MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS"

Transcrição

1 MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades preferências (gosto, motivação) disponibilidade do aluno e de equipamentos experiênia prévia nível de treinamento eficiência do exercício Exercícios monoarticulares - têm sido tipicamente usados para ativar grupos musculares específicos e podem apresentar menor risco de lesão, por causa do nível reduzido de habilidade e técnica envolvida. Exercícios multiarticulares - são mais complexos no aspecto neural e têm sido geralmente considerados como mais eficazes para aumentar a força muscular total, porque permitem uma maior magnitude de peso utilizado. 1

2 BÁSICOS X COMPLEMENTARES Exercícios Básicos - trabalham os músculos e articulações nos seus ângulos mais naturais, ativando, portanto um maior número de unidades motoras. Utilizam o sinergismo de outros grupamentos musculares, movimentando mais articulações. Também chamados de "Compostos. Ex: agachamento, supino, desenvolvimento, rosca direta, tríceps testa, remada ou puxador Exercícios Complementares - Procuram isolar ao máximo a ação de um músculo dos seus sinergistas e enfatizam frequentemente alguns feixes do agonista principal. Ex: cadeira extensora, peck deck, tríceps pulley, etc. MÁQUINAS X PESOS LIVRES VANTAGENS: Execução mais simples trajetória guiada Segurança. Os alunos ficam menos expostos a contato com equipamento. Maior velocidade e comodidade na troca de pesos pelo sistema de placas e pinos. Economia de tempo e de espaço. Melhor apresentação estética em relação aos outros recursos - motivação para os praticantes 2

3 DESVANTAGENS: Permitem pouca variação da mecânica. O número de exercícios é limitado. Não envolvem na realização de exercícios um grande número de grupos musculares e vários segmentos. Não há semelhança mecânica desse tipo de exercício com os gestos atléticos, dificultando a "transferência adaptativa" para o desempenho. DESVANTAGENS: Os exercícios para um pequeno número de grupos musculares, são menos importantes na alteração da composição corporal. Isso porque se produz mais trabalho (força x distância = trabalho) ao se manipular pesos mais pesados e movimentos mais amplos em cada repetição. O peso adicional dos aparelhos, muitas vezes, é insuficiente para treinar indivíduos muito fortes. VANTAGENS: Os exercícios podem ser criados com múltiplas variações. Envolvem maior massa muscular (estabilização articular). Mais importantes para o aumento da massa magra no trabalho multissegmentar envolvem grande número de grupos musculares. Podem treinar movimentos, ações facilita o desenvolvimento de gestos desportivos. 3

4 DESVANTAGENS: exigem maior habilidade. O período de aprendizado é normalmente superior quando comparado à máquinas podem exigir parceiros para dar a segurança necessária ao movimento. LEG PRESS 45 inclinação do encosto. altura da plataforma. Quadril Extensão Glúteo máximo, isquiotibiais Joelho Extensão Quadríceps Tornozelo Flexão plantar Tríceps sural 4

5 LEG PRESS 45 A altura inicial da plataforma deve ser posicionada de acordo com o tamanho dos MMII do executante. - afastar os pés na largura do quadril ou de maior comodidade, mantendo-os apoiados na plataforma; - apoiar os pés a uma altura que permita que na fase de flexão dos joelhos, os mesmos não ultrapassem 90 (evitar compressão patelar); - mãos no apoio, coluna apoiada no encosto. LEG PRESS 45 Aproximar a plataforma até que os joelhos atinjam um ângulo de 90º de flexão. Retornar a PI sem realizar a hiperextensão dos joelhos. - flexionar demasiadamente os joelhos ou hiperestendê-los; - ajudar com as mãos a fase concêntrica; - posicionar os pés de forma incorreta. HACK MACHINE altura da plataforma. Quadril Extensão Glúteo máximo, isquiotibiais Joelho Extensão Quadríceps Tornozelo Flexão plantar Tríceps sural 5

6 HACK MACHINE O apoio do tronco é ajustado de acordo com a estatura do executante, evitando que a posição inicial sobrecarregue os joelhos. - afastar os pés na largura do quadril, ou de maior comodidade, mantendo-os apoiados na plataforma; - apoiar os pés a uma altura que permita que na fase de flexão dos joelhos, os mesmos não ultrapassem 90 (evitar compressão patelar); - mãos no apoio, coluna apoiada no encosto. HACK MACHINE partindo da PI, realizar o movimento de descida até os joelhos atingirem um ângulo de 90. apoiar os pés de maneira incorreta; não manter o tronco apoiado no encosto realizar hiperextensão dos joelhos. LEG EXTENSION Cadeira extensora distância do encosto. inclinação do encosto. apoio sobre a perna. grau de flexão e extensão do joelho. Joelho Extensão Quadríceps 6

7 LEG EXTENSION Cadeira extensora - encosto: eixo de rotação do equipamento alinhado à articulação do joelho. - suporte: em contato com a parte distal da perna, próximo à articulação do tornozelo evitando a flexão plantar. Manter o tronco ereto (qdo possível, apoiado no encosto) e posicionar as mãos no suporte específico. Afastar os MMII na largura do quadril. Manter a ponta do pé para cima (a dorso-flexão não acarretará sobrecarga no tibial anterior, pois a resistência está acima da articulação do tornozelo!!) tensão no ligamento cruzado anterior: presente somente próximo da extensão total! Escamilla et al. (1998) LEG EXTENSION Cadeira extensora partindo da PI, realizar a extensão dos joelhos. não manter o tronco apoiado no encosto (quando houver); tencionar trapézio através da elevação dos ombros; não controlar a fase excêntrica; manter os pés em flexão plantar; realizar hiperextensão dos joelhos. 7

8 SEATED LEG CURL Cadeira flexora distância do encosto. inclinação do encosto. apoio sobre a perna ou coxa. apoio atrás do tornozelo. grau de flexão e extensão do joelho. Joelho Flexão isquiotibiais e gastrocnêmios SEATED LEG CURL Cadeira flexora O encosto deve ser regulado para que os joelhos fiquem na linha do eixo de rotação do aparelho; o suporte deve estar posicionado próximo à articulação do tornozelo, evitando o movimento de flexão plantar; o braço de fixação da coxa deve estar na região supra-patelar (evitar que a coxa perca o contato co o banco). - manter o tronco apoiado no encosto; - Apoiar as mãos no suporte. - Alinhamento entre quadril, joelho e tornozelo. SEATED LEG CURL Cadeira flexora Partindo da PI, realizar a flexão dos joelhos. não permanecer com as costas apoiadas no encosto; realizar o movimento em flexão plantar (intensificando o trabalho dos gastrocnêmios e sóleo); não manter o alinhamento entre joelhos, tornozelos e quadril. 8

9 SITTING CALF panturrilha sentada apoio sobre a coxa. Tornozelo Flexão plantar Tríceps sural com ênfase no sóleo SITTING CALF panturrilha sentada o suporte que apóia sobre a coxa é regulado de acordo com o comprimento do segmento da perna do executante, posicionado na região supra-patelar. - Apoiar a parte anterior do pé na plataforma; - manter a coluna ereta, evitando sua movimentação ântero-posterior durante o exercício. SITTING CALF panturrilha sentada Iniciar o movimento com a região calcânea mais baixa que o apoio dos pés e realizar a flexão plantar. não permanecer com as costas eretas ou movimentá-la; não realizar a dorso-flexão na fase excêntrica. não soltar a trava do aparelho. 9

10 Cadeira adutora CADEIRA ADUTORA abertura do apoio. altura do banco (se houver). Quadril Adução Adutor magno, adutor longo, adutor curto, grácil e pectíneo CADEIRA ADUTORA A altura do banco deve permitir o apoio da parte interna da coxa próximo ao joelho. - A amplitude inicial da máquina deve respeitar a flexibilidade do aluno. - Manter o tronco apoiado no aparelho e as mãos no apoio. CADEIRA ADUTORA Realizar adução do quadril sem unir totalmente o apoio e retornar a posição inicial. afastar o quadril do encosto; ajudar com as mãos a aproximar os apoios; encostar um apoio no outro na fase concêntrica; tencionar os ombros, elevando-os. 10

11 Cadeira abdutora CADEIRA ABDUTORA abertura do apoio. altura do banco (se houver). Quadril Abdução Tensor da fáscia lata, glúteo médio e mínimo CADEIRA ABDUTORA A altura do banco deve permitir que o apoio seja posicionado na parte externa da coxa, próximo aos joelhos. Manter as mãos no apoio. OBS: a inclinação do tronco à frente pode ser mais cômoda (especialmente para mulheres), pois o fêmur tem maior liberdade de movimento no acetábulo. CADEIRA ABDUTORA Realizar abdução do quadril até o limite articular. ajudar o movimento com as mãos; não controlar a velocidade do movimento. 11

12 STANDING GLUTEOS altura do apoio dos pés. altura do apoio da parte posterior. Quadril Extensão Glúteo máximo e isquiotibiais STANDING GLUTEOS O ajuste inferior (apoio dos pés) deve ser regulado para que o executante consiga apoiar os antebraços de maneira confortável no equipamento. A altura do apoio para as coxas deve permitir o maior contato possível, sem limitação do movimento do quadril Partindo da PI, realizar a extensão do quadril. 12

13 VERTICAL ROW Remada distância da alavanca. altura do banco. Ombro Abdução/extensão horizontal Deltóide (espinal), redondo menor, infraespinal Cintura escapular Adução (retração) Rombóide, trapézio Cotovelo flexão Bíceps braquial, braquial, braquiorradial VERTICAL ROW Remada A altura do banco deve ser regulada de forma que o apoio do peito mantenha sua borda superior na altura do osso esterno. - Sentar o mais próximo possível do apoio de peito e apoiar os pés no local específico ou no solo. VERTICAL ROW Remada Realizar extensão do ombro (pegada neutra) ou abdução horizontal (pegada pronada). não manter o alinhamento entre punho e cotovelos, tencionar trapézio através da elevação dos ombros. 13

14 Pec Deck alavanca (abertura) Altura do banco Ombro Adução horizontal Peitoral maior, deltóide, coracobraquial Cintura escapular Abdução Peitoral menor, serrátil anterior Pec Deck O banco deve ser ajustado de forma que os cotovelos permaneçam na linha dos ombros ou um pouco abaixo dos mesmos. Alguns aparelhos permitem regulagem do ângulo de abertura, de acordo com o comprimento dos MMSS do executante. - Indivíduo sentado, pés no solo ou no suporte. - articulações de ombros e cotovelos alinhadas no plano horizontal. Pec Deck Partindo da PI realizar a adução horizontal dos ombros até os braços do aparelho aproximarem-se. manter os ombros muito elevados ou muito abaixo da linha dos cotovelos; não controlar a amplitude do movimento na fase excêntrica (rotação externa da gleno-umeral) 14

15 CHEST PRESS Supino maquina altura do banco. Ombro Adução horizontal Peitoral maior, deltóide clavicular, coracobraquial Cintura escapular Abdução Peitoral menor, serrátil anterior Cotovelo Extensão Tríceps braquial AJUSTES DO EQUIPAMENTO: CHEST PRESS Supino maquina O banco deve ser ajustado para que o pegador fica alinhado ao ponto médio do esterno (um pouco acima da linha dos mamilos). - Permanecer sentado, tronco encostado, pés apoiados no solo ou no suporte (tronco e coxas aproximadamente 90 ); - Manter em alinhamento horizontal punhos e cotovelos; - Acionar o pedal antes de realizar a pegada (evitar stress na articulação do ombro). CHEST PRESS Supino maquina Realizar a adução horizontal dos ombros, sem hiperestender os cotovelos. OBS: se houver alinhamento horizontal entre punho, cotovelo e ombro = maior solicitação do deltóide. elevar demais os braços (regular o banco muito alto), sobrecarregando os deltóides; movimentar os punhos durante o exercício; posicionar as mãos no pegador sem acionar o pedal; hiperestender os cotovelos (concêntrica); não manter o alinhamento entre punho e cotovelo. 15

16 SHOULDER PRESS Desenvolvimento altura do banco. Ombro abdução Deltóide (acromial e clavicular) e supra-espinal Cintura escapular Rotação superior Serrátil anterior e trapézio Cotovelo extensão Tríceps braquial e ancôneo SHOULDER PRESS Desenvolvimento AJUSTES DO EQUIPAMENTO: A altura do banco é ajustada de forma que o pegador (manopla) fique na linha do pescoço. Se o banco tiver ajuste de inclinação, o encosto deve ser ajustado próximo a posição vertical (± 100 a 110 entre banco e encosto). - Sentado, tronco e cabeça alinhados e apoiados no encosto. - Pés apoiados no solo ou no apoio. SHOULDER PRESS Desenvolvimento Partindo da PI, pegada neutra ou pronada, realizar a abdução dos ombros e extensão dos cotovelos. hiperestender os cotovelos (concêntrica); não manter a coluna apoiada no encosto; não manter o alinhamento entre punho e cotovelo. 16

17 EASY POWER STATION Gravitron Dorsal Ombro adução Latíssimo do dorso, redondo maior, peitoral maior Cintura escapular Rotação inferior Peitoral menor, rombóide maior e trapézio cotovelo Flexão Bíceps braquial, braquial e braquiorradial Dorsal EASY POWER STATION Gravitron O executante fica em suspensão, mãos pronadas, MMII apoiados na base móvel evitando posicionar-se à frente da linha da pegada. A subida deve ser realizada até a cabeça ultrapassar a linha das mãos e retornar a PI sem hiperextender os cotovelos. EASY POWER STATION Gravitron Tríceps Ombro adução Latíssimo do dorso, redondo maior, peitoral maior Cintura escapular Rotação inferior Peitoral menor, rombóide maior e trapézio Cotovelo extensão Tríceps braquial e ancôneo 17

18 EASY POWER STATION Gravitron Tríceps Inicia-se com os braços ao lado do corpo, cotovelos estendidos e MMII apoiados na base móvel. A descida deve ser realizada até que se atinja ângulo inferior a 90 entre braços e antebraços. PULLEY Puxador costas ou frente apoio sobre a coxa. Ombro adução Latíssimo do dorso, redondo maior, peitoral maior Cintura escapular Rotação inferior Peitoral menor, rombóide maior e trapézio cotovelo Flexão Bíceps braquial, braquial e braquiorradial PULLEY COSTAS OU FRENTE O banco deve ser ajustado de maneira que o rolete de apoio fique junto a coxa, impedindo que a mesma perca o contato com o banco. - Segurar no apoio na posição em pé para depois sentar; - Mãos em posição pronada (puxador costas ou frente), coluna ereta (puxador costas) ou com ligeira inclinação para trás (puxador frente), cabeça no prolongamento da coluna. - Durante o exercício, os cotovelos devem ser direcionados ao chão (nunca para trás). 18

19 PULLEY COSTAS OU FRENTE Partindo da PI, flexionar os cotovelos e aduzir os ombros até as mãos chegarem na linha do queixo na puxada pela frente(o que evita a projeção do cotovelo para trás) ou na linha da nuca, na puxada por trás. projetar o cotovelo para trás; elevar o quadril do banco; hiperestender os cotovelos na fase excêntrica; movimentar o tronco durante o exercício. LAT MACHINE Pulley (barra trapézio) apoio sobre a coxa. Ombro adução Latíssimo do dorso, redondo maior, peitoral maior Cintura escapular Adução (depressão com retração) Rombóide maior, trapézio Cotovelo Flexão Bíceps braquial, braquial, braquiorradial PULLEY Remada sentada Pegada neutra Ombro extensão Latíssimo do dorso, redondo maior, deltóide (espinal), peitoral maior Cintura escapular Adução (retração) Rombóide, trapézio Cotovelo flexão Bíceps braquial, braquial, braquiorradial 19

20 PULLEY Remada sentada Pegada neutra Sentado, com os joelhos semiflexionados, pés apoiados no suporte, coluna ereta. Realiza-se a extensão dos ombros até o pegador aproximar-se da região abdominal do executante. flexionar demasiadamente os cotovelos trazendo as mãos próximas aos ombros; realizar movimentos com o tronco. TRICEPS PRESS altura do banco. Ombro adução Latíssimo do dorso, redondo maior, peitoral maior Cintura escapular Rotação inferior Peitoral menor, rombóide maior e trapézio Cotovelo extensão Tríceps braquial e ancôneo TRICEPS PRESS - o banco deve estar a uma altura que permita, na fase concêntrica, a extensão do cotovelo. - Em pé, apoiar as mãos no aparelho (pegada neutra) empurrando-o para baixo para depois sentar; - Na excêntrica flexionar os cotovelos até que cheguem na linha dos ombros. 20

21 TRICEPS PRESS Realizar e extensão dos cotovelos, mantendo-os próximos ao tronco na fase concêntrica. -Elevar demasiadamente o cotovelo na fase excêntrica, realizando movimento indesejável no ombro (hiperextensão); APOIO Quadril Extensão isquiotibiais e glúteo máximo Coluna Extensão Grupo eretor da coluna APOIO A altura do apoio deve ser regulada de acordo com o comprimento dos MMII. - O executante fica com as coxas apoiadas, pés fixos no suporte, coluna e quadril flexionados. Partindo da PI, realizar a extensão da coluna e quadril até atingir o alinhamento corporal evitando a hiperextensão da coluna. 21

22 LOWER BACK ROM altura do banco. distância do apoio dos pés. altura do apoio dorsal. grau de flexão e extensão. Coluna Extensão Paravertebrais (grupo eretor da coluna) Quadril Extensão Glúteo máximo e isquiotibiais PARALELAS abdominal Coluna Flexão Reto abdominal, oblíquos externo e interno Quadril Flexão Reto femoral e íliopsoas PARALELAS abdominal O executante fica em suspensão, antebraços apoiados no suporte, regiões lombar e torácica em contato com o apoio, joelhos e quadril flexionados a 90. Partindo da PI realizar a flexão da coluna. Se os joelhos iniciarem estendidos, realizar a flexão dos mesmos assim como do quadril. 22

23 PARALELAS tríceps Ombro adução Latíssimo do dorso, redondo maior, peitoral maior Cintura escapular Rotação inferior Peitoral menor, rombóide maior e trapézio Cotovelo extensão Tríceps braquial e ancôneo PARALELAS tríceps O executante fica em suspensão, braços ao lado do corpo, cotovelos estendidos e MMII livres. A descida deve ser realizada até que se atinja ângulo inferior a 90 entre braços e antebraços. O tronco é levemente inclinado à frente. CROSS OVER BÍCEPS: rosca polia baixa, rosca cruz polia alta ou baixa. TRÍCEPS: francês, pulley, unilateral, coice. COSTAS E DELTÓIDE POSTERIOR: pull down, abdução horizontal. DELTÓIDE E TRAPÉZIO: remada alta, elevação lateral, elevação frontal, encolhimento. PEITORAL: crucifixo, cruzada de cabos, fly (polia alta). GLÚTEOS ABDUTORES ADUTORES ABDOMINALS 23

24 BANCOS HALTERES E DUMBELLS 24

25 BARRAS Barra W Barra H Barra reta 25

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos O PROJETO A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos usuários diferentes exercícios que possibilitam trabalhar grupos musculares diversos, membros superiores, inferiores, abdominais

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta.

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Fábio Rodrigues de Souza Frederico Engel de Oliveira Minkos Guilherme Estevam Dantas João Marcello Paes Zanco Paulo Sérgio Santos de Souza 1 Bárbara Pereira de Souza

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

DESCRIÇÃO CONSTRUTIVA DO VITA BENCH

DESCRIÇÃO CONSTRUTIVA DO VITA BENCH DESCRIÇÃO CONSTRUTIVA DO VITA BENCH Aparelho residencial para condicionamento físico. Capacidade de cargas: Barra Supino: 70,0kg, Extensão e Flexão: 70kg Peitoral Fly: 50,0kg Remada: 50,0kg Supino: 50,0kg

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES DESAFIO VITA VERÃO PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES TREINO A - Agachamento livre COMPLETO: 8 a 10 repetições (3x) - Leg 45: 8 a 10 repetições (3x) - Cadeira extensora: 8 a 10 repetições

Leia mais

Energym Turbo Charger

Energym Turbo Charger Energym Turbo Charger LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Antes de começar qualquer programa de exercícios,

Leia mais

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira Direitos exclusivos para a língua portuguesa Cupyright 2000 by EDITORA SPRiNT LTDA. Rua Adolfo Mota, 69 - Tijuca CEP 20540-1 00 - Rio de Janeiro- RJ Tel. : 0XX-21-2 64-8080 / OXX-21-567-0295 - Fax: 0XX-21-284-9340

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia No decorrer do dia, desempenhamos várias funções, desde agachar para pegar uma caneta do chão, a limpeza de sua casa e no trabalho. As

Leia mais

Fisioterapia Personalizada a Domicilio

Fisioterapia Personalizada a Domicilio Fisioterapia Personalizada a Domicilio O atendimento a domicilio da Fisio e Saúde Sul, privilegia o conforto e a saúde de seus pacientes, realizando atendimento que proporciona SAÚDE, BEM-ESTAR e MELHORA

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X.

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X. THIAGO MURILO EXERCÍCIOS PARA DEPOIS DO TÊNIS 1. Em Pé de costas para um canto de parede flexione a sua perna mais forte para frente, alinhe a coluna e leve os braços para trás até apoiar as palmas das

Leia mais

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Alterações morfofuncionais decorrentes do treinamento de força 1 Exercícios

Leia mais

(linhas) Linha Oro TECNOLOGIA. Linha Argento. Linha Ferro DESIGN ORO ARGENTO FERRO OSSIGENO

(linhas) Linha Oro TECNOLOGIA. Linha Argento. Linha Ferro DESIGN ORO ARGENTO FERRO OSSIGENO A CRUNCH ELEMENTOS (linhas) A Crunch é uma empresa especializada em equipamentos de musculação, que se preocupa com qualidade de vida, melhorar a saúde e condicionamento físico de pessoas que praticam

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 NÍVEL I MASCULINO E FEMININO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados apresentação 2. Rolamento p/ frente

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

fitness 94 SPORT LIFE

fitness 94 SPORT LIFE 94 SPORTLIFE o torracalorias O kettlebell, que chegou ao país no ano passado, queima, em 10 minutos, tanto quanto correr na esteira por 45 minutos Texto Lygia Haydée Fotos Bruno Guerreiro Uma bola de ferro

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS. Antropometria

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS. Antropometria UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS Antropometria PROFª DRª FÁTIMA PALHA DE OLIVEIRA Professor Adjunto IV UFRJ Doutora em Ciências de Engenharia

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES O QUE É MUSCULAÇÃO? A musculação é um exercício de contra-resistência utilizado para o desenvolvimento dos músculos esqueléticos. A partir de aparelhos, halteres, barras,

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA Para a realização dos exercícios de ginástica, foram usados alguns materiais e aparelhos, cuja manipulação e utilização, exigiram determinados cuidados específicos: Tapete de

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática FICHA PARA CATÁLOGO Título: IMPORTÂNCIA DO AQUECIMENTO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Autor Escola de Atuação Município da escola Núcleo Regional de Educação Orientador Instituição de Ensino Superior Disciplina/Área

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR 2014 EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA PRODUÇÃO CULTURAL DA SOCIEDADE EXPRESSADA ATRAVÉS DO MOVIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDOS EDUCAÇÃO FÍSICA EIXOS ESPORTE

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

Fitness II PROF. FABIO DUTRA

Fitness II PROF. FABIO DUTRA Fitness II PROF. FABIO DUTRA Revisão Histórica O conceito de totalidade orgânica tem ganho adeptos desde a antiga Grécia. CLARKE (1976) cita que no século V antes de Cristo, os atenienses reconheciam a

Leia mais

Apresentação e Descrição dos Equipamentos

Apresentação e Descrição dos Equipamentos Apresentação e Descrição dos Equipamentos A EMPRESA A Tryanon oferece equipamentos para atividades físicas ao ar livre, atendendo as necessidades do estilo de vida atual. Exercitar-se é a melhor forma

Leia mais

PEÇAS E ACESSÓRIOS. Seletor de Velocidade e Resistência. Unidade Principal AirClimber. Monitor de Treinamento. Almofadas

PEÇAS E ACESSÓRIOS. Seletor de Velocidade e Resistência. Unidade Principal AirClimber. Monitor de Treinamento. Almofadas ÍNDICE PEÇAS E ACESSÓRIOS 6 INSTRUÇÕES 7 BODYCORD - CORDA DE RESISTÊNCIA CORPORAL 9 MONITOR DE TREINAMENTO 10 CONTAGEM DE PULSAÇÕES 10 DICAS DO TREINAMENTO BÁSICO 11 FREQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS 11 ALONGAMENTO

Leia mais

Contra Peso. Pintura Eletrostática. Pé Nivelador Pisante Emborrachado. Pegada Emborrachada. Peso Injetado. Regulagem Pneumática

Contra Peso. Pintura Eletrostática. Pé Nivelador Pisante Emborrachado. Pegada Emborrachada. Peso Injetado. Regulagem Pneumática FUN Av. Fernando Bonvino, 1.800 Dist. Industrial - CEP 15035-460 São José do Rio Preto - SP Fone (17) 3214-8585 gervendas@vitally.com.br sac@vitally.com.br Mais informações no site: www.vitally.com.br

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

ÍNDICE. Status Strength Performance Strength Dual Function Strength Plate Load Treinos Funcionais Pesos Livres O SEU SUCESSO É O NOSSO SUCESSO.

ÍNDICE. Status Strength Performance Strength Dual Function Strength Plate Load Treinos Funcionais Pesos Livres O SEU SUCESSO É O NOSSO SUCESSO. MUSCULAÇÃO O SEU SUCESSO É O NOSSO SUCESSO. 2 ÍNDICE Status Strength Performance Strength Dual Function Strength Plate Load Treinos Funcionais Pesos Livres 3 15 24 31 35 41 NOTA: As imagens contidas neste

Leia mais

CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1

CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1 CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1 CAMPIOLI, Carlos Gustavo Mendes 1 ; FERREIRA, Iuri Armstrong de Freitas 2 ; VALADÃO, Francielly Costa 3 ; OLIVEIRA, Luan Tavares de 4 ; GOMES, Bianca

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência, para a terapia do Joelho. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

5 ADAPTANDO AS BICICLETAS SPEED E MOUNTAIN BIKE À MORFOLOGIA DO CICLISTA

5 ADAPTANDO AS BICICLETAS SPEED E MOUNTAIN BIKE À MORFOLOGIA DO CICLISTA 5 ADAPTANDO AS BICICLETAS SPEED E MOUNTAIN BIKE À MORFOLOGIA DO CICLISTA Os dados aqui apresentados referem-se ao cálculo das dimensões das bicicletas dos tipos Speed e Mountain Bike de acordo com os dados

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

Sistemas de Treino de Força Muscular

Sistemas de Treino de Força Muscular Sistemas de Treino de Força Muscular Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Considerações iniciais Poucos

Leia mais

MEC - Ginástica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3

MEC - Ginástica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 I FASE DE ANÁLISE... 4 1. MÓDULO 1 ANÁLISE DA MODALIDADE DESPORTIVA EM ESTRUTURA DO CONHECIMENTO... 4 1.1 Cultura Desportiva... 8 1.2 Habilidades motoras... 10 1.2.1 Ginástica de

Leia mais

Laboratório de Seating Personalizável

Laboratório de Seating Personalizável Laboratório de Seating Personalizável Tipos de chassis 1.Canguru- fechamento em X 2.Tilt monobloco com tilt multiposicional 3.Ágile Anatômica 4.Barcelona Infantil com ou sem tilt (sem estoque disponível

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Rodrigo Gerhardt Desde que você resolveu deixar de engatinhar

Leia mais

Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses

Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses Como os Bebês Aprendem: Período Sensório- Motor ( Piaget) : 0 a 24 meses -Interação entre o bebê e o meio ambiente. -Tentativa e erro (

Leia mais

Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO

Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO ATENÇÃO Mantenha cabelo, dedos, roupa, animais de estimação e crianças longe

Leia mais

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH DESCUBRA A S U A P A S S A D A UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH COMO USAR ESTE GUIA ESTE GUIA ENSINARÁ TÉCNICAS PARA VOCÊ APERFEIÇOAR A FORMA COMO VOCÊ CORRE AUMENTANDO EQUILÍBRIO,

Leia mais

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 1 Atividades Recreativas Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 Educador Físico, Pós graduação: Fisiologia do exercício(unifesp) MBA em Gestão e Estratégia Empresarial, Membro de 2 grupos

Leia mais

APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas. Prof Adolfo Deluca

APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas. Prof Adolfo Deluca APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas Prof Adolfo Deluca 1999 2 ÍNDICE PONTOS IMPORTANTES A SE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO... 4 1. Controle da Respiração... 4 2.

Leia mais

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE JAYME NETTO JR Professor do Departamento de Fisioterapia/UNESP Mestrado em Ciências do Esporte/UNICAMP Doutorado em Ciências da Saúde/FAMERP Técnico Olímpico

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira Direitos exclusivos para a língua portuguesa Cupyright 2000 by EDITORA SPRiNT LTDA. Rua Adolfo Mota, 69 - Tijuca CEP 20540-1 00 - Rio de Janeiro- RJ Tel. : 0XX-21-2 64-8080 / OXX-21-567-0295 - Fax: 0XX-21-284-9340

Leia mais

Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Campus - Osório. Alavancas. Lucas Mesquita. lucasvargasmesquita@hotmail.com. Info-Manhã

Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Campus - Osório. Alavancas. Lucas Mesquita. lucasvargasmesquita@hotmail.com. Info-Manhã Instituto Federal do Rio Grande do Sul Campus - Osório Alavancas Lucas Mesquita lucasvargasmesquita@hotmail.com Info-Manhã Introdução Neste artigo será relatada, de forma clara e precisa, a aplicação existente

Leia mais

Segunda-Feira / Peito e Bicep

Segunda-Feira / Peito e Bicep Segunda-Feira / Peito e Bicep Primeiro Exercicio de Peito - Supino inclinado Segundo Exercicio de Peito - Supino deitado com halteres Terceiro Exercicio de Peito - Peck Deck * Primeiro Exercicio de Bicep

Leia mais

Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola

Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola Introdução São vários os estudos de investigação que atualmente avaliam as necessidades dos atletas e os diferentes pontos de vista a respeito

Leia mais

Monstar Games Events"

Monstar Games Events Monstar Games Events" Event #1" Burpees & Snatches"" 21-15-09 reps" Burpees Over the Barbell " Snatches 65/45lb" Time cap: 8'" Friday, October 3" SCALE Individuals" Standards: Burpees over the barbell

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento 1 Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento Joyce Ribeiro Caetano 1 Orientador: Ademir Schmidt ** Resumo Trata-se de uma revisåo de literatura feita por um grupo de

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol A locomoção depende da ação conjunta e integrada dos ossos e dos músculos; Os seres humanos tem coluna vertebral, que é o eixo do nosso esqueleto interno; O esqueleto

Leia mais

Anatomia - Coluna Cervical

Anatomia - Coluna Cervical Anatomia - Coluna Cervical C1 e C2 diferem das demais vértebras da coluna por particularidades anatômicas. Massas laterais. Dente do áxis. Coluna Cervical Alta Ligamento do ápice do dente Ligamento alar

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br CARTILHA DE TREINAMENTO NEUROMUSCULAR COM ELÁSTICOS INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO www.ipcfex.com.br Realização www.exercito.gov.br www.decex.ensino.eb.br

Leia mais

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções Manual Pilates Power Gym-2010.indd Spread 1

Leia mais

Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio]

Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio] Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio] Sarvananda Deva 1. Postura da Águia Garuda [Garudasana]: Esta postura de equilíbrio em

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento Planilha de Controle de Resultados e Treinamento CONTROLE DE TREINAMENTO INFORMAÇÕES BÁSICAS DO ATLETA NOME COMPLETO Renato Santiago GÊNERO IDADE PESO (KG) ALTURA (m) IMC ATUAL Masc. 24 100,0 1,82 30,2

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS

3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS 3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS RODAR OS JOELHOS À DIREITA E À ESQUERDA SENSAÇÃO NA EXECUÇÃO: alívio na articulação dos joelhos e tornozelos. INDICAÇÃO TERAPÊUTICA: dores nas articulações dos

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Introdução A cintura pélvica é composta pela articulação sacro-ilíaca, pela sínfise púbica e pela articulação coxo-femoral. Esta última corresponde à articulação

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com maior freqüência para a terapia da coluna lombar, Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais