Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos"

Transcrição

1 Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos

2 Aerofotogrametria

3 Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar, por meio de fotografias métricas, imagens de objetos que poderão ser medidos e interpretados (FAGUNDES TAVARES (1991). Fotogrametria horizontal (terrestre) Fotogrametria vertical (aerofotogrametria)

4

5 O uso adequado de fotografias aéreas pode aumentar a eficiência das operações de: planejamento agrícola, planejamento das bacias de drenagem, mapeamento de solos, manejo e uso de florestas, pesquisa geológica, ou qualquer outra fase técnica do trabalho de Conservação Ambiental. As fotografias são também empregadas na elaboração de cartas, incluindo a obtenção de dados topográficos pelo uso de equipamento estereofotogramétrico.

6 Noções básicas sobre fotogrametria A fotografia aérea é o resultado de um grande número de especificações, normas e cuidados relativos: a) ao avião ou ao voo em si; b) à câmara aérea e à lente; c) ao filme; d) às condições atmosféricas.

7 O avião: manter-se, durante o voo fotográfico, na mesma altura relativa; seguir direção reta e uma velocidade uniforme. A câmara: orientada no sentido de que o eixo ótico permaneça vertical; disparos uniformes. O filme: deve possuir estabilidade dimensional. O tempo: deve apresentar as melhores condições de voo fotográfico, sobretudo no que diz respeito à presença de nuvens.

8 Câmaras aéreas = característica principal serem métricas Obterem imagens com um rigor dimensional que permita a execução de medidas; São compostas basicamente de: uma lente objetiva, com distância focal calibrada; um magazine (receptáculo), onde filme é colocado e que vem equipado por um sistema que forma vácuo plano focal no momento exato exposição, o que permite deixar o filme plano no momento da tomada da foto; um berço, onde a câmara é fixada no avião; um corpo, no qual são montadas demais partes e acessórios.

9

10 Câmaras aéreas

11

12 Foto aérea escala 1:8000

13 Foto aérea escala 1:4000

14 Foto aérea escala 1:2000

15 A fotografia aérea recebe uma classificação decorrente de alguns critérios, como: a orientação do eixo da câmara (vertical e oblíqua); sistema ótico (simples ou múltiplo) outras particularidades (preto e branco, colorida, 'infravermelha, etc). A fotografia vertical: a que foi tirada com o eixo ótico na posição em que se deve aproximar o máximo possível da verticalidade, é a fotografia normal. A fotografia oblíquas: que variam, entre si, conforme o grau de inclinação do eixo ótico.

16

17

18 Classificação das aerofotos

19

20 Características gerais das fotografias aéreas verticais As fotografias aéreas verticais, geralmente disponíveis para propósitos de mapeamento e planejamento, são feitas na escala 1: a 1:3.000 por câmaras de precisão para mapeamento aéreo com distância focal fixa. Fotografias Pancromáticas (Preto & branco) Fotografias Aéreas coloridas Fotografias Aéreas InfraVermelhas

21 Voo fotogramétrico Os voos são normalmente efetuados por organizações particulares, especializadas em mapeamento aéreo, sob contrato com instituições particulares ou governamentais. Um avião fotográfico só decola para a execução de uma missão de cobertura fotográfica depois de um planejamento da operação, que resulta de um estudo detalhado com todas as especificações sobre o tipo de cobertura a ser executado e da autorização do ministério da defesa.

22 Voo fotogramétrico O tempo - fator importante existem áreas em que as características atmosféricas são propícias ao voo na maior parte dos meses do ano. há outras, que raramente favorecem a execução de um voo, por se encontrarem quase sempre cobertas por nuvens. As fotografias aéreas para fins gerais podem ser tiradas em qualquer estação do ano, quando não haja neve no terreno nem nuvens.

23 Voo fotogramétrico A posição do Sol: é levada em consideração, uma vez que o excesso de sombra irá prejudicar detalhes importantes que vão ser restituídos. A altura de voo (H): varia com a escala da fotografia (S)e com a distância focal da câmara (f). Pode ser obtida através da fórmula: H= S x f

24 Voo fotogramétrico Fatores a serem considerados e são de relevância para uma boa cobertura fotográfica: velocidade prevista para o projeto, teto de voo suficiente, estabilidade durante o voo, raio de ação necessário, a fim de se evitar uma interrupção inútil da missão, o que resultaria em perda de tempo e de dinheiro. avião adequadamente equipado, inclusive quanto ao conforto da tripulação.

