CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 -"

Transcrição

1 CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO E TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 -

2 SUMÁRIO ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS...03 TÓPICOS DE ANATOMIA...04 CALOTA CRANIANA...07 CRÂNIO FRENTE CRÂNIO MÉTODO DE CALDWELL CRÃNIO LATERAL CRÂNIO TOWNE CRÃNIO BRETTON CRÂNIO AXIAL HIRTZ AP CRÂNIO AXIAL HIRTZ PA SELA TÚICA FRENTE DORSO DA SELA TÚICA FRENTE SELA TÚICA PERFIL OSSOS DA FACE...17 MÉTODO DE WATERS MÉTODO DE CALDWELL FACE PERFIL ÓRBITA FRENTE OSSO NASAL MÉTODO DE WATERS OSSO NASAL MÉTODO CALDWELL OSSO NASAL PERFIL AO ZIGOMÁTICO MÉTODO DE HIRTZ MANDÍBULA FRENTE MANDÍBULA PERFIL MANDÍBULA MÉTODO DE HIRTZ MANDÍBULA MÉTODO DE TOWNE MANDÍBULA OBLÍQUA ATMs AXIAL MÉTODO DE TOWNE ATMs PERFIL MÉTODO DE SCHULLER SEIOS DA FACE...32 SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE WATERS MN SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE CALDWELL FN SEIOS PARANASAIS PERFIL SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE HIRTZ CAVUM PERFIL - 2 -

3 ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS AP...ÂNTERO POSTERIOR PA...POSTETO ANTERIOR DD... DECÚBITO DORSAL DV...DECÚBITO VENTRAL DL... DECÚBITO LATERAL DLE...DECÚBITO LATERAL ESQUERDO DLD...DECÚBITO LATERAL DIREITO ORT...ORTOSTÁTICO / EM PÉ PMS...PLANO MÉDIANO SAGITAL MAE/CAE...MEATO AUDITIVO EXTERNO LOM...LINHA ÓRBITA MEATAL LIOM...LINHA INFRA ÓRBITA MEATAL LGM...LINHA GLABELO MEATAL LAM...LINHA ACANTOMEATAL LMM...LINHA MENTO MEATAL...RAIO CENTRAL...RAIO CENTRAL PODÁLICO...RAIO CENTRAL CRANIAL...PERPENDICULAR DFF... DISTÂNCIA FOCO FILME ATM...ARTICULAÇÃO TÊMPORO MANDIBULAR MN...MENTO NASO FN...FRONTO NASO - 3 -

4 CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO E TÓPICOS DE ANATOMIA Formado por 22 ossos e duas porções Porção Neural UM FRONTAL DOIS PARIETAIS UM OCCIPITAL DOIS TEMPORAIS UM ESFENÓIDE UM ETMÓIDE Porção Visceral DOIS ZIGOMÁTICOS DOIS MAXILARES UMA MANDÍBULA DOIS PALATINOS DOIS NASAIS UM VÔMER DUAS CONCHAS NASAIS INFERIORES DOIS LACRIMAIS - 4 -

5 PONTOS TOPOGRÁFICOS CRANIANOS 1- GLABELA 2- NÁSIO 3- ACÂNTION 4- ÂNGULO 5- P. MENTONIANO - 5 -

6 LINHAS DE POSICIONAMENTO - 6 -

7 CRÂNIO - FRENTE Posição: D.D. / D.V. / ortostático. PMS:. LOM:. R.C.:, orientado para glabela. D.F.F.: 100 cm. Filme: 24x30 longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: osso frontal e calota craniana

8 CRÂNIO - CALDWELL Posição: D.V. / ortostático. PMS:. LOM:. R.C : 15º, orientado para a região lambidóide, saindo no nasio. D.F.F.: 100 cm. Filme: 24x30 longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: osso frontal, órbitas. LOM - 8 -

9 CRÂNIO - PERFIL Posição: D.V. ou ortostático - posição de nadador. PMS: pararelo LOM:. R.C.:, orientado para o topo do pavilhão. D.F.F.: 100 cm. Filme: 24x30 transversalmente, tendo seu centro no ponto de saída do R.C. Visualização: sela túrcica, clinóides anteriores e posteriores, dorso da sela, e asas maiores e menores do esfenóide

10 CRÂNIO - TOWNE Posição: D.D., D.V.. PMS:. LOM:. R.C.: com ângulo de 30º caudal, orientado para glabela. D.F.F: 100 cm. Filme: 24x30 longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Base do crânio região occipital. Nota: Quando em D.V.. o central terá o sentido cranial

11 CRÂNIO - BRETTON Posição: D.D., D.V. ou ortostático. PMS:. LOM:. R.C.: com ângulo de 45º caudal, orientado para glabela. D.F.F: 100 cm. Filme: 24x30 longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Base do crânio região occipital

12 CRÂNIO - AXIAL HIRTZ AP Posição: D.D. / sentado PMS:. LIOM: o mais paralela possível. R.C. : perpendicular à LIOM, orientado para entre os gônios. D.D.F.: 100 cm. Filme: 18x24 \ 24x30, posicionado em relação ao R.C. Visualização: mandíbula, osso occipital. Nota: O R.C. poderá sofrer uma angulação cranial conforme necessidade

13 CRÂNIO AXIAL HIRTZ PA Posição: PMS: LIOM: R.C. : D.F.F.: Filme: Visualização: Nota: D.V. \ sentado. Paralela. Perpendicular à LIOM, orientado para região do bregma. 100 cm. 18x24 \ 24x30, posicionado em relação ao R.C. Mandíbula, osso occipital. O R.C. poderá sofrer uma angulação caudal conforme necessidade

