TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA RADIOLÓGICA"

Transcrição

1 TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade óptica, fatores geométricos, ferramentas para aumentar a qualidade radiográfica. 1

2 O corpo humano tem muitas estruturas (ou objetos) que aparecem simultaneamente, e freqüentemente, sobrepostos na imagem. Outro fator importante que determina uma boa visibilidade, é que um objeto presente em uma imagem médica deve sobressair-se em relação às imagens de fundo. 2

3 Introdução Um estudo da qualidade ou da técnica radiográfica inclui todos aqueles fatores ou variáveis relacionados à precisão da reprodução das estruturas e tecidos radiografados no filme radiográfico ou em outros receptores de imagem (como o digital). Alguns destes fatores ou variáveis relacionam- se mais diretamente com o posicionamento radiográfico Introdução A qualidade radiográfica de uma radiografia depende dos fatores geométrico e fotográfico. Com atenção especial aos detalhes, pode-se controlar as propriedades geométricas de definição e distorção radiográfica (forma e tamanho) e as propriedades de densidade e contraste radiográficas e o borramento (fog) pela radiação secundária. 3

4 Fatores de Exposição: Os três fatores de exposição, quilovoltagem (kvp), miliamperagem (ma) e tempo de exposição (s). são, respectivamente, os fatores de controle básico para contraste, densidade e definição ou ausência de nitidez. Fatores de Qualidade da Imagem Determinados: fatores pelos quais se avalia a qualidade de uma imagem radiográfica são denominados fatores de qualidade da imagem. São quatro fatores de qualidade da imagemdensidade, detalhe, distorção e contraste. Propriedades Geométricas Definição radiográfica se refere à possibilidade de visualizar pequenos detalhes numa radiografia, de maneira que todas as estruturas tenham bordas definidas e diferentes densidades. Para melhorar a definição radiográfica, existem cinco fatores especiais a serem observadas: 1. Movimento - Informar ao paciente sobre a necessidade de se manter imóvel. Usar sacos de areia, esponjas translúcidas, ou qualquer outro acessório que permita manter uma posíção confortável e imóvel. Movimentos voluntários e involuntários podem ser eliminados com o uso correto da técnica apropriada. 2. Distância objeto-objeto - Para evitar magnificação, o objeto deve estar em contato com o filme, ou o mais próximo possível. 3. Distância foco-filme - Para reduzir a magnificação a distância foco-filme deve ser padronizada, evitando assim alterações na densidade radiográfica entre diferentes exames. 4. Tamanho do ponto focal - Para obter melhor definição radiográfica utilize o menor ponto focal possível, foco fino (ou fonte microfoco). 5. Combinação filme-ecran - Para reduzir a exposição sobre o paciente e Técnico, é essencial o uso de filmes e ecrans mais rápidos, que produzirá radiografias com bom detalhe. Mas cuidado, filmes e ecrans rápidos podem causar perdas na definição radiográfica, desta forma alguns exames devem ser realizados com filmes e ecrans lentos. 4

5 Distorção Radiográfica Deve haver um alinhamento adequado do tubo, paciente e filme para que não haja distorção da imagem a ser radiografada Propriedades Fotográficas Para controlar os efeitos fotográficos, deve-se usar corretamente os fatores técnicos e se lembrar dos seguintes conceitos básicos: 1. Use sempre uma tabela padronizada, com os fatores de exposição (kvp e mas) adequadamente d a cada área a ser radiografada. d 2. Use sempre um medidor, espessômetro, para determinar os fatores exatos, quando o equipamento não tiver controle automático de exposição ou quando a área radiografada exigir técnicas manuais (por exemplo externo, perfil de coluna dorsal) 3. Procure considerar sempre as condições dos pacientes, para determinar a técnica adequada, e se necessário alterar o tempo de exposição, para evitar movimento indesejado, em pacientes que não cooperam ou órgãos com movimento involuntário. 4. Considere a possível patologia do paciente, que pode requerer alteração na técnica aplicada, devido a diferenças na densidade da estrutura anatômica. a) Enfisema - aumento de ar nos pulmões, que diminuem a densidade do tórax, e exige menor exposição que um paciente de mesmo porte. b) Ascite - Aumento de fluidos dentro da cavidade peritoneal, que aumenta a densidade, exigindo desta forma um aumento da técnica, em geral devemos elevar o kvp ( não o mas) para aumentar a penetração. 5. Use sempre o colimador, fechando ao máximo para melhorar o contraste e a qualidade radiografica. Com a redução do feixe de radiação temos uma redução da quantidadede radiação secundária e consequentemente uma melhor definição radiográfica. 5

6 Densidade Radiográfica O ma e tempo de exposição estão relacionados ao mas, e controla a quantidade de radiação produzida, e fornece o grau de enegrecimento do filme. Definição: A densidade radiográfica pode ser descrita como o grau de enegrecimento da radiografia concluída. Quanto maior o grau de enegrecimento, maior a densidade d e menor a quantidade d de luz que atravessará a radiografia quando colocada na frente de um negatoscópio ou de um foco de luz. Registro Radiográfico - Filmes Densidade Óptica Maior D -> mais escuro será o filme 6

7 CURVA CARACTERÍSTICA A curva característica de um filme, também chamada de curva sensitométrica ou curva H D (Hurter-Driffield) relaciona a exposição dada a um filme com a densidade resultante Exemplo: Suponhamos que uma densidade radiográfica D = 1,8 num filme Kodak AA/AX o filme não foi aceito e portanto se deseja aumentar a densidade para D = 2,3. Qual será o novo tempo de exposição? Solução: Usando o gráfico anterior (ou seja, 10 0,10 =1,2589s) 7

8 CP-GL 8

9 Distância foco-objeto Radiografias obtidas com diferentes distâncias focoobjeto podem ter densidades padronizadas, usando a lei do quadrado d da distância, i que estabelece que a intensidade da radiação é inversamente proporcional ao quadrado da distância. Embora a distância foco-objeto deva ser constante, algumas mudanças são necessárias quando se utiliza aparelhos portáteis, e em certos casos de trauma onde seja necessário o aumento ou redução na distância foco-objeto. objeto. A fórmula matemática utilizada para se calcular o novo mas e manter a mesma densidade é a seguinte: mas (original) /mas (novo) = distância ²(original) / distância ²(nova) se dobrarmos a distância ao filme, a intensidade de radiação que o atingirá i será ¼ de intensidade original. Como sabemos que a exposição é proporcional á intensidade da radiação, podemos dizer que ao dobrar a distância do filme em relação a fonte; precisamos de uma exposição 4 vezes maior 9

10 Lei do Inverso do Quadrado Kilovoltagem (kvp) - A quilovoltagem influencia a densidade radiográfica fornecendo a qualidade (penetração) do feixe de radiação. A "regra dos 15% da quilovoltagem" deve ser usada sempre que for necessário dobrar a densidade, isto é, aumentar em 15% a técnica originalmente aplicada. Observação: A regra do 15% pode ser aplicada também quando o aumento de mas não é adequado ao estado do paciente ou quando o equipamento não permite o aumento do mas. Esta regra se aplica também quando há redução do kvp (reduzir 15% de kvp equivale a reduzir a densidade em 50%) Obs.: Não se esqueça que para manter a mesma densidade, um aumento de 15% no kvp deve-se retirar 50% de mas, enquanto que na redução de 15% no kvp deve-se aumentar em 50% o mas. 10

11 Contraste Radiográfico O contraste radiográfico é controlado inicialmente pelo kvp. Quanto menor o kvp, maior o contraste, e quanto maior o kvp menor o contraste. Radiografias obtidas com baixo kvp tem alto grau de contraste, Radiografias com pouco contraste tendem a esconder importantes informações, na imagem. O filtro, o tipo de filme, a revelação e fog (sombra, borramento) também afetam o contraste radiográfico. Aumentando a filtragem dos raios, aumenta-se o contraste devido ao grande poder de penetração dos raios, que não são refletidos em forma de radiação secundária, que produziria o fog (borramento, sombra). A quantidade de filtro recomendado é de 2,5 mm equivalente de alumínio (Al). Os diferentes tipos de filmes causam mudança no contraste radiográfico. A temperatura e a taxa de reposição, reforço, do revelador devem ser padrodinizados para evitar alterações indesejadas no contraste radiográfico. Qualquer tipo de fog (borramento, sombra) é prejudicial ao contraste, que reduz a definição ou detalhe radiográfico. Contraste Radiográfico A exposição do filme a luz branca ou radiação antes ou depois da realização do procedimento radiográfico, antes da revelação causam fog (borramento). Outra causa de fog é a radiação secundária. Em pacientes obesos, certas áreas do corpo e também em certos estados patalógicos, produzem muita radiação secundária que o técnico não pode controlar, desta forma o fog (borramento) poderá ser limitado pela diafragmação/colimação e uso de cones adequados. É dito que a beleza de uma imagem está nos olhos de quem vê, e é responsabilidade do técnico produzir radiografias com o máximo de detalhe e com contraste que melhor demonstre a estrutura estudada. Um péssimo posicionamento, um fator técnico incorreto resultará numa imagem radiográfica inadequada ao estudo. Use sempre técnicas padronizadas, medindo cada parte anatomica a ser radiografada, e procure reduzir ao máximo a dose de radiação aplicada. 11

12 Receptores Radiográficos Na radiografia convencional o receptor radiográfico consiste de um filme em contato com uma ou duas telas intensificadoras (figuras seguintes). As telas intensificadoras são folhas plásticas finas contendo material fluorescente. O conjunto tela-filme é montado dentro de um cassete. A principal função das telas é reduzir a necessidade de raios X incidindo sobre o paciente (cerca de 100 vezes). O filme radiográfico é muito mais sensível à luz do que aos raios X. Telas Intensificadoras 12

13 Efeitos da Espessura da Tela Penetração da Luz Uma parte clara do filme que permite a passagem de 100%da luz pelo filme tem densidade ótica de valor 0 (zero). A densidade mínima dos filmes, na realidade, recai na faixa de 0,1 a 0,2 unidades de densidade. Isto se deve à densidade da base somada à densidade do fog. Essa densidade é devida à opacidade do plástico, que na verdade é semitransparente e serve de suporte para a emulsão. O fog, é devido a qualquer enegrecimento no filme que não esteja associado à exposição direta do receptor aos raios X ou à luz da tela intensificadora. 13

14 14

15 Erros Caso Odonto 15

16 16

17 Abdômen Não há padronização para avaliação da qualidade de uma radiografia de abdômen. No mínimo, a imagem deve conter todo o abdômen sem cortes na sua periferia. Radiografia e Tomografia 17

18 A qualidade da imagem de TC A avaliação da imagem de TC está baseada na capacidade de distinção de diferentes estruturas anatômicas adjacentes representadas por diferentes contrastes Normas e regulamentos técnicos têm indicado testes específicos para avaliação da imagem por TC, levando-se em consideração a importância da qualidade da imagem. Os principais parâmetros avaliados em imagens por TC são: Ruído da imagem Uniformidade Espessura do corte Linearidade Resolução do sistema 18

19 Referências 1.http://www.geocities.com/CapeCanaveral/ Hall/2342/raiox/quality.html / lit l 2.http://rikmendes.vilabol.uol.com.br/Formai magem.htm 19

4.2. Técnicas radiográficas especiais

4.2. Técnicas radiográficas especiais SEL 5705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (III. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) 4.2. Técnicas radiográficas especiais 4.2.1. Abreugrafia Chapa, em

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação à produção, à emissão e à interação dos raios X com a matéria, julgue os itens a seguir. 41 O deslocamento de elétrons da camada M para a camada K produz radiação característica. 42 Bremsstrahlung,

Leia mais

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico Tomografia Computadorizada I Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04 Sistema Tomográfico Podemos dizer que o tomógrafo de forma geral, independente de sua geração, é constituído

Leia mais

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS Prof. Homero Schiabel 6. FORMAÇÃO DE IMAGENS POR RAIOS X A Radiografia 2 fatores fundamentais: padrão de intensidade de raios-x transmitido através

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

O Processamento Radiográfico

O Processamento Radiográfico O Processamento Radiográfico O primeiro estágio da formação da imagem latente é a absorção de fótons de luz pelos íons de brometo de prata. Não conseguimos distinguir os grãos modificados devido à luz

Leia mais

Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando

Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando Thiago Machado Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando Röntgen estudava o fenômeno da luminescência

Leia mais

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Otimização da Análise e Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Autores: Maria Lucia Nana Ebisawa Irita Dra. Maria de Fátima Magon Prof. Dra. Yvone Mascarenhas

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS DO FILME

3. CARACTERÍSTICAS DO FILME 3. CARACTERÍSTICAS DO FILME 3.1 INTRODUÇÃO Para que possamos analisar a forma como o filme radiográfico responde aos diferentes fatores determinados pela exposição à radiação, precisamos definir alguns

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital Professor Paulo Christakis 1 Em sistemas digitais de imagens médicas, as mudanças não se apresentam somente no

Leia mais

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CAMPUS DA SAÚDE PROF. JOÃO CARDOSO NASCIMENTO JÚNIOR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - UNIDADE DE IMAGENS E MÉTODOS GRÁFICOS TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES PROJETO

Leia mais

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição A U A UL LA Ensaio por raios X Introdução Na aula anterior você conheceu os raios X e os raios gama, que são radiações eletromagnéticas, e algumas de suas propriedades. Nesta aula, estudaremos mais detalhadamente

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste. V Radio Fest. ratoledo@ibest.com.br 1

VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste. V Radio Fest. ratoledo@ibest.com.br 1 VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste VI Gincana Radilógica V Radio Fest Fatores Físicos que Alteram Qualidade da Imagem Radiológica a Rafael Toledo Fernandes de Souza UNESP - Botucatu

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

Sumário. capítulo 1 Aparelho radiográfico 1. capítulo 2 Fonte de raios X 13. Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4

Sumário. capítulo 1 Aparelho radiográfico 1. capítulo 2 Fonte de raios X 13. Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4 capítulo 1 Aparelho radiográfico 1 Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4 Componentes básicos 5 Aparelho fixo 6 Aparelho móvel 8 Aparelho portátil 9 capítulo 2 Fonte de raios X 13 História 14 Produção

Leia mais

Introd. Física Médica

Introd. Física Médica Introd. Física Médica Aula 04 Atenuação de RX 2012 http://www.upscale.utoronto.ca/generali nterest/harrison/flash/nuclear/xrayinte ract/xrayinteract.html 2 Propriedades do alvo Boa Condutividade Térmica:

Leia mais

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed FÍSICA DO RX Cristina Saavedra Almeida fisicamed O QUE É RADIAÇÃO Pode ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Possuem energia variável desde valores pequenos até muito

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Português, questões de 01 a 08; Conhecimentos Gerais, de 09 a 20; e Conhecimentos Específicos, de

Leia mais

FATORES DE QUALIDADE

FATORES DE QUALIDADE FATORES DE QUALIDADE FATORES ENERGÉTICOS Miliamperagem: Expressão quantitativa de fluxos de elétrons que produzirão raios-x. Maior- ma -------- Maior densidade Densidade: A densidade radiográfica pode

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 31 Ao realizar uma radiografia, um técnico de radiologia percebeu que sua máquina fotográfica convencional e os filmes fotográficos estavam no mesmo local que o aparelho

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos Ensaio Radiográfico O Ensaio Radiográfico Peça Filme Introdução de radiação na peça, que é absorvida diferencialmente quando ocorrem variações de densidade, espessura ou composição

Leia mais

4 Experimentos Computacionais

4 Experimentos Computacionais 33 4 Experimentos Computacionais O programa desenvolvido neste trabalho foi todo implementado na linguagem de programação C/C++. Dentre as bibliotecas utilizadas, destacamos: o OpenCV [23], para processamento

Leia mais

Nota de aula: Imaginologia. Prof Luciano Santa Rita Oliveira. http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Nota de aula: Imaginologia. Prof Luciano Santa Rita Oliveira. http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br Nota de aula: Imaginologia Prof Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br O sistema emissor dos raios X Radiologia diagnóstica: Histórico As primeiras

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas SÉRIE RADIOLOGIA E SABER 1 TÉCNICAS RADIOLÓGICAS KV e mas ALGUNS TÓPICOS POR: PROF. RONALDO J. CALIL KV determina o contraste. O contraste é responsável pela imagem preta e branca na radiografia, muito

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI PROJETO REVELAÇÃO DE IMAGEM DIAGNÓSTICA DIGITALIZADA ECIMARA DOS SANTOS SILVA Email: e.santos@hospitalnardini.org.br Telefone: (11) 4547-6906 Cel. (11) 98697-6908

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO Gomes, P., Cardoso, J., Medina, J. Labmetro Saúde do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) RESUMO O Decreto-Lei n.º 180/2002, de 8

Leia mais

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Produção, Propriedades e Interações dos Raios X Os raios X foram descobertos em 1895, por William Conrad Röentgen. São na verdade, uma forma de onda eletromagnética

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui DENSIDADE ÓPTICA O registro da absorção diferencial em um filme radiográfico é percebido através da densidade óptica (DO), que é o grau de enegrecimento em um

Leia mais

Eficiência ao Alcance das Mãos. Radiografia Digital GF50

Eficiência ao Alcance das Mãos. Radiografia Digital GF50 Eficiência ao Alcance das Mãos Radiografia Digital GF50 Experiência aprimorada de fluxo de trabalho levando a um alto rendimento Etapa 1 Etapa 2 Operação facilitada com o Auto-tracking Etapa 3 Operações

Leia mais

O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis

O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis As grades anti-dispersão aprimoram qualidade da imagem

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

OS RISCOS PROVENIENTES DA RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA

OS RISCOS PROVENIENTES DA RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA IXLatin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR OS RISCOS PROVENIENTES

Leia mais

Aula 10: Radiografia Panorâmica

Aula 10: Radiografia Panorâmica Aula 10: Radiografia Panorâmica Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Conceito É uma técnica radiográfica extrabucal usada para examinar os maxilares superior e

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Objetivas É uma lente óptica ou conjunto de lentes usada em conjunto com um corpo de câmera e um mecanismo para reproduzir

Leia mais

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada Fernando Mecca Quais são os parâmetros testados? qualidade da imagem ruído da imagem e homogeneidade número de TC resolução espacial espessura da imagem

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS TESTES DE QUALIDADE DA IMAGEM E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA - CBR

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS TESTES DE QUALIDADE DA IMAGEM E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA - CBR INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS TESTES DE QUALIDADE DA IMAGEM E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA - CBR O Programa de Certificação da Qualidade em Mamografia

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc.

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Radiologia Radiografia de Soldas Prof.: Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Agenda Tubulações e Equipamentos Tubulações e equipamentos Descontinuidades em

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

Notas de Aula: Física Aplicada a Imaginologia parte II

Notas de Aula: Física Aplicada a Imaginologia parte II Notas de Aula: Física Aplicada a Imaginologia parte II Prof. Luciano Santa Rita Fonte: Prof. Rafael Silva www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br 1 1 Conteúdo Programático Física

Leia mais

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com EMENTA Produção de Raios X : O Tubo de Raios X Sistema de geração de imagens por raios X Formação de Imagem radiográfica

Leia mais

Figura 1 : Foto embalagem c/filme para Radiografia Geral Modelo TMAT-G/RA

Figura 1 : Foto embalagem c/filme para Radiografia Geral Modelo TMAT-G/RA INSTRUÇÕES DE USO FILMES KODAK PARA RADIOGRAFIA GERAL TMAT-G/RA (TMG/ RA); MXG; INSIGHT IT; INSIGHT IP, INSIGHT VHC (ITC) Kodak da Amazônia Indústria e Comércio Ltda. Fabricante: Kodak da Amazônia Indústria

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 3. Capítulo 7 Lentes Esféricas. Página 242

Professora Bruna CADERNO 3. Capítulo 7 Lentes Esféricas. Página 242 CADERNO 3 Capítulo 7 Lentes Esféricas Página 242 LENTES ESFÉRICAS Uma lente é um sistema óptico feito de material transparente com um índice de refração diferente do meio onde será utilizada. Possuem formas

Leia mais

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Radiologia Industrial Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Fundamentos de Radiologia Industrial Quando pensamos em aeronaves, automóveis, metro, trens, navios, submarinos, etc todas estas máquinas não poderiam

Leia mais

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico III Congresso Nacional dos Profissionais das Técnicas Radiológicas Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação.

Leia mais

Estrutura do Curso...

Estrutura do Curso... Radiologia Digital Aula 2 Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Estrutura do Curso... 1. Introdução à Radiologia Digital 2. A imagem digital e etapas de PDI 3. Equipamento - Detectores

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Memorial Descritivo de Proteção Radiológica 1 Estabelecimento Consultório Odontológico do Dr.(a). XXX (nome do dentista), CRORJ nº XXX, inscrito no CPF sob nº.

Leia mais

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração Física IV Difração Sears capítulo 36 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Difração e a Teoria Ondulatória da Luz Difração e a Teoria Ondulatória da Luz A difração é um fenômeno essencialmente ondulatório, ou

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Msc. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Características das câmaras aerofotográficas Formato de seus negativos; Distância focal

Leia mais

Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são

Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são fundamentais no processo de um laboratório, levando até cada

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

SOLUÇÃO MÓVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 100 COM DETECTOR SEM FIO

SOLUÇÃO MÓVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 100 COM DETECTOR SEM FIO SOLUÇÃO MÓVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 100 COM DETECTOR SEM FIO COM SUA EXCELENTE QUALIDADE DE IMAGEM E FLEXIBILIDADE NO MANUSEIO, O DX-D 100 MÓVEL COM DETECTOR SEM FIO OFERECE UM RÁPIDO PROCESSAMENTO

Leia mais

Introdução à Fotografia Digital

Introdução à Fotografia Digital Introdução à Fotografia Digital Aula 1 Fundamentos, Câmeras, Obje3vas Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_1.pdf Roteiro da Aula Apresentações Programação do curso Câmeras Objetivas

Leia mais

Prof. Magno Cavalheiro www.imagemradiologica.webnode.com. Facebook.com/imagemradiologica

Prof. Magno Cavalheiro www.imagemradiologica.webnode.com. Facebook.com/imagemradiologica Faria. Imaginologista técnico em radiologia médica; Cursando tecnólogo em Radiologia (Universidade do Grande Rio) Pres. Diretório Acadêmico de Radiologia (Universidade do Grande Rio) Especializado em Tomografia

Leia mais

MONTAGEM DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS

MONTAGEM DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FÍSICA GLEB WATAGHIN PROGRAMA DE FORMAÇÃO INTERDICIPLINAR SUPERIOR - PROFIS RELATORIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONTAGEM DE SISTEMAS

Leia mais

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER MANFRED RONALD RICHTER 1. Princípios Radiografia Industrial OBJETIVO Verificação da existência de descontinuidades internas em materiais opacos pelo uso das radiações X ou (gama), que incidem em um dado

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Radiologia Digital Sensores Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Detectores Digitais de Raios-X Formação de Imagens por Raios - X Nosso Sensor de Imagens O Olho Humano Cones 7 milhões,

Leia mais

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃ INTRDUÇÃ Ótica Lentes Esféricos DEFIJI Semestre204-2 Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças das estruturas atômicas das duas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental IV Lentes Delgadas Objetivo Determinar as distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes.

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

A influência das. lâmpadas na gravação

A influência das. lâmpadas na gravação A influência das lâmpadas na gravação Uma boa gravação garante a qualidade da impressão e a durabilidade da matriz. Veja como as lâmpadas influenciam esse processo Por Márcio Moraes dos Santos, da Vision-Cure

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas Eizo Soluções Médicas Conceitos Básicos RADIOLOGIA DIGITAL Entenda os conceitos, termos e a história da radiologia ; os benefícios, desafios e o futuro da radiologia digital INTRODUÇÃO Para profissionais

Leia mais

TELE ORTHOPANTOMOGRAPH OP300. Uma plataforma para todas as suas necessidades. OP300. Sistema de imagem digital panorâmica

TELE ORTHOPANTOMOGRAPH OP300. Uma plataforma para todas as suas necessidades. OP300. Sistema de imagem digital panorâmica OP300 Sistema de imagem digital panorâmica Sistema de imagem digital cefalométrica Sistema de imagem digital Cone Beam 3D TELE Uma plataforma para todas as suas necessidades. ORTHOPANTOMOGRAPH OP300 1

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Princípios Tomografia Computadorizada

Princípios Tomografia Computadorizada Princípios Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Histórico 1917 - Randon imagens projetadas > reproduziu 1967 Hounsfield >primeiro protótipo tipo Tomografia 1971 - H. Inglaterra > primeiro

Leia mais

Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M. www.equifoto.com.br 1

Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M. www.equifoto.com.br 1 Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M www.equifoto.com.br 1 A) Capa de lente B) Protetor de lente C) Lente objetiva 1) Controle ajuste fino de altitude D) Tubo principal 2) Trava azimutal

Leia mais

Radiodiagnóstico Médico

Radiodiagnóstico Médico As inovações tecnológicas produzidas pela inteligência humana, embora signifiquem avanços, podem também gerar riscos à saúde, quando não monitoradas de maneira adequada. Por isso, a qualidade do atendimento

Leia mais

Para testes não destrutivos. Filme INDUSTREX QUANDO A NITIDEZ É CRÍTICA

Para testes não destrutivos. Filme INDUSTREX QUANDO A NITIDEZ É CRÍTICA Para testes não destrutivos Filme QUANDO A NITIDEZ É CRÍTICA Produtos de filme Filme Os produtos atendem os requisitos de desenvolvimento do mercado de ensaios não-destrutivos. Nossa experiência na ciência

Leia mais

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores Tópicos Imagens Médicas Prof. João Luiz Azevedo de Carvalho, Ph.D. Aula na disciplina Processamento de Imagens Universidade de Brasília 17 de novembro de 2011 http://pgea.unb.br/~joaoluiz/ joaoluiz@pgea.unb.br

Leia mais

Evolução tecnológica do radiodiagnóstico

Evolução tecnológica do radiodiagnóstico Evolução tecnológica do radiodiagnóstico Marcus Vinícius Teixeira Navarro SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NAVARRO, MVT. Evolução tecnológica do radiodiagnóstico. In: Risco, radiodiagnóstico

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

Raio X e Tomografia Computadorizada

Raio X e Tomografia Computadorizada Raio X e Tomografia Computadorizada Processamento de Imagens e Sinais Biológicos Aluno: Diego Cordeiro Barboza Professora: Aura Conci 04/2010 Sumário Introdução Descoberta Geração Imagens com Raio X Tomografia

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X

A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X JEFERSON MIGUEL LEITE CASTILHO Discente do Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO Docente Esp.

Leia mais

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br 8 c o i s a s que vocêê precisa saber para FOTOGRAFAR Ana Flor www.anaflor.fot.br Introdução Esta apostila não pretende ser um manual de como ser um ótimo fotógrafo ou como usar sua câmera. Aqui você encontrará

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

Ensaios não Destrutivos

Ensaios não Destrutivos CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE EQUIPAMENTOS JÚNIOR - INSPEÇÃO Ensaios não Destrutivos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatasconcursos.com.br

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

PLATAFORMA COMUM. UMA SOLUÇÃO DE SOFTWARE SIMPLES PARA MAIOR PRODUTIVIDADE. Software DIRECTVIEW V5 CR e DR

PLATAFORMA COMUM. UMA SOLUÇÃO DE SOFTWARE SIMPLES PARA MAIOR PRODUTIVIDADE. Software DIRECTVIEW V5 CR e DR Software DIRECTVIEW V5 CR e DR UMA SOLUÇÃO DE SOFTWARE SIMPLES PARA MAIOR PRODUTIVIDADE. Você pode confiar nos sistemas CR e DR da Carestream para captura de imagens de qualidade. Agora pode ter uma solução

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES 1. (G1 - cps 2012) Nas plantações de verduras, em momentos de grande insolação, não é conveniente molhar as folhas, pois elas podem queimar a não ser que se faça uma irrigação

Leia mais

PROCESSO DE REVELAÇÃO

PROCESSO DE REVELAÇÃO INTRODUÇÃO A revelação produz um registro visível e duradouro da Imagem Latente criado pelos Raios-X ou pela Luz Fluorescentes. E a reação que transforma a imagem reduzindo quimicamente os haletos de prata

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL Distância focal DISTÂNCIA FOCAL: Unidade de medida relativa à distância existente entre o centro óptico de uma lente e o plano de foco. A distância focal determina a relação de grandeza de um motivo e

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE II ÓPTICA GEOMÉTRICA Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J.

Leia mais

introdução à Óptica Geométrica

introdução à Óptica Geométrica PARTE II Unidade E capítulo 10 introdução à Óptica Geométrica seções: 101 Conceitos fundamentais 102 Princípios da Óptica Geométrica antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais do

Leia mais

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1 Rosa de Hiroshima Ney Matogrosso Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam

Leia mais

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade?

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade? CURSO: ENGENHEIRO DE CAMPO - CONSTRUÇÃO E MONTAGEM DISCIPLINA: TÉCNICAS DE INSPEÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE CARGA HORÁRIA TOTAL: 30 horas TEÓRICAS: 22 PRÁTICAS: _08 EMENTA Introdução. O que são as técnicas

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais