Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário"

Transcrição

1 Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros superiores e cintura escapular são realizadas em geral para diagnóstico de fraturas e luxações nessa região. Para um correto posicionamento o profissional técnico em radiologia deve centralizar e alinhar o usuário conforme a recomendação fornecida em cada uma das incidências e posicionar o centro geométrico do feixe colimado (ou ponto central) coincidindo com o centro do receptor de imagens (RI). 2 Abordagem ao Usuário Após receber a requisição do exame, o técnico em radiologia deverá organizar a sala e todos os objetos que serão utilizados na sua execução. Em seguida ele deverá chamar o usuário, pelo nome completo e certificar-se que é realmente a pessoa que irá realizar o procedimento, pois, ainda é relativamente comum, situações de homônimos e trocas de exames. Todos os usuários devem ser tratados de forma cordial e serem informados sobre os procedimentos que serão realizados. A anamnese faz parte do processo inicial. Ela consiste em um conjunto de perguntas predefinidas que permitirão ao técnico e ao médico radiologista saber o motivo do exame, se o paciente já sofreu alguma cirurgia na região de interesse, queda recente ou algum trauma, entre outras questões relevantes para o exame que irão gerar informações importantes para os profissionais envolvidos na execução e laudo do exame. A próxima etapa é orientar o usuário a retirar quaisquer objetos radiopacos que possam formar artefatos na imagem, como por exemplo, correntes, escapulários, prender cabelos longos, soltar o cabelo longo quando molhado ou úmido, roupas espessas e/ou com botões ou sutiã e vestir-se com a vestimenta oferecida pelo técnico em radiologia, que consiste em um avental fornecido pelo serviço de radiologia. É obrigação do profissional técnico em radiologia, fornecer ao usuário todos os equipamentos de proteção individual (EPIs) necessários, que não interfiram na formação da imagem.

2 Usuária, ou acompanhante, em idade fértil, deve obrigatoriamente ser questionada se está grávida, por razões de proteção radiológica. Sendo confirmada, o procedimento não será realizado. Em caso de acompanhante a mesma deverá ser substituída por outra pessoa. Em quaisquer casos onde gestantes precisem ser expostas aos Raios X, com anuência do médico, obrigatoriamente deverão fazer uso de todos os EPIs radiológicos. 3 Características para a execução do exame As radiografias apresentam informações de objetos tridimensionais em um plano bidimensional, portanto, é comum utilizar no mínimo duas incidências diferentes para o estudo adequado da estrutura. Por exemplo, em posição anteroposterior ou posteroanterior e em lateral. A escolha correta de tais incidências é feita de acordo com as condições do usuário. Para formar imagens de qualidade é fundamental que o técnico em radiologia instrua corretamente o usuário sobre a respiração durante a exposição aos Raios X. Cada posicionamento/incidência descreve o método correto de respiração a ser aplicado para essa finalidade. As incidências para membros superiores e cintura escapular incluem: - Dedos: incidência PA de dedos, incidência lateral de dedos, incidência oblíqua de dedos, Polegar: incidência AP de polegar, incidência lateral de polegar, incidência oblíqua de polegar, Mão: incidência PA de mão, incidência lateral de mão, incidência oblíqua de mão, incidência obliqua de mão com mão em leque,

3 Punho: incidência PA de punho, incidência lateral de punho, incidência PA de escafóide com flexão ulnar (é uma incidência especial), incidência PA de escafóide com flexão radial (é uma incidência especial), incidência inferossuperior tangencial do carpo ou túnel do carpo, incidência inferossuperior alternativa ou canal do carpo (é uma incidência especial), Incidência tangencial do carpo ou ponte do carpo (é uma incidência especial). Antebraço: Incidência AP de antebraço, incidência lateral de antebraço, Cotovelo: incidência AP de cotovelo, incidência lateral de cotovelo, incidência oblíqua AP de cotovelo com rotação externa, incidência oblíqua AP de cotovelo com rotação interna ou medial, incidência em flexão aguda do cotovelo, Úmero: incidência AP de úmero, incidência lateral rotacional de úmero mediolateral ou lateromedial, Ombro e cintura escapular: incidência AP rotação externa de ombro, incidência AP rotação interna de ombro, incidência axial lateral inferossuperior de ombro pelo Método de Lawrence (é uma incidência especial), incidência obliqua AP posterior da cavidade glenoide, incidência AP rotação neutra de ombro, incidência lateral Y escapular em oblíquas anteriores (direita e esquerda), incidências AP e AP axial para clavícula, incidências AP bilateral para articulações acromioclaviculares - com e sem pesos,

4 incidência AP para escápula, incidência lateral para escápula. 3.1 Exames Radiográficos de Mão Indicado principalmente para fraturas, luxações e artrose dessa região, entre outras. - Incidência PA de dedos A radiografia da incidência PA de dedos mostra as falanges distal, medial e proximal, o metacarpo e as articulações interfalangiana distal e proximal e a articulação metacarpofalangiana, todos em PA, do dedo de interesse. Para realizar a incidência PA de dedos o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro da região do receptor de imagem que será exposta e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a articulação interfalangiana proximal de interesse. Colimar a região a ser radiografada até os metacarpos. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 1). Figura 1: PA de mão.

5 - Incidência lateral de dedos A radiografia da incidência lateral de dedos mostra as falanges distal, medial e proximal, o metacarpo e as articulações interfalangiana distal e proximal e a articulação metacarpofalangiana, todos em lateral, do dedo de interesse. Para realizar a incidência lateral de dedos o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar o dedo a ser radiografado em lateral sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro da região do receptor de imagem que será exposta e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a articulação interfalangiana proximal de interesse. Colimar a região a ser radiografada até os metacarpos. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 2). Figura 2: Lateral de dedo - Incidência oblíqua de dedos A radiografia da incidência oblíqua de dedos mostra as falanges distal, medial e proximal, o metacarpo e as articulações interfalangiana distal e proximal e a articulação metacarpofalangiana, todos em oblíqua, do dedo de interesse.

6 Para realizar a incidência oblíqua de dedos o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar o dedo a ser radiografado, com auxílio de um acessório em formato de cunha com ângulo de 45, em oblíqua sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro da região do receptor de imagem que será exposta e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a articulação interfalangiana proximal de interesse. Colimar a região a ser radiografada até os metacarpos. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 3). Figura 3: Oblíqua de dedo - Incidência AP de polegar A imagem radiográfica da incidência AP de polegar mostra as falanges distal e proximal, o metacarpo e as articulações interfalangiana e metacarpofalangiana, todos em AP, do polegar. Para realizar a incidência AP de polegar o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa, de frente relação a esta, com mão e punho alinhados com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar o polegar em AP, realizando uma rotação interna de mão, punho e cotovelo, sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro da região do receptor de imagem que será exposta e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a articulação metacarpofalangiana. Colimar

7 a região a ser radiografada até o metacarpo. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. (Figura 4). Figura 4: AP de polegar. - Incidência lateral de polegar A radiografia da incidência lateral de polegar mostra as falanges distal e proximal, o metacarpo e as articulações interfalangiana e metacarpofalangiana, todos em lateral, do polegar. Para realizar a incidência lateral de polegar o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa, de frente relação a esta, com mão e punho alinhados com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar o polegar em lateral sobre o receptor de imagem, fazendo uso de um acessório para apoiar os demais dedos, mantendo o polegar na posição desejada. O ponto central deve coincidir com o centro da região do receptor de imagem que será exposta e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a articulação metacarpofalangiana. Colimar a região a ser radiografada até o metacarpo. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 5).