14 SELA TÚICA - FRENTE Posição: D.V. PMS:. LOM:. R.C..: 10º cranial, orientado para região occipital. D.D.F: 100 cm. Filme: 18x24, posicionado em relação ao R.C. Obs: para incidência em AP, o R.C. deve ter o sentido caudal usar cilindro fechado ou colimação adequada. Visualização: teto e assoalho da sela

15 DORSO DA SELA TÚICA - FRENTE Posição: PMS: LOM: R.C.: D.D.F.: Filme: Nota: Visualização: D.V. 20 a 30º cranial, orientado para região occipital. 100 cm. 18x24 transversalmente, posicionado em relação ao R.C. para incidência em AP, o R.C. deve ter o sentido caudal. usar cilindro ou colimação adequada. dorso da sela, clinóides e posteriores

16 SELA TÚICA - PERFIL Posição: D.V. PMS: paralelo. LIOM:. R.C.:, orientado para 2cm superior e anterior ao ouvido externo. D.D.F.: 100cm. Filme: 18x24 transversalmente, posicionado em relação ao R.C. Nota: usar cilindro ou colimação adequada. Visualização: sela túrcica em perfil

17 OSSOS DA FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO FACE - WATERS Posição: D.V.. PMS:. LMM:. R.C.:, orientado para região do bregma e deve sair no acantion. D.D.F.: 100cm. Filme: 18x24 / 24x30longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: órbitas, maxilares, septo nasal e osso zigomático. Nota: incidência panorâmica. Pode-se realizar incidência em D.D., nesse caso o R.C. deve ser orientado para o acantion

18 FACE - CALDWELL Posição: D.V. / ortostático. PMS:. LOM:. R.C: 15º, orientado para a região lambidóide, saindo no nasio. D.F.F.: 100 cm. Filme: 24x30 longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: septo nasal e órbitas

19 ÓRBITA - FRENTE Posição: D.V.. PMS:. LOM: a 55º com a mesa. R.C.:, orientado para região do bregma e deve sair no acantion. D.D.F.: 100cm. Filme: 18x24 transversal, posicionado em relação ao R.C. Nota: incidência panorâmica, colimação transversal. Visualização: órbitas

20 FACE PERFIL Posição: D.V.. ou ortostático - posição de nadador. PMS: paralelo. LOM:. R.C. :, orientado entre o canto externo da órbita e o MAE. D.F.F.: 100 cm. FILME: 18x24 longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: ossos da face sobrepostos, sela túrcica, mandíbula. Nota: incidência panorâmica

21 NASAL - WATERS Posição: D.V./ ortostático. PMS: LMM:. R.C.:, orientado para região do bregma e deve sair no acantion. D.D.F.: 100cm. Filme: 18x24 transversalmente, posicionado em relação ao R.C. Nota: usar cilindro ou colimação adequada. Visualização: osso nasal

22 NASAL - CALDWELL Posição: D.V. / ortostático. PMS: LOM:. R.C: 15º, orientado para a região lambidóide, saindo no nasio. D.F.F.: 100 cm. Filme: 18X24 transversal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: septo nasal e órbitas. Nota: Incidência realizada com cilindro ou colimação adequada

23 NASAL - PERFIL Posição: D.V. PMS: paralelo. LIOM:. R.C. :, orientado para o nasal. D.D.F.: 100cm. Filme: 18x24 transversalmente, posicionado em relação ao R.C. Nota: usar cilindro ou colimação adequada. realizar perfil direito e esquerdo. Visualização: osso nasal em perfil

24 AO ZIGOMÁTICO AXIAL HIRTZ Posição: D.D. / sentado / ortostático. PMS:. LIOM: paralela. R.C. : à LIOM, orientado para entre os gônios. D.D.F.: 100 cm. Filme: 18x24 transversal sobre a mesa, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Osso zogomático. Nota: O R.C. poderá sofrer angulação cranial conforme necessidade

25 MANDÍBULA FRENTE - PA / AP Posição: D.D. / D.V. PMS:. LOM:. R.C. :, orientado para o centro da boca. D.F.F.: 100 cm. Filme: 18x24 longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Nota: realizar incidência com a boca aberta. Visualização: Côndilos, ramos e corpo da mandíbula

26 MANDÍBULA PERFIL Posição: D.V. / ortostático PMS: paralelo LIOM:. R.C.:, orientado para o ângulo da mandíbula. D.F.F.: 100cm. Filme: 18x24, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Mandíbula em perfil

27 MANDÍBULA AXIAL HIRTZ AP Posição: D.D. / sentado PMS:. LIOM: paralela. R.C. : à LIOM, orientado para entre os gônios. D.D.F.: 100 cm. Filme: 18x24 \ 24x30, posicionado em relação ao R.C. Visualização: mandíbula, osso occipital. Nota: O R.C. poderá sofrer angulação cranial conforme necessidade

28 MANDÍBULA - TOWNE Posição: D.D. PMS:. LOM:. R.C.: com ângulo de 30º caudal, orientado para o frontal. D.F.F.: 100 cm. Filme: 18x24 transversal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Côndilos da mandíbula

29 MANDÍBULA OBLÍQUA Posição: D.L. / sentado. PMS: paralelo. PMS do crânio: obliquado, posicionar de forma a apoiar a região parietal sobre a mesa. LMM:. R.C.:, orientado para o centro da mandíbula. D.F.F.: 100cm. Filme: 18x24 transversal, posicionado em relação do R.C. Nota: Incidência realizada com cilindro de extensão. O R.C. poderá sofrer uma angulação no sentido cranial conforme necessidade. Visualização: Ramos mandibulares, corpo e côndilos. PLANIGRAFIA DE ATM PERFIL - SCHULLER Método de diagnóstico por imagem com movimentação simultânea do tubo de raios- x e do bucky, durante a exposição, que tem por finalidade tirar de sobreposição estruturas que não interessam, deixando apenas aquelas de interesse, com nitidez

30 ATM AXIAL - TOWNE Posição: D.D. PMS:. LOM:. R.C.: com ângulo de 40º caudal, orientado para frontal. D.F.F.: 100 cm. Filme: 18x24 transversal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Côndilos da mandíbula. Nota: Incidência realizada comparativa. Incidência realizada com boca aberta e fechada. Incidência realizada com colimação transversal. Visualização: Processos condilóides, côndilos e fossa temporo-mandibular

31 ATM PERFIL - SCHULLER Posição: D.V.- posição de nadador. PMS: paralelo. LOM:. R.C.: 30º caudal, orientado para região parietal, 5cm acima e 2cm adiante do MAE. D.F.F.: 100 cm. FILME: 18x24 transversal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: ATM mais próxima do filme. Nota: Incidência realizada com cilindro. Realizar incidência com a boca aberta e fechada. PLANIGRAFIA DE ATM PERFIL - SCHULLER Método de diagnóstico por imagem com movimentação simultânea do tubo de raios- x e do bucky, durante a exposição, que tem por finalidade tirar de sobreposição estruturas que não interessam, deixando apenas aquelas de interesse, com nitidez

32 SEIOS PARANASAIS POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO SEIOS DA FACE - WATERS Posição: D.V. / ortostático. PMS:. LMM:. R.C.:, orientado para região do bregma e deve sair no acantion. D.D.F.: 100cm. Filme: 18x24 longituidinal / 24x30 transversal, posicionado em relação ao R.C.. Visualização: seios maxilares e fossas nasais. Nota: Incidência realizada com cilindro. Para as crianças a incidência AP é mais bem recomendada

33 SEIOS DA FACE PA - CALDWELL Posição: ortostático / D.V. PMS:. LOM:. R.C. : 15º, orientado para a região lambidóide, saindo no nasio. D.F.F.: 100 cm. Filme: 18x24 longituidinal / 24x30 transversal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Seios frontais e etmoidais. Nota: Incidência realizada com cilindro

34 SEIOS DA FACE - PERFIL Posição: D.V. ou ortostático - posição de nadador. PMS: paralelo à mesa. LOM:. R.C.:, orientado entre o canto externo da órbita e o MAE, altura do pavilhão. D.F.F.: 100 cm. FILME: 18x24 longitudinal / 24x30 transversal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Seios esfenoidais e frontais. Nota: Incidência realizada com cilindro

35 SEIOS DA FACE - AXIAL HIRTZ Posição: D.V. / sentado / ortostático. PMS:. LIOM: Paralela. R.C. : à LIOM, orientado para região do bregma. D.F.F.: 100 cm. Filme: 18x24 longitudinal / 24x30 transversal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Seios esfenóidais, etmoidais e fossas nasais. Nota: O R.C. poderá sofrer uma angulação caudal conforme necessidade. Incidência realizada com cilindro

36 CAVUM - ADENÓIDES Posição: ortostático. PMS: paralelo, cabeça em ligeira extensão. R.C.:, orientado para 5 cm abaixo 2 cm acima do MAE. D.F.F.: 100cm. Filme: 18x24 longitudinal, posicionado em relação ao R.C. Visualização: Adenóide. Nota: Não solicitar apnéia. Incidência realizada com cilindro. Poderá ser solicitada incidência com a boca aberta e fechada

37 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP)

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP) Coluna Cervical (AP) COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer

Leia mais

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO OSSOS DO CRÂNIO Prof. ROMMEL BARRETO Crânio: lâmina externa diploe lâmina interna Crânio: Definição: Funções: Divisão Funcional: Ossos do Neurocrânio: Ossos do Viscerocrânio: Crânio: 22 ossos? Crânio

Leia mais

Radiologia médica - Anatomia I. Total de 7 páginas 1

Radiologia médica - Anatomia I. Total de 7 páginas 1 OSSOS DA FACE Ossos da face crescem até aos 16 anos; Com amadurecimento: os ossos do crânio se expandem, dentes se formam e emergem, seios paranasais aumentam. Ossos Nasais Ossos da face (14): 2 ossos

Leia mais

8 páginas 1. Formam a cavidade do crânio que. Repousa no topo da coluna vertebral. 22 ossos

8 páginas 1. Formam a cavidade do crânio que. Repousa no topo da coluna vertebral. 22 ossos Ossos do crânio ou neurocrânio (Somente texto) CRÂNIO E OSSO HIÓIDE Formam a cavidade do crânio que encerra e protege o cérebro. Repousa no topo da coluna vertebral 22 ossos Ossos do crânio câ o(8) Ossos

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1

OSSOS DA CABEÇA PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1 OSSOS DA CABEÇA PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1 1 CABEÇA ÓSSEA É dividida em crânio (neurocrânio) e face (víscero-crânio). O crânio forma uma caixa alojando o encéfalo, e a face aloja os órgãos dos

Leia mais

Coluna Vertebral e Crâneo

Coluna Vertebral e Crâneo Coluna Vertebral e Crâneo Nome: Turma: PL1/PL2 Aspectos gerais A. Legende a figura e refira o número de vértebras existentes em cada uma das regiões assinaladas: 1- N.º de vértebras: 2- N.º de vértebras:

Leia mais

Molares Decíduos Decíduos

Molares Decíduos Decíduos Ô Ô Ô Ô Osso Frontal e Ossos Próprios do Nariz. Ô Osso Frontal e Ossos Próprios do Nariz. Ossos Esfenóide e Occipital. Ô Osso Frontal e Ossos Próprios do Nariz. Ossos Esfenóide e Occipital. Meato Acústico

Leia mais

Coluna Vertebral e Crâneo

Coluna Vertebral e Crâneo Coluna Vertebral e Crâneo Nome: Turma: PL1/PL2 Aspectos gerais A. Legende a figura e refira o número de vértebras existentes em cada uma das regiões assinaladas: 1- Cervical 2- Toráxica 3- Lombar N.º de

Leia mais

Nariz e Laringe. Anatomia Aplicada à Medicina IV MOR 044 Prof. Sérvulo Luiz Borges

Nariz e Laringe. Anatomia Aplicada à Medicina IV MOR 044 Prof. Sérvulo Luiz Borges Nariz e Laringe Anatomia Aplicada à Medicina IV MOR 044 Prof. Sérvulo Luiz Borges Rinoscopia normal Nariz: Funções Condução do ar Sentido do olfato Filtrar, aquecer e umedecer o ar inspirado Eliminar as

Leia mais

desta escala em uma fotografia revelada. A redução na ampliação foi de 52%, ou seja, as medidas lineares nas fotografias corresponderam

desta escala em uma fotografia revelada. A redução na ampliação foi de 52%, ou seja, as medidas lineares nas fotografias corresponderam MATERIAL E MÉTODO 64 FIGURA 4.7 escala posicionada no plano mediano do cefalostato. Foi realizada aferição, por meio de paquímetro digital, das dimensões desta escala em uma fotografia revelada. A redução

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELARES Abelardo Raimundo de Souza* INTRODUÇÃO A articulação femoropatelar é de fundamental importância para o aparelho extensor,

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo:

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo: MÓDULO 10 MODELAGEM DE DADOS II Os relacionamentos devem ser enquadrados em três grandes grupos para que possam cumprir a finalidade de expressar a semântica das associações entre as entidades. As três

Leia mais

Cardans de Trat ores

Cardans de Trat ores Cardans de Trat ores Com o código da Montadora ou do Fabricante, montamos qualquer tipo de Cardans e fornecemos seus componentes avulsos. N DA MONTADORA TRATORES JONH DEERE PRODUTO OBS. SERIE DQ44685 CARDAN

Leia mais

Sistema respiratório. Profa. Mirelle Saes

Sistema respiratório. Profa. Mirelle Saes Sistema respiratório Profa. Mirelle Saes Sistema Respiratório Respiração troca substâncias gasosas entre o ar e a corrente sanguínea. Bulbo amplitude e freqüência da respiração. Diafragma nervo frênico.

Leia mais

ANATOMOFISIOLOGIA GERAL NERVO TRIGÊMIO

ANATOMOFISIOLOGIA GERAL NERVO TRIGÊMIO ANATOMOFISIOLOGIA GERAL NERVO TRIGÊMIO Prof. Álvaro Benevides ANATOMOFISIOLOGIA GERAL NERVO TRIGÊMIO Generalidades NERVO TRIGÊMIO Em anatomia, chama-se sistema nervoso central, ou neuroeixo, ao conjunto

Leia mais

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL PLANOS E EIXOS. Prof. Dra. Camila da Silva Frade

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL PLANOS E EIXOS. Prof. Dra. Camila da Silva Frade DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL PLANOS E EIXOS Prof. Dra. Camila da Silva Frade E-mail: camila.s.frade@gmail.com Assim como as linhas imaginárias traçadas para nos orientar quanto à superfície

Leia mais

COLEÇÃO MANUAIS DA ODONTOLOGIA ANATOMIA E COORDENADORA SANDRA DE QUADROS UZÊDA AUTORES SANDRA DE QUADROS UZÊDA MARCOS VIDAL RIVAS

COLEÇÃO MANUAIS DA ODONTOLOGIA ANATOMIA E COORDENADORA SANDRA DE QUADROS UZÊDA AUTORES SANDRA DE QUADROS UZÊDA MARCOS VIDAL RIVAS COLEÇÃO MANUAIS DA ODONTOLOGIA 3 CIRURGIA ANATOMIA E ORAL COORDENADORA SANDRA DE QUADROS UZÊDA AUTORES SANDRA DE QUADROS UZÊDA MARCOS VIDAL RIVAS SUMÁRIO OSTEOLOGIA CAPÍTULO 1 1. Neurocrânio...15 2. Viscerocrânio...16

Leia mais

15/03/2016 OSTEOLOGIA GERAL E ESQUELETO AXIAL TERMINOLOGIA PARTES DE UM OSSO TERMINOLOGIA TERMINOLOGIA O SISTEMA ESQUELÉTICO EPÍFISE

15/03/2016 OSTEOLOGIA GERAL E ESQUELETO AXIAL TERMINOLOGIA PARTES DE UM OSSO TERMINOLOGIA TERMINOLOGIA O SISTEMA ESQUELÉTICO EPÍFISE O SISTEMA ESQUELÉTICO OSTEOLOGIA Estudo dos ossos que formam o esqueleto ou a estrutura do corpo Fornece a base para a estrutura externa e aparência dos vertebrados Possuem vasos sanguíneos, vasos linfáticos

Leia mais

Avaliação Radiológica Convencional dos Seios Paranasais

Avaliação Radiológica Convencional dos Seios Paranasais Avaliação Radiológica Convencional dos Seios Paranasais Marco Felipe Franco Rosa 1, Jorge Luiz Rodrigues Pereira 2, Jorge Francisco da Cunha Pinto 3, Fernando Raphael de Almeida Ferry 3 RESUMO Introdução:

Leia mais

Tem uma forma semelhante a uma pirâmide. O bordo orbitário é espesso e arredondado na sua abertura anterior.

Tem uma forma semelhante a uma pirâmide. O bordo orbitário é espesso e arredondado na sua abertura anterior. ÓRBITA Os ossos da órbita fornecem suporte e protecção para os tecidos moles orbitários. A órbita consiste em 7 ossos individuais, os quais se combinam para formar 4 paredes envolventes: esfenóide, frontal,

Leia mais

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 2 - Na eletrosfera de um átomo de carbono temos 6 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Planos Planos de delimitação e secção do corpo humano Planos Planos de delimitação Plano ventral

Leia mais

Posicionamento na Terra suposta esférica

Posicionamento na Terra suposta esférica Posicionamento na Terra suposta esférica Primeira imagem da Terra de TV feita do espaço em 1 de abril de 1960 sombra da Terra projetada na Lua Cheia durante o eclipse total Lua mostrava que a forma da

Leia mais

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral Sistema Esquelético 213 Esqueleto Apendicular 126 Esqueleto Axial 87 Crânio e ossos associados 29 Caixa torácica 25 Coluna vertebral 33 Crânio Abrigar e proteger o encéfalo Apresenta aberturas para passagem

Leia mais

RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA)

RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA) RADIOLOGIA PULMONAR RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA) É A MAIS UTILIZADA NA RADIOGRAFIA SIMPLES DO TÓRAX. É NECESSÁRIA UMA DISTÂNCIA MÍNIMA PARA A SUA REALIZAÇÃO, DA ORDEM DE 1,50

Leia mais

Introdução à Anatomia

Introdução à Anatomia ESTRUTURA ANIMAL 1 Introdução à Anatomia : É o fundamento de todas as outras ciências médicas. Função: Fornecer noções preciosas para as aplicações na prática médico-cirúrgica Anatomia vem do grego; Significa

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE

UNIVERSIDADE PAULISTA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE UNIVERSIDADE PAULISTA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE Brasilia UNIP Prof. Dr. Ricardo F. Paulin ANÁLISE FACIAL ð Interdependência Beleza Facial x Oclusão ð Inadequação do padrão dento-esquelético na avaliação

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Dr. Thiago Cabral

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Dr. Thiago Cabral SISTEMA RESPIRATÓRIO Respiração É o processo pelo qual o organismo absorve oxigênio e elimina gás carbônico. Órgão respiratório Pulmão Elemento intermediário Sangue Divisão do Sistema Respiratório Porção

Leia mais

ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR

ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR MANDIBULAR Anatomia Aplicada à Odontologia ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR MANDIBULAR Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA SETOR DE PATOLOGIA ANIMAL Abertura de crânio e colheita de sistema nervoso central Prof.ª Dr.ª Veridiana

Leia mais

APARELHO RESPIRATÓRIO

APARELHO RESPIRATÓRIO UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Anatomia Veterinária I APARELHO RESPIRATÓRIO Médico Veterinário

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser.

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Conceito: -Ostelogia -Esquelto -Ossos Profa. Silvia

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS I

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS I MEMBROS INFERIORES Posição: geralmente os exames dos membros inferiores são realizados com o paciente em decúbito dorsal, em decúbito lateral ou sentado, salvo alguns exames especiais. Distância: DFOFI=1

Leia mais

Introdução ao estudo da anatomia

Introdução ao estudo da anatomia 1 Introdução ao estudo da anatomia Paulo Henrique Ferreira Caria Anatomia é uma palavra de origem grega cujos radicais, ana e tomia, significam, respectivamente, através de e cortar, fazendo referência

Leia mais

Sistema Vascular. Xilema. Atividade do Procâmbio ou Câmbio Vascular

Sistema Vascular. Xilema. Atividade do Procâmbio ou Câmbio Vascular Sistema Vascular Formado pelo e Floema: Ambos são tecidos complexos; Características de plantas superiores; Encarregados de transporte de água e outras substâncias: água e sais minerais; Floema água junto

Leia mais

FOLHETOS GERMINATIVOS

FOLHETOS GERMINATIVOS Prof. Adj. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia IBB/UNESP FOLHETOS GERMINATIVOS ectoderme mesoderme endoderme 1 ORGANOGÊNESE RUDIMENTAR diferenciação inicial da mesoderme - Paraxial (Somitos)

Leia mais

IMAGENS DA ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA

IMAGENS DA ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA IMAGENS DA ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA O exame radiográfico periapical para avaliação dos dentes e estruturas da maxila permite a observação de imagens de estruturas anatômicas, características de

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Profª. Ana Carolina Athayde Braz. Programa da Disciplina. 1. Introdução ao Estudo da Anatomia

ANATOMIA HUMANA. Profª. Ana Carolina Athayde Braz. Programa da Disciplina. 1. Introdução ao Estudo da Anatomia ANATOMIA HUMANA Profª. Ana Carolina Athayde Braz Programa da Disciplina 1. Introdução ao Estudo da Anatomia 2. Sistema Passivo de Locomoção Esqueleto e Sistema Ósseo. 2.1 Osteologia, Funções e Classificação

Leia mais

Embriologia da face e da cavidade oral

Embriologia da face e da cavidade oral Embriologia da face e da cavidade oral Dia 0 Dia 3 Dia 5 Dia 15 Dia 20 1 0 Mês 14-16 DIAS Gastrulação RELEMBRAR ectoderma epiblasto ectoderma mesoderma mesoderma endoderma endoderma 23 dias Remoção da

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Basicamente a respiração é a absorção pelo organismo de oxigênio e a eliminação do gás carbônico

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os ossos se unem uns aos outros para constituir o esqueleto; Permitem a mobilidade Permitem a união entre os ossos

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAL. Marcio A. Ramalho ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND

PROJETO ESTRUTURAL. Marcio A. Ramalho ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND PROJETO ESTRUTURAL Marcio A. Ramalho Concepção Estrutural e Ações PAE / 2 Conceitos Básicos e Definições Concepção Estrutural Determinar paredes estruturais ou não-estruturais para resistir a ações verticais

Leia mais

NERVO TRIGÊMEO. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD. PhD

NERVO TRIGÊMEO. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD. PhD NERVO TRIGÊMEO Anatomia Aplicada à Odontologia Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, NERVO TRIGÊMEO Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor () em CTBMF - University

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA CONCURSO PUBLICO DE ADMISSAO AO CORPO A UXILIAR DE PRA ÇAS CPA-CAP/2016 NÃO ESTÁ AUTORIZADA A UTILIZAÇÃO DE MATERIAL EXTRA RADIOLOGIA MEDICA QUESTÃO 1 Qual

Leia mais

ANEXO A: TÉCNICA CIRÚRGICA

ANEXO A: TÉCNICA CIRÚRGICA ANEXO A: TÉCNICA CIRÚRGICA A técnica cirúrgica utilizada em nossos pacientes, para correção do lagoftalmo, foi idealizada por GILLIES em 1934 e descrita com detalhes por ANDERSEN (1961) e ANTIA (1966).

Leia mais

Aula 7- Desgaste e Vida da Ferramenta

Aula 7- Desgaste e Vida da Ferramenta A vida da ferramenta é o tempo que a mesma trabalha efetivamente ( deduzidos os tempos passivos ), até perder sua capacidade de corte. Considerando um critério de fim-de-vida pré-estabelecido (exemplo

Leia mais

ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA EM RADIOGRAFIAS PERIAPICAIS

ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA EM RADIOGRAFIAS PERIAPICAIS ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA EM RADIOGRAFIAS PERIAPICAIS O exame radiográfico pelo método periapical para avaliação dos dentes e estruturas da maxila permite a observação de uma série de imagens de

Leia mais

Manual de Aplicação da Marca UEC

Manual de Aplicação da Marca UEC 1 Manual de Aplicação da Marca UEC 2 Apresentação Nossa História...5 Introdução... 6 Introdução à Marca... 7 Elementos Básicos Marca UEC...9 Marca Cor Positiva... 11 Preto e Branco... 12 Negativa... 13-14

Leia mais

Sistemas de Referência. A parte de corte de uma Ferramenta é formada pelas superfícies de saída,

Sistemas de Referência. A parte de corte de uma Ferramenta é formada pelas superfícies de saída, Sistemas de Referência A parte de corte de uma Ferramenta é formada pelas superfícies de saída, principal e secundária de folga; Diferencia-se dois sistemas de referência: sistema de referência da ferramenta

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM OSTEOPATIA

ESPECIALIZAÇÃO EM OSTEOPATIA ESPECIALIZAÇÃO EM OSTEOPATIA Nova estrutura (maior conteúdo) 438 horas c/ certificação internacional Oferta de Pen USB com informação complementar multimédia e 1 livro DATAS, LOCAIS E DESTINATÁRIOS DATAS

Leia mais

25 Problemas de Óptica

25 Problemas de Óptica 25 Problemas de Óptica Escola Olímpica - Gabriel Lefundes 25 de julho de 2015 Problema 1. O ângulo de deflexão mínimo um certo prisma de vidro é igual ao seu ângulo de refração. Encontre-os. Dado: n vidro

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 10: PLANEJAMENTO E PRINCÍPIOS DO DESIGN Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro Data:

Leia mais

Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: Espaço do aluno

Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: Espaço do aluno Es c o la Bá s i c a d o s 2 º e 3 º c i c lo s d e S an t o An t ó n i o Ficha de Avaliação Sumativa M a t e m á t i c a Nome: N.º Professor: Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: A MINHA

Leia mais

Arq bras odontol 2010; 6(1):45-54 ISSN

Arq bras odontol 2010; 6(1):45-54 ISSN INDICAÇÃO DE RADIOGRAFIAS, TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CRÂNIO HUMANO Radiography, computerized tomography, and magnetic resonance: indications in the study of the human

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução A química estuda as substâncias e suas transformações químicas. Essas substâncias são formadas de átomos de elementos

Leia mais

Cisco Networking Academy

Cisco Networking Academy Cisco Networking Academy IT ESSENTIALS Hardware e Software for Personal Computer Pré-requisitos Não há pré-requisito. Objetivo de ensino Prover conhecimentos e capacidades básicas para trabalhar com montagem

Leia mais

Trauma Maxilo - Facial. Importância da Face - Funções vitais - Terminal de quatro sentidos - Expressão facial - Elo de expressão

Trauma Maxilo - Facial. Importância da Face - Funções vitais - Terminal de quatro sentidos - Expressão facial - Elo de expressão Trauma Maxilo - Facial Importância da Face - Funções vitais - Terminal de quatro sentidos - Expressão facial - Elo de expressão Trauma Maxilo - Facial Etiologia - Acidentes automobilísticos - Acidentes

Leia mais

AFRF Exercícios Tele-Transmitido. Prof. Sérgio Altenfelder Estatística - 01

AFRF Exercícios Tele-Transmitido. Prof. Sérgio Altenfelder Estatística - 01 01. Para dados agrupados representados por uma curva de freqüências, as diferenças entre os valores da média, da mediana e da moda são indicadores da assimetria da curva. Indique a relação entre essas

Leia mais

02/23/2008. URI Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Curso de Psicologia Professor Claudio Alfredo Konrat

02/23/2008. URI Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Curso de Psicologia Professor Claudio Alfredo Konrat Anatomia É o ramo das ciências biológicas que estuda a forma e a estrutura dos organismos. Está intimamente ligada a fisiologia. URI Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Curso

Leia mais

(Pense num site bizurado.. auhae)

(Pense num site bizurado.. auhae) LISTA DE FÍSICA By Felipe Marambaia Q.1 (Miakishev) Dois carros movem-se com velocidades constantes v 1 e v 2 em estradas que se cruzam num ângulo. Determinar a grandeza e a direção da velocidade de um

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DO TRAMA CRANIO- ENCEFÁLICO (TCE)

NEURORRADIOLOGIA DO TRAMA CRANIO- ENCEFÁLICO (TCE) NEURORRADIOLOGIA DO TRAMA CRANIO- ENCEFÁLICO (TCE) ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) Os TCEs podem ser inicialmente divididos em abertos e fechados. Os abertos são causados principalmente por

Leia mais

Métodos Não Paramétricos

Métodos Não Paramétricos Métodos Não Paramétricos Para todos os testes estatísticos que estudamos até este ponto, assumimos que as populações tinham distribuição normal ou aproximadamente normal. Essa propriedade era necessária

Leia mais

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho 186 Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia M E S T R A D O E M A R T E S V I S U A I S Linha: Processos Criativos nas Artes Visuais Orientadora: profª drª Sônia Rangel Aluna: Maria Isabel

Leia mais

Atendimento ao Poli Traumatizado no Serviço de Imagem (T.C.)

Atendimento ao Poli Traumatizado no Serviço de Imagem (T.C.) Atendimento ao Poli Traumatizado no Serviço de Imagem (T.C.) Cláudio Araújo dos Santos Eterno discente e Descrente da Radiologia. The god medical radioly of universe. (sou do meu universo) Técnico em Radiologia

Leia mais

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de 2016 Entidades Convencionadas Designação Morada Valências Contactos CAL - Clínica do

Leia mais

Músculos da Face CINESIOTERAPIA

Músculos da Face CINESIOTERAPIA Músculos da Face Os músculos da face ou músculos da expressão facial são subcutâneos. Eles movem a pele e mudam as expressões da face para transmitir ânimo, disposição. Estes músculos estão nas partes

Leia mais

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras O caso da Câmara Municipal da Trofa Diagnóstico das Explorações Bovinas no Concelho da Trofa Trofa - Representatividade das explorações

Leia mais

FATORES DO PARTO. TRAJETO trajeto duro - bacia óssea feminina trajeto mole OBJETO. ovóide fetal MOTOR contração uterina

FATORES DO PARTO. TRAJETO trajeto duro - bacia óssea feminina trajeto mole OBJETO. ovóide fetal MOTOR contração uterina FATORES DO PARTO TRAJETO trajeto duro - bacia óssea feminina trajeto mole OBJETO ovóide fetal MOTOR contração uterina ESTUDO DO TRAJETO DURO OSSOS DA PELVE bacia óssea ílio + ísquio + pube = ilíaco ou

Leia mais

CHEGOU DIA 24 E AGORA?

CHEGOU DIA 24 E AGORA? CHEGOU DIA 24 E AGORA? VALORIZAÇÃO DA AMIZADE ANDRÉ VASCONCELOS TÉCNICO E TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PÓS-GRADUANDO EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NA AVALIAÇÃO DOS SEIOS PARANASAIS(Seios

Leia mais

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 Serve para uma avaliação

Leia mais

ESPELHOS. Neste capítulo estudaremos as leis da reflexão, a formação de imagens nos espelhos planos e nos espelhos esféricos.

ESPELHOS. Neste capítulo estudaremos as leis da reflexão, a formação de imagens nos espelhos planos e nos espelhos esféricos. AULA 17 ESPELHOS 1- INTRODUÇÃO Neste capítulo estudaremos as leis da reflexão, a formação de imagens nos espelhos planos e nos espelhos esféricos. 2- LEIS DA REFLEXÃO A reflexão da luz ocorre quando um

Leia mais

Anatomia da Cabeça e do Pescoço. Gaudencio Barbosa Residente Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio

Anatomia da Cabeça e do Pescoço. Gaudencio Barbosa Residente Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Anatomia da Cabeça e do Pescoço Gaudencio Barbosa Residente Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Area anatomicamente rica e complexa Indice de complicações depende

Leia mais

RaciocínioLógico TFC -C G U Tele - Transmitido Teoria Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 Prof.Milton Ueta Data de impressão: 08/02/2008 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas

Leia mais

ADAPTANDO A CHAVE DO ASTRA C/ 2 BOTÕES NA CHAVE CANIVETE DO GOLF

ADAPTANDO A CHAVE DO ASTRA C/ 2 BOTÕES NA CHAVE CANIVETE DO GOLF ADAPTANDO A CHAVE DO ASTRA C/ 2 BOTÕES NA CHAVE CANIVETE DO GOLF Para começar quero pedir a autorização do uso das fotos do Sr. Denis do Astraclub.com.br, pois a minha chave canivete já estava pronta e

Leia mais

Aspectos Anatômicos do Sistema Respiratório. Professora: Karen Mascaro Gonçalves da Silva

Aspectos Anatômicos do Sistema Respiratório. Professora: Karen Mascaro Gonçalves da Silva Aspectos Anatômicos do Sistema Respiratório Professora: Karen Mascaro Gonçalves da Silva Objetivo da aula Descrever a anatomia do sistema respiratório, sua relação com o corpo e seus vizinhos imediatos

Leia mais

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias Posições Cirúrgicas Professor: Eunaldo Dias Posições do paciente para cirurgia ou posições cirúrgicas são aquelas em que o paciente é colocado após procedimento anestésico, para ser submetido a intervenção

Leia mais

Bráquetesq. metálicos cerâmicos plásticos. corpo; base (superfície de contato). fio). aletas; fixação.

Bráquetesq. metálicos cerâmicos plásticos. corpo; base (superfície de contato). fio). aletas; fixação. Bráquetesq metálicos cerâmicos plásticos Composição i ã : corpo; encaixe ou slot (abriga o fio). aletas; fixação. base (superfície de contato). Bráquetes á t simples e duplo. Bráquetes á t para colagem

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade

Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade 1 1. Testes de Aderência Objetivo: Testar a adequabilidade de um modelo probabilístico a um conjunto de dados observados Exemplo 1: Genética

Leia mais

Crescimento da Mandíbula. Cartilagem de Meckel e Mandíbula Óssea

Crescimento da Mandíbula. Cartilagem de Meckel e Mandíbula Óssea Cartilagem de Meckel e Mandíbula Óssea O primeiro par de arcos branquiais é o precursor da maxila e da mandíbula Porém, a maxila é derivada de uma pequena proeminência deste arco branquial, muito menor

Leia mais

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA Introdução Pré-requisitos para um bom ultrassonografista Alto nível de destreza e coordenação olhos. de mãos e Conhecimento completo de anatomia, fisiologia

Leia mais

Definição e elementos. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das superfícies é refletora.

Definição e elementos. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das superfícies é refletora. ESPELHOS ESFÉRICOS Definição e elementos Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das superfícies é refletora. Definição e elementos - - - eixo secundário *Obs.: Qualquer eixo que passe pelo

Leia mais

ARTICULADORES NÃO ARCON E ARCON COMPREENDENDO MELHORIAS EM SUAS HASTES E PINO INCISAL.

ARTICULADORES NÃO ARCON E ARCON COMPREENDENDO MELHORIAS EM SUAS HASTES E PINO INCISAL. 1/8 ARTICULADORES NÃO ARCON E ARCON COMPREENDENDO MELHORIAS EM SUAS HASTES E PINO INCISAL. Campo técnico O presente pedido de modelo de utilidade descreve uma modificação realizada na haste da peça que

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL Nº DO PROCESSO: 0000000 CLASSE: AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: RÉU:, brasileira, solteira, contadora, estabelecida

Leia mais

Bacia obstétrica e Relação útero-fetal

Bacia obstétrica e Relação útero-fetal Bacia obstétrica e Relação útero-fetal Bacia obstétrica Bacia ou pelve: 2 ossos ilíacos, sacro, cóccix, pubis e respectivas articulações: sínfise púbica, sacroilíacas, sacro coccígenas. Bacia grande ou

Leia mais

A nossa catedral, concebida na primeira metade do século passado, foi projetada para um número de pessoas hoje não mais compatível quando em grandes

A nossa catedral, concebida na primeira metade do século passado, foi projetada para um número de pessoas hoje não mais compatível quando em grandes Catedral de goiânia TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO II Universidade Católica de Goiás Departamento de artes e Arquitetura TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO II Professor: Antonio LÚCIO ALUNO: igor toscani A nossa

Leia mais

OSASCO-COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

OSASCO-COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR OSASCO-COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR ASSESSORIA TÉCNICA Processo Avaliativo 1º Bimestre/2015 Disciplinas: Física B 1ª série EM Nome do aluno Nº Turma A lista de exercícios abaixo, consta de 12 questões diversas,

Leia mais

WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO.

WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da

Leia mais

(em relação a um referencial no infinito).

(em relação a um referencial no infinito). ELETRICIDADE NA ATMOSFERA DA TERRA O potencial elétrico da Terra A Terra é um grande condutor esférico eletrizado negativamente tom carga avaliada em 580kC (-580 quilocoulombs = -580.000 C). Seu raio é

Leia mais

ESPELHOS. Neste capítulo estudaremos as leis da reflexão, a formação de imagens nos espelhos planos e nos espelhos esféricos.

ESPELHOS. Neste capítulo estudaremos as leis da reflexão, a formação de imagens nos espelhos planos e nos espelhos esféricos. AULA 17 ESPELHOS 1- INTRODUÇÃO Neste capítulo estudaremos as leis da reflexão, a formação de imagens nos espelhos planos e nos espelhos esféricos. 2- LEIS DA REFLEXÃO A reflexão da luz ocorre quando um

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla

Leia mais

Caderno de Prova. Técnico de Radiologia. Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Administração e Previdência

Caderno de Prova. Técnico de Radiologia. Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Administração e Previdência Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Administração e Previdência Concurso Público Edital 011/2012 http://pmfsaude.fepese.org.br Caderno de Prova março 24 24 de março das 14 às

Leia mais

Sumário. Cabeça e Pescoço

Sumário. Cabeça e Pescoço Cabeça e Pescoço 1 Visão Geral 1.1 Regiões e Acidentes Ósseos.......................... 2 1.2 Cabeça e Pescoço em Conjunto e Fáscias do Pescoço.... 4 1.3 Anatomia Clínica....................................

Leia mais

Geometria Descritiva 28/08/2012. Elementos Primitivos da Geometria

Geometria Descritiva 28/08/2012. Elementos Primitivos da Geometria Geometria Descritiva Prof. Luiz Antonio do Nascimento ladnascimento@gmail.com www.lnascimento.com.br A Geometria, como qualquer outra ciência, fundamenta-se em observações e experiências para estabelecer

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS AO ESTUDO DA INSTABILIDADE FEMOROPATELAR

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS AO ESTUDO DA INSTABILIDADE FEMOROPATELAR TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS AO ESTUDO DA INSTABILIDADE FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza TNR. em Radiologia, Conselheiro do CRTR 9ª Região, Diretor tesoureiro do CONTER, Membro da comissão para

Leia mais

2º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº

2º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº Valor: 10 Nota:.. 1. (Ufsm 011) Na figura a seguir, são representados um objeto (O) e a sua imagem (I) formada pelos raios de

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MANUAL DE OPERAÇAO DO EQUIPAMENTO LEICA 900 CS DIRECIONADO A DISCIPLINA DE LEVANTAMENTOS GEODESICOS II Autores: Profa.Dra.Claudia Pereira

Leia mais