Cinesiologia e Biomecânica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cinesiologia e Biomecânica"

Transcrição

1 Cinesiologia e Biomecânica Autoria: João Paulo Manfré dos Santos Tema 05 Cinesiologia e Biomecânica dos Membros Superiores

2 Tema 05 Cinesiologia e Biomecânica dos Membros Superiores Autoria: João Paulo Manfré dos Santos Como citar esse documento: SANTOS, João Paulo Manfré dos. Cinesiologia e Biomecânica: Cinesiologia e Biomecânica dos Membros Superiores. Caderno de Atividades. Valinhos: Anhanguera Educacional, Índice conviteàleitura Pág. 3 Pág. 3 ACOMPANHENAWEB Pág. 30 Pág. 31 Pág. 33 Pág. 33 Pág. 34 Pág Anhanguera Educacional. Proibida a reprodução final ou parcial por qualquer meio de impressão, em forma idêntica, resumida ou modificada em língua portuguesa ou qualquer outro idioma.

3 conviteàleitura Prezado aluno, seja bem-vindo ao caderno de atividades que aborda como tema a cinesiologia e biomecânica dos membros superiores. Neste caderno você encontrará material essencial para compreensão dos movimentos dos membros superiores, desde a forma como ocorrem até as forças que atuam nele. Os membros superiores possuem muita capacidade, que tornam esse segmento fundamental para o impressionante desenvolvimento motor humano, que executa atividades rotineiras, como a escrita e atividades mais elaboradas, como os movimentos na natação. Você verá também neste caderno de atividades uma revisão das estruturas anatômicas, e como elas realizam os movimentos do ponto de vista cinesiológico e biomecânico, a combinação dos movimentos do ombro, do cotovelo, do punho e da mão que possibilita colocar a mão em muitas posições, dando, assim, uma grande versatilidade ao segmento. Não importa se o trabalho envolve movimentos acima da cabeça, apertar a mão de alguém, escrever no caderno ou até amarrar o cadarço do tênis. Ou seja, este caderno aborda uma temática que trabalha de forma direta com a independência humana. Ombro Articulação mais complexa do corpo humano, é composta pelas articulações glenoumeral, esternoclavicular, acromioclavicular, coracoclavicular e escapulotorácica (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016), com três graus de liberdade ou triaxial, permitindo movimentos no plano frontal (abdução/adução), no plano sagital (flexão/ extensão) e no plano horizontal (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). O ombro é um exemplo de articulação triaxial, por permitir que o braço se movimente no plano frontal por abdução e adução, no plano sagital por flexão e extensão e no plano horizontal por rotação (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). 3

4 Figura Ombro Fonte: Hall (2016, p. 165). A articulação glenoumeral é esferoide, considerada a principal articulação do ombro, enquanto as articulações esternoclavicular e acromioclavicular fornecem mobilidade para a clavícula e para a escápula (HALL, 2016; MCGINNIS, 2015). 4

5 Figura Articulação coracoclavicular - vista lateral Fonte: Hall (2016, p. 166). A articulação glenoumeral é a mais livre no corpo humano, permitindo movimentos de flexão, extensão, hiperextensão, abdução, adução, abdução horizontal, adução horizontal, rotação medial e rotação lateral do úmero. Essa liberdade de movimento é definida pela cabeça quase hemisférica de 3 a 4 vezes maior que a cavidade glenoidal (rasa) (HALL, 2016). A cavidade glenoidal é circundada pelo lábio glenoidal, que aprofunda a fossa articular e acrescenta estabilidade à articular. Além do lábio, vários ligamentos fundem-se com os vários ligamentos que fornecem estabilidade articular, incluindo os ligamentos glenoumerais superior, médio e inferior na face anterior e ligamento coracoumeral na face posterior (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). A articulação esternoclavicular funciona como o principal eixo de rotação para os movimentos da clavícula e da escápula, por ser uma articulação esferoide modificada, seus movimentos ocorrem no plano frontal e transverso e alguma rotação 5

6 sagital para a frente a para trás; ela possui um disco articular fibrocartilaginoso que melhora o ajuste das superfícies articulares e também absorve os impactos (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Esta articulação realiza os movimentos de elevação e depressão, e protração e retração (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Figura Articulação esternoclavicular Fonte: Hall (2016, p. 165). 6

7 A articulação acromioclavicular é classificada como sinovial irregular, com movimentos limitados nos 3 planos, estabilizada pelos ligamentos coracoclaviculares, a rotação dessa articulação dá-se quando se eleva o braço (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). A articulação coracoclavicular é uma sindesmose unida pelo ligamento coracoclavicular, permitindo, dessa forma, pouco movimento (KAPANDJI, 2013). Figura Articulação coracoclavicular Fonte: Hall (2016, p. 167). A articulação escapulotorácica é uma articulação falsa, por não possuir elementos articulares, mas é considerada para análise pelos movimentos que ocorrem entre a superfície anterior da escápula e a parede torácica (HALL, 2016). A escápula fica entre 2 músculos, o serrátil anterior e o subescapular, que se movimentam transversalmente entre si. Esta articulação permite o aumento da amplitude de rotação do úmero com relação ao tórax (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Manguito rotador São quatro músculos que através de seus tendões juntam-se à cápsula articular para fornecer também estabilidade, por meio da contração que traciona a cabeça do úmero na direção da cavidade glenoidal (HALL, 2016). 7

8 1. Músculo supraespinal. 2. Músculo infraespinal. 3. Músculo redondo menor. 4. Músculo subescapular (HALL, 2016). Estes músculos fazem a rotação do úmero, tanto a lateral (supraespinal, infraespinal e redondo menor) quanto a medial (subescapular) (HALL, 2016). Figura Manguito rotador Movimentos do ombro: Fonte: Hall (2016, p. 168). É importante destacar que a elevação do úmero em todos os planos é acompanhada por uma rotação lateral (HALL, 2016), e que os movimentos do ombro exigem uma coordenação importante dos movimentos escapular e umeral, 8

9 conhecida como ritmo escapuloumeral, na qual, durante os primeiros 90 de elevação do braço em qualquer plano, a clavícula também é elevada na articulação esternoclavicular e a rotação ocorre na articulação acromioclavicular. Porém, quando isso ocorre sustentando uma carga externa, a orientação da escápula e o ritmo escapuloumeral são alterados, ou seja, a estabilização muscular da escápula reduz o movimento escapulotorácico (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016; KAPANDJI, 2013). No ritmo escapulotorácico, nos primeiros graus da flexão e da abdução, o movimento ocorre basicamente na articulação do ombro, entretanto, quando se chega a 30 de abdução e 45 a 60 de abdução, a relação entre os movimentos no ombro e na escápula passam a ser de 5:4, ou seja, a cada 5 de movimento do úmero, 4 ocorrem na escápula. Dessa forma, no total dos 180 de abdução de flexão, a relação de movimentos fica de 2:1 (120 na glenoumeral e 60 escapular) (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Figura Elevação do braço Fonte: Hall (2016, p. 168). Os músculos que movimentam a escápula são: levantador da escápula, romboides, serrátil anterior, peitoral menor, subclávio e trapézio. Estes músculos também estabilizam a escápula para que ela se transforme em uma base rígida para os músculos do ombro durante a contração, ou seja, esses músculos facilitam os movimentos do membro superior (HALL, 2016). 9

10 Figura Músculos escapulares Fonte: Hall (2016, p. 170). Músculos que movimentam a articulação glenoumeral podem ter variação da ação produzida de acordo com a orientação do úmero na sua grande amplitude de movimento. Por ser uma articulação instável, parte significativa da estabilidade é realizada pela tensão nos músculos e tendões que cruzam a articulação (HALL, 2016). A flexão do ombro é produzida pela contração pela parte anterior do músculo deltoide e a parte clavicular do peitoral maior, com auxílio do coracobraquial e da cabeça curta do bíceps braquial (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). 10

11 Figura Flexão e extensão do ombro Fonte: Hamill, Knutzen e Derrick (2016, p. 12). Figura Músculos flexores do ombro Fonte: Hall (2016, p. 171). 11

12 Os músculos extensores do ombro são ativos apenas quando é realizado movimento contra resistência, caso não tenha a força gravitacional é considerada o motor primário. Os músculos que participam são: parte esternocostal do peitoral maior, latíssimo do dorso e redondo maior. Eles são auxiliados pelos músculos deltoide posterior e cabeça longa do tríceps braquial (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Figura Músculos extensores Fonte: Hall //////////////, 2016, p A abdução dá-se pela contração dos músculos deltoide e supraespinal, sendo que o supraespinal é ativo durante, aproximadamente, os primeiros 110 do movimento, e o deltoide entre 90 e 180. Os músculos infraespinal, subescapular e redondo menor neutralizam o deslocamento superior produzido pela força do deltoide médio (HALL, 2016). Se o braço estiver em rotação lateral, há maior facilidade e maior amplitude de movimento, uma vez que o tubérculo maior do úmero é deslocado da posição debaixo do arco, já se o braço estiver em rotação medial, há uma limitação significativa da abdução, visto que o tubérculo maior fica mantido sob o arco (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Já a adução na ausência de resistência ocorre pela ação da força gravitacional, com os abdutores controlando a velocidade do movimento. Quando há resistência, entram em ação os músculos, latíssimo do dorso, redondo maior e parte esternocostal do peitoral maior. Estes músculos são auxiliados pela contração dos músculos bíceps braquial e cabeça longa do tríceps braquial, e quando o braço está elevado acima de 90 também ajudam os músculos coracobraquial e subescapular (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). 12

13 Figura Músculos abdutores do ombro Fonte: Hall (2016, p. 173). Figura Músculos adutores do ombro Fonte: Hall (2016, p. 173). 13

14 Figura Abdução e adução do ombro (B) e da escápula (A) Fonte: Hamill, Knutzen e Derrick (2016, p. 13). A rotação medial é resultado da contração dos músculos subescapular e redondo maior, com auxílio dos músculos peitoral maior, parte anterior do deltoide, grande dorsal e cabeça curta do bíceps braquial (HALL, 2016). Enquanto que a rotação lateral ocorre pela contração dos músculos infraespinal e redondo menor, com auxílio da parte posterior do deltoide (HALL, 2016). 14

15 Figura Rotação do ombro Fonte: Hamill, Knutzen e Derrick (2016, p. 15). A adução horizontal dá-se pela contração dos músculos peitoral maior, parte anterior do deltoide e coracobraquial, com auxílio da cabeça curta do bíceps braquial. A abdução horizontal ocorre pela contração dos músculos deltoide posterior, infraespinal e redondo menor, auxiliado pelo redondo maior e grande dorsal (HALL, 2016). Além dos movimentos, a estabilidade do ombro é proporcionada pela cápsula articular (elemento passivo) e pelos músculos que circundam a articulação (HAMIL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Aplicação dos conceitos: Neste item do caderno, entraremos com algumas análises e aplicações dos conceitos em algumas situações práticas. Por exemplo, quando o aluno eleva os braços acima da cabeça, como ao executar o bloqueio no vôlei e em alguns movimentos da natação, observa-se a rotação na articulação esternoclavicular (HALL, 2016). Atividades mais árduas e até as mais simples tem atuação da cinesiologia e biomecânica do ombro, como para levantar a mochila pesada do chão e até para carregar uma simples pasta, os músculos levantador da escápula, trapézio e romboides contraem para sustentar a escápula e o ombro (HALL, 2016). 15

16 Para arremessar uma bolsa com a mão acima do ombro, os músculos romboides contraem para mover todo o ombro posteriormente enquanto o úmero é abduzido horizontalmente e girado lateralmente na preparação, em seguida, o braço e a mão movem-se para frente para executar o arremesso, os músculos romboides relaxam para que a articulação glenoumeral se mova para frente (HALL, 2016). Quando executamos qualquer atividade com os ombros, o braço de momento do membro superior como um todo é a distância perpendicular entre o vetor de peso e o ombro, quando o cotovelo está flexionado esse braço de momento se altera (HALL, 2016; MCGILL, 2015). Figura 5.15 Braço de momento do membro superior Fonte: Hall (2016, p. 175). 16

17 Assim, apesar do membro superior corresponder a 5% do peso corporal, quando o membro fica estendido horizontalmente ele produz grandes braços de momento que necessitam de grandes torques para ser contrabalançados pelos músculos do ombro, fazendo com que a articulação glenoumeral suporte forças compressivas de até 50% do peso corporal, e o ato de flexionar o cotovelo diminui pela metade essa carga (HALL, 2016). Durante o arremesso, ocorre atividade excêntrica do ombro nas fases de preparação, elevação e aceleração, a energia de tensão elástica fica armazenada nos músculos, melhorando a fase concêntrica do movimento de arremesso (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Cotovelo A articulação do cotovelo é classificada como trocogínglima que engloba 3 articulações contidas na mesma cápsula articular, reforçadas pelos ligamentos colateral radial anterior e posterior e colateral ulnar (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). A articulação ulmeroulnar, em dobradiça, formada pela relação entre a tróclea do úmero e fossa troclear da ulna, tem como movimentos principais a flexão e a extensão, em alguns indivíduos a hiperextensão é permitida (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). A articulação umerorradial é formada pelo capítulo do úmero e a extremidade proximal do rádio, classificada como plana (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). E finalizando, tem-se a articulação radioulnar proximal, estabelecida pelo ligamento anular que liga a cabeça do rádio ao recesso radial da ulna, é uma articulação em pivô, que permite os movimentos de pronação e supinação (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). 17

18 Figura Articulação do cotovelo Fonte: Hall (2016, p. 180). Movimentos do cotovelo: O movimento de flexão do cotovelo é realizado pelo músculo braquial que participa tanto com o braço supinado quanto com o braço pronado, o bíceps braquial trabalha ativamente quando o antebraço está supinado e fica menos eficiente quando pronado, e atua também o músculo braquiorradial, mais efetivo na posição neutra (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Limitado pelos tecidos moles, cápsula posterior, músculos extensores e contato ósseo (processo coronoide e fossa coronoide) (HAMIL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). 18

19 Figura Flexores do cotovelo Fonte: Hall (2016, p. 183). 19

20 Figura Linhas de ação dos flexores do cotovelo Fonte: Hamill, Knutzen e Derrick (2016, p. 158). 20

21 Figura Flexão do cotovelo e posição do antebraço Fonte: Hamill, Knutzen e Derrick (2016, p. 158). O principal extensor do cotovelo é o músculo tríceps braquial, auxiliado pelo ancôneo (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). A extensão é limitada pela cápsula articular e pelos músculos flexores, e no final pelo impacto ósseo com o olecrano (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). 21

22 Figura Músculos extensores do cotovelo Fonte: Hall (2016, p. 183). A pronação e a supinação envolvem a rotação da cabeça do rádio ao redor da ulna, a pronação é realizada pela contração dos músculos pronador quadrado, auxiliado pelo pronador redondo, quando a pronação é resistida ou rápida. A supinação é realizada pelo músculo supinador, auxiliado pelo bíceps braquial (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). A pronação é limitada pelos ligamentos, pela cápsula articular e pelos tecidos moles, que fazem compressão conforme o rádio e a ulna se cruzam. A supinação é limitada pelos ligamentos, pela cápsula e pelos músculos pronadores (HAMIL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). 22

23 Figura Músculo pronador Fonte: Hall (2016, p. 184). Figura Músculo supinador Fonte: Hall (2016, p. 184). 23

24 Punho O punho é formado pelas articulações radiocarpal e intercapais, sendo que a maior parte dos movimentos ocorrem na articulação radiocarpal, permitindo movimentos no plano sagital (flexão, extensão e hiperextensão) e movimentos no plano frontal (desvio radial e desvio ulnar), além da circundução (HALL, 2016; MOORE; DAYLE; AGUR, 2014). A articulação radiocarpal é estabilizada pela cápsula articular e pelos ligamentos radiocarpal, radiocarpal dorsal e colateral radial (HALL, 2016; HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Ao redor do punho temos fortes feixes fibrosos, os retináculos, que formam túneis protetores para passagem dos tendões, nervos e vasos sanguíneos (HALL, 2016; MOORE; DAYLE; AGUR, 2014). Figura Ossos do punho Fonte: Hall (2016, p. 189). A flexão do punho é caracterizada pelo movimento da superfície palmar da mão na direção da face anterior do antebraço, realizada pela contração dos músculos flexor radial do carpo e flexor ulnar do carpo, auxiliado pelo palmar longo, flexor superficial dos dedos e flexor profundo dos dedos (HALL, 2016; KAPANDJI, 2013). 24

25 Figura Músculos flexores Fonte: Hall (2016, p. 190). A extensão do punho é caracterizada pelo movimento de retorno da mão à posição anatômica, e a hiperextensão é caracterizada quando a superfície dorsal da mão se aproxima da face posterior do antebraço, gerada pela contração dos músculos extensor radial longo do carpo extensor radial curto do carpo e extensor ulnar do carpo, auxiliados pelo extensor longo do polegar, extensor do dedo indicador, extensor do dedo mínimo e extensor dos dedos (HALL, 2016; KAPANDJI, 2013) 25

26 Figura Extensores do punho Fonte: Hall (2016, p. 190). Já o desvio radial é o movimento da mão na direção do polegar, produzido pela contração dos músculos flexor radial do carpo e extensores longo e curto radiais do carpo (HALL, 2016; KAPANDJI, 2013). Enquanto que o desvio na direção oposta é chamado de desvio ulnar, pela ação dos músculos flexor ulnar do carpo e extensor ulnar do carpo (HALL, 2016; KAPANDJI, 2013). 26

27 Figura Movimentos do punho Fonte: Hall (2016, p. 190). E finalizando, temos a circundução, que é a soma das quatro direções de movimentos do punho (HALL, 2016). Mão A mão é composta por muitas articulações que permitem a grande capacidade de movimento da mão, são elas: carpometacarpal, intermetacarpais, metacarpofalângicas e interfalângicas (HALL, 2016; MOORE; DAYLE; AGUR, 2014). A articulação carpometacarpal do polegar (trapézio e primeiro metacarpo) é uma articulação em sela, enquanto que as outras articulações carpometacarpais são articulações de deslizamento. Todas são cobertas por cápsulas articulares, reforçadas pelos ligamentos carpometacarpais dorsal, palmar e interósseo (HALL, 2016; MOORE; DAYLE; AGUR, 2014). 27

28 Figura Articulações da mão Fonte: Hall (2016, p. 192). As articulações metacarpofalângicas são elipsoides, envoltas por uma cápsula articular reforçada. E as articulações interfalângicas são em gínglimo, recoberta por cápsula articular (HALL, 2016; MOORE; DAYLE; AGUR, 2014). Os movimentos de flexão, extensão, abdução, adução e circundução dos dedos (II a V) ocorrem nas articulações metacarpofalângicas, enquanto que no polegar ocorrem apenas os movimentos de flexão e extensão. As articulações interfalângicas realizam movimentos de flexão e extensão e discreta hiperextensão (HALL, 2016; KAPANDJI, 2013). 28

29 Aplicação prática: A preensão firma de um objeto requer a máxima produção de força dos músculos extrínsecos da mão, enquanto que movimentos finos como os de pinça participam de uma regulagem mais precisa dos movimentos por meio dos músculos intrínsecos da mão (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Essa coordenação de força é necessária no arremesso de uma bola, ao escrever e até no ato de beliscar (HAMILL; KNUTZEN; DERRICK, 2016). Figura Movimentos da mão Fonte: Hamill, Knutzen e Derrick (2016). 29

30 ACOMPANHENAWEB Análise das curvas de torque isocinético em movimentos do ombro Neste artigo você encontrará a definição da curva de torque e como ela pode indicar o desempenho muscular em atletas de natação. Disponível em: < Acesso em: 8 nov Impacto da maturação sexual na força de membros superiores e inferiores em adolescentes Este trabalho aborda a maturação biológica e sexual de adolescentes na força dos membros superiores e membros inferiores, utilizando como preditores o teste de preensão palmar e o teste de impulsão vertical. Disponível em: < Acesso em: 8 nov Análise cinesiológica dos flexores do cotovelo: cinesiologia vetorial Neste vídeo temos a análise vetorial da flexão do ombro em três angulações diferentes. Disponível em: < Acesso em: 8 nov Tempo: 12:11 Ritmo escapulotorácico ou articulação escapulosserratotorácica Este vídeo trabalha o ritmo escapulotorácico, com as ações musculares e os deslocamentos possíveis. Disponível em: < Acesso em: 8 nov Tempo: 2:11 30

31 Instruções: Agora, chegou a sua vez de exercitar seu aprendizado. A seguir, você encontrará algumas questões de múltipla escolha e dissertativas. Leia cuidadosamente os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido. Questão 1 agoraéasuavez A cintura escapular é importante por permitir a mobilidade dos membros superiores e por proporcionar uma base estável para que esses movimentos ocorram. Baseado nos conhecimentos anatômicos, descreva as articulações que compõem a cintura escapular. Questão 2 O movimento de elevação do membro superior se dá por meio da contração concêntrica dos músculos que cruzam anteriormente a articulação do ombro, dependendo do braço de momento que se forma essa contração terá que realizar mais ou menos força. Baseado nisto, analise as frases a seguir colocando V para a que julgar verdadeira e F para a que classificar como falsa. ( ) O músculo deltoide anterior se contrai ativamente na elevação do ombro. ( ) O músculo peitoral maior (parte clavicular) se contrai ativamente na elevação do ombro. ( ) Ocorre neste movimento de elevação o que é denominado de abdução do ombro. ( ) Este movimento ocorre no plano sagital. ( ) Este movimento ocorre no eixo anteroposterior. Assinale, portanto, a alternativa que contenha a sequência correta. a) F-F-V-F-V b) F-F-F-V-V c) V-V-F-V-F d) V-V-V-F-F e) F-V-V-F-F 31

32 agoraéasuavez Questão 3 Complete a frase a seguir. Ao carregar a mochila sobre os ombros, a sofre uma pressão de deslocamento inferior, gerada pela carga da mochila mais a ação da gravidade. Essa ação gera uma reação para equilibrar as forças por meio da contração do músculo, que estabiliza a escápula evitando que ela seja deslocada inferior. Assinale a alternativa que contenha as palavras que complemente corretamente a frase. a) escápula levantador da escápula b) escápula porção longa do bíceps c) escápula coracobraquial d) articulação radioumeral tríceps braquial e) articulação radioumeral bíceps braquial Questão 4 Na fase de finalização do arremesso do basquetebol a bolsa sai da mão do atleta e vai em direção à cesta. Esse movimento se dá pela utilização da energia do sistema muscular que movimenta o sistema esquelético pelas alavancas dos membros superiores. Baseado nisto, descreva o movimento que ocorre nas articulações do cotovelo e do punho e o tipo de contração que ocorre. Questão 5 Um aluno ficou em dúvida se para levantar um objeto do chão com as mãos ele teria que fazer mais força com os ombros se os cotovelos estivessem flexionados ou estendidos. Baseado nos conhecimentos cinesiológicos e biomecânicos, determine em qual movimento ele fará maior força e justifique. 32

33 finalizando Neste caderno, estudamos as articulações que compõem o complexo formado pelo ombro, cotovelo, punho e mão. Além de verificar também quais os movimentos que ocorrem nos membros superiores, gerados pelas ações de determinados grupos musculares. Também vimos a importância do papel estabilizador dos músculos do ombro, tendo em vista que sua anatomia favorece muito a movimentação em detrimento da estabilidade articular. Verificamos a aplicação desses movimentos dentro de algumas práticas cotidianas e do esporte. Assim, esperamos que a partir de agora você esteja apto para analisar todas as atividades que irá trabalhar futuramente com seus alunos, conhecendo os impactos e as facilidades que poderão ser encontradas. referências HALL, S.J. Biomecânica básica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, HAMILL, J.; KNUTZEN, K.M.; DERRICK, T.R. Bases biomecânica do movimento humano. 4. ed. Barueri: Manole, KAPANDJI, A. I. O que é biomecânica? Barueri: Manole, MCGINNIS, P. M. Biomecânica do esporte e do exercício. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, MOORE, K. L.; DALLEY, A.; AGUR, A. M. R. Anatomia orientada para clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,

34 glossário Glenoumeral: articulação do ombro, formada pela cavidade glenoidal da escápula e pelo úmero, permite ampla mobilidade do segmento, fornecendo, assim, um desenvolvimento motor avançado em relação a outras espécies. Circundução: movimento rotacional da extremidade de um segmento em relação à articulação, composta pela combinação de vários movimentos, em formato de cone. Manguito rotador: grupo muscular que executa atividades dinâmicas por meio dos movimentos rotacionais do ombro e executa também atividades estáticas estabilizando o complexo do ombro. Formado pelos músculos supraespinal, infraespinal, subescapular e redondo menor. Movimento: ato de mudança de posicionamento, neste caso, o ato de mudar o posicionamento inicial de algum segmento do membro superior através de contração muscular, tirando este segmento do estado de inércia em que se encontrava. Contração: ativação das fibras musculares que podem gerar três tipos de contrações: a isométrica, na qual a fibra não tem alteração de tamanho; a concêntrica, na qual a fibra se encurta; e a excêntrica, na qual a fibra aumenta de tamanho. GABARITO Questão 1 Resposta: A cintura escapular é formada pela escápula, esterno, clavícula e úmero, por isso ela possui as articulações glenoumeral, acromioclavicular, esternoclavicular, caracoclavicular e escapulotorácica. Questão 2 Resposta: Alternativa C. A elevação do braço se dá por meio da flexão do ombro realizada pela contração do deltoide anterior, porção clavicular do peitoral maior e coracobraquial. Este movimento de flexão ocorre no plano sagital e no eixo médio-lateral. 34

35 Questão 3 Resposta: Alternativa A. Ao carregar a mochila sobre os ombros, a escápula sofre uma pressão de deslocamento inferior gerada pela carga da mochila mais a ação da gravidade. Essa ação gera uma reação para equilibrar as forças por meio da contração do músculo levantador da escápula que estabiliza a escápula evitando que ela seja deslocada inferior. Questão 4 Resposta: Neste caso, temos os movimentos de extensão do cotovelo e flexão do punho, esses movimentos ocorrem devido à contração concêntrica dos respectivos grupos musculares. Questão 5 Resposta: O aluno fará maior força se ele levantar o objeto com o cotovelo estendido, pois o braço de momento da força será maior (distância entre o objeto e o ombro) e o torque necessário para levantar também será maior, devido ao aumento da força resultante. 35

36

Anatomia do Membro Superior

Anatomia do Membro Superior Composição Cíngulo do Membro Superior Braço Antebraço Mão Cíngulo do Membro Superior CLAVÍCULA CULA - Extremidades: esternal e acromial - Diáfise: - 2/3 mediais convexos anteriormente - 1/3 lateral côncavo

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

Componentes 08/08/2016. Úmero Rádio. Ulna

Componentes 08/08/2016. Úmero Rádio. Ulna Componentes Úmero Rádio Ulna 1. Articulação Úmero-radial e Úmero-ulnar (do cotovelo, propriamente dita) 2. Articulação Rádio-ulnar proximal 3. Articulação Rádio-ulnar distal 1 Complexo Articular do Cotovelo

Leia mais

OMBRO. Úmero Cabeça Colo Tubérculo maior Tubérculo menor Sulco intertubercular

OMBRO. Úmero Cabeça Colo Tubérculo maior Tubérculo menor Sulco intertubercular OMBRO Complexo articular (20 mm, 3 art, 3 art funcionais) Articulação proximal do MS Direciona a mão Aumenta o alcance Osteologia Úmero, escápula, clavícula, esterno, costelas Úmero Cabeça Colo Tubérculo

Leia mais

Músculos do Antebraço e Mão

Músculos do Antebraço e Mão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Antebraço e Mão Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Flexão do Cotovelo (3) Músculos da Extensão

Leia mais

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 )

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 ) Complexo Articular do Ombro Articulação mais móvel do corpo humano, porém muito instável = estabilidade dinâmica. Posição de referência Graus de Liberdade 3 graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180

Leia mais

Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço

Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Cíngulo Escapular e do Braço Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos do Tronco ao Cíngulo Escapular

Leia mais

Osteologia e Artrologia. Tema E Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro superior.

Osteologia e Artrologia. Tema E Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro superior. Tema E Descrição e caraterização funcional do 1 Cintura escapular 1.1 Esterno-clavicular. 1.2 Acrómio-clavicular. 2 Complexo articular do ombro e o seu funcionamento nos movimentos do braço. 2.1 Ligamento

Leia mais

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes Cinesiologia aplicada a EF e Esporte Prof. Dr. Matheus Gomes 1 Cinesiologia PARTE I Descrição dos movimentos e ações musculares 2 Planos e Eixos Plano Frontal ou Coronal (eixo sagital ou ânteroposterior)

Leia mais

Ossos e Articulações dos Membros Superiores

Ossos e Articulações dos Membros Superiores Ossos e Articulações dos Membros Superiores Clavícula Escapula Úmero Radio (L) Ulna (M) Ossos do carpo Ossos do metacarpo Falanges Articulações da clavícula Articulaçao do ombro Articulações do cotovelo

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

Músculos do Antebraço e Mão

Músculos do Antebraço e Mão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Antebraço e Mão Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Flexão do Cotovelo (3) Músculos da Extensão

Leia mais

Profa. Elen H. Miyabara

Profa. Elen H. Miyabara UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia OSSOS E ARTICULAÇÕES Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br DIVISÃO DO ESQUELETO HUMANO ESQUELETO AXIAL 80 ossos CRÂNIO

Leia mais

Mecânica Articular 15/8/2011. Agradecimentos. Objetivos. Dinâmica da disciplina. Anatomia Complexo do ombro. Observação MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011

Mecânica Articular 15/8/2011. Agradecimentos. Objetivos. Dinâmica da disciplina. Anatomia Complexo do ombro. Observação MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011 Agradecimentos Mecânica Articular 1 2 - Liliam Oliveira, DSc. - Paulo Sergio Gomes, PhD. MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011 Aulas teóricas: 06/08 Membros superiores; Dinâmica da disciplina Ombro e cotovelo.

Leia mais

Músculos do membro superior. Carlomagno Bahia

Músculos do membro superior. Carlomagno Bahia Músculos do membro superior Carlomagno Bahia Axiais: Peitoral maior; Latíssimo do dorso; Músculos que movimentam o braço Deltóide; Escapulares: Subescapular; Supra-espinhal; Infra-espinhal; Coracobraquial.

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Articulação do Cotovelo O cotovelo (articulação rádio umeral) permite a flexão e extensão do rádio e ulna em relação

Leia mais

Anatomia Palpatória. Anatomia clínica. Anatomia clínica - Objetivos. Anatomia clínica. Princípios da palpação. Princípios da palpação

Anatomia Palpatória. Anatomia clínica. Anatomia clínica - Objetivos. Anatomia clínica. Princípios da palpação. Princípios da palpação Anatomia Palpatória Especialista Ortopedia e Esportes UFMG Fisioterapeuta da SPINE FISIOTERAPIA Professor da Pos Graduação Terapia Manual PUC-MG Professor do Curso de Terapia Manual da SPINE FISIOTERAPIA

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO SUPERIOR

CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO SUPERIOR CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO SUPERIOR 1 COMPLEXO DO PUNHO Apresenta dois graus de liberdade: Plano sagital: Flexão = 85 Extensão = 70-80 Plano Frontal: Desvio radial ou

Leia mais

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR ELEVAÇÃO: TRAPÉZIO PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE), ELEVADOR (LEVANTADOR) DA ESCÁPULA, ROMBÓIDES. DEPRESSÃO:

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA. Articulações do cotovelo, punho e da mão

CINESIOLOGIA APLICADA. Articulações do cotovelo, punho e da mão CINESIOLOGIA APLICADA Articulações do cotovelo, punho e da mão OSSOS - COTOVELO ÚMERO ULNA RÁDIO MOVIMENTOS ARTICULARES ARTICULAÇÃO DO COTOVELO: FLEXÃO EXTENSÃO ARTICULAÇÃO RÁDIO ULNAR: PRONAÇÃO SUPINAÇÃO

Leia mais

13/05/2013. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina

13/05/2013. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail.com Extremidade distal do rádio Extremidade distal da ulna Carpo ( escafóide, semilunar, piramidal, trapézio,

Leia mais

Biomecânica e Cinesiologia do Ombro

Biomecânica e Cinesiologia do Ombro Biomecânica e Cinesiologia do Ombro Ombro articulação mais móvel do corpo. Mas também a mais instável. Composta por 4 ossos, 20 músculos e 5 articulações. Ossos: úmero, escápula, clavícula e costela. Articulações

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA. Ricardo Yabumoto

OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA. Ricardo Yabumoto OMBRO ANATOMIA E BIOMECANICA Ricardo Yabumoto INTRODUCAO Cintura escapular = 4 articulacoes: Gleno umeral Acromioclavicular Esternoclavicular Escapulotoracica Pseudo-articulacao = espaco subacromial INTRODUCAO

Leia mais

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO MOVIMENTOS DA ESCÁPULA PROTRAÇÃO RETRAÇÃO ELEVAÇÃO DEPRESSÃO ROTAÇÃO PARA CIMA (EXTERNA) ROTAÇÃO PARA BAIXO (INTERNA) MOVIMENTOS DOS OMBROS FLEXÃO E EXTENSÃO ADBUÇÃO E ADUÇÃO

Leia mais

Apostila de Cinesiologia. Cotovelo

Apostila de Cinesiologia. Cotovelo 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Cotovelo Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de 2009. Ainda esta em fase de construção. Temos muito para

Leia mais

ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR

ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR ARTROLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR SUPERIOR ARTICULAÇÕES CLAVICULARES ARTICULAÇÃO ESTERNO-CLAVICULAR A articulação esterno-clavicular é formada pela porção esternal da clavícula e incisura clavicular

Leia mais

Estudo do movimento. Parte IV

Estudo do movimento. Parte IV Estudo do movimento Parte IV 1 Articulações sinoviais 1) Articulação gleno-umeral (GU). 2) Articulações acromioclavicular (AC). 3) Articulação esternoclavicular (EC) 2 Articulações funcionais 1) Escapulatorácica

Leia mais

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 1 O Ombro é uma articulação de bastante importância para todos nós, visto que para fazermos até as atividades mais simples, como escovar os dentes e dirigir, precisamos dele. Devido a esta característica,

Leia mais

Cotovelo - Antebraço. Cotovelo - Antebraço Cinesiologia. Renato Almeida

Cotovelo - Antebraço. Cotovelo - Antebraço Cinesiologia. Renato Almeida Cotovelo - Antebraço Questão de Concurso Treinando... (EBSERH) Ligamento é um feixe de tecido fibroso, formado por tecido conjuntivo denso modelado. A principal função dos ligamentos é prevenir movimentos

Leia mais

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Uma fixação é no esqueleto e outra na parte mais profunda da Pele Podem movimentar a pele do couro cabeludo e da face modificando

Leia mais

Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Antebraço, Fossa Cubital e Mão Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Departamento de Ciências Morfológicas Curso de Fisioterapia DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada:

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada: AVALIAÇÃO DO OMBRO 1. Anatomia Aplicada: Articulação esternoclavicular: É uma articulação sinovial em forma de sela com 3 graus de liberdade; A artic. esternoclavicular e a acromioclavicular habilitam

Leia mais

Músculos do Cíngulo Escapular e Braço

Músculos do Cíngulo Escapular e Braço Músculos do Cíngulo Escapular e Braço 1 Músculos do Tronco ou Crânio ao Cíngulo Escapular (8) Serrátil Anterior Trapézio Rombóides Maior e Menor Peitoral Menor Levantador da Escápula Subclávio Esternocleidomastóideo

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata ANATOMIA MUSCULAR Músculos que movimentam o Ombro Anteriomente: Posteriomente: Deltóide (porção anterior) Grande Dorsal Peitoral Maior

Leia mais

MEMBROS SUPERIORES COMPLEXO ARTICULAR DO PUNHO MEMBRO SUPERIOR 08/08/2016

MEMBROS SUPERIORES COMPLEXO ARTICULAR DO PUNHO MEMBRO SUPERIOR 08/08/2016 MEMBROS SUPERIORES MEMBRO SUPERIOR OMBRO Base dinâmica de suporte COTOVELO Permite à mão aproximar-se ou afastar-se do corpo ANTEBRAÇO Ajusta a aproximação da mão a um objeto CARPO Posiciona a mão no espaço

Leia mais

Anatomia do Membro Superior

Anatomia do Membro Superior Anatomia do Membro Superior www.imagingonline.com.br Plexo braquial Divisão (partes) Ramos supraclaviculares (ramos se originam das raízes e dos troncos do plexo braquial): N. dorsal da escápula N. torácico

Leia mais

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é Cintura Escapular? Duas clavículas e duas escápulas. Trata-se de uma estrutura que sofreu adaptações à bipedia, onde as

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo, Punho e Mão

Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo, Punho e Mão Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo, Punho e Mão MFT 0377- Métodos de Avaliação Clínica e Funcional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Articulação ulnoumeral ou troclear: 1. Anatomia Aplicada É uma

Leia mais

Gabarito das questões da Dinâmica S03 e S04O

Gabarito das questões da Dinâmica S03 e S04O Gabarito das questões da Dinâmica S03 e S04O Exemplo a) O periósteo consiste num tecido conjuntivo que reveste a superfície externa dos ossos. b) Correta. c) O tecido ósseo secundário que contém sistemas

Leia mais

Apostila de Cinesiologia. Cintura Escapular e Ombro

Apostila de Cinesiologia. Cintura Escapular e Ombro 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Aula Prática Cintura Escapular e Ombro Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de 2009. Ainda esta em fase

Leia mais

Punho - Mão. Punho - Mão Cinesiologia. Renato Almeida

Punho - Mão. Punho - Mão Cinesiologia. Renato Almeida Punho - Mão Questão de Concurso Treinando... (NOVA ESPERANÇA DO SUL - RS) São ossos carpais: a) Trapezoide, Escafoide, Capitato, Cuboide, Estiloide, Trapézio e Hamato. b) Rádio, Capitato, Trapezoide, Talo,

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA Diagnóstico Cinético-Funcional e Imaginologia: Membros Superiores, Cabeça e Tórax Unidade II OMBRO 1 2 3 4 5 Luxação anterior 6 Fratura de cabeça

Leia mais

www.institutodetratamentodador.com.br ANATOMIA EXAME E MANOBRAS INSPEÇÃO MOVIMENTOS AMPLITUDE PASSIVA MOVIMENTOS ACESSÓRIOS INSPEÇÃO Deformidades: Valgo, Varo, Flexão, Hiperextensão Edema: Sinovite, Bursite,

Leia mais

ARTROLOGIA. Prof.: Gustavo Martins Pires

ARTROLOGIA. Prof.: Gustavo Martins Pires ARTROLOGIA Prof.: Gustavo Martins Pires CONCEITO CONCEITO Os ossos se unem para constituir o esqueleto, e essa união tem a finalidade exclusiva de colocar os ossos em contato, mas também a de permitir

Leia mais

Estão dispostos em 6 grupos:

Estão dispostos em 6 grupos: MÚSCULOS DO TRONCO Estão dispostos em 6 grupos: Músculos do dorso Abdome Músculos suboccipitais Pelve Tórax Períneo MÚSCULOS DO DORSO Há dois grupos principais: Músculos Extrínsecos do Dorso Superficiais

Leia mais

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA 6MOD205 LOCOMOÇÃO E PREENSÃO MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR OMBRO MANGUITO ROTADOR 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA TUBÉRCULO > DO 3 SUBESCAPULAR

Leia mais

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ANATOMIA SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4 Profª. Tatiane da Silva Campos Ossos do pé mantêm-se unidos por meio de fortes ligamentos que lhe permitem sustentar o peso corporal e funcionar como

Leia mais

1ª CAMADA 4 MÚSCULOS ANTEBRAÇO E MÃO DIVISÃO MÚSCULOS DOS MEMBROS SUPERIORES MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

1ª CAMADA 4 MÚSCULOS ANTEBRAÇO E MÃO DIVISÃO MÚSCULOS DOS MEMBROS SUPERIORES MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO MÚSCULOS DOS MEMBROS SUPERIORES Dica Do Didi 4121 Número bom ANTEBRAÇO E MÃO Marcelo Marques Soares Prof. Didi DIVISÃO MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO - Região Anterior (8 Músculos) - - Região Posterior (8 Músculos)

Leia mais

Explanação das regiões anatômicas e atuação da Fisioterapia na Luxação, ou deslocamento, da articulação do cotovelo

Explanação das regiões anatômicas e atuação da Fisioterapia na Luxação, ou deslocamento, da articulação do cotovelo Explanação das regiões anatômicas e atuação da Fisioterapia na Luxação, ou deslocamento, da articulação do cotovelo Página 1 Você Sabia??? As luxações agudas do cotovelo em adultos ocorrem na grande maioria

Leia mais

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro MÚSCULOS DO OMBRO Músculos do Ombro Deltóide Supra-espinhal Infra-espinhal Redondo Menor Redondo Maior Subescapular DELTÓIDE Ombro Inserção Proximal: 1/3 lateral da borda anterior da clavícula, acrômio

Leia mais

*Ulna Rádio Carpo Metacarpo Falanges: Sesamóides

*Ulna Rádio Carpo Metacarpo Falanges: Sesamóides PUNHO E MÃO OSSOS *Ulna processo estilóide e cabeça da ulna. Rádio - processo estilóide, tubérculo de Lister e incisura ulnar do rádio. Carpo: escafóide, semilunar, piramidal, pisiforme, trapézio, trapezóide,

Leia mais

PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS. RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua

PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS. RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS Ana Júlia Cunha Brito * Orientador: Nelson Higino ** RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua nomenclatura

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal 5.Comunicação 6.Constrição de

Leia mais

28/03/2018 MIOLOGIA. Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel. GENERALIDADES Propriedades. Contratilidade Elasticidade

28/03/2018 MIOLOGIA. Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel. GENERALIDADES Propriedades. Contratilidade Elasticidade MIOLOGIA Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel 1 GENERALIDADES Propriedades Contratilidade Elasticidade 2 1 3 4 2 5 Classificação das fibras musculares Fibras estriadas esqueléticas Fibras estriadas cardíacas

Leia mais

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Membros Superiores (MMSS) Membros Superiores (MMSS) A escápula está mergulhada na massa muscular do dorso do indivíduo, sem qualquer fixação direta

Leia mais

Princípios da Mecânica & Análise de Movimento. Tarefa Casa DESCRIÇÃO MOVIMENTO. s, t, v, a, F. Â, t,,, T

Princípios da Mecânica & Análise de Movimento. Tarefa Casa DESCRIÇÃO MOVIMENTO. s, t, v, a, F. Â, t,,, T Princípios da Mecânica & Análise de Movimento Tarefa Casa PREPARAÇÃO PARA PRÓXIMA AULA Atlas Leitura capitulo Tornozelo e pé (cap. 7) Finalizar exercício de planos e eixos DESCRIÇÃO MOVIMENTO Mecânica

Leia mais

Generalidades das Articulações

Generalidades das Articulações Generalidades das Articulações Profa. Katiúcia B. S. Paiva katipaiva@usp.br ARTROLOGIA artro = articulação; - logia = estudo do CINESIOLOGIA cinesi(o) = movimento; - logia = estudo do ESQUELETO Sistema

Leia mais

Anatomia Humana Módulo 02 Conceitos Gerais do Sistema Osteomioarticular

Anatomia Humana Módulo 02 Conceitos Gerais do Sistema Osteomioarticular Anatomia Humana 1 Profª Fabíola Claudia Henrique da Costa Parte 01 Osteologia Partedaanatomiaque estuda o esqueleto, o qual é constituído por ossos e cartilagens. 1 Axial Ossos da cabeça, pescoço e tronco

Leia mais

Vista Posterior (dorsal) 2b 1b 1a Vista posterior (dorsal) Rádioulnar 2 - Ulnocárpico 3 - Colateral ulnar

Vista Posterior (dorsal) 2b 1b 1a Vista posterior (dorsal) Rádioulnar 2 - Ulnocárpico 3 - Colateral ulnar Cinesiologia do punho e mão 1 - Introdução Órgão complexo (interdependência) Punho: 15 ossos, 15 art, ligamentos Mobilidade x estabilidade Força x sutileza Tato Expressão e comunicação Estabilização outras

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA O homem que se esvazia do orgulho, dá espaço ao conhecimento. ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

EFEITO DOS EXERCÍCIOS EM CADEIA CINÉTICA ABERTA E FECHADA EM ATLETAS DE BEISEBOL DA CIDADE DE MARINGÁ

EFEITO DOS EXERCÍCIOS EM CADEIA CINÉTICA ABERTA E FECHADA EM ATLETAS DE BEISEBOL DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 EFEITO DOS EXERCÍCIOS EM CADEIA CINÉTICA ABERTA E FECHADA EM ATLETAS DE BEISEBOL DA CIDADE DE MARINGÁ

Leia mais

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina Tradicional Chinesa MEMBROS SUPERIIORES E INFERIIORES 1 IV - MEMBROS SUPERIORES E INFERII IORES 1 1 MEMBROS SUPERIORES 5 Ombro Deltóide 5 5 MANGUITO ROTADOR: 5 Músculos do Ombro - Vista Anterior 7 Músculos do Ombro - Vista

Leia mais

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação???

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação??? O que é Articulação??? ARTICULAÇÃO É o conjunto dos elementos que promovem a união de dois ou mais ossos, com a finalidade de permitir maior ou menor possibilidade de movimento, entre os segmentos articulados

Leia mais

MIOLOGIA. O músculo vivo é de cor vermelha. Essa coloração denota a existência de pigmentos e de grande quantidade de sangue nas fibras musculares.

MIOLOGIA. O músculo vivo é de cor vermelha. Essa coloração denota a existência de pigmentos e de grande quantidade de sangue nas fibras musculares. MIOLOGIA Conceito de Músculos: São estruturas individualizadas que cruzam uma ou mais articulações e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento. Este é efetuado por células especializadas

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA. Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA. Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO ORTOPÉDICA Módulo: CINESIOLOGIA E SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA Prof. Msc Rogério Olmedija de Araújo Prof. Msc Rogério Olmedija de Araújo -Fisioterapeuta pela UNISA/SP -Formação

Leia mais

Ritmo Escápulo-umeral

Ritmo Escápulo-umeral Avaliação do ombro Ritmo Escápulo-umeral Movimento sincronizado entre escápula e úmero durante abdução e flexão do braço. Região anterior Clavícula e artic. Esternoclavicular e Acromioclavicular Anatomia

Leia mais

Anatomia de superfície e palpatória do braço e cotovelo

Anatomia de superfície e palpatória do braço e cotovelo 2010 Anatomia de superfície e palpatória do braço e cotovelo http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve a anatomia de superfície e procedimentos palpatórios simples aplicados ao braço e cotovelo.

Leia mais

Punho e Mão. Punho e Mão. Palpação

Punho e Mão. Punho e Mão. Palpação Punho e Mão 1 Punho e Mão 2 Palpação 1 - Processo estilóide do rádio 2 - Processo estilóide da ulna 3 - Cabeça da ulna 4 - Tubérculo de Líster 5 - Articulação radio ulnar distal 6 - Escafóide 7 - Semilunar

Leia mais

OBJETIVOS DA AULA: CARIOTECA (MEMBRANA NUCLEAR) Articulação Radioulnar. articulação Distal sinovial e uniaxial.

OBJETIVOS DA AULA: CARIOTECA (MEMBRANA NUCLEAR) Articulação Radioulnar. articulação Distal sinovial e uniaxial. Punho e mão 1 Articulação Radioulnar articulação Distal sinovial e uniaxial. 2 Articulação Radiocarpal (punho) - É uma articulação elipsóidea biaxial - Flexão/Extensão e Adução/Abdução. 3 Articulações

Leia mais

Roteiro de Aula - Artrologia

Roteiro de Aula - Artrologia Roteiro de Aula - Artrologia O que é uma Articulação? Articulação ou "juntura" é a conexão entre duas ou mais peças esqueléticas (ossos ou cartilagens) Essas uniões colocam as pecas do esqueleto em contato,

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

Tema C NOÇÕES GERAIS SOBRE ARTICULAÇÕES

Tema C NOÇÕES GERAIS SOBRE ARTICULAÇÕES 1 Noções e tipos de articulações 1.1 Imóveis 1.2 Semimóveis 1.3 - Móveis Tema C NOÇÕES GERAIS SOBRE ARTICULAÇÕES 2 Constituintes articulares típicos das articulações móveis 2.1 Superfícies articulares

Leia mais

Total de páginas: 06 1

Total de páginas: 06 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Articulações Articulação é um ponto de contato entre: Ossos Cartilagens e Ossos Dente e Ossos Espectro entre força e flexibilidade Fortes e imóveis Fracas e muito flexíveis Quanto

Leia mais

ANATOMIA DO MOVIMENTO HUMANO RELACIONADA AOS MOVIMENTOS DA MANIFESTAÇÃO FOLCLÓRICA QUADRILHA 1

ANATOMIA DO MOVIMENTO HUMANO RELACIONADA AOS MOVIMENTOS DA MANIFESTAÇÃO FOLCLÓRICA QUADRILHA 1 ANATOMIA DO MOVIMENTO HUMANO RELACIONADA AOS MOVIMENTOS DA MANIFESTAÇÃO FOLCLÓRICA QUADRILHA 1 MARTINS, Yasmin Guedes 1 ; SILVA, Daliny Lima da 2 ; ARANTES, Leonardo Jesus Fróes 3 ; MATA, Matheus Araújo

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

Faculdade de Medicina Universidade de Coimbra. Anatomia, Histologia e Fisiologia I Farmácia Biomédica. Antebraço

Faculdade de Medicina Universidade de Coimbra. Anatomia, Histologia e Fisiologia I Farmácia Biomédica. Antebraço Faculdade de Medicina Universidade de Coimbra Anatomia, Histologia e Fisiologia I Farmácia Biomédica Antebraço A.1. O antebraço corresponde à região anatómica limitada pelo rádio e pelo cúbito/ ulna. Começa

Leia mais

MÓDULO OSTEOMUSCULAR. Olá, ogrinhos e ogrinhas! S03 GCM 18.1

MÓDULO OSTEOMUSCULAR. Olá, ogrinhos e ogrinhas! S03 GCM 18.1 MÓDULO OSTEOMUSCULAR Olá, ogrinhos e ogrinhas! S03 GCM 18.1 Caso Clínico G.S.C., 25 anos, sexo feminino, chegou à emergência do Hospital Aeroporto após sofrer um acidente de carro. Relatou fortes dores

Leia mais

CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004

CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004 1 CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004 1- Você sente atualmente algum desconforto nos membros superiores ou coluna relacionado ao

Leia mais

AUTOR: FRANCISCO CUBAL. Bibliografia: Moore, Keith, Anatomia Orientada para a Clínica. Todas as imagens retiradas de

AUTOR: FRANCISCO CUBAL. Bibliografia: Moore, Keith, Anatomia Orientada para a Clínica. Todas as imagens retiradas de AUTOR: FRANCISCO CUBAL Bibliografia: Moore, Keith, Anatomia Orientada para a Clínica Todas as imagens retiradas de www.auladeanatomia.com Medicina UP3 Sistema Locomotor (Membro inferior) Autor: Francisco

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão Fratura Distal do Úmero Fratura da Cabeça do Rádio Fratura do Olecrâneo

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço Músculos do Cotovelo Bicípite braquial Braquial Braquiorradial Tricípite braquial Ancôneo Bicípite Braquial Bicípite Braquial Origem: Cabeça

Leia mais

REVISTA PERSPECTIVA: CIÊNCIA E SAÚDE

REVISTA PERSPECTIVA: CIÊNCIA E SAÚDE REVISTA PERSPECTIVA: CIÊNCIA E SAÚDE ANO 2017 VOLUME 2 EDIÇÃO 2 ISSN: 2526-1541 Artigo de Revisão ESTUDO DE REVISÃO SOBRE A CINESIOLOGIA DOS COMPLEXOS ARTICULARES REVIEW STUDY ABOUT KINESIOLOGY OF THE

Leia mais

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES 2 SISTEMA MUSCULAR MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR 3 MÚSCULOS MOVIMENTOS OMOPLATA 4 MÚSCULOS TRAPÉZIO MOVIMENTOS OMOPLATA 5 ELEVADOR DA OMOPLATA Origem: Apófises transversas

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ECOGRAFIA MÚSCULO- ESQUELÉTICA DO MEMBRO SUPERIOR

ESPECIALIZAÇÃO EM ECOGRAFIA MÚSCULO- ESQUELÉTICA DO MEMBRO SUPERIOR ESPECIALIZAÇÃO EM ECOGRAFIA MÚSCULO- ESQUELÉTICA DO MEMBRO SUPERIOR C/ Ana de Groot. Selo de qualidade da Musculoskeletal Ultrasound in Physical Therapy (MUP). Estudo avançado articular, miotendinoso,

Leia mais

importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma

importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma Estudado por um ramo da ciência MIOLOGIA Células altamente especializadas importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma maior quantidade

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO

EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO BÁSICOS SUPINO RETO Peitoral maior parte esterno costal (medial) Descer a barra na direção do esterno até que toque a região peitoral. Subir a barra até a extensão dos cotovelos

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular 1 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI EEFMT Professora Maria Theodora Pedreira de Freitas Av. Andrômeda, 500 Alphaville Barueri SP CEP 06473-000 Disciplina: Educação Física 6ª Série Ensino Fundamental

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL. Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro

AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL. Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro AULAS 12 e 13 SUMÁRIO Introdução Avaliação Postural e Puberdade Metodologia Desvios posturais

Leia mais

Ativação do Bíceps Braquial no exercício remada baixa com diferentes pegadas

Ativação do Bíceps Braquial no exercício remada baixa com diferentes pegadas Universidade Federal do Rio Grande do Sul ESEF/UFRGS Ativação do Bíceps Braquial no exercício remada baixa com diferentes pegadas Rodrigo de Figueiredo Porto Alegre Junho de 2011 1 Universidade Federal

Leia mais

MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS CONCEITO DE MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS TIPOS DE MÚSCULOS GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR ESTRIADOS ESQUELÉTICOS

MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS CONCEITO DE MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS TIPOS DE MÚSCULOS GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR ESTRIADOS ESQUELÉTICOS Marcelo Marques Soares Prof. Didi GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR CONCEITO DE MIOLOGIA MIOLOGIA É parte da anatomia que estuda os músculos e seus anexos. TIPOS DE MÚSCULOS Células Musculares Cardíacas

Leia mais

Biomecânica aplicada ao esporte. Biomecânica aplicada ao esporte SÍNDROME PATELOFEMORAL

Biomecânica aplicada ao esporte. Biomecânica aplicada ao esporte SÍNDROME PATELOFEMORAL SÍNDROME PATELOFEMORAL A Síndrome da Dor Fêmoropatelar (SDFP) é ocasionada por um desequilíbrio biomecânico, que atinge a articulação do joelho, mais especificamente a articulação entre o fêmur e a patela.

Leia mais

Anatomia de superfície e palpatória do punho e mão

Anatomia de superfície e palpatória do punho e mão 00 Anatomia de superfície e palpatória do punho e mão http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve a anatomia de superfície e procedimentos palpatórios simples aplicados ao braço e cotovelo.

Leia mais

Vasos e Nervos do Membro Superior

Vasos e Nervos do Membro Superior UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Vasos e Nervos do Membro Superior Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br n. músculocutâneo n. axilar n. radial Fascículos

Leia mais

GCMapa Da Semana 03 Módulo Osteomuscular

GCMapa Da Semana 03 Módulo Osteomuscular GCMapa Da Semana 03 Módulo Osteomuscular Nome: Monitor: Tutoria: Questões Pré-tutoria Jr.: Questão 1 1 - A ossificação é um processo fundamental no desenvolvimento do ser humano. Sobre o mecanismo histológico

Leia mais