o mais alto possível e mantenha. Dica: Contraia os glúteos e tente diminuir a lordose lombar. Faça 3 série(s) de 25 segundo(s) Lombar

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapía Exercícios Terapêuticos para o Tornozelo

Clínica Deckers. Fisioterapía Exercícios Terapêuticos para o Tornozelo Clínica Deckers Fisioterapía Exercícios Terapêuticos para o Tornozelo O QUE É. Estes são alguns exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do tornozelo. Eles foram compilados para dar a

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA Diagnóstico Cinético-Funcional e Imaginologia: Membros Superiores, Cabeça e Tórax Unidade II OMBRO 1 2 3 4 5 Luxação anterior 6 Fratura de cabeça

Leia mais

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP)

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP) Coluna Cervical (AP) COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM TRATAMENTO COM TOXINA BOTULÍNICA

MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM TRATAMENTO COM TOXINA BOTULÍNICA MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM Por quê fazer exercícios? Porquê você recebeu um medicamento que age nos músculos, tornando-os mais relaxados, no entanto, se não houver a prática de exercícios físicos

Leia mais

Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respi

Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respi Transporte de vítimas Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respiração Casos de remoção Só quando

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino

MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS. Prescrições sobre os extensores. Dos cuidados com o produto. Ao iniciar o treino MANUAL EXETEX SPORTS PRESCRIÇÕES E EXERCÍCIOS Prescrições sobre os extensores Ao realizar um exercício não exceda a elasticidade prescrita na descrição do produto, o elástico atinge o dobro de seu tamanho

Leia mais

Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA

Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA Exercícios para a coluna Orientações importantes: Modo de dormir Posição sentada (trabalho, carro, TV, etc) Modo de levantar e deitar da cama Em pé por tempo

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012.

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012. CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012. ANEXO V CRITÉRIOS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA RETIFICADO EM

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 TESTES DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO I, FUNÇÃO DE ELETRICISTA APRENDIZ INFORMAÇÕES GERAIS : 1. TESTES DE APTIDÃO

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir: FRATURAS OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão Definir: * Fratura,luxação e entorse; * Citar 4 sinais ou sintomas que indicam tais lesões; * Citar 2 importantes razões para efetuar a imobilização;

Leia mais

Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Enfº. Mário Lopes Dr. Salvador Massada

Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Enfº. Mário Lopes Dr. Salvador Massada Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Médico Interno Complementar de Cirurgia Pediátrica-HSJ Enfº. Mário Lopes Enfermeiro Graduado do Serviço de Urgência Geral-HSJ Dr. Salvador Massada

Leia mais

PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Rev Bras Neurol. 52(3):12-19, 2016 PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON PROPOSAL FOR A PROGRAMME OF PRACTICE

Leia mais

Lesão por esforço repetitivo

Lesão por esforço repetitivo Lesão por esforço repetitivo Impactos da utilização dos recursos tecnológicos na saúde Daniele da Silva Barbosa e Janaína Conceição Rodrigues É cada vez maior o número de pacientes diagnosticados com lesões

Leia mais

Motricidade global. Realiza Com Ajuda. Sem Ajuda

Motricidade global. Realiza Com Ajuda. Sem Ajuda Motricidade global Com Total Parcial Segura a cabeça na linha do corpo (vertical) Segura somente por breves instantes Mantém a cabeça ereta durante alguns segundos Em decúbito ventral levanta a cabeça

Leia mais

A importância da postura

A importância da postura Postura A importância da postura Uma das recomendações mais ouvidas na infância é olha a postura!. A advertência serve para homens e mulheres e é muito mais séria do que apenas um cuidado com a boa aparência.

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações LANPOP/HNT/FSP/USP

Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações LANPOP/HNT/FSP/USP Guia para realização de medidas antropométricas Peso Corporal Definição: Medida da massa corporal total. Balança portátil. Escala em g. Dispor o equipamento sobre superfície lisa e plana. Aguardar o visor

Leia mais

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS MANUAL PoCKet 1 The Hundred básico intermediário avançado Subir e descer os braços em um movimento rápido e coordenado com a respiração; e Contar mentalmente 5 inspirações e 5 expirações fracionadas até

Leia mais

Oito dicas para melhorar a postura corporal em sala de aula

Oito dicas para melhorar a postura corporal em sala de aula Bem-estar do professor Oito dicas para melhorar a postura corporal em sala de aula A rotina de quem ensina exige cuidados com a coluna e com a musculatura corporal. Veja como implementar estes cuidados

Leia mais

Captura de imagens térmicas no HUAP (Rotina diária e protocolos)

Captura de imagens térmicas no HUAP (Rotina diária e protocolos) Captura de imagens térmicas no HUAP (Rotina diária e protocolos) Ao chegar ao local de capturas, posicionar o tripé e fixar a câmera: 1. Colocar o tripé na marcação indicada no chão (Figura 1) 2. Fixar

Leia mais

Anexo I Manual de intervenções de enfermagem que previnem o declínio do grau de (in)dependência do doente idoso hospitalizado na realização das suas

Anexo I Manual de intervenções de enfermagem que previnem o declínio do grau de (in)dependência do doente idoso hospitalizado na realização das suas ANEXOS Anexo I Manual de intervenções de enfermagem que previnem o declínio do grau de (in)dependência do doente idoso hospitalizado na realização das suas actividades básicas de vida diária Anexo II

Leia mais

Coluna lombar. Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica

Coluna lombar. Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica COLUNA LOMBAR Coluna lombar Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica 2 tipos de Articulações: Intervertebral cartilaginosa Proc. Articulares - sinovial Coluna lombar Coluna lombar

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

ANEXO D SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS)

ANEXO D SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS) 90 ANEXO D SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS) Robert Palisano; Peter Rosenbaum; Stephen Walter; Dianne Russell; Ellen Wood; Barbara Galuppi Traduzido por Erika

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Exame físico: Considerações iniciais

Exame físico: Considerações iniciais Semiologia e Semiotécnia em Enfermagem I Aula 2 Introdução ao Exame Físico Prof. Ricardo Mattos Bibliografia de referência: ANDRIS, DA, Cap. 2 POSSO, MBS, Cap. 1 UNIG, 2009.1 Exame físico: Considerações

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Campo Mourão 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média. Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11

Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média. Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11 Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11 Métodos de monitorização A monitorização de pacientes internados visa contribuir com o processo de reabilitação e cura.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO DIVISÃO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO DIVISÃO DE ENFERMAGEM 1de 5 1. Definição: O cateterismo vesical de alívio consiste na introdução de um cateter estéril (cateter de Folley ou sonda Levine) na bexiga, através da uretra, com técnica asséptica. 2. Objetivo: Drenar

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência 1/31/17 Urgência e Emergência Hemorragias e PCR 1. (AOCP EBSERH 2015) Fibrilação Ventricular, Taquicardia Ventricular sem pulso, Atividade Elétrica sem pulso e assistolia são mecanismos considerados modalidades

Leia mais

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão)

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) Nome do paciente: Data do teste - hora: Nome do avaliador: Duração do teste: min Dominância: direita/esquerda

Leia mais

INDÍCE: 2. TIPOS DE ERGONOMIA 3 3. DESLOCAR, LEVANTAR E TRANSPORTAR CARAS MANUAIS DEFINIÇÃO OBJETIVO 5 3.

INDÍCE: 2. TIPOS DE ERGONOMIA 3 3. DESLOCAR, LEVANTAR E TRANSPORTAR CARAS MANUAIS DEFINIÇÃO OBJETIVO 5 3. 1 INDÍCE: 1. QUANDO SURGIU A ERGONOMIA. 2 1.1 DEFINIÇÃO 2 1.2 A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO 2 1.3 ONDE PODEMOS APLICAR UM ESTUDO ERGÔNOMICO 2 2. TIPOS DE ERGONOMIA 3 3. DESLOCAR, LEVANTAR E

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Paraná 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

ANJOS DA VIDA. Colar Cervical. Retirada de Capacete. Rolamentos 90 E 180. Manobras e Transporte com Pranchas COORDENAÇÃO GERAL: TANIA MEIRE

ANJOS DA VIDA. Colar Cervical. Retirada de Capacete. Rolamentos 90 E 180. Manobras e Transporte com Pranchas COORDENAÇÃO GERAL: TANIA MEIRE ANJOS DA VIDA Colar Cervical Retirada de Capacete Rolamentos 90 E 180 Manobras e Transporte com Pranchas COORDENAÇÃO GERAL: TANIA MEIRE INSTRUTORES: SARA HELINY / CHIZZO OUTUBRO/2014 TIANGUÁ-CE MODULO

Leia mais

10/ REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

10/ REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 10/12 912-09-05 780872 REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Hidromassageador Aqua Foot 2. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente

Leia mais

Técnicas de medição antropométrica. Exame Físico. Equipamentos. Peso. Equipamentos - Peso. Equipamentos - Peso. Peso. Comprimento/Altura

Técnicas de medição antropométrica. Exame Físico. Equipamentos. Peso. Equipamentos - Peso. Equipamentos - Peso. Peso. Comprimento/Altura Técnicas de medição antropométrica Exame Físico Medidas de Crescimento Peso Comprimento/Altura Perímetro cefálico Perímetro torácico Peso Equipamentos Balança pediátrica com divisões em 10 gramas de 0

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, JM 1 Objetivo: A realização da retirada do introdutor femoral realizada pelo

Leia mais

Setor: Todos os setores Responsável pela prescrição do POP Médico, Enfermeiro Responsável pela execução do POP Auxiliar ou Técnico em Enfermagem

Setor: Todos os setores Responsável pela prescrição do POP Médico, Enfermeiro Responsável pela execução do POP Auxiliar ou Técnico em Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP N 22 Título: Verificação da Pressão Arterial em Área de Aplicação: Obstetrícia Adultos Setor: Todos os setores Responsável pela prescrição do POP Médico, Enfermeiro

Leia mais

Fraturas, luxações e contusões

Fraturas, luxações e contusões Fraturas, luxações e contusões 1. Fratura É toda solução de continuidade súbita e violenta de um osso. A fratura pode ser fechada quando não houver rompimento da pele, ou aberta (fratura exposta) quando

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA MILITAR

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR ASSOCIADA A CATETER VESICAL

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR ASSOCIADA A CATETER VESICAL PREVENÇÃO ASSOCIADA A CATETER VESICAL INSTALAÇÃO DO CATETER VESICAL 1. Realizar primeiramente rigorosa higiene da genitália externa com água e sabão, utilizando luvas de procedimento. Higiene feminina:

Leia mais

Como fazer uma drenagem linfática em você mesma sem sair de casa

Como fazer uma drenagem linfática em você mesma sem sair de casa Como fazer uma drenagem linfática em você mesma sem sair de casa Dica: Para que a massagem seja eficaz tudo vai depender da pressão dos dedos e dos movimentos feitos de forma correta. Primeiro vamos falar

Leia mais

PACIENTE GRAVE IDENTIFICAÇÃO E TRATAMENTO TREINAMENTO

PACIENTE GRAVE IDENTIFICAÇÃO E TRATAMENTO TREINAMENTO TREINAMENTO A maioria das PCRs intra-hospitalares são evitáveis (~ 85%) Até 70% são secundárias a insuficiência respiratória ou deterioração neurológica. Porque as PCRs não são evitadas? Atraso diagnóstico

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: MONITORIZAÇÃO CARDÍACA 2. Definição: Consiste em manter a visualização contínua da atividade elétrica (ritmo e frequência) do coração, através de um monitor cardíaco. 3. Objetivos: Visualizar

Leia mais

Índice de Risco: NÃO FUME: CIGARRO MATA! Valores de referência para Glicemia. Classificação. Glicose (mg/dl)

Índice de Risco: NÃO FUME: CIGARRO MATA! Valores de referência para Glicemia. Classificação. Glicose (mg/dl) Valores de referência para adultos > 20 anos Instituto Nacional de Saúde dos EUA Nível (mg/dl) Lípides e Frações Desejável Limítrofe Elevado Colesterol < 200 200-239 240 LDL-colesterol < 130 130-159 160

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

Capítulo 10 Exercícios Resistidos

Capítulo 10 Exercícios Resistidos Capítulo 10 Exercícios Resistidos Objetivos de aprendizagem: 1. Descrever como os exercícios resistidos podem ajudá-lo 2. Saber como é feito o programa de exercício resistido 3. Descrever como avançar

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA CIVIL

Leia mais

Cartilha de Orientações Pós-Operatórias

Cartilha de Orientações Pós-Operatórias CENTRO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADO DO OMBRO E COTOVELO Cartilha de Orientações Pós-Operatórias Divisão de Reabilitação Prezado Paciente. Essa cartilha foi elaborada especialmente para você, paciente do Into,

Leia mais

Bem estar e produtividade no trabalho

Bem estar e produtividade no trabalho Bem estar e produtividade no trabalho Camila Greco Müller dos Santos Fisioterapeuta Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro Especialista em osteopatia, terapia manual e biomecânica clínica O bem-estar

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 10 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 10.0 Introdução O estado de choque se caracteriza pela falta de circulação

Leia mais

Treinamento Esportivo.com

Treinamento Esportivo.com Treinamento Esportivo.com 2009 w w w. t r e i n a m e n t o e s p o r t i v o. c o m Página 0 APRESENTAÇÃO Este circuito de peso corporal surgiu anos atrás quando comecei a trabalhar com atletas de tênis

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 16 VERTIGENS, DESMAIOS E CONVENÇÕES. TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 16.0 INTRODUÇÃO A sensação de um mal-estar e a impressão de tudo girar

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 15 de agosto de Incidência de Queda de Paciente Incidência de Queda de Paciente 3,0

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Tratamento estatístico dos dados

Tratamento estatístico dos dados Tratamento estatístico dos dados a) Estatística descritiva a 1 ) Questionário de sintomas Determinantes da dor lombar em enfermeiros hospitalares 1 Determinantes da dor lombar em enfermeiros hospitalares

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

Concurso de tecnologia assistiva de baixo custo do tipo faça você mesmo. Ficha de inscrição

Concurso de tecnologia assistiva de baixo custo do tipo faça você mesmo. Ficha de inscrição Concurso de tecnologia assistiva de baixo custo do tipo faça você mesmo Ficha de inscrição Título da TA proposta: ERG - Apoio para o movimento de se levantar Componente 1 Nome: Roberto Gutierrez Beraldo

Leia mais

E-book COLUNA SAUDÁVEL. Dr Thiago Rodrigues

E-book COLUNA SAUDÁVEL. Dr Thiago Rodrigues IMAGINE A VIDA SEM DOR NA COLUNA. E-book COLUNA SAUDÁVEL Dr Thiago Rodrigues DESCUBRA OS EXERCÍCIOS PARA DEIXAR SUA COLUNA SAUDÁVEL COM O FISIOTERAPEUTA DR THIAGO RODRIGUES ESPECIALISTA EM PROBLEMAS DE

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

Trabalho elaborado por: -Marina Gomes 10ºD nº10

Trabalho elaborado por: -Marina Gomes 10ºD nº10 Trabalho elaborado por: -Marina Gomes 10ºD nº10 O que é? Rapel é uma actividade vertical praticada com uso de cordas e equipamentos adequados para a descida de paredões e vãos livres bem como outras edificações;

Leia mais

LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS

LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS Conteúdo Higiene e Conforto Bacia inox Biombo Camisola Compressa Cuba rim Fronha Hamper Jarra de inox Lençol de baixo Lençol

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP Programa de PG em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica MEPAREM AUTOR:

Leia mais

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira Atendimento Pré-Hospitalar APH Professora: Ana Paula de Oliveira Na Saúde Pública onde se insere? 1. Unidades Básicas de Saúde 2. Ambulatórios especializados 3. Serviços de diagnósticos e terapias 4. Pré-Hospitalar

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 1 -CRISTO REDENTOR (abraço universal) 2- SAUDAÇÃO ORIENTAL (respeito e humildade) 3 -MEDITAÇÃO TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 PARTE I - ALONGAMENTO 4 -ROT AÇÃO DO TRONCO 1. Abrir mãos alternadas (acompanhar

Leia mais

PILATES. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado

PILATES. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado PILATES noladder BARREL Por Vinicius G. Machado Exercícios COM FOTOS passo a passo quem somos? A VOLL PILATES atua em todas as áreas de capacitação em Pilates, da formação básica inicial à workshops avançados,

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Ombro O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do ombro. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO TRICICLO ELÉTRICO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO TRICICLO ELÉTRICO MANUAL DO PROPRIETÁRIO TRICICLO ELÉTRICO v.01 AVISO IMPORTANTE! ESPECIFICAÇÕES RECARREGUE A BATERIA IMEDIATAMENTE APÓS O USO Jamais armazenar o equipamento com pouca ou nenhuma carga. Motor: Potência:

Leia mais

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento motor A maturação motora da criança se dá nos sentidos: Caudal Céfalo Proximal Distal Desenvolvimento fetal Desenvolvimento

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009

ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE. Rui Silva. Novembro 2009 ALONGAMENTOS FLEXIBILIDADE Novembro 2009 Rui Silva ALONGAMENTOS NO BASQUETEBOL Na generalidade, os alongamentos devem ser feitos durante 20-30 segundos. De seguida, apresentam-se uma série de exercícios

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

Lesão por Esforço Repetitivo (LER)

Lesão por Esforço Repetitivo (LER) Lesão por Esforço Repetitivo (LER) O que é Lesão por esforço repetitivo? Sinônimos: ler, l.e.r., lesão traumática cumulativa Denomina-se Lesão do Esforço Repetitivo ou simplesmente LER, a lesão causada

Leia mais