Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR"

Transcrição

1 Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR

2 Conteúdo Revisão Anatômica Técnicas de Posicionamento Radiológico Critérios de Avaliação Radiográfica Patologias mais comuns Indicações e contra indicações

3 Principais Funções Sustentação; Mobilidade; Proteção; Aumenta o alcance dos mmss e mmii; Auxilio na ventilação pulmonar;

4 Coluna Vertebral

5 Curvaturas da Coluna Vertebral

6 Curvaturas Anormais

7 Vértebra Típica

8 Vértebra Típica

9 Articulações e Forames

10 Disco Intervertebral

11 Coluna Cervical

12 Vértebra Cervical Típica

13 Vértebra Cervical Típica - Nervos

14 Vértebra Cervical Típica

15 Vértebra Cervical Típica

16 Atlas C1

17 Atlas C1

18 Atlas e Áxis

19 Atlas e Áxis

20 AS PRINCIPAIS MEDIDAS UTILIZADAS E QUE PODEM SER APLICADAS NAS DIVERSAS MODALIDADES DE IMAGEM Linha de Chamberlain (bem como a variação de McGregor), a linha do clivus de Wackenheim, o ângulo basal de Welcher e o ângulo da articulação atlantooccipital-áxis

21 INTRODUÇÃO Para uma avaliação adequada das relações craniovertebrais faz-se necessário um conhecimento detalhado das estruturas anatômicas, que servirão de parâmetro para as medidas das relações craniométricas da junção craniovertebral. A base do crânio é definida como a estrutura óssea que circunda o forame magno e inclui o basioesfenóide e os ossos occipitais. O osso occipital é formado pelo basiooccipital, o exoccipital e a escamosa sendo separados por uma sincondrose cartilaginosa

22 INTRODUÇÃO PONTOS ANATOMICOS (a) Corte de RM no plano sagital, seqüência ponderada em T1, demonstrando os principais reparos anatômicos: o násion (A), o tubérculo da sela turca (B), o básion (C), o opstion(d) a margem posterior do forame magno, porção posterior do palato duro(e), arco anterior de C1(F), corpo e dente do áxis(g), arco posterior de C1 (H). (b) Linha de McRae delimitando o forame magno.

23 LINHAS DE CHAMBERLAIN E MCGREGOR A linha de Chamberlain se estende da porção posterior do palato duro até o ópstion (a margem posterior do forame magno). McGregor desenvolveu uma modificação da linha de Chamberlain para os casos nos quais é difícil a caracterização do opstion, se estendendo da porção posterior do palato duro até a porção mais inferior do osso occipital. O processo odontóide deve estar posicionado abaixo ou tangente a linha de Chamberlain (Figura 3) podendo estar acima desta linha, numa distância que varia na literatura de 1 mm +/- 3,6 a 6,6 mm1,4-6. Na linha de McGregor (Figura 4) o odontóide pode estar um pouco mais acima. O atlas geralmente se posiciona abaixo destas linhas.

24 Atlas e Áxis Linha de Chamberlain O processo odontóide não deve projetar-se acima desta linha em mais de 3 mm. Uma projeção de 6,6 mm acima desta linha indica fortemente Platibasia.

25 Atlas e Áxis Linha de McGregor A extremidade do odontóide normalmente não se estende por mais de 4,5 mm acima desta linha.

26 LINHA DE McGREGOR Estudo radiográfico da junção craniovertebral em projeção lateral, onde se observa a linha de McGregor que se origina da porção posterior do palato duro até a porção mais inferior do osso occipital

27 CORTE DE TOMOGRAFIA RECONSTRUÇÃO NO PLANO CORONAL (A) evidenciando o côndilo occipital (B) massa lateral do atlas (C) corpo do áxis (D) articulação atlanto-occipital (E) articulação atlanto-axial (F) e dente do áxis.

28 LINHA DE BASE DO CLIVUS DE WACKENHEIM Também denominada linha basilar, a linha do clivus de Wackenheim é composta por uma linha que segue junto ao clivus e ultrapassa o processo odontóide, até atingir o canal cervical. Esta linha deve estar tangente à porção posterior do processo odontóide. O ângulo formado pela linha de Wackenheim e a linha da superfície posterior ao processo odontóide é o ângulo clivocanal (Figura 5a), normalmente variando de 150 graus de flexão e 180 graus de extensão. Quando o ângulo é menor de 150 graus, pode ocorrer compressão medular

29 LINHA DE BASE DO CLIVUS DE WACKENHEIM Corte de RM no plano sagital (a) demonstrando a linha do clivus de Wackenheim (composta por uma linha tangente ao clivus), formando o ângulo clivo-canal junto com a linha da superfície posterior do processo odontóide. (b) Sinais de invaginação basilar (b), associada a hipoplasia basioccipital e platibasia, com compressão bulbo-pontina

30 ÂNGULO BASAL DA WELCHER Este ângulo é formado entre uma linha traçada do násion até o tubérculo anterior da sela turca e outra linha entre este último e o básion. A medida do ângulo é de 132 graus e deve ser sempre menor que 140 graus (Figura 6a), sendo que um aumento nesta medida denota uma retificação da base do crânio (platibasia) (Figura 6b).

31 ÂNGULO BASAL DA WELCHER Corte de RM no plano sagital (a), observa-se o ângulo basal da Welcher formado por uma linha entre o násion e o tubérculo da sela turca e outra linha entre este último e o básion. Paciente com platibasia (b) demonstrada por um aumento do ângulo basal da Welcher

32 ÂNGULO DA ARTICULAÇÃO ATLANTOOCCIPITAL-ÁXIS As linhas paralelas à articulação atlantooccipital formam este ângulo, que geralmente se encontram no centro do processo odontóide, quando os côndilos são simétricos (Figura 7). O valor do ângulo é em média de 125º, variando entre 124º e 127º. Na presença de hipoplasia dos côndilos occipitais o ângulo se torna mais obtuso

33 CORTE DE TOMOGRAFIA RECONSTRUÇÃO NO PLANO CORONAL Mostrando o ângulo atlantoccipital-áxis formada pelos ângulos entre as articulações atlantoccipitais. O ângulo geralmente se encontra no centro do processo odontóide

34 Atlas e Áxis Linha de McRae Define a abertura do forame magno e une a margem anterior (básio) à margem posterior (opstion) do forame magno.

35 Vértebras Torácicas

36 Vértebras Torácicas e Lombares

37 Articulações costo - vertebrais

38 Articulações com as costelas

39 Vértebra Torácica

40 Vértebras Lombares

41 Vértebra lombar Vista Anterior Vista Posterior

42 Vértebra Lombar

43 Vértebra Lombar vista lateral

44 Vértebra Lombar - Nervos

45 SACRO

46 OSSO SACRO Vista anterior Vista posterior

47 Osso Sacro lateral

48 CÓCCIX

49 Recordando

50 Recordando A - Apófise Transversa B - Disco Intervertebral (visto de frente e perfil) C - Apófise Posterior (vista de perfil e posterior) D - Apófises Articulares ou Facetas Articulares E - Articulação Costo-transversa F - Articulação Costo-vertebral G - Apófise Odontóide H - Forâmen de Conjugação ou Forâmen Intervertebral I - Lâmina Vertebral J - Pedículo Vertebral

51 INDICAÇÕES PARA RAIO-X DE COLUNA CERVICAL Indicações: trauma, cervicalgia, incapacidade funcional, tumores. Raios-X da coluna cervical (3 incidências) AP, P, TO (Estudo Convencional). Raios-X da coluna cervical com oblíquas (5 incidências) AP, P,TO, OD E OE Finalidade: articulações interapofisárias e forâmes de transição. Raios-X da coluna cervical funcional ou dinâmica (5 incidências) AP, P, TO, hiperflexão e hiperextensão Finalidade: alinhamento vertebral.

52 INCIDÊNCIA AP DE BOCA ABERTA C1 E C2: COLUNA CERVICAL Patologia Demonstrada Fraturas envolvendo C1 e C2 e estruturas adjacentes. Demonstra fraturas do odontoide e de Jefferson.

53 INCIDÊNCIA AP DE BOCA ABERTA C1 E C2: COLUNA CERVICAL POSICIONAMNETO Posicionar o paciente deitado ou em pé com braços ao lado. Colocar a cabeça na superfície da mesa, providenciando imobilização se for preciso.

54 RAIO CENTRAL RC perpendicular ao RI ou chassi, direcionado para o centro da boca aberta. Receptor de imagem ou chassi centrado no RC. Filme 18x24. DFOFI: 1metro.

55 INCIDÊNCIA AP DE BOCA ABERTA C1 E C2: COLUNA CERVICAL POSICIONAMNETO

56 INCIDÊNCIA AP DE BOCA ABERTA C1 E C2: COLUNA CERVICAL POSICIONAMNETO

57 POSICIONAMENTO ARTICULAÇÃO ATLAS-AXIS

58 Atlas e áxis vista trans - oral 1- Processo transverso ( C1) 2- Massa lateral do atlas ( C1) Processo odontóide 4- Processo articular inferior ( C1) 5- Processo articular superior ( C2) 6- Corpo (C2)

59 INCIDÊNCIA AP OU PA PARA C1-C2 (DENTE) COLUNA CERVICAL MÉTODO DE FUCHS (AP) OU MÉTODO DE JUDD (PA) Aviso: Não tente realizar esta movimentação da cabeça ou do pescoço, se houver possibilidade de trauma cervical, sem antes consultar um médico que tenha revisto a radiografia cervical em perfil. Uma desta incidências é útil para demonstrar a porção superior do dente quando essa área não é bem visualizada na incidência AP de boca aberta da coluna cervical. Patologia demonstrada envolvendo o dente e estruturas ósseas em volta do anel de C1.

60 MÉTODO DE FUCHS (AP) OU MÉTODO DE JUDD (PA) POSICIONAMENTO RAIO CENTRAL Decúbito dorsal (AP) ou decúbito ventral (PA) com plano sagital médio alinhado ao RC e ao meio da mesa ou Chassi. AP (Método de Fuchs) Elevar o queixo conforme necessário para trazer a LMM (linha mentomeatal) quase perpendicular à mesa (ajustar o ângulo do RC como for preciso para que fique paralelo ao LMM). Garantir que não haja nenhuma rotação da cabeça (ângulos da mandíbula equidistantes do topo da mesa). Centralizar o chassi no RC projetado. RC é paralelo à LMM, direcionado à ponta inferior da mandíbula.

61 MÉTODO DE FUCHS (AP) OU MÉTODO DE JUDD (PA) POSICIONAMENTO RAIO CENTRAL PA (Método de Judd) Esta é uma posição reversa da AP. O queixo está apoiado na mesa e estendido para trazer a LMM quase perpendicular à mesa (é possível ajustar o RC como for preciso para torná-lo paralelo à LMM). Garantir que não haja nenhuma rotação da cabeça e que o chassi esteja centralizado no RC projetado. Garantir que o RC esteja paralela à LMM, através do meio do osso occipital, aproximadamente 2,5cm inferoposterior ás pontas mastoides e aos ângulos da mandíbula.

62 MÉTODO DE FUCHS (AP) OU MÉTODO DE JUDD (PA)

63 MÉTODO DE FUCHS (AP) OU MÉTODO DE JUDD (PA)

64 INCIDÊNCIA AP AXIAL: COLUNA CERVICAL Patologia demonstrada: Patologia envolvendo a espinha cervical média e inferior (C3 a C7). Demonstra fratura de clay Shoveler, fratura de compressão e hérnia do núcleo pulposo (HNP).

65 FRATURA DE CLAY SHOVELER

66 POSICIONAMENTO DA COLUNA CERVICAL Posicionamento do Paciente Posicionar o paciente na posição deitada ou em pé com os braços ao lado. Coloque a cabeça na superfície da mesa, providenciando imobilização se for preciso. Assegurar-se de que não exista nenhuma rotação da cabeça ou tórax

67 RAIO CENTRAL RC angulado de 15 a 20 cefálica, para entrar no nível da margem inferior da cartilagem tireoide para passar por C4. Chassi ou Receptor de Imagem centrado no RC DFOFI: 1,00 metro. Respiração suspender a respiração, o paciente não deve engolir durante a exposição. Nota: a angulação cefálica direciona o feixe entre os corpos vertebrais em sobreposição, para demonstrar melhor o espaço dos discos intervertebrais. Angular o RC a 15 quando paciente estiver deitado, ou houver menos curvatura lordótica. Angular o RC 20 quando o paciente estiver em pé ou maior curvatura lordótica estiver evidente.

68 INCIDÊNCIA AXIAL EM AP: COLUNA CERVICAL

69 INCIDÊNCIA AXIAL EM AP: COLUNA CERVICAL

70 COLUNA CERVICAL - VISTA ANTERIOR 1- Clavícula 2- Primeira costela Traquéia 4 4- Processo espinhoso(c7) Corpo vertebral ( C5) 6- Unco de corpo( processo uncinado).

71 INCIDÊNCIA DE MANDÍBULA MÓVEL EM AP: COLUNA CERVICAL (MÉTODO DE OTTONELLO) As patologias envolvendo o processo odontóide e as estruturas ósseas circundantes do anel de C1, assim como toda a coluna cervical, são demonstradas.

72 POSICIONAMENTOS DAS PARTES

73 RAIO CENTRAL

74 INCIDÊNCIA DE MANDÍBULA MÓVEL EM AP: COLUNA CERVICAL (MÉTODO DE OTTONELLO)

75 PERFIL LATERAL: COLUNA CERVICAL Patologia Demonstrada As patologias envolvendo a coluna cervical e as estruturas de partes moles adjacentes. A espondiólise e a osteoartrite são demonstradas. Posicionamento do Paciente de forma ereta em perfil, sentado ou em ortostase, com os ombros contra o suporte vertical do chassi. Posicionamento da Parte Alinhar o plano médio-coronal ao RC e a linha média da mesa ou ao chassi. Centralizando-se o chassi ao RC deve-se posicionar o topo do chassi aproximadamente 2,5cm acima do MAE. Abaixar os ombros, solicitar ao paciente que relaxe e solte os ombros para baixo e para a frente o máximo possível ( faça isto como o último passo antes da exposição, pois esta posição é dificilde manter.

76 PERFIL LATERAL: COLUNA CERVICAL RAIO CENTRAL RAIO CENTRAL RC perpendicular ao chassi, direcionado horizontalmente a C4 ( no nível da margem superior da cartilagem tireóide). Chassi centrado ao RC. DFFI de 150 a 180 cm)

77 POSICIONAMENTO PARA COLUNA CERVICAL PERFIL Se possível adicionar para paciente Pesos para ajudar Abaixar os ombros

78 POSICIONAMENTO PARA COLUNA CERVICAL PERFIL

79 Coluna Cervical vista lateral 1- Corpo vertebral ( 1º torácica) 8 2-Processo espinhoso ( C7) 3- Lâmina do arco vertebral processo articular inferior 5- Processo articular superior 6- Processo espinhoso( C2) 7- processo odontóide( dente do áxis 2 8- Arco anterior do atlas (C1) 9- Traquéia 9 1

80 POSIÇÃO CERVICOTORÁCICA (DO NADADDOR) EM PERFIL: COLUNA CERVICAL As patologias envolvendo a coluna cervical inferior e estruturas de partes moles adjacentes. Várias fraturas (inclusive fraturas de compressão) e subluxação são demonstradas. Esta é uma boa incidência quando as vértebras de C7 a T1 não são visualizadas em uma incidência em perfil da coluna cervical ou quando se tem especial interesse em vértebras torácica superiores em uma incidência em perfil da coluna torácica.

81 POSICIONAMENTO DAS PARTES

82 RAIO CENTRAL

83 POSIÇÃO CERVICOTORÁCICA (DO NADADDOR) EM PERFIL: COLUNA CERVICAL

84 POSIÇÃO CERVICOTORÁCICA (DO NADADDOR) EM PERFIL: COLUNA CERVICAL Uma leve angulação caudal de 3 a 5 pode ser necessária para separar os dois ombros, sobretudo em pacientes com flexibilidade limitada que não podem abaixar suficientemente os ombros para longe do RI.

85 POSICIONAMENTO EM OBLÍQUA ANTERIOR E PSOTERIOR : COLUNA CERVICAL Patologia demonstrada As patologias envolvendo a coluna cervical e as estruturas de partes moles adjacentes. A estenose envolvendo o forame intervertebral é demonstrada. Tanto as obliquas direitas quanto as esquerdas devem ser realizadas, para comparação. As obliquas anteriores são preferidas devido à menor dose sobre tireóide.

86 POSICIONAMENTO DAS PARTES

87 RAIO CENTRAL

88 POSICIONAMENTO COLUNA CERVICAL OBLÍQUA

89

90 COLUNA CERVICAL VISTA OBLÍQUA 1- Costela 2- Clavícula 3- Forame intervertebral Pedículo Traquéia Oblíqua esquerda

91 Coluna Cervical vista oblíqua 1- Clavícula 2- Costela 5 3- Lâmina do arco vertebral Forame intervertebral 3 5- Unco do corpo( processo uncinado) 2 6- Pedículo 1 Oblíqua direita

92 COLUNA CERVICAL PERFIL HIPEREXTENSÃO

93 COLUNA CERVICAL PERFIL HIPEREXTENSÃO POSICIONAMENTO

94 COLUNA CERVICAL HIPEREXTENSÃO Ausência de rotação da cabeça é indicada através da sobreposição dos ramos da mandíbula. Para hiperextensão processos espinhoso devem estar em íntima proximidade.

95 COLUNA CERVICAL PERFIL HIPERFLEXÃO

96 COLUNA CERVICAL PERFIL HIPERFLEXÃO POSICIONAMENTO

97 COLUNA CERVICAL PERFIL HIPERFLEXÃO Ausência de rotação da cabeça é indicada através da sobreposição dos ramos da mandíbula. Para hiperflexão processos espinhosos devem estar bem separados

98 INDICAÇÃO PARA RAIO-X COLUNA TORACICA Indicações: Dorsalgia; Trauma; Lesões inflamatórias (TBC); Alterações degenerativas, tumores.

99 COLUNA TORÁCICA (DORSAL) Pontos anatômicos de referência superficial da coluna torácica (dorsal) São úteis para a identificação de estruturas anatômicas, facilitando a realização do exame radiográfico. Os principais são: A incisura jugular (borda superior do manúbrio do esterno) possui uma correspondência com o 2º e 3º corpos vertebrais torácicos (T2 e T3). O ângulo do esterno (junção do manúbrio com o corpo do esterno) possui uma correspondência com o 4º corpo torácico (T4). O processo xifóide possui uma correspondência com o 10º corpo torácico (T10).

100 PRINCIPAIS PONTOS ANATÔMICOS DE REFERÊNCIA SUPERFICIAL DA COLUNA TORÁCICA 1 Incisura jugular 2 Ângulo do esterno 3 Processo xifóide 4 Processo espinhoso

101 COLUNA TORÁCICA (DORSAL)

102 POSICIONAMENTO COLUNA TORACICA (DORASL)

103

104 PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DA INCIDÊNCIA EM AP DA COLUNA TORÁCICA As vértebras de C7 a L1 devem estar visíveis na radiografia; Os pedículos aparecem superpostos aos corpos vertebrais; Os processos transversas devem estar visíveis.

105 COLUNA TORÁCICA VISTA ANTERIOR 5 1- Ventrículo esquerdo 2- Gás no estômago 3- Hemidiafragma direito 4 4- Costela 5- Clavícula 3 2 1

106 COLUNA TORÁCICA VISTA ANTERIOR 1 - Gás no cólon (flexura esplênica) Gás no estômago 3 - hemidiafragma esquerdo Costela posterior Pedículo 6 - Processo Espinhoso 7 - Processo Transverso

107 COLUNA TORACICA PERFIL

108 COLUNA TORACICA PERFIL POSICIONAMENTO

109 Posicionamento do paciente para a radiografia em perfil da coluna torácica

110

111 PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DA INCIDÊNCIA EM PERFIL DA COLUNA TORÁCICA Os corpos vertebrais de T2 a L1 devem estar visíveis na radiografia; Os espaços intervertebrais aparecem abertos.

112 COLUNA TORÁCICA VISTA LATERAL Hemidiafragma direito 2 - Hemidiafragma esquerdo 3 - Corpo vertebral Costela 1 2

113 COLUNA TORÁCICA VISTA LATERAL Costela posterior 2 - Corpo vertebral 3 - Espaço discal intervertebral

114 OBLÍQUA AP (DIREITA E ESQUERDA) Também denominadas oblíquas posteriores (direita e esquerda), são utilizadas como incidências complementares no estudo radiográfico da coluna torácica (dorsal). São realizadas sempre duas incidências em oblíqua AP da coluna torácica (dorsal), uma direita e outra esquerda. Raramente são solicitadas, devido á grande superposição de estruturas anatômicas. O paciente deve permanecer imóvel durante a realização de cada incidência.

115 POSIÇÃO DO PACIENTE É iniciado com o mesmo posicionamento descrito para posição em AP da coluna torácica. Essa incidência também podem ser realizada na mesa bucky, com o corpo do paciente em posição oblíqua em relação a mesa. Partindo do posicionamento em AP da coluna torácica, o paciente deve rodar o corpo para lado direito ou para lado esquerdo, até que a região posterior do tórax forme um ângulo de 45º com plano do bucky vertical.

116 RAIO CENTRAL Incide perpendicular ao filme radiográfico, entrando na metade da distância entre o ângulo esternal e o processo xifóide (T7). Fatores radiográficos são os mesmos descritos para a incidência em perfil da coluna torácica (dorsal).

117 POSICONAMENTO DO PACIENTE OAP E OPA

118 POSICONAMENTO DO PACIENTE

119 ESTRUTURAS DEMONSTRADAS

120 1 Pedículo 2 Processo articular inferior de T7 3 Processo articular superior T8 4 Cabeça da costela 5 Costelas

121 FATORES RADIOGRÁFICOS Cada 10kv abaixado dobrar o mas. Aumentado 10kv abaixa metade do mas.

122 FATORES RADIOGRÁFICOS ESP x 2 + C = Kv 20 x = 70 kv mas 50% do kv para crânio e coluna. Fora do bucky 10% do kv qualquer exame. Esqueleto apendicular 30% do kv no bucky. Ex. calculo 70 x 50 / 100 = 50% 3500 / 100 = 35 mas

123 FATORES RADIOGRÁFICOS ESP x 2 + C = Kv 20 x = 70 kv mas 10% do kv para Tórax. Ex. calculo 70 x 10 / 100 = 10% 700 / 100 = 7 mas

124 FATORES RADIOGRÁFICOS ESP x 2 + C = Kv 20 x = 70 kv mas 30% do kv para Abdome. Ex. calculo 70 x 30 / 100 = 30% 2100 / 100 = 21mAs

125 INDICAÇÕES DE RAIO-X COLUNA LOMBAR AP E PERFIL Lombalgia; Trauma; Alterações degenerativas; Lesões inflamatórias; Infecciosas, tumores.

126 INCIDÊNCIAS E POSICIONAMENTOS PARA ESTUDO RADIOGRÁFICO DA COLUNA LOMBAR AP essa incidência é realizada na rotina do estudo radiográfico da coluna lombar. O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da incidência.

127 COLUNA LOMBAR AP

128 PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DA INCIDÊNCIA EM AP DA COLUNA LOMBAR Vértebras de T12 ao sacro devem estar visíveis na radiografia; Os pedículos aparecem superpostos aos corpos vertebrais; Os processo transversas devem estar visíveis.

129 COLUNA LOMBAR AP POSICIONAENTO

130 COLUNA LOMBAR VISTA ANTERIOR 1 - Costela 2 - Processo transverso 3 Pedículo Processo espinhoso 5 - Osso sacro 6 - Articulação sacro-ilíaca 6 5

131 COLUNA LOMBAR PERFIL

132 PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DA INCIDÊNCIA EM PERFIL DA COLUNA LOMBAR Vértebras de T12 ao sacro devem estar visíveis na radiografia; Os espaços intervertebrais aparecem abertos.

133 COLUNA LOMBAR PERFIL POSICIONAMENTO

134 COLUNA LOMBAR VISTA LATERAL 1 - Osso sacro Processo espinhoso 3 - corpo vertebral lombar 4 - Disco intervertebral Forame intervertebral 6 - Pedículo 7 - Processo articular inferior 8 - Processo articular superior Costela

135 TRANSIÇÃO LOMBO-SACRA L5 S1 PERFIL

136 PARAMÊTROS DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DA INCIDÊNCIA EM PERFIL LOCALIZADO L5-S1 Os corpos vertebrais de L4 ao sacro devem estar visíveis na radiografia; Os espaços intervertebrais de L4-L5 e L5-S1 aparecem abertos.

137 COLUNA LOMBO-SACRA PERFIL L5 S1 POSICIONAMENTO

138 COLUNA LOMBAR VISTA LATERAL TRANSIÇÃO L5/S Corpo Vertebral L4 2 - Corpo Vertebral L5 3 - Espaço intervertebral( disco)l4/l5 4 - Espaço intervertebral( disco)l5/s1 5 - Forame intervertebral

139 PERFIL ESQUERDO OU DIREITO DINÂMICO (FLEXÃO E EXTENSÃO) Também conhecida como teste de knutson, é um estudo complementar da coluna lombossacra. Para o estudo dinâmico são realizadas sempre duas incidências em perfil da coluna lombar: uma em flexão e outra em extensão.

140

141 COLUNA LOMBAR AP OBLIQUA

142 COLUNA LOMBAR AP OBLIQUA POSICIONAMENTO

143 COLUNA LOMBAR VISTA OBLÍQUA

144 INDICAÇÃO DE RAIO-X DE COLUNA SACRO Indicações: trauma, alterações degenerativas, tumores, lesões infecciosas e inflamatórias Solicitação: Raios - X da coluna sacro (duas incidências) Ântero-posterior e perfil.

145 COLUNA SACRA VISTA ANTERIOR

146 COLUNA SACRA POSICIONAMENTO

147 COLUNA SACRA VISTA ANTERIOR

148 COLUNA SACRO-CÓCCIX VISTA LATERAL

149 COLUNA CÓCCIX

150 COLUNA CÓCCIX VISTA ANTERIOR

151 Coluna Cóccix - Vista lateral

152 BOA NOITE A TODOS

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR VERTEBRAS LOMBARES 5 9 3 10 1 6 4 8 2 1- processo espinhoso 2- processo transverso 3- corpo 4- processo articular inferior 5- processo articular superior 6- incisura

Leia mais

COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER

COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER ANATOMIA E RADIOLOGIA SIMPLES RAIOS-X RAIOS-X RAIOS-X Coluna Cervical Indicações: trauma, cervicalgia, incapacidade funcional, tumores... Solicitação: - Raios-X

Leia mais

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA EMERSON LUIS DA MATA COSTA¹ DIEMERSON ANTUNES DE OLIVEIRA¹ CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO² ¹Acadêmico do Curso Tecnólogo em Radiologia da Faculdades

Leia mais

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza Protocolos coluna Profº. Claudio Souza Coluna vertebral A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, e eventualmente por 32 ou 34, estas são classificadas como ossos irregulares. A coluna vertebral

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Prof Luciano Santa Rita Oliveira Fonte de consulta: Prof Rafael Silva e Prof Jorge Loureiro http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias da coluna são realizadas para diagnosticar

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

COLUNA. A coluna é o pilar de sustentação do corpo, responsável, ao mesmo tempo por suportar enormes cargas, e conservar grande flexibilidade.

COLUNA. A coluna é o pilar de sustentação do corpo, responsável, ao mesmo tempo por suportar enormes cargas, e conservar grande flexibilidade. COLUNA A coluna é o pilar de sustentação do corpo, responsável, ao mesmo tempo por suportar enormes cargas, e conservar grande flexibilidade. Na coluna convivem 3 tipos de estruturas: uma parte óssea,

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral Sistema Esquelético 213 Esqueleto Apendicular 126 Esqueleto Axial 87 Crânio e ossos associados 29 Caixa torácica 25 Coluna vertebral 33 Crânio Abrigar e proteger o encéfalo Apresenta aberturas para passagem

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major

POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II Prof. Marcio Ap. dos S. Major ANATOMIA RADIOGRÁFICA DO CRÂNIO O crânio, ou esqueleto ósseo da cabeça, é formando por oito ossos, quatro dos quais ímpares: frontal,

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral.

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral. Osteologia da Coluna Vertebral Anatomia dosanimais Domésticos I Prof. Paulo Junior 1/8 OSTEOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL 1) Formação Vértebras desde o crânio até a ponta da cauda. 2) Funções Movimentos: flexão,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA 01 Posição do braço em abdução significa a) com rotação interna b) com rotação externa c) braço

Leia mais

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral A Coluna Verterbral É o maior segmento corporal (40% Altura) É como uma haste elástica modificada Proporciona suporte, proteção e flexibilidade Formado por 33 vértebras, 24 móveis. 4 curvas, que dão equilíbrio

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Esqueleto. Axial. Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I. Objetivos da Aula. Conhecer a constituição do Esqueleto Axial

Esqueleto. Axial. Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I. Objetivos da Aula. Conhecer a constituição do Esqueleto Axial Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Esqueleto Axial Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definir Esqueleto Axial Conhecer a constituição

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE

EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE RADIOLOGIA Radiologia - CABEÇA E PESCOÇO Crânio, 1 incidência 15,00 1,10 Crânio, 2 incidências 20,00 1,20 Sela turca 10,00 0,60 Mastóides, 1 incidência 30,00 1,00 Mastóides,

Leia mais

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula 1 NOTA DE AULA N.01: PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FORMAÇÃO DA IMAGEM RADIOGRÁFICA E RADIOPROTEÇÃO 1) Terminologia Radiográfica Termos comumente usados compatíveis com a terminologia de posicionamento e incidência

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS Nomenclatura para os posicionamentos Ao posicionarmos o paciente com o propósito de efetuar radiografias, deve-se dar nome a este

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

ESCOLIOSE. Prof. Ms. Marcelo Lima

ESCOLIOSE. Prof. Ms. Marcelo Lima ESCOLIOSE Prof. Ms. Marcelo Lima DEFINIÇÃO A escoliose é um desvio da coluna vertebral para a esquerda ou direita, resultando em um formato de "S" ou "C". É um desvio da coluna no plano frontal acompanhado

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 31 Ao realizar uma radiografia, um técnico de radiologia percebeu que sua máquina fotográfica convencional e os filmes fotográficos estavam no mesmo local que o aparelho

Leia mais

LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES.

LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES. LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Lesões da coluna vertebral de causas diversas são observadas

Leia mais

Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor. 5º Módulo Noturno

Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor. 5º Módulo Noturno Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor 5º Módulo Noturno Elton Carvalho Lima Gislene Matioli Macedo Roseli Antunes S. Miranda Patologias identificadas por raios-x

Leia mais

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH - COMPOSIÇÃO: 24 Corpos Vertebrais 5 Fusionadas Sacro 4 Cóccix 23 Discos Intervertebrais - FUNÇÕES 1. Postura 2. Movimento e Locomoção

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Disciplina: MFT-0377 Métodos de Avaliação Clínica e Funcional Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 A coluna vertebral, assim como qualquer articulação, apresenta movimentos que possuem tanto grande como pequena amplitude articular. Estes recebem o nome de Macromovimentos e Micromovimentos,

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face, não estamos falando apenas de duas peças ou região anatômica, temos: glândulas, cavidades e uma

Leia mais

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões.

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. Programa de Certificação de Qualidade O Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) disponibiliza os Protocolos de Tomografia Computadorizada elaborados pela Comissão e que podem ser consultados através do

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

Coluna Vertebral e Crâneo

Coluna Vertebral e Crâneo Coluna Vertebral e Crâneo Nome: Turma: PL1/PL2 Aspectos gerais A. Legende a figura e refira o número de vértebras existentes em cada uma das regiões assinaladas: 1- Cervical 2- Toráxica 3- Lombar N.º de

Leia mais

TABELA DA ÁREA M - TABELA DE RADIOLOGIA

TABELA DA ÁREA M - TABELA DE RADIOLOGIA TABELA DE RADIOLOGIA RADIOLOGIA CONVENCIONAL CABEÇA E PESCOÇO 10004 700.5 Crânio, uma incidência 5,13 1,80 10005 084.1 Crânio, duas incidências 5,46 1,80 10010 109.0 Sela turca 2,65 1,80 10024 094.9 Mastóides,

Leia mais

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA Ossos da Cabeça ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz Cabeça MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça Ossos e Músculos MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça 1 ATM

Leia mais

Site: www.med-rad.med.br

Site: www.med-rad.med.br AMB TUSS PROCEDIMENTO TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DESC PART 34010017 41001109 TOMOG. COMP. ABDOMEN SUPERIOR C/C 550,00 805,00 34010201 41001095 TOMOG. COMP. ABDOMEN TOTAL C/C 750,00 1.030,00 34010025 41001141

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face não se tratam apenas de duas peças ou regiões anatômicas temos glândulas, cavidades e uma imensa

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

2. ANATOMIA. Fig.2.1 Coluna Vertebral (SOBOTTA, 1999, p.2).

2. ANATOMIA. Fig.2.1 Coluna Vertebral (SOBOTTA, 1999, p.2). 1. INTRODUÇÃO A hérnia discal lombar afeta episodicamente cerca de 75% da população na maioria dos países industrializados (TOSCANO, 2001). As doenças que afetam o sistema músculo esquelético, nos Estados

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Movimentos da coluna vertebral A coluna vertebral como um todo se apresenta como uma articulação que possui macromovimentação em seis graus de liberdade: flexão, extensão, láteroflexão esquerda,

Leia mais

PROVA DE TECNICO EM RADIOLOGIA HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL

PROVA DE TECNICO EM RADIOLOGIA HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA DE TECNICO EM RADIOLOGIA HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL 1. O mas usado numa radiografia com 100mA e 0,4 segundos é: a) 4 mas. b) 8mAs. c) 40mAs. d) 30mAs. e) 60mAs. 2. Quando ocorre uma interação compton:

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Português, questões de 01 a 08; Conhecimentos Gerais, de 09 a 20; e Conhecimentos Específicos, de

Leia mais

Banco de imagens Aparelho locomotor Semiologia Médica II. Espondilite Anquilosante

Banco de imagens Aparelho locomotor Semiologia Médica II. Espondilite Anquilosante Banco de imagens Aparelho locomotor Semiologia Médica II Espondilite Anquilosante Espondilite Anquilosante É uma doença de caráter inflamatório, crônico e progressivo que afeta primariamente as articulações

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição Não deixe de preencher as informações a seguir: PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº

Leia mais

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX SCOUT Posição do paciente: paciente em DDH, com a cabeça para o gantry e os MMSS, elevados acima da cabeça. Radiografia digital em AP. Técnica: 100

Leia mais

Artrologia. Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em:

Artrologia. Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em: 58 Artrologia Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em: Fibrosas (Sinartrose) As articulações fibrosas incluem todas as articulações nas quais os ossos são mantidos por tecido conjuntivo

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO: Atividade Ambiente (iluminação, ruído e calor) Posto de trabalho Dimensões, formas

Leia mais

POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES

POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES Michele Patrícia Muller Mansur Vieira 1 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A radiografia é, geralmente, a primeira escolha médica como método de diagnóstico por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Caio Abner Leite Letra legível História resumida Queixa e duração, antecedentes pessoais relacionados ao caso ou às contra-indicações.

Leia mais

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO OSSOS DO CRÂNIO Prof. ROMMEL BARRETO Crânio: lâmina externa diploe lâmina interna Crânio: Definição: Funções: Divisão Funcional: Ossos do Neurocrânio: Ossos do Viscerocrânio: Crânio: 22 ossos? Crânio

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

2 ossos ímpares (vômer e mandíbula) 6 ossos pares (maxilas, zigomáticos, nasais, lacrimais, palatinos, conchas nasais inferiores)

2 ossos ímpares (vômer e mandíbula) 6 ossos pares (maxilas, zigomáticos, nasais, lacrimais, palatinos, conchas nasais inferiores) ESQUELETO AXIAL O Esqueleto Axial corresponde às regiões da cabeça, coluna vertebral e tronco. Estudaremos os elementos em separado, em relação à osteologia, artrologia e miologia. OSTEOLOGIA DA CABEÇA

Leia mais

Osteologia. Movimentos realizados Plano Sagital (Eixo Frontal) Plano Frontal (Eixo Sagital) Plano Transverso (Eixo Longitudinal)

Osteologia. Movimentos realizados Plano Sagital (Eixo Frontal) Plano Frontal (Eixo Sagital) Plano Transverso (Eixo Longitudinal) Posiçao anatómica: Osteologia Indivíduo de pé; Face virada para o observador; Palmas das mãos viradas para cima (supinação). Planos do movimento: Plano Sagital - Divide o corpo verticalmente (Esquerda/Direira);

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas SÉRIE RADIOLOGIA E SABER 1 TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas ALGUNS TÓPICOS POR: PROF. RONALDO J. CALIL KV determina o contraste. O contraste é responsável pela imagem preta e branca na radiografia, muito

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS...é um conjunto de conhecimentos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos

Leia mais

3.2 A coluna vertebral

3.2 A coluna vertebral 73 3.2 A coluna vertebral De acordo com COUTO (1995), o corpo é dividido em cabeça, tronco e membros; unindo porção superior e a porção inferior do corpo temos o tronco, e no tronco, a única estrutura

Leia mais

Posicionamento. Posicionamento. Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado

Posicionamento. Posicionamento. Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado Posicionamento Posicionamento Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado 1 24-03-2009 Posicionamento Regras gerais Área de interesse o mais próximo possível da película Centrado sobre área de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO)

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) A avaliação de perda auditiva ou tiníto quase sempre inclui a investigação do osso temporal através de imagens. Há uma grande variedade de processos de doenças congênitas e adquiridas

Leia mais

Dossier informativo. Doenças da Coluna

Dossier informativo. Doenças da Coluna Dossier informativo Doenças da Coluna 2008 Índice 1. Como funciona a coluna vertebral? 2. O que provoca dores na coluna? 3. Incidência em Portugal e no Mundo Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 4. Principais doenças

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Página: 1 LEIA AENAMENE AS INSRUÇÕES ABAIXO 01- Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) Este caderno com o enunciado das 50 (cinqüenta) questões objetivas de caráter específico; Prova Objetiva Nº.

Leia mais

ANEXO ÚNICO Fica a Credenciada Camil - Centro de Assistência Médica Itabapoana - Ltda a prestar os seguintes serviços de saúde aos municípios consorciados ao CIM POLO SUL: 001 - Colonoscopia (coloscopia)

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 As algias são dores que acometem a coluna vertebral. As principais regiões a serem acometidas são: a cervical (cervicalgia), a dorsal (dorsalgia) e a lombar (lombalgia). Diversos tratamentos fisioterápicos

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

Guia do Paciente Fusão Espinhal

Guia do Paciente Fusão Espinhal Guia do Paciente Fusão Soluções para Medicina Ltda. 01 Guia do Paciente - O objetivo da cirurgia de fusão espinhal é de proporcionar alívio da dor que você vem sentindo e tornar a sua coluna mais estável.

Leia mais

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Definição: Espondilólise=> lesão de origem indeterminada, que se acredita ser causada por fratura por estresse na pars interarticularis (pedículo), que é particularmente vulnerável a forças

Leia mais

Estrutura da Coluna Vertebral

Estrutura da Coluna Vertebral Fundamentos da Biomecânica CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DA COLUNA VERTEBRAL Estrutura da Coluna Vertebral 33 Vértebras 7 cervicais 12 torácicas 5 lombares 5 sacrais (fundidas) 4-5 coccígeas (fundidas) 1

Leia mais

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Manual do Usuário Índice: 03...Informações Gerais 03...Símbolos 04...Instalação e Conexão à Rede Elétrica 05...Controles 06-07...Operação da Mesa 07...Precauções 07-08...Indicações

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior 1 de 37 PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 1. RM Crânio Isquemia Aguda Sequências Mínimas Obrigatórias Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial Sagital T1

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 1 de 9 1. TC TÓRAX INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 TODO O PARÊNQUIMA PULMONAR Incluir todas as últimas costelas se para dor torácica/trauma Opcional em doenças do esôfago VELOCIDADE

Leia mais

CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira

CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira NOÇÕES BÁSICAS DE ANATOMIA E FISIOLOGIA Identificação das Limitações do Organismo Humano Sabendo-se que a Ergonomia tem por objetivo adequar o trabalho às características

Leia mais

RADIOLOGIA PESSOALMENTE COM O PEDIDO MÉDICO. PEDIDO MÉDICO COM INDICAÇÃO CLINICA.

RADIOLOGIA PESSOALMENTE COM O PEDIDO MÉDICO. PEDIDO MÉDICO COM INDICAÇÃO CLINICA. Nome do setor/especialidade: Horário de funcionamento: Meios de agendamento oferecidos ao usuário para utilização/acesso aos serviços: Requisitos necessários para a obtenção dos serviços: Serviços oferecidos:

Leia mais