Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria"

Transcrição

1 Diretrizes Assistenciais Medicina Psicossomática e Psiquiatria Versão eletrônica atualizada em fev/2012

2 TRATAMENTO DE TABAGISMO Indicação: Pacientes tabagistas atendidos na SBIBAE Contraindicação: Não se aplica Responsáveis Corpo clínico Descrição do Procedimento A-Premissas gerais: 1- Abordar o tabagismo, questionando se o paciente fuma, deve ser um procedimento de rotina, independente da queixa que o levou a procurar o serviço de saúde. 2- O paciente tabagista deve receber informações acerca dos tratamentos disponíveis para cessação do tabagismo. 3- Pacientes tabagistas internados devem ser avaliados quanto à presença de sintomas de abstinência de nicotina*. Se presentes, o tratamento adequado deve ser instituído. 4- O médico do paciente poderá realizar o tratamento para cessação do tabagismo ou decidir pelo encaminhamento para especialista da área. 5- O conhecimento da história do tabagismo do paciente deve ser o instrumento para decisão em relação ao melhor tratamento a ser instituído, seja ele comportamental e/ou medicamentoso. * Sintomas de Abstinência do Tabagismo: humor irritável ou deprimido, inquietação, impaciência, aumento de apetite, ganho de

3 peso, dificuldade de concentração, insônia, fadiga, constipação intestinal. B-Manejo do Tabagismo: Para o manejo adequado do tabagismo, podemos enumerar as seguintes etapas: 1ª etapa Identificação do tabagismo e registro desta condição no prontuário do paciente. 2ª etapa Caracterizar a história do tabagismo: Idade de início do tabagismo. Média de cigarros fumados nos últimos meses. Quantas tentativas anteriores de cessação do tabagismo e quais estratégias foram empregadas, além do maior tempo de abstinência do cigarro já conseguido, bem como fatores associados ao sucesso ou às recaídas nas tentativas anteriores. 3ª etapa: Identificação do estágio motivacional para cessação do tabagismo. A avaliação do grau de motivação para cessar o tabagismo e a prontidão para mudança de comportamento são fundamentais para determinar qual o tipo de tratamento mais adequado para cada paciente. Estes estágios são dinâmicos e podem se alternar ao longo do tempo, em qualquer direção. As intervenções do profissional de saúde têm o potencial de auxiliar o paciente a modificar o estágio motivacional em direção à cessação do tabagismo. São 5 os estágios motivacionais: 1. Pré-contemplação: O paciente não quer parar de fumar, não vê vantagens em modificar seu comportamento e, em geral, nega os prejuízos do tabaco à saúde. 2. Contemplação: Caracteriza-se pela ambivalência, em que o paciente reconhece os malefícios do

4 tabagismo, mas ainda vê vantagens em fumar. 3. Preparação para a ação: Quer de fato parar de fumar e já começa a preparar-se para tal. 4. Ação: O indivíduo pára de fumar. 5. Manutenção: Mantém-se abstinente e empenhado em manter seu objetivo. 6. Recaída 4ª etapa: Abordagem individualizada de acordo com o estágio motivacional em que o paciente se encontra. O tipo de intervenção sugerido para cada estágio é: 1. Pré-contemplação: Realizar aconselhamento, evitando comentários negativos e o confronto direto das idéias do paciente sobre o tabaco. A ênfase deve centrar-se nos benefícios obtidos pela cessação do tabagismo. 2. Contemplação: Realizar aconselhamento com o objetivo de aumentar a motivação do paciente para parar de fumar. Ele deve ser estimulado a promover mudanças comportamentais em relação ao tabagismo, reforçando os benefícios da cessação do tabagismo. 3. Preparação para a ação: Definir o planejamento terapêutico (medidas farmacológicas e psicossociais) a ser empregado e agendamento do dia para parar de fumar. O agendamento pode ser realizado de duas maneiras em conformidade com a escolha do paciente: 1)Parada abrupta: definir uma data a partir da qual o paciente abandonará o cigarro. 2)Parada gradual: redução progressiva e programada do número de cigarros fumados por dia, até a data da parada completa. 4. Ação: Oferecer suporte e acompanhamento ao paciente para que ele consiga efetivamente deixar de fumar.

5 5. Manutenção: Devem ser abordados os riscos de recaída, procurando ajudar o paciente na prevenção desta. A fase de manutenção é compreendida como o período de 01 ano após cessação do tabagismo. 6. Recaída: Ajudar o paciente a identificar situações e pensamentos facilitadores da recaída, estimular a retomada da abstinência e reavaliar as estratégias farmacológicas empregadas. C - Intervenções Farmacológicas O tratamento farmacológico constitui estratégia para aumentar a chance de sucesso do paciente na cessação do tabagismo. Pode ser considerado para todos os pacientes tabagistas que estão motivados a parar de fumar, exceto quando pertencerem a populações específicas: gestantes, adolescentes e tabagistas leves (os que fumam menos que 10 cigarros por dia), para os quais ainda não existem evidências suficientes de eficácia e segurança. O tratamento farmacológico também pode ser indicado para o tratamento dos sintomas de abstinência de nicotina em pacientes impedidos de fumar (ex: internações, vôos longos).. Tipos de tratamento Farmacológico Terapia de Reposição de Nicotina (TRN): A TRN auxilia o paciente a parar de fumar por reduzir os sintomas de abstinência e a intensidade da fissura para fumar. Indicada como 1ª linha no tratamento para a cessação do tabagismo É a abordagem mais indicada para controlar os sintomas de abstinência de nicotina de pacientes que, embora não desejem interromper o tabagismo, não possam fumar por razões de outra natureza, como por exemplo, durante períodos de internação hospitalar.

6 As formulações de nicotina disponíveis no Brasil são os adesivos transdérmicos, as gomas de mascar e as pastilhas. As mulheres apresentam resposta pior ao tratamento com TRN quando comparadas aos homens. Atenção: Pacientes recebendo reposição de nicotina com sub-doses continuarão apresentando sintomas de abstinência e terão maior risco de fracasso no tratamento. Adesivos transdérmicos Geram concentrações estáveis de nicotina no sangue. No Brasil, são encontrados nas seguintes dosagens: 21 mg, 14 mg, 7 mg. Duração média do tratamento: 8 a 12 semanas, podendo ser usados por até 6 meses. Dosagens recomendadas: devem ser ajustadas de acordo com a média de cigarros que o paciente fuma por dia. Sugere-se, por exemplo: 01 adesivo de 21 mg/dia para fumantes de 01 maço/dia, 02 adesivos de 21 mg/dia para fumantes de 02 maços/dia. Redução da dose: gradual. Sugere-se que a primeira redução ocorra após 4 semanas e depois a cada duas semanas. Podem causar reações cutâneas locais (prurido, eritema, reações alérgicas), insônia e pesadelos. O adesivo deve ser trocado 1xdia, preferencialmente pela manhã. Gomas de nicotina: Disponíveis nas dosagens de 2 e 4 mg, com sabores como menta e frutas. Orientar sobre a correta utilização da goma, pois para obtenção do efeito desejado, a nicotina precisa ser absorvida pela mucosa da cavidade bucal. Isto ocorre depositando a goma entre a bochecha e a mandíbula, e não mastigando-a apenas. Duração média do tratamento: até 12 semanas, com

7 redução gradual da dose ao longo deste período. Principais efeitos colaterais: dispepsia, náuseas e irritação da mucosa oral. O uso de próteses dentárias pode ser uma contraindicação ao uso de gomas de mascar. Em relação ao tempo de uso, a indicação é que sejam utilizadas por até 12 semanas, com redução gradual da dose ao longo deste período. Os pacientes devem utilizar a goma de acordo com a necessidade, ou seja, ad libitum. Dosagens recomendadas: 1. Pacientes que fumam até 24 cigarros por dia: gomas de 2 mg até 24 unidades/dia. 2. Pacientes que fumam 25 ou mais cigarros por dia: gomas de 4 mg até 24 unidades/dia. Pastilhas de nicotina Disponíveis nas dosagens de 2 e 4 mg, também com sabores. A liberação de nicotina ocorre de forma mais rápida que com a goma de mascar. Efeitos colaterais mais comuns: sintomas dispépticos, náuseas. Duração média do tratamento: até 12 semanas, com redução gradual da dose. Podem ser usadas de 4 a 20 pastilhas por dia, ad libitum. Dosagem: considerar o tempo que o paciente demora para fumar o 1º cigarro do dia. Doses recomendadas: 1. Tempo para fumar menor que 30 minutos após acordar: pastilha de 4 mg. 2. Tempo para fumar maior que 30 minutos após acordar: pastilha de 2 mg. Bupropiona : Antidepressivo inibidor da recaptação de dopamina e noradrenalina. Foi a primeira medicação sem nicotina

8 aprovada para o tratamento do tabagismo nos EUA e também no Brasil. Duplica as chances de o paciente alcançar abstinência a longo prazo, se comprado ao uso de placebo. Excelente opção para pacientes que apresentem quadros depressivos associados ao tabagismo. É eficaz na redução do ganho de peso associado à abstinência do tabaco, reduzindo este ganho à metade (de uma média de 3 kg para 1,5kg). Os principais efeitos adversos são insônia, boca seca, inapetência, cefaléia e convulsões. Iniciar com 150 mg pela manhã e, após 03 a 05 dias, aumentar para 150 mg 2 vezes ao dia. Tempo médio de tratamento: 07 a 12 semanas, podendo ser estendida até 06 meses. A data de interrupção do tabagismo deve ser agendada com o paciente para 1 a 2 semanas após o início da medicação. Principais contra-indicações: História prévia de crises convulsivas e transtornos alimentares. Vareniclina: Agonista parcial do receptor de nicotina a4b2. Seu efeito agonista sobre os receptores nicotínicos reduz a fissura e os demais sintomas de abstinência que podem levar o paciente a ter recaídas e o efeito antagonista reduz a satisfação de fumar. Aumenta até 3 vezes a chance de sucesso na cessação do tabagismo. Dose: iniciar com 0,5 mg/dia até atingir a dose de 2 mg/dia. Data para a interrupção do tabagismo: 1 a 2 semanas após o início da medicação. Tempo médio de tratamento: 3 a 6 meses. Efeitos colaterais: náuseas, insônia, pesadelos e sonhos vívidos, humor depressivo e outros sintomas psiquiátricos. Embora raros, há casos descritos de suicídio associado ao

9 uso de vareniclina. Portanto, caso sejam observadas alterações do humor, a medicação deve ser suspensa e o paciente avaliado por um psiquiatra. É contra-indicada para pacientes com insuficiência renal. Associação medicamentosa: aumentam as taxas de abstinência a longo prazo. Entre diferentes formas de TRN (por exemplo, adesivo + pastilha) Entre bupropiona e TRN. A associação entre vareniclina e TRN não é indicada. Medicações de Segunda escolha: Clonidina e Nortriptilina Podem ser indicadas para pacientes que apresentem contra-indicações ao uso das medicações de primeira escolha (TRN, bupropiona e vareniclina) ou para aqueles que não obtiveram bons resultados com as medicações de primeira escolha. D - Intervenções Não-Farmacológicas para o tratamento do Tabagismo 1) A intervenção combinada entre medidas farmacológicas e não farmacológicas é que a oferece o melhor resultado. 2) Algumas orientações gerais: Realizar abordagem sempre de acordo o estágio motivacional em que o paciente se encontra. Orientar o paciente a pedir o apoio de amigos e familiares no processo de cessação do tabagismo. Sugerir que o paciente se livre de objetos no ambiente que associa ao tabagismo, como cinzeiros. Discutir com o paciente estratégias para lidar com situações associadas ao ato de fumar. Fornecer informações ao paciente sobre o processo de dependência da nicotina e os sintomas de abstinência decorrentes da interrupção do tabagismo. Ao tratar mulheres tabagistas, considerar:

10 a. Maior dificuldade em manter abstinência do tabaco na fase lútea do ciclo menstrual. b. Maior impacto de fatores reforçadores não-nicotínicos do tabagismo. c. Maior preocupação com ganho de peso e alterações emocionais decorrentes do tabagismo. 3) Psicoterapia: Avaliar e considerar possibilidade de encaminhamento psicológico para apoio psicoterápico, através da utilização de técnicas cognitivocomportamentais. E- Atenção ao paciente tabagista durante internações hospitalares: Sempre avaliar a necessidade de tratamento dos sintomas de abstinência da nicotina durante internação hospitalar de pacientes tabagistas, mesmo que não haja desejo de cessação do tabagismo: 1. Perguntar de forma objetiva sobre sintomas de abstinência de nicotina. 2. Avaliar se há indicação de suporte medicamentoso e/ou psicossocial para controlar os sintomas de abstinência durante o período em que o paciente estiver impedido de fumar. 3. Oferecer acompanhamento pós-alta para pacientes que iniciaram tratamento para cessação do tabagismo durante período de hospitalização.

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011)

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Chavannes NH, Kaper J, Frijling BD, Van der Laan JR, Jansen PWM, Guerrouj S, Drenthen AJM, Bax W, Wind LA traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Cessação do tabagismo e Farmacoterapia. Edward Ellerbeck, MD, MPH

Cessação do tabagismo e Farmacoterapia. Edward Ellerbeck, MD, MPH Cessação do tabagismo e Farmacoterapia Edward Ellerbeck, MD, MPH Juiz de Fora, Brasil October 17, 2011 Mary: Uma mulher de 54 anos na minha clínica Paciente regular nos últimos 5 anos» Realizava o exame

Leia mais

A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS

A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS I Encontro de Profissionais de Saúde para Abordagem e Tratamento do Tabagismo na Rede SUS Ricardo Henrique Sampaio Meirelles Divisão de Controle do Tabagismo

Leia mais

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO IVANA MAGALY LIMA ALENCAR CARVALHEIRA Psicóloga Clínica Hospitalar Neuropsicóloga - CRP 02/8461 Setembro/2010

Leia mais

Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades. Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis

Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades. Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis Cigarro é droga? Verdade! Cigarro é uma droga poderosa, apesar de ser um produto lícito. O potencial de abuso da

Leia mais

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO 1- O que mudou no tratamento da tuberculose (TB) padronizado no Brasil? A principal mudança consiste

Leia mais

Attemps Among Smokers Unmotivated to Quit.

Attemps Among Smokers Unmotivated to Quit. Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de Concentração Saúde Brasileira Niepen Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia Disciplinas:

Leia mais

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 Ementa: Paciente fumante. 1. Do fato Profissional Auxiliar de Enfermagem informa que a direção da instituição em que trabalha determinou

Leia mais

Folha 01/07 DATA: 27/10/2011 DATA:27/10/2011 REVISÕES DATA RESPONSÁVEL 1ª REVISÃO 2ª REVISÃO 3ª REVISÃO 3ª REVISÃO 5ª REVISÃO

Folha 01/07 DATA: 27/10/2011 DATA:27/10/2011 REVISÕES DATA RESPONSÁVEL 1ª REVISÃO 2ª REVISÃO 3ª REVISÃO 3ª REVISÃO 5ª REVISÃO PROTOCOLO CLÍNICO Nº. 06 Folha 01/08 PROTOCOLOS CLÍNICOS Nº. 01/ Serviço de Psiquiatria do Hospital de Clínicas da UFPR. Folha 01/07 : PROTOCOLO CLÍNICO DE TRATAMENTO DO TRANSTORNO DEPRESSIVO SERVIÇO DE:

Leia mais

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Psicofármacos:Transtorno

Leia mais

Trimeb. (maleato de trimebutina)

Trimeb. (maleato de trimebutina) Trimeb (maleato de trimebutina) Bula para paciente Cápsula mole 200 mg Página 1 Trimeb (maleato de trimebutina) Cápsula mole FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Embalagens com 20, 30 ou 60 cápsulas contendo

Leia mais

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR?

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR? : o que funciona? Carlos A A Viegas IX CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SBPT - 2008 CONTROLE DO TABAGISMO IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO QUADRO IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SABER SAÚDE TRATAMENTO

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012)

Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012) Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012) Van Weel-Baumgarten EM, Van Gelderen MG, Grundmeijer HGLM, Licht-Strunk E, Van Marwijk HWJ, Van Rijswijk HCAM, Tjaden BR, Verduijn M, Wiersma Tj, Burgers

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

PRINCÍPIOS PIOS DO TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

PRINCÍPIOS PIOS DO TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA PRINCÍPIOS PIOS DO TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA UM GUIA BASEADO EM PESQUISAS National Institute on Drug Abuse Três décadas de investigação científica e prática clínica produziram como resultado uma

Leia mais

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia e Bioestatística

Leia mais

Tabagismo (dependência de nicotina) Protocolo Clínico

Tabagismo (dependência de nicotina) Protocolo Clínico Tabagismo (dependência de nicotina) Protocolo Clínico O fumante, de Joos van Craesbeeck, 1605. Protocolo da Rede de Atenção Psicossocial, baseado em evidências científicas, para o diagnóstico, a avaliação

Leia mais

DIGEDRAT. (maleato de trimebutina)

DIGEDRAT. (maleato de trimebutina) DIGEDRAT (maleato de trimebutina) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Cápsula mole 200mg I - IDENTIFICAÇÃO DO DIGEDRAT maleato de trimebutina APRESENTAÇÕES Cápsula mole Embalagens contendo

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Alessandro Alves O amor não é aquilo que te deixa feliz, calmo e tranquilo. O nome disso é Rivotril. Frase atribuída a James Brown Benzodiazepínicos Estão entre

Leia mais

Tratamento farmacológico do tabagismo

Tratamento farmacológico do tabagismo Tratamento farmacológico do tabagismo Sandra Odebrecht Vargas Nunes Heber Odebrecht Vargas Luciana Vargas Alves Nunes Mariane Vargas Nunes Noto SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NUNES, SOV.,

Leia mais

Distúrbios do sono e uso de soníferos Resumo de diretriz NHG M23 (julho 2014)

Distúrbios do sono e uso de soníferos Resumo de diretriz NHG M23 (julho 2014) Distúrbios do sono e uso de soníferos Resumo de diretriz NHG M23 (julho 2014) NHG grupo de estudos Distúrbios do e uso de soniferos traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O USO DO OSELTAMIVIR EM INFLUENZA 2016

INSTRUÇÕES PARA O USO DO OSELTAMIVIR EM INFLUENZA 2016 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INSTRUÇÕES PARA O USO DO OSELTAMIVIR EM INFLUENZA 2016 INFORMAÇÕES GERAIS O medicamento antiviral oseltamivir deve ser utilizado,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DO TABAGISMO NO MUNICÍPIO DE NOVA SANTA ROSA PR.

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DO TABAGISMO NO MUNICÍPIO DE NOVA SANTA ROSA PR. IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DO TABAGISMO NO MUNICÍPIO DE NOVA SANTA ROSA PR. Viviane Delcy da Silva 1 RESUMO: Relato de experiência na implantação de um Programa de Abordagem e Tratamento

Leia mais

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Interações medicamentosas Carlos Alberto de Barros Franco Professor Titular de Pneumologia da Escola Médica de PósGraduação da PUC-Rio

Leia mais

Nicotinell. Novartis Biociências S.A. Adesivo 7 mg, 14 mg e 21 mg

Nicotinell. Novartis Biociências S.A. Adesivo 7 mg, 14 mg e 21 mg Nicotinell Novartis Biociências S.A. 7 mg, 14 mg e 21 mg Nicotinell nicotina APRESENTAÇÕES Embalagens com 7 adesivos transdérmicos de nicotina (7mg, 14mg ou 21mg) USO TÓPICO - USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Hérnia Inguinal. O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é a protrusão (saliência ou abaulamento) de uma víscera ou órgão através de

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

Dependência do Tabagismo

Dependência do Tabagismo Dependência do Tabagismo Jack E. Henningfield, PhD Johns Hopkins School of Medicine (Escola de Medicina Johns Hopkins) Pinney Associates 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health (Escola de

Leia mais

COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia

COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia DIAGNÓSTICO & TRATAMENTO - INTERESSE GERAL COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia INTRODUÇÃO Atualmente estima-se que 50% da população

Leia mais

loratadina Xarope 1mg/mL

loratadina Xarope 1mg/mL loratadina Xarope 1mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE loratadina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO Xarope 1mg/mL Embalagem contendo 1 frasco com 100mL + copo-medida.

Leia mais

Redação Dr. Maurício de Freitas Lima. Edição ACS - Assessoria de Comunicação Social Maria Isabel Marques - MTB 16.996

Redação Dr. Maurício de Freitas Lima. Edição ACS - Assessoria de Comunicação Social Maria Isabel Marques - MTB 16.996 2 Redação Dr. Maurício de Freitas Lima Edição ACS - Assessoria de Comunicação Social Maria Isabel Marques - MTB 16.996 Produção e Projeto Gráfico Designer Gráfico: Patricia Lopes da Silva Edição - Outubro/2012

Leia mais

Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005)

Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005) Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005) Meerkerk GJ, Aarns T, Dijkstra RH, Weisscher PJ, Njoo K, Boomsma LJ traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014

Leia mais

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Unidade de Assistência, Unidade de Laboratório e Rede de Direitos Humanos

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Niquitin. GlaxoSmithKline. Adesivos Transdérmicos. Nicotina 7, 14 e 21 mg

Niquitin. GlaxoSmithKline. Adesivos Transdérmicos. Nicotina 7, 14 e 21 mg Niquitin GlaxoSmithKline Adesivos Transdérmicos Nicotina 7, 14 e 21 mg NiQuitin nicotina APRESENTAÇÕES Embalagens com 7 adesivos transdérmicos transparente de nicotina (7mg, 14mg ou 21mg) USO TÓPICO -

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 1. INTRODUÇÃO 84% dos consumidores que não possuem conta corrente fazem compras parceladas O fato de não possuir conta em banco

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

FLAXIN finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg

FLAXIN finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg FLAXIN finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg Flaxin finasterida MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 5 mg em embalagem com 30

Leia mais

loratadina Laboratório Globo Ltda. Xarope 1 mg/ml

loratadina Laboratório Globo Ltda. Xarope 1 mg/ml loratadina Laboratório Globo Ltda. Xarope 1 mg/ml loratadina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: loratadina xarope 1 mg/ml. Embalagem contendo 1 frasco de 100

Leia mais

A Meta-Analytic Review of Psychosocial Interventions for Substance Use Disorders

A Meta-Analytic Review of Psychosocial Interventions for Substance Use Disorders A Meta-Analytic Review of Psychosocial Interventions for Substance Use Disorders REVISÃO META-ANALÍTICA DO USO DE INTERVENÇÕES PSICOSSOCIAIS NO TRATAMENTO DE DEPENDÊNCIA QUÍMICA Publicado: Am J Psychiattry

Leia mais

Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008)

Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008) Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008) Leusink P, De Boer LJ, Vliet Vlieland CW, Rambharose VR, Sprengers AM, Mogendorff SW, Van Rijn-Van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês

Leia mais

NICORETTE. Johnson & Johnson INDUSTRIAL Ltda. Tabletes mastigáveis. 2 e 4 mg de nicotina

NICORETTE. Johnson & Johnson INDUSTRIAL Ltda. Tabletes mastigáveis. 2 e 4 mg de nicotina NICORETTE Johnson & Johnson INDUSTRIAL Ltda mastigáveis 2 e 4 mg de nicotina NICORETTE nicotina APRESENTAÇÕES mastigáveis no sabor Icemint em embalagens com 30 tabletes contendo 2 mg de nicotina ou 4 mg

Leia mais

NEOSSOLVAN. (cloridrato de ambroxol)

NEOSSOLVAN. (cloridrato de ambroxol) NEOSSOLVAN (cloridrato de ambroxol) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Xarope Pediátrico 15mg/5mL Xarope Adulto 30mg/5mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: NEOSSOLVAN cloridrato de ambroxol

Leia mais

Conceitos Básicos de Farmacoterapia Aplicada

Conceitos Básicos de Farmacoterapia Aplicada Conceitos Básicos de Farmacoterapia Aplicada Como são desenvolvidos? Qual o Objetivo? resultado? FARMACOTERAPIA Cura, controla e previne uma enfermidade ou seus sintomas MELHORA A QUALIDADE DE VIDA FARMACOTERAPIA

Leia mais

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR Júlio Miranda Pureza, Dr. Luiz Veriano O. Dalla Valentina, Dr. Gabriela Kunde Edel, Adm. Centro de Ciências Tecnológicas FEJ, Universidade

Leia mais

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Introdução Os comportamentos adictos têm vindo a aumentar na nossa sociedade. Os problemas, ao nível do local e das relações no trabalho,

Leia mais

4 A UM PASSO DO TRAÇO

4 A UM PASSO DO TRAÇO 4 A UM PASSO DO TRAÇO Coleção Fascículo 4 A um passo do traço Índice A um passo do traço...05 Capriche na dosagem...09 Rodando o traço... 14 Depois das matérias-primas, os ajustes finais...16 Corrigindo

Leia mais

STIEMYCIN GEL. 20 mg/g

STIEMYCIN GEL. 20 mg/g STIEMYCIN GEL 20 mg/g Stiemycin_Bula Paciente _ GDS v2.0 13/11/2013 1 Stiemycin eritromicina APRESENTAÇÃO Gel 20 mg/g (2%) em bisnaga com 60 g. USO EXTERNO VIA TÓPICA USO ADULTO E PACIENTES ACIMA DE 12

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015 Curso de Medicina 2ª Etapa CADERNO DE PROVAS DISCURSIVAS

PROCESSO SELETIVO 2015 Curso de Medicina 2ª Etapa CADERNO DE PROVAS DISCURSIVAS ESCREVA AQUI SEU NÚMERO DE INSCRIÇÃO NOME: PROCESSO SELETIVO 2015 Curso de Medicina 2ª Etapa CADERNO DE PROVAS DISCURSIVAS PROVA DE REDAÇÃO ANTES DE INICIAR A PROVA, LEIA AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 1. Só abra

Leia mais

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL FLUISOLVAN Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Nicorette (nicotina) Nicorette Menta 2 mg ou 4 mg em embalagens contendo 30 gomas mastigáveis.

Nicorette (nicotina) Nicorette Menta 2 mg ou 4 mg em embalagens contendo 30 gomas mastigáveis. Nicorette (nicotina) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Nicorette Nome genérico: nicotina Forma farmacêutica e apresentações: Nicorette Menta 2 mg ou 4 mg em embalagens contendo 30 gomas mastigáveis. Nicorette

Leia mais

CLORIDRATO DE AMBROXOL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL

CLORIDRATO DE AMBROXOL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL CLORIDRATO DE AMBROXOL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de

Leia mais

Flextoss. Solução oral/gotas 30mg/mL

Flextoss. Solução oral/gotas 30mg/mL Flextoss Solução oral/gotas 30mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Flextoss dropropizina APRESENTAÇÃO Solução oral/gotas 30mg/mL Embalagem contendo 1 frasco com 10mL. USO ORAL USO ADULTO E

Leia mais

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA Artigo 25.1: Definições Para efeito deste Capítulo: medida regulatória coberta significa a medida regulatória determinada por cada Parte a ser objeto deste Capítulo nos

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Tipo de pesquisa

4 Metodologia. 4.1. Tipo de pesquisa 4 Metodologia Este capítulo descreve a metodologia adotada na execução do trabalho de pesquisa: definição da variável alvo, delimitação da população, processo de seleção da amostra, técnicas e procedimentos

Leia mais

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Embalagens com 20 e 30 comprimidos contendo

Leia mais

Benestare policabofila cálcica. Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 625 mg

Benestare policabofila cálcica. Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 625 mg Benestare policabofila cálcica Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 625 mg Benestare policarbofila cálcica APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 625 mg: embalagens com 14 e 30 comprimidos.

Leia mais

Síndrome do intestino irritável Resumo de diretriz NHG M71 (maio 2012)

Síndrome do intestino irritável Resumo de diretriz NHG M71 (maio 2012) Síndrome do intestino irritável Resumo de diretriz NHG M71 (maio 2012) Van der Horst HE, Meijer JS, Muris JWM, Sprij B, Visser FMPB, Romeijnders ACM, Boukes FS traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 500 mg de policarabofila base. Embalagens com 30 comprimidos revestidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 500 mg de policarabofila base. Embalagens com 30 comprimidos revestidos. MUVINOR policarbofila cálcica APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 500 mg de policarabofila base. Embalagens com 30 comprimidos revestidos. USO ORAL USO ADULTO (ACIMA DE 12 ANOS DE IDADE) COMPOSIÇÃO

Leia mais

O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar TABAGISMO 03/07/2012. Prevalência de Tabagismo no Brasil

O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar TABAGISMO 03/07/2012. Prevalência de Tabagismo no Brasil O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar Fernanda Miranda de Oliveira Pneumologista TABAGISMO O tabagismo é uma doença crônica, gerada pela dependência física e psicológica da nicotina. Todos os

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALDACTONE

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALDACTONE ALDACTONE Espironolactona FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALDACTONE Comprimidos de 25 mg - caixas contendo 20 unidades. Comprimidos de 100 mg - caixas contendo 16 unidades. USO PEDIÁTRICO E ADULTO

Leia mais

Papiloma Vírus Humano - HPV

Papiloma Vírus Humano - HPV VACINAÇÃO HPV 2015 Papiloma Vírus Humano - HPV O vírus HPV é altamente contagioso, sendo possível contaminar-se com uma única exposição. A sua transmissão se dá por contato direto com a pele ou mucosa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL COLATINA 2011 ÍNDICE 1) INTRODUÇÃO 2) DESCRIÇÃO DA CLIENTELA 3) OBJETIVOS 4) CARGA HORÁRIA 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 6) CRONOGRAMA 7) PREVISÃO

Leia mais

ITECH Instituto de Terapia e Ensino do Comportamento Humano. Abuso e dependência de álcool e substâncias psicoativas. Cristina Belotto da Silva

ITECH Instituto de Terapia e Ensino do Comportamento Humano. Abuso e dependência de álcool e substâncias psicoativas. Cristina Belotto da Silva ITECH Instituto de Terapia e Ensino do Comportamento Humano Abuso e dependência de álcool e substâncias psicoativas Cristina Belotto da Silva Tainara Claudio Maciel O abuso e a dependência de álcool e

Leia mais

Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev.

Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev. Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev. OSTEOPREVIX D carbonato de cálcio colecalciferol APRESENTAÇÕES

Leia mais

FINASTIL (finasterida)

FINASTIL (finasterida) FINASTIL (finasterida) EMS SIGMA PHARMA LTDA Comprimido Revestido 5 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FINASTIL finasterida APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 5 mg de finasterida acondicionados em embalagem

Leia mais

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto.

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Um risco tem uma causa e, se ocorre, uma conseqüência. Se um ou outro

Leia mais

Possíveis questões dos profissionais durante a notificação

Possíveis questões dos profissionais durante a notificação Possíveis questões dos profissionais durante a notificação Q: O que é um sistema de notificação de incidentes e eventos adversos? R: É um sistema que alimenta uma base de dados com os diferentes tipos

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

???? AUDITORIA OPERACIONAL. Aula 5 Auditoria Operacional: aspectos práticos OBJETIVOS DESTA AULA RELEMBRANDO... AUDITORIA OPERACIONAL?

???? AUDITORIA OPERACIONAL. Aula 5 Auditoria Operacional: aspectos práticos OBJETIVOS DESTA AULA RELEMBRANDO... AUDITORIA OPERACIONAL? Aula 5 Auditoria Operacional: aspectos práticos OBJETIVOS DESTA AULA Conhecer os aspectos práticos da auditoria operacional Entender as etapas da auditoria operacional Compreender o funcionamento do planejamento

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

DICLORIDRATO DE PRAMIPEXOL. Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 0,125 mg, 0,25 mg e 1 mg

DICLORIDRATO DE PRAMIPEXOL. Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 0,125 mg, 0,25 mg e 1 mg DICLORIDRATO DE PRAMIPEXOL Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 0,125 mg, 0,25 mg e 1 mg MODELO DE BULA Bula de acordo com a Portaria n 47/09 USO ORAL USO ADULTO dicloridrato de pramipexol Medicamento

Leia mais

Magnésia Bisurada carbonato de magnésio carbonato básico de bismuto carbonato de cálcio bicarbonato de sódio

Magnésia Bisurada carbonato de magnésio carbonato básico de bismuto carbonato de cálcio bicarbonato de sódio Magnésia Bisurada carbonato de magnésio carbonato básico de bismuto carbonato de cálcio bicarbonato de sódio IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Magnésia Bisurada Nome genérico: carbonato de magnésio,

Leia mais

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M.

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Nome: n.º Barueri, / / 2009 1ª Postagem Disciplina: Educação Física 3ª série E.M ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Orientações para desenvolvimento da atividade: Esse será um texto a ser utilizado no

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE: UM ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE: UM ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE: UM ESTUDO DE CASO Autor: JOSE TEOFILO VIEIRA DA SILVA Orientador: Karla Deisy Morais Borges Coautor(es): Francisca Eritânia Passos Rangel, Maria

Leia mais

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência 1 - Forte desejo ou compulsão para usar a substância. 2 - Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DEPENDÊNCIA E TRATAMENTO DO CONSUMO DE TABACO Andréia Souza Grespan

Leia mais

A definição do escopo trata-se de um processo onde é realizada uma descrição detalhada do projeto e do produto a ser desenvolvido;

A definição do escopo trata-se de um processo onde é realizada uma descrição detalhada do projeto e do produto a ser desenvolvido; Aula 08 1 2 A definição do escopo trata-se de um processo onde é realizada uma descrição detalhada do projeto e do produto a ser desenvolvido; A preparação do escopo é fundamental para o sucesso do projeto,

Leia mais

DEQUADIN. Farmoquímica S/A Pastilha 0,25 mg + 5 mg. Dequadin_AR050914_Bula Paciente

DEQUADIN. Farmoquímica S/A Pastilha 0,25 mg + 5 mg. Dequadin_AR050914_Bula Paciente DEQUADIN Farmoquímica S/A Pastilha 0,25 mg + 5 mg BULA PACIENTE DEQUADIN cloreto de dequalínio + benzocaína VIA ORAL USO ADULTO APRESENTAÇÕES: Pastilha cloreto de dequalínio 0,25 mg + benzocaína 5 mg -

Leia mais

Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria

Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria A Comissão de Residência Médica em Psiquiatria da Associação Brasileira de Psiquiatria (CRMP-ABP) ao propor esse programa, recomenda o índice de no

Leia mais

MODELO DE BULA. CLARIPEL creme e CLARIPEL Acquagel Hidroquinona 40mg/g. Apresentações: Creme e gel bisnagas com 10 g e 30 g USO EXTERNO

MODELO DE BULA. CLARIPEL creme e CLARIPEL Acquagel Hidroquinona 40mg/g. Apresentações: Creme e gel bisnagas com 10 g e 30 g USO EXTERNO MODELO DE BULA CLARIPEL creme e CLARIPEL Acquagel Hidroquinona 40mg/g Apresentações: Creme e gel bisnagas com 10 g e 30 g USO EXTERNO Uso em adultos e em pacientes acima de 12 anos VENDA SOB PRESCRIÇÃO

Leia mais

finasterida Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos revestidos 5 mg

finasterida Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos revestidos 5 mg finasterida Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos revestidos 5 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO finasterida Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Finasterida comprimido revestido

Leia mais

Antrofi promestrieno. Eurofarma Laboratórios S.A. Creme vaginal 10 mg/g

Antrofi promestrieno. Eurofarma Laboratórios S.A. Creme vaginal 10 mg/g Antrofi promestrieno Eurofarma Laboratórios S.A. Creme vaginal 10 mg/g Antrofi promestrieno CREME VAGINAL FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES APRESENTAÇÕES Bisnaga com 30 g de creme vaginal acompanhada

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DAFLON. 500mg: diosmina 450mg + hesperidina 50mg micronizada. 1000mg: diosmina 900mg + hesperidina 100mg micronizada

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DAFLON. 500mg: diosmina 450mg + hesperidina 50mg micronizada. 1000mg: diosmina 900mg + hesperidina 100mg micronizada 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DAFLON 500mg: diosmina 450mg + hesperidina 50mg micronizada 1000mg: diosmina 900mg + hesperidina 100mg micronizada APRESENTAÇÕES: DAFLON 500mg: embalagem contendo 15, 30

Leia mais