SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO"

Transcrição

1 SISTEMA LOCOMOTOR CABEÇA E PESCOÇO Crânio O crânio forma uma caixa óssea que tem a função primordial de abrigar e proteger o encéfalo. Outras funções importantes como: possui cavidades para órgãos da sensibilidade específica (visão, audição, equilíbrio, olfato e gustação), apresenta aberturas para a passagem do ar e do alimento e apresenta as maxilas, a mandíbula e os dentes, que são necessários para a mastigação. Composição óssea O crânio é composto por 22 ossos e se divide em neurocrânio e viscerocrânio. Neurocrânio é composto por 8 ossos: frontal (1), parietal (2), occipital (1), temporal (2), esfenóide (1) e etmóide (1). Viscerocrânio é composto por 14 ossos: maxila (2), palatino (2), zigomático (2), lacrimal (2), nasal (2), vômer (1), concha nasal inferior (2) e mandíbula (1). 1

2 Estrutura externa e interna O teto do neurocrânio é conhecido como calvária (calota craniana) enquanto seu assoalho é conhecido como base do crânio. A base externa do crânio é a parte inferior do neurocrânio e viscerocrânio menos a mandíbula. A base interna do crânio possui três depressões importantes que são: as fossas anterior, média e posterior do crânio. Órbita A órbita é uma cavidade óssea, piramidal, situada no viscerocrânio com sua base na frente e seu ápice atrás. Acomodam e protegem os bulbos dos olhos e seus músculos, nervos e vasos, junto com a maior parte do aparelho lacrimal. Ossos da órbita: frontal, lacrimal, esfenóide, etmóide, zigomático, palatino e maxila. Ossículos da audição Três pequenos ossos situados no interior da cavidade da orelha média na parte petrosa do de cada osso temporal. De fora para dentro, estes ossos são: martelo, bigorna e estribo. 2

3 Osso hióide O osso hióide é um osso especial, em forma de U, localizado na porção ântero-superior do pescoço, entre a mandíbula e a laringe. Não se articula com outro osso apenas preso pelos músculos supra-hióideos e infra-hióideos e ligamento estilo-hióideo. Articulações fibrosas do crânio Nas articulações fibrosas o elemento que se interpõe entre as peças que se articulam é o tecido conjuntivo fibroso. A grande maioria se localiza no crânio e sua mobilidade e extremamente reduzida. Os principais tipos de articulação fibrosa são as suturas, as sindesmoses e as gonfoses (tipo de sindesmose em particular). Articulações fibrosas do crânio 3

4 Articulação temporomandibular É uma articulação sinovial do tipo gínglimo modificada (bicondilar). As superfícies articulares envolvidas são o côndilo da mandíbula, o tubérculo articular do osso temporal e a fossa mandibular. Estruturas importantes : o disco articular e os ligamentos lateral,estilomandibular e esfenomandibular. Articulação Têmporo-Mandibular (ATM) Lig. Lateral estende-se do arco zigomático até a superfície lateral do ramo da mandíbula. Lig. Esfenomandibular da espinha do esfenóide à língula da mandíbula. Lig. Estilomandibular vai do processo estilóide à região posterior do ramo da mandíbula. Legenda: 1. Cápsula articular 2. Lig. Lateral (têmporo-mandibular) 3. Lig. estilomandibular Articulação têmporo-mandibular 1. Disco articular 4

5 Articulação têmporo-mandibular Articulação têmporo-mandibular 5

6 Articulação atlantoccipital Ocorre entre as faces articulares superiores das massas laterais do atlas e os côndilos occipitais. Estruturas importantes: membranas atlantoccipital anterior e posterior e o ligamento atlantoccipital lateral. Movimentos: Flexão e Extensão da cabeça Articulação atlantoccipital Articulação sinovial entre os côndilos occipitais e as faces articulares superiores do atlas. Estruturas importantes: membranas atlantoccipital anterior e posterior e o ligamento atlantoccipital lateral. Movimentos: Flexão e Extensão da cabeça Articulação atlantoccipital Estruturas Cápsulas Articulares - circundam os côndilos do occipital e as facetas articulares das massas laterais do atlas. Membrana Atlanto-occipital Anterior - larga e de fibras densamente entrelaçadas une a margem anterior do forame magno com a borda superior do arco anterior do atlas. 6

7 Articulação atlantoccipital Estruturas Membrana Atlanto-occipital Posterior - é ampla e fina e está fixada na margem posterior do forame magno e à borda superior do arco posterior de atlas. Ligamentos Atlanto-occipitais Laterais - são porções espessadas das cápsulas articulares reforçados por feixes de tecido fibroso e obliquamente dirigidos superior e medialmente. Inserem-se no processo jugular do osso occipital e na base do processo transverso do atlas. A estabilidade desta articulação é feita pelas membranas atlantooccipitais anterior e posterior. Membrana atlanto-occipital anterior MÚSCULOS DA CABEÇA FACE MASTIGAÇÃO 7

8 São músculos cutâneos responsáveis pela expressão facial. Músculo occipito-frontal: Origem: aponeurose epicrânica Inserção: pele da fronte. Ação: Eleva os supercílios. 8

9 Músculo orbicular do olho: Origem: Margens orbitais Inserção: Pele ao redor da órbita Ação: Fecha as pálpebras. Músculo corrugador do supercílio: Origem: M. orbicular e osso nasal. Inserção: Pele da sobrancelha Ação: enruga o supercílio preocupação. Músculo prócero Origem: M. frontal Inserção: Dorso do nariz. Ação: Puxa a sobrancelha para baixo (rugas no nariz). 9

10 Músculo nasal Duas partes: Parte transversa e alar. Origem: face superior do maxilar. Inserção: Dorso do nariz. Ação: dilata o nariz (parte alar) comprime o nariz (parte transversa). Músculo abaixador do septo Origem: região medial do maxilar. Inserção: parte móvel do septo nasal. Ação: dilata o nariz. Músculo orbicular da boca Origem: Maxila, mandíbula e pele profunda ao redor da boca. Inserção: lábios. Ação: comprime e protrai os lábios (assobio). 10

11 Músculo levantador do lábio superior Origem: Proc. frontal da maxila e região infra-orbital. Inserção: Pele do lábio superior e cartilagem alar (nariz). Ação: eleva o lábio, ângulo da boca e dilata a narina. Músculo mentual Origem: região mentual Inserção: região mentual Ação: eleva a pele do mento e protrai o lábio inferior. Músculo Bucinador Origem: mandíbula, proc. alveolares da maxila e da mandíbula e rafe pterigomandibular. Inserção: ângulo da boca. Ação: comprime a bochecha, puxa a boca para o lado quando age unilateralmente, ato de bocejar. 11

12 Músculo risório Músculo variável. Origem: M. platisma e fáscia do masseter. Inserção: fáscia da gl. Parótida e ângulo da boca. Ação: retrai o ângulo da boca lateralmente (riso forçado). Músculo platisma Origem: fáscia do m. deltóide e peitoral maior. Inserção: mandíbula inferiormente. Ação: abaixa a mandíbula e puxa os cantos da boca para baixo (careta). Músculo zigomático maior Origem: osso zigomático. Inserção: ângulo da boca. Ação: puxa o canto da boca súperolateralmente (alegria, riso espontâneo) 12

13 Músculo zigomático menor Pode estar ausente Origem: osso zigomático. Inserção: m. orbicular da boca. Ação: aprofunda o sulco nasolabial e ajuda a elevar o lábio superior (desprezo). Músculo abaixador do lábio Lateral ao músculo mentual, fixa-se à mandíbula e funde-se superiormente com o orbicular da boca. Puxa o lábio para baixo e ligeiramente para o lado. 13

14 Músculo esternocleidomastóideo Origem: Manúbrio do esterno e terço medial da clavícula Inserção: proc. mastóide Ação: flexão da cabeça (conjunto) ou flexão lateral com rotação da face (um só). Músculo escalenos Dividem-se em: anterior, médio e posterior Origem: proc. transverso das vértebras cervicais Inserção: 1ª costela (anterior e médio) e 2ª costela (posterior) Ação: Flexionam lateralmente a coluna cervical e indiretamente a cabeça. 14

15 Músculo levantador da escápula Origem: proc. transverso das vértebras C1 a C6 Inserção: Borda medial da escápula (parte superior) Ação: Eleva a escápula e inclina a cavidade glenóide. Músculo esplênio da cabeça Origem: proc. espinhosos cervicais. Inserção: proc. mastóide. Ação: extensão e flexão lateral da coluna cervical (cabeça). 15

16 16

17 Músculo semi-espinhal da cabeça Origem: proc. transversos cervicais. Inserção: parte medial da linha nucal superior. Ação: extensão da cabeça e coluna. 17

18 Músculo semi-espinhal do pescoço Origem: proc. transversos da 1ª à 6ª vértebra torácica. Inserção: proc. espinhosos da 1ª à 5ª vértebra cervical. Ação: extensão da cabeça e coluna. 18

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO OSSOS DA CABEÇA O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas,

Leia mais

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Prof. Dr. Caio Maximino Marabá Maio/2015 Cabeça é composta por crânio, face, escalpo, dentes, encéfalo, nervos cranianos, meninges, órgãos dos sentidos

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL: UMA ABORDAGEM INTERATIVA NA WEB III Programa de Bolsas de Iniciação Científica AUTORA: Renata Vasconcelos Pavan CO-AUTORAS: Paula Ribeiro Borges Vanessa

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral 7 0 9 8 7. Côndilo do occipital;. Forame Magno;. Processo Paracondilar;. Temporal;. Forame Supraorbital;. Bula Timpânica; 7. Vômer; 8. Zigomático; 9. Asa do

Leia mais

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO)

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) A avaliação de perda auditiva ou tiníto quase sempre inclui a investigação do osso temporal através de imagens. Há uma grande variedade de processos de doenças congênitas e adquiridas

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Módulo 6: Anatomia da Cabeça 2012 / 2013. Escola Europeia de Ensino Profissional Manuel Rodríguez Suárez. Nº3814; Maria José Costa Pereira

Módulo 6: Anatomia da Cabeça 2012 / 2013. Escola Europeia de Ensino Profissional Manuel Rodríguez Suárez. Nº3814; Maria José Costa Pereira Módulo 6: Anatomia da Cabeça Escola Europeia de Ensino Profissional Manuel Rodríguez Suárez 2012 / 2013 Nº3814; Maria José Costa Pereira Módulo 6: Anatomia da Cabeça Escola Europeia de Ensino Profissional

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

Esqueleto axial. http://www.imagingonline.com.br/

Esqueleto axial. http://www.imagingonline.com.br/ 2010 Esqueleto axial http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve sucintamente os ossos do esqueleto axial. No final do capítulo, encontras-se um mini-atlas e exercícios de memorização a partir

Leia mais

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira 1 SISTEMA OSTEOARTICULAR III ESQUELETO AXIAL CABEÇA ÓSSEA SUMÁRIO I DIVISÕES DA CABEÇA ÓSSEA Crânio: calote e base Face II - OSSOS DO CRÂNIO 1 Parietal Faces interna e externa Bordos superior ou sagital,

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório Organização Geral Pulmões: órgãos de troca gasosa. Órgão auxiliares: apenas passagem de ar. o Nariz: nariz externo, cavidade nasal e seios paranasais. o Faringe (nasofaringe) o Laringe

Leia mais

UND 1 R$ 8.850,000 R$ 8.850,00 23402.002009/2010-16 MICROLLAGOS MICROSCOPIA CIENTIFICA LTDA 3B 3B

UND 1 R$ 8.850,000 R$ 8.850,00 23402.002009/2010-16 MICROLLAGOS MICROSCOPIA CIENTIFICA LTDA 3B 3B FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO SECRETÁRIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO Visando a aquisição de equipamentos para laboratório - Pregão 56/2010 Processo nº 23402.001770/2010-22 Empenho Entrega

Leia mais

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB UNIODONTO DRA. NANCI CATANDI PERRONE OSSOS DA FACE MAXILA Forma o maxilar Limite inferior da cavidade orbitária Separa através do processo palatino a cavidade bucal

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO Anatomia de Superfície O estudo da anatomia se inicia com a divisão da superfície da cabeça e do pescoço em regiões, nas quais se encontram determinados pontos anatômicos de referência que devem ser bem

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

2. Biomecânica do ombro

2. Biomecânica do ombro 2. Biomecânica do ombro Devido ao elevado número de elementos anatómicos intervenientes na biomecânica do ombro, a sua análise torna-se bastante complexa. Como se sabe, a função da cintura escapular requer

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL

COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL MICHEL FELIPE PRASNIEVSKI ROSIMAR RODRIGUES VINICIUS ARAUJO 2013 Sistemas Sensoriais É o sistema constituído

Leia mais

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano A articulação é formada pela coaptação de dois ossos com o auxílio de músculos esqueléticos, ligamentos e cápsula articular. Para uma melhor compreensão é necessário

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II Prof. Marcio Ap. dos S. Major ANATOMIA RADIOGRÁFICA DO CRÂNIO O crânio, ou esqueleto ósseo da cabeça, é formando por oito ossos, quatro dos quais ímpares: frontal,

Leia mais

Anatomia da face aplicada aos preenchedores e à toxina botulínica Parte II

Anatomia da face aplicada aos preenchedores e à toxina botulínica Parte II 291 Anatomia da face aplicada aos preenchedores e à toxina botulínica Parte II Facial anatomy and the application of fillers and botulinum toxin Part II Educação Médica Continuada RESUMO Na parte II deste

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8. Padrão FCI 298 05/02/1999. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8. Padrão FCI 298 05/02/1999. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 298 05/02/1999 Padrão Oficial da Raça LAGOTTO ROMAGNOLO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA 01 Posição do braço em abdução significa a) com rotação interna b) com rotação externa c) braço

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7. Padrão FCI 165 04/12/1998. Padrão Ofi cial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7. Padrão FCI 165 04/12/1998. Padrão Ofi cial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI 165 04/12/1998 Padrão Ofi cial da Raça SPINONE ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

EVENTOS AGUDOS NA ATENÇÃO BÁSICA

EVENTOS AGUDOS NA ATENÇÃO BÁSICA EVENTOS AGUDOS NA ATENÇÃO BÁSICA Trauma de Face GOVERNO FEDERAL Presidente da República Ministro da Saúde Secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) Diretora do Departamento de Gestão

Leia mais

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG e da PUC-Minas

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

Ponto Adrenal. Tubérculo Inferior do bordo do

Ponto Adrenal. Tubérculo Inferior do bordo do Pontos de Comando Ponto Adrenal Tubérculo Inferior do bordo do tragus: Ação: neuro-humoral (corticóides), analgésica,coagulante, imunológica, antiinfecciosa,antiinflamatória ansiolíotica Adrenal SNV (Simpático)

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 9 Padrão FCI N o 140 24/06/2014. Padrão Oficial da Raça ON TERRIER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 9 Padrão FCI N o 140 24/06/2014. Padrão Oficial da Raça ON TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI N o 140 24/06/2014 Padrão Oficial da Raça BOSTON ON TERRIER 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada

Leia mais

ESTUDO DO CRÂNIO DE MABUYA AGILIS (RADDI, 1823) (LACERTILIA, SCINCIDAE)

ESTUDO DO CRÂNIO DE MABUYA AGILIS (RADDI, 1823) (LACERTILIA, SCINCIDAE) ESTUDO DO CRÂNIO DE MABUYA AGILIS (RADDI, 1823) (LACERTILIA, SCINCIDAE) Palavras-chave: Osteologia. Crânio. Mabuya. FERREIRA JR., Julio Cesar 1 SOARES, Marcelo de Araújo 2 Introdução A mais complicada

Leia mais

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos Crianças com deformidades na face Avaliação da via aérea difícil Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos anomalias anatômicas cavidade oral espaço mandibular anterior maxila articulação

Leia mais

OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS

OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS Disciplina: Biologia Série: 2ª série E.M. - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Órgãos dos sentidos OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS Os sentidos fundamentais do corpo humano - visão, audição, tato,

Leia mais

BOM DIA. Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA. Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!! BOM DIA Sejam bem vindas e boa aula!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB DRA. NANCI CATANDI PERRONE Saúde Bucal X Saúde Geral DEFINIÇÕES ANATOMIA Estudo cientifico da forma e estrutura do corpo. FISIOLOGIA Estudo cientifico

Leia mais

ANATOMIA CERVICAL CIRÚRGICA

ANATOMIA CERVICAL CIRÚRGICA ANATOMIA CERVICAL CIRÚRGICA A anatomia do pescoço, dada a quantidade de estruturas neurais, vasculares, glandulares e do trato aerodigestivo nele contido, é complexa. É necessário um conhecimento profundo

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

ESTUDO DE UMA PROPOSTA DE UM MODELO DE AVALIAÇÃO CINESIOLÓGICA FUNCIONAL PARA FACE

ESTUDO DE UMA PROPOSTA DE UM MODELO DE AVALIAÇÃO CINESIOLÓGICA FUNCIONAL PARA FACE UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC SETOR DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU-SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA E ESPORTIVA LIDIANE RIBEIRO DE SOUZA ESTUDO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA PAULO DA SILVA

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA PAULO DA SILVA UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA PAULO DA SILVA A INFLUÊNCIA DA POSTURA DAS ESTRUTURAS DA COLUNA CERVICAL NA DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

Leia mais

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O sistema respiratório é responsável pelo mecanismo de troca gasosa (hematose) com o ar atmosférico para garantir

Leia mais

GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009

GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009 Padrão Oficial da Raça POINTER INGLÊS (ENGLISH POINTER) M.Davidson, illustr. NKU Picture Library

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

Tabela Fundamental de indenizações. Portaria nº 4-11/06/59. CABEÇA. a) Crânio e face.

Tabela Fundamental de indenizações. Portaria nº 4-11/06/59. CABEÇA. a) Crânio e face. Tabela Fundamental de indenizações. Portaria nº 4-11/06/59. CABEÇA a) Crânio e face. A classificação será feita aplicando-se os critérios relativos ao prejuízo estético alterações psíquicas e neurológicas

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Corpo Humano Tipos de Tecidos Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal

Leia mais

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Paciente: J. B. L. Idade: 27anos Sexo: feminino Profissão: desempregada Tipo Facial : Braquifacial Classificação de Angle: classe I Leucoderma Queixa Principal

Leia mais

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Prof Luciano Santa Rita Oliveira Fonte de consulta: Prof Rafael Silva e Prof Jorge Loureiro http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

Anatomia- Prof: Renato de Oliveira. Capitulo 2. (Ossos, Articulações,Musculos) Conhecendo os ossos e o sistema esquelético

Anatomia- Prof: Renato de Oliveira. Capitulo 2. (Ossos, Articulações,Musculos) Conhecendo os ossos e o sistema esquelético Anatomia- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 2 (Ossos, Articulações,Musculos) Conhecendo os ossos e o sistema esquelético Apesar de seu aspecto simples, o osso possui funções bastante complexas e vitais

Leia mais

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS SISTEMA SENSORIAL PEIXES A visão dos vertebrados terrestres depende de lentes planas e flexíveis; Os vertebrados aquáticos dependem de lentes esféricas, menos flexíveis, com um alto poder de refração.

Leia mais

GOLDEN RETRIEVER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 8 Padrão FCI N o 111 28/10/2009. Padrão Oficial da Raça

GOLDEN RETRIEVER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 8 Padrão FCI N o 111 28/10/2009. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI N o 111 28/10/2009 Padrão Oficial da Raça GOLDEN RETRIEVER M.Davidson, illustr. NKU Picture Library Esta ilustração

Leia mais

Anatomia do Osso Temporal

Anatomia do Osso Temporal Anatomia do Osso Temporal Introdução A anatomia do osso temporal não é fácil de ser compreendida em virtude do grande número de estruturas e funções agrupadas nesse pequeno espaço ósseo, inexistente em

Leia mais

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza Protocolos coluna Profº. Claudio Souza Coluna vertebral A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, e eventualmente por 32 ou 34, estas são classificadas como ossos irregulares. A coluna vertebral

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 2 Padrão FCI N o 143 14/02/1994. Padrão Oficial da Raça DOBERMANN

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 2 Padrão FCI N o 143 14/02/1994. Padrão Oficial da Raça DOBERMANN CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI N o 143 14/02/1994 Padrão Oficial da Raça DOBERMANN 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

ANATOMIA HUMANA UNIDADE 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA

ANATOMIA HUMANA UNIDADE 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA ANATOMIA HUMANA UNIDADE 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA 1.1. GENERALIDADES No seu conceito mais amplo, a Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

PEQUENO LEBRÉL ITALIANO

PEQUENO LEBRÉL ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 10 Padrão FCI 200 17/06/1998 Padrão Oficial da Raça PEQUENO LEBRÉL ITALIANO PICCOLO LEVRIERO ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Cabeça óssea caveira

Cabeça óssea caveira Cabeça óssea caveira Cabeça óssea a) Crânio ósseo (sem mandíbula) Calvaria e base do crânio b) Face óssea Esqueleto facial inferior mandíbula Esqueleto facial superior Trepanação CALOTE (calva) BASE DO

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula 1 NOTA DE AULA N.01: PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FORMAÇÃO DA IMAGEM RADIOGRÁFICA E RADIOPROTEÇÃO 1) Terminologia Radiográfica Termos comumente usados compatíveis com a terminologia de posicionamento e incidência

Leia mais

BRACO HÚNGARO DE PÊLO CURTO

BRACO HÚNGARO DE PÊLO CURTO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI 57 13/09/2000 Padrão Ofi cial da Raça BRACO HÚNGARO DE PÊLO CURTO RÖVIDSZÖRÜ MAGYAR VIZSLA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

SHEILA CRISTINA CECAGNO

SHEILA CRISTINA CECAGNO SHEILA CRISTINA CECAGNO ANÁLISE DA CONTRIBUIÇÃO FUNCIONAL DA ATM ARTICULAÇÃO TEMPORO-MANDIBULAR - SOBRE A POSTURA CASCAVEL PR 2005 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

GRUPO 1 Padrão FCI N o 156 22/11/2012

GRUPO 1 Padrão FCI N o 156 22/11/2012 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1 Padrão FCI N o 156 22/11/2012 Padrão Oficial da Raça COLLIE PELO LONGO COLLIE (ROUGH) Esta ilustração não representa necessariamente

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO

PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO PROFa.Dra. CLÁUDIA JORDÃO SILVA 2006 1 ETIOLOGIA Na literatura estrangeira são encontrados diversos

Leia mais

A Sociedade Internacional de Cefaléia reconhece mais de 150 tipos diferentes

A Sociedade Internacional de Cefaléia reconhece mais de 150 tipos diferentes 14 1. INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Sociedade Internacional de Cefaléia reconhece mais de 150 tipos diferentes de dor de cabeça. Este é um sintoma comum a diversas condições médicas, e em alguns

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2. Padrão FCI 197 10/09/1992. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2. Padrão FCI 197 10/09/1992. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 197 10/09/1992 Padrão Oficial da Raça MASTINO NAPOLETANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

Osteologia. denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis.

Osteologia. denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis. 23 Osteologia denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis. O Esqueleto A função mais importante do esqueleto é sustentar a totalidade do corpo e dar-lhe forma. Torna possível a locomoção

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO HISTOLOGIA 2011/12 PROFESSOR PEDRO CÂMARA FUNÇÕES FUNÇÕES DOS S MECÂNICA SUPORTE DUREZA ARQUITECTURA INTERNA MOVIMENTO

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO: DIVISÃO DO SISTEMA DIGESTÓRIO 05/10/2013

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO: DIVISÃO DO SISTEMA DIGESTÓRIO 05/10/2013 CONCEITO: SISTEMA DIGESTÓRIO Conjunto de órgãos responsáveis pela preensão, mastigação, transformação química e absorção dos alimentos, e a expulsão dos resíduos, eliminados sob a forma de fezes. Prof.Msc.MoisésMendes

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face não se tratam apenas de duas peças ou regiões anatômicas temos glândulas, cavidades e uma imensa

Leia mais

Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI 2. MEDIDAS DA FACE, DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES E DA OCLUSÃO

Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI 2. MEDIDAS DA FACE, DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES E DA OCLUSÃO 1 Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI Nome: N o Data do exame: / / Idade: anos e meses DN: / / 1. POSTURA CORPORAL (Observar o paciente em pé e descalço)

Leia mais

COCKER SPANIEL INGLÊS

COCKER SPANIEL INGLÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 5 28/11/2003 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

GRUPO 6 Padrão FCI N o 159 03/06/2009

GRUPO 6 Padrão FCI N o 159 03/06/2009 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 6 Padrão FCI N o 159 03/06/2009 Padrão Oficial da Raça FOXHOUND INGLÊS (ENGLISH FOXHOUND XHOUND) M.Davidson, illustr. NKU

Leia mais

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA ORELHA INTRODUÇÃO A orelha é o órgão responsável por detectar ondas sonoras.

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

7SISTEMA NERVOSO - ENCÉFALO

7SISTEMA NERVOSO - ENCÉFALO 7SISTEMA NERVOSO - ENCÉFALO NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Sistema nervoso humano é constituído pelo Sistema Nervoso Central e o Sistema Nervoso Periférico. O SNC é constituído pelo Encéfalo (E)

Leia mais

Anatomia Humana. Prof. Adriano

Anatomia Humana. Prof. Adriano ANATOMIA HUMANA 2 Caro(a) Aluno (a), este material serve apenas como roteiro de aula e material de apoio, não substitui os livros didáticos relacionados no plano de ensino da disciplina. Portanto, para

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8. Padrão FCI 167 22/01/1999

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8. Padrão FCI 167 22/01/1999 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 167 22/01/1999 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL AMERICANO AMERICAN COCKER SPANIEL Classificação F.C.I.:

Leia mais