FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos"

Transcrição

1 FOTOGRAMETRIA DIGITAL Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos

2 O que é Fotogrametria? A Fotogrametria é, segundo a American Society for Photogrammetry and Remote Sensing, a arte, ciência, e tecnologia de obtenção de informações confiáveis sobre os objetos físicos e o meio ambiente através de processos de gravação, medição e interpretação de imagens fotográficas e padrões da energia eletromagnética radiante e outros fenômenos (ASP, 1980).

3 O que é Fotogrametria? Origem e evolução. ão. Em seu curso, passou pela fotogrametria de prancheta, fotogrametria analógica, fotogrametria analítica e, posteriormente, pela sua fase atual, a fotogrametria digital (KONECNY, 1994). Obtenção, tratamento e utilização.

4 Obtenção

5

6

7 Tratamento

8

9 Definições e Aplicações Fotogrametria métrica: m trica: definição de elementos gráficos (distâncias, ângulos, áreas, volumes, elevações, formas, etc). Fotogrametria interpretativa: análise e definição de propriedades e padrões dos objetos existentes na fotografia. Fusão das duas - construção de mapas de feições baseados nas diferentes repostas espectrais fornecidas por cada uma das feições do terreno. Aplicações: ões: Através da fotogrametria torna-se possível a reconstrução de um espaço tridimensional (chamado de espaço-objeto), a partir de imagens bidimensionais (chamadas de espaço-imagem). Essa reconstrução permite a análise completa do espaço em estudo, obtendo e extraindo todas as informações que a escala de trabalho permite. Para tal fim, faz-se uso de uma extensa formulação matemática visando dar tratamento cartográfico as informações obtidas.

10 Conceitos fotogramétricos tricos Escalas; Por exemplo, para uma fotografia aérea obtida com uma câmara com distância focal f=153 mm e uma altura de vôo H=1.224 m, a escala da foto será :

11 Conceitos fotogramétricos tricos Cobertura Aerofotogramétrica trica - superposi superposição entre fotos (60%) e entre faixas (20-30%), permitindo que toda a região de interesse seja imageada, propiciando visão estereoscópica.

12 Conceitos fotogramétricos tricos Estereoscopia: Fenômeno ou técnica de se obter imagens tridimensionais a partir de imagens bidimensionais. Imagem estereoscópica é o resultado da superposição longitudinal entre duas aerofotos consecutivas. A superposição conhecida como Recobrimento Longitudinal é o percentual que uma determinada fotografia superpõe em relação a uma fotografia consecutiva em uma faixa de vôo. Visão sem estereoscopia: depende da experiência pessoal sobre profundidade visual, relevo é percebido pelo auxilio das sombras que os objetos projetam (pouco desejável em fotografias aéreas) Em terrenos de com tonalidades uniformes (ex. mata densa) e sem sombras o terreno apresenta-se como plano mesmo em uma região acidentada. Visão com estereoscopia: visualização em 3D, melhor precisão no detalhamento das feições, possibilidade da obtenção de curvas de nível e modelos digitais do terreno.

13 Par estereoscópico

14 Conceitos fotogramétricos tricos Sistemas de coordenadas: Sistemas de coordenadas de pixel; Sistema de coordenadas de imagem;

15 Conceitos fotogramétricos tricos Sistemas de coordenadas Sistemas de coordenadas de pixel e de imagem.

16 Conceitos fotogramétricos tricos Sistemas de coordenadas Sistema de coordenadas espaciais da imagem; Sistema de coordenadas do terreno;

17 Conceitos fotogramétricos tricos Sistemas de coordenadas Sistema de coordenadas geocêntricas e topocêntricas: topocêntricas: As aplicações fotogramétricas consideram o efeito da curvatura terrestre em suas rotinas de cálculos. Para tal, utilizam-se de valores de correção ou aplicação de sistemas que levam em consideração a curvatura terrestre. Sistema topocêntrico toma como referência inicial um ponto na superfície terrestre. No Brasil, este ponto pertence ao Sistema Geodésico Brasileiro e está localizado em Chuá (MG). O sistema geocêntrico vem sendo utilizado internacionalmente porque permite a padronização na confecção dos mapas -já que a referência é o centro da Terra e não um ponto em cada país.

18 Fotogrametria Digital Tratamento até o seu uso em SIG Etapas: 1. Orientação Interior; 2. Orientação Exterior; 3. Triangulação; 4. Extração do Modelo Digital de Elevação (MDE); 5. Ortoretificação; 6. Mosaico; 7. Delimitação de feições em estereoscopia - 3D (base para SIG).

19 Orientação Interior Reconstrução da geometria interior da câmera ou sensor no momento que a imagem foi obtida. Ponto Principal (o); Distância Focal (ƒ); Marcas Fiduciais; Distorção da Lente (radial e tangencial def. laboratório) Geometria Interna e variáveis associadas a uma imagem capturada por uma câmera aérea.

20 Elementos da Orientação Exterior Orientação Exterior Define a posição e a orientação angular (atitude) associada com uma imagem (relação entre sistemas de coordenadas). Conhecido O Centro da Perspectiva (O) X0,Y0, e Z0 (altitude) Os ângulos de rotação (Indicam a relação existente entre os sistemas de coordenadas): Omega (ω) = rotação ao redor do eixo fotográfico x; Phi (ϕ) = rotação ao redor do eixo fotográfico y; Kappa (κ) = rotação ao redor do eixo fotográfico z.

21 Equação de Colinearidade O vetor da imagem e o vetor do terreno são colineares, admitindo que uma linha reta se estenda desde o ponto de exposição passando pelo ponto da imagem até o ponto no terreno. Os vetores da imagem e do terreno são colineares apresentando-se um como escalar (k) múltiplo m do outro. M = Matiz de Rotação

22 Técnicas Fotogramétricas tricas Propiciam: Obtenção automática tica de elevações; Ortorretificação de imagens; Criação de pares estereoscópicos; Determinação da posição precisa de objetos; Expansão de pontos de controle. Dificuldades: Parâmetros de orientação interior para cada imagem; Parâmetros de orientação exterior para cada imagem e; Representação precisa do terreno. Objetivo: obtenção dos parâmetros de orientação interior e exterior para cada imagem do bloco de trabalho, com o menor número n possível de Pontos de Controle de Terreno (PCT) Técnicas: Ressecção espacial, Intersecção espacial sucessiva e ajuste conjunto do bloco de imagens.

23 Pontos de Controle Feições identificáveis no terreno ( (X, Y e Z conhecidas) Estabelecem relação precisa entre as imagens, a câmera ou sensor e o terreno (espaço o imagem e espaço o terreno). Teoricamente - dois PCT com X, Y e Z e um PCT Z (sete observao bservações (ERDAS 2003). Determinam: Um fator de escala (diferença a de escala entre o espaço o da imagem e o espaço o do terreno) X, Y e Z (determina as diferenças de posição entre o espaço o da imagem e o espaço o do terreno); Os três ângulos de rotação ão,, omega, phi e kappa (definem a rotação entre o espaço o da imagem e o espaço o do terreno)

24 Distribuição de Pontos de Controle de Campo (PCT) em faixas formando um bloco de imagens.

25 Pontos de Amarração Em um bloco de imagem. Em uma imagem. Fácil identificação no terreno em duas ou mais imagens (não possuem coordenadas conhecidas). Coordenadas calculadas no processo de triangulação em bloco. Bem distribuídos dos no bloco garantem a qualidade no processo de triangulação. Recomenda-se nove pontos de amarração para cada imagem do bloco (ERDAS 2003). Algoritmos de coleta automática tica de pontos de amarração.

26 Aerotriangulação e Extração automática tica do Modelo Digital de Elevação (MDE) Aerotriangulação: é a densificação de Pontos de Controle utilizados na correlação entre a imagem das fotos aéreas a e o Sistema de Coordenadas do mapeamento, partindo de poucos pontos de coordenadas conhecidas nos dois Sistemas (foto e terreno) e que serão utilizados na solução matemática tica para o ajuste do bloco de imagens. Extração automática tica do MDE: Utilizada após s o ajuste do bloco de imagem através s da aerotriagulação. Utiliza de algoritmos complexos para analisar duas imagens e determinar e determinar as coordenadas tridimensionais (X, Y, Z), no sistema de projeção do bloco de imagens. O MDE é utilizado no processo final que é a Ortoretificação.

27 Ortorretificação Produto - ortoimagem corrigida de distorções: posição do sensor, relevo e curvatura terrestre e projeção cartográfica. Ortoimagem - fotografia ou imagem com uma projeção ortográfica. (perpendicular ao terreno) Vantagens - medidas sobre a imagem correspondem às realizadas sobre a superfície do terreno. Para correção do relevo implica a necessidade de um Modelo Numérico de Elevação (MNE). Correção dos erros geométricos: Orientação da câmera e do sensor (Met. Min Quadrados); Erros sistemáticos ticos associados com a câmera ou sensor (auto-ajuste ajuste de blocos); Curvatura terrestre (triangulação em bloco); Deslocamento devido ao relevo (MNE).

28 Exemplo: Fotos aéreas a não convencionais - Antártica Bloco de imagens sem restituição digital: 1. Imagens deslocadas; 2. Sem correções; 3. Uso inadequado para mosaicos e SIG (mesmo sendo comumente utilizadas para esses fins)

29 Coleta de pontos de controle.

30 Bloco de imagens com pontos de controle representados por triângulos e pontos de amarração representados por quadrados.

31 Imagem original (à esquerda) e sua parte ortorretificada (à direita).

32 Resultado preliminar do processo de mosaicagem onde se observa as diferenças nos padrões de cores e luminosidade.

33 Linhas de corte na preparação do mosaico.

34

35

36 Utilização das ortofotos Determinação precisa de feições.

37 Utilização das ortofotos Análise tridimensional do terreno através s de softwares de SIG.

38 Utilização das ortofotos Análise tridimensional do terreno através s de softwares de SIG.

39 Utilização das ortofotos Apresentação de projetos.

40

41

42

43

44

45

46

47 Resolução interpretação - Identificação

48 Fotografias X Imagens Orbitais de alta resolução

49 Perguntas??? Pesquisa WEB: Escola Técnica federal de Santa Catarina - NOÇÕES DE AEROFOTOGRAMETRIA; Leica Geographic Imaging Jairo R. Linares Leica GIS & Mapping; FOTOGRAMETRIA & DETECÇÃO REMOTA - Miguel Baio ESTBarreiro IPS; Visão Estereoscópica, Realidade Virtual, Realidade Aumentada e Colaboração Alberto B. Raposo, Flávio Szenberg, Marcelo Gattass, Waldemar Celes; HISTORY OF PHOTOGRAMMETRY Surveying Engineering Department Ferris State University; Visão Estereoscópica, Realidade Virtual, Realidade Aumentada e Colaboração Alberto B. Raposo, Flávio Szenberg, Marcelo Gattass, Waldemar Celes; Santana, Rogério Mercandelle. Tese de Doutorado em Engenharia Civil. Universidade Federal de Viçosa, UFV, Brasil. Mapeamento de Geounidades do Meio Físico e Biótico em área da Antártica Marítima, 2006.

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA O termo fotogrametria deriva das palavras gregas photos, que significa luz, gramma, que significa algo desenhado ou escrito e metron, que significa "medir". Portanto,

Leia mais

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA Resumo Em lides que envolvem a apuração de áreas e divisas de imóveis, as atividades de conferência normalmente

Leia mais

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Introdução Com a atual popularização dos sistemas CAD, ficou muito fácil para usuários de cartografia carregarem um arquivo vetorial, oriundo de

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52

Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52 Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52 Abstract As câmeras aéreas digitais são a mais avançada tecnologia de precisão para obtenção de imagens aerofotogramétricas.

Leia mais

MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE ATRAVÉS DE IMAGENS E ORTOFOTOS GERADAS POR VANTS E FOTOGRAMETRIA

MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE ATRAVÉS DE IMAGENS E ORTOFOTOS GERADAS POR VANTS E FOTOGRAMETRIA MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE ATRAVÉS DE IMAGENS E ORTOFOTOS GERADAS POR VANTS E FOTOGRAMETRIA Guilherme Sonntag Hoerlle*, Jaerton Santini, Nicole Becker Portela, Suane Wurlitzer Bonatto,

Leia mais

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 O constante desenvolvimento de sistemas aerotransportados para captação de imagens finalmente trouxe ao mercado os modernos sensores para captação de imagens

Leia mais

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 20 CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Fotogrametria é uma sub-área das Ciências Geodésicas e abrange grande parte de todo o processo de compilação de mapas. Atualmente, a Fotogrametria

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

Projecções Cartográficas

Projecções Cartográficas Projecções azimutais Projecções Cartográficas Projecção azimutal polar ou normal (ponto de tangência é o polo) Projecção azimutal equatorial ou transversa (ponto de tangência é o equador): Projecção azimutal

Leia mais

Desenvolvimento De Uma Ferramenta Computacional Para O Processamento De Imagens Estereoscópicas

Desenvolvimento De Uma Ferramenta Computacional Para O Processamento De Imagens Estereoscópicas Desenvolvimento De Uma Ferramenta Computacional Para O Processamento De Imagens Estereoscópicas Sandro R. Fernandes Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto Politécnico 28601-970 Nova Friburgo,

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

OBTENÇÃO DE ORTOFOTOS COM FOTOGRAFIAS DE PEQUENO FORMATO UTILIZANDO DADOS DO LASER SCANNER COM MODELO DE TERRENO

OBTENÇÃO DE ORTOFOTOS COM FOTOGRAFIAS DE PEQUENO FORMATO UTILIZANDO DADOS DO LASER SCANNER COM MODELO DE TERRENO II Simpósio Brasileiro de Geomática Presidente Prudente - SP, 24-27 de julho de 27 ISSN 1981-6251, p. 957-961 OBTENÇÃO DE ORTOFOTOS COM FOTOGRAFIAS DE PEQUENO FORMATO UTILIZANDO DADOS DO LASER SCANNER

Leia mais

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Instituto Geográfico Português Direcção-Geral dos Recursos Florestais Paulo Patrício Inventário Florestal Nacional A Direcção-Geral dos Recursos Florestais

Leia mais

ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS

ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS Furquim, Maysa P.O. de; Sallem F., Silas ESTEIO Engenharia e Aerolevantamentos S.A. Rua Dr. Reynaldo Machado, 1.151 - Bairro Prado Velho 80215-242

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FOTOGRAMETRIA E DA RESTITUIÇÃO NA GESTÃO DE PROJETOS DO DER/MG

A IMPORTÂNCIA DA FOTOGRAMETRIA E DA RESTITUIÇÃO NA GESTÃO DE PROJETOS DO DER/MG A IMPORTÂNCIA DA FOTOGRAMETRIA E DA RESTITUIÇÃO NA GESTÃO DE PROJETOS DO DER/MG Élcio Carvalho dos Santos pós-graduando em MBA Gestão Estratégica de Projetos pela UNA docememo0@yahoo.com.br Leandro Pinheiro

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Prof. M.Sc. Engenharia Civil Diogo Maia diogomai@gmail.com

TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Prof. M.Sc. Engenharia Civil Diogo Maia diogomai@gmail.com TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Desenvolve a capacidade de visualização do terreno, abordando os princípios práticos e teóricos dos atuais métodos de levantamentos topográficos, bem como sua representação, com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO PONTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO PONTOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO PONTOS ÁREA: FÍSICA APLICADA 1. Mecânica Newtoniana. 2. Oscilações Mecânicas: Oscilador Harmônico Clássico. 3. Gravitação Universal.

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Msc. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Características das câmaras aerofotográficas Formato de seus negativos; Distância focal

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO

AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO ENG. CART. DOUTORANDA VIVIAN DA SILVA CELESTINO 1 PROF.DR. RONALDO DOS SANTOS DA ROCHA 2 1-

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Caixa Postal 476 - CEP:88010/970 - Florianópolis, SC {lia, lapolli, franzoni}@ecv.ufsc.br

Departamento de Engenharia Civil Caixa Postal 476 - CEP:88010/970 - Florianópolis, SC {lia, lapolli, franzoni}@ecv.ufsc.br O Ensino de Sensoriamento Remoto, Sistema de Informações Geográficas e Fotogramentria nos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Engenharia Civil na UFSC LIA CAETANO BASTOS 1 ÉDIS MAFRA LAPOLLI 1 ANA MARIA

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL

FOTOGRAMETRIA DIGITAL FOTOGRAMETRIA DIGITAL Produtos a Obter na Fotogrametria Digital: - Vôo Fotogramétrico + GPS - Fotografias Aéreas Digitais. - Aerotriangulação Digital. - Modelo Digital do Terreno. - Ortofotografia Digital.

Leia mais

Classificação em Imagens de Satélite e o Monitoramento de Hidrelétricas. Mestrando: Rafael Walter de Albuquerque Orientador: José Alberto Quintanilha

Classificação em Imagens de Satélite e o Monitoramento de Hidrelétricas. Mestrando: Rafael Walter de Albuquerque Orientador: José Alberto Quintanilha Classificação em Imagens de Satélite e o Monitoramento de Hidrelétricas Mestrando: Rafael Walter de Albuquerque Orientador: José Alberto Quintanilha Introdução Mapeamento da cobertura e uso do solo: importante

Leia mais

Protótipo de um Sistema de Medição Automática de Coordenadas de Pontos em Imagens Fotogramétricas Digitais

Protótipo de um Sistema de Medição Automática de Coordenadas de Pontos em Imagens Fotogramétricas Digitais Protótipo de um Sistema de Medição Automática de Coordenadas de Pontos em Imagens Fotogramétricas Digitais LUIZ CARLOS TEIXEIRA COELHO FILHO (ALUNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA) 1 JORGE LUÍS

Leia mais

Fotogrametria (definição clássica):

Fotogrametria (definição clássica): Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência, Arte e Tecnologia de se obterem Medidas dignas de confiança por meios de Fotografias É derivada de três palavras de origem grega que

Leia mais

Retificação de imagens digitais por partes. André Galamba Rodrigues dos Anjos 1 Daniel Carneiro da Silva 2

Retificação de imagens digitais por partes. André Galamba Rodrigues dos Anjos 1 Daniel Carneiro da Silva 2 Retificação de imagens digitais por partes André Galamba Rodrigues dos Anjos 1 Daniel Carneiro da Silva 2 1 Centro de Informática, UFPE 50670-901, Recife-PE, Brasil andregalamba@yahoo.com 2 Departamento

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

BASE CARTOGRÁFICA CONTÍNUA DO ESTADO DO AMAPÁ

BASE CARTOGRÁFICA CONTÍNUA DO ESTADO DO AMAPÁ Revista Digital Simonsen 47 Como citar: VIEIRA, Mauro Sergio. Base cartográfica contínua do estado do Amapá. In: Revista Digital Simonsen. Rio de Janeiro, n.3, Nov. 2015. Disponível em:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c)

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c) ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO Visão estereoscópica se refere à habilidade de inferir informações da estrutura 3-D e de distâncias da cena de duas ou mais imagens tomadas de posições diferentes. Conversão de

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FOTOGRAMETRIA TERRESTRE PARA MODELAGEM 3D DE IMÓVEIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA - PB.

UTILIZAÇÃO DE FOTOGRAMETRIA TERRESTRE PARA MODELAGEM 3D DE IMÓVEIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA - PB. p. 001-006 UTILIZAÇÃO DE FOTOGRAMETRIA TERRESTRE PARA MODELAGEM 3D DE IMÓVEIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA - PB. AYOBAMI IWA ZENABU BADIRU ANNA RAQUEL DIONÍSIO RAMOS LUCIANNY ROBERTA DAMASCENA DOS SANTOS GLAUCIENE

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Uso de Imagens do Satélite MODIS para o estudo Desastres Naturais

Uso de Imagens do Satélite MODIS para o estudo Desastres Naturais Uso de Imagens do Satélite MODIS para o estudo Desastres Naturais 5 Encontro com Usuários de Imagens de Satélites de Sensoriamento Remoto Manoel de Araújo Sousa Jr. manoel.sousa@crs.inpe.br 5 Encontro

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Fotogrametria. Parte 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Fotogrametria. Parte 1 UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Fotogrametria Parte 1 Recife, 2014 Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência,

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 5 CONTROLE DE QUALIDADE

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 5 CONTROLE DE QUALIDADE UD 5 CONTROLE DE QUALIDADE Qualidade É o grau de adequação do produto às suas especificações. Grau de perfeição a atingir. Pode-se também dizer que ela é a melhor forma de atender às necessidades do consumidor,

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR MEIO DE DIFERENTES PRODUTOS DE SENSORES REMOTOS

IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR MEIO DE DIFERENTES PRODUTOS DE SENSORES REMOTOS IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR Lima, K.C. 1 ; Perez Filho, A. 2 ; 1 UNICAMP Email:kleberlima@ige.unicamp.br; 2 UNICAMP Email:archi@ige.unicamp.br; RESUMO: Identificamos os

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN (PARTE 1) ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019 PRÉ-REQUISITO: CARTOGRAFIA TEMÁTICA 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O planejamento de qualquer

Leia mais

Proposta para implantação e utilização de gerenciador corporativo de imagens georreferenciadas na CEMIG

Proposta para implantação e utilização de gerenciador corporativo de imagens georreferenciadas na CEMIG 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Proposta para implantação e utilização de gerenciador corporativo de imagens georreferenciadas na CEMIG Carlos Alberto Moura Ricardo Crispim Costa Fernando Iran Fonseca

Leia mais

Geral : Geração de Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia do ribeirão Taquarussu no município de Palmas /TO.

Geral : Geração de Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia do ribeirão Taquarussu no município de Palmas /TO. TERMO DE REFERENCIA SERVIÇO DE GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE TERRENO (MDT) DA BACIA DO RIBEIRÃO TAQUARUSSU NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TO A. BACKGROUND A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins

Leia mais

Curso de Especialização em GEOPROCESSAMENTO E GEORREFERENCIAMENTO

Curso de Especialização em GEOPROCESSAMENTO E GEORREFERENCIAMENTO Curso de Especialização em GEOPROCESSAMENTO E GEORREFERENCIAMENTO ÁREA DO CONHECIMENTO: Geociência. Geotecnologia. Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações

CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações A fotogrametria é a ciência ou a arte da obtenção de medições fidedignas por meio da fotografia. A fotogrametria

Leia mais

Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br

Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br Uso de Anaglifos como Alternativa para Práticas de Estereoscopia em Sensoriamento Remoto Use of Anaglyphs as an Alternative for Stereoscopic

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA RESTITUIÇÃO FOTOGRAMÉTRICA DIGITAL URBANA: RELAÇÃO ESCALA DA FOTOGRAFIA E A RESOLUÇÃO GEOMÉTRICA DA IMAGEM

OTIMIZAÇÃO DA RESTITUIÇÃO FOTOGRAMÉTRICA DIGITAL URBANA: RELAÇÃO ESCALA DA FOTOGRAFIA E A RESOLUÇÃO GEOMÉTRICA DA IMAGEM 135 ROBERTO ELIZEU PREOSCK OTIMIZAÇÃO DA RESTITUIÇÃO FOTOGRAMÉTRICA DIGITAL URBANA: RELAÇÃO ESCALA DA FOTOGRAFIA E A RESOLUÇÃO GEOMÉTRICA DA IMAGEM Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção

Leia mais

Recuperação da cobertura aérea nacional RAF47

Recuperação da cobertura aérea nacional RAF47 >>Boletim do IGeoE N.º 72 Novembro 2010 Recuperação da cobertura aérea nacional RAF47 >Dora Roque Aluna Estagiária do Mestrado em Engenharia Geográfica dora_rq@msn.com >Prof.ª Dr.ª Paula Redweik Professora

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS E SERVIÇOS GOOGLE PARA O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS E SERVIÇOS GOOGLE PARA O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS E SERVIÇOS GOOGLE PARA O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO 1. Introdução A empresa Google Inc. nasceu em 1998, quando Larry Page e Sergey Brin,

Leia mais

Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa

Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa Comparação entre Classificações Supervisionadas em uma Imagem CBERS CCD com Bandas Multiespectrais e em uma Imagem Fusão da Mesma Imagem CBERS CCD Com uma Banda Pancromática HRC Flavio Marcelo CONEGLIAN,

Leia mais

UMA DISCUSSÃO SOBRE TÉCNICAS BASEADAS EM IMAGENS PARA LEVANTAMENTO DE EDIFICAÇÕES

UMA DISCUSSÃO SOBRE TÉCNICAS BASEADAS EM IMAGENS PARA LEVANTAMENTO DE EDIFICAÇÕES UMA DISCUSSÃO SOBRE TÉCNICAS BASEADAS EM IMAGENS PARA LEVANTAMENTO DE EDIFICAÇÕES Andrea Verri Bastian PPG-AU Faculdade de Arquitetura UFBA, Mestranda ablago@uol.com.br Resumo A restituição de uma edificação

Leia mais

MAPEAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DIGITAL: UM ESTUDO COMPARATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIABANHA NOS AMBIENTES E-FOTO E LPS ROBERTA MUNIZ LARANJA

MAPEAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DIGITAL: UM ESTUDO COMPARATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIABANHA NOS AMBIENTES E-FOTO E LPS ROBERTA MUNIZ LARANJA p. 001-007 MAPEAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DIGITAL: UM ESTUDO COMPARATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIABANHA NOS AMBIENTES E-FOTO E LPS ROBERTA MUNIZ LARANJA NATHASHA CATIUSCIA DA SILVA CORREA JORGE LUÍS

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

Globos Digitais. 1 Dglobo

Globos Digitais. 1 Dglobo Globos Digitais Introdução O sucesso do Google Earth, Microsoft Visual Earth e outros sistemas é mais do que cultuado e conhecido da comunidade cartográfica e do público que tem acesso aos mapas digitais.

Leia mais

Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem

Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem A representação do aspecto quantitativo em escala zonal considera que as quantidades se estendem por toda área de ocorrência.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Aluno: Gabriel Lins Tenório Orientadoras: Roxana Jiménez e Marley Rebuzzi Vellasco Introdução A aplicação de robôs móveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS0013 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROFESSOR(ES): Paulo Cesar Moura da Silva [ ] Obrigatória [

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia IMAGENS SAR-R99B APLICADAS NO MAPEAMENTO DO DESFLORESTAMENTO Bárbara Karina Barbosa do Nascimento; Marcelo Parise;

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DA CIDADE DO RECIFE - PE EM SIRGAS 2000

MAPEAMENTO DIGITAL DA CIDADE DO RECIFE - PE EM SIRGAS 2000 p. 001-009 MAPEAMENTO DIGITAL DA CIDADE DO RECIFE - PE EM SIRGAS 2000 MIRELE VIEGAS DA SILVA TARCÍSIO DA FONTE NEVES Prefeitura do Recife - SCDUO Diretoria de Informações DI Sistemas de Informações - Geoprocessamento

Leia mais

LISTA DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO DO CURSO SENSORIAMENTO REMOTO

LISTA DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO DO CURSO SENSORIAMENTO REMOTO 1977 Autor: Luiz Toshio Takaki Orientador: José Humberto de Andrade Sobral Mapeamento térmico da superfície do mar utilizando imagens digitalizadas VHRR satélites série NOAA. Data de Defesa da Dissertação:

Leia mais

Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo

Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo XII Curso de Especialização em Geoprocessamento 2010 UFMG Instituto de Geociências Departamento de

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GEODÉSICAS LABCIG http://www.labcig.ufsc.br/ CIÊNCIAS GEODÉSICAS: CONHECIMENTOS RELEVANTES PARA A ENGENHARIA CIVIL

LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GEODÉSICAS LABCIG http://www.labcig.ufsc.br/ CIÊNCIAS GEODÉSICAS: CONHECIMENTOS RELEVANTES PARA A ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GEODÉSICAS LABCIG http://www.labcig.ufsc.br/ CIÊNCIAS GEODÉSICAS: CONHECIMENTOS RELEVANTES PARA A ENGENHARIA CIVIL Palestrante: Dr. SÁLVIO JOSÉ VIEIRA Engo. Civil, Sanitarísta e

Leia mais

POTENCIALIDADES DO AEROLEVANTAMENTO NO MEIO URBANO

POTENCIALIDADES DO AEROLEVANTAMENTO NO MEIO URBANO POTENCIALIDADES DO AEROLEVANTAMENTO NO MEIO URBANO ANTONIO JORGEFURQUIM Eng. Cartógrafo http://fotosefotos.com AEROFOTOGRAMETRIA Voo Apoiado (GPS/IMU) AEROFOTOGRAMETRIA ADS 52 Câmera Digital Grande Formato

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

Geração de fotografias aéreas de pequeno formato e mosaicos georreferenciados no monitoramento rodoviário da BR-101

Geração de fotografias aéreas de pequeno formato e mosaicos georreferenciados no monitoramento rodoviário da BR-101 Geração de fotografias aéreas de pequeno formato e mosaicos georreferenciados no monitoramento rodoviário da BR-101 Stella Procopio da Rocha 1 Elizabeth Maria Feitosa da Rocha de Souza 1 Annete Pic 1 Luiz

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA FUNDAMENTOS DE AEROFOTOGRAMETRIA APLICADA À TOPOGRAFIA PROF. LUIZ CARLOS A. DE A. FONTES

Leia mais

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2.1. Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens entende-se como a manipulação de uma imagem por computador de modo que a entrada

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima²

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² ¹Tecnóloga em Geoprocessamento, Assistente em Geoprocessamento, Primegeo, Goiânia-GO,

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

Áreas de risco por inundação na área da região urbana do município de Novo Hamburgo - Vale dos Sinos - RS

Áreas de risco por inundação na área da região urbana do município de Novo Hamburgo - Vale dos Sinos - RS Áreas de risco por inundação na área da região urbana do município de Novo Hamburgo - Vale dos Sinos - RS 1* Roberto Naime, 2 Paulo Roberto Coutinho Marques de Almeida 1 Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

TOPOCART: Cartografia, Engenharia, Meio Ambiente e Urbanismo a serviço do desenvolvimento.

TOPOCART: Cartografia, Engenharia, Meio Ambiente e Urbanismo a serviço do desenvolvimento. TOPOCART: Cartografia, Engenharia, Meio Ambiente e Urbanismo a serviço do desenvolvimento. Equipe Técnica 300 Profissionais: Engenheiros Civis, Agrônomos, Agrimensores, Cartógrafos e Ambientais Arquitetos,

Leia mais

Prospects & Challenges of Business in the Brazilian Geospatial Industry Perspectivas e Desafios de Negócios na Industria Geoespacial Brasileira

Prospects & Challenges of Business in the Brazilian Geospatial Industry Perspectivas e Desafios de Negócios na Industria Geoespacial Brasileira Prospects & Challenges of Business in the Brazilian Geospatial Industry Perspectivas e Desafios de Negócios na Industria Geoespacial Brasileira Claudio Simão President, Hexagon South America & Asia Pacific

Leia mais

Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais Jorge Pereira Santos 1ª versão - 2013 Processamento Digital Geotecnologias e Software Livre www.processamentodigital.com.br

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE IMAGENS IKONOS UTILIZANDO A TRANSFORMAÇÃO MATEMÁTICA APM AFFINE PROJECTION MODEL

ORIENTAÇÃO DE IMAGENS IKONOS UTILIZANDO A TRANSFORMAÇÃO MATEMÁTICA APM AFFINE PROJECTION MODEL ORIENTAÇÃO DE IMAGENS IKONOS UTILIZANDO A TRANSFORMAÇÃO MATEMÁTICA APM AFFINE PROJECTION MODEL Jorge Dirceu Melo de Cerqueira 1 Ana Lúcia Bezerra Candeias 2 Daniel Carneiro da Silva 3 3ª Divisão de Levantamento

Leia mais

MODERNAS TECNOLOGIAS PARA COLETA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS. Antonio Maria Garcia Tommaselli 1

MODERNAS TECNOLOGIAS PARA COLETA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS. Antonio Maria Garcia Tommaselli 1 MODERNAS TECNOLOGIAS PARA COLETA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS Antonio Maria Garcia Tommaselli 1 Abstract: The aim of this paper is to present the current status of the sensors for spatial data acquisition

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-1 Objetivos Conhecer o professor e o curso Importância do ENADE Iniciação Científica Importância da Topografia Conhecer mais sobre a Terra O que é topografia

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

Controle de Qualidade de Dados Geoespaciais

Controle de Qualidade de Dados Geoespaciais EXÉRCITO BRASILEIRO Departamento de Ciência e Tecnologia Exército Brasileiro Controle de Qualidade de Dados Geoespaciais São Paulo SP, 30 de Maio de 2012 EXÉRCITO BRASILEIRO Departamento de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Apostila de Física 39 Lentes Esféricas

Apostila de Física 39 Lentes Esféricas Apostila de Física 39 Lentes Esféricas 1.0 Definições Lente Sistemas ópticos de maior importância em nossa civilização. Lente esférica Sistema óptico constituído por 3 meios homogêneos e transparentes

Leia mais

Avaliação de Modelos Digital de Elevação para aplicação em mapeamento digital de solos na região do município de Quatá/SP

Avaliação de Modelos Digital de Elevação para aplicação em mapeamento digital de solos na região do município de Quatá/SP Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 793-799 Avaliação de Modelos Digital de Elevação para aplicação em mapeamento digital de solos na região do município de Quatá/SP Jonas de Assis Cinquini 1 Jener

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO

DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO Giovani Eduardo Braga(1) Leonardo Santana O. Dias(2) Carlos Alberto

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais