POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II. Prof. Marcio Ap. dos S. Major"

Transcrição

1 POSICIONAMENTO RADIOLOGIA CONVENCIONAL II Prof. Marcio Ap. dos S. Major

2 ANATOMIA RADIOGRÁFICA DO CRÂNIO O crânio, ou esqueleto ósseo da cabeça, é formando por oito ossos, quatro dos quais ímpares: frontal, etmóide, esfenóide e occipital; e quatro pares: parietais e temporais. Esses ossos podem ser divididos em duas partes: calota craniana, formada por frontal, parietal direito, parietal esquerdo e occipital. A outra parte é conhecida como assoalho craniano, formada por temporal direito, temporal esquerdo, esfenóide e etmóide.

3 ANATOMIA RADIOGRÁFICA DO CRÂNIO

4 ANATOMIA RADIOGRÁFICA DO CRÂNIO

5 LINHAS DE POSICIONAMENTO DO CRÂNIO

6 LINHAS DE POSICIONAMENTO DO CRÂNIO

7 POSICIONAMENTO CRÂNIO - AP POSIÇÃO DO PACIENTE: paciente em DDH ou ortostática ou sentado com o PMS sobre a LCM, braços e pernas estendidas ao longo do corpo. O crânio deve estar com uma ligeira flexão, aproximando assim a região mentoniana à fúrcula esternal. R.C. entrando na glabela, passando paralelo a linha horizontal 24x30 cm longitudinal no bucky. D.F.F. 1 m.

8 INCIDÊNCIA PA: ROTINA PARA CRÂNIO Patologia Demonstradas do crânio (deslocamento medial e lateral), dos processos neoplásicos e da doença de Paget. Posicionamento do Paciente Apoiar o nariz e a testa do paciente sobre a superfície da mesa ou bucky. Alinhar o plano médio sagital de modo que fique perpendicular à linha média da mesa ou bucky para evitar a rotação ou inclinação da cabeça ( os MAEs devem ficar a uma distância igual da superfície da mesa ou bucky). RAIO CENTRAL O RC deve ficar perpendicular ao chassi ( e paralelo à LOM) e centralizado de modo que saia pela glabela DFOFI mínimo é de 1 metro.

9 A DOENÇA DE PAGET A doença de Paget é uma doença esquelética podendo ser causada por uma infecção viral e/ou fatores genéticos. É caracterizada por um aumento da remodelação óssea, resultando em anormalidade da arquitetura óssea. A excessiva reabsorção óssea leva à substituição do osso normal por osso desorganizado, aumentado, e com estrutura enfraquecida, propensa a deformidades e fraturas. A doença de Paget pode ser diagnosticada através de exames radiológicos, cintilografia e exames bioquímicos. O objetivo primário do tratamento é reduzir a dor e o risco do aparecimento das complicações a longo prazo. Atualmente dispõe-se de drogas anti-reabsortivas potentes, as quais controlam a reabsorção óssea e proporcionam uma grande melhora no tratamento.

10 IMAGENS DA DOENÇA DE PAGET

11 ESTRUTURAS VISUALIZADAS

12 RADIOGRAFIA DO CRÂNIO AP 1, Fissura órbital superior. 2, Asa maior do osso esfenóide. 3, Asa menor do esfenóide. 4, Seio frontal. 5, Osso petroso.

13 POSICIONAMENTO DO CRÂNIO - PERFIL POSIÇÃO DO PACIENTE: Paciente em DV com o PMS sobre LCM com um dos braços estendidos ao longo do corpo, o outro em 90 na posição de nadador. O crânio deve estar paralelo a LCM e o PVO (plano vertical do ouvido) deve estar perpendicular a LCM, nesta posição o crânio deve estar em perfil absoluto fazendo-se para isto o uso de material radiotransparente sob a região mentoniana. R.C. perpendicular 05 cm adiante e acima do MAE e saindo no CF 24x30 cm transversal no bucky. OBS.: Para facilitar o posicionamento do crânio em perfil absoluto o paciente pode obliquar o corpo em 45 e fletir a perna do lado mais distante da mesa, deixando assim o PMS do corpo em 45. Raio central saindo no forame auditivo. D.F.F. 1 m.

14 POSICIONAMENTO CRÂNIO - PERFIL

15 ESTRUTURAS VISUALIZADAS PERFIL DO CRÂNIO

16 RADIOGRAFIA DO CRÂNIO PERFIL 1, Palato duro. 2, Seio maxilar. 3, órbita. 4, Seio frontal. 5, Seio Esfenoidal. 6, Fossa pituitária. 7, Processo clinóide posterior. 8, Processo espinhoso (Atlas). 9, Processo espinhoso (Axis).

17 CRÂNIO TOWNE / BRETTON POSIÇÃO DO PACIENTE: Paciente em DDH com o PMS sobre a LCM braços e pernas estendidas ao longo do corpo, a região posterior da cabeça mais próxima do filme, o paciente deve aproximar ao máximo a região mentoniana sobre a fúrcula com a finalidade de colocar a PHA perpendicular ao plano da mesa. R.C. entrando 4 cm acima da glabela com um ângulo de ± 30 podálico, passando pelo forame magno e saindo no CF 24x30 cm longitudinal no bucky. Também denominada incidência de REVERCHAW, BRETTON, WORMS, ALTSCHUL, GRASHEY para estudos bilateral, comparativa e usada como complemento no estudo radiográfico para mostra as partes petrosas e mastoide dos ossos temporais.

18 POSICIONAMENTO CRÂNIO TOWNE OBS.: Estas incidências definem bem os ramos verticais da mandíbula, côndilos, os ramos horizontais e principalmente a região posterior do crânio onde localizamos o osso occipital e o forame magno. D.F.F. 1 m.

19 CRÂNIO TOWNE

20 INCIDÊNCIA AXIAL PA ROTINA PARA CRÂNIO (RC a 15 (Método de Caldwell) ou RC a 25-30

21 INCIDÊNCIA AXIAL PA ROTINA PARA CRÂNIO (RC a 15 (Método de Caldwell) ou RC a 25-30

22 INCIDÊNCIA ALTERNATIVA RC 25-30

23 INCIDÊNCIA DE 15 e 30 VISUALIZAR AS FISSURAS ORBITARIAS SUPERIORES 30 graus

24 INCIDÊNCIA SUBMENTO-VÉRTICE (SMV): SÉRIE PARA CRÂNIO (Método de Hirtz) Patologia Demonstrada Visualização de patologias óssea avançada nas estruturas internas do osso temporal ( base do crânio) e de fratura na base do crânio. Posicionamento do Paciente Fazer a radiografia com paciente em posição ereta ou supino.

25 POSICIONAMENTO DA ESTRUTURA

26 INCIDÊNCIA SUBMENTO-VÉRTICE (Método de Hirtz)

27 INCIDÊNCIA SUBMENTO-VÉRTICE (Método de Hirtz)

28 INCIDÊNCIA AXIAL PA: ROTINA PARA CRÂNIO Método de Haas Patologia Demonstrada Visualização do osso occipital, das pirâmides petrosas e do forame magno. O dorso da sela e os clinóide posteriores são vistos no interior da sombra do forame magno. Trata-se de uma incidência alternativa para pacientes que não conseguem flexionar o pescoço o suficiente para a realização de uma incidência axial AP (Towne). Produz uma ampliação da área occipital, mas resulta em doses inferiores nas estruturas faciais e na glândula tireóide. Não é recomendada quando o osso occipital é a área de interesse, por causa da ampliação excessiva.

29 INCIDÊNCIA AXIAL PA: ROTINA PARA CRÂNIO Método de Haas

30 INCIDÊNCIA AXIAL PA: ROTINA PARA CRÂNIO Método de Haas

31 INCIDÊNCIA AXIAL PA: ROTINA PARA CRÂNIO Método de Haas

32 EXAME DA SELA TÚRCICA FINALIDADE DAS RADIOGRAFIAS Os adenomas da pituitária podem ser visualizados, caso haja comprometimento da sela turca. A finalidade de fazermos radiografias localizadas da sela túrcica é obtermos mais detalhes, pois a presença de calcificações intra-selares das estruturas ósseas. Poderão definir junto com a clínica concluir um diagnóstico, que muitas vezes no RX panorâmico não aparece e sim nas incidências localizadas.

33 INCIDÊNCIA AXIAL AP: SELA TÚRCICA Método de Towne

34

35 SELA TÚRCICA PERFIL DIREITO OU ESQUERDO POSIÇÃO DO PACIENTE: paciente em DV com o PMS do corpo sobre a LCM com um dos braços estendido ao longo do corpo o outro deve estar para cima com o cotovelo fletido em 90 em posição de nadador. O crânio deve estar em perfil absoluto, estando assim o PVO perpendicular sobre a LCM e o PMS paralelo. R.C. perpendicular entrando 02 cm adiante e acima do MAE e saindo no CF 18x24 cm dividido transversalmente no bucky.

36 SELA TÚRCICA PERFIL DIREITO OU ESQUERDO

37 SELA TÚRCICA PERFIL DIREITO OU ESQUERDO

38 INCIDÊNCIA OBLIQUA AXIOLATERAL: MASTÓIDE (MÉTODO DE LAW MODIFICADO) Patologia Demonstrada Essa incidência mostra as patologia ósseas avançadas dos processos mastoides. Ouvido médio se encontra no osso temporal. Em geral, ambos os lados são examinados para comparação.

39

40 POSICIONAMENTO DO PACIENTE Colocar a face lateral da cabeça sobre a superfície da mesa/bucky vertical, com o lado de interesse mais próximo do chassi; o corpo do paciente deve ficar em posição obliqua o suficiente para permitir conforto. Alinhar o plano médio sagital de modo que fique paralelo à superfície da mesa/bucky vertical. A partir da posição lateral, girar a face 15º em direção ao chassi. Evitar a inclinação da cabeça mantendo a linha interpupilar perpendicular à superfície da mesa/bucky vertical. Ajustar o queixo de modo que a LIOM fique perpendicular á borda anterior do chassi.

41 POSICIONAMENTO

42 RAIO CENTRAL Posicionar o RC a 15º no sentido caudal. Centralizar o RC de modo que penetre 2,5 cm superior e posterior ao MAE do lado da cabeça voltado para cima e saia pela ponta da mastoide do lado voltado para baixo. Centralizar o chassi em relação ao RC projetado. DFFI 1 metro.

43 POSICIONAMENTO

44 ESTRUTURAS VISUALIZADAS

45 INCIDÊNCIA OBLIQUA AXIOLATERAL-PERFIL POSTERIOR: MASTOIDES (MÉTODO DE STENVES) Essa incidência mostra as patologia avançadas do osso temporal (neuroma avançado do acústico), que pode tomar os Cais ( canais acústicos internos) assimétricos. Em geral, ambos os lados são examinados para comparação.

46 POSICONAMENTO DO PACIENTE Ajustar o queixo de modo que a LIOM fique perpendicular ao chassi. Girar a cabeça 45º, com o lado de interesse voltado para baixo. Alinhar a região mastoide voltada para baixo em relação ao RC e em relação à linha central do chassi.

47 POSICIONAMENTO

48 RAIO CENTRAL Posicionar o RC a 12º no sentido cefálico, centralizado para penetrar em um ponto situado a cerca de 7 a 10 cm posterior inferior ao MAE do lado da cabeça voltado para cima e sair pelo processo mastoide do lado voltado para baixo. Centralizar o chassi em relação ao RC projetado. DFFI 1 metro.

49 POSICIONAMENTO

50 ESTRUTURAS VISUALIZADAS

51 INCIDÊNCIA OBLIQUA AXIOLATERAL-PERFIL ANTERIOR: MASTOIDES ( MÉTODO DE ARCELIN (MÉTODO DE STENVERS INVERTIDO) Essa incidência é basicamente para pacientes que não conseguem permanecer na posição prona para incidência obliqua PA (Stenvers). O exame é realizado bilateralmente para comparação.

52 POSICIONAMENTO DO PACIENTE Realizar uma rotação da cabeça de 45º (o lado voltado para cima será o lado demonstrado). Ajustar o queixo de modo que a LIOM fique perpendicular à superfície da mesa/bucky vertical. Alinhar a região mastoide voltada para cima em relação ao RC e à linha central da superfície da mesa/bucky vertical.

53 POSICIONAMENTO

54 RAIO CENTRAL Posicionar o RC a 10º no sentido caudal, centralizar para penetrar em um ponto situado a 2,5cm anterior 2 cm superior ao MAE que está voltado para cima. Centralizar o chassi em relação ao RC projetado. DFFI 1 metro.

55 POSICIONAMENTO

56 ESTRUTURAS VISUALIZADAS

57 POSIÇÃO DO PACIENTE: Paciente em DV ou ortostática braços estendidos ao longo do corpo com o PMS sobre a LCM ou LCE, a região mentoniana deve estar apoiada sobre a mesa fazendo com que a linha que une o MAE ao mento esteja perpendicular à mesa. R.C. perpendicular entrando Posterior ao crânio e saindo no acantio e incidindo no CF 18x24cm longitudinal no bucky ou 24x30 cm dividido transversalmente no bucky. SEIOS DA FACE - WATERS (MENTO NASO)

58 SEIOS DA FACE - WATERS (MENTO NASO) OBS.: Esta incidência deve ser bem posicionada para não haver a sobreposição da mastóide sobre o assoalho dos maxilares e devemos Fazer o uso do cilindro de extensão Para maior detalhe radiográfico. D.F.F. 1 m.

59 SEIOS DA FACE - WATERS (MENTO NASO)

60 SEIOS DA FACE - WATERS (MENTO NASO)

61 SEIOS DA FACE CALDWELL (FRONTO NASO) POSIÇÃO DO PACIENTE: Paciente em DV ou ortostática braços estendidos ao longo do corpo com o PMS sobre a LCM ou LCE, a região do frontal e o nariz devem estar apoiadas sobre a mesa ou estativa. R.C. entrando próximo a lambda (osso occipital) com um ângulo de ± 15 a 25 caudal, passando na glâbela e saindo no CF 18x24 cm longitudinal. bucky ou 24x30 cm dividido transversal.

62 SEIOS DA FACE CALDWELL (FRONTO NASO) OBS.: Nas 02 incidências o paciente poderá estar com os braços para cima ou numa posição confortável. Na incidência de Caldwell visualizamos principalmente os seios frontais e etmoidais e devemos incluir também os seios maxilares fazendo o uso do cilindro de extensão. D.F.F. 1 m.

63 SEIOS DA FACE CALDWELL (FRONTO NASO)

64 SEIOS DA FACE - PERFIL

65 SEIOS DA FACE - PERFIL POSIÇÃO DO PACIENTE: paciente em DV ou ortostática com a região lateral direita ou esquerda da face apoiada sobre a mesa ou estativa. O PMS deve estar paralelo a LCM ou LCE. R.C. deve ser horizontal e perpendicular ao chassi. Centralizar o RC no ponto intermediário entre o canto externo e o MAE. Centralizar o chassi no RC. D.F.F. de 1metro.

66 SEIOS DA FACE - PERFIL OBS.: O perfil deve ser absoluto para podermos visualizar os seios paranasais bem definidos. D.F.F. 1 m.

67 SEIOS DA FACE - PERFIL

68 POSIÇÃO LATERAL: OSSOS NASAIS POSIÇÃO DO PACIENTE: Paciente em DV, ou ortostático com a região lateral direita ou esquerda da face apoiada sobre a mesa. Paciente deve estar com o PMS paralelo a LCM os ossos próprios do nariz deve coincidir com a LCM e o perfil deve ser absoluto deixando o parietal direito ou esquerdo próximos ao filme. R.C. perpendicular entrando na lateral do nariz e saindo no CMF 18x24 cm dividido transversalmente no bucky. OBS.: Esta incidência deve ser feita em duas posições, um perfil direito e perfil esquerdo sendo que este posicionamento é parecido com o perfil de crânio somente desviamos o raio central para os ossos próprios do nariz. D.F.F. 1 m.

69 POSIÇÃO LATERAL: OSSOS NASAIS

70 POSIÇÃO LATERAL: OSSOS NASAIS

71 INCIDÊNCIA TANGENCIAL (AXIAL) SÚPERO-INFERIOR: OSSOS NASAIS POSIÇÃO DO PACIENTE: Paciente em sentado ereto numa cadeira na extremidade da mesa ou pronação sobre a mesa. Estender e repousar o queixo chassi filme 18 x 24cm R.C. Centralizado no násio e angular, quando necessário, para assegurar que ele esteja paralelo à LGA ( o R.C. deve tangenciar a glabela e a porção ântero-posterior dos dentes frontais. OBS.: Suspender a respiração durante exposição. D.F.F. 1 m.

72 INCIDÊNCIA TANGENCIAL (AXIAL) SÚPERO-INFERIOR: OSSOS NASAIS

73 INCIDÊNCIA TANGENCIAL (AXIAL) SÚPERO-INFERIOR: OSSOS NASAIS

74 RINOFARINGE PERFIL ( CAVUM) Posicionamento Paciente em posição ortostática. Perfil absoluto do crânio. Incidência Feixe de raios X perpendicular à estativa (horizontal), incidindo 5cm à frente do meato auditivo externo. Projeção Coluna aérea da rinofaringe. Parâmetros técnicos DFFi: 1,00m Filme: 13x18 (longitudinal)

75 RINOFARINGE PERFIL ( CAVUM) Grade anti-difusora Sim, usar cilindro de extensão ou cone. Variante Crianças geralmente não aceitam a ordem de imobilidade. Pode-se obter essa radiografia colocando o paciente em decúbito ventral e perfil do crânio, mantendo a boca fechada para forçar a inspiração nasal. Neste caso, o filme será colocado transversalmente. Resultado A coluna aérea superior deverá estar visível com evidência para as adenóides na rinofaringe.

76 ADENÓIDE Adenoide ou tonsila faríngea é uma formação linfoide que cerca as cavidades nasais e bucais para a garganta, estando localizada na parede posterior da nasofaringe, região que serve como passagem do fluxo aéreo nasal. As queixas relacionadas às adenóides ou às amígdalas estão entre as mais comuns encontradas na população em geral. O indicador mais significativo de obstrução nasal produzida pelas adenóides é a respiração pela boca, cuja imagem clássica é a da criança que dorme com a boca aberta, ronca e baba no travesseiro

77 ESTÃO ASSOCIADOS COM O QUADRO DE ADENÓIDE distúrbios do ouvido secundários à obstrução do óstio da tuba auditiva (otites médias secretoras ou supurativas agudas), os quais podem manifestar-se por diminuição da audição, dor de ouvido, febre e choro; respiração bucal de suplência com os problemas que dela advêm: rinites, sinusites (conseqüência da obstrução nasal), rouquidão e faringites; distúrbios de fonação, em que não há emissão de sons nasais (rinolalia clausa); alteração, na criança em crescimento, dos padrões anatômicos, determinando problemas ortodônticos de má oclusão, palato ogival.

78

79

80 FIGURAS - A: NpT, tonsila faríngea; Np, nasofaringe. B: A, adenoide; N, espaço nasofaríngeo. C: AA, antro-adenoide; PA, passagem da via aérea. D: AC, coluna aérea; SP, palato mole.

81 RINOFARINGE PERFIL (CAVUM)

82 RADIOGRAFIA DE CAVUM PERFIL

83 INCIDÊNCIA (TANGENCIAL) ÍNFERO- SUPERIOR OBLÍQUA: ARCO ZIGOMÁTICO Patologia Demonstrada: são mostradas as fraturas do arco zigomático. Esta incidência é especialmente útil para os arcos zigomáticos deformados resultantes de trauma ou inerentes à morfologia craniana. POSIÇÃO DO PACIENTE: Queixo elevado, hiperestendendo o pescoço até que a LIOM esteja paralela ao bucky vertical. Apoiar a cabeça no vértice do crânio. Rodar a cabeça a 15 em direção ao lado a ser examinado; então inclinar também o queixo a 15 em direção ao lado interesse.

84 INCIDÊNCIA (TANGENCIAL) ÍNFERO-SUPERIOR OBLÍQUA: ARCO ZIGOMÁTICO R.C. Alinhar o raio central perpendicular ao chassi e LIOM. Centralizar o raio central no arco zigomático de interesse (técnica de partes moles). Ajustar o chassi par que esteja paralelo à LIOM e perpendicular ao raio central. D.F.F. 1 m.

85 INCIDÊNCIA (TANGENCIAL) ÍNFERO-SUPERIOR OBLÍQUA: ARCO ZIGOMÁTICO

86 INCIDÊNCIA (TANGENCIAL) ÍNFERO-SUPERIOR OBLÍQUA: ARCO ZIGOMÁTICO

87 ÓRBITAS OBLÍQUAS (Método de RHESE) São mostradas as anormalidades do forame óptico. Em geral, ambos os lados são radiografados para comparação

88 POSICIONAMENTO Como uma referência inicial, posicionar o queixo, a face e o nariz do paciente contra a mesa/superfície do bucky vertical. Ajustar a cabeça, quando necessário, de modo que o plano sagital forme um ângulo de 53º com o bucky horizontal. Posicionar a linha acantomeatal perpendicularmente ao plano do bucky horizontal. R.C. alinhar perpendicularmente ao chassi, centralizado na órbita para baixo. D.F.F. 1 metro.

89

90 INCIDÊNCIA AXIAL AP: ATMS (MÉTODO DE TOWNE MODIFICADO) Aviso: A abertura da boca não deve ser tentada se houver possibilidade de fratura. PATOLOGIA DEMONSTRADA Fraturas e relação anormal entre a amplitude de movimento entre o côndilo e a fossa TM.

91 POSICIONAMENTO DO PACIENTE Apoiar a parte posterior do crânio do paciente contra a mesa/superfície do bucky vertical. Contrair o queixo, trazendo a LOM perpendicularmente à mesa/superfície do bucky ou posicionar a LIOM perpendicularmente e aumentar o ângulo do RC em 7º. Alinhar o plano sagital medial perpendicularmente à linha média da grade ou da mesa/superfície do bucky vertical para evitar a rotação ou inclinação da cabeça.

92 RAIO CENTRAL Angular o RC 35º em sentido caudal a partir da LOM ou 42º a partir da LIOM. Direcionar o RC para passar 2,5cm anteriormente ao nível das ATMS 5cm anterior às MAEs. Centralizar o chassi ao RC projetado. DFFI 1 metro.

93 POSICIONAMENTO DO PACIENTE

94 ESTRUTRAS VISUALIZADAS

95 INCIDÊNCIA OBLIQUA AXIOLATERAL: ATMS (MÉTODO DE LAW MODIFICADO) É mostrada a relação anormal da amplitude de movimento entre o côndilo e a fossa ATM. Geralmente, as imagens são obtidas em posições com boca aberta e fechada.

96 POSICIONAMENTO DO PACIENTE A posição do paciente é ortostática ou pronação a posição ortostática é preferida se a condição do paciente permitir. Deixar a face lateral da cabeça contra a mesa/superfície do bucky vertical, com o lado de interesse mais próximo ao chassi. Para dar mais conforto ao paciente mover o corpo numa direção obliqua. Evitar a inclinação pela manutenção da linha interpupilar perpendicularmente ao chassi. Alinhar a LIOM perpendicularmente à margem frontal do chassi. Da posição lateral, rodar o rosto a 15º em direção ao chassi plano sagital medial da cabeça sendo rodado 15º a partir do plano do chassi.

97 RAIO CENTRAL Angular o RC a 15º em sentido caudal, centrado 4cm acima MAE que estiver para cima para passar através da ATM que estiver para baixo. Centralizar o chassi ao RC projetado. DFFI 1 metro

98 POSICONAMENTO DO PACIENTE

99 ESTRUTURAS VISUALIZADAS

100 POSICIONAMENTO DO PACIENTE

101 ESTRUTURAS VISUALIZADAS

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos

Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Notas de aula: Incidências radiológicas do esqueleto axial e órgãos Prof Luciano Santa Rita Oliveira Fonte de consulta: Prof Rafael Silva e Prof Jorge Loureiro http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face, não estamos falando apenas de duas peças ou região anatômica, temos: glândulas, cavidades e uma

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face não se tratam apenas de duas peças ou regiões anatômicas temos glândulas, cavidades e uma imensa

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula

Incidências Radiológicas Especiais Notas de aula 1 NOTA DE AULA N.01: PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FORMAÇÃO DA IMAGEM RADIOGRÁFICA E RADIOPROTEÇÃO 1) Terminologia Radiográfica Termos comumente usados compatíveis com a terminologia de posicionamento e incidência

Leia mais

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Coluna: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias da coluna são realizadas para diagnosticar

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR VERTEBRAS LOMBARES 5 9 3 10 1 6 4 8 2 1- processo espinhoso 2- processo transverso 3- corpo 4- processo articular inferior 5- processo articular superior 6- incisura

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA 01 Posição do braço em abdução significa a) com rotação interna b) com rotação externa c) braço

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR

Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR Conteúdo Revisão Anatômica Técnicas de Posicionamento Radiológico Critérios de Avaliação Radiográfica Patologias mais comuns Indicações e contra indicações Principais

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO)

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) A avaliação de perda auditiva ou tiníto quase sempre inclui a investigação do osso temporal através de imagens. Há uma grande variedade de processos de doenças congênitas e adquiridas

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

Protocolos de hipófise e órbitas

Protocolos de hipófise e órbitas Protocolos de hipófise e órbitas Profº Claudio Souza Hipófise e sela turca Indicações O exame da sela tem por objetivo a avaliação dos adenomas que acometem a hipófise e as patologias que afetam a integridade

Leia mais

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA

UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA UM ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL: POSICIONAMENTO E ANATOMIA EMERSON LUIS DA MATA COSTA¹ DIEMERSON ANTUNES DE OLIVEIRA¹ CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO² ¹Acadêmico do Curso Tecnólogo em Radiologia da Faculdades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Caio Abner Leite Letra legível História resumida Queixa e duração, antecedentes pessoais relacionados ao caso ou às contra-indicações.

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS Nomenclatura para os posicionamentos Ao posicionarmos o paciente com o propósito de efetuar radiografias, deve-se dar nome a este

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição Não deixe de preencher as informações a seguir: PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMOCIM DE SÃO FÉLIX CONCURSO PÚBLICO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº

Leia mais

POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES

POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES Michele Patrícia Muller Mansur Vieira 1 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A radiografia é, geralmente, a primeira escolha médica como método de diagnóstico por

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 31 Ao realizar uma radiografia, um técnico de radiologia percebeu que sua máquina fotográfica convencional e os filmes fotográficos estavam no mesmo local que o aparelho

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas SÉRIE RADIOLOGIA E SABER 1 TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas ALGUNS TÓPICOS POR: PROF. RONALDO J. CALIL KV determina o contraste. O contraste é responsável pela imagem preta e branca na radiografia, muito

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118

TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118 1 TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118 Índice Técnicas Radiográficas Intrabucais...01 1.0 Considerações Gerais...01

Leia mais

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL: UMA ABORDAGEM INTERATIVA NA WEB III Programa de Bolsas de Iniciação Científica AUTORA: Renata Vasconcelos Pavan CO-AUTORAS: Paula Ribeiro Borges Vanessa

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

ANEXO ÚNICO Fica a Credenciada Camil - Centro de Assistência Médica Itabapoana - Ltda a prestar os seguintes serviços de saúde aos municípios consorciados ao CIM POLO SUL: 001 - Colonoscopia (coloscopia)

Leia mais

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira 1 SISTEMA OSTEOARTICULAR III ESQUELETO AXIAL CABEÇA ÓSSEA SUMÁRIO I DIVISÕES DA CABEÇA ÓSSEA Crânio: calote e base Face II - OSSOS DO CRÂNIO 1 Parietal Faces interna e externa Bordos superior ou sagital,

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO OSSOS DA CABEÇA O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas,

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza RESUMO Estas técnicas apresentadas pelo autor têm como objetivo mostrar os estudos radiológicos que

Leia mais

CRÂNIO. Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD

CRÂNIO. Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD CRÂNIO Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG Professor Adjunto da PUC-Minas Roteiro Roteiro

Leia mais

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO CEFALOMETRIA RADIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Desde os primórdios da Ortodontia, esta especialidade da Odontologia era mais mutilante do que reabilitadora, uma vez que o tratamento resumiase na extração pura, muitas

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição V setembro de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular,

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá Universidade Estadual de Maringá Pró-reitoria de Recursos Humanos e Assuntos Comunitários TESTE SELETIVO EDITAL N O 107/2012-PRH INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA E PREENCHIMENTO DA FOLHA DE RESPOSTAS

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

Site: www.med-rad.med.br

Site: www.med-rad.med.br AMB TUSS PROCEDIMENTO TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DESC PART 34010017 41001109 TOMOG. COMP. ABDOMEN SUPERIOR C/C 550,00 805,00 34010201 41001095 TOMOG. COMP. ABDOMEN TOTAL C/C 750,00 1.030,00 34010025 41001141

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

Jornal Oficial do Município - Sousa, Edição Especial 28 de Outubro de 2014.

Jornal Oficial do Município - Sousa, Edição Especial 28 de Outubro de 2014. Jornal Oficial do Município - Sousa, Jornal Oficial do Município - Sousa, LICITAÇÕES AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 00072/2014 Torna público que fará realizar através da Pregoeira Oficial e Equipe

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM RADIOLOGIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM RADIOLOGIA 259 INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

I Caderno de Odontopediatria

I Caderno de Odontopediatria I Caderno de Odontopediatria Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto Fotografia em Odontopediatria Autores: Cristina Cardoso Silva, Susana Silva, Cristina Areias, Viviana Macho, Ana Norton,

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA CRANIOMAXILOFACIAL. QUESTÃO 1 A foto abaixo é mais sugestiva de:

GABARITO DE CIRURGIA CRANIOMAXILOFACIAL. QUESTÃO 1 A foto abaixo é mais sugestiva de: GABARITO DE CIRURGIA CRANIOMAXILOFACIAL QUESTÃO 1 A foto abaixo é mais sugestiva de: A. Proptose do olho direito. B. Estrabismo divergente do olho direito. C. Tumor orbitário direito. D. Pinçamento do

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE

EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE EXAME PRIVADO Encargo benef. ADSE RADIOLOGIA Radiologia - CABEÇA E PESCOÇO Crânio, 1 incidência 15,00 1,10 Crânio, 2 incidências 20,00 1,20 Sela turca 10,00 0,60 Mastóides, 1 incidência 30,00 1,00 Mastóides,

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE

TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso 1. (Ufrj) Uma criança segura uma bandeira do Brasil como ilustrado na figura 1. A criança está diante de dois espelhos planos verticais A e B que fazem entre si um ângulo de 60. A figura 2 indica seis

Leia mais

Concurso Público Secretaria de Saúde do Estado de Rondônia CARGO: TÉCNICO EM RADIOLOGIA

Concurso Público Secretaria de Saúde do Estado de Rondônia CARGO: TÉCNICO EM RADIOLOGIA LÍNGUA PORTUGUESA Questão 1 Nas frases a seguir, identifique a opção em que o verbo haver signifique ajustar contas. a) Antigamente, nas grandes cidades havia bondes. b) Os jogadores houveram-se com dignidade

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Técnico de Radiologia

PROVA OBJETIVA. Técnico de Radiologia Unioeste Diretoria de Concursos Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico de Radiologia Instruções para

Leia mais

POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA

POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA PROF. CRISTIANA COSTA LUCIANO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO: - POSIÇÃO CIRÚRGICA É AQUELA EM QUE É COLOCADO O PACIENTE, APÓS ANESTESIADO, PARA

Leia mais

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo SINAIS E SINTOMAS 3 SINAIS CARDINAIS DA DTM: DOR OROFACIAL BARULHOS NA ATM RESTRIÇÃO FC. MANDIBULAR OUTROS SINTOMAS CEFALÉIA

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Prof. Dr. Caio Maximino Marabá Maio/2015 Cabeça é composta por crânio, face, escalpo, dentes, encéfalo, nervos cranianos, meninges, órgãos dos sentidos

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição VII fevereiro de 2015 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030

Leia mais

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG e da PUC-Minas

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES TÉCNICO RADIOLOGIA- IMAGENOLOGIA TRI44 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira

Leia mais

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Chefe da Empresa FONOVIM Fonoaudiologia Neurológica Ltda Coordenadora da Pós-graduação

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO SISTEMA LOCOMOTOR CABEÇA E PESCOÇO Crânio O crânio forma uma caixa óssea que tem a função primordial de abrigar e proteger o encéfalo. Outras funções importantes como: possui cavidades para órgãos da sensibilidade

Leia mais

Espelho, espelho meu...

Espelho, espelho meu... A UU L AL A Espelho, espelho meu... No meio do trânsito ouve-se a sirene da ambulância. Ernesto vira-se e pergunta ao pai: - Por que as letras escritas no capô da ambulância estão todas invertidas? Figura

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Anatomia do Sistema Respiratório. Prof.Gabriel Villas-Bôas

Anatomia do Sistema Respiratório. Prof.Gabriel Villas-Bôas Anatomia do Sistema Respiratório Prof.Gabriel Villas-Bôas Objetivos Compreender as partes anatômicas que compõem o sistema respiratório incluindo: O sistema condutor; A nasofaringe e laringofaringe; A

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais