1 Introdução. 1.2 Pioneiros da Fotogrametria

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Introdução. 1.2 Pioneiros da Fotogrametria"

Transcrição

1 Ficha 1 de Fotogrametria 1 Introdução 1.1 Definição A palavra FOTOGRAMETRIA, deriva de três palavras de origem grega, tem o seguinte significado: Luz, descrição e medidas. Ela pode ser definida como a ciência e a arte de se obterem medidas dignas de confiança por meio de fotografias. Uso mais comum da Fotogrametria é na preparação de mapas plani-altimétricos a partir de fotos aéreas. A Fotogrametria tem sido usada nos estudos e nas explorações do espaço. Vestígios de furacões e outros distúrbios da natureza que se movem através da Terra podem ser observados e estudados através da Fotogrametria. Quando alguém examina uma fotografia aérea, acha muito razoável que as posições dos objetos nela observados sejam facilmente determinados. Além disso é possível determinar-se a altura de prédios, montanhas, árvores, etc.. As elevações ( vistas em 3ª dimensão) são usualmente representadas em mapas por meio de curvas de nível (linha que na superfície da Terra possui uma elevação constante a partir de um plano de referência). As fotografias são colocadas em projetores cujas posições e altitudes podem ser ajustadas de maneira a restabelecer a posição e altitude da câmara aérea no momento em que a fotografia foi tomada. As posições e elevações determinadas pela Fotogrametria são de razoável precisão. É perfeitamente possível locar um ponto com um erro menor do que 1,00 metro a partir de fotografias tomadas a uma altitude acima de 2000 metros. Muito associada à Fotogrametria está a Fotointerpretação. Esta envolve a determinação da natureza e descrição dos objetos que aparecem na fotografia. 1.2 Pioneiros da Fotogrametria Desde as mais primitivas civilizações, o homem procurou obsaervar a Terra e mapeá-la. Um grande desenvolvimento neste setor de observações e mapeamentos aconteceu durante a Primeira Grande Guerra quando o homem necessitou de maiores e melhores informações para fins militares. Com esse desenvolvimento, o trabalho do topógrafo na Terra foi diminuindo e os custos decresceram. O grande avanço ou desenvolvimento no século 20 em cartas e mapas foi, sem dúvida nenhuma, devido ao uso de fotografias aéreas. Mas, a aplicação da fotografia começou há mais de um século, quando os cientistas franceses NIEPCE e DAGUERRE deram as primeiras notícias sobre o assunto publicamente. O primeiro trabalho prático de fotografia aérea, isto é, o uso de uma máquina fotográfica para problemas de observação começou com Aimé LAUSSEDAT no ano de 1850, enquanto trabalhava como oficial engenheiro do exército francês. LAUSSEDAT, que é considerado como o Pai da Fotogrametria. Foram desenvolvidos vários estudos desde essa época, mas grandes desenvolvimentos surgiram na 2ª Guerra Mundial. 1.3 Aplicações da Fotogrametria além do Mapeamento Porque a maioria das aplicações dos métodos fotogramétricos tem ocorrido na arte do mapeamento, pensa-se geralmente que a Fotogrametria é a ciência das medidas para os inventários da superfície da Terra. Entretanto, a Fotogrametria pode ser usada em diferentes campos. Em Geologia, as aplicações da Fotogrametria são numerosas e muito bem documentadas. A revista Photogrammetric Engineering, no número de dezembro de 1947, dedicou um capítulo inteiro sobre as aplicações da Fotogrametria em Geologia. Em Agricultura as fotografias aéreas oferecem uma enorme quantidade de dados sobre a Terra. Pode-se medir o tamanho de uma propriedade agrícola, estudar o uso atual da terra, determinar o tipo e a

2 qualidade dos solos, planejar o controle de erosão, programar reflorestamentos, planejar o uso da terra, etc... No Planejamento de Cidades e Desenvolvimento Urbano, todos os estudos são feitos através de fotos aéreas. Estudam-se se os melhoramentos para o tráfego, aumentos de áreas de estacionamento, aumento de utilidades públicas, tais como parques, etc... Na Medicina e Cirurgia fotografias de Raios X são utilizadas para diagnosticar e tratar algumas condições médicas. A localização e medidas das fraturas, crescimento de corpos estranhos ao corpo humano são frequentemente acompanhados através da Fotogrametria. No campo da Odontologia, as cavidades e anormalidades com os dentes tem sido estudadas principalmente através da fotogrametria. Na arquitetura e escultura, os processos estereoscópicos e fotográficos são usados para delinear e duplicar r a arte da gravura, modelos e esculturas. No campo da astronomia e tecnologia do espaço, a fotogrametria é largamente aplicada e tem uma função bastante importante. Em muitos outros interessantes campos, as técnicas fotogramétricas podem ser aplicadas. 1.4 Progresso Educacional na Fotogrametria A Fotogrametria começou a ser lecionada nos Estados Unidos em No Brasil, várias universidades já introduziram no seu currículo a disciplina Fotogrametria. Órgãos governamentais e instituições particulares foram criados, para desenvolver projetos de todo tipo, usando as sofisticadas técnicas da Fotogrametria e dos Sensores Remotos. Um exemplo: O Projeto RADAM-BRASIL ( antigo Projeto Radam) desenvolvido pela LASA, a qual foi contratada pelo Ministério de Minas e Energia. Outro órgão federal que vem desenvolvendo pesquisas de alto nível em Sensores Remotos é o INPE, o qual desenvolve curso de pós-graduação. 1.5 Maiores Problemas da Fotogrametria As dificuldades que os fotogrametristas encontram para obterem em medidas precisas e cópias seguras, de mapas em outras datas diferentes daquela em que as fotos foram feitas e obtidas são: a) As condições para obter e preservar os negativos são raramente ideais; b) A transferência de informações contidas nos negativos originais para os mapas compilados raramente pode ser feita com completa exatidão; c) A superfície da Terra não é plana, horizontal e lisa.

3 1.6 Categorias da Fotogrametria A fotogrametria é freqüentemente dividida em categorias de acordo com o tipo de fotografias usadas ou a maneira como são utilizadas. Assim, temos duas categorias; a) Fotogrametria terrestre neste caso as fotografias são tiradas da Terra, com o eixo ótico da câmara da horizontal. São também chamadas fotografias horizontais. b) Fotogrametria aérea existe em geral dois tipos de fotografias aéreas: fotografias verticais e fotografias oblíquas. As fotografias oblíquas estão divididas em: oblíqua alta e oblíqua baixa. Existem outras classificações: de acordo com a localização, com o sistema, com a unidade, com a distância focal, com escala e com o tipo de filme. 2 - Plano de Vôo Aerofotogramétrico Câmaras e Fotografias 2.1 Câmaras Aéreas Os dois tipos de câmaras, aérea e terrestre, possuem a mesma função, ou seja, a obtenção de fotografias, porém com exigências diferentes. Apresentamos logo a seguir as mais importantes diferenças quanto as exigências. A câmara terrestre permanece estacionada durante o momento da exposição. Assim podem ser usados neste caso, filmes de baixa velocidade e emulsão de granulação fina. A câmara aérea encontra-se em movimento durante o momento da exposição. Portanto a exposição deve ser mais curta possível. Tal câmara necessita de lentes rápidas, alta velocidade, obturador digno de confiança e um filme com emulsão para alta velocidade.

4 2.2 Características das Câmaras Aéreas As câmaras aéreas com lentes simples têm em comum os seguintes principais componentes: a) Lentes b) Cone das Lentes c) Obturador d) Corpo da Câmara e) Mecanismo de Operação f) Magazine As lentes das câmaras aéreas precisam ter discriminados seus padrões de acuicidade características acterísticas de distorsão e distância focal. As distâncias focais mais comumente encontradas nas câmaras aéreas são: 88, 100, 131, 153, 210 e 305 mm. 2.3 Requerimentos de Precisão para as Câmaras Aéreas Todas as máquinas fotográficas aéreas usadas com o propósito de mapeamento possuem as marcas fiduciais, também chamadas marcas de colimação, as quais são registradas no negativo, em cada exposição, no meio dos quatro lados da fotografia. Essas marcas podem ser de vários tipos, as quais são projetadas em direção ao centro da fotografia. A intersecção das duas linhas que unem as marcas fiduciais opostas estabelecem o centro geométrico (centro ótico) e também o eixo geométrico da fotografia. O eixo X da fotografia é usualmente a linha de vôo e o eixo Y é perpendicular à linha de4 vôo. É desejável que o ponto principal da fotografia coincida com o centro geométrico da máquina fotográfica. Portanto, para que uma máquina fotográfica seja aprovada para a produção de fotografias requeridas para fins de mapeamento, deve ser testada e calibrada por órgãos especiais como o Bureau of Standard nos Estados Unidos e o National Research Council no Canadá. Depois de testada e calibrada, a organização entrega ao interessado o certificado de precisão da máquina fotográfica.

5 2.4 Exemplos de Câmaras Aéreas para Mapeamento Tipo Formato (cm) Velocidade do Distância Focal Lentes Obturador (cm) Zeiss RMK 21/28 18x18 21 Zeiss Topar Zeiss RMK 60/23 23x23 60 Zeiss Telikon Zeiss RMK 23x23 30 Zeiss Topar 30/23 Zeiss RMK 21/23 23x23 1/100 a 1/ Zeiss Toparon Zeiss RMK A 23x23 15 Zeiss Pleogon para 15/23 fotos coloridas, infravermelhas e pancromáticas Zeiss 24 RMK 18x18 1/ Zeiss Topar 21/18 Wild RC x23 1/100 a 1/ Aviogon Wild RC 9 23x23 1/300 8,85 Super Aviogon Wild RC 1B 23x23 1/75-1/5001/ Distorção até 10 Campo Angular Abertura das lentes 63º f 5,6 31º f 6,3 57º f 6,3 75º f 6,3 94º 5,6;8; até 8 60º 4 até º 5,6;8;11 93º 6,3 2.5 Fotografias Aéreas Natureza das Fotografias Aéreas As fotografias aéreas, tais como são, não podem ser consideradas como mapas, mas por métodos fotogramétricos, usando-se se a geometria sólida e plana, pode-se fazer mapas planimétricos e topográficos a partir de fotografias Tirando Fotografias Aéreas Para se tirarem fotografias aéreas, é necessária uma combinação muito bem integrada: do conveniente avião, da precisão da máquina fotográfica e seus acessórios e umas grande habilidade pessoal dos operadores.

6 2.5.3 Distorção É a reprodução deformada do objeto fotografado. Assim se uma fotografia reproduz por duas vezes a imagem de um mesmo objeto, este se apresenta mais deformado e menor quanto mais distanciado está do centro da fotografia. A variação na altitude do vôo acarreta distorção; quando uma estação está acima ou abaixo da outra, há variação da escala e distorção. A distorção afeta a posição dos detalhes da imagem, mas não a qualidade da imagem. 2.6 Plano de Vôo Aerofotogramétrico Elementos Básicos para um Plano de Vôo Os Elementos básicos para um plano de vôo são: altura de vôo acima do plano de referência; distância entre sucessivas exposições; distância entre linhas de vôo. Para uma dada altura de vôo, um largo ângulo de cobertura ou uma pequena distância focal permitiria aumentar a distância entre exposições. Aumentando-se a distância focal e a altura de vôo consegue-se um decréscimo considerável na variação da escala. Duplicando-se o tamanho da distância focal, f, deve-se e quadruplicar o número de fotos requeridas para cobrir uma data área. A altura de vôo, para o recobrimento fotográfico de uma área, não deve ser inferior a 300 metros de altura. Isso porque abaixo dessa altitude as perturbações atmosféricas são bem maiores. Quanto maior a altitude, menores serão as perturbações atmosféricas.

7 Quando se têm fotografias ampliadas ou reduzidas, portanto, escala diferente da foto original, deve-se levar em consideração a distância focal dessas fotografias (F). Essa distância focal pode ser obtida pela fórmula: F = n.f Onde: F = distância focal da fotografia ampliada ou reduzida, f = distância focal da câmara aérea, n = coeficiente de aumento ou redução A escala também sofre variação devido às diferenças no relevo do terreno Exemplo: Um aclive constante da superfície quando são tomadas fotografias a baixa altitude Missão de Vôo Quando uma área está para ser fotografada, deve ser feito um estudo de todos os mapas e fotografias disponíveis que poderão ajudar no planejamento do vôo. As informações necessárias para um plano de vôo consistem em: a) Área a ser fotografada; b) Distância focal l das lentes; c) Escala desejada para as fotografias; d) Recobrimento longitudinal e lateral; e) Velocidade do avião; f) Mapa de vôo. Essas informações possibilitam o cálculo da: a) Altitude do avião acima do nível do mar; b) Área a ser coberta por cada fotografia; c) Intervalo de tempo entre exposições; d) Número de linhas de vôo; e) Número de fotografias Custo de um Plano de Vôo No custo de um plano de vôo ou de um projeto leva-se em conta os seguintes elementos: 1) Custo do avião / piloto; 2) Custo da máquina / fotógrafo; 3) Viagem de ida e volta até a área; 4) Custo de negativos e positivos; 5) Custo de cópias.

8 3 Estereoscopia 3.1 Generalidades A Estereoscopia está intimamente ligada ao campo da Fotogrametria, bem como ao da Fotointerpretação. Estereoscopia é a ciência e a arte que permite a visão estereoscópica ( terceira dimensão) e o estudo dos métodos que tornam possíveis esses efeitos. A sua aplicação em Fotogrametria está no uso das fotografias em instrumentos óticos, com o propósito de observação e obtenção de medidas dignas de confiança. A visão estereoscópica permite a percepção de profundidade no intervalo correspondente à distância interpupilar do observador (± 7 cm). A profundidade é dada pela diferença de ângulos com que as imagens são recebidas. As fotografias aéreas são tomadas de tal maneira que um mesmo objeto aparece em duas fotografias sucessivas, tiradas de ângulos diferentes. Uma vez feita a fusão das duas imagens, obtém-se a percepção estereoscópica (3ª dimensão). Cada posição do avião ao bater a foto corresponderá a cada um dos olhos e permitirá a visão estereoscópica. O jogo de duas fotografias, com essas características, é chamado estereopar. Normalmente, nas fotografias aéreas, o recobrimento horizontal (linha de vôo) é de 60% e o lateral (entre faixas de vôo) é de 30%.

9 3.2 Métodos de Percepção Estereoscópica i)visualização Anaglífica Utiliza um par estereoscópico em cores complementares (verde e vermelho), obtendo-se a 3ª dimensão com a utilização de óculos com filtros nas ditas cores complementares. Este tipo é empregado nos instrumentos Multiplex, Balplex e Kelsh Ploter. ii)visualização Polaróide É usualmente obtida através de Vectógrafo. Obtem-se a 3ª dimensão por meio da luz polarizada. Sendo uma fotografia iluminada e projetada numa tela polarizada, tendo o eixo de polarização vertica e a outra fotografia o eixo de polarização na horizontal. A imagem resultante é transformada numa simples impressão tridimensional. iii) Imagem Estereoscópica (Estereograma) Um estereograma pode ser definido como um par estereoscópico de fotografias ou desenhos corretamente montado e orientado para uma observação estereoscópica. O conjunto pode ser fotografado novamente em branco e preto ou colorido e reproduzido. Quando se faz a reprodução, deve-se tomar o cuidado com a orientação e o espaçamento das fotografias. 3.3 Tipos de Estereoscópios Os instrumentos usados no estudo de fotografias aéreas em 3ª dimensão estão agrupados em dois grupos gerais: a) Estereoscópio de lente ou de bolso.

10 b) Estereoscópio de espelho ou de reflexão. 4 Geometria Básica para Fotografias Aéreas 4.1 Generalidades Geralmente, presume-se se que as fotografias aéreas possuam alguns graus de inclinação (tilt) e swing. Inclinação (tilt) é o ângulo formado entre o eixo da máquina fotográfica e a linha vertical e swing é a direção do tilt com respeito ao eixo geométrico da fotografia. Nas fotografias obtidas com equipamento moderno e executado por uma tripulação bem treinada, o deslocamento da imagem ou erros devido à inclinação é relativamente pequeno e dentro dos limites de trabalho a que se propõe a fotografia aérea. 4.2 Geometria da Fotografia A Figura abaixo apresenta um esquema com a geometria de uma fotografia aérea perfeitamente na vertical.

11 4.3 Escalas das Fotografias e dos Mapas (Coordenadas Terrestres e Fotográficas, Deslocamentos das Imagens e suas Medidas) A escala do mapa ou da fotografia é usualmente definida como a relação entre o comprimento de uma linha ou a distância no mapa ou fotografia e a correspondente distância medida na Terra. É representada em termos de fração. Se a escala de um mapa ou fotografia é 1:5000, significa que 01 cm no mapa ou fotografia corresponde a 5000 cm na Terra ( 1cm = 50 m). Pela geometria básica, a relação entre as coordenadas fotográficas e as terrestres elimina todo o problema levantado pela variação da escala devido às diferenças de elevações dos diferentes pontos da Terra. 4.4 Paralaxe e suas Medidas Paralaxe é o deslocamento aparente da posição de um objeto causada pela mudança do ponto de observação, tendo como referência uma linha ou um ponto, tais como os eixos geométricos que ligam as marcas fiduciais opostas. A paralaxe é medida ao longo do eixo X nas fotografias de recobrimento, quando são fotografias verticais, caso contrário, vai existir paralaxe tanto no eixo X (linha de vôo), como no eixo Y (perpendicular à linha de vôo). A fórmula para a paralaxe no eixo X é: p = x x 1, onde: p = paralaxe absoluta; x = medida na fotografia à esquerda; x 1 = medida na fotografia à direita.

12 4.5 Barra de Paralaxe É o instrumento que mede a paralaxe absoluta, sendo constituída essencialmente por um micrômetro em forma de barra que pode às vezes ser solidário ao estereoscópio. A barra de paralaxe pode ser usada com o estereoscópio de bolso e com o de espelho. Na barra são fixadas duas placas pequenas de vidro, contendo cada uma no centro um ponto chamado ponto flutuante ou marca de medição. Uma das placas é solidária com a barra, enquanto a outra pode mover-se na direção do eixo longitudinal (eixo X ou linha de vôo), quando se gira um parafuso denominado micrômetro; pode-se, dessa maneira, variar a distância entre as placas de medição. O curso do parafuso é normalmente de 35mm. O eixo guia traz as divisões em milímetros enquanto o parafuso micrométrico possui divisões com intervalo de 0,05 mm, permitindo fazer estimativa até da ordem de um centésimo de milímetro. Cada giro completo do parafuso corresponde a um intervalo de curso de 1mm. Como usar a Barra de Paralaxe: 1 Orientar as fotografias na linha de vôo;

13 2 Visualizar a superfície terrestre. Girar o estereoscópio para ver se os pontos se separam na direção y; 3 Começar separadamente com os pontos para a direita; 4 Fazer coincidir os dois pontos movendo-se o ponto flutuante da direita para a esquerda; 5 Assim que houver a coincidência, parar o movimento do ponto da direita; 6 Fazer a leitura para os pontos, mais altos e mais baixo, deslocando-se o ponto flutuante, sempre da esquerda para a direita; 7 Usar sempre o mesmo instrumento durante os trabalhos de um projeto; 8 O ponto a ser observado deve ser bem nítido, livre de qualquer obstáculo. 9 Fazer três leituras para cada ponto; levar o ponto da direita para a esquerda, retornando em seguida para a nova leitura. A diferença máxima entre as leituras deve ser 0,03 mm. Como a finalidade da barra de paralaxe não é medir distância, mas a diferença de distância, os números que aparecem na escala de leitura não correspondem necessariamente à distância entre as duas marcas de medição; a escala é, além disso, invertida em muitas barras; assim ao diminuir a distância entre as marcas, aumenta-se o valor lido. É este o caso, por exemplo, do estero-micrômetro da Zeiss, cuja escala invertida é graduada de 0 a Determinação de Alturas A determinação de alturas baseada em fotografias aéreas pode ser feita de três maneiras: i - Determinação da Altura devido ao Deslocamento dos Objetos O deslocamento exagerado de objetos altos, situados nos bordos de fotografias aéreas verticais, muitas vezes permite a medida exata da altura dos objetos através de uma única fotografia. ii - Uso da Barra de Paralaxe A paralaxe diferencial é usualmente medida estereoscopicamente, através da barra de paralaxe, usando-se o princípio do ponto flutuante. Entretanto a paralaxe diferencial pode ser calculada pela medida direta com régua, quando as imagens são excessivamente deslocadas. iii - Método das Sombras Foi visto previamente que a altura de diferentes objetos pode ser determinada devido ao deslocamento da imagem a partir de uma única fotografia ou, medindo-se as diferenças de paralaxe num par estereoscópico sob condições especiais, a altura, também, pode ser determinada a partir do comprimento das sombras. Devido à grande distância entre o sol e a Terra, os raios solares são considerados paralelos para a área representada na fotografia aérea vertical. Assim, o comprimento da sombra de um objeto será diretamente proporcional à sua altura.

14 4.8 Precisão na Determinação de Alturas A precisão das medidas de alturas depende de um certo número de fatores, incluindo a habilidade do indivíduo na percepção estereoscópica da paralaxe. Maiores precisões podem ser obtidas em terrenos planos onde a mudança da escala da foto é menor. Para que se possa obter medidas precisas de alturas: 1 Em terreno com topografia irregular, é necessário calcular a escala exata e a altura de vôo para cada par estereoscópio; 2 uma vez alinhado um par de fotografias para estudos estereoscópicos, este precisa ser bem fixado, de maneira a não se movimentar, pois ligeiros movimentos causarão grandes erros; 3 repetir as leituras das diferentes medidas, no mínimo três vezes e usar a média dos mesmos no cálculo da altura. 5 Instrumentos de Restituição Generalidades Em áreas onde a superfície terrestre é plana, a escala das fotografias pode ser considerada como precisa para diferentes propósitos. Nesses casos, muitas vezes pode-se obter um mapa, fazendo-se uma cópia direta da fotografia; entretanto, não pode ser considerado o como um mapa verdadeiro. Embora a fotografia aérea nos proporcione uma correta leitura de ângulos, as mudanças frequentes de escala horizontal nos impedem de obter medidas precisas de distâncias. Assim, a alternativa é transferir os detalhes da fotografia para mapas planimétricos com escala uniforme. MAPA PLANIMÉTRICO é aquele que nos dá a posição horizontal correta de todas as características naturais e culturais do terreno. MAPA TOPOGRÁFICO - é aquele que, além de nos dar a posição correta, nos dá a elevação das características naturais e culturais através das curvas de nível.

15 Os detalhes de uma fotografia podem ser transferidos para qualquer mapa já existente, os quais podem ser obtidos em diferentes instituições, como por exemplo, o IGG ( Instituto Geográfico e Geológico). Um tipo de mapa a ser confeccionado depende de uma série de fatores, entre os quais o grau de precisão requerido para os resultados, a disponibilidade de instrumentos apropriados, etc... As operações necessárias para se confeccionar o mapa são: a) eliminação dos deslocamentos de imagem devido ao relevo; b) compensação da escala geral de cada foto em relação à escala do mapa. A escala deve ser arredondada e não muito diversa da escala aproximada das fotografias; c) correções dos deslocamentos das imagens devido à inclinação (As fotografias não devem ter inclinação maior que 3º ); d) determinação da orientação real das imagens de cada foto em relação às imagens das outras fotos e de todo o conjunto em relação ao norte; e) eventual ligação da área do mapa ao sistema de coordenadas geográficas. O processo de estabelecimento da posição correta, em um mapa, das várias imagens fotográficas, executando as operações com a finalidade de corrigir os itens descritos acima, chama-se RESTITUIÇÃO. O primeiro passo para efetuar a restituição será o de determinar uma rede, suficientemente densa, de pontos de controle planimétrico, isto é, de pontos facilmente identificáveis nas fotos e oportunamente dispostos, dos quais se conhece as exatas posições planimétricas do terreno. Depois de estabelecidos os pontos de controle e representados na FOLHA-BASE, na escala requerida, por meio de suas coordenadas, será possível transferir corretamente à folha os vários pormenores fotográficos de importância cartográfica. Um levantamento completo no terreno, de tais pontos de controle, por meio dos métodos topográficos normais seria difícil, custoso e demorado. É, portanto, vantajoso aplicar um método de laboratório, por meio do qual, baseando-se em um número limitado de pontos de controle no terreno, seja possível estabelecer um número grande de pontos suplementares de controle. 5.2 Triangulação Radial Gráfica A triangulação radial gráfica pode ser realizada através de três métodos: 1 Método dos moldes transparentes, 2 Método dos moldes fissurados, 3 Método com moldes metálicos. O primeiro método apresenta a vantagem de não necessitar de equipamentos especiais, com as desvantagens de ser muito trabalhoso e demorado.

16 Sequência da Triangulação Radial Gráfica 5.3 Controles Terrestres para Plantas Topográficas Antigamente a compilação de plantas topográficas dependia totalmente de trabalhos de campo. Tais mapas são agora produzidos por métodos fotogramétricos e trabalho de campo; neste, determinam-se os pontos de controle terrestre, os quais são necessários aos trabalhos executados nos instrumentos estereorestituidores. Os pontos de controle na Terra devem ter sua posição cuidadosamente locada mostrando a longitude, a latitude e a elevação acima do nível médio dos mares. O controle horizontal é necessário para que e se possa manter a escala correta, a posição e a orientação do mapa. Para essa finalidade, dentro da área a ser mapeada determina-se uma rede de coordenadas composta de muitos pontos através da observação de campo. Da mesma maneira os controles verticais são necessários para a localização correta das curvas de nível. 5.4 Obtenção de Mapas Topográficos a partir de Cópias Fotográficas Os fotointérpretes interessados em manter mapas diretamente das fotografias visam outros tipos de instrumentos que não exigem a confecção de diapositivos. Um desses instrumentos é o ESTEREOTOPO ZEISS (Figura), que é um estereoplotador compacto, composto de: um estereoscópio de espelho colocado sobre uma plataforma móvel, sobre a qual é fixado o par estereoscópico de fotografias; uma barra de paralaxe e um pantógrafo. O estereotopo é usado principalmente na confecção de mapas topográficos com escala no intervalo de 1:25000 até 1: A relação recomendada entre a escala do mapa e a escala da

17 foto é aproximadamente 0,7 X a 1,6 X. A marca flutuante permanece estacionária no centro da ocular de observação enquanto as correções das paralaxes X ey são feitas movendo-se a plataforma. 5.5 Instrumentos Estereoplotadores Os aparelhos utilizados na restituição são chamados de ESTEREOPLOTADORES, e são instrumentos próprios para fornecer soluções analógicas, hoje soluções digitais, para posições de pontos a partir de posições correspondentes em par de fotografias. Em geral os componentes ótico-mecânicos e digitais são de alta precisão, oferecendo resultados de alta qualidade. O conceito básico desses aparelhos considera dois projetores especiais com seus eixos óticos na perpendicular. Como instrumentos podemos citar: Estereotopo Zeiss, Kelsh Plotter, Balplex, Planicart E2 Zeiss, PG2 Kern, Restituidor Digital. (Figuras) Estereotopo ZEISS Projetores do Tipo BALPEX PLANICART E-2 CARL ZEISS

18 Estereoplotador PG-2 KERN UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Estereoplotador KELSH KPP-3B DP1 CARL ZEISS 5.5 Mosaico Um Mosaico aerofotográfico é a reunião de duas ou mais fotografias, recortadas e sitematicamente coladas para formar uma vista geral da área que foi fotografada. O mosaico da a aparência de uma simples fotografia, mostrando entretanto toda a área coberta. Os mosaicos são particularmente usados em estudos de recursos naturais. Áreas com depósito de materiais usados em construção, tais como pedra, areia, cascalho e madeira, são freqüentemente determinados através de estudos feitos em mosaicos. Os mosaicos podem ser convenientemente agrupados em duas categorias gerais: controlado e não controlado. O mosaico controlado é uma reunião de fotografias retificadas, pela ajuda dos pontos de controle e triangulação radial, sendo os erros eliminados e medidas reais podem ser obtidas. Com um mosaico não controlado, os detalhes fotografias são acertados sem a ajuda a dos pontos de controle e da triangulação radial. Neste caso, somente a área central de cada fotografia deve ser usada, não devendo ser feitas medidas de distância sobre os mesmos.

19 Mosaico não-controlado mostrando a cidade de Piracicaba SP BIBLIOGRAFIA MARCHETTI, Delmar A B. e GARCIA, Gilberto J., PRINCÍPIOS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO, 1ª Edição, 1977, Livraria Nobel S/A.

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Msc. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Características das câmaras aerofotográficas Formato de seus negativos; Distância focal

Leia mais

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Introdução Com a atual popularização dos sistemas CAD, ficou muito fácil para usuários de cartografia carregarem um arquivo vetorial, oriundo de

Leia mais

Fotogrametria (definição clássica):

Fotogrametria (definição clássica): Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência, Arte e Tecnologia de se obterem Medidas dignas de confiança por meios de Fotografias É derivada de três palavras de origem grega que

Leia mais

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Fotogrametria. Parte 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Fotogrametria. Parte 1 UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Fotogrametria Parte 1 Recife, 2014 Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência,

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro Objetivo As práticas que serão trabalhadas nesta aula têm os objetivos de

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Topografia e Cartografia Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli 1. Introdução a Topografia. 1.1. Definição. Como seria uma cidade se os donos de propriedades

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL

FOTOGRAMETRIA DIGITAL FOTOGRAMETRIA DIGITAL Produtos a Obter na Fotogrametria Digital: - Vôo Fotogramétrico + GPS - Fotografias Aéreas Digitais. - Aerotriangulação Digital. - Modelo Digital do Terreno. - Ortofotografia Digital.

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA O termo Geodésia, em grego Geo = terra, désia = 'divisões' ou 'eu divido', foi usado, pela primeira vez, por Aristóteles (384-322 a.c.), e pode significar tanto

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau Manual Técnico Bragal Oil e Gás Óculos de Segurança com Grau Apresentação: A necessidade do uso de lentes corretivas, por profissionais que trabalham com óculos de segurança, é uma aplicação de 15% da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental IV Lentes Delgadas Objetivo Determinar as distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes.

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES DISCIPLINA: TÉCNICAS DE GEOMENSURA FUNDAMENTOS DE AEROFOTOGRAMETRIA APLICADA À TOPOGRAFIA PROF. LUIZ CARLOS A. DE A. FONTES

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos FOTOGRAMETRIA DIGITAL Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos O que é Fotogrametria? A Fotogrametria é, segundo a American Society for Photogrammetry and Remote

Leia mais

Levantamento topográfico

Levantamento topográfico MA092 - Geometria plana e analítica - Segundo projeto Levantamento topográfico Francisco A. M. Gomes Outubro de 2014 1 Descrição do projeto Nessa atividade, vamos usar a lei dos senos e a lei dos cossenos

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA Resumo Em lides que envolvem a apuração de áreas e divisas de imóveis, as atividades de conferência normalmente

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 FOTOGRAMETRIA O termo fotogrametria deriva das palavras gregas photos, que significa luz, gramma, que significa algo desenhado ou escrito e metron, que significa "medir". Portanto,

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 O constante desenvolvimento de sistemas aerotransportados para captação de imagens finalmente trouxe ao mercado os modernos sensores para captação de imagens

Leia mais

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares;

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares; 1 - ELEMENTOS DE TOPOGRAFIA Definição: É o conjunto de técnicas aplicadas ao terreno, cujo objeto é o estabelecimento das cartas e das plantas. Conforme a etimologia da palavra, topografia é a arte de

Leia mais

A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO

A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO Descrever o processo fotográfico é remeter-se a temas como: câmera, filme, papel fotográfico e processamento de imagens, assuntos tratados e estudados

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Objetivas É uma lente óptica ou conjunto de lentes usada em conjunto com um corpo de câmera e um mecanismo para reproduzir

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Terra Departamento de Geomática Profa. Dra. Regiane Dalazoana LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 a) Cálculo de Volumes

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

REFLEXO DO PONTO, SEGMENTO DE RECTA E FIGURA GEOMÉTRICA NUM ESPELHO VERTICAL

REFLEXO DO PONTO, SEGMENTO DE RECTA E FIGURA GEOMÉTRICA NUM ESPELHO VERTICAL Figura 156. Óleo sobre tela de Almada Negreiros (1893-1970). Retrato do Poeta Fernando Pessoa. Apesar de parecer uma composição na base do quadrado devido à quadrícula do soalho, é na realidade um rectângulo.

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

30 cm, determine o raio da esfera.

30 cm, determine o raio da esfera. 1. (Ufes 015) Enche-se uma fina esfera, feita de vidro transparente, com um líquido, até completar-se exatamente a metade de seu volume. O resto do volume da esfera contém ar (índice de refração n 1).

Leia mais

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação 8 - Transdutores Um transdut or é um equipamento que converte variações de uma determinada grandeza física em outra. Por exemplo, um transdut or de posição converte variações de movimento em um sinal de

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS SIMETRIAS NO PLANO Introdução O conceito de simetria de figuras planas representadas em obras de arquitetura, de arte, de decoração e em numerosos exemplos naturais, intuitivamente

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno Caro aluno, Este material foi produzido objetivando que você aprofunde seus conhecimentos sobre os espelhos planos e os espelhos esféricos côncavos e convexos. Antes de iniciar as atividades desta oficina

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Simetria de Figuras Planas e Espaciais

Simetria de Figuras Planas e Espaciais Simetria de Figuras Planas e Espaciais Introdução A maioria das pessoas acreditam que a simetria está ligada mais a pensamentos sobre Arte e Natureza do que sobre Matemática. De fato, nossas ideias de

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos Recife, 2014 Métodos de Aquisição dos Dados O cuidado

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Nas cartas topográficas o relevo é representado através de curvas de níveis e pontos cotados com altitudes referidas ao nível médio do mar (datum vertical) Ponto Cotado - é a projeção

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS GEOMETRIA DE VIAS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) 1. INTRODUÇÃO: Após traçados o perfil longitudinal e transversal, já

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle 25/11/2012 1 2012 Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle A disciplina de Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle, com 40 horas/aulas, será dividida em 2 (duas) partes, sendo : Metrologia

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 06 - LOCAÇÃO DE OBRAS Introdução: A locação da obra é o processo de transferência da planta baixa do projeto da edificação para o terreno, ou seja, os recuos, os afastamentos, os alicerces, as paredes,

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

Estação Total GeoMax Série Zoom20

Estação Total GeoMax Série Zoom20 Estação Total GeoMax Série Zoom20 GeoMax Sobre nós Na GeoMax, nós fornecemos uma abrangente pasta de soluções integradas através do desenvolvimento, da fabricação e da distribuição de instrumentos e software

Leia mais

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO META Apresentar perfis topográficos, mostrando as principais formas geomorfológicas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar os principais

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO Editar dados em vários formatos e armazenar estas informações em diferentes sistemas é provavelmente uma das atividades mais comuns para os profissionais

Leia mais

Introdução da Topografia

Introdução da Topografia UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Introdução da Topografia Aula 1 Recife, 2014 O QUE É TOPOGRAFIA Grego Português Topo Lugar Grafia Descrição

Leia mais

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados 2aula Janeiro de 2012 TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS Objetivos: Familiarizar o aluno com os algarismos significativos, com as regras de arredondamento e as incertezas

Leia mais

REFLEXÃO EM ESPELHOS CURVOS

REFLEXÃO EM ESPELHOS CURVOS REFLEXÃO EM ESPELHOS CURVOS Fernando Tamariz Luna Universidade Estadual de Santa Cruz- UESC, Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas - DCET, curso de Física, Bacharelado e Licenciatura. 4to Laboratório

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

(in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.)

(in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.) CARTOGRAFIA Sensoriamento Remoto (in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.) Sensoriamento remoto é o conjunto de técnicas de captação e registro de imagens a distância

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações

CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações CAPÍTULO 6 NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO 1.0. Conceitos e aplicações A fotogrametria é a ciência ou a arte da obtenção de medições fidedignas por meio da fotografia. A fotogrametria

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite 1. (Fuvest 2007) A janela de uma casa age como se fosse um espelho e reflete a luz do Sol nela incidente, atingindo, às vezes, a casa vizinha. Para a hora do dia em que a luz do Sol incide na direção indicada

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

elipsoide de revolução

elipsoide de revolução 19.(TRT-8/CESPE/2013) Para a obtenção de mapas, é necessário que haja a projeção da superfície real ou física em formas geométricas, sendo que alguns ajustes prévios são necessários para que se possa fazer

Leia mais

FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Curso: Engenharia Civil. Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA

FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Curso: Engenharia Civil. Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Curso: Engenharia Civil Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA 1. INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA Instrumentos de topografia se referem aos equipamentos necessários

Leia mais

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador A U A UL LA Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle

Leia mais

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-1 Objetivos Conhecer o professor e o curso Importância do ENADE Iniciação Científica Importância da Topografia Conhecer mais sobre a Terra O que é topografia

Leia mais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais 4.1. Confecção de um Relatório 4.1.1. Organização do relatório Um relatório é uma descrição detalhada, clara e objetiva de

Leia mais

Processamento Sísmico:

Processamento Sísmico: Processamento Sísmico: Até aqui vimos que um pulso sísmico artificial atravessa as camadas e parte de sua energia é refletida em cada superfície de contraste de impedância acústica. A fração da amplitude

Leia mais

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente.

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. LENTES Objetivos: Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. Teoria: As lentes são formadas por materiais

Leia mais

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Instituto Geográfico Português Direcção-Geral dos Recursos Florestais Paulo Patrício Inventário Florestal Nacional A Direcção-Geral dos Recursos Florestais

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais