Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário"

Transcrição

1 Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas utilizando padrões de posicionamento semelhantes, porém, específicos para cada região a ser estudada. As indicações podem ser desde fraturas e luxação das ATMs até avaliação das estruturas aeradas dos seios paranasais. Para um correto posicionamento o profissional técnico em radiologia deve centralizar e alinhar o usuário conforme a recomendação fornecida em cada uma das incidências e posicionar o centro geométrico do feixe colimado (ou ponto central) coincidindo com o centro do receptor de imagens (RI) 2 Abordagem ao Usuário Após receber a requisição do exame, o técnico em radiologia deverá organizar a sala e todos os objetos que serão utilizados para execução do mesmo. O próximo passo será chamar o usuário, pelo nome completo e certificar-se de que ele é realmente a pessoa que irá sofrer tal procedimento, pois, é relativamente comum, situações de homônimos e trocas de exames. Todos os usuários devem ser tratados de forma cordial e serem informados sobre os procedimentos que serão realizados. A anamnese faz parte do processo inicial. Ela consiste em um conjunto de perguntas predefinidas que permitirão ao técnico e ao médico radiologista saber o motivo do exame, se o paciente já sofreu alguma cirurgia na região de interesse, se teve alguma queda recente ou algum trauma, se pratica algum esporte, entre outras questões relevantes para o exame, que irão gerar informações importantes para os profissionais envolvidos na execução do exame e laudo do mesmo. 1 Tecnóloga em Radiologia e Mestre em Engenharia Biomédica, ambos pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Professora e Coordenadora do Curso Técnico em Radiologia do Instituto Federal do Paraná. 1

2 A próxima etapa é orientar o usuário a retirar quaisquer objetos radiopacos que possam formar artefatos na imagem, como por exemplo, anéis, pulseiras, relógios e roupas espessas e/ou com botões. Em seguida, é obrigação do profissional técnico em radiologia, oferecer ao usuário toda proteção radiológica, por meio de equipamentos de proteção individual (EPIs), necessária e que não interfira na formação da imagem. Possíveis acompanhantes obrigatórios, isto é, nos casos onde seja imprescindível a permanência de alguém na sala de exames por Raios X, permanência esta exclusiva para a contenção do usuário durante a execução do exame, por exemplo, em pacientes pediátricos, também devem receber todos os EPIs para proteção radiológica. Em caso de usuária, ou acompanhante (do sexo feminino) de usuário, em idade fértil, deve-se obrigatoriamente questioná-la se está grávida, por razões de proteção radiológica, sendo que a condição ideal é que ela não sofra o exame, se possível e, se for acompanhante de usuário a mesma deverá ser substituída por outra pessoa. Em quaisquer casos onde gestantes precisem ser expostas aos Raios X elas, obrigatoriamente deverão fazer uso de todos os EPIs radiológicos, principalmente os de proteção na região ventral. 3 Exames Radiográficos de Crânio e Face As radiografias apresentam informações de objetos tridimensionais em um plano bidimensional, portanto, é comum utilizar no mínimo duas incidências diferentes para o estudo adequado da estrutura. Por exemplo, em posição anteroposterior e em lateral. A escolha correta de tais incidências é feita pelo médico, de acordo com protocolos de exames. Os exames radiográficos de crânio incluem as incidências: incidência axial AP de crânio usando o método de Towne; incidência axial PA de crânio pelo método de Caldwell; incidência lateral de crânio. Para a sela turca são realizadas as incidências: incidência axial AP de crânio usando o método de Towne; incidência lateral de crânio; incidência axial PA de crânio para sela turca usando o método de Haas. 2

3 Para os ossos da face são realizadas as incidências: incidência lateral para ossos da face (esquerda ou direita); incidência parietoacantial usando o método de Waters para ossos da face incidência axial PA de ossos da face com o método de Caldwell; incidência lateral para ossos do nariz (esquerda e direita); incidência axial AP para arcos zigomáticos usando o método de Towne modificado; incidência submentovértice para zigomáticos; incidência parieto-orbital para forames ópticos (direita e esquerda) usando o método de Rhese. Em mandíbula são realizadas as incidências: incidência axial lateral para mandíbula; incidência submentovértice; incidência PA ou axial PA para mandíbula; incidência axial AP de mandíbula usando o método de Towne. Em articulações temporomandibulares (ATMs) são realizadas as incidências: incidência axial AP para articulações temporomandibulares com o método de Towne modificado; incidências oblíquas axiais laterais para ATMs usando o método de Law modificado; incidência axial lateral de ATMs com o método de Schüller. Para os seios paranasais são feitas a incidência: incidência lateral para seios paranasais (esquerda ou direita); incidência PA de seios paranasais com o método de Caldwell; incidência parietoacantial para seios paranasais pelo método de Waters. Em mastoides e ossos temporais são realizadas as incidências: incidências oblíquas axiais laterais para mastoides pelo método de Law modificado; incidências oblíquas axiais anteriores para mastoides usando o método de Stenvers; incidência submentovértice para mastóides; incidência axial AP de mastoides pelo método de Towne; 3

4 incidência axial lateral de mastóides usando o método de Schüller; incidência axial AP para ossos temporais pelo método de Towne; incidência submentovértice para estudo dos ossos temporais. 3.1 Exames Radiográficos de Crânio Os exames radiográficos de crânio são realizados em geral para estudos de traumas ósseos da caixa craniana. As principais incidências para crânio são listadas a seguir. - Incidência axial AP de crânio método de Towne A radiografia da incidência axial AP de crânio com o método de Towne permite a visualização do forame magno, das cristas petrosas, do processo clinoide posterior, das pirâmides petrosas, da mastóide, do dorso da sela e do osso occipital. Para a incidência axial AP de crânio usando o método de Towne o usuário deve estar em decúbito dorsal ou em ortostase, centralizado em relação ao receptor de imagem (RI) e alinhado com o eixo longitudinal do RI; certificar-se que não haja rotação alguma. Abaixar o queixo para que a linha órbito meatal (LOM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 6 cm acima da glabela, com feixes de Raios X angulados podalicamente em 30º. A distância focoreceptor de imagens (DFRI) é de 1 metro e a colimação deve ser feita de forma que toda a cabeça esteja incluída (Figura 1). A respiração deve ser interrompida. 4

5 Figura 1- Incidência axial AP de crânio pelo método de Towne. - Incidência axial PA de crânio método de Caldwell A radiografia da incidência axial PA de crânio com o método de Caldwell permite a visualização da margem orbital, dos seios frontais e etmoidais, da asa menor do esfenoide e do forame redondo. Para a incidência axial PA de crânio usando o método de Caldwell o usuário deve estar em decúbito ventral ou em ortostase, centralizado em relação ao receptor de imagem e alinhado com o eixo longitudinal do receptor de imagem, certificar-se que não haja rotação alguma. Abaixar o queixo para que a linha órbito meatal (LOM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir de modo que saia exatamente sobre o násio, com feixes de Raios X angulados podalicamente em 15º. A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve ser feita de forma que toda a cabeça esteja incluída (Figura 2). A respiração deve ser interrompida. 5

6 Figura 2 - Incidência axial PA de crânio pelo método de Caldwell. - Incidência lateral de crânio A imagem radiográfica da incidência lateral de crânio mostra os ossos frontal, occipital, temporais e parietais, a sela turca, o seio esfenoidal, os ramos da mandíbula e o processo clinoide posterior e anterior. O usuário deve permanecer em decúbito ventral com inclinação a 45 da superfície da mesa para o lado de interesse - ou em ortostase - em oblíqua. Posicionar a cabeça em lateral verdadeira, sem rotações, certificando que o plano médio sagital do crânio esteja paralelo ao receptor de imagem. O lado de interesse para o exame deve estar mais próximo ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente, 5 cm superior e anterior ao meato acústico externo (MAE), com uma distância foco-receptor de imagem de 1 metro. A colimação deve ser feita de forma que toda a cabeça esteja incluída (Figura 3). A respiração deve ser interrompida. 6

7 Figura 3 - Incidência lateral de crânio Incidências para a Sela Turca A sela turca (túrcica) é a região no centro do crânio onde é localizada a hipófise, glândula de grande importância para o bom funcionamento de todo o organismo. São realizadas diversas incidências radiológicas para excluir ou estudar patologias nessa região. As incidências de maior importância são descritas a seguir. - Incidência axial AP de crânio para sela turca método de Towne A radiografia da incidência axial AP para sela turca com o método de Towne permite o estudo do forame magno, dorso da sela, dos clinoides anteriores e posteriores e parte das cristas petrosas e occipital. Para a incidência axial AP para sela turca usando o método de Towne o usuário deve estar em decúbito dorsal ou em ortostase, centralizado em relação ao receptor de imagens (RI) e alinhado com o eixo longitudinal do RI, certificar-se que não haja rotação alguma. Abaixar o queixo para que a linha infra-órbito meatal (LIOM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 4 cm acima do arco superciliar, com feixes de Raios X angulados podalicamente em 30º para visualização primária de clinoides anteriores e de 37º para 7

8 clinoides posteriores. A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro. Colimar um campo de aproximadamente 10 x 10 cm (Figura 4). A respiração deve ser interrompida. Figura 4 - Incidência axial AP de crânio para sela turca pelo método de Towne. - Incidência lateral de crânio para sela turca A imagem radiográfica da incidência lateral para sela turca permite o estudo da sela turca, dos processos clinoides anterior e posterior, do dorso da sela, do clivus e das asas maiores, menores e corpo do esfenóide. O usuário deve permanecer em decúbito ventral com inclinação a 45 da superfície da mesa para o lado de interesse ou em ortostase, em oblíqua. Posicionar a cabeça em lateral verdadeira, sem rotações, certificando que o plano médio sagital do crânio esteja paralelo ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagens e incidir perpendicularmente a 2 cm superior e 2 cm anterior ao meato acústico externo (MAE), com uma distância foco-receptor de imagens de 1 metro e a colimação deve ser feita para um campo de aproximadamente 10 x 10 cm (Figura 5). A respiração deve ser interrompida. 8

9 Figura 5 - Incidência lateral de crânio para sela turca. 3.2 Incidências para os Ossos da Face Existem diversas incidências para os ossos da face, para regiões especificas da face. As principais incidências e suas respectivas indicações estão listadas abaixo. - Incidência lateral para ossos da face (esquerda ou direita) A imagem radiográfica da incidência lateral para ossos da face mostra os ossos do nariz, maxilares, mandíbula, meato acústico externo (MAE), os tetos das órbitas e as asas maiores do esfenoide. O usuário deve permanecer em decúbito ventral com inclinação a 45 da superfície da mesa para o lado de interesse - ou em ortostase - em oblíqua. Posicionar a cabeça em lateral verdadeira, sem rotações, certificando que o plano médio sagital do crânio esteja paralelo ao receptor de imagem (RI). O lado de interesse deve estar mais próximo ao RI. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente, na porção central - entre o MAE e a borda anterior do zigoma - com uma distância foco-receptor de imagens de 1 metro e a colimação deve ser feita contemplando todos os ossos da face (Figura 6). A respiração deve ser interrompida. 9

10 Figura 6 - Incidência lateral para ossos da face. - Incidência parietoacantial para ossos da face - método de Waters A imagem radiográfica da incidência parietoacantial para ossos da face usando o método de Waters permite o estudo dos processos coronoides, do septo nasal, do osso zigomático, da crista petrosa, das bordas orbitais inferiores, dos maxilares e da mastoide. Para a incidência parietoacantial para ossos da face usando o método de Waters o usuário deve estar em decúbito ventral ou em ortostase, centralizado em relação ao receptor de imagem e alinhado com o eixo longitudinal da mesa e do receptor de imagem, certificar-se que não haja rotação alguma. Elevar o queixo para que a linha mento meatal (LMM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir de modo que saia exatamente sobre o acantion, com feixes de Raios X perpendiculares. A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve ser feita de modo que toda a cabeça apareça na imagem (Figura 7). A respiração deve ser interrompida. 10

11 Figura 7 - Incidência parietoacantial para ossos da face pelo método de Waters. - Incidência axial PA de ossos da face método de Caldwell A radiografia da incidência axial PA de ossos da face com o método de Caldwell permite a visualização da margem orbital, dos seios frontais e maxilares e do septo nasal. Para a incidência axial PA de ossos da face usando o método de Caldwell o usuário deve estar em decúbito ventral ou em ortostase, centralizado em relação ao receptor de imagem (RI) e alinhado com o eixo longitudinal do RI; certificar-se que não haja rotação alguma. Abaixar o queixo para que a linha órbito meatal (LOM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir de modo que saia sobre o nasion, com feixes de Raios X angulados podalicamente em 15º. A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve ser feita de forma que todos os ossos da face estejam incluídos (Figura 8). A respiração deve ser interrompida. 11

12 Figura 8 - Incidência axial PA de ossos da face pelo método de Caldwell. - Incidência lateral para ossos do nariz (esquerda e direita) A imagem radiográfica da incidência lateral para ossos do nariz mostra essa estrutura em lateral. O usuário deve permanecer em decúbito ventral com inclinação a 45 da superfície da mesa para o lado de interesse - ou em ortostase - em oblíqua. Posicionar a cabeça em lateral verdadeira, sem rotações, certificando que o plano médio sagital do crânio esteja paralelo ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente a 1 cm abaixo do nasion, com uma distância foco-receptor de imagens de 1 metro e a colimação deve ser feita para contemplar toda a estrutura do nariz (Figura 9). A respiração deve ser interrompida. Usar fatores elétricos adequados para garantir a visualização das estruturas. 12

13 Figura 9 - Incidência lateral para ossos do nariz. - Incidência axial AP para arcos zigomáticos método de Towne modificado A radiografia da incidência axial AP para arcos zigomáticos com o método de Towne modificado permite o estudo dos arcos zigomáticos e das células da mastoide. Para a incidência axial AP para arcos zigomáticos usando o método de Towne modificado o usuário deve estar em decúbito dorsal ou em ortostase, centralizado e alinhado com o eixo longitudinal do receptor de imagem, certificar-se que não haja rotação alguma. Abaixar o queixo para que a linha órbito meatal (LOM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 2,5 cm acima da glabela, com feixes de Raios X angulados podalicamente em 30º. A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve contemplar a área dos arcos zigomáticos (Figura 10). A respiração deve ser interrompida. 13

14 Figura 10 - Incidência axial AP para arcos zigomáticos método de Towne modificado. - Incidência submentovértice para arcos zigomáticos A Incidência submentovértice para arcos zigomáticos permite o estudo dos ossos zigomáticos e seu arco e a visibilização do osso temporal. O usuário deve estar em decúbito dorsal ou em AP ortostático para realizar a incidência submentovértice para arcos zigomáticos. Centralizar o usuário em relação ao receptor de imagem (RI) e alinhá-lo com o eixo longitudinal da mesa e do RI, certificar-se que não haja rotação alguma. Elevar o queixo para que a linha infra-órbito meatal (LIOM) esteja paralela ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 4 cm abaixo das sínfise da mandíbula e entre os arcos zigomáticos, com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem. A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve ser feita nas margens da cabeça (Figura 11). A respiração deve ser interrompida. Usar fatores elétricos adequados para garantir a visualização das estruturas. 14

15 Figura 11 - Incidência submentovértice para arcos zigomáticos. - Incidência parietoorbital (para forames ópticos - direito e esquerdo) - método de Rhese A imagem radiográfica da incidência parieto-orbital para forames ópticos usando o método de Rhese permite o estudo do canal óptico. Para a incidência parieto-orbital para forames ópticos usando o método de Rhese o usuário deve estar em decúbito ventral ou em ortostase, centralizado em relação ao receptor de imagem e alinhado com o eixo longitudinal da mesa e do receptor de imagem, certificar-se que não haja rotação alguma. Elevar o queixo para que a linha acantiomeatal (LAM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir de modo que saia na parte inferior da órbita de interesse, com feixes de Raios X perpendiculares. A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve ser feita para um campo de 10 x 10 cm (Figura 12). A respiração deve ser interrompida. 15

16 Figura 12 - Incidência parietoorbital pelo método de Rhese. - Incidências PA ou axial PA para mandíbula As radiografias das incidências PA ou axial PA de mandíbula mostra os ramos e a parte lateral do corpo desse osso. Para as incidências PA ou axial PA de mandíbula o usuário deve estar em decúbito ventral, centralizado em relação ao receptor de imagem e alinhado com a linha média da mesa, certificando-se que não haja rotação. Abaixar o queixo para que a linha orbitomeatal (LOM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir de modo que saia no acântion (para axial PA de 20º até 25º cefálico), ou entre os lábios (para PA com feixes perpendiculares). A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve ser feita de forma que toda a mandíbula esteja incluída (Figura 13). A respiração deve ser interrompida. 16

17 Figura 13 - Incidências PA ou axial PA para mandíbula. - Incidência submentovértice para mandibula Com a incidência submentovértice para mandíbula é possível o estudo das pirâmides petrosas, da mandíbula e dos processos coronoide e condiloide. Posicionar o usuário em decúbito dorsal ou em ortostase para fazer a incidência submentovértice para mandíbula. Centralizar o usuário em relação ao receptor de imagem (RI) e alinhá-lo com o eixo longitudinal da mesa e do RI, certificar-se que não haja rotação alguma. Elevar o queixo para que a linha infra-órbito meatal (LIOM) esteja paralela ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 4 cm abaixo das sínfise da mandíbula e entre os ângulos da mandíbula, com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro e a colimação deve ser feita nas margens da cabeça (Figura 14). A respiração deve ser interrompida. 17

18 Figura 14 - Incidência submentovértice para mandíbula. - Incidência axial AP para articulações temporomandibulares (ATMs) método de Towne modificado A imagem da radiografia usando a incidência axial AP para articulações temporomandibulares (ATMs) com método de Towne modificado permite estudar as mastoides, as fossas temporomandibulares, os processos condiloides e os ramos da mandíbula. Para a incidência axial AP para articulações temporomandibulares usando o método de Towne modificado o usuário deve estar em decúbito dorsal ou em ortostase, centralizado e alinhado com o eixo longitudinal do receptor de imagem, certificar-se que não haja rotação alguma. Abaixar o queixo para que a linha infra-órbito meatal (LIOM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir de modo a atravessar o nível das ATMs, com feixes de Raios X angulados podalicamente 42º à LIOM (Figura 15). A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve contemplar as laterais, na região das ATMs. A respiração deve ser interrompida. 18

19 Figura 15 - Incidência axial AP para ATMs pelo método de Towne modificado. - Incidências oblíquas axiais laterais para ATMs método de Law modificado As imagens das radiografias usando as incidências oblíquas axiais laterais para ATMs com boca fechada e boca aberta usando o método de Law modificado permitem estudo da ATM de interesse em ambas as posições boca aberta e boca fechada. Para as incidências oblíquas axiais laterais das ATMs o usuário deve permanecer em decúbito ventral com inclinação a 45 da superfície da mesa ou em ortostase. Posicionar a cabeça angulada em 15 para anterior, de modo que a ATM de interesse fique paralela ao receptor de imagem. Manter a boca fechada com dentes em oclusão para a primeira radiografia e a boca aberta para a segunda imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 4 cm acima do meato acústico externo (MAE), com feixes de Raios X angulados podalicamente em 15º. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro e a colimação deve contemplar toda a região da ATM radiografada em um campo de 10 x10 cm (Figura 16a e Figura 16b). A respiração deve ser interrompida durante a exposição. Obs: É comum realizar essas incidências em bilateral, formando, portanto, uma série de quatro exames. 19

20 Figura 16a - Incidência oblíqua axial lateral para ATM pelo método de Law modificado com a boca fechada Figura 16b - Incidência oblíqua axial lateral para ATM pelo método de Law modificado com a boca aberta. - Incidência axial lateral de ATMs método de Schuller As radiografias realizadas usando as incidências axiais laterais de ATMs pelo método de Schuller, com boca aberta e boca fechada, permite estudar as mastóides, as fossas temporomandibulares, os côndilos e as margens orbitais do lado radiografado. O usuário deve permanecer em decúbito ventral. Posicionar a cabeça em lateral verdadeira, sem rotações, certificando que o plano médio sagital esteja paralelo ao receptor de imagem. O lado de interesse para o exame deve estar mais próximo ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir podalicamente em 25º a 30º - 5 cm superior e 1,3 cm anterior ao meato acústico externo (MAE) - com uma distância foco-receptor de imagem de 1 metro. A colimação deve ser feita em um campo de 10 x10 cm na região da ATM avaliada (Figura 17a e Figura 17b). A respiração deve ser interrompida. Obs: É comum realizar essas incidências em bilateral, formando, portanto, uma série de quatro exames. 20

21 Figura 17a - Incidência axial lateral de ATM pelo método de Schüller com a boca fechada. Figura 17b - Incidência axial lateral de ATM pelo método de Schüller com a boca aberta. - Incidência lateral para seios paranasais (esquerda ou direita) A imagem radiográfica da incidência lateral para seios paranasais mostra os seios esfenoidais, frontais, etmoidais e maxilares superpostos, a sela turca e o teto da órbita. O usuário deve permanecer em ortostase. Posicionar a cabeça em lateral verdadeira, sem rotações, certificando que o plano médio sagital esteja paralelo ao receptor de imagem e a linha infra-órbito meatal (LIOM) esteja paralela à borda superior do receptor de imagem (RI). O lado de interesse deve estar mais próximo ao RI. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente, no centro, entre o meato acústico externo (MAE) e o canto externo do olho, com uma distância foco-receptor de imagem de 1 metro. A colimação deve ser feita contemplando todos os ossos da face (Figura 18). A respiração deve ser interrompida. 21

22 Figura 18 - Incidência lateral para seios paranasais. - Incidência PA de seios paranasais método de Caldwell A radiografia da incidência axial PA de seios paranasais com o método de Caldwell permite a visualização da margem orbital, dos seios frontais, maxilares e etmoidais, das cristas petrosas, da crista galli e do septo nasal ósseo. Para a incidência axial PA para seios da face usando o método de Caldwell o usuário deve estar em decúbito ventral ou em ortostase, centralizado em relação ao receptor de imagem e alinhado com o eixo longitudinal do receptor de imagem, certificar-se que não haja rotação alguma. Abaixar o queixo para que a linha órbito meatal (LOM) fique em 15º com o receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir de modo que saia sobre o násio, com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro e a colimação deve ser feita contemplando todos os ossos da face (Figura 19). A respiração deve ser interrompida. 22

23 Figura 19 - Incidência PA de seios paranasais método de Caldwell. - Incidência parietoacantial para seios paranasais - método de Waters A imagem radiográfica da incidência parietoacantial para seios paranasais usando o método de Waters permite o estudo dos seios frontais, maxilares e etmoidais, das cristas petrosas, das fossas nasais e da borda orbital inferior. Para a incidência parietoacantial para seios paranasais usando o método de Waters o usuário deve estar posicionado em AP ortostático, centralizado em relação ao receptor de imagem e alinhado com o eixo longitudinal da mesa e do receptor de imagem, certificar-se que não haja rotação alguma. Elevar o queixo para que a linha mentomeatal fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir de modo que saia exatamente sobre o acântion, com feixes de Raios X perpendiculares. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro e a colimação deve ser feita de modo que toda a cabeça apareça na imagem (Figura 20). A respiração deve ser interrompida. 23

24 Figura 20 - Incidência parietoacantial para seios paranasais - método de Waters. - Incidência oblíqua axial lateral para mastoide método de Law modificado As imagens da radiografia usando as incidências oblíquas axiais laterais para mastoides usando o método de Law modificado permite estudo das mastoides mais próximas ao receptor de imagem. Para as incidências oblíquas axiais laterais da mastoide o usuário deve permanecer em decúbito ventral com inclinação a 45 da superfície da mesa ou em ortostase. Posicionar a cabeça angulada em 15 para anterior, de modo que a mastoide de interesse fique paralela ao receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 2,5 cm acima e posterior ao meato acústico externo (MAE) da face superior, para saírem na base da mastoide mais próxima ao receptor de imagem. Os feixes de Raios X devem incidir angulados podalicamente em 15º. A distância focoreceptor de imagem é de 1 metro e a colimação deve contemplar toda a região da mastoide em um campo de 10 x 10 cm (Figura 21). A respiração deve ser interrompida durante a exposição. Obs: É comum realizar essas incidências em bilateral. 24

25 Figura 21 - Incidência oblíqua axial lateral para mastoide método de Law modificado. - Incidência oblíqua axial anterior para mastoide método de Stenvers As radiografias das incidências oblíquas axiais anteriores para mastoides usando o método de Stenvers mostram a cavidade timpânica, a crista petrosa, o labirinto ósseo, o canal auditivo interno e o processo mastoideo mais próximos ao receptor de imagem. Para as incidências oblíquas axiais anteriores das mastoides o usuário deve estar em decúbito ventral ou em ortostase, centralizado e alinhado com o eixo longitudinal do receptor de imagem (RI). Posicionar a face em oblíqua 45º ao RI, com o lado de interesse mais próximo ao receptor de imagem centralizando a região mastóidea de interesse no receptor de imagem. Manter a linha infra-órbito meatal (LIOM) perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir entre 7 a 10 cm posterior e 1,5 cm inferior ao meato acústico externo (MAE) da face superior, para saírem na mastoide mais próxima ao receptor de imagem. Os feixes de Raios X devem incidir angulados cefalicamente em 12º. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro e a colimação deve contemplar toda a região da mastoide em um campo de 10 x 10 cm (Figura 22). A respiração deve ser interrompida durante a exposição. Obs: É comum realizar essas incidências em bilateral. 25

26 Figura 22 - Incidência oblíqua axial anterior para mastoide método de Stenvers. - Incidência axial AP de mastoide método de Towne As radiografias das incidências axial AP de mastoides usando o método de Towne mostram o labirinto ósseo, as pirâmides petrosas e as células aéreas da mastoide. Para a incidência axial AP para mandíbula usando o método de Towne o usuário deve estar em decúbito dorsal ou em ortostase, centralizado em relação ao receptor de imagem e alinhado com o eixo longitudinal do receptor de imagem, certificar-se que não haja nenhuma rotação. Abaixar o queixo para que a linha órbito meatal (LOM) fique perpendicular ao receptor de imagem. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 5 cm acima da glabela, com feixes de Raios X angulados podalicamente em 30º. A distância foco-receptor de imagens é de 1 metro e a colimação deve incluir toda a margem externa do crânio, contemplando as regiões mastóideas (Figura 23). A respiração deve ser interrompida. 26

27 Figura 23 - Incidência axial AP de mastoide pelo método de Towne. - Incidência axial lateral de mastoide método de Schuller As radiografias da incidência axial lateral de mastóides usando o método de Schuller mostram o labirinto ósseo, fossa e côndilo da ATM e as células aéreas da mastoide. O usuário deve permanecer em decúbito ventral. Posicionar a cabeça em lateral verdadeira, sem rotações, certificando que o plano médio sagital esteja paralelo ao receptor de imagem (RI). O lado de interesse para o exame deve estar mais próximo ao RI. O feixe central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir podalicamente em 25º a 30º - 4 cm superior e posterior ao MAE da face superior, para sair na base mastóidea inferior. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro e a colimação deve ser feita em um campo de 10 x 10 cm na região da mastoide avaliada (Figura 24). A respiração deve ser interrompida. Obs: É comum realizar essas incidências em bilateral. 27

28 Figura 24 - Incidência axial lateral de mastoide método de Schüller. 28

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II Prof. Marcio Ap. dos S. Major ANATOMIA RADIOGRÁFICA DO CRÂNIO O crânio, ou esqueleto ósseo da cabeça, é formando por oito ossos, quatro dos quais ímpares: frontal,

Leia mais

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias da coluna são realizadas para diagnosticar

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Prof Luciano Santa Rita Oliveira Fonte de consulta: Prof Rafael Silva e Prof Jorge Loureiro http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula 1 NOTA DE AULA N.01: PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FORMAÇÃO DA IMAGEM RADIOGRÁFICA E RADIOPROTEÇÃO 1) Terminologia Radiográfica Termos comumente usados compatíveis com a terminologia de posicionamento e incidência

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face, não estamos falando apenas de duas peças ou região anatômica, temos: glândulas, cavidades e uma

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face não se tratam apenas de duas peças ou regiões anatômicas temos glândulas, cavidades e uma imensa

Leia mais

CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 -

CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 - CRÂNIO E FACE POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO E TÓPICOS DE ANATOMIA - 1 - SUMÁRIO ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS...03 TÓPICOS DE ANATOMIA...04 CALOTA CRANIANA...07 CRÂNIO FRENTE CRÂNIO MÉTODO DE CALDWELL CRÃNIO

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA 01 Posição do braço em abdução significa a) com rotação interna b) com rotação externa c) braço

Leia mais

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO)

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) A avaliação de perda auditiva ou tiníto quase sempre inclui a investigação do osso temporal através de imagens. Há uma grande variedade de processos de doenças congênitas e adquiridas

Leia mais

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO OSSOS DO CRÂNIO Prof. ROMMEL BARRETO Crânio: lâmina externa diploe lâmina interna Crânio: Definição: Funções: Divisão Funcional: Ossos do Neurocrânio: Ossos do Viscerocrânio: Crânio: 22 ossos? Crânio

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR

Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR Conteúdo Revisão Anatômica Técnicas de Posicionamento Radiológico Critérios de Avaliação Radiográfica Patologias mais comuns Indicações e contra indicações Principais

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Caio Abner Leite Letra legível História resumida Queixa e duração, antecedentes pessoais relacionados ao caso ou às contra-indicações.

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

Protocolos de hipófise e órbitas

Protocolos de hipófise e órbitas Protocolos de hipófise e órbitas Profº Claudio Souza Hipófise e sela turca Indicações O exame da sela tem por objetivo a avaliação dos adenomas que acometem a hipófise e as patologias que afetam a integridade

Leia mais

8 páginas 1. Formam a cavidade do crânio que. Repousa no topo da coluna vertebral. 22 ossos

8 páginas 1. Formam a cavidade do crânio que. Repousa no topo da coluna vertebral. 22 ossos Ossos do crânio ou neurocrânio (Somente texto) CRÂNIO E OSSO HIÓIDE Formam a cavidade do crânio que encerra e protege o cérebro. Repousa no topo da coluna vertebral 22 ossos Ossos do crânio câ o(8) Ossos

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO OSSOS DA CABEÇA O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas,

Leia mais

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL: UMA ABORDAGEM INTERATIVA NA WEB III Programa de Bolsas de Iniciação Científica AUTORA: Renata Vasconcelos Pavan CO-AUTORAS: Paula Ribeiro Borges Vanessa

Leia mais

TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118

TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118 1 TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118 Índice Técnicas Radiográficas Intrabucais...01 1.0 Considerações Gerais...01

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza RESUMO Estas técnicas apresentadas pelo autor têm como objetivo mostrar os estudos radiológicos que

Leia mais

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira 1 SISTEMA OSTEOARTICULAR III ESQUELETO AXIAL CABEÇA ÓSSEA SUMÁRIO I DIVISÕES DA CABEÇA ÓSSEA Crânio: calote e base Face II - OSSOS DO CRÂNIO 1 Parietal Faces interna e externa Bordos superior ou sagital,

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 31 Ao realizar uma radiografia, um técnico de radiologia percebeu que sua máquina fotográfica convencional e os filmes fotográficos estavam no mesmo local que o aparelho

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR VERTEBRAS LOMBARES 5 9 3 10 1 6 4 8 2 1- processo espinhoso 2- processo transverso 3- corpo 4- processo articular inferior 5- processo articular superior 6- incisura

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição Não deixe de preencher as informações a seguir: PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº

Leia mais

Radiologia médica - Anatomia I. Total de 7 páginas 1

Radiologia médica - Anatomia I. Total de 7 páginas 1 OSSOS DA FACE Ossos da face crescem até aos 16 anos; Com amadurecimento: os ossos do crânio se expandem, dentes se formam e emergem, seios paranasais aumentam. Ossos Nasais Ossos da face (14): 2 ossos

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição V setembro de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral 7 0 9 8 7. Côndilo do occipital;. Forame Magno;. Processo Paracondilar;. Temporal;. Forame Supraorbital;. Bula Timpânica; 7. Vômer; 8. Zigomático; 9. Asa do

Leia mais

CRÂNIO. Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD

CRÂNIO. Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD CRÂNIO Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG Professor Adjunto da PUC-Minas Roteiro Roteiro

Leia mais

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA EMERSON LUIS DA MATA COSTA¹ DIEMERSON ANTUNES DE OLIVEIRA¹ CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO² ¹Acadêmico do Curso Tecnólogo em Radiologia da Faculdades

Leia mais

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Prof. Dr. Caio Maximino Marabá Maio/2015 Cabeça é composta por crânio, face, escalpo, dentes, encéfalo, nervos cranianos, meninges, órgãos dos sentidos

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO SISTEMA LOCOMOTOR CABEÇA E PESCOÇO Crânio O crânio forma uma caixa óssea que tem a função primordial de abrigar e proteger o encéfalo. Outras funções importantes como: possui cavidades para órgãos da sensibilidade

Leia mais

POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES

POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES Michele Patrícia Muller Mansur Vieira 1 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A radiografia é, geralmente, a primeira escolha médica como método de diagnóstico por

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS Nomenclatura para os posicionamentos Ao posicionarmos o paciente com o propósito de efetuar radiografias, deve-se dar nome a este

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE

TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

I Caderno de Odontopediatria

I Caderno de Odontopediatria I Caderno de Odontopediatria Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto Fotografia em Odontopediatria Autores: Cristina Cardoso Silva, Susana Silva, Cristina Areias, Viviana Macho, Ana Norton,

Leia mais

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular,

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES TÉCNICO RADIOLOGIA- IMAGENOLOGIA TRI44 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá Universidade Estadual de Maringá Pró-reitoria de Recursos Humanos e Assuntos Comunitários TESTE SELETIVO EDITAL N O 107/2012-PRH INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA E PREENCHIMENTO DA FOLHA DE RESPOSTAS

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM MANUAL TÉCNICO CÓD. 6065 ESQUELETO HUMANO DE 85 CM Esta é uma pequena ferramenta de aprendizagem de anatomia do Sistema Esquelético Humano. Com o Modelo Anatômico de Esqueleto de 85 cm, é possível observar

Leia mais

TÉCNICAS R ADIOGRÁFICAS EXTR A- BUCAIS CONVENCIONAIS UTILIZADAS EM TRAUMATOLOGIA BUCO-MAXILO-FACIAL

TÉCNICAS R ADIOGRÁFICAS EXTR A- BUCAIS CONVENCIONAIS UTILIZADAS EM TRAUMATOLOGIA BUCO-MAXILO-FACIAL REVISÃO TÉCNICAS R ADIOGRÁFICAS EXTR A- BUCAIS CONVENCIONAIS UTILIZADAS EM TRAUMATOLOGIA BUCO-MAXILO-FACIAL Paulo Ricardo Saquete Martins Filho 1 Thiago de Santana Santos 2 Daniele Machado Reinheimer 3

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO CEFALOMETRIA RADIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Desde os primórdios da Ortodontia, esta especialidade da Odontologia era mais mutilante do que reabilitadora, uma vez que o tratamento resumiase na extração pura, muitas

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Técnico de Radiologia

PROVA OBJETIVA. Técnico de Radiologia Unioeste Diretoria de Concursos Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico de Radiologia Instruções para

Leia mais

Projeções: leitura recomendada. Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000

Projeções: leitura recomendada. Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000 Projeções Projeções: leitura recomendada Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000 Projeções: conceitos A projeção transforma pontos 3D (X, Y, Z) em 2D (xi,yi) Projeções: conceitos Raios de projeção emanam

Leia mais

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG e da PUC-Minas

Leia mais

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral Sistema Esquelético 213 Esqueleto Apendicular 126 Esqueleto Axial 87 Crânio e ossos associados 29 Caixa torácica 25 Coluna vertebral 33 Crânio Abrigar e proteger o encéfalo Apresenta aberturas para passagem

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1

OSSOS DA CABEÇA PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1 OSSOS DA CABEÇA PROF. Esp. Carlos Henrique Przybysz 1 1 CABEÇA ÓSSEA É dividida em crânio (neurocrânio) e face (víscero-crânio). O crânio forma uma caixa alojando o encéfalo, e a face aloja os órgãos dos

Leia mais

EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE

EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE RADIOLOGIA Radiologia - CABEÇA E PESCOÇO Crânio, 1 incidência 15,00 1,10 Crânio, 2 incidências 20,00 1,20 Sela turca 10,00 0,60 Mastóides, 1 incidência 30,00 1,00 Mastóides,

Leia mais

POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA

POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA PROF. CRISTIANA COSTA LUCIANO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO: - POSIÇÃO CIRÚRGICA É AQUELA EM QUE É COLOCADO O PACIENTE, APÓS ANESTESIADO, PARA

Leia mais

(BOJOWALD, M. Relato de um Universo Oscilante. "Scientific American". Brasil. Nov. 2008. p. 35.)

(BOJOWALD, M. Relato de um Universo Oscilante. Scientific American. Brasil. Nov. 2008. p. 35.) Colégio Anglo de Campinas Goiânia, de abril de 2014. Aluno: Professor: Evandro Série: 1. (Uel 2009) Leia o texto e analise as figuras a seguir. TEXTO "Apesar dos efeitos que embaralharam o Universo durante

Leia mais

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza Protocolos coluna Profº. Claudio Souza Coluna vertebral A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, e eventualmente por 32 ou 34, estas são classificadas como ossos irregulares. A coluna vertebral

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES TÉCNICO EM RADIOLOGIA - IMAGENOLOGIA TRI44 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira

Leia mais

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão.

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Professor : DUDU Disciplina : Física Óptica (FO) Introdução Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Fontes de

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM RADIOLOGIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM RADIOLOGIA 259 INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

MONTAGEM DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS

MONTAGEM DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FÍSICA GLEB WATAGHIN PROGRAMA DE FORMAÇÃO INTERDICIPLINAR SUPERIOR - PROFIS RELATORIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONTAGEM DE SISTEMAS

Leia mais

2 ossos ímpares (vômer e mandíbula) 6 ossos pares (maxilas, zigomáticos, nasais, lacrimais, palatinos, conchas nasais inferiores)

2 ossos ímpares (vômer e mandíbula) 6 ossos pares (maxilas, zigomáticos, nasais, lacrimais, palatinos, conchas nasais inferiores) ESQUELETO AXIAL O Esqueleto Axial corresponde às regiões da cabeça, coluna vertebral e tronco. Estudaremos os elementos em separado, em relação à osteologia, artrologia e miologia. OSTEOLOGIA DA CABEÇA

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

Aula 10: Radiografia Panorâmica

Aula 10: Radiografia Panorâmica Aula 10: Radiografia Panorâmica Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Conceito É uma técnica radiográfica extrabucal usada para examinar os maxilares superior e

Leia mais

ANEXO ÚNICO Fica a Credenciada Camil - Centro de Assistência Médica Itabapoana - Ltda a prestar os seguintes serviços de saúde aos municípios consorciados ao CIM POLO SUL: 001 - Colonoscopia (coloscopia)

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Músculos da Cabeça e Pescoço

Músculos da Cabeça e Pescoço UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos da Cabeça e Pescoço Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Cabeça e do Pescoço - Movimentam a cabeça

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO ODONTOLOGIA COMPLETA ODONTOLOGIA COMPLETA SISTEMA MASTIGATÓRIO ANATOMIA FUNCIONAL 22/03/2009

OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO ODONTOLOGIA COMPLETA ODONTOLOGIA COMPLETA SISTEMA MASTIGATÓRIO ANATOMIA FUNCIONAL 22/03/2009 SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO É uma entidade fisiológica e funcional perfeitamente definida e integrada por um conjunto heterogêneo de órgãos e tecidos cuja biologia e fisiopatologia

Leia mais

COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER

COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER ANATOMIA E RADIOLOGIA SIMPLES RAIOS-X RAIOS-X RAIOS-X Coluna Cervical Indicações: trauma, cervicalgia, incapacidade funcional, tumores... Solicitação: - Raios-X

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 18 Os focos principais. Página - 238

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 18 Os focos principais. Página - 238 FÍSICA B Aula 18 Os focos principais Página - 238 CLASSIFICAÇÃO DAS LENTES ESFÉRICAS As lentes esféricas podem ser classificadas quanto ao tipo de comportamento óptico e quanto à forma. Quanto ao tipo

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

Nariz e Laringe. Anatomia Aplicada à Medicina IV MOR 044 Prof. Sérvulo Luiz Borges

Nariz e Laringe. Anatomia Aplicada à Medicina IV MOR 044 Prof. Sérvulo Luiz Borges Nariz e Laringe Anatomia Aplicada à Medicina IV MOR 044 Prof. Sérvulo Luiz Borges Rinoscopia normal Nariz: Funções Condução do ar Sentido do olfato Filtrar, aquecer e umedecer o ar inspirado Eliminar as

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior 1 de 37 PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 1. RM Crânio Isquemia Aguda Sequências Mínimas Obrigatórias Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial Sagital T1

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Técnico de Radiologia

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Técnico de Radiologia Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014 Técnico de Radiologia Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 09 de fevereiro de 2014 Nível Médio Técnico de Radiologia GABARITO DO CANDIDATO

Leia mais