5 Discussão dos Resultados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5 Discussão dos Resultados"

Transcrição

1 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material cerâmico aplicadas no segundo molar inferior de cada modelo quando submetido ao carregamento. A análise das restaurações com diferentes terminações cervicais visou determinar possibilidades de falhas da prótese quanto ao seu deslocamento do dente e à sua predisposição à fraturas. Da mesma forma, as estruturas dentárias adjacentes à restauração foram avaliadas no que se refere à concentração de tensões, também com o intuito de reconhecer áreas dentárias mais sujeitas à fraturas. O modelo com dentes hígidos serviu de parâmetro comparativo para os modelos com o dente restaurado, admitindo que a distribuição de tensões no primeiro modelo é a mais adequada à fisiologia mastigatória Tensões de cisalhamento Em odontologia, uma das causas de podem comprometer a integridade de um sistema restaurador está relacionada com falhas na adesão da restauração do dente. De acordo com Anusavise [13], a avaliação da ocorrência de falhas na adesão pode ser realizada através da análise das tensões cisalhantes que aparecem na junção entre diferentes materiais restauradores quando submetidos a algum tipo de carregamento. As tensões de cisalhamento podem levar ao deslizamento de planos, significando que quando tais tensões incidirem na interface de diferentes materiais poderá ocorrer o deslocamento de um deles em relação ao outro.

2 88 As Figuras de 24 a 31 apresentam a distribuição de tensões cisalhantes nos modelos com as restaurações com terminações cervicais em ombro reto, ombro arredondado, chanfro e no dente hígido. Tais tensões apresentaram um padrão de distribuição similar em todos os modelos. Nas interfaces entre os dentes adjacentes, principalmente entre o segundo e o terceiro molar houve a maior concentração de tensões de cisalhamento, provavelmente devido ao fato de ser uma área de contato entre os dentes em carregamento. Tensões cisalhantes se concentraram também na porção de esmalte dentário localizada na região proximal distal, logo abaixo da restauração de cerâmica do segundo molar como detalhado nas Figuras 25, 27, 29 e 31. Possivelmente, esta concentração de tensões foi decorrente da angulação de 15 o das forças e da curvatura de Spee [73], que é uma curvatura presente de sentido ântero-posteiror de canino ao último molar, encontrada numa oclusão dita como normal e observada com clareza na Figura 8. Ainda com relação às tensões cisalhantes, observou-se que todos os modelos apresentaram concentração de tensões logo acima do corno pulpar mesial (proeminência da polpa dentária mais anterior). Nos modelos restaurados, observa-se uma concentração de tensões na interface da coroa com o cimento resinoso, indicando ser este um ponto mais propício ao deslocamento da restauração. Além disso, nesta região pode haver a nucleação de trincas, principalmente na coroa de cerâmica, por ser este elemento confeccionado com um material frágil. Portanto, a existência de concentração de tensões de cisalhamento na interface da coroa com o cimento, quando da restauração do segundo molar, pode sugerir o uso de cerâmicas reforçadas em dentes posteriores em detrimento das cerâmicas feldspáticas, procedimento preconizado por O Brien e Anusavise [1,13] e, desta maneira, contrapondo-se a Sorensen et al. [17]. O arredondamento dos ângulos do preparo dentário na região de corno mesial poderá evitar concentrações excessivas de tensões de cisalhamento, aumentando vida útil da restauração. Como esta região não está em contato com o meio bucal, supõe-se que dificilmente haverá algum tipo de infiltração de fluidos ou de bactérias devido a algum tipo de deslocamento. A ocorrência de concentração de tensões cisalhantes nesta área está relacionada, à princípio, provavelmente à própria anatomia dentária, bem como ao posicionamento dos dentes na arcada e, ainda, à angulação das forças aplicadas nos dentes.

3 Tensões principais As falhas devido à fratura de materiais na estrutura dentária sejam em dentes hígidos ou restaurados, ocorrem com freqüência na cavidade oral. A avaliação da susceptibilidade do material a este tipo de falha está relacionada com o aparecimento de tensões locais, o que permite identificar regiões mais propensas à formação de trincas, assim como otimizar fatores que possam contribuir para a integridade e durabilidade das estruturas dentárias como, por exemplo, tipos de preparo dentário. As tensões principais são aquelas que agem nos planos principais, nos quais as tensões cisalhantes são zero. Uma tensão de tração decorre de um carregamento que tende a alongar o corpo sólido, provocando desta forma, uma deformação trativa. Uma tensão de compressão decorre de um carregamento que tende a encurtar o corpo sólido, ocasionando a uma deformação compressiva. Essas tensões são consideradas positivas no caso de serem trativas, e negativas no caso de serem compressivas. O estado trativo e o compressivo ao qual o corpo sólido está submetido relacionam-se com as tensões principais máxima e mínima, respectivamente, quando ambos os estados atuam simultaneamente nas estruturas [13]. A maioria das tensões produzidas pela função mastigatória é de origem compressiva, Entretanto, componentes trativos podem ser gerados quando as estruturas são flexionadas e/ou cargas compressivas são aplicadas [13]. A comparação das tensões máximas produzidas com o limite de resistência dos materiais permite a avaliação da possibilidade de ocorrência de fraturas diante do carregamento [72]. A análise da distribuição das tensões principais visou à identificação de regiões, nas quais ocorreram as tensões principais máximas e mínimas decorrentes da aplicação do carregamento mastigatório. Em todos os modelos, restaurados ou não, concentrações de tensões trativas se localizaram nas áreas de contato do segundo molar com os dentes adjacentes. Logo abaixo destas áreas de contato, identificou-se o aparecimento de tensões compressivas de baixa intensidade nos dentes restaurados com terminações cervicais em

4 90 ombro reto [Figuras 32 e 33] e terminações cervicais em ombro arredondado [Figuras 34 e 35]. Em ambos os modelos, tais tensões ombro se fizeram presentes na região mesial em maior proporção do que na região distal. No modelo com terminação em chanfro [Figuras 36 e 37], as tensões de compressão abaixo das áreas de contato na mesial do segundo molar se estenderam por uma região menor do que nos modelos com terminações em ombro. Por outro lado, a área sob compressão na região distal do modelo de terminação em chanfro apresentou uma proporção quase idêntica àquela das terminações em ombro. Já o modelo de dentes hígidos, quando comparado aos modelos de dentes restaurados, apresentou as menores áreas sob compressão, tanto na região mesial quanto na região distal. Observando-se a superfície oclusal dos dentes após as restaurações [Figuras 33, 35 e 37], nota-se que houve um aumento na dimensão das áreas de compressão em comparação aos modelos com dentes hígidos [Figura 39] e, provavelmente, tal característica foi ocasionada pela diferença do módulo de elasticidade entre o esmalte dentário (dente hígido) e a cerâmica da coroa (dentes restaurados) conforme demonstrado na Tabela 1. Variações nas dimensões das áreas de compressão das superfícies oclusais foram observadas por Mori et al [61], cujos resultados indicaram que o módulo de elasticidade mais elevado dos materiais restauradores influencia de maneira mais severa na distribuição de tensões nos dentes. Em todos os modelos analisados, a distribuição de tensões nas regiões de dentina e polpa apresentaram padrões similares sugerindo que as restaurações não afetam o nível das tensões desenvolvidas nestas regiões. Logo acima da linha de cimento resinoso na metade inferior da restauração, uma grande faixa de concentração de tensões trativas de sentido ântero-posterior apareceu nos modelos restaurados, unindo as áreas de contato. Este padrão de distribuição de tensões apresenta menor intensidade no dente restaurado com coroa de terminação cervical em chanfro (Figura 37) quando comparado com aqueles restaurados com coroas de terminações em ombro reto e ombro arredondado (Figuras 33 e 35) e diminui consideravelmente no modelo com dentes hígidos, conforme mostra a Figura 39. A existência de concentração de tensões trativas nesta região deve ser considerada como um risco à integridade/durabilidade da restauração cerâmica, pois aumenta a possibilidade de fratura longitudinal da mesma. Desta maneira, a condição local propícia à propagação de trincas, associada com a característica frágil intrínseca das cerâmicas,

5 91 reforça a indicação do uso de materiais que possuam alto grau de resistência mecânica para aplicações em coroas restauradoras, como aquela da cerâmica utilizada neste estudo. Como demonstram as Figuras 33, 35 e 37, pontos de tensões trativas podem ser observados nos modelos restaurados, na interface entre a cerâmica e o cimento resinoso, localizados na direção dos cornos pulpares. Tais concentrações de tensão podem acarretar a nucleação e propagação de trincas nestas regiões. Dentre os modelos que foram restaurados com coroas de cerâmica pura, concentrações de tensões trativas localizadas na terminação cervical apareceram com mais intensidade no modelo com ombro reto seguido do modelo com ombro arredondado como pode ser observado nas Figuras 33 e 35, respectivamente. A ocorrência destas tensões no modelo restaurado com terminação cervical em chanfro (Figura 37) diminuiu, indicando que as terminações em ombro possuem uma geometria mais favorável à concentração de tensões nas suas terminações cervicais, e, conseqüentemente, mais susceptíveis à fratura, do que as terminações chanfradas Tensões de von Mises Com o objetivo de avaliar de forma mais eficiente as regiões dos modelos mais susceptíveis às falhas dos seus componentes, também adotou-se neste trabalho o critério das tensões equivalentes de von Mises. Tal critério é bastante utilizado para a análise de falhas em materiais frágeis e baseia-se na energia de distorção dos materiais, onde as tensões máximas obtidas identificam as áreas mais solicitadas mecanicamente e, portanto, mais propensas à ocorrência de falhas. Tais tensões, quando comparadas com os limites de escoamento dos materiais envolvidos visam prever a possibilidade de falhas por deformação plástica, permitindo impor limites de segurança aos materiais [72].

6 92 Todos os modelos analisados apresentaram concentrações de tensões nas regiões de contato entre os dentes, sendo que a área de contato entre o segundo e terceiro molar apresentou as tensões máximas. Os pontos onde o carregamento foi aplicado se apresentaram como áreas de concentração de tensões de von Mises, demonstrando que a superfície oclusal das restaurações é uma região bastante solicitada. Esta concentração de tensões ocorrida nos pontos de aplicação da carga também foi demonstrada por Imanishi et al. [27], que concluíram que a resistência dos pontos de contato oclusal é importante para a integridade e durabilidade das coroas cerâmicas em dentes posteriores. Tal observação leva a uma preocupação do profissional quanto à espessura do material restaurador, assim como a manutenção de uma superfície lisa na restauração, visando minimizar concentrações locais de tensões devido à presença de pequenos defeitos ou irregularidades no material, além de uma escolha adequada do tipo de cerâmica utilizada em seus trabalhos protéticos. Uma faixa de concentração de tensões de sentido ântero-posterior foi observada, principalmente, nos modelos de dentes restaurados logo acima da linha de cimento resinoso, no terço inferior da restauração. Este padrão de distribuição de tensões apresentou um menor valor no dente com restauração de terminação em chanfro (Figura 45), quando comparada com aquelas apresentadas pelas restaurações de terminações em ombro reto e ombro arredondado (Figuras 41 e 43, respectivamente) e diminuiu de maneira considerável no modelo com dentes hígidos (Figura 47). Concentrações de tensões de von Mises também podem ser observadas em todos os modelos restaurados, conforme mostrado pelas Figuras 41, 43 e 45, localizadas na interface entre a cerâmica e o cimento resinoso na direção dos cornos pulpares e podendo acarretar a falha do material nesta região. Tensões se concentraram, também, na porção de esmalte dentário localizada mais posteriormente e logo abaixo da restauração de cerâmica pura do segundo molar. Provavelmente, esta concentração de tensões foi decorrente da angulação de 15 o das forças e da curvatura de Spee [73]. Tal observação está em concordância com o trabalho de Tanaka et al. [62], cujos resultados sugeriram que o carregamento oblíquo no dente estirou a superfície de esmalte próxima à junção esmalte-cemento, causando deformação plástica nesta região.

7 93 Na região da terminação cervical, as tensões de von Mises se apresentaram mais elevadas no modelo com ombro reto (Figura 41), diminuindo no modelo com ombro arredondado (Figuras 43). No modelo restaurado com terminação cervical em chanfro (Figura 45) as concentrações de tensões de von Mises apareceram em menor intensidade. O padrão de distribuição de tensões de von Mises na dentina, parece ser similar em todos os modelos.

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37 QUESTÃO 17 Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: a) Sua composição química é bem diferente das resinas compostas de uso

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Aula 11: ALTERAÇÕES DO ORGÃO DENTÁRIO RAIZ

Aula 11: ALTERAÇÕES DO ORGÃO DENTÁRIO RAIZ Aula 11: ALTERAÇÕES DO ORGÃO DENTÁRIO RAIZ Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Etiologia CONGÊNITAS GENÉTICA ADQUIRIDAS Congênitas Concrescência Dilaceração radicular

Leia mais

ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO

ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO Disciplina: Patologia Oral e Maxilofacial ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Anomalias do desenvolvimento da boca e Anomalias dentárias ANOMALIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 5 Carga Axial e Princípio de Saint-Venant Carga Axial A tubulação de perfuração de petróleo suspensa no guindaste da perfuratriz está submetida a cargas e deformações axiais extremamente grandes,

Leia mais

Análise de Tensões em Dentina Restaurada com Pinos Intra-Radiculares de Diferentes Materiais

Análise de Tensões em Dentina Restaurada com Pinos Intra-Radiculares de Diferentes Materiais Martha Vasconcellos Amarante Análise de Tensões em Dentina Restaurada com Pinos Intra-Radiculares de Diferentes Materiais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

Princípios dos Preparos em Prótese Parcial Fixa (PPF)

Princípios dos Preparos em Prótese Parcial Fixa (PPF) 1 de 18 09/03/2015 16:00 Princípios dos Preparos em Prótese Parcial Fixa (PPF) Monday, 23 August 2010 00:13 Princípios dos Preparos em Prótese Parcial Fixa (PPF) Por: Renato Fabrício de Andrade Waldemarin

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin F 609 - Tópicos de Ensino de Física Relatório Parcial Aluna: Luciene O. Machado Orientador:Antonio Carlos da Costa Coordenador: José

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

Capítulo 6 Transformação de tensões e critérios de falhas

Capítulo 6 Transformação de tensões e critérios de falhas Capítulo 6 Transformação de tensões e critérios de falhas 6.1 Tensões principais no plano- O estado geral de tensão em um ponto é caracterizado por seis componentes independentes da tensão normal e de

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

Critérios de Resistência

Critérios de Resistência Critérios de Resistência Coeficiente de segurança ensão uivalente Seja um ponto qualquer, pertencente a um corpo em uilíbrio, submetido a um estado de tensões cujas tensões principais estão representadas

Leia mais

ESTUDO DAS TENSÕES EM DENTE RESTAURADO COM COROA METALOCERÂMICA E DOIS FORMATOS DE RETENTORES INTRA-RADICULARES. - MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ESTUDO DAS TENSÕES EM DENTE RESTAURADO COM COROA METALOCERÂMICA E DOIS FORMATOS DE RETENTORES INTRA-RADICULARES. - MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA ESTUDO DAS TENSÕES EM DENTE RESTAURADO COM COROA METALOCERÂMICA E DOIS FORMATOS DE RETENTORES INTRA-RADICULARES. - MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ISAAC

Leia mais

7 Considerações finais

7 Considerações finais 243 7 Considerações finais A utilização de outros tipos de materiais, como o aço inoxidável, na construção civil vem despertando interesse devido aos benefícios desse aço, e a tendência decrescente de

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens)

Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens) Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens) Prótese é a ciência e arte que proporciona substitutos adequados para as porções coronárias de um

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

Introdução: momento fletor.

Introdução: momento fletor. Flexão em Vigas e Projeto de Vigas APOSTILA Mecânica dos Sólidos II Introdução: As vigas certamente podem ser consideradas entre os mais importantes de todos os elementos estruturais. Citamos como exemplo

Leia mais

Reabilitação de lesões cervicais não cariosas associadas com hipersensibilidade dentinária empregando resinas compostas nano-híbridas

Reabilitação de lesões cervicais não cariosas associadas com hipersensibilidade dentinária empregando resinas compostas nano-híbridas Reabilitação de lesões cervicais não cariosas associadas com hipersensibilidade dentinária empregando resinas compostas nano-híbridas Autores Paulo Vinícius Soares 1, Guilherme Faria Moura 2, Ramon Correa

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

Ca C t a álo t g álo o g de Pr de P o r du o t du o t s o

Ca C t a álo t g álo o g de Pr de P o r du o t du o t s o Catálogo de Produtos Unimatrix Sistema de matrizes seccionais pré-formadas, para restaurações de Classe II. Maior facilidade na reconstrução do ponto de contato; A convexidade das matrizes foi especialmente

Leia mais

MANUAL DE PRÓTESE FIXA

MANUAL DE PRÓTESE FIXA MANUAL DE PRÓTESE FIXA INDICE Materiais e Equipamentos 05 Materiais e Técnicas de Moldagem 07 Vazamento de Modelos 08 Montagem em Articulador 17 Enceramento 20 Preparo de Troquel 23 Inclusão 25 Fundição

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

Aula 9: Laudo Radiográfico

Aula 9: Laudo Radiográfico Aula 9: Laudo Radiográfico Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Definição: É a interpretação das imagens radiográficas, reconhecendo as estruturas e reparos anatômicos

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO QUESTÃO 21 Assinale a alternativa CORRETA quanto à obtenção da analgesia (anestesia regional): a) O método do bloqueio de nervo é aplicado para a obtenção

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO 83 11. VARIÁVEIS DEPENDENTES DE SAÍDA: FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO. 11.1. Generalidades Nas operações de usinagem que utilizam corte contínuo

Leia mais

MEDIÇÃO DE PRESSÃO -0-

MEDIÇÃO DE PRESSÃO -0- MEDIÇÃO DE PRESSÃO -0- SUMÁRIO 1 - PRESSÃO 2 2.1 - MEDIÇÃO DE PRESSÃO 2 2.2 - PRESSÃO ATMOSFÉRICA 2 2.3 - PRESSÃO RELATIVA POSITIVA OU MANOMÉTRICA 2 2.4 - PRESSÃO ABSOLUTA 2 2.5 - PRESSÃO RELATIVA NEGATIVA

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond Grandio SO Heavy Grandio SO Heavy Aprovados sem restrições para cavidades oclusais Com o lançamento do compósito compactável, a VOCO introduziu no mercado um material de restauração semelhante ao dente

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

GEOLOGIA ESTRUTURAL. Aula 3 Regimes e Processos de Deformação. Prof. Eduardo Salamuni. (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto)

GEOLOGIA ESTRUTURAL. Aula 3 Regimes e Processos de Deformação. Prof. Eduardo Salamuni. (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto) GEOLOGIA ESTRUTURAL Aula 3 Regimes e Processos de Deformação Prof. Eduardo Salamuni (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto) REGIMES E PROCESSOS DE DEFORMAÇÃO CONCEITOS GERAIS As mudanças mecânicas nos maciços

Leia mais

Pára-raios para aplicação em Subestações

Pára-raios para aplicação em Subestações V Pára-raios para aplicação em Subestações Atualmente quase todos os pára-raios adquiridos pelas empresas concessionárias de energia elétrica e grandes consumidores industriais para novos projetos de subestações,

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda 3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda A união de placas em uma estrutura é conhecida como junta. Uma junta pode ser obtida utilizando-se os mais variados elementos de fixação: parafusos, rebites,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS 31) A fotopolimerização das resinas compostas representa uma etapa de fundamental importância na obtenção de restaurações com propriedade mecânica e longevidade satisfatórias.

Leia mais

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 15 2 Revisão da Literatura Com o objetivo de avaliar e comparar a resistência de materiais totalmente cerâmicos e suas terminações cervicais utilizadas na confecção de próteses fixas investigou-se na literatura

Leia mais

I NST R UM ENTAÇÃO I N D UST RI AL EN G3 5 01 P RO F ª. L ET Í CI A CHAV ES FO NSECA

I NST R UM ENTAÇÃO I N D UST RI AL EN G3 5 01 P RO F ª. L ET Í CI A CHAV ES FO NSECA Medição INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL ENG3501 PROFª. LETÍCIA CHAVES FONSECA Medição 1. INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS DE PRESSÃO 3. DISPOSITIVOS DE MEDIÇÃO DE PRESSÃO 4. BIBLIOGRAFIA 2 1. Introdução Medição de pressão

Leia mais

RETRATAMENTO ENDODÔNTICO

RETRATAMENTO ENDODÔNTICO RETRATAMENTO ENDODÔNTICO Profa. Flávia Sens Fagundes Tomazinho Prof. Flares Baratto Filho Atualmente o índice de sucesso dos tratamentos endodônticos é muito alto, devido às evoluções que as técnicas e

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Miologia anatomia e fisiologia dos músculos Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Tipos de tecido O tecido muscular e, consequentemente, os músculos, são classificados,

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 10 Especialidade: ENDODONTIA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 10 Especialidade: ENDODONTIA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 10 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst TÉCNICA DIRETA. 1. Radiografia inicial para determinação da possibilidade de confecção de pino/núcleo. 2. O dente

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais 5 Equipamentos e Técnicas Experimentais De acordo com Castro (2007), quando as propriedades reológicas são determinadas em laboratório, diz-se que se está realizando ensaios de reometria. Para isso, existem

Leia mais

RECUPERADORES DE ESPAÇO

RECUPERADORES DE ESPAÇO RECUPERADORES DE ESPAÇO Conceito Recuperadores de espaço são usados para recuperar o espaço perdido nas arcadas dentárias. Eles verticalizam os dentes que inclinaram, depois que outros foram perdidos.

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio

3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio 35 3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio Neste capítulo é apresentado um estudo de caso em um processo de laminação a frio que produz chapas para a confecção de latas de bebidas. Trata-se de

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte

Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte TRATAMENTO ENDODÔNTICO Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte O D O N T O LO G I A E S T É T I C A R E S TAU R A D O R A O que é tratamento endodôntico? É a remoção do tecido mole que se encontra na

Leia mais

Dentina Características gerais

Dentina Características gerais Características gerais Tecido dental duro com extensões es citoplasmáticas ticas de células c da polpa. Composiçã ção: Mineral Água Orgânica peso 70% 12% 18% volume 50% 20% 30% Relaçã ção o com outros

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016

Assessoria ao Cirurgião Dentista. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016 Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016 Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I:

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: IFES INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANDRÉ VANDER PERINI CARLOS EDUARDO POLATSCHEK KOPPERSCHMIDT WILLIAM SFALSIN MANHÃES PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: CADEIRA DE RODAS SÃO MATEUS ES 2013

Leia mais

Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária. Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva

Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária. Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva Introdução A idade aproximada de um eqüino pode ser avaliada

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES 1. Garantir, no longo prazo, o incremento dos recursos orçamentários e financeiros para a saúde e aprovar o orçamento do SUS, composto pelos orçamentos das três esferas

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais

3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais 3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais Neste capítulo serão descritos os passos para a avaliação da Integridade Estrutural

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

Alinhamento de sorriso por meio de resinas compostas

Alinhamento de sorriso por meio de resinas compostas Caso Selecionado Alinhamento de sorriso por meio de resinas compostas Wanderley de Almeida Cesar Jr. Quando tenho pela frente um caso clínico para solucionar e uma necessidade estética do meu paciente

Leia mais

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Caso Selecionado Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Carlos Eduardo Francischone O caso clínico apresentado mostra resultados estéticos e funcionais excelentes,

Leia mais

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso.

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso. Apresentação 5365410005 - CELTRA Cad FC LT A1 C14 (6PCS); ou 5365410011 - CELTRA Cad FC LT A2 C14 (1PCS) ; ou 5365410021 - CELTRA Cad FC LT A3 C14 (1PCS) ; ou 5365410025- CELTRA Cad FC LT A3 C14 (6PCS)

Leia mais

Se providências não forem tomadas imediatamente, toda a produção de calçados com costuras no solado ficará comprometida.

Se providências não forem tomadas imediatamente, toda a produção de calçados com costuras no solado ficará comprometida. Manutenção corretiva Consideremos uma linha de produção de uma fábrica de calçados e que a máquina que faz as costuras no solado pare de funcionar por um motivo qualquer. Se providências não forem tomadas

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar 3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar Vimos que as previsões sobre as capacidades caloríficas molares baseadas na teoria cinética estão de acordo com o comportamento

Leia mais

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO Prof. Dr. Alfredo Júlio Fernandes Neto - 2005 A obtenção do molde e posterior modelo de estudo em gesso é um procedimento crítico e, como em qualquer outro trabalho

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442 1 SELOFLEX R Primeira linha em impermeabilizante acrílico BOLETIM TÉCNICO Como qualquer tipo de impermeabilização flexível, a estrutura deverá estar seca, mínimo de 7 dias após a regularização, limpa de

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço

Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço Ellen Kellen

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 60- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica MISTURA DE SÓLIDOS Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 010 Introdução Mistura de sólidos

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA O ATENDIMENTO INDIVIDUAL FICHA CLÍNICA

PROTOCOLO CLÍNICO PARA O ATENDIMENTO INDIVIDUAL FICHA CLÍNICA ANEXO 2 PROTOCOLO CLÍNICO PARA O ATENDIMENTO INDIVIDUAL FICHA CLÍNICA - Fazer a ficha clínica sempre que o for a 1ª consulta do usuário. 1ª CONSULTA Identificação do usuário realizado pela TSB (ou outro

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período Material para Produção Industrial Ensaio de Compressão Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 Embora em alguns textos se trate o comportamento na compressão pelos parâmetros do ensaio de tração (e.g. na aplicação

Leia mais