Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO OMBRO

2 ANATOMIA DO OMBRO

3 ANATOMIA DO OMBRO

4 ANATOMIA DO OMBRO

5 ANATOMIA DO OMBRO

6 ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação máxima

7 ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Tipo Plana Articulação Acromioclavicular Aumenta a ADM do úmero Posição de repouso Posição de aproximação máxima

8 ANATOMIA DO OMBRO Não é uma articulação verdadeira Articulação Escapulotorácica Corpo da escápula e músculos que recobrem a parte posterior do tórax

9 ANATOMIA DO OMBRO

10 ANATOMIA DO OMBRO

11 HISTÓRIA CLÍNICA

12 HISTÓRIA CLÍNICA Dor no Ombro Patologias intrínsecas da articulação Patologias de estruturas periarticulares Coluna cervical, tórax ou estruturas viscerais

13 AVALIAÇÃO DO OMBRO Perguntas a serem feitas ao paciente Idade? Sustenta o MS em posição protegida? Em caso de lesão, qual foi o mecanismo? Movimentos que causam dor? Comportamento da dor?

14 AVALIAÇÃO DO OMBRO Perguntas a serem feitas ao paciente Atividades que causam ou aumentam a dor? Atividades funcionais que o paciente é capaz de fazer? Há quanto tempo existe o problema? Indicação de espasmo muscular, deformidade, atrofia, parestesia?

15 AVALIAÇÃO DO OMBRO Perguntas a serem feitas ao paciente Queixa de sensação de fraqueza e peso no membro após atividade? Indicação de lesão nervosa? Qual é a mão dominante?

16 INSPEÇÃO

17 INSPEÇÃO Avaliar a uniformidade e a simetria de movimentação Dissociação de cinturas Ritmo de movimento do ombro Mobilidade anormal = unilateral e distorcida Investigação minunciosa da pele Comparação bilateral Trofismo e contorno da anatomia local

18 INSPEÇÃO Analisar a coluna cervical Alinhamento de cabeça e pescoço em relação aos ombros Ombro dominante X Ombro não dominante Ombro deve ser examinado nas vistas anterior, posterior e lateral

19 PALPAÇÃO ÓSSEA

20 PALPAÇÃO ÓSSEA Observar presença de espasmo, sensibilidade ou outros sinais e sintomas Deve ser avaliada a dor Posição do paciente

21 PALPAÇÃO ÓSSEA Face Anterior Articulação esternoclavicular Clavícula Processo coracóide

22 PALPAÇÃO ÓSSEA Face Anterior Articulação acromioclavicular Acrômio Tubérculo maior do úmero Sulco intertubercular, incisura ou fosseta bicipital

23 PALPAÇÃO ÓSSEA Face Posterior Espinha da Escápula Escápula

24 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES

25 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES Pele, Músculos, Ligamentos e Tendões Posição de Repouso Mecânico Adaptação da intensidade de palpação Estabelecer as relações normais entre os tecidos frouxos e a cintura escapular

26 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES Observar tônus, consistência, tamanho, consistência, tamanho e contorno de cada músculo Localização e investigação da dor Posição do paciente e do fisioterapeuta

27 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES Manguito Rotador

28 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES Músculos da Região da Axila

29 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES Músculos da Região da Axila

30 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES Músculos da Região da Axila

31 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES Músculos da Região da Axila

32 PALPAÇÃO DE TECIDOS MOLES Músculos da Cintura Escapular ECOM Peitoral maior Bíceps braquial Tendão da cabeça longa do bíceps braquial Deltóide Trapézio e rombóide maior e menor

33 MOBILIDADE ARTICULAR

34 MOBILIDADE ARTICULAR Complexo do ombro atua como CCA e CCF Articulação esternoclavicular Elevação e depressão Protração e retração Articulação escapulotorácica Elevação e depressão Abdução e adução Rotação para cima e para baixo Articulação Glenoumeral Flexão e extensão Abdução e adução Rotação medial e lateral Circundução

35 MOBILIDADE ARTICULAR Goniometria Flexão do ombro Posição Movimento Eixo do goniômetro Braço fixo Braço móvel ADM normal:

36 MOBILIDADE ARTICULAR

37 MOBILIDADE ARTICULAR Goniometria Extensão do ombro Posição Movimento Eixo do goniômetro Braço fixo Braço móvel ADM normal: 0-60

38 MOBILIDADE ARTICULAR

39 MOBILIDADE ARTICULAR Goniometria Abdução do ombro Posição Movimento Eixo do goniômetro Braço fixo Braço móvel ADM normal: 0-180

40 MOBILIDADE ARTICULAR

41 MOBILIDADE ARTICULAR Goniometria Adução horizontal do ombro Posição Movimento Eixo do goniômetro Braço fixo Braço móvel ADM normal: 0-75

42 MOBILIDADE ARTICULAR

43 MOBILIDADE ARTICULAR Goniometria Rotação medial do ombro Posição Movimento Eixo do goniômetro Braço fixo Braço móvel ADM normal: 0-100

44 MOBILIDADE ARTICULAR

45 MOBILIDADE ARTICULAR Goniometria Rotação lateral do ombro Posição Movimento Eixo do goniômetro Braço fixo Braço móvel ADM normal: 0-90

46 MOBILIDADE ARTICULAR

47 ENCURTAMENTOS MUSCULARES E TMM

48 ENCURTAMENTOS MUSCULARES Músculos Extensores (Grande Dorsal, Redondo Maior) Posição: Decúbito dorsal ou em pé com o tronco plano com uma parede Movimento: Flexão dos ombros na ADM máxima Região lombossacra deve permanecer plana Incapacidade de completar a flexão deve ser medida com o goniômetro

49 ENCURTAMENTOS MUSCULARES Músculos Extensores (Peitoral Maior Porção Esternocostal) Posição: Decúbito dorsal ou em pé com o tronco plano com uma parede Movimento: Rotação lateral e Flexão dos ombros na ADM máxima Incapacidade de completar a flexão deve ser medida com o goniômetro

50 ENCURTAMENTOS MUSCULARES Músculos Flexores (Peitoral Maior Porção Clavicular) Posição: Decúbito dorsal com quadris, joelhos em flexão e pés e região lombossacra planos Movimento: Abdução horizontal do ombro em 90 com rotação lateral Se o MS não alcança a superfície da mesa encurtamento (mede-se com fita métrica cotovelo até o tampo da maca) Comprimento excessivo do músculo abdução lateral além da bora da mesa

51 ENCURTAMENTOS MUSCULARES Músculos Rotadores Mediais Posição: Decúbito dorsal com quadris, joelhos em flexão e pés e região lombossacra planos. Ombro abduzido em 90 e cotovelo fletido a 90 Movimento: Rotação lateral do ombro, para que o dorso da mão fique plano sobre a superfície da mesa Em amplitude excessiva, rotação vai além dos 90

52 ENCURTAMENTOS MUSCULARES Músculos Rotadores Laterais Posição: Decúbito dorsal com quadris, joelhos em flexão e pés e região lombossacra planos. Ombro abduzido em 90 e cotovelo fletido a 90 Movimento: Rotação medial do ombro, para que a palma da mão toque a superfície da mesa Em amplitude excessiva, rotação vai além dos 90

53 ENCURTAMENTOS MUSCULARES Músculos Escapulares Posição: Decúbito dorsal com quadris, joelhos em flexão e pés e região lombossacra planos. MMSS na posição anatômica Movimento: Examinador avalia da cabeceira e compara as escápulas para a possível existência de inclinação anterior Nenhuma limitação é evidente quando a parte posterior do ombro fica plana sobre a superfície

54 TMM Músculo Trapézio Superior e Elevador da Escápula

55 TMM Músculo Trapézio Médio Palpação: ao longo da borda medial da escápula, próximo da raiz da espinha Posição: Decúbito ventral com o cotovelo fletido Movimento: aproximar escápulas Resistência: Borda medial da escápula, empurrando para fora e para baixo Estabilização: Tórax contralateral

56 TMM Músculo Trapézio Inferior Palpação: ao longo da borda medial da escápula, próximo da raiz da espinha Posição: Decúbito ventral com ombro em 130 de abdução Movimento: Levanta o membro superior afastando-o da maca Resistência: Ângulo lateral da escápula, em direção para diante e para fora Estabilização: Tórax contralateral

57 TMM Músculos Rombóide Maior e Menor Palpação: colocar a mão na área lombar das costas e palpar debaixo e ao longo da borda medial da escápula Posição: Decúbito ventral com mão apoiada sobre a lombar Movimento: Levanta a mão afastando-a das costas Resistência: Borda vertebral da escápula, realizando abdução e rotação para cima Estabilização: Tórax contralateral

58 TMM Músculo Serrátil Anterior Palpação: Ao longo da linha média axilar adjacente ao ângulo inferior da escápula Posição: Decúbito dorsal com ombro fletido a 90 e cotovelo em flexão completa Movimento: Protrair a articulação do ombro Resistência: Aplicada ao cotovelo, empurrando a escápula para baixo em adução Estabilização: Tórax contralateral

59 TMM Músculo Peitoral Menor Palpação: Abaixo do processo coracóide da escápula, na direção da extremidade lateral da clavícula. Mão apoiada sobre a região lombar Posição: Decúbito dorsal com a mão sobre a região lombar Movimento: Inclinar a escápula para diante Resistência: Aplicada ao acrômio, empurrando na direção da ponta posterior da escápula Estabilização: Tórax contralateral

60 TMM Músculo Deltóide Anterior Palpação: Abaixo do terço lateral da clavícula. Contração vigorosa durante movimento de adução horizontal Posição: Sentado com ombro em rotação neutra ou interna e cotovelo em flexão Movimento: Flexionar o ombro em 90. Realizar adução horizontal do ombro em 90 Resistência: Aplicada acima do cotovelo, empurrando para baixo em extensão ou abdução horizontal Estabilização: Ombro contralateral

61 TMM Músculo Coracobraquial Palpação: Ombro flexionado a 90 Posição: Sentado com ombro em rotação lateral, cotovelo fletido e antebraço pronado Movimento: Flexionar o ombro em 90 Resistência: Aplicada na parte anterior e medial do braço, empurrando para extensão e abdução Estabilização: Ombro contralateral

62 TMM Músculo Grande Dorsal Palpação: Linha medioaxilar sobre o tronco Posição: Decúbito ventral, ombro fletido e rodado medialmente sobre a borda da mesa Movimento: Estender o ombro, permitindo a flexão do cotovelo Resistência: Aplicada na parte posterior do braço Estabilização: Tórax

63 TMM Músculo Redondo Maior Palpação: Lateralmente o ângulo inferior da escápula Posição: Decúbito ventral, ombro rodado medialmente e mão apoiada sobre a parte inferior das costas Movimento: Adução e extensão do ombro Resistência: Aplicada acima do cotovelo, empurrando o ombro em abdução Estabilização: Parte superior do tronco

64 TMM Músculo Supraespinhoso Palpação: Acima da espinha da escápula, com o ombro no plano da escápula Posição: Sentado, ombro na posição neutra e cotovelo fletido Movimento: Abdução do ombro em amplitude 30 Resistência: Aplicada acima do cotovelo, parte lateral do braço Estabilização: ombro contralateral

65 TMM Músculo Deltóide Médio Palpação: Lateralmente e abaixo do acrômio (Ombro em abdução, rotação lateral e cotovelo fletido) Posição: Sentado, ombro na posição neutra e cotovelo fletido Movimento: Abdução do ombro até 90 Resistência: Aplicada acima do cotovelo, parte lateral do braço Estabilização: ombro contralateral

66 TMM Músculo Deltóide Posterior Palpação: Lateralmente e abaixo à espinha da escápula (Ombro em abdução, rotação lateral e cotovelo fletido) Posição: Decúbito ventral com o ombro fletido sobre a borda da mesa e cotovelo relaxado Movimento: Abdução horizontal do ombro de 90 para 120 de abdução no plano transverso Resistência: Aplicada acima do cotovelo, parte posterior do braço Estabilização: Escápula homolateral

67 TMM Músculo Peitoral Maior Palpação: Abaixo da extremidade medial da clavícula Posição: Decúbito dorsal, com o ombro em rotação neutra e 90 de abdução com cotovelo fletido Movimento: Porção esternal Adução horizontal e extensão, movendo-se em direção ao ombro oposto na diagonal Porção clavicular: Adução horizontal com flexão Resistência: Parte ântero-medial do braço, imediatamente acima do cotovelo Estabilização: Ombro contralateral ou tronco ipsilateral

68 TMM Músculo Subescapular Palpação: Indivíduo inclinado para diante, concando os dedos sobre a superfície costal da escápula Posição: Decúbito ventral, com o ombro abduzido e cotovelo fletido Movimento: Rotação medial do ombro até 60 Resistência: Imediatamente acima do punho sobre a superfície anterior do antebraço Estabilização: Estabilizar úmero e tórax com sua mão e antebraço

69 TMM Músculo Infra-espinhal e Redondo Menor Palpação: Decúbito ventral, ombro abduzido e cotovelo fletido, palpar abaixo da espinha da escápula e ao longo da borda lateral da escápula Posição: Decúbito ventral, com o ombro abduzido e cotovelo fletido Movimento: Rotação lateral do ombro até 90 Resistência: Imediatamente acima do punho sobre a superfície extensora do antebraço Estabilização: Estabilizar úmero e tórax com sua mão e antebraço

70 AVALIAÇÃO FUNCIONAL

71 AVALIAÇÃO FUNCIONAL

72 AVALIAÇÃO FUNCIONAL

73 AVALIAÇÃO FUNCIONAL

74 TESTES CLÍNICOS ESPECIAIS

75 TESTES CLÍNICOS ESPECIAIS Teste de Yergason Avalia a estabilidade do tendão da porção longa do bíceps Realização do Teste Sinal Positivo: Dor à palpação

76 TESTES CLÍNICOS ESPECIAIS Teste do Manguito Rotador Detecta presença de rupturas na bainha rotatória Realização do teste Sinal positivo: queda brusca do braço ao lado do corpo

77 TESTES CLÍNICOS ESPECIAIS Teste de Apley Rotação medial com adução e rotação lateral com abdução

78 TESTES CLÍNICOS ESPECIAIS Teste de Ludington Suspeita de ruptura da porção longa do bíceps braquial

79 ALTERAÇÕES POSTURAIS

80 ALTERAÇÕES POSTURAIS Posição ideal das colunas cervical e torácica e do ombro estabilidade muscular da escápula Escoliose Protração do ombro abdução da escápula: ação predominante do serrátil anterior e peitoral maior sobre rombóides trapézio

81 ALTERAÇÕES POSTURAIS Elevação dos ombros trapézio e elevador da escápula = aumento da lordose cervical Escápulas aladas: Alamento dinâmico Lesão do nervo torácico longo Paralisia do trapézio Fraqueza dos rombóides Instabilidade Imobilização glenoumeral Alamento estático

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação ulnoumeral ou troclear:

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Introdução A cintura pélvica é composta pela articulação sacro-ilíaca, pela sínfise púbica e pela articulação coxo-femoral. Esta última corresponde à articulação

Leia mais

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares)

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares) SACRO CBES ANATOMIA Osso O sacro é formado por 5 vértebras fundidas. Os forâmens de conjugação se transformam em forâmens sacrais anteriores e posteriores. Sua face anterior é côncava e lisa Sua face posterior

Leia mais

ANATOMIA. ! O labrum é uma estrutura cartilaginosa que tem como função aumentar a concavidade de glenóide, criando maior estabilidade física da artic.

ANATOMIA. ! O labrum é uma estrutura cartilaginosa que tem como função aumentar a concavidade de glenóide, criando maior estabilidade física da artic. LUXAÇÃO GLENOUMERAL ANATOMIA! A artic. é considerada a mais instável do corpo humano,devido ao pequeno contato entre as superfícies: glenóide rasa e pequena e cabeça do úmero 3 x maior! O labrum é uma

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Disciplina: MFT-0377 Métodos de Avaliação Clínica e Funcional Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

AVALIAÇÃO DO QUADRIL

AVALIAÇÃO DO QUADRIL AVALIAÇÃO DO QUADRIL 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação sinovial esferóidea com 3 graus de liberdade; Posição de repouso: 30 de flexão, 30 de abdução, ligeira rotação lateral;

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax A Medicina Ortopédica de Cyriax Preocupa-se com o diagnóstico e tratamento de lesões de partes moles teciduais Tais afecções afetam grande parte dos pacientes

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

Classificação e diagnóstico das LER/DORT

Classificação e diagnóstico das LER/DORT Aula 06 Classificação e diagnóstico das LER/DORT 5 - CLASSIFICAÇÕES DOS GRAUS DE ACOMETIMENTO PELAS LER/DORT Grau I - É caracterizado pela sensação de peso e desconforto no membro afetado, dor localizada

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR VERTEBRAS LOMBARES 5 9 3 10 1 6 4 8 2 1- processo espinhoso 2- processo transverso 3- corpo 4- processo articular inferior 5- processo articular superior 6- incisura

Leia mais

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento 1 Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento Joyce Ribeiro Caetano 1 Orientador: Ademir Schmidt ** Resumo Trata-se de uma revisåo de literatura feita por um grupo de

Leia mais

19/09/2012. Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES RUZZON

19/09/2012. Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES RUZZON HISTÓRICO MÉTODO DOS ANÉIS DE BAD RAGAZ Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES RUZZON Criado na Alemanha pelo Dr. Knupfer. Conceitos de neurofisiologia do treinamento. Propriedades físicas da água. Cadeias simples

Leia mais

Roberlane de Souza Picanço Barbosa. Orientadora: Dayana Priscila Maia Mejia. roberlanebarbosa@hotmail.com

Roberlane de Souza Picanço Barbosa. Orientadora: Dayana Priscila Maia Mejia. roberlanebarbosa@hotmail.com 1 A Síndrome do ombro doloroso e as principais patologias que causam disfuncionalidades na cintura escapular e o impacto socioeconômico desses distúrbios. Roberlane de Souza Picanço Barbosa Orientadora:

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X.

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X. THIAGO MURILO EXERCÍCIOS PARA DEPOIS DO TÊNIS 1. Em Pé de costas para um canto de parede flexione a sua perna mais forte para frente, alinhe a coluna e leve os braços para trás até apoiar as palmas das

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Retropé: Articulação Tibiofibular

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 Impacto Tendão do Manguito Rotador Tipos de Acrômio e Artrose Acrômio- Clavicular Dor periarticular e impotência funcional a partir de 30º de abdução, sendo clássico, o arco

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada:

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada: AVALIAÇÃO DO OMBRO 1. Anatomia Aplicada: Articulação esternoclavicular: É uma articulação sinovial em forma de sela com 3 graus de liberdade; A artic. esternoclavicular e a acromioclavicular habilitam

Leia mais

3.2 A coluna vertebral

3.2 A coluna vertebral 73 3.2 A coluna vertebral De acordo com COUTO (1995), o corpo é dividido em cabeça, tronco e membros; unindo porção superior e a porção inferior do corpo temos o tronco, e no tronco, a única estrutura

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA Raul Oliveira 2º ano 2007-2008 músculos monoarticulares músculos multiarticulares Músculos bi-articulares 1 LINHA DE TRACÇÃO DO MÚSCULO

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

Anatomia - Coluna Cervical

Anatomia - Coluna Cervical Anatomia - Coluna Cervical C1 e C2 diferem das demais vértebras da coluna por particularidades anatômicas. Massas laterais. Dente do áxis. Coluna Cervical Alta Ligamento do ápice do dente Ligamento alar

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia da dor cervical. Eles foram compilados para

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO: 12 PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA QUESTÃO 41: Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO: a) É a inflamação da bainha dos tendões do abdutor longo e do extensor curto do

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta.

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Fábio Rodrigues de Souza Frederico Engel de Oliveira Minkos Guilherme Estevam Dantas João Marcello Paes Zanco Paulo Sérgio Santos de Souza 1 Bárbara Pereira de Souza

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

2. Biomecânica do ombro

2. Biomecânica do ombro 2. Biomecânica do ombro Devido ao elevado número de elementos anatómicos intervenientes na biomecânica do ombro, a sua análise torna-se bastante complexa. Como se sabe, a função da cintura escapular requer

Leia mais

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA NO ADULTO

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA NO ADULTO ROTEIRO DE AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA NO ADULTO N do Pront.: Nome: DN: / / Idade: Diagnóstico Clínico: Data da Aplicação: / / Avaliador (a): Supervisor Responsável: 1. SINAIS VITAIS PA: FR: FC: Sat. O2: 2.

Leia mais

EXAME CERVICAL FUNCIONAL

EXAME CERVICAL FUNCIONAL EXAME CERVICAL FUNCIONAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MORFOLOGIA DESORDENS DA A.T.M. E MÚSCULOS DA MASTIGAÇÃO DEPARTAMENTO DE ANATOMIA DESCRITIVA UNIFESP Módulo de maio de 2002 Prof. Dr. Ricardo L. Smith

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO GRANDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO GRANDE CADERNO DE PROVAS CARGO FISIOTERAPEUTA Conhecimentos Gerais Questão 01 Recentemente a França foi alvo de um sangrento atentado terrorista que feriu e matou mais de uma centena de pessoas. A autoria do

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

LESÃO DO OMBRO INTRODUÇÃO ANATOMIA DO OMBRO

LESÃO DO OMBRO INTRODUÇÃO ANATOMIA DO OMBRO Sergio da C. Neves Jr. Pós Graduado em Musculação e Treinamento de Força UGF (Brasília) Roberto Simão Mestre em Educação Física UGF Professor da graduação e Pós Graduação da UGF (Universidade Gama Filho)

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Incidência de Disfunção Sacroilíaca

Incidência de Disfunção Sacroilíaca Incidência de Disfunção Sacroilíaca ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 Introdução A pelve e em especial as articulações sacroilíacas sempre foram consideradas como tendo valor clínico

Leia mais

A SÍNDROME DO IMPACTO NO OMBRO 1

A SÍNDROME DO IMPACTO NO OMBRO 1 A SÍNDROME DO IMPACTO NO OMBRO 1 SOUZA, Ronivaldo Pereira de 1 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 2 ; BENETTI, Edson José 3 ; FIUZA, Tatiana de Sousa 4. Palavras-chave: Manguito rotator; dissecação BASE TEÓRICA

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos:

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas do cotovelo em adultos: l As fraturas correspondem 31.8% dos traumas em cotovelo no adulto; l Freqüência: cabeça do rádio 39,4%; luxação do cotovelo

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

Complexo. Diogo Barros de Moura Lima, MSc

Complexo. Diogo Barros de Moura Lima, MSc Complexo do Ombro Diogo Barros de Moura Lima, MSc Funções Atividades de vida diária e esportivas Posicionar mão no espaço necessita grande ADM Funções Atividades de vida diária e esportivas Transferir

Leia mais

OMBRO. Úmero Cabeça Colo Tubérculo maior Tubérculo menor Sulco intertubercular

OMBRO. Úmero Cabeça Colo Tubérculo maior Tubérculo menor Sulco intertubercular OMBRO Complexo articular (20 mm, 3 art, 3 art funcionais) Articulação proximal do MS Direciona a mão Aumenta o alcance Osteologia Úmero, escápula, clavícula, esterno, costelas Úmero Cabeça Colo Tubérculo

Leia mais

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias da coluna são realizadas para diagnosticar

Leia mais

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular Luxação da Articulação Acrômio Clavicular INTRODUÇÃO As Luxações do ombro são bem conhecidas especialmente durante a prática de alguns esportes. A maior incidencia de luxção do ombro são na verdade luxação

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10)

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10) AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO Versão 2 (15/12/10) Tradução Português/Brasil: Ana Paula Bensemann Gontijo, Priscilla R. Pereira Figueiredo, Juliana Starling, Marisa Cotta Mancini (UFMG-2015) Data

Leia mais

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE.

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE. OBJETIVOS: O aluno deverá ser capaz de identificar as principais doenças da coluna lombar assim como avaliação e prescrição de conduta fisioterápica pertinente. LER: O que é Hérnia de disco? A coluna vertebral

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Constituição do Esqueleto

Constituição do Esqueleto O ESQUELETO HUMANO Funções do Esqueleto O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular.

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker As distrofias musculares de Duchenne e de Becker as

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS

3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS 3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS RODAR OS JOELHOS À DIREITA E À ESQUERDA SENSAÇÃO NA EXECUÇÃO: alívio na articulação dos joelhos e tornozelos. INDICAÇÃO TERAPÊUTICA: dores nas articulações dos

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol A locomoção depende da ação conjunta e integrada dos ossos e dos músculos; Os seres humanos tem coluna vertebral, que é o eixo do nosso esqueleto interno; O esqueleto

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Fisioterapia Personalizada a Domicilio

Fisioterapia Personalizada a Domicilio Fisioterapia Personalizada a Domicilio O atendimento a domicilio da Fisio e Saúde Sul, privilegia o conforto e a saúde de seus pacientes, realizando atendimento que proporciona SAÚDE, BEM-ESTAR e MELHORA

Leia mais

SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA

SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: SEMIOLOGIA ESPECIALIZADA 29: 67-79, jan./mar. 1996 Capítulo VII SEMIOLOGIA ORTOPÉDICA ORTHOPEDIC SEMIOLOGY José B. Volpon Docente do Departamento de Cirurgia, Ortopedia

Leia mais

Análise Funcional da Musculatura

Análise Funcional da Musculatura 2 Noções gerais Análise Funcional da Musculatura Coordenação Intermuscular Agonista Principais Auxiliares Antagonista Fixador 3 Noções gerais 4 Relação Mono >< Bi-articular Tipos de Acção Muscular Dinâmica

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

É uma artic. de eixo uniaxial que possui um grau de liberdade; Posição de repouso: 10 de supinação; Posição de aproximação máxima: 5 de supinação.

É uma artic. de eixo uniaxial que possui um grau de liberdade; Posição de repouso: 10 de supinação; Posição de aproximação máxima: 5 de supinação. Avaliação Fisioterapêutica do Punho e da Mão Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Radioulnar Distal É

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Movimentos da coluna vertebral A coluna vertebral como um todo se apresenta como uma articulação que possui macromovimentação em seis graus de liberdade: flexão, extensão, láteroflexão esquerda,

Leia mais

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo Articulação sinovial do tipo gínglimo As extremidades inferiores da Tíbia e Fíbula formam um entalhe onde se ajusta a tróclea do Tálus, que tem forma de roldana. Tálus

Leia mais

3ª PARTE: Conhecimentos Específicos

3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 11. Sobre as consequências do encurtamento muscular, assinale a alternativa INCORRETA. A) Sobrecarga de algumas estruturas levando a desgaste articular, tendinoso ou

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

TÓPICOS EM CINESIOL CINESIO O L G O I G A CLÍNICA,

TÓPICOS EM CINESIOL CINESIO O L G O I G A CLÍNICA, TÓPICOS EM CINESIOLOGIA CLÍNICA, AVALIAÇÃO E BIOMECÂNICA DOS MMSS Movimento Humano Ação motora Atividade que propicia a independência e realização de tarefas (simples e complexas) Aprendizado Sinergismos

Leia mais