PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO:"

Transcrição

1 12 PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA QUESTÃO 41: Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO: a) É a inflamação da bainha dos tendões do abdutor longo e do extensor curto do polegar, no local próximo à tabaqueira anatômica. b) Pode ser considerada um tipo de tenossinovite. c) Atinge o nervo mediano, na altura do punho, ocasionando distúrbios sensitivos na porção palmar do 1 o, 2 o e 3 o dedos. d) Atividades que envolvem movimentos repetitivos de desvio ulnar ou radial, associados com emprego de força no polegar, podem desencadear essa patologia. QUESTÃO 42: A Síndrome do Canal de Guyon caracteriza-se por compressão do: a) nervo mediano no canal de Guyon do cotovelo. b) nervo ulnar ao passar pelo canal de Guyon no punho. c) nervo radial ao passar pelo canal de Guyon no punho. d) plexo braquial ao passar pelo canal de Guyon no ombro. QUESTÃO 43: É correto afirmar sobre a Síndrome do Impacto, EXCETO: a) Envolve a compressão do manguito rotator, tendão bicipital e bursa subacromial do ombro. b) Pode ser causada por atividades que envolvem a manutenção do ombro em postura de flexão e abdução acima de 90 o, durante longos períodos de tempo. c) A presença de esporões inferiores na articulação acrômio clavicular podem ser fator etiológico dessa síndrome. d) Uma de suas etiologias relaciona-se ao acometimento do nervo musculocutâneo, em sua passagem pela articulação acrômio clavicular.

2 13 QUESTÃO 44: Segundo Wisner (1987), sobre os EPI (equipamentos de proteção individual), é correto afirmar, EXCETO: a) São uma solução ruim, pois não suprimem os fatores prejudiciais ou desfavoráveis do ambiente de trabalho. b) Servem para suprimir os fatores prejudiciais do ambiente de trabalho. c) Seu uso pode ser perigoso em determinadas situações de trabalho. d) São a solução ideal para suprimir os fatores prejudiciais ou desfavoráveis das condições de trabalho. QUESTÃO 45: Conforme Wisner (1987), estão corretas as seguintes afirmações, EXCETO: a) A ergonomia de correção difere-se da ergonomia de mudança, porque o custo da segunda estará contabilizado no orçamento geral das organizações, assentando a intervenção em bases mais realistas. b) A ergonomia de concepção difere-se da ergonomia de mudança, porque as transformações ergonômicas da segunda são mais radicais que na primeira. c) A ergonomia de concepção difere-se da ergonomia de mudança, porque as transformações ergonômicas da primeira são menos realistas que a segunda. d) A implementação da ergonomia de concepção tem baixo custo e sua ação pode ser mais eficaz que as ergonomias de correção e de mudança. QUESTÃO 46: Assinale a afirmativa CORRETA. a) A epicondilite lateral acomete os tendões dos músculos extensores do punho, ao nível do cotovelo. b) A epicondilite medial acomete os tendões dos músculos extensores do punho, ao nível do cotovelo. c) A degeneração do ligamento ulnar e a síndrome do interósseo tentam explicar a epicondilite lateral. d) A epicondilite lateral acomete os tendões dos músculos extensores do punho, ao nível do punho.

3 14 QUESTÃO 47: Assinale a alternativa CORRETA com relação à Síndrome do Canal Cubital. a) É a compressão do nervo radial na altura do cotovelo, atrás do epicôndilo medial e entre as duas cabeças do flexor radial do carpo. b) É a compressão do nervo ulnar na altura do cotovelo, atrás do epicôndilo medial e entre as duas cabeças do flexor radial do carpo. c) É a compressão do nervo ulnar na altura do cotovelo, atrás do epicôndilo medial e entre as duas cabeças do flexor ulnar do carpo. d) É a compressão do nervo mediano na altura do cotovelo, atrás do epicôndilo medial e entre as duas cabeças do flexor mediano do carpo. QUESTÃO 48: Ao discutir a Organização Científica do Trabalho e a saúde do trabalhador, Lima et al (1998) afirmam, EXCETO: a) O estoque zero observado no modelo de produção enxuta elimina o ritmo forçado, que é observado no sistema taylorista de produção devido à inexistência de estoques tampões. b) O estoque zero observado no modelo de produção enxuta acelera o ritmo de trabalho, se comparado ao ritmo observado no sistema de produção taylorista, que se caracteriza, além de outros fatores, pela existência de estoques tampões. c) O estoque zero e a produção just-in-time são formas antiergonômicas de organização de trabalho precisamente porque eliminam as folgas entre os postos de trabalho e os estoques tampões. d) Os estoques tampões observados no sistema de produção taylorista servem para absorver os incidentes de produção e por isso exigem menos carga de trabalho que no sistema de produção enxuta. QUESTÃO 49: Conforme Lima et al (1998) podem ser considerados fatores determinantes dos LER/DORT, EXCETO: a) Fatores biomecânicos que envolvem posturas, força, compressão mecânica, repetitividade, habilidade. b) Fatores psicológicos, tais como, estresse, atitude negativa em relação à vida, desprazer dentro e fora do trabalho. c) Hábitos e atividades da vida extratrabalho: hobbies, dupla jornada da mulher, tabagismo, estado civil. d) Organização do trabalho: posto de trabalho desorganizado, presença de objetos que atrapalham a realização das atividades, inadequação da disposição dos objetos.

4 15 QUESTÃO 50: Conforme capítulo sobre análise ergonômica realizada em um restaurante universitário (Lima et al, 1998), os autores afirmam que a instituição de reuniões periódicas com os funcionários é importante porque, EXCETO: a) estabelece canais de comunicação e de discussão sobre os problemas detectados. b) permite maior transparência sobre a natureza dos conflitos, possibilitando uma mudança eficaz e definitiva da situação de trabalho. c) possibilita a tomada de consciência, por parte do trabalhadores, de seu papel nas mudanças das condições de trabalho. d) possibilita a tomada de consciência, por parte do trabalhadores, de sua responsabilidade na gestão da situação de trabalho. QUESTÃO 51: Conforme afirmam Cândido e Neves apud Lima et al (1998), o fato de a incidência de LER/DORT ser maior no gênero feminino justifica-se principalmente: a) devido a diferenças anatômica e fisiológica de homens e mulheres: os músculos das mulheres não possuem o mesmo potencial de desenvolvimento dos homens. b) devido a diferenças anatômica e fisiológica de homens e mulheres: a mulher possui menor número de fibras musculares e menos capacidade de armazenar e converter o glicogênio em energia útil. c) devido ao fato de as mulheres serem introduzidas em atividades industriais repetitivas, já que estas possuem mais habilidade que os homens. d) devido à posição secundária que as mulheres ocupam em casa e na fábrica, cuja exigência por produção tende a ser mais acelerada e menos remunerada.

5 16 QUESTÃO 52: Com relação à análise ergonômica do trabalho em situações complexas, Wisner (1987) determina como observações metodológicas necessárias, EXCETO: a) a sazonalidade das ocorrências com relação ao período de observação. b) operações e tarefas, que se relacionam, por exemplo, aos gestos de ação e aos passos seguidos pelo trabalhador na execução da atividade. c) locais onde se realiza o trabalho: deve-se enfatizar o posto de trabalho onde é realizada a tarefa, pois pode-se prejudicar a realização de atividades que não se relacionam com o posto estudado, caso os locais de circulação sejam modificados. d) variações semanais: é preciso estudar pelo menos um dia de pouco movimento e um dia de muito movimento. QUESTÃO 53: Ao comentar o emprego de Listas de Controle (ou check lists) para analisar condições de trabalho, Wisner (1987) afirma que tais listas, EXCETO: a) são a forma mais completa para se diagnosticarem os problemas presentes nas situações de trabalho. b) sofrem uma abordagem muito fracionada do posto de trabalho e não podem satisfazer os partidários da abordagem cognitiva. c) objetivam não omitir nenhum dos múltiplos aspectos da situação de trabalho. d) podem ser consideradas como protocolos de avaliação das condições de trabalho, de forma que auxiliam na análise das tarefas. QUESTÃO 54: Sobre a observação participante (Wisner, 1987), estão corretas as afirmações abaixo, EXCETO: a) É um tipo de técnica de análise ergonômica em que o pesquisador passa a trabalhar como operário, com o objetivo de compreender melhor a situação estudada. b) É um tipo de técnica de análise ergonômica em que o pesquisador passa a acompanhar o trabalhador em suas atividades para que o mesmo coopere com a pesquisa através de seus relatos. c) Podem ser úteis para se compreenderem as estratégias e a complexidade das relações sociais dentro do contexto de trabalho diagnosticado.

6 17 d) Podem colaborar com o entendimento do vocabulário utilizado na situação de trabalho estudada, como forma de melhorar a qualidade das descrições das tarefas. QUESTÃO 55: Sobre a imagem operatória (Wisner, 1987), estão corretas as afirmações abaixo, EXCETO: a) É a imagem funcional que cada trabalhador tem do dispositivo sobre o qual trabalha. b) É a imagem funcional que o ergonomista deve ter do dispositivo sobre o qual o operador trabalha. c) Deve ser comparada com o diagrama prescrito pelo escritório de métodos, para identificar fatores inconvenientes presentes no trabalho. d) É importante ser reconhecida para que se possa entender, por exemplo, a ocorrência de incidentes na situação de trabalho. QUESTÃO 56: No que se refere à sobrecarga cognitiva de trabalho (Wisner, 1987), os fatores característicos principais são tarefas que envolvem: a) grande esforço de aprendizado. b) concentração. c) trabalho em postos automatizados. d) tomada de decisão. QUESTÃO 57: A cervicobraquialgia caracteriza-se pelas características citadas abaixo, EXCETO: a) É consequência de um processo de compressão das raízes nervosas na emergência do forame de conjugação, traduzindo inflamação ou irritação de uma ou mais raízes do plexo braquial ao nível de C5, C6, C7, e mesmo C8. b) Pode apresentar causas mecânico-degenerativas, tais, como a protusão do disco intervertebral ou a degeneração dos ligamentos amarelo e longitudinal posterior. c) É conseqüência de um processo de compressão das raízes nervosas na emergência do forame de conjugação, traduzindo inflamação ou irritação de uma ou mais raízes do plexo braquial ao nível de C1, C2, C3, e mesmo C4.

7 18 d) Também conhecida como neuralgia cervicobraquial, síndrome radicular de compressão cervical, radiculalgia cervicobraquial. QUESTÃO 58: No diagnóstico da síndrome do supinador, os sintomas da patologia podem ser desencadeados pelos movimentos citados abaixo, EXCETO: a) Cotovelo fletido, antebraço pronado, punho totalmente fletido. b) Cotovelo fletido a 90 o, antebraço pronado, punho totalmente fletido. c) Cotovelo e punho estendidos, exercendo extensão contra resistência do dedo médio. d) Cotovelo e punho fletidos, exercendo flexão contra resistida do dedo médio. QUESTÃO 59: Estão corretas as alternativas sobre a Síndrome do Desfiladeiro Torácico, EXCETO: a) Apresenta sinais e sintomas complexos causados pela compressão do plexo braquial, artéria subclávia e veia subclávia. b) Os pacientes apresentam sintomas de queimação nas extremidades. c) Os pacientes podem apresentar fraqueza nos músculos do manguito rotator, bíceps e tríceps. d) Pacientes apresentam parestesia, dormência e dor ao longo da distribuição do nervo ulnar, inclusive afetando 4 o e 5 o dedos, quando feita uma compressão baixa (C8-T1). QUESTÃO 60: As afirmativas abaixo estão corretas, EXCETO: a) O teste de Phalen tem a finalidade de avaliar a compressão do nervo mediano na altura do punho e serve como auxiliar na identificação da Síndrome do Túnel Carpal. b) O teste de Jobe avalia especificamente o músculo supra-espinhoso, porém um sinal falso pode surgir na presença de dor à realização do movimento. c) O teste de Finkelstein é utilizado para identificar a Síndrome do Túnel Carpal, já que tem a finalidade de avaliar a compressão de nervo mediano na altura do punho. d) O teste de Neer é utilizado como complemento para avaliar a existência da síndrome do impacto.

8 19 ATENÇÃO COM SUA ESCRITA HABITUAL, TRANSCREVA, PARA O ESPAÇO RESERVADO PELA COMISSÃO, NA FOLHA DE RESPOSTA, A SEGUINTE FRASE: O curso pretende ampliar a formação teórica no que se refere à problemática ambiental.

Classificação e diagnóstico das LER/DORT

Classificação e diagnóstico das LER/DORT Aula 06 Classificação e diagnóstico das LER/DORT 5 - CLASSIFICAÇÕES DOS GRAUS DE ACOMETIMENTO PELAS LER/DORT Grau I - É caracterizado pela sensação de peso e desconforto no membro afetado, dor localizada

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado 1 Consiste em uma articulação do ombro com dor e rigidez que não pode ser explicada por nenhuma alteração estrutural. Obs: Embora seja comum o uso destes termos nas aderências pós traumáticas do ombro,

Leia mais

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort)

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) LER/DORT Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) Introdução: O que é LER/Dort? São danos decorrentes da utilização excessiva imposta ao sistema

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação ulnoumeral ou troclear:

Leia mais

Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF. 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares

Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF. 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares Programa Afecções tendíneas Afecções neurais compressivas Afecções ligamentares Afecções musculares

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 Impacto Tendão do Manguito Rotador Tipos de Acrômio e Artrose Acrômio- Clavicular Dor periarticular e impotência funcional a partir de 30º de abdução, sendo clássico, o arco

Leia mais

Complexo do cotovelo. Diogo Barros de Moura Lima

Complexo do cotovelo. Diogo Barros de Moura Lima Complexo do cotovelo Diogo Barros de Moura Lima Anatomia Complexo do cotovelo Articulação umeroulnar Cotovelo Articulação umerorradial Articulação radiulnar proximal (pronação/supinação) flexão/extensão

Leia mais

Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária

Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 1 ; Fernando Salomé JORGE 1 ; Wemerton Luís EVANGELISTA 2 1 Estudante de Engenharia

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO GRANDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO GRANDE CADERNO DE PROVAS CARGO FISIOTERAPEUTA Conhecimentos Gerais Questão 01 Recentemente a França foi alvo de um sangrento atentado terrorista que feriu e matou mais de uma centena de pessoas. A autoria do

Leia mais

Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas

Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação Elaboração Final: 23 de

Leia mais

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA 1 MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO REGIÃO ANTERIOR (flexores do punho e dos dedos e pronadores) GRUPO SUPERFICIAL MÚSCULO PRONADOR REDONDO cabeça umeral: epicôndilo medial do úmero cabeça

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna 12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos, G1P1A0, hígida, está no terceiro mês pós-parto vaginal sob analgesia peridural, que transcorreu sem intercorrências.

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

ORTOPEDIA.

ORTOPEDIA. ORTOPEDIA CONDIÇÕES SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO Compressão do nervo mediano no canal voltar do carpo. É a mais comum das neuropatias compressivas periféricas do membro superior. Acomete principalmente mulheres,

Leia mais

Disciplina de Saúde do Trabalho

Disciplina de Saúde do Trabalho Disciplina de Saúde do Trabalho Dra Angelica dos Santos Vianna 30 setembro e 01 outubro 2010 LER/DORT Lesões por esforços repetitivos Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho podem envolver

Leia mais

Patologias da coluna vertebral

Patologias da coluna vertebral Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias da coluna vertebral Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Escoliose idiopática Dorso curvo Cervicobraquialgia Lombalgia e lombociatalgia

Leia mais

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos:

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas do cotovelo em adultos: l As fraturas correspondem 31.8% dos traumas em cotovelo no adulto; l Freqüência: cabeça do rádio 39,4%; luxação do cotovelo

Leia mais

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0)

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0) EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0), Médico(a) (especialidade, ex: Médico do Trabalho), inscrito(a) no Conselho Regional de Medicina nº

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

Protocolo para Detecção de Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT)

Protocolo para Detecção de Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) Protocolo para Detecção de Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) I. IDENTIFICAÇÃO Nome Idade Sexo M F Estado civil C S V D Idade dos filhos Data da avaliação Dominância Dir Esq Ambidextro

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL II

ENSINO FUNDAMENTAL II ENSINO FUNDAMENTAL II Valor: 2,0 Nota: Data: / /2015 Professor: Vagner Disciplina: ciências Nome: n o : Ano: 8º 3º bimestre ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO (CIÊNCIAS) Faça uma pesquisa com o seguinte tema: Patologias

Leia mais

Curso de Ginástica Laboral. Ft. Milena Carrijo Dutra

Curso de Ginástica Laboral. Ft. Milena Carrijo Dutra Curso de Ginástica Laboral Ft. Milena Carrijo Dutra I. Introdução Objetivos Curso de capacitação Aprofundar Conhecimentos Networking Conhecer Profissionais capacitados para futura efetivação Definições

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 A coluna vertebral, assim como qualquer articulação, apresenta movimentos que possuem tanto grande como pequena amplitude articular. Estes recebem o nome de Macromovimentos e Micromovimentos,

Leia mais

2015.2 ERGONOMIA MÓDULO IV

2015.2 ERGONOMIA MÓDULO IV 2015.2 ERGONOMIA MÓDULO IV FICHA TÉCNICA DIREÇÃO DO INSTITUTO FORMAÇÃO Chiara Moura Claudio Borges SECRETARIA ACADÊMICA Adriana Novais Daniela Luz COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO NUPE (NÚCLEO DE PROJETOS E EXTENSÃO)

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO OS BENEFÍCIOS DA ERGONOMIA E GINÁSTICA LABORAL LIGADA A PROFISSÃO

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo

Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo São Paulo, xx de xxxxx de xxxx Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo Na qualidade de assistente técnico da empresa reclamada apresento, respeitosamente, a Vossa Excelência: ANÁLISE DE LAUDO

Leia mais

3ª PARTE: Conhecimentos Específicos

3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 11. Sobre as consequências do encurtamento muscular, assinale a alternativa INCORRETA. A) Sobrecarga de algumas estruturas levando a desgaste articular, tendinoso ou

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da Dados Pessoais: Nome: M. Idade: 29 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Técnica de comunicação Diagnóstico Médico: Síndrome de Kienbock História Clínica: 2009-1 mês após uma mudança de

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

Distúrbios musculoesqueléticos em profissionais de Odontologia

Distúrbios musculoesqueléticos em profissionais de Odontologia 1 Distúrbios musculoesqueléticos em profissionais de Odontologia Geycilane Paiva Pereira geycizinha-. -@hotmail.com Dayana Mejia Pós- graduação em Biocursos Faculdade Ávila Resumo Com as modernidades na

Leia mais

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Revisão da neurofisiologia da dor, Revisão da fisiopatologia

Leia mais

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Medicina e segurança no trabalho Filmes Vídeo humorístico sobre segurança no trabalho. Duração: 3 20 Filmes Sequência de vídeos de acidente de trabalho. Duração:

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT):

Leia mais

Programa Corporativo Fitness Timbu

Programa Corporativo Fitness Timbu Programa Corporativo Fitness Timbu O que é? Series de exercícios físicos que utilizam movimentos naturais do ser humano, como pular, correr, puxar, agachar, girar e empurrar. O praticante ganha força,

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Antebraço, Fossa Cubital e Mão Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Departamento de Ciências Morfológicas Curso de Fisioterapia DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax A Medicina Ortopédica de Cyriax Preocupa-se com o diagnóstico e tratamento de lesões de partes moles teciduais Tais afecções afetam grande parte dos pacientes

Leia mais

EQUAÇÃO DO NIOSH PARA LEVANTAMENTO MANUAL DE CARGAS

EQUAÇÃO DO NIOSH PARA LEVANTAMENTO MANUAL DE CARGAS EQUAÇÃO DO NIOSH PARA LEVANTAMENTO MANUAL DE CARGAS Introdução Desenvolvida em 1981 pelo National Institute for Occupational Safety and Health NIOSH; Objetivo: Criar uma ferramenta para poder identificar

Leia mais

5. Conceituação da L.E.R../D.O.R.T.

5. Conceituação da L.E.R../D.O.R.T. Programa de Prevenção e Acompanhamento de L.E.R./D.O.R.T. 1. Objetivo Informar e orientar a estrutura hierárquica (chefias, gerências, diretorias) e os empregados dos bancos para a identificação dos fatores

Leia mais

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C.

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C. Ergonomia Posto de trabalho Menor unidade produtiva Aplicação da antropometria no design do local de trabalho Homem e seu local de trabalho Fábrica / escritório > conjunto de postos Análise do posto Enfoque

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 41 Conforme o Artigo 193, da Lei 6.514, são consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

DADOS MAIS RELEVANTES OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DA GINÁSTICA LABORAL NAS EMPRESAS LIDER TRATORES, BANCO SICREDI E JE MÍDIA VISUAL

DADOS MAIS RELEVANTES OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DA GINÁSTICA LABORAL NAS EMPRESAS LIDER TRATORES, BANCO SICREDI E JE MÍDIA VISUAL RELATÓRIO PARCIAL DA APLICAÇÃO DA GINÁSTICA LABORAL EM ALGUMAS EMPRESAS DE CACHOEIRA DO SUL, COM ALGUNS RESULTADOS OBTIDOS INDIVIDUALMENTE MAS AINDA NÃO CONCLUSIVOS. Estas primeiras partes do relatório

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO Mário Yoshihide Kuwae 1, Ricardo Pereira da Silva 2 INTRODUÇÃO O antebraço e cotovelo apresentam características distintas quanto a cobertura cutânea, nas lesões

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO N ú m e r o P-26 PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE DE GÊNERO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE DE GÊNERO FUNBIO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Unidade Responsável:

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO

IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO Maria Cecilia Rezek Juliano 1 Silvia Renata Rezek Juliano 1 Maria Clara

Leia mais

www.institutodetratamentodador.com.br ANATOMIA EXAME E MANOBRAS INSPEÇÃO MOVIMENTOS AMPLITUDE PASSIVA MOVIMENTOS ACESSÓRIOS INSPEÇÃO Deformidades: Valgo, Varo, Flexão, Hiperextensão Edema: Sinovite, Bursite,

Leia mais

ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO. Prof. Cristiano Diniz da Silva

ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO. Prof. Cristiano Diniz da Silva ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Prof. Cristiano Diniz da Silva O que é ergonomia? #ergonometria #ergologia Conceitos de ergonomia Conceito

Leia mais

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M.

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Nome: n.º Barueri, / / 2009 1ª Postagem Disciplina: Educação Física 3ª série E.M ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Orientações para desenvolvimento da atividade: Esse será um texto a ser utilizado no

Leia mais

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05 Para: Contacto na DGS: Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

3. Revisão da fisiologia referente aos métodos de kinesiology taping

3. Revisão da fisiologia referente aos métodos de kinesiology taping Whole Body Kinesiology TherapeuticTaping / Curso de Técnicas de Aplicação de Bandas Neuromusculares: Básico / Intermédio Descrição do Curso Este seminário apresentará o método Kinesiology Therapeutic Taping

Leia mais

ASPECTOS ALGÉBRICOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

ASPECTOS ALGÉBRICOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ASPECTOS ALGÉBRICOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Antonio Euclides da Rocha Vieira CPD/IBICT RESUMO O uso da criptografia na segurança e privacidade da informação vem gradativamente assumindo papel de relevância

Leia mais

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de revenção do câncer

Leia mais

Objetivo O trabalho tem objetivo de demonstrar a importância do uso de órteses em pacientes com hanseníase que possui um comprometimento neural.

Objetivo O trabalho tem objetivo de demonstrar a importância do uso de órteses em pacientes com hanseníase que possui um comprometimento neural. A UTILIZAÇÃO DE ÓRTESES EM PACIENTES COM HANSENIASE Cléocione Araújo de Moraes-cleo_moraes9@hotmail.com Natália Santos Raymundo-nathisan@bol.com.br Pedro Paulo Todareli-soupepo@hotmail.com.br Paula Sandes

Leia mais

Plano de Continuidade de Negócios

Plano de Continuidade de Negócios Plano de Continuidade de Negócios Objetivo Contingenciar situações e incidentes de segurança que não puderam ser evitados. Deve ser eficaz como um pára-quedas reserva o é em um momento de falha do principal,

Leia mais

Saúde é um dos direitos fundamentais do ser humano. Muito mais do que a ausência de doenças, ela pode ser definida como qualidade de vida.

Saúde é um dos direitos fundamentais do ser humano. Muito mais do que a ausência de doenças, ela pode ser definida como qualidade de vida. AULA 1 INTRODUÇÃO E O que é SAÚDE? Saúde é o que toda a pessoa tem quando está com todo o organismo saudável e se sentindo completamente bem em relação a doenças ou a qualquer indisposição física. Saúde

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

Uso de suplementos nutricionais por idosos praticantes de atividades físicas em Bambuí e Uberaba.

Uso de suplementos nutricionais por idosos praticantes de atividades físicas em Bambuí e Uberaba. Uso de suplementos nutricionais por idosos praticantes de atividades físicas em Bambuí e Uberaba. Felipe Machado TROMBETE¹*; Emerson Divino PEREIRA¹; Richelly Cruz SILVA¹; Marcos Rogério Vieira CARDOSO

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

A PSICOMOTRICIDADE E A FISIOTERAPIA PREVENTIVA PROMOVENDO SAÚDE AS OPERADORAS DE TELEMAR- KETING

A PSICOMOTRICIDADE E A FISIOTERAPIA PREVENTIVA PROMOVENDO SAÚDE AS OPERADORAS DE TELEMAR- KETING UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE PSICOMOTRICIDADE 1 A PSICOMOTRICIDADE E A FISIOTERAPIA PREVENTIVA PROMOVENDO SAÚDE AS OPERADORAS DE TELEMAR- KETING Por: Thereza

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

2- Objetivo 3- Método 4- Resultados 5-Conclusões

2- Objetivo 3- Método 4- Resultados 5-Conclusões AUTISMO E INCLUSÃO: LEVANTAMENTO DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELO PROFESSOR DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO EM SUA PRÁTICA COM CRIANÇAS COM AUTISMO Angelo Antonio Puzipe PAPIM Universidade Estadual

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 28. São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 28. São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 28 QUESTÃO 26 São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO: a) Ênfase nas campanhas sanitárias. b) Fortalecimento do setor de saúde

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

O que Realmente Funciona

O que Realmente Funciona Prisão de Ventre O mal conhecido como intestino preguiçoso, obstipação ou prisão de ventre atinge cerca de um em cada cinco pessoas. O tratamento é bastante simples, mas, na falta dele, a prisão de ventre

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO. Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional.

A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO. Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional. A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO 1 Elizandra Fernandes 2 Jocemara de Souza Fermino 3 Maria Zilar Scarmagnani Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional.

Leia mais

Dor no Ombro. Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Dr. Marcello Castiglia

Dor no Ombro. Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Dr. Marcello Castiglia Dor no Ombro Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O que a maioria das pessoas chama de ombro é na verdade um conjunto de articulações que, combinadas aos tendões e músculos

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO INSS/DSS Nº 606, DE 5 AGOSTO DE 1998

ORDEM DE SERVIÇO INSS/DSS Nº 606, DE 5 AGOSTO DE 1998 ORDEM DE SERVIÇO INSS/DSS Nº 606, DE 5 AGOSTO DE 1998 ASSUNTO: Aprova Norma Técnica sobre Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho - DORT. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei nº 8.213, de 24 de julho de

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2013 A definição de uma Política de Segurança e Saúde transversal a todas as empresas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A IMPORTÂNCIA DA GINÁSTICA LABORAL E QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Por: Lenira de Almeida L.P.Morais Orientadora Profª Fabiane

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Prof a Lillian Alvares. Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília. Gestão da Informação

Prof a Lillian Alvares. Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília. Gestão da Informação Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Gestão da Informação Conceito Apesar de numerosas discussões acerca do significado, conteúdo e uso da Gestão da Informação......

Leia mais

CIRCULAÇÃO-SEXO Meridiano do PERICÁRDIO (MP) ou Mestre do Coração (MC) Estação: Verão Horário: 19 às 21 h Elemento: Fogo Yin CARACTERÍTICAS GERAIS Também conhecido como Mestre do Coração (MC), possui 9

Leia mais

CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004

CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004 1 CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004 1- Você sente atualmente algum desconforto nos membros superiores ou coluna relacionado ao

Leia mais

4 Experimentos Computacionais

4 Experimentos Computacionais 33 4 Experimentos Computacionais O programa desenvolvido neste trabalho foi todo implementado na linguagem de programação C/C++. Dentre as bibliotecas utilizadas, destacamos: o OpenCV [23], para processamento

Leia mais

Antrofi promestrieno. Eurofarma Laboratórios S.A. Creme vaginal 10 mg/g

Antrofi promestrieno. Eurofarma Laboratórios S.A. Creme vaginal 10 mg/g Antrofi promestrieno Eurofarma Laboratórios S.A. Creme vaginal 10 mg/g Antrofi promestrieno CREME VAGINAL FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES APRESENTAÇÕES Bisnaga com 30 g de creme vaginal acompanhada

Leia mais