Estrada de Rodagem Terraplanagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrada de Rodagem Terraplanagem"

Transcrição

1 Estrada de Rodagem Terraplanagem Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa (27)

2 O motivo para realizar terraplenagem é que o terreno natural não é adequado ao tráfego de veículos Irregular, não permite velocidade compatível com a de projeto Curvatura não permite visibilidade suficiente Não possui condições de drenagem Não tem resistência à carga de projeto dos veículos Inclinação muito forte o que não permite um bom desempenho ou impossibilita o deslocamento dos veículos no terreno 2

3 Atividades de terraplenagem Escavação para retirada de uma quantidade de solo natural Transporte desta quantidade do local de origem até um local de destino Colocação deste solo retirado da origem no local do destino Compactação deste solo quando se fizer necessário Limpeza do terreno (desmatar, limpar a faixa da estrada) 3

4 Os itens que mais oneram o custo de terraplenagem são: Escavação, medida em m 3 Transporte, medido em m 3 x km Compactação, medida em m 3 de aterro pronto Em terrenos ondulados e montanhosos o custo de terraplenagem é muito significativo Assim, deve-se procurar sempre que possível aproveitar o material escavado em uma seção como aterro em outra seção mais próxima possível 4

5 Esquemático de uma seção de corte e aterro 5

6 Seções de uma rodovia 6

7 A seção transversal é o polígono formado pela plataforma, pelo terreno, e pelos terrenos. A cada estaca tem-se uma seção transversal específica. Esta seção transversal é que definirá os volumes dos cortes e de aterros. As seções podem ser de três tipos: Em corte Em aterro Mistas (possuem cortes e aterros) 7

8 Seções de uma rodovia em corte, aterro e mista. 8

9 Seção transversal em corte 9

10 Cálculo das áreas Pode-se usar dois métodos Fórmula de Gauss Mais usado para seções de corte e aterro A = 1 2 [ ( x y + x y + L x y ) ( y x + y x + L y x ) ] n n 1 10

11 Fórmula de Gauss A = 2 1 [ ( x y + xb y + L x y ) ( y x + y x + L y x ) ] a b c f a a b b c f a 11

12 Cálculo das áreas Divisão da seção em trapézios Calcula-se a área de cada um dos trapézios e soma-se todas as áreas. Também, é útil para seções mistas. 12

13 Cálculo dos volumes Calcula-se o volume entre duas seções transversais consecutivas. Se as duas seções forem de corte, tem-se um volume de corte. Se as duas seções forem de aterro, tem-se um volume de aterro. 13

14 Cálculo dos volumes Calcula-se o volume de forma simplificada como sendo a média das áreas pela distância entre as seções, uma estaca, 20,0 metros. ( A A ) V = s1 + 2 Se as seções forem mistas, calcula-se a média da área de corte vezes a distância de corte mais a média da área de aterro vezes a distância de aterro. V = s 2 d estaca ( A + A ) ( A A ) sc 1 sc 2 sa 1 + d corte sa 2 d aterro 14

15 Cálculo dos volumes Terraplenagem Se o terreno entre as seções subsequentes não for muito irregular, o erro advindo do processo não é considerável e pode ser usado tranquilamente. Se o terreno entre seções é muito irregular, então deve-se pegar distâncias menores que uma estaca para evitar erros maiores Se uma seção for mista e outra não, é só considerar a segunda fórmula e fazer com que a área dois seja dividida com a de aterro ou corte igual a zero, conforme seja a seção. 15

16 Cálculo do volume Os volumes de corte e de aterro podem ser obtidos somando todos os volumes de corte e aterro entre as seções. 16

17 Distribuição do material escavado Como dito, em slide anterior, pelos altos custos de escavação, deve-se sempre que possível aproveitar o material de corte como material de aterro em seção próxima. Ao aproveitamento dos cortes para realização de aterros, dá-se o nome de compensação de volumes. 17

18 Distribuição do material escavado Como dito, em slide anterior, pelos altos custos de escavação, deve-se sempre que possível aproveitar o material de corte como material de aterro em seção próxima. Ao aproveitamento dos cortes para realização de aterros, dá-se o nome de compensação de volumes. 18

19 Distribuição do material escavado Há casos que o material escavado não serve para a construção de aterros. Por exemplo: rochas e solo mole. Outra situação é que o volume de corte é maior que o de aterro. O material descartado deve então ser transportado e depositado em local planejado respeitando inclusive e sobretudo o meio ambiente. Essa operação é chamada de bota fora. 19

20 Distribuição do material escavado Há casos que o material escavado é insuficiente para a construção de aterros. Assim, faz-se necessário realizar novas escavações para poder complementar o volume de aterro. O local de escavação deve ser escolhido pelo lado econômico, técnico e sobretudo o meio ambiente. Essa operação de escavação e transporte da nova área de escavação até o local de aterro é chamada de empréstimo. 20

21 Distribuição do material escavado Existem situações onde o material disponível de corte está a uma distância em que o custo de transporte inviabiliza economicamente o uso dele na área que necessita de aterro. Assim, faz-se um bota fora do corte que está longe e depois um empréstimo de uma região mais próxima. 21

22 Distribuição do material escavado Na situação que ocorre corte e aterro em seções consecutivas, ambos com características similares, deve-se usar o material compensado no próprio local. Com isso, evita-se o transporte, como já dito, que onera demais a obra. 22

23 Distribuição do material escavado A compensação no mesmo segmento é denominada de compensação transversal ou compensação lateral. Para distância média de transporte de até 150,0 m, o equipamento mais adequado é o trator de esteira. 23

24 Distribuição do material escavado Compensação transversal ou compensação lateral. 24

25 Distribuição do material escavado Se na situação anterior houver mais volume de corte do que de aterro no mesmo segmento, deve-se usar o material compensado no próprio local. O volume maior de corte é denominado volume excedente. Este volume pode ser usado para compensação transversal ou na compensação longitudinal. 25

26 Distribuição do material escavado Se na situação anterior houver mais volume de aterro do que de corte no mesmo segmento, deve-se usar todo material do corte no próprio local do aterro. Podendo o restante de volume necessário para o aterro vir de um compensação longitudinal ou de um empréstimo. Assim, este valor é denominado de volume excedente negativo. 26

27 Distribuição do material escavado O volume da compensação transversal é sempre o menor entre o volume de corte e o volume necessário de aterro. O volume excedente é sempre a diferença entre os dois. 27

28 Redução O volume retirado dos cortes quando aplicado nos aterros deve ser compactado a fim de atingir a estabilidade do aterro, bem como, a resistência desejada. Usualmente, a densidade do solo compactado é maior que a densidade do solo natural escavado. Desta forma, a compactação dos aterros leva a uma diminuição do volume do material escavado. 28

29 Redução A redução é a diferença relativa entre o volume de natural do corte e o volume do mesmo material depois de compactado no aterro. O volume final do aterro compactado é denominado de volume reduzido. R = Vn Vr Vn 29

30 Redução A redução pode ser calculada pela fórmula: R = Vn Vr Vn Vn 1 = 1 R Vr Onde: R Vn Vr - Redução - Volume natural - Volume reduzido 30

31 Redução É denominado fator de redução ou coeficiente de redução o fator que indica quanto deve ser multiplicado o volume geométrico de aterro para obter o volume necessário para construir o aterro. O fator de aterro é dado pela fórmula: ft 1 = 1 R O valor do coeficiente de redução é dependente da densidade natural do material do corte e do grau de compactação exigido para o aterro. 31

32 Redução O valor do coeficiente de redução pode ser obtido por meio de ensaio do material em laboratório. Pode-se adotar um valor médio entre 1,05 e 1,20. O fator de redução é também conhecido como fator de empolamento. 32

33 Compensação de volumes 33

34 Pode-se o planejamento do movimento de terra de várias maneiras, como exemplo são apresentadas duas: O volume do corte 1 pode ser movido para o aterro 1, do corte 2 para o aterro 2 e do corte 3 para o aterro 3 e o corte 4 vai para bota fora. O volume do corte 2 pode ser movido para o aterro 1, do corte 3 para o aterro 2 e do corte 4 para o aterro 3 e o corte 1 vai para bota fora. Além destas, várias outras alternativas podem ser estudadas. O custo varia de uma solução para outra dependendo do momento de transporte de cada uma. Momento de transporte vai ser explicado nas aulas mais a frente. 34

35 Uma das representações do diagrama de massas é denominada de diagrama de Bruckner ou linha de Bruckner. Ela representa o volume acumulado de corte e aterro e representa também onde inicia o volume de corte até onde termina, e o mesmo para o aterro. Se a linha de Bruckner for plotada na mesma folha do perfil da rodovia e na mesma escala horizontal, tem-se então o diagrama de massas. No diagrama de massas pode-se observar todos os volumes de corte e aterro o que facilita em muito a analise dos movimentos de terra no projeto. 35

36 Diagrama de massas - Linha de Bruckner Volume de corte é igual a Va Volume de aterro é igual a Vb Volume de corte é igual a zero Volume de corte é igual a Vc 36

37 Características do diagrama de Bruckner Lados ascendentes Representam cortes, pois representam o acúmulo de material Lados descendentes Representam aterros, pois representam retirada de material Pontos de máximo Representa a passagem de uma seção de corte para uma de aterro Pontos de mínimo Representa a passagem de uma seção de aterro para uma de corte 37

38 Características do diagrama de Bruckner Linha de terra Uma linha horizontal que corta o diagrama de Bruckner. Uma linha que corta o diagrama de Bruckner e o toca em dois pontos dá o volume entre esta linha e o digrama. 38

39 Características do diagrama de Bruckner Segmentos de área fechada Qualquer segmento fechado no diagrama (por um lado ascendente e por outro descendente) representa uma compensação entre volumes de corte e aterro. 39

40 Características do diagrama de Bruckner O volume de corte Vc entre as estacas a e b é compensado no aterro entre as estacas b e c. 40

41 Características do diagrama de Bruckner O volume de corte Vc entre c e d é compensado no aterro entre a e b. ATENÇÃO: Vc não é representado pela área do gráfico, mas sim pela diferença de ordenada.!!!!! 41

42 O custo varia de uma solução para outra dependendo do momento de transporte de cada uma. O momento de transporte é dado pela multiplicação do volume escavado pela distância de transporte. O que vai determinar o melhor plano é o que tiver o menor custo. Neste sentido, o diagrama de massas é a ferramenta primordial para a análise das alternativas viáveis e a posterior escolha da solução mais econômica. 42

43 A área fechada representada pelo diagrama de Bruckner representa o momento de transporte da compensação entre dos pontos. Portanto, o momento de transporte representa o volume transportado (Vi, compreendido entre duas linhas horizontais) vezes a distância que representa o estaqueamento no diagrama de Bruckner. 43

44 Cálculo simplificado do Momento de Transporte O cálculo da área como visto no diagrama de Brucker é muito trabalhosa. Pode-se então utilizar um método simplificado. 44

45 Cálculo simplificado do Momento de Transporte Pega-se o ponto médio do segmento que representa o volume Traça-se uma linha que corta o diagrama de Bruckner em dois pontos Do ponto A (corte) desce uma vertical que encontra o perfil num ponto que metade do volume de corte compensado fica antes e a outra metade fica depois. Portanto, o ponto pode ser visto como um centro de massa do corte Do ponto B (aterro) desce uma vertical que encontra o perfil num ponto que metade do volume de aterro compensado fica antes e a outra metade fica depois. Portanto, o ponto pode ser visto como um centro de massa do aterro 45

46 Cálculo simplificado do Momento de Transporte Assim, calcular o momento de transporte, basta pegar a distância entre o ponto A e o ponto B, distância média de transporte de compensação É só multiplicar a distância pelo volume dado pela ordenada. 46

47 O momento de transporte é dado em: (m3. Km) O transporte é cobrado em m3. Km Então o custo de movimentação de terra (retirando escavação e aterro) pode ser calculado. 47

48 Com o perfil dado na tabela abaixo desenhe a linha de Bruckner utilizando o coeficiente de redução de 1,20. 48

49 Primeiro deve-se fazer a tabela abaixo. Vcorte = (32+30)/2 * 20 Vaterro = (0+0)/2 * 20 Vcorte = (12+20)/2 * 20 Vaterro = (10+0)/2 * 20 49

50 Primeiro deve-se fazer a tabela abaixo. Sinal positivo, sobrou aterro, ou vai para bota fora ou compensação de volumes, empréstimo Compensação Lateral (na mesma estaca) Sinal negativo, falta material que tem que ser buscado de outro lugar, empréstimo Terraplenagem 50

51 Desenha-se com a última coluna a linha de Bruckner Corte Terraplenagem Volume de aterro Aterro Mudança de corte para aterro Volume de corte Mudança de aterro para corte 51

52 Distância econômica de transporte É a distância crítica onde o custo da compensação longitudinal é igual ao custo do bota-fora mais o custo do empréstimo. Para distâncias menores que a distância econômica de transporte é mais barato transportar o solo dos cortes para os aterros. Para distâncias maiores que a distância econômica de transporte é mais barato fazer bota fora do solo dos cortes e fazer uma nova escavação para construção dos aterros. 52

53 A distância econômica de transporte é função dos custos de escavação e transporte, bem como, das distâncias médias de transporte para empréstimo e bota fora. Custo compensação longitudinal C. 1 = V. C e + V. d C t Custo para bota fora mais empréstimo C V. d. V C e C t d d d 2 = V. C e + V. d bf. C t + bf emp emp - volume transportado (m3) - custo de escavação (R$/m3) - custo de transporte (R$/m3. Km) - distância média de transporte (km) - distância média para bota-fora (km) - distância média de empréstimo (km) C t 53

54 Se igualar os dois custos tem-se: V. C + V. d. C = V. C + V. d. C + e t e bf t V. d emp. C t d = d = d + d + et bf emp C C e t d et - distância econômica de transporte (m3) 54

55 Imaginando um trecho de uma estrada, sabe-se que o custo de escavação seja R$2,60R$/M3 e o custo de transporte seja R$1,30R$/m3 km. Sabe-se ainda que a distâncias médias de bota-fora é de 0,2km e a de empréstimo é de 0,3km. Com estes dados calcule qual é distância econômica de transporte para esta estrada. d = d + d + et bf emp C C e t d et = 0,2 + 0,3 + 2,6 1,3 d et = 2, 5 km 55

56 Linha de distribuição É uma linha horizontal, continua ou não, que corta todos os trechos ascendentes e todos os trechos descendentes da linha de Bruckner cobrindo toda a extensão do projeto, excetuando os bota-foras e empréstimos. 56

57 Linha de distribuição Bota-fora Bota-fora Bota-fora Bota-fora 57

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS GEOMETRIA DE VIAS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) 1. INTRODUÇÃO: Após traçados o perfil longitudinal e transversal, já

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 15

200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 15 200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 34224244 AULA 15 1. TERRAPLANAGEM Após traçados o perfil longitudinal e transversal, já se

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

MC-06-116/SP-344-0-Q04/901. 1 de 36 15/7/2011

MC-06-116/SP-344-0-Q04/901. 1 de 36 15/7/2011 Código MC-06-116/SP-344-0-Q04/901 Revisão 0 Lote : Rodovia : 06 BR 116 - ROD. RÉGIS BITTENCOURT Trecho : SÃO PAULO - CURITIBA DUPLICAÇÃO DA SERRA DO CAF. - km 344+000 ao km 363+000 Objeto : Quadro de Cálculo

Leia mais

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 TOPOGRAFIA 08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 levantamento pontos planimétricos, altimétricos ou planialtimétricos pontos de apoio (partir destes ) Projeção ΔX = D. sen Az ΔY = D. cos Az TÉCNICAS

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

TERRAPLENAGEM. Caracterização do Serviço de Terraplenagem

TERRAPLENAGEM. Caracterização do Serviço de Terraplenagem TERRAPLENAGEM Caracterização do Serviço de Terraplenagem O serviço de terraplenagem tem como objetivo a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia, tais como açudes, canais

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Um fator importante para a segurança e eficiência

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien, Fabrício e Rogério SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS

Leia mais

Levantamento. Levantamento altimétrico:

Levantamento. Levantamento altimétrico: Levantamento planimétrico trico: projeção plana que não traz informações acerca do relevo do terreno levantado; somente acerca de informações relativas à medições feitas na horizontal. Levantamento altimétrico:

Leia mais

Terraplenagem - cortes

Terraplenagem - cortes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Gráficos no MU e MUV. E alguns exercícios de vestibulares

Gráficos no MU e MUV. E alguns exercícios de vestibulares Gráficos no MU e MUV E alguns exercícios de vestibulares Tipos de movimentos -MU Velocidade positiva Velocidade negativa v = s t Que tipo de informação tiramos s x t V x t v = s t s = v. t MUV -espaço

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Início E. 2345+13,98. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1. 1 a QUESTÃO

Início E. 2345+13,98. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1. 1 a QUESTÃO 1 a QUESTÃO Supondo que você foi designado para desenvolver o projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, que corresponderá a uma o obra rodoviária ligando a região norte do estado, próximo ao

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

NIVELAMENTO GEOMÉTRICO

NIVELAMENTO GEOMÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEODÉSIA TOPOGRAFIA I NIVELAMENTO GEOMÉTRICO PROFESSOR JORGE LUIZ BARBOSA DA SILVA JUNHO/2003 MONITORES: VIVIAN, RODRIGO

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão II 1. Um carro está viajando numa estrada retilínea com velocidade de 72 km/h. Vendo adiante um congestionamento

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO DE RODOVIAS CÁLCULO DE VOLUMES. Curso: 7º Período - Engenharia de Agrimensura e Cartográfica. Prof. Paulo Augusto F.

PROJETO GEOMÉTRICO DE RODOVIAS CÁLCULO DE VOLUMES. Curso: 7º Período - Engenharia de Agrimensura e Cartográfica. Prof. Paulo Augusto F. PROJETO GEOMÉTRICO DE RODOVIAS CÁLCULO DE VOLUMES Curso: 7º Período - Engenharia de Agrimensura e Cartográfica Prof. Paulo Augusto F. Borges 1. Introdução Em um projeto de estradas, uma das principais

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 5 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme

12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme 12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme Vamos agora chegar a uma função que nos vai fornecer a posição de um móvel sobre uma trajetória em qualquer instante dado. Para isto, vamos supor que

Leia mais

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Rotina de operação do aterro Descarga do lixo O caminhão deve depositar o lixo na frente de serviço mediante presença do fiscal, para controle

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA 1 REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA revisão mar06 1 - Introdução A maioria dos sistemas elétricos de potência é em corrente alternada. As instalações em corrente contínua são raras e tem aplicações

Leia mais

Física. Questão 1. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Física. Questão 1. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Física Questão 1 No setor de testes de velocidade de uma fábrica de automóveis, obteve-se o seguinte gráfico para o desempenho de um modelo novo: Com relação

Leia mais

PROJETO DE TERRAPLENAGEM. Estudo da Movimentação de Terras. Diagrama de Massas

PROJETO DE TERRAPLENAGEM. Estudo da Movimentação de Terras. Diagrama de Massas 1 PROJETO DE TERRAPLENAGEM Diagrama de Massas 2 1. Projeto de Terraplenagem: A partir de definição, na fase de projeto, da classificação técnica da estrada, a superfície natural deve ser substituída por

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal Questão nº 1 a) Solução ideal Aceita-se que a armadura longitudinal seja colocada pelo lado de fora das armaduras. Caso o graduando apresente o detalhe das armaduras, a resposta será: Solução para as hipóteses

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 8 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi MÁQUINAS MOTRIZES E OPERATRIZES 1. INTRODUÇÃO: Execução da Terraplanagem: Objetivos das obras de terras - Implantar ou alargar caminhos, disciplinar os

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Geometria Área de Quadriláteros

Geometria Área de Quadriláteros ENEM Geometria Área de Quadriláteros Wallace Alves da Silva DICAS MATEMÁTICAS [Escolha a data] Áreas de quadriláteros Olá Galera, 1 QUADRILÁTEROS Quadrilátero é um polígono com quatro lados. A soma dos

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO META Apresentar perfis topográficos, mostrando as principais formas geomorfológicas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar os principais

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO?

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? Lessandra Marcelly Sousa da Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho lessandramarcelly@gmail.com Resumo: Este trabalho é um relato

Leia mais

Notas de aula. GA033 Levantamentos Topográficos II. Prof. Luís Augusto Koenig Veiga. Setembro 2007

Notas de aula. GA033 Levantamentos Topográficos II. Prof. Luís Augusto Koenig Veiga. Setembro 2007 Notas de aula GA0 Levantamentos Topográficos II Prof. Luís Augusto Koenig Veiga 2007 Setembro 2007 2 Sumário 1 Introdução... 2 Cálculo de volume de prismas e sólidos... 2.1. Volume de Prismas... 2.2. Princípio

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

Instituto Federal do Espírito Santo

Instituto Federal do Espírito Santo Instituto Federal do Espírito Santo Dimensionamento de pinos e haste dos cilindros de uma Pá Carregadeira SÃO MATEUS - ES 08/2013 DONIZETTE GUSMÂO JÚNIOR RAFAEL OLIOSI RYCK BOROTO Dimensionamento de pinos

Leia mais

DER/PR ES-D 14/05 DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM

DER/PR ES-D 14/05 DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41)

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia.

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM Objetivo: a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. Terraplenagem mecanizada: requer grandes investimentos em equipamentos

Leia mais

4. A função horária do espaço de um móvel é S = 10 + 5t (SI). Qual a posição desse móvel no instante t = 2 s? a) 10 m b) 15 m c) 20 m d) 30 m e) 40 m

4. A função horária do espaço de um móvel é S = 10 + 5t (SI). Qual a posição desse móvel no instante t = 2 s? a) 10 m b) 15 m c) 20 m d) 30 m e) 40 m 1. A distância entre duas cidades A e B, de 546 km, é percorrida por um ônibus em 8 h. O primeiro trecho de 120 km é percorrido com velocidade constante de 50 km/h e o segundo trecho de 156km com velocidade

Leia mais

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados 2aula Janeiro de 2012 TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS Objetivos: Familiarizar o aluno com os algarismos significativos, com as regras de arredondamento e as incertezas

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 1 Projeto geométrico Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto O

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL 1 Largura das faixas de rolamento 2 - Larguras dos acostamentos (Bermas) 3 -Conformação e declividades (caimentos) da pista e dos acostamentos 4 - Canteiro central (Mediano) 5 -Taludes 6 -Faixa de domínio

Leia mais

Unidade I: Introdução à CINEMÁTICA

Unidade I: Introdução à CINEMÁTICA Colégio Santa Catarina Unidade I: Introdução à Cinemática 1 O que é a Física? palavra física tem origem grega e significa natureza. ssim física é a ciência que estuda a natureza, daí o nome de ciência

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

Método utiliza blocos de EPS no aterro de viaduto em Jundiaí, interior de São Paulo

Método utiliza blocos de EPS no aterro de viaduto em Jundiaí, interior de São Paulo Método utiliza blocos de EPS no aterro de viaduto em Jundiaí, interior de São Paulo Em substituição ao aterro feito com terra, tecnologia está sendo executada pela Rota das Bandeiras, empresa do grupo

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Construção na orla marítima

Construção na orla marítima Reforço escolar M ate mática Construção na orla marítima Dinâmica 4 9º Ano 2º Bimestre Professor DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática 9º do Ensino Fundamental Algébrico Simbólico Equação do 2º. Grau

Leia mais

Auditoria de Obras Rodoviárias em

Auditoria de Obras Rodoviárias em Curso Escrito: Auditoria de Obras Rodoviárias em Exercícios Comentados TCU 2011 Professor Marcus Campiteli Aula 00 AULA DEMONSTRATIVA AUDITORIA DE OBRAS RODOVIÁRIAS PARA O TCU (Exercícios comentados inclusive

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS 57 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS PROJETO GEOMÉTRICO DE IAS 8 TERRAPLENAGEM 8.1 - INTRODUÇÃO O projeto de uma estrada deve ser escolhido de forma a harmonizar os elementos geométricos da planta e do

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

Fora de Estrada. Você economiza e a natureza agradece RECAPAGENS SUSTENTÁVEIS HOFF

Fora de Estrada. Você economiza e a natureza agradece RECAPAGENS SUSTENTÁVEIS HOFF RECAPAGENS SUSTENTÁVEIS HOFF Fora de Estrada Você economiza e a natureza agradece Reforma de pneus fora de estrada com tecnologia e compostos especiais que prolongam a vida da carcaça, reduzem o custo

Leia mais

CÁLCULO DE VOLUMES E DIAGRAMA DE BRÜCKNER (OU DIAGRAMA DE MASSAS)

CÁLCULO DE VOLUMES E DIAGRAMA DE BRÜCKNER (OU DIAGRAMA DE MASSAS) Capítulo 18 CÁLCULO DE VOLUMES E DIAGRAMA DE BRÜCKNER (OU DIAGRAMA DE MASSAS) 18.1. CÁLCULO DE VOLUMES Para o engenheiro projetista de estradas, uma das principais metas durante a elaboração de um projeto

Leia mais

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 200784 Topografia I PLANO DE ENSINO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE ENSINO: 1. TOPOGRAFIA: Definições, Objetivos e Divisões.

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM Unidades de tração ou tratores Representa a máquina matriz da terraplenagem. Trator: Unidade autônoma. Executa a tração ou empurra outros equipamentos para o aumento da tração

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades dos móveis variam com o decurso do tempo, introduz-se o conceito de uma grandeza

Leia mais

Capítulo IV. Dispositivos de proteção Parte II. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Abril de 2010. Relé direcional de potência

Capítulo IV. Dispositivos de proteção Parte II. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Abril de 2010. Relé direcional de potência 26 Capítulo IV Dispositivos de proteção Parte II Por Cláudio Mardegan* Relé direcional de potência Quando instalado na interconexão com Em concepção, os relés direcionais de potência são relés que operam

Leia mais

Figura 17.1 Exemplo de locação.

Figura 17.1 Exemplo de locação. 196 17 Locação 17.1 - INTRODUÇÃO Uma das atividades vinculadas à Topografia é a locação de pontos no terreno. Para a construção de uma obra, por exemplo, inicialmente é necessário realizar-se o levantamento

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIO DE CINEMÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIO DE CINEMÁTICA CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR PET LETRAS FÍSICA 1 MECÂNICA PROFº EVERSON VARGAS LISTA DE EXERCÍCIO DE CINEMÁTICA 01. Uma pessoa repousa num sofá em seu lar. É correto afirmar que: a) esta pessoa está em movimento

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 5 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

22-05-2015. Sumário. Energia em movimentos. A Energia de Sistemas em Mov. de Translação 20/05/2015

22-05-2015. Sumário. Energia em movimentos. A Energia de Sistemas em Mov. de Translação 20/05/2015 Sumário Unidade temática 2 A energia de sistemas em movimento de translação. - Teorema da energia cinética. A força com que a Terra atrai os corpos realiza trabalho. - Trabalho realizado pelo peso dum

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

CORTE E ATERRO DA VIA PROJETADA P/ IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ALVORADA

CORTE E ATERRO DA VIA PROJETADA P/ IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ALVORADA CORTE E ATERRO DA VIA PROJETADA P/ IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ALVORADA MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM PROJETO PLANIALTIMETRICO TERRENO NATURAL E PROJETADO E PROJETO SEÇÃO LONGITUDINAL DA

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: O diagrama de massas (ou de Brückner), facilita sobremaneira a análise da distribuição dos materiais escavados. Essa distribuição corresponde a

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados em obras civis. Com relação a esse aglomerante, julgue os itens a seguir. 61 No recebimento em uma obra, os sacos devem

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano

Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano Wan Yu Chih Wplex Software Florianópolis SC http://www.wplex.com.br Objetivo O objetivo deste documento é fornecer informações sobre

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos Recife, 2014 Métodos de Aquisição dos Dados O cuidado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM Rua da Alegria, Bairro Estância Velha PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS RS CONTRATO 178/2011 TOMADA DE PREÇOS 018/2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

LISTA EXTRA MRU e MRUV - 2ª SÉRIE

LISTA EXTRA MRU e MRUV - 2ª SÉRIE LISTA EXTRA MRU e MRUV - ª SÉRIE 1. (Unicamp 014) Correr uma maratona requer preparo físico e determinação. A uma pessoa comum se recomenda, para o treino de um dia, repetir 8 vezes a seguinte sequência:

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento 1 EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA Professores: Rubens Angulo Filho

Leia mais