25 Voo fotogramétrico Representação do terreno por meio de fotografias aéreas, as quais são expostas sucessivamente, ao longo de uma direção de voo, formando uma faixa de voo.

26 Plano de voo

27 Relação entre duas fotos no recobrimento longitudinal e lateral Para se obter estereoscopia, as fotos são expostas em intervalos de tempo tais que, entre duas fotos sucessivas de uma faixa, haja uma superposição de cerca de 60% (recobrimento longitudinal) e com recobrimento lateral de 30% entre faixas consecutivas.

28

29 Recobrimento longitudinal Superposição longitudinal

30 Voo fotogramétrico Uma etapa indispensável no processo que resulta de uma cobertura fotográfica é a preparação dos fotoíndices, os quais constituem a reunião de fotografias aéreas individuais, nas suas posições relativas fotografadas, em uma escala reduzida.

31 Escala da fotografia aérea: A escala é a característica mais importante e informativa de uma fotografia aérea. Conhecendo a escala de uma fotografia aérea é possível conhecer outras informações de relevância como a área coberta por uma imagem. A escala de voo da fotografia aérea é expressa como uma fração representativa (FR), digamos 1 :20.000, significando que uma (1) unidade de medida na fotografia é igual da mesma unidade no terreno. Uma vez selecionada a lente da câmara, o único fator que afeta a escala de uma fotografia aérea é a altura da câmara acima do solo ou altura de voo.

32 Cálculo da escala da fotografia aérea: Calcular a escala de uma fotografia aérea (E) é muito simples desde que sejam conhecidos a altura de voo (H) no instante da tomada da foto e distância focal da câmera (f) utilizada para obter a foto. Assim, a relação matemática f/h nos dará o módulo da escala da fotografia aérea. Fórmula: f (milímetros)/ H (metros) Exemplo: 152,51mm/3813m = 3,986x10-5 Altitude média do terreno Módulo da Escala = 1/3,986x10-5 = Escala = 1:25.000

33 Altura de voo Elementos geométricos na aerofotogrametria

34 Estereoscopia É a ciência que se ocupa do uso da visão binocular, para a observação de um par de fotografias métricas, ou de outras imagens perspectivas superpostas, para a formação de um modelo tridimensional ou em relevo. Par estereoscópio

35 Estereoscopia A estereoscopia é um fenômeno natural que ocorre quando uma pessoa olha simultaneamente duas imagens que foram tiradas da mesma cena mas de pontos diferentes, fazendo com que cada imagem seja vista com um olho. O resultado é a percepção da profundidade, ou terceira dimensão.

36 A visão estereoscópica é ocasionada pelo fato dos olhos humanos estarem separados um do outro em aproximadamente 65mm. Desta forma, o olho direito recebe um imagem um pouco diferente da que recebe o olho esquerdo, quando observam o mesmo objeto. Da fusão das duas imagens no cérebro, resulta não só a imagem, mas também a sensação de profundidade.

37

38 Estereoscópio

39 Estereoscópio

40 Estereoscópio

41 Exercícios: 1) A que altura deveria voar um avião para que as fotografias fossem produzidas na escala 1:6000, utilizando uma câmara aérea com distância focal de 15cm. 2) Um avião foi equipado com uma câmera fotográfica com distância focal igual a 30cm está fotografando a superfície da Terra a uma altura de de voo de 4320m. Qual será a escala da fotografia? 3) A altitude média do terreno fotogrado por uma por uma câmara aérea de distância focal igual a 153,35mm é de 630m. Qual é a escala aproximada da fotografia aérea sabendo que a mesma foi tirada a uma altitude de 4600m.

42 Exercícios: 3) Um voo fotogrametrico foi realizado com uma câmera com distância focal igual a 50mm. Se a altitude média da região é de 900m, a que altitude de voo deverá voar o avião para que se tenha escala média de 1:50.000?

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Msc. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Características das câmaras aerofotográficas Formato de seus negativos; Distância focal

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Introdução Com a atual popularização dos sistemas CAD, ficou muito fácil para usuários de cartografia carregarem um arquivo vetorial, oriundo de

Leia mais

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais

1 Introdução. 1.2 Pioneiros da Fotogrametria

1 Introdução. 1.2 Pioneiros da Fotogrametria Ficha 1 de Fotogrametria 1 Introdução 1.1 Definição A palavra FOTOGRAMETRIA, deriva de três palavras de origem grega, tem o seguinte significado: Luz, descrição e medidas. Ela pode ser definida como a

Leia mais

Fotogrametria (definição clássica):

Fotogrametria (definição clássica): Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência, Arte e Tecnologia de se obterem Medidas dignas de confiança por meios de Fotografias É derivada de três palavras de origem grega que

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos FOTOGRAMETRIA DIGITAL Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos O que é Fotogrametria? A Fotogrametria é, segundo a American Society for Photogrammetry and Remote

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA FUNDAMENTOS DE AEROFOTOGRAMETRIA APLICADA À TOPOGRAFIA PROF. LUIZ CARLOS A. DE A. FONTES

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Fotogrametria. Parte 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Fotogrametria. Parte 1 UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Fotogrametria Parte 1 Recife, 2014 Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência,

Leia mais

CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações

CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações A fotogrametria é a ciência ou a arte da obtenção de medições fidedignas por meio da fotografia. A fotogrametria

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 O constante desenvolvimento de sistemas aerotransportados para captação de imagens finalmente trouxe ao mercado os modernos sensores para captação de imagens

Leia mais

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Instituto Geográfico Português Direcção-Geral dos Recursos Florestais Paulo Patrício Inventário Florestal Nacional A Direcção-Geral dos Recursos Florestais

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL

FOTOGRAMETRIA DIGITAL FOTOGRAMETRIA DIGITAL Produtos a Obter na Fotogrametria Digital: - Vôo Fotogramétrico + GPS - Fotografias Aéreas Digitais. - Aerotriangulação Digital. - Modelo Digital do Terreno. - Ortofotografia Digital.

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

Noções Teóricas e Práticas de Fotogrametria

Noções Teóricas e Práticas de Fotogrametria Noções Teóricas e Práticas de Fotogrametria 02 CAPÍTULO Neste capítulo você irá compreender alguns conceitos importantes relacionados com o universo da FOTOGRAMETRIA. Esses conceitos serão de muito importantes

Leia mais

Fotogrametria. Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES

Fotogrametria. Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES Fotogrametria FOTOGRAMETRIA Ciência, tecnologia e arte de obter informações seguras acerca de objetos físicos e do meio, através de processos de registro, medições e interpretações de imagens fotográficas

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DAS COBERTURAS AEROFOTOGRÁFICAS PARA FINS CIVIS (RTCAP)

REGULAMENTO TÉCNICO DAS COBERTURAS AEROFOTOGRÁFICAS PARA FINS CIVIS (RTCAP) MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS REGULAMENTO TÉCNICO DAS COBERTURAS AEROFOTOGRÁFICAS PARA FINS CIVIS (RTCAP) Versão 2006 IGP p.

Leia mais

aula As fotografias aéreas e sua utilização pela Cartografia Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II Autores Edilson Alves de Carvalho

aula As fotografias aéreas e sua utilização pela Cartografia Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II Autores Edilson Alves de Carvalho D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II As fotografias aéreas e sua utilização pela Cartografia Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 10 Governo

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO

A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO Descrever o processo fotográfico é remeter-se a temas como: câmera, filme, papel fotográfico e processamento de imagens, assuntos tratados e estudados

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien e Fabrício AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

Leia mais

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau Manual Técnico Bragal Oil e Gás Óculos de Segurança com Grau Apresentação: A necessidade do uso de lentes corretivas, por profissionais que trabalham com óculos de segurança, é uma aplicação de 15% da

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

EXPERIÊNCIAS EM FOTOGRAMETRIA COM VANT Terça-feira, 1 de Abril de 2014 08:48

EXPERIÊNCIAS EM FOTOGRAMETRIA COM VANT Terça-feira, 1 de Abril de 2014 08:48 EXPERIÊNCIAS EM FOTOGRAMETRIA COM VANT Terça-feira, 1 de Abril de 2014 08:48 1 comentário Eng. Manoel Silva Neto Departamento de Fotogrametria Mapeamento com VANT é amplamente aceito como um novo método

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL formação em imagem www.100iso.pt Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas.

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA O termo fotogrametria deriva das palavras gregas photos, que significa luz, gramma, que significa algo desenhado ou escrito e metron, que significa "medir". Portanto,

Leia mais

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO.

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. INTRODUÇÃO Criar um site sobre as ciclovias da cidade de Curitiba. A idéia surgiu no ano de 2010 a partir de uma conversa entre alguns colaboradores

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares;

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares; 1 - ELEMENTOS DE TOPOGRAFIA Definição: É o conjunto de técnicas aplicadas ao terreno, cujo objeto é o estabelecimento das cartas e das plantas. Conforme a etimologia da palavra, topografia é a arte de

Leia mais

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas 16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas A carta topográfica é um documento cartográfico que pode ser utilizado para inúmeros fins, como elaboração de bases cartográficas

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA Resumo Em lides que envolvem a apuração de áreas e divisas de imóveis, as atividades de conferência normalmente

Leia mais

Drone de mapeamento profissional

Drone de mapeamento profissional Drone de mapeamento profissional 4 razões para escolher o ebee 01. Mais mapas e maior precisão O ebee cobre até 12 km 2 (4,6 mi 2 ) em um único voo, enquanto que, voos sobre áreas menores e com baixa

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Câmeras Fotogramétricas. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Câmeras Fotogramétricas. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Câmeras Fotogramétricas Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Câmeras Fotográficas São todos os dispositivos que, através de um sistema ótico, registram a energia refletida

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52

Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52 Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52 Abstract As câmeras aéreas digitais são a mais avançada tecnologia de precisão para obtenção de imagens aerofotogramétricas.

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Extensivo noite - Aulas 01 e 02

Extensivo noite - Aulas 01 e 02 1. (Unesp 2011) A figura 1 mostra um quadro de Georges Seurat, grande expressão do pontilhismo. De forma grosseira podemos dizer que a pintura consiste de uma enorme quantidade de pontos de cores puras,

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite 1. (Fuvest 2007) A janela de uma casa age como se fosse um espelho e reflete a luz do Sol nela incidente, atingindo, às vezes, a casa vizinha. Para a hora do dia em que a luz do Sol incide na direção indicada

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Terra Departamento de Geomática Profa. Dra. Regiane Dalazoana LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 a) Cálculo de Volumes

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

Métodos de Aquisição de Dados para Elaboração de Cartografia. Aerolevantamento

Métodos de Aquisição de Dados para Elaboração de Cartografia. Aerolevantamento Métodos de Aquisição de Dados para Elaboração de Cartografia Aerolevantamento FOTOGRAMETRIA A Fotogrametria é a ciência ou tecnologia de se obter informações sobre objetos físicos e do meio ambiente, através

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Fabrízio Gentil Bueno DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 o ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 01 - (UDESC) João e Maria estão a 3m de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental IV Lentes Delgadas Objetivo Determinar as distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes.

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Posição e Coordenada de Referência Posição é o lugar no espaço onde se situa o corpo. Imagine três pontos

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Exercícios sobre Movimentos Verticais

Exercícios sobre Movimentos Verticais Exercícios sobre Movimentos Verticais 1-Uma pedra, deixada cair do alto de um edifício, leva 4,0 s para atingir o solo. Desprezando a resistência do ar e considerando g = 10 m/s 2, escolha a opção que

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO "Departamento de Licitações"

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Departamento de Licitações PROCESSO N.º 02/2009 TOMADA DE PREÇOS N.º 0/2009 ANEXO IV CRONOGRAMA FÍSICO PRAZO DE EXECUÇÃO (MESES) ITEM DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS o MÊS 2 o MÊS 3 o MÊS 4 o MÊS 5 o MÊS 6 o MÊS 7 o MÊS 8 o MÊS

Leia mais

b) A distância X, em km, entre o receptor R, no avião, e o ponto O.

b) A distância X, em km, entre o receptor R, no avião, e o ponto O. 1. (Fuvest 94) Dois carros, A e B, movem-se no mesmo sentido, em uma estrada reta, com velocidades constantes Va = 100 km/h e Vb = 80 km/h, respectivamente. a) Qual é, em módulo, a velocidade do carro

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES. Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo

GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES. Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo Com um novo conceito enraizado na inovação, a Droneng busca integrar a multidisciplinaridade no

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo.

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo. Colégio Militar de Juiz de Fora Lista de Exercícios C PREP Mil Prof.: Dr. Carlos Alessandro A. Silva Cinemática: Vetores, Cinemática Vetorial, Movimento Circular e Lançamento de Projéteis. Nível I 1] Dois

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃ INTRDUÇÃ Ótica Lentes Esféricos DEFIJI Semestre204-2 Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças das estruturas atômicas das duas

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Nas cartas topográficas o relevo é representado através de curvas de níveis e pontos cotados com altitudes referidas ao nível médio do mar (datum vertical) Ponto Cotado - é a projeção

Leia mais

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO GENERALIDADES Fotogrametria => é o processo de derivação de informação métrica de um objeto através de medições feitas em fotografias desse objeto Foto-interpretação =>

Leia mais

MODIFICAÇÃO DA PAISAGEM NA BACIA DO RIO LAVAPÉS - BOTUCATU (SP), DURANTE 17 ANOS.

MODIFICAÇÃO DA PAISAGEM NA BACIA DO RIO LAVAPÉS - BOTUCATU (SP), DURANTE 17 ANOS. MODIFICAÇÃO DA PAISAGEM NA BACIA DO RIO LAVAPÉS - BOTUCATU (SP), DURANTE 17 ANOS. Campos, S. * Barros, Z.X de ** Cardoso, L.G. ** Tornero, M.T. *** INTRODUÇÃO A cobertura vegetal do solo vem sofrendo modificações

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2 Cinemática Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção Cinemática Na cinemática vamos estudar os movimentos sem

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN (PARTE 1) ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019 PRÉ-REQUISITO: CARTOGRAFIA TEMÁTICA 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O planejamento de qualquer

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Programação de

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

FOTOGRAMETRIA: FUNDAMENTOS E PROCESSOS. LEB 450 Topografia e Geoprocessamento II Prof. Carlos A. Vettorazzi

FOTOGRAMETRIA: FUNDAMENTOS E PROCESSOS. LEB 450 Topografia e Geoprocessamento II Prof. Carlos A. Vettorazzi FOTOGRAMETRIA: FUNDAMENTOS E PROCESSOS LEB 450 Topografia e Geoprocessamento II Prof. Carlos A. Vettorazzi 1 Introdução Definição: Fotogrametria é a arte, ciência e tecnologia de se obterem informações

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas. 6. Fotografia com o Flash

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Desenho geométrico. Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta:

Desenho geométrico. Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta: Desenho geométrico Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta: Linha que estabelece a menor distância entre 2 pontos. Por 1 ponto podem passar infinitas retas. Por 2

Leia mais

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Física Óptica Geométrica parte 2 Prof. César Bastos Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Óptica Geométrica Reflexão em superfícies curvas Antes de estudar a formação de imagens em espelhos esféricos

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

APOSTILA DA DISCIPLINA DE FOTOINTERPRETAÇÃO 2 BIMESTRE DE 2004 PROF. GETULIO T. BATISTA P. 1. Sensores

APOSTILA DA DISCIPLINA DE FOTOINTERPRETAÇÃO 2 BIMESTRE DE 2004 PROF. GETULIO T. BATISTA P. 1. Sensores 1 Sensores Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto ou da superfície

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

Suprimentos originais HP

Suprimentos originais HP Suprimentos originais HP Entendendo a função dos suprimentos HP na qualidade e confiabilidade da impressão. Cada vez que você utilizar suprimentos originais HP, terá impressos produzidos por componentes

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

Exemplos de aceleração Constante 1 D

Exemplos de aceleração Constante 1 D Exemplos de aceleração Constante 1 D 1) Dada a equação de movimento de uma partícula em movimento retilíneo, s=-t 3 +3t 2 +2 obtenha: a) A velocidade média entre 1 e 4 segundos; e) A velocidade máxima;

Leia mais

BIBLIOTECA VIRTUAL APLICADA A FOTOTECA DO DECART

BIBLIOTECA VIRTUAL APLICADA A FOTOTECA DO DECART p. 001-005 BIBLIOTECA VIRTUAL APLICADA A FOTOTECA DO DECART CAROLINE MARTINS PEREIRA ANA CLÁUDIA BEZERRA DE ALBUQUERQUE BORBOREMA ALBINO FERREIRA DE FRANÇA LEONARDO MONTEIRO SILVA DIOGO JOSÉ NUNES DA SILVA

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Objetivas É uma lente óptica ou conjunto de lentes usada em conjunto com um corpo de câmera e um mecanismo para reproduzir

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais