Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro"

Transcrição

1

2 Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações Carlos Augusto Monteiro Docente Responsável Wolney Lisboa Conde Técnina Nutricionista Silvia Konno Bolsita Trabalho Vinícius Somolanji Trevisani Bolsistas Iniciação Científica Greice Maria Mansini dos Santos Gabriela Savatte de Oliveira Fotos Regilucy Adriana Brandão Ferreira SÃO PAULO DEZEMBRO 2006

3 MANUAL DE TÉCNICAS ANTROPOMÉTRICAS 1ª Ed. São Paulo OCCIPTAL

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 01 Largura do Cotovelo 15 Largura do Peito 16 PARTE II MEDIDAS DE CIRCUNFERÊNCIA PARTE I MEDIDAS DE COMPRIMENTO Diâmetro Bi acromial 02 Diâmetro Bi iliaco 03 Diâmetro Bi trocanter 04 Diâmetro do Pulso 05 Diâmetro do Joelho 05 Diâmetro do Calcanhar 06 Estatura 07 Altura Sentado 08 Comprimento Cabeça Nádegas 08 Comprimento Ombro Cotovelo 09 Comprimento do Braço 10 Comprimento Cotovelo Pulso 11 Comprimento Antebraço Mão 11 Comprimento da Mão 12 Altura da Coxa 12 Comprimento dos Membros Inferiores 12 Altura da Perna 13 Extensão Total dos Braços 14 Braquial 18 Abdominal 19 Cefálica 20 Pescoço 21 Ombro 21 Panturrilha 22 Tornozelo 22 Antebraço 23 Pulso 23 Peito 24 Quadril 25 Cintura 26 PARTE III PESO CORPORAL Peso Corporal 28

5 PARTE IV BIOIMPEDÂNCIA Bioimpedância 30 PARTE V DOBRAS CUTÂNEAS Subescapular 32 Tricipital 33 Axilar Média 34 Supraíliaca 35 Abdominal 36 Peitoral 37 Bicipital 38 Antebraço 39 Suprapatelar 40 Panturrilha 41 Coxa 42 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

6 PARTE I MEDIDAS DE COMPRIMENTO

7 DIÂMETRO BI ACROMIAL Distância entre a projeção mais lateral dos processos acromiais das escápulas. Régua graduada com precisão de 1,0 cm. 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados ao lado do corpo, ombros levemente inclinados para frente e calcanhares juntos; 2. As regiões dos ombros e das costas devem estar desprovidas de roupas que impeçam a medição; 3. O antropometrista deve se posicionar atrás do indivíduo a ser medido; 4. Localizar a região mais lateral do acrômio; 5. Segurar as lâminas do calibrador entre os dedos indicador e médio e apoiado no polegar; 6. Posicionar a régua de sobre a porção mais lateral da borda do acrômio direito e esquerdo; 7. Aplicar pressão suficiente, de modo a assegurar que as lâminas de calibrador estejam medindo a largura óssea e que os tecidos subjacentes façam contribuições mínimas às dimensões obtidas; 8. Fazer a leitura; 9. Registrar o valor obtido; 10. Repetir o item 1 ao 9; 11. Calcular o valor médio.

8 DIÂMETRO BI ILÍACO Distância entre as cristas do ilíaco. Calibrador com precisão de 1,0 cm 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços levemente abduzidos ou cruzados sobre o peito e pés afastados aproximadamente 5 cm; 2. O antropometrista deve se posicionar atrás do indivíduo; 3. Localizar a crista ilíaca; 4. Posicionar o calibrador em um ângulo de aproximadamente 45 sobre as cristas ilíaca direita e esquerda, exercendo uma pressão; 5. Aplicar pressão suficiente, de modo a assegurar que as lâminas de calibrador estejam medindo a largura óssea e que o músculo, a gordura, e a gordura subjacentes da pele façam contribuições mínimas às dimensões obtidas; 6. Fazer a leitura; 7. Registrar o valor obtido; 8. Repetir o item 1 ao 7; 9. Calcular o valor médio.

9 DIÂMETRO BI TROCÂNTER A distância entre a projeção mais lateral dos grandes trocânteres. Calibrador com precisão de 1,0 cm 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados a frente do corpo ou com os braços cruzados sobre o peito; 2. O antropometrista deve se posicionar atrás do indivíduo a ser medido; 3. Encontrar a região do grande trocânter do lado direito e do esquerdo; 4. Posicionar a régua sobre estes pontos anatômicos; 5. Aplicar pressão suficiente, de modo a assegurar que as lâminas de calibrador/paquímetro estejam medindo a largura óssea e que o músculo e a gordura subjacentes da pele façam contribuições mínimas às dimensões obtidas; 6. Realizar a leitura. 7. Registrar o valor obtido. 8. Repetir o item 1 ao Calcular o valor médio.

10 DIÂMETRO DO PULSO DIÂMETRO DO JOELHO Distância entre o mais lateral (estilóide do rádio) e Equipamento Paquímetro de pontas rombas ou paquímetro ósseo Técnica 1. O indivíduo deve estar ereto com o antebraço flexionado, formando um ângulo de 90 com o cotovelo, mantendo o braço na vertical e ao lado do corpo; 2. O antropometrista deve se posicionar na frente do indivíduo; 3. Localizar o aspecto mais lateral do estilóide do rádio: apalpar com o polegar ou o dedo indicador da mão esquerda e mover se no espaço entre o extensor policis longo e o abdutor policis longos; 4. Aplicar firme pressão. Distância entre o mais medial (epicôndilo medial) e o mais lateral (epicôndilo lateral) aspecto dos côndilos femurais. Equipamento Paquímetro de segmento ou paquímetro de pontas rombas. Técnica 1. O indivíduo deve estar sentado com a perna flexionada formando um ângulo de 90 com o joelho; ou ereto com a perna flexionada formando ângulos de 90 com o quadril e o joelho, e com o pé apoiado em uma superfície apropriadamente alta (banco); 2. O antropometrista deve se posicionar na frente do indivíduo; 3. Localizar o aspecto mais lateral do epicôndilo femural utilizando o indicador ou o dedo médio da mão esquerda; 4. Localizar o epicôndilo medial, apalpar com os dedos correspondentes da mão direita; 5. Guiar as lâminas do calibrador ou as pontas do paquímetro com o polegar e dedo indicador de cada mão; 6. Posicionar o calibrador diagonalmente para baixo e para o indivíduo; 7. Colocar as lâminas do calibrador nos pontos, e aplicar firme pressão; 8. A medida não é realizada necessariamente no plano horizontal.

11 DIÂMETRO DO CALCANHAR Distância máxima entre o maléolo medial e a extensão mais medial do maléolo medial no mesmo plano horizontal. Obs.: Crianças ou indivíduos com dificuldade de permanecer na posição. (Indivíduo supinado com os joelhos flexionados e a sola do pé apoiado em uma superfície plana. Equipamento Paquímetro de segmento ou paquímetro de pontas rombas. Técnica 1. O indivíduo deve estar ereto e apoiado em uma superfície plana mais elevada que o solo para facilitar a realização da medida e a leitura do equipamento; 2. O indivíduo deve estar descalço, com os pés afastados aproximadamente 6 cm e o peso distribuído em ambos os pés; 3. O antropometrista deve se posicionar atrás do indivíduo; 4. A medida é feita no aspecto anterior do calcanhar, se possível. Quando o espaço é insuficiente, a medida deve ser realizada no aspecto anterior do calcanhar; 5. A distância horizontal é medida, mas o plano entre o ponto mais medial e o mais lateral nesta área é obliquo, o maléolo lateral é posteroinferior ao maléolo medial; 6. Posicionar o paquímetro de segmentos perpendicular ao eixo longo dos pés e próximo a superfície reta, as lâminas inclinadas para cima em um ângulo de 45 até encontrar os pontos. Com o paquímetro de pontas rombas, as linhas entre os pontos devem ser perpendiculares ao eixo longo do pé; 7. Aplicar pressão suficiente para comprimir os tecidos subjacentes do maléolo, trata se de uma medida óssea;

12 ESTATURA Distância entre os pontos mais extremos do indivíduo na posição vertical 8. Registrar o valor obtido. 9. Repetir o item 1 ao 8; 10. Calcular o valor médio. Estadiômetro fixo ou portátil (precisão 0,2mm) 1. Esta medida deve ser realizada com o indivíduo descalço ou com meias finas e vestindo roupas leves de modo que se possa observar o contorno do corpo; 2. O indivíduo deve estar ereto com os pés e pernas paralelos, peso distribuído em ambos os pés, braços relaxados ao lado do corpo e palmas das mãos voltadas para o corpo; 3. A face posterior do indivíduo deve estar voltada para a superfície vertical do estadiômetro; 4. Posicionar os calcanhares, as panturrilhas, os glúteos, as escápulas e a região do occipital do indivíduo na superfície do estadiômetro ou parede; 5. Posicionar a cabeça do indivíduo no plano de Frankfurt (margem inferior da abertura do orbital e a margem superior do meatus auditivo externo estão em uma mesma linha horizontal); 6. Quando não for possível encostar os cinco pontos (calcanhares, panturrilhas, nádegas, escápulas e parte posterior do occiptal) na superfície posterior do estadiômetro, posicionar ao menos três deles e a cabeça no plano de Frankfurt; 7. Realizar a leitura; OCCIPTAL OMOPLATA GLÚTEOS PANTURILHA CALCANHARES

13 ALTURA SENTADO Medida da distância da superfície do assento ao vértice da cabeça (ponto mais alto da cabeça no plano sagital) Equipamento Mesa alta e antropômetro Técnica 1. O indivíduo deve estar sentado ereto na mesa com os pés suspensos com as mãos apoiadas nas coxas; 2. As pernas não devem estar apoiadas na borda da mesa. A parte de trás dos joelhos deve estar próxima à borda da mesa, mas não em contato com ela; 3. Posicionar a cabeça no Plano de Frankfurt; 4. O antropometrista deve ficar a esquerda do indivíduo; 5. Reforçar a posição aplicando gentilmente uma pressão simultânea com a mão direita sobre a área lombar e com mão esquerda a parte superior do esterno; 6. Realizar uma tração ascendente na região do processo mastóide para assegurar que o indivíduo esteja sentado e totalmente ereto; 7. A base do antropômetro é posicionada verticalmente na linha média das costas do indivíduo, muito próximo das regiões sacral e interescapular; 8. Aproximar se pelo lado esquerdo do indivíduo; 9. Com a mão esquerda segurar o queixo do indivíduo para assegurar a posição apropriada; 10. Com a mão direita mover a borda móvel do antropômetro até o vértice da cabeça do indivíduo; 11. Aplicar firme pressão para comprimir o cabelo; 12. Realizar a leitura durante a inspiração, antes de o indívíduo expirar. COMPRIMENTO CABEÇA NÁDEGAS Medida do comprimento da cabeça às nádegas Equipamento Infantômetro Técnica 1. O indivíduo deve estar deitado na superfície do infântometro na posição supino; 2. A coroa da cabeça deve tocar a superfície vertical e fixa do equipamento; 3. A linha longitudinal do corpo deve acompanhar a linha longitudinal do infântometro; 4. Posicionada a cabeça no Plano de Frankfurt; 5. Encostar os ombros e os quadris na superfície horizontal do infantômetro e alinhá los em um ângulo 90 com o eixo longitudinal do corpo; 6. O primeiro antropometrista posiciona a cabeça da criança e observa se o a linha central do corpo coincide com o eixo longitudinal do infântometro; 7. O segundo antropometrista levanta as pernas do indivíduo com uma mão, de modo que as coxas estejam formando um ângulo de 90 com a superfície e, com a outra mão empurra com firme pressão o cursor contra as nádegas do indivíduo.

14 COMPRIMENTO OMBRO COTOVELO Distância entre o acrômio e o olecrano projetos paralelamente ao eixo longitudinal do braço. 12. Realizar a leitura; 13. Registrar o valor; 14. Repetir o procedimento; 15. Calcular a média das duas medidas. Equipamento Paquímetro de segmento Técnica 1. As roupas devem possibilitar a visualização do contorno do corpo do indivíduo; 2. A região dos ombros e dos braços deve estar desprovida de roupas; 3. Os ombros e os braços devem estar livres de roupas; 4. O indivíduo deve estar ereto em uma superfície horizontal plana com o peso distribuído em ambos os pés, e a cabeça posicionada no Plano de Frankfurt; 5. Os ombros para trás e os braços relaxados ao lado do corpo; 6. A respiração deve ser normal; 7. Solicitar ao indivíduo que flexione o cotovelo de modo que os a superfície ulnar dos antebraços e as mãos fiquem em um plano horizontal e paralelo; 8. O eixo do antropômetro é posicionado paralelamente ao aspecto posterior do braço; 9. A lâmina fixa do equipamento deve estar em firme contato com o aspecto superior lateral do acrômio; 10. O antropometrista move a lâmina deslizante do compasso até encontrar a superfície posterior do olecrano; 11. Segurar o equipamento firmemente neste local;

15 COMPRIMENTO DO BRAÇO Distância entre o acrômio e o olécrano projetados paralelamente ao eixo longitudinal do braço. Régua graduada com precisão de 0,1cm 1. O indivíduo deve estar ereto com o peso distribuído em ambos os pés, a cabeça posicionada no Plano de Frankfurt e em respiração normal. 2. O ombro e o braço a ser medido devem estar desprovidos de roupas que impeçam a medição. 3. Solicitar que o indivíduo flexione o cotovelo, de modo que o braço e a mão estejam em um plano horizontal e paralelo a cada um deles. 4. Localizar a região superior lateral do acrômio (prolongamento da escápula). 5. Localizar a porção posterior do olécrano. 6. Realizar a medida na face posterior do braço. 7. Posicionar a parte fixa do calibrador em contato firme com o aspecto lateral do olecrano, a parte móvel do instrumento em contato com a superfície posterior do processo acromial da ulna. 8. Realizar a leitura. 9. Anotar o valor. 10. Repetir o item 1 até o Calcular o valor médio. 4 5

16 COMPRIMENTO DO COTOVELO PULSO COMPRIMENTO DO ANTEBRAÇO MÃO Distância entre o olécrano e o ponto mais distal (estilóide do rádio) Paquímetro de segmento 1. As roupas devem possibilitar a visualização do contorno do corpo do indivíduo; 2. A área dos ombros e dos braços deve estar desprovida de roupas; 3. O indivíduo deve estar ereto em uma superfície horizontal plana, calcanhares juntos, peso distribuído em ambos os pés, e ombros para trás; 4. Posicionar a cabeça no Plano de Frankfurt; 5. Respirar normalmente; 6. Os braços ao lado do corpo, cotovelos flexionados em 90, com as palmas das mãos posicionadas medialmente, e os dedos estendidos na direção do eixo longo do antebraço; 7. Idosos e crianças precisam de auxílio para manter a posição; 8. A parte fixa do compasso é posicionada em firme contato com o ponto mais posterior e alta do olecrano, enquanto que a lâmina deslizante do equipamento é alinhada com o ponto palpável mais distal do processo estilóide do rádio; 9. As lâminas do compasso ficam perpendiculares ao eixo longo do antebraço. Distância entre o olécrano e aponta do dedo médio. Paquímetro de segmento 1. As roupas devem possibilitar a visualização do contorno do corpo do indivíduo; 2. A região dos ombros e dos braços deve estar desprovidas de roupas; 3. O indivíduo deve estar ereto em uma superfície horizontal plana, com os calcanhares juntos, os ombros para trás e o peso distribuído em ambos os pés; 4. Posicionar a cabeça do indivíduo no Plano de Frankfurt; 5. O indivíduo deve manter a respirar normal; 6. Os braços na vertical com os cotovelos apoiados levemente contra o corpo; 7. Solicitar que o indivíduo flexione os cotovelos, formando um ângulo de 90 com os antebraços e as mãos supinadas e estendidas horizontalmente para frente; 8. Os dedos das mãos devem estar unidos e estendidos na direção do eixo longitudinal dos antebraços; 9. A parte fixa do calibrador é colocada em firme contato com a superfície mais posterior e overlying do olécrano, enquanto que a lâmina deslizante é posicionada de modo que fique em firme contato com a ponta do dedo médio da mão estendida; 10. As lâminas do compasso devem estar perpendiculares ao eixo longitudinal do antebraço.

17 COMPRIMENTO DA MÃO ALTURA DA COXA Distância entre o processo estilóide até a ponta do dedo médio. Paquímetro de segmento 1. O indivíduo ereto ou sentado com braços relaxados e os antebraços estendidos horizontalmente e a palma da mão voltada para cima; 2. A mão e os dedos estendidos na direção do eixo longitudinal do antebraço; 3. A lâmina deslizante do calibrador é posicionada paralelamente ao eixo longitudinal da mão, a lâmina fixa é alinhada com o ponto palpável mais distal do processo estilóide do rádio; 4. A parte deslizante do compasso é posicionada de modo que fique em leve contato com a ponta do dedo médio. COMPRIMENTO DOS MEMBROS INFERIORES Distância entre a junção do quadril e o chão quando os indivíduos estão eretos. Em indivíduos vivos esta medida é aproximada, devida a dificuldade em localizar a junção do quadril. Funcionalmente, definido como a diferença entre a estatura e a altura sentada. Para os indivíduos que não podem ficar em pé ou sentados, adotar a diferença entre a altura sentada ou comprimento cabeça nádegas. Definida anatomicamente como comprimento do quadril joelho. Em indivíduos vivos, esta medida é aproximada devida à dificuldade em localizar estes pontos. Fita inelástica, mesa/cadeira especial, antropômetro COMPRIMENTO DA COXA DIRETO Medida da distância do ponto médio do ligamento inguinal a borda proximal da patela. 1. O antropometrista deve se posicionar na frente do indivíduo; 2. Localizar a dobra inguinal no ponto médio do eixo longo da coxa. Solicite que o indivíduo flexione o quadril; 3. Localizar a borda proximal da patela com os joelhos do indivíduo estendidos; 4. Marcar os pontos; 5. Solicitar que o indivíduo flexione os quadris e a coxa que vai ser medida em um ângulo de 90º; 6. Flexionar a coxa que vai ser medida e o joelho em 90º; 7. Apoiar o pé do lado que vai ser medido em um banco/cadeira; 8. Coloque a fita sobre os pontos e meça a distância. COMPRIMENTO DA COXA PROJETADO Diferença entre a altura sentada e altura da tíbia.

18 ALTURA DA PERNA Comprimento entre a linha da articulação do joelho e a ponta do maléolo medial ou o comprimento projetado, distância vertical da face proximal da tíbia até a sola do pé Paquímetro de segmento ALTURA DA PERNA DIRETA 1. O indivíduo deve estar sentado com a perna que vai ser medida cruzada sobre o joelho oposto; 2. Localizar e marcar a extremidade proximal da borda medial da tíbia e a ponta distal do maléolo medial; 3. O antropometrista deve estar sentado ou de joelhos (cócoras) na frente do indivíduo; 4. Colocar as lâminas do antropômetro sobre as marcas; 5. O eixo do equipamento deve estar paralelo ao eixo longo da tíbia; 6. Realizar a leitura; 7. Registrar o valor; 8. Repetir o procedimento; 9. Calcular a média das duas medidas. ALTURA DA PERNA PROJETADA 1. O indivíduo deve estar ereto; 2. Localizar a borda horizontal e lateral da extremidade proximal da tíbia; 3. Solicitar que o indivíduo flexione o joelho; 4. Encontrar a depressão limitada pelo epicôndilo do fêmur, a porção anterolateral da extremidade proximal da tíbia, e a cabeça da fíbula; 5. Nesta depressão, o antropometrista pressiona medialmente, localizando a borda da tíbia, e então apalpa posteriormente ao longo da borda para localizar o ponto mais superior. Este ponto é um terço da distância entre a superfície anterior à posterior da articulação do joelho no seu aspecto lateral. O local está no aspecto lateral da junção do joelho no nível da superfície superior, mas não superficial da tíbia; 6. Marcar o ponto; 7. O antropometrista deve ficar em pé ao lado do indivíduo; 8. Colocar o eixo do antropômetro verticalmente, com sua base apoiada no chão, mover a lâmina do equipamento para baixo até tocar a marca; 9. Realizar a leitura; 10. Registrar o valor obtido; 11. Repetir o procedimento; 12. Calcular a média das duas medidas.

19 EXTENSÃO TOTAL DOS BRAÇOS Distância entre a ponta do dedo médio da mão direita e a ponta do dedo médio da mão esquerda (braços estendidos lateralmente) Fita métrica com precisão de 1,0 cm. 1. O indivíduo deve estar ereto com os pés juntos e as costas apoiadas na parede; 2. Solicitar que o indivíduo estenda os braços lateralmente e maximamente no nível dos ombros com as palmas das mãos voltadas para fora; 3. Marcar o ponto inicial: ponta do dedo médio da mão direita (excluir a unha); e o ponto final: ponta do dedo médio da mão esquerda (excluir a unha); 4. Liberar o indivíduo da posição; 5. Medir a distância entre os pontos obtidos; 6. A medida deve ser realizada por dois antropometristas: o primeiro coloca a fita no ponto inicial e o outro faz a leitura no ponto marcado; 7. Realizar a leitura; 8. Registrar o valor obtido; 9. Repetir o item 1 ao 8; 10. Calcular o valor médio.

20 LARGURA DO COTOVELO Distância entre os epicôndilos do úmero. Paquímetro com precisão de 0,1cm. 1. O indivíduo deve posicionar o braço na horizontal e o antebraço flexionado em um ângulo de 90º com o cotovelo e o dorso da mão voltada para o antropometrista; 2. O antropometrista deve se posicionar na frente do indivíduo; 3. Localizar os epicôndilos do úmero; 4. Posicionar as pontas do paquímetro sobre os epicôndilos; 5. As pontas do paquímetro devem estar paralelas ou ligeiramente inclinadas de modo a medir a maior largura óssea na junção do cotovelo; 6. Aplicar pressão suficiente, de modo a assegurar que as lâminas de calibrador/paquímetro estejam medindo o segmento e que os tecidos subjacentes façam contribuições mínimas às dimensões obtidas; 7. Realizar a leitura; 8. Registrar o valor obtido; 9. Repetir o item 1 ao 8; 10. Calcular o valor médio.

21 LARGURA DO PEITO 11. Calcular o valor médio. Distância entre Calibrador de larga expansão. 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços levemente abduzidos para facilitar a o acesso ao local da medida; 2. O antropometrista deve se posicionar em frente ao indivíduo a ser medido; 3. Apalpar a região a ser medida, iniciar pela clavícula, até localizar a sexta costela (quarta junção costo esternal) onde deve ser feita uma marcação; 4. As pontas do calibrador devem estar posicionadas na sexta costela; 5. Apoiar as pontas do calibrador nos dedos para prevenir que eles escorreguem para os espaços intercostais; 6. O calibrador deve estar alinhado em um plano horizontal paralelo ao chão; 7. Aplicar pressão suficiente, de modo a assegurar que as lâminas de calibrador/paquímetro estejam medindo a largura óssea e que os tecidos subjacentes façam contribuições mínimas às dimensões obtidas; 8. Realizar a leitura da medida no final da expiração; 9. Registrar o valor obtido; 10. Repetir o item 1 ao 8;

22 PARTE II MEDIDAS DE CIRCUNFERÊNCIA

23 CIRCUNFERÊNCIA BRAQUIAL PONTO MÉDIO DO BRAÇO Medida da circunferência do braço feita no seu ponto médio. Ponto médio da distância entre a projeção lateral do processo acromial e a margem inferior do processo olecraniano. Fita métrica flexível e inelástica com precisão de 0,1 cm. 1. Localizar e marcar o ponto médio (vide ponto médio do braço). 2. Solicitar para o individuo abduzir sutilmente o braço para colocação da fita métrica. 3. Posicionar a fita sobre o ponto médio. 4. O indivíduo deve estar com o braço relaxado ao longo do corpo e com palma da mão voltada para a coxa. 5. Segurar a parte inicial ( zero ) da fita com a mão esquerda e posicionar abaixo da parte final da fita que deve estar segura pela mão direita. 6. Verificar se a fita está alinhada em um plano horizontal, paralelo ao chão. 7. Aplicar tensão à fita, de modo que ela se ajuste firmemente em torno do braço, sem enrugar a pele nem comprimir os tecidos subcutâneos. 8. Fazer a leitura. 9. Registrar o valor obtido. 10. Repetir o item 1 ao Calcular o valor médio. 1. A medida é realizada no aspecto lateral do braço. 2. O cúbito do indivíduo deve estar flexionado em Localizar o acrômio: apalpar lateralmente a superfície superior o prolongamento da escápula. 4. Localizar o olécrano da ulna. 5. Posicionar a fita sobre os pontos anatômicos e medir a distância. 6. Marcar o ponto médio.

24 CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL Maior circunferência do abdômen no plano horizontal. Fita métrica flexível e inelástica de 150 cm (precisão 0,1 cm). 1. A região abdominal deve estar desprovida de roupas. 2. O indivíduo deve estar ereto com os pés juntos e braços relaxados ao lado do corpo e em respiração normal. 3. Posicionar a fita ao redor da maior circunferência na região anterior do abdômen no plano horizontal, ou seja, a maior circunferência antes de chegar ao quadril. Geralmente esta circunferência coincide com a cicatriz umbilical, porém não é regra. 4. O antropometrista deve se posicionar lateralmente ao indivíduo a ser medido. 5. Segurar a parte inicial ( zero ) da fita com a mão esquerda e posicionar abaixo da parte final da fita que deve estar segura pela mão direita. 6. Verificar se a fita está paralela ao plano horizontal. 7. Aplicar tensão à fita, de modo que ela se ajuste firmemente em torno do abdômen, sem enrugar a pele nem comprimir os tecidos subcutâneos. 8. Fazer a leitura da fita na altura dos olhos, ao lado do individuo. 9. Registrar o valor obtido.

25 CIRCUNFERÊNCIA CEFÁLICA Medida da circunferência craniana. Fita métrica para medição de circunferência cefálica 1. O indivíduo deve estar sentado em posição confortável, porém com a coluna ereta. Crianças menores de 36 meses devem estar sentadas no colo da mãe/responsável. 2. Retirar fivelas, tiaras, faixas e outros adereços dos cabelos. 3. O antropometrista deve se posicionar do lado esquerdo do indivíduo a ser medido. 4. Passar a fita ao redor da maior circunferência da cabeça, o que corresponde na região frontal acima das sobrancelhas e na dorsal sob o occipital. 5. O plano da fita deve ser o mesmo em ambos os lados da cabeça. 6. Segurar a parte inicial ( zero ) da fita com a mão esquerda e posicionar abaixo da parte final da fita que deve estar segura pela mão direita. 7. Puxar a fita levemente para comprimir os cabelos. 8. Fazer a leitura. 9. Registrar o valor obtido. 10. Repetir o item 1 ao Calcular o valor médio.

26 CIRCUNFERÊNCIA DE PESCOÇO CIRCUNFERÊNCIA DO OMBRO Menor circunferência do pescoço logo abaixo da proeminência laríngea. Fita flexível e inelástica Fita flexível e inelástica 1. A área do pescoço deve estar desprovida de roupas; 2. O indivíduo deve estar ereto ou sentado com a cabeça no plano de Frankfurt; 3. O antropometrista deve se posicionar do lado esquerdo do indivíduo; 4. Colocar a fita ao redor do pescoço logo abaixo da proeminência laríngea, perpendicular ao eixo longo do pescoço, que não deve necessariamente estar na horizontal; 5. A pressão da fita sobre a pele deve ser mínima; 6. A medida deve ser realizada em menos de 5 segundos a fim de se evitar desconfortos. 1. O indivíduo deve vestir roupas que possibilitem a visualização dos pontos; 2. O indivíduo deve estar em pé, com a cabeça ereta, olhando para frente, pés afastados cerca de 5 cm, ombros para trás, braços ao longo do corpo e com o peso distribuído em ambos os pés; 3. Posicionar a fita nas maiores protuberâncias muscular do deltóide, inferior a cada acrômio; 4. Colocar a fita na posição horizontal, confortavelmente, em contato com a pele, sem comprimir os tecidos.

27 CIRCUNFERÊNCIA DE PANTURRILHA CIRCUNFERÊNCIA DO TORNOZELO Maior circunferência da panturrilha no plano horizontal Menor circunferência do tornozelo no plano horizontal Fita flexível e inelástica 1. O indivíduo deve estar sentado com a perna a ser medida suspensa ou ereto com os pés afastados cerca de 20 cm e o peso distribuído em ambos os pés; 2. Posicionar a fita horizontalmente ao redor da panturrilha; 3. Localizar a maior circunferência da panturrilha em um plano perpendicular ao eixo longo da panturrilha, movendo a fita para cima e para baixo; 4. Realizar a medida na maior circunferência da panturrilha. Fita flexível e inelástica 1. Indivíduo deve estar descalço, ereto, com os pés levemente separados e com o peso distribuído em ambos os pés; 2. A superfície em que o indivíduo está apoiado deve ser plana e mais elevada que o solo; 3. O antropometrista deve se posicionar na frente do indivíduo; 4. Colocar a fita na menor circunferência do tornozelo, perpendicular ao eixo longo, proximal ao maléolo; 5. A fita é ajustada em torno do tornozelo de modo que não comprima os tecidos subjacentes. Obs.: Crianças e indivíduos que não permanecem na posição I. A medida deve ser realizada por dois antropometristas; II. Indivíduo deitado em supino; III. Um antropometrista eleva a perna e flexiona dorsalmente o pé do indivíduo até 90 ; IV. A menor circunferência é medida como descrito acima.

28 CIRCUNFERÊNCIA DO ANTEBRAÇO CIRCUNFERÊNCIA DO PULSO Maior circunferência do antebraço no plano horizontal Fita flexível e inelástica Fita inelástica com 0,7 cm de largura no máximo. 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados ao lado do corpo, levemente afastados do tronco com palma da mão posicionada anteriormente; 2. A fita é posicionada na parte proximal do antebraço, perpendicular ao seu eixo longo; 3. Localizar a maior circunferência, movendo a fita para cima e para baixo; 4. A fita deve estar confortavelmente em contato com a pele, mas sem comprimir os tecidos adjacentes. Indivíduo deve estar ereto com o braço flexionado de modo que a palma da mão esteja elevada e os músculos da mão relaxados; Localizar o processo estilóide do rádio e da ulna: apalpar com o indicador e o dedo médio de cada mão; Posicionar a fita distal do processo estilóide do rádio e da ulna, perpendicular ao eixo longo do antebraço e no mesmo plano do aspecto anterior e posterior do pulso; A fita deve se ajustar entre a depressão medial e lateral, tocar confortavelmente a pele em toda a circunferência, mas não comprimir os tecidos adjacentes.

29 CIRCUNFERÊNCIA DO PEITO 13. Calcular o valor médio. Medida realizada na altura da sexta costela o que corresponde a quarta junção costo esternal. Fita métrica flexível e inelástica com precisão de 0,1 cm. 1. Esta medida não deve ser realizada sobre a roupa. 2. O indivíduo deve estar ereto. 3. Braços levemente abduzidos para a colocação da fita. 4. Localizar e marcar a quarta junção costo esternal: apalpar a região, de cima para baixo, iniciando pela clavícula, até localizar a quarta junção costo esternal. 5. Passar a fita ao redor do tronco sob a marcação feita na quarta junção costo esternal. 6. Segurar a parte inicial ( zero ) da fita com a mão esquerda e posicionar abaixo da parte final da fita que deve estar segura pela mão direita. 7. Solicitar ao indivíduo que relaxe os braços. 8. Verificar se a fita está alinhada em um plano horizontal, paralelo ao chão. 9. Aplicar tensão à fita, de modo que ela se ajuste firmemente em torno do tórax, sem enrugar a pele. 10. Fazer a leitura. 11. Registrar o valor obtido. 12. Repetir o item 1 ao 11.

30 CIRCUNFERÊNCIA QUADRIL Medida do tamanho externo da pélvis. Fita métrica flexível e inelástica com precisão de 0,1 cm. 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados ao lado do corpo e com as pernas fechadas no momento da medição. 2. Localizar o grande trocânter, normalmente situado na mesma linha no plano horizontal da sínfise púbica. 3. Passar a fita ao redor do quadril, em cima dos trocânteres. 4. Segurar a parte inicial ( zero ) da fita com a mão esquerda e posicionar abaixo da parte final da fita que deve estar segura pela mão direita. 5. Verificar se a fita está alinhada em um plano horizontal, paralelo ao chão. 6. Solicitar ao indivíduo que feche as pernas no momento da medição. 7. Aplicar tensão à fita, de modo que ela se ajuste firmemente em torno do quadril, sem enrugar a pele nem comprimir os tecidos subcutâneos. 8. Realizar a leitura. 9. Registrar o valor obtido. 10. Repetir o item 1 ao Calcular o valor médio encontrado nas duas medidas.

31 CIRCUNFERÊNCIA DE CINTURA Medida realizada no ponto médio entre a última costela e a crista ilíaca. 11. Realizar a medição no final da expiração normal 12. Fazer a leitura. 13. Registrar o valor obtido. 14. Repetir o item 1 ao Calcular o valor médio. Fita métrica flexível e inelástica com precisão de 0,1cm. 1. A região a ser medida deve estar livre de roupas. 2. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados ao lado do corpo, pés juntos e abdômen relaxado. 3. Localizar a última costela: solicitar ao individuo que inspire e segure a respiração por alguns segundos. 4. Localizar a crista ilíaca: apalpar o ilíaco até encontrar a região mais elevada. 5. Medir a distância entre os dois pontos e marcar o ponto médio. 6. Colocar a fita horizontalmente ao redor da cintura sobre o ponto médio. 7. Segurar a parte inicial ( zero ) da fita com a mão esquerda e posicionar abaixo da parte final da fita que deve estar segura pela mão direita. 8. Verificar se a fita está alinhada em um plano horizontal, paralelo ao chão. 9. O antropometrista deve se posicionar lateralmente ao indivíduo para realizar a leitura. 10. Aplicar tensão à fita, de modo que ela se ajuste firmemente em torno da cintura, sem enrugar a pele nem comprimir os tecidos subcutâneos.

32 PARTE III PESO CORPORAL

33 PESO CORPORAL Balança pediátrica Balança de plataforma Balança portátil em ambos os pés. 9. Realizar a leitura quando a mãe/responsável estiver quieta. 10. Registrar o peso da mãe/responsável. 11. Repetir o procedimento. 12. Calcular a média da medida peso da mãe com a criança e peso da mãe/responsável. 13. Subtrair o peso médio da mãe com a criança menos o peso médio da mãe. Crianças A criança deve estar despida e descalça. Balança pediátrica 1. Deitar a criança na balança, com o peso distribuído igualmente em cada lado do centro da bandeja. 2. Realizar a leitura quando a criança estiver deitada e quieta. Balança plataforma ou balança portátil: 1. A mãe/responsável deve estar descalça e com roupas leves (retirar blusas, casacos, etc). 2. Solicitar que a mãe/responsável suba na plataforma com a criança no colo. 3. Posicionar a mãe/responsável no centro da plataforma com o peso distribuído em ambos os pés. 4. Faça a leitura com o bebê quieto/calmo. 5. Registrar o peso da mãe/responsável com o bebê. 6. Repetir o procedimento. 7. Solicitar que a mãe/responsável suba na balança sem o bebê. 8. Posicionar a mãe no centro da plataforma com o peso distribuído Adultos 1. Indivíduo deve estar descalço e não vestir casacos e/ou blusas grossas. 2. Padronizar roupas. 3. Posicionar indivíduo no centro da plataforma. 4. Indivíduo ereto com o peso distribuído em ambos os pés. 5. Realizar a leitura quando o indivíduo estiver quieto. 6. Registrar o valor do peso corporal. 7. Repetir o procedimento. 8. Calcular a média. 9. Não subtrair a roupa do peso corporal.

34 PARTE IV BIOIMPEDÂNCIA

35 BIOIMPEDÂNCIA As pernas e o braço devem estar abduzidos 45 um do outro e do tronco respectivamente. Impedanciômetro Superfície não condutora Algodão Álcool Impedância mão pé 1. O indivíduo deve estar deitado em decúbito dorsal em uma superfície não condutora, em uma sala com temperatura ambiente 22 C. 2. As medidas de bioimpedância são realizadas no lado direito do corpo. 3. Limpar com álcool os pontos de colocação dos eletrodos (vide manual do equipamento). 4. Colocar os eletrodos na: 5. Superfície dorsal da articulação do punho; 6. Base ou na terceira articulação metacarpo falângica da mão; 7. Superfície dorsal do tornozelo; 8. Base da segunda articulação metatarso falângica do pé. 9. A posição dos eletrodos variam segundo a marca do equipamento; 10. Conectar os cabos de ligação aos eletrodos apropriados: 11. Cabos vermelhos (proximais): articulações do punho e do tornozelo; 12. Cabos pretos (distais): mão e pé.

36 PARTE V DOBRAS CUTÂNEAS

37 PREGA CUTÂNEA SUBESCAPULAR Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente da região da escápula. Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro) 1. A região a ser medida deve estar livre de roupas. 2. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados ao lado do corpo. 3. Apalpar a escápula para localizar seu ângulo inferior. Para alguns indivíduos, especialmente obesos, colocar delicadamente o braço atrás das costas e identificar o local. 4. Realizar o pinçamento da prega 1 cm abaixo do ângulo inferior da escápula. 5. O pinçamento da prega é feito ao longo da linha de 45º do ângulo cujo vértice é o ponto inferior da escápula. 6. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm. 7. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador da mão esquerda. 8. O calibrador deve estar na mão direita. 9. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, 1 cm abaixo e lateralmente ao ângulo citado. 10. Soltar a pressão das hastes lentamente. 11. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada. 12. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada. 13. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega. 14. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento. 15.Registrar o valor obtido. 16.Repetir o item 1 ao Calcular o valor médio encontrado nas duas medidas.

38 PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente da região do tríceps. Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro); 12. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada. 13. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega. 14. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento. PONTO MÉDIO DO BRAÇO 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados ao lado do corpo; 2. Marcar o ponto médio entre o processo acromial (prolongamento da escápula) e o olécrano (extremidade da ulna). 3. O antropometrista deve se posicionar atrás do indivíduo a ser medido. 4. Pinçar a prega verticalmente na face posterior do braço, 1 cm acima do ponto médio. 5. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm 6. A crista formada pela prega deve acompanhar uma linha imaginária, na face posterior do braço, entre processo acromial e o olécrano. 7. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador. 8. O calibrador deve estar na mão direita. 9. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, na altura do ponto médio e abaixo dos dedos que mantêm o pinçamento. 10. Soltar a pressão das hastes lentamente. 11. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada. Ponto médio da distância entre a projeção lateral do processo acromial e a margem inferior do processo olecraniano. Técnica 1. Aspecto lateral do braço. 2. Cúbito flexionado em O antropometrista se posiciona atrás do indivíduo a ser medido. 4. Apalpar lateralmente na superfície superior o prolongamento da escápula e localizar o acrômio. 5. Localizar o olécrano da ulna. 6. Posicionar a fita sobre os pontos anatômicos e medir a distância. Braço direito

39 Prega Cutânea PREGA CUTÂNEA AXILAR MÉDIA Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente da axila. Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); articulação do ombro; 5. Realizar o pinçamento no nível da junção xifo esternal, na linha axilar média; 6. O pinçamento da dobra cutânea é feito na horizontal; 7. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm; 8. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador da mão esquerda; 9. O calibrador deve estar na mão direita; 10. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra; 11. Soltar a pressão das hastes lentamente; 12. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada; 13. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada; 14. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega; 15. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento; 16. Registrar o valor obtido; 17. Repetir o item 1 ao 16; 18. Calcular o valor médio encontrado nas duas medidas. 1. O indivíduo deve estar ereto. As crianças devem estar no colo das mães/responsáveis; 2. O antropometrista deve se posicionar na lateral do indivíduo; 3. Observar se o indivíduo não está flexionando o tronco para o lado que está sendo medido; 4. O braço esquerdo deve estar levemente abduzido e flexionado na

40 PREGA CUTÂNEA SUPRAILIACA Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente da região do ilíaco. Osso da pelve direita Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados ao lado do corpo e os pés unidos. 2. Pinçar a prega imediatamente acima à crista ilíaca. 3. O pinçamento da prega deve ser feito ao longo da linha média entre a crista ilíaca e a axila, inclinando se de forma descendente a um ângulo de 45 graus com o plano horizontal, estendido em direção a sínfise púbica. 4. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm. 5. O calibrador deve estar na mão direita. 6. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, cerca de 1 cm do pinçamento do lado direito da prega. 7. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada. 8. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada. 9. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega. 10. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento

41 PREGA CUTÂNEA ABDOMINAL 12. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento. Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente da região abdominal. Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); 1. O indivíduo deve estar com o peso distribuído em ambos os pés, relaxar a musculatura abdominal o máximo possível e respirar normalmente. 2. Pinçar a prega 3 cm ao lado do ponto médio da cicatriz umbilical e 1 cm abaixo dele. 3. O pinçamento da prega deve ser horizontal ao plano. 4. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm. 5. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador. 6. O calibrador deve estar na mão direita. 7. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, 1 cm medial ao pinçamento. 8. Soltar a pressão das hastes lentamente. 9. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada. 10. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada. 11. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega. Localização da prega

42 PREGA CUTÂNEA PEITORAL 11. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento. Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente do peito Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados ao lado do corpo. 2. O pinçamento deve ser realizado acima da dobra axilar anterior tão alta quanto possível, no sentido da linha central direcionada ao mamilo. 3. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm. 4. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador. 5. O calibrador deve estar na mão direita. 6. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, 1 cm abaixo do pinçamento. 7. Soltar a pressão das hastes lentamente. 8. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada. 9. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada. 10. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega.

43 PREGA CUTÂNEA BICIPTAL Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente do bíceps Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); 13. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega; 14. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento; 15. Registrar o valor obtido; 16. Repetir o item 1 ao 15; 17. Calcular o valor médio encontrado nas duas medidas. 1. O indivíduo deve estar ereto com os braços relaxados e a palma da mão direcionada anteriormente; 2. Calcular e marcar o ponto médio entre o processo acromial (prolongamento da escápula) e o olecrano (extremidade da ulna); 3. O antropometrista deve se posicionar na frente do indivíduo; 4. Realizar o pinçamento na face anterior do braço, em cima do ventre do bíceps, 1 cm acima do ponto médio; 5. O pinçamento é feito na vertical; 6. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm; 7. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador da mão esquerda; 8. O calibrador deve estar na mão direita; 9. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, na altura do ponto médio e abaixo dos dedos que mantêm o pinçamento; 10. Soltar a pressão das hastes lentamente; 11. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada; 12. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada;

44 PREGA CUTÂNEA DO ANTEBRAÇO Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente do antebraço Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); 1. O indivíduo deve estar ereto com os ombros e braços relaxados e a palma da mão voltada para o aspecto lateral da coxa; 2. A medida é feita no aspecto anterior do antebraço; 3. Localizar e marcar a maior circunferência do antebraço; 4. O pinçamento é feito na região da maior circunferência; 5. Pinçar a dobra verticalmente na região da maior circunferência; 6. Realizar o pinçamento na maior circunferência do antebraço; 7. O pinçamento é feito na vertical, na linha média do aspecto anterior do antebraço, 1 cm acima da marca; 8. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm; 9. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador da mão esquerda; 10. O calibrador deve estar na mão direita.; 11. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, na altura da maior circunferência e abaixo dos dedos que mantêm o pinçamento; 12. Soltar a pressão das hastes lentamente; 13. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada; 14. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada; 15. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega; 16. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento; 17. Registrar o valor obtido; 18. Repetir o item 1 ao 17; 19. Calcular o valor médio encontrado nas duas medidas.

45 PREGA CUTÂNEA SUPRAPATELAR Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente da patela. Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); 13. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega; 14. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento; 15. Registrar o valor obtido; 16. Repetir o item 1 ao 15; 17. Calcular o valor médio encontrado nas duas medidas. 1. O indíviduo deve estar ereto; 2. A perna em que vai ser realizada a medida deve estar relaxada, com o peso transferido para o outro pé, o joelho levemente flexionado, com o pé apoiado no chão; 3. A medida é feita no plano sagital médio no aspecto anterior da coxa; 4. Realizar o pinçamento da dobra 2 cm acima do final da patela; 5. O pinçamento é feito na vertical; 6. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm; 7. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador da mão esquerda; 8. O calibrador deve estar na mão direita; 9. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, 1 cm abaixo dos dedos que seguram a dobra; 10. Soltar a pressão das hastes lentamente; 11. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada; 12. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada;

46 PREGA CUTÂNEA DA PANTURILHA Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente da panturrilha. para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega. 12. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento. Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); 1. O indivíduo deve estar sentado com o joelho do lado que vai ser medido flexionado em 90º, com a sola do pé apoiado no chão. Uma alternativa é o indivíduo estar ereto com o pé do lado que vai ser medido apoiado em um banco, de forma que o joelho e o quadril estejam flexionados em 90º. 2. O antropometrista deve se posicionar em frente ao indivíduo. 3. Pinçar a prega 1 cm acima da maior circunferência da panturrilha do lado medial, paralela à linha central da panturrilha. 4. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm. 5. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador. 6. O calibrador deve estar na mão direita. 7. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, na maior circunferência da panturrilha. 8. Soltar a pressão das hastes lentamente. 9. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada. 10. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada. 11. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador Perna direita Panturrilha direita

47 PREGA CUTÂNEA DA COXA Medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente da coxa. Equipamento Calibrador para pregas cutâneas (Plicômetro com precisão 1 mm; 0,2 mm; 0,1mm); 1. Solicitar ao indivíduo que flexione o quadril para localizar a linha inguinal. O ponto de referência proximal está no vinco inguinal no ponto médio da linha central da coxa; 2. Localizar a borda proximal da patela (referência distal) com o joelho estendido: linha média do aspecto anterior da coxa, média entre a dobra inguinal e a borda proximal da patela; 3. O indivíduo deve estar ereto com o peso transferido para outro pé, enquanto a perna do lado que vai ser medido está relaxada e levemente flexionada com o pé apoiado no chão. 4. Localizar o ponto médio entre a linha inguinal e a borda proximal da patela; 5. O pinçamento deve ser feito, verticalmente ao longo da linha central da coxa, 1 cm acima do ponto médio; 6. Destacar a dobra cutânea, colocando o polegar e o indicador da mão esquerda a uma distância de 6 a 8 cm; 7. Segurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e o indicador; 8. O calibrador deve estar na mão direita; 9. Colocar as hastes do calibrador perpendiculares à dobra, sobre o ponto médio marcado na coxa; 10. Soltar a pressão das hastes lentamente; 11. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizada; 12. Realizar a leitura 3 4 segundos após a pressão ter sido aplicada; 13. Manter o pinçamento da prega, afastar as hastes do calibrador para removê lo do local, em seguida, afrouxar os dedos, desfazendo a prega; 14. Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda da calibragem do equipamento; 15. Registrar o valor obtido; 16. Repetir o item 1 ao 13; 17. Calcular o valor médio encontrado nas duas medidas. PONTO MÉDIO DA COXA Ponto médio da distância entre a linha inguinal e a borda proximal da patela. 1. Localizar e marcar a borda proximal da patela com o joelho estendido. 2. Solicitar que o indíviduo apoie o pé do lado que vai ser medido em um banco, de modo que o joelho esteja flexionado em 90º. Uma alternativa é o indivíduo sentar se ereto com os joelhos flexionados em 90º. 3. Localizar e marcar a linha inguinal. 4. Medir a distância entre os dois pontos anatômicos. 5. Marcar o ponto médio.

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS. Antropometria

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS. Antropometria UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS Antropometria PROFª DRª FÁTIMA PALHA DE OLIVEIRA Professor Adjunto IV UFRJ Doutora em Ciências de Engenharia

Leia mais

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO.

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. - Indivíduo descalço e usando pouca roupa, na posição antropométrica sobre uma superfície lisa e perpendicular ao antropómetro. - Calcanhares juntos e

Leia mais

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X.

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X. THIAGO MURILO EXERCÍCIOS PARA DEPOIS DO TÊNIS 1. Em Pé de costas para um canto de parede flexione a sua perna mais forte para frente, alinhe a coluna e leve os braços para trás até apoiar as palmas das

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência, para a terapia do Joelho. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos O PROJETO A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos usuários diferentes exercícios que possibilitam trabalhar grupos musculares diversos, membros superiores, inferiores, abdominais

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia da dor cervical. Eles foram compilados para

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

Fisioterapia Personalizada a Domicilio

Fisioterapia Personalizada a Domicilio Fisioterapia Personalizada a Domicilio O atendimento a domicilio da Fisio e Saúde Sul, privilegia o conforto e a saúde de seus pacientes, realizando atendimento que proporciona SAÚDE, BEM-ESTAR e MELHORA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com maior freqüência para a terapia da coluna lombar, Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta.

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Fábio Rodrigues de Souza Frederico Engel de Oliveira Minkos Guilherme Estevam Dantas João Marcello Paes Zanco Paulo Sérgio Santos de Souza 1 Bárbara Pereira de Souza

Leia mais

Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio]

Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio] Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio] Sarvananda Deva 1. Postura da Águia Garuda [Garudasana]: Esta postura de equilíbrio em

Leia mais

Energym Turbo Charger

Energym Turbo Charger Energym Turbo Charger LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Antes de começar qualquer programa de exercícios,

Leia mais

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Perimetria Medida da circunferência de determinados segmentos corporais, podendo ser realizados estando o corpo relaxado ou contraído. 2. Fita Métrica Equipamentos

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas. Prof Adolfo Deluca

APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas. Prof Adolfo Deluca APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas Prof Adolfo Deluca 1999 2 ÍNDICE PONTOS IMPORTANTES A SE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO... 4 1. Controle da Respiração... 4 2.

Leia mais

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia No decorrer do dia, desempenhamos várias funções, desde agachar para pegar uma caneta do chão, a limpeza de sua casa e no trabalho. As

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

Trabalho de Campo II 2º Semestre de 2011. Sinais Vitais e outras técnicas básicas

Trabalho de Campo II 2º Semestre de 2011. Sinais Vitais e outras técnicas básicas Trabalho de Campo II 2º Semestre de 2011 Sinais Vitais e outras técnicas básicas Moema Guimarães Motta Sonia Leitão 1. Introdução As técnicas de medidas antropométricas e a verificação de sinais vitais,

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos Sugestões de atividades Unidade 6 Locomoção ossos e músculos 8 CIÊNCIAS 1 Esqueleto humano 1. Observe a ilustração do esqueleto humano. Dê exemplos dos seguintes tipos de ossos que existem no corpo humano

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA Para a realização dos exercícios de ginástica, foram usados alguns materiais e aparelhos, cuja manipulação e utilização, exigiram determinados cuidados específicos: Tapete de

Leia mais

OTAGO FORÇA & EQUILÍBRIO

OTAGO FORÇA & EQUILÍBRIO OTAGO FORÇA & EQUILÍBRIO PROGRAMA DOMICILIAR DE EXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co

Leia mais

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática FICHA PARA CATÁLOGO Título: IMPORTÂNCIA DO AQUECIMENTO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Autor Escola de Atuação Município da escola Núcleo Regional de Educação Orientador Instituição de Ensino Superior Disciplina/Área

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Parada cardíaca ou parada cardiorrespiratória (PCR) é a cessação súbita da circulação sistêmica e da respiração. As principais causas

Leia mais

Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO

Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO ATENÇÃO Mantenha cabelo, dedos, roupa, animais de estimação e crianças longe

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO Ao fazer exercícios de alongamento vai melhorar a amplitude das suas articulações, especialmente importante em doentes com dor crónica. Não precisa forçar excessivamente para sentir benefício com estes

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares)

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares) SACRO CBES ANATOMIA Osso O sacro é formado por 5 vértebras fundidas. Os forâmens de conjugação se transformam em forâmens sacrais anteriores e posteriores. Sua face anterior é côncava e lisa Sua face posterior

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

PEÇAS E ACESSÓRIOS. Seletor de Velocidade e Resistência. Unidade Principal AirClimber. Monitor de Treinamento. Almofadas

PEÇAS E ACESSÓRIOS. Seletor de Velocidade e Resistência. Unidade Principal AirClimber. Monitor de Treinamento. Almofadas ÍNDICE PEÇAS E ACESSÓRIOS 6 INSTRUÇÕES 7 BODYCORD - CORDA DE RESISTÊNCIA CORPORAL 9 MONITOR DE TREINAMENTO 10 CONTAGEM DE PULSAÇÕES 10 DICAS DO TREINAMENTO BÁSICO 11 FREQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS 11 ALONGAMENTO

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

SEQUÊNCIA DE HATHA YOGA AGOSTO E SETEMBRO/2013

SEQUÊNCIA DE HATHA YOGA AGOSTO E SETEMBRO/2013 PREMA - Yoga e Restaurante Natural Rua Maria Figueiredo, 189s. Tel.3283-0884 SEQUÊNCIA DE HATHA YOGA AGOSTO E SETEMBRO/2013 EVENTOS NO PREMA EM AGOSTO E SETEMBRO Aulas de Yogaterapia em Agosto com o tema:

Leia mais

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol A locomoção depende da ação conjunta e integrada dos ossos e dos músculos; Os seres humanos tem coluna vertebral, que é o eixo do nosso esqueleto interno; O esqueleto

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

GRUPO 3 Padrão FCI N o 85 12/01/2011

GRUPO 3 Padrão FCI N o 85 12/01/2011 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI N o 85 12/01/2011 Padrão Oficial da Raça WEST HIGHLAND WHITE TERRIER M.Davidson, illustr. NKU Picture Library

Leia mais

Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna

Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna 4ª\edição 2015 tt Prezado(a) Paciente, Essa cartilha foi elaborada especialmente para você, paciente da Escola de Coluna do Into. Aqui você

Leia mais

O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II pode ser adaptado à maioria das mesas cirúrgicas e acomoda pacientes de até 350 libras (160 kg) de peso.

O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II pode ser adaptado à maioria das mesas cirúrgicas e acomoda pacientes de até 350 libras (160 kg) de peso. Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II PREFÁCIO O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II foi projetado para proporcionar o posicionamento ideal nos procedimentos operatórios do ombro. Este dispositivo

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 NÍVEL I MASCULINO E FEMININO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados apresentação 2. Rolamento p/ frente

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10)

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10) AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO Versão 2 (15/12/10) Tradução Português/Brasil: Ana Paula Bensemann Gontijo, Priscilla R. Pereira Figueiredo, Juliana Starling, Marisa Cotta Mancini (UFMG-2015) Data

Leia mais

Seqüência de Desenvolvimento

Seqüência de Desenvolvimento Seqüência de Desenvolvimento Motor, Padrões Fundamentais de Movimento e TGMD-2 2Test Seqüência de Desenvolvimento Motor q (GALLAHUE & OZMUN, 1998) Seqüência de Desenvolvimento Motor (TANI, MANOEL, KOKUBUM

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR VERTEBRAS LOMBARES 5 9 3 10 1 6 4 8 2 1- processo espinhoso 2- processo transverso 3- corpo 4- processo articular inferior 5- processo articular superior 6- incisura

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista): [ ] ( ) Pesquisador (professor orientador):

Leia mais

Guia de Antropometria: medidas, indicadores e protocolos

Guia de Antropometria: medidas, indicadores e protocolos Guia de Antropometria: medidas, indicadores e protocolos Nut. Esp. Juliana Tolêdo de Faria Cookie Tecnologia e Marketing Este é um guia oferecido pela Nut. Juliana Tolêdo de Faria e pela Cookie Tecnologia

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

18/03/2014 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA. Toca da Raposa - MG. Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI;

18/03/2014 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA. Toca da Raposa - MG. Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI; INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI; Pós-Graduado em Educação Física Escolar-UFPI Mestre em Ciências e Saúde -UFPI EXPERIÊNCIA PROFISSICIONAL

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

1-) Instruções de Uso da Joelheira Suporte da Fusion para mulheres e homens

1-) Instruções de Uso da Joelheira Suporte da Fusion para mulheres e homens Instrução de Uso Suporte para Joelho Breg 1-) Instruções de Uso da Joelheira Suporte da Fusion para mulheres e homens Aplicação do suporte de joelho para a perna A. Soltar todas as 6 tiras e dobrar as

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

OTAGO FORÇA & EQUILÍBRIO

OTAGO FORÇA & EQUILÍBRIO OTAGO FORÇA & EQUILÍBRIO PROGRAMA DOMICILIAR DE EXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

Atletismo O ARREMESSO DO PESO

Atletismo O ARREMESSO DO PESO Atletismo O ARREMESSO DO PESO A maior característica do lançamento do peso, é a de ser reservada para pessoas fortes, em todas as épocas. Tanto isto é verdade, que os povos antigos praticavam o arremesso

Leia mais

WEST HIGHLAND WHITE TERRIER

WEST HIGHLAND WHITE TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI 85 20/01/1998 Padrão Ofi cial da Raça WEST HIGHLAND WHITE TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada

Leia mais

profissional deverá ser capacitado quanto o conceito e à importância da antropometria.

profissional deverá ser capacitado quanto o conceito e à importância da antropometria. profissional deverá ser capacitado quanto o conceito e à importância da antropometria. onceito: método de obtenção das medidas corporais de indivíduos. mportância: permite determinar o estado nutricional

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Alterações. Músculo- esqueléticas

Alterações. Músculo- esqueléticas Alterações Músculo- esqueléticas Sistema Neurológico Alteração no tempo de reação e equilíbrio. A instabilidade articular. Alteração da visão Sensibilidade da córnea. c Aumento ou diminuição dos sentidos

Leia mais

Exercícios pós-operatórios iniciais após cirurgia de joelho

Exercícios pós-operatórios iniciais após cirurgia de joelho PÓS-OPERATÓRIO Exercícios pós-operatórios iniciais após cirurgia de joelho Estes exercícios são importantes para aumentar a circulação em seus pés e pernas e prevenir coágulos sanguíneos. Eles também são

Leia mais

ERGONOMIA. Anatomia e Fisiologia - Limitações do Organismo Humano

ERGONOMIA. Anatomia e Fisiologia - Limitações do Organismo Humano Verificamos um exemplo, da operária, de como é importante para o profissional de Segurança e Higiene do Trabalho conhecer as limitações do corpo humano e como este pode se sobrecarregar, com o intuito

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

CHAVES DE PERNA DE PESCOÇO

CHAVES DE PERNA DE PESCOÇO 1 CHAVES DE PERNA E DE PESCOÇO DO LIVRO "MA METHODE DE JUDO" DE M. KAWAISHI - 7 0 DAN Judo. NOTA IMPORTANTE - Estas chaves não permitidas em combates de TRADUZIDO POR JOSÉ C. MAFRA - 6 0 DAN 2 CHAVES DE

Leia mais

Boneca de Papel Elsa. Braço direito. Braço esquerdo. Peito. Tronco. Costas. Saia. Flocos de neve. Cortar Cortar. Cortar. Cortar.

Boneca de Papel Elsa. Braço direito. Braço esquerdo. Peito. Tronco. Costas. Saia. Flocos de neve. Cortar Cortar. Cortar. Cortar. Boneca de Papel lsa Braço direito F G Braço esquerdo Tronco Costas Peito M N B C Flocos de neve Saia disneybabble.com.br 1/5 Boneca de Papel lsa 1 mprima o modelo em papel sulfite e cole-o em cartolina,

Leia mais

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Introdução A cintura pélvica é composta pela articulação sacro-ilíaca, pela sínfise púbica e pela articulação coxo-femoral. Esta última corresponde à articulação

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

Hatha Yoga Maio/2011 Apostila de Prática

Hatha Yoga Maio/2011 Apostila de Prática Hatha Yoga Maio/2011 Apostila de Prática O propósito desta apostila de prática é orientar os alunos para que possam aprofundar seu entendimento da prática, servindo como complemento das orientações prestadas

Leia mais

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções Manual Pilates Power Gym-2010.indd Spread 1

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10. Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10. Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10 Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação CBKC: Grupo 11 - Raça não reconhecida pela FCI.

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais