PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA"

Transcrição

1 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA 01 Posição do braço em abdução significa a) com rotação interna b) com rotação externa c) braço elevado d) braço estendido e) braço flexionado 02 Uma radiografia do tórax em Obliqua Posterior Direita significa: a) A radiografia é em PA e o paciente obliquado, encostando o lado posterior direito na mesa de exame b) A radiografia é em PA e o paciente obliquado, afastando o lado posterior direito da mesa de exame c) A radiografia é em AP e o paciente obliquado, encostando o lado posterior direito na mesa de exame d) A radiografia é em AP e o paciente obliquado, afastando o lado posterior direito da mesa de exame. e) A radiografia é com o raio angulado para a direita, em AP com paciente centrado na mesa de exame. 03- A seqüência dos ossos do carpo nos sentidos do primeiro para o quinto quirodáctilos e proximal para o distal é: a) escafóide, semilunar pisiforme, grande osso (capitato), ganchoso (hamato), piramidal, trapézio e trapezóide. b) Escafóide, semilunar, pisiforme, piramidal, trapézio, trapezóide, grande osso (capitato) e ganchoso (hamato) c) Escafóide, pisiforme, piramidal, semilunar, trapézio, trapezoide, grande osso (capitato) e ganhoso (hamato). d) Escafóide, semilunar, piramidal, pisiforme, trapézio, grande osso ( capitato), trapezóide e ganchoso (hamato). e) Escafóide, semilunar, pisiforme, piramidal, trapézio, grande osso (capitato), ganchoso (hamato) e trapezóide. 04- A lâmina cribiforme (crivosa) corresponde a: a) limite superior e mediano do osso etmóide. b) Assoalho de sela túrcica c) Limite medial da órbita d) Limite inferior da fossa nasal e) Limite lateral da coana. 05- Na radiologia convencional, MA e KV correspondem respectivamente a: a) tempo de exposição a radiação e potência de penetração da radiação. b) Potência de penetração da radiação e dose de exposição a radiação. c) Quantidade de radiação emitida pela ampola de Raios X e potência de penetração da radiação. d) Dose de absorção da radiação e quantidade de radiação emitida pela ampola de Raios X e) Potência de penetração da radiação e quantidade de radiação emitida pela ampola de Raios X

2 06- Quais dessas afirmações é correta com relação a radiação ionizante: a) a radiação secundária tem mais poder de penetração que a radiação primária. b) A Dose Letal Média corresponde a exposição média de uma pessoa a radiação em um período de 1 (um) ano. c) A radiação ionizante é uma onda mecânica e precisa de um meio para se propagar. d) A potência de um raio ionizante diminuição na proporção inversa do quadrado da distância em relação a um determinado alvo. e) Todas são incorretas. 07- Em uma imagem por Tomografia Computadorizada, um pixel representa: a) uma estrutura anatômica bem definida. b) A média das densidades das estruturas anatômicas contidas em um voxel. c) O comportamento fisiológico de uma estrutura anatômica bem definida. d) O comportamento fisiológico das estruturas anatômicas contidas em um voxel. e) Não existe relação entre o pixel e o voxel na formação de uma imagem por Tomografia Computadorizada. 08- Em um exame de Tomografia Computadorizada da coluna lombar de um paciente que tem uma haste metálica de fixação, para reduzir dos artefatos produzidos pela estrutura metálica da haste é necessário: a) aumentar o MAS b) Diminuir o KV c) Diminuir a espessura do corte d) Aumentar o incremento da mesa e) Não é possível diminuir esses artefatos. 09- Um TR (tempo de repetição de pulso) em um exame de Ressonância Magnética é considerado longo, quando o tempo entre os pulsos de radiofrequência forem maior que: a) 30 mili-segundos b) 100 mili-segundos c) 400 mili-segundos d) mili-segundos e) mili-segundos 10- Uma imagem em Ressonância Magnética é dita ponderada em T2 quando temos: a) TR longo e TE longo b) TR curto e TE Curto c) TR curto e TE longo d) TR longo e TE curto e) é conseqüente a densidade de prótons

3 11- As ondas de radiofreqüência, raios infra-vermelhos, luz visível, raios ultra-violetas e Raios X (radiação ionizante) são: a) todas são ondas eletromagnéticas e a diferença entre as ondas de radiofreqüência e Raios X é o comprimento e energia da onda. As ondas de radiofreqüência tem comprimento maior e energia menor que das ondas de Raios X. b) Apenas as ondas de radiofrequencia e as ondas de Raios X são ondas eletromagnéticas, sendo que as ondas de Raios X são mais potentes que as ondas de radiofreqüência. c) Todas são ondas eletromagnéticas e a diferença entre as ondas de radio freqüência e de Raios X é a amplitude da onda que é maior no Raios X d) Todas são ondas mecânicas e a diferença entre as ondas de radiofreqüência e Raios X é o comprimento e energia da onda. As ondas de radiofreqüência tem comprimento maior e energia menor que das ondas de Raios X. e) Todas são ondas mecânicas e a diferença entre as ondas de radio freqüência e de Raios X é a amplitude da onda que é maior no Raios X. 12- Uma radiografia de Caldewell ou fronto naso para estudo dos seios da face, é correto a seguinte afirmativa: a) Paciente em posição ortostática, linha de base meato orbital ( ou canto meatal) perpendicular ao filme de RX, ampola perpendicular ao filme de RX, raio central abaixo da protuberância occipital externa e bordo superior do rochedo no meio da órbita. b) Paciente em posição ortostática, encostando a testa e o nariz na mesa de exame, ampola perpendicular ao filme de RX, raio central abaixo da protuberância occipital externa e bordo superior do rochedo coincidindo com o assoalho da órbita. c) Paciente em posição ortostática, encostando a testa e o nariz na mesa de exame, ampola perpendicular ao filme de RX, raio central abaixo da protuberância occipital externa e o bordo superior do rochedo no meio da órbita. d) Paciente em posição ortostática, linha de base meato orbital (ou canto meatal) perpendicular ao filme de RX, ampola perpendicular ao filme de RX, raio central abaixo da protuberância occipital externa e bordo superior do rochedo coincidindo com o teto da órbita e) Paciente em posição ortostática, linha de base meato orbital ( ou canto meatal) perpendicular ao filme de RX, ampola perpendicular ao filme de RX, raio central abaixo da protuberância occipital externa e bordo superior do rochedo coincidindo com o assoalho da órbita. 13- Foi solicitado pelo médico plantonista para um paciente com clinica de abdômem agudo, Raios X rotina para abdômem agudo, cujas incidências são: RX simples de abdômem em AP com paciente em decúbito dorsal e ortostático, RX de tórax em PA e eventualmente RX perfil da ampola retal. O paciente não consegue ficar em pé. Qual a incidência necessária para substituir o RX AP de abdômem ortostático? a) RX perfil do abdômem com paciente em decúbito dorsal b) RX perfil do abdômem com paciente em decúbito ventral c) RX com paciente em decúbito lateral esquerdo, com raios horizontais d) RX com paciente em decúbito lateral direito, com raios horizontais e) Informar ao médico que não foi possível realizar o exame em decorrência da situação do paciente.

4 14- A radiografia simples obliqua direita e esquerda da coluna cervical tem como finalidade a visualização detalhada das seguintes estruturas anatômicas: a) Corpos vertebrais, pedículos individualizados, espaços articulares intervertebrais b) Articulações unciformes, foramens neurais e corpos vertebrais c) Articulações interapofisárias, apófises espinhosas e foramens neurais d) Corpos vertebrais, pedículos individualizados e articulações unciformes e) Pedículos individualizados, foramens neurais e articulações interapofisárias 15- A técnica para realizar uma radiografia AP do joelho é: a) Raio central no meio da patela, e bordo lateral do pé perpendicular ao plano horizontal do filme ( ou da mesa) b) Raio central no bordo inferior da patela e bordo lateral do pé perpendicular ao plano horizontal do filme ( ou da mesa) c) Raio central no bordo superior da patela e bordo lateral do pé perpendicular ao plano horizontal do filme ( ou da mesa) d) Raio central no bordo inferior da patela e bordo lateral do pé com rotação externa de 20º em relação ao plano horizontal do filme ( ou da mesa) e) Raio central do meio da patela e bordo lateral do pé com rotação externa de 20º em relação plano horizontal do filme ( ou da mesa) 16- A técnica radiográfica de um pedido de RX de articulação coxofemural em AP é: a) Radiografia unilateral da articulação coxofemural comprometida com raio central incidindo na espinha ilíaca antero inferior. b) Radiografia panorâmica das articulações coxofemurais com raio central perpendicular e no plano sagital médio ao nível das espinhas ilíacas antero superiores e rotação interna dos pés c) Radiografia panorâmica das articulações coxofemurais, com raio central perpendicular e no plano sagital médio a 2 (dois) dedos acima do bordo superior da sínfise púbica e rotação interna dos pés. d) Radiografia unilateral da articulação coxofemural comprometida com radio central incidindo na espinha ilíaca antero superior e rotação interna do pé homolateral. e) Radiografia panorâmica das articulações coxofemurais, com raio central perpendicular e no plano sagital médio, no bordo inferior da sínfise púbica e rotação interna dos pés. 17- Qual a alternativa correta? A incidência de Schüller é: a) Uma incidência para estudo das células mastóides, a posição do paciente é em decúbito dorsal, cabeça obliquada, linha interorbitária 45º em relação ao plano horizontal do filme, ampola com angulação podálica 30º, e com raio central a aproximadamente 7 cm acima do conduto auditivo externo. b) Uma incidência para estudo das células mastóides, a posição do paciente é em decúbito ventral, cabeça em perfil, linha interobitária perpendicular ao plano horizontal do filme, ampola com angulação podálica 30º, e com raio central no conduto auditivo externo. c) Uma incidência para estudo das células mastóides, a posição do paciente é em decúbito ventral, cabeça em perfil, linha interorbitária perpendicular ao plano horizontal do filme, ampola com angulação podálica 30º, e com raio central a aproximadamente 7 cm acima do conduto auditivo externo. d) Uma incidência para estudo da mandíbula, a posição do paciente é em decúbito ventral, cabeça em perfil, linha interorbitária perpendicular ao plano horizontal do filme, ampola com angulação podálica 30º, e com raio central no conduto auditivo externo. e) Uma incidência para estudo da mandíbula, a posição do paciente é em decúbito ventral, cabeça obliquada, linha interorbitária perpendicular ao plano horizontal do filme, ampola com angulação podálica 30º, e com raio central a aproximadamente 7 cm acima do conduto auditivo externo.

5 18- A radiografia AP verdadeira do ombro tem a seguinte finalidade e o seguinte posicionamento do paciente e do raio central: a) visualizar o espaço articular acrômio clavicular, raio central na articulação gleno umeral, paciente em obliqua posterior D/E angulado 25º, braço em discreta abdução. b) Visualizar o espaço articular gleno umeral, raio central na cabeça do úmero, paciente em obliqua posterior D/E angulado 25º, braço em dicreta abdução c) Visualizar o espaço subacromial, raio central na clavícula, paciente em obliqua posterior D/E angulado 25º, braço em discreta abdução. d) Visualizar o espaço acrômio esternal, raio central na clavícula, paciente em obliqua anterior D/E angulado 25º, braço em discreta abdução. e) Visualizar o espaço acrômio clavicular, raio central na cabeça do úmero, paciente em obliqua anterior D/E angulado 25º, braço em discreta abdução 19- Em um exame de uretrocistografia miccional, teremos certeza de que a radiografia foi realizada no momento da micção quando: a) a bexiga estiver vazia b) observamos contraste na uretra e a bexiga estiver totalmente contraída. c) Observamos contraste na uretra e a cúpula da bexiga estiver rebaixada. d) Observamos contraste na uretra e o colo da bexiga está abaixo do bordo superior da sínfise púbica. e) Observamos contraste na uretra e as paredes laterais da bexiga estão retificadas. 20- A incidência de Towne tem como finalidade: a) a análise radiográfica do osso temporal b) a análise radiográfica do osso frontal c) a análise radiográfica do osso occipital d) a análise radiográfica do osso parietal e) a análise radiográfica do osso esfenoidal 21- As incidências para estudo radiográfico dos ossos próprios do nariz são: a) Perfil de ossos próprios do nariz com raios moles e AP da face b) Perfil de ossos próprios do nariz com raios moles e PA da face c) Perfil de ossos próprios do nariz com raios moles e Waters. d) Perfil de ossos próprios do nariz com raios moles e Caldwell e) Perfil de ossos próprios do nariz com raios moles e Towne 22- A incidência radiográfica de Rockwood, é solicitada para o estudo de que articulação: a) Patelo femural b) Gleno umeral c) Esterno clavicular d) Acrômio clavicular e) Coxofemural

6 23- Para avaliação de um nódulo hepático em Tomografia Computadorizada, o protocolo de exame exige que o mesmo seja feito no modo helicoidal, com bomba injetora, e se faça varredura do fígado em várias fases: na fase sem constraste, e após administração endovenosa do contraste nas fases arterial, venosa ( ou portal) e de equilíbrio. A técnica rotineira com administração endovenosa do contraste consiste: a) 30 a 40 ml de contraste na bomba injetora com velocidade de injeção do contraste de 3 ml/segundo - 20 segundos de espera após início da administração endovenosa - Fase arterial varredura do fígado entre 20 e 60 segundos após início da administração endovenosa - 10 segundos para o paciente recuperar o fôlego e reposicionamento da ampola. -Fase venosa varredura do fígado entre 120 a 150 segundos após início da administração endovenosa -Fase do equilíbrio varredura do fígado 180 segundos após início da administração endovenosa do contraste b) 90 a 100 ml de contraste na bomba injetora com velocidade de injeção do contraste de 3ml/segundo - 20 segundos de espera após início da administração endovenosa - Fase arterial varredura do fígado entre 60 a 100 segundos após início da administração endovenosa -10 segundos para o paciente recuperar o fôlego e reposicionamento da ampola. -Fase venosa varredura do fígado entre 100 a 150 segundos após início da administração endovenosa -Fase de equilíbrio varredura do fígado 180 segundos após início da administração endovenosa do contraste. c) 90 a 100 ml de contraste na bomba injetora com velocidade de injeção do contraste de 3 ml/segundo -20 segundos de espera após inicio da administração endovenosa -Fase arterial varredura do fígado entre 60 a 120 segundos após início da administração endovenosa -30 segundos para o paciente recuperar o fôlego e reposicionamento da ampola. -Fase venosa varredura do fígado 140 a 180 segundos após inicio da administração endovenosa do contraste. -Fase de equilíbrio varredura do fígado 2 horas após inicio da administração endovenosa do contraste. d) 90 a 100 ml de contraste na bomba injetora com velocidade de injeção do constraste de 3 ml/segundo - 20 segundos de espera após inicio da administração endovenosa - Fase arterial varredura do fígado entre 20 e 60 segundos após início da administração endovenosa -10 segundos para o paciente recuperar o fôlego e reposicionamento da ampola -Fase venosa varredura do fígado entre 70 e 120 segundos após inicio da administração endovenosa -Fase de equilíbrio varredura do fígado 180 segundos após inicio da administração endovenosa do constraste e) O exame é realizado diretamente com contraste endovenoso, sem necessidade da fase sem contraste

7 24- Para se medir corretamente a densidade em Unidades Hounsfield de uma lesão em Tomografia Computadorizada é necessário: a) Cortes finos na lesão, sem constraste endovenoso b) Cortes finos na lesão, com contraste endovenoso c) Cortes grossos na lesão, sem contraste endovenoso d) Cortes grossos na lesão, com contraste endovenoso e) Cortes grossos e finos na lesão, com contraste endovenoso 25- A técnica para a realização de uma Tomografia Computadorizada de Alta Resolução do Tórax compreende: a) cortes finos (1 a 2 mm), filtro de osso e contraste endovenoso b) cortes finos ( 1 a 2 mm), filtro de osso, sem contraste endovenoso c) cortes grossos ( 7 a 10 mm), filtro de osso, com contraste endovenoso d) cortes finos (1 a 2 mm), filtro de partes moles e contraste endovenoso e) cortes finos (1 a 2 mm), filtro de partes moles, sem contraste endovenoso

8 1-A 2-C 3-B 4-A 5-C 6-D 7-B 8-C 9-E 10-A 11-A 12-E 13-C 14-E 15-B 16-C 17-C 18-B 19-D 20-C 21-C 22-D 23-D 24-A 25-B GABARITO DA PROVA DE TECNOLOGO EM RADIOLOGIA PARA O HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 31 Ao realizar uma radiografia, um técnico de radiologia percebeu que sua máquina fotográfica convencional e os filmes fotográficos estavam no mesmo local que o aparelho

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas SÉRIE RADIOLOGIA E SABER 1 TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas ALGUNS TÓPICOS POR: PROF. RONALDO J. CALIL KV determina o contraste. O contraste é responsável pela imagem preta e branca na radiografia, muito

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Técnico de Radiologia

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Técnico de Radiologia Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014 Técnico de Radiologia Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 09 de fevereiro de 2014 Nível Médio Técnico de Radiologia GABARITO DO CANDIDATO

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face, não estamos falando apenas de duas peças ou região anatômica, temos: glândulas, cavidades e uma

Leia mais

RADIOLOGIA PESSOALMENTE COM O PEDIDO MÉDICO. PEDIDO MÉDICO COM INDICAÇÃO CLINICA.

RADIOLOGIA PESSOALMENTE COM O PEDIDO MÉDICO. PEDIDO MÉDICO COM INDICAÇÃO CLINICA. Nome do setor/especialidade: Horário de funcionamento: Meios de agendamento oferecidos ao usuário para utilização/acesso aos serviços: Requisitos necessários para a obtenção dos serviços: Serviços oferecidos:

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face não se tratam apenas de duas peças ou regiões anatômicas temos glândulas, cavidades e uma imensa

Leia mais

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza Protocolos coluna Profº. Claudio Souza Coluna vertebral A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, e eventualmente por 32 ou 34, estas são classificadas como ossos irregulares. A coluna vertebral

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 LEIA AENAMENE AS INSRUÇÕES ABAIXO 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) Este caderno com o enunciado das 50 (cinqüenta) questões objetivas de caráter específico; Prova Objetiva Nº.

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS Nomenclatura para os posicionamentos Ao posicionarmos o paciente com o propósito de efetuar radiografias, deve-se dar nome a este

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 1 de 9 1. TC TÓRAX INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 TODO O PARÊNQUIMA PULMONAR Incluir todas as últimas costelas se para dor torácica/trauma Opcional em doenças do esôfago VELOCIDADE

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá Universidade Estadual de Maringá Pró-reitoria de Recursos Humanos e Assuntos Comunitários TESTE SELETIVO EDITAL N O 107/2012-PRH INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA E PREENCHIMENTO DA FOLHA DE RESPOSTAS

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Site: www.med-rad.med.br

Site: www.med-rad.med.br AMB TUSS PROCEDIMENTO TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DESC PART 34010017 41001109 TOMOG. COMP. ABDOMEN SUPERIOR C/C 550,00 805,00 34010201 41001095 TOMOG. COMP. ABDOMEN TOTAL C/C 750,00 1.030,00 34010025 41001141

Leia mais

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM MANUAL TÉCNICO CÓD. 6065 ESQUELETO HUMANO DE 85 CM Esta é uma pequena ferramenta de aprendizagem de anatomia do Sistema Esquelético Humano. Com o Modelo Anatômico de Esqueleto de 85 cm, é possível observar

Leia mais

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões.

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. Programa de Certificação de Qualidade O Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) disponibiliza os Protocolos de Tomografia Computadorizada elaborados pela Comissão e que podem ser consultados através do

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Concurso Público Radiodiagnóstico Caderno de Questões Prova Objetiva 2015

Concurso Público Radiodiagnóstico Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Durante as exposições em exames radiológicos, os aventais, luvas, óculos e outras blindagens de contato, utilizados para a proteção de pacientes, de acompanhantes

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II Prof. Marcio Ap. dos S. Major ANATOMIA RADIOGRÁFICA DO CRÂNIO O crânio, ou esqueleto ósseo da cabeça, é formando por oito ossos, quatro dos quais ímpares: frontal,

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS Pg. Página 1 de 14 ÍNDICE PROTOCOLO DE ENEMA OPACO... 2 PROTOCOLO DE ESOFAGOGRAMA... 4 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO E DUODENO (EED)... 5 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO PÓS GASTROPLASTIA...

Leia mais

EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE

EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE RADIOLOGIA Radiologia - CABEÇA E PESCOÇO Crânio, 1 incidência 15,00 1,10 Crânio, 2 incidências 20,00 1,20 Sela turca 10,00 0,60 Mastóides, 1 incidência 30,00 1,00 Mastóides,

Leia mais

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Coluna Vertebral Canal Vertebral Forames intervertebrais Características de uma vértebra típica Corpo vertebral

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Português, questões de 01 a 08; Conhecimentos Gerais, de 09 a 20; e Conhecimentos Específicos, de

Leia mais

ANEXO ÚNICO Fica a Credenciada Camil - Centro de Assistência Médica Itabapoana - Ltda a prestar os seguintes serviços de saúde aos municípios consorciados ao CIM POLO SUL: 001 - Colonoscopia (coloscopia)

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Prof Luciano Santa Rita Oliveira Fonte de consulta: Prof Rafael Silva e Prof Jorge Loureiro http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR VERTEBRAS LOMBARES 5 9 3 10 1 6 4 8 2 1- processo espinhoso 2- processo transverso 3- corpo 4- processo articular inferior 5- processo articular superior 6- incisura

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição Não deixe de preencher as informações a seguir: PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Técnico de Radiologia

PROVA OBJETIVA. Técnico de Radiologia Unioeste Diretoria de Concursos Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico de Radiologia Instruções para

Leia mais

Músculos da Cabeça e Pescoço

Músculos da Cabeça e Pescoço UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos da Cabeça e Pescoço Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Cabeça e do Pescoço - Movimentam a cabeça

Leia mais

4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS

4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE FRAIBURGO 4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS OBJETO: Credenciamento de empresas do ramo interessadas na prestação de serviços de consultas

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza RESUMO Estas técnicas apresentadas pelo autor têm como objetivo mostrar os estudos radiológicos que

Leia mais

Protocolos de hipófise e órbitas

Protocolos de hipófise e órbitas Protocolos de hipófise e órbitas Profº Claudio Souza Hipófise e sela turca Indicações O exame da sela tem por objetivo a avaliação dos adenomas que acometem a hipófise e as patologias que afetam a integridade

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO)

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) A avaliação de perda auditiva ou tiníto quase sempre inclui a investigação do osso temporal através de imagens. Há uma grande variedade de processos de doenças congênitas e adquiridas

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR

Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR Conteúdo Revisão Anatômica Técnicas de Posicionamento Radiológico Critérios de Avaliação Radiográfica Patologias mais comuns Indicações e contra indicações Principais

Leia mais

Osteologia. Movimentos realizados Plano Sagital (Eixo Frontal) Plano Frontal (Eixo Sagital) Plano Transverso (Eixo Longitudinal)

Osteologia. Movimentos realizados Plano Sagital (Eixo Frontal) Plano Frontal (Eixo Sagital) Plano Transverso (Eixo Longitudinal) Posiçao anatómica: Osteologia Indivíduo de pé; Face virada para o observador; Palmas das mãos viradas para cima (supinação). Planos do movimento: Plano Sagital - Divide o corpo verticalmente (Esquerda/Direira);

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

Jornal Oficial do Município - Sousa, Edição Especial 28 de Outubro de 2014.

Jornal Oficial do Município - Sousa, Edição Especial 28 de Outubro de 2014. Jornal Oficial do Município - Sousa, Jornal Oficial do Município - Sousa, LICITAÇÕES AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 00072/2014 Torna público que fará realizar através da Pregoeira Oficial e Equipe

Leia mais

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias da coluna são realizadas para diagnosticar

Leia mais

PROVA DE TECNICO EM RADIOLOGIA HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL

PROVA DE TECNICO EM RADIOLOGIA HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA DE TECNICO EM RADIOLOGIA HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL 1. O mas usado numa radiografia com 100mA e 0,4 segundos é: a) 4 mas. b) 8mAs. c) 40mAs. d) 30mAs. e) 60mAs. 2. Quando ocorre uma interação compton:

Leia mais

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA EMERSON LUIS DA MATA COSTA¹ DIEMERSON ANTUNES DE OLIVEIRA¹ CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO² ¹Acadêmico do Curso Tecnólogo em Radiologia da Faculdades

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

TABELA DA ÁREA M - TABELA DE RADIOLOGIA

TABELA DA ÁREA M - TABELA DE RADIOLOGIA TABELA DE RADIOLOGIA RADIOLOGIA CONVENCIONAL CABEÇA E PESCOÇO 10004 700.5 Crânio, uma incidência 5,13 1,80 10005 084.1 Crânio, duas incidências 5,46 1,80 10010 109.0 Sela turca 2,65 1,80 10024 094.9 Mastóides,

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior 1 de 37 PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 1. RM Crânio Isquemia Aguda Sequências Mínimas Obrigatórias Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial Sagital T1

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

Introdução à Neuroimagem

Introdução à Neuroimagem FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Introdução à Neuroimagem Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Neuroimagem Técnicas de Imagem

Leia mais

AMB Descrição - AMB TUSS Descrição - CBHPM Co-participação 32010141 Adenoides: lateral 40801128 Adenóides ou cavum R$ 4,60

AMB Descrição - AMB TUSS Descrição - CBHPM Co-participação 32010141 Adenoides: lateral 40801128 Adenóides ou cavum R$ 4,60 32010141 Adenoides: lateral 40801128 Adenóides ou cavum R$ 4,60 32010206 Arcada Dentaria (por arcada) 40801160 Arcada dentária (por arcada) R$ 4,33 Arcos zigomaticos - malar - estiloides: AP Arcos zigomáticos

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Método de diagnóstico

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser.

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Conceito: -Ostelogia -Esquelto -Ossos Profa. Silvia

Leia mais

Princípios Tomografia Computadorizada

Princípios Tomografia Computadorizada Princípios Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Histórico 1917 - Randon imagens projetadas > reproduziu 1967 Hounsfield >primeiro protótipo tipo Tomografia 1971 - H. Inglaterra > primeiro

Leia mais

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed FÍSICA DO RX Cristina Saavedra Almeida fisicamed O QUE É RADIAÇÃO Pode ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Possuem energia variável desde valores pequenos até muito

Leia mais

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral 7 0 9 8 7. Côndilo do occipital;. Forame Magno;. Processo Paracondilar;. Temporal;. Forame Supraorbital;. Bula Timpânica; 7. Vômer; 8. Zigomático; 9. Asa do

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Objetivo da aula; Diagnóstico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica; Limitações do método. Definição

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES

TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CÓDIGO Descrição do exame Valor 10000090 PACOTE ABDÔMEN SUPERIOR R$ 943,59 10000137 PACOTE ABDÔMEN SUPERIOR COM CONTRASTE R$ 1.688,24

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 Consulta Pública 1 de 37 PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 1. RM Crânio Isquemia Aguda Sequências Mínimas Obrigatórias Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO

CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO Estimativa do crescimento normal A previsão da direção, do período, e da quantidade de crescimento residual na face de uma criança é importante

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA FACULDADE DE ENSINO E CULTURA DO CEARÁ CURSOS DE SAÚDE ANATOMIA ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Profs. Musse Jereissati, Rosi Paixão e Ana Cláudia Queiroz Ossos do membro superior: Clavícula, escápula (que constituem

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES

TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES CARDIOLOGIA 20010010 ELETROCARDIOGRAMA - ECG R$ 165,00 20010028 TESTE ERGOMÉTRICO R$ 330,00 20010141 ECODOPPLERCARDIOGRAMA R$ 385,00 20010052 HOLTER 24 HORAS R$ 385,00 20020058 MAPA 24 HORAS R$ 385,00

Leia mais

CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 -

CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 - CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO E TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 - SUMÁRIO ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS...03 TÓPICOS DE ANATOMIA...04 CALOTA CRANIANA...07 CRÂNIO FRENTE CRÂNIO MÉTODO DE CALDWELL CRÃNIO

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

Principais características

Principais características Tomografia Computadorizada com Multidetectores Philips Brilliance 64 Reunião Abdome DDI 17/6/2009 Carlos Matsumoto MDCT X SDCT Principais características Cortes mais rápidos < artefatos de movimentos Melhor

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Prova : Amarela (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇAO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA /PS-CAP/2011) É PERMITIDO O USO

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação à produção, à emissão e à interação dos raios X com a matéria, julgue os itens a seguir. 41 O deslocamento de elétrons da camada M para a camada K produz radiação característica. 42 Bremsstrahlung,

Leia mais

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula 1 NOTA DE AULA N.01: PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FORMAÇÃO DA IMAGEM RADIOGRÁFICA E RADIOPROTEÇÃO 1) Terminologia Radiográfica Termos comumente usados compatíveis com a terminologia de posicionamento e incidência

Leia mais

Profa. Elen H. Miyabara

Profa. Elen H. Miyabara UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia OSSOS E ARTICULAÇÕES Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br DIVISÃO DO ESQUELETO HUMANO ESQUELETO AXIAL 80 ossos CRÂNIO

Leia mais

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX SCOUT Posição do paciente: paciente em DDH, com a cabeça para o gantry e os MMSS, elevados acima da cabeça. Radiografia digital em AP. Técnica: 100

Leia mais

24/02/2016 EXPELIDA DO ORGANISMO RIM. Armazenam e conduzem a urina dos rins para o meio externo. Produzem Urina URETER BEXIGA URETRA

24/02/2016 EXPELIDA DO ORGANISMO RIM. Armazenam e conduzem a urina dos rins para o meio externo. Produzem Urina URETER BEXIGA URETRA Marcelo Marques Soares Prof. Didi ARMAZENAM URINA (BEXIGA) 1 2 3 5 6 7 8 PRODUZEM URINA (RINS) São órgãos pares, com cerca de 11,25cm de comprimento por 5 a 7,5cm de largura e 2,5cm de espessura 9 10 11

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais