PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO:"

Transcrição

1 12 PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA QUESTÃO 41: Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO: a) É a inflamação da bainha dos tendões do abdutor longo e do extensor curto do polegar, no local próximo à tabaqueira anatômica. b) Pode ser considerada um tipo de tenossinovite. c) Atinge o nervo mediano, na altura do punho, ocasionando distúrbios sensitivos na porção palmar do 1 o, 2 o e 3 o dedos. d) Atividades que envolvem movimentos repetitivos de desvio ulnar ou radial, associados com emprego de força no polegar, podem desencadear essa patologia. QUESTÃO 42: A Síndrome do Canal de Guyon caracteriza-se por compressão do: a) nervo mediano no canal de Guyon do cotovelo. b) nervo ulnar ao passar pelo canal de Guyon no punho. c) nervo radial ao passar pelo canal de Guyon no punho. d) plexo braquial ao passar pelo canal de Guyon no ombro. QUESTÃO 43: É correto afirmar sobre a Síndrome do Impacto, EXCETO: a) Envolve a compressão do manguito rotator, tendão bicipital e bursa subacromial do ombro. b) Pode ser causada por atividades que envolvem a manutenção do ombro em postura de flexão e abdução acima de 90 o, durante longos períodos de tempo. c) A presença de esporões inferiores na articulação acrômio clavicular podem ser fator etiológico dessa síndrome. d) Uma de suas etiologias relaciona-se ao acometimento do nervo musculocutâneo, em sua passagem pela articulação acrômio clavicular.

2 13 QUESTÃO 44: Segundo Wisner (1987), sobre os EPI (equipamentos de proteção individual), é correto afirmar, EXCETO: a) São uma solução ruim, pois não suprimem os fatores prejudiciais ou desfavoráveis do ambiente de trabalho. b) Servem para suprimir os fatores prejudiciais do ambiente de trabalho. c) Seu uso pode ser perigoso em determinadas situações de trabalho. d) São a solução ideal para suprimir os fatores prejudiciais ou desfavoráveis das condições de trabalho. QUESTÃO 45: Conforme Wisner (1987), estão corretas as seguintes afirmações, EXCETO: a) A ergonomia de correção difere-se da ergonomia de mudança, porque o custo da segunda estará contabilizado no orçamento geral das organizações, assentando a intervenção em bases mais realistas. b) A ergonomia de concepção difere-se da ergonomia de mudança, porque as transformações ergonômicas da segunda são mais radicais que na primeira. c) A ergonomia de concepção difere-se da ergonomia de mudança, porque as transformações ergonômicas da primeira são menos realistas que a segunda. d) A implementação da ergonomia de concepção tem baixo custo e sua ação pode ser mais eficaz que as ergonomias de correção e de mudança. QUESTÃO 46: Assinale a afirmativa CORRETA. a) A epicondilite lateral acomete os tendões dos músculos extensores do punho, ao nível do cotovelo. b) A epicondilite medial acomete os tendões dos músculos extensores do punho, ao nível do cotovelo. c) A degeneração do ligamento ulnar e a síndrome do interósseo tentam explicar a epicondilite lateral. d) A epicondilite lateral acomete os tendões dos músculos extensores do punho, ao nível do punho.

3 14 QUESTÃO 47: Assinale a alternativa CORRETA com relação à Síndrome do Canal Cubital. a) É a compressão do nervo radial na altura do cotovelo, atrás do epicôndilo medial e entre as duas cabeças do flexor radial do carpo. b) É a compressão do nervo ulnar na altura do cotovelo, atrás do epicôndilo medial e entre as duas cabeças do flexor radial do carpo. c) É a compressão do nervo ulnar na altura do cotovelo, atrás do epicôndilo medial e entre as duas cabeças do flexor ulnar do carpo. d) É a compressão do nervo mediano na altura do cotovelo, atrás do epicôndilo medial e entre as duas cabeças do flexor mediano do carpo. QUESTÃO 48: Ao discutir a Organização Científica do Trabalho e a saúde do trabalhador, Lima et al (1998) afirmam, EXCETO: a) O estoque zero observado no modelo de produção enxuta elimina o ritmo forçado, que é observado no sistema taylorista de produção devido à inexistência de estoques tampões. b) O estoque zero observado no modelo de produção enxuta acelera o ritmo de trabalho, se comparado ao ritmo observado no sistema de produção taylorista, que se caracteriza, além de outros fatores, pela existência de estoques tampões. c) O estoque zero e a produção just-in-time são formas antiergonômicas de organização de trabalho precisamente porque eliminam as folgas entre os postos de trabalho e os estoques tampões. d) Os estoques tampões observados no sistema de produção taylorista servem para absorver os incidentes de produção e por isso exigem menos carga de trabalho que no sistema de produção enxuta. QUESTÃO 49: Conforme Lima et al (1998) podem ser considerados fatores determinantes dos LER/DORT, EXCETO: a) Fatores biomecânicos que envolvem posturas, força, compressão mecânica, repetitividade, habilidade. b) Fatores psicológicos, tais como, estresse, atitude negativa em relação à vida, desprazer dentro e fora do trabalho. c) Hábitos e atividades da vida extratrabalho: hobbies, dupla jornada da mulher, tabagismo, estado civil. d) Organização do trabalho: posto de trabalho desorganizado, presença de objetos que atrapalham a realização das atividades, inadequação da disposição dos objetos.

4 15 QUESTÃO 50: Conforme capítulo sobre análise ergonômica realizada em um restaurante universitário (Lima et al, 1998), os autores afirmam que a instituição de reuniões periódicas com os funcionários é importante porque, EXCETO: a) estabelece canais de comunicação e de discussão sobre os problemas detectados. b) permite maior transparência sobre a natureza dos conflitos, possibilitando uma mudança eficaz e definitiva da situação de trabalho. c) possibilita a tomada de consciência, por parte do trabalhadores, de seu papel nas mudanças das condições de trabalho. d) possibilita a tomada de consciência, por parte do trabalhadores, de sua responsabilidade na gestão da situação de trabalho. QUESTÃO 51: Conforme afirmam Cândido e Neves apud Lima et al (1998), o fato de a incidência de LER/DORT ser maior no gênero feminino justifica-se principalmente: a) devido a diferenças anatômica e fisiológica de homens e mulheres: os músculos das mulheres não possuem o mesmo potencial de desenvolvimento dos homens. b) devido a diferenças anatômica e fisiológica de homens e mulheres: a mulher possui menor número de fibras musculares e menos capacidade de armazenar e converter o glicogênio em energia útil. c) devido ao fato de as mulheres serem introduzidas em atividades industriais repetitivas, já que estas possuem mais habilidade que os homens. d) devido à posição secundária que as mulheres ocupam em casa e na fábrica, cuja exigência por produção tende a ser mais acelerada e menos remunerada.

5 16 QUESTÃO 52: Com relação à análise ergonômica do trabalho em situações complexas, Wisner (1987) determina como observações metodológicas necessárias, EXCETO: a) a sazonalidade das ocorrências com relação ao período de observação. b) operações e tarefas, que se relacionam, por exemplo, aos gestos de ação e aos passos seguidos pelo trabalhador na execução da atividade. c) locais onde se realiza o trabalho: deve-se enfatizar o posto de trabalho onde é realizada a tarefa, pois pode-se prejudicar a realização de atividades que não se relacionam com o posto estudado, caso os locais de circulação sejam modificados. d) variações semanais: é preciso estudar pelo menos um dia de pouco movimento e um dia de muito movimento. QUESTÃO 53: Ao comentar o emprego de Listas de Controle (ou check lists) para analisar condições de trabalho, Wisner (1987) afirma que tais listas, EXCETO: a) são a forma mais completa para se diagnosticarem os problemas presentes nas situações de trabalho. b) sofrem uma abordagem muito fracionada do posto de trabalho e não podem satisfazer os partidários da abordagem cognitiva. c) objetivam não omitir nenhum dos múltiplos aspectos da situação de trabalho. d) podem ser consideradas como protocolos de avaliação das condições de trabalho, de forma que auxiliam na análise das tarefas. QUESTÃO 54: Sobre a observação participante (Wisner, 1987), estão corretas as afirmações abaixo, EXCETO: a) É um tipo de técnica de análise ergonômica em que o pesquisador passa a trabalhar como operário, com o objetivo de compreender melhor a situação estudada. b) É um tipo de técnica de análise ergonômica em que o pesquisador passa a acompanhar o trabalhador em suas atividades para que o mesmo coopere com a pesquisa através de seus relatos. c) Podem ser úteis para se compreenderem as estratégias e a complexidade das relações sociais dentro do contexto de trabalho diagnosticado.

6 17 d) Podem colaborar com o entendimento do vocabulário utilizado na situação de trabalho estudada, como forma de melhorar a qualidade das descrições das tarefas. QUESTÃO 55: Sobre a imagem operatória (Wisner, 1987), estão corretas as afirmações abaixo, EXCETO: a) É a imagem funcional que cada trabalhador tem do dispositivo sobre o qual trabalha. b) É a imagem funcional que o ergonomista deve ter do dispositivo sobre o qual o operador trabalha. c) Deve ser comparada com o diagrama prescrito pelo escritório de métodos, para identificar fatores inconvenientes presentes no trabalho. d) É importante ser reconhecida para que se possa entender, por exemplo, a ocorrência de incidentes na situação de trabalho. QUESTÃO 56: No que se refere à sobrecarga cognitiva de trabalho (Wisner, 1987), os fatores característicos principais são tarefas que envolvem: a) grande esforço de aprendizado. b) concentração. c) trabalho em postos automatizados. d) tomada de decisão. QUESTÃO 57: A cervicobraquialgia caracteriza-se pelas características citadas abaixo, EXCETO: a) É consequência de um processo de compressão das raízes nervosas na emergência do forame de conjugação, traduzindo inflamação ou irritação de uma ou mais raízes do plexo braquial ao nível de C5, C6, C7, e mesmo C8. b) Pode apresentar causas mecânico-degenerativas, tais, como a protusão do disco intervertebral ou a degeneração dos ligamentos amarelo e longitudinal posterior. c) É conseqüência de um processo de compressão das raízes nervosas na emergência do forame de conjugação, traduzindo inflamação ou irritação de uma ou mais raízes do plexo braquial ao nível de C1, C2, C3, e mesmo C4.

7 18 d) Também conhecida como neuralgia cervicobraquial, síndrome radicular de compressão cervical, radiculalgia cervicobraquial. QUESTÃO 58: No diagnóstico da síndrome do supinador, os sintomas da patologia podem ser desencadeados pelos movimentos citados abaixo, EXCETO: a) Cotovelo fletido, antebraço pronado, punho totalmente fletido. b) Cotovelo fletido a 90 o, antebraço pronado, punho totalmente fletido. c) Cotovelo e punho estendidos, exercendo extensão contra resistência do dedo médio. d) Cotovelo e punho fletidos, exercendo flexão contra resistida do dedo médio. QUESTÃO 59: Estão corretas as alternativas sobre a Síndrome do Desfiladeiro Torácico, EXCETO: a) Apresenta sinais e sintomas complexos causados pela compressão do plexo braquial, artéria subclávia e veia subclávia. b) Os pacientes apresentam sintomas de queimação nas extremidades. c) Os pacientes podem apresentar fraqueza nos músculos do manguito rotator, bíceps e tríceps. d) Pacientes apresentam parestesia, dormência e dor ao longo da distribuição do nervo ulnar, inclusive afetando 4 o e 5 o dedos, quando feita uma compressão baixa (C8-T1). QUESTÃO 60: As afirmativas abaixo estão corretas, EXCETO: a) O teste de Phalen tem a finalidade de avaliar a compressão do nervo mediano na altura do punho e serve como auxiliar na identificação da Síndrome do Túnel Carpal. b) O teste de Jobe avalia especificamente o músculo supra-espinhoso, porém um sinal falso pode surgir na presença de dor à realização do movimento. c) O teste de Finkelstein é utilizado para identificar a Síndrome do Túnel Carpal, já que tem a finalidade de avaliar a compressão de nervo mediano na altura do punho. d) O teste de Neer é utilizado como complemento para avaliar a existência da síndrome do impacto.

8 19 ATENÇÃO COM SUA ESCRITA HABITUAL, TRANSCREVA, PARA O ESPAÇO RESERVADO PELA COMISSÃO, NA FOLHA DE RESPOSTA, A SEGUINTE FRASE: O curso pretende ampliar a formação teórica no que se refere à problemática ambiental.

Classificação e diagnóstico das LER/DORT

Classificação e diagnóstico das LER/DORT Aula 06 Classificação e diagnóstico das LER/DORT 5 - CLASSIFICAÇÕES DOS GRAUS DE ACOMETIMENTO PELAS LER/DORT Grau I - É caracterizado pela sensação de peso e desconforto no membro afetado, dor localizada

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado 1 Consiste em uma articulação do ombro com dor e rigidez que não pode ser explicada por nenhuma alteração estrutural. Obs: Embora seja comum o uso destes termos nas aderências pós traumáticas do ombro,

Leia mais

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort)

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) LER/DORT Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) Introdução: O que é LER/Dort? São danos decorrentes da utilização excessiva imposta ao sistema

Leia mais

Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF. 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares

Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF. 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares Pós graduação em Fisioterapia Traumato-Ortopédica - UFJF 03 de julho de 2010 Professor: Rodrigo Soares Programa Afecções tendíneas Afecções neurais compressivas Afecções ligamentares Afecções musculares

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação ulnoumeral ou troclear:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Complexo do cotovelo. Diogo Barros de Moura Lima

Complexo do cotovelo. Diogo Barros de Moura Lima Complexo do cotovelo Diogo Barros de Moura Lima Anatomia Complexo do cotovelo Articulação umeroulnar Cotovelo Articulação umerorradial Articulação radiulnar proximal (pronação/supinação) flexão/extensão

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 Impacto Tendão do Manguito Rotador Tipos de Acrômio e Artrose Acrômio- Clavicular Dor periarticular e impotência funcional a partir de 30º de abdução, sendo clássico, o arco

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO GRANDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO GRANDE CADERNO DE PROVAS CARGO FISIOTERAPEUTA Conhecimentos Gerais Questão 01 Recentemente a França foi alvo de um sangrento atentado terrorista que feriu e matou mais de uma centena de pessoas. A autoria do

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

Disciplina de Saúde do Trabalho

Disciplina de Saúde do Trabalho Disciplina de Saúde do Trabalho Dra Angelica dos Santos Vianna 30 setembro e 01 outubro 2010 LER/DORT Lesões por esforços repetitivos Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho podem envolver

Leia mais

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA 1 MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO REGIÃO ANTERIOR (flexores do punho e dos dedos e pronadores) GRUPO SUPERFICIAL MÚSCULO PRONADOR REDONDO cabeça umeral: epicôndilo medial do úmero cabeça

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO OS BENEFÍCIOS DA ERGONOMIA E GINÁSTICA LABORAL LIGADA A PROFISSÃO

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas

Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação Elaboração Final: 23 de

Leia mais

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0)

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0) EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0), Médico(a) (especialidade, ex: Médico do Trabalho), inscrito(a) no Conselho Regional de Medicina nº

Leia mais

2015.2 ERGONOMIA MÓDULO IV

2015.2 ERGONOMIA MÓDULO IV 2015.2 ERGONOMIA MÓDULO IV FICHA TÉCNICA DIREÇÃO DO INSTITUTO FORMAÇÃO Chiara Moura Claudio Borges SECRETARIA ACADÊMICA Adriana Novais Daniela Luz COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO NUPE (NÚCLEO DE PROJETOS E EXTENSÃO)

Leia mais

Distúrbios musculoesqueléticos em profissionais de Odontologia

Distúrbios musculoesqueléticos em profissionais de Odontologia 1 Distúrbios musculoesqueléticos em profissionais de Odontologia Geycilane Paiva Pereira geycizinha-. -@hotmail.com Dayana Mejia Pós- graduação em Biocursos Faculdade Ávila Resumo Com as modernidades na

Leia mais

3ª PARTE: Conhecimentos Específicos

3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 11. Sobre as consequências do encurtamento muscular, assinale a alternativa INCORRETA. A) Sobrecarga de algumas estruturas levando a desgaste articular, tendinoso ou

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

Curso de Ginástica Laboral. Ft. Milena Carrijo Dutra

Curso de Ginástica Laboral. Ft. Milena Carrijo Dutra Curso de Ginástica Laboral Ft. Milena Carrijo Dutra I. Introdução Objetivos Curso de capacitação Aprofundar Conhecimentos Networking Conhecer Profissionais capacitados para futura efetivação Definições

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO INSS/DSS Nº 606, DE 5 AGOSTO DE 1998

ORDEM DE SERVIÇO INSS/DSS Nº 606, DE 5 AGOSTO DE 1998 ORDEM DE SERVIÇO INSS/DSS Nº 606, DE 5 AGOSTO DE 1998 ASSUNTO: Aprova Norma Técnica sobre Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho - DORT. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei nº 8.213, de 24 de julho de

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Antebraço, Fossa Cubital e Mão Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Departamento de Ciências Morfológicas Curso de Fisioterapia DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da Dados Pessoais: Nome: M. Idade: 29 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Técnica de comunicação Diagnóstico Médico: Síndrome de Kienbock História Clínica: 2009-1 mês após uma mudança de

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

5. Conceituação da L.E.R../D.O.R.T.

5. Conceituação da L.E.R../D.O.R.T. Programa de Prevenção e Acompanhamento de L.E.R./D.O.R.T. 1. Objetivo Informar e orientar a estrutura hierárquica (chefias, gerências, diretorias) e os empregados dos bancos para a identificação dos fatores

Leia mais

ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO. Prof. Cristiano Diniz da Silva

ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO. Prof. Cristiano Diniz da Silva ERGONOMIA NO CONTEXTO DO TRABALHO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO E BACHAREL EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Prof. Cristiano Diniz da Silva O que é ergonomia? #ergonometria #ergologia Conceitos de ergonomia Conceito

Leia mais

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos:

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas do cotovelo em adultos: l As fraturas correspondem 31.8% dos traumas em cotovelo no adulto; l Freqüência: cabeça do rádio 39,4%; luxação do cotovelo

Leia mais

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax A Medicina Ortopédica de Cyriax Preocupa-se com o diagnóstico e tratamento de lesões de partes moles teciduais Tais afecções afetam grande parte dos pacientes

Leia mais

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna 12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos, G1P1A0, hígida, está no terceiro mês pós-parto vaginal sob analgesia peridural, que transcorreu sem intercorrências.

Leia mais

Patologias da coluna vertebral

Patologias da coluna vertebral Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias da coluna vertebral Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Escoliose idiopática Dorso curvo Cervicobraquialgia Lombalgia e lombociatalgia

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

A PSICOMOTRICIDADE E A FISIOTERAPIA PREVENTIVA PROMOVENDO SAÚDE AS OPERADORAS DE TELEMAR- KETING

A PSICOMOTRICIDADE E A FISIOTERAPIA PREVENTIVA PROMOVENDO SAÚDE AS OPERADORAS DE TELEMAR- KETING UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE PSICOMOTRICIDADE 1 A PSICOMOTRICIDADE E A FISIOTERAPIA PREVENTIVA PROMOVENDO SAÚDE AS OPERADORAS DE TELEMAR- KETING Por: Thereza

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho

Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho 29 Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho Lin Tchia Yeng, Manoel Jacobsen Teixeira, Maciel M. Fernandes, Thelma R. M. Zakka e Adrianna Loduca INTRODUÇÃO Os distúrbios osteomusculares relacionados

Leia mais

3. Revisão da fisiologia referente aos métodos de kinesiology taping

3. Revisão da fisiologia referente aos métodos de kinesiology taping Whole Body Kinesiology TherapeuticTaping / Curso de Técnicas de Aplicação de Bandas Neuromusculares: Básico / Intermédio Descrição do Curso Este seminário apresentará o método Kinesiology Therapeutic Taping

Leia mais

FICHA PARA CATÁLOGO PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. Título: A prevenção da saúde e LER/DORT Uma formação para alunos da EJA.

FICHA PARA CATÁLOGO PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. Título: A prevenção da saúde e LER/DORT Uma formação para alunos da EJA. FICHA PARA CATÁLOGO PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Título: A prevenção da saúde e LER/DORT Uma formação para alunos da EJA Autor Escola de Atuação Município da escola Núcleo Regional de Educação Orientador

Leia mais

As Lesões por esforços repetitivos em cirugiões-dentistas: síndrome do impacto uma abordagem ergonômica

As Lesões por esforços repetitivos em cirugiões-dentistas: síndrome do impacto uma abordagem ergonômica As Lesões por esforços repetitivos em cirugiões-dentistas: síndrome do impacto uma abordagem ergonômica Resumo Marianella Aguillar Ventura Fadel (UFSC) maya@ccs.ufsc.br Louise Pietrobon (UFSC) isepietro@terra.com.br

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO Mário Yoshihide Kuwae 1, Ricardo Pereira da Silva 2 INTRODUÇÃO O antebraço e cotovelo apresentam características distintas quanto a cobertura cutânea, nas lesões

Leia mais

CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004

CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004 1 CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004 1- Você sente atualmente algum desconforto nos membros superiores ou coluna relacionado ao

Leia mais

Objetivo O trabalho tem objetivo de demonstrar a importância do uso de órteses em pacientes com hanseníase que possui um comprometimento neural.

Objetivo O trabalho tem objetivo de demonstrar a importância do uso de órteses em pacientes com hanseníase que possui um comprometimento neural. A UTILIZAÇÃO DE ÓRTESES EM PACIENTES COM HANSENIASE Cléocione Araújo de Moraes-cleo_moraes9@hotmail.com Natália Santos Raymundo-nathisan@bol.com.br Pedro Paulo Todareli-soupepo@hotmail.com.br Paula Sandes

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA PREVENÇÃO DA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO EM ACADÊMICOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA PREVENÇÃO DA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO EM ACADÊMICOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO i ÁREA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FISIOTERAPIA A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA PREVENÇÃO DA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO EM ACADÊMICOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MIRCEIA RAMOS MARINHO SUZELY ALVES CAVALCANTE

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA Abordagem Fisioterapêutica na evolução clínica das patologias propiciadas pelo uso indevido de Notebook Helmar de Aquino Vassouras

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A IMPORTÂNCIA DA GINÁSTICA LABORAL E QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Por: Lenira de Almeida L.P.Morais Orientadora Profª Fabiane

Leia mais

Fatores ocupacionais que contribuem para a Síndrome do túnel do carpo

Fatores ocupacionais que contribuem para a Síndrome do túnel do carpo 1 Fatores ocupacionais que contribuem para a Síndrome do túnel do carpo Chayanne Nicácio Peres Fonseca 1 chay@movimentarocupacional.com.br Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós Graduação em Ergonomia Produtos

Leia mais

... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA MÉDICO ESPECIALISTA ORTOPEDISTA 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA)

Leia mais

Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência.

Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência. LASER Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência. ( ) A luz emitida pelos aparelhos laser apresenta a mesma

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES www.shenqui.com.br Na década de 80, após 25 anos de pesquisas, em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture:

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA ATENÇÃO

SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA ATENÇÃO SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir. Prédio Sala Nome do Candidato Nº de Identidade

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária

Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 1 ; Fernando Salomé JORGE 1 ; Wemerton Luís EVANGELISTA 2 1 Estudante de Engenharia

Leia mais

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Medicina e segurança no trabalho Filmes Vídeo humorístico sobre segurança no trabalho. Duração: 3 20 Filmes Sequência de vídeos de acidente de trabalho. Duração:

Leia mais

Anatomia - Coluna Cervical

Anatomia - Coluna Cervical Anatomia - Coluna Cervical C1 e C2 diferem das demais vértebras da coluna por particularidades anatômicas. Massas laterais. Dente do áxis. Coluna Cervical Alta Ligamento do ápice do dente Ligamento alar

Leia mais

Conheça seus direitos

Conheça seus direitos Conheça seus direitos Os avanços alcançados nas normas que tratam das LER/Dort são uma conquista dos trabalhadores INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 98, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicação* produzida pelo Sindicato

Leia mais

PRÉ-REQUISITO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA OU CIRURGIA PLÁSTICA

PRÉ-REQUISITO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA OU CIRURGIA PLÁSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA / HOSPITAL DAS CLÍNICAS COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA / COREME RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA OU CIRURGIA

Leia mais

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO: ESTUDO DE CASO

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO: ESTUDO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO: ESTUDO DE CASO Ana Paula Serra

Leia mais

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Revisão da neurofisiologia da dor, Revisão da fisiopatologia

Leia mais

É uma artic. de eixo uniaxial que possui um grau de liberdade; Posição de repouso: 10 de supinação; Posição de aproximação máxima: 5 de supinação.

É uma artic. de eixo uniaxial que possui um grau de liberdade; Posição de repouso: 10 de supinação; Posição de aproximação máxima: 5 de supinação. Avaliação Fisioterapêutica do Punho e da Mão Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Radioulnar Distal É

Leia mais

LER / DORT PREVINA-SE

LER / DORT PREVINA-SE LER / DORT PREVINA-SE Rio Claro SP Apoio: Prefeitura de Rio Claro Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro Conselho Gestor CEREST Conselho Municipal de Saúde Rede Nacional de Atenção à Saúde do Trabalhador

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

INTRODUÇÃO PUNHO. A mão é uma ferramenta valiosa, através da qual nós controlamos nosso ambiente e expressamos idéias e talentos.

INTRODUÇÃO PUNHO. A mão é uma ferramenta valiosa, através da qual nós controlamos nosso ambiente e expressamos idéias e talentos. Punho e Mão INTRODUÇÃO PUNHO O punho tem a função significativa de controlar a relação comprimento-tensão dos músculos multiarticulares da mão à medida que se ajustam as diversas atividades e formas de

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 14 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ACREDITE EM VOCÊ Profª Elaine Terroso Esse material foi elaborado

Leia mais

Alterações. Músculo- esqueléticas

Alterações. Músculo- esqueléticas Alterações Músculo- esqueléticas Sistema Neurológico Alteração no tempo de reação e equilíbrio. A instabilidade articular. Alteração da visão Sensibilidade da córnea. c Aumento ou diminuição dos sentidos

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO

APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO Ben Hur Giovani M Capeletti (UTFPR) bgmcapelettiz29@gmail.com ALINE SIAS FRANCHINI

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 30, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 30, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 30 - Área de atuação em Ortopedia e Traumatologia Nome do Candidato

Leia mais

A LER na contramão da sociedade inclusiva

A LER na contramão da sociedade inclusiva A LER na contramão da sociedade inclusiva José Newton Garcia de Araújo Professor do Instituto de Psicologia da PUC Minas, pesquisador do CNPq Entre os diversos grupos de portadores de deficiências, seria

Leia mais

ANÁLISE DE CONDUTAS E POSTURAS DOS ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA COM PREDISPOSIÇÃO À SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO

ANÁLISE DE CONDUTAS E POSTURAS DOS ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA COM PREDISPOSIÇÃO À SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO DOI: 10.5212/Publ.Biologicas.v.17i1.0007 ANÁLISE DE CONDUTAS E POSTURAS DOS ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA COM PREDISPOSIÇÃO À SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO ANALYSIS OF BEHAVIORS AND POSITIONS OF THE ODONTOLOGY

Leia mais

Anatomia do Membro Superior

Anatomia do Membro Superior Composição Cíngulo do Membro Superior Braço Antebraço Mão Cíngulo do Membro Superior CLAVÍCULA CULA - Extremidades: esternal e acromial - Diáfise: - 2/3 mediais convexos anteriormente - 1/3 lateral côncavo

Leia mais

Músculos do Antebraço e Mão

Músculos do Antebraço e Mão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Antebraço e Mão Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Flexão do Cotovelo (3) Músculos da Extensão

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO I E II DO CURSO DE FISIOTERAPIA

PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO I E II DO CURSO DE FISIOTERAPIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

ANATOMIA DA MÃO SISTEMA OSTEOARTICULAR. A descrição associada às figuras anatômicas. será feita analisando os sistemas ostearticular,

ANATOMIA DA MÃO SISTEMA OSTEOARTICULAR. A descrição associada às figuras anatômicas. será feita analisando os sistemas ostearticular, ANATOMIA DA MÃO Edie Benedito Caetano 1, João José Sabongi Neto 2, Luiz Angelo Vieira 3, Mauricio Ferreira Caeno 4 A descrição associada às figuras anatômicas será feita analisando os sistemas ostearticular,

Leia mais

P r o p e d ê u t i c a I I. Musculo-Esquelético. Dr. Ivan Paredes Dr. Carlos Caron Dr. Joachim Graff Dr. Carlos Borges Dr.

P r o p e d ê u t i c a I I. Musculo-Esquelético. Dr. Ivan Paredes Dr. Carlos Caron Dr. Joachim Graff Dr. Carlos Borges Dr. P r o p e d ê u t i c a I I Musculo-Esquelético Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes Dr. Ivan Paredes Dr. Carlos Caron Dr. Joachim Graff Dr. Carlos Borges Dr. Carlos Cardoso Faculdade Evnagélica do Parana

Leia mais

Vista Posterior (dorsal) 2b 1b 1a Vista posterior (dorsal) Rádioulnar 2 - Ulnocárpico 3 - Colateral ulnar

Vista Posterior (dorsal) 2b 1b 1a Vista posterior (dorsal) Rádioulnar 2 - Ulnocárpico 3 - Colateral ulnar Cinesiologia do punho e mão 1 - Introdução Órgão complexo (interdependência) Punho: 15 ossos, 15 art, ligamentos Mobilidade x estabilidade Força x sutileza Tato Expressão e comunicação Estabilização outras

Leia mais

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO P1 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 P2 P3 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCICA ANTERIOR, ACIMA DA

Leia mais

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA NO ADULTO

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA NO ADULTO ROTEIRO DE AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA NO ADULTO N do Pront.: Nome: DN: / / Idade: Diagnóstico Clínico: Data da Aplicação: / / Avaliador (a): Supervisor Responsável: 1. SINAIS VITAIS PA: FR: FC: Sat. O2: 2.

Leia mais

ANATOMIA. ! O labrum é uma estrutura cartilaginosa que tem como função aumentar a concavidade de glenóide, criando maior estabilidade física da artic.

ANATOMIA. ! O labrum é uma estrutura cartilaginosa que tem como função aumentar a concavidade de glenóide, criando maior estabilidade física da artic. LUXAÇÃO GLENOUMERAL ANATOMIA! A artic. é considerada a mais instável do corpo humano,devido ao pequeno contato entre as superfícies: glenóide rasa e pequena e cabeça do úmero 3 x maior! O labrum é uma

Leia mais

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C.

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C. Ergonomia Posto de trabalho Menor unidade produtiva Aplicação da antropometria no design do local de trabalho Homem e seu local de trabalho Fábrica / escritório > conjunto de postos Análise do posto Enfoque

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

Avaliação Clínica do Membro Superior. (alguns apontamentos) Prof. Doutor Fernando Fonseca

Avaliação Clínica do Membro Superior. (alguns apontamentos) Prof. Doutor Fernando Fonseca Avaliação Clínica do Membro Superior (alguns apontamentos) Prof. Doutor Fernando Fonseca Avaliação do Ombro 1. História Clínica História padrão em Ortopedia/Traumatologia 2. Anamnese Na anamnese deve-se

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO ESPECIALIDADES COM PRÉ-REQUISITO DE 2 ANOS DE ORTOPEDIA OU CIRURGIA PLÁSTICA 1 QUESTÃO 1 - Na figura abaixo:

Leia mais