Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas"

Transcrição

1 Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas Radiográficas Intraorais Utilizada com muita frequência na odontologia e pode ser dividida em: Técnicas Radiográficas Intraorais Técnicas Oclusal Técnicas Radiográficas Intraorais Técnicas Interproximal 1

2 Objetivo: Vizualizar o dente em toda a sua extensão Vizualizar o tecido ósseo ao redor do dente Vizualizar a região periapical em cada radiografia Pode ser obtida das seguintes maneiras: Paciente fazendo a manutenção do filme (Podendo avaliar de dois a quatro dentes) Com Posicionadores Filme Periapical, tamanho aproximadamente 3x4 cm Embalagem com 100,150 filmes Processamento Manual ou automático Técnica do Paralelismo 2

3 Indicações: Avaliação dos dentes que sofreram infecção e que apresentam inflamação na região periapical; Avaliação das lesões do periápice como cistos e granulomas periapicais; Avaliação de dentes supranumerários, retidos e de outras anomalias; Indicações: Avaliação da morfologia e do comprimento das raízes antes do tratamento do canal radicular ou de extrações; Avaliação pré e pós-operatória na colocação de implantes dentários. Descrição da técnica: Para a obtenção de uma boa imagem radiográfica, alguns princípios técnicos devem ser rigorosamente seguidos, como regulagem do aparelho, posicionamento do paciente e do filme e a técnica radiográfica utilizada. Regulagem do aparelho: Cada região da boca temos estruturas anatômicas específicas. Ajustar o tempo de exposição dos aparelhos de raios X para cada uma dessas regiões. Regulagem do Aparelho Na maxila o tempo de exposição será sempre maior do que na mandíbula. O tempo de exposição é sempre determinado pela sensibilidade do filme. No mercado brasileiro temos disponíveis os filmes de sensibilidade D, E e F. Regulagem do Aparelho Há uma busca constante por filmes que necessitem de um menor tempo de exposição aos raios X, sem perda de contraste ou resolução e que proporcione uma imagem radiográfica adequada para um diagnóstico preciso. 3

4 Regulagem do Aparelho Em 1981, a Kodak lançou o filme com velocidade E, que necessitava da metade da exposição utilizada para filmes de velocidade D. Em Abril de 2000, a Kodak anunciou a introdução do filme Insight, classificado com velocidade F. Regulagem do Aparelho Os tempos de exposições sugeridos deverão ser reduzidos em 1/3 para exposição em crianças; 1/4 para áreas desdentadas; E aumentando em 1/4 para pacientes muito grandes. Posicionamento do Paciente Paciente deve ser acomodado confortavelmente e o operador deve explicar os procedimentos. O paciente deverá ser orientado para não se movimentar durante as exposições. O operador deverá colocar toda a vestimenta de proteção no paciente. As tomadas radiográficas deverão ser realizadas com o paciente sentado. Posicionamento do Paciente Posicionamento do Paciente Posição da cabeça: 4

5 Posicionamento do Filme O filme e o dente deverão estar o mais próximos e paralelos possíveis um do outro; O filme deve ser posicionado com o seu longo eixo na vertical para os dentes anteriores (I e C) e com o maior eixo na horizontal para os dentes posteriores (PM e M). Posicionamento do Filme Posicionamento do Filme Superfície lisa voltada para o feixe de raios X; O filme deverá ficar posicionado de tal modo que ultrapasse 2mm das borda incisal ou oclusal. Posicionamento do Filme Posicionamento do Filme O picote do filme deverá sempre estar localizado em direção às superfícies incisais e oclusais; Quando mantido na boca pelo dedo do paciente, para maior estabilidade, utiliza-se o dedo polegar para os dentes superiores e o dedo indicador para os dentes inferiores; 5

6 Posicionamento do Filme O localizador do aparelho deverá ser posicionado para que o filme fique no cento e o feixe de raios X direcionado perpendicularmente á bissetriz do ângulo formado entre os longos eixos do dente e do filme. Consiste em 14 radiografias da boca toda, sendo 7 para maxila e 7 para mandíbula. A técnica da bissetriz utiliza o princípio da lei isométrica de Ciezynski (1907), em que a imagem projetada tem o mesmo comprimento e as mesmas proporções do objeto, desde que o feixe de raios X central seja perpendicular à bissetriz do ângulo formado pelo filme e pelo objeto. Ângulo Vertical: Determinado pela linha imaginária perpendicular à bissetriz formada entre o longo eixo do dente e do filme. Ângulo Horizontal: Corresponde ao posicionamento da cabeça do aparelho de raios X lateralmente. Ângulo Horizontal e Vertical Incidência do ângulo vertical na técnica periapical da bissetriz 6

7 Executando a técnica passo a passo Prepare o paciente; Ajuste o tempo de exposição, de acordo com a sensibilidade do filme e a área a ser exposta; Selecione o número do filmes necessários; Aproxime a cabeça do aparelho da área a ser exposta; Executando a técnica passo a passo Estabeleça uma sequência para expor os filmes, da região posterior para anterior, iniciando do lado D ou lado E, para que o operador não exponha duas vezes a mesma região; Exponha as regiões da maxila e da mandíbula separadamente, pois o posicionamento da cabeça do paciente é diferente; Executando a técnica passo a passo Quando iniciamos as exposições da região anterior para a posterior, minimizamos os efeitos causados pelo reflexo de ânsia, que ocorre em parte dos pacientes na região posterior; Coloque o filme com gentileza na boca do paciente e ajude-o a direcionar o dedo para uma correta manutenção do filme na boca; Executando a técnica passo a passo Verifique novamente a posição da cabeça do paciente e faça a exposição; Processe o filme manual ou automaticamente. Técnica do Paralelismo - Sinonímia do Paralelismo Técnica do Cone longo Técnica do Cilíndro longo Técnica de McCormack Técnica do ângulo Reto 7

8 Técnica do Paralelismo Técnica do Paralelismo Difere da técnica anterior, pois utiliza um posicionador que permite aumentar o paralelismo entre o dente e o filme. Técnica do Paralelismo Indicações: Visualizar os dentes, o osso e a região periapical. Avaliação das cristas interdentais em pacientes suscetíveis à doença periodontal Técnica do Paralelismo Indicações: Avaliação do comprimento dos dentes e possíveis reabsorções durante tratamento ortodônticos; Avaliação pré e pós-operatório na colocação de implantes dentários. Incidência do feixe de Raios X nas técnicas periapical da Bissetriz e do Paralelismo 8

9 Técnica do Paralelismo Técnica do Paralelismo Descrição da técnica: Como na técnica da bissetriz, para a obtenção de uma boa imagem, os princípios técnicos devem ser rigorosamente seguidos. Regulagem do aparelho Uso de localizador específico (longo), pois para obtenção do paralelismo entre o dente e o filme, este fica mais distante do dente, o que aumenta a distorção da imagem. Regulagem do Aparelho Para compensar essa distorção, aumenta-se a distância do ponto focal do aparelho até o filme, utilizando um localizador que geralmente tem o dobro o tamanho do localizador curto. O tempo de exposição precisa ser quadruplicado, uma vez que a distância é duas vezes maior. Técnica do Paralelismo O número de filmes utilizados para a avaliação de todos os dentes pode variar ente 14 ou 15 filmes. Executando a técnica passo a passo Preparação do paciente; Quando o operador utiliza os posicionadores, não é necessário o mesmo rigor no posicionamento da cabeça, pois o localizador estará sempre posicionado corretamente em relação ao dente e ao filme; Mantenha o paciente em uma posição confortável; Executando a técnica passo a passo Selecione o posicionador de acordo com a região a ser radiografada; A superfície lisa e branca do filme deverá estar posicionada para o feixe de raios X; Coloque o posicionador com o filme gentilmente na boca do paciente e peça para ele fechar a boca com delicadeza e manter o posicionador em posição com firmeza. 9

10 Executando a técnica passo a passo O anel do localizador que fica próximo à face do paciente deve estar alinhado com o localizador do aparelho, o que, automaticamente, determina os ângulos verticais e horizontais, minimizando os erros da técnica. Técnica do Paralelismo - Vantagens Maior simplicidade do exame radiográfico; Menor grau de ampliação da imagem radiográfica; Não há um compromisso com angulações verticais e horizontais; Padrão dos exames radiográficos. Técnica do Paralelismo - Desvantagens Maior possibilidade de movimentação do paciente. Desconforto ao paciente. Maior custo operacional (discutível)... Técnicas Periapicas As diferenças fundamentais entre a técnica da bissetriz e a do paralelismo são: Uso de posicionadores; Distância focal do paralelismo é de 40cm, enquanto que na técnica da bissetriz é 20 cm. 10

11 11

12 Dados Importantes Técnica Radiográficas: Intraorais e Extraorais. Técnica Intraorais: Periapical, Interproximal e Oclusal. : Bissetriz e Paralelismo. Dados Importantes Vizualização dos dentes, ossos ao redor e região periapical de cada dente. Dados Importantes 12

13 Dados Importantes Para a obtenção de uma boa imagem radiográfica, alguns princípios técnicos devem ser rigorosamente seguidos, como regulagem do aparelho, posicionamento do paciente e do filme e a técnica radiográfica utilizada. Dados Importantes Técnica da Bissetriz Cada região da boca temos estruturas anatômicas específicas. Ajustar o tempo de exposição dos aparelhos de raios X para cada uma dessas regiões. Na maxila o tempo de exposição será sempre maior do que na mandíbula. O tempo de exposição é sempre determinado pela sensibilidade do filme. No mercado brasileiro temos disponíveis os filmes de sensibilidade D, E e F. Dados Importantes Técnica da Bissetriz Paciente deve ser acomodado confortavelmente e o operador deve explicar os procedimentos. O paciente deverá ser orientado para não se movimentar durante as exposições. O operador deverá colocar toda a vestimenta de proteção no paciente. As tomadas radiográficas deverão ser realizadas com o paciente sentado. Dados Importantes Técnica da Bissetriz Posicionamento da cabeça Para Maxila, seguir a linha trágus asa do nariz. E para Mandíbula, seguir a linha trágus comissura labial (conta da boca). Dados Importantes Técnica da Bissetriz O picote do filme deverá sempre estar localizado em direção às superfícies incisais e oclusais. Quando mantido na boca pelo dedo do paciente, para maior estabilidade, utiliza-se o dedo polegar para os dentes superiores e o dedo indicador para os dentes inferiores. Dados Importantes Técnica da Bissetriz A técnica da bissetriz utiliza o princípio da lei isométrica de Ciezynski (1907), em que a imagem projetada tem o mesmo comprimento e as mesmas proporções do objeto, desde que o feixe de raios X central seja perpendicular à bissetriz do ângulo formado pelo filme e pelo objeto. 13

14 Dados Importantes Técnica da Bissetriz Para a técnica correta o feixe do raios X deve ser perpendicular (90 ) à linha na bissetriz formada entre o longo eixo do dente a película radiográfica. Se o ângulo vertical for > 90, teremos uma imagem distorcida (encurtada). Se o ângulo vertical for < 90, teremos uma imagem distorcida (alongada). Dados Importantes Técnica da Bissetriz Dados Importantes Técnica do Paralelismo Difere da técnica anterior, pois utiliza um posicionador que permite aumentar o paralelismo entre o dente e o filme. Uso de localizador específico (longo), pois para obtenção do paralelismo entre o dente e o filme, este fica mais distante do dente, o que aumenta a distorção da imagem. Dados Importantes Técnica do Paralelismo Para compensar essa distorção, aumenta-se a distância do ponto focal do aparelho até o filme, utilizando um localizador que geralmente tem o dobro o tamanho do localizador curto. O tempo de exposição precisa ser quadruplicado, uma vez que a distância é duas vezes maior. Dados Importantes A -> B -> Técnica do Paralelismo 14

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118

TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118 1 TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS INTRA E EXTRA BUCAIS E INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA FÁBIO CORNIATI RADIOLOGISTA E IMAGINOLOGISTA CRO 78118 Índice Técnicas Radiográficas Intrabucais...01 1.0 Considerações Gerais...01

Leia mais

ODONTOMETRIA. CDC- cemento dentina canal. Referências Radiográficas

ODONTOMETRIA. CDC- cemento dentina canal. Referências Radiográficas ODONTOMETRIA Objetivos: Conhecer a técnica odontometrica e os fatores que justificam sua execução. Saber determinar o limite apic de trabho nas diferentes situações anatomopatológicas Determinar a técnica

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

Radiografia Intra-Oral

Radiografia Intra-Oral Unidade Clínica I Radiografia Intra-Oral 22.11.2012 1 Introdução O que é um Rx intra-oral? 2 Classificação radiográfica intra-oral Periapicais Interproximais Oclusais 3 Classificação radiográfica intra-oral

Leia mais

APOSTILA DE RADIOLOGIA

APOSTILA DE RADIOLOGIA APOSTILA DE RADIOLOGIA 2013 Autores ANZILIERO, Luciano. Esp. Curso de Odontologia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e Missões Campus de Erechim. BELEDELLI, Rodrigo. Ms. Curso de Odontologia

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Cirurgiã Dentista, Especialista em Radiologia, Especializanda em Ortodontia PLANO DE CURSO

Cirurgiã Dentista, Especialista em Radiologia, Especializanda em Ortodontia PLANO DE CURSO C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: RADIOLOGIA Código: ODO-14 Pré-requisito: ANATOMIA

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 31 Ao realizar uma radiografia, um técnico de radiologia percebeu que sua máquina fotográfica convencional e os filmes fotográficos estavam no mesmo local que o aparelho

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

HISTÓRICO. Röntgen (1895): descoberta dos raios X. Otto Walkhoff: radiografia dental. Kells (1899): Endodontia

HISTÓRICO. Röntgen (1895): descoberta dos raios X. Otto Walkhoff: radiografia dental. Kells (1899): Endodontia HISTÓRICO Röntgen (1895): descoberta dos raios X Otto Walkhoff: radiografia dental Kells (1899): Endodontia Dentro das especialidades da Odontologia, a Endodontia é aquela que mais se utiliza da radiologia,

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós-

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós- FOUSP Avaliação da precisão da tomografia computadorizada por feixe cônico (cone beam) como método de medição do volume ósseo vestibular em implantes dentários Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Memorial Descritivo de Proteção Radiológica 1 Estabelecimento Consultório Odontológico do Dr.(a). XXX (nome do dentista), CRORJ nº XXX, inscrito no CPF sob nº.

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014 11 3894 3030 papaizassociados.com.br 11 3894 3030 papaizassociados.com.br IMPORTÂNCIA DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Prótese Parcial Removível

Prótese Parcial Removível Prótese Parcial Removível Objetivo: Reabilitar arcos parcialmente desdentados, devolvendo as funções estética, fonética e mastigatória, podendo ser removida tanto pelo profissional como pelo paciente,

Leia mais

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

Description of veterinary intraoral radiographic techniques

Description of veterinary intraoral radiographic techniques Rev Inst Ciênc Saúde 2009;27(1):39-43 Descrição das técnicas radiográficas intraorais utilizadas na Medicina Veterinária* Description of veterinary intraoral radiographic techniques Lenin Arturo Villamizar

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL Autora: Nelma Maria de Freitas Agradecimentos: Imagem Radiologia de Itajaí, Dr. Élio Giácomo Papaiz (in memorian). Dr.

Leia mais

I Caderno de Odontopediatria

I Caderno de Odontopediatria I Caderno de Odontopediatria Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto Fotografia em Odontopediatria Autores: Cristina Cardoso Silva, Susana Silva, Cristina Areias, Viviana Macho, Ana Norton,

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL. Nota técnica: Portaria SAS 718

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL. Nota técnica: Portaria SAS 718 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL Nota técnica: Portaria SAS 718 Diante da necessidade de revisão e atualização dos procedimentos

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte

Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte Ar comprimido Aspiração Imagiologia Conservação dos dentes Higiene A nova dimensão do diagnóstico radiográfico Chairside O scanner de películas

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

Capítulo 1 Considerações Gerais

Capítulo 1 Considerações Gerais Capítulo 1 Considerações Gerais Entre ser coerente e ser flexível em relação ao que acreditamos, existe sempre um conflito. O que você sente ser mais importante hoje em sua vida: a necessidade de coerência

Leia mais

TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA

TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA Prémio Ortodontia 2015 TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA ARTIGO VENCEDOR RESUMO Os traumatismos em dentição decídua poderão afetar a dentição permanente, afetando

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face não se tratam apenas de duas peças ou regiões anatômicas temos glândulas, cavidades e uma imensa

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

Aula 10: Radiografia Panorâmica

Aula 10: Radiografia Panorâmica Aula 10: Radiografia Panorâmica Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Conceito É uma técnica radiográfica extrabucal usada para examinar os maxilares superior e

Leia mais

Ensaios não Destrutivos

Ensaios não Destrutivos CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE EQUIPAMENTOS JÚNIOR - INSPEÇÃO Ensaios não Destrutivos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatasconcursos.com.br

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco 1. Considere um objeto luminoso pontual, fixo no ponto P, inicialmente alinhado com o centro de um espelho plano E. O espelho gira, da posição E 1 para a posição E 2, em torno da aresta cujo eixo passa

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Caso Selecionado Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Carlos Eduardo Francischone O caso clínico apresentado mostra resultados estéticos e funcionais excelentes,

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face, não estamos falando apenas de duas peças ou região anatômica, temos: glândulas, cavidades e uma

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO Prof. Dr. Alfredo Júlio Fernandes Neto - 2005 A obtenção do molde e posterior modelo de estudo em gesso é um procedimento crítico e, como em qualquer outro trabalho

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

Lentes de vidro comprimento focal fixo Para: - Focar - Ampliar a Imagem - Controlar a Intensidade de Iluminação Alteração da posição relativa entre o

Lentes de vidro comprimento focal fixo Para: - Focar - Ampliar a Imagem - Controlar a Intensidade de Iluminação Alteração da posição relativa entre o Lentes e Aberturas Lentes de vidro comprimento focal fixo Para: - Focar - Ampliar a Imagem - Controlar a Intensidade de Iluminação Alteração da posição relativa entre o conjunto de lentes Lentes Magnéticas

Leia mais

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃ INTRDUÇÃ Ótica Lentes Esféricos DEFIJI Semestre204-2 Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças das estruturas atômicas das duas

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TOMOGRÁFICA DE DENTES RETIDOS EM ORTODONTIA DEGUSTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO TOMOGRÁFICA DE DENTES RETIDOS EM ORTODONTIA DEGUSTAÇÃO INTERPRETAÇÃO TOMOGRÁFICA DE DENTES RETIDOS EM ORTODONTIA Marília Sayako Yatabe Daniela Gamba Garib Gabriel Salles Barbério Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado Thais Marchini de Oliveira Guilherme

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

TP Orthodontics. HERBST Flip-Lock. www.tportho.com

TP Orthodontics. HERBST Flip-Lock. www.tportho.com TP Orthodontics HERBST Flip-Lock www.tportho.com TP Orthodontics, Inc. Idéias em Prática. "TP Orthodontics sempre ouve as minhas necessidades e me fornece os melhores produtos para o meu dia-a-dia." -Douglas

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.001-0 Procedimento x CBO ATIVIDADE EDUCATIVA / ORIENTACAO

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO (MANUAL DO EQUIPAMENTO) Parabéns!

INSTRUÇÕES DE USO (MANUAL DO EQUIPAMENTO) Parabéns! INSTRUÇÕES DE USO (MANUAL DO EQUIPAMENTO) Parabéns! Você acaba de adquirir um Aparelho de Raios X Odontológico desenvolvido dentro da mais alta tecnologia disponível no mercado, projetado para proporcionar

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica 1 Escopo da Recomendação: Esta Recomendação Técnica é uma iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE ESPELHOS ESFÉRICOS

EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE ESPELHOS ESFÉRICOS EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE ESPELHOS ESFÉRICOS 1. (Uel 2011) Considere a figura a seguir. Com base no esquema da figura, assinale a alternativa que representa corretamente o gráfico da imagem do objeto AB, colocado

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Fabrízio Gentil Bueno DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 o ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 01 - (UDESC) João e Maria estão a 3m de

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem:

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: (1) A reta definida pelo centro de curvatura e pelo vértice do espelho é denominada de eixo secundário. (3) O ponto de encontro

Leia mais

Menu. No ecrã principal, alem do MENU, existem três separadores: Corte ortogonal, Corte em Curva e Corte Oblíquo. Corte Ortogonal

Menu. No ecrã principal, alem do MENU, existem três separadores: Corte ortogonal, Corte em Curva e Corte Oblíquo. Corte Ortogonal Menu Menu No menu o operador tem acesso à barra dos Ajustes, onde pode definir o contraste e luminosidade, o tipo de tecidos que quer observar (osso, pele) ou a cor em que quer ver os diferentes tecidos

Leia mais

Espelhos Planos. Parte I. www.soexatas.com Página 1. = 3 m e entre os espelhos fixo e giratório é D = 2,0 m.

Espelhos Planos. Parte I. www.soexatas.com Página 1. = 3 m e entre os espelhos fixo e giratório é D = 2,0 m. Parte I Espelhos Planos 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima

Leia mais

MANUAL DE TRATAMENTO ORTODÔNTICO

MANUAL DE TRATAMENTO ORTODÔNTICO MANUAL DE TRATAMENTO ORTODÔNTICO ORIENTAÇÕES SOBRE TRATAMENTO ORTODÔNTICO Nunca é tão cedo ou tão tarde para pensar em aparelhos ortodônticos. Se o seu filho está em idade escolar, ou se está pensando

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

FRAMEWORK MANAGEMENT. _ Instruções para construções. com várias unidades SÓ POSSÍVEL COM CERAMILL MOTION 2 OU COM M-CENTER

FRAMEWORK MANAGEMENT. _ Instruções para construções. com várias unidades SÓ POSSÍVEL COM CERAMILL MOTION 2 OU COM M-CENTER FRAMEWORK MANAGEMENT _ Instruções para construções aparafusadas, com várias unidades SÓ POSSÍVEL COM CERAMILL MOTION 2 OU COM M-CENTER INDICAÇÕES GERAIS _ O trabalho com bases de titânio SR * só é possível

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais