ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO"

Transcrição

1 ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal, o cemento e o osso alveolar, cuja função é inserir o dente no tecido ósseo dos maxilares assim como manter a integridade da superfície da mucosa mastigatória na cavidade bucal. Todas as características das estruturas calcificadas, diretamente envolvidas na avaliação periodontal, já foram detalhadamente estudadas radiograficamente. Lembrar sempre que observamos imagem bidimensional de estruturas tridimensionais e que os fatores distorção e ampliação estão presentes, mesmo de forma mínima. Assim, o exame radiográfico para interpretação do periodonto, deve incluir a imagem (na FIGURA 1 e 2): da presença ou ausência da lâmina dura (A), da espessura do espaço periodontal (B), da altura e a forma da crista óssea interdental em relação aos dentes adjacentes (C), do comprimento e da forma da(s) raiz(es) (D), das margens proximais de restaurações (E). 1 a 1 b FIGURAS 1 a/1 b E C D B C A B A periodontia se refere ao estudo, prevenção e tratamento das doenças periodontais, cujo diagnóstico precoce facilita o tratamento, com sequelas C menores e prognóstico mais favorável. O exame radiográfico complementa outros Dexames (nunca é final), fornecendo informações sobre o grau, padrão e distribuição da perda ou reabsorção óssea alveolar, sendo portanto indispensável. D C D C FIGURA 2 a E A B A E B 2 b

2 O conceito estabelecido é que a doença periodontal evolui através de períodos de atividade e quiescência, não detectáveis no exame radiográfico uma vez que observamos as imagens das alterações nos tecidos mineralizados no momento da tomada, não permite identificação da inflamação, do aprofundamento de sulco gengival ou atividade celular. Na FIGURA 3b podemos observar características clínicas de normalidade (cor, contorno e inserção gengival ao contrário de 3 c, 4 b, 17 b). Não é possível identificar variações do osso alveolar na doença limitada aos tecidos moles, assim como não detecta a extensão das periodontites. A radiografia permite-nos observar apenas os efeitos acumulados no processo destrutivo (FIGURAS 3a/3c), indicando a quantidade de osso remanescente (3a) e não a quantidade perdida. Embora não permita a avaliação de tecidos moles, é algumas vezes, empregada na pesquisa da profundidade de bolsas periodontais com o auxílio de meios radiopacos de contraste, tais como sondas metálicas (FIGURAS 3 a/3b) (recurso pouco usado, pois a mesma informação é conseguida clinicamente). 3 b 3 c FIGURA 3 a Entre as limitações da radiografia no diagnóstico periodontal citamos: não revelar a presença de bolsa periodontal ou mobilidade dentária (FIGURA 4 a/4 b); não registra a profundidade ou morfologia do defeito ósseo interdentário nem defeitos vestibulares ou linguais (4 a/4 b/4 c); não mostra a proporção de tecido duro/mole (4 a/4 b/4 c onde observamos a progressão do defeito), podendo registrar uma destruição óssea menos grave do que ocorre de fato. CÁLCULO CÁLCULO E RETRAÇÃO GENGIVAL E Face de contato E= esmalte FIGURA 4 a 4 b 4 C

3 Os ângulos de incidência usados nas tomadas radiográficas são de grande importância, pois maior ou menor fidelidade será obtida na observação da altura dos septos interdentais e consequentemente as perdas ósseas (5 b); por isso, indicamos a técnica periapical do paralelismo e/ou a interproximal. As panorâmicas (5 a) permitem uma visão geral da maxila e da mandíbula, mas não são as mais indicadas para avaliar o periodonto, pela distorção e menor detalhe (nem sempre) em relação às periapicais. 5 a 5 b Perdas ósseas em variadas alturas Entre as utilizações da radiografia no exame periodontal estão: servir de guia/confirmação do exame clínico, sugerindo outras áreas para exame; mostrar a posição e forma e radiopacidade do septo ósseo interdental (ver 4 c); identificar o osso alveolar e o espaço periodontal nas faces mesial, distal e apical da raiz (6 a, 6 b); detectar fatores etiológicos da doença periodontal, tais como cáries, cálculo dental, restaurações e próteses inadequadas (falta de ajuste cervical, excesso/falta de material restaurador, ponto de contato incorreto) [4 c/6 a/6 b/6 c]; avaliar forma/comprimento/número das raízes e relação coroa-raiz, tipo e distribuição da perda óssea (5 a/5 b/ 6 a /6b). Excesso Restauração 6 c Cálculo Espaço do lig. periodontal Perda óssea FIGURA 6 a 6 b CINCO ÁREAS PODEM SER VISTAS NA SUPERFÍCIE INFERIOR DA BOLSA + FIG. 6 a / 6 b

4 Estudo radiográfico das alterações periodontais Do ponto de vista periodontal, na radiografia a imagem das tábuas ósseas vestibular (V) e palatina (P)/lingual (L) pode ser prejudicada pela superposição da(s) raiz(es). No entanto, é possível identifica-las (8 a, 8 b)[l=lingual]. O uso da imagem radiográfica nas alterações periodontais está mais concentrado no septo ósseo interdental e interradicular (4 a/4 b/4 c; 5 a/5 b; 6 a/6 b, 8 c). As FIGURAS 7 a e 7b mostram aspectos clínicos; 7 a aspecto normal em cor, textura e inserção; 7b ilustra característica clínica de normalidade (healthy) e a inflamação/defeito (perda de altura da crista - bone loss ); 7 c radiográficas. mostra características 7 a PERIODONTO ÍNTEGRO Healthy (COMPARAR COM FIGURAS 4 b / 17 b 7 b Sem l. dura L. dura íntegra 7 c Perda em face V/P Perda em face V/L,proximal, na furca Perda óssea vertical Cálculo 8 a 8 b 8 c Crista óssea alveolar: em um periodonto sadio a crista óssea alveolar está a aproximadamente a 1-1,5 mm da junção cemento-esmalte. Mas a forma do septo interdental [ID] muda: 1.segundo a proximidade dos dentes, 2. conforme ponto [10 a] ou face [10b e 4a] de contato; 3. de acordo com a altura relativa [10c] dos limites esmalte-cemento (FIGURAS 10 a/10 /b/10 c). A imagem contínua (contornando dente e crista óssea) da lâmina dura é muito importante no diagnóstico radiográfico e suas alterações aparecem na crista alveolar como primeiro sinal da doença periodontal. Associado ao septo interdental mais radiolúcido (ou com perda de radiopacidade), o início de descalcificação e a interrupção da imagem da lâmina dura (9 a/9b/9c) da crista caracterizam o início do defeito periodontal.

5 L. Dura interrompida, E. Periodontal aumentado, crista menos radiopaca 9 b 9 c FIGURA 9 a L. Dura interrompida e perda de radiopacidade da crista Perda de radiopacidade da crista óssea e bifurcação FIGURA 10 a atenção na forma do septo ID 10 b atenção na forma do septo ID 10 c -Atenção na altura e forma do septo As alterações na imagem da lâmina dura na crista devem ser analisadas com cuidado em função da forma/posição das raízes e do ângulo de incidência dos raios X. Pode apresentarse em diferentes níveis de altura e contorno, com as seguintes imagens alteradas: perda de nitidez, perda de continuidade, ausência parcial ou total e aumento de espessura. As alterações na imagem (FIGURAS 11 a/11b/11c) da lâmina dura no alvéolo podem estar relacionadas às forças oclusais que provocam reabsorção na área de pressão ou extensão de processo inflamatório. O aumento da espessura da lâmina dura traduz um periodonto sadio, associado a condensação óssea na hiperfunção dental, pela atuação de forças oclusais dentro da capacidade reacional destas estruturas. L. dura contínua L. dura contínua e espessa L. dura contínua crista inclinada FIGURA 11a 11b 11c

6 Espaço (do ligamento) periodontal: suas principais alterações radiográficas (FIGURA 12 a/12 b - 13 a/13 b) são: aumento ou redução de espessura e irregularidades na continuidade relacionadas a hipofunção/hiperfunção, sobrecargas oclusais, aumento da mobilidade dentária, fraturas, trepanação da raiz e lesão periapical (a imagem pode desaparecer [FIGURA 13 a/13 b]). A imagem de diminuição do espaço periodontal é vista como linha radiolúcida delgada em uma região ou em torno de todo o dente. Na anquilose alvéolodental (união do cemento ao tecido ósseo) não observamos imagem do espaço periodontal A imagem do aumento do espaço periodontal (mais acentuado na região cervical e/ou periapical) apresenta-se alargada em torno do dente às custas da lâmina dura (observar degrau na imagem da lâmina dura cf. seta no 44, FIGURA 14 a). A mobilidade dental, frequentemente no sentido vestíbulo-lingual, não evidencia alteração na imagem do espaço periodontal e, portanto, deve ser melhor avaliada clinicamente E. Periodontal aumentado FIGURA 12 a 12 b Trauma - E. Periodontal aumentado Trauma - espaço periodontal interrompido 13 b FIGURA 13 a Espaço periodontal íntegro Espaço periodontal interrompido - lesão periapical

7 Áreas de furca: as bi/trifurcações podem ser atingidas pelos mesmos processos patológicos observados na crista interdental (FIGURAS 14 a/b/c). Sua análise radiográfica apresenta limitações pelos ângulos de incidência dos raios X, pela superposição de imagens das raízes ou áreas de reabsorção (limitando a detecção de lesões iniciais). Alguns sinais radiográficos que sugerem lesões de furca são: menor densidade óssea na região, perda de detalhe da imagem da lâmina dura, aumento na espessura da imagem do espaço periodontal, perdas ósseas acentuadas ao redor de todo o dente ou de suas raízes. As imagens da trifurcação dificilmente são vistas pela presença da raiz palatina que se superpõe aos defeitos. 14 c BIFURCAÇÃO COM IMAGEM RADIOGRÁFICA DE NORMALIDADE FIGURA 14 a PERDA ÓSSEA VERTICAL EM DIFERENTE ALTURA NA BIFURCAÇÃO 14b PERDA ÓSSEA HORIZONTAL NA BIFURCAÇÃO PRÓXIMA DO ÁPICE Perdas ósseas: a perda óssea pode ser horizontal ou vertical (FIGURA 14 c/15 b) e o grau de destruição periodontal é determinado principalmente pela quantidade de reabsorção do osso alveolar. O exame radiográfico é indispensável para orientar o tratamento pois fornece informações sobre a perda óssea proximal e tem meios para mostrar a variedade de formas da crista alveolar observadas por inspeção cirúrgica (ATENÇÃO: ENTENDER DESENHO ABAIXO). 15 b HORIZONTAL PERDA ÓSSEA VERTICAL FIGURA 15 a OBSERVAR OS ÂNGULOS FORMADOS ENTRE O LONGO EIXO DO DENTE E A ALTURA DO OSSO PARA CADA TIPO DE PERDA

8 A reabsorção (ou perda óssea) horizontal ocorre em toda a extensão da crista alveolar, com redução evidente de altura, caracterizada por ser perpendicular ao longo eixo do dente (FIGURA 15 b). Na reabsorção (ou perda óssea) vertical nota-se uma relação oblíqua da imagem do osso em relação ao longo eixo do dente (15 b). Estes tipos de reabsorção são encontrados no septo interdental, nas faces livres (vestibular, lingual/palatina) e nas furcas. Quanto à localização, a perda óssea pode ser descrita como localizada (restrita a uma ou poucas áreas) ou generalizada (distribuída de maneira semelhante em toda a boca [ver panorâmica na FIGURA 5 a]). Existe também a falsa atrofia vertical (setas nas FIGURAS 16 a/16 b/16 c) observada quando há perda de um dente e inclinação do adjacente; neste caso, à semelhança da perda óssea vertical, a crista apresenta-se oblíqua em relação ao longo eixo do dente, porém nota-se a presença da imagem da lâmina dura e uma altura normal da crista em relação à junção cemento-esmalte. FIGURA 16 a 16 b 16 c 16 b 16 c PERDAS ÓSSEAS EM ALTURAS DIFERENTES, NA FURCA E EM FACES LIVRES PERDA COMPLETA DO SUPORTE ÓSSEO (dente com acentuada mobilidade) BOLSAS PERIODONTAIS, PERDAS ÓSSEAS, CÁLCULO E PERDA TOTAL DO SUPORTE ÓSSEO-MOBILIDADE COMPLETA V L RECONSTRUÇÃO TOMOGRÁFICAS DE PERDAS ÓSSEAS PERDA ÓSSEA DE FACE PROXIMAL FORMA DE CRATERA SEM IDENTIFICAÇÃO RADIOGRÁFICA

9 Cálculo dental: obervamos pontos ou áreas radiopacas com forma e tamanho variados, aderidas às superfícies dentais (setas nas FIGURAS 17 a/17 b/17 c). Podem estar supra ou subgengivais e seu volume também é bastante variado. FIGURA 17 a 17 b 17 c Bolsas periodontais: o tecido mole não pode ser observado radiograficamente em radiografias de rotina. Portanto, a profundidade das bolsas periodontais (espaço entre o tecido mole e estrutura dentária desenhos abaixo) só será avaliada radiograficamente com a utilização de sondas e pontas de guta percha. Sem estes recursos, radiograficamente será detectada somente a perda óssea. E E=esmalte C= cálculo C Abscesso periodontal: consiste em uma inflamação purulenta que se forma nos tecidos periodontais e que pode ser agudo ou crônico. O abscesso agudo no início não apresenta indícios radiográficos próprios, mas em estágios avançados apresenta uma área radiolúcida localizada na face lateral da raiz. O diagnóstico diferencial entre o abscesso periodontal e o periapical deve estar baseado principalmente nos dados clínicos. No abscesso periodontal, o exame clínico evidencia lesão desde a margem gengival e os dentes envolvidos tem vitalidade. No abscesso periapical, há pelo menos um dente comprometido e sem vitalidade pulpar. Outros aspectos importantes na avaliação periodontal estão relacionados às estruturas dentárias, incluindo: hipercementose, relação coroa-raiz, tamanho/forma/volume das raízes (retas, curvas, dilaceração), proximidade com raízes de dentes contíguos, número de raízes

10 em dentes multiradiculares (com fusão ou ângulo de divergência), existência de tratamento endodôntico e sua condição biológica, presença de trepanação/fraturas/ reabsorções radiculares (modificando ou não a evolução das doenças periodontais), presença de imagens que sugerem lesão endo-periodontal, presença de raízes residuais ou dentes inclusos (sua posição e inclinação), presença de cálculo dental/cáries proximais/restaurações (máadaptação de restaurações, excesso ou falta de material restaurador, contorno inadequado, ponto de contato incorreto), recidiva de cárie.

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES 1. Garantir, no longo prazo, o incremento dos recursos orçamentários e financeiros para a saúde e aprovar o orçamento do SUS, composto pelos orçamentos das três esferas

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO RADIOGRÁFICA DAS LESÕES PERIAPICAIS

CLASSIFICAÇÃO RADIOGRÁFICA DAS LESÕES PERIAPICAIS GÉDYDA CRISTINA GONÇALVES DOS SANTOS REZENDE CLASSIFICAÇÃO RADIOGRÁFICA DAS LESÕES PERIAPICAIS Monografia apresentada ao curso de especialização em Imaginologia Dento- Maxilo-Facial das Faculdades Integradas

Leia mais

Doença Periodontal na Infância

Doença Periodontal na Infância Universidade de São Paulo Faculdade de Odontologia Doença Periodontal na Infância Profa. Dra. Ana Estela Haddad Camilla V. Galatti / Dr. Cássio Alencar Doença periodontal é uma afecção da fase adulta?

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci Protócolo Wax-up Dr Christian Coachman Dr Guilherme Cabral Dr Braulio Paolucci Volume 3D / Posicão 3D Centrais 1. Encerar sobre a linha mediana antiga!! 2. Encerar os 2 centrais em um bloco de cera 3.

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO 1. DIAGNÓSTICO 1.1- ANAMNESE 1.2- EXAMES COMPLEMENTARES 1.3- AVALIAÇÕES CLÍNICA 1.1. ANAMNESE História

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

Aula 9: Laudo Radiográfico

Aula 9: Laudo Radiográfico Aula 9: Laudo Radiográfico Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Definição: É a interpretação das imagens radiográficas, reconhecendo as estruturas e reparos anatômicos

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Cirurgiã-Dentista CONCEITO: PERIODONTIA Especialidade Odontológica que estuda os tecidos normais e as doenças do sistema de implantação e sustentação dos

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016

Assessoria ao Cirurgião Dentista. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016 Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016 Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS Anestesia em anestésico o mais próximo possível do ápice do dente a ser anestesiado. Objetivo : Propiciar o conhecimento das técnicas anestésicas, principalmente as utilizadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL Autora: Nelma Maria de Freitas Agradecimentos: Imagem Radiologia de Itajaí, Dr. Élio Giácomo Papaiz (in memorian). Dr.

Leia mais

Aula 11: ALTERAÇÕES DO ORGÃO DENTÁRIO RAIZ

Aula 11: ALTERAÇÕES DO ORGÃO DENTÁRIO RAIZ Aula 11: ALTERAÇÕES DO ORGÃO DENTÁRIO RAIZ Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Etiologia CONGÊNITAS GENÉTICA ADQUIRIDAS Congênitas Concrescência Dilaceração radicular

Leia mais

Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família. Urgências Pulpares. Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza

Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família. Urgências Pulpares. Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família Urgências Pulpares Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza Diagnóstico Anamnese Paciente deve ser motivado a relatar a história

Leia mais

COBERTURA DA APÓLICE BRADESCO DENTAL SPG 5 A 49 VIDAS

COBERTURA DA APÓLICE BRADESCO DENTAL SPG 5 A 49 VIDAS ANS BRADESCO DENTAL DIAGNÓSTICO CONSULTA INICIAL EXAME HISTOPATOLÓGICO URGÊNCIA/EMERGÊNCIA COLAGEM DE FRAGMENTOS CURATIVO E/OU SUTURA EM CASO DE HEMORRAGIA BUCAL/LABIAL CURATIVO EM CASO DE ODONTALGIA AGUDA

Leia mais

ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO

ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO Disciplina: Patologia Oral e Maxilofacial ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Anomalias do desenvolvimento da boca e Anomalias dentárias ANOMALIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Cuidados dentários em cães e gatos

Cuidados dentários em cães e gatos Anátomo-Fisiologia Estrutura do dente (fig. 1) Cuidados dentários em cães e gatos Externamente divide-se em duas áreas: coroa (superfície para fora da junção com a margem gengival) e a raiz (porção para

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

2 Este Caderno contém uma proposta de Redação e trinta questões de múltipla escolha

2 Este Caderno contém uma proposta de Redação e trinta questões de múltipla escolha CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva MESTRADO EM ODONTOLOGIA INSTRUÇÕES 1 Na parte inferior desta capa, escreva seu nome completo, em letra de forma e assine no local

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37 QUESTÃO 17 Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: a) Sua composição química é bem diferente das resinas compostas de uso

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. João Paulo Lavagnoli Manfrinato

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. João Paulo Lavagnoli Manfrinato Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico João Paulo Lavagnoli Manfrinato A importância da extrusão ortodôntica lenta na reabilitação oral revisão de literatura CURITIBA 2013 João Paulo

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014 11 3894 3030 papaizassociados.com.br 11 3894 3030 papaizassociados.com.br IMPORTÂNCIA DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB UNIODONTO DRA. NANCI CATANDI PERRONE OSSOS DA FACE MAXILA Forma o maxilar Limite inferior da cavidade orbitária Separa através do processo palatino a cavidade bucal

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

Circular 0160/2000 São Paulo, 18 de Maio de 2000.

Circular 0160/2000 São Paulo, 18 de Maio de 2000. [fesehf/cabecalho.htm] Circular 0160/2000 São Paulo, 18 de Maio de 2000. Plano de Saúde Assunto: Rol de Procedimentos Odontológicos para Plano de Saúde Prezado (a) Senhor (a), A Agência Nacional de Saúde

Leia mais

ANATOMIA DENTAL INTERNA

ANATOMIA DENTAL INTERNA ANATOMIA DENTAL INTERNA VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna Características Gerais Grupo dos incisivos Grupo dos caninos Grupo dos pré-molares Grupo dos molares VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

Princípios dos Preparos em Prótese Parcial Fixa (PPF)

Princípios dos Preparos em Prótese Parcial Fixa (PPF) 1 de 18 09/03/2015 16:00 Princípios dos Preparos em Prótese Parcial Fixa (PPF) Monday, 23 August 2010 00:13 Princípios dos Preparos em Prótese Parcial Fixa (PPF) Por: Renato Fabrício de Andrade Waldemarin

Leia mais

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Plano Integral... TRATAMENTO AMBULATORIAL/DIAGNÓSTICO Consulta EMERGÊNCIA Colagem de fragmentos (consiste na recolocação de partes de dente que sofreu fratura,

Leia mais

http://www.endo-e.com/images/diagnostico/diagnostico.htm

http://www.endo-e.com/images/diagnostico/diagnostico.htm Page 1 of 23 Diagnóstico em Endodontia - endo-e Página Principal O diagnóstico é de fundamental importância em endodontia para determinação do tratamento a ser realizado, sendo definido como a arte de

Leia mais

ASSESSORARTE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS

ASSESSORARTE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS ASSESSORARTE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS Prefeitura Municipal de Alumínio Concurso Público 001/2006 8 Dentista Instruções: Não abra o caderno de prova antes de receber autorização do fiscal; Este caderno de

Leia mais

Dentina Características gerais

Dentina Características gerais Características gerais Tecido dental duro com extensões es citoplasmáticas ticas de células c da polpa. Composiçã ção: Mineral Água Orgânica peso 70% 12% 18% volume 50% 20% 30% Relaçã ção o com outros

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

Viseu, 13 de Outubro de 2009. Molares Superiores. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária. Octávio Ribeiro

Viseu, 13 de Outubro de 2009. Molares Superiores. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária. Octávio Ribeiro Viseu, 13 de Outubro de 2009 Molares Superiores UBM IV 2ºano Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Molares Permanentes Maxilares 1º Molar Superior Calcificação- inicio aos 48 meses Erupção-

Leia mais

Visto PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 33. Com relação à mucosa em torno de dentes e de implantes, é correto afirmar que

Visto PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 33. Com relação à mucosa em torno de dentes e de implantes, é correto afirmar que CONCURSO DE ADMISSÃO 2012 ao CFO/Odonto - 2013 PAG - 11 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 31. A principal função do periodonto é inserir o dente no tecido ósseo dos maxilares e manter a integridade da

Leia mais

GRAZIELLY BARBOSA CARVALHO TÉCNICAS DE MANEJO DE TECIDO MOLE EM PRÓTESES IMPLANTO-SUPORTADAS ANTERIORES

GRAZIELLY BARBOSA CARVALHO TÉCNICAS DE MANEJO DE TECIDO MOLE EM PRÓTESES IMPLANTO-SUPORTADAS ANTERIORES GRAZIELLY BARBOSA CARVALHO TÉCNICAS DE MANEJO DE TECIDO MOLE EM PRÓTESES IMPLANTO-SUPORTADAS ANTERIORES BELO HORIZONTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS 2010 GRAZIELLY BARBOSA CARVALHO TÉCNICAS DE MANEJO

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Maria Angela M. Mimura As alterações e patologias apresentadas no caso de Dona Margarida são diversas e de etiologias diferentes, portanto serão tratadas por itens de modo

Leia mais

Aspectos de interesse à endodontia

Aspectos de interesse à endodontia SISTEMA DE CANAIS RADICULARES Anatomia das cavidades pulpares Aspectos de interesse à endodontia CAVIDADE PULPAR CAVIDADE PULPAR CAVIDADE ANATÔMICA CONTIDA NO INTERIOR DO DENTE, CIRCUNDADA POR DENTINA,

Leia mais

Apresentação na Jornada Internacional do 45º Aniversário da Faculdade de Odontologia de Rosário.

Apresentação na Jornada Internacional do 45º Aniversário da Faculdade de Odontologia de Rosário. 1 45º Aniversario FOR UNR Jornada Internacional Resumen trabajos expuestos. 2 Pilares Protéticos Personalizados. Paulo Odair Tessare Junior *; Maria Leticia Britto Machado**; Antônio Sérgio Fava*** 1 Nos

Leia mais

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS Planejamento e individualização da aparatologia ortodôntica conjugada aos mini-implantes ( DATs) Parte I Sítios de instalação uma área de risco controlado. Individualization of planning and orthodontic

Leia mais

Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO

Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO TUMORES ODONTOGÊNICOS Tumores odontogênicos - grupo de doenças heterogêneas que vão desde hamartomas ou proliferação de tecido não neoplásico a neoplasias

Leia mais

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Disciplina: Patologia Oral Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Parte 2 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 ALTERAÇÕES DA POLPA, DO PERIÁPICE E DO PERIODONTO PATOLOGIA

Leia mais

TÉCNICO DE SAÚDE BUCAL

TÉCNICO DE SAÚDE BUCAL PROCESSO SELETIVO IABAS ESF SETEMBRO 2014 TÉCNICO DE SAÚDE BUCAL CÓDIGO: TSB46, TSB54 e TSB64 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS CENTROS DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS Diário Oficial da União Nº 251, Seção 1 31 de dezembro de 2010

FINANCIAMENTO DOS CENTROS DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS Diário Oficial da União Nº 251, Seção 1 31 de dezembro de 2010 Circular 001/2011 São Paulo, 04 de janeiro de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) FINANCIAMENTO DOS CENTROS DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS Diário Oficial da União Nº 251, Seção 1 31 de dezembro de 2010

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago

Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional III juliana.pinheiro@kroton.com.br O Sistema Digestório consiste em um tubo que se inicia na boca e termina no

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO INGRESSO DE NOVOS OFICIAIS DE SAÚDE DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

N.º 183 - Seção 1, quinta-feira, 23 de setembro de 2010. Ministério da Saúde

N.º 183 - Seção 1, quinta-feira, 23 de setembro de 2010. Ministério da Saúde N.º 183 - Seção 1, quinta-feira, 23 de setembro de 2010 Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA No- 2.898, DE 21 DE SETEMBRO DE 2010. Atualiza o Anexo da Portaria No- 600/GM, de 23 de março de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

ABSCESSO PERIAPICAL E FÍSTULA INFRA-ORBITÁRIA EM CÃES. Elisângela Barboza da Silva¹, Camila Franco de Carvalho ²

ABSCESSO PERIAPICAL E FÍSTULA INFRA-ORBITÁRIA EM CÃES. Elisângela Barboza da Silva¹, Camila Franco de Carvalho ² ABSCESSO PERIAPICAL E FÍSTULA INFRA-ORBITÁRIA EM CÃES Elisângela Barboza da Silva¹, Camila Franco de Carvalho ² 1 Docente do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Estadual do Centro-Oeste

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A dentina do manto e a dentina circum pulpar constituem a dentina:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A dentina do manto e a dentina circum pulpar constituem a dentina: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENDODONTIA 21. A dentina do manto e a dentina circum pulpar constituem a dentina: a) Terciária. b) Secundária. c) Primária. d) Reacional. 22. O revestimento dos túbulos

Leia mais

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente.

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente. PRÉ-MOLARES PRÉ-MOLARES Pré-Molares são conhecidos como pequenos molares bicuspidados, em número de quatro para cada arco, dois de cada lado da linha mediana chamados de primeiros e segundos prémolares;

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DO COMANDO DA AERONÁUTICA - 2004 -

CONCURSO PÚBLICO DO COMANDO DA AERONÁUTICA - 2004 - CONCURSO PÚBLICO DO COMANDO DA AERONÁUTICA - 2004 - INSTRUÇÕES! Você está recebendo um caderno com 40 questões em forma de testes. Verifique se sua prova está correta e se seu caderno de questões está

Leia mais

O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, PORTARIA Nº 911, DE 29 DE AGOSTO DE 2012 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 793/GM/MS, de 24 de abril de 2012, que institui a Rede de Cuidados à Pessoa

Leia mais

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Espera-se que a leitura deste documento forneça, de maneira rápida

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENDODONTIA

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENDODONTIA 2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENDODONTIA Questão nº: 21 Em relação aos traumatismos de luxação lateral, do ponto de vista terapêutico, anatômico e de prognóstico podemos afirmar, segundo Andreasen:

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia.

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Descrição. O entendimento dos processos fisiológicos, celulares e moleculares associados com o uso de diversos materiais, medicamentos e demais

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

BRONZE R$ R$ 11,40 tratamento. Exame histopatológico R$ 50,00

BRONZE R$ R$ 11,40 tratamento. Exame histopatológico R$ 50,00 TABELA DE REEMBOLSO BRONZE R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de R$ 11,40 tratamento. Exame histopatológico R$ 50,00 Urgência / Emergência Curativo em caso de hemorragia bucal R$ 37,80 Curativo

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

CIRURGIA PERIODONTAL PARA O RESTABELECIMENTO DAS DISTÂNCIAS BIOLÓGICAS: RELATO DE UM CASO CLÍNICO

CIRURGIA PERIODONTAL PARA O RESTABELECIMENTO DAS DISTÂNCIAS BIOLÓGICAS: RELATO DE UM CASO CLÍNICO 89 CDD: 617.6 CIRURGIA PERIODONTAL PARA O RESTABELECIMENTO DAS DISTÂNCIAS BIOLÓGICAS: RELATO DE UM CASO CLÍNICO PERIODONTAL SURGERY FOR BIOLOGICAL WIDTH RE-ESTABLISHMENT: A CASE REPORT FÁBIO ANDRÉ DOS

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

Tumores Odontogênicos

Tumores Odontogênicos Karla Mayra Rezende Marcelo Bönecker Tumores Odontogênicos Introdução Tumores odontogênicos compreendem grupos de neoplasias que tem como origem os tecidos formadores dos dentes. O clinico tem como responsabilidade

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

Processo Seletivo São Miguel do Oeste- SC Caderno de Provas Edital de Processo Seletivo nº 018/2014. Prova

Processo Seletivo São Miguel do Oeste- SC Caderno de Provas Edital de Processo Seletivo nº 018/2014. Prova PROCESSO SELETIVO PARA PROVIMENTO DE CARGO DE CIRURGIÃO DENTISTA ESPECIALISTA (PERIODONTISTA) Prova Língua Portuguesa Conhecimentos gerais Conhecimentos específicos do cargo INSTRUÇÕES - Aguarde autorização

Leia mais

Atendimento em consultório particular com hora marcada. Sem limite de procedimentos odontológicos.

Atendimento em consultório particular com hora marcada. Sem limite de procedimentos odontológicos. Plano Odontologico CONHEÇA O SEU PLANO O plano oferecido pela sua Empresa junto à Prodent possui ampla cobertura nas principais especialidades odontológicas, para que você e seus dependentes possam cuidar

Leia mais

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 P L A N O D E C U R S O

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 P L A N O D E C U R S O FACULDADE INDEPENDENE DO NORDESE CURSO ODONOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: HISOLOGIA BUCO-DENAL Código:ODO

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DAS GUIAS DE ENCAMINHAMENTO ODONTOLÓGICO PROGEO

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DAS GUIAS DE ENCAMINHAMENTO ODONTOLÓGICO PROGEO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DAS GUIAS DE ENCAMINHAMENTO ODONTOLÓGICO PROGEO 1 1. PROPÓSITO Efetuar controle da Guias de Encaminhamentos Odontológicos em conformidade com a Circular 006/2007 da DSM e DGPM-401

Leia mais

Diagnóstico - Primeira Consulta. Radiologia ou Radiografia

Diagnóstico - Primeira Consulta. Radiologia ou Radiografia Diagnóstico - Primeira Consulta Consulta Inicial: É a primeira consulta feita com o cirurgião-dentista, com o objetivo de diagnosticar as patologias presentes e estabelecer o tratamento a ser feito. Exame

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Odontologia 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM PERIODONTO

Leia mais

RETRATAMENTO ENDODÔNTICO

RETRATAMENTO ENDODÔNTICO RETRATAMENTO ENDODÔNTICO Profa. Flávia Sens Fagundes Tomazinho Prof. Flares Baratto Filho Atualmente o índice de sucesso dos tratamentos endodônticos é muito alto, devido às evoluções que as técnicas e

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR 5. PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS 6. ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES

Leia mais