REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014"

Transcrição

1 REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 NÍVEL I MASCULINO E FEMININO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados apresentação 2. Rolamento p/ frente grupado Mostrar posição grupada correta (segurando a perna) e levantar com facilidade sem apoiar as mãos ou cruzar as pernas. 3. Vela Quadril elevado contraindo o bumbum. Pernas unidas e estendidas (2 ) 4. Ponte Iniciando Estender os braços (2 ) deitado 5. Salto Esticado Fazer movimento com braços estendidos, elevando-os até as orelhas. Manter posição estendida durante o salto 6. Canoinha em DV e DD Manter corpo estendido com cabeça e membros sem tocar o chão 7. Elefantinho Parada de 3 apoios com as pernas apoiadas nos cotovelos (3 ) 8. Estrela sobre a tampa Iniciar de frente e terminar de frente para o plinto. Passar as pernas do plinto afastadas. 9. Rolamento para trás no Realizar o apoio das mãos corretamente no solo empurrando-o no inclinado final e terminando na posição em pé 10. Peito no Chão Pernas estendidas e afastadas com o tronco flexionado a frente (3 ) (cachorrinho) 11. Lançamento à parada Manter perna de trás alinhada com o tronco durante todo o de mãos movimento TOTAL 10,00 SALTO - Salto estendido do trampolim para o colchão (altura de 60 cm) ou - Salto estendido partindo da tampa do plinto, salta no mini-trampolim para o colchão (altura de 60cm).

2 NÍVEL II FEMININO SOLO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados 0,50 apresentação 2. Rolamento para frente grupado Mostrar posição grupada correta (segurando a perna) e levantar com facilidade sem apoiar as mãos ou cruzar as pernas. Realizar o giro completo. 3. Rolamento para trás 4. Parada de 3 apoios Manter por 3. Mostrar controle em cada fase. 5. Jetê 6. Avião Manter 2 com perna acima de 90 da horizontal 0,50 7. Parada de mãos 8. Salto esticado com pirueta 9. Ponte (iniciando da posição em pé) Pés com afastamento máximo da largura do quadril. Ao chegar na ponte a atleta deverá posicionar-se com as pernas unidas e estendidas e braços estendidos. Ombros na direção das mãos. 10. Estrela Iniciar de frente e terminar de frente para onde começou. Executar movimento com mãos e pés em linha reta. 11. Giro de 180 sobre 1 Ritmo durante o giro mantendo a altura da meia ponta. Corpo pé, perna livre em alinhado durante o giro. passê 12. Espacate Antero posterior Tronco vertical. TOTAL 10,00 TRAVE (Altura: 60cm ou altura oficial com 2 colchões de 30cm embaixo) Nº Elementos Descrição Valor 1. Passar a perna esticada ao No momento que a atleta elevar o quadril as pernas 2,00 apoio cavalgado e elevar quadril (esquadro) devem estar estendidas e com ponta dos pés, tocando a trave apenas com as mãos. 2. Avião (90 ) manter por 2 3. Giro de 180 sobre 1 dos pés 4. Galope Movimento de pernas alternado elevando os joelhos na 2,00 altura do quadril 5. Salto com afastamento Antero Iniciando com 1 ou 2 pés 2,00 posterior ou lateral 6. Saída de salto grupado Definir posição grupada e estender o corpo antes da 2,00 aterrissagem TOTAL 10,00

3 ASSIMÉTRICAS Nº Elementos Descrição Valor 1. Oitava ao apoio facial 2,00 2. Lançamento para trás a 45 (abaixo da horizontal) ao apoio facial 2,00 3. Rolamento a frente com pernas Finalizar o movimento em suspensão com braços 2,00 estendidas flexionados 4. Elevação das pernas afastadas Iniciando em suspensão. Pode ser substituído pelo 2,00 até tocar os pés na barra macaquinho com pernas estendidas e afastadas balanços na barra alta Descer atrás. 2,00 TOTAL 10,00 0bs.: Na tomada de impulso para o ítem 5 pode haver ajuda do técnico. SALTO Nº Elementos Descrição Valor 1. Mão pé Salto mão-pé com salto esticado (o atleta deverá saltar sobre o 4,00 trampolim, executar uma fase de vôo com o corpo estendido, apoiar as mãos sobre o plinto executando uma repulsão, e apoiar os pés sobre o plinto (afastado ou grupado). Realizar um salto estendido. 2. Roque ou Salto passando direto co 6,00 afastado 3. Reversão em Finalização em decúbito dorsal. 8,00 plano elevado 4. Reversão 10,00 SALTO (plinto transversal - altura 80cm): dois saltos Nota final: melhor. Obs.: Executar o salto com impulso no trampolim.

4 PARALELAS ASSIMÉTRICAS SALTO Altura: 1.10m ou 1.25m Mesa NÍVEL III FEMININO 1 ) 1.01 Reversão para frente Nota D = ) Livre Nota D = CP 2 saltos NF = média dos 2 saltos Nota E = VD Valor de Dificuldade 6 elementos dos RC, incluindo a saída 1) - Oitava ao apoio facial no BI e oitavão - Oitava ou oitavão e kipe BI ou BS - Kipe ao apoio facial BI e Kipe ao apoio facial BS 2) Impulso para trás até a horizontal - Impulso para trás acima da horizontal +0, RC Requisitos de Composição 5x 0.50 cd = Impulso para trás acima de 45 (impulso à parada de mãos pernas unidas ou afastadas) 3) - Giro Facial (giro de quadril) ou - Giro Facial Livre para trás acima da horizontal ou - Giro Facial Livre para trás acima de 45º 4) - 1 balanço + oitavão (BS) - Oitavão ou - Giro Gigante para trás ) Saída (BS) - 1 balanço a frente, largando atrás no BS - Sublançamento para frente com apoio dos pés, pernas em afastamento lateral - Mortal

5 TRAVE DE EQUILÍBRIO VL Valor de Ligação Giro Gigante seguido de saída em mortal Deduções Específicas do Aparelho Bonificações Falta de passagem livre para o BS Ex: subida grupada ou carpada, giro de sola, pés alternados Passagem da barra com: -grupadinho -giro de sola grupado -giro de sola estendido -chinesinho Giro gigante ,20 +0, Valor de dificuldade VD (de acordo com o código de pontuação ciclo ) OBS: Painel D (dedução neutra) - deduzir 1.00 ponto por elemento ou RC faltante Painel D A não realização de qualquer dos itens acarretará na dedução do valor total de acordo com as especificações constantes nos RC Requisitos de Composição do aparelho. TRAVE Altura: 110 cm VD Valor de Dificuldade RC Requisitos de Composição 5x 0.50 cd = elementos dos RC, incluindo a saída que será considerada elemento A 1) Entrada em esquadro (2 ) ou do Código de pontuação 2) Parada de mãos no sentido longitudinal ou transversal - Parada de mãos 2 no sentido longitudinal transversal, com pernas unidas ou em afastamento ânteroposterior das pernas +0,50 +0,20 3) Reversão lateral (Estrela) 4) - galope + grupado (ligados) - 2 saltos da dança (jump, leap,hop), 1 deles com afastamento ântero-posterior +0.30

6 SOLO das pernas - Ligação de 2 saltos da dança (jump, leap,hop), 1 deles com afastamento ântero-posterior das pernas 5) Saída Deduções Específicas do Aparelho - Reversão para frente ou Rodante - Mortal - Falta de um Giro de 360º sobre 1 dos pés - Falta de um Equilíbrio sobre 1 pé acima de 90º (2 ) +0, Bonificações - Reversão lenta para trás ou pra frente - Flic-flac - Saída em mortal vindo de qualquer elemento acrobático (Ligação) +0, ,50 Valor de dificuldade VD (de acordo com o código de pontuação ciclo ) A série deverá ser composta somente pelos elementos acima descritos com coreografia livre. A ordem de apresentação dos elementos poderá ser feita livremente. OBS: Painel D (dedução neutra) - deduzir 1.00 ponto por elemento ou RC faltante Se forem executados elementos adicionais não serão levados em consideração, mas se houverem erros de execução serão penalizados. O julgamento dará ênfase à execução técnica, com exigências na perfeição dos elementos solicitados. Se utilizar a entrada em esquadro, deverá ser realizada com impulso nos 2 pés e elevação simultânea de ambas as pernas à posição de esquadro livre em afastamento lateral das pernas. Elementos que exigem a manutenção de 2 : Painel E Falha na manutenção: 0.30p. - Painel D A não realização de qualquer dos itens acarretará na dedução do valor total de acordo com as especificações constantes no RC do aparelho. VD Valor de Dificuldade 6 elementos dos RC, incluindo a saída RC 1) Rodante, salto estendido

7 Requisitos de Composição 5x 0.50 cd = 2.50 Rodante, flic flac, salto estendido Rodante, flic flac, flic flac, salto estendido - Rodante, flic flac, mortal 2) - Reversão para frente com chegada alternada dos pés seguida de reversão para frente com chegada alternada dos pés +0,20 +0,30 +0,20 - Reversão para frente com chegada alternada dos pés e de reversão para frente com chegada simultânea dos pés +0,20 - Reversão para frente com chegada alternada dos pés seguida de reversão para frente com chegada simultânea dos pés +0,30 - Reversão para frente com chegada simultânea dos pés, flic-flac para frente Deduções Específicas do Aparelho - Reversão para frente com chegada simultânea dos pés, mortal para frente 3)-Estrela com uma das mãos - Estrela sem mãos/ Reversão para frente sem mãos 4)- Salto peixe - Mortal para frente 5) Passagem de dança - 2 saltos iguais ou diferentes, 1 deles com grande afastamento ântero posterior das pernas (180º) com impulso em 1 dos pés (split leap) - Falta de um Giro de no mínimo 360º sobre 1 dos pés - falta de uma passagem próxima ao solo tocando o dorso (mín. 2 +0,50 +0,

8 Bonificação movimentos) - Qualquer mortal com giro no eixo longitudinal será bonificado. Para cada ½ (180 ) a bonificação será de +0,30: Ex: - twister (só tem 180 ) - mortal estendido com 1/1 pirueta (360 ) - mortal estendo com 1 ½ pirueta (540 ) +0,30 +0,60 +0,90 Valor de dificuldade VD (de acordo com o código de pontuação ciclo ) A série deverá ser composta somente pelos elementos acima descritos com coreografia livre. A ordem de apresentação dos elementos poderá ser feita livremente. OBS: Painel D (dedução neutra) - deduzir 1.00 ponto por elemento ou RC faltante Se forem executados elementos adicionais não serão levados em consideração, mas se houverem erros de execução serão penalizados. O julgamento dará ênfase à execução técnica, com exigências na perfeição dos elementos solicitados. Para as ligações da dança e acrobáticas (SO): - Painel D A não realização de qualquer dos itens acarretará na dedução do valor total de acordo com as especificações constantes nos RC do aparelho. Exceção: _ Em casos não especificados, será seguido o Código de pontuação vigente. MASCULINO BARRA NÍVEIS II e III (opção de série) Série 01 Nota de partida: 1 pontos Valor de dificuldade: 5,00 pontos Valor de execução: 6,00 pontos Parte Elemento Valor 1. Subida em oitava 2. Lançamento atrás 0,50 3. Giro de quadril 4. Descer à frente (sublançamento) balanço 0,50 para trás 5. Balanço para frente, balanço para trás 1,50 6. Soltar a barra atrás (ombros a altura da horizontal da barra) à P.F. 0,50

9 Série 02 Nota de partida: 12,00 pontos Valor de dificuldade: 6,00 pontos Valor de execução: 6,00 pontos Parte Elemento Valor 1. Subida em oitava 2. Lançamento atrás (pés linha dos ombros) 3. Giro de quadril 4. Descer à frente (sublançamento) balanço 0,50 para trás 5. Balanço para frente com ½ câmbio 0,50 6. Balanço misto completo 0,50 7. Troca para tomada dorsal 0,50 8. Balanço completo 0,50 9. Soltar a barra atrás (ombros a altura da horizontal da barra) à P.F. 0,50 Série 03 Nota de partida: 13,00 pontos Valor de dificuldade: 7,00 pontos Valor de execução: 6,00 pontos Parte Elemento Valor 1. Tomada de impulso, balanço para frente e 0,50 para trás 2. Balanço para frente com ½ câmbio 0,50 3. Balanço para frente troca para tomada 0,50 palmar 4. Balanço para trás com troca simultânea para 0,50 tomada dorsal, balanço para frente 5. Kipe 2,00 6. Lançamento atrás (pés linha dos ombros) 7. Giro de quadril 8. Descer à frente (sublançamento) balanço 0,50 para trás 9. Soltar a barra atrás (ombros a altura da horizontal da barra) à P.F. 0,50

10 SALTO NÍVEL II MASCULINO Nº salto Descrição Valor 1. Mão pé Salto mão-pé com salto esticado (o atleta deverá saltar sobre o trampolim, executar uma fase de vôo com o corpo estendido, apoiar as mãos sobre o plinto executando uma repulsão, e apoiar os pés sobre o plinto (afastado ou grupado). Realizar um salto estendido. 4,00 2. Roque ou afastado Salto passando direto com pernas grupadas ou afastadas. 6,00 3. Reversão em plano elevado Finalização em decúbito dorsal. 8,00 4. Reversão 10,00 SALTO NÍVEL III MASCULINO SALTO Ordem Descrição Valor 1 Reversão 2,00 2 Outro Salto do CP (pode repetir a reversão) De acordo com o CP. Valor de Execução pontos. Dois saltos. NOTA FINAL = MÉDIA DOS DOIS SALTOS Mesa: altura mín. 110cm.

11 SOLO NÍVEL II MASCULINO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de apresentação Posição estendida com braços elevados 2. Rolamento para frente Mostrar posição grupada correta (segurando a perna) grupado, salto esticado e levantar com facilidade sem apoiar as mãos ou cruzar as pernas. Realizar o giro completo. com pirueta. 3. Rolamento para trás carpado 4. Salto peixe Mostrar amplitude no movimento 5. Vela Manter 2 braços apoiados ao solo 0,50 6. Avião Manter a perna acima de Parada de mãos 8. Estrela lateral Inicia de frente, passa pela posição de X e finaliza com ¼ de giro unindo as pernas. 9. Rodante 1, Reversão Finalização com pernas unidas 2,00 TOTAL 10,00 SOLO MASCULINO NÍVEL III (OPÇÃO DE SÉRIE) Série I: NOTA DE PARTIDA: 9,00 VD = 4,00 VE = 5,00 Parte Elemento Valor 1 Posição fundamental, elevação dos braços acima da cabeça, chute com uma das pernas, avião (2 seg.) e retornar a posição fundamental. 2. Corrida sobre passo rodante salto levemente selado aterrissagem. 0,25 3 Rolamento para trás com as pernas estendidas e afastadas. 0,25 4 Descer a posição sentada, com as pernas em grande afastamento, flexão do tronco à frente (cachorrinho) (2 seg.) 5 Esquadro afastado (2 seg.), elevação do quadril, sem as 0,50 0,50 pernas tocarem o chão até o apoio dos pés unidos no

12 solo. Levantar-se até a posição fundamental. 6 Chute com uma das pernas passagem pela parada de 0,50 mãos no impulso seguido de rolamento à frente à posição fundamental. 7 Reversão com as pernas unidas, salto à posição fundamental. SÉRIE II NOTA DE PARTIDA = 10,00 VD = 5,00 VE = 5,00 Parte Elemento Valor 1 Posição fundamental, elevação dos braços acima da 0,25 cabeça, chute com uma das pernas, avião (2 seg.) e retornar a posição fundamental. 2. Corrida sobre passo rodante flic salto levemente selado, aterrissagem 3 Oitava à parada de mãos com braços estendidos 0,50 4 Descer a posição sentada, com as pernas em grande 0,25 afastamento, flexão do tronco à frente (cachorrinho) (2 seg.) 5 Esquadro afastado (2 seg.), elevação do quadril, sem as 0,50

13 pernas tocarem o chão até o apoio dos pés unidos no solo. Levantar-se até a posição fundamental. 6 Parada de mãos a força 2 seguida de rolamento a frente até a posição fundamental 7 Reversão com as pernas unidas, salto à posição 1,50 fundamental. SÉRIE III: LIVRE DE ACORDO COM O CÓDIGO DE PONTUAÇÃO NOTA D: Mínimo 07 elementos máximo 10 elementos NOTA E: 10,00 Pontos Rondante (grupo 3, valor A) Esquadro (grupo 1, valor A) Saída (grupo 2, 3, ou 4) valor = 0,50 (A saída é o último elemento da série).

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE Regulamento Específico por Modalidade 1 FESTIVAL/COMPETIÇÃO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA E GINÁSTICA RÍTMICA DO G.D.V Ginástica Artística: Feminino Objetivo Estimular a

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica TROFÉU SÃO PAULO 2014 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA REGULAMENTO GERAL OBJETIVOS: Difundir a modalidade Ginástica Artística, incentivando sua prática em diversas faixas etárias e níveis de habilidade - visando

Leia mais

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 CATEGORIAS FEMININAS: REGULAMENTO Pré-Mirim: até 6 anos Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição Pré-Infantil: 09 e 10 anos, completos

Leia mais

Um breve histórico da GA

Um breve histórico da GA Ginástica Artística Um breve histórico da GA Séc. XIX Alemanha O nome que mais se destaca na história da formação da ginástica moderna foi do alemão Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852), grande nacionalista

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA Para a realização dos exercícios de ginástica, foram usados alguns materiais e aparelhos, cuja manipulação e utilização, exigiram determinados cuidados específicos: Tapete de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Torneio Paulo Picciafuoco 2010-2012 Ginástica Artística Feminina IDADE: 07 em diante, completos no ano da competição COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES: Uma equipe poderá ser composta de um número ilimitado de ginastas.

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Regulamento Específico 2010-2012 Ginástica Artística Feminina PRÉ - INFANTIL C IDADE em 2011: 07 a 10 anos (nascidas em 2001,2002,2003, 2004). COMPOSIÇÃO DA EQUIPE: Uma equipe poderá ser composta de no

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Fevereiro de 2010 2 Índice Informações gerais... 3 Salto de Cavalo... 7 Barra / Paralelas

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica IDADE: 07 em diante COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES: Torneio Paulo Picciafuoco 2010-2012 Ginástica Artística Feminina Uma equipe poderá ser composta de um número ilimitado de ginastas. Para a classificação por

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS.

Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM E MINI-MIRIM A ginasta deverá optar por apenas um nível em todos os aparelhos NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = 1,00 pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão

Leia mais

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão com MELHOR SALTO trampolim. Aterrissagem

Leia mais

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Documento de Apoio a Professores Responsáveis por Grupo/Equipa de Ginástica Artística Janeiro 2008 Livro de Exercícios de Ginástica

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DE TRAMPOLINS

REGULAMENTO ESPECIFICO DE TRAMPOLINS 1 REGULAMENTO ESPECIFICO DE TRAMPOLINS (CÓDIGO DE PONTUAÇÃO) 2006-2007 1 2 ÍNDICE 1. NOTAS PRÉVIAS Pág. 03 2. ESTRUTURA TÉCNICA DAS COMPETIÇÕES Pág. 03 3. AVALIAÇÃO DOS EXERCÍCIOS (SALTOS) Pág. 04 4. AVALIAÇÃO

Leia mais

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA CATEGORIAS: - Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição. - Pré-infantil: 9 e 10 anos, completos no ano da competição. - Infantil: 11 e 12 anos, completos no ano da competição. - Juvenil: 13 a 15,

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Junho de 2010 2 Índice Informações gerais. 3 Solo 6 Cavalo de Arções.. 26 Argolas. 42

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DO ESPORTE E TREINAMENTO FUNCIONAL DISCIPLINA Atividades Rítmicas e Dança na Educação Física Escolar

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DO ESPORTE E TREINAMENTO FUNCIONAL DISCIPLINA Atividades Rítmicas e Dança na Educação Física Escolar PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DO ESPORTE E TREINAMENTO FUNCIONAL DISCIPLINA Atividades Rítmicas e Dança na Educação Física Escolar PROFESSOR ME. LINDOMAR MINEIRO GUARNTÃ DO NORTE MT FEVEREIRO/2016 CURRÍCULO

Leia mais

Unidade didática de Ginástica

Unidade didática de Ginástica Livro do Professor 5 Unidade didática de Ginástica Objetivos gerais da Ginástica Compor e realizar as destrezas elementares de solo, aparelhos e minitrampolim, em esquemas individuais e/ou de grupo, aplicando

Leia mais

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO DE MINI-TRAMPOLIM

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO DE MINI-TRAMPOLIM CÓDIGO DE PONTUAÇÃO * * * * MINI-TRAMPOLIM 2001/2004 1 MINI-TRAMPOLIM A. REGRAS GERAIS 1. COMPETIÇÃO INDIVIDUAL 1.1. Uma competição de Mini-Trampolim consiste em três saltos (3 elementos técnicos). 1.1.1.

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CAMPEONATO ESTADUAL 2014 PROVAS FEMININAS:. Salto (altura da mesa) Estreante 1.00m ou 1,10m - Iniciante 1,10m ou 1,20m. - Intermediário 1,20m ou 1,25m. - Avançado - 1,25m.. Barras Paralelas Assimétricas.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL

REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL Ginastas nascidos em 2008, 2007 e 2006. Bases Técnicas PROGRAMA OBRIGATÓRIO Séries 01, 02 e 03 Aparelhos

Leia mais

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA: 28 ANO LETIVO: 2014/15 MODALIDADE: PROVA PRÁTICA 1. Introdução O presente documento

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO, DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA. COORDENADORIA DE DESPORTOS DESPORTO ESCOLAR CODESP REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014 Art.

Leia mais

Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo

Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE GINÁSTICA Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo 2009-2012 PRÓLOGO História do desenvolvimento da Notação Simbólica Em 1979 o Comitê Técnico Feminino da FIG

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 9º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 1º PERÍODO 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO I E A

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO I E A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) 1. Se tem a bola, passar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

MEC - Ginástica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3

MEC - Ginástica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 I FASE DE ANÁLISE... 4 1. MÓDULO 1 ANÁLISE DA MODALIDADE DESPORTIVA EM ESTRUTURA DO CONHECIMENTO... 4 1.1 Cultura Desportiva... 8 1.2 Habilidades motoras... 10 1.2.1 Ginástica de

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 MARÇO 2013 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 ESCALÕES DE E O Código de Pontuação Adaptado é diferente para

Leia mais

Seqüência de Desenvolvimento

Seqüência de Desenvolvimento Seqüência de Desenvolvimento Motor, Padrões Fundamentais de Movimento e TGMD-2 2Test Seqüência de Desenvolvimento Motor q (GALLAHUE & OZMUN, 1998) Seqüência de Desenvolvimento Motor (TANI, MANOEL, KOKUBUM

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 2ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Regulamento Específico 2014 Ginástica Artística Feminina PRÉ - INFANTIL C IDADE em 2014: 07 à 10 anos (nascidas em 2004, 2005, 2006, 2007). COMPOSIÇÃO DA EQUIPE: Uma equipe poderá ser composta de no máximo

Leia mais

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2014/2015 TURMA 12º I CURSO PROFISSIONAL MULTIMÉDIA PROFESSOR: JOÃO MOTA

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2014/2015 TURMA 12º I CURSO PROFISSIONAL MULTIMÉDIA PROFESSOR: JOÃO MOTA 1º Período 3ºª Feira Módulo 3 JOGOS DESP. COLETIVOSIII (VOLEIBOL) 22 tempos Início16/09/14 Fim: 25/11/14 VOLEIBOL (Módulo 3) Nível Avançado - O aluno: 1. Em exercício 1x1; 3x3 e situação de jogo 4x4 e

Leia mais

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia No decorrer do dia, desempenhamos várias funções, desde agachar para pegar uma caneta do chão, a limpeza de sua casa e no trabalho. As

Leia mais

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X.

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X. THIAGO MURILO EXERCÍCIOS PARA DEPOIS DO TÊNIS 1. Em Pé de costas para um canto de parede flexione a sua perna mais forte para frente, alinhe a coluna e leve os braços para trás até apoiar as palmas das

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo Avaliação dos alunos (Critérios uniformizados a nível do Conselho Pedagógico e do Grupo

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR ANO LECTIVO 2010/2011 ÍNDICE 1 Programa... 2 2 Determinações referentes à participação... 2 2.1 Quadro

Leia mais

A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística

A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Educação Física e Esporte Campus de Ribeirão Preto A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística Myrian Nunomura Nadia 1976 http://www.youtube.com/watch?v=4m2yt-pikec

Leia mais

XXXIII Copa Niterói de Ginástica

XXXIII Copa Niterói de Ginástica III Copa Niterói de Ginástica Niterói, 01 de março de 2015. Prezados Professores e amigos da Ginástica, Temos a satisfação de convidar esta conceituada instituição para participar da III COPA NITERÓI DE

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas. Prof Adolfo Deluca

APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas. Prof Adolfo Deluca APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas Prof Adolfo Deluca 1999 2 ÍNDICE PONTOS IMPORTANTES A SE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO... 4 1. Controle da Respiração... 4 2.

Leia mais

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos O PROJETO A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos usuários diferentes exercícios que possibilitam trabalhar grupos musculares diversos, membros superiores, inferiores, abdominais

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL GENERALIDADES PARTICIPANTES: É aberta a participação no TNGAF a qualquer entidade filiada à federação ou de alguma forma ligada a esta.

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

LIGA DE GINÁSTICA ARTÍSTICA ESCOLAR - LGE REGULAMENTO ESPECÍFICO 2017

LIGA DE GINÁSTICA ARTÍSTICA ESCOLAR - LGE REGULAMENTO ESPECÍFICO 2017 Objetivo Incentivar e divulgar a prática da Ginástica Artística, orientando para um trabalho de base, mantendo um intercâmbio e motivando as crianças das equipes participantes. Organização A Liga de Ginástica

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

Fisioterapia Personalizada a Domicilio

Fisioterapia Personalizada a Domicilio Fisioterapia Personalizada a Domicilio O atendimento a domicilio da Fisio e Saúde Sul, privilegia o conforto e a saúde de seus pacientes, realizando atendimento que proporciona SAÚDE, BEM-ESTAR e MELHORA

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado)

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado) PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016 Versão 19 de janeiro. 2016 Índice Introdução... 3 I - Estrutura Técnica do Programa... 3 a) Tempo e música... 4 b) Categorias e

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Saltos Horizontais Comprimento e Triplo

Saltos Horizontais Comprimento e Triplo 1 Saltos Horizontais Comprimento e Triplo Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Na escola, pretende-se que a aptidão natural dos jovens para este tipos de saltos associe e integre a sua técnica específica

Leia mais

Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna

Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna 4ª\edição 2015 tt Prezado(a) Paciente, Essa cartilha foi elaborada especialmente para você, paciente da Escola de Coluna do Into. Aqui você

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA MÓDULO A1 JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS a) Coopera com os companheiros, quer nos exercícios

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência, para a terapia do Joelho. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA GINÁSTICA AERÓBICA REGULAMENTOS TÉCNICOS TN 2014 PARTICIPANTES: TORNEIO NACIONAL É aberta a participação no TNGAE a qualquer entidade filiada às Federações Estaduais de Ginástica ou de alguma forma ligadas

Leia mais

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta.

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Fábio Rodrigues de Souza Frederico Engel de Oliveira Minkos Guilherme Estevam Dantas João Marcello Paes Zanco Paulo Sérgio Santos de Souza 1 Bárbara Pereira de Souza

Leia mais

Monstar Games Events"

Monstar Games Events Monstar Games Events" Event #1" Burpees & Snatches"" 21-15-09 reps" Burpees Over the Barbell " Snatches 65/45lb" Time cap: 8'" Friday, October 3" SCALE Individuals" Standards: Burpees over the barbell

Leia mais

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho Profª. Esp. Maria Helena Carvalho HISTÓRIA DO VOLEIBOL Criação nos EUA; Dia 09 de fevereiro de 1895; Pelo diretor de Educação Física da ACM William George Morgan; Era conhecido como mintonette. Obs.: Nessa

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Energym Turbo Charger

Energym Turbo Charger Energym Turbo Charger LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Antes de começar qualquer programa de exercícios,

Leia mais

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Exame de Equivalência à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO TORNEIO ESTADUAL GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2017

REGULAMENTO TÉCNICO TORNEIO ESTADUAL GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2017 Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

Disciplina: Educação Física abril de 2015

Disciplina: Educação Física abril de 2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Educação Física abril de 2015 Prova 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses

Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses Como os Bebês Aprendem: Período Sensório- Motor ( Piaget) : 0 a 24 meses -Interação entre o bebê e o meio ambiente. -Tentativa e erro (

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia da dor cervical. Eles foram compilados para

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

Sistemática do Desporto - Ginástica REGENTE: Equiparada a Prof. Adjunta Mestre Marta Martins DOCENTE(s): Drª. Joana Macedo

Sistemática do Desporto - Ginástica REGENTE: Equiparada a Prof. Adjunta Mestre Marta Martins DOCENTE(s): Drª. Joana Macedo INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM TREINO DESPORTIVO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Sistemática do Desporto - Ginástica REGENTE: Equiparada a Prof.

Leia mais

SETOR DE ESPORTES E ARTES 30ªLASSALÍADA ESPORTE E LIBERDADE: JUNTOS NUM SÓ RITMO. Sumário

SETOR DE ESPORTES E ARTES 30ªLASSALÍADA ESPORTE E LIBERDADE: JUNTOS NUM SÓ RITMO. Sumário Sumário REGULAMENTO DA MODALIDADE DE ATLETISMO... 3 REGULAMENTO DA MODALIDADE DE BASQUETEBOL CATEGORIA A, B, e C... 5 REGULAMENTO DA MODALIDADE DE MINI BASQUETE CATEGORIA D e E... 6 REGULAMENTO DA MODALIDADE

Leia mais

Ginástica Rítmica da Special Olympics

Ginástica Rítmica da Special Olympics Ensinando Habilidades Esportivas da Special Olympics Tabela de Conteúdos Aquecimento... 3 Aquecimento Aeróbico... 5 Coreografia das Ondas do Corpo... 8 Ballet... 10 Aquecimento do Ballet... 13 Alongamento...

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR 2014 EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA PRODUÇÃO CULTURAL DA SOCIEDADE EXPRESSADA ATRAVÉS DO MOVIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDOS EDUCAÇÃO FÍSICA EIXOS ESPORTE

Leia mais

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3.

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. ÂMBITO: Aplica-se a todos os professores da Escola Municipal de Natação nos tanques

Leia mais

Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio]

Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio] Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio] Sarvananda Deva 1. Postura da Águia Garuda [Garudasana]: Esta postura de equilíbrio em

Leia mais

O HOMEM MAIS FORTE DA AMERICA DO SUL

O HOMEM MAIS FORTE DA AMERICA DO SUL O HOMEM MAIS FORTE DA AMERICA DO SUL CAMPEONATO SUL AMERICANO DE STRONGMAN SELETIVA DE QUALIFICAÇÃO PARA O ARNOLD STRONGMAN AMATEUR CHAMPIONSHIP 2013 Strong Monsters Mogi (supervisão American Strongman)

Leia mais

PLANO DE ETAPAS 8ºE FUT2+ VED. 11 Ter Sala 13 Qui. Andebol 10. Futebol 10 FUT2+ VED FUT1+ SUP. 16 Ter. 11 Qui

PLANO DE ETAPAS 8ºE FUT2+ VED. 11 Ter Sala 13 Qui. Andebol 10. Futebol 10 FUT2+ VED FUT1+ SUP. 16 Ter. 11 Qui 3ª Etapa 2ª Etapa 1ª Etapa PLANO DE ETAPAS 8ºE 11 Ter Sala 13 Qui 18 Ter 20 Qui 25 Ter GIN 27 Qui GIN Set VERÃO Apresentação Andebol 1 Futebol 1 Basquetebol 1 Voleibol 1 Barreiras 1 Judo 1 Ginástica 1

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º E 3º CICLO 2014/2015 FUTEBOL

PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º E 3º CICLO 2014/2015 FUTEBOL FUTEBOL 1. Recebe a bola controlando-a e enquadra-se 1. Recebe a bola, controlando-a e enquadra-se ofensivamente; ofensivamente, optando conforme a leitura da simula e ou finta, se necessário, para se

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA P O L Í C I A C I V I L DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL GABINETE EDITAL Nº 002 / 16-PC/MS (PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INSTRUÇÃO DE

Leia mais

3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS

3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS 3ª SÉRIE PARA DORES NOS GLÚTEOS E PERNAS RODAR OS JOELHOS À DIREITA E À ESQUERDA SENSAÇÃO NA EXECUÇÃO: alívio na articulação dos joelhos e tornozelos. INDICAÇÃO TERAPÊUTICA: dores nas articulações dos

Leia mais