8 Figura 5: Lateral do polegar - Incidência oblíqua de polegar A radiografia da incidência oblíqua de polegar mostra as falanges distal e proximal, o metacarpo e as articulações interfalangiana e metacarpofalangiana, todos em oblíqua, do polegar. Para realizar a incidência obliqua de polegar o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa, de frente relação a esta, com mão e punho alinhados com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar a mão em PA para que o polegar mantenha-se na posição oblíqua sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro da região do receptor de imagem que será exposta e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a articulação metacarpofalangiana. Colimar a região a ser radiografada até o metacarpo. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 6).

9 Figura 6: Obliqua de polegar - Incidência PA de mão A radiografia da incidência PA de mão permite o estudo das diversa estruturas que compõem a mão, são elas falanges distais, mediais e proximais, os cinco metacarpos e as articulações, ossos do carpo e terço distal de radio e ulna. O usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa para realizar a incidência PA de mão. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar a mão em PA sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a terceira articulação metacarpofalangiana. Colimar a região a ser radiografada incluindo o punho. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 7).

10 Figura 7: PA de mão. - Incidência lateral de mão A radiografia da incidência lateral de mão permite o estudo das diversas estruturas que compõem a mão, são elas falanges distais, mediais e proximais, os cinco metacarpos e as articulações, ossos do carpo e terço distal de radio e ulna, todos sobrepostos. Para realizar a incidência lateral de mão o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar a mão em lateral verdadeira sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a segunda articulação metacarpofalangiana. Colimar a região a ser radiografada incluindo o punho. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 8).

11 Figura 8: Lateral de mão. - Incidência oblíqua de mão A radiografia da incidência lateral de mão permite o estudo das diversas estruturas que compõem a mão, são elas falanges distais, mediais e proximais, os cinco metacarpos e as articulações, ossos do carpo e terço distal de radio e ulna, todos em oblíqua. Para realizar a incidência oblíqua de mão o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar a mão em oblíqua sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X perpendicular ao receptor de imagem sobre a terceira articulação metacarpofalangiana. Colimar a região a ser radiografada incluindo o punho. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 9). Figura 9: Oblíqua de mão.

12 - Incidência oblíqua de mão - mão em leque A radiografia da incidência lateral de mão permite o estudo das diversas estruturas que compõem a mão, são elas falanges distais, mediais e proximais, os cinco metacarpos e as articulações fechadas, ossos do carpo e terço distal de radio e ulna, todos em oblíqua. Para realizar a incidência oblíqua de mão, com mão em leque, o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar a mão em oblíqua, com todos os dedos fletidos, formando um leque, sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre a terceira articulação metacarpofalangiana. Colimar a região a ser radiografada incluindo o punho. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 10). Figura 10: Mão em leque. 3.2 Exames Radiográficos de Punho O estudo radiográfico do punho permite o diagnóstico de lesões, fraturas e alterações patológicas dessa região.

13 - Incidência PA de punho A imagem radiográfica da incidência PA de punho permite a avaliação do terço proximal dos metacarpos, hamato, capitato, pisiforme, piramidal, semilunar, trapézio, trapezoide, escafoide e também da parte distal de rádio e ulna. O usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa para realizar a incidência PA de punho, Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem e posicionados em um mesmo plano. Posicionar e centralizar o punho em PA sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem entre os processos estiloides de radio e ulna. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, proximais de metacarpo e distal de radio e ulna. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 11). Figura 11: PA de punho - Incidência lateral de punho A radiografia usando a incidência lateral de punho permite a visibilização em lateral dos ossos capitato, trapézio, escafóide, pisiforme, do primeiro metacarpo e da parte distal de rádio e ulna, sobrepostos, em lateral. O usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa para realizar a incidência lateral de punho. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido

14 em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar e centralizar o punho em lateral sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre o processo estoloide do radio. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, proximais de metacarpo e distal de radio e ulna. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 12). Figura 12: Lateral de punho - Incidência PA axial de escafoide flexão ulnar A radiografia usando a incidência PA de escafoide flexão ulnar de punho permite a visibilização em PA do trapézio, trapeziode, escafoide, semilunar, do primeiro metacarpo e da parte distal do rádio. Essa é uma incidência que não pode ser realizada em caso de suspeita de traumatismo da região do punho. Para realizar a incidência PA de escafoide com flexão ulnar o técnico em radiologia deve posicionar o usuário sentado em uma cadeira na borda da mesa. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Sem mover o antebraço o usuário deve mover a mão em direção à ulna, o máximo possível. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X axiais (10º a 15º), no sentido proximal e em direção ao escafoide (Figura 13). Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, proximais de metacarpo e distal de radio e ulna. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro.

15 Figura 13: PA axial de escafoide - Flexão ulnar - Incidência PA de punho flexão radial A radiografia usando a incidência lateral de punho permite a visibilização em PA do hâmulo do hamato, do hamato, do pisiforme, do piramidal, do semilunar, do quinto metacarpo e da parte distal de rádio e ulna. Essa é uma incidência que não pode ser realizada em caso de suspeita de traumatismo da região do punho. Para realizar a incidência PA de punho com flexão radial o técnico em radiologia deve posicionar o usuário sentado em uma cadeira na borda da mesa. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Sem mover o antebraço o usuário deve mover a mão em direção ao radio, o máximo possível. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem no centro do punho. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, proximais de metacarpo e distal de radio e ulna. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 14). Figura 14: PA de punho flexão radial

16 - Incidência ínfero superior tangencial do carpo túnel do carpo. A imagem radiográfica da incidência ínfero superior tangencial do carpo ou túnel carpo permite a visibilização do hâmulo do hamato, do pisiforme, do escafoide, do trapezio e do polegar. Essa é uma incidência que não pode ser realizada em caso de suspeita de traumatismo da região do punho. Para realizar a incidência de túnel do carpo o usuário deve estar sentado em uma cadeira na borda da mesa, com a mão sobre o receptor de imagem, inicialmente com a palma da mão para baixo. Posicionar e centralizar o punho sobre o receptor de imagem. Sem mover o antebraço o usuário deve mover a mão para cima, isto é, fazer uma dorsiflexão da mão, o máximo possível, mantendo o alinhamento em relação ao receptor de imagem. Depois girar a mão e o punho em direção ao rádio, cerca de 10º. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir 3 cm distal à base do terceiro metacarpo, com feixes de Raios X axiais ao eixo longitudinal da mão, em 25º a 30º. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, proximais de metacarpo e distal de rádio e ulna. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 15). Figura 15: Incidência ínfero superior tangencial do carpo túnel do carpo - Incidência ínfero superior alternativa canal do carpo. A radiografia da incidência ínfero superior alternativa do carpo ou canal do carpo permite o estudo do polegar, trapezio, hâmulo do hamato, pisiforme e escafoide.

17 Essa é uma incidência que não pode ser realizada em caso de suspeita de traumatismo da região do punho. Para realizar a incidência canal do carpo o usuário deve estar em ortostase na borda da mesa, com a palma da mão sobre o receptor de imagem, inicialmente com a palma da mão para baixo. Posicionar e centralizar o punho sobre o receptor de imagem. Então o usuário deve hiperestender o punho ao máximo possível, inclinando para frente, mantendo o alinhamento em relação ao RI e permitindo que a mão saia até 4 cm do receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir, com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem, tangencial ao canal do carpo. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, proximais de metacarpo e distal de radio e ulna. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro - Incidência tangencial do carpo ponte do carpo. A imagem radiográfica da incidência tangencial do carpo ou ponte do carpo mostra o polegar, trapézio, trapezoide, capitato, semilunar, piramidal, escafoide e quinto metacarpo. Essa é uma incidência que não pode ser realizada em caso de suspeita de traumatismo da região do punho. Para realizar a incidência ponte do carpo o usuário deve estar em ortostase na borda da mesa, com o dorso da mão sobre o receptor de imagem. Posicionar e centralizar os ossos do carpo sobre o receptor de imagem. Então o usuário deve fletir o punho até que mão e antebraço formem um ângulo próximo a 90º, mantendo o alinhamento em relação ao receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do RI e incidir, 3,5 cm proximal ao carpo, com feixes de Raios X axiais, de modo que o ângulo entre os feixes e o antebraço seja de 45º, tangenciando o carpo. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, proximais de metacarpo e distal de radio e ulna. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 16). Figura 16: Incidência tangencial do carpo ponte do carpo.

18 3.3 Exames Radiográficos de antebraço A principal indicação para radiografias de antebraço estão principalmente associadas a fraturas e luxações, além de outras patologias que possam acometer essa região. - Incidência AP de antebraço Além da região distal do úmero, de todo o cotovelo e da fileira proximal dos ossos do carpo, toda a ulna e rádio em AP são visibilizados na incidência AP de antebraço. O usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa para realizar a incidência AP de antebraço, de frente relação a esta, com mão, punho, antebraço e cotovelo alinhados com o eixo maior do receptor de imagem e em um mesmo plano. Posicionar e centralizar o antebraço em AP verdadeiro sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre o centro do antebraço. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, antebraço e cotovelo. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 17).

19 Figura 17: AP de antebraço - Incidência lateral de antebraço A radiografia da incidência lateral de antebraço mostra a região distal do úmero, de todo o cotovelo e carpo. Toda a ulna e rádio em lateral verdadeira são visibilizados na incidência lateral de antebraço. O usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa para realizar a incidência lateral de punho. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem. Posicionar e centralizar o punho em lateral sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir com feixes de Raios X perpendiculares ao receptor de imagem sobre o terço médio do antebraço. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o punho, antebraço e cotovelo. A distância focoreceptor de imagem é de 1 metro (Figura 18).

20 Figura 18: lateral de antebraço 3.4 Exames Radiográficos de cotovelo Os exames radiográficos para essa articulação contêm incidências para cotovelo com e sem traumatismo. As incidências de cotovelo para ambos os casos estão descritas a seguir. Incidência AP de cotovelo A incidência AP de cotovelo demonstra a região proximal de radio e ulna, a articulação do cotovelo em AP e a parte distal de úmero. O usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa para realizar a incidência AP de cotovelo, de frente relação a esta, com mão, punho, antebraço e cotovelo alinhados com o eixo maior do receptor de imagem e em um mesmo plano horizontal. Posicionar e centralizar o cotovelo em AP verdadeiro sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre o centro do cotovelo. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o cotovelo, proximal de radio e ulna e distal de úmero. A distância focoreceptor de imagem é de 1 metro (Figura 19).

21 Figura 19: AP de cotovelo - Incidência lateral de cotovelo A incidência lateral de cotovelo demonstra a parte distal de úmero, a articulação do cotovelo e a região proximal de radio e ulna. O usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa para realizar a incidência lateral de cotovelo. Manter o paralelismo entre mão, punho e cotovelo - que estará fletido em 90 - e ombro, todos alinhados em um mesmo plano e com o eixo maior do receptor de imagem e em um mesmo plano. Posicionar mão punho e antebraço em lateral e centralizar mantendo o cotovelo em lateral verdadeira sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre o epicôndilo lateral do úmero. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o cotovelo em lateral, proximal de radio e ulna e distal de úmero. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 20).

22 Figura 20: lateral de cotovelo. Incidência oblíqua AP de cotovelo rotação externa A incidência oblíqua de cotovelo com rotação externa demonstra o capítulo e o epicôndilo lateral do úmero, a articulação do cotovelo, e a região proximal de ulna e tubérculo, cabeça e colo do radio. O usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa para realizar a incidência oblíqua AP de cotovelo em rotação externa. Estender mão, punho, antebraço e cotovelo e alinhar com o eixo maior do receptor de imagem e em um mesmo plano. Posicionar e centralizar o cotovelo em AP rotação externa sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre o centro do cotovelo. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o cotovelo, além de proximal de radio e ulna e distal de úmero. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 21).

23 Figura 21: oblíqua AP de cotovelo rotação externa - Incidência oblíqua AP de cotovelo rotação interna ou medial A incidência oblíqua de cotovelo com rotação medial mostra o processo coronoide da ulna, a troclea, o epicôndilo medial, a fossa do olecrano, a cabeça e o colo do radio. Para realizar a incidência oblíqua AP de cotovelo em rotação interna o usuário deve ficar sentado em uma cadeira na borda da mesa, estender mão, punho, antebraço e cotovelo e alinhar com o eixo maior do receptor de imagem e em um mesmo plano. Posicionar e centralizar o cotovelo em AP rotação medial sobre o receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre o centro do cotovelo. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o cotovelo, além de proximal de radio e ulna e distal de úmero. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. - Incidência em flexão aguda do cotovelo Quando ocorrer do cotovelo a ser radiografado estar com traumatismo e o usuário não puder estender o braço é feito um AP da parte distal do cotovelo. A radiografia em flexão aguda do cotovelo mostra a articulação do olecrano e da tróclea, os epicôndilos lateral e medial, a parte distal do úmero superposta ao rádio.

24 A posição do usuário para o exame é sentado em uma cadeira localizada na borda da mesa com o cotovelo em flexão aguda, com o úmero centralizado em relação ao ponto central e ao eixo longitudinal do receptor de imagem. Um correto posicionamento é conseguido ao palpar os epicôndilos e garantir que estejam eqüidistantes do receptor de imagem. O técnico em radiologia deve posicionar o ponto central perpendicular ao receptor de imagem, com uma distância foco-receptor de imagem mínima de 1 m, direcionado para a porção média da articulação do cotovelo, localizada 2 cm distal ao ponto médio entre os epicôndilos. A colimação deve incluir toda a articulação do cotovelo e as partes moles (Figura 22). Obs: Para visibilizar a parte proximal de rádio e ulna é feita uma incidência semelhante a esta, porém, angulando o tubo de Raios X, para que os feixes atravessem o cotovelo de forma perpendicular ao antebraço, 5 cm superior ao olécrano. Figura 22 flexão aguda do cotovelo 3.5 Exames Radiográficos de úmero Radiografias do úmero são solicitadas, em geral, para avaliações de traumatismos com ou sem indicação cirúrgica. Incidência AP de úmero A radiografia da incidência AP de úmero permite o estudo da cavidade glenoide e da cabeça, tubérculo maior, diáfise e epicôndilos lateral e medial de úmero.

25 O usuário deve estar em ortostase, em AP em relação ao receptor de imagem, braço estendido, com epicôndilos paralelos ao receptor de imagem, alinhado e centralizado em relação ao receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente no terço médio do úmero (Figura 23). Colimar incluindo todo o úmero, cotovelo e ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. Figura 23 AP de úmero - Incidência lateral rotacional de úmero mediolateral ou lateromedial A radiografia da incidência lateral rotacional de úmero permite o estudo da cavidade glenoide e da cabeça, tubérculo maior, diáfise e epicôndilos lateral e medial de úmero. O usuário deve estar em ortostase, em PA em relação ao receptor de imagem, cotovelo fletido e afastado do corpo e posterior a ele, alinhado e centralizado em relação ao receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente no terço médio do úmero (Figura 24). Colimar incluindo todo o úmero, cotovelo e ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro.

26 Figura 24 lateral rotacional de úmero mediolateral ou lateromedial 3.6 Exames Radiográficos Cintura Escapular Os exames radiográficos de cintura escapular contemplam as regiões de escápulas, clavículas e articulações associadas. São importantes para o diagnóstico de traumatismos como fraturas e luxações, além de patologias articulares e ósseas. Rotina para ombro sem traumatismo - Incidência AP rotação externa de ombro A radiografia da incidência AP com rotação externa de ombro mostra o processo coracoide, a articulação glenoumeral, o acrômio, a cabeça do úmero, os tubérculos maior e menor e a porção proximal do úmero. Para realizar a incidência AP rotação externa de ombro o usuário deve ficar em ortostase ou em decúbito dorsal com o ombro encostado e alinhado no receptor de imagem. Posicionar e centralizar o ombro em AP, rotacionando lateralmente o úmero. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre a articulação glenoumeral. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. usuário deve interromper a respiração durante a exposição.

27 - Incidência AP rotação interna de ombro Rotina para ombro sem traumatismo A radiografia da incidência AP com rotação interna de ombro mostra o processo coracoide, a articulação glenoumeral, o acrômio, a cabeça do úmero, os tubérculos maior e menor, a porção proximal do úmero e a escapula. Para realizar a incidência AP rotação interna de ombro o usuário deve ficar em ortostase ou em decúbito dorsal com o ombro encostado e alinhado no receptor de imagem. Posicionar e centralizar o ombro em AP, rodando o úmero medialmente, em máxima extensão. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre a articulação glenoumeral. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. O usuário deve interromper a respiração durante a exposição. - Incidência axial lateral ínfero superior de ombro Método de Lawrence Rotina para ombro sem traumatismo A imagem radiográfica da incidência axial lateral inferossuperior de ombro usando o Método de Lawrence permite o estudo da cabeça do úmero, processo coracoide, terço distal da clavícula, fossa glenoide, espinha da escapula, acrômio, colo cirúrgico e tubérculo menor. Para realizar a axial lateral ínfero superior de ombro usando o Método de Lawrence o usuário deve ficar em decúbito dorsal com o ombro elevado em um suporte de 5 cm. Girar a cabeça para o lado oposto ao ombro, e posicionar o receptor de imagem na vertical, encostado sobre o ombro do usuário. Rotacionar o braço para lateral, para deixar a palma para cima (supino), e afastar o braço, para que forme 90º com a linha do corpo. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir medialmente, entre 25º e 30º na fossa axilar. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o

28 ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. O usuário deve interromper a respiração durante a exposição. Incidência obliqua AP da cavidade glenoide Rotina para ombro sem traumatismo A radiografia da incidência AP oblíqua para a cavidade glenoide permite estudar o acrômio, a cabeça do úmero, a cavidade glenoide, a articulação glenoumeral e o processo coracoide. Para realizar a incidência obliqua AP da cavidade glenoide o usuário deve ficar em ortostase, em posição obliqua posterior, entre 35º e 45º em relação ao receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre a articulação glenoumeral. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. O usuário deve interromper a respiração durante a exposição. Rotina para ombro com traumatismo - Incidência AP rotação neutra de ombro A radiografia da incidência AP com rotação neutra de ombro mostra o processo coracoide, a articulação glenoumeral, o acrômio, a cabeça do úmero, os tubérculos maior e menor e a porção proximal do úmero. Para realizar a incidência AP rotação neutra de ombro o usuário deve ficar em ortostase ou em decúbito dorsal com o ombro encostado e alinhado no receptor de imagem. Posicionar e centralizar o ombro em AP, o mais próximo possível do receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre a articulação glenoumeral. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. O usuário deve interromper a respiração durante a exposição.

29 - Incidência lateral Y escapular posição oblíqua anterior (direita e esquerda) A imagem da incidência lateral Y escapular mostra a região proximal do úmero sobreposta a escapula em lateral, acrômio e processo coracoide. Para realizar a incidência lateral Y escapular o usuário deve ficar em ortostase, em posição oblíqua anterior 45º, direita ou esquerda, conforme o lado de interesse, mantendo a escapula perpendicular ao receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente sobre a articulação glenoumeral, ou com feixes de Raios X angulados podalicamente entre 10º e 15º incidindo na margem superior da cabeça umeral (Método de Neer). Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. O usuário deve interromper a respiração durante a exposição. - Incidências AP e AP axial para clavícula As Incidências AP e AP axial para clavícula fornecem imagens radiográficas para estudo da articulação esternoclavicular, clavícula e articulação acromioclavicular. Para realizar as incidências AP e AP axial para clavícula o usuário deve ficar em ortostase, em AP em relação ao receptor de imagem. Manter o queixo fora da área de colimação e os braços ao lado do corpo. Posicionar e centralizar a clavícula em relação ao receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente no centro da clavícula, para a incidência em AP. Os feixes de Raios X devem incidir em axial cefálico, entre 15º e 30º no centro da clavícula, para a incidência em AP axial. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro (Figura 25). O usuário deve interromper a respiração durante a exposição.

30 Figura 25: AP para clavícula - Incidências AP bilateral para articulações acromioclaviculares - com e sem pesos As imagens radiográficas das incidências AP bilateral para articulações acromioclaviculares fornecem imagens radiográficas para estudo da articulação acromioclavicular para comparações com e sem estresse sobre elas. Para realizar as incidências AP bilateral para articulações acromioclaviculares o usuário deve ficar em ortostase, com peso distribuído entre os pés, em AP em relação ao receptor de imagem. Manter o queixo fora da área de colimação e os braços ao lado do corpo. Posicionar e centralizar a região entre as clavículas no meio do receptor de imagem. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente a 2,5 cm acima da incisura jugular. Colimar a região a ser radiografada incluindo todo o ombro. A distância foco-receptor de imagem é de 1,8 metro. O usuário deve interromper a respiração durante a exposição. Uma segunda radiografia igual deve ser feita, porém, colocando pesos nos punhos, para causar estresse nas articulações acromioclaviculares. - Incidência AP para escápula A radiografia para a incidência AP para escápula mostra a clavícula, o processo coracoide, o acrômio, a cavidade glenoide, a escápula, as bordas lateral e vertebral e o ângulo inferior da escápula.

31 Para realizar a incidência AP para escápula o usuário deve ficar em ortostase ou em decúbito dorsal com o ombro encostado e alinhado no receptor de imagem. Posicionar e centralizar a escapula em AP verdadeiro em relação ao receptor de imagem, abduzindo e voltando a mão para posição anatômica. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente 5 cm abaixo do processo coracoide. Colimar a região a ser radiografada incluindo toda a escápula. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. O usuário deve interromper a respiração durante a exposição. - Incidência lateral para escápula A radiografia para a incidência lateral para escápula mostra a clavícula, o processo coracoide, o acrômio, a cabeça do úmero, a escapula em lateral e o ângulo inferior da escápula. Para realizar a incidência AP para escápula o usuário deve ficar em ortostase em oblíqua anterior direita ou esquerda, de modo que a escápula esteja em lateral verdadeira em relação ao receptor de imagem. Fletir o cotovelo para frente, sobre o tórax ou atrás sobre o dorso. O ponto central deve coincidir com o centro do receptor de imagem e incidir perpendicularmente no meio da borda vertebral da escapula. Colimar a região a ser radiografada incluindo toda a escápula. A distância foco-receptor de imagem é de 1 metro. O usuário deve interromper a respiração durante a exposição.

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR

OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR CLAVÍCULA ESCÁPULA ÚMERO ULNA OSSOS DO CARPO METACARPOS FALANGES RÁDIO ACIDENTES ÓSSEOS - MEMBRO SUPERIOR CLAVÍCULA CORPO DA CLAVÍCULA EXTREMIDADE ESTERNAL EXTREMIDADE ACROMIAL

Leia mais

Ossos e Articulações dos Membros Superiores

Ossos e Articulações dos Membros Superiores Ossos e Articulações dos Membros Superiores Clavícula Escapula Úmero Radio (L) Ulna (M) Ossos do carpo Ossos do metacarpo Falanges Articulações da clavícula Articulaçao do ombro Articulações do cotovelo

Leia mais

Imaginologia Por radiografias. Profº Claudio Souza

Imaginologia Por radiografias. Profº Claudio Souza Imaginologia Por radiografias Profº Claudio Souza Imaginologia Imaginologia O sufixo logia é derivado do grego e significa ciência, estudo, sendo assim imagi+logia nada mais é que a ciência que estuda

Leia mais

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Membros Superiores (MMSS) Membros Superiores (MMSS) A escápula está mergulhada na massa muscular do dorso do indivíduo, sem qualquer fixação direta

Leia mais

Profa. Elen H. Miyabara

Profa. Elen H. Miyabara UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia OSSOS E ARTICULAÇÕES Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br DIVISÃO DO ESQUELETO HUMANO ESQUELETO AXIAL 80 ossos CRÂNIO

Leia mais

EXAMES RADIOGRÁFICOS DE TÓRAX: ABORDAGEM, INCIDÊNCIAS E POSICIONAMENTOS DO USUÁRIO

EXAMES RADIOGRÁFICOS DE TÓRAX: ABORDAGEM, INCIDÊNCIAS E POSICIONAMENTOS DO USUÁRIO EXAMES RADIOGRÁFICOS DE TÓRAX: ABORDAGEM, INCIDÊNCIAS E POSICIONAMENTOS DO USUÁRIO MARINEI DO ROCIO PACHECO DOS SANTOS 1 1 Considerações Iniciais Os exames mais realizados em radiologia convencional são

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA. Articulações do cotovelo, punho e da mão

CINESIOLOGIA APLICADA. Articulações do cotovelo, punho e da mão CINESIOLOGIA APLICADA Articulações do cotovelo, punho e da mão OSSOS - COTOVELO ÚMERO ULNA RÁDIO MOVIMENTOS ARTICULARES ARTICULAÇÃO DO COTOVELO: FLEXÃO EXTENSÃO ARTICULAÇÃO RÁDIO ULNAR: PRONAÇÃO SUPINAÇÃO

Leia mais

Protocolo de Tomografia para Membros Superiores

Protocolo de Tomografia para Membros Superiores Protocolo de Tomografia para Membros Superiores POSICIONAMENTO DE OMBRO (CINTURA ESCAPULAR) Posicionamento para Ombro POSIÇÃO: posição de supino. RADIOGRAFIA DIGITAL: frente. PLANO: axial, SEM ANGULAÇÃO

Leia mais

Osteologia e Artrologia. Tema E Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro superior.

Osteologia e Artrologia. Tema E Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro superior. Tema E Descrição e caraterização funcional do 1 Cintura escapular 1.1 Esterno-clavicular. 1.2 Acrómio-clavicular. 2 Complexo articular do ombro e o seu funcionamento nos movimentos do braço. 2.1 Ligamento

Leia mais

Anatomia do Membro Superior

Anatomia do Membro Superior Composição Cíngulo do Membro Superior Braço Antebraço Mão Cíngulo do Membro Superior CLAVÍCULA CULA - Extremidades: esternal e acromial - Diáfise: - 2/3 mediais convexos anteriormente - 1/3 lateral côncavo

Leia mais

*Ulna Rádio Carpo Metacarpo Falanges: Sesamóides

*Ulna Rádio Carpo Metacarpo Falanges: Sesamóides PUNHO E MÃO OSSOS *Ulna processo estilóide e cabeça da ulna. Rádio - processo estilóide, tubérculo de Lister e incisura ulnar do rádio. Carpo: escafóide, semilunar, piramidal, pisiforme, trapézio, trapezóide,

Leia mais

EXAMES RADIOGRÁFICOS EXTRABUCAIS E INTRABUCAIS

EXAMES RADIOGRÁFICOS EXTRABUCAIS E INTRABUCAIS EXAMES RADIOGRÁFICOS EXTRABUCAIS E INTRABUCAIS Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais Os exames radiográficos realizados em odontologia são divididos em exames extrabucais e intrabucais.

Leia mais

Músculos do Antebraço e Mão

Músculos do Antebraço e Mão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Antebraço e Mão Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Flexão do Cotovelo (3) Músculos da Extensão

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

Músculos do Antebraço e Mão

Músculos do Antebraço e Mão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Antebraço e Mão Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Flexão do Cotovelo (3) Músculos da Extensão

Leia mais

RADIOTERAPIA. Estão corretas as afirmativas: A) I e II, apenas. B) I e III, apenas. C) II e III, apenas. D) I, II e III. Resposta correta - D ITEM

RADIOTERAPIA. Estão corretas as afirmativas: A) I e II, apenas. B) I e III, apenas. C) II e III, apenas. D) I, II e III. Resposta correta - D ITEM RADIOTERAPIA ITEM Avalie as afirmativas, a seguir: I) Os tomógrafos de 1º geração utilizam apenas 1 detector. II) Os tomógrafos de 2ª geração utilizam uma fileira de 30 ou mais detectores. III) Os tomógrafos

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

13/05/2013. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina

13/05/2013. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail.com Extremidade distal do rádio Extremidade distal da ulna Carpo ( escafóide, semilunar, piramidal, trapézio,

Leia mais

Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Antebraço, Fossa Cubital e Mão Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Departamento de Ciências Morfológicas Curso de Fisioterapia DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS SUPERIORES

TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS SUPERIORES Luxação esternoclavicular - Luxação muito rara TRAUMATOLOGIA DOS MEMBROS SUPERIORES - Classificação: a) Anterior ( + comum) Extremidade esternal luxa anterior Mecanismo traumático trauma ântero-lateral

Leia mais

Punho - Mão. Punho - Mão Cinesiologia. Renato Almeida

Punho - Mão. Punho - Mão Cinesiologia. Renato Almeida Punho - Mão Questão de Concurso Treinando... (NOVA ESPERANÇA DO SUL - RS) São ossos carpais: a) Trapezoide, Escafoide, Capitato, Cuboide, Estiloide, Trapézio e Hamato. b) Rádio, Capitato, Trapezoide, Talo,

Leia mais

INCIDENCIAS PARA O ESTUDO DO TÓRAX

INCIDENCIAS PARA O ESTUDO DO TÓRAX INCIDENCIAS PARA O ESTUDO DO TÓRAX PA Incidência Perfil Incidências AP Incidência AP em Decúbito Lateral Incidência AP em Ápico-Lordótica Incidência OAD / OAE Incidência OPD / OPE PA DO TÓRAX PA DO TÓRAX

Leia mais

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Coluna Vertebral Canal Vertebral Forames intervertebrais Características de uma vértebra típica Corpo vertebral

Leia mais

Anatomia Palpatória. Anatomia clínica. Anatomia clínica - Objetivos. Anatomia clínica. Princípios da palpação. Princípios da palpação

Anatomia Palpatória. Anatomia clínica. Anatomia clínica - Objetivos. Anatomia clínica. Princípios da palpação. Princípios da palpação Anatomia Palpatória Especialista Ortopedia e Esportes UFMG Fisioterapeuta da SPINE FISIOTERAPIA Professor da Pos Graduação Terapia Manual PUC-MG Professor do Curso de Terapia Manual da SPINE FISIOTERAPIA

Leia mais

Músculos do membro superior. Carlomagno Bahia

Músculos do membro superior. Carlomagno Bahia Músculos do membro superior Carlomagno Bahia Axiais: Peitoral maior; Latíssimo do dorso; Músculos que movimentam o braço Deltóide; Escapulares: Subescapular; Supra-espinhal; Infra-espinhal; Coracobraquial.

Leia mais

Punho e Mão. Punho e Mão. Palpação

Punho e Mão. Punho e Mão. Palpação Punho e Mão 1 Punho e Mão 2 Palpação 1 - Processo estilóide do rádio 2 - Processo estilóide da ulna 3 - Cabeça da ulna 4 - Tubérculo de Líster 5 - Articulação radio ulnar distal 6 - Escafóide 7 - Semilunar

Leia mais

Gabarito das questões da Dinâmica S03 e S04O

Gabarito das questões da Dinâmica S03 e S04O Gabarito das questões da Dinâmica S03 e S04O Exemplo a) O periósteo consiste num tecido conjuntivo que reveste a superfície externa dos ossos. b) Correta. c) O tecido ósseo secundário que contém sistemas

Leia mais

CALO EXTERNO CALO INTERNO

CALO EXTERNO CALO INTERNO PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FRATURA ÓSSEA E DESLOCAMENTO ARTICULAR Prof. Dr. Carlos Cezar I. S.Ovalle FRATURA DESLOCAMENTO ARTICULAR A) FRATURA: Perda (ou quebra) da solução de continuidade de um OSSO ou cartilagem.

Leia mais

Componentes 08/08/2016. Úmero Rádio. Ulna

Componentes 08/08/2016. Úmero Rádio. Ulna Componentes Úmero Rádio Ulna 1. Articulação Úmero-radial e Úmero-ulnar (do cotovelo, propriamente dita) 2. Articulação Rádio-ulnar proximal 3. Articulação Rádio-ulnar distal 1 Complexo Articular do Cotovelo

Leia mais

Apostila de Cinesiologia. Cotovelo

Apostila de Cinesiologia. Cotovelo 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Cotovelo Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de 2009. Ainda esta em fase de construção. Temos muito para

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA Diagnóstico Cinético-Funcional e Imaginologia: Membros Superiores, Cabeça e Tórax Unidade II OMBRO 1 2 3 4 5 Luxação anterior 6 Fratura de cabeça

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão Fratura Distal do Úmero Fratura da Cabeça do Rádio Fratura do Olecrâneo

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE RAIOS-X

PROTOCOLOS INICIAIS DE RAIOS-X 1 de 8 PROTOCOLOS INICIAIS DE RAIOS-X 1) RADIOGRAFIA DE TÓRAX PA 1.1 Apneia inspiratória profunda: visualização de 6 espaços intercostais anteriores ou 10 posteriores, acima do diafragma; 1. Posicionamento

Leia mais

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ANATOMIA SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4 Profª. Tatiane da Silva Campos Ossos do pé mantêm-se unidos por meio de fortes ligamentos que lhe permitem sustentar o peso corporal e funcionar como

Leia mais

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO MOVIMENTOS DA ESCÁPULA PROTRAÇÃO RETRAÇÃO ELEVAÇÃO DEPRESSÃO ROTAÇÃO PARA CIMA (EXTERNA) ROTAÇÃO PARA BAIXO (INTERNA) MOVIMENTOS DOS OMBROS FLEXÃO E EXTENSÃO ADBUÇÃO E ADUÇÃO

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS. Profº. Emerson Siraqui

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS. Profº. Emerson Siraqui TÉCNICAS RADIOLÓGICAS Profº. Emerson Siraqui TERMINOLOGIA RADIOLÓGICA O posicionamento radiográfico refere-se ao estudo do posicionamento do paciente para demonstrar radiograficamente ou visualizar partes

Leia mais

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM MANUAL TÉCNICO CÓD. 6065 ESQUELETO HUMANO DE 85 CM Esta é uma pequena ferramenta de aprendizagem de anatomia do Sistema Esquelético Humano. Com o Modelo Anatômico de Esqueleto de 85 cm, é possível observar

Leia mais

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz 1 Segmento Cintura Escapular E CLAVÍCULA Membro Superior Sistema Esquelético CLAVÍCULA Membro Superior 1 Segmento - Cintura

Leia mais

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP)

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP) Coluna Cervical (AP) COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer

Leia mais

Centro de Gravidade e Equilíbrio. Prof. Dr. André L. F. Rodacki

Centro de Gravidade e Equilíbrio. Prof. Dr. André L. F. Rodacki Centro de Gravidade e Equilíbrio Prof. Dr. André L. F. Rodacki Centro de Gravidade n O centro de gravidade pode ser definido como o único ponto de um corpo ao redor do qual todas as partículas de sua massa

Leia mais

OMBRO. Úmero Cabeça Colo Tubérculo maior Tubérculo menor Sulco intertubercular

OMBRO. Úmero Cabeça Colo Tubérculo maior Tubérculo menor Sulco intertubercular OMBRO Complexo articular (20 mm, 3 art, 3 art funcionais) Articulação proximal do MS Direciona a mão Aumenta o alcance Osteologia Úmero, escápula, clavícula, esterno, costelas Úmero Cabeça Colo Tubérculo

Leia mais

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 1 O Ombro é uma articulação de bastante importância para todos nós, visto que para fazermos até as atividades mais simples, como escovar os dentes e dirigir, precisamos dele. Devido a esta característica,

Leia mais

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico ESQUELETO APENDICULAR Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR Ombro - Escápula Braço - Úmero Antebraço Rádio e Ulna Joelho - Carpos Canela - Metacarpos

Leia mais

Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Articulação do Cotovelo O cotovelo (articulação rádio umeral) permite a flexão e extensão do rádio e ulna em relação

Leia mais

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro MÚSCULOS DO OMBRO Músculos do Ombro Deltóide Supra-espinhal Infra-espinhal Redondo Menor Redondo Maior Subescapular DELTÓIDE Ombro Inserção Proximal: 1/3 lateral da borda anterior da clavícula, acrômio

Leia mais

ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR

ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR ARTICULAÇÕES CLAVICULARES ARTICULAÇÃO ESTERNO-CLAVICULAR A articulação esterno-clavicular é formada pela porção esternal da clavícula e incisura clavicular

Leia mais

Apostila de Cinesiologia. Cintura Escapular e Ombro

Apostila de Cinesiologia. Cintura Escapular e Ombro 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Aula Prática Cintura Escapular e Ombro Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de 2009. Ainda esta em fase

Leia mais

POSICIONAMENTOS DOS MEMBROS INFERIORES. Prof.ª Célia santos

POSICIONAMENTOS DOS MEMBROS INFERIORES. Prof.ª Célia santos POSICIONAMENTOS DOS MEMBROS INFERIORES Prof.ª Célia santos DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS PÉ PÉ PÉ PÉ PÉ PÉ PÉ CALCÂNEO CALCÂNEO TORNOZELO TORNOZELO TORNOZELO TORNOZELO TORNOZELO TORNOZELO

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS

LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS 1. Base do crânio - Visão externa Canal Carótico Canal do Hipoglosso Canal e fossa condilar Canal incisivo Coana Côndilo Occipital Dorso da sela turca Espinha nasal

Leia mais

Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço

Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos do Tronco ao Cíngulo Escapular

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina Tradicional Chinesa MEMBROS SUPERIIORES E INFERIIORES 1 IV - MEMBROS SUPERIORES E INFERII IORES 1 1 MEMBROS SUPERIORES 5 Ombro Deltóide 5 5 MANGUITO ROTADOR: 5 Músculos do Ombro - Vista Anterior 7 Músculos do Ombro - Vista

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata ANATOMIA MUSCULAR Músculos que movimentam o Ombro Anteriomente: Posteriomente: Deltóide (porção anterior) Grande Dorsal Peitoral Maior

Leia mais

INTRODUÇÃO PUNHO. A mão é uma ferramenta valiosa, através da qual nós controlamos nosso ambiente e expressamos idéias e talentos.

INTRODUÇÃO PUNHO. A mão é uma ferramenta valiosa, através da qual nós controlamos nosso ambiente e expressamos idéias e talentos. Punho e Mão INTRODUÇÃO PUNHO O punho tem a função significativa de controlar a relação comprimento-tensão dos músculos multiarticulares da mão à medida que se ajustam as diversas atividades e formas de

Leia mais

HUC Clínica Universitária de Imagiologia. Protocolos de Exames de Radiologia Geral. Orientação do Feixe. Região Anatómica. Critério de Qualidade Kv

HUC Clínica Universitária de Imagiologia. Protocolos de Exames de Radiologia Geral. Orientação do Feixe. Região Anatómica. Critério de Qualidade Kv Exposição Automática Exposição Manual Região Anatómica Designação Protecção Orientação do Feixe Critério de Qualidade Obs Kv Exposi. Autom. S (ISO) Foco Colima ção Distância fonte detector Grelha Potter

Leia mais

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos Perímetros Ergonomia 2007 Antropometria: Técnicas e aplicações Essa medida antropométrica é o perímetro máximo de um segmento corporal medido em ângulo reto em relação ao seu maior eixo. Estudo da composição

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

Anatomia de superfície e palpatória do punho e mão

Anatomia de superfície e palpatória do punho e mão 00 Anatomia de superfície e palpatória do punho e mão http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve a anatomia de superfície e procedimentos palpatórios simples aplicados ao braço e cotovelo.

Leia mais

Lesões Traumáticas do Punho e Mão. Prof. Reinaldo Hashimoto

Lesões Traumáticas do Punho e Mão. Prof. Reinaldo Hashimoto Lesões Traumáticas do Punho e Mão Prof. Reinaldo Hashimoto Anatomia Óssea Articulação Vascular Nervosa Anatomia Óssea Anatomia Anatomia Articular Rádio carpiana Carpal Anatomia Vasculo Nervosa Fratura

Leia mais

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA 6MOD205 LOCOMOÇÃO E PREENSÃO MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR OMBRO MANGUITO ROTADOR 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA TUBÉRCULO > DO 3 SUBESCAPULAR

Leia mais

OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA. Ricardo Yabumoto

OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA. Ricardo Yabumoto OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA Ricardo Yabumoto INTRODUCAO Cintura escapular = 4 articulacoes: Gleno umeral Acromioclavicular Esternoclavicular Escapulotoracica Pseudo-articulacao = espaco subacromial INTRODUCAO

Leia mais

Vista Posterior (dorsal) 2b 1b 1a Vista posterior (dorsal) Rádioulnar 2 - Ulnocárpico 3 - Colateral ulnar

Vista Posterior (dorsal) 2b 1b 1a Vista posterior (dorsal) Rádioulnar 2 - Ulnocárpico 3 - Colateral ulnar Cinesiologia do punho e mão 1 - Introdução Órgão complexo (interdependência) Punho: 15 ossos, 15 art, ligamentos Mobilidade x estabilidade Força x sutileza Tato Expressão e comunicação Estabilização outras

Leia mais

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Uma fixação é no esqueleto e outra na parte mais profunda da Pele Podem movimentar a pele do couro cabeludo e da face modificando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 TÉCNICO DE RADIOLOGIA PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 TÉCNICO DE RADIOLOGIA PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) Navicular e cuboide são ossos: a) dos pés b) da bacia c) das mãos d) da coluna 2) Na incidência posteroanterior (PA) com raio central perpendicular para estudo da fossa intercondiliana

Leia mais

AUTORIA E COLABORAÇÃO. Autores. Assessoria didática

AUTORIA E COLABORAÇÃO. Autores. Assessoria didática AUTORIA E COLABORAÇÃO Autores Luís Antônio Tobaru Tibana Graduado em Medicina pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Preceptor da residência de Radiologia da Universidade Federal de São

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA. Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA. Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA Prof. Msc Rogério Olmedija de Araújo Prof. Msc Rogério Olmedija de Araújo -Fisioterapeuta pela UNISA/SP -Formação

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA FACULDADE DE ENSINO E CULTURA DO CEARÁ CURSOS DE SAÚDE ANATOMIA ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Profs. Musse Jereissati, Rosi Paixão e Ana Cláudia Queiroz Ossos do membro superior: Clavícula, escápula (que constituem

Leia mais

OSTEOLOGIA 18/03/2014 OSTEOLOGIA

OSTEOLOGIA 18/03/2014 OSTEOLOGIA OSTEOLOGIA SISTEMA ESQUELÉTICO Na verdade quando se fala em Sistema Esquelético, temos logo em mente só os ossos, o que não está completamente correto, isso porque as articulações é que na verdade mantêm

Leia mais

E S T U D O R A D IO G R Á F IG O D O

E S T U D O R A D IO G R Á F IG O D O Técnicas Radiográficas BIASOLI Esqueleto Torácico e Membros Superiores Figura 14.123 do paciente para a radiografia em perfil externo do braço - transtorácica nias: aproxim ado na faixa de 30mAs ± 5mAs

Leia mais

Antebraço e Mão Osteologia e Miologia

Antebraço e Mão Osteologia e Miologia Antebraço e Mão Osteologia e Miologia Nome: Turma: Antebraço - Osteologia A.1. O antebraço corresponde à região anatómica limitada pelo rádio e pelo cúbito/ ulna. Começa no cotovelo e termina no punho.

Leia mais

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é Cintura Escapular? Duas clavículas e duas escápulas. Trata-se de uma estrutura que sofreu adaptações à bipedia, onde as

Leia mais

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO Formas Elementares de : O movimento humano énormalmente descrito como sendo um movimento genérico, i.e., uma combinação complexa de movimentos de translação e de movimentos de rotação. Translação (Rectilínea)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada:

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada: AVALIAÇÃO DO OMBRO 1. Anatomia Aplicada: Articulação esternoclavicular: É uma articulação sinovial em forma de sela com 3 graus de liberdade; A artic. esternoclavicular e a acromioclavicular habilitam

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 02/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 02/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 02/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 56 TÉCNICO EM RADIOLOGIA (Radiologia) 01. ANULADA 11. E 21. D 31. A 02. A 12. C 22.

Leia mais

Ritmo Escápulo-umeral

Ritmo Escápulo-umeral Avaliação do ombro Ritmo Escápulo-umeral Movimento sincronizado entre escápula e úmero durante abdução e flexão do braço. Região anterior Clavícula e artic. Esternoclavicular e Acromioclavicular Anatomia

Leia mais

Introdução à Anatomia

Introdução à Anatomia ESTRUTURA ANIMAL 1 Introdução à Anatomia : É o fundamento de todas as outras ciências médicas. Função: Fornecer noções preciosas para as aplicações na prática médico-cirúrgica Anatomia vem do grego; Significa

Leia mais

PA (póstero-anterior) e o perfil esquerdo.

PA (póstero-anterior) e o perfil esquerdo. ESTUDO RADIOGRÁFICO DO CRÂNIO Pontos anatômicos de referência superficial da cabeça São úteis para a identificação de estruturas anatômicas, facilitando a realização do exame radiográfico. Os principais

Leia mais

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação???

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação??? O que é Articulação??? ARTICULAÇÃO É o conjunto dos elementos que promovem a união de dois ou mais ossos, com a finalidade de permitir maior ou menor possibilidade de movimento, entre os segmentos articulados

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

MEMBROS SUPERIORES COMPLEXO ARTICULAR DO PUNHO MEMBRO SUPERIOR 08/08/2016

MEMBROS SUPERIORES COMPLEXO ARTICULAR DO PUNHO MEMBRO SUPERIOR 08/08/2016 MEMBROS SUPERIORES MEMBRO SUPERIOR OMBRO Base dinâmica de suporte COTOVELO Permite à mão aproximar-se ou afastar-se do corpo ANTEBRAÇO Ajusta a aproximação da mão a um objeto CARPO Posiciona a mão no espaço

Leia mais

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 )

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 ) Complexo Articular do Ombro Articulação mais móvel do corpo humano, porém muito instável = estabilidade dinâmica. Posição de referência Graus de Liberdade 3 graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180

Leia mais

PADRONIZAÇÃO RADIOLÓGICA

PADRONIZAÇÃO RADIOLÓGICA Escola Superior de Tecnologia da Saúde, Instituto Politécnico do Porto PADRONIZAÇÃO RADIOLÓGICA PARA O ESTUDO TRAUMÁTICO DA OMOPLATA E CLAVÍCULA Márcia Maria Machado Moreira da Silva Vila Nova de Gaia,

Leia mais

Explanação das regiões anatômicas e atuação da Fisioterapia na Luxação, ou deslocamento, da articulação do cotovelo

Explanação das regiões anatômicas e atuação da Fisioterapia na Luxação, ou deslocamento, da articulação do cotovelo Explanação das regiões anatômicas e atuação da Fisioterapia na Luxação, ou deslocamento, da articulação do cotovelo Página 1 Você Sabia??? As luxações agudas do cotovelo em adultos ocorrem na grande maioria

Leia mais

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA 1 MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO REGIÃO ANTERIOR (flexores do punho e dos dedos e pronadores) GRUPO SUPERFICIAL MÚSCULO PRONADOR REDONDO cabeça umeral: epicôndilo medial do úmero cabeça

Leia mais

Posicionamento. Posicionamento. Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado

Posicionamento. Posicionamento. Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado Posicionamento Posicionamento Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado 1 24-03-2009 Posicionamento Regras gerais Área de interesse o mais próximo possível da película Centrado sobre área de

Leia mais

É o estudo contrastado das articulações sinoviais e estruturas de tecidos moles relacionadas. As articulações que podem ser examinadas por este

É o estudo contrastado das articulações sinoviais e estruturas de tecidos moles relacionadas. As articulações que podem ser examinadas por este PNEUMOARTROGRAFIA É o estudo contrastado das articulações sinoviais e estruturas de tecidos moles relacionadas. As articulações que podem ser examinadas por este procedimento incluem as do quadril, joelho,

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELARES Abelardo Raimundo de Souza* INTRODUÇÃO A articulação femoropatelar é de fundamental importância para o aparelho extensor,

Leia mais

1. Combine as seguintes descrições sobre a anatomia topográfica com um dos termos-chave e o anote em frente a sua descrição.

1. Combine as seguintes descrições sobre a anatomia topográfica com um dos termos-chave e o anote em frente a sua descrição. Estudo Dirigido de Anatomia Humana - Período 2018/1 Profa. Roberta Paresque Introdução, termos de relação e planos de secção Pesquise e responda 1. Qual o conceito de anatomia? 2. Quais os fatores gerais

Leia mais

www.institutodetratamentodador.com.br ANATOMIA EXAME E MANOBRAS INSPEÇÃO MOVIMENTOS AMPLITUDE PASSIVA MOVIMENTOS ACESSÓRIOS INSPEÇÃO Deformidades: Valgo, Varo, Flexão, Hiperextensão Edema: Sinovite, Bursite,

Leia mais

PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS. RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua

PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS. RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS Ana Júlia Cunha Brito * Orientador: Nelson Higino ** RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua nomenclatura

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior

ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior Forma a porção ventral da cintura escapular. Osso longo com formato de S itálico alongado, situado quase que horizontalmente logo acima da primeira costela.

Leia mais

Lesões Traumáticas da Cintura Escapular. Prof. Reinaldo Hashimoto

Lesões Traumáticas da Cintura Escapular. Prof. Reinaldo Hashimoto Lesões Traumáticas da Cintura Escapular Prof. Reinaldo Hashimoto Anatomia Articulações Óssea Nervos Vasos Articulação Esterno-clavicular Acrômio-clavicular Gleno-umeral Escapulo-dorsal Óssea Clavícula

Leia mais

Faculdade de Medicina Universidade de Coimbra. Anatomia, Histologia e Fisiologia I Farmácia Biomédica. Antebraço

Faculdade de Medicina Universidade de Coimbra. Anatomia, Histologia e Fisiologia I Farmácia Biomédica. Antebraço Faculdade de Medicina Universidade de Coimbra Anatomia, Histologia e Fisiologia I Farmácia Biomédica Antebraço A.1. O antebraço corresponde à região anatómica limitada pelo rádio e pelo cúbito/ ulna. Começa

Leia mais

Plano de Frankfurt. Posição Ortostática

Plano de Frankfurt. Posição Ortostática Plano de Frankfurt Caracteriza-se por uma linha imaginária que passa pelo ponto mais baixo do bordo inferior da órbita direita e pelo ponto mais alto do bordo superior do meato auditivo externo correspondente

Leia mais