Apostila de Cinesiologia. Cintura Escapular e Ombro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila de Cinesiologia. Cintura Escapular e Ombro"

Transcrição

1 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Aula Prática Cintura Escapular e Ombro Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de Ainda esta em fase de construção. Temos muito para melhorar. Usem com prudência e nos ajude a torná-lo melhor. Ele não deve ser o único material a ser utilizado por você. Prof. Dr. Carlos Alberto Fornasari

2 2 Observações Gerais Validas para todas as provas Lembrar que via de regra, a palpação é da origem para inserção. Definir o que é Discreta ADM - Anotar aqui a resposta Verificar sempre o que pode levar a compensação para escolher colchão adequado As provas são realizadas com somatória das ações musculares As fixações e/ou estabilização são realizadas a partir da necessidade e antes da realização do movimento ou prova.

3 3 CINESIOLOGIA ARTICULAÇÃO GLENOUMERAL Cabeça do úmero + cavidade glenóidea da escápula Articulação sinovial esferóide triaxial Movimentos: Flexão e Extensão / Abdução e Adução / Rotação medial e lateral ARTICULAÇÃO ESTERNOCOSTOCLAVICULAR Esterno + 1ª costela + clavícula Articulação sinovial selar biaxial Movimentos: Rotação posterior e anterior / Elevação e Depressão / Anteriorização e Posteriorização ARTICULAÇÃO ACROMIOCLAVICULAR Acrômio + porção acromial da clavícula Articulação sinovial plana não axial Movimentos: Deslizamento e Torções ARTICULAÇÃO ESCAPULOTORÁCICA Gradil costal + m serrátil anterior + m. subescapular + escápula Não é uma articulação verdadeira, mas é parte integrante do complexo do ombro Movimentos de deslizamento: THM e THL / TVE e TVD / Rotação medial e lateral ARTICULAÇÃO SUBDELTOÍDEA Bolsa subdeltoídea - entre o M Deltoide e supraespinhoso ARTICULAÇÃO BICIPTAL Fossa intertubercular do úmero, Tendão do bíceps cabeça longa e ligamento transverso.

4 4 INSPEÇÃO: O ombro deve ser examinado nas vistas anterior, posterior e lateral Determinar alterações posturais, de pele, cicatrizes, pintas, manchas, etc. PALPAÇÃO DAS ESTRUTURAS E DE REFERÊNCIAS ÓSSEAS ANTERIOR: Manúbrio esternal, Corpo do esterno Processo xifóide Articulação esternocostoclavicular Clavícula Porção esternal da clavícula Corpo da clavícula Tuberosidade clavicular Porção acromial da clavícula Acrômio porção superior, anterior, lateral e posterior. Articulação acromioclavicular Processo coracóide Tuberosidade menor do úmero Tuberosidade maior do úmero Sulco bicipital ou intertubercular Articulação bicipital Articulação escápulo-umeral POSTERIOR:11 Acrômio porção superior, lateral e posterior. Espinha da escapula Área triangular achatada Fossa supra-espinhosa Fossa infra-espinhosa Ângulo superior-medial e superior-lateral da escapula Ângulo inferior da escapula Bordos: superior, lateral e medial da escapula Coluna torácica (T3 e T8) Articulação escápulo-toracica LATERAL: Acrômio porção superior, anterior, lateral e posterior. Tuberosidade deltóidea

5 5 1 SUPRA ESPINHOSO 1 - Prova de resistência - Kendall Posição do paciente: em pé Posição do terapeuta: atrás do paciente Inspeção e palpação: observar a região superior do ombro, a partir do acrômio, de lateral para medial em direção ao pescoço. Avaliação da Função e Dor: mostrar ao paciente o movimento de abdução do ombro até 30 e pedir para executá-lo. Posição de prova: Escapulo-umeral: Add 0º Rotação da cabeça para o lado oposto Discreta inclinação do tronco para o lado testado. Resistência: no 1/3 distal do antebraço em Adução Solicitar abdução de 0º a 30º de escapulo-umeral Comando verbal: empurra minha mão Graduar a força de acordo com a resistência imposta Contração Isotônica Resistida 2 - Prova de pressão- Fornasari Inspeção e palpação: observar a região superior do ombro, a partir do acrômio, de lateral para medial em direção ao pescoço. Avaliação da Função e Dor: mostrar ao paciente o movimento de abdução do ombro até 30 e pedir para executá-lo. Posição do paciente: em pé Posição do terapeuta: atrás do paciente Foto teste Posição de prova: Escapulo-umeral: Abd 30 Rotação da cabeça para o lado oposto Discreta inclinação do tronco para lado testado (10% da ADM máxima) Pressão: no 1/3 distal do antebraço no sentido de adução da escápulo-umeral. Comando verbal: mantém ou mantenha Contração Isométrica Devolver o segmento em posição de origem. 1 Supra-espinhal: O: borda medial da fossa supra - espinhal I: tubérculo maior do úmero A: abdução até 30 da escapulo-umeral

6 6 2 DELTÓIDE DELTÓIDE (MÉDIO) Inspeção e palpação: região lateral e superior do ombro, cranial para caudal, do acrômio até da região média do úmero. Avaliação de Função e Dor: ensinar ao paciente o movimento de abdução do ombro até 90 e pedir para fazer Posição do paciente: sentado ou em pé Posição do terapeuta: atrás do paciente Posição de prova: Escapulo-umeral: Abd 90 Cotovelo: Flex 90º Deve-se garantir que não haja nenhum componente de rotação do úmero Pressão: 1/3 distal do úmero, no sentido de adução escapulo-umeral 2 Deltóide O: 1/3 lateral da clavícula, acrômio, espinha da escápula I: tuberosidade deltóidea A: porção média: abd / porção ant: abd, flex, rot med / porção post: abd, ext, rot lat

7 7 DELTÓIDE (ANTERIOR) Prova Sentado Inspeção e palpação: região lateral e superior do ombro, cranial para caudal, da clavícula até a região média do úmero Avaliação de Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos conjuntos de abdução e flexão com o úmero em rotação lateral do ombro e pedir para fazer Posição do paciente: sentado ou em pé Posição do terapeuta: na frente do paciente Posição de prova: EU: Abd 90º / discreta flexão / Rot lat: 45 Cotovelo: Flex 90º A porção anterior do deltóide é rotador medial, é utilizada a rotação lateral do úmero para valorizar a ação da gravidade sobre o músculo durante o teste. Pressão: 1/3 distal do úmero no sentido de extensão e adução escapulo-umeral Contra pressão: na espinha da escapula no sentido de antepulsão. Essa mão que vai ser retirada para a palpação do músculo. Prova Decúbito Dorsal Inspeção e palpação: região lateral e superior do ombro, cranial para caudal, da clavícula até a região média do úmero Avaliação de Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos conjuntos de abdução/flexão e rotação medial do ombro e pedir para fazê-los ativamente Posição do paciente: decúbito dorsal Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: EU: Abd 45º / Discreta flexão/ Rotação med. Cotovelo: Flex 90º Dupla pressão: realizar a pressão no 1/3 distal do úmero sentido de extensão e adução somada a pressão no 1/3 distal do antebraço sentido de rotação lateral do úmero

8 8 DELTÓIDE (POSTERIOR) Prova Sentado Inspeção e palpação: região lateral e superior do ombro, cranial para caudal, da espinha da escápula até região média do úmero. Avaliação de Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos conjuntos de abdução e extensão com o úmero em rotação medial do ombro e pedir para fazê-los ativamente. Posição do paciente: sentado ou em pé Posição do terapeuta: atrás do paciente Posição de prova: EU: Abd 90º / discreta extensão / Rot med: 45. Cotovelo: Flex 90º A porção posterior do deltóide é rotador lateral, é utilizada a rotação medial do úmero para valorizar a ação da gravidade sobre o músculo durante o teste. Pressão: 1/3 distal do úmero no sentido de flexão e adução da escapulo umeral Contra pressão: a nível do processo coracóide, no sentido de retropulsão. Essa mão que vai ser retirada para a palpação do músculo. Prova Decúbito Ventral Inspeção e palpação: região lateral e superior do ombro, cranial para caudal, da espinha da escápula até região média do úmero. Avaliação de Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos conjuntos de abdução, extensão e rotação lateral do ombro e pedir para fazê-los ativamente Posição do paciente: decúbito ventral, com os cuidados do decúbito Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: EU: Abd 90º / Discreta extensão / Rotação lat. Cotovelo: Flex 90º Pressão: realizar a pressão no 1/3 distal do úmero sentido de flexão e adução.

9 9 3 CORACOBRAQUIAL Inspeção e palpação: regiões: anterior do ombro, face médio-proximal do braço e abaixo da axila Avaliação da Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos conjuntos de flexão e adução e pedir para fazê-los ativamente. Posição do paciente: sentado ou em pé Posição do terapeuta: a frente do paciente Posição de prova: EU: Flex < 90 / Add / Rotação lateral. (esta rotação lateral é para valorizar a ação da gravidade) Cotovelo: Flex máx. e antebraço supinado Pressão: 1/3 distal do úmero no sentido de extensão e abdução da escapulo umeral. 3 Coracobraquial O: Processo coracóide I: 1/3 médio da diáfise do úmero A: adução, flexão e rotação medial da escapulo umeral.

10 10 4 PEITORAL MAIOR (FIBRAS SUPERIORES) Inspeção e palpação: região anterior do tronco, da ½ da clavícula até o úmero. Obs.: Cuidado especial com as mamas Avaliação de Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos conjuntos de flexão, adução e rotação medial e pedir para fazê-los ativamente. Posição do paciente: decúbito dorsal Posição do terapeuta: na cabeceira da maca Posição de prova: EU: Flex 90º / Rotação med. / Add Cotovelo: Ext 0 Fixação: Ombro oposto ao ombro a ser testado Pressão: 1/3 distal do antebraço no sentido de abdução horizontal da escapulo umeral Manter o MS oposto em posição neutra. Não é necessário esta posição. Isto é valido para todas as demais provas 4 Peitoral Maior: O: Superfície esternal da clavícula, superfície anterior do esterno I: Tubérculo maior do úmero A: Adução e rotação medial da escapulo umeral

11 11 PEITORAL MAIOR (FIBRAS INFERIORES) Inspeção e palpação: região anterior do tronco, do esterno até o úmero. Avaliação de Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos conjuntos de flexão, adução e rotação medial e pedir para fazê-los ativamente. Posição do paciente: decúbito dorsal Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: EU: Flex 120º / Rotação med. / Add Cotovelo: Ext 0 Fixação: EIAS oposto ao ombro a ser testado Pressão: 1/3 distal do antebraço no sentido de abdução obliqua da escapulo umeral Não confundir rotação do úmero com rotação do antebraço.

12 12 5 PEITORAL MENOR Inspeção e palpação: na região anterior do ombro, do processo coracóide até as costelas. A palpação deve ser realizada com cautela por ser profunda. Avaliação da Função e Dor: pedir ao paciente para trazer os ombros para frente. A palpação deve ser feita abaixo da axila com as polpas dos dedos voltadas para caixa torácica. Posição do paciente: decúbito dorsal Posição do terapeuta: na lateral da maca, do lado do músculo a ser testado. Posição de prova: ombro em ANTEPULSÃO Pressão: Face anterior do ombro no sentido de RETROPULSÃO. OBS: colocar a mão sob o cotovelo, para que o paciente não exerça pressão durante o teste para forçar a antepulsão do ombro. Para tal atividade o músculo deverá estar sob palpação antes da aplicação da pressão, 5 Peitoral Menor: O: 3ª, 4ª, 5ª Costelas I: Processo coracóide A: antepulsão do complexo do ombro Colocar uma mão sob o cotovelo.

13 13 6 ROTADORES LATERAIS (Infra-espinhal e Redondo menor) M. INFRA-ESPINHAL M. REDONDO MENOR M. INFRA-ESPINHAL E REDONDO MENOR 1 - Prova Decúbito Ventral Inspeção e palpação Infra-espinhal: cabeça do úmero até bordo medial da escápula. Redondo menor: cabeça do úmero até bordo lateral da escápula. Avaliação da Função e Dor: (com paciente em decúbito ventral) ensinar ao paciente o movimento de rotação lateral do úmero e executá-lo ativamente. Posição do paciente: decúbito ventral, com os cuidados do decúbito Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado dos músculos a serem testados, sentado em banqueta. Posição de prova: EU: Abd 90º / Rotação lat. Cotovelo: Flex 90 Dupla-pressão: 1/3 distal do antebraço e 1/3 distal do úmero no sentido de rotação medial da escapulo umeral 6 Infra Espinhal Redondo Menor: O: fossa infra-escapular O: borda lateral escápula I: tubérculo maior do úmero I: tubérculo maior do úmero A: rotação lateral (coaptação do úmero na glenóide) A: rotação lateral (coaptação)

14 Prova Decúbito Dorsal Posição do paciente: decúbito dorsal Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculos a serem testados Posição de prova: EU: Add 0º/ Rotação lat. Cotovelo: Flex 90 Dupla-pressão: 1/3 distal do antebraço no sentido de rotação medial da escápuloumeral e 1/3 distal do úmero. Prova dos Rot. Laterais - Decúbito Ventral Prova dos Rot. Laterais - Decúbito Dorsal

15 15 7 ROTADORES MEDIAIS (Subescapular 7, Redondo Maior 8, Grande Dorsal 9, Peitoral Maior 4 ) 1 - Prova Decúbito Dorsal Inspeção e palpação: na articulação escapulo torácica o músculo não está visível. Avaliação de Função e Dor: ensinar ao paciente o movimento de rotação medial. Posição do paciente: decúbito dorsal Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: EU: Add 0º / Rotação med. Cotovelo: Flex 90 Dupla-pressão: 1/3 distal do antebraço e 1/3 distal do úmero, no sentido de rotação lateral da escapulo umeral. Rotadores Mediais ( 7 Subescapular, Redondo Maior, Grande Dorsal, Peitoral Maior M. Subescapular: O: fossa subescapular I: tubérculo menor do úmero A: rotação medial (coaptação do úmero na glenóide)

16 Prova Decúbito Ventral Posição do paciente: decúbito ventral, com os cuidados do decúbito Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado, sentado em banqueta Posição de prova: EU: Abd 90º / Rotação med. Cotovelo: Flex 90 Dupla-pressão: 1/3 distal do antebraço e 1/3 distal do úmero no sentido de rotação lateral da escapulo umeral Prova dos Rot. Mediais - Decúbito Dorsal Prova dos Rot. Mediais - Decúbito Ventral

17 17 8 REDONDO MAIOR Inspeção e palpação: observar a região proximal anterior do úmero até o ângulo inferior da escápula. Avaliação da Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos extensão, adução e rotação medial e pedir para fazê-los ativamente (Ex.:colocar sutiã, coçar as costas) Posição do paciente: decúbito ventral, com os cuidados do decúbito Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: EU: Ext / Add / Rotação med. Cotovelo: Flex 90 OBS: colocar a mão sob a mão do paciente, para que este, não exerça a pressão durante o teste. Pressão: 1/3 distal do úmero no sentido de abdução e flexão da escapulo umeral. 8 Redondo Maior O: ângulo inferior da escápula I: tubérculo menor do úmero A: adução, extensão e rotação medial do úmero Colocar a mão do terapeuta em baixo da mão do paciente

18 18 9 GRANDE DORSAL Inspeção e palpação: observar a região posterior do tronco até axilas Avaliação da Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos conjuntos de extensão, adução e rotação medial e pedir para fazê-los ativamente. Posição do paciente: decúbito ventral Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: EU: Ext. máx./ Add máx. / Rotação med. máx. Cotovelo: Ext 0 Fixação: Se necessário - sobre a pelve do mesmo lado Pressão: 1/3 distal do antebraço no sentido de abdução e flexão da escapulo umeral. 9 Grande Dorsal: O: processo espinhoso de T6 a L5, crista ilíaca postero-superior, ângulo inferior da escápula. I: sulco intertubercular A: extensão, adução e rotação medial do úmero. Auxilia na inclinação de tronco (em ação unilateral) e extensão do tronco (em ação bilateral).

19 19 10 SERRÁTIL ANTERIOR 1 - Prova Decúbito Dorsal Inspeção e palpação: observar a região lateral da caixa torácica até a escápula. Avaliação da Função e Dor: observar os movimentos da escapula durante a flexão acima de 60º, abdução de 90º, rotações acima de 45º, extensão, adução, e mobilização da escápula. Posição do paciente: decúbito dorsal Posição do terapeuta: na lateral da maca Posição de prova: EU: Flex 90 Cotovelo: Ext 0 Punho cerrado Ombro em ANTEPULSÃO (translação horizontal lateral da escápula) Pressão: Sobre a mão no sentido de Retropulsão (translação horizontal medial da escápula)

20 Prova com paciente - Em pé Posição do paciente: em pé Posição do terapeuta: Em frente ao lado do músculo a ser testado. Posição de prova: EU: Flex 120 / Rotação lat. da escápula Cotovelo: Ext 0 Dupla-pressão: 1/3 distal do úmero no sentido de extensão e borda lateral da escápula no sentido de rotação medial do ângulo inferior. 10 Serrátil Anterior: O: 1ª 9ª costela, superfície lateral do tronco I: superfície interna da borda medial da escapula (ângulo superiror, borda medial, ângulo inferior) A: THM da escapula, rotação lateral da escapula (ângulo inferior se desloca lateralmente)

21 21 11 ROMBÓIDES E ELEVADOR DA ESCAPULA Inspeção (elevador da escapula): Observar ângulo superior medial da escapula até a coluna cervical Avaliação da Função e Dor: pedir ao paciente para elevar o ombro e inclinar a cabeça para o lado. Posição do paciente: decúbito ventral, com os cuidados do decúbito Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: Escápula em Translação Horizontal Medial (THM) = EU: Add/Ext/ Rotação lat. Translação Vertical de Elevação (TVE) = Elevação do ombro Cotovelo: Flex máx. Dupla-pressão: 1/3 distal do úmero no sentido de abdução e flexão e outra no acrômio no sentido de depressão da escápula. 11 Levantador da Escápula: O: Processos transversos de C1 C4 I: Ângulo superior da escápula A: elevação da escapula (TVE) e rotação do ângulo inferior para medial. Unilateral: Rotação e inclinação da cervical para o mesmo lado. Bilateral: auxilia na extensão da cervical

22 22 12 ROMBÓIDES (prova 2 chamada de Prova ALTERNATIVA) Inspeção e palpação: região entre os processos espinhosos e a borda medial da escapula. Avaliação da Função e Dor: pedir para o paciente levar o ombro para tras. Posição do paciente: decúbito ventral, com os cuidados do decúbito Posição do terapeuta: na lateral da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: Escápula em Translação Horizontal Medial (THM): EU: Abd 90 / Rotação med. / Ext Cotovelo: Ext 0 Fixação: na escápula oposta Pressão: 1/3 distal do antebraço no sentido de adução horizontal 12 Rombóide Maior e Menor O: Processo espinhos de C7 T5 I: borda medial da escapula A: Translação Horizontal Medial da escápula e rotação medial da escápula (ângulo inferior para medial)

23 23 13 TRAPÉZIO Grande Dorsal Prova do Trapézio Médio Inspeção e palpação: região entre os processos espinhosos e a borda medial da escapula. Avaliação da Função e Dor: Pedir ao paciente para trazer o ombro para tras Posição do paciente: decúbito ventral, com os cuidados do decúbito Posição do terapeuta: na cabeceira da maca, ao lado do músculo a ser testado Posição de prova: Escápula em Translação Horizontal Medial (THM): EU: Abd 90 / Rotação lat. / Ext Cotovelo: Ext 0 Fixação: na escápula oposta Pressão: 1/3 distal do antebraço no sentido de adução horizontal Cuidado com posicionamento da escapula, que deve estar em THM 1 Trapézio médio O: 1º A 5º PROCESSOS TORÁCICOS I: ACRÔMIO E ESPINHA DA ESCÁPULA A: ABDUÇÃO HORIZONTAL ESCAPULO UMERAL, ADUÇÃO ESCÁPULA, RETROPULSÃO OMBRO

24 Prova do Trapézio Inferior Inspeção e palpação: entre a espinha da escapula e a coluna T12. Avaliação da Função e Dor: Pedir ao paciente para trazer o ombro para tras estando em DV com escauplo umeral em abdução de 120 graus Posição no paciente: decúbito ventral, com os cuidados do decúbito Posição do terapeuta: na cabeceira da maca Posição de prova: EU: Abd 120 / Rotação lat. / Ext Escápula em Translação Vertical de Depressão (TVD) Cotovelo: Ext 0 Fixação: na escápula oposta Pressão: 1/3 distal do antebraço no sentido de adução obliqua 2 Trapézio Inferior O: 6 A 12 PROCESSOS ESPINHOSOS TORÁCICOS I: BORDA POSTERIOR DO TURBÉRCULO DA ESPINHA DA ESCÁPULA A: ADUÇÃO ESCÁPULA, ABDUÇÃO ESCÁPULA EM ACAO SINERGICA AO TRAP. SUPERIOR E SERRATIL

25 Prova do Trapézio Superior Inspeção e palpação: Observar as regiões: superior do tronco, desde coluna cervical até o ombro; a região médio-inferior do tronco desde processos espinhos até a espinha da escápula (em diagonal para cima) Avaliação da Função e Dor: ensinar ao paciente os movimentos de inclinação, rotação do pescoço, elevação e translação horizontal medial do ombro e pedir para fazê-los ativamente. Posição no paciente: sentado ou em pé Posição do terapeuta: atrás do paciente Posição de prova: Cabeça Rotação para o lado oposto do músculo a ser testado Inclinação para o mesmo lado Extensão Elevação do ombro (TVE) Dupla-pressão: contra o ombro, na direção de depressão, e contra a cabeça, na direção de flexão e inclinação para o lado oposto. 3 Trapézio superior O: PROTUBERÂNCIA OCCIPTAL,LIGAMENTO NUCAL,7º CERVICAL I: TERÇO LATERAL DA CLAVÍCULA E ACRÔMIO A: ABDUÇÃO ESCÁPULA EM ACAO SINERGICA AO TRAPÉZIO INFERIOR E SERRATIL, EXTENSÃO, INCLINAÇÃO e ROTAÇÃO PARA O LADO OPOSTO CABEÇA, DIRIGE PARA CIMA E PARA TRÁS OMBRO, ADUÇÃO ESCÁPULA

Apostila de Cinesiologia. Cotovelo

Apostila de Cinesiologia. Cotovelo 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Cotovelo Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de 2009. Ainda esta em fase de construção. Temos muito para

Leia mais

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO MOVIMENTOS DA ESCÁPULA PROTRAÇÃO RETRAÇÃO ELEVAÇÃO DEPRESSÃO ROTAÇÃO PARA CIMA (EXTERNA) ROTAÇÃO PARA BAIXO (INTERNA) MOVIMENTOS DOS OMBROS FLEXÃO E EXTENSÃO ADBUÇÃO E ADUÇÃO

Leia mais

OMBRO. Úmero Cabeça Colo Tubérculo maior Tubérculo menor Sulco intertubercular

OMBRO. Úmero Cabeça Colo Tubérculo maior Tubérculo menor Sulco intertubercular OMBRO Complexo articular (20 mm, 3 art, 3 art funcionais) Articulação proximal do MS Direciona a mão Aumenta o alcance Osteologia Úmero, escápula, clavícula, esterno, costelas Úmero Cabeça Colo Tubérculo

Leia mais

Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço

Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos do Tronco ao Cíngulo Escapular

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata ANATOMIA MUSCULAR Músculos que movimentam o Ombro Anteriomente: Posteriomente: Deltóide (porção anterior) Grande Dorsal Peitoral Maior

Leia mais

Apostila de Cinesiologia

Apostila de Cinesiologia 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Aula Prática Coxo Femoral Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de 2009. Ainda esta em fase de construção.

Leia mais

Músculos do Cíngulo Escapular e Braço

Músculos do Cíngulo Escapular e Braço Músculos do Cíngulo Escapular e Braço 1 Músculos do Tronco ou Crânio ao Cíngulo Escapular (8) Serrátil Anterior Trapézio Rombóides Maior e Menor Peitoral Menor Levantador da Escápula Subclávio Esternocleidomastóideo

Leia mais

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 1 O Ombro é uma articulação de bastante importância para todos nós, visto que para fazermos até as atividades mais simples, como escovar os dentes e dirigir, precisamos dele. Devido a esta característica,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada:

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada: AVALIAÇÃO DO OMBRO 1. Anatomia Aplicada: Articulação esternoclavicular: É uma articulação sinovial em forma de sela com 3 graus de liberdade; A artic. esternoclavicular e a acromioclavicular habilitam

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é Cintura Escapular? Duas clavículas e duas escápulas. Trata-se de uma estrutura que sofreu adaptações à bipedia, onde as

Leia mais

Biomecânica e Cinesiologia do Ombro

Biomecânica e Cinesiologia do Ombro Biomecânica e Cinesiologia do Ombro Ombro articulação mais móvel do corpo. Mas também a mais instável. Composta por 4 ossos, 20 músculos e 5 articulações. Ossos: úmero, escápula, clavícula e costela. Articulações

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 )

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 ) Complexo Articular do Ombro Articulação mais móvel do corpo humano, porém muito instável = estabilidade dinâmica. Posição de referência Graus de Liberdade 3 graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Uma fixação é no esqueleto e outra na parte mais profunda da Pele Podem movimentar a pele do couro cabeludo e da face modificando

Leia mais

Ossos e Articulações dos Membros Superiores

Ossos e Articulações dos Membros Superiores Ossos e Articulações dos Membros Superiores Clavícula Escapula Úmero Radio (L) Ulna (M) Ossos do carpo Ossos do metacarpo Falanges Articulações da clavícula Articulaçao do ombro Articulações do cotovelo

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA Diagnóstico Cinético-Funcional e Imaginologia: Membros Superiores, Cabeça e Tórax Unidade II OMBRO 1 2 3 4 5 Luxação anterior 6 Fratura de cabeça

Leia mais

Ritmo Escápulo-umeral

Ritmo Escápulo-umeral Avaliação do ombro Ritmo Escápulo-umeral Movimento sincronizado entre escápula e úmero durante abdução e flexão do braço. Região anterior Clavícula e artic. Esternoclavicular e Acromioclavicular Anatomia

Leia mais

OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA. Ricardo Yabumoto

OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA. Ricardo Yabumoto OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA Ricardo Yabumoto INTRODUCAO Cintura escapular = 4 articulacoes: Gleno umeral Acromioclavicular Esternoclavicular Escapulotoracica Pseudo-articulacao = espaco subacromial INTRODUCAO

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

Anatomia do Membro Superior

Anatomia do Membro Superior Composição Cíngulo do Membro Superior Braço Antebraço Mão Cíngulo do Membro Superior CLAVÍCULA CULA - Extremidades: esternal e acromial - Diáfise: - 2/3 mediais convexos anteriormente - 1/3 lateral côncavo

Leia mais

ANATOMIA DO DORSO. Prof. Ms. Marcelo Lima. Site:

ANATOMIA DO DORSO. Prof. Ms. Marcelo Lima.   Site: ANATOMIA DO DORSO Prof. Ms. Marcelo Lima E-mail: profmarcelolima@yahoo.com.br Site: www.profmarcelolima.webnode.com.br Partes de uma Vértebra Vértebras Articulações Intervertebrais Entre os corpos. C.

Leia mais

Anatomia Palpatória. Anatomia clínica. Anatomia clínica - Objetivos. Anatomia clínica. Princípios da palpação. Princípios da palpação

Anatomia Palpatória. Anatomia clínica. Anatomia clínica - Objetivos. Anatomia clínica. Princípios da palpação. Princípios da palpação Anatomia Palpatória Especialista Ortopedia e Esportes UFMG Fisioterapeuta da SPINE FISIOTERAPIA Professor da Pos Graduação Terapia Manual PUC-MG Professor do Curso de Terapia Manual da SPINE FISIOTERAPIA

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

Profa. Elen H. Miyabara

Profa. Elen H. Miyabara UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia OSSOS E ARTICULAÇÕES Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br DIVISÃO DO ESQUELETO HUMANO ESQUELETO AXIAL 80 ossos CRÂNIO

Leia mais

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA 6MOD205 LOCOMOÇÃO E PREENSÃO MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR OMBRO MANGUITO ROTADOR 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA TUBÉRCULO > DO 3 SUBESCAPULAR

Leia mais

Estudo do movimento. Parte IV

Estudo do movimento. Parte IV Estudo do movimento Parte IV 1 Articulações sinoviais 1) Articulação gleno-umeral (GU). 2) Articulações acromioclavicular (AC). 3) Articulação esternoclavicular (EC) 2 Articulações funcionais 1) Escapulatorácica

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

Osteologia e Artrologia. Tema E Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro superior.

Osteologia e Artrologia. Tema E Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro superior. Tema E Descrição e caraterização funcional do 1 Cintura escapular 1.1 Esterno-clavicular. 1.2 Acrómio-clavicular. 2 Complexo articular do ombro e o seu funcionamento nos movimentos do braço. 2.1 Ligamento

Leia mais

Mecânica Articular 15/8/2011. Agradecimentos. Objetivos. Dinâmica da disciplina. Anatomia Complexo do ombro. Observação MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011

Mecânica Articular 15/8/2011. Agradecimentos. Objetivos. Dinâmica da disciplina. Anatomia Complexo do ombro. Observação MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011 Agradecimentos Mecânica Articular 1 2 - Liliam Oliveira, DSc. - Paulo Sergio Gomes, PhD. MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011 Aulas teóricas: 06/08 Membros superiores; Dinâmica da disciplina Ombro e cotovelo.

Leia mais

MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR

MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR ESTÁTICO ANTERO-POSTERIOR Observar posicionamento da cabeça em relação ao tronco, que pode evidenciar deslocamentos laterais, posicionamento

Leia mais

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA Ossos da Cabeça ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz Cabeça MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça Ossos e Músculos MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça 1 ATM

Leia mais

Músculos do membro superior. Carlomagno Bahia

Músculos do membro superior. Carlomagno Bahia Músculos do membro superior Carlomagno Bahia Axiais: Peitoral maior; Latíssimo do dorso; Músculos que movimentam o braço Deltóide; Escapulares: Subescapular; Supra-espinhal; Infra-espinhal; Coracobraquial.

Leia mais

Estão dispostos em 6 grupos:

Estão dispostos em 6 grupos: MÚSCULOS DO TRONCO Estão dispostos em 6 grupos: Músculos do dorso Abdome Músculos suboccipitais Pelve Tórax Períneo MÚSCULOS DO DORSO Há dois grupos principais: Músculos Extrínsecos do Dorso Superficiais

Leia mais

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR ELEVAÇÃO: TRAPÉZIO PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE), ELEVADOR (LEVANTADOR) DA ESCÁPULA, ROMBÓIDES. DEPRESSÃO:

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA O homem que se esvazia do orgulho, dá espaço ao conhecimento. ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de

Leia mais

OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR

OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR CLAVÍCULA ESCÁPULA ÚMERO ULNA OSSOS DO CARPO METACARPOS FALANGES RÁDIO ACIDENTES ÓSSEOS - MEMBRO SUPERIOR CLAVÍCULA CORPO DA CLAVÍCULA EXTREMIDADE ESTERNAL EXTREMIDADE ACROMIAL

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES 2 SISTEMA MUSCULAR MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR 3 MÚSCULOS MOVIMENTOS OMOPLATA 4 MÚSCULOS TRAPÉZIO MOVIMENTOS OMOPLATA 5 ELEVADOR DA OMOPLATA Origem: Apófises transversas

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA. Articulações do cotovelo, punho e da mão

CINESIOLOGIA APLICADA. Articulações do cotovelo, punho e da mão CINESIOLOGIA APLICADA Articulações do cotovelo, punho e da mão OSSOS - COTOVELO ÚMERO ULNA RÁDIO MOVIMENTOS ARTICULARES ARTICULAÇÃO DO COTOVELO: FLEXÃO EXTENSÃO ARTICULAÇÃO RÁDIO ULNAR: PRONAÇÃO SUPINAÇÃO

Leia mais

escápula e clavícula. Peitoral maior Clavícula, úmero, Adução do úmero

escápula e clavícula. Peitoral maior Clavícula, úmero, Adução do úmero Músculo Ligações Movimentos Esternocleidomastóideo Esterno, clavícula, Flexão, flexão lateral e rotação da processo mastóide cabeça Trapézio Osso occipital, apófises Extensão e flexão lateral da espinhosas

Leia mais

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Coluna Vertebral Canal Vertebral Forames intervertebrais Características de uma vértebra típica Corpo vertebral

Leia mais

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Membros Superiores (MMSS) Membros Superiores (MMSS) A escápula está mergulhada na massa muscular do dorso do indivíduo, sem qualquer fixação direta

Leia mais

A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA REDUÇÃO DA SUBLUXAÇÃO INFERIOR DO OMBRO DO AVCI

A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA REDUÇÃO DA SUBLUXAÇÃO INFERIOR DO OMBRO DO AVCI A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA REDUÇÃO DA SUBLUXAÇÃO INFERIOR DO OMBRO DO AVCI Villalon, A. D.¹, Nonato, K. B.¹, Soares, N. C.² 1 Alunas das Faculdades Salesianas de Lins,Lins,São Paulo, Brasil. E-mail kbergoce@gmail.com

Leia mais

CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL

CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL Françoise Mézières - supremacia do tônus muscular da cadeia posterior em função da necessidade de sustentação Herman Kabat Movimentos em espirais para levar ao completo

Leia mais

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro Avaliação Integrada slpecoraro@yahoo.com.br Prof. Silvio Pecoraro Corrente cinética: sistema muscular + sistema articular + sistema neural. Anatomia Funcional Biomecânica Funcional Educação Motora Definições

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

28/03/2018 MIOLOGIA. Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel. GENERALIDADES Propriedades. Contratilidade Elasticidade

28/03/2018 MIOLOGIA. Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel. GENERALIDADES Propriedades. Contratilidade Elasticidade MIOLOGIA Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel 1 GENERALIDADES Propriedades Contratilidade Elasticidade 2 1 3 4 2 5 Classificação das fibras musculares Fibras estriadas esqueléticas Fibras estriadas cardíacas

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro MÚSCULOS DO OMBRO Músculos do Ombro Deltóide Supra-espinhal Infra-espinhal Redondo Menor Redondo Maior Subescapular DELTÓIDE Ombro Inserção Proximal: 1/3 lateral da borda anterior da clavícula, acrômio

Leia mais

COMPLEXO DO OMBRO. Cinesiologia e Biomecânica

COMPLEXO DO OMBRO. Cinesiologia e Biomecânica COMPLEXO DO OMBRO Cinesiologia e Biomecânica Ossos Úmero Escápula Clavícula Esterno Costelas Esterno, clavículas e costelas Esterno: manúbrio, corpo e processo xifóide; Clavículas: osso cilíndrico em S

Leia mais

Componentes 08/08/2016. Úmero Rádio. Ulna

Componentes 08/08/2016. Úmero Rádio. Ulna Componentes Úmero Rádio Ulna 1. Articulação Úmero-radial e Úmero-ulnar (do cotovelo, propriamente dita) 2. Articulação Rádio-ulnar proximal 3. Articulação Rádio-ulnar distal 1 Complexo Articular do Cotovelo

Leia mais

1 2 PSOAS O = PROCESSOS TRANSVERSOS / CORPOS E DISCOS INTERVERTEBRAIS DE TODAS AS VÉRTEBRAS LOMBARES N. FEMURAL I = TROCANTER MENOR ILIACO O = FOSSA ILIACA N. FEMURAL I = TROCANTER MENOR RETO FEMURAL O

Leia mais

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico ESQUELETO APENDICULAR Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR Ombro - Escápula Braço - Úmero Antebraço Rádio e Ulna Joelho - Carpos Canela - Metacarpos

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço Músculos do Cotovelo Bicípite braquial Braquial Braquiorradial Tricípite braquial Ancôneo Bicípite Braquial Bicípite Braquial Origem: Cabeça

Leia mais

LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS

LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS LISTA DE ACIDENTES ANATÔMICOS ÓSSEOS 1. Base do crânio - Visão externa Canal Carótico Canal do Hipoglosso Canal e fossa condilar Canal incisivo Coana Côndilo Occipital Dorso da sela turca Espinha nasal

Leia mais

ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR

ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR ARTICULAÇÕES CLAVICULARES ARTICULAÇÃO ESTERNO-CLAVICULAR A articulação esterno-clavicular é formada pela porção esternal da clavícula e incisura clavicular

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA. Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA. Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA Prof. Msc Rogério Olmedija de Araújo Prof. Msc Rogério Olmedija de Araújo -Fisioterapeuta pela UNISA/SP -Formação

Leia mais

COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO

COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO Ft. Ms. Adriana de Sousa do Espírito Santo ANATOMIA 12 vértebras. 1a. e 2a. São de transição. O corpo possui o d ântero-posterior e transversal iguais e apresenta semifacetas

Leia mais

MÓDULO OSTEOMUSCULAR. Olá, ogrinhos e ogrinhas! S03 GCM 18.1

MÓDULO OSTEOMUSCULAR. Olá, ogrinhos e ogrinhas! S03 GCM 18.1 MÓDULO OSTEOMUSCULAR Olá, ogrinhos e ogrinhas! S03 GCM 18.1 Caso Clínico G.S.C., 25 anos, sexo feminino, chegou à emergência do Hospital Aeroporto após sofrer um acidente de carro. Relatou fortes dores

Leia mais

FIGURA 21 ALONGAMENTO ALTERNADO

FIGURA 21 ALONGAMENTO ALTERNADO Primeira Sequência Aquecimento O Kihon inicia-se com o paciente em decúbito ventral e o terapeuta começa na linha do sutiã. (Para os exemplos abaixo o terapeuta começa no lado esquerdo do paciente). -

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

Anatomia do Membro Superior

Anatomia do Membro Superior Anatomia do Membro Superior www.imagingonline.com.br Plexo braquial Divisão (partes) Ramos supraclaviculares (ramos se originam das raízes e dos troncos do plexo braquial): N. dorsal da escápula N. torácico

Leia mais

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação???

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação??? O que é Articulação??? ARTICULAÇÃO É o conjunto dos elementos que promovem a união de dois ou mais ossos, com a finalidade de permitir maior ou menor possibilidade de movimento, entre os segmentos articulados

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina Tradicional Chinesa MEMBROS SUPERIIORES E INFERIIORES 1 IV - MEMBROS SUPERIORES E INFERII IORES 1 1 MEMBROS SUPERIORES 5 Ombro Deltóide 5 5 MANGUITO ROTADOR: 5 Músculos do Ombro - Vista Anterior 7 Músculos do Ombro - Vista

Leia mais

Músculos do Antebraço e Mão

Músculos do Antebraço e Mão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Antebraço e Mão Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Flexão do Cotovelo (3) Músculos da Extensão

Leia mais

OMBRO. Sistema Articular - Articulações Sinoviais (Diartroses)

OMBRO. Sistema Articular - Articulações Sinoviais (Diartroses) OMBRO Sistema Articular - Articulações Sinoviais (Diartroses) O ombro é formado por três articulações: Esternoclavicular (Plana ou selar) Acromioclavicular (Plana) Glenoumeral (Esferóide) Alguns autores

Leia mais

Cinesiologia e Biomecânica

Cinesiologia e Biomecânica Cinesiologia e Biomecânica Autoria: João Paulo Manfré dos Santos Tema 05 Cinesiologia e Biomecânica dos Membros Superiores Tema 05 Cinesiologia e Biomecânica dos Membros Superiores Autoria: João Paulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Músculos da Cabeça e Pescoço

Músculos da Cabeça e Pescoço UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos da Cabeça e Pescoço Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Cabeça e do Pescoço - Movimentam a cabeça

Leia mais

Estudo da Biomecânica do Ombro

Estudo da Biomecânica do Ombro Estudo da Biomecânica do Ombro Arménio Neves Correia Dissertação MIEM Orientador: Professor Doutor Renato Manuel Natal Jorge Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia

Leia mais

Músculos do Antebraço e Mão

Músculos do Antebraço e Mão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Antebraço e Mão Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Flexão do Cotovelo (3) Músculos da Extensão

Leia mais

Trauma&smos da cintura escapular. Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added

Trauma&smos da cintura escapular. Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added Trauma&smos da cintura escapular Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added foto MUSCULOS Luxação esterno-clavicular Mecanismo de lesao: Trauma direto Força látero-medial (cair sobre o próprio ombro) Classificação

Leia mais

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ANATOMIA SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4 Profª. Tatiane da Silva Campos Ossos do pé mantêm-se unidos por meio de fortes ligamentos que lhe permitem sustentar o peso corporal e funcionar como

Leia mais

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz 1 Segmento Cintura Escapular E CLAVÍCULA Membro Superior Sistema Esquelético CLAVÍCULA Membro Superior 1 Segmento - Cintura

Leia mais

Programa Ciclo IV Estratégias de Tratamento

Programa Ciclo IV Estratégias de Tratamento Módulo I 1ª parte: pelve, quadril e sacro-ilíaca. A pelve: O lugar da pelve na arquitetura global do corpo; Terrenos predisponentes à desestruturação da massa pélvica; Esquemas de desestruturação frequentes

Leia mais

EFEITO DOS EXERCÍCIOS EM CADEIA CINÉTICA ABERTA E FECHADA EM ATLETAS DE BEISEBOL DA CIDADE DE MARINGÁ

EFEITO DOS EXERCÍCIOS EM CADEIA CINÉTICA ABERTA E FECHADA EM ATLETAS DE BEISEBOL DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 EFEITO DOS EXERCÍCIOS EM CADEIA CINÉTICA ABERTA E FECHADA EM ATLETAS DE BEISEBOL DA CIDADE DE MARINGÁ

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO

EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO BÁSICOS SUPINO RETO Peitoral maior parte esterno costal (medial) Descer a barra na direção do esterno até que toque a região peitoral. Subir a barra até a extensão dos cotovelos

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL. Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro

AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL. Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro AULAS 12 e 13 SUMÁRIO Introdução Avaliação Postural e Puberdade Metodologia Desvios posturais

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS. RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua

PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS. RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS Ana Júlia Cunha Brito * Orientador: Nelson Higino ** RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua nomenclatura

Leia mais

MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX. 1 Peitoral Maior. 1 Peitoral Maior. Região Ântero- Lateral

MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX. 1 Peitoral Maior. 1 Peitoral Maior. Região Ântero- Lateral Nervo Peitoral Lateral e Medial (C5 a T1) Marcelo Marques Soares Prof. Didi Rotação medial, adução, flexão e flexão horizontal do braço Região Ântero- Lateral 2 Peitoral Menor Subclávio Serrátil Anterior

Leia mais

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Músculos do Quadril e Coxa Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão e Extensão -Adução e Abdução -Rotação Medial e Rotação

Leia mais

Protocolo de Tomografia para Membros Superiores

Protocolo de Tomografia para Membros Superiores Protocolo de Tomografia para Membros Superiores POSICIONAMENTO DE OMBRO (CINTURA ESCAPULAR) Posicionamento para Ombro POSIÇÃO: posição de supino. RADIOGRAFIA DIGITAL: frente. PLANO: axial, SEM ANGULAÇÃO

Leia mais

Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Antebraço, Fossa Cubital e Mão Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Departamento de Ciências Morfológicas Curso de Fisioterapia DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Leia mais

2. Biomecânica do ombro

2. Biomecânica do ombro 2. Biomecânica do ombro Devido ao elevado número de elementos anatómicos intervenientes na biomecânica do ombro, a sua análise torna-se bastante complexa. Como se sabe, a função da cintura escapular requer

Leia mais

Palpe o membro isolado e também do animal vivo. Localize os seguintes pontos de referencia óssea.

Palpe o membro isolado e também do animal vivo. Localize os seguintes pontos de referencia óssea. Orientar o membro em relação à sua posição in vivo. Usando os esqueletos da sala de dissecação, como auxílio, orientar o membro e decidir se você tem um membro esquerdo ou direito. Depois de ter feito

Leia mais

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes Cinesiologia aplicada a EF e Esporte Prof. Dr. Matheus Gomes 1 Cinesiologia PARTE I Descrição dos movimentos e ações musculares 2 Planos e Eixos Plano Frontal ou Coronal (eixo sagital ou ânteroposterior)

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

QUADRIL / PELVE. Prof. Gabriel Paulo Skroch

QUADRIL / PELVE. Prof. Gabriel Paulo Skroch QUADRIL / PELVE Prof. Gabriel Paulo Skroch 1. ANATOMIA Mulher Homem Ilíaco e extremidade superior do fêmur Vista anterior Vista posterior Superfícies articulares da articulação coxo-femural, cápsula e

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Articulação do Cotovelo O cotovelo (articulação rádio umeral) permite a flexão e extensão do rádio e ulna em relação

Leia mais

Médico Cirurgia de Ombro

Médico Cirurgia de Ombro Caderno de Questões Prova Objetiva Médico Cirurgia de Ombro SRH Superintendência de Recursos Humanos DESEN Departamento de Seleção e Desenvolvimento de Pessoal 01 A artroscopia do ombro permitiu a identificação

Leia mais

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MUSCULO ESQUELÉTICO Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MUSCULO ESQUELÉTICO Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ANATOMIA SISTEMA MUSCULO ESQUELÉTICO Aula 5 Profª. Tatiane da Silva Campos Músculos da cabeça e do pescoço responsáveis pelos traços do rosto e pela mímica, atuam na movimentação da cabeça e

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

CURSO DE OSTEOPATIA JOELHO A CINTURA ESCAPULAR COXOFEMORAL EBOM

CURSO DE OSTEOPATIA JOELHO A CINTURA ESCAPULAR COXOFEMORAL EBOM CURSO DE OSTEOPATIA A CINTURA ESCAPULAR COXOFEMORAL JOELHO EBOM Rua Palmira, 26 BELO HORIZONTE CEP:30220-110 (31)3227 16 62 www.osteopatia.com.br info@osteopatia.com.br 2 EBOM - ESCOLA BRASILEIRA DE OSTEOPATIA

Leia